SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 24
Da República Militar à Nova República.
Nesta aula trataremos do período contemporâneo da república brasileira: dos governos
militares, iniciado em 1964 aos dias atuais.
A República Militar (1964/1985).
O golpe militar de 1964 foi efetivado com o objetivo de evitar a ameaça comunista. O
regime militar foi marcado pelas restrições aos direitos e garantias individuais e pelo uso da
violência aos opositores do regime.
O modelo político do regime militar foi caracterizado pelo fortalecimento do Executivo que
marginalizou o Legislativo (através da cassação de mandatos) e interferiu nas decisões do
Judiciário (como por exemplo a publicação dos atos institucionais); pela centralização do
poder, tornando o princípio federativa letra morta constitucional; controle da estrutura
partidária, dos sindicatos e demais representações; pela censura aos meios de comunicação e
intensa repressão política – os casos de tortura eram sistemáticos.
O modelo econômico do regime militar foi marcado pelo processo de concentração de
rendas e abertura externa da economia brasileira.
Governo do marechal Castello Branco ( 1964/67).
Foi eleito por vias indiretas, através do ato institucional nŠ 1, em 10 de abril de 1964.
Em seu governo foi criado o Serviço Nacional de Informação (SNI). Seu governo é
marcado por uma enorme reforma administrativa, eleitoral, bancária, tributária, habitacional e
agrária. Criou-se o Cruzeiro Novo, o Banco Central, Banco Nacional da Habitação e o Instituto
Nacional da Previdência Social (INPS). Criou-se também o Fundo de Garantia por Tempo de
Serviço.
Em outubro de 1965 foi assinado o ato institucional nŠ2, ampliando o controle do Executivo
sobre o Legislativo, extinguindo os partidos políticos – inaugurando o bipartidarismo no Brasil.
De um lado o partido governista a ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e, de outro lado, a
oposição, reunida no MDB (Movimento Democrático Brasileiro). Este mesmo ato determinou
que as eleições para presidente seriam diretas.
Em fevereiro de 1966 foi decretado o ato institucional nŠ3 estabelecendo eleições
indiretas para governador e para os municípios considerados de “segurança nacional”,
incluindo todas as capitais.
Em 1967, mediante o ato institucional nŠ4, foi promulgada uma nova Constituição. Nela
mantinha-se o princípio federativo e os princípios dos atos institucionais – eleições indiretas
para presidente e governadores. A Constituição fortalecia os poderes presidenciais, permitindo
ao presidente decretar estado de sítio, efetivar intervenção federal nos Estados, decretar
recesso no Congresso Nacional, legislar por decretos e cassar ou suspender os direitos
políticos.
Antes de deixar a presidência, Castello Branco instituiu a Lei de Segurança Nacional, sendo
um conjunto de normas que regulamentava todas as atividades sociais, estabelecendo severa
punições aos transgressores.
Governo do marechal Costa e Silva ( 1967/1969).
Fazia parte da chamada “linha dura” – setor do Exército que exigia medidas mais enérgicas e
repressivas para manter a ordem social e política.
Em seu governo, no ano de 1967, formou-se a Frente Ampla, grupo de oposição ao
regime militar – liderada por Carlos Lacerda e JK. A Frente exigia a anistia política, eleições
diretas em todos os níveis e a convocação de uma Assembléia Constituinte.
As agitações internacionais de 1968 tornou a esquerda mais radical, defendendo a luta
armada para a redemocratização do país. O movimento estudantil crescia e exigia democracia.
Da mesma forma, os grupos de direita também se radicalizavam. O assassinato do estudante
Edson Luís pela polícia, na Guanabara, provocou um enorme ato de protesto – a passeata
dos cem mil.
Em dezembro de 1968, o deputado pelo MDB, Márcio Moreira Alves fez um pesado discurso e
atacando as Forças Armadas. O ministro da Justiça, Gama e Silva, procurou processar o
deputado; porém o Congresso garantiu a imunidade do parlamentar. Como resposta, Costa e
Silva decretou o ato institucional nŠ5 – o mais violento de todos. Pelo AI-5 estabeleceu-se,
entre outros: o fechamento do Legislativo pelo presidente da República, a suspensão dos
direitos políticos e garantias constitucionais, inclusive a do habeas-corpus; intervenção federal
nos estados e municípios.
Através do AI-5 as manifestações foram duramente reprimidas, provocando o fechamento
total do regime militar.
Segundo o historiador Boris Fausto: “Um dos muitos aspectos trágicos do AI-5 consistiu no
fato de que reforçou a tese dos grupos de luta armada.” Semelhante tese transformou-se em
realidade com a eleição (indireta) de um novo presidente – Emílio Garrastazu Médici –pois
Costa e Silva sofreu um derrame cerebral.
Governo do general Médici ( 1969/1974).
Período mais repressivo de todo regime militar, onde a tortura e repressão atingiram os
extremos, bem como a censura aos meios de comunicação. O pretexto foi a intensificação da
luta armada contra o regime.
A luta armada no Brasil assumiu a forma de guerra de guerrilha (influenciada pela
revolução cubana, pela guerra do Vietnã e a revolução chinesa).
Os focos de guerrilha no Brasil foram: na serra do Caparaó, em Minas Gerais – destruído pela
rápida ação do governo federal; um outro foco foi no vale do Ribeira, em São Paulo, chefiado
pelo capitão Carlos Lamarca – foco também reprimido pelo governo rapidamente.
O principal foco guerrilheiro foi no Araguaia, no Pará. Seus participantes eram ligados ao
Partido Comunista do Brasil e conseguiram apoio da população local. O modelo teórico dos
guerrilheiros seguia as propostas de Mao Tsé-tung. O foco, descoberto em 1972, foi destruído
em 1975.
Ao lado da guerrilha rural, desenvolveu-se também a guerrilha urbana. Seu principal
organizador foi Carlos Marighella, líder da Aliança de Libertação Nacional. Para combater a
guerrilha urbana o governo federal sofisticou seu sistema de informação com os DOI-CODI
(Destacamento de Operação e Informações-Centro de Operações de Defesa Interna), que
destruíram os grupos de guerrilha da extrema esquerda. Os DOIs-CODIs tinham na tortura
uma prática corriqueira.
O MILAGRE ECONÔMICO
Período do governo Médici de grande crescimento econômico e dos projetos de grandes
impactos (como a Transamazônica e o Movimento Brasileiro de Alfabetização-MOBRAL), em
razão do ingresso maciço de capital estrangeiro. Houve uma expansão do crédito, ampliando o
padrão de consumo do país e gerando uma onda de ufanismo, como no slogan “este é um país
que vai prá frente”. O regime utiliza este período de otimismo para ocultar a repressão política
