SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 1 - Linguística

                       Autor: Marco Vitto Oddo
                  Direção de arte: Junior Jobim
                Diagramação: Alessandra Prima
   Coordenação: Felipe Prima e Fernando Severo

                         Direitos Reservados ao
SPEA – Sistema Prima de Ensino e Aprendizagem
Introdução




     O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) avalia os alunos
 a partir de cinco provas distintas. Uma dessas provas é a
 Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.
Mais do que conhecimento sobre a
Língua Portuguesa e Estrangeira, Artes e
Educação Física, o Enem espera que seus
candidatos possuam um amplo entendimento
do que é linguagem, como funcionam as
línguas, e como esses conceitos se relacionam
com situações cotidianas e reais.
   Ao longo desse curso, você poderá
    aprender alguns conceitos básicos
    da Linguística, a ciência que tem
    como objeto de estudo a linguagem
    e a língua.

   Além     disso,  vamos     discutir
    juntos, aula a aula, situações do
    nosso dia-a-dia em que esses
    conceitos aparecem.




A partir de agora vamos utilizar a palavra “texto” com o
significado de “um todo de sentido”. Isso significa que um texto
pode ser tanto um texto escrito quanto uma música, um
filme, um quadro e até mesmo uma forma de se vestir.
É assim que o Enem trabalha o texto, e é por isso que
as questões da prova de Linguagens, Códigos e suas
Tecnologias recorrem a imagens e canções, além de
manifestações culturais como danças e vestimentas
folclóricas.
Para organizar esse curso, foram utilizados os seguintes livros:


        - Introdução à Linguística, organizado por José Luiz Fiorin;

        - Elementos de Análise do Discurso, de autoria de José Luiz Fiorin;

        - Elementos da Linguística Geral, de autoria de André Martinet.
Linguagem e Língua
                     Para além de todas as línguas
                     naturais, todos concordam que
                     existe um fenômeno maior, que
                     podemos denominar linguagem. A
                     linguagem    seria   a   capacidade
                     humana de aprender e transmitir
                     uma língua; uma característica
                     específica da nossa espécie.
Essa capacidade, no entanto, não se desenvolve por si só. A
linguagem só se desenvolve em meio a uma sociedade; é a partir do
contato com outros indivíduos que é possível apreender uma língua.
                                                         (Chomsky)
Mas o que exatamente seria uma língua?


A língua é um sistema de sinais finitos com os quais se podem formar
mensagens infinitas, com infinitas possibilidades de interação, desde que
suas significações sejam coerentes dentro de um todo.




                                                               (Saussure)
Complicado
Eu te explico!
Vamos pegar a Língua
Portuguesa como exemplo.
No alfabeto português
existem 26 letras (vale
lembrar que agora o ‘k’, o
‘y’ e o ‘w’ agora fazem
parte do alfabeto).
Mesmo com um número muito pequeno de sinais, podemos formar
infinitas frases. Basta que utilizemos as letras de uma forma coerente para
formar palavras, e utilizemos as palavras de uma forma coerente com a
gramática para formar orações, ou seja, respeitar a forma que nossa língua
utiliza verbos, sujeitos e complementos, por exemplo.
Linguagem animal
    É muito comum utilizarmos a palavra “linguagem” para
caracterizar a comunicação animal. Mas, se você lembra bem, foi
dito ainda agora que a linguagem é uma característica
exclusivamente humana. Por quê?
As abelhas, por exemplo, possuem um sistema elaborado de
comunicação. Ao encontrar uma fonte de alimento, a abelha
volta para a colméia e realiza um tipo de dança para avisar as
companheiras.
A abelha realiza uma dança
circular se o alimento está
próximo, e em forma de oito
se o alimento está longe. A
direção   do    alimento       é
indicada de acordo com a
posição do sol. (Von Frisch)
Mesmo que as abelhas possuam um sistema preciso de transmitir
mensagens, não podemos chamar isso de linguagem. Em primeiro
lugar, a mensagem da abelha não produz uma resposta. Os integrantes
da colméia entendem o que a dança significa, mas são incapazes de dar
uma resposta.
Em segundo lugar, a mensagem é construída a partir de uma experiência
apenas. Ou seja, as abelhas são incapazes de produzir uma mensagem a
partir de outra. A mensagem reproduzida está limitada a uma reposta
única a um estímulo, não é possível para as abelhas interpretarem sinais
diversos, o conteúdo das mensagens é sempre limitado.
Por fim, a mensagem das abelhas não é
decomposta em elementos menores, ou
seja, não é possível reaproveitar os mesmos
sinais para construir outras mensagens.
Para resumir, a comunicação das abelhas
                     possui:



