SlideShare uma empresa Scribd logo
ASM
A
O QUE É?
INICIALMENTE DESCRITA POR
HIPÓCRATES (460-377 AC).
DOENÇA INFLAMATÓRIA CRÔNICA
DAS VIAS AÉREAS, DE ORIGEM
MULTIFATORIAL,
CONSEQUÊNCIA DA OBSTRUÇÃO AO
FLUXO AÉREO INTRAPULMONAR .
EPIDEMIOL
OGIA
EPIDEMIOLOGIA
CONSTITUI UMA DAS
DOENÇAS CRÔNICAS DE
MAIOR INCIDÊNCIA NO
MUNDO CONTEMPORÂNEO.
NO MUNDO: 300 MILHÕES
DE INDIVÍDUOS
ACOMETIDOS – COM
RELATOS DE 255.000
ÓBITOS POR ANO. (OMS,
2006)
NO BRASIL: 20 MILHÕES
DE INDIVÍDUOS
ACOMETIDOS - COM
ÓBITO ANUAL MÉDIO DE
2.200 PESSOAS.
CERCA DE 30% DAS
CRIANÇAS
BRASILEIRAS
APRESENTAM
SINTOMAS
INDICATIVOS DE
ASMA.
4ª PRINCIPAL CAUSA
DE INTERNAMENTO
NO SUS.
EPIDEMIOLOGIA
A prevalência no mundo varia de 0,7 a 18,4% da população
geral (OMS, 2000)
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
•Atopia
•Prematuridad
e
•Sexo
•Fumaça do
tabaco
•Infecções
respiratórias
Vários fatores
podem atuar os
principais são:
ATOPIA:
• predisposição genética a
uma elevada produção de
IgE específica para
alérgenos ambientais.
ALERGIA:
• reação de
tipo I, mediada
principalmente por
mastócitos e eosinófilos.
GENÉTICA
SENSIBILIZAÇ
ÃO
FATORES
DESENCADEAN
TES.
ALERG
IA
A INFLAMAÇÃO
BRÔNQUICA CONSTITUI
O MAIS IMPORTANTE
FATOR
FISIOPATOGÊNICO DA
ASMA.
É RESULTANTE DE
INTERAÇÕES
COMPLEXAS ENTRE
CÉLULAS
INFLAMATÓRIAS,
MEDIADORES E
CÉLULAS ESTRUTURAIS
DAS VIAS AÉREAS.
ESTÁ PRESENTE EM
PACIENTES COM ASMA
DE INÍCIO RECENTE, EM
PACIENTES COM
FORMAS LEVES DA
DOENÇA E MESMO
ENTRE OS
ASSINTOMÁTICOS
Fisiopatogenia
ENTRE AS CÉLULAS
INFLAMATÓRIAS,
DESTACAM-SE:
Os mastócitos
Eosinófilos
Linfócitos T
Células
dendríticas
Macrófagos e
neutrófilos
ENTRE AS CÉLULAS
BRÔNQUICAS
ESTRUTURAIS
ENVOLVIDAS:
As células
epiteliais
As musculares
lisas
As endoteliais
Os fibroblastos
Os
miofibroblastos
DIAGNÓSTIC
O
DIAGNÓSTICO
EXAME FÍSICO:
• .
AUSCULTA:
Murmúrio
vesicular.
Ruídos
adventícios
Inspeção
estática :
• avaliar
abaulamento
retrações,
cicatrizes e
lesões.
Inspeção
dinâmica:
• frequência
respiratória,
tipo de
respiração
(torácica /
abdominal)
presença de
tiragem.
Palpação:
• expansibilida
de,
elasticidade
e FTV.
Percussão:
• Som claro
pulmonar /
maciço e
Hipersonoro
DIAGNÓSTICO
Funcio
nal
•Espirometria:
•Estabelecer o diagnóstico
•Documentar a gravidade da
obstrução ao fluxo aéreo
•Monitorar o curso da doença e as
modificações decorrentes do
tratamento.
Redução percentual de VEF1/CVF.
Positivo para asma se VEF1PBD >
Uma espirometria normal não exclui
a doença.
•É medida através da inalação de substâncias
broncoconstritoras (metacolina, carbacol e
histamina).
•Pelo teste de broncoprovocação por exercício.
Verificação da hiperresponsividade
