SlideShare uma empresa Scribd logo
Língua, Linguagem,
Fala e variação
linguistica
 um processo social;
 uma transmissão de sentimentos e
idéias;
Comunicar implica busca de
entendimento, de compreensão.
Comunicação é:Comunicação é:
LÍNGUA
É um tipo de linguagem; é a única
modalidade da linguagem
baseada em palavras. O alemão, o
inglês e o português são línguas
diferentes. Língua é a
linguagem verbal utilizada por
um grupo de indivíduos que
constitui uma comunidade.
A LÍNGUA É:
 instrumento peculiar de comunicação;
 parte social da linguagem, exterior ao
indivíduo;
 sistema de signos convencionais e arbitrários;
 união de uma forma de expressão a um
pensamento
Signo lingüístico = significante + significado
forma conteúdo
O QUE É LÍNGUA?
 É um código formado por
palavras e leis combinatórias por
meio do qual as pessoas se
comunicam e interagem entre si.
 Um código linguístico social,
formado por signos (palavras) e
leis combinatórias, por meio do
qual as pessoas se comunicam.
(1)
 Dialeto: normas coletivas
regionais, ou seja, originadas
das diferenças de região ou
território, de idade, de sexo, de
classes ou grupos sociais e da
própria evolução histórica da
língua.
CONCEITUANDO:
 Fala:
Normas linguísticas individuais.
- não planejada;
- fragmentária;
- incompleta;
- pouco elaborada;
- predominância de frases curtas,
simples ou coordenadas;
- pouco uso de passivas.
 Escrita:
- planejada;
- não fragmentária;
- completa;
- elaborada;
- predominância de frases
complexas, com subordinação
abundante;
- emprego frequente de passivas.
NÍVEIS DE LÍNGUA
 As diferenças no uso da língua
constituem as variedades linguísticas.
São, portanto, as variações que uma
língua apresenta, de acordo com as
condições sociais, culturais, regionais e
históricas em que é utilizada.
 Entre as variedades de uma língua,
existe a língua padrão (culta), a não
padrão (popular, coloquial), técnica,
literária, gíria e jargão.
LÍNGUA: VARIAÇÃO E NORMA
 Há situações em que a língua se apresenta de
formas diferentes – o que é normal - alguns
fatores que favorecem estas variações são:
- região geográfica;
- o sexo;
- a idade;
- a classe social;
- profissionais;
- o grau de formalidade do contexto.
(1)
FALA
É a realização concreta da língua,
feita por um indivíduo da
comunidade num determinado
momento. É um ato individual
que cada membro pode efetuar
com o uso da linguagem.
A FALA É:
 expressão oral;
 ato intencional, em nível individual,
de vontade e de inteligência.
LINGUAGEM
 Um sistema de signos que permite construir uma interpretação
da realidade através de sons, letras, cores, imagens, gestos
etc.
(1)
LINGUAGEM
É todo sistema de sinais convencionais que
nos permite realizar atos de comunicação.
Pode ser verbal e não-verbal.
a) verbal: aquela cujos sinais são as palavras.
b) não-verbal: aquela que utiliza outros sinais
que não as palavras. Os sinais empregados
pelos surdos-mudos, o conjunto dos sinais de
trânsito, mímica, entre outros, constituem
tipos de linguagem não-verbal.
TIPOS DE LINGUAGEM: VERBAL E NÃO VERBAL
 No cotidiano, sem percebermos, usamos frequentemente a
linguagem verbal e a linguagem não verbal.
 Linguagem verbal é uso da escrita ou da fala
como meio de comunicação.
• Linguagem não verbal é o uso de imagens, figuras, desenhos,
símbolos, dança, tom de voz, postura corporal, pintura, música,
mímica, escultura e gestos como meio de comunicação. A
linguagem não verbal pode ser até percebida nos animais,
exemplo: quando um cachorro balança a cauda quer dizer que
está feliz ou se coloca a cauda entre as pernas, medo, tristeza.
A LINGUAGEM É:
 forma de expressão;
 característica inata;
 inerente ao homem.
“A linguagem tem uma lado individual e um
