SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O
BRASIL ATUAL
Fernando Alcoforado*
Este artigo tem por objetivo analisar os fatores desencadeadores das revoluções sociais
que ocorreram ao longo da história da humanidade e avaliar a possibilidade de sua
ocorrência no Brasil contemporâneo. Ao analisar os fatores desencadeadores das
revoluções sociais registrados ao longo da história da humanidade, pode-se constatar que
elas ocorreram em diversos países em momentos de desespero por parte de povos
submetidos à tirania de governos, desigualdades sociais extremas, crise econômica
devastadora responsável por milhões de desempregados e fome e a miséria de amplas
camadas da população como a Revolução Francesa de 1789 e a Revolução Russa de 1917
cujos povos pegaram em armas e decidiram derrubar as estruturas políticas, econômicas
e sociais existentes. Outras revoluções aconteceram com o povo pegando em armas
perseguindo estes mesmos objetivos acrescidos da luta pela independência nacional da
opressão japonesa, no caso da Revolução Chinesa de 1949, e da opressão dos Estados
Unidos, no caso da Revolução Cubana em 1959. Finalmente, houve outra revolução
movida apenas na luta contra a tirania e pelos ideais de liberdade e de independência
nacional como a Revolução Americana de 1776 conhecida, também, como Guerra de
Independência dos Estados Unidos quando o povo pegou em armas para eliminar a
opressão exercida pela Inglaterra. Da análise das revoluções acima citadas, conclui-se que
elas ocorreram, de modo geral, movidas pela luta contra a tirania exercida pelo poder
dominante, pelos ideais de liberdade do povo, contra a desigualdade social extrema,
contra a crise econômica devastadora responsável por milhões de desempregados e contra
a fome que afetavam a vida da grande maioria da população e pela independência
nacional (Figura 1).
Figura 1- Fatores desencadeadores de revoluções sociais
2
No Brasil atual, ainda não estão presentes todos os fatores desencadeadores de uma
revolução social. Apenas a crise econômica devastadora, as desigualdades sociais
extremas e a fome endêmica do povo estão presentes no Brasil. Há a ameaça do governo
Bolsonaro de exercer a tirania no Brasil com a implantação de uma ditadura que pode
fazer com que a luta pelas liberdades seja colocada na ordem do dia e não há, ainda, a
percepção pelo povo brasileiro da necessidade de luta pela conquista da verdadeira
independência nacional diante da dominação do capital internacional.
A tirania é o principal fator desencadeador de revolução social porque é uma forma de
governo autoritária em que determinada população é oprimida e tem seu livre arbítrio
anulado como está demonstrado nos parágrafos subsequentes. No governo tirânico, os
governantes não respeitam as liberdades democráticas e violam as leis existentes,
utilizando-se de práticas moralmente condenáveis para se manterem no poder. Na
tirania, o líder governamental utiliza o medo e o terror como forma de controle
coletivo, a fim de se perpetuar no poder e exercer domínio social. Os ideais de luta
pela liberdade do povo se manifesta fundamentalmente quando a tirania se estabelece em
um país. Como será visto nos parágrafos subsequentes, todas as grandes revoluções da
história envolveram a luta pela derrubada do poder tirânico. Destaque-se, também, como
fatores desencadeadores de revolução social a desigualdade social extrema resultante da
exploração econômica dos trabalhadores pelas classes dominantes, a fome endêmica
resultante da pobreza enfrentada pela grande maioria da população e a crise econômica
devastadora que estiveram presentes nas revoluções francesa, russa, chinesa e cubana,
além da tirania exercida pelo poder dominante. A luta pela independência nacional foi
outro fator desencadeador da revolução americana com a guerra de independência dos
Estados Unidos contra a opressão exercida pela Inglaterra, da revolução chinesa contra a
opressão exercida pelo Japão durante a 2ª Guerra Mundial e da revolução cubana contra
a opressão exercida pelos Estados Unidos.
A Revolução Americana foi desencadeada em consequência da tirania exercida
pela Inglaterra contra a população dos Estados Unidos que ensejou o desejo de
conquista da liberdade pelo povo norte-americano. A guerra econômica entre a
Inglaterra e os colonos norte-americanos desencadeou motins cujo conflito agravou-se
com a presença de tropas inglesas enviadas para reprimir os protestos. Várias batalhas
foram travadas contra a tirania britânica que começaram em março de 1775 e culminou
com a conquista da emancipação dos Estados Unidos com a Declaração da Independência
promulgada em 4 de julho de 1776. A Revolução Americana comandada por George
Washington resultou na formação dos Estados Unidos que foi a primeira grande
experiência de um país colonial que se libertou do imperialismo britânico pela força das
armas. É importante destacar o fato de que a Guerra de Independência dos Estados Unidos
foi ao mesmo tempo uma revolução social porque com seu conteúdo liberal serviu,
também, de referencial para a Revolução Francesa e para os ideólogos da democracia no
mundo.
A Revolução Francesa, iniciada em 1789, com a queda da Bastilha, foi motivada pela
crescente desigualdade social, pela crise econômica devastadora e pela fome endêmica
sofrida pela grande maioria da população, sendo inspirada nos ideais do Iluminismo que
foi um movimento cultural europeu do século XVII e XVIII que buscava gerar mudanças
políticas, econômicas e sociais na sociedade da época. A Revolução Francesa, como o
próprio nome sugere, foi um ciclo revolucionário que aconteceu na França em 1789 cujo
3
governo jacobino liderado por Robespierre foi derrubado pela reação thermidoriana
contrária às mudanças políticas, econômicas e sociais em benefício do povo em 1799.
A Revolução Francesa foi um movimento social e político que teve por objetivo principal
derrubar o Antigo Regime e instaurar um Estado democrático que representasse e
assegurasse os direitos de todos os cidadãos. Em 1788 e 1789, a França teve colheitas
ruins, o preço do alimento aumentou, e muitos camponeses não tinham condições de
comprá-los. Resultado: a fome aumentou. A população parisiense foi às ruas da cidade
para lutar contra esta situação no dia 12 de julho de 1789. A agitação popular não
arrefeceu e, no dia 14 de julho, o povo seguiu com o seu levante, atacando primeiro o
Arsenal dos Inválidos e depois promoveu a queda da Bastilha que era uma antiga fortaleza
que havia sido transformada em prisão para os opositores políticos dos reis franceses.
Com a notícia da queda da Bastilha, a revolução espalhou-se por toda a França,
precipitando transformações no país e levando milhares de pessoas, nas cidades e no
campo, a se rebelarem contra a aristocracia francesa e contra o Antigo Regime.
A Revolução Francesa causou também profundas transformações e marcou o início da
queda do absolutismo na Europa.
A Revolução Russa em 1917 resultou da falta de liberdade que era quase absoluta na
Rússia durante o século XIX e do quadro de destruição e fome generalizada causadas pela
1ª Guerra Mundial que motivou a organização de trabalhadores da cidade e do campo
para derrubar a monarquia russa e dar início a uma nova etapa da história mundial com a
construção do socialismo que mudou a história da humanidade no século XX. O exército
russo participou da 1ª Guerra Mundial totalmente despreparado para o confronto. As