   conteúdo fixo,

   mensagem invariável,

   se relaciona a uma só situação,

   se transmite unilateralmente, e

   seu enunciado é indecomponível.
Já a linguagem humana possui:
conteúdo ilimitado, mensagem
variável, se relaciona a infinitas
situações, possui interatividade
e    seus     enunciados      são
decompostos     em    elementos
mínimos     que      podem     se
reorganizar para formar novos
enunciados.
Por mais que os animais possam se comunicar, essa
comunicação não constitui linguagem.
Linguagem verbal e outras linguagens
      A característica da linguagem não se limita às línguas
 verbais, ou seja, as línguas baseadas em palavras, faladas e
 escritas. Podemos pensar a linguagem em uma pintura, ou em
 uma sinfonia. Os elementos básicos mudam para cada caso: a
 pintura tem que combinar cores, sombras, profundidades para
 formar sua mensagem; já a sinfonia utiliza notas, tons e escalas.
Seja com a linguagem verbal, com a
pictórica ou com a sonora, podemos
construir   textos.    Podemos   construir
textos até mesmo com mais de uma
linguagem ao mesmo tempo. Revistas e
jornais,    por    exemplo,   utilizam    a
linguagem verbal nos seus textos, mas
também a linguagem fotográfica, e até
mesmo       a     linguagem   própria    da
diagramação (arrumação dos objetos nas
páginas).
Quando um texto possuir mais de uma linguagem ao
mesmo tempo, vamos chamá-lo de texto sincrético.
Sincretismo é isso, mais de uma linguagem no
mesmo texto.
Traduções entre linguagens

É possível traduzir o sentido de um texto de um

tipo de linguagem para um texto de outro tipo de

linguagem. Um exemplo fácil de visualizar são as

adaptações de livros famosos para o cinema. É

muito comum falarmos que um filme é muito pior

que o livro que o inspirou. Mas precisamos ter em

mente que é preciso fazer adaptações nessa

tradução, pois nunca duas linguagens diferentes

podem reproduzir o mesmo sentido.
   Faça um teste, coloque uma
    música instrumental para tocar;
    feche os olhos por um minuto;
    depois pegue um pedaço de papel
    e tente escrever o que aquela
    música significa. O que achou?
   Agora, faça o contrário, feche os olhos
    e tente imaginar que sons significariam
    esse texto que você está lendo. Muito
    mais difícil, não é?
A linguagem verbal, seja ela da língua que for, é considera uma
tradutora    universal.   Podemos,      com    a    linguagem
verbal, traduzir o sentido de um quadro, ou de uma música
instrumental.
O oposto é muito mais
complicado,      e    algumas
vezes impossível. É muito
comum     você       encontrar
questões que pedem uma
interpretação        de   uma
imagem, e a resposta será
sempre dada na linguagem
verbal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Língua e ensino
Língua e ensinoLíngua e ensino
Língua e ensino
Francimeire Cesario
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Mariana Correia
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
Fernanda Câmara
 
Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguística
Isis Barros
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Hélio Xavier Pereira Júnior
 
Semântica
SemânticaSemântica
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
Karen Olivan
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
João Guedes de Souza
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
Flávio Ferreira
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
Fernanda Câmara
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
Pré Master
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
Jairo Carvalhais
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
Mariana Correia
 
Noam chomsky
Noam chomskyNoam chomsky
Noam chomsky
Wallysson Maia
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
Kelly Moraes
 
Língua e fala
Língua e falaLíngua e fala
Língua e fala
Antônio Francisco
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
Jamille Rabelo
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
Jirede Abisai
 
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua PortuguesaVariação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Universidade de Santiago de Compostela
 

Mais procurados (20)

Língua e ensino
Língua e ensinoLíngua e ensino
Língua e ensino
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguística
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012Parte 2   linguística geral chomsky - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral chomsky - apresentação 2012
 