– aproveita-se inclusive das conquistas esportivas da década de 70, como o tricampeonato de
futebol.
O ideólogo do “milagre” foi o economista Delfim Netto usando como atrativo ao capital
estrangeiro as baixas taxas de juros utilizadas no mercado internacional. No entanto, a
modernização e o crescimento econômico brasileiro não beneficiou as camadas pobres. No
período do “milagre” as taxas de mortalidade infantil subiram e, segundo estimativas do Banco
Mundial, no ano de 1975 70 milhões de brasileiros eram desnutridos.
O governo do general Ernesto Geisel (1974/79).
O presidente Geisel tomou posse sob a promessa do retorno ‘a democracia de forma
“lenta, gradual e segura”. Seu governo marca o início do processo de abertura política.
Em novembro de 1974 houve eleições parlamentares e o resultado foi uma expressiva vitória
do MDB. Preocupado com as eleições municipais, no dia 1Š de julho de 1976 foi aprovada a
Lei Falcão, que estabelecia normas gerias para a campanha eleitoral através do sistema de
radiodifusão: exibição da fotografia do candidato, sua legenda e seu número. Apresentação do
nome e seu currículo. Semelhantes regras forçava o candidato a conquistar o voto no contato
direto com o eleitor.
No dia 1Š de abril de 1977, o presidente – utilizando o AI-5 – decretou o recesso do
Congresso Nacional. Foi promulgando, então, o pacote de abril, estabelecendo mandato de
seis anos para presidente da República, manutenção das eleições indiretas para governador,
diminuição da representação dos estados mais populosos no Congresso Nacional e criada a
reserva de um terço das vagas do Senado para nomes indicados pelo governo (senador
biônico).
Embora a censura aos meios de comunicação tenha diminuído o regime continuava fechada e
a repressão existia. Como exemplo, a morte do jornalista da TV Cultura, Vladimir Herzog, nas
dependências do DOI-CODI paulista (1975) e o “suicídio” do operário Manuel Fiel Filho em
1976.
O ano de 1977 foi muito agitado politicamente – em razão da crise mundial do petróleo –
resultando em cassações de mandatos e diversas manifestações estudantis em todo o país. No
ano de 1978 houve uma greve de metalúrgicos no ABC paulista, sob a liderança de Luís Inácio
da Silva, o Lula.
No final de seu governo, Geisel revogou o AI-5.
O governo do general Figueiredo ( 1979/1985).
Durante o governo de João Baptista Figueiredo houve fortes pressões, da sociedade civil, que
exigiam o retorno ao estado de direito, uma anistia política, justiça social e a convocação de
uma Assembléia Constituinte.
Em março de 1979, uma greve de metalúrgicos no ABC paulista mobilizou cerca de 180
mil manifestantes; em abril de 1981, uma nova greve, que mobilizou 330 mil operários, por
41 dias. Neste contexto é que se destaca o líder sindical Luís Inácio da Silva – Lula.
A UNE reorganizou-se no ano de 1979 e, neste mesmo ano, o presidente Figueiredo aprovou a
Lei da Anistia – que beneficiava exclusivamente os presos políticos. Alguns exilados puderam
voltar ao país.
Ainda em 1979 foi extinto o bipartidarismo, forçando uma reforma partidária. Desta
reforma surgiram o PSD (Partido Social Democrático), herdeiro da antiga Arena; o PMDB
(Partido do Movimento Democrático Brasileiro), composto por políticos do antigo MDB; o PTB
(Partido Trabalhista Brasileiro), controlado por Ivete Vargas e formado por setores da antiga
ARENA; PDT (Partido Democrático Trabalhista), fundado por Leonel Brizola e PT (Partido dos
Trabalhadores), com propostas socialistas.
Em 1983 a sociedade civil participou intensamente do movimento das Diretas-já. Em 1984
foi apresentada a Emenda Dante de Oliveira, que propunha o restabelecimento das eleições
diretas para presidente da República. A emenda foi rejeitada pelo Congresso Nacional.
No ano de 1985, em eleições pelo Colégio Eleitoral, o candidato da oposição- Tancredo
Neves derrotou o candidato da situação – Paulo Maluf. Tancredo Neves não chegou a tomar
posse – devido a problemas de saúde veio a falecer em 21 de abril de 1985. O vice-
presidente, José Sarney assumiu a presidência, iniciando um período conhecido como Nova
República.
A Nova República.
Governo de José Sarney (1985/1990)
O mandato de José Sarney foi marcado pelos altos índices inflacionários e pela existência
de vários planos econômicos: Plano Cruzado (1986), Plano Bresser (1987) e Plano
Verão (1989).
O plano de maior repercussão foi o Plano Cruzado, que, procurando conter a inflação
determinou: congelamento de todos os preços por um ano; abono salarial de 8%, e
reajustados após um ano, ou quando a inflação atingisse 20%; extinção da correção
monetária e o cruzeiro perdia três zeros e passava ser chamado de cruzado.
Por ser um governo de transição democrática, importantes avanços políticos ocorreram, como
a convocação de uma Assembléia Constituinte que elaborou e promulgou a Constituição de
1988 – “Constituição Cidadã”- que estabeleceu as eleições diretas em todos os níveis; a
legalização dos partidos políticos de qualquer tendência; instituição do voto facultativo aos
analfabetos, jovens entre 16 e 18 anos e pessoas acima de 70 anos; fim da censura;
garantido o direito de greve e a liberdade sindical; ampliação dos direitos trabalhistas;
intervenção do Estado nos assuntos econômicos e nacionalismo econômico ao reservar
algumas atividades às empresas estatais.
As eleições presidenciais de 1989
Em dezembro de 1989 foram realizadas as primeiras eleições diretas para a Presidência da
República desde 1960. Três candidatos destacaram-se na disputa: Fernando Collor de Mello,
do pequeno Partido da Renovação Nacional (PRN); Leonel Brizola do Partido Democrático
Brasileiro (PDT) e Luís Inácio “Lula” da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT).
A disputa foi para o segundo turno entre Fernando Collor e Lula, cabendo ao primeiro a vitória
nas eleições – graças à imagem de “caçador de marajás”, e de uma plataforma de luta contra
a corrupção, na modernização do Brasil e de representar os pobres e marginalizados – os
“descamisados”.
O governo de Fernando Collor de Mello (1990/92)
Aplicou o plano econômico denominado de Plano Brasil Novo, o qual extinguiu o cruzado
novo e retornou o cruzeiro; congelou preços e salários; bloqueio boa parte do dinheiro de
aplicações financeiras e de poupanças por 18 meses.
Houve grande número de demissões no setor público, redução nas tarifas de importação e um
tumultuado processo de privatizações.
No entanto, as denúncias de corrupção envolvendo o alto escalão do governo levou o
Congresso a formar uma Comissão Parlamentar de Inquérito. O relatório final da CPI apontou
ligações do presidente com Paulo César Farias – amigo pessoal e tesoureiro da campanha
