SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 25
O Mundo Contemporâneo.
Esta aula vai abordar os principais assuntos do mundo atual (século XX e XXI): Revolução
Mexicana, Revolução Cubana, as ditaduras no Chile e Argentina; os conflitos no Oriente Médio
e o Leste Europeu após o desmantelamento do Império Soviético.
A Revolução Mexicana.
O México proclamou sua independência em 1810 e sua evolução política, ao longo do
século XIX, foi marcada por instabilidades políticas e por tentativas fracassadas de efetuar
uma reforma agrária.
A Revolução que eclodiu em 1910 procurou resolver o problema fundiário, bem como outros
problemas sócios-econômicos. De certa forma, os ideais revolucionários de 1910 permanecem
formalmente até hoje.
A Revolução Mexicana apresentou um caráter social, trouxe importantes conquistas para
os camponeses, muito embora ela não tenha realizado seus grandes objetivos.
Além das grandes concentrações de terras e da exstremas miséria camponesa, conta-se;
entre as causas da revolução, a enorme interferência dos Estados Unidos na vida do país e o
processo de modernização ocorrido durante o governo ditatorial de Porfírio Díaz.
A evolução política mexicana
O primeiro período importante é aquele que se estende de 1820 a 1855, marcado por
lutas internas pelo controle do poder político. De um lado os conservadores, defensores de
uma centralização político-administrativa e que contavam com o apoio da Igreja Católica e dos
grandes proprietários; de outro lado, os liberais, adeptos do federalismo e combatiam a
concentração fundiária.
Na década de 1830 o chefe político era o conservador general Santa Anna que efetivou a
centralização política e combateu os Estados Unidos na guerra do Texas (1848). A derrota no
combate representou a perda de quase 50% do território mexicano (Califórnia, Novo México,
Arizona, Texas, Utah, Nevada e parte do Colorado).
Em 1854 houve a chamada Revolução Liberal, que derrubou Santa Anna, e inaugurou o
segundo período. O novo líder político será Benito Juárez, que executou o denominado Plano
Ayutla – responsável pela implantação das chamadas Reformas, a saber: estabelecer o
princípio do federalismo; consolidar os direitos civis; lutar contra a influência estrangeira;
reduzir a influência da Igreja e redividir as grandes propriedades.
A resistência dos conservadores e do capital estrangeiro gerou um guerra civil ( A Guerra
das Reformas), onde os conservadores receberam apoio internacional (Estados Unidos e
França).
A terceira etapa da evolução política do México começa com o final da guerra civil – o
general Porfírio Díaz toma o poder em 1875, e lá permanece, até a Revolução de 1910.
Os 34 anos de ditadura (Porfiriato) foi marcado pelo processo de modernização e apresentou
as seguinte realizações: ampliação da rede ferroviária; estímulo econômico às exportações,
com o desenvolvimento da agricultura e expansão das grandes propriedades; estimulo ao
desenvolvimento industrial, com a adoção da política de substituição de importações e grande
abertura do país ai capital estrangeiro, principalmente, norte-americano.
O Porfiriato contribuiu para o crescimento dos latifúndios, para a ampliação da miséria das
camadas populares, na redução das populações indígenas e no processo de concentração de
rendas. Somada à corrupção política, interferência dos EUA e imensa repressão aos
movimentos sociais, no ano de 1910 eclode a Revolução Mexicana.
A Revolução Mexicana
Luta contra a ditadura de Porfírio Diáz, apresentando como líderes: Francisco Madero, grande
proprietário de terras; Pancho Villa, líder popular e Emiliano Zapata, líder das forças do sul.
As fases da revolução mexicana foram:
1910/1917 – queda de Porfírio Diáz e eleição de Francisco Madero para presidente. Adotou um
modelo político liberal mas foi derrubado pela oposição (Igreja, Exército, gandes proprietários
e EUA). Foi assassinado provocando uma revolução popular liderada por Pancho Villa e
Emiliano Zapata – uma longa guerra civil que se estende até 1917, quando assume o poder
Venustiano Carranza e é elaborada a Constituição de 1917.
A promulgação da Constituição de 1917 – ainda em vigor! – procurou solucionar as
questões sociais, políticas e econômicas através da subordinação da propriedade ao interesse
social; pela instituição do paternalismo estatal nas relações trabalhistas e pela separação das
relações estado/Igreja.
No ano de 1928 é fundado o Partido Nacional Revolucionário- atualmente o Partido
Nacional Institucional (PRI), preocupado com a consolidação dos ideais revolucionários.
O aprofundamento das reformas sociais e políticas no México ocorreu ao longo do governo de
Lázaro Cárdenas, responsável por uma reforma agrária.
A Revolução Cubana
Cuba conseguiu sua independência em 1898, após a assinatura do Tratado de Paris. No
entanto, o fim do período colonial é marcado pelo início da intervenção dos Estados Unidos. No
ano de 1901 foi elaborada a Emenda Platt, dando aos norte-americanos o direito de intervir
na ilha para preservar seus privilégios econômicos. A emenda estabelecia, entre outras coisas,
a venda de terras ao governo norte-americano para fins econômicos e militares.
Ao longo dos anos, os presidentes de Cuba eram fieis protetores dos interesses norte-