consequências foram derrotas em várias batalhas que deixaram a Rússia enfraquecida e
economicamente desorganizada. No campo, reinava uma forte tensão social, devido à
grande concentração de terras na mão da nobreza. A Rússia foi o último país da Europa
a abolir a servidão, em 1861. O regime czarista reprimia a oposição e a polícia política
controlava o ensino, a imprensa e os tribunais. Milhares de pessoas que se opunham ao
czarismo eram enviadas à prisão na Sibéria condenadas por crimes políticos. As
condições de vida pioraram, com a fome, o desemprego e a diminuição dos salários. A
burguesia também não era beneficiada, pois o poder do capital estava concentrado nas
mãos dos banqueiros e dos grandes empresários. A Revolução Russa de 1917 teve dois
levantes populares: o primeiro ocorrido em fevereiro, contra o governo do czar Nicolau
II, e o segundo, em outubro. Na Revolução de Fevereiro, os revolucionários derrubaram
a monarquia e, na Revolução de Outubro, começaram a implantar um regime de governo
baseado em ideias socialistas. No dia 7 de novembro (25 de outubro no calendário
gregoriano), operários e camponeses, sob a liderança de Lenin, tomaram o poder.
A Revolução Chinesa se deu por dois movimentos: a luta dos camponeses por terras e a
luta do povo chinês pela independência nacional. A Revolução Chinesa contou para seu
sucesso com a existência de um conflito entre o Estado Chinês tirânico e a Sociedade
Civil em que esta última sofria as consequências econômicas e sociais relacionadas com
a dominação estrangeira, sobretudo japonesa durante a 2ª Guerra Mundial. Na cidade, o
povo passava fome, e, no campo, não se plantava nada por não se dispor de sementes. As
forças revolucionárias, sob a liderança de Mao Tse-Tung, combateu a tirania do governo
chinês de Chiang Kai-shek que, mais tarde, a ele se aliaram para derrotar o inimigo
comum, o Japão, para, em seguida, derrotar militarmente as forças de Chiang Kai-shek e
implantar a República Popular da China. A principal força social mobilizada por Mao
Tse-Tung durante a revolução chinesa foram os camponeses. Após várias batalhas contra
o governo Chiang Kai-shek, os comunistas dominaram Pequim, em 1949, e Mao Tse-
4
Tung foi aclamado como novo líder da República Popular da China. Na época, os
comunistas assumiram o poder, com uma China arrasada pelos longos anos em que
batalhou contra o domínio japonês e uma longa Guerra Civil. Mao Tse–Tung iniciou a
reforma agrária, dividiu grandes propriedades entre os camponeses e as cooperativas
agrícolas substituíram as grandes propriedades de terras.
A Revolução Cubana ocorreu em um país, Cuba, que, no início do século XX, era uma
colônia dos Estados Unidos. Desde o seu processo de independência da Espanha em 1902,
a ilha de Cuba viveu sérios problemas políticos decorrentes da instalação de governos
ditatoriais e a intervenção norte-americana no país. Cuba se tornou um protetorado norte-
americano. Em várias ocasiões, os Estados Unidos realizaram invasões militares a Cuba
para garantir sua hegemonia no país. Na década de 1950, a penosa situação social e
econômica do país foi agravada com a instalação em 1952 do regime ditatorial imposto
pelo general Fulgêncio Batista. Cuba adotava o capitalismo com grande dependência dos
Estados Unidos e era um país com grandes desigualdades sociais, pois grande parte da
população vivia na extrema pobreza. Todo este contexto gerava muita insatisfação nas
camadas mais pobres da sociedade cubana, que era a maioria. Em meio aos desmandos e
a subserviência do governo Fulgêncio Batista em relação aos Estados Unidos, um
movimento de oposição armada ganhava força dentro de Cuba. Ocorreram diversas
greves e revoltas com a participação do proletariado que se unia ao movimento estudantil
que ganhava força. O Movimento Revolucionário 26 de Julho liderado por Fidel Castro
traçou o plano de penetrar com um foco guerrilheiro através das florestas ao sudoeste da
ilha, aos pés da Sierra Maestra e espalhar a revolução, contando com a adesão popular e
dos camponeses que viviam miseravelmente ali. As colunas rebeldes fecharam o cerco e
impôs derrota após derrota ao Exército de Batista. Esta luta chegou ao fim em 01/01/1959
quando, em Havana, foi travado o último e definitivo combate. O ditador Fulgêncio
Batista já havia fugido do país na madrugada anterior, junto com a cúpula de seu governo.
Ao assumir o poder em Cuba, o governo revolucionário implantou o socialismo
realizando a nacionalização de bancos, empresas e refinarias de açúcar, promoveu a
reforma agrária com a expropriação de grandes propriedades, estatizou todo o restante do
setor industrial controlado pelos Estados Unidos e realizou reformas profundas nos
sistemas de educação e saúde. Inicialmente, os revolucionários cubanos tendiam a seguir
uma linha política independente como país não alinhado da ordem bipolar instalada após
a Segunda Guerra Mundial. Contudo, as pressões políticas exercidas pelo governo de
John Kennedy dos Estados Unidos acabaram favorecendo a aproximação de Cuba com o
bloco soviético.
É de Wladimir Lenin, grande líder da revolução socialista na Rússia de 1917, a afirmação
de que a eclosão de uma revolução social só ocorrerá “quando os de cima não
podem seguir governando como antes e os de baixo não querem mais seguir
sendo governados como antes”. Esta situação aconteceu nas revoluções americana,
francesa, russa, chinesa e cubana. Se levarmos em conta a situação atual do Brasil, pode-
se afirmar que “os de cima não podem seguir governando como antes” porque o atual
governo brasileiro com Bolsonaro enfrenta dificuldades insanáveis na condução da
economia que está estagnada devido aos problemas econômicos estruturais agravados
pela pamdemia do novo coronavirus razões pelas quais busca governar ditatorialmente
para realizar as mudanças políticas, econômicas e sociais que atendem os interesses das
classes dominantes que afetam profundamente os interesses das classes subalternas, isto
é os de baixo na hierarquia social do Brasil. Por sua vez, no momento atual, nem todos os
que integram os de baixo na hierarquia social brasileira não demonstram ainda rejeição
5
em seguirem sendo governados como antes nos marcos do capitalismo selvagem em vigor
apesar de o Brasil reunir alguns fatores desencadeadores das grandes revoluções
passadas: a extrema desigualdade social, a devastadora crise econômica agravada pela
pandemia com milhões de desempregados e a crescente fome endêmica que afeta a vida
da grande maioria da população.
A tirania do poder dominante no Brasil se manifesta principalmente no nível da economia
com a adoção pelo governo Bolsonaro de medidas econômicas neoliberais que resultam
no desemprego em massa e no plano político-institucional com a adoção de medidas
políticas que implicam na perda de direitos sociais pelas classes subalternas e ameaças à
democracia representativa que, aos poucos, vem sendo sentida pela grande maioria da
população do Brasil. A resistência contra a tirania econômica, política e social do governo
Bolsonaro que vem sendo assumida no âmbito do parlamento e do judiciário pelos
partidos progressistas e pelas organizações da sociedade civil e com as manifestações de
ruas, apesar das limitações impostas pela pandemia do novo coronavirus, traduzem os
ideais de luta pelas liberdades no Brasil contra a tirania exercida pelo poder dominante
no Brasil. A luta pelas liberdades avançará mais ainda se a tirania for imposta pela força
