SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
HISTÓRIA.doc
• Ronaldo Vainfas
• Jorge Ferreira
• Sheila de Castro Faria
• Daniela Buono Calainho
Unidade 4 – América Latina e Brasil:
democracia, ditadura e revolução
Nesta Unidade:
• O modelo agro-exportador
• latino-americano
• A Unidade Popular no Chile
• O golpe militar e a ditadura chilena
• O governo peronista e a ditadura
• argentina
• A Revolução Mexicana
• A Revolução Cubana
• O governo Eurico Gaspar Dutra
• Getúlio Vargas e a crise de 1954
• Juscelino Kubitschek e o
• desenvolvimentismo
• Jânio Quadros e a crise da renúncia
• João Goulart e o golpe civil-militar de
• 1964
• A ditadura militar: autoritarismo,
• repressão e crescimento econômico
Capítulo 12
Chile e Argentina: democracias destruídas
Em 1980, por meio de um plebiscito, a maioria
da população aprovou mais oito anos do governo
de Pinochet. Mas no plebiscito de 1988, 55% dos
eleitores chilenos disseram “não” à sua
continuidade na presidência por mais 8 anos.
O regime militar, nessa época, sofria muitas
críticas e o contexto internacional não permitia a
continuidade de ditaduras. A partir daí, começou
no Chile a transição ao regime democrático. No
ano seguinte, ocorreram eleições diretas para
presidente da República.
O fim da ditadura
A ditadura militar havia perdido qualquer
apoio, e o país iniciava o processo de transição à
democracia. Em 1983, Raúl Alfonsín foi eleito
presidente da República. A Argentina começava
uma nova fase em sua vida política.
Os militares que cometeram crimes foram
processados, julgados e condenados, fortalecendo
a democracia argentina. O general Jorge Rafael
Videla, líder da ditadura militar, foi condenado à
prisão perpétua.
Capítulo 13
México e Cuba – revoluções na América
Latina
No final do século XIX, toda a região rural do sul do México, que havia sido
organizada em pueblos indígenas, passava por grandes conflitos pela posse da terra. Os
conflitos ocorriam por conta da formação de enormes fazendas, as chamadas
haciendas.
A maioria das haciendas era formada de terras tomadas dos indígenas. Os
fazendeiros acumulavam cada vez mais terras, enquanto os indígenas, sem terra, eram
obrigados a trabalhar para eles. As injustiças sociais no sul do México tornaram-se
muito grandes. Os indígenas recebiam salários baixos e se endividavam com os
fazendeiros.
O conflito pela posse de terras se acentuou a tal ponto que se transformou em uma
guerra dentro do próprio país. A vitória de um dos lados nesse conflito armado
conduziu a um processo revolucionário conhecido como Revolução Mexicana. Vamos
conhecer dois líderes revolucionários que se destacaram.
A Revolução Cubana
Desde 1952, com apoio do exército, Fulgêncio Batista
governava Cuba como ditador. O país era grande
exportador de açúcar, o que beneficiava grandes
proprietários rurais, empresários, políticos e a alta
oficialidade do exército.
Na Universidade de Havana, estudantes planejaram
derrubá-lo do poder. Entre eles estava o estudante de
Direito Fidel Castro. Em 26 de julho de 1953, com 26 anos
de idade, ele liderou um grupo de estudantes que atacou
o quartel de Moncada, na cidade de Santiago de Cuba.
Todos foram presos.
Fidel Castro passou dois anos no presídio. Em 1955,
Fidel e um grupo de opositores foram para o México. O
objetivo era retornar a Cuba e lutar contra o governo
ditatorial de Batista. Na capital mexicana, Fidel conheceu
Che Guevara.
Capítulo 14
Democracia e desenvolvimentismo no Brasil
(1946 – 1964)
Entre 1946 e 1964, o Brasil conheceu a sua primeira experiência democrática. O
regime liberal-democrático regido pela Constituição de 1946 garantiu aos brasileiros
seus direitos civis, políticos e sociais.
Durante esse período, o Brasil cresceu economicamente e a sociedade
brasileira participou ativamente da vida política do país. Trabalhadores do campo e
da cidade, junto de estudantes, estiveram à frente de grandes mobilizações por
reformas econômicas e sociais. Artistas e intelectuais renovaram a produção
cultural.
A sociedade brasileira queria um país desenvolvido, mas também justo. Não foi