americanos, com destaque para o sargento Fulgência Batista: combatia o comunismo durante
a guerra fria, sendo por isto sustentado pelo EUA. A ditadura de Fulgência batista foi violenta
e em 26 de julho houve uma tentativa de derrubá-la. O foi episódio do assalto no quartel de
Moncada – entre os rebeldes encontravam-se Raul e Fidel Castro.
Deste episódio surgiu o Movimento Revolucionário 26 de julho, de oposição e de
mobilização contra o governo ditatorial. O Movimento formou um exército rebelde, refugiado
na Sierra Maestra – que passou a lutar contra o regime. Devido a impopularidade de Fulgência
Batista, o movimento foi crescendo e, no dia 1Š de janeiro de 1959 Batista abandonou a ilha.
Fidel Castro no poder efetivou uma reforma agrária e a expropriação de várias empresas
norte-americanas. Como represália, o governo dos Estados Unidos organizou uma contra-
revolução, a invasão da baia dos Porcos – tentativa de derrubar Fidel Castro. A partir deste
episódio o governo cubano aproxima-se da União Soviética, complicando ainda mais as
relações com os EUA.
No ano de 1962 a Organização dos Estados Americanos expulsou Cuba; no mesmo ano
houve o incidente dos misséis – onde os EUA forçou a retirada de misséis soviéticos,
instalados na ilha. No ano de 1964 os EUA decretaram um bloqueio econômico à Cuba.
A Revolução Cubana foi responsável pela criação do primeiro Estado Socialista na América,
efetivou uma ampla reforma agrária e uma reforma urbana; favoreceu o processo de
nacionalização das empresas estrangeiras. Porém, para conter os opositores do regime, foi
usado o terror e a violência, como o fuzilamento no “paredón”.
Ao longo da décadas de 60 e 70, a América Latina será marcada por conflitos ideológicos:
os nacionalistas e reformistas de um lado; e os adeptos de uma maior aproximação com os
Estados Unidos da América. Os golpes militares, tão comuns no continente, representam as
respostas às idéias nacionalistas e reformistas.
No ano de 1970, foi eleito no Chile, o socialista Salvador Allende, o qual iniciou a aplicação
de um programa assentado na nacionalização de empresas estrangeiras, estatização de
bancos e ampliação da reforma agrária.
Os grupos prejudicados pelas reformas, e com o apoio direto do Pentágono e da CIA,
articularam um golpe de estado. No dia 11 de setembro, sob a liderança do general Augusto
Pinochet é destituído o governo de Allende e inicia-se uma das mais sangrentas ditaduras da
América Latina.
Na Argentina, os governos militares (1976/1982) foram dos mais duros na região, marcado
pela repressão política e suspensão de todas as liberdades públicas. O regime deixou o país
sob o signo do terror – dezenas de milhares de mortos e desaparecidos.
O final da ditadura militar está ligado ao fracasso militar na Guerra das Malvinas (1982).
Em 1983 houve eleições diretas, com a vitória de Raul Alfonsin, que lançou o Plano Austral –
que resultou num fracasso.
No ano de 1989 é eleito o líder peronista, Carlos Ménen, responsável pela “dolarização” da
economia, um dos fatores responsáveis pelas recentes crises econômicas, sociais e políticas da
Argentina (2001 e 2002).
Um das grandes forças políticas na Argentina é o peronismo, expressão política para
designar o populismo argentino, tendo como bases as idéias de Juan Domingos Péron. Resulta
na combinação de autoritarismo com políticas voltadas para a justiça social (justicialismo).
Conflitos no Oriente Médio
O Oriente Médio é uma das regiões mais explosivas do mundo, em razão de suas reservas de
petrolíferas, do fundamentalismo e nacionalismo islâmicos e de diversos conflitos políticos. O
principal problema da região tem sido o conflito árabe-israelense, cuja origem é a divisão da
Palestina, no ano de 1947, em dois Estados: um judeu e um palestino. Os países árabes nunca
aceitaram a divisão. A seguir os principais conflitos:
1948/1949- Primeira Guerra Árabe-israelense: motivada pelo não reconhecimento da Liga
Árabe do estado de Israel. A guerra foi vencida por Israel que estendeu seu domínio pela
Palestina. Como resultado desta expansão, houve um processo de expulsão dos palestinos,
originando a questão palestina – desde então, o problemas dos refugiados tem sido a razão
dos conflitos.
1956- Segunda Guerra Árabe-israelense: a chamada Guerra do Suez, entre Israel e Egito.
Israel contou com apoio da França e Grã-Bretanha.
No ano de 1964 foi fundada a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), que
iniciou uma guerra de guerrilha contra Israel para a criação de um Estado Palestino.
1967- Terceira Guerra Árabe-israelense: também conhecida como Guerra dos Seis Dias,
ocorreu na fronteira do Egito com Israel. Resultou na ocupação, por parte de Israel, de Gaza,
Sinai, Golã e Cisjordânia. A guerra provocou um novo êxodo de refugiados palestinos.
1973- Quarta Guerra Árabe-israelense: contra o avanço israelense na Guerra dos seis Dias.
Conhecida como Guerra do Yom Kippur (Dia do Perdão). Ataques do Egito e da Síria,
resultando na reconquista da margem oriental do canal de Suez.
Após esta guerra, os EUA pressionam, tanto o Estado de Israel quanto a OLP, na busca
pela paz. No ano de 1993 foi assinado um acordo de paz, na cidade de Oslo. Pelo acordo, a
Faixa de Gaza e a cidade de Jericó, na Cisjordânia, teriam uma administração palestina.