presidencial. O envolvimento de Collor no chamado “esquema PC”, que envolvia troca de
favores governamentais por dinheiro, gerou o processo de impeachment – ou seja, o
afastamento do Presidente da República.
Fernando Collor procurou bloquear o processo, porém a população foi às ruas exigindo seu
afastamento (“os caras-pintadas”).
O presidente renunciou em 30 de dezembro de 1992, após decisão histórica do Congresso
Nacional no dia anterior pelo seu afastamento. O vice-presidente Itamar Franco assumiu o
cargo.
O governo de Itamar Franco ( 1992/1995).
Realização de um plebiscito em 1993 que deveria estabelecer qual o regime político
(monarquia ou república) e qual a forma de governo (presidencialismo ou parlamentarismo).
No dia 21 de abril o resultado do plebiscito confirmou a manutenção da república
presidencialista.
No aspecto econômico o mais importante foi a aplicação do Plano Real, que buscava combater
a inflação e estabilizar a economia nacional. O Plano pregava a contenção dos gastos públicos,
a privatização de empresas estatais, a redução do consumo mediante o aumento da taxa de
juros e maior abertura do mercado aos produtos estrangeiros.
O Plano contribuiu para a queda da inflação e aumento do poder aquisitivo e da
capacidade de consumo – em razão da queda dos preços dos produtos face à concorrência
estrangeira. A popularidade do Plano Real auxiliou o ministro da Fazenda de Itamar Franco,
Fernando Henrique Cardoso, a vencer as eleições em outubro de 1994.
O governo de Fernando Henrique Cardoso (1995/2002)
Fernando Henrique Cardoso foi o primeiro presidente do Brasil a conseguir uma reeleição
– através de uma mudança constitucional.
Seus dois mandatos são caracterizados pela aceleração do processo de globalização: a criação
do Mercosul e a eliminação das barreiras alfandegárias entre Brasil, Argentina, Uruguai e
Paraguai ( a formação do bloco obedece várias etapas).
Em termo de organização social destaque para a questão fundiária do país e a atuação do
MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), que, através da ocupação de terras
procura agilizar o processo de reforma agrária no país.
Os anos de FHC como presidente foram marcados pela hegemonia do neoliberalismo e
antigos e urgente problemas nâo foram solucionados, tais como a exclusão social, a imensa
concentração fundiária e empresarial, a corrupção e os descasos administrativos, ausência de
uma política educacional, desfaçatez na área da saúde e previdência social, a violência urbana,
o desemprego, crescimento do subemprego, concentração de rendas e injustiça social...
Somente através do conhecimento histórico podemos analisar, entender e transformar a
nossa história. Somente ela (a História) pode conscientizar a todos nós, para que juntos – ou
individualmente – possamos transformar nossa dura, triste e fascinante realidade...
Exercícios
1) (UFRS)- Considere o modelo econômico brasileiro e suas características intensificadas a
partir de 1964:
I) internacionalização da economia brasileira.
II) Maior presença das multinacionais no sistema produtivo local.
III) Exportação de bens manufaturados baratos e importação de equipamento e tecnologia.
Quais estâo corretas?
a) apenas I
b) apenas II
c) apenas III
d) Apenas I e II
e) I, II e III
2) (FUVEST-SP) Sobre o fim do período militar no Brasil (1964/1985), pode-se afirmar que
ocorreu de forma:
a) conflituosa, resultando em um rompimento entre as Forças Armadas e os partidos políticos;
b) abrupta e inesperada, como na Argentina do general Galtieri;
c) negociada, como no Chile, entre o ditador e os partidos na ilegalidade;
d) lenta e gradual, como desejavam setores das Forças Armadas;
e) sigilosa, entre o presidente Geisel e Tancredo Neves, à revelia do exército e dos partidos.
3) (MOGI-SP) – Assinale a alternativa certa:
a) a crise energética da década de 70 não afetou o Brasil com intensidade maior em razão da
produção maciça de eletricidade, como também porque o petróleo descoberto na época foi
suficiente para cobrir a maior parte de consumo dos derivados do produto;
b) a abertura política iniciada no governo Geisel permitiu que se evidenciassem problemas
graves no campo social, o que foi demonstrado pelas inúmeras greves de caráter
reivindicatório salarial ocorridas a partir daquele governo;
c) o governo Figueiredo, dando seqüência à abertura iniciada na gestão presidencial anterior,
estabeleceu eleições diretas para preenchimento de todos os cargos do poder executivo a
partir de 1982;
d) a censura à imprensa foi totalmente abolida a partir do início do governo do general Emílio
Garrastazu Médici;
e) a extinção do AI-5 colaborou para que a democracia plena fosse adiada
indeterminadamente no Brasil.
4) (FGV-SP) – Dos fatos abaixo, qual não teve relação com o movimento das “Diretas-já!” de
1984:
a) a eleição direta de José Sarney para a presidência da República;
b) a mobilização política da juventude de classe média, que se repetiria com os “cara-
pintadas” anti-Collor alguns anos depois;
c) o fortalecimento da candidatura de Tancredo Neves a presidente, ainda que escolhido
indiretamente;
d) a transformação de uma parte dos políticos que apoiavam a ditadura militar em membros
da Frente Liberal, pela cisão dentro do PDS;
e) a ampliação da participação político-partidária, inclusive com a formação de partidos novos
e o enfraquecimento do regime militar.
5) (UFMS) – No governo de Ernesto Geisel, a chamada abertura democrática iniciou-se com:
a) a introdução do voto vinculado;
b) o término da intervenção nos sindicatos;
c) a revogação do ato institucional nŠ5;
d) a concessão do direito de voto aos analfabetos;
e) a volta dos exilados políticos de 1964.
6) (FATEC) – Sobre o governo do presidente Itamar Franco, considere as seguintes
afirmações:
I- Embora os graves problemas sociais e econômicos continuassem a exigir providências, o
grande debate político dava-se em torno da definição das futuras candidaturas para presidente
da República;
II- Após a realização do plebiscito que decidiu sobre o regime e a forma de governo que
deveriam vigorar no País, a revisão constitucional (questão de fundamental importância) não
foi adiante;
III- A culminância da atuação do Ministério da Fazenda deu-se com a implantação de um novo
plano econômico: o Plano Real. Tratava-se de um conjunto de medidas que deveriam
estabilizar a moeda e promover a estabilidade da economia.
Destas afirmações.
a) apenas a II é a III são corretas;
b) apenas a I é a II são corretas;
c) apenas I é III são corretas;
d) apenas I é correta;
e) todas são corretas.
Respostas
1) E
2) D
3) B
4) A
5) C
6) E
Aula 24   da república militar à nova república

