SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
Aula 5
Reprodução das Angiospermas
Nas angiospermas, o esporófito é formado por raízes, caule, folhas,
flores, frutos e sementes.
As flores são folhas modificadas, preparadas para a reprodução das
angiospermas.
Observe a figura de uma flor completa:
Organização da flor
• Cálice: constituído por folhas verdes chamadas sépalas.
• Corola: constituído por folhas coloridas chamadas pétalas.
• Gineceu: aparelho reprodutor feminino.
• Androceu: aparelho reprodutor masculino.
• Pedúnculo floral: haste de sustentação que liga a flor ao caule.
• Receptáculo floral: base de sustentação da flor.
Verticilos de proteção:
sépalas e pétalas.
Verticilos de reprodução:
androceu e gineceu
• Androceu: conjunto de estames.
• Gineceu ou pistilo: é formado por um conjunto de carpelos (folhas
carpelares).
Polinização
É o transporte de grãos de pólen da parte masculina para a parte
feminina da mesma flor ou de outra flor.
A polinização pode ser feita por animais, pelo vento e pela água.
Importante: nem todas as flores apresentam
o conjunto completo de estruturas.
Autopolinização Polinização
cruzada
O grão de pólen cai
no estigma da
própria flor.
O grão de pólen é
transportado da
antera de uma flor
até o estigma de
uma outra flor.
Tipos de polinização Agente polinizador
Anemofilia vento
Entomofilia inseto
Ornotofilia pássaro
Quiropterofilia morcegos
Ciclo de vida das Angiospermas
No interior das anteras existem sacos polínicos (microsporângios),
que contêm células – mãe de esporos, cada uma das quais originará,
por meiose, quatro micrósporos.
Cada micrósporo divide-se por mitose, formando um grão de pólen
que possui um núcleo espermático.
Quando o grão de pólen cai no estigma desenvolve-se o tubo
polínico (gametófito masculino). Durante o crescimento do tubo polínico,
o núcleo espermático divide – se, originando, o primeiro e o segundo
núcleos espermático, que são os gametas masculinos (células férteis).
Odores, cor das pétalas; são
fatores de atração para os
animais polinizadores.
No interior do ovário, há um ou mais óvulos. O óvulo apresenta
dois tegumentos envolvendo o megasporângio, que guarda no seu
interior uma grande célula – mãe do esporo (2n). Essa célula – mãe
(2n) sofre meiose e origina quatro megásporos, sendo que três
degeneram e o que resta é o megásporo fértil. Este sofre três mitoses
consecutivas que se organizam originando o saco embrionário
(gametófito feminino).
O saco embrionário possui uma oosfera (gameta feminino), duas
sinérgides, três antípodas e dois núcleos polares (células férteis).
Após a polinização, o grão de pólen germina e forma o tubo
polínico. Este cresce até atingir o óvulo, ocorrendo, então, a dupla
fecundação:
Após a fecundação, o ovário transforma-se em fruto, e os óvulos,
em sementes. Se o ovário apresentar apenas um óvulo, os frutos (como
a manga e azeitona) terão apenas uma semente. Nas plantas que têm
ovário com vários óvulos, os frutos (como tomate e goiaba) contêm
várias sementes.
1º
núcleo espermático + oosfera zigoto = embrião (2n)
2º
núcleo
+ 2 núcleos polares zigoto = endosperma (3n)
espermático
Pseudofruto: a parte comestível não é o ovário, mas sim uma outra
parte da flor. Exemplo: pêra deriva do receptáculo floral, e o caju, do
pedúnculo floral.
Exercícios
1) (Unicamp – SP) Atualmente são conhecidas quase 350 mil
espécies de plantas, das quais cerca de 250 mil são angiospermas. Isso