Noam chomsky
Noam chomskyNoam chomsky
Noam chomsky
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 
Língua e fala
Língua e falaLíngua e fala
Língua e fala
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua PortuguesaVariação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
 

Destaque

Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticos
Ana Cristina Ramos
 
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informaçãoFundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Bruno Augusto
 
A Linguística como Ciência
A Linguística como CiênciaA Linguística como Ciência
A Linguística como Ciência
Raquel Salcedo Gomes
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
ADRIANA BECKER
 
MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT
MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT
MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Formalismo
FormalismoFormalismo
Formalismo
Samara Kaline
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
Lucas Matos
 
Resumo
Resumo Resumo
Fonética maira
Fonética   mairaFonética   maira
Fonética maira
Henrique Andrade Germano
 
Ferdinand De Saussure
Ferdinand De SaussureFerdinand De Saussure
Ferdinand De Saussure
Secundaria Foránea 5, ISC
 
4. dicotomia
4. dicotomia4. dicotomia
Saussure vida e obra
Saussure   vida e obraSaussure   vida e obra
Saussure vida e obra
Silvio Reinod Costa
 
análise do discurso - princípios & procedimentos
  análise do discurso - princípios & procedimentos  análise do discurso - princípios & procedimentos
análise do discurso - princípios & procedimentos
Gabriella Costa
 
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corporaLivro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
lenyjimi
 
Formalismo
FormalismoFormalismo
Formalismo
Sofía Guerra
 
Origem dos números
Origem dos númerosOrigem dos números
Origem dos números
Patrícia Morais
 
Línguistica aplicada -_1_aula
Línguistica aplicada -_1_aulaLínguistica aplicada -_1_aula
Línguistica aplicada -_1_aula
ADRIANA BECKER
 
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - IntroduçãoAula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
lugracioso
 
Formalismo Russo
Formalismo RussoFormalismo Russo
Formalismo Russo
Veamanda
 

Destaque (19)

Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticos
 
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informaçãoFundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
 
A Linguística como Ciência
A Linguística como CiênciaA Linguística como Ciência
A Linguística como Ciência
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
 
MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT
MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT
MODELO SEMIÓTICO DE LUIZ TATIT
 
Formalismo
FormalismoFormalismo
Formalismo
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo
 
Fonética maira
Fonética   mairaFonética   maira
Fonética maira
 
Ferdinand De Saussure
Ferdinand De SaussureFerdinand De Saussure
Ferdinand De Saussure
 
4. dicotomia
4. dicotomia4. dicotomia
4. dicotomia
 
Saussure vida e obra
Saussure   vida e obraSaussure   vida e obra
Saussure vida e obra
 
análise do discurso - princípios & procedimentos
  análise do discurso - princípios & procedimentos  análise do discurso - princípios & procedimentos
análise do discurso - princípios & procedimentos
 
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corporaLivro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
 
Formalismo
FormalismoFormalismo
Formalismo
 
Origem dos números
Origem dos númerosOrigem dos números
Origem dos números
 
Línguistica aplicada -_1_aula
Línguistica aplicada -_1_aulaLínguistica aplicada -_1_aula
Línguistica aplicada -_1_aula
 
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - IntroduçãoAula 3: Estudos da linguagem - Introdução
Aula 3: Estudos da linguagem - Introdução
 
Formalismo Russo
Formalismo RussoFormalismo Russo
Formalismo Russo
 

Semelhante a Aula 1 linguística

Resumo Tp2
Resumo   Tp2Resumo   Tp2
Resumo Tp2
Ramilson Saldanha
 
Introdução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdf
Introdução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdfIntrodução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdf
Introdução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdf
NauendieleAlencar
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
Taissccp
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
FernandoFernochio
 
Lingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniLingua e linguagem perini
Lingua e linguagem perini
Sâmara Lopes
 
Tecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicacaTecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicaca
Victor Loforte
 
Linguagem_lingua
Linguagem_linguaLinguagem_lingua
Linguagem_lingua
Jesrayne Nascimento
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
johnypakato
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Velasco Carneiro Francisco
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
BrunaLuque
 
Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
Jeferson S. J.
 