No ano de 1995 houve uma reviravolta nos plano de paz. O assassinato de Yitzhak Rabin e a
ascensão de Binyamin Netanyahu provocou a retomada da política de implantação de colônias
judaicas em solo palestino. Como resposta, os palestinos iniciaram a intifada (guerra de
pedras) contra os israelenses.
O declínio do bloco socialista.
Mikhail Gorbatchev executou na URSS um plano de reformas, com o objetivo de retomar o
crescimento econômico e melhorar as condições de vida da população.
Glasnost ( transparência), passando a sociedade russa a Ter direito a eleições com voto
secreto, fim da censura à imprensa e combate à corrupção; perestroika (reconstrução),
processo de privatização de pequenos negócios, abertura do mercado para entrada de
tecnologia estrangeira – mediante associação entre empresas, saída gradual do estado dos
assuntos econômicos.
No plano externo, Gorbatchev assinou a Carta de Paris (1990), colocando um fim à guerra fria
e reconhecendo a democracia como regime de governo para manter a paz no mundo.
As reformas liberalizantes da União Soviética espalhou-se pelo Leste Europeu: em 04 de
junho de 1989, o Exército chinês teve que reprimir uma manifestação de estudantes na praça
da Paz Celestial; no mesmo ano, a Hungria restabeleceu o pluripartidarismo e derrubou a
República Popular instalada em 1949; a Polônia- após ações do movimento Solidariedade –
instalou-se um governo não comunista.
O regime comunista foi derrubado na Bulgária, Romênia e Tcheco-Eslováquia.
Em 1990 houve a queda do Muro de Berlim e a reunificação das Alemanhas (ocidental e
oriental); a Iugoslávia, após o fim do socialismo, vai conhecer um período de guerra civil,
resultando na destruição da Federação- a Iugoslávia fica reduzida a Sérvia e Montenegro.
Na União das Repúblicas Socialistas Soviética ocorre processo pela independência das
Repúblicas. Em dezembro de 1991, foi assinado um documento de extinção da URSS e criação
da Comunidade de estados Independentes (CEI). No dia 25 do mesmo mês, Mikhail
Gorbatchev renunciou à presidência de uma União Soviética que não mais existia.
Exercícios
1) (FUVEST-SP) – Qual das seguintes afirmações explica, sinteticamente, o fim da União
Soviética?
a) o regime entrou em colapso porque os dirigentes estavam desmoralizados, desde as
denúncias de Kruschev no XX Congresso do Partido;
b) o regime deixou de ser sustentado pelo exército, adversário tradicional do Partido
Comunista;
c) o colapso do regime deveu-se à crise generalizada da economia estatal, combinada com o
fracasso da abertura controlado de Gorbatchev;
d) a vitória militar dos EUA na Guerra Fria tornou inviável a manutenção do regime;
e) os líderes soviéticos abandonaram a crença no socialismo e decidiram transformar a União
Soviética em um país capitalista;
2) (FGV-SP)- Nesfe final de século observa-se uma série de transformações políticas ocorridas
em nível mundial:
I. A década de 1980 demostrou, com a guerra britânico-argentina e ado Irã-Iraque, que
guerras que nada tinham a ver com o confronto global das superpotências eram uma
possibilidade permanente;
II. A democratização e a privatização dos meios de destruição, através de atentados ou de
ataques com explosivos e armas largamente disponíveis no mercado mundial, transformaram
a perspectiva de violência e degradação em todo o globo;
III. Em meados da década de 1990 encontramos a Rússia reduzida ao tamanho que tinha no
século XII, a Grã-Bretanha e a França gozando de um status puramente regional, a Alemanha
e o Japão consolidados como grandes potências econômicas e os Estados Unidos da América
reconhecidos como a grande potência mundial;
IV. A década atual consolidou uma forma de intervenção do Estado na economia em que a
participação econômica, política e social tornou-se cada vez mais intensa, levando alguns
analistas a cunhar a expressão “Estado máximo” para dar conta dessa realidade;
V. O perigo de um confronto nuclear entre as duas grandes potências do planeta tornou-se,
neste final de século, cada dia mais concreto, em especial após a crise do chamado
“socialismo real”.
Assim é correto apenas o que se encontra em:
a) I, II, III
b) I,II, IV
c) I, II, V
d) I, III, V
e) II, IV, V.
3)(Fuvest-SP) – A Revolução Mexicana de 1910, do ponto de vista social, caracterizou-se:
a) pela intensa participação camponesa;
b) pela aliança entre operários e camponeses;
c) pela liderança de grupos socialistas;
d) pelo apoio da Igreja aos sublevados;
e) pela forte presença de combatentes estrangeiros.
4) (UPF-RS)- Sobre a história recente de Cuba, considere as seguintes afirmativas:
I. a guerrilha só atingiu o status de guerra civil aberta graças ao apoio das classes médias
urbanas, garantindo a vitória dos revolucionários;
II. A crise dos mísseis foi típica do contexto da Guerra Fria, tendo sido provocada pela
intenção dos norte-americanos de instalar armamentos nucleares em Guantâmano;
III. A invasão da baía dos porcos foi promovida por exilados cubanos, com a concordância
velada do governo dos Estados Unidos;
IV. O governo Fidel Castro sofreu sanções dos estados Unidos devido, especialmente, à sua
proximidade política com a União Soviética e a adoção do ideário marxista.
É (são) verdadeira(s) apenas:
a) II
b) I e IV
c) II e III
d) I, III e IV
e) IV.
Respostas
1) C
2) A
3) A
4) D