indica o sucesso adaptativo desse grupo. Mencione três fatores que
favorecem esse sucesso.
2) (Mackenzie – SP) Relacione as partes de uma flor de
angiosperma com a sua denominação correspondente.
(A) Cálice + corola ( ) Pistilo
(B) Ovário + estilete + estigma ( ) Estame
(C) Filete + antera ( ) Perianto
(D) Pétalas ( ) Corola
(E) Sépalas ( ) Cálise
A seqüência correta de cima para baixo é:
a) B, C, A, D, E.
b) A, C, B, E, D.
c) B, C, A, E, D.
d) C, A, B, D, E.
e) E, C, A, B, D.
3) (Fatec – SP) Nos vegetais superiores, o processo de polinização
permite a troca de genes entre dois indivíduos e, consequentemente, a
variabilidade genética na espécie. A eficiência do processo é garantida
pela adaptação da flor a um determinado agente polinizador. Analise as
adaptações abaixo e assinale a alternativa que contém a relação correta
entre essas adaptações e o agente polinizador.
I. estigmas plumosos
II. corola vistosa
III. filetes longos e flexíveis
IV. grande quantidade de grãos de pólen
V. glândulas odoríferas
VI. glândulas produtoras de néctar
Agente polinizador Adaptação
a) Vento I, II, III
b) Pássaros II, III, IV
c) Insetos II, V, VI
d) Pássaros IV, V, VI
e) Vento I, III,V
4) (Unicamp – SP) Uma das tendências evolutivas no reino vegetal
foi a redução progressiva da fase haplóide, o gametófito.
a) A que corresponde, nas angiospermas, gametófito masculino? E
o gametófito feminino?
b) Indique, através dos números, onde estão localizadas essas
estruturas no esquema de flor apresentado.
c) Dê o nome do gameta feminino.
5) (FUVEST – SP) O endosperma das sementes da angiosperma
contém:
a) material genético de cada genitor em quantidades iguais.
b) Somente material genético materno.
c) Somente material genético paterno.
d) Maior quantidade de material genético materno.
e) Maior quantidade de material genético paterno.
Respostas dos exercícios
Resposta do exercício 1: Os fatores que contribuíram para o
sucesso adaptativo das Angiospermas são:
a) formação do tubo polínico permitindo a sua reprodução em
ambiente seco.
b) formação do fruto, que protege e dispersa a semente.
c) formação de sementes com nutrientes que garantem a
sobrevivência dos embriões.
Resposta do exercício 2: A
Não esqueça
Pistilo: estrutura feminino da flor
Estame: estrutura masculina da flor
Pétalas: folhas coloridas
Sépalas: folhas verdes
Resposta do exercício 3: C
Características das flores Agente polinizador
- Flores desprovidas de cálice
e corola; grande número de
estames e grande produção
de pólen seco.
Vento (Anemofilia)
- Flores grandes, perfumadas
e abertura noturna Morcego (Quiropterofilia)
- Flores grandes, perfumadas
corolas coloridas odoríferas e
produção de néctar
Insetos (Entomofilia)
- Flores coloridas, tubulosas e
produtores de néctar Pássaros (Ornitofilia)
Repostado exercício 4:
a) O gametófito masculino é o tubo polínico, enquanto o
gametófito feminino é o saco embrionário.
b) Tubo polínico é a estrutura número um e o saco embrionário
é a estrutura número quatro
c) Oosfera
Indicando as outras estruturas:
2 ‡ ovário
3 ‡ estigma
5 ‡ antera
Resposta do exercício 5: D
O endospema é um tecido triplóide (3n), formado a partir da
fecundação do 2o
núcleo espermático (gameta masculino), com dois
núcleos polares (femininos).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Flor – morfologia e anatomia
Flor – morfologia e anatomiaFlor – morfologia e anatomia
Flor – morfologia e anatomiaprofatatiana
 