lado social, sendo impossível conceber um sem o
outro.”
“A cada instante, a linguagem implica, ao
mesmo tempo, um sistema estabelecido e uma
evolução.”
LINGUAGEM É...
... a atividade humana que, nas
representações de mundo que constrói,
revela aspectos históricos, sociais e culturais.
É por meio da linguagem que o ser humano
organiza e dá forma às suas experiências.
Seu uso ocorre na interação social e
pressupõe a existência de interlocutores*.
São exemplos de diferentes linguagens
utilizadas pelo ser humano as línguas, a
pintura, a dança, os logotipos, os quadrinhos,
os sistemas gestuais, entre outros.
* Interlocutor: cada um dos participantes de um diálogo. (3)
USAMOS A LINGUAGEM PARA...
...pedir ou transmitir informações na maior
parte do tempo, mas, além do intuito
comunicativo, a linguagem deve dar conta
também das necessidades subjetivas, que
se expressam nas palavras, nos sentimentos,
nas sensações, nas emoções.
“A linguagem é um fato exclusivamente humano, um método de
comunicação racional de ideias, emoção e desejos por meio de
símbolos produzidos de maneira deliberada.”
Rabaça & Barbosa (1987, p. 367)
 A comunicação ocorre quando
interagimos com outras pessoas,
utilizando a linguagem, sendo esta
verbal (as palavras), não verbal
(gestos, movimentos, expressões
corporais e faciais, sons, cores
etc., mistas e digitais.
(2)
DIFERENTES LINGUAGENS
-No nosso dia a dia, convivemos com diferentes linguagens:
- As chamadas línguas naturais (Inglês, Francês, Português,
Russo, Guarani etc);
- A pintura;
- A dança;
- A música;
- Os sistemas gestuais;
- Os sistemas particulares de signos (logotipos, quadrinhos).
(1)
LINGUAGENS: LITERATURA
Paulo Leminski - 1982
"Para o zen budismo, a lua na água
é um símbolo da impermanência de todas as coisas.“
Paulo Leminski
Imagem:PauloLeminsk,LuanaÁgua/
http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/mylink
s/viewcat.php?cid=4&min=280&orderby=titleA&show=10
LINGUAGENS: MÚSICA
A MÚSICA
IRRADIA.
Imagens: (a) Lhademmor / GNU Free Documentation
License. (b) Sao.Rocker / Creative Commons Attribution-
Share Alike 3.0 Unported.
LINGUAGENS: TEATRO
O TEATRO ENCENA O
VERBAL, O VISUAL E O
SONORO.
Imagens: (a) Ester Inbar / Use of image free for any purpose.
(b) Malene Thyssen / GNU Free Documentation License.
LINGUAGENS: CINEMA
O CINEMA MOVIMENTA.
Imagem: Screenshot do filme "Snow White and the Huntsman", 2012 / Universal Pictures / http://www.imdb.com/video/imdb/vi2494275609/
LINGUAGENS: PINTURA
A PINTURA
IMPRIME.
Imagem:FélixZiem/OGrandeCanalemVeneza/
MASP/UnitedStatesPublicDomain.
LINGUAGENS: FOTOGRAFIA E
DESENHO
A FOTOGRAFIA
FLAGRA.
Imagem: Jebulon / Public Domain.
LINGUAGENS: TRÂNSITO
Imagens: Pava / Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Italy.
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Funções que a linguagem pode assumir:
-Emotiva ou expressiva: ênfase na emoção do
EMISSOR;
-Conativa ou apelativa: destaque para o RECEPTOR,
que é estimulado pela mensagem;
-Referencial: quando a intenção é informar o
receptor, procurando traduzir a REALIDADE com
objetividade;
-Metalinguística: ocorre quando o CÓDIGO é posto
em destaque, explicando-se;
-Fática: o destaque é o CANAL;
-Poética: a MENSAGEM é enfatizada, chamando
atenção para a forma desta.
O VALOR SOCIAL DA LINGUAGEM
“Tudo o que ser humano alcançou de
crescimento cultural está ligado à
linguagem. Sem ela, a cultura não existiria, e
os conhecimentos não poderiam ser
transmitidos de geração para geração. A
linguagem torna possível o desenvolvimento
e a transmissão de culturas, bem como o
funcionamento eficiente e o controle dos
grupos sociais.”
Campedelli & Souza (1998, p. 10)
O QUE É IMPORTANTE SOBRE DIVERSIDADE
