SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Programa minha EmPrEsa rural
AssociAtivismo, cooperAtivismo e
sindicAlismo no Agronegócio
Quando vivenciados de forma paralela e complementar, o
associativismo, o cooperativismo e o sindicalismo formam
uma resistente base de sustentação para boas parcerias no
agronegócio. Diante disto, este curso irá proporcionar um
melhor entendimento sobre os conceitos, as similaridades e as
diferenças desses movimentos, bem como reforçar e permitir a
compreensão de como é possível encontrar nas ações coletivas
e cooperativas a oportunidade de empreender e gerar bons
negócios na propriedade rural.
Bons estudos!
Este curso tem
20 horas
SENAR 2015
Programa Minha Empresa Rural
Associativismo, Cooperativismo e
Sindicalismo no Agronegócio
2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR
Informações e Contato
Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO
Rua87,nº662,Ed.Faeg,1ºAndar–SetorSul,Goiânia/GO,CEP:74.093-
300 (62) 3412-2700 / 3412-2701 – E-mail: senar@senargo.org.br
http://www.senargo.org.br/
http://ead.senargo.org.br/
Programa Minha Empresa Rural
Presidente do conselho administrativo
José Mário Schreiner
Titulares do conselho administrativo
Daniel Klüppel Carrara, Alair Luiz dos Santos, Osvaldo Moreira Guima-
rães e Tiago Freitas de Mendonça.
Suplentes do conselho administrativo
Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Eleandro Borges da
Silva, Bruno Heuser Higino da Costa e Tiago de Castro Raynaud de
Faria.
Superintendente
Eurípedes Bassamurfo da Costa
Gestora
Rosilene Jaber Alves
COORDENAÇÃO
Stella Miranda Menezes Corrêa
Ficha Técnica
IEA - instituto de estudos avançados s/s
Conteudista – Jaqueline Bernardi Ferreira
Tratamento de linguagem e revisão
IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
Diagramação e projeto gráfico
IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //111
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Sindicalismo Rural
O sindicalismo rural tem tido participação relevante no cenário do agro-
negócio, por isso é importante considerar sua relação com o associati-
vismo e o cooperativismo. Afinal de contas, podem configurar alternati-
vas de desenvolvimento e conquistas de melhores condições.
Neste contexto, você estudará o conceito de
sindicalismo rural e as diferenças entre associativismo,
cooperativismo e sindicalismo rural.
Módulo 6
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //112
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Para isso, o módulo está dividido em duas aulas.
•	 Aula 1: O sindicalismo rural e o agronegócio
•	 Aula 2: Associativismo, cooperativismo e sindicalismo rural no
agronegócio
Fonte: Shutterstock
Ao final deste módulo, você será capaz de conceituar sindicalismo ru-
ral e identificar a importância do mesmo para o agronegócio, identificar
as diferenças e as similaridades entre o associativismo, o sindicalismo
e o cooperativismo e reconhecer as vantagens para o agronegócio em
estabelecer parcerias entre associações, cooperativas e sindicatos.
Siga em frente e bom estudo!
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //113
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Aula 1
Sindicalismo rural e o agronegócio
Você sabe o que é sindicato e como atua o sindicalismo? Os sindicatos
são associações constituídas por pessoas de determinadas classes
para, de forma constitucional, buscarem seus direitos e defenderem
sua classe.
O sindicalismo é um movimento social que atua
diretamente na busca de melhores condições e
atendimento de necessidades de seus envolvidos,
tanto sindicatos de operários quanto sindicato de
produtores.
O sindicalismo no Brasil surgiu no final do século XIX, momento em
que ocorria a substituição do trabalho escravo pelo trabalho assalaria-
do e no qual haviam muitos imigrantes europeus que estavam traba-
lhando como assalariados em fazendas.
A esta altura, já havia iniciado no país a introdução das atividades
industriais, constituindo um mercado interno e os núcleos operários de
São Paulo e Rio de Janeiro, onde surgiram as primeiras lutas operárias.
Os operários haviam organizado Sociedades de Socorro e Auxílio Mú-
tuo, cuja instituição auxiliava materialmente os proletários em momen-
tos difíceis de greves ou de dificuldades econômicas.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //114
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Fonte: Shutterstock
Com a revolução de 1930, a implantação do Estado Novo e a transição
da economia agrário-exportadora para uma economia industrializante,
as frações dominantes da sociedade aproveitaram para conciliar os
interesses agrários e urbanos emergentes e excluir definitivamente a
participação efetiva da classe operária. Inicia-se nesse período, então,
uma nova fase do sindicalismo brasileiro.
Muitos decretos e leis foram sendo criadas ao longo
dos anos 1930 a 1940, e foi no ano de 1943 que entrou
em vigor a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
O governo da época buscou controlar o movimento operário e sindical
incorporando-o ao Estado. Foi criado, então, o Ministério do Trabalho
e a estrutura sindical se tornou legalizada pelo Estado. Todas as leis
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //115
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
vigentes, entretanto, não respaldavam os trabalhadores agrícolas e o
sindicalismo rural. Porém, em 1944 a sindicalização rural é formaliza-
da por meio de um Decreto-Lei n.º 7.038 de 10/11, assim, atrelou-se à
estrutura sindical oficial determinada pela CLT.
Durante as décadas de 1940 a 1950, o número de sindicatos de tra-
balhadores rurais era muito inexpressivo, então, somente após o início
dos anos de 1960 que o sindicalismo chegaria efetivamente ao campo,
como entidades sindicais oficiais.
A partir de 1960, aprofundou-se de a política de apoio
à fundação de sindicatos de trabalhadores rurais que
até então se apresentava de forma tímida
Atualmente, no que diz respeito à Agricultura Familiar no Brasil, po-
de-se destacar o papel dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais
como um órgão receptor das necessidades dos agricultores, e capaz
de atuar como catalisador e gerador de propostas, voltadas à viabilida-
de e sustentabilidade da agricultura familiar. O sindicato tem organiza-
do ações políticas eficazes, tanto no âmbito de políticas agrícolas
quanto de políticas públicas de cunho mais geral (educação e saúde).
É um ponto de união dos agricultores familiares e trabalhado-
res rurais, funcionando como espaço de organização e canal
de veiculação de interesses sindicais e políticos dos agricul-
tores familiares.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //116
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Abaixo, conheça mais sobre a atuação dos Sindicatos dos Trabalha-
dores Rurais.
COMUNICAÇÃO
Tem atuado como um interlocutor dos agricultores familiares e
se mostrado capaz de pressionar vários órgãos públicos para
que estes executem políticas que venham a beneficiar os agri-
cultores de um modo geral.
REIVINDICAÇÃO
É um canal de reivindicações junto às agências bancárias para
que estas liberem créditos entravados burocraticamente pelas
instituições financeiras.
LIDERANÇA
Neste espaço, a direção sindical aparece travando um enfren-
tamento com autoridades municipais, atuando junto aos conse-
lhos municipais, principalmente junto ao Conselho Municipal
de Desenvolvimento Rural, mas também junto aos conselhos
de saúde, educação, transporte etc. Com essas ações dos sin-
dicatos, os conselhos municipais de agricultura têm se mostra-
do como um importante instrumento de cobrança e fiscalização
dos dirigentes do poder público.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //117