no País com a implantação de uma ditadura. A luta pela independência nacional da
opressão exercida pelo capital internacional ainda não se faz presente no Brasil porque
os detentores do poder econômico do Brasil são sócios do capital internacional e no seio
do povo há uma falsa percepção de que o Brasil é um país independente. Esta luta só se
fará presente quando a população brasileira se conscientizar da espoliação que o Brasil
sofre do capital internacional, isto é, quando tomar conhecimento que o atraso econômico,
científico e tecnológico do Brasil resulta da exploração exercida no País pelo capital
internacional.
Se for consumada a pretensão de Jair Bolsonaro de implantar uma ditadura no Brasil sob
seu comando poderão crescer vertiginosamente os ideais de luta contra a tirania e pela
liberdade do povo, que junto com a luta pelo progresso econômico e contra a desigualdade
social e a fome e, também, pela independência nacional, serão criadas as condições para
a eclosão de uma revolução social no Brasil. No momento, Bolsonaro encontra-se acuado
com o fracasso de seu governo na condução da economia e no combate à pandemia do
novo coronavirus com o agravamento sem precedentes das condições sociais da grande
maioria da população que se defronta com o desemprego em massa, a fome e a miséria.
As acusações contra Bolsonaro de crimes contra a saúde pública, o meio ambiente e a
democracia no Brasil e de acobertar a corrupção no governo podem contribuir para seu
afastamento do poder através de impeachment. Bolsonaro sabe que, estando fora do
poder, pagará pelos crimes que vem praticando perante a justiça brasileira e o Tribunal
Penal Internacional por crimes contra a humanidade ao lidar com a pandemia. Como todo
animal acuado, tudo leva a crer que Bolsonaro tentará realizar um golpe de estado e
implantar uma ditadura contando com o apoio de policiais militares, milícias, setores das
forças armadas e seus apoiadores. Isto ocorrendo, seria instalada a tirania na plenitude no
Brasil.
Se a tirania se instalar no Brasil com uma ditadura bolsonarista, teremos completadas as
condições para a emergência de uma revolução social no Brasil porque a tirania se
somaria às desigualdades sociais extremas, à crise econômica devastadora responsável
por milhões de desempregados, à fome e a miséria de amplas camadas da população e a
espoliação sofrida pelo País do capital internacional. Esta revolução social só será
vitoriosa, entretanto, se for constituída uma frente ampla, democrática e popular com um
6
programa comum de governo para a realização de mudanças estruturais sob uma direção
unificada na luta com a presença de lideranças respeitadas e confiáveis pelo povo
brasileiro. O cenário de confrontação política que se desenha para o futuro do Brasil com
a ditadura bolsonarista e, sua contrapartida, a revolução social difere profundamente do
cenário desejável de edificação da paz social que requer a concertação política, econômica
e social que seria o caminho que impediria um banho de sangue no Brasil resultante de
uma guerra civil que poderá ocorrer se Bolsonaro implantar uma ditadura no Brasil.
A tendência mais provável é a de haver a tentativa de golpe de estado a ser realizada por
Bolsonaro e seus aliados antes das próximas eleições e, se forem nelas derrotados,
sobretudo se as forças políticas de esquerda e centro-esquerda assumirem o poder no
Brasil, ocorreria após as eleições de 2022. Se este golpe de estado for bem sucedido, a
tirania a ser exercida por Bolsonaro e seus aliados poderá desencadear uma guerra civil
que faria com que a revolução social fosse colocada na ordem do dia no Brasil
alimentando o desejo de luta pelas liberdades democráticas de amplos setores da
população. Para evitar a guerra civil no Brasil, as organizações da sociedade civil, os
partidos progressistas e as lideranças políticas devem atuar com responsabilidade voltadas
para a construção de uma frente ampla, democrática e popular que seja capaz de derrotar
Bolsonaro e seus aliados nas eleições de 2022 e se prepararem, também, para barrarem a
possibilidade de Bolsonaro e os detentores do poder usarem da violência para se
manterem no poder ao custo, até mesmo, de uma guerra civil.
Portanto, para evitar a guerra civil e derrotar a tirania exercida pelo poder dominante,
assegurar os ideais de liberdade do povo, combater a desigualdade social extrema, a crise
econômica devastadora e a fome que afetam a vida da grande maioria da população e
conquistar a verdadeira independência do Brasil, é preciso que haja a organização de uma
frente ampla democrática e popular respaldada por um programa comum de mudanças
políticas, econômicas e sociais para o Brasil com a participação de amplos setores da
população e lideranças fortemente apoiadas pelo povo. O ponto de partida para organizar
a frente ampla é haver um programa comum mínimo de mudanças políticas, econômicas
e sociais sem o qual não serão unificadas todas as forças democráticas e progressistas do
País. As grandes lideranças democráticas e progressistas do Brasil precisam se articular
urgentemente para construir esta solução para os graves problemas vividos pela nação
brasileira no momento. Esta ação é urgente.
REFERÊNCIAS
ALCOFORADO. Fernando. As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais
que Mudaram o Mundo. Curitiba: Editora CRV, 2016.
BLANCO, Richard L.; Sanborn, Paul J.. The American Revolution, 1775–1783: An
Encyclopedia. New York: Garland Publishing Inc. ,1993.
COGGIOLA, Osvaldo. A Revolução Chinesa. São Paulo, Editora Moderna, 1986.
__________________. Revolução Cubana. São Paulo, Xama, 1998.
FERRO, Marc. Revolução Russa de 1917. São Paulo: Perspectiva, 2004.
GAXOTTE, Pierre. La Révolution Française. Paris: Librairie Arthème Fayard, 1957.
7
KARNAL, Leandro (org.) História dos Estados Unidos: Das origens ao século XXI. São
Paulo: Contexto, 2007.
LENIN, Vladimir. O Estado e a Revolução. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.
POMAR, W. A Revolução Chinesa. São Paulo: UNESP, 2003.
REED, John. Dez dias que abalaram o mundo. Porto Alegre: L&PM Editores, 2002.
WADE, Rex A. The Russian Revolution. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.
* Fernando Alcoforado, 81, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema
CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento
Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor
nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de
sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC-
O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil
(Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de
doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização
e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século
XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions
of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária
(Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o
progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo,
São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV,
Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI
(Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o
Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba,
2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-
autoria) e Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Era Vargas (1930-45)
A Era Vargas (1930-45)A Era Vargas (1930-45)
A Era Vargas (1930-45)dayanbotelho2
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era VargasAnnalu Jannuzzi
 