das vias aéreas
DIAGNÓSTICO
DIAGNÓSTICO
DIAGNÓSTICO EM
CRIANÇAS MENORES
DE CINCO ANOS
DEVE SER BASEADO
EM ASPECTOS
CLÍNICOS.
50% Das crianças
apresentam pelo
menos um episódio
de sibilância nos
primeiros anos de
vida.
DIAGNÓSTICO
AS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS MAIS
SUGESTIVAS DE ASMA SÃO:
• Episódios frequentes de sibilância (mais de uma vez
por mês).
• Tosse ou sibilos que ocorrem à noite ou cedo pela
manhã, provocados por riso ou choro intensos ou
exercício físico.
• Tosse sem relação evidente com viroses respiratórias.
• Presença de atopia, especialmente rinite alérgica ou
dermatite atópica.
• História familiar de asma e atopia.
DIAGNÓSTICO
ESCOLARES 6 A 12 ANOS:
• A diferenciação em ASMA ATÓPICA e
NÃO ATÓPICA segue os mesmos
critérios da faixa etária anterior,
porém as evidências de atopia são
mais comuns e a sazonalidade se
torna mais evidente. ASMA INDUZIDA
POR VÍRUS ainda ocorre nesta idade.
DIAGNÓSTICO
ADOLESCENTES
• ASMA ATÓPICA e NÃO ATÓPICA podem
se iniciar na adolescência. Problemas
relacionados à adesão e ao tabagismo
ativo podem acontecer.
CLASSIFICAÇÃO E
GRAVIDADE
CLASSIFICAÇÃO E
GRAVIDADE
TRATAMEN
TO
TRATAME
NTO
O PRINCIPAL OBJETIVO
NO TRATAMENTO DA
ASMA É ALCANÇAR E
MANTER O CONTROLE
CLÍNICO.
O TRATAMENTO TEM
SIDO DIVIDIDO EM
CINCO ETAPAS.
CADA PACIENTE É ALOCADO EM UM DOS CINCO
ESTÁGIOS OBSERVANDO O TRATAMENTO ATUAL E O
NÍVEL DE CONTROLE.
• β2-agonista de rápido início de ação (Salbutamol,
Fenoterol ou Formoterol).
ETAPA 1: MEDICAÇÃO DE RESGATE
PARA O ALÍVIO DOS SINTOMAS.
• Corticóides inalatórios em doses baixas.
ETAPA 2: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS
UM ÚNICO MEDICAMENTO DE
CONTROLE.
• Associação de um corticóide inalatório em doses
baixas com um β2-agonista inalatório de ação
prolongada é a primeira escolha.
ETAPA 3: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS
UM OU DOIS MEDICAMENTOS DE
CONTROLE.
TRATAME
NTO
• Combinação de corticóide inalatório em doses médias ou altas
com um β2-agonista de ação prolongada.
• Como alternativa, pode-se adicionar um antileucotrieno ou
teofilina à associação acima descrita.
ETAPA 4: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS DOIS OU MAIS
MEDICAMENTOS DE CONTROLE.
• Adiciona-se corticóide oral às outras medicações de controle já
referidas.
• Adição de anti-IgE é uma alternativa na etapa 5 para pacientes
atópicos
ETAPA 5: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS MEDICAÇÃO
DE CONTROLE ADICIONAL.
TRATAME
NTO
OBSERVAÇÕES
Em pacientes que
irão iniciar o
tratamento, deve-
se fazê-lo na etapa
2 ou, se o paciente
estiver muito
sintomático,