LINGUÍSTICA
 1.Nenhuma língua é homogênea.
 2.Cada variedade de uma língua é resultado das
peculiaridades das experiências históricas do
grupo que a fala.
 3.Do ponto de vista exclusivamente linguístico,
todas as variedades de uma língua se equivalem
e não há como diferenciá-las em termos de
melhor ou pior, de certa ou errada. A diferença
de valoração das variedades é um fato
exclusivamente social.
 4.As línguas mudam constantemente no
tempo.
 5.A língua varia conforme a região em
que é falada.
 6.A língua reflete as diferenças socio-
econômicas e culturais de seus falantes;
 7.Nós, falantes, variamos nosso modo de
falar conforme a situação em que
estamos.
 8.“Não há lei contra o preconceito
linguístico, além disso, ele é estimulado
diariamente na mídia e na prática
pedagógica” (Marcos Bagno).
 9. “A ‘skrita’ na internet. Estudos
linguístico-discursivos procuram mostrar
que ‘internetês’ não é mera
reprodução da fala na escrita, mas,
sim, uma forma de aproximação entre
os falantes” (Fabiana Cristina Komesu).
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS
Diferenças:
* vocabulário
* pronúncia
* morfologia(estudo da estrutura e formação das palavras
* sintaxe (estuda as palavras enquanto elementos de uma frase,
as suas relações de concordância, de subordinação e de
ordem)
Fatores importantes para a variação linguística:
. região geográfica
. sexo
. idade
. classe social
. grau de formalidade
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS
 1. Modalidade escrita e falada
 2. Variantes regionais
 3. Variantes sociais ( norma culta e norma
popular)
 4. Variantes de época
 5. Variantes de estilo ( formal e informal)
Que importa que uns falem
mole
Descansado
Que os cariocas arranhem os
erres na garganta
Que os capixabas escancarem
As vogais?
Que tem quinhentos réis
meridional
Vira tostões do Rio pro Norte?
Juntos formamos este
assombroso
De misérias e grandezas,
Brasil, nome de vegetal ...
Mário de
Andrade
MODALIDADE ESCRITA E
MODALIDADE FALADA
 FALA - não há tanta preocupação com a
norma padrão;
- uso de gestos, expressão corporal e facial.
 ESCRITA – preocupação com a norma padrão.
VARIANTES REGIONAIS
 Sotaques e expressões típicas de cada região
do país.
bombacha carta
salsicha
penal
estojo
vina
farol
sinaleiro
carteira macacheira
VARIANTES DE ÉPOCA
telephone
deposito
domestico
escriptorio
villa
único alphabeto
VARIAÇÕES SOCIAIS
 norma popular
 norma culta
“ Nós somos em cinco e uma de criação, seis hómi,
quatro muié, comigo,né.”
“então nóis ia tacá pedra nos namorado...”
“ A paz e a guerra são dados que aparentemente
sempre se verificam na experiência histórica. No
entanto nós estamos diante de uma situação inédita
em que, ....”
VARIAÇÕES DE ESTILO
 Estilo formal- apresenta grau de reflexão sobre o que diz. É na
linguagem escrita, em geral, que o grau de formalidade é mais
tenso.
“ ...o que está acontecendo com nossos alunos é uma
fragmentação do ensino ... Ou seja ... ele perde a noção do
todo
 Estilo informal (ou coloquial) – se fala sem preocupação, o grau
de reflexão é mínimo. É na linguagem oral , íntima e familiar que
esse estilo melhor se manifesta.
“ ... Tem dias que minha voz... Mais está assim meio taquara
rachada..
PRECONCEITO LINGUÍSTICO: SEGUNDO A
LINGUISTA MARTA SCHERRE, O "JULGAMENTO
DEPRECIATIVO, DESRESPEITOSO, JOCOSO E,
CONSEQUENTEMENTE, HUMILHANTE DA FALA DO
OUTRO OU DA PRÓPRIA FALA" GERALMENTE
ATINGE AS VARIEDADES ASSOCIADAS A GRUPOS
DE MENOR PRESTÍGIO SOCIAL.
 Todas as variedades constituem sistemas
linguísticos perfeitamente adequados para a
expressão comunicativa e cognitiva dos
falantes. O preconceito linguístico é uma forma
de discriminação que deve ser enfaticamente
combatida