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
FISCALIZAÇÃO
Atua como órgão fiscalizador das ações do poder público local
quanto ao cumprimento de políticas distributivistas, como por
exemplo, a distribuição de cestas básicas, dos empregos nas
frentes de emergência, entre outras. Este novo momento do tra-
balho e das ações dos sindicatos está lhe dando um novo papel
nas suas relações com o poder local.
ASSISTÊNCIA TÉCNICA
Busca de novos instrumentos de assistência técnica para a pro-
dução. Até bem pouco tempo, essa área era atividade era ocu-
pada exclusivamente pelos órgãos oficiais de fomento ou de ex-
tensão, ou eventualmente por cooperativas de produtores.
EXPANSÃO
Os sindicatos rurais estão expandindo sua atuação e se envol-
vendo, por exemplo, com o banco de sementes, o fundo rotativo
de adubos orgânico e a assistência para a obtenção de crédito.
Com o objetivo de defender legalmente a categoria econômica ligada ao
meio rural surgiram também os sindicatos de produtores rurais, que re-
presentam produtores, empregadores e empresas da área rural. Vários
deles começaram a partir de suas atividades como associações rurais.
Em 1945, no governo de Getúlio Vargas, surgiram dois decretos rela-
cionados à organização da vida rural:
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //118
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
DL nº 7.449: regulamentou que cada município deveria possuir uma
Associação Rural reconhecida pelo Ministério da Agricultura e cada
Estado uma Sociedade Rural para integrar as associações. Estas or-
ganizações atuavam na função consultiva do governo como órgãos
técnicos para difundir ideias e conhecimentos agropecuários, bem
como realizar exposições e feiras.
DL nº 8.127: indicou que as associações rurais deveriam ser consti-
tuídas em federações estaduais e se filiarem a Confederação Rural
Brasileira, que foi fundada em 1951. Neste caso, a lei não excluía as
organizações já existentes.
Esta organização e ampliação passaram a gerar um maior poder de
barganha junto ao Estado e perante a sociedade. Observando a evo-
lução do sistema, pode-se dizer que houve o estabelecimento de uma
ordem para o agronegócio.
Deve-se considerar também que os sindicatos possuem uma importan-
te parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR)
que tem suas ações norteadas por uma série de princípios e diretri-
zes ligadas ao meio rural. Uma de suas ações é a promoção social e
formação profissional rural oferecendo cursos profissionalizantes para
pessoas do meio rural e também promove ações de democratização.
Podemos abordar de forma positiva que muitos sindicatos hoje têm
buscado oferecer processos educacionais e de informação, bem como
outros serviços para seus filiados, contribuindo para a evolução educa-
cional das regiões onde atuam.
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Módulo 2 - Gestão estratégica competitiva // 119
O Sindicato dos produtores rurais tem atuado também como um inter-
locutor dos agricultores familiares, e se mostrado capaz de pressionar
vários órgãos públicos para que esses executem políticas que venham
a beneficiar os agricultores de um modo geral.
Devemos observar que essa trajetória dos sindicatos não é simples,
pois há problemas e momentos de crise. Por exemplo, ao crescerem
as atividades ligadas à produção dentro do sindicato, ele pode não ter
recursos financeiros, materiais e humanos suficientes para dar prosse-
guimento às atividades aprovadas e assumidas pela base.
A superação de tais problemas pressupõe uma maior presença do es-
tado por meio de políticas públicas adequadas e eficazes, mas tam-
bém direcionadas a tentar suprir os problemas emergentes dos traba-
lhadores rurais. Por isso, dentro da atual conjuntura do sindicalismo
rural, é de fundamental importância a aproximação de novos parceiros
junto aos sindicatos de trabalhadores rurais, devido às suas limitações.
Alçando-se a estas novas funções, com certeza o sindicato por si só
não poderia suprir a todas as necessidades dos trabalhadores rurais.
Saiba Mais
Para conhecer os sindicatos em Goiás, basta acessar os sites indicados
abaixo.
•	 http://portal.mte.gov.br/delegacias/go/sindicatos-no-go/
•	 http://sistemafaeg.com.br/sindicatos-rurais-do-estado-de-goias
Siga em frente e bom estudo!
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //120
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
AulA 2
aSSociaTiViSmo, cooPeRaTiViSmo e SindicaliSmo
RuRal no agRonegócio
O associativismo, o cooperativismo e o sindicalismo no meio rural são
formas de organização correlacionadas, cada uma desempenha fun-
ções específicas como ator social. E é possível que o indivíduo do
meio rural participe ao mesmo tempo das três formas de organização.
Fonte: Shutterstock
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //121
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
O sentido do vínculo e as razões pelas quais participa são similares e
depende do interesse e da necessidade de cada um e das vantagens
apresentadas.
Para recapitular o conteúdo que você estudou ao longo deste curso,
confira na tabela abaixo uma síntese do conceito e da finalidade de
cada uma das formas de organização rural.
Associação
Associação é uma sociedade civil sem fins lucrativos
que tem como finalidade representar e defender os in-
teresses dos associados; estimular a melhoria técnica,
profissional, econômica e social dos associados.
Cooperativa
Cooperativa é uma sociedade civil/comercial sem
fins lucrativos e pretende viabilizar e desenvolver ati-
vidades de consumo, produção, crédito, prestação de
serviços e comercialização de acordo com os interes-
ses de seus cooperados; atuar em nível de mercado;
formar e capacitar seus integrantes para o trabalho e
para a vida em comunidade.
Sindicato
Sindicato é uma sociedade civil/sindical sem fins lu-
crativos, que tem a finalidade de promover a defesa
dos direitos e interesses individuais e coletivos de de-
terminada categoria de trabalho, representando-a em
questões judiciais ou administrativas.
As transformações no ambiente de trabalho rural e no capitalismo como
um todo desencadeiam a expansão de novas formas de organização
de trabalho e produção.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //122
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Os desafios modificam o perfil da classe trabalhadora
e demandam a construção de um novo projeto político
e social que exige nova centralidade do trabalho.
Por iniciativa dos próprios trabalhadores, um grande número de ex-
periências coletivas estão sendo disseminadas sob diversas formas
do associativismo, sendo algumas delas associações, cooperativas e
sindicatos, que trabalhando em parceria e ganham força e representa-
tividade.
Você chegou ao final do Módulo 6! Siga em frente para concluir o seu
curso!
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //123
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Durante este curso você, aprendeu sobre o associativismo, o coope-
rativismo e o sindicalismo no agronegócio, conheceu os conceitos, es-
tudou a trajetória histórica e relacionou a teoria com a prática atual do
agronegócio destas três importantes formas de organização.
Sobre o associativismo rural você teve a oportunidade de aprender
a conceituar o associativismo, analisar os princípios que devem ser
respeitados uma boa parceria, reconhecer formas de estabelecer con-
tatos com parceiros e fatores que podem viabilizar uma parceria para
o trabalho coletivo. Também pôde classificar e definir ações coletivas,
conhecer maneiras de aumentar a capacidade produtiva e comercial
por meio de ações coletivas e como trocar experiências e explorar de
maneira positiva a capacidade de pessoas associadas.
Finalizando o curso
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //124
