SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Enfermeira Giza Carla Nitz
Especialista em Urgência e Emergência
CME - Central de Material Esterilizado
Estrutura física da CME
Segurança do Cliente
Fluxo Do Processamento De Material
Esterilizado
Principais Formas De Esterilização
Fluxo Do Processamento De Material
Esterilizado
 Área do expurgo
 Área de preparação
 Área de esterilização
 Área de armazenagem
 Setor de destino, envio de material
Principais formas de esterilização
 Vapor saturado sob pressão
 Calor seco
 Óxido de etileno
 Plasma de peróxido de hidrogênio
 Agentes químicos líquidos
Sala de armazenagem x Setor de destino.
Vapor saturado sob pressão
Autoclave - composto por uma câmara - onde
se acondiciona o material, por uma válvula na porta -
que mantém a pressão interna mediante instrumentos
que medem a pressão e a temperatura.
Seu funcionamento combina a ação do calor,
pressão e umidade na destruição de microrganismos,
por agirem na estrutura genética da célula.
Autoclave
Vapor saturado sob pressão
Autoclave - A autoclave funciona sob pressão de
1 a 18 atmosferas, dependendo do equipamento.
O tempo de exposição do material ao vapor varia de
acordo com o seu tipo, temperatura e pressão
atmosférica.
De forma geral, para o material de superfície, o
tempo necessário é de 30 minutos em temperatura
de 121o C ou 15 minutos em temperatura de 134o C;
para o material de densidade, 30 minutos em
temperatura de 121o C ou 25 minutos em
temperatura de 134o C.
Vapor saturado sob pressão
Autoclave –
 Pressão atmosférica - pressão que a atmosfera
exerce sobre a superfície da Terra, devido ao peso
do ar.
 Material de superfície - material em que o vapor
tem contato apenas com a sua superfície, como
vidro, borracha, inox.
 Material de densidade - aquele em que o vapor
penetra internamente, como pacotes, caixas e
bandejas.
Vapor saturado sob pressão
Autoclave –
 Este tipo de esterilização está indicado para todo
material resistente ao calor úmido, como tecidos
(aventais, campos cirúrgicos, campos fenestrados),
materiais de borracha e de metal.
 É contra-indicado para materiais termossensíveis,
que se danificam sob ação do calor, como
cateteres e materiais de terapia respiratória.
Vapor saturado sob pressão
Autoclave –
 Após o material ser colocado na autoclave, inicia-
se a drenagem do ar dentro da câmara e do ar
residual dentro dos pacotes, para que o vapor
possa entrar em contato com os materiais neles
contidos.
Vapor saturado sob pressão -Autoclave
Cuidados para assegurar a correta esterilização dos
materiais, que facilitam a circulação e penetração do
vapor no material:
 Utilizar somente 80% da capacidade de
armazenamento da câmara,
 Materiais que requeiram o mesmo tempo de
esterilização;
 Evitar que os pacotes encostem nas paredes do
aparelho e entre eles;
 Colocar os pacotes maiores na parte inferior e os
menores na parte superior do aparelho,
 Dispor os jarros, bacias e frascos com a boca para
baixo, para facilitar a remoção do ar e do vapor.
Vapor saturado sob pressão- Autoclave
Para se verificar se a esterilização dos materiais está
realmente ocorrendo, deve-se observar se a pressão
e a temperatura estão nos níveis programados,
durante todo o ciclo.
Caso isto não ocorra, o processo deve ser
interrompido e a manutenção do aparelho deve ser
solicitada.
Vapor saturado sob pressão- Autoclave
Ao término do ciclo deve-se entreabrir a porta do
aparelho por um período de 5 a 10 minutos, para a
completa secagem dos pacotes e materiais pelo
calor das paredes da câmara. Finalmente, os
pacotes devem ser retirados e só colocados em
superfícies frias após perderem completamente o
calor, para evitar a formação de umidade ao
contato. Complementando o processo, os pacotes
devem ser datados e encaminhados para a sala de
armazenamento.
Vapor saturado sob pressão- Autoclave
Erros que devem ser evitados:
 Colocar sobre superfície fria os pacotes ainda
quentes.
 Secar os pacotes úmidos na estufa.
 Colocar na autoclave pacotes semi-abertos.
Você acreditaria que esses materiais estão
esterilizados?
Autoclave Hospitalar
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Autoclave Hospitalar
Autoclave Hospitalar
Calor seco - Estufa
Este processo é realizado através de um aparelho
denominado estufa, no qual o calor seco é irradiado
das paredes laterais e de sua base para destruir os
microrganismos.
A estufa possui uma câmara para acondicionamento
do material e equipamentos para medir a
temperatura e controlar o tempo.
Seu uso é limitado, porque o calor seco não é tão
penetrante como o calor úmido e a sua distribuição
dentro da câmara não se realiza de modo uniforme.
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Calor seco - Estufa
Para proteger a saúde dos clientes que a Anvisa
proibiu o uso da estufa, determinando o autoclave