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
Edenilson Morais
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
Annalu Jannuzzi
 
Slide explicativo
Slide explicativoSlide explicativo
Slide explicativo
krrico93
 
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Alexandre Protásio
 
Governo constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novoGoverno constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novo
Dilermando12
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
Rafael Noronha
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Rafael Junior
 
O Estado Getulista
O Estado GetulistaO Estado Getulista
O Estado Getulista
Rodrigo Alcoforado
 
01 9º ano história rafael - era vargas
01  9º ano história   rafael  - era vargas01  9º ano história   rafael  - era vargas
01 9º ano história rafael - era vargas
Rafael Noronha
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Edenilson Morais
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Íris Ferreira
 
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
Ânderson Nunes
 
resumo: Era vargas
resumo: Era vargasresumo: Era vargas
resumo: Era vargas
Lucas Reis
 
ERA VARGAS
ERA VARGASERA VARGAS
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
gil junior
 
Getulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles VargasGetulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles Vargas
sissapb
 
Era vargas – governo provisório
Era vargas – governo provisórioEra vargas – governo provisório
Era vargas – governo provisório
Dilermando12
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
Ramon Dutra Lobo Lobo
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
seixasmarianas
 

Mais procurados (19)

Era Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período PopulistaEra Vargas e o Período Populista
Era Vargas e o Período Populista
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
 
Slide explicativo
Slide explicativoSlide explicativo
Slide explicativo
 
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)Brasil Era Vargas (1930 - 45)
Brasil Era Vargas (1930 - 45)
 
Governo constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novoGoverno constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novo
 
9º ano história rafa - era vargas
9º ano   história   rafa  - era vargas9º ano   história   rafa  - era vargas
9º ano história rafa - era vargas
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
O Estado Getulista
O Estado GetulistaO Estado Getulista
O Estado Getulista
 
01 9º ano história rafael - era vargas
01  9º ano história   rafael  - era vargas01  9º ano história   rafael  - era vargas
01 9º ano história rafael - era vargas
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)Vargas no poder (ânderson nunes)
Vargas no poder (ânderson nunes)
 
resumo: Era vargas
resumo: Era vargasresumo: Era vargas
resumo: Era vargas
 
ERA VARGAS
ERA VARGASERA VARGAS
ERA VARGAS
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Getulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles VargasGetulio Dorneles Vargas
Getulio Dorneles Vargas
 