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Fonte: Shutterstock
No módulo sobre o associativismo de interesse econômico, você teve
a oportunidade de conhecer a origem do associativismo no mundo,
identificar as premissas do associativismo no Brasil, avaliar a estru-
tura e funcionamento das associações. Também pôde reconhecer as
políticas para expansão do associativismo rural no Brasil, identificar
as dificuldades de ordem legal e as ações de falta de incentivo, infor-
mações e ausência de líderes, avaliar as vantagens do associativismo
econômico e reconhecer a importância de participar de entidades de
representação.
Sobre as modalidades de associativismo, você foi capaz de analisar:
• as características do consórcio e das sociedades de propósito
específicos;
• o funcionamento das redes de empresas e empresas de partici-
pação comunitária;
• o funcionamento de grupos formais e informais.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //125
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
Naquele momento, você também foi capaz de identificar as diferen-
ças entre associativismo e cooperativismo, reconhecer os princípios
do cooperativismo e as particularidades do cooperativismo no Brasil.
Também teve a oportunidade de identificar os ramos do cooperativis-
mo, analisar a dinâmica de funcionamento de organizações cooperati-
vistas rurais, identificar as políticas para expansão do cooperativismo
rural e avaliar os benefícios e as adversidades das organizações coo-
perativistas.
Você aprendeu sobre o modelo de organização
cooperativista e como identificar os benefícios do
modelo de gestão estratégico em cooperativas e
avaliar as perspectivas para as cooperativas rurais.
E, para finalizar, aprendeu os conceitos de sindicalismo rural, a identifi-
car a importância do mesmo para o agronegócio, a conhecer as diferen-
ças e similaridades entre o associativismo, sindicalismo e cooperativis-
mo e a reconhecer as vantagens para o agronegócio em estabelecer
parcerias entre associações, cooperativas e sindicatos.
Agora que finalizou o curso, você é capaz de identificar e promover
ações baseadas nos valores associativos, difundir ideias e incentivar
grupos da sua comunidade ou convívio a identificar uma melhor alter-
nativa em busca de melhores condições.
Utilize bem estes novos conhecimentos adquiridos e sucesso na sua
jornada!
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //126
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
AMMANN, S. B. Participação social. 2. ed. São Paulo: Cortez & Mo-
raes, 1978.
ANTUNES. R. O que é sindicalismo. São Paulo: Abril Cultural: Brasi-
liense, 1986.
BUARQUE, Sergio C. Construindo o desenvolvimento local sus-
tentável. Metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Garamond,
2002.
BIALOSKORSKI NETO, S.; ZYLBERSZTAJN. D. Cooperativismo: eco-
nomia de empresas e estratégias. Perspectiva Econômica, São Leo-
poldo, jan./mar.1994. V.29, n.84, 7-22 p.(Série Cooperativismo, 35).
Referências bibliográficas
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //127
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
CASTELÕES, Liliane. Agricultura familiar ocupa maior parte da
área rural brasileira. 2004. Disponível em: <http://www.comciencia.
br>. Acesso em: 10 out. 2014.
CARNEIRO, Maria José. Agricultores familiares no desenvolvimen-
to rural. Jaguariúna: EMBRAPA, 2000.
CANTERLE, Nilsa Maria G. O associativismo e sua relação com o
desenvolvimento. Francisco Beltrão: Ed. Unioeste, 2004. Disponível
em: <http://www.unioeste.br>. Acesso em: 17 jul. 2014.
CRAVEIRO, Paula. Como tornar o networking um aliado no desen-
volvimento profissional e social. Revista IBEF, 2010. Disponível no
site http://www.ibefsp.com.br/revista-ibef-news/page/3/. Acesso em 09
de outubro de 2014.
FERREIRA, A. D. D. Movimentos sociais rurais no Paraná – 1978-
1982. In: BONIM, A.A. et al. Movimentos sociais no campo. Curitiba:
Editora da Universidade Federal do Paraná, 1987.
FERREIRA, D. F. FERNANDES FILHO, J. F. Análise das transforma-
ções Recentes na Atividade Agrícola da Região de Goiás. 1970/1995-
6. In: ____ PEREIRA, S.L. XAVIER, C. L. (Org). O agronegócio nas
terras de Goiás. Uberlândia: EDUFU, 2003.101-138 p.
FERREIRA, M.C. Associativismo e contato político nas regiões
metropolitanas do Brasil:1988-1996. Revisitando o problema da par-
ticipação. Revista Brasileira de Ciências Sociais,out. 1999, vol.14,
n.41, 90-102 p. ISSN 0102-6909.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //128
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
FERREIRA, Marcelo Costa. Associativismo e contato político nas
regiões metropolitanas do Brasil: 1988 a 1996. Revisitando o proble-
ma da participação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, out. 1999,
v. 14, n. 41,90-102 p.
GANANÇA, Alexandre Ciconello. Associativismo no Brasil: carac-
terísticas e limites para a construção de uma nova institucionalidade
democrática participativa.2006. Dissertação (Mestrado em Ciência Po-
lítica) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2006.
MAPA, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Dispo-
nível em http://www.agricultura.gov.br/cooperativismo-associativismo/
associativismo-rural Acessado em 20/01/2015.
MEDEIROS, Leonilde S.de. Emergência e consolidação das organi-
zações de Trabalhadores rurais (1945-1964). Rio de Janeiro: FASE,
1989.
OCB. Anuário do Cooperativismo Brasileiro. Brasília/DF: OCB,
2004. Disponível em: www.ocb.org.br.
OLSON, M.. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e
uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Edit. da Universidade de
São Paulo, 1999.
PINHO,D.B. O pensamento cooperativo e o cooperativismo bra-
sileiro. São Paulo: CNPQ, 1982a. 272p. (Manual de Cooperativismo,
v.1).
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //129
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
PAIS, Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. Cartilha do
Agricultor
Familiar, Associativismo e cooperativismo solidário. Fundação
Banco do Brasil.
Disponível em www.fbb.org.br/portal/pages/publico/pais/cartilha1.pdf.
Acessado em 05/12/2014.
PINHEIRO, D. Agricultura familiar e suas organizações: o caso das
associações de produtores. In.: TEDESCO, J. C. Agricultura familiar:
realidades e perspectivas. 3ªed. Passo Fundo: UPF, 2001. 406 p.
PINHO, D. B. O pensamento cooperativo e o cooperativismo brasi-
leiro. São Paulo:CNPq, 1977, 272 p.
RIOS, Luiz Oliveira. Cooperativas brasileiras: manual de sobrevivên-
cia & crescimento sustentável. São Paulo: editora. STS, 1998. 109 p.
RICCIARDI, L. Cooperativismo: uma solução para os problemas
atuais. Vitória: Coopermídia, 1996. 96 p.
SINGER, P.; SOUZA, A. A economia solidária no Brasil. São Paulo:
Contexto, 2000.
SCHERER-WARREN, Ilse. Das Mobilizações às Redes de Movi-
mentos Sociais. Sociedade e Estado, Brasília, 2006.
SEBRAE/SP. Cooperativa – Saiba Mais. Zurita et al. (Coords.). São
Paulo: SEBRAE/SP, 2008.
Módulo 6 - Sindicalismo Rural //130
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
SEBRAE/MG. Associação – Série Empreendimentos Coletivos. Minas
Gerais: SEBRAE/MG, 2009.
TEIXEIRA, A. C. C.; TATAGIBA, L. Movimentos sociais e sistema po-
lítico: os desafios da participação. São Paulo: Instituto Polis/PUC-SP,
2005.
VALADARES, J. H. Cooperativismo: lições para a nossa prática. Bra-
sília: SESCOOP, 2003. 136 p.
ZAPATA, Tânia et al. Desenvolvimento local: estratégias e funda-
mentos metodológicos. Rio de Janeiros: Ritz, 2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Iniciativas de Economia Solidária
Iniciativas de Economia SolidáriaIniciativas de Economia Solidária
Iniciativas de Economia SolidáriaProjetoBr
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2Karlla Costa
 