em seu lugar, considerado muito mais eficiente.
Calor seco - Estufa
O processo de esterilização por calor úmido, na
forma de vapor saturado sob pressão, é considerado
por vários autores, o mais seguro, rápido, eficiente e
econômico disponível para instrumentos termo
resistentes.
Desta forma a esterilização por estufas somente é
indicada quando a esterilização em autoclaves é
impossibilitada, isto é, quando sofrem dano em
presença de umidade ou quando são impermeáveis,
como pós e óleos.
Calor seco - Estufa
Como existem várias controvérsias em relação ao
tempo necessário e a eficácia deste método, o seu
uso é recomendado apenas para pós, óleos e graxas
(vaselina líquida ou gaze vaselinada).
Na impossibilidade de proceder a esterilização pelo
método de vapor saturado sob pressão o uso do
calor seco (estufa) pode ser uma possibilidade
atentando para os cuidados específicos.
A temperatura pode variar de 120o C a 2000 C,
dependendo do material a ser esterilizado e tempo
de exposição.
Calor seco – Estufa
 Para garantir a eficácia da esterilização e integridade
dos materiais, recomenda-se colocar pequena
quantidade de instrumental nas caixas e utilizar apenas
80% da capacidade da estufa, com materiais que
requeiram o mesmo tempo de exposição;
 Caixas maiores devem ser colocadas sobre as menores,
o que melhora a condução do calor.
 Jamais deve-se encostar as caixas nas paredes da
estufa ou dispor os materiais no centro da mesma - por
ser um local de concentração de pontos frios -, bem
como abrir a estufa durante o processo de esterilização.
Calor seco – Estufa
 Decorrido o tempo programado para a
esterilização, o aparelho deve ser desligado e o
material esfriado com a estufa fechada.
 Após o que, deve ser retirado e as bordas das
caixas e vidros vedadas com fita adesiva.
 Após a última esterilização do dia, limpar com
pano úmido a câmara interna da autoclave e
estufa e enxugar, repetindo o mesmo
procedimento na superfície externa.
Óxido de etileno
Os materiais indicados para este tipo de esterilização
são os termos sensíveis, tais como os:
 Marca-passos,
 Próteses,
 Instrumentais de hemodinâmica,
 Acessórios de respiradores,
 Materiais com fibras óticas,
 Cânulas siliconizadas de baixa pressão
 Materiais de borracha.
Óxido de etileno
O ciclo de esterilização compreende o vácuo inicial,
a pré-umidificação, a entrada do gás na câmara, o
tempo de exposição, a exaustão do gás e a aeração
mecânica, que tem por objetivo remover os resíduos
de gás pela circulação de ar filtrado por todo o
material esterilizado.
A portaria interministerial nº4, de 31 de julho de 1991
estabelece normas técnicas para o uso do gás óxido
de etileno como processo de esterilização. (pesquisar
atualizações)
Esterilizador de óxido de etileno
Óxido de etileno
 Os materiais a serem esterilizados devem estar
totalmente secos e dispostos de forma a manter
um espaço entre cada um.
 Após fechar o aparelho, aguarda-se que o mesmo
atinja os valores adequados de concentração do
gás, temperatura e umidade; somente então inicia-
se a contagem do tempo de exposição.
 Complementando o processo, ajusta-se o tempo
de aeração de acordo com as orientações do
fabricante.
Óxido de etileno
 Como o óxido de etileno é um gás tóxico e
carcinogênico, o operador responsável pela
remoção do material da câmara deve
obrigatoriamente fazer uso de avental, gorro,
máscara e luvas de proteção - o que o protegerá
do contato com o gás.
Óxido de etileno é um gás tóxico
Plasma de peróxido de hidrogênio
Geralmente, é utilizado em clínicas de pequeno
porte, em vista de sua fácil instalação, ter um tempo
de esterilização de 1 hora e ocupar menor área física.
O aparelho realiza a esterilização em 5 fases
consecutivas: vácuo, injeção, difusão, plasma e
exaustão. O cassete de peróxido de hidrogênio é
introduzido no aparelho e, após o término do
processo, é automaticamente descartado em
recipiente próprio.
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Plasma de
peróxido de hidrogênio
Utilizado em clínicas de pequeno
porte, em vista de sua fácil instalação,
ter um tempo de esterilização de 1 hora
e ocupar menor área física.
Plasma de peróxido de hidrogênio
Os materiais esterilizados por este processo devem
estar acondicionados em embalagem isenta de
compostos de celulose. São esterelizados:
 Metais,
 Vidros,
 Acrílicos,
 Borrachas e plásticos;
.
Agentes químicos líquidos
Esta esterilização é recomendada apenas quando
da impossibilidade de uso dos demais métodos, pois
estes produtos exigem um tempo de exposição muito
longo, enxagüe em solução estéril (água destila
estéril), secagem em campos estéreis e uso imediato.
Durante o processo, a manipulação exige técnica
asséptica.
Agentes químicos líquidos
O material precisa estar limpo e seco para evitar