Era vargas – governo provisório
Era vargas – governo provisórioEra vargas – governo provisório
Era vargas – governo provisório
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)A Era Vargas (1930 1945)
A Era Vargas (1930 1945)
 

Semelhante a Aula 24 da república militar à nova república

Resumo e atividades sobre ditadura militar
Resumo e atividades sobre ditadura militarResumo e atividades sobre ditadura militar
Resumo e atividades sobre ditadura militar
Atividades Diversas Cláudia
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Ana Paula Silva
 
Ditadura militar parte 2-6
Ditadura militar   parte 2-6Ditadura militar   parte 2-6
Ditadura militar parte 2-6
cemem
 
Ditadura 1964
Ditadura 1964Ditadura 1964
Ditadura 1964
BelbelAntunes
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
Gilmar Rodrigues
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
brunourbino
 
Ditadura Militar
Ditadura Militar Ditadura Militar
Ditadura Militar
maiaratavares7
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
maiaratavares7
 
O circuito de produção e o espaço industrial
O circuito de produção e  o espaço industrialO circuito de produção e  o espaço industrial
O circuito de produção e o espaço industrial
Gilberto Pires
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Evaldo Lopes
 
Ditadura militar disma
Ditadura militar dismaDitadura militar disma
Ditadura militar disma
Dismael Sagás
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
eunamahcado
 
Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964
Aline Oliveira
 
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
Jainny F.
 
Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]
PIBIDSolondeLucena
 
Ditadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar MiinicursoDitadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar Miinicurso
PIBID-H
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Kerol Brombal
 

Semelhante a Aula 24 da república militar à nova república (20)

Resumo e atividades sobre ditadura militar
Resumo e atividades sobre ditadura militarResumo e atividades sobre ditadura militar
Resumo e atividades sobre ditadura militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura militar parte 2-6
Ditadura militar   parte 2-6Ditadura militar   parte 2-6
Ditadura militar parte 2-6
 
Ditadura 1964
Ditadura 1964Ditadura 1964
Ditadura 1964
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
 
Ditadura Militar
Ditadura Militar Ditadura Militar
Ditadura Militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
O circuito de produção e o espaço industrial
O circuito de produção e  o espaço industrialO circuito de produção e  o espaço industrial
O circuito de produção e o espaço industrial
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura militar disma
Ditadura militar dismaDitadura militar disma
Ditadura militar disma
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
 
Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964Regime Militar Brasileiro - 1964
Regime Militar Brasileiro - 1964
 
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair AguilarRegime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
Regime Militar no Brasil - Prof. Altair Aguilar
 
Ditadura militar no brasil
Ditadura militar no brasilDitadura militar no brasil
Ditadura militar no brasil
 
Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]Texto ditadura 2[1]
Texto ditadura 2[1]
 
Ditadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar MiinicursoDitadura Militar Miinicurso
Ditadura Militar Miinicurso
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Aula 24 da república militar à nova república