Gimnospermas - Ensino Fundamental
Gimnospermas - Ensino FundamentalGimnospermas - Ensino Fundamental
Gimnospermas - Ensino FundamentalAndrea Barreto
 
Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaLarissaVian
 
Reprodução nas Plantas
Reprodução nas PlantasReprodução nas Plantas
Reprodução nas PlantasHelena Borralho
 
Reino plantae gimosperma e angiosperma
Reino plantae   gimosperma e angiospermaReino plantae   gimosperma e angiosperma
Reino plantae gimosperma e angiospermaMarcia Bantim
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florJoseanny Pereira
 
Classificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasClassificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasbiroskaa
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaJocimar Araujo
 
ReproduçãO Nas Plantas Com Flor
ReproduçãO Nas Plantas Com FlorReproduçãO Nas Plantas Com Flor
ReproduçãO Nas Plantas Com Florrukka
 
2 angiospermas
2   angiospermas2   angiospermas
2 angiospermasgenashb
 
Angiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_brAngiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_brEduardoEmiliano
 

Mais procurados (20)

ANGIOSPERMAS.pptx
ANGIOSPERMAS.pptxANGIOSPERMAS.pptx
ANGIOSPERMAS.pptx
 
Flor – morfologia e anatomia
Flor – morfologia e anatomiaFlor – morfologia e anatomia
Flor – morfologia e anatomia
 
Gimnospermas - Ensino Fundamental
Gimnospermas - Ensino FundamentalGimnospermas - Ensino Fundamental
Gimnospermas - Ensino Fundamental
 
Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
 
Reprodução nas Plantas
Reprodução nas PlantasReprodução nas Plantas
Reprodução nas Plantas
 
Gimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiospermaGimnospermas e angiosperma
Gimnospermas e angiosperma
 
Reino plantae gimosperma e angiosperma
Reino plantae   gimosperma e angiospermaReino plantae   gimosperma e angiosperma
Reino plantae gimosperma e angiosperma
 
Morfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da florMorfologia vegetal da flor
Morfologia vegetal da flor
 
Classificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantasClassificacao e reproducao das plantas
Classificacao e reproducao das plantas
 
Reprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuadaReprodução sexuada e assexuada
Reprodução sexuada e assexuada
 
Aula 10 angiospermas.pptx
Aula 10   angiospermas.pptxAula 10   angiospermas.pptx
Aula 10 angiospermas.pptx
 
Estrutura da flor
Estrutura da florEstrutura da flor
Estrutura da flor
 
ReproduçãO Nas Plantas Com Flor
ReproduçãO Nas Plantas Com FlorReproduçãO Nas Plantas Com Flor
ReproduçãO Nas Plantas Com Flor
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Reprodução das plantas.
Reprodução das plantas.Reprodução das plantas.
Reprodução das plantas.
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Flores 2012 aula
Flores 2012 aulaFlores 2012 aula
Flores 2012 aula
 
2 angiospermas
2   angiospermas2   angiospermas
2 angiospermas
 
Angiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_brAngiospermas www unifev_edu_br
Angiospermas www unifev_edu_br
 

Semelhante a Aula 05 - reprodução das angiospermas

Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutosURCA
 
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.pptMayaraOliveira228
 
Aula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth BergerAula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth BergerMatheus Yuri
 
Questões gimnospermas e angiospermas
Questões     gimnospermas e angiospermasQuestões     gimnospermas e angiospermas
Questões gimnospermas e angiospermasdiegodduarte
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomiaprofatatiana
 
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETALEXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETALAlexandre Pusaudse
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
GimnospermasURCA
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino MédioKeSantos03
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino MédioKeSantos03
 
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas   2014 exercicios sobre plantasAngiospermas   2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantasPatricia Sanches
 
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas   2014 exercicios sobre plantasAngiospermas   2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantasPatricia Sanches
 
Divisão das plantas: Angiospermas
Divisão das plantas: AngiospermasDivisão das plantas: Angiospermas
Divisão das plantas: AngiospermasLuiz Felipe
 
Exerciciosgimnosp.e.angiosfaceis
Exerciciosgimnosp.e.angiosfaceisExerciciosgimnosp.e.angiosfaceis
Exerciciosgimnosp.e.angiosfaceisMichelle Miranda
 
Angio mono dico
Angio mono dicoAngio mono dico
Angio mono dicocaca-filho
 
Reprodução das plantas aula 4
Reprodução das plantas aula 4Reprodução das plantas aula 4
Reprodução das plantas aula 4Professora Raquel
 

Semelhante a Aula 05 - reprodução das angiospermas (20)

Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutos
 
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
2º ano - Aula - Fanerógamas.ppt
 
Aula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth BergerAula 7 Prof. Guth Berger
Aula 7 Prof. Guth Berger
 
Questões gimnospermas e angiospermas
Questões     gimnospermas e angiospermasQuestões     gimnospermas e angiospermas
Questões gimnospermas e angiospermas
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomia
 
Angiospermas2
Angiospermas2Angiospermas2
Angiospermas2
 
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETALEXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
EXERCÍCIOS - REPRODUÇÃO VEGETAL
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
 