00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil
00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil
00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasilAlbano Goes Souza
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Laboratório de História
 
A revolução de 1930
A revolução de 1930A revolução de 1930
A revolução de 1930historiando
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoRodrigo Luiz
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitáriosAlunos Alunos
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populistaJonatas Carlos
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaLaboratório de História
 
Revoluções no século xx
Revoluções no século xxRevoluções no século xx
Revoluções no século xxanpajan
 
Período vargas 1930 1945
Período vargas 1930 1945Período vargas 1930 1945
Período vargas 1930 1945Paloma Meneses
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEdenilson Morais
 

Mais procurados (20)

A Era Vargas (1930-45)
A Era Vargas (1930-45)A Era Vargas (1930-45)
A Era Vargas (1930-45)
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargaswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História -  Era Vargas
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - História - Era Vargas
 
00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil
00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil
00 dias, claudete maria miranda. movimentos sociais do século xix no brasil
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
 
A revolução de 1930
A revolução de 1930A revolução de 1930
A revolução de 1930
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Era vargas 1
Era vargas 1Era vargas 1
Era vargas 1
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
República velha e suas revoltas
República velha e suas revoltasRepública velha e suas revoltas
República velha e suas revoltas
 
Aula 23 república populista
Aula 23   república populistaAula 23   república populista
Aula 23 república populista
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democracia
 
Revoluções no século xx
Revoluções no século xxRevoluções no século xx
Revoluções no século xx
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Período vargas 1930 1945
Período vargas 1930 1945Período vargas 1930 1945
Período vargas 1930 1945
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 

Semelhante a Fatores revoluções sociais

Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneoJonatas Carlos
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraCIRINEU COSTA
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução ChinesaManu Costa
 
3º ano socialismos rafa
3º ano   socialismos rafa3º ano   socialismos rafa
3º ano socialismos rafaRafael Noronha
 
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO Fernando Alcoforado
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazipascoalnaib
 
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
Brasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrioBrasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrio
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrioCIRINEU COSTA
 
História capitulo 03 -socialismo - 9º ano rafa
História   capitulo 03  -socialismo - 9º ano rafaHistória   capitulo 03  -socialismo - 9º ano rafa
História capitulo 03 -socialismo - 9º ano rafaRafael Noronha
 
Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano7 de Setembro
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2Zeze Silva
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderesCIRINEU COSTA
 
Centro, Direita, Esquerda
Centro, Direita, EsquerdaCentro, Direita, Esquerda
Centro, Direita, EsquerdaMarcos Mamute
 
O socialismo além da urss aula
O socialismo além da urss   aulaO socialismo além da urss   aula
O socialismo além da urss aulaprofmarloncardozo
 
Cenario do movimento revolucionário de 1964
Cenario do movimento revolucionário de 1964Cenario do movimento revolucionário de 1964
Cenario do movimento revolucionário de 1964CIRINEU COSTA
 
História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)
História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)
História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)byanapaulaborges
 

Semelhante a Fatores revoluções sociais (20)

Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
 
A miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileiraA miopia da esquerda brasileira
A miopia da esquerda brasileira
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
3º ano socialismos rafa
3º ano   socialismos rafa3º ano   socialismos rafa
3º ano socialismos rafa
 
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
O DEPLORÁVEL GOLPE DE ESTADO DE 1964 MERECE REPÚDIO DO POVO BRASILEIRO
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
 
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
Brasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrioBrasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrio
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
 
História capitulo 03 -socialismo - 9º ano rafa
História   capitulo 03  -socialismo - 9º ano rafaHistória   capitulo 03  -socialismo - 9º ano rafa
História capitulo 03 -socialismo - 9º ano rafa
 
Utopia e barbárie
Utopia e barbárieUtopia e barbárie
Utopia e barbárie
 
Crise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º anoCrise de 1929 - 9º ano
Crise de 1929 - 9º ano
 
Trab. Historia
Trab. HistoriaTrab. Historia
Trab. Historia
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
 
Centro, Direita, Esquerda
Centro, Direita, EsquerdaCentro, Direita, Esquerda
Centro, Direita, Esquerda
 
Hist doc 9.4
Hist doc 9.4Hist doc 9.4
Hist doc 9.4
 
Totalitarismo na europa
Totalitarismo na europaTotalitarismo na europa
Totalitarismo na europa
 
O socialismo além da urss aula
O socialismo além da urss   aulaO socialismo além da urss   aula
O socialismo além da urss aula
 
Cenario do movimento revolucionário de 1964
Cenario do movimento revolucionário de 1964Cenario do movimento revolucionário de 1964
Cenario do movimento revolucionário de 1964
 
História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)
História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)
História da URSS (União das Repúblicas Socialitas Soviéticas)
 
Hist doc 9.1
Hist doc 9.1Hist doc 9.1
Hist doc 9.1
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENFernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?Fernando Alcoforado
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...Fernando Alcoforado
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHFernando Alcoforado
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALFernando Alcoforado
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGEFernando Alcoforado
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALFernando Alcoforado
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 Fernando Alcoforado
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...Fernando Alcoforado
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...Fernando Alcoforado
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...Fernando Alcoforado
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...Fernando Alcoforado
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDFernando Alcoforado
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE Fernando Alcoforado
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOFernando Alcoforado
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...Fernando Alcoforado
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELFernando Alcoforado
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILFernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 