alteração na concentração da solução, a qual deve
ser renovada sempre que houver alteração da
coloração, presença de depósito ou vencimento da
validade da diluição do produto, conforme as
especificações do fabricante.
Recomenda-se, também, evitar colocar no mesmo
recipiente materiais de composição diferente, em
vista da possibilidade de corrosão.
Agentes químicos líquidos – Cuidados:
 Recipiente de vidro ou plástico com tampa e de
tamanho adequado à quantidade de material;
 Colocar o material para esterilização, o recipiente deve
ser tampado e iniciada a contagem do tempo de
exposição, conforme as especificações do fabricante.
 Ao término do processo, retirar os materiais da solução
com técnica asséptica e enxaguá-los
abundantemente, inclusive o interior dos tubos e
cateteres;
 Enxugar com compressas esterilizadas, acondicionar os
materiais em invólucros estéreis e encaminhá-los para
uso imediato.
Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado
Sala de armazenagem x Setor de destino.
Ao término de todos os processos de esterilização,
com exceção do efetuado por agentes químicos
líquidos, os materiais vão para a sala de
armazenagem e distribuição.
Dependendo da estrutura da instituição, ficam
estocados na CME, sendo distribuídos de acordo
com a solicitação, ou nas próprias unidades de
internação.
Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado
Sala de armazenagem x Setor de destino.
 A sala de armazenagem e distribuição destina-se
obviamente apenas para o armazenamento e
distribuição de material esterilizado; portanto,
deve-se ter o cuidado de em nenhum momento
receber material contaminado nesta área.
 É importante que a mesma esteja equipada com
armários fechados para guardar os materiais de
maior permanência e suportes com cestos ou
prateleiras para os de distribuição diária.
Área de armazenagem de material estéril,
pronto para uso
Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado
Sala de armazenagem x Setor de destino.
Os materiais que possuem
prazo de validade mais
próximo do vencimento
devem ficar colocados na
parte de cima ou na frente,
a fim de que se promova a
rotatividade dos pacotes,
evitando-se a armazenagem
de material com prazo de
validade vencido.
Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado
Sala de armazenagem x Setor de destino.
Quando a esterilização é realizada por autoclave e estufa,
o prazo de validade dos materiais esterilizados é de 7 dias;
por óxido de etileno, de 1 ano.
Estes prazos variam conforme as condições de guarda do
material, observando-se alterações da integridade do
invólucro (rasgo, não presença da fita de identificação de
esterilização, presença de umidade, violação do lacre).
Nestas condições e/ou vencido o prazo de validade, os
materiais são retirados da embalagem e novamente
acondicionados e esterilizados.
Listando os materiais que
serão encaminhados para
os setores de uso
( centro cirúrgico,
obstétrico, pronto socorro
...).
São transportados em
carrinhos especiais,
conforme horário e
protocolos de cada
instituição.
O mesmo carrinho não
pode ser utilizado para
voltar com materiais sujos.
SALA DE ARMAZENAGEM
SETOR DE DESTINO.
Fluxo Do Processamento De Material
Esterilizado – Setor de Destino.
Apesar do enfermeiro ser responsável por monitorar o
setor, equipamentos e o funcionamento do centro
cirúrgico...
O técnico de enfermagem do setor precisa estar
atento aos insumos, pacotes de instrumentais
cirúrgicos necessários, para que não estejam com o
prazo de validade da esterilização vencidos ou em
falta no setor, causando transtornos no momento dos
procedimentos.
O técnico de enfermagem
responsável matem seu
setor em ordem e sempre
pronto para atender a
demanda.
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
O trabalho do CME tem relação
direta e fundamental na
prevenção contra infecção
hospitalar e cirurgia segura.
Materiais limpos e esteireis
também salvam vidas.
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf
Atividades:
1. Das formas de esterilização estudas, qual o mais utilizado em
hospitais e unidades de saúde?
2. Descreva como é realizado a esterilização por autoclave.
3. Quais as principais razões da substituição da estufa de
esterilização para autoclave pela Anvisa?
4. Quais os cuidados que o técnico de enfermagem deve se
atentar para manter a organização do seu setor com relação
aos insumos e materiais esterilizados?
5. Como deve ser a organização dos materiais esterilizados nas
prateleiras de armazenagem?
6. Os carrinhos de transporte de material estéril podem retornar
dos setores de destino com materiais utilizados para o expurgo?
Porque?
7. Podemos receber materiais vindo dos setores de destino
diretamente na sala de armazenagem de material estéril?
Porque?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf

Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011
ProfessorHelioQueiroz
 
Apostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_serconApostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_sercon
GiselaBruns
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
pressinhas
 
O laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologiaO laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologia
Erikamakely
 
Aula6 esteriliza
Aula6 esterilizaAula6 esteriliza
Aula6 esteriliza
Thalita Chaim
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
Bruno Rodrigues
 
Roteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica IRoteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica I
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
TabathaLopes1
 
Esterilizacao
EsterilizacaoEsterilizacao
Esterilizacao
Alexandre Martins
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
pressinhas
 
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
alexandrelourador
 
Apostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme Bretz
Apostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme BretzApostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme Bretz
Apostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme Bretz
hainner2
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
74jc16
 
1 assep
1 assep1 assep
1 assep
Myself
 
Aulas praticas de queimica
Aulas praticas de queimicaAulas praticas de queimica
Aulas praticas de queimica
Willians Ws
 
Esterilizar
EsterilizarEsterilizar
Esterilizar
guestf58886
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
Gilson Betta Sevilha
 
PREPARO DE ARTIGOS.ppt
PREPARO DE ARTIGOS.pptPREPARO DE ARTIGOS.ppt
PREPARO DE ARTIGOS.ppt
ClarissePaes
 
Central de materiais esterilizados para cirurgias
Central de materiais esterilizados para cirurgiasCentral de materiais esterilizados para cirurgias
Central de materiais esterilizados para cirurgias
dhiegospaixao4
 

Semelhante a Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf (20)

Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011
 
Apostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_serconApostila limpeza desinf_sercon
Apostila limpeza desinf_sercon
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
O laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologiaO laboratorio de_microbiologia
O laboratorio de_microbiologia
 
Aula6 esteriliza
Aula6 esterilizaAula6 esteriliza
Aula6 esteriliza
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
 
Roteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica IRoteiros de Química Orgânica I
Roteiros de Química Orgânica I
 
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptxAula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
Aula 5 - ESTERILIZAÇÃO E GARANTIA DE ESTERILIDADE.pptx
 
Esterilizacao
EsterilizacaoEsterilizacao
Esterilizacao
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
Ft bio higiene_no_laboratório_trabalho_de_grupo (7)
 
Apostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme Bretz
Apostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme BretzApostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme Bretz
Apostila de práticas de química geral - Estácio - Professor Guilherme Bretz
 
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2
 
1 assep
1 assep1 assep
1 assep
 
Aulas praticas de queimica
Aulas praticas de queimicaAulas praticas de queimica
Aulas praticas de queimica
 
Esterilizar
EsterilizarEsterilizar
Esterilizar
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
PREPARO DE ARTIGOS.ppt
PREPARO DE ARTIGOS.pptPREPARO DE ARTIGOS.ppt
PREPARO DE ARTIGOS.ppt
 
Central de materiais esterilizados para cirurgias
Central de materiais esterilizados para cirurgiasCentral de materiais esterilizados para cirurgias
Central de materiais esterilizados para cirurgias
 

Mais de Giza Carla Nitz

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdfAula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 

Mais de Giza Carla Nitz (20)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdfAula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
Aula 6 - Primeiros Socorros - Choque Elétrico .pdf
 
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdfAula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
Aula 3 - Primeiros Socorros - FRATURA - HEMORRAGIA .pdf
 
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdfAula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
Aula 1 - Primeiros Socorros - PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA .pdf
 
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdfAula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
Aula 6 - Rotina Enfermagem no Centro Cirúrgico.pdf
 
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdfAula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
Aula 4 - Centro Cirúrgico -Materiais.pdf
 
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdfAula 3-  Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
Aula 3- Conhecendo o Instrumental Cirúrgico.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdfAula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte 1.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdfAula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
Aula 12 - SAUDE COLETIVA- Imunização .pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte I.pdf
 
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdfAula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
Aula 10 - Doenças Causadas Por Ectoparasitas.pdf
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdfAula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
 

Último

Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
DvilaSoares1
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 

Último (9)

Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 

Aula 2- CME - Central de Material Esterelizado - Parte III.pdf

  • 1. Professora Enfermeira Giza Carla Nitz Especialista em Urgência e Emergência
  • 2. CME - Central de Material Esterilizado Estrutura física da CME Segurança do Cliente Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado Principais Formas De Esterilização
  • 3. Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado  Área do expurgo  Área de preparação  Área de esterilização  Área de armazenagem  Setor de destino, envio de material
  • 4. Principais formas de esterilização  Vapor saturado sob pressão  Calor seco  Óxido de etileno  Plasma de peróxido de hidrogênio  Agentes químicos líquidos Sala de armazenagem x Setor de destino.
  • 5. Vapor saturado sob pressão Autoclave - composto por uma câmara - onde se acondiciona o material, por uma válvula na porta - que mantém a pressão interna mediante instrumentos que medem a pressão e a temperatura. Seu funcionamento combina a ação do calor, pressão e umidade na destruição de microrganismos, por agirem na estrutura genética da célula.
  • 7. Vapor saturado sob pressão Autoclave - A autoclave funciona sob pressão de 1 a 18 atmosferas, dependendo do equipamento. O tempo de exposição do material ao vapor varia de acordo com o seu tipo, temperatura e pressão atmosférica. De forma geral, para o material de superfície, o tempo necessário é de 30 minutos em temperatura de 121o C ou 15 minutos em temperatura de 134o C; para o material de densidade, 30 minutos em temperatura de 121o C ou 25 minutos em temperatura de 134o C.
  • 8. Vapor saturado sob pressão Autoclave –  Pressão atmosférica - pressão que a atmosfera exerce sobre a superfície da Terra, devido ao peso do ar.  Material de superfície - material em que o vapor tem contato apenas com a sua superfície, como vidro, borracha, inox.  Material de densidade - aquele em que o vapor penetra internamente, como pacotes, caixas e bandejas.
  • 9. Vapor saturado sob pressão Autoclave –  Este tipo de esterilização está indicado para todo material resistente ao calor úmido, como tecidos (aventais, campos cirúrgicos, campos fenestrados), materiais de borracha e de metal.  É contra-indicado para materiais termossensíveis, que se danificam sob ação do calor, como cateteres e materiais de terapia respiratória.
  • 10. Vapor saturado sob pressão Autoclave –  Após o material ser colocado na autoclave, inicia- se a drenagem do ar dentro da câmara e do ar residual dentro dos pacotes, para que o vapor possa entrar em contato com os materiais neles contidos.
  • 11. Vapor saturado sob pressão -Autoclave Cuidados para assegurar a correta esterilização dos materiais, que facilitam a circulação e penetração do vapor no material:  Utilizar somente 80% da capacidade de armazenamento da câmara,  Materiais que requeiram o mesmo tempo de esterilização;  Evitar que os pacotes encostem nas paredes do aparelho e entre eles;  Colocar os pacotes maiores na parte inferior e os menores na parte superior do aparelho,  Dispor os jarros, bacias e frascos com a boca para baixo, para facilitar a remoção do ar e do vapor.
  • 12. Vapor saturado sob pressão- Autoclave Para se verificar se a esterilização dos materiais está realmente ocorrendo, deve-se observar se a pressão e a temperatura estão nos níveis programados, durante todo o ciclo. Caso isto não ocorra, o processo deve ser interrompido e a manutenção do aparelho deve ser solicitada.
  • 13. Vapor saturado sob pressão- Autoclave Ao término do ciclo deve-se entreabrir a porta do aparelho por um período de 5 a 10 minutos, para a completa secagem dos pacotes e materiais pelo calor das paredes da câmara. Finalmente, os pacotes devem ser retirados e só colocados em superfícies frias após perderem completamente o calor, para evitar a formação de umidade ao contato. Complementando o processo, os pacotes devem ser datados e encaminhados para a sala de armazenamento.
  • 14. Vapor saturado sob pressão- Autoclave Erros que devem ser evitados:  Colocar sobre superfície fria os pacotes ainda quentes.  Secar os pacotes úmidos na estufa.  Colocar na autoclave pacotes semi-abertos. Você acreditaria que esses materiais estão esterilizados?
  • 19. Calor seco - Estufa Este processo é realizado através de um aparelho denominado estufa, no qual o calor seco é irradiado das paredes laterais e de sua base para destruir os microrganismos. A estufa possui uma câmara para acondicionamento do material e equipamentos para medir a temperatura e controlar o tempo. Seu uso é limitado, porque o calor seco não é tão penetrante como o calor úmido e a sua distribuição dentro da câmara não se realiza de modo uniforme.