iniciar pela etapa
3.
Independentement
e da etapa de
tratamento,
medicação de
resgate deve ser
prescrita para o
alívio dos sintomas
conforme a
necessidade.
Em crianças
menores de cinco
anos de idade, não
é recomendado o
uso de β2-agonista
de ação
prolongada,
porque os efeitos
colaterais ainda
não estão
adequadamente
estudados nessa
faixa etária
TRATAME
NTO
Prevenir Exacerbações
Importante componente no
estabelecimento do controle
ideal da asma.
É o desfecho mais importante
por ser o de maior risco para os
pacientes.
Ocorrem principalmente nos
pacientes com asma grave.
SUA GRAVIDADE E FREQUÊNCIA DEVEM SER
INVESTIGADAS ROTINEIRAMENTE.
•Prevenir a aceleração da perda da função pulmonar.
•Evitar ou minimizar efeitos colaterais do tratamento.
TRATAME
NTO
DROGAS UTILIZADAS
PARA O MANEJO DA
ASMA AGUDADiretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma
2012
CASO CLÍNICO
CASO
CLÍNICOPaciente, sexo masculino, 17 anos,
apresentava sibilância e dificuldade
para respirar. Esses ataques
ocorriam intermitentemente e não
foram relacionados a nenhuma
circunstância conhecida. Um raio-X
de tórax foi normal, mas os testes
de função pulmonar realizados
quando ele estava sintomático
CASO
CLÍNICOA ele foi prescrito inaladores de
agonistas Β2-adrenérgicos, mas
como ele continuou a ter
episódios de dispnéia, mudou-se
a prescrição para corticosteróide
inalatório, que propiciou muito
maior alívio. Quatro anos depois,
ele chegou à sala de emergência
com severa limitação da
CASO
CLÍNICOPNa chegada à emergência, ele estava
em considerável sofrimento; mal
conseguia falar e sua frequência
respiratória estava em 30 ipm. O
exame físico apontou raros sibilos e
murmúrios vesiculares quase ausentes.
Também foi constatada a pCO2=88,
pO2=35 e pH=6,9. Enquanto esperava
o tratamento, o paciente sofreu uma
parada cardíaca e não pôde ser
BIBLIOGRA
FIAALVIM, Cristina Gonçalves; DE ANDRADE, Cláudia Ribeiro. Asma na
criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento.
BENTO, Alexandra; ARROBAS, Ana Maria. A asma e os seus
diagnósticos diferenciais Asthma and its differential diagnoses. Revista
portuguesa de pneumologia, v. 15, n. 6, p. 1185-1191, 2009.
CAMPOS, Hisbello S. Asma: suas origens, seus mecanismos
inflamatórios e o papel do corticosteróide. Revista Brasileira de
Pneumologia Sanitária, v. 15, n. 1, p. 47-60, 2007.
Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia eTisiologia para
para o Manejo da Asma – 2012.
GASPAR, A.; MORAIS-ALMEIDA, M.; NUNES, Carlos. Epidemiologia da
asma grave. 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Zika vírus
Zika vírusZika vírus
Zika vírus
Karolina Peixoto
 
Síndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-BarréSíndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-Barré
Ankol Educação Continuada
 
Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)
Lorena de Assis
 
Asma brônquica
Asma brônquica Asma brônquica
Asma brônquica
lipernnatal
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
SMS - Petrópolis
 
Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré
Denilsi Gonçalves
 
Asma em pediatria
Asma em pediatriaAsma em pediatria
Asma em pediatria
Lorena de Assis
 
ASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
ASMA - Aula residência Pediatria Santa CasaASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
ASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
LIPED
 
Eosinofilia - abordagem diagnóstica
Eosinofilia - abordagem diagnósticaEosinofilia - abordagem diagnóstica
Eosinofilia - abordagem diagnóstica
Natacha Santos
 
Registo anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologia
Registo anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologiaRegisto anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologia
Registo anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologia
Natacha Santos
 
Doença de Kawasaki
Doença de Kawasaki  Doença de Kawasaki
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengueFisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Samuel Cevidanes
 
Iv Diretrizes Asma
Iv Diretrizes AsmaIv Diretrizes Asma
Iv Diretrizes Asma
Juan Pablo Barberan
 
Síndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain BarréSíndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain Barré
Mairimed
 
Asma na gestação
Asma na gestaçãoAsma na gestação
Asma na gestação
egfmed
 
Tosse 1
Tosse 1 Tosse 1
Tosse 1
janinemaga
 
Asma de difícil controle
Asma de difícil controleAsma de difícil controle
Asma de difícil controle
Flávia Salame
 
Doença de Kawasaki
Doença de KawasakiDoença de Kawasaki
Doença de Kawasaki
blogped1
 

Mais procurados (18)

Zika vírus
Zika vírusZika vírus
Zika vírus
 
Síndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-BarréSíndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-Barré
 
Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)
 
Asma brônquica
Asma brônquica Asma brônquica
Asma brônquica
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré Síndrome de guillain barré
Síndrome de guillain barré
 
Asma em pediatria
Asma em pediatriaAsma em pediatria
Asma em pediatria
 
ASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
ASMA - Aula residência Pediatria Santa CasaASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
ASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
 
Eosinofilia - abordagem diagnóstica
Eosinofilia - abordagem diagnósticaEosinofilia - abordagem diagnóstica
Eosinofilia - abordagem diagnóstica
 
Registo anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologia
Registo anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologiaRegisto anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologia
Registo anual de anafilaxia em idade pediátrica num centro de imunoalergologia
 
Doença de Kawasaki
Doença de Kawasaki  Doença de Kawasaki
Doença de Kawasaki
 
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengueFisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
Fisiopatologia, sinais e sintomas do guillain barré na dengue
 
Iv Diretrizes Asma
Iv Diretrizes AsmaIv Diretrizes Asma
Iv Diretrizes Asma
 
Síndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain BarréSíndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain Barré
 
Asma na gestação
Asma na gestaçãoAsma na gestação
Asma na gestação
 
Tosse 1
Tosse 1 Tosse 1
Tosse 1
 
Asma de difícil controle
Asma de difícil controleAsma de difícil controle
Asma de difícil controle
 
Doença de Kawasaki
Doença de KawasakiDoença de Kawasaki
Doença de Kawasaki
 

Semelhante a ASMA - ALERGIAS

fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
Raqueli Viecili
 
Asma
AsmaAsma
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
Raqueli Viecili
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
Raqueli Viecili
 
Manual asma
Manual asmaManual asma
Manual asma
Licínia Simões
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
Cassyano Correr
 
aula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
aula-de-asma-7c2ba-alunos.pptaula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
aula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
DanielCatundaperes
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
Ismael Costa
 
0326 asma - Marion
0326 asma - Marion0326 asma - Marion
0326 asma - Marion
laiscarlini
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
Fabricio Batistoni
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
blogped1
 
Asma no contexto mundial, africano e mocambicano
Asma no contexto mundial, africano e mocambicanoAsma no contexto mundial, africano e mocambicano
Asma no contexto mundial, africano e mocambicano
Carlos Sapura
 
Aula ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .ppt
Aula  ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .pptAula  ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .ppt
Aula ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .ppt
joselici
 
Correlação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas Superiores
Correlação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas SuperioresCorrelação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas Superiores
Correlação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas Superiores
Flávia Salame
 
Lactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspLactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 husp
Amilcare Vecchi
 
ASMA_UCB_2016.ppt
ASMA_UCB_2016.pptASMA_UCB_2016.ppt
ASMA_UCB_2016.ppt
Raqueli Viecili
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
Jonas Cesar Andrade Barbosa
 