o que ocorreu. O golpe militar de 1964 pôs fi m ao regime democrático no país.
Capítulo 15
A ditadura militar brasileira
Os militares derrubaram João Goulart da presidência da República entre os dias 31
de março e 1o de abril de 1964. Contaram com amplo apoio dos empresários, setores
das classes médias, meios de comunicação, de vários governadores de Estado e do
governo dos Estados Unidos.
Um dos principais líderes dos militares golpistas foi o general Humberto de Alencar
Castelo Branco, eleito pelo Congresso Nacional para terminar o mandato do
presidente deposto, que se encerraria em 1966. No entanto, prorrogou seu mandato
até março de 1967.
Os militares que apoiavam o general Castelo Branco e os parlamentares da União
Democrática Nacional (UDN) e do Partido Social Democrático (PSD) entraram em um
acordo e decidiram que haveria uma “operação limpeza”, que consistia em punir
políticos, sindicalistas, líderes estudantis e ativistas de esquerda, como os trabalhistas
e os comunistas. Depois disso, ao final do mandato presidencial de Castelo Branco, o
Brasil retornaria à normalidade democrática.
Ditadura em segundo movimento:
segurança e desenvolvimento
Em 1969, o marechal-presidente Costa e Silva adoeceu e faleceu. Os generais do
Exército indicaram para a presidência do Brasil outro representante da “linha dura”, o
general Emílio Garrastazu Médici.
Havia nos mercados financeiros internacionais muito dinheiro disponível para
empréstimos a juros baixos. Desde 1968, os economistas do governo militar usaram
esse dinheiro para realizar grandes investimentos no país. Começava o que, mais tarde,
seria conhecido como “milagre econômico brasileiro”.
Ditadura em terceiro movimento: a
abertura
Em 1974, os comandantes do Exército
concordaram que o próximo presidente seria
o general Ernesto Geisel. Geisel assumiu a
presidência com o compromisso de realizar
uma “abertura lenta, gradual e segura”. Não
se tratava da redemocratização plena do
Brasil, e sim da criação de um regime menos
repressivo, aceito pela população e sob o
controle dos militares.
Em resumo
Os países da América Latina entraram no século XX com economias pobres e
sociedades injustas. Mas havia projetos de mudança. No México e na Argentina,
governos nacionalistas reconheceram as reivindicações de operários e camponeses e
incentivaram a industrialização. Em Cuba, uma revolução resultou na implantação do
socialismo. No Chile, o governo de Salvador Allende tentou implantar o socialismo por
vias democráticas. Alguns desses projetos foram interrompidos por violentos golpes
militares, como na Argentina e no Chile. O Brasil, a partir de 1946, conheceu sua
primeira experiência de democracia ampliada, com a participação política de milhões
de brasileiros. O projeto de desenvolver o país com reformas que instituíssem maior
justiça social mobilizou vários setores da sociedade. Em 1964 ocorreu um golpe civil-
militar e durante 21 anos o país viveu sob a ditadura das Forças Armadas. Foi um
período de autoritarismo e de intolerância, mas também de crescimento econômico
com concentração da riqueza. Somente em 1985 a ditadura chegou ao fim e o Brasil
retornou ao regime democrático.
Mãos à obra
Na época do “milagre econômico brasileiro”, a
ditadura militar produziu propaganda política elogiosa
ao governo. A propaganda política estava nas estações
de rádio, emissoras de televisão e jornais. Era comum,
também, a distribuição de adesivos para colar nos
vidros dos automóveis.
Algumas mensagens produzidas pela propaganda
oficial afirmavam: “Esse é um país que vai pra frente”,
“Brasil: ame-o ou deixe-o”, “Pra frente Brasil”,
“Ninguém mais segura esse país”. Na propaganda
política dos militares, amar o seu país ou ser patriota
era o mesmo que apoiar o governo militar.
• Como você criticaria essas mensagens contidas na
propaganda política da ditadura?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Populismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América LatinaPopulismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América Latina
Gilmar Rodrigues
 
