SlideShare uma empresa Scribd logo
Vigilância Das Doenças Transmissíveis
 Doenças causadas por ectoparasitas:
 Escabiose
 Pediculose
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Embora não sejam de notificação compulsória, a
escabiose e a pediculose são doenças transmissíveis
que ganham destaque pela freqüência com que
acometem grandes grupos de pessoas,
determinando, assim, a necessidade de intervenção
e de prestação de assistência e cuidados.
Ocorrem por inadequadas condições de higiene, em
ambientes com condições sanitárias ou de higiene
pessoal desfavoráveis.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
A escabiose ou sarna humana, é uma doença muito
comum em ambientes onde as pessoas convivem
aglomeradas, nos quais é difícil controlar as
condições de higiene.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
ÉA sarna, ou escabiose (do latim: scabere – “coçar”), é
uma doença da pele altamente contagiosa, fácil de curar.
Causada pela fêmea do Sarcoptes scabiei, um ácaro,
microscópico parasita, se refugia debaixo da pele (para
sobreviver ela necessita de uma temperatura de cerca de
37°C), deposita seus ovos e causa coceira por reação do
corpo à sua presença.
Os sintomas típicos da sarna são bolhas, vesículas e
coceira que são, na verdade um tipo de reação alérgica
do sistema imunológico da pessoa afetada, que está
lutando contra um agente externo.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Sarcoptes scabei, ao colonizar a pele do indivíduo
afetado, se multiplica principalmente nas regiões de
dobras de pele, como cotovelos, virilhas, entre os
dedos, axilas, causando intenso prurido e
descamação.
Muitas vezes, a coceira leva o indivíduo a produzir
lesões ainda maiores, que podem até ser infectadas
por outros microrganismos, tamanha sua intensidade.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Os ácaros responsáveis pela sarna se refugiam sob a
pele, mas também podem encontrar um terreno fértil
para a sua reprodução vivendo em lençóis, colchões
ou roupas.
A infecção ocorre por contato direto com
uma pessoa infectada ou por algum objeto ou peça
de roupa onde estejam os parasitas.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Os primeiros sintomas aparecem após um período de
incubação que varia de alguns dias a várias semanas
(as primeiras infecções requerem entre duas a seis
semanas para se tornarem sintomáticas, mas o
contágio pode ocorrer mesmo quando a pessoa
ainda não desenvolveu os sintomas).
Também se passa de animal a ser humano, de mãe
para filho através da amamentação. O contágio
perdura até um dia depois que se inicie o
tratamento.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Diagnóstico: sinais e sintomas clínicos.
Um profissional competente pode reconhecer
facilmente a erupção cutânea provocada pela
sarna, porque ela forma bolhas muito
características e se percebe as galerias de ácaro.
Em caso de dúvida, podem ser retiradas amostras de
pele para testes em laboratório para encontrar ou
não a presença do parasita.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Tratamento: aplicação tópica de soluções de
benzoato de benzila.
Orientar ao uso correto do medicamento, atentando
para a diluição prescrita, porque a substância,
quando não diluída, pode piorar as lesões e causar
queimaduras químicas.
As roupas de uso do cliente, bem como as roupas de
cama e toalhas, devem ser trocadas e lavadas todos
os dias, manipuladas separadamente e fervidas -
essas orientações permitem que a recuperação do
cliente ocorra, em média, dentro de 7 dias.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Causada por um ectoparasita, o piolho comum, que
habita o couro cabeludo e, prendendo-se aos
cabelos, suga o sangue periférico do próprio couro
cabeludo para sobreviver. Comum em ambientes
aglomerados com pouca higiene.
Permanecer próximo a alguém com piolhos pode
expor ao contágio. Para prevenir a infestação,
devemos manter os cabelos sempre limpos e, no
caso de serem longos, prendê-los, principalmente
quando estivermos prestando assistência a outras
pessoas.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Ao detectarmos um cliente com coceira freqüente
na cabeça, é importante verificar a presença do
piolho, particularmente ao lidarmos com crianças
hospitalizadas ou em creches.
Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas
Tratamento: O piolho pode ser exterminado mediante o
uso de soluções de permetrina para aplicação única,
disponíveis nas farmácias, ou utilizando-se benzoato de
benzila em soluções predeterminadas. As soluções
medicamentosas devem ser reaplicadas em sete dias e a
equipe de enfermagem deve orientar como fazer a
higiene correta do couro cabeludo, visando prevenir a
reinfestação.
É importante orientar os clientes ou seus responsáveis para
jamais utilizar inseticidas comuns no combate aos piolhos,
pois tal prática oferece risco potencial de
envenenamento, podendo causar sérias lesões, afetando
desde a pele até o sistema nervoso central.
Atividades:
1. Qual os sintomas da escabiose?
2. Qual o tratamento para escabiose?
3. Qual o tratamento e orientações para
pediculose?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf

Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
Nathy Oliveira
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
Laís Lucas
 
Piolhos 1
Piolhos 1Piolhos 1
Piolhos 1
pr_afsalbergaria
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
Maila Murad Balduino
 
Febre Maculosa
Febre MaculosaFebre Maculosa
Febre Maculosa
ecsette
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
Brendha Soares
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
eld09
 
Catapora slide tarba
Catapora slide tarbaCatapora slide tarba
Catapora slide tarba
Ana Carolina Gomes
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
Renan Matos
 
Oxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativoOxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativo
cristina_ana
 
Parasitologia 3 pet
Parasitologia 3 petParasitologia 3 pet
Parasitologia 3 pet
PenhaDeAndrade
 
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohannaLepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
teresakashino
 
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdfmonkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
Aloisio Amaral
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
FranciscaalineBrito
 
Enterobius vermicularis g3
Enterobius vermicularis g3Enterobius vermicularis g3
Enterobius vermicularis g3
Manuel Viana Nelo
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
Danidepaula
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
eld09
 
Oxiurose _ BIologia
Oxiurose _ BIologiaOxiurose _ BIologia
Oxiurose _ BIologia
David Neto
 
Introdução miiase
Introdução miiaseIntrodução miiase
Introdução miiase
Loreta Vasco
 
Tema de vida zeza
Tema de vida zezaTema de vida zeza
Tema de vida zeza
LeandroMarques2009
 

Semelhante a Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf (20)

Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Piolhos 1
Piolhos 1Piolhos 1
Piolhos 1
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
 
Febre Maculosa
Febre MaculosaFebre Maculosa
Febre Maculosa
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
Catapora slide tarba
Catapora slide tarbaCatapora slide tarba
Catapora slide tarba
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Oxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativoOxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativo
 
Parasitologia 3 pet
Parasitologia 3 petParasitologia 3 pet
Parasitologia 3 pet
 
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohannaLepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
 
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdfmonkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
monkeypox-variola-dos-macacos-anvisa.pdf
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Enterobius vermicularis g3
Enterobius vermicularis g3Enterobius vermicularis g3
Enterobius vermicularis g3
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
Oxiurose _ BIologia
Oxiurose _ BIologiaOxiurose _ BIologia
Oxiurose _ BIologia
 
Introdução miiase
Introdução miiaseIntrodução miiase
Introdução miiase
 
Tema de vida zeza
Tema de vida zezaTema de vida zeza
Tema de vida zeza
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdfAula 3- CME - Tipos de Instrumentais -  Pacotes -.pdf
Aula 3- CME - Tipos de Instrumentais - Pacotes -.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte II.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
 

Último

Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 

Último (8)

Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 

Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf

  • 1.
  • 2. Vigilância Das Doenças Transmissíveis  Doenças causadas por ectoparasitas:  Escabiose  Pediculose
  • 3. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Embora não sejam de notificação compulsória, a escabiose e a pediculose são doenças transmissíveis que ganham destaque pela freqüência com que acometem grandes grupos de pessoas, determinando, assim, a necessidade de intervenção e de prestação de assistência e cuidados. Ocorrem por inadequadas condições de higiene, em ambientes com condições sanitárias ou de higiene pessoal desfavoráveis.
  • 4. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas A escabiose ou sarna humana, é uma doença muito comum em ambientes onde as pessoas convivem aglomeradas, nos quais é difícil controlar as condições de higiene.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas ÉA sarna, ou escabiose (do latim: scabere – “coçar”), é uma doença da pele altamente contagiosa, fácil de curar. Causada pela fêmea do Sarcoptes scabiei, um ácaro, microscópico parasita, se refugia debaixo da pele (para sobreviver ela necessita de uma temperatura de cerca de 37°C), deposita seus ovos e causa coceira por reação do corpo à sua presença. Os sintomas típicos da sarna são bolhas, vesículas e coceira que são, na verdade um tipo de reação alérgica do sistema imunológico da pessoa afetada, que está lutando contra um agente externo.
  • 8. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Sarcoptes scabei, ao colonizar a pele do indivíduo afetado, se multiplica principalmente nas regiões de dobras de pele, como cotovelos, virilhas, entre os dedos, axilas, causando intenso prurido e descamação. Muitas vezes, a coceira leva o indivíduo a produzir lesões ainda maiores, que podem até ser infectadas por outros microrganismos, tamanha sua intensidade.
  • 9. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Os ácaros responsáveis pela sarna se refugiam sob a pele, mas também podem encontrar um terreno fértil para a sua reprodução vivendo em lençóis, colchões ou roupas. A infecção ocorre por contato direto com uma pessoa infectada ou por algum objeto ou peça de roupa onde estejam os parasitas.
  • 10. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Os primeiros sintomas aparecem após um período de incubação que varia de alguns dias a várias semanas (as primeiras infecções requerem entre duas a seis semanas para se tornarem sintomáticas, mas o contágio pode ocorrer mesmo quando a pessoa ainda não desenvolveu os sintomas). Também se passa de animal a ser humano, de mãe para filho através da amamentação. O contágio perdura até um dia depois que se inicie o tratamento.
  • 11. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Diagnóstico: sinais e sintomas clínicos. Um profissional competente pode reconhecer facilmente a erupção cutânea provocada pela sarna, porque ela forma bolhas muito características e se percebe as galerias de ácaro. Em caso de dúvida, podem ser retiradas amostras de pele para testes em laboratório para encontrar ou não a presença do parasita.
  • 12. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Tratamento: aplicação tópica de soluções de benzoato de benzila. Orientar ao uso correto do medicamento, atentando para a diluição prescrita, porque a substância, quando não diluída, pode piorar as lesões e causar queimaduras químicas. As roupas de uso do cliente, bem como as roupas de cama e toalhas, devem ser trocadas e lavadas todos os dias, manipuladas separadamente e fervidas - essas orientações permitem que a recuperação do cliente ocorra, em média, dentro de 7 dias.
  • 13. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Causada por um ectoparasita, o piolho comum, que habita o couro cabeludo e, prendendo-se aos cabelos, suga o sangue periférico do próprio couro cabeludo para sobreviver. Comum em ambientes aglomerados com pouca higiene. Permanecer próximo a alguém com piolhos pode expor ao contágio. Para prevenir a infestação, devemos manter os cabelos sempre limpos e, no caso de serem longos, prendê-los, principalmente quando estivermos prestando assistência a outras pessoas.
  • 14. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Ao detectarmos um cliente com coceira freqüente na cabeça, é importante verificar a presença do piolho, particularmente ao lidarmos com crianças hospitalizadas ou em creches.
  • 15. Doenças Transmissíveis Por Ectoparasitas Tratamento: O piolho pode ser exterminado mediante o uso de soluções de permetrina para aplicação única, disponíveis nas farmácias, ou utilizando-se benzoato de benzila em soluções predeterminadas. As soluções medicamentosas devem ser reaplicadas em sete dias e a equipe de enfermagem deve orientar como fazer a higiene correta do couro cabeludo, visando prevenir a reinfestação. É importante orientar os clientes ou seus responsáveis para jamais utilizar inseticidas comuns no combate aos piolhos, pois tal prática oferece risco potencial de envenenamento, podendo causar sérias lesões, afetando desde a pele até o sistema nervoso central.
  • 16. Atividades: 1. Qual os sintomas da escabiose? 2. Qual o tratamento para escabiose? 3. Qual o tratamento e orientações para pediculose?