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Slide explicativo
Slide explicativoSlide explicativo
Slide explicativo
krrico93
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...
missaodiplomatica
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundial
Jonatas Carlos
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021
Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021
Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Brasil período regencial 1831 a 1840
Brasil período regencial 1831 a 1840Brasil período regencial 1831 a 1840
Brasil período regencial 1831 a 1840
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Douglas Barraqui
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
missaodiplomatica
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
missaodiplomatica
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
missaodiplomatica
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Joice Belini
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Stéphanie Dias
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
Annalu Jannuzzi
 
Eua potência imperialista
Eua potência imperialistaEua potência imperialista

Mais procurados (20)

Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
 
Slide explicativo
Slide explicativoSlide explicativo
Slide explicativo
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 03 - Formação ...
 
Aula 21 2ª guerra mundial
Aula 21   2ª guerra mundialAula 21   2ª guerra mundial
Aula 21 2ª guerra mundial
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
 
Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021
Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021
Brasil república velha (crise e queda do império república da espada) 2021
 
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
Brasil período regencial 1831 a 1840
Brasil período regencial 1831 a 1840Brasil período regencial 1831 a 1840
Brasil período regencial 1831 a 1840
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 02 - Process...
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
Estudos CACD Missão Diplomática - História Mundial Aula Resumo 01 (1776 a 1815)
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Brasil Monárquico
Brasil MonárquicoBrasil Monárquico
Brasil Monárquico
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
 
Eua potência imperialista
Eua potência imperialistaEua potência imperialista
Eua potência imperialista
 

Semelhante a Aula 25 o mundo contemporâneo

AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
Fernando Alcoforado
 
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Douglas Lima
 
Hist doc 9.4
Hist doc 9.4Hist doc 9.4
Hist doc 9.4
bleckmouth
 
Revisão 9º ano
Revisão 9º ano Revisão 9º ano
Revisão 9º ano
Janaína Bindá
 
Guerrilhas latinas
Guerrilhas latinasGuerrilhas latinas
Guerrilhas latinas
Geovane da Silva Pessoa
 
América latina no séc xx
América latina no séc xxAmérica latina no séc xx
América latina no séc xx
Joyce Lourenço
 