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
Jorge Henrique
 
Apresentaçao variação linguística
Apresentaçao variação linguísticaApresentaçao variação linguística
Apresentaçao variação linguística
diretoriabraganca
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
eeepadrianonobre
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Vícios de linguagem
Vícios de linguagemVícios de linguagem
Vícios de linguagem
Cláudia Heloísa
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
Carolina Loçasso Pereira
 
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Linguagem verbal e não verbal   aula 03Linguagem verbal e não verbal   aula 03
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Jorge Martins
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
ma.no.el.ne.ves
 
Variação Lingüística
Variação Lingüística Variação Lingüística
Variação Lingüística
Luiz Neto
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Karen Olivan
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
Kelvin Illitch Santos
 
Processos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e EnsinoProcessos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e Ensino
Profletras2014
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Aula variações linguísticas
Aula variações linguísticasAula variações linguísticas
Aula variações linguísticas
Curso Letrados
 
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEMComo estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
ma.no.el.ne.ves
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 

Mais procurados (20)

Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
 
Apresentaçao variação linguística
Apresentaçao variação linguísticaApresentaçao variação linguística
Apresentaçao variação linguística
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Vícios de linguagem
Vícios de linguagemVícios de linguagem
Vícios de linguagem
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Linguagem verbal e não verbal aula 03
Linguagem verbal e não verbal   aula 03Linguagem verbal e não verbal   aula 03
Linguagem verbal e não verbal aula 03
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Variação Lingüística
Variação Lingüística Variação Lingüística
Variação Lingüística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
Processos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e EnsinoProcessos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e Ensino
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Aula variações linguísticas
Aula variações linguísticasAula variações linguísticas
Aula variações linguísticas
 
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEMComo estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
Como estudar INTERPRETAÇÃO DE TEXTO para o ENEM
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 

Semelhante a Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala

FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
Jordano Santos Cerqueira
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
Maninho Walker
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
FernandoFernochio
 
Texto 7 linguagem lngua e fala
Texto 7   linguagem lngua e falaTexto 7   linguagem lngua e fala
Texto 7 linguagem lngua e fala
Flávio Ferreira
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
BrunaLuque
 
Linguagem_lingua
Linguagem_linguaLinguagem_lingua
Linguagem_lingua
Jesrayne Nascimento
 
comunicação.pdf
comunicação.pdfcomunicação.pdf
comunicação.pdf
AnneCaroline272991
 
Concepção de língua e linguagem, signo e fala..ppt
Concepção de língua e linguagem, signo e fala..pptConcepção de língua e linguagem, signo e fala..ppt
Concepção de língua e linguagem, signo e fala..ppt
Rosiane Candido
 
1. libras modulo1
1. libras modulo1 1. libras modulo1
1. libras modulo1
Rodriguescrs
 
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Elaine Junger
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
Danone
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Mariana Correia
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Jowandreo Paixão
 
Análise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantesAnálise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantes
Jean Michel Gallo Soldatelli
 
Comunicação e linguagem.pptx
Comunicação e linguagem.pptxComunicação e linguagem.pptx
Comunicação e linguagem.pptx
LeilaSilva564082
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
AntonioVieira539017
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
AntonioVieira539017
 
Lingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniLingua e linguagem perini
Lingua e linguagem perini
Sâmara Lopes
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Semelhante a Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala (20)

FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 01
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 01
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
Texto 7 linguagem lngua e fala
Texto 7   linguagem lngua e falaTexto 7   linguagem lngua e fala
Texto 7 linguagem lngua e fala
 
Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
 
Linguagem_lingua
Linguagem_linguaLinguagem_lingua
Linguagem_lingua
 
comunicação.pdf
comunicação.pdfcomunicação.pdf
comunicação.pdf
 
Concepção de língua e linguagem, signo e fala..ppt
Concepção de língua e linguagem, signo e fala..pptConcepção de língua e linguagem, signo e fala..ppt
Concepção de língua e linguagem, signo e fala..ppt
 