Trabalho elaine la
Trabalho elaine laTrabalho elaine la
Trabalho elaine la
Dioene Moreno
 
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani ViottiParte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Mariana Correia
 
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiParte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Mariana Correia
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Jowandreo Paixão
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Maria De Lourdes Ramos
 
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Elaine Junger
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
Ana Arminda Moreira
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
Universal.org.mx
 
Linguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptxLinguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptx
Alexandre Henrique
 

Semelhante a Aula 1 linguística (20)

Resumo Tp2
Resumo   Tp2Resumo   Tp2
Resumo Tp2
 
Introdução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdf
Introdução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdfIntrodução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdf
Introdução à Psicologia - Robert Feldman Linguagem e Inteligência.pdf
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
Lingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniLingua e linguagem perini
Lingua e linguagem perini
 
Tecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicacaTecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicaca
 
Linguagem_lingua
Linguagem_linguaLinguagem_lingua
Linguagem_lingua
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
 
Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
 
Trabalho elaine la
Trabalho elaine laTrabalho elaine la
Trabalho elaine la
 
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani ViottiParte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
Parte1 - O que é linguística? Ivani Viotti
 
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani ViottiParte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
Parte 2 a lingua_para_chomsky, Ivani Viotti
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
Linguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptxLinguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptx
 

