SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRUTURA 
GEOLÓGICA E RELEVO 
PRO.ª: DAIANA DANTAS 
SETEMBRO DE 2013
LITOSFERA 
• Crosta terrestre ou 
litosfera corresponde 
a camada mais 
superficial do 
planeta. 
• Estima-se que, da 
superfície terrestre 
para o centro, a 
profundidade seja de 
6370 Km. Fonte: Faculdade de Geologia da Universidade 
do Estado do Rio De Janeiro. Disponível em: 
http://www.fgel.uerj.br. Acesso: 2 jun.2009.
É POSSÍVEL CONHECER AS 
CARACTÉRISTICAS GEOLÓGICA DA 
TERRA? 
Sismógrafo 
A partir de perfurações, os 
pesquisadores têm acesso direto 
somente aos primeiros 
quilômetros da crosta. Assim é 
possível saber a estrutura 
geológica da terra a partir de um 
aparelho o sismógrafo.
ONDAS SÍSMICAS 
• HIPOCENTRO: 
Permite determinar a 
posição exata do centro 
das ondas. 
• EPICENTRO: 
Ponto correspondente a 
superfície.
ESCALA RICHTER 
MAGNITUDE RESULTADO DO EPICENTRO OCORRÊNCIA NO ANO 
1.0 – 1.9 Destacável apenas por sismógrafo Muitos 
2.0 – 2.9 Sentido por algumas pessoas 800000 
3.0 – 3.9 Sentido pela a maioria das pessoas 20000 
4.0 – 4.9 Vidros partidos 2800 
5.0 – 5.9 Queda de mobiliário 1000 
6.0 – 6.9 Fendas no chão, queda de edifícios 185 
7.0 – 7.9 Queda de pontes e barragens 14 
8.0 – 9.0 Desastre em larga escala 0.2 
Fonte: Departamento de Educação da Faculdade 
de Ciência da Universidade de Lisboa. Disponível 
em: http://www.educ.fcl.pt Acesso em:2 
fev.2009.
DESASTRESOCORRIDOS POR 
TERREMOTOS 
Terremoto no Haiti teve 
magnitude de 7.0 
Terremoto submarino ocorrido no sul da Ásia, 230 
000 pessoas em quatorze países de magnitude 
9.3. atingindo a costa com ondas de 30 metros de 
altura.
TEORIAS SOBRE A ORIGEM DA 
TERRA 
• Pesquisas mostram que a formação da Terra ocorreu há cerca de 4,5 
bilhões de anos. Estudos Ligados a astronomia presumem que todos os 
corpos do sistema solar também se formaram no mesmo período. 
• A idade da Terra foi estabelecida pela primeira vez, em 1956, pelo 
cientista Clair Petterson, que trabalhou com isótopos de chumbo (Pb). 
Esse e outros métodos de datação, como o que se baseia na meia-vida 
do carbono 14, são profundos na disciplina de Química. 
• Estima-se que o Universo tenha aproximadamente 13,7 bilhões de anos. 
Para chegar a esse valor cientistas estudaram por quase 80 anos. 
• O Astrônomo Edwin Hubble percebeu que as galáxias estavam se 
afastando umas das outras, assim descobriu que quanto maior a 
distância entre elas , maior a velocidade de deslocamento. Levando a 
concluir que o universo está em expansão. Hubble deu inicio a teoria 
denominada Big-Bang.
AS CAMADAS DA TERRA 
• A Terra não é um todo 
homogêneo, mas 
formado de camadas 
que se diferenciam de 
acordo com a 
espessura, a 
temperatura, a 
densidade e os 
matérias que o 
compõe o nosso 
planeta. As camadas 
são: crosta, manto e 
núcleo.
AS CAMADAS DA TERRA 
• CROSTA é a camada mais 
superficial da terra, 
composta de materias 
que foram resfriados e 