1. libras modulo1
1. libras modulo1 1. libras modulo1
1. libras modulo1
 
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
Lngua portuguesa-i prof-william-sanches-verso_2013
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
 
Análise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantesAnálise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantes
 
Comunicação e linguagem.pptx
Comunicação e linguagem.pptxComunicação e linguagem.pptx
Comunicação e linguagem.pptx
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
 
Lingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniLingua e linguagem perini
Lingua e linguagem perini
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala

  • 1. Língua, Linguagem, Fala e variação linguistica
  • 2.  um processo social;  uma transmissão de sentimentos e idéias; Comunicar implica busca de entendimento, de compreensão. Comunicação é:Comunicação é:
  • 3. LÍNGUA É um tipo de linguagem; é a única modalidade da linguagem baseada em palavras. O alemão, o inglês e o português são línguas diferentes. Língua é a linguagem verbal utilizada por um grupo de indivíduos que constitui uma comunidade.
  • 4. A LÍNGUA É:  instrumento peculiar de comunicação;  parte social da linguagem, exterior ao indivíduo;  sistema de signos convencionais e arbitrários;  união de uma forma de expressão a um pensamento Signo lingüístico = significante + significado forma conteúdo
  • 5. O QUE É LÍNGUA?  É um código formado por palavras e leis combinatórias por meio do qual as pessoas se comunicam e interagem entre si.  Um código linguístico social, formado por signos (palavras) e leis combinatórias, por meio do qual as pessoas se comunicam. (1)
  • 6.  Dialeto: normas coletivas regionais, ou seja, originadas das diferenças de região ou território, de idade, de sexo, de classes ou grupos sociais e da própria evolução histórica da língua.
  • 7. CONCEITUANDO:  Fala: Normas linguísticas individuais. - não planejada; - fragmentária; - incompleta; - pouco elaborada; - predominância de frases curtas, simples ou coordenadas; - pouco uso de passivas.
  • 8.  Escrita: - planejada; - não fragmentária; - completa; - elaborada; - predominância de frases complexas, com subordinação abundante; - emprego frequente de passivas.
  • 9. NÍVEIS DE LÍNGUA  As diferenças no uso da língua constituem as variedades linguísticas. São, portanto, as variações que uma língua apresenta, de acordo com as condições sociais, culturais, regionais e históricas em que é utilizada.  Entre as variedades de uma língua, existe a língua padrão (culta), a não padrão (popular, coloquial), técnica, literária, gíria e jargão.
  • 10. LÍNGUA: VARIAÇÃO E NORMA  Há situações em que a língua se apresenta de formas diferentes – o que é normal - alguns fatores que favorecem estas variações são: - região geográfica; - o sexo; - a idade; - a classe social; - profissionais; - o grau de formalidade do contexto. (1)
  • 11. FALA É a realização concreta da língua, feita por um indivíduo da comunidade num determinado momento. É um ato individual que cada membro pode efetuar com o uso da linguagem.
  • 12. A FALA É:  expressão oral;  ato intencional, em nível individual, de vontade e de inteligência.
  • 13. LINGUAGEM  Um sistema de signos que permite construir uma interpretação da realidade através de sons, letras, cores, imagens, gestos etc. (1)
  • 14. LINGUAGEM É todo sistema de sinais convencionais que nos permite realizar atos de comunicação. Pode ser verbal e não-verbal. a) verbal: aquela cujos sinais são as palavras. b) não-verbal: aquela que utiliza outros sinais que não as palavras. Os sinais empregados pelos surdos-mudos, o conjunto dos sinais de trânsito, mímica, entre outros, constituem tipos de linguagem não-verbal.