Consenso asma 2006
Consenso asma 2006Consenso asma 2006
Consenso asma 2006
Flávia Salame
 
Alfa 1
Alfa 1Alfa 1
Caso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addissonCaso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addisson
biochemestry
 

Semelhante a ASMA - ALERGIAS (20)

fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
 
Manual asma
Manual asmaManual asma
Manual asma
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
aula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
aula-de-asma-7c2ba-alunos.pptaula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
aula-de-asma-7c2ba-alunos.ppt
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
 
0326 asma - Marion
0326 asma - Marion0326 asma - Marion
0326 asma - Marion
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Asma no contexto mundial, africano e mocambicano
Asma no contexto mundial, africano e mocambicanoAsma no contexto mundial, africano e mocambicano
Asma no contexto mundial, africano e mocambicano
 
Aula ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .ppt
Aula  ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .pptAula  ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .ppt
Aula ASMA crianca respiratorria inalatoria educacao em saude .ppt
 
Correlação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas Superiores
Correlação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas SuperioresCorrelação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas Superiores
Correlação entre Asma e Doenças de Vias Aéreas Superiores
 
Lactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspLactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 husp
 
ASMA_UCB_2016.ppt
ASMA_UCB_2016.pptASMA_UCB_2016.ppt
ASMA_UCB_2016.ppt
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Consenso asma 2006
Consenso asma 2006Consenso asma 2006
Consenso asma 2006
 
Alfa 1
Alfa 1Alfa 1
Alfa 1
 
Caso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addissonCaso clinico doença de addisson
Caso clinico doença de addisson
 

Mais de JP ABNT

Criança pré escolar
Criança pré escolarCriança pré escolar
Criança pré escolar
JP ABNT
 
Bruxismo
BruxismoBruxismo
Bruxismo
JP ABNT
 
artrite psoríaca
artrite psoríacaartrite psoríaca
artrite psoríaca
JP ABNT
 
Sindrome de turner
Sindrome de turnerSindrome de turner
Sindrome de turner
JP ABNT
 
Arritmias Cardiacas
Arritmias CardiacasArritmias Cardiacas
Arritmias Cardiacas
JP ABNT
 
Como deve ser feita a profilaxia
Como deve ser feita a profilaxiaComo deve ser feita a profilaxia
Como deve ser feita a profilaxia
JP ABNT
 
REIMPLANTE DENTÁRIO
REIMPLANTE DENTÁRIO REIMPLANTE DENTÁRIO
REIMPLANTE DENTÁRIO
JP ABNT
 
COMO FAZER UM TCC
COMO FAZER UM TCCCOMO FAZER UM TCC
COMO FAZER UM TCC
JP ABNT
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
JP ABNT
 
Estudo e obtenção de um material compósito de
Estudo e obtenção de um material compósito deEstudo e obtenção de um material compósito de
Estudo e obtenção de um material compósito de
JP ABNT
 
Apresentação amanda odonto_estomatologia
Apresentação amanda odonto_estomatologiaApresentação amanda odonto_estomatologia
Apresentação amanda odonto_estomatologia
JP ABNT
 
Vacinas contra a cárie
Vacinas contra a cárieVacinas contra a cárie
Vacinas contra a cárie
JP ABNT
 
Fissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruth
Fissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruthFissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruth
Fissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruth
JP ABNT
 

Mais de JP ABNT (13)

Criança pré escolar
Criança pré escolarCriança pré escolar
Criança pré escolar
 
Bruxismo
BruxismoBruxismo
Bruxismo
 
artrite psoríaca
artrite psoríacaartrite psoríaca
artrite psoríaca
 
Sindrome de turner
Sindrome de turnerSindrome de turner
Sindrome de turner
 
Arritmias Cardiacas
Arritmias CardiacasArritmias Cardiacas
Arritmias Cardiacas
 
Como deve ser feita a profilaxia
Como deve ser feita a profilaxiaComo deve ser feita a profilaxia
Como deve ser feita a profilaxia
 
