SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina: Química Prof. Elio Ferreira
VESTIBULAR 2016
______________________________________________________
Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: insas@yahoo.com.br
A união de atitudes determinando trabalhos sociais.
H24 – Utilizar códigos e nomenclatura da química para
caracterizar materiais, substâncias ou transformações
químicas.
1. De onde vem a expressão Química Orgânica?
Acreditava-se que apenas o corpo dos seres vivos era
capaz de sintetizar certas substâncias – as chamadas
substâncias orgânicas – essa crença, criou a Teoria da Força
Vital (segundo a qual apenas o corpo dos seres vivos
possuía uma ‘força’ que era capaz de sintetizar essas
substâncias). Mas em 1828, um químico alemão conseguiu
sintetizar um composto orgânico de um inorgânico,
derrubando essa teoria. Isso levou uma nova definição de
Química Orgânica.
 Química Orgânica » É a parte da química que estuda
os compostos de carbono.
2. Propriedades dos átomos de carbono
Em 1858, os cientistas Archibal Couper, Friedrich
Kekulé e Alexander M. Betherov, propuseram três
postulados que explicam como o átomo de carbono se
comporta nos compostos orgânicos.
a) 1º Postulado: O átomo de carbono é tetravalente, ou
seja, faz quatro ligações covalentes:
As quatro ligações químicas que o carbono assume na
Química Orgânica são devido ao Fenômeno da
Hibridização, a qual define qual das formas acima o
carbono irá assumir durante a ligação.
b) 2º Postulado: As quatro unidades de valência são iguais
entre si;
As quatro fórmulas estruturais ao lado, por exemplo,
representam a mesma molécula, o clorofórmio, CHCl3.
c) 3º Postulado: Átomos de carbono ligam-se diretamente
entre si ou com outros elementos, formando estruturas
denominadas cadeiras carbônicas.
Recordando: A Ligação Covalente
Na ligação covalente os átomos compartilham um ou
mais pares eletrônicos, para que ambos alcancem a
estabilidade, isto é, cada átomo compartilha um elétron,
formando um par de elétrons entre eles. Ela pode ser:
 Ligação simples: Ligação covalente única;
 Ligação dupla: duas ligações covalentes;
 Ligação tripla: três ligações covalentes.
A existência de ligações duplas ou triplas entre átomos
de carbono em uma cadeia é denominada de insaturação.
Quando o composto apresentar mais de uma ligação dupla
e essas ligações forem alternadas entre ligações simples o
composto é chamado de conjugado.
3. Classificação dos Carbonos
A classificação do átomo de carbono numa cadeia tem
como único critério o número de carbonos que estão
ligados uns aos outros, independente da ligação entre eles.
Assim, temos:
a) Primários: ligado apenas a outro átomo de carbono.
b) Secundários: quando se liga a dois outros átomos de
carbono.
c) Terciários: quando ligado a três outros átomos de
carbono.
d) Quaternário: quando se liga a quatro outros átomos de
carbono
Exemplo:
Uma Palavra sobre a Química Orgânica
A Química Orgânica pode ser
uma das matérias mais difíceis de ser
compreendida pela maioria dos
estudantes, pois em alguns aspectos
ela exige unicamente um esforço da
memória. Mas não tenha medo, pois
ela é bem simples, pois com poucos
princípios básicos é possível
compreende-la como um todo. Bons
Estudos! (P. Arnaud).
 A maioria das substâncias orgânicas contém, além de
átomos de carbono, hidrogênio e, em menor proporção,
de oxigênio e nitrogênio. Átomos de enxofre (S), fósforo
(P) e halogênios (F, Cl, Br e I) também são comuns em
compostos orgânicos, chamados de organógenos.
Compostos Orgânicos
CONCEITOS INICAIS
CHIMIE
Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: projetoise@yahoo.com.br
A união de atitudes determinando trabalhos sociais.
 Os carbonos 1, 5, 7, 8 e 9 são carbonos primários; o
carbono 3 é secundário; o carbono 2 é terciário; carbono 4
é quaternário e o carbono 6 não sofre esta classificação.
 Heteroátomos
Qualquer átomo ou molécula orgânica que não seja
carbono ou hidrogênio é denominado de heteroátomo,
porém há autores que definem heteroátomo como átomos
diferentes de carbono e hidrogênio, que estejam entre
átomos de carbono. Exemplo:
4. As Fórmulas Estruturais
O estudo da química orgânica é centrado nas
propriedades e nas estruturas químicas das cadeias
carbônicas. Antes de vermos os tipos de cadeia que o
carbono assume é interessante recordamos as principais
representações das ligações covalentes (pelo fato de o
carbono fazer ligação covalente nos compostos orgânicos):
A representação das cadeias carbônicas ainda podem ser
representadas de outra maneira, além das vistas para todos
os compostos covalentes, a denominada de bond line (ligação
de linha, em tradução livre), também chamada de estrutura
em bastão:
Nas bond line temos que ter em mente que:
1º) Subentende-se que cada vértice da figura geométrica
tem um carbono;
2º) Cada traço representa uma ligação covalente;
3º) O número de hidrogênio é deduzido por quem lê,
sabendo que o carbono faz 4 ligações.
 Existem outras representações, além das citadas,
porém elas são vistas apenas na Química Orgânica do
Ensino Superior.
Vamos comparar a fórmula estrutural plana do ácido
acetilsalicílico com a sua respectiva fórmula de linha:
5. Compostos aromáticos
Em nível de Ensino Médio, são substâncias que têm o
anel benzênico na sua estrutura são chamadas de
compostos aromáticos.
Representações do benzeno:
O benzeno sofre o que nos chamamos de ressonância,
que ao Nível Médio é a alternância das ligações duplas.
PRÁTIQUE SUAS HABILIDADES
01. (ENEM/2013) As moléculas de nanoputians lembram
figuras humanas e foram criadas para estimular o interesse
de jovens na compreensão da linguagem expressa em
fórmulas estruturais, muito usadas em química orgânica.
Um exemplo é o NanoKid, representado na figura:
Em que parte do
corpo do NanoKid
existe
carbono quaternário?
a) Mãos.
b) Cabeça.
c) Tórax.
d) Abdômen.
e) Pés.
02. (Uniube-MG) A vitamina K é encontrada na couve-
flor, espinafre e fígado e é uma substância essencial para os
processos de coagulação sanguínea. De acordo com a sua
estrutura, esquematizada a seguir, o seu peso
molecular (em g/mol) e o número de átomos de
carbono terciário, são respectivamente:
a) 556 e 10.
b) 580 e 8.
c) 556 e 8.
d) 580 e 10.
Nome: Propeno Fórmula Molecular: C3H6
Fórmula Estrutural
Plana
Fórmula Estrutural
Simplificada (ou
Condensada)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
JoseAlexandreRocha
 