Entrevista André Martins
Entrevista André MartinsEntrevista André Martins
Entrevista André Martinsraquel_tgur
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1Karlla Costa
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialsaracfmarques2013
 

Mais procurados (6)

Iniciativas de Economia Solidária
Iniciativas de Economia SolidáriaIniciativas de Economia Solidária
Iniciativas de Economia Solidária
 
Pauta Economia Solidaria
Pauta Economia SolidariaPauta Economia Solidaria
Pauta Economia Solidaria
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
 
Entrevista André Martins
Entrevista André MartinsEntrevista André Martins
Entrevista André Martins
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 

Semelhante a ASSOCATIVISMO 5

Como criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores ruraisComo criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores ruraisLenildo Araujo
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfAdm.Geisiane Soares
 
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsClaudio Inacio Schuck
 
Resuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismoResuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismoRafael Farias
 
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco cppcomunicacao
 
Comércio Justo e Ecosol
Comércio Justo e Ecosol Comércio Justo e Ecosol
Comércio Justo e Ecosol Rosemary Gomes
 
Revista FETAEP 50anos
Revista FETAEP 50anosRevista FETAEP 50anos
Revista FETAEP 50anosFETAEP
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAINSTITUTO VOZ POPULAR
 
Universidade federal rural do rio de janeiro
Universidade federal rural do rio de janeiroUniversidade federal rural do rio de janeiro
Universidade federal rural do rio de janeiroBruno Antonio
 
Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores ruraisComo criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores ruraisLenildo Araujo
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorProf. Leonardo Rocha
 
17 orientação acerca dos conselhos cartilha 2
17  orientação acerca dos conselhos cartilha 217  orientação acerca dos conselhos cartilha 2
17 orientação acerca dos conselhos cartilha 2Alinebrauna Brauna
 
Agricultura familiar brasileña en el PNAE
Agricultura familiar brasileña en el PNAEAgricultura familiar brasileña en el PNAE
Agricultura familiar brasileña en el PNAEFAO
 
Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...
Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...
Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...ElizangelaPereiraLi
 

Semelhante a ASSOCATIVISMO 5 (20)

ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
 
Como criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores ruraisComo criar e administrar associações de produtores rurais
Como criar e administrar associações de produtores rurais
 
Cooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdfCooperativismo e Associativismo.pdf
Cooperativismo e Associativismo.pdf
 
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sdsCartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
Cartilha nocoes basicas_sobre_cooperativismo_sds
 
Resuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismoResuminho livro o que é o cooperativismo
Resuminho livro o que é o cooperativismo
 
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
I Seminário da Pesca Artesanal e Assistência Técnica em Pernambuco
 
Comércio Justo e Ecosol
Comércio Justo e Ecosol Comércio Justo e Ecosol
Comércio Justo e Ecosol
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
Revista FETAEP 50anos
Revista FETAEP 50anosRevista FETAEP 50anos
Revista FETAEP 50anos
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
Universidade federal rural do rio de janeiro
Universidade federal rural do rio de janeiroUniversidade federal rural do rio de janeiro
Universidade federal rural do rio de janeiro
 
Carta da plenária do forum baiano ecosol
Carta da plenária do forum baiano ecosolCarta da plenária do forum baiano ecosol
Carta da plenária do forum baiano ecosol
 
Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores ruraisComo criar e administrar associaçoes de produtores rurais
Como criar e administrar associaçoes de produtores rurais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
17 orientação acerca dos conselhos cartilha 2
17  orientação acerca dos conselhos cartilha 217  orientação acerca dos conselhos cartilha 2
17 orientação acerca dos conselhos cartilha 2
 
Agricultura familiar brasileña en el PNAE
Agricultura familiar brasileña en el PNAEAgricultura familiar brasileña en el PNAE
Agricultura familiar brasileña en el PNAE
 
Manifesto de Fundação - COOPERCENTRAL
Manifesto de Fundação - COOPERCENTRALManifesto de Fundação - COOPERCENTRAL
Manifesto de Fundação - COOPERCENTRAL
 
Cooperativismo
CooperativismoCooperativismo
Cooperativismo
 
267
267267
267
 
Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...
Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...
Aula_LES-202_Cooperativismo_Associativismo_versão_Economia_Administraçã...
 

Mais de Karlla Costa

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinKarlla Costa
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMKarlla Costa
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO Karlla Costa
 
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISKarlla Costa
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepKarlla Costa
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaKarlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Karlla Costa
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de unaKarlla Costa
 
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalMaterial aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalKarlla Costa
 
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosGuia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosKarlla Costa
 

Mais de Karlla Costa (20)

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
 
PAA
PAAPAA
PAA
 
MROC
MROCMROC
MROC
 
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
 
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digitalMaterial aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
Material aula 01-semana-da-influenciado-a-digital
 
Guia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitosGuia definitivo para dashboards perfeitos
Guia definitivo para dashboards perfeitos
 

