SlideShare uma empresa Scribd logo
Imunização
 Imunidade e imunização
 Programa Nacional de Imunizações (PNI)
 As vacinas do PNI
 A cadeia de frio
 Calendário de vacinação do PNI
 Aspectos importantes relacionados às vacinas do
PNI
 Vigilância das reações adversas
Esquema de Vacinação atual
As vacinas representam uma significativa
conquista alcançada pela ciência com vistas
à promoção e proteção da saúde dos
indivíduos, trazendo benefícios incomparáveis
à humanidade, tais como a erradicação da
varíola em todo o mundo, da poliomielite em
muitos países - inclusive o Brasil - e a redução
significativa de mortes e formas graves de
doenças como o sarampo, rubéola, difteria e
tuberculose.
Imunidade e Imunização
Conhecer os princípios gerais das vacinas e
sua ação no corpo humano é fundamental
para o auxiliar de enfermagem que
desempenha suas funções em unidade
básica de saúde.
Imunidade e Imunização
A capacidade de resposta a estímulos nocivos
presentes no ambiente, mediada pelo sistema de
defesa do organismo, recebe o nome de imunidade.
O processo pelo qual desenvolvemos essa imunidade
é chamado de imunização. Existem duas formas de
aquisição de imunidade:
 Ativa
 Passiva.
Imunidade e Imunização
 Imunidade Ativa: é desenvolvida por nosso organismo
em resposta a um estímulo externo, o que pode ocorrer
de dois modos:
a) Pela ação de nosso sistema imunológico (ao
adoecermos, ele cria uma memória, reconhecendo o
elemento causador da doença e impedindo que torne
a se instalar);
b) Pela administração de vacinas que apresentam o
agente patogênico ou seu produto de forma
modificada (atenuado, inativado ou obtido através de
engenharia genética), estimulando as defesas contra o
verdadeiro causador, comumente chamado de
“selvagem”.
Imunidade e Imunização
 Imunidade passiva: são simplesmente as defesas
que já recebemos “prontas”. Como exemplos,
temos as transmitidas de mãe para filho, através da
placenta e/ou leite materno, e os soros, produzidos
laboratorialmente, como o antiofídico.
Programa Nacional de Imunização (PNI)
O Programa Nacional de Imunizações (PNI), criado
em 1973, disponibiliza um conjunto ampliado de
produtos imunizantes sob a forma de vacinas e soros.
Sua implantação e implementação permitiram
consideráveis avanços sobre o controle das doenças
imunopreveníveis, mediante o desenvolvimento de
ações coordenadas em nível nacional pela
Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), órgão
executivo do Ministério da Saúde - responsável pela
aquisição, conservação e distribuição dos
imunobiológicos que integram o PNI e coordenação
das ações de vacinação de caráter nacional do PNI.
Programa Nacional de Imunização (PNI)
Para que a qualidade dos imunobiológicos seja
efetivamente garantida, faz-se necessário que
suas características e propriedades sejam
preservadas, principalmente através de cuidados
tanto na sua conservação como durante o seu
preparo para administração – fases em que
devem ser rigorosamente seguidas as
orientações técnicas oriundas do PNI, pois
qualquer oscilação na temperatura de
conservação ou a ação da luz solar sob os
mesmos são fatores suficientes para alterar o
produto.
Programa Nacional de Imunização (PNI)
Considerando-se que a aplicação das 20 vacinas
é majoritariamente feita por via parenteral,
chamamos a atenção para o estrito uso de
técnica asséptica quando da manipulação de
materiais esterilizados e imunobiológicos, e a
aplicação, sempre que necessária, das técnicas
de lavagem das mãos, limpeza e desinfecção de
materiais (como caixa térmica, balcão de
preparo, ampolas/frasco-ampola), antissepsia da
pele do cliente e descarte de materiais
perfurocortantes.
Programa Nacional de Imunização (PNI)
No tocante ao atendimento, é fundamental que o
cliente e seu acompanhante sejam tratados com a
devida atenção e respeito, cuidando para que todas
as orientações lhes sejam dadas e suas dúvidas
elucidadas; além disso, é fundamental que se
registre, em seu cartão, as vacinas aplicadas e o
aprazamento (data de retorno para receber a nova
dose).
Outro aspecto importante é a correta organização
dos registros da unidade de saúde, o que possibilita a
realização de busca de faltosos, emissão de boletim
mensal das doses aplicadas, cálculo do percentual
de utilização e perda de imunobiológicos e
avaliação das coberturas vacinais da área de
abrangência.
As Vacinas do PNI
BCG
Hepatite b
Poliomielite (VOP)
Diftería, tétano e coqueluche (DTP)
Haemophilus influenzae tipo B
Sarampo (VAS)
Febre amarela
Sarampo caxumba e rubéola (tríplice viral)
Difteria e tétano (DT)
Vacinas para população especial
Anti-rábica
Atividades:
1. Cite exemplos de doenças erradicadas após a
descoberta e criação de vacinas como forma
de prevenção.
2. O que é imunidade? Qual a diferença de
imunidade passiva e ativa?
3. Qual a doença previsível pela vacina BCG?
4. Quais os efeitos adversos comuns após (48 a 72
horas) da vacina contra hepatite B?
5. Cite 3 exemplos de cuidados com vacinas na
rede de frios.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf

Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdfAula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Giza Carla Nitz
 
Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?
Luiz Jorge Mendonça
 
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
João Antônio Granzotti
 
Imunização infantil
Imunização infantil Imunização infantil
Imunização infantil
Dandara Baptista
 
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitávelErro de Imunização: um evento adverso evitável
Introducao ao PAV
Introducao ao PAVIntroducao ao PAV
Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)
Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)
Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)
Doreggae Dai
 
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Ministério da Saúde
 
A importância da vacinação para crianças .pdf
A importância da vacinação para crianças .pdfA importância da vacinação para crianças .pdf
A importância da vacinação para crianças .pdf
gustavoabreu0610
 
VACINA E SORO - VS.pptx.pdf
VACINA E SORO - VS.pptx.pdfVACINA E SORO - VS.pptx.pdf
VACINA E SORO - VS.pptx.pdf
DeboraLima101044
 
3 Vacinas
3 Vacinas3 Vacinas
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Imunização tudo o que você sempre quiz saber
Imunização tudo o que você sempre quiz saberImunização tudo o que você sempre quiz saber
Imunização tudo o que você sempre quiz saber
Centro Universitário Ages
 
Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810
Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810
Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810
Raquel Andrade
 
Programa_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdf
Programa_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdfPrograma_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdf
Programa_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdf
LucianaLucena16
 
Vacinação.pptx
Vacinação.pptxVacinação.pptx
Vacinação.pptx
robekelly
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
Ismael Costa
 
Aula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angelaAula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angela
DiedNuenf
 
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
CURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr. 7 Imunidade Activa, Imu...
Mecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO Nr. 7   Imunidade Activa, Imu...Mecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO Nr. 7   Imunidade Activa, Imu...
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr. 7 Imunidade Activa, Imu...
Nuno Correia
 

Semelhante a Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf (20)

Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdfAula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
 
Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?
 
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
Manual pediatria; Normas da ANVISA para controle de infecção hospitalar em Pe...
 
Imunização infantil
Imunização infantil Imunização infantil
Imunização infantil
 
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitávelErro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
 
Introducao ao PAV
Introducao ao PAVIntroducao ao PAV
Introducao ao PAV
 
Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)
Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)
Atualizaocalendarocriana2012e2013revisadojb 120118122055-phpapp02 (1)
 
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013
 
A importância da vacinação para crianças .pdf
A importância da vacinação para crianças .pdfA importância da vacinação para crianças .pdf
A importância da vacinação para crianças .pdf
 
VACINA E SORO - VS.pptx.pdf
VACINA E SORO - VS.pptx.pdfVACINA E SORO - VS.pptx.pdf
VACINA E SORO - VS.pptx.pdf
 
3 Vacinas
3 Vacinas3 Vacinas
3 Vacinas
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Imunização tudo o que você sempre quiz saber
Imunização tudo o que você sempre quiz saberImunização tudo o que você sempre quiz saber
Imunização tudo o que você sempre quiz saber
 
Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810
Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810
Imunizacao tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-170810
 
Programa_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdf
Programa_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdfPrograma_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdf
Programa_Imunizacao_Ocupacional_2022.pdf
 
Vacinação.pptx
Vacinação.pptxVacinação.pptx
Vacinação.pptx
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Aula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angelaAula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angela
 
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
 
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr. 7 Imunidade Activa, Imu...
Mecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO Nr. 7   Imunidade Activa, Imu...Mecanismos De Defesa EspecíFicos  (ApresentaçãO Nr. 7   Imunidade Activa, Imu...
Mecanismos De Defesa EspecíFicos (ApresentaçãO Nr. 7 Imunidade Activa, Imu...
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
 

Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf

  • 1.
  • 2. Imunização  Imunidade e imunização  Programa Nacional de Imunizações (PNI)  As vacinas do PNI  A cadeia de frio  Calendário de vacinação do PNI  Aspectos importantes relacionados às vacinas do PNI  Vigilância das reações adversas Esquema de Vacinação atual
  • 3. As vacinas representam uma significativa conquista alcançada pela ciência com vistas à promoção e proteção da saúde dos indivíduos, trazendo benefícios incomparáveis à humanidade, tais como a erradicação da varíola em todo o mundo, da poliomielite em muitos países - inclusive o Brasil - e a redução significativa de mortes e formas graves de doenças como o sarampo, rubéola, difteria e tuberculose.
  • 4. Imunidade e Imunização Conhecer os princípios gerais das vacinas e sua ação no corpo humano é fundamental para o auxiliar de enfermagem que desempenha suas funções em unidade básica de saúde.
  • 5. Imunidade e Imunização A capacidade de resposta a estímulos nocivos presentes no ambiente, mediada pelo sistema de defesa do organismo, recebe o nome de imunidade. O processo pelo qual desenvolvemos essa imunidade é chamado de imunização. Existem duas formas de aquisição de imunidade:  Ativa  Passiva.
  • 6. Imunidade e Imunização  Imunidade Ativa: é desenvolvida por nosso organismo em resposta a um estímulo externo, o que pode ocorrer de dois modos: a) Pela ação de nosso sistema imunológico (ao adoecermos, ele cria uma memória, reconhecendo o elemento causador da doença e impedindo que torne a se instalar); b) Pela administração de vacinas que apresentam o agente patogênico ou seu produto de forma modificada (atenuado, inativado ou obtido através de engenharia genética), estimulando as defesas contra o verdadeiro causador, comumente chamado de “selvagem”.
  • 7. Imunidade e Imunização  Imunidade passiva: são simplesmente as defesas que já recebemos “prontas”. Como exemplos, temos as transmitidas de mãe para filho, através da placenta e/ou leite materno, e os soros, produzidos laboratorialmente, como o antiofídico.
  • 8. Programa Nacional de Imunização (PNI) O Programa Nacional de Imunizações (PNI), criado em 1973, disponibiliza um conjunto ampliado de produtos imunizantes sob a forma de vacinas e soros. Sua implantação e implementação permitiram consideráveis avanços sobre o controle das doenças imunopreveníveis, mediante o desenvolvimento de ações coordenadas em nível nacional pela Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), órgão executivo do Ministério da Saúde - responsável pela aquisição, conservação e distribuição dos imunobiológicos que integram o PNI e coordenação das ações de vacinação de caráter nacional do PNI.
  • 9. Programa Nacional de Imunização (PNI) Para que a qualidade dos imunobiológicos seja efetivamente garantida, faz-se necessário que suas características e propriedades sejam preservadas, principalmente através de cuidados tanto na sua conservação como durante o seu preparo para administração – fases em que devem ser rigorosamente seguidas as orientações técnicas oriundas do PNI, pois qualquer oscilação na temperatura de conservação ou a ação da luz solar sob os mesmos são fatores suficientes para alterar o produto.
  • 10. Programa Nacional de Imunização (PNI) Considerando-se que a aplicação das 20 vacinas é majoritariamente feita por via parenteral, chamamos a atenção para o estrito uso de técnica asséptica quando da manipulação de materiais esterilizados e imunobiológicos, e a aplicação, sempre que necessária, das técnicas de lavagem das mãos, limpeza e desinfecção de materiais (como caixa térmica, balcão de preparo, ampolas/frasco-ampola), antissepsia da pele do cliente e descarte de materiais perfurocortantes.
  • 11. Programa Nacional de Imunização (PNI) No tocante ao atendimento, é fundamental que o cliente e seu acompanhante sejam tratados com a devida atenção e respeito, cuidando para que todas as orientações lhes sejam dadas e suas dúvidas elucidadas; além disso, é fundamental que se registre, em seu cartão, as vacinas aplicadas e o aprazamento (data de retorno para receber a nova dose). Outro aspecto importante é a correta organização dos registros da unidade de saúde, o que possibilita a realização de busca de faltosos, emissão de boletim mensal das doses aplicadas, cálculo do percentual de utilização e perda de imunobiológicos e avaliação das coberturas vacinais da área de abrangência.
  • 12. As Vacinas do PNI BCG Hepatite b Poliomielite (VOP) Diftería, tétano e coqueluche (DTP) Haemophilus influenzae tipo B Sarampo (VAS) Febre amarela Sarampo caxumba e rubéola (tríplice viral) Difteria e tétano (DT) Vacinas para população especial Anti-rábica
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Atividades: 1. Cite exemplos de doenças erradicadas após a descoberta e criação de vacinas como forma de prevenção. 2. O que é imunidade? Qual a diferença de imunidade passiva e ativa? 3. Qual a doença previsível pela vacina BCG? 4. Quais os efeitos adversos comuns após (48 a 72 horas) da vacina contra hepatite B? 5. Cite 3 exemplos de cuidados com vacinas na rede de frios.