Fatores revoluções sociais

  • 1. 1 AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL Fernando Alcoforado* Este artigo tem por objetivo analisar os fatores desencadeadores das revoluções sociais que ocorreram ao longo da história da humanidade e avaliar a possibilidade de sua ocorrência no Brasil contemporâneo. Ao analisar os fatores desencadeadores das revoluções sociais registrados ao longo da história da humanidade, pode-se constatar que elas ocorreram em diversos países em momentos de desespero por parte de povos submetidos à tirania de governos, desigualdades sociais extremas, crise econômica devastadora responsável por milhões de desempregados e fome e a miséria de amplas camadas da população como a Revolução Francesa de 1789 e a Revolução Russa de 1917 cujos povos pegaram em armas e decidiram derrubar as estruturas políticas, econômicas e sociais existentes. Outras revoluções aconteceram com o povo pegando em armas perseguindo estes mesmos objetivos acrescidos da luta pela independência nacional da opressão japonesa, no caso da Revolução Chinesa de 1949, e da opressão dos Estados Unidos, no caso da Revolução Cubana em 1959. Finalmente, houve outra revolução movida apenas na luta contra a tirania e pelos ideais de liberdade e de independência nacional como a Revolução Americana de 1776 conhecida, também, como Guerra de Independência dos Estados Unidos quando o povo pegou em armas para eliminar a opressão exercida pela Inglaterra. Da análise das revoluções acima citadas, conclui-se que elas ocorreram, de modo geral, movidas pela luta contra a tirania exercida pelo poder dominante, pelos ideais de liberdade do povo, contra a desigualdade social extrema, contra a crise econômica devastadora responsável por milhões de desempregados e contra a fome que afetavam a vida da grande maioria da população e pela independência nacional (Figura 1). Figura 1- Fatores desencadeadores de revoluções sociais
  • 2. 2 No Brasil atual, ainda não estão presentes todos os fatores desencadeadores de uma revolução social. Apenas a crise econômica devastadora, as desigualdades sociais extremas e a fome endêmica do povo estão presentes no Brasil. Há a ameaça do governo Bolsonaro de exercer a tirania no Brasil com a implantação de uma ditadura que pode fazer com que a luta pelas liberdades seja colocada na ordem do dia e não há, ainda, a percepção pelo povo brasileiro da necessidade de luta pela conquista da verdadeira independência nacional diante da dominação do capital internacional. A tirania é o principal fator desencadeador de revolução social porque é uma forma de governo autoritária em que determinada população é oprimida e tem seu livre arbítrio anulado como está demonstrado nos parágrafos subsequentes. No governo tirânico, os governantes não respeitam as liberdades democráticas e violam as leis existentes, utilizando-se de práticas moralmente condenáveis para se manterem no poder. Na tirania, o líder governamental utiliza o medo e o terror como forma de controle coletivo, a fim de se perpetuar no poder e exercer domínio social. Os ideais de luta pela liberdade do povo se manifesta fundamentalmente quando a tirania se estabelece em um país. Como será visto nos parágrafos subsequentes, todas as grandes revoluções da história envolveram a luta pela derrubada do poder tirânico. Destaque-se, também, como fatores desencadeadores de revolução social a desigualdade social extrema resultante da exploração econômica dos trabalhadores pelas classes dominantes, a fome endêmica resultante da pobreza enfrentada pela grande maioria da população e a crise econômica devastadora que estiveram presentes nas revoluções francesa, russa, chinesa e cubana, além da tirania exercida pelo poder dominante. A luta pela independência nacional foi outro fator desencadeador da revolução americana com a guerra de independência dos Estados Unidos contra a opressão exercida pela Inglaterra, da revolução chinesa contra a opressão exercida pelo Japão durante a 2ª Guerra Mundial e da revolução cubana contra a opressão exercida pelos Estados Unidos. A Revolução Americana foi desencadeada em consequência da tirania exercida pela Inglaterra contra a população dos Estados Unidos que ensejou o desejo de conquista da liberdade pelo povo norte-americano. A guerra econômica entre a Inglaterra e os colonos norte-americanos desencadeou motins cujo conflito agravou-se com a presença de tropas inglesas enviadas para reprimir os protestos. Várias batalhas foram travadas contra a tirania britânica que começaram em março de 1775 e culminou com a conquista da emancipação dos Estados Unidos com a Declaração da Independência promulgada em 4 de julho de 1776. A Revolução Americana comandada por George Washington resultou na formação dos Estados Unidos que foi a primeira grande experiência de um país colonial que se libertou do imperialismo britânico pela força das armas. É importante destacar o fato de que a Guerra de Independência dos Estados Unidos foi ao mesmo tempo uma revolução social porque com seu conteúdo liberal serviu, também, de referencial para a Revolução Francesa e para os ideólogos da democracia no mundo. A Revolução Francesa, iniciada em 1789, com a queda da Bastilha, foi motivada pela crescente desigualdade social, pela crise econômica devastadora e pela fome endêmica sofrida pela grande maioria da população, sendo inspirada nos ideais do Iluminismo que foi um movimento cultural europeu do século XVII e XVIII que buscava gerar mudanças políticas, econômicas e sociais na sociedade da época. A Revolução Francesa, como o próprio nome sugere, foi um ciclo revolucionário que aconteceu na França em 1789 cujo
  • 3. 3 governo jacobino liderado por Robespierre foi derrubado pela reação thermidoriana contrária às mudanças políticas, econômicas e sociais em benefício do povo em 1799. A Revolução Francesa foi um movimento social e político que teve por objetivo principal derrubar o Antigo Regime e instaurar um Estado democrático que representasse e assegurasse os direitos de todos os cidadãos. Em 1788 e 1789, a França teve colheitas ruins, o preço do alimento aumentou, e muitos camponeses não tinham condições de comprá-los. Resultado: a fome aumentou. A população parisiense foi às ruas da cidade para lutar contra esta situação no dia 12 de julho de 1789. A agitação popular não arrefeceu e, no dia 14 de julho, o povo seguiu com o seu levante, atacando primeiro o Arsenal dos Inválidos e depois promoveu a queda da Bastilha que era uma antiga fortaleza que havia sido transformada em prisão para os opositores políticos dos reis franceses. Com a notícia da queda da Bastilha, a revolução espalhou-se por toda a França, precipitando transformações no país e levando milhares de pessoas, nas cidades e no campo, a se rebelarem contra a aristocracia francesa e contra o Antigo Regime. A Revolução Francesa causou também profundas transformações e marcou o início da queda do absolutismo na Europa. A Revolução Russa em 1917 resultou da falta de liberdade que era quase absoluta na Rússia durante o século XIX e do quadro de