A América Latina nos séculos XX e XXI
A América Latina nos séculos XX e XXIA América Latina nos séculos XX e XXI
A América Latina nos séculos XX e XXI
Paulo Alexandre
 
Populismo na America Latina e no Brasil
Populismo na America Latina e no BrasilPopulismo na America Latina e no Brasil
Populismo na America Latina e no Brasil
Natalia Guerino
 
SéCulo Xx – AméRica Latina Site
SéCulo Xx – AméRica Latina   SiteSéCulo Xx – AméRica Latina   Site
SéCulo Xx – AméRica Latina Site
Carlos Glufke
 

Mais procurados (20)

Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Populismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América LatinaPopulismo e Ditaduras na América Latina
Populismo e Ditaduras na América Latina
 
A AMÉRICA LATINA
A AMÉRICA LATINAA AMÉRICA LATINA
A AMÉRICA LATINA
 
América Latina no século XX
América Latina no século XXAmérica Latina no século XX
América Latina no século XX
 
A América Latina nos séculos XX e XXI
A América Latina nos séculos XX e XXIA América Latina nos séculos XX e XXI
A América Latina nos séculos XX e XXI
 
5º era vargas.hist.ed.brasil
5º era vargas.hist.ed.brasil5º era vargas.hist.ed.brasil
5º era vargas.hist.ed.brasil
 
A Era Vargas
A Era VargasA Era Vargas
A Era Vargas
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
Ditadura argentina
Ditadura argentinaDitadura argentina
Ditadura argentina
 
Ditaduramilitar1964 1985trabalho-100608211232-phpapp01
Ditaduramilitar1964 1985trabalho-100608211232-phpapp01Ditaduramilitar1964 1985trabalho-100608211232-phpapp01
Ditaduramilitar1964 1985trabalho-100608211232-phpapp01
 
Populismo na America Latina e no Brasil
Populismo na America Latina e no BrasilPopulismo na America Latina e no Brasil
Populismo na America Latina e no Brasil
 
Guerra Fria e Am. Latina
Guerra Fria e Am. LatinaGuerra Fria e Am. Latina
Guerra Fria e Am. Latina
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
 
Ditadura chilena e a redemocratização
Ditadura chilena e a redemocratizaçãoDitadura chilena e a redemocratização
Ditadura chilena e a redemocratização
 
América latina na guerra fria.
América latina na guerra fria.América latina na guerra fria.
América latina na guerra fria.
 
Flash car ds ditaduta
Flash car ds ditadutaFlash car ds ditaduta
Flash car ds ditaduta
 
Era vargas 1
Era vargas 1Era vargas 1
Era vargas 1
 
SéCulo Xx – AméRica Latina Site
SéCulo Xx – AméRica Latina   SiteSéCulo Xx – AméRica Latina   Site
SéCulo Xx – AméRica Latina Site
 
Ditadura na américa latina
Ditadura na américa latinaDitadura na américa latina
Ditadura na américa latina
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 

Semelhante a Hist doc 9.4

Geografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdfGeografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdf
Tallita5
 
Entre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditaduraEntre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditadura
felipe_paes
 
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era VargasSlides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Sofia Figueira
 

Semelhante a Hist doc 9.4 (20)

Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura MilitarAula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
 
Geografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdfGeografia Bimestral.pdf
Geografia Bimestral.pdf
 
Os anos de chumbo (aula 13)
Os anos de chumbo (aula 13)Os anos de chumbo (aula 13)
Os anos de chumbo (aula 13)
 