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas   2014 exercicios sobre plantasAngiospermas   2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantas
 
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas   2014 exercicios sobre plantasAngiospermas   2014 exercicios sobre plantas
Angiospermas 2014 exercicios sobre plantas
 
Divisão das plantas: Angiospermas
Divisão das plantas: AngiospermasDivisão das plantas: Angiospermas
Divisão das plantas: Angiospermas
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Exerciciosgimnosp.e.angiosfaceis
Exerciciosgimnosp.e.angiosfaceisExerciciosgimnosp.e.angiosfaceis
Exerciciosgimnosp.e.angiosfaceis
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Angio mono dico
Angio mono dicoAngio mono dico
Angio mono dico
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
 
Reprodução das plantas aula 4
Reprodução das plantas aula 4Reprodução das plantas aula 4
Reprodução das plantas aula 4
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª faseJonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª faseJonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européiaJonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasilJonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismoJonatas Carlos
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugalJonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosaJonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasilJonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugalJonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasilJonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
Aula 13   realismo - naturalismo em portugalAula 13   realismo - naturalismo em portugal
Aula 13 realismo - naturalismo em portugal
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 

Último

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 

Último (20)

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

Aula 05 - reprodução das angiospermas

  • 1. Aula 5 Reprodução das Angiospermas Nas angiospermas, o esporófito é formado por raízes, caule, folhas, flores, frutos e sementes. As flores são folhas modificadas, preparadas para a reprodução das angiospermas. Observe a figura de uma flor completa: Organização da flor • Cálice: constituído por folhas verdes chamadas sépalas. • Corola: constituído por folhas coloridas chamadas pétalas. • Gineceu: aparelho reprodutor feminino. • Androceu: aparelho reprodutor masculino. • Pedúnculo floral: haste de sustentação que liga a flor ao caule. • Receptáculo floral: base de sustentação da flor. Verticilos de proteção: sépalas e pétalas. Verticilos de reprodução: androceu e gineceu
  • 2. • Androceu: conjunto de estames. • Gineceu ou pistilo: é formado por um conjunto de carpelos (folhas carpelares). Polinização É o transporte de grãos de pólen da parte masculina para a parte feminina da mesma flor ou de outra flor. A polinização pode ser feita por animais, pelo vento e pela água. Importante: nem todas as flores apresentam o conjunto completo de estruturas. Autopolinização Polinização cruzada O grão de pólen cai no estigma da própria flor. O grão de pólen é transportado da antera de uma flor até o estigma de uma outra flor. Tipos de polinização Agente polinizador Anemofilia vento Entomofilia inseto Ornotofilia pássaro Quiropterofilia morcegos
  • 3. Ciclo de vida das Angiospermas No interior das anteras existem sacos polínicos (microsporângios), que contêm células – mãe de esporos, cada uma das quais originará, por meiose, quatro micrósporos. Cada micrósporo divide-se por mitose, formando um grão de pólen que possui um núcleo espermático. Quando o grão de pólen cai no estigma desenvolve-se o tubo polínico (gametófito masculino). Durante o crescimento do tubo polínico, o núcleo espermático divide – se, originando, o primeiro e o segundo núcleos espermático, que são os gametas masculinos (células férteis). Odores, cor das pétalas; são fatores de atração para os animais polinizadores.
  • 4. No interior do ovário, há um ou mais óvulos. O óvulo apresenta dois tegumentos envolvendo o megasporângio, que guarda no seu interior uma grande célula – mãe do esporo (2n). Essa célula – mãe (2n) sofre meiose e origina quatro megásporos, sendo que três degeneram e o que resta é o megásporo fértil. Este sofre três mitoses consecutivas que se organizam originando o saco embrionário (gametófito feminino). O saco embrionário possui uma oosfera (gameta feminino), duas sinérgides, três antípodas e dois núcleos polares (células férteis).