solidificados. Chega 
atingir 70 km de 
espessura nos 
continentes, sendo 
dividida em crosta 
continental e oceânica. 
• Crosta continental: 
menos densa e 
geologicamente mais 
antiga e de constituição 
complexa, normalmente 
apresenta uma camada 
superior formada de 
rochas graníticas e uma 
inferior, de basalto. 
• Crosta oceânica: 
comparada com a 
continental é mais densa 
e mais recente, sendo 
formada de uma camada 
homogênea de basalto.
AS CAMADAS DA TERRA 
• Manto: é a camada 
situada logo abaixo da 
crosta e divide-se em 
manto superior e manto 
inferior. Apresenta 
pequenas mudanças na 
composição química das 
rochas em relação à 
crosta, é a porção mais 
volumosa das três 
camadas. 
• Núcleo: corresponde 
aproximadamente a um 
terço da massa na terra e 
contém elementos 
metálicos como ferro e 
níquel, fato que torna 
essa camada conhecida 
como nife. Apesar de 
estar situado a grande 
distância da superfície 
terrestre, o núcleo não 
escapa das investigações 
sismológicas.
TEORIA DA DERIVA DOS 
CONTINENTES 
A partir da produção dos primeiros mapas, os estudiosos 
notaram que as costas dos continentes, em particular África e da 
América do Sul, encaixavam-se perfeitamente, como um quebra 
cabeças. 
Com base em pesquisas anteriores, Alfred Weneger publicou, 
em 1912, o seu primeiro trabalho sobre a ideia de deriva dos 
continentes, nesse momento o Weneger defendia a tese de que 
os diversos continentes de hoje constituíam um bloco único. 
O britânico Artur Holmes defendeu a ideia de que a enorme 
quantidade de calor existente no interior da Terra seria 
suficiente para criar correntes de conversão térmica no manto 
que poderiam provocar rupturas, separação e deslocamento 
laterais dos continentes, validando a tese de Weneger.
Fonte: IBGE. Atlas 
geográfico. 4.ed. Rio 
de Janeiro: IBGE,2007.
TEORIA DA DERIVA DOS 
CONTINENTES
A TECTÔNICA DE PLACAS 
• Outra teoria surgiu na década de 1960, mais aceita pelos 
cientistas, de que a crosta terrestre é formada por um 
conjunto de placas tectônicas que deslizam, por causa das 
correntes de convecção no interior da terra. Foi essa a 
movimentação das placas que permitiu a formação dos 
continentes a partir da Pangeia. Atualmente, a crosta terrestre 
é constituída de cerca de 12 placas tectônicas. Que ficam 
literalmente “boiando” por cima do magma. 
• As zonas de contato entre as placas constituem áreas de 
instabilidade, que permitem o escape de magma, originando 
vulcões e os abalos sísmicos.
PRINCIPAIS TIPOS DE LIMITES ENTRE PLACAS 
TECTÔNICAS
ROCHAS QUE COMPÕEM A 
CROSTA 
ROCHAS MAGMÁTIACAS OU 
IGNAS 
São formadas pelo processo de 
resfriamento e consolidação do 
magma. 
Granito 
Basalto
ROCHAS QUE COMPÕEM A 
CROSTA 
ROCHAS SEDIMENTARES 
Essas rochas se formam do 
processo de intemperismo físico 
ou químico por qual passam 
outras rochas. 
Arenito 
Calcário
ROCHAS QUE COMPÕEM A 
CROSTA 
ROCHAS 
METAMÓRFICAS 