Resumo introdução à química orgânica
Resumo   introdução à química orgânicaResumo   introdução à química orgânica
Resumo introdução à química orgânica
Profª Alda Ernestina
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
Maria Naves Ribeiro Lopes
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
Adjair Correa
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Fábio Garcia Ferreira
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
Josenildo Vasconcelos
 
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo AulasQuímica Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 
Introdução à Química Orgânica
Introdução à Química OrgânicaIntrodução à Química Orgânica
Introdução à Química Orgânica
Matheus Almeida David
 
Quimica Organica
Quimica OrganicaQuimica Organica
Quimica Organica
José Miguel Dos Santos
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
Fatima Comiotto
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 
Classificação dos carbonos
Classificação dos carbonosClassificação dos carbonos
Classificação dos carbonos
Washington1000
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
Rodrigo Souza
 
Hidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpress
Hidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpressHidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpress
Hidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpress
DelPadre
 
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
 www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
Aulas de Química Apoio
 
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Joelson Barral
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
Joyce Fagundes
 
Aulas 19 a 21 introdução à química orgânica - 2º ano
Aulas 19 a 21   introdução à química orgânica - 2º anoAulas 19 a 21   introdução à química orgânica - 2º ano
Aulas 19 a 21 introdução à química orgânica - 2º ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 

Mais procurados (18)

Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Resumo introdução à química orgânica
Resumo   introdução à química orgânicaResumo   introdução à química orgânica
Resumo introdução à química orgânica
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
 
Introdução a química orgânica
Introdução a química orgânicaIntrodução a química orgânica
Introdução a química orgânica
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo AulasQuímica Orgância - Funções Orgânicas -  www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
Química Orgância - Funções Orgânicas - www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas
 
Introdução à Química Orgânica
Introdução à Química OrgânicaIntrodução à Química Orgânica
Introdução à Química Orgânica
 
Quimica Organica
Quimica OrganicaQuimica Organica
Quimica Organica
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Classificação dos carbonos
Classificação dos carbonosClassificação dos carbonos
Classificação dos carbonos
 
Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
 
Hidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpress
Hidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpressHidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpress
Hidrocarbonetos Alifáticos-DodoExpress
 
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
 www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica www.AulasDeQuimicaApoio.com  - Química -  Química Orgânica
www.AulasDeQuimicaApoio.com - Química - Química Orgânica
 
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014Química Orgânica 1 - ENEM 2014
Química Orgânica 1 - ENEM 2014
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
 
Aulas 19 a 21 introdução à química orgânica - 2º ano
Aulas 19 a 21   introdução à química orgânica - 2º anoAulas 19 a 21   introdução à química orgânica - 2º ano
Aulas 19 a 21 introdução à química orgânica - 2º ano
 

Semelhante a Aula 8 (propriedades do carbono)

Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e NomenclaturaUnidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
José Nunes da Silva Jr.
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
apoiodequimica
 
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLESQUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
Carlos Santos
 
Introdução a Química Orgânica.pptx
Introdução a Química Orgânica.pptxIntrodução a Química Orgânica.pptx
Introdução a Química Orgânica.pptx
PauloVidal33
 
Aula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.pptAula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.ppt
MauricelioFreitas2
 
Aula online TUDO SOBREA Quimica 180624.pptx
Aula online TUDO SOBREA  Quimica 180624.pptxAula online TUDO SOBREA  Quimica 180624.pptx
Aula online TUDO SOBREA Quimica 180624.pptx
Cleonetearaujo1
 
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptxINTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
JorzanaMarques1
 
Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...
Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...
Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...
FABIANO FREITAS
 
Aula -Química orgânica fundamental - teórica
Aula -Química orgânica fundamental - teóricaAula -Química orgânica fundamental - teórica
Aula -Química orgânica fundamental - teórica
EdneiFerreiraGonalve1
 
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRNAula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
thaliasampaio2
 
Aula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptx
Aula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptxAula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptx
Aula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptx
DavyAraujo
 
Ficha de avaliação 1 correção
Ficha de avaliação 1 correçãoFicha de avaliação 1 correção
Ficha de avaliação 1 correção
Carla Carvalho
 
Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)
segundocol
 
Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)
segundocol
 
Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)
JulianaGimenes
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
AulasEnsinoMedio
 
Apostila Química Orgânica Esalq
Apostila Química Orgânica EsalqApostila Química Orgânica Esalq
Apostila Química Orgânica Esalq
Meire Helena
 
Aula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptxAula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptx
ThaynarPinheiro
 
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNicaQuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
Profª Cristiana Passinato
 

Semelhante a Aula 8 (propriedades do carbono) (20)

Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e NomenclaturaUnidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
Unidade 03 - Grupos Funcionais e Nomenclatura
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
Introducao quimica org
Introducao quimica orgIntroducao quimica org
Introducao quimica org
 
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLESQUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
QUIMICA ORGANICA E RELAÇAO DE CADEIAS ORGANICAS SIMPLES
 
Introdução a Química Orgânica.pptx
Introdução a Química Orgânica.pptxIntrodução a Química Orgânica.pptx
Introdução a Química Orgânica.pptx
 
Aula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.pptAula -QOFundamental.ppt
Aula -QOFundamental.ppt
 
Aula online TUDO SOBREA Quimica 180624.pptx
Aula online TUDO SOBREA  Quimica 180624.pptxAula online TUDO SOBREA  Quimica 180624.pptx
Aula online TUDO SOBREA Quimica 180624.pptx
 
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptxINTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
INTRODUÇÃO_A_QUÍMICA_ORGÂNICA.pptx
 
Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...
Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...
Capitulo 1 - A química das drogas e dos medicamentos e as funções orgânicas -...
 