  • 5. Após a polinização, o grão de pólen germina e forma o tubo polínico. Este cresce até atingir o óvulo, ocorrendo, então, a dupla fecundação: Após a fecundação, o ovário transforma-se em fruto, e os óvulos, em sementes. Se o ovário apresentar apenas um óvulo, os frutos (como a manga e azeitona) terão apenas uma semente. Nas plantas que têm ovário com vários óvulos, os frutos (como tomate e goiaba) contêm várias sementes. 1º núcleo espermático + oosfera zigoto = embrião (2n) 2º núcleo + 2 núcleos polares zigoto = endosperma (3n) espermático Pseudofruto: a parte comestível não é o ovário, mas sim uma outra parte da flor. Exemplo: pêra deriva do receptáculo floral, e o caju, do pedúnculo floral.
  • 6. Exercícios 1) (Unicamp – SP) Atualmente são conhecidas quase 350 mil espécies de plantas, das quais cerca de 250 mil são angiospermas. Isso indica o sucesso adaptativo desse grupo. Mencione três fatores que favorecem esse sucesso. 2) (Mackenzie – SP) Relacione as partes de uma flor de angiosperma com a sua denominação correspondente. (A) Cálice + corola ( ) Pistilo (B) Ovário + estilete + estigma ( ) Estame (C) Filete + antera ( ) Perianto (D) Pétalas ( ) Corola (E) Sépalas ( ) Cálise A seqüência correta de cima para baixo é: a) B, C, A, D, E. b) A, C, B, E, D. c) B, C, A, E, D. d) C, A, B, D, E. e) E, C, A, B, D. 3) (Fatec – SP) Nos vegetais superiores, o processo de polinização permite a troca de genes entre dois indivíduos e, consequentemente, a variabilidade genética na espécie. A eficiência do processo é garantida pela adaptação da flor a um determinado agente polinizador. Analise as adaptações abaixo e assinale a alternativa que contém a relação correta entre essas adaptações e o agente polinizador. I. estigmas plumosos II. corola vistosa III. filetes longos e flexíveis
  • 7. IV. grande quantidade de grãos de pólen V. glândulas odoríferas VI. glândulas produtoras de néctar Agente polinizador Adaptação a) Vento I, II, III b) Pássaros II, III, IV c) Insetos II, V, VI d) Pássaros IV, V, VI e) Vento I, III,V 4) (Unicamp – SP) Uma das tendências evolutivas no reino vegetal foi a redução progressiva da fase haplóide, o gametófito. a) A que corresponde, nas angiospermas, gametófito masculino? E o gametófito feminino? b) Indique, através dos números, onde estão localizadas essas estruturas no esquema de flor apresentado. c) Dê o nome do gameta feminino. 5) (FUVEST – SP) O endosperma das sementes da angiosperma contém: a) material genético de cada genitor em quantidades iguais. b) Somente material genético materno. c) Somente material genético paterno. d) Maior quantidade de material genético materno. e) Maior quantidade de material genético paterno.
  • 8. Respostas dos exercícios Resposta do exercício 1: Os fatores que contribuíram para o sucesso adaptativo das Angiospermas são: a) formação do tubo polínico permitindo a sua reprodução em ambiente seco. b) formação do fruto, que protege e dispersa a semente. c) formação de sementes com nutrientes que garantem a sobrevivência dos embriões. Resposta do exercício 2: A Não esqueça Pistilo: estrutura feminino da flor Estame: estrutura masculina da flor Pétalas: folhas coloridas Sépalas: folhas verdes Resposta do exercício 3: C Características das flores Agente polinizador - Flores desprovidas de cálice e corola; grande número de estames e grande produção de pólen seco. Vento (Anemofilia) - Flores grandes, perfumadas e abertura noturna Morcego (Quiropterofilia) - Flores grandes, perfumadas corolas coloridas odoríferas e produção de néctar Insetos (Entomofilia) - Flores coloridas, tubulosas e produtores de néctar Pássaros (Ornitofilia)
  • 9. Repostado exercício 4: a) O gametófito masculino é o tubo polínico, enquanto o gametófito feminino é o saco embrionário. b) Tubo polínico é a estrutura número um e o saco embrionário é a estrutura número quatro c) Oosfera Indicando as outras estruturas: 2 ‡ ovário 3 ‡ estigma 5 ‡ antera Resposta do exercício 5: D O endospema é um tecido triplóide (3n), formado a partir da fecundação do 2o núcleo espermático (gameta masculino), com dois núcleos polares (femininos).