Governos populistas no Brasil
Governos populistas no BrasilGovernos populistas no Brasil
Governos populistas no Brasil
 
Revisão 9º ano
Revisão 9º ano Revisão 9º ano
Revisão 9º ano
 
A ERA VARGAS- MARINA.pptx
A ERA VARGAS- MARINA.pptxA ERA VARGAS- MARINA.pptx
A ERA VARGAS- MARINA.pptx
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
 
Guerrilhas latinas
Guerrilhas latinasGuerrilhas latinas
Guerrilhas latinas
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
 
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Trab. Historia
Trab. HistoriaTrab. Historia
Trab. Historia
 
Correção de Exercício Objetivo América Latina no século XX - Copia.pptx
Correção de Exercício Objetivo América Latina no século XX - Copia.pptxCorreção de Exercício Objetivo América Latina no século XX - Copia.pptx
Correção de Exercício Objetivo América Latina no século XX - Copia.pptx
 
Utopia e barbárie
Utopia e barbárieUtopia e barbárie
Utopia e barbárie
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
 
Período Democrático - Saboia - 9° ano
Período Democrático - Saboia - 9° anoPeríodo Democrático - Saboia - 9° ano
Período Democrático - Saboia - 9° ano
 
AVALIAÇÃO Período Democráico, Contra Cultura e Ditadura Militarcx
AVALIAÇÃO Período Democráico, Contra Cultura e Ditadura MilitarcxAVALIAÇÃO Período Democráico, Contra Cultura e Ditadura Militarcx
AVALIAÇÃO Período Democráico, Contra Cultura e Ditadura Militarcx
 
Entre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditaduraEntre a democracia e a ditadura
Entre a democracia e a ditadura
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era VargasSlides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
Slides dos alunos do 9ºC sobre a Era Vargas
 

Mais de bleckmouth (20)

Cien barros 9.3
Cien barros 9.3Cien barros 9.3
Cien barros 9.3
 
Cien barros 9.2
Cien barros 9.2Cien barros 9.2
Cien barros 9.2
 
Cien barros 9.1
Cien barros 9.1Cien barros 9.1
Cien barros 9.1
 
Cien barros 8.5
Cien barros 8.5Cien barros 8.5
Cien barros 8.5
 
Cien barros 8.4
Cien barros 8.4Cien barros 8.4
Cien barros 8.4
 
Cien barros 8.3
Cien barros 8.3Cien barros 8.3
Cien barros 8.3
 
Cien barros 8.2
Cien barros 8.2Cien barros 8.2
Cien barros 8.2
 
Cien barros 8.1
Cien barros 8.1Cien barros 8.1
Cien barros 8.1
 
Cien barros 7.4
Cien barros 7.4Cien barros 7.4
Cien barros 7.4
 
Cien barros 7.3
Cien barros 7.3Cien barros 7.3
Cien barros 7.3
 
Cien barros 7.2
Cien barros 7.2Cien barros 7.2
Cien barros 7.2
 
Cien barros 7.1
Cien barros 7.1Cien barros 7.1
Cien barros 7.1
 
Hist doc 9.5
Hist doc 9.5Hist doc 9.5
Hist doc 9.5
 
Hist doc 9.3
Hist doc 9.3Hist doc 9.3
Hist doc 9.3
 
Hist doc 9.2
Hist doc 9.2Hist doc 9.2
Hist doc 9.2
 
Hist doc 9.1
Hist doc 9.1Hist doc 9.1
Hist doc 9.1
 
Hist doc 8.6
Hist doc 8.6Hist doc 8.6
Hist doc 8.6
 
Hist doc 8.5
Hist doc 8.5Hist doc 8.5
Hist doc 8.5
 
Hist doc 8.4
Hist doc 8.4Hist doc 8.4
Hist doc 8.4
 
Hist doc 8.3
Hist doc 8.3Hist doc 8.3
Hist doc 8.3
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 