Trabalho eletroim a
Trabalho eletroim aTrabalho eletroim a
Trabalho eletroim a
Rubyla
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
dinicmax
 
O socialismo além da urss aula
O socialismo além da urss   aulaO socialismo além da urss   aula
O socialismo além da urss aula
profmarloncardozo
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Sandra Kroetz
 
Geografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdfGeografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdf
Tallita5
 
Mais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasil
Mais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasilMais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasil
Mais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasil
Fernando Alcoforado
 
Or médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordemOr médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordem
Carlos Glufke
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
CIRINEU COSTA
 
Trab. Historia
Trab. HistoriaTrab. Historia
Trab. Historia
Emerson Frusciante
 
AULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptx
AULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptxAULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptx
AULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptx
LeonardoBastos48
 
MÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.ppt
MÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.pptMÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.ppt
MÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.ppt
JosWilliam14
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
CIRINEU COSTA
 
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
Isabel Aguiar
 

Semelhante a Aula 25 o mundo contemporâneo (20)

AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
 
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
Apresentação ditadura e violencia na américa latina...
 
Hist doc 9.4
Hist doc 9.4Hist doc 9.4
Hist doc 9.4
 
Revisão 9º ano
Revisão 9º ano Revisão 9º ano
Revisão 9º ano
 
Guerrilhas latinas
Guerrilhas latinasGuerrilhas latinas
Guerrilhas latinas
 
América latina no séc xx
América latina no séc xxAmérica latina no séc xx
América latina no séc xx
 
Trabalho eletroim a
Trabalho eletroim aTrabalho eletroim a
Trabalho eletroim a
 
Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50Movimentos políticos na década 50
Movimentos políticos na década 50
 
O socialismo além da urss aula
O socialismo além da urss   aulaO socialismo além da urss   aula
O socialismo além da urss aula
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
Geografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdfGeografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdf
 
Mais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasil
Mais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasilMais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasil
Mais reflexões sobre o golpe de estado de 1964 no brasil
 
Or médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordemOr médio américa e nova ordem
Or médio américa e nova ordem
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
 
Trab. Historia
Trab. HistoriaTrab. Historia
Trab. Historia
 
AULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptx
AULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptxAULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptx
AULÃO_BIOQUI(Leo_Bruno).pptx
 
MÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.ppt
MÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.pptMÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.ppt
MÉXICO; CHILE; AMÉRICA CENTRAL.ppt
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
 
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Aula 25 o mundo contemporâneo