  • 15. TIPOS DE LINGUAGEM: VERBAL E NÃO VERBAL  No cotidiano, sem percebermos, usamos frequentemente a linguagem verbal e a linguagem não verbal.  Linguagem verbal é uso da escrita ou da fala como meio de comunicação. • Linguagem não verbal é o uso de imagens, figuras, desenhos, símbolos, dança, tom de voz, postura corporal, pintura, música, mímica, escultura e gestos como meio de comunicação. A linguagem não verbal pode ser até percebida nos animais, exemplo: quando um cachorro balança a cauda quer dizer que está feliz ou se coloca a cauda entre as pernas, medo, tristeza.
  • 16. A LINGUAGEM É:  forma de expressão;  característica inata;  inerente ao homem. “A linguagem tem uma lado individual e um lado social, sendo impossível conceber um sem o outro.” “A cada instante, a linguagem implica, ao mesmo tempo, um sistema estabelecido e uma evolução.”
  • 17. LINGUAGEM É... ... a atividade humana que, nas representações de mundo que constrói, revela aspectos históricos, sociais e culturais. É por meio da linguagem que o ser humano organiza e dá forma às suas experiências. Seu uso ocorre na interação social e pressupõe a existência de interlocutores*. São exemplos de diferentes linguagens utilizadas pelo ser humano as línguas, a pintura, a dança, os logotipos, os quadrinhos, os sistemas gestuais, entre outros. * Interlocutor: cada um dos participantes de um diálogo. (3)
  • 18. USAMOS A LINGUAGEM PARA... ...pedir ou transmitir informações na maior parte do tempo, mas, além do intuito comunicativo, a linguagem deve dar conta também das necessidades subjetivas, que se expressam nas palavras, nos sentimentos, nas sensações, nas emoções. “A linguagem é um fato exclusivamente humano, um método de comunicação racional de ideias, emoção e desejos por meio de símbolos produzidos de maneira deliberada.” Rabaça & Barbosa (1987, p. 367)
  • 19.  A comunicação ocorre quando interagimos com outras pessoas, utilizando a linguagem, sendo esta verbal (as palavras), não verbal (gestos, movimentos, expressões corporais e faciais, sons, cores etc., mistas e digitais. (2)
  • 20. DIFERENTES LINGUAGENS -No nosso dia a dia, convivemos com diferentes linguagens: - As chamadas línguas naturais (Inglês, Francês, Português, Russo, Guarani etc); - A pintura; - A dança; - A música; - Os sistemas gestuais; - Os sistemas particulares de signos (logotipos, quadrinhos). (1)
  • 21. LINGUAGENS: LITERATURA Paulo Leminski - 1982 "Para o zen budismo, a lua na água é um símbolo da impermanência de todas as coisas.“ Paulo Leminski Imagem:PauloLeminsk,LuanaÁgua/ http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/mylink s/viewcat.php?cid=4&min=280&orderby=titleA&show=10
  • 22. LINGUAGENS: MÚSICA A MÚSICA IRRADIA. Imagens: (a) Lhademmor / GNU Free Documentation License. (b) Sao.Rocker / Creative Commons Attribution- Share Alike 3.0 Unported.
  • 23. LINGUAGENS: TEATRO O TEATRO ENCENA O VERBAL, O VISUAL E O SONORO. Imagens: (a) Ester Inbar / Use of image free for any purpose. (b) Malene Thyssen / GNU Free Documentation License.
  • 24. LINGUAGENS: CINEMA O CINEMA MOVIMENTA. Imagem: Screenshot do filme "Snow White and the Huntsman", 2012 / Universal Pictures / http://www.imdb.com/video/imdb/vi2494275609/
  • 26. LINGUAGENS: FOTOGRAFIA E DESENHO A FOTOGRAFIA FLAGRA. Imagem: Jebulon / Public Domain.
  • 27. LINGUAGENS: TRÂNSITO Imagens: Pava / Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Italy.
  • 28. FUNÇÕES DA LINGUAGEM Funções que a linguagem pode assumir: -Emotiva ou expressiva: ênfase na emoção do EMISSOR; -Conativa ou apelativa: destaque para o RECEPTOR, que é estimulado pela mensagem; -Referencial: quando a intenção é informar o receptor, procurando traduzir a REALIDADE com objetividade; -Metalinguística: ocorre quando o CÓDIGO é posto em destaque, explicando-se; -Fática: o destaque é o CANAL; -Poética: a MENSAGEM é enfatizada, chamando atenção para a forma desta.