  • 1. Aula 24 Da República Militar à Nova República. Nesta aula trataremos do período contemporâneo da república brasileira: dos governos militares, iniciado em 1964 aos dias atuais. A República Militar (1964/1985). O golpe militar de 1964 foi efetivado com o objetivo de evitar a ameaça comunista. O regime militar foi marcado pelas restrições aos direitos e garantias individuais e pelo uso da violência aos opositores do regime. O modelo político do regime militar foi caracterizado pelo fortalecimento do Executivo que marginalizou o Legislativo (através da cassação de mandatos) e interferiu nas decisões do Judiciário (como por exemplo a publicação dos atos institucionais); pela centralização do poder, tornando o princípio federativa letra morta constitucional; controle da estrutura partidária, dos sindicatos e demais representações; pela censura aos meios de comunicação e intensa repressão política – os casos de tortura eram sistemáticos. O modelo econômico do regime militar foi marcado pelo processo de concentração de rendas e abertura externa da economia brasileira. Governo do marechal Castello Branco ( 1964/67). Foi eleito por vias indiretas, através do ato institucional nŠ 1, em 10 de abril de 1964. Em seu governo foi criado o Serviço Nacional de Informação (SNI). Seu governo é marcado por uma enorme reforma administrativa, eleitoral, bancária, tributária, habitacional e agrária. Criou-se o Cruzeiro Novo, o Banco Central, Banco Nacional da Habitação e o Instituto Nacional da Previdência Social (INPS). Criou-se também o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Em outubro de 1965 foi assinado o ato institucional nŠ2, ampliando o controle do Executivo sobre o Legislativo, extinguindo os partidos políticos – inaugurando o bipartidarismo no Brasil. De um lado o partido governista a ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e, de outro lado, a oposição, reunida no MDB (Movimento Democrático Brasileiro). Este mesmo ato determinou que as eleições para presidente seriam diretas. Em fevereiro de 1966 foi decretado o ato institucional nŠ3 estabelecendo eleições indiretas para governador e para os municípios considerados de “segurança nacional”, incluindo todas as capitais. Em 1967, mediante o ato institucional nŠ4, foi promulgada uma nova Constituição. Nela mantinha-se o princípio federativo e os princípios dos atos institucionais – eleições indiretas para presidente e governadores. A Constituição fortalecia os poderes presidenciais, permitindo ao presidente decretar estado de sítio, efetivar intervenção federal nos Estados, decretar recesso no Congresso Nacional, legislar por decretos e cassar ou suspender os direitos políticos. Antes de deixar a presidência, Castello Branco instituiu a Lei de Segurança Nacional, sendo um conjunto de normas que regulamentava todas as atividades sociais, estabelecendo severa punições aos transgressores. Governo do marechal Costa e Silva ( 1967/1969). Fazia parte da chamada “linha dura” – setor do Exército que exigia medidas mais enérgicas e repressivas para manter a ordem social e política. Em seu governo, no ano de 1967, formou-se a Frente Ampla, grupo de oposição ao regime militar – liderada por Carlos Lacerda e JK. A Frente exigia a anistia política, eleições diretas em todos os níveis e a convocação de uma Assembléia Constituinte. As agitações internacionais de 1968 tornou a esquerda mais radical, defendendo a luta armada para a redemocratização do país. O movimento estudantil crescia e exigia democracia.
  • 2. Da mesma forma, os grupos de direita também se radicalizavam. O assassinato do estudante Edson Luís pela polícia, na Guanabara, provocou um enorme ato de protesto – a passeata dos cem mil. Em dezembro de 1968, o deputado pelo MDB, Márcio Moreira Alves fez um pesado discurso e atacando as Forças Armadas. O ministro da Justiça, Gama e Silva, procurou processar o deputado; porém o Congresso garantiu a imunidade do parlamentar. Como resposta, Costa e Silva decretou o ato institucional nŠ5 – o mais violento de todos. Pelo AI-5 estabeleceu-se, entre outros: o fechamento do Legislativo pelo presidente da República, a suspensão dos direitos políticos e garantias constitucionais, inclusive a do habeas-corpus; intervenção federal nos estados e municípios. Através do AI-5 as manifestações foram duramente reprimidas, provocando o fechamento total do regime militar. Segundo o historiador Boris Fausto: “Um dos muitos aspectos trágicos do AI-5 consistiu no fato de que reforçou a tese dos grupos de luta armada.” Semelhante tese transformou-se em realidade com a eleição (indireta) de um novo presidente – Emílio Garrastazu Médici –pois Costa e Silva sofreu um derrame cerebral. Governo do general Médici ( 1969/1974). Período mais repressivo de todo regime militar, onde a tortura e repressão atingiram os extremos, bem como a censura aos meios de comunicação. O pretexto foi a intensificação da luta armada contra o regime. A luta armada no Brasil assumiu a forma de guerra de guerrilha (influenciada pela revolução cubana, pela guerra do Vietnã e a revolução chinesa). Os focos de guerrilha no Brasil foram: na serra do Caparaó, em Minas Gerais – destruído pela rápida ação do governo federal; um outro foco foi no vale do Ribeira, em São Paulo, chefiado pelo capitão Carlos Lamarca – foco também reprimido pelo governo rapidamente. O principal foco guerrilheiro foi no Araguaia, no Pará. Seus participantes eram ligados ao Partido Comunista do Brasil e conseguiram apoio da população local. O modelo teórico dos guerrilheiros seguia as propostas de Mao Tsé-tung. O foco, descoberto em 1972, foi destruído em 1975. Ao lado da guerrilha rural, desenvolveu-se também a guerrilha urbana. Seu principal organizador foi Carlos Marighella, líder da Aliança de Libertação Nacional. Para combater a guerrilha urbana o governo federal sofisticou seu sistema de informação com os DOI-CODI (Destacamento de Operação e Informações-Centro de Operações de Defesa Interna), que destruíram os grupos de guerrilha da extrema esquerda. Os DOIs-CODIs tinham na tortura uma prática corriqueira. O MILAGRE ECONÔMICO Período do governo Médici de grande crescimento econômico e dos projetos de grandes impactos (como a Transamazônica e o Movimento Brasileiro de Alfabetização-MOBRAL), em razão do ingresso maciço de capital estrangeiro. Houve uma expansão do crédito, ampliando o padrão de consumo do país e gerando uma onda de ufanismo, como no slogan “este é um país que vai prá frente”. O regime utiliza este período de otimismo para ocultar a repressão política – aproveita-se inclusive das conquistas esportivas da década de 70, como o tricampeonato de futebol. O ideólogo do “milagre” foi o economista Delfim Netto usando como atrativo ao capital estrangeiro as baixas taxas de juros utilizadas no mercado internacional. No entanto, a modernização e o crescimento econômico brasileiro não beneficiou as camadas pobres. No período do “milagre” as taxas de mortalidade infantil subiram e, segundo estimativas do Banco Mundial, no ano de 1975 70 milhões de brasileiros eram desnutridos. O governo do general Ernesto Geisel (1974/79). O presidente Geisel tomou posse sob a promessa do retorno ‘a democracia de forma “lenta, gradual e segura”. Seu governo marca o início do processo de abertura política.