  • 1. Aula 25 O Mundo Contemporâneo. Esta aula vai abordar os principais assuntos do mundo atual (século XX e XXI): Revolução Mexicana, Revolução Cubana, as ditaduras no Chile e Argentina; os conflitos no Oriente Médio e o Leste Europeu após o desmantelamento do Império Soviético. A Revolução Mexicana. O México proclamou sua independência em 1810 e sua evolução política, ao longo do século XIX, foi marcada por instabilidades políticas e por tentativas fracassadas de efetuar uma reforma agrária. A Revolução que eclodiu em 1910 procurou resolver o problema fundiário, bem como outros problemas sócios-econômicos. De certa forma, os ideais revolucionários de 1910 permanecem formalmente até hoje. A Revolução Mexicana apresentou um caráter social, trouxe importantes conquistas para os camponeses, muito embora ela não tenha realizado seus grandes objetivos. Além das grandes concentrações de terras e da exstremas miséria camponesa, conta-se; entre as causas da revolução, a enorme interferência dos Estados Unidos na vida do país e o processo de modernização ocorrido durante o governo ditatorial de Porfírio Díaz. A evolução política mexicana O primeiro período importante é aquele que se estende de 1820 a 1855, marcado por lutas internas pelo controle do poder político. De um lado os conservadores, defensores de uma centralização político-administrativa e que contavam com o apoio da Igreja Católica e dos grandes proprietários; de outro lado, os liberais, adeptos do federalismo e combatiam a concentração fundiária. Na década de 1830 o chefe político era o conservador general Santa Anna que efetivou a centralização política e combateu os Estados Unidos na guerra do Texas (1848). A derrota no combate representou a perda de quase 50% do território mexicano (Califórnia, Novo México, Arizona, Texas, Utah, Nevada e parte do Colorado). Em 1854 houve a chamada Revolução Liberal, que derrubou Santa Anna, e inaugurou o segundo período. O novo líder político será Benito Juárez, que executou o denominado Plano Ayutla – responsável pela implantação das chamadas Reformas, a saber: estabelecer o princípio do federalismo; consolidar os direitos civis; lutar contra a influência estrangeira; reduzir a influência da Igreja e redividir as grandes propriedades. A resistência dos conservadores e do capital estrangeiro gerou um guerra civil ( A Guerra das Reformas), onde os conservadores receberam apoio internacional (Estados Unidos e França). A terceira etapa da evolução política do México começa com o final da guerra civil – o general Porfírio Díaz toma o poder em 1875, e lá permanece, até a Revolução de 1910. Os 34 anos de ditadura (Porfiriato) foi marcado pelo processo de modernização e apresentou as seguinte realizações: ampliação da rede ferroviária; estímulo econômico às exportações, com o desenvolvimento da agricultura e expansão das grandes propriedades; estimulo ao desenvolvimento industrial, com a adoção da política de substituição de importações e grande abertura do país ai capital estrangeiro, principalmente, norte-americano. O Porfiriato contribuiu para o crescimento dos latifúndios, para a ampliação da miséria das camadas populares, na redução das populações indígenas e no processo de concentração de rendas. Somada à corrupção política, interferência dos EUA e imensa repressão aos movimentos sociais, no ano de 1910 eclode a Revolução Mexicana. A Revolução Mexicana Luta contra a ditadura de Porfírio Diáz, apresentando como líderes: Francisco Madero, grande proprietário de terras; Pancho Villa, líder popular e Emiliano Zapata, líder das forças do sul. As fases da revolução mexicana foram:
  • 2. 1910/1917 – queda de Porfírio Diáz e eleição de Francisco Madero para presidente. Adotou um modelo político liberal mas foi derrubado pela oposição (Igreja, Exército, gandes proprietários e EUA). Foi assassinado provocando uma revolução popular liderada por Pancho Villa e Emiliano Zapata – uma longa guerra civil que se estende até 1917, quando assume o poder Venustiano Carranza e é elaborada a Constituição de 1917. A promulgação da Constituição de 1917 – ainda em vigor! – procurou solucionar as questões sociais, políticas e econômicas através da subordinação da propriedade ao interesse social; pela instituição do paternalismo estatal nas relações trabalhistas e pela separação das relações estado/Igreja. No ano de 1928 é fundado o Partido Nacional Revolucionário- atualmente o Partido Nacional Institucional (PRI), preocupado com a consolidação dos ideais revolucionários. O aprofundamento das reformas sociais e políticas no México ocorreu ao longo do governo de Lázaro Cárdenas, responsável por uma reforma agrária. A Revolução Cubana Cuba conseguiu sua independência em 1898, após a assinatura do Tratado de Paris. No entanto, o fim do período colonial é marcado pelo início da intervenção dos Estados Unidos. No ano de 1901 foi elaborada a Emenda Platt, dando aos norte-americanos o direito de intervir na ilha para preservar seus privilégios econômicos. A emenda estabelecia, entre outras coisas, a venda de terras ao governo norte-americano para fins econômicos e militares. Ao longo dos anos, os presidentes de Cuba eram fieis protetores dos interesses norte- americanos, com destaque para o sargento Fulgência