Hist doc 9.4

  • 1. HISTÓRIA.doc • Ronaldo Vainfas • Jorge Ferreira • Sheila de Castro Faria • Daniela Buono Calainho
  • 2. Unidade 4 – América Latina e Brasil: democracia, ditadura e revolução Nesta Unidade: • O modelo agro-exportador • latino-americano • A Unidade Popular no Chile • O golpe militar e a ditadura chilena • O governo peronista e a ditadura • argentina • A Revolução Mexicana • A Revolução Cubana • O governo Eurico Gaspar Dutra • Getúlio Vargas e a crise de 1954 • Juscelino Kubitschek e o • desenvolvimentismo • Jânio Quadros e a crise da renúncia • João Goulart e o golpe civil-militar de • 1964 • A ditadura militar: autoritarismo, • repressão e crescimento econômico
  • 3. Capítulo 12 Chile e Argentina: democracias destruídas Em 1980, por meio de um plebiscito, a maioria da população aprovou mais oito anos do governo de Pinochet. Mas no plebiscito de 1988, 55% dos eleitores chilenos disseram “não” à sua continuidade na presidência por mais 8 anos. O regime militar, nessa época, sofria muitas críticas e o contexto internacional não permitia a continuidade de ditaduras. A partir daí, começou no Chile a transição ao regime democrático. No ano seguinte, ocorreram eleições diretas para presidente da República.
  • 4. O fim da ditadura A ditadura militar havia perdido qualquer apoio, e o país iniciava o processo de transição à democracia. Em 1983, Raúl Alfonsín foi eleito presidente da República. A Argentina começava uma nova fase em sua vida política. Os militares que cometeram crimes foram processados, julgados e condenados, fortalecendo a democracia argentina. O general Jorge Rafael Videla, líder da ditadura militar, foi condenado à prisão perpétua.
  • 5. Capítulo 13 México e Cuba – revoluções na América Latina No final do século XIX, toda a região rural do sul do México, que havia sido organizada em pueblos indígenas, passava por grandes conflitos pela posse da terra. Os conflitos ocorriam por conta da formação de enormes fazendas, as chamadas haciendas. A maioria das haciendas era formada de terras tomadas dos indígenas. Os fazendeiros acumulavam cada vez mais terras, enquanto os indígenas, sem terra, eram obrigados a trabalhar para eles. As injustiças sociais no sul do México tornaram-se muito grandes. Os indígenas recebiam salários baixos e se endividavam com os fazendeiros. O conflito pela posse de terras se acentuou a tal ponto que se transformou em uma guerra dentro do próprio país. A vitória de um dos lados nesse conflito armado conduziu a um processo revolucionário conhecido como Revolução Mexicana. Vamos conhecer dois líderes revolucionários que se destacaram.
  • 6. A Revolução Cubana Desde 1952, com apoio do exército, Fulgêncio Batista governava Cuba como ditador. O país era grande exportador de açúcar, o que beneficiava grandes proprietários rurais, empresários, políticos e a alta oficialidade do exército. Na Universidade de Havana, estudantes planejaram derrubá-lo do poder. Entre eles estava o estudante de Direito Fidel Castro. Em 26 de julho de 1953, com 26 anos de idade, ele liderou um grupo de estudantes que atacou o quartel de Moncada, na cidade de Santiago de Cuba. Todos foram presos. Fidel Castro passou dois anos no presídio. Em 1955, Fidel e um grupo de opositores foram para o México. O objetivo era retornar a Cuba e lutar contra o governo ditatorial de Batista. Na capital mexicana, Fidel conheceu Che Guevara.
  • 7. Capítulo 14 Democracia e desenvolvimentismo no Brasil (1946 – 1964) Entre 1946 e 1964, o Brasil conheceu a sua primeira experiência democrática. O regime liberal-democrático regido pela Constituição de 1946 garantiu aos brasileiros seus direitos civis, políticos e sociais. Durante esse período, o Brasil cresceu economicamente e a sociedade brasileira participou ativamente da vida política do país. Trabalhadores do campo e da cidade, junto de estudantes, estiveram à frente de grandes mobilizações por reformas econômicas e sociais. Artistas e intelectuais renovaram a produção cultural. A sociedade brasileira queria um país desenvolvido, mas também justo. Não foi o que ocorreu. O golpe militar de 1964 pôs fi m ao regime democrático no país.