  • 21. Calor seco - Estufa Para proteger a saúde dos clientes que a Anvisa proibiu o uso da estufa, determinando o autoclave em seu lugar, considerado muito mais eficiente.
  • 22. Calor seco - Estufa O processo de esterilização por calor úmido, na forma de vapor saturado sob pressão, é considerado por vários autores, o mais seguro, rápido, eficiente e econômico disponível para instrumentos termo resistentes. Desta forma a esterilização por estufas somente é indicada quando a esterilização em autoclaves é impossibilitada, isto é, quando sofrem dano em presença de umidade ou quando são impermeáveis, como pós e óleos.
  • 23. Calor seco - Estufa Como existem várias controvérsias em relação ao tempo necessário e a eficácia deste método, o seu uso é recomendado apenas para pós, óleos e graxas (vaselina líquida ou gaze vaselinada). Na impossibilidade de proceder a esterilização pelo método de vapor saturado sob pressão o uso do calor seco (estufa) pode ser uma possibilidade atentando para os cuidados específicos. A temperatura pode variar de 120o C a 2000 C, dependendo do material a ser esterilizado e tempo de exposição.
  • 24. Calor seco – Estufa  Para garantir a eficácia da esterilização e integridade dos materiais, recomenda-se colocar pequena quantidade de instrumental nas caixas e utilizar apenas 80% da capacidade da estufa, com materiais que requeiram o mesmo tempo de exposição;  Caixas maiores devem ser colocadas sobre as menores, o que melhora a condução do calor.  Jamais deve-se encostar as caixas nas paredes da estufa ou dispor os materiais no centro da mesma - por ser um local de concentração de pontos frios -, bem como abrir a estufa durante o processo de esterilização.
  • 25. Calor seco – Estufa  Decorrido o tempo programado para a esterilização, o aparelho deve ser desligado e o material esfriado com a estufa fechada.  Após o que, deve ser retirado e as bordas das caixas e vidros vedadas com fita adesiva.  Após a última esterilização do dia, limpar com pano úmido a câmara interna da autoclave e estufa e enxugar, repetindo o mesmo procedimento na superfície externa.
  • 26. Óxido de etileno Os materiais indicados para este tipo de esterilização são os termos sensíveis, tais como os:  Marca-passos,  Próteses,  Instrumentais de hemodinâmica,  Acessórios de respiradores,  Materiais com fibras óticas,  Cânulas siliconizadas de baixa pressão  Materiais de borracha.
  • 27. Óxido de etileno O ciclo de esterilização compreende o vácuo inicial, a pré-umidificação, a entrada do gás na câmara, o tempo de exposição, a exaustão do gás e a aeração mecânica, que tem por objetivo remover os resíduos de gás pela circulação de ar filtrado por todo o material esterilizado. A portaria interministerial nº4, de 31 de julho de 1991 estabelece normas técnicas para o uso do gás óxido de etileno como processo de esterilização. (pesquisar atualizações)
  • 29. Óxido de etileno  Os materiais a serem esterilizados devem estar totalmente secos e dispostos de forma a manter um espaço entre cada um.  Após fechar o aparelho, aguarda-se que o mesmo atinja os valores adequados de concentração do gás, temperatura e umidade; somente então inicia- se a contagem do tempo de exposição.  Complementando o processo, ajusta-se o tempo de aeração de acordo com as orientações do fabricante.
  • 30. Óxido de etileno  Como o óxido de etileno é um gás tóxico e carcinogênico, o operador responsável pela remoção do material da câmara deve obrigatoriamente fazer uso de avental, gorro, máscara e luvas de proteção - o que o protegerá do contato com o gás.
  • 31. Óxido de etileno é um gás tóxico
  • 32. Plasma de peróxido de hidrogênio Geralmente, é utilizado em clínicas de pequeno porte, em vista de sua fácil instalação, ter um tempo de esterilização de 1 hora e ocupar menor área física. O aparelho realiza a esterilização em 5 fases consecutivas: vácuo, injeção, difusão, plasma e exaustão. O cassete de peróxido de hidrogênio é introduzido no aparelho e, após o término do processo, é automaticamente descartado em recipiente próprio.
  • 34. Plasma de peróxido de hidrogênio Utilizado em clínicas de pequeno porte, em vista de sua fácil instalação, ter um tempo de esterilização de 1 hora e ocupar menor área física.
  • 35. Plasma de peróxido de hidrogênio Os materiais esterilizados por este processo devem estar acondicionados em embalagem isenta de compostos de celulose. São esterelizados:  Metais,  Vidros,  Acrílicos,  Borrachas e plásticos; .
  • 36. Agentes químicos líquidos Esta esterilização é recomendada apenas quando da impossibilidade de uso dos demais métodos, pois estes produtos exigem um tempo de exposição muito longo, enxagüe em solução estéril (água destila estéril), secagem em campos estéreis e uso imediato. Durante o processo, a manipulação exige técnica asséptica.