Aula -Química orgânica fundamental - teórica
Aula -Química orgânica fundamental - teóricaAula -Química orgânica fundamental - teórica
Aula -Química orgânica fundamental - teórica
 
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRNAula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
 
Aula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptx
Aula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptxAula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptx
Aula 01 Carbono e cadeia carbônicos.pptx
 
Ficha de avaliação 1 correção
Ficha de avaliação 1 correçãoFicha de avaliação 1 correção
Ficha de avaliação 1 correção
 
Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)Quimica1.(simpsons)
Quimica1.(simpsons)
 
Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)
 
Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)Rad.org.(simpsons)
Rad.org.(simpsons)
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
 
Apostila Química Orgânica Esalq
Apostila Química Orgânica EsalqApostila Química Orgânica Esalq
Apostila Química Orgânica Esalq
 
Aula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptxAula 1-2740.pptx
Aula 1-2740.pptx
 
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNicaQuíMica 20 QuíMica OrgâNica
QuíMica 20 QuíMica OrgâNica
 

Mais de Elio Junior

Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)
Elio Junior
 
Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)
Elio Junior
 
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Elio Junior
 
Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)
Elio Junior
 
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Elio Junior
 
Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)
Elio Junior
 
Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)
Elio Junior
 
Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)
Elio Junior
 
Aula 2 (pilhas)
Aula 2 (pilhas)Aula 2 (pilhas)
Aula 2 (pilhas)
Elio Junior
 
Quimica (elio) i
Quimica (elio) iQuimica (elio) i
Quimica (elio) i
Elio Junior
 
Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)
Elio Junior
 
Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)
Elio Junior
 

Mais de Elio Junior (12)

Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)Aula 14 (propriedades físicas)
Aula 14 (propriedades físicas)
 
Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)Aula 12 (funções nitrogenadas)
Aula 12 (funções nitrogenadas)
 
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)Aula 12 (funções oxigenadas 2)
Aula 12 (funções oxigenadas 2)
 
Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)Aula 4 (eletrólise)
Aula 4 (eletrólise)
 
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)Aula 10 (funções oxigenadas 1)
Aula 10 (funções oxigenadas 1)
 
Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)Aula 07 (exercicios)
Aula 07 (exercicios)
 
Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)Aula 6 (termoquímica)
Aula 6 (termoquímica)
 
Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)Aula 05 (energia nuclear)
Aula 05 (energia nuclear)
 
Aula 2 (pilhas)
Aula 2 (pilhas)Aula 2 (pilhas)
Aula 2 (pilhas)
 
Quimica (elio) i
Quimica (elio) iQuimica (elio) i
Quimica (elio) i
 
Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)Aula 11 (competencia geral do enem)
Aula 11 (competencia geral do enem)
 
Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)Aula 10 (lista de exercicio)
Aula 10 (lista de exercicio)
 

Último

A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 

Último (20)

A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 

Aula 8 (propriedades do carbono)