Último

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

ASSOCATIVISMO 5

  • 1. Programa minha EmPrEsa rural AssociAtivismo, cooperAtivismo e sindicAlismo no Agronegócio Quando vivenciados de forma paralela e complementar, o associativismo, o cooperativismo e o sindicalismo formam uma resistente base de sustentação para boas parcerias no agronegócio. Diante disto, este curso irá proporcionar um melhor entendimento sobre os conceitos, as similaridades e as diferenças desses movimentos, bem como reforçar e permitir a compreensão de como é possível encontrar nas ações coletivas e cooperativas a oportunidade de empreender e gerar bons negócios na propriedade rural. Bons estudos! Este curso tem 20 horas
  • 2. SENAR 2015 Programa Minha Empresa Rural Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio
  • 3. 2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR Informações e Contato Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO Rua87,nº662,Ed.Faeg,1ºAndar–SetorSul,Goiânia/GO,CEP:74.093- 300 (62) 3412-2700 / 3412-2701 – E-mail: senar@senargo.org.br http://www.senargo.org.br/ http://ead.senargo.org.br/ Programa Minha Empresa Rural Presidente do conselho administrativo José Mário Schreiner Titulares do conselho administrativo Daniel Klüppel Carrara, Alair Luiz dos Santos, Osvaldo Moreira Guima- rães e Tiago Freitas de Mendonça. Suplentes do conselho administrativo Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Eleandro Borges da Silva, Bruno Heuser Higino da Costa e Tiago de Castro Raynaud de Faria. Superintendente Eurípedes Bassamurfo da Costa Gestora Rosilene Jaber Alves COORDENAÇÃO Stella Miranda Menezes Corrêa Ficha Técnica
  • 4. IEA - instituto de estudos avançados s/s Conteudista – Jaqueline Bernardi Ferreira Tratamento de linguagem e revisão IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S Diagramação e projeto gráfico IEA – INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
  • 5. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //111 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Sindicalismo Rural O sindicalismo rural tem tido participação relevante no cenário do agro- negócio, por isso é importante considerar sua relação com o associati- vismo e o cooperativismo. Afinal de contas, podem configurar alternati- vas de desenvolvimento e conquistas de melhores condições. Neste contexto, você estudará o conceito de sindicalismo rural e as diferenças entre associativismo, cooperativismo e sindicalismo rural. Módulo 6
  • 6. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //112 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Para isso, o módulo está dividido em duas aulas. • Aula 1: O sindicalismo rural e o agronegócio • Aula 2: Associativismo, cooperativismo e sindicalismo rural no agronegócio Fonte: Shutterstock Ao final deste módulo, você será capaz de conceituar sindicalismo ru- ral e identificar a importância do mesmo para o agronegócio, identificar as diferenças e as similaridades entre o associativismo, o sindicalismo e o cooperativismo e reconhecer as vantagens para o agronegócio em estabelecer parcerias entre associações, cooperativas e sindicatos. Siga em frente e bom estudo!
  • 7. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //113 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Aula 1 Sindicalismo rural e o agronegócio Você sabe o que é sindicato e como atua o sindicalismo? Os sindicatos são associações constituídas por pessoas de determinadas classes para, de forma constitucional, buscarem seus direitos e defenderem sua classe. O sindicalismo é um movimento social que atua diretamente na busca de melhores condições e atendimento de necessidades de seus envolvidos, tanto sindicatos de operários quanto sindicato de produtores. O sindicalismo no Brasil surgiu no final do século XIX, momento em que ocorria a substituição do trabalho escravo pelo trabalho assalaria- do e no qual haviam muitos imigrantes europeus que estavam traba- lhando como assalariados em fazendas. A esta altura, já havia iniciado no país a introdução das atividades industriais, constituindo um mercado interno e os núcleos operários de São Paulo e Rio de Janeiro, onde surgiram as primeiras lutas operárias. Os operários haviam organizado Sociedades de Socorro e Auxílio Mú- tuo, cuja instituição auxiliava materialmente os proletários em momen- tos difíceis de greves ou de dificuldades econômicas.
  • 8. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //114 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Fonte: Shutterstock Com a revolução de 1930, a implantação do Estado Novo e a transição da economia agrário-exportadora para uma economia industrializante, as frações dominantes da sociedade aproveitaram para conciliar os interesses agrários e urbanos emergentes e excluir definitivamente a participação efetiva da classe operária. Inicia-se nesse período, então, uma nova fase do sindicalismo brasileiro. Muitos decretos e leis foram sendo criadas ao longo dos anos 1930 a 1940, e foi no ano de 1943 que entrou em vigor a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O governo da época buscou controlar o movimento operário e sindical incorporando-o ao Estado. Foi criado, então, o Ministério do Trabalho e a estrutura sindical se tornou legalizada pelo Estado. Todas as leis
  • 9. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //115 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio vigentes, entretanto, não respaldavam os trabalhadores agrícolas e o sindicalismo rural. Porém, em 1944 a sindicalização rural é formaliza- da por meio de um Decreto-Lei n.º 7.038 de 10/11, assim, atrelou-se à estrutura sindical oficial determinada pela CLT. Durante as décadas de 1940 a 1950, o número de sindicatos de tra- balhadores rurais era muito inexpressivo, então, somente após o início dos anos de 1960 que o sindicalismo chegaria efetivamente ao campo, como entidades sindicais oficiais. A partir de 1960, aprofundou-se de a política de apoio à fundação de sindicatos de trabalhadores rurais que até então se apresentava de forma tímida Atualmente, no que diz respeito à Agricultura Familiar no Brasil, po- de-se destacar o papel dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais como um órgão receptor das necessidades dos agricultores, e capaz de atuar como catalisador e gerador de propostas, voltadas à viabilida- de e sustentabilidade da agricultura familiar. O sindicato tem organiza- do ações políticas eficazes, tanto no âmbito de políticas agrícolas quanto de políticas públicas de cunho mais geral (educação e saúde). É um ponto de união dos agricultores familiares e trabalhado- res rurais, funcionando como espaço de organização e canal de veiculação de interesses sindicais e políticos dos agricul- tores familiares.
  • 10. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //116 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Abaixo, conheça mais sobre a atuação dos Sindicatos dos Trabalha- dores Rurais. COMUNICAÇÃO Tem atuado como um interlocutor dos agricultores familiares e se mostrado capaz de pressionar vários órgãos públicos para que estes executem políticas que venham a beneficiar os agri- cultores de um modo geral. REIVINDICAÇÃO É um canal de reivindicações junto às agências bancárias para que estas liberem créditos entravados burocraticamente pelas instituições financeiras. LIDERANÇA Neste espaço, a direção sindical aparece travando um enfren- tamento com autoridades municipais, atuando junto aos conse- lhos municipais, principalmente junto ao Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural, mas também junto aos conselhos de saúde, educação, transporte etc. Com essas ações dos sin- dicatos, os conselhos municipais de agricultura têm se mostra- do como um importante instrumento de cobrança e fiscalização dos dirigentes do poder público.