Essas rochas resultam da 
transformação de uma 
rocha já existente. Esse 
processo geológico 
ocorre por causa das 
novas condições de 
temperatura, pressão ou 
atrito ás quais as rochas 
passam a ser 
submetidas. 
Mármore 
Gnaisse
PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS 
ESCUDOS CRISTALINOS OU 
MACIÇOS ANTIGOS 
• Constituem imensos 
blocos de rochas antigas 
com idade que varia de 
900 milhões a 4, 5 
bilhões de anos. 
Constituídos de rochas 
cristalinas, formadas na 
Era Pré-cambriana, ou de 
rochas metamórficas que 
se formaram a partir de 
rochas sedimentares 
BACIAS SEDIMENTARES 
• Constituem grandes áreas que, 
por serem mais baixas que as 
de seu entorno, foram 
preenchidas por detritos ou 
sedimentos das áreas 
próximas. 
DOBRAMENTOS MODERNOS 
São estruturas Formadas Por 
Rochas magmáticas e 
sedimentares pouco resistentes.
MINERAÇÃO 
METÁLICOS 
FERRRO; 
MANGANÊS; 
BAUXITA; 
OURO; 
PRATA; 
ENTRE OUTROS. 
NÃO METÁLICOS 
CARVÃO; 
QUARTZO; 
RUBI; 
ENTRE OUTROS
RELEVO: 
AGENTES INTERNOS E EXTERNOS DO 
RELEVO 
AGENTES INTERNOS. 
• VULCANISMO; 
• TECTONISMO; 
• TERREMOTOS. 
AGENTES EXTERNOS 
• EROSÃO; 
• TRANSPORTE; 
• DEPOSIÇÃO;
RELEVO: 
AGENTES INTERNOS E EXTERNOS DO 
RELEVO 
RESPONSÁVEIS POR MODIFICAÇÃO 
EXTERNA DO RELEVO 
• Água; 
• Vento; 
• Gelo; 
• Os seres vivos. 
DESGASTE DA ROCHA 
O desgaste é causado por 
condições climáticas que 
podem modificar o seu 
aspecto físico ou sua 
composição mineralógica. 
Esse processo é conhecido 
por intemperismo ou 
meteorização.
PRINCIPAIS FORMAS DO 
RELEVO 
MONTANHAS 
São formas de relevo 
acidentadas, com vales 
profundos, encostas 
abruptas e picos elevados. 
Apresentam as altitudes 
mais elevadas do planeta, 
atingindo muitas vezes, 
milhares de metros. 
PLANALTOS 
São formas de relevo 
constituídas de um conjunto de 
terras altas, onde predominam 
ondulações amplas, sujeitos à 
erosão.
PRINCIPAIS FORMAS DO RELEVO 
PLANÍCIES 
São formas de relevo mais ou 
menos planas que não 
apresentam grandes 
desnivelamento. Formadas pela 
decomposição de grandes 
quantidades de sedimentos 
recentes. 
DEPRESSÕES 
São formas de relevo rebaixadas 
em relação ás formas vizinhas. 
Sendo elas: 
• Absolutas: quando estão 
situadas abaixo do nível do 
mar. 
• Relativas: quando estão 
situadas acima do nível do 
mar, mas abaixo das áreas 
vizinhas.
RELEVO SUBMARINO 
DAS FORMAS DE RELEVO 
SUBMARINO QUE SE DESTACAM: 
• Plataforma continental; 
• Talude continental; 
• Planície abissal; 
• Cordilheira oceânica, 
mesoatlântica ou dorsal 
atlântico; 
• Fossas oceânicas.
REFERÊNCIAS 
• Disponível em: 
http://www.cprm.gov.br/gis/energ_energeticos.htm Acesso 
em 01 de set. 2013. 
• Disponível em: http://www.igc.usp.br/geologia Acesso em 01 
de set. 2013. 
• Disponível em: http://www.dnpm-pe.gov.br/geologia Acesso 
em 01 de set. 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
Italo Alan
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Carolina Corrêa
 
Litosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua DinâmicasLitosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua Dinâmicas
Isabelegeografia
 
Geologia E Geomorfologia
Geologia E GeomorfologiaGeologia E Geomorfologia
Geologia E Geomorfologia
guestd20fb9
 

Mais procurados (20)

Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
 
Eras geologicas placas_tectonicas
Eras geologicas placas_tectonicasEras geologicas placas_tectonicas
Eras geologicas placas_tectonicas
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
A Estrutura da terra
A Estrutura da terra A Estrutura da terra
A Estrutura da terra
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestreDinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Dinâmica da crosta terrestre
Dinâmica da  crosta terrestreDinâmica da  crosta terrestre
Dinâmica da crosta terrestre
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
 
Crosta terrestre
Crosta terrestreCrosta terrestre
Crosta terrestre
 
Dinâmicas Internas do Planeta Terra
Dinâmicas Internas do Planeta TerraDinâmicas Internas do Planeta Terra
Dinâmicas Internas do Planeta Terra
 
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phnGeologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
Geologia, geomorfologia e estrutura do relevo mundial e brasileiro phn
 
Dinâmica da litosfera
Dinâmica da litosferaDinâmica da litosfera
Dinâmica da litosfera
 
Litosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua DinâmicasLitosfera e sua Dinâmicas
Litosfera e sua Dinâmicas
 
Trabalho sobre relevo - Rafaelle
Trabalho sobre relevo - RafaelleTrabalho sobre relevo - Rafaelle
Trabalho sobre relevo - Rafaelle
 
Relevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologicaRelevo estrutura geologica
Relevo estrutura geologica
 
Formas de relevo
Formas de relevoFormas de relevo
Formas de relevo
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológico
 
Geologia E Geomorfologia
Geologia E GeomorfologiaGeologia E Geomorfologia
Geologia E Geomorfologia
 

Destaque

Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
aroudus
 
Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)
Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)
Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)
Alexandre Alves
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
Professor
 
Presentacion sladeshere 2
Presentacion sladeshere 2Presentacion sladeshere 2
Presentacion sladeshere 2
leninmolinaujn
 
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Emerson Ricardo
 
Geomorfologia geral e do brasil
Geomorfologia geral e do brasilGeomorfologia geral e do brasil
Geomorfologia geral e do brasil
Italo Alan
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Estrutura interna da terra e dinâmica das placas
Estrutura interna da terra e dinâmica das placasEstrutura interna da terra e dinâmica das placas
Estrutura interna da terra e dinâmica das placas
João José Ferreira Tojal
 
Estrutura Forma Relevo
Estrutura Forma RelevoEstrutura Forma Relevo
Estrutura Forma Relevo
antoniogeo
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
dela28
 
Estrutura Geológica do Brasil
Estrutura Geológica do BrasilEstrutura Geológica do Brasil
Estrutura Geológica do Brasil
Marco Santos
 
Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
maria brito
 

Destaque (20)

Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)
Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)
Cap1 7ºano (1ºbi – 1ºts)
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
GEOLOGIA DE GEOMORFOLOGIA
GEOLOGIA DE GEOMORFOLOGIAGEOLOGIA DE GEOMORFOLOGIA
GEOLOGIA DE GEOMORFOLOGIA
 
Presentacion sladeshere 2
Presentacion sladeshere 2Presentacion sladeshere 2
Presentacion sladeshere 2
 
Udii 1 estrut dinam_terra
Udii 1 estrut dinam_terraUdii 1 estrut dinam_terra
Udii 1 estrut dinam_terra
 
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
Estruturasgeolgicas formasdorelevoplancieplanaltoedepresso-120604155217-phpapp02
 
Geomorfologia geral e do brasil
Geomorfologia geral e do brasilGeomorfologia geral e do brasil
Geomorfologia geral e do brasil
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Aula 01 Relevo 1º Ano Matisse
Aula 01  Relevo 1º Ano MatisseAula 01  Relevo 1º Ano Matisse
Aula 01 Relevo 1º Ano Matisse
 
A dinâmica da terra a formação do relevo e suas formas
A dinâmica da terra   a formação do relevo e suas formasA dinâmica da terra   a formação do relevo e suas formas
A dinâmica da terra a formação do relevo e suas formas
 
Estrutura interna da terra e dinâmica das placas
Estrutura interna da terra e dinâmica das placasEstrutura interna da terra e dinâmica das placas
Estrutura interna da terra e dinâmica das placas
 
Estrutura Forma Relevo
Estrutura Forma RelevoEstrutura Forma Relevo
Estrutura Forma Relevo
 
Estrutura Geologica
Estrutura GeologicaEstrutura Geologica
Estrutura Geologica
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
 