  • 8. Capítulo 15 A ditadura militar brasileira Os militares derrubaram João Goulart da presidência da República entre os dias 31 de março e 1o de abril de 1964. Contaram com amplo apoio dos empresários, setores das classes médias, meios de comunicação, de vários governadores de Estado e do governo dos Estados Unidos. Um dos principais líderes dos militares golpistas foi o general Humberto de Alencar Castelo Branco, eleito pelo Congresso Nacional para terminar o mandato do presidente deposto, que se encerraria em 1966. No entanto, prorrogou seu mandato até março de 1967. Os militares que apoiavam o general Castelo Branco e os parlamentares da União Democrática Nacional (UDN) e do Partido Social Democrático (PSD) entraram em um acordo e decidiram que haveria uma “operação limpeza”, que consistia em punir políticos, sindicalistas, líderes estudantis e ativistas de esquerda, como os trabalhistas e os comunistas. Depois disso, ao final do mandato presidencial de Castelo Branco, o Brasil retornaria à normalidade democrática.
  • 9. Ditadura em segundo movimento: segurança e desenvolvimento Em 1969, o marechal-presidente Costa e Silva adoeceu e faleceu. Os generais do Exército indicaram para a presidência do Brasil outro representante da “linha dura”, o general Emílio Garrastazu Médici. Havia nos mercados financeiros internacionais muito dinheiro disponível para empréstimos a juros baixos. Desde 1968, os economistas do governo militar usaram esse dinheiro para realizar grandes investimentos no país. Começava o que, mais tarde, seria conhecido como “milagre econômico brasileiro”.
  • 10. Ditadura em terceiro movimento: a abertura Em 1974, os comandantes do Exército concordaram que o próximo presidente seria o general Ernesto Geisel. Geisel assumiu a presidência com o compromisso de realizar uma “abertura lenta, gradual e segura”. Não se tratava da redemocratização plena do Brasil, e sim da criação de um regime menos repressivo, aceito pela população e sob o controle dos militares.
  • 11. Em resumo Os países da América Latina entraram no século XX com economias pobres e sociedades injustas. Mas havia projetos de mudança. No México e na Argentina, governos nacionalistas reconheceram as reivindicações de operários e camponeses e incentivaram a industrialização. Em Cuba, uma revolução resultou na implantação do socialismo. No Chile, o governo de Salvador Allende tentou implantar o socialismo por vias democráticas. Alguns desses projetos foram interrompidos por violentos golpes militares, como na Argentina e no Chile. O Brasil, a partir de 1946, conheceu sua primeira experiência de democracia ampliada, com a participação política de milhões de brasileiros. O projeto de desenvolver o país com reformas que instituíssem maior justiça social mobilizou vários setores da sociedade. Em 1964 ocorreu um golpe civil- militar e durante 21 anos o país viveu sob a ditadura das Forças Armadas. Foi um período de autoritarismo e de intolerância, mas também de crescimento econômico com concentração da riqueza. Somente em 1985 a ditadura chegou ao fim e o Brasil retornou ao regime democrático.
  • 12. Mãos à obra Na época do “milagre econômico brasileiro”, a ditadura militar produziu propaganda política elogiosa ao governo. A propaganda política estava nas estações de rádio, emissoras de televisão e jornais. Era comum, também, a distribuição de adesivos para colar nos vidros dos automóveis. Algumas mensagens produzidas pela propaganda oficial afirmavam: “Esse é um país que vai pra frente”, “Brasil: ame-o ou deixe-o”, “Pra frente Brasil”, “Ninguém mais segura esse país”. Na propaganda política dos militares, amar o seu país ou ser patriota era o mesmo que apoiar o governo militar. • Como você criticaria essas mensagens contidas na propaganda política da ditadura?