  • 11. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //117 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio FISCALIZAÇÃO Atua como órgão fiscalizador das ações do poder público local quanto ao cumprimento de políticas distributivistas, como por exemplo, a distribuição de cestas básicas, dos empregos nas frentes de emergência, entre outras. Este novo momento do tra- balho e das ações dos sindicatos está lhe dando um novo papel nas suas relações com o poder local. ASSISTÊNCIA TÉCNICA Busca de novos instrumentos de assistência técnica para a pro- dução. Até bem pouco tempo, essa área era atividade era ocu- pada exclusivamente pelos órgãos oficiais de fomento ou de ex- tensão, ou eventualmente por cooperativas de produtores. EXPANSÃO Os sindicatos rurais estão expandindo sua atuação e se envol- vendo, por exemplo, com o banco de sementes, o fundo rotativo de adubos orgânico e a assistência para a obtenção de crédito. Com o objetivo de defender legalmente a categoria econômica ligada ao meio rural surgiram também os sindicatos de produtores rurais, que re- presentam produtores, empregadores e empresas da área rural. Vários deles começaram a partir de suas atividades como associações rurais. Em 1945, no governo de Getúlio Vargas, surgiram dois decretos rela- cionados à organização da vida rural:
  • 12. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //118 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio DL nº 7.449: regulamentou que cada município deveria possuir uma Associação Rural reconhecida pelo Ministério da Agricultura e cada Estado uma Sociedade Rural para integrar as associações. Estas or- ganizações atuavam na função consultiva do governo como órgãos técnicos para difundir ideias e conhecimentos agropecuários, bem como realizar exposições e feiras. DL nº 8.127: indicou que as associações rurais deveriam ser consti- tuídas em federações estaduais e se filiarem a Confederação Rural Brasileira, que foi fundada em 1951. Neste caso, a lei não excluía as organizações já existentes. Esta organização e ampliação passaram a gerar um maior poder de barganha junto ao Estado e perante a sociedade. Observando a evo- lução do sistema, pode-se dizer que houve o estabelecimento de uma ordem para o agronegócio. Deve-se considerar também que os sindicatos possuem uma importan- te parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) que tem suas ações norteadas por uma série de princípios e diretri- zes ligadas ao meio rural. Uma de suas ações é a promoção social e formação profissional rural oferecendo cursos profissionalizantes para pessoas do meio rural e também promove ações de democratização. Podemos abordar de forma positiva que muitos sindicatos hoje têm buscado oferecer processos educacionais e de informação, bem como outros serviços para seus filiados, contribuindo para a evolução educa- cional das regiões onde atuam.
  • 13. Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Módulo 2 - Gestão estratégica competitiva // 119 O Sindicato dos produtores rurais tem atuado também como um inter- locutor dos agricultores familiares, e se mostrado capaz de pressionar vários órgãos públicos para que esses executem políticas que venham a beneficiar os agricultores de um modo geral. Devemos observar que essa trajetória dos sindicatos não é simples, pois há problemas e momentos de crise. Por exemplo, ao crescerem as atividades ligadas à produção dentro do sindicato, ele pode não ter recursos financeiros, materiais e humanos suficientes para dar prosse- guimento às atividades aprovadas e assumidas pela base. A superação de tais problemas pressupõe uma maior presença do es- tado por meio de políticas públicas adequadas e eficazes, mas tam- bém direcionadas a tentar suprir os problemas emergentes dos traba- lhadores rurais. Por isso, dentro da atual conjuntura do sindicalismo rural, é de fundamental importância a aproximação de novos parceiros junto aos sindicatos de trabalhadores rurais, devido às suas limitações. Alçando-se a estas novas funções, com certeza o sindicato por si só não poderia suprir a todas as necessidades dos trabalhadores rurais. Saiba Mais Para conhecer os sindicatos em Goiás, basta acessar os sites indicados abaixo. • http://portal.mte.gov.br/delegacias/go/sindicatos-no-go/ • http://sistemafaeg.com.br/sindicatos-rurais-do-estado-de-goias Siga em frente e bom estudo!
  • 14. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //120 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio AulA 2 aSSociaTiViSmo, cooPeRaTiViSmo e SindicaliSmo RuRal no agRonegócio O associativismo, o cooperativismo e o sindicalismo no meio rural são formas de organização correlacionadas, cada uma desempenha fun- ções específicas como ator social. E é possível que o indivíduo do meio rural participe ao mesmo tempo das três formas de organização. Fonte: Shutterstock
  • 15. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //121 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio O sentido do vínculo e as razões pelas quais participa são similares e depende do interesse e da necessidade de cada um e das vantagens apresentadas. Para recapitular o conteúdo que você estudou ao longo deste curso, confira na tabela abaixo uma síntese do conceito e da finalidade de cada uma das formas de organização rural. Associação Associação é uma sociedade civil sem fins lucrativos que tem como finalidade representar e defender os in- teresses dos associados; estimular a melhoria técnica, profissional, econômica e social dos associados. Cooperativa Cooperativa é uma sociedade civil/comercial sem fins lucrativos e pretende viabilizar e desenvolver ati- vidades de consumo, produção, crédito, prestação de serviços e comercialização de acordo com os interes- ses de seus cooperados; atuar em nível de mercado; formar e capacitar seus integrantes para o trabalho e para a vida em comunidade. Sindicato Sindicato é uma sociedade civil/sindical sem fins lu- crativos, que tem a finalidade de promover a defesa dos direitos e interesses individuais e coletivos de de- terminada categoria de trabalho, representando-a em questões judiciais ou administrativas. As transformações no ambiente de trabalho rural e no capitalismo como um todo desencadeiam a expansão de novas formas de organização de trabalho e produção.
  • 16. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //122 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Os desafios modificam o perfil da classe trabalhadora e demandam a construção de um novo projeto político e social que exige nova centralidade do trabalho. Por iniciativa dos próprios trabalhadores, um grande número de ex- periências coletivas estão sendo disseminadas sob diversas formas do associativismo, sendo algumas delas associações, cooperativas e sindicatos, que trabalhando em parceria e ganham força e representa- tividade. Você chegou ao final do Módulo 6! Siga em frente para concluir o seu curso!
  • 17. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //123 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Durante este curso você, aprendeu sobre o associativismo, o coope- rativismo e o sindicalismo no agronegócio, conheceu os conceitos, es- tudou a trajetória histórica e relacionou a teoria com a prática atual do agronegócio destas três importantes formas de organização. Sobre o associativismo rural você teve a oportunidade de aprender a conceituar o associativismo, analisar os princípios que devem ser respeitados uma boa parceria, reconhecer formas de estabelecer con- tatos com parceiros e fatores que podem viabilizar uma parceria para o trabalho coletivo. Também pôde classificar e definir ações coletivas, conhecer maneiras de aumentar a capacidade produtiva e comercial por meio de ações coletivas e como trocar experiências e explorar de maneira positiva a capacidade de pessoas associadas. Finalizando o curso