As paisagens e o relevo
As paisagens e o relevoAs paisagens e o relevo
As paisagens e o relevo
 
Estrutura Geológica do Brasil
Estrutura Geológica do BrasilEstrutura Geológica do Brasil
Estrutura Geológica do Brasil
 
TERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura GeologicaTERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura Geologica
 
Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
 

Semelhante a Estrutura geológica e relevo

Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terraIfes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Kéliton Ferreira
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
Geologia 2011
Geologia 2011Geologia 2011
Geologia 2011
UFES
 
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) lAula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
Homero Alves de Lima
 
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
luiz moraais
 
Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]
Marcelo Lois
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientais
geografiafelipe
 

Semelhante a Estrutura geológica e relevo (20)

Estrutura geológica da terra
Estrutura geológica da terraEstrutura geológica da terra
Estrutura geológica da terra
 
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terraIfes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta TerraAula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
Aula 04 - Geologia estrutural, planeta Terra
 
Resumo 3º módulo
Resumo 3º móduloResumo 3º módulo
Resumo 3º módulo
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Geologia 2011
Geologia 2011Geologia 2011
Geologia 2011
 
Terra e universo.pptx
Terra e universo.pptxTerra e universo.pptx
Terra e universo.pptx
 
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) lAula 01 curso de mineração (geologia) l
Aula 01 curso de mineração (geologia) l
 
Formação da Terra e o Tectonismo
Formação da Terra e o TectonismoFormação da Terra e o Tectonismo
Formação da Terra e o Tectonismo
 
geografia origem do mundo
geografia origem do mundogeografia origem do mundo
geografia origem do mundo
 
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptxaformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
aformaodaterra-110321121503-phpapp01.pptx
 
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
Aformaodaterra 110321121503-phpapp01
 
A Formação da Terra
A Formação da TerraA Formação da Terra
A Formação da Terra
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]
 
Terra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançaTerra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudança
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientais
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 