  • 3. Em novembro de 1974 houve eleições parlamentares e o resultado foi uma expressiva vitória do MDB. Preocupado com as eleições municipais, no dia 1Š de julho de 1976 foi aprovada a Lei Falcão, que estabelecia normas gerias para a campanha eleitoral através do sistema de radiodifusão: exibição da fotografia do candidato, sua legenda e seu número. Apresentação do nome e seu currículo. Semelhantes regras forçava o candidato a conquistar o voto no contato direto com o eleitor. No dia 1Š de abril de 1977, o presidente – utilizando o AI-5 – decretou o recesso do Congresso Nacional. Foi promulgando, então, o pacote de abril, estabelecendo mandato de seis anos para presidente da República, manutenção das eleições indiretas para governador, diminuição da representação dos estados mais populosos no Congresso Nacional e criada a reserva de um terço das vagas do Senado para nomes indicados pelo governo (senador biônico). Embora a censura aos meios de comunicação tenha diminuído o regime continuava fechada e a repressão existia. Como exemplo, a morte do jornalista da TV Cultura, Vladimir Herzog, nas dependências do DOI-CODI paulista (1975) e o “suicídio” do operário Manuel Fiel Filho em 1976. O ano de 1977 foi muito agitado politicamente – em razão da crise mundial do petróleo – resultando em cassações de mandatos e diversas manifestações estudantis em todo o país. No ano de 1978 houve uma greve de metalúrgicos no ABC paulista, sob a liderança de Luís Inácio da Silva, o Lula. No final de seu governo, Geisel revogou o AI-5. O governo do general Figueiredo ( 1979/1985). Durante o governo de João Baptista Figueiredo houve fortes pressões, da sociedade civil, que exigiam o retorno ao estado de direito, uma anistia política, justiça social e a convocação de uma Assembléia Constituinte. Em março de 1979, uma greve de metalúrgicos no ABC paulista mobilizou cerca de 180 mil manifestantes; em abril de 1981, uma nova greve, que mobilizou 330 mil operários, por 41 dias. Neste contexto é que se destaca o líder sindical Luís Inácio da Silva – Lula. A UNE reorganizou-se no ano de 1979 e, neste mesmo ano, o presidente Figueiredo aprovou a Lei da Anistia – que beneficiava exclusivamente os presos políticos. Alguns exilados puderam voltar ao país. Ainda em 1979 foi extinto o bipartidarismo, forçando uma reforma partidária. Desta reforma surgiram o PSD (Partido Social Democrático), herdeiro da antiga Arena; o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), composto por políticos do antigo MDB; o PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), controlado por Ivete Vargas e formado por setores da antiga ARENA; PDT (Partido Democrático Trabalhista), fundado por Leonel Brizola e PT (Partido dos Trabalhadores), com propostas socialistas. Em 1983 a sociedade civil participou intensamente do movimento das Diretas-já. Em 1984 foi apresentada a Emenda Dante de Oliveira, que propunha o restabelecimento das eleições diretas para presidente da República. A emenda foi rejeitada pelo Congresso Nacional. No ano de 1985, em eleições pelo Colégio Eleitoral, o candidato da oposição- Tancredo Neves derrotou o candidato da situação – Paulo Maluf. Tancredo Neves não chegou a tomar posse – devido a problemas de saúde veio a falecer em 21 de abril de 1985. O vice- presidente, José Sarney assumiu a presidência, iniciando um período conhecido como Nova República. A Nova República. Governo de José Sarney (1985/1990) O mandato de José Sarney foi marcado pelos altos índices inflacionários e pela existência de vários planos econômicos: Plano Cruzado (1986), Plano Bresser (1987) e Plano Verão (1989). O plano de maior repercussão foi o Plano Cruzado, que, procurando conter a inflação determinou: congelamento de todos os preços por um ano; abono salarial de 8%, e
  • 4. reajustados após um ano, ou quando a inflação atingisse 20%; extinção da correção monetária e o cruzeiro perdia três zeros e passava ser chamado de cruzado. Por ser um governo de transição democrática, importantes avanços políticos ocorreram, como a convocação de uma Assembléia Constituinte que elaborou e promulgou a Constituição de 1988 – “Constituição Cidadã”- que estabeleceu as eleições diretas em todos os níveis; a legalização dos partidos políticos de qualquer tendência; instituição do voto facultativo aos analfabetos, jovens entre 16 e 18 anos e pessoas acima de 70 anos; fim da censura; garantido o direito de greve e a liberdade sindical; ampliação dos direitos trabalhistas; intervenção do Estado nos assuntos econômicos e nacionalismo econômico ao reservar algumas atividades às empresas estatais. As eleições presidenciais de 1989 Em dezembro de 1989 foram realizadas as primeiras eleições diretas para a Presidência da República desde 1960. Três candidatos destacaram-se na disputa: Fernando Collor de Mello, do pequeno Partido da Renovação Nacional (PRN); Leonel Brizola do Partido Democrático Brasileiro (PDT) e Luís Inácio “Lula” da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT). A disputa foi para o segundo turno entre Fernando Collor e Lula, cabendo ao primeiro a vitória nas eleições – graças à imagem de “caçador de marajás”, e de uma plataforma de luta contra a corrupção, na modernização do Brasil e de representar os pobres e marginalizados – os “descamisados”. O governo de Fernando Collor de Mello (1990/92) Aplicou o plano econômico denominado de Plano Brasil Novo, o qual extinguiu o cruzado novo e retornou o cruzeiro; congelou preços e salários; bloqueio boa parte do dinheiro de aplicações financeiras e de poupanças por 18 meses. Houve grande número de demissões no setor público, redução nas tarifas de importação e um tumultuado processo de privatizações. No entanto, as denúncias de corrupção envolvendo o alto escalão do governo levou o Congresso a formar uma Comissão Parlamentar de Inquérito. O relatório final da CPI apontou ligações do presidente com Paulo César Farias – amigo pessoal e tesoureiro da