Batista: combatia o comunismo durante a guerra fria, sendo por isto sustentado pelo EUA. A ditadura de Fulgência batista foi violenta e em 26 de julho houve uma tentativa de derrubá-la. O foi episódio do assalto no quartel de Moncada – entre os rebeldes encontravam-se Raul e Fidel Castro. Deste episódio surgiu o Movimento Revolucionário 26 de julho, de oposição e de mobilização contra o governo ditatorial. O Movimento formou um exército rebelde, refugiado na Sierra Maestra – que passou a lutar contra o regime. Devido a impopularidade de Fulgência Batista, o movimento foi crescendo e, no dia 1Š de janeiro de 1959 Batista abandonou a ilha. Fidel Castro no poder efetivou uma reforma agrária e a expropriação de várias empresas norte-americanas. Como represália, o governo dos Estados Unidos organizou uma contra- revolução, a invasão da baia dos Porcos – tentativa de derrubar Fidel Castro. A partir deste episódio o governo cubano aproxima-se da União Soviética, complicando ainda mais as relações com os EUA. No ano de 1962 a Organização dos Estados Americanos expulsou Cuba; no mesmo ano houve o incidente dos misséis – onde os EUA forçou a retirada de misséis soviéticos, instalados na ilha. No ano de 1964 os EUA decretaram um bloqueio econômico à Cuba. A Revolução Cubana foi responsável pela criação do primeiro Estado Socialista na América, efetivou uma ampla reforma agrária e uma reforma urbana; favoreceu o processo de nacionalização das empresas estrangeiras. Porém, para conter os opositores do regime, foi usado o terror e a violência, como o fuzilamento no “paredón”. Ao longo da décadas de 60 e 70, a América Latina será marcada por conflitos ideológicos: os nacionalistas e reformistas de um lado; e os adeptos de uma maior aproximação com os Estados Unidos da América. Os golpes militares, tão comuns no continente, representam as respostas às idéias nacionalistas e reformistas. No ano de 1970, foi eleito no Chile, o socialista Salvador Allende, o qual iniciou a aplicação de um programa assentado na nacionalização de empresas estrangeiras, estatização de bancos e ampliação da reforma agrária. Os grupos prejudicados pelas reformas, e com o apoio direto do Pentágono e da CIA, articularam um golpe de estado. No dia 11 de setembro, sob a liderança do general Augusto Pinochet é destituído o governo de Allende e inicia-se uma das mais sangrentas ditaduras da América Latina. Na Argentina, os governos militares (1976/1982) foram dos mais duros na região, marcado pela repressão política e suspensão de todas as liberdades públicas. O regime deixou o país sob o signo do terror – dezenas de milhares de mortos e desaparecidos.
  • 3. O final da ditadura militar está ligado ao fracasso militar na Guerra das Malvinas (1982). Em 1983 houve eleições diretas, com a vitória de Raul Alfonsin, que lançou o Plano Austral – que resultou num fracasso. No ano de 1989 é eleito o líder peronista, Carlos Ménen, responsável pela “dolarização” da economia, um dos fatores responsáveis pelas recentes crises econômicas, sociais e políticas da Argentina (2001 e 2002). Um das grandes forças políticas na Argentina é o peronismo, expressão política para designar o populismo argentino, tendo como bases as idéias de Juan Domingos Péron. Resulta na combinação de autoritarismo com políticas voltadas para a justiça social (justicialismo). Conflitos no Oriente Médio O Oriente Médio é uma das regiões mais explosivas do mundo, em razão de suas reservas de petrolíferas, do fundamentalismo e nacionalismo islâmicos e de diversos conflitos políticos. O principal problema da região tem sido o conflito árabe-israelense, cuja origem é a divisão da Palestina, no ano de 1947, em dois Estados: um judeu e um palestino. Os países árabes nunca aceitaram a divisão. A seguir os principais conflitos: 1948/1949- Primeira Guerra Árabe-israelense: motivada pelo não reconhecimento da Liga Árabe do estado de Israel. A guerra foi vencida por Israel que estendeu seu domínio pela Palestina. Como resultado desta expansão, houve um processo de expulsão dos palestinos, originando a questão palestina – desde então, o problemas dos refugiados tem sido a razão dos conflitos. 1956- Segunda Guerra Árabe-israelense: a chamada Guerra do Suez, entre Israel e Egito. Israel contou com apoio da França e Grã-Bretanha. No ano de 1964 foi fundada a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), que iniciou uma guerra de guerrilha contra Israel para a criação de um Estado Palestino. 1967- Terceira Guerra Árabe-israelense: também conhecida como Guerra dos Seis Dias, ocorreu na fronteira do Egito com Israel. Resultou na ocupação, por parte de Israel, de Gaza, Sinai, Golã e Cisjordânia. A guerra provocou um novo êxodo de refugiados palestinos. 