Estrutura geológica e relevo

  • 1. ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO PRO.ª: DAIANA DANTAS SETEMBRO DE 2013
  • 2. LITOSFERA • Crosta terrestre ou litosfera corresponde a camada mais superficial do planeta. • Estima-se que, da superfície terrestre para o centro, a profundidade seja de 6370 Km. Fonte: Faculdade de Geologia da Universidade do Estado do Rio De Janeiro. Disponível em: http://www.fgel.uerj.br. Acesso: 2 jun.2009.
  • 3. É POSSÍVEL CONHECER AS CARACTÉRISTICAS GEOLÓGICA DA TERRA? Sismógrafo A partir de perfurações, os pesquisadores têm acesso direto somente aos primeiros quilômetros da crosta. Assim é possível saber a estrutura geológica da terra a partir de um aparelho o sismógrafo.
  • 4. ONDAS SÍSMICAS • HIPOCENTRO: Permite determinar a posição exata do centro das ondas. • EPICENTRO: Ponto correspondente a superfície.
  • 5. ESCALA RICHTER MAGNITUDE RESULTADO DO EPICENTRO OCORRÊNCIA NO ANO 1.0 – 1.9 Destacável apenas por sismógrafo Muitos 2.0 – 2.9 Sentido por algumas pessoas 800000 3.0 – 3.9 Sentido pela a maioria das pessoas 20000 4.0 – 4.9 Vidros partidos 2800 5.0 – 5.9 Queda de mobiliário 1000 6.0 – 6.9 Fendas no chão, queda de edifícios 185 7.0 – 7.9 Queda de pontes e barragens 14 8.0 – 9.0 Desastre em larga escala 0.2 Fonte: Departamento de Educação da Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa. Disponível em: http://www.educ.fcl.pt Acesso em:2 fev.2009.
  • 6. DESASTRESOCORRIDOS POR TERREMOTOS Terremoto no Haiti teve magnitude de 7.0 Terremoto submarino ocorrido no sul da Ásia, 230 000 pessoas em quatorze países de magnitude 9.3. atingindo a costa com ondas de 30 metros de altura.
  • 7. TEORIAS SOBRE A ORIGEM DA TERRA • Pesquisas mostram que a formação da Terra ocorreu há cerca de 4,5 bilhões de anos. Estudos Ligados a astronomia presumem que todos os corpos do sistema solar também se formaram no mesmo período. • A idade da Terra foi estabelecida pela primeira vez, em 1956, pelo cientista Clair Petterson, que trabalhou com isótopos de chumbo (Pb). Esse e outros métodos de datação, como o que se baseia na meia-vida do carbono 14, são profundos na disciplina de Química. • Estima-se que o Universo tenha aproximadamente 13,7 bilhões de anos. Para chegar a esse valor cientistas estudaram por quase 80 anos. • O Astrônomo Edwin Hubble percebeu que as galáxias estavam se afastando umas das outras, assim descobriu que quanto maior a distância entre elas , maior a velocidade de deslocamento. Levando a concluir que o universo está em expansão. Hubble deu inicio a teoria denominada Big-Bang.
  • 8.
  • 9. AS CAMADAS DA TERRA • A Terra não é um todo homogêneo, mas formado de camadas que se diferenciam de acordo com a espessura, a temperatura, a densidade e os matérias que o compõe o nosso planeta. As camadas são: crosta, manto e núcleo.
  • 10. AS CAMADAS DA TERRA • CROSTA é a camada mais superficial da terra, composta de materias que foram resfriados e solidificados. Chega atingir 70 km de espessura nos continentes, sendo dividida em crosta continental e oceânica. • Crosta continental: menos densa e geologicamente mais antiga e de constituição complexa, normalmente apresenta uma camada superior formada de rochas graníticas e uma inferior, de basalto. • Crosta oceânica: comparada com a continental é mais densa e mais recente, sendo formada de uma camada homogênea de basalto.
  • 11. AS CAMADAS DA TERRA • Manto: é a camada situada logo abaixo da crosta e divide-se em manto superior e manto inferior. Apresenta pequenas mudanças na composição química das rochas em relação à crosta, é a porção mais volumosa das três camadas. • Núcleo: corresponde aproximadamente a um terço da massa na terra e contém elementos metálicos como ferro e níquel, fato que torna essa camada conhecida como nife. Apesar de estar situado a grande distância da superfície terrestre, o núcleo não escapa das investigações sismológicas.
  • 12. TEORIA DA DERIVA DOS CONTINENTES A partir da produção dos primeiros mapas, os estudiosos notaram que as costas dos continentes, em particular África e da América do Sul, encaixavam-se perfeitamente, como um quebra cabeças. Com base em pesquisas anteriores, Alfred Weneger publicou, em 1912, o seu primeiro trabalho sobre a ideia de deriva dos continentes, nesse momento o Weneger defendia a tese de que os diversos continentes de hoje constituíam um bloco único. O britânico Artur Holmes defendeu a ideia de que a enorme quantidade de calor existente no interior da Terra seria suficiente para criar correntes de conversão térmica no manto que poderiam provocar rupturas, separação e deslocamento laterais dos continentes, validando a tese de Weneger.