  • 37. Agentes químicos líquidos O material precisa estar limpo e seco para evitar alteração na concentração da solução, a qual deve ser renovada sempre que houver alteração da coloração, presença de depósito ou vencimento da validade da diluição do produto, conforme as especificações do fabricante. Recomenda-se, também, evitar colocar no mesmo recipiente materiais de composição diferente, em vista da possibilidade de corrosão.
  • 38. Agentes químicos líquidos – Cuidados:  Recipiente de vidro ou plástico com tampa e de tamanho adequado à quantidade de material;  Colocar o material para esterilização, o recipiente deve ser tampado e iniciada a contagem do tempo de exposição, conforme as especificações do fabricante.  Ao término do processo, retirar os materiais da solução com técnica asséptica e enxaguá-los abundantemente, inclusive o interior dos tubos e cateteres;  Enxugar com compressas esterilizadas, acondicionar os materiais em invólucros estéreis e encaminhá-los para uso imediato.
  • 39. Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado Sala de armazenagem x Setor de destino. Ao término de todos os processos de esterilização, com exceção do efetuado por agentes químicos líquidos, os materiais vão para a sala de armazenagem e distribuição. Dependendo da estrutura da instituição, ficam estocados na CME, sendo distribuídos de acordo com a solicitação, ou nas próprias unidades de internação.
  • 40. Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado Sala de armazenagem x Setor de destino.  A sala de armazenagem e distribuição destina-se obviamente apenas para o armazenamento e distribuição de material esterilizado; portanto, deve-se ter o cuidado de em nenhum momento receber material contaminado nesta área.  É importante que a mesma esteja equipada com armários fechados para guardar os materiais de maior permanência e suportes com cestos ou prateleiras para os de distribuição diária.
  • 41. Área de armazenagem de material estéril, pronto para uso
  • 42. Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado Sala de armazenagem x Setor de destino. Os materiais que possuem prazo de validade mais próximo do vencimento devem ficar colocados na parte de cima ou na frente, a fim de que se promova a rotatividade dos pacotes, evitando-se a armazenagem de material com prazo de validade vencido.
  • 43. Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado Sala de armazenagem x Setor de destino. Quando a esterilização é realizada por autoclave e estufa, o prazo de validade dos materiais esterilizados é de 7 dias; por óxido de etileno, de 1 ano. Estes prazos variam conforme as condições de guarda do material, observando-se alterações da integridade do invólucro (rasgo, não presença da fita de identificação de esterilização, presença de umidade, violação do lacre). Nestas condições e/ou vencido o prazo de validade, os materiais são retirados da embalagem e novamente acondicionados e esterilizados.
  • 44. Listando os materiais que serão encaminhados para os setores de uso ( centro cirúrgico, obstétrico, pronto socorro ...). São transportados em carrinhos especiais, conforme horário e protocolos de cada instituição. O mesmo carrinho não pode ser utilizado para voltar com materiais sujos. SALA DE ARMAZENAGEM SETOR DE DESTINO.
  • 45. Fluxo Do Processamento De Material Esterilizado – Setor de Destino. Apesar do enfermeiro ser responsável por monitorar o setor, equipamentos e o funcionamento do centro cirúrgico... O técnico de enfermagem do setor precisa estar atento aos insumos, pacotes de instrumentais cirúrgicos necessários, para que não estejam com o prazo de validade da esterilização vencidos ou em falta no setor, causando transtornos no momento dos procedimentos.
  • 46. O técnico de enfermagem responsável matem seu setor em ordem e sempre pronto para atender a demanda.
  • 48. O trabalho do CME tem relação direta e fundamental na prevenção contra infecção hospitalar e cirurgia segura. Materiais limpos e esteireis também salvam vidas.
  • 52. Atividades: 1. Das formas de esterilização estudas, qual o mais utilizado em hospitais e unidades de saúde? 2. Descreva como é realizado a esterilização por autoclave. 3. Quais as principais razões da substituição da estufa de esterilização para autoclave pela Anvisa? 4. Quais os cuidados que o técnico de enfermagem deve se atentar para manter a organização do seu setor com relação aos insumos e materiais esterilizados? 5. Como deve ser a organização dos materiais esterilizados nas prateleiras de armazenagem? 6. Os carrinhos de transporte de material estéril podem retornar dos setores de destino com materiais utilizados para o expurgo? Porque? 7. Podemos receber materiais vindo dos setores de destino diretamente na sala de armazenagem de material estéril? Porque?