destruição e fome generalizada causadas pela 1ª Guerra Mundial que motivou a organização de trabalhadores da cidade e do campo para derrubar a monarquia russa e dar início a uma nova etapa da história mundial com a construção do socialismo que mudou a história da humanidade no século XX. O exército russo participou da 1ª Guerra Mundial totalmente despreparado para o confronto. As consequências foram derrotas em várias batalhas que deixaram a Rússia enfraquecida e economicamente desorganizada. No campo, reinava uma forte tensão social, devido à grande concentração de terras na mão da nobreza. A Rússia foi o último país da Europa a abolir a servidão, em 1861. O regime czarista reprimia a oposição e a polícia política controlava o ensino, a imprensa e os tribunais. Milhares de pessoas que se opunham ao czarismo eram enviadas à prisão na Sibéria condenadas por crimes políticos. As condições de vida pioraram, com a fome, o desemprego e a diminuição dos salários. A burguesia também não era beneficiada, pois o poder do capital estava concentrado nas mãos dos banqueiros e dos grandes empresários. A Revolução Russa de 1917 teve dois levantes populares: o primeiro ocorrido em fevereiro, contra o governo do czar Nicolau II, e o segundo, em outubro. Na Revolução de Fevereiro, os revolucionários derrubaram a monarquia e, na Revolução de Outubro, começaram a implantar um regime de governo baseado em ideias socialistas. No dia 7 de novembro (25 de outubro no calendário gregoriano), operários e camponeses, sob a liderança de Lenin, tomaram o poder. A Revolução Chinesa se deu por dois movimentos: a luta dos camponeses por terras e a luta do povo chinês pela independência nacional. A Revolução Chinesa contou para seu sucesso com a existência de um conflito entre o Estado Chinês tirânico e a Sociedade Civil em que esta última sofria as consequências econômicas e sociais relacionadas com a dominação estrangeira, sobretudo japonesa durante a 2ª Guerra Mundial. Na cidade, o povo passava fome, e, no campo, não se plantava nada por não se dispor de sementes. As forças revolucionárias, sob a liderança de Mao Tse-Tung, combateu a tirania do governo chinês de Chiang Kai-shek que, mais tarde, a ele se aliaram para derrotar o inimigo comum, o Japão, para, em seguida, derrotar militarmente as forças de Chiang Kai-shek e implantar a República Popular da China. A principal força social mobilizada por Mao Tse-Tung durante a revolução chinesa foram os camponeses. Após várias batalhas contra o governo Chiang Kai-shek, os comunistas dominaram Pequim, em 1949, e Mao Tse-
  • 4. 4 Tung foi aclamado como novo líder da República Popular da China. Na época, os comunistas assumiram o poder, com uma China arrasada pelos longos anos em que batalhou contra o domínio japonês e uma longa Guerra Civil. Mao Tse–Tung iniciou a reforma agrária, dividiu grandes propriedades entre os camponeses e as cooperativas agrícolas substituíram as grandes propriedades de terras. A Revolução Cubana ocorreu em um país, Cuba, que, no início do século XX, era uma colônia dos Estados Unidos. Desde o seu processo de independência da Espanha em 1902, a ilha de Cuba viveu sérios problemas políticos decorrentes da instalação de governos ditatoriais e a intervenção norte-americana no país. Cuba se tornou um protetorado norte- americano. Em várias ocasiões, os Estados Unidos realizaram invasões militares a Cuba para garantir sua hegemonia no país. Na década de 1950, a penosa situação social e econômica do país foi agravada com a instalação em 1952 do regime ditatorial imposto pelo general Fulgêncio Batista. Cuba adotava o capitalismo com grande dependência dos Estados Unidos e era um país com grandes desigualdades sociais, pois grande parte da população vivia na extrema pobreza. Todo este contexto gerava muita insatisfação nas camadas mais pobres da sociedade cubana, que era a maioria. Em meio aos desmandos e a subserviência do governo Fulgêncio Batista em relação aos Estados Unidos, um movimento de oposição armada ganhava força dentro de Cuba. Ocorreram diversas greves e revoltas com a participação do proletariado que se unia ao movimento estudantil que ganhava força. O Movimento Revolucionário 26 de Julho liderado por Fidel Castro traçou o plano de penetrar com um foco guerrilheiro através das florestas ao sudoeste da ilha, aos pés da Sierra Maestra e espalhar a revolução, contando com a adesão popular e dos camponeses que viviam miseravelmente ali. As colunas rebeldes fecharam o cerco e impôs derrota após derrota ao Exército de Batista. Esta luta chegou ao fim em 01/01/1959 quando, em Havana, foi travado o último e definitivo combate. O ditador Fulgêncio Batista já havia fugido do país na madrugada anterior, junto com a cúpula de seu governo. Ao assumir o poder em Cuba, o governo revolucionário implantou o socialismo realizando a nacionalização de bancos, empresas e refinarias de açúcar, promoveu a reforma agrária com a expropriação de grandes propriedades, estatizou todo o restante do setor industrial controlado pelos Estados Unidos e realizou reformas profundas nos sistemas de educação e saúde. Inicialmente, os revolucionários cubanos tendiam a seguir uma linha política independente como país não alinhado da ordem bipolar instalada após a Segunda Guerra Mundial. Contudo, as pressões políticas exercidas pelo governo de John Kennedy dos Estados Unidos acabaram favorecendo a aproximação de Cuba com o bloco soviético. É de Wladimir Lenin, grande líder da revolução socialista na Rússia de 1917, a afirmação de que a eclosão de uma revolução social só ocorrerá “quando os de cima não podem seguir governando como antes e os de baixo não querem mais seguir sendo governados como antes”. Esta situação aconteceu nas revoluções americana, francesa, russa, chinesa e cubana. Se levarmos em conta a situação atual do Brasil, pode- se afirmar que “os de cima não podem seguir governando como antes” porque o atual governo brasileiro com Bolsonaro enfrenta dificuldades insanáveis na condução da economia que está estagnada devido aos problemas econômicos estruturais agravados pela pamdemia do novo coronavirus razões pelas quais busca governar ditatorialmente para realizar as mudanças políticas, econômicas e sociais que atendem os interesses das classes dominantes que afetam profundamente os interesses das classes subalternas, isto é os de baixo na hierarquia social do Brasil. Por sua vez, no momento atual, nem todos os que integram os de baixo na hierarquia social brasileira não demonstram ainda rejeição