  • 13. Fonte: IBGE. Atlas geográfico. 4.ed. Rio de Janeiro: IBGE,2007.
  • 14. TEORIA DA DERIVA DOS CONTINENTES
  • 15. A TECTÔNICA DE PLACAS • Outra teoria surgiu na década de 1960, mais aceita pelos cientistas, de que a crosta terrestre é formada por um conjunto de placas tectônicas que deslizam, por causa das correntes de convecção no interior da terra. Foi essa a movimentação das placas que permitiu a formação dos continentes a partir da Pangeia. Atualmente, a crosta terrestre é constituída de cerca de 12 placas tectônicas. Que ficam literalmente “boiando” por cima do magma. • As zonas de contato entre as placas constituem áreas de instabilidade, que permitem o escape de magma, originando vulcões e os abalos sísmicos.
  • 16.
  • 17. PRINCIPAIS TIPOS DE LIMITES ENTRE PLACAS TECTÔNICAS
  • 18. ROCHAS QUE COMPÕEM A CROSTA ROCHAS MAGMÁTIACAS OU IGNAS São formadas pelo processo de resfriamento e consolidação do magma. Granito Basalto
  • 19. ROCHAS QUE COMPÕEM A CROSTA ROCHAS SEDIMENTARES Essas rochas se formam do processo de intemperismo físico ou químico por qual passam outras rochas. Arenito Calcário
  • 20. ROCHAS QUE COMPÕEM A CROSTA ROCHAS METAMÓRFICAS Essas rochas resultam da transformação de uma rocha já existente. Esse processo geológico ocorre por causa das novas condições de temperatura, pressão ou atrito ás quais as rochas passam a ser submetidas. Mármore Gnaisse
  • 21. PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS ESCUDOS CRISTALINOS OU MACIÇOS ANTIGOS • Constituem imensos blocos de rochas antigas com idade que varia de 900 milhões a 4, 5 bilhões de anos. Constituídos de rochas cristalinas, formadas na Era Pré-cambriana, ou de rochas metamórficas que se formaram a partir de rochas sedimentares BACIAS SEDIMENTARES • Constituem grandes áreas que, por serem mais baixas que as de seu entorno, foram preenchidas por detritos ou sedimentos das áreas próximas. DOBRAMENTOS MODERNOS São estruturas Formadas Por Rochas magmáticas e sedimentares pouco resistentes.
  • 22. MINERAÇÃO METÁLICOS FERRRO; MANGANÊS; BAUXITA; OURO; PRATA; ENTRE OUTROS. NÃO METÁLICOS CARVÃO; QUARTZO; RUBI; ENTRE OUTROS
  • 23. RELEVO: AGENTES INTERNOS E EXTERNOS DO RELEVO AGENTES INTERNOS. • VULCANISMO; • TECTONISMO; • TERREMOTOS. AGENTES EXTERNOS • EROSÃO; • TRANSPORTE; • DEPOSIÇÃO;
  • 24. RELEVO: AGENTES INTERNOS E EXTERNOS DO RELEVO RESPONSÁVEIS POR MODIFICAÇÃO EXTERNA DO RELEVO • Água; • Vento; • Gelo; • Os seres vivos. DESGASTE DA ROCHA O desgaste é causado por condições climáticas que podem modificar o seu aspecto físico ou sua composição mineralógica. Esse processo é conhecido por intemperismo ou meteorização.
  • 25. PRINCIPAIS FORMAS DO RELEVO MONTANHAS São formas de relevo acidentadas, com vales profundos, encostas abruptas e picos elevados. Apresentam as altitudes mais elevadas do planeta, atingindo muitas vezes, milhares de metros. PLANALTOS São formas de relevo constituídas de um conjunto de terras altas, onde predominam ondulações amplas, sujeitos à erosão.
  • 26. PRINCIPAIS FORMAS DO RELEVO PLANÍCIES São formas de relevo mais ou menos planas que não apresentam grandes desnivelamento. Formadas pela decomposição de grandes quantidades de sedimentos recentes. DEPRESSÕES São formas de relevo rebaixadas em relação ás formas vizinhas. Sendo elas: • Absolutas: quando estão situadas abaixo do nível do mar. • Relativas: quando estão situadas acima do nível do mar, mas abaixo das áreas vizinhas.
  • 27. RELEVO SUBMARINO DAS FORMAS DE RELEVO SUBMARINO QUE SE DESTACAM: • Plataforma continental; • Talude continental; • Planície abissal; • Cordilheira oceânica, mesoatlântica ou dorsal atlântico; • Fossas oceânicas.
  • 28. REFERÊNCIAS • Disponível em: http://www.cprm.gov.br/gis/energ_energeticos.htm Acesso em 01 de set. 2013. • Disponível em: http://www.igc.usp.br/geologia Acesso em 01 de set. 2013. • Disponível em: http://www.dnpm-pe.gov.br/geologia Acesso em 01 de set. 2013.