1973- Quarta Guerra Árabe-israelense: contra o avanço israelense na Guerra dos seis Dias. Conhecida como Guerra do Yom Kippur (Dia do Perdão). Ataques do Egito e da Síria, resultando na reconquista da margem oriental do canal de Suez. Após esta guerra, os EUA pressionam, tanto o Estado de Israel quanto a OLP, na busca pela paz. No ano de 1993 foi assinado um acordo de paz, na cidade de Oslo. Pelo acordo, a Faixa de Gaza e a cidade de Jericó, na Cisjordânia, teriam uma administração palestina. No ano de 1995 houve uma reviravolta nos plano de paz. O assassinato de Yitzhak Rabin e a ascensão de Binyamin Netanyahu provocou a retomada da política de implantação de colônias judaicas em solo palestino. Como resposta, os palestinos iniciaram a intifada (guerra de pedras) contra os israelenses. O declínio do bloco socialista. Mikhail Gorbatchev executou na URSS um plano de reformas, com o objetivo de retomar o crescimento econômico e melhorar as condições de vida da população. Glasnost ( transparência), passando a sociedade russa a Ter direito a eleições com voto secreto, fim da censura à imprensa e combate à corrupção; perestroika (reconstrução), processo de privatização de pequenos negócios, abertura do mercado para entrada de tecnologia estrangeira – mediante associação entre empresas, saída gradual do estado dos assuntos econômicos. No plano externo, Gorbatchev assinou a Carta de Paris (1990), colocando um fim à guerra fria
  • 4. e reconhecendo a democracia como regime de governo para manter a paz no mundo. As reformas liberalizantes da União Soviética espalhou-se pelo Leste Europeu: em 04 de junho de 1989, o Exército chinês teve que reprimir uma manifestação de estudantes na praça da Paz Celestial; no mesmo ano, a Hungria restabeleceu o pluripartidarismo e derrubou a República Popular instalada em 1949; a Polônia- após ações do movimento Solidariedade – instalou-se um governo não comunista. O regime comunista foi derrubado na Bulgária, Romênia e Tcheco-Eslováquia. Em 1990 houve a queda do Muro de Berlim e a reunificação das Alemanhas (ocidental e oriental); a Iugoslávia, após o fim do socialismo, vai conhecer um período de guerra civil, resultando na destruição da Federação- a Iugoslávia fica reduzida a Sérvia e Montenegro. Na União das Repúblicas Socialistas Soviética ocorre processo pela independência das Repúblicas. Em dezembro de 1991, foi assinado um documento de extinção da URSS e criação da Comunidade de estados Independentes (CEI). No dia 25 do mesmo mês, Mikhail Gorbatchev renunciou à presidência de uma União Soviética que não mais existia. Exercícios 1) (FUVEST-SP) – Qual das seguintes afirmações explica, sinteticamente, o fim da União Soviética? a) o regime entrou em colapso porque os dirigentes estavam desmoralizados, desde as denúncias de Kruschev no XX Congresso do Partido; b) o regime deixou de ser sustentado pelo exército, adversário tradicional do Partido Comunista; c) o colapso do regime deveu-se à crise generalizada da economia estatal, combinada com o fracasso da abertura controlado de Gorbatchev; d) a vitória militar dos EUA na Guerra Fria tornou inviável a manutenção do regime; e) os líderes soviéticos abandonaram a crença no socialismo e decidiram transformar a União Soviética em um país capitalista; 2) (FGV-SP)- Nesfe final de século observa-se uma série de transformações políticas ocorridas em nível mundial: I. A década de 1980 demostrou, com a guerra britânico-argentina e ado Irã-Iraque, que guerras que nada tinham a ver com o confronto global das superpotências eram uma possibilidade permanente; II. A democratização e a privatização dos meios de destruição, através de atentados ou de ataques com explosivos e armas largamente disponíveis no mercado mundial, transformaram a perspectiva de violência e degradação em todo o globo; III. Em meados da década de 1990 encontramos a Rússia reduzida ao tamanho que tinha no século XII, a Grã-Bretanha e a França gozando de um status puramente regional, a Alemanha e o Japão consolidados como grandes potências econômicas e os Estados Unidos da América reconhecidos como a grande potência mundial; IV. A década atual consolidou uma forma de intervenção do Estado na economia em que a participação econômica, política e social tornou-se cada vez mais intensa, levando alguns analistas a cunhar a expressão “Estado máximo” para dar conta dessa realidade; V. O perigo de um confronto nuclear entre as duas grandes potências do planeta tornou-se, neste final de século, cada dia mais concreto, em especial após a crise do chamado “socialismo real”. Assim é correto apenas o que se encontra em: a) I, II, III b) I,II, IV c) I, II, V
  • 5. d) I, III, V e) II, IV, V. 3)(Fuvest-SP) – A Revolução Mexicana de 1910, do ponto de vista social, caracterizou-se: a) pela intensa participação camponesa; b) pela aliança entre operários e camponeses; c) pela liderança de grupos socialistas; d) pelo apoio da Igreja aos sublevados; e) pela forte presença de combatentes estrangeiros. 4) (UPF-RS)- Sobre a história recente de Cuba, considere as seguintes afirmativas: I. a guerrilha só atingiu o status de guerra civil aberta graças ao apoio das classes médias urbanas, garantindo a vitória dos revolucionários; II. A crise dos mísseis foi típica do contexto da Guerra Fria, tendo sido provocada pela intenção dos norte-americanos de instalar armamentos nucleares em Guantâmano; III. A invasão da baía dos porcos foi promovida por exilados cubanos, com a concordância velada do governo dos Estados Unidos; IV. O governo Fidel Castro sofreu sanções dos estados Unidos devido, especialmente, à sua proximidade política com a União Soviética e a adoção do ideário marxista. É (são) verdadeira(s) apenas: a) II b) I e IV c) II e III d) I, III e IV e) IV. Respostas 1) C 2) A 3) A 4) D