REIMPLANTE DENTÁRIO
REIMPLANTE DENTÁRIO REIMPLANTE DENTÁRIO
REIMPLANTE DENTÁRIO
 
COMO FAZER UM TCC
COMO FAZER UM TCCCOMO FAZER UM TCC
COMO FAZER UM TCC
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
 
Estudo e obtenção de um material compósito de
Estudo e obtenção de um material compósito deEstudo e obtenção de um material compósito de
Estudo e obtenção de um material compósito de
 
Apresentação amanda odonto_estomatologia
Apresentação amanda odonto_estomatologiaApresentação amanda odonto_estomatologia
Apresentação amanda odonto_estomatologia
 
Vacinas contra a cárie
Vacinas contra a cárieVacinas contra a cárie
Vacinas contra a cárie
 
Fissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruth
Fissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruthFissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruth
Fissuras labiais estudo bibliográfico_resumo_expandido_25_02_2015_odonto_ruth
 

Último

Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptxAtendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
VaniaTramontinPolla
 
Personalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalistaPersonalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalista
Nertan Dias
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
THIALYMARIASILVADACU
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 

Último (6)

Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptxAtendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
 
Personalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalistaPersonalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalista
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 

ASMA - ALERGIAS

  • 2. O QUE É? INICIALMENTE DESCRITA POR HIPÓCRATES (460-377 AC). DOENÇA INFLAMATÓRIA CRÔNICA DAS VIAS AÉREAS, DE ORIGEM MULTIFATORIAL, CONSEQUÊNCIA DA OBSTRUÇÃO AO FLUXO AÉREO INTRAPULMONAR .
  • 4. EPIDEMIOLOGIA CONSTITUI UMA DAS DOENÇAS CRÔNICAS DE MAIOR INCIDÊNCIA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. NO MUNDO: 300 MILHÕES DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS – COM RELATOS DE 255.000 ÓBITOS POR ANO. (OMS, 2006) NO BRASIL: 20 MILHÕES DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS - COM ÓBITO ANUAL MÉDIO DE 2.200 PESSOAS.
  • 5. CERCA DE 30% DAS CRIANÇAS BRASILEIRAS APRESENTAM SINTOMAS INDICATIVOS DE ASMA. 4ª PRINCIPAL CAUSA DE INTERNAMENTO NO SUS. EPIDEMIOLOGIA
  • 6. A prevalência no mundo varia de 0,7 a 18,4% da população geral (OMS, 2000) EPIDEMIOLOGIA
  • 8.
  • 10. ATOPIA: • predisposição genética a uma elevada produção de IgE específica para alérgenos ambientais. ALERGIA: • reação de tipo I, mediada principalmente por mastócitos e eosinófilos.
  • 12. A INFLAMAÇÃO BRÔNQUICA CONSTITUI O MAIS IMPORTANTE FATOR FISIOPATOGÊNICO DA ASMA. É RESULTANTE DE INTERAÇÕES COMPLEXAS ENTRE CÉLULAS INFLAMATÓRIAS, MEDIADORES E CÉLULAS ESTRUTURAIS DAS VIAS AÉREAS. ESTÁ PRESENTE EM PACIENTES COM ASMA DE INÍCIO RECENTE, EM PACIENTES COM FORMAS LEVES DA DOENÇA E MESMO ENTRE OS ASSINTOMÁTICOS Fisiopatogenia
  • 13. ENTRE AS CÉLULAS INFLAMATÓRIAS, DESTACAM-SE: Os mastócitos Eosinófilos Linfócitos T Células dendríticas Macrófagos e neutrófilos
  • 14. ENTRE AS CÉLULAS BRÔNQUICAS ESTRUTURAIS ENVOLVIDAS: As células epiteliais As musculares lisas As endoteliais Os fibroblastos Os miofibroblastos