campanha presidencial. O envolvimento de Collor no chamado “esquema PC”, que envolvia troca de favores governamentais por dinheiro, gerou o processo de impeachment – ou seja, o afastamento do Presidente da República. Fernando Collor procurou bloquear o processo, porém a população foi às ruas exigindo seu afastamento (“os caras-pintadas”). O presidente renunciou em 30 de dezembro de 1992, após decisão histórica do Congresso Nacional no dia anterior pelo seu afastamento. O vice-presidente Itamar Franco assumiu o cargo. O governo de Itamar Franco ( 1992/1995). Realização de um plebiscito em 1993 que deveria estabelecer qual o regime político (monarquia ou república) e qual a forma de governo (presidencialismo ou parlamentarismo). No dia 21 de abril o resultado do plebiscito confirmou a manutenção da república presidencialista. No aspecto econômico o mais importante foi a aplicação do Plano Real, que buscava combater a inflação e estabilizar a economia nacional. O Plano pregava a contenção dos gastos públicos, a privatização de empresas estatais, a redução do consumo mediante o aumento da taxa de juros e maior abertura do mercado aos produtos estrangeiros. O Plano contribuiu para a queda da inflação e aumento do poder aquisitivo e da capacidade de consumo – em razão da queda dos preços dos produtos face à concorrência estrangeira. A popularidade do Plano Real auxiliou o ministro da Fazenda de Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, a vencer as eleições em outubro de 1994. O governo de Fernando Henrique Cardoso (1995/2002)
  • 5. Fernando Henrique Cardoso foi o primeiro presidente do Brasil a conseguir uma reeleição – através de uma mudança constitucional. Seus dois mandatos são caracterizados pela aceleração do processo de globalização: a criação do Mercosul e a eliminação das barreiras alfandegárias entre Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai ( a formação do bloco obedece várias etapas). Em termo de organização social destaque para a questão fundiária do país e a atuação do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), que, através da ocupação de terras procura agilizar o processo de reforma agrária no país. Os anos de FHC como presidente foram marcados pela hegemonia do neoliberalismo e antigos e urgente problemas nâo foram solucionados, tais como a exclusão social, a imensa concentração fundiária e empresarial, a corrupção e os descasos administrativos, ausência de uma política educacional, desfaçatez na área da saúde e previdência social, a violência urbana, o desemprego, crescimento do subemprego, concentração de rendas e injustiça social... Somente através do conhecimento histórico podemos analisar, entender e transformar a nossa história. Somente ela (a História) pode conscientizar a todos nós, para que juntos – ou individualmente – possamos transformar nossa dura, triste e fascinante realidade... Exercícios 1) (UFRS)- Considere o modelo econômico brasileiro e suas características intensificadas a partir de 1964: I) internacionalização da economia brasileira. II) Maior presença das multinacionais no sistema produtivo local. III) Exportação de bens manufaturados baratos e importação de equipamento e tecnologia. Quais estâo corretas? a) apenas I b) apenas II c) apenas III d) Apenas I e II e) I, II e III 2) (FUVEST-SP) Sobre o fim do período militar no Brasil (1964/1985), pode-se afirmar que ocorreu de forma: a) conflituosa, resultando em um rompimento entre as Forças Armadas e os partidos políticos; b) abrupta e inesperada, como na Argentina do general Galtieri; c) negociada, como no Chile, entre o ditador e os partidos na ilegalidade; d) lenta e gradual, como desejavam setores das Forças Armadas; e) sigilosa, entre o presidente Geisel e Tancredo Neves, à revelia do exército e dos partidos. 3) (MOGI-SP) – Assinale a alternativa certa: a) a crise energética da década de 70 não afetou o Brasil com intensidade maior em razão da produção maciça de eletricidade, como também porque o petróleo descoberto na época foi suficiente para cobrir a maior parte de consumo dos derivados do produto; b) a abertura política iniciada no governo Geisel permitiu que se evidenciassem problemas graves no campo social, o que foi demonstrado pelas inúmeras greves de caráter reivindicatório salarial ocorridas a partir daquele governo; c) o governo Figueiredo, dando seqüência à abertura iniciada na gestão presidencial anterior, estabeleceu eleições diretas para preenchimento de todos os cargos do poder executivo a partir de 1982; d) a censura à imprensa foi totalmente abolida a partir do início do governo do general Emílio
  • 6. Garrastazu Médici; e) a extinção do AI-5 colaborou para que a democracia plena fosse adiada indeterminadamente no Brasil. 4) (FGV-SP) – Dos fatos abaixo, qual não teve relação com o movimento das “Diretas-já!” de 1984: a) a eleição direta de José Sarney para a presidência da República; b) a mobilização política da juventude de classe média, que se repetiria com os “cara- pintadas” anti-Collor alguns anos depois; c) o fortalecimento da candidatura de Tancredo Neves a presidente, ainda que escolhido indiretamente; d) a transformação de uma parte dos políticos que apoiavam a ditadura militar em membros da Frente Liberal, pela cisão dentro do PDS; e) a ampliação da participação político-partidária, inclusive com a formação de partidos novos e o enfraquecimento do regime militar. 5) (UFMS) – No governo de Ernesto Geisel, a chamada abertura democrática iniciou-se com: a) a introdução do voto vinculado; b) o término da intervenção nos sindicatos; c) a revogação do ato institucional nŠ5; d) a concessão do direito de voto aos analfabetos; e) a volta dos exilados políticos de 1964. 6) (FATEC) – Sobre o governo do presidente Itamar Franco, considere as seguintes afirmações: I- Embora os graves problemas sociais e econômicos continuassem a exigir providências, o grande debate político dava-se em torno da definição das futuras candidaturas para presidente da República; II- Após a realização do plebiscito que decidiu sobre o regime e a forma de governo que deveriam vigorar no País, a revisão constitucional (questão de fundamental importância) não foi adiante; III- A culminância da atuação do Ministério da Fazenda deu-se com a implantação de um novo plano econômico: o Plano Real. Tratava-se de um conjunto de medidas que deveriam estabilizar a moeda e promover a estabilidade da economia. Destas afirmações. a) apenas a II é a III são corretas; b) apenas a I é a II são corretas; c) apenas I é III são corretas; d) apenas I é correta; e) todas são corretas. Respostas 1) E 2) D 3) B 4) A 5) C 6) E