Aula 1 linguística

  • 1. Aula 1 - Linguística Autor: Marco Vitto Oddo Direção de arte: Junior Jobim Diagramação: Alessandra Prima Coordenação: Felipe Prima e Fernando Severo Direitos Reservados ao SPEA – Sistema Prima de Ensino e Aprendizagem
  • 2. Introdução O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) avalia os alunos a partir de cinco provas distintas. Uma dessas provas é a Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.
  • 3. Mais do que conhecimento sobre a Língua Portuguesa e Estrangeira, Artes e Educação Física, o Enem espera que seus candidatos possuam um amplo entendimento do que é linguagem, como funcionam as línguas, e como esses conceitos se relacionam com situações cotidianas e reais.
  • 4. Ao longo desse curso, você poderá aprender alguns conceitos básicos da Linguística, a ciência que tem como objeto de estudo a linguagem e a língua.  Além disso, vamos discutir juntos, aula a aula, situações do nosso dia-a-dia em que esses conceitos aparecem.
  • 5.  A partir de agora vamos utilizar a palavra “texto” com o significado de “um todo de sentido”. Isso significa que um texto pode ser tanto um texto escrito quanto uma música, um filme, um quadro e até mesmo uma forma de se vestir.
  • 6. É assim que o Enem trabalha o texto, e é por isso que as questões da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias recorrem a imagens e canções, além de manifestações culturais como danças e vestimentas folclóricas.
  • 7. Para organizar esse curso, foram utilizados os seguintes livros:  - Introdução à Linguística, organizado por José Luiz Fiorin;  - Elementos de Análise do Discurso, de autoria de José Luiz Fiorin;  - Elementos da Linguística Geral, de autoria de André Martinet.
  • 8. Linguagem e Língua Para além de todas as línguas naturais, todos concordam que existe um fenômeno maior, que podemos denominar linguagem. A linguagem seria a capacidade humana de aprender e transmitir uma língua; uma característica específica da nossa espécie.
  • 9. Essa capacidade, no entanto, não se desenvolve por si só. A linguagem só se desenvolve em meio a uma sociedade; é a partir do contato com outros indivíduos que é possível apreender uma língua. (Chomsky)
  • 10. Mas o que exatamente seria uma língua? A língua é um sistema de sinais finitos com os quais se podem formar mensagens infinitas, com infinitas possibilidades de interação, desde que suas significações sejam coerentes dentro de um todo. (Saussure)
  • 13. Vamos pegar a Língua Portuguesa como exemplo. No alfabeto português existem 26 letras (vale lembrar que agora o ‘k’, o ‘y’ e o ‘w’ agora fazem parte do alfabeto).
  • 14. Mesmo com um número muito pequeno de sinais, podemos formar infinitas frases. Basta que utilizemos as letras de uma forma coerente para formar palavras, e utilizemos as palavras de uma forma coerente com a gramática para formar orações, ou seja, respeitar a forma que nossa língua utiliza verbos, sujeitos e complementos, por exemplo.
  • 15. Linguagem animal É muito comum utilizarmos a palavra “linguagem” para caracterizar a comunicação animal. Mas, se você lembra bem, foi dito ainda agora que a linguagem é uma característica exclusivamente humana. Por quê?
  • 16. As abelhas, por exemplo, possuem um sistema elaborado de comunicação. Ao encontrar uma fonte de alimento, a abelha volta para a colméia e realiza um tipo de dança para avisar as companheiras.
  • 17. A abelha realiza uma dança circular se o alimento está próximo, e em forma de oito se o alimento está longe. A direção do alimento é indicada de acordo com a posição do sol. (Von Frisch)
  • 18. Mesmo que as abelhas possuam um sistema preciso de transmitir mensagens, não podemos chamar isso de linguagem. Em primeiro lugar, a mensagem da abelha não produz uma resposta. Os integrantes da colméia entendem o que a dança significa, mas são incapazes de dar uma resposta.
  • 19. Em segundo lugar, a mensagem é construída a partir de uma experiência apenas. Ou seja, as abelhas são incapazes de produzir uma mensagem a partir de outra. A mensagem reproduzida está limitada a uma reposta única a um estímulo, não é possível para as abelhas interpretarem sinais diversos, o conteúdo das mensagens é sempre limitado.
  • 20. Por fim, a mensagem das abelhas não é decomposta em elementos menores, ou seja, não é possível reaproveitar os mesmos sinais para construir outras mensagens.
  • 21. Para resumir, a comunicação das abelhas possui:  conteúdo fixo,  mensagem invariável,  se relaciona a uma só situação,  se transmite unilateralmente, e  seu enunciado é indecomponível.
  • 22. Já a linguagem humana possui: conteúdo ilimitado, mensagem variável, se relaciona a infinitas situações, possui interatividade e seus enunciados são decompostos em elementos mínimos que podem se reorganizar para formar novos enunciados.
  • 23. Por mais que os animais possam se comunicar, essa comunicação não constitui linguagem.
  • 24. Linguagem verbal e outras linguagens A característica da linguagem não se limita às línguas verbais, ou seja, as línguas baseadas em palavras, faladas e escritas. Podemos pensar a linguagem em uma pintura, ou em uma sinfonia. Os elementos básicos mudam para cada caso: a pintura tem que combinar cores, sombras, profundidades para formar sua mensagem; já a sinfonia utiliza notas, tons e escalas.
  • 25. Seja com a linguagem verbal, com a pictórica ou com a sonora, podemos construir textos. Podemos construir textos até mesmo com mais de uma linguagem ao mesmo tempo. Revistas e jornais, por exemplo, utilizam a linguagem verbal nos seus textos, mas também a linguagem fotográfica, e até mesmo a linguagem própria da diagramação (arrumação dos objetos nas páginas).
  • 26. Quando um texto possuir mais de uma linguagem ao mesmo tempo, vamos chamá-lo de texto sincrético. Sincretismo é isso, mais de uma linguagem no mesmo texto.
  • 27. Traduções entre linguagens É possível traduzir o sentido de um texto de um tipo de linguagem para um texto de outro tipo de linguagem. Um exemplo fácil de visualizar são as adaptações de livros famosos para o cinema. É muito comum falarmos que um filme é muito pior que o livro que o inspirou. Mas precisamos ter em mente que é preciso fazer adaptações nessa tradução, pois nunca duas linguagens diferentes podem reproduzir o mesmo sentido.
  • 28. Faça um teste, coloque uma música instrumental para tocar; feche os olhos por um minuto; depois pegue um pedaço de papel e tente escrever o que aquela música significa. O que achou?
  • 29. Agora, faça o contrário, feche os olhos e tente imaginar que sons significariam esse texto que você está lendo. Muito mais difícil, não é?
  • 30. A linguagem verbal, seja ela da língua que for, é considera uma tradutora universal. Podemos, com a linguagem verbal, traduzir o sentido de um quadro, ou de uma música instrumental.
  • 31. O oposto é muito mais complicado, e algumas vezes impossível. É muito comum você encontrar questões que pedem uma interpretação de uma imagem, e a resposta será sempre dada na linguagem verbal.