  • 29. O VALOR SOCIAL DA LINGUAGEM “Tudo o que ser humano alcançou de crescimento cultural está ligado à linguagem. Sem ela, a cultura não existiria, e os conhecimentos não poderiam ser transmitidos de geração para geração. A linguagem torna possível o desenvolvimento e a transmissão de culturas, bem como o funcionamento eficiente e o controle dos grupos sociais.” Campedelli & Souza (1998, p. 10)
  • 30. O QUE É IMPORTANTE SOBRE DIVERSIDADE LINGUÍSTICA  1.Nenhuma língua é homogênea.  2.Cada variedade de uma língua é resultado das peculiaridades das experiências históricas do grupo que a fala.  3.Do ponto de vista exclusivamente linguístico, todas as variedades de uma língua se equivalem e não há como diferenciá-las em termos de melhor ou pior, de certa ou errada. A diferença de valoração das variedades é um fato exclusivamente social.
  • 31.  4.As línguas mudam constantemente no tempo.  5.A língua varia conforme a região em que é falada.  6.A língua reflete as diferenças socio- econômicas e culturais de seus falantes;  7.Nós, falantes, variamos nosso modo de falar conforme a situação em que estamos.
  • 32.  8.“Não há lei contra o preconceito linguístico, além disso, ele é estimulado diariamente na mídia e na prática pedagógica” (Marcos Bagno).  9. “A ‘skrita’ na internet. Estudos linguístico-discursivos procuram mostrar que ‘internetês’ não é mera reprodução da fala na escrita, mas, sim, uma forma de aproximação entre os falantes” (Fabiana Cristina Komesu).
  • 33. VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS Diferenças: * vocabulário * pronúncia * morfologia(estudo da estrutura e formação das palavras * sintaxe (estuda as palavras enquanto elementos de uma frase, as suas relações de concordância, de subordinação e de ordem) Fatores importantes para a variação linguística: . região geográfica . sexo . idade . classe social . grau de formalidade
  • 34. VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS  1. Modalidade escrita e falada  2. Variantes regionais  3. Variantes sociais ( norma culta e norma popular)  4. Variantes de época  5. Variantes de estilo ( formal e informal)
  • 35. Que importa que uns falem mole Descansado Que os cariocas arranhem os erres na garganta Que os capixabas escancarem As vogais? Que tem quinhentos réis meridional Vira tostões do Rio pro Norte? Juntos formamos este assombroso De misérias e grandezas, Brasil, nome de vegetal ... Mário de Andrade
  • 36. MODALIDADE ESCRITA E MODALIDADE FALADA  FALA - não há tanta preocupação com a norma padrão; - uso de gestos, expressão corporal e facial.  ESCRITA – preocupação com a norma padrão.
  • 37. VARIANTES REGIONAIS  Sotaques e expressões típicas de cada região do país. bombacha carta salsicha penal estojo vina farol sinaleiro carteira macacheira
  • 39. VARIAÇÕES SOCIAIS  norma popular  norma culta “ Nós somos em cinco e uma de criação, seis hómi, quatro muié, comigo,né.” “então nóis ia tacá pedra nos namorado...” “ A paz e a guerra são dados que aparentemente sempre se verificam na experiência histórica. No entanto nós estamos diante de uma situação inédita em que, ....”
  • 40. VARIAÇÕES DE ESTILO  Estilo formal- apresenta grau de reflexão sobre o que diz. É na linguagem escrita, em geral, que o grau de formalidade é mais tenso. “ ...o que está acontecendo com nossos alunos é uma fragmentação do ensino ... Ou seja ... ele perde a noção do todo  Estilo informal (ou coloquial) – se fala sem preocupação, o grau de reflexão é mínimo. É na linguagem oral , íntima e familiar que esse estilo melhor se manifesta. “ ... Tem dias que minha voz... Mais está assim meio taquara rachada..
  • 41. PRECONCEITO LINGUÍSTICO: SEGUNDO A LINGUISTA MARTA SCHERRE, O "JULGAMENTO DEPRECIATIVO, DESRESPEITOSO, JOCOSO E, CONSEQUENTEMENTE, HUMILHANTE DA FALA DO OUTRO OU DA PRÓPRIA FALA" GERALMENTE ATINGE AS VARIEDADES ASSOCIADAS A GRUPOS DE MENOR PRESTÍGIO SOCIAL.  Todas as variedades constituem sistemas linguísticos perfeitamente adequados para a expressão comunicativa e cognitiva dos falantes. O preconceito linguístico é uma forma de discriminação que deve ser enfaticamente combatida