  • 5. 5 em seguirem sendo governados como antes nos marcos do capitalismo selvagem em vigor apesar de o Brasil reunir alguns fatores desencadeadores das grandes revoluções passadas: a extrema desigualdade social, a devastadora crise econômica agravada pela pandemia com milhões de desempregados e a crescente fome endêmica que afeta a vida da grande maioria da população. A tirania do poder dominante no Brasil se manifesta principalmente no nível da economia com a adoção pelo governo Bolsonaro de medidas econômicas neoliberais que resultam no desemprego em massa e no plano político-institucional com a adoção de medidas políticas que implicam na perda de direitos sociais pelas classes subalternas e ameaças à democracia representativa que, aos poucos, vem sendo sentida pela grande maioria da população do Brasil. A resistência contra a tirania econômica, política e social do governo Bolsonaro que vem sendo assumida no âmbito do parlamento e do judiciário pelos partidos progressistas e pelas organizações da sociedade civil e com as manifestações de ruas, apesar das limitações impostas pela pandemia do novo coronavirus, traduzem os ideais de luta pelas liberdades no Brasil contra a tirania exercida pelo poder dominante no Brasil. A luta pelas liberdades avançará mais ainda se a tirania for imposta pela força no País com a implantação de uma ditadura. A luta pela independência nacional da opressão exercida pelo capital internacional ainda não se faz presente no Brasil porque os detentores do poder econômico do Brasil são sócios do capital internacional e no seio do povo há uma falsa percepção de que o Brasil é um país independente. Esta luta só se fará presente quando a população brasileira se conscientizar da espoliação que o Brasil sofre do capital internacional, isto é, quando tomar conhecimento que o atraso econômico, científico e tecnológico do Brasil resulta da exploração exercida no País pelo capital internacional. Se for consumada a pretensão de Jair Bolsonaro de implantar uma ditadura no Brasil sob seu comando poderão crescer vertiginosamente os ideais de luta contra a tirania e pela liberdade do povo, que junto com a luta pelo progresso econômico e contra a desigualdade social e a fome e, também, pela independência nacional, serão criadas as condições para a eclosão de uma revolução social no Brasil. No momento, Bolsonaro encontra-se acuado com o fracasso de seu governo na condução da economia e no combate à pandemia do novo coronavirus com o agravamento sem precedentes das condições sociais da grande maioria da população que se defronta com o desemprego em massa, a fome e a miséria. As acusações contra Bolsonaro de crimes contra a saúde pública, o meio ambiente e a democracia no Brasil e de acobertar a corrupção no governo podem contribuir para seu afastamento do poder através de impeachment. Bolsonaro sabe que, estando fora do poder, pagará pelos crimes que vem praticando perante a justiça brasileira e o Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade ao lidar com a pandemia. Como todo animal acuado, tudo leva a crer que Bolsonaro tentará realizar um golpe de estado e implantar uma ditadura contando com o apoio de policiais militares, milícias, setores das forças armadas e seus apoiadores. Isto ocorrendo, seria instalada a tirania na plenitude no Brasil. Se a tirania se instalar no Brasil com uma ditadura bolsonarista, teremos completadas as condições para a emergência de uma revolução social no Brasil porque a tirania se somaria às desigualdades sociais extremas, à crise econômica devastadora responsável por milhões de desempregados, à fome e a miséria de amplas camadas da população e a espoliação sofrida pelo País do capital internacional. Esta revolução social só será vitoriosa, entretanto, se for constituída uma frente ampla, democrática e popular com um
  • 6. 6 programa comum de governo para a realização de mudanças estruturais sob uma direção unificada na luta com a presença de lideranças respeitadas e confiáveis pelo povo brasileiro. O cenário de confrontação política que se desenha para o futuro do Brasil com a ditadura bolsonarista e, sua contrapartida, a revolução social difere profundamente do cenário desejável de edificação da paz social que requer a concertação política, econômica e social que seria o caminho que impediria um banho de sangue no Brasil resultante de uma guerra civil que poderá ocorrer se Bolsonaro implantar uma ditadura no Brasil. A tendência mais provável é a de haver a tentativa de golpe de estado a ser realizada por Bolsonaro e seus aliados antes das próximas eleições e, se forem nelas derrotados, sobretudo se as forças políticas de esquerda e centro-esquerda assumirem o poder no Brasil, ocorreria após as eleições de 2022. Se este golpe de estado for bem sucedido, a tirania a ser exercida por Bolsonaro e seus aliados poderá desencadear uma guerra civil que faria com que a revolução social fosse colocada na ordem do dia no Brasil alimentando o desejo de luta pelas liberdades democráticas de amplos setores da população. Para evitar a guerra civil no Brasil, as organizações da sociedade civil, os partidos progressistas e as lideranças políticas devem atuar com responsabilidade voltadas para a construção de uma frente ampla, democrática e popular que seja capaz de derrotar Bolsonaro e seus aliados nas eleições de 2022 e se prepararem, também, para barrarem a possibilidade de Bolsonaro e os detentores do poder usarem da violência para se manterem no poder ao custo, até mesmo, de uma guerra civil. Portanto, para evitar a guerra civil e derrotar a tirania exercida pelo poder dominante, assegurar os ideais de liberdade do povo, combater a desigualdade social extrema, a crise econômica devastadora e a fome que afetam a vida da grande maioria da população e conquistar a verdadeira independência do Brasil, é preciso que haja a organização de uma frente ampla democrática e popular respaldada por um programa comum de mudanças políticas, econômicas e sociais para o Brasil com a participação de amplos setores da população e lideranças fortemente apoiadas pelo povo. O ponto de partida para organizar a frente ampla é haver um programa comum mínimo de mudanças políticas, econômicas e sociais sem o qual não serão unificadas todas as forças democráticas e progressistas do País. As grandes lideranças democráticas e progressistas do Brasil precisam se articular urgentemente para construir esta solução para os graves problemas vividos pela nação brasileira no momento. Esta ação é urgente. REFERÊNCIAS ALCOFORADO. Fernando. As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo. Curitiba: Editora CRV, 2016. BLANCO, Richard L.; Sanborn, Paul J.. The American Revolution, 1775–1783: An Encyclopedia. New York: Garland Publishing Inc. ,1993. COGGIOLA, Osvaldo. A Revolução Chinesa. São Paulo, Editora Moderna, 1986. __________________. Revolução Cubana. São Paulo, Xama, 1998. FERRO, Marc. Revolução Russa de 1917. São Paulo: Perspectiva, 2004. GAXOTTE, Pierre. La Révolution Française. Paris: Librairie Arthème Fayard, 1957.
  • 7. 7 KARNAL, Leandro (org.) História dos Estados Unidos: Das origens ao século XXI. São Paulo: Contexto, 2007. LENIN, Vladimir. O Estado e a Revolução. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017. POMAR, W. A Revolução Chinesa. São Paulo: UNESP, 2003. REED, John. Dez dias que abalaram o mundo. Porto Alegre: L&PM Editores, 2002. WADE, Rex A. The Russian Revolution. Cambridge: Cambridge University Press, 2005. * Fernando Alcoforado, 81, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co- autoria) e Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019).