  • 15.
  • 16.
  • 18. DIAGNÓSTICO EXAME FÍSICO: • . AUSCULTA: Murmúrio vesicular. Ruídos adventícios Inspeção estática : • avaliar abaulamento retrações, cicatrizes e lesões. Inspeção dinâmica: • frequência respiratória, tipo de respiração (torácica / abdominal) presença de tiragem. Palpação: • expansibilida de, elasticidade e FTV. Percussão: • Som claro pulmonar / maciço e Hipersonoro
  • 19. DIAGNÓSTICO Funcio nal •Espirometria: •Estabelecer o diagnóstico •Documentar a gravidade da obstrução ao fluxo aéreo •Monitorar o curso da doença e as modificações decorrentes do tratamento. Redução percentual de VEF1/CVF. Positivo para asma se VEF1PBD > Uma espirometria normal não exclui a doença.
  • 20.
  • 21. •É medida através da inalação de substâncias broncoconstritoras (metacolina, carbacol e histamina). •Pelo teste de broncoprovocação por exercício. Verificação da hiperresponsividade das vias aéreas DIAGNÓSTICO
  • 22. DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO EM CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DEVE SER BASEADO EM ASPECTOS CLÍNICOS. 50% Das crianças apresentam pelo menos um episódio de sibilância nos primeiros anos de vida.
  • 23. DIAGNÓSTICO AS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS MAIS SUGESTIVAS DE ASMA SÃO: • Episódios frequentes de sibilância (mais de uma vez por mês). • Tosse ou sibilos que ocorrem à noite ou cedo pela manhã, provocados por riso ou choro intensos ou exercício físico. • Tosse sem relação evidente com viroses respiratórias. • Presença de atopia, especialmente rinite alérgica ou dermatite atópica. • História familiar de asma e atopia.
  • 24. DIAGNÓSTICO ESCOLARES 6 A 12 ANOS: • A diferenciação em ASMA ATÓPICA e NÃO ATÓPICA segue os mesmos critérios da faixa etária anterior, porém as evidências de atopia são mais comuns e a sazonalidade se torna mais evidente. ASMA INDUZIDA POR VÍRUS ainda ocorre nesta idade.
  • 25. DIAGNÓSTICO ADOLESCENTES • ASMA ATÓPICA e NÃO ATÓPICA podem se iniciar na adolescência. Problemas relacionados à adesão e ao tabagismo ativo podem acontecer.
  • 29. TRATAME NTO O PRINCIPAL OBJETIVO NO TRATAMENTO DA ASMA É ALCANÇAR E MANTER O CONTROLE CLÍNICO. O TRATAMENTO TEM SIDO DIVIDIDO EM CINCO ETAPAS. CADA PACIENTE É ALOCADO EM UM DOS CINCO ESTÁGIOS OBSERVANDO O TRATAMENTO ATUAL E O NÍVEL DE CONTROLE.
  • 30. • β2-agonista de rápido início de ação (Salbutamol, Fenoterol ou Formoterol). ETAPA 1: MEDICAÇÃO DE RESGATE PARA O ALÍVIO DOS SINTOMAS. • Corticóides inalatórios em doses baixas. ETAPA 2: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS UM ÚNICO MEDICAMENTO DE CONTROLE. • Associação de um corticóide inalatório em doses baixas com um β2-agonista inalatório de ação prolongada é a primeira escolha. ETAPA 3: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS UM OU DOIS MEDICAMENTOS DE CONTROLE. TRATAME NTO
  • 31. • Combinação de corticóide inalatório em doses médias ou altas com um β2-agonista de ação prolongada. • Como alternativa, pode-se adicionar um antileucotrieno ou teofilina à associação acima descrita. ETAPA 4: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS DOIS OU MAIS MEDICAMENTOS DE CONTROLE. • Adiciona-se corticóide oral às outras medicações de controle já referidas. • Adição de anti-IgE é uma alternativa na etapa 5 para pacientes atópicos ETAPA 5: MEDICAÇÃO DE ALÍVIO MAIS MEDICAÇÃO DE CONTROLE ADICIONAL. TRATAME NTO