  • 1. Disciplina: Química Prof. Elio Ferreira VESTIBULAR 2016 ______________________________________________________ Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: insas@yahoo.com.br A união de atitudes determinando trabalhos sociais. H24 – Utilizar códigos e nomenclatura da química para caracterizar materiais, substâncias ou transformações químicas. 1. De onde vem a expressão Química Orgânica? Acreditava-se que apenas o corpo dos seres vivos era capaz de sintetizar certas substâncias – as chamadas substâncias orgânicas – essa crença, criou a Teoria da Força Vital (segundo a qual apenas o corpo dos seres vivos possuía uma ‘força’ que era capaz de sintetizar essas substâncias). Mas em 1828, um químico alemão conseguiu sintetizar um composto orgânico de um inorgânico, derrubando essa teoria. Isso levou uma nova definição de Química Orgânica.  Química Orgânica » É a parte da química que estuda os compostos de carbono. 2. Propriedades dos átomos de carbono Em 1858, os cientistas Archibal Couper, Friedrich Kekulé e Alexander M. Betherov, propuseram três postulados que explicam como o átomo de carbono se comporta nos compostos orgânicos. a) 1º Postulado: O átomo de carbono é tetravalente, ou seja, faz quatro ligações covalentes: As quatro ligações químicas que o carbono assume na Química Orgânica são devido ao Fenômeno da Hibridização, a qual define qual das formas acima o carbono irá assumir durante a ligação. b) 2º Postulado: As quatro unidades de valência são iguais entre si; As quatro fórmulas estruturais ao lado, por exemplo, representam a mesma molécula, o clorofórmio, CHCl3. c) 3º Postulado: Átomos de carbono ligam-se diretamente entre si ou com outros elementos, formando estruturas denominadas cadeiras carbônicas. Recordando: A Ligação Covalente Na ligação covalente os átomos compartilham um ou mais pares eletrônicos, para que ambos alcancem a estabilidade, isto é, cada átomo compartilha um elétron, formando um par de elétrons entre eles. Ela pode ser:  Ligação simples: Ligação covalente única;  Ligação dupla: duas ligações covalentes;  Ligação tripla: três ligações covalentes. A existência de ligações duplas ou triplas entre átomos de carbono em uma cadeia é denominada de insaturação. Quando o composto apresentar mais de uma ligação dupla e essas ligações forem alternadas entre ligações simples o composto é chamado de conjugado. 3. Classificação dos Carbonos A classificação do átomo de carbono numa cadeia tem como único critério o número de carbonos que estão ligados uns aos outros, independente da ligação entre eles. Assim, temos: a) Primários: ligado apenas a outro átomo de carbono. b) Secundários: quando se liga a dois outros átomos de carbono. c) Terciários: quando ligado a três outros átomos de carbono. d) Quaternário: quando se liga a quatro outros átomos de carbono Exemplo: Uma Palavra sobre a Química Orgânica A Química Orgânica pode ser uma das matérias mais difíceis de ser compreendida pela maioria dos estudantes, pois em alguns aspectos ela exige unicamente um esforço da memória. Mas não tenha medo, pois ela é bem simples, pois com poucos princípios básicos é possível compreende-la como um todo. Bons Estudos! (P. Arnaud).  A maioria das substâncias orgânicas contém, além de átomos de carbono, hidrogênio e, em menor proporção, de oxigênio e nitrogênio. Átomos de enxofre (S), fósforo (P) e halogênios (F, Cl, Br e I) também são comuns em compostos orgânicos, chamados de organógenos. Compostos Orgânicos CONCEITOS INICAIS
  • 2. CHIMIE Projeto desenvolvido pelo Instituto Atitude Social (INSAS). E-mail: projetoise@yahoo.com.br A união de atitudes determinando trabalhos sociais.  Os carbonos 1, 5, 7, 8 e 9 são carbonos primários; o carbono 3 é secundário; o carbono 2 é terciário; carbono 4 é quaternário e o carbono 6 não sofre esta classificação.  Heteroátomos Qualquer átomo ou molécula orgânica que não seja carbono ou hidrogênio é denominado de heteroátomo, porém há autores que definem heteroátomo como átomos diferentes de carbono e hidrogênio, que estejam entre átomos de carbono. Exemplo: 4. As Fórmulas Estruturais O estudo da química orgânica é centrado nas propriedades e nas estruturas químicas das cadeias carbônicas. Antes de vermos os tipos de cadeia que o carbono assume é interessante recordamos as principais representações das ligações covalentes (pelo fato de o carbono fazer ligação covalente nos compostos orgânicos): A representação das cadeias carbônicas ainda podem ser representadas de outra maneira, além das vistas para todos os compostos covalentes, a denominada de bond line (ligação de linha, em tradução livre), também chamada de estrutura em bastão: Nas bond line temos que ter em mente que: 1º) Subentende-se que cada vértice da figura geométrica tem um carbono; 2º) Cada traço representa uma ligação covalente; 3º) O número de hidrogênio é deduzido por quem lê, sabendo que o carbono faz 4 ligações.  Existem outras representações, além das citadas, porém elas são vistas apenas na Química Orgânica do Ensino Superior. Vamos comparar a fórmula estrutural plana do ácido acetilsalicílico com a sua respectiva fórmula de linha: 5. Compostos aromáticos Em nível de Ensino Médio, são substâncias que têm o anel benzênico na sua estrutura são chamadas de compostos aromáticos. Representações do benzeno: O benzeno sofre o que nos chamamos de ressonância, que ao Nível Médio é a alternância das ligações duplas. PRÁTIQUE SUAS HABILIDADES 01. (ENEM/2013) As moléculas de nanoputians lembram figuras humanas e foram criadas para estimular o interesse de jovens na compreensão da linguagem expressa em fórmulas estruturais, muito usadas em química orgânica. Um exemplo é o NanoKid, representado na figura: Em que parte do corpo do NanoKid existe carbono quaternário? a) Mãos. b) Cabeça. c) Tórax. d) Abdômen. e) Pés. 02. (Uniube-MG) A vitamina K é encontrada na couve- flor, espinafre e fígado e é uma substância essencial para os processos de coagulação sanguínea. De acordo com a sua estrutura, esquematizada a seguir, o seu peso molecular (em g/mol) e o número de átomos de carbono terciário, são respectivamente: a) 556 e 10. b) 580 e 8. c) 556 e 8. d) 580 e 10. Nome: Propeno Fórmula Molecular: C3H6 Fórmula Estrutural Plana Fórmula Estrutural Simplificada (ou Condensada)