  • 18. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //124 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Fonte: Shutterstock No módulo sobre o associativismo de interesse econômico, você teve a oportunidade de conhecer a origem do associativismo no mundo, identificar as premissas do associativismo no Brasil, avaliar a estru- tura e funcionamento das associações. Também pôde reconhecer as políticas para expansão do associativismo rural no Brasil, identificar as dificuldades de ordem legal e as ações de falta de incentivo, infor- mações e ausência de líderes, avaliar as vantagens do associativismo econômico e reconhecer a importância de participar de entidades de representação. Sobre as modalidades de associativismo, você foi capaz de analisar: • as características do consórcio e das sociedades de propósito específicos; • o funcionamento das redes de empresas e empresas de partici- pação comunitária; • o funcionamento de grupos formais e informais.
  • 19. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //125 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio Naquele momento, você também foi capaz de identificar as diferen- ças entre associativismo e cooperativismo, reconhecer os princípios do cooperativismo e as particularidades do cooperativismo no Brasil. Também teve a oportunidade de identificar os ramos do cooperativis- mo, analisar a dinâmica de funcionamento de organizações cooperati- vistas rurais, identificar as políticas para expansão do cooperativismo rural e avaliar os benefícios e as adversidades das organizações coo- perativistas. Você aprendeu sobre o modelo de organização cooperativista e como identificar os benefícios do modelo de gestão estratégico em cooperativas e avaliar as perspectivas para as cooperativas rurais. E, para finalizar, aprendeu os conceitos de sindicalismo rural, a identifi- car a importância do mesmo para o agronegócio, a conhecer as diferen- ças e similaridades entre o associativismo, sindicalismo e cooperativis- mo e a reconhecer as vantagens para o agronegócio em estabelecer parcerias entre associações, cooperativas e sindicatos. Agora que finalizou o curso, você é capaz de identificar e promover ações baseadas nos valores associativos, difundir ideias e incentivar grupos da sua comunidade ou convívio a identificar uma melhor alter- nativa em busca de melhores condições. Utilize bem estes novos conhecimentos adquiridos e sucesso na sua jornada!
  • 20. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //126 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio AMMANN, S. B. Participação social. 2. ed. São Paulo: Cortez & Mo- raes, 1978. ANTUNES. R. O que é sindicalismo. São Paulo: Abril Cultural: Brasi- liense, 1986. BUARQUE, Sergio C. Construindo o desenvolvimento local sus- tentável. Metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Garamond, 2002. BIALOSKORSKI NETO, S.; ZYLBERSZTAJN. D. Cooperativismo: eco- nomia de empresas e estratégias. Perspectiva Econômica, São Leo- poldo, jan./mar.1994. V.29, n.84, 7-22 p.(Série Cooperativismo, 35). Referências bibliográficas
  • 21. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //127 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio CASTELÕES, Liliane. Agricultura familiar ocupa maior parte da área rural brasileira. 2004. Disponível em: <http://www.comciencia. br>. Acesso em: 10 out. 2014. CARNEIRO, Maria José. Agricultores familiares no desenvolvimen- to rural. Jaguariúna: EMBRAPA, 2000. CANTERLE, Nilsa Maria G. O associativismo e sua relação com o desenvolvimento. Francisco Beltrão: Ed. Unioeste, 2004. Disponível em: <http://www.unioeste.br>. Acesso em: 17 jul. 2014. CRAVEIRO, Paula. Como tornar o networking um aliado no desen- volvimento profissional e social. Revista IBEF, 2010. Disponível no site http://www.ibefsp.com.br/revista-ibef-news/page/3/. Acesso em 09 de outubro de 2014. FERREIRA, A. D. D. Movimentos sociais rurais no Paraná – 1978- 1982. In: BONIM, A.A. et al. Movimentos sociais no campo. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 1987. FERREIRA, D. F. FERNANDES FILHO, J. F. Análise das transforma- ções Recentes na Atividade Agrícola da Região de Goiás. 1970/1995- 6. In: ____ PEREIRA, S.L. XAVIER, C. L. (Org). O agronegócio nas terras de Goiás. Uberlândia: EDUFU, 2003.101-138 p. FERREIRA, M.C. Associativismo e contato político nas regiões metropolitanas do Brasil:1988-1996. Revisitando o problema da par- ticipação. Revista Brasileira de Ciências Sociais,out. 1999, vol.14, n.41, 90-102 p. ISSN 0102-6909.
  • 22. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //128 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio FERREIRA, Marcelo Costa. Associativismo e contato político nas regiões metropolitanas do Brasil: 1988 a 1996. Revisitando o proble- ma da participação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, out. 1999, v. 14, n. 41,90-102 p. GANANÇA, Alexandre Ciconello. Associativismo no Brasil: carac- terísticas e limites para a construção de uma nova institucionalidade democrática participativa.2006. Dissertação (Mestrado em Ciência Po- lítica) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2006. MAPA, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Dispo- nível em http://www.agricultura.gov.br/cooperativismo-associativismo/ associativismo-rural Acessado em 20/01/2015. MEDEIROS, Leonilde S.de. Emergência e consolidação das organi- zações de Trabalhadores rurais (1945-1964). Rio de Janeiro: FASE, 1989. OCB. Anuário do Cooperativismo Brasileiro. Brasília/DF: OCB, 2004. Disponível em: www.ocb.org.br. OLSON, M.. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Edit. da Universidade de São Paulo, 1999. PINHO,D.B. O pensamento cooperativo e o cooperativismo bra- sileiro. São Paulo: CNPQ, 1982a. 272p. (Manual de Cooperativismo, v.1).
  • 23. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //129 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio PAIS, Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. Cartilha do Agricultor Familiar, Associativismo e cooperativismo solidário. Fundação Banco do Brasil. Disponível em www.fbb.org.br/portal/pages/publico/pais/cartilha1.pdf. Acessado em 05/12/2014. PINHEIRO, D. Agricultura familiar e suas organizações: o caso das associações de produtores. In.: TEDESCO, J. C. Agricultura familiar: realidades e perspectivas. 3ªed. Passo Fundo: UPF, 2001. 406 p. PINHO, D. B. O pensamento cooperativo e o cooperativismo brasi- leiro. São Paulo:CNPq, 1977, 272 p. RIOS, Luiz Oliveira. Cooperativas brasileiras: manual de sobrevivên- cia & crescimento sustentável. São Paulo: editora. STS, 1998. 109 p. RICCIARDI, L. Cooperativismo: uma solução para os problemas atuais. Vitória: Coopermídia, 1996. 96 p. SINGER, P.; SOUZA, A. A economia solidária no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000. SCHERER-WARREN, Ilse. Das Mobilizações às Redes de Movi- mentos Sociais. Sociedade e Estado, Brasília, 2006. SEBRAE/SP. Cooperativa – Saiba Mais. Zurita et al. (Coords.). São Paulo: SEBRAE/SP, 2008.
  • 24. Módulo 6 - Sindicalismo Rural //130 Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo no Agronegócio SEBRAE/MG. Associação – Série Empreendimentos Coletivos. Minas Gerais: SEBRAE/MG, 2009. TEIXEIRA, A. C. C.; TATAGIBA, L. Movimentos sociais e sistema po- lítico: os desafios da participação. São Paulo: Instituto Polis/PUC-SP, 2005. VALADARES, J. H. Cooperativismo: lições para a nossa prática. Bra- sília: SESCOOP, 2003. 136 p. ZAPATA, Tânia et al. Desenvolvimento local: estratégias e funda- mentos metodológicos. Rio de Janeiros: Ritz, 2001.