  • 32. OBSERVAÇÕES Em pacientes que irão iniciar o tratamento, deve- se fazê-lo na etapa 2 ou, se o paciente estiver muito sintomático, iniciar pela etapa 3. Independentement e da etapa de tratamento, medicação de resgate deve ser prescrita para o alívio dos sintomas conforme a necessidade. Em crianças menores de cinco anos de idade, não é recomendado o uso de β2-agonista de ação prolongada, porque os efeitos colaterais ainda não estão adequadamente estudados nessa faixa etária TRATAME NTO
  • 33.
  • 34. Prevenir Exacerbações Importante componente no estabelecimento do controle ideal da asma. É o desfecho mais importante por ser o de maior risco para os pacientes. Ocorrem principalmente nos pacientes com asma grave. SUA GRAVIDADE E FREQUÊNCIA DEVEM SER INVESTIGADAS ROTINEIRAMENTE. •Prevenir a aceleração da perda da função pulmonar. •Evitar ou minimizar efeitos colaterais do tratamento. TRATAME NTO
  • 35.
  • 36. DROGAS UTILIZADAS PARA O MANEJO DA ASMA AGUDADiretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma 2012
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 41. CASO CLÍNICOPaciente, sexo masculino, 17 anos, apresentava sibilância e dificuldade para respirar. Esses ataques ocorriam intermitentemente e não foram relacionados a nenhuma circunstância conhecida. Um raio-X de tórax foi normal, mas os testes de função pulmonar realizados quando ele estava sintomático
  • 42. CASO CLÍNICOA ele foi prescrito inaladores de agonistas Β2-adrenérgicos, mas como ele continuou a ter episódios de dispnéia, mudou-se a prescrição para corticosteróide inalatório, que propiciou muito maior alívio. Quatro anos depois, ele chegou à sala de emergência com severa limitação da
  • 43. CASO CLÍNICOPNa chegada à emergência, ele estava em considerável sofrimento; mal conseguia falar e sua frequência respiratória estava em 30 ipm. O exame físico apontou raros sibilos e murmúrios vesiculares quase ausentes. Também foi constatada a pCO2=88, pO2=35 e pH=6,9. Enquanto esperava o tratamento, o paciente sofreu uma parada cardíaca e não pôde ser
  • 44. BIBLIOGRA FIAALVIM, Cristina Gonçalves; DE ANDRADE, Cláudia Ribeiro. Asma na criança e no adolescente: diagnóstico, classificação e tratamento. BENTO, Alexandra; ARROBAS, Ana Maria. A asma e os seus diagnósticos diferenciais Asthma and its differential diagnoses. Revista portuguesa de pneumologia, v. 15, n. 6, p. 1185-1191, 2009. CAMPOS, Hisbello S. Asma: suas origens, seus mecanismos inflamatórios e o papel do corticosteróide. Revista Brasileira de Pneumologia Sanitária, v. 15, n. 1, p. 47-60, 2007. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia eTisiologia para para o Manejo da Asma – 2012. GASPAR, A.; MORAIS-ALMEIDA, M.; NUNES, Carlos. Epidemiologia da asma grave. 2006.

Notas do Editor

  1. CARACTERIZADA PELA HIPERRESPONSIVIDADE BRÔNQUICA, OBSTRUÇÃO E REMODELAMENTO DAS VIAS AÉREAS QUE ACARRETA EPISÓDIOS DE BRONCOESPASMO, SIBILOS, DISPNÉIA, OPRESSÃO TORÁCICA E TOSSE.
  2. < 80
  3. Adolescentes: ASMA ATÓPICA e NÃO ATÓPICA podem se iniciar na adolescência. Problemas relacionados à adesão e ao tabagismo ativo podem acontecer.
  4. :