SlideShare uma empresa Scribd logo
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil Aprovado na 7ª Reunião Ordinária do Conselho Permanente   Brasília, DF, 23 a 26 de novembro de 1982
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil INTRODUÇÃO 3. Fenômeno estritamente eclesial, as CEBs em nosso país nasceram no seio da Igreja/instituição e tornaram-se “ um novo modo de ser Igreja ”. Pode-se afirmar que é ao redor delas que se desenvolve, e se desenvolverá cada vez mais, no futuro, a ação pastoral e evangelizadora da Igreja.
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 40.  Células vivas  da Igreja, as CEBs (...) têm colaborado poderosamente na  renovação das paróquias  e dos vários processos pastorais, no sentido de uma  crescente comunhão e participação . (...) Na prática de sua vida elas têm encontrado surpreendentes caminhos de uma evangelização, catequese e liturgia encarnadas, muito ligadas à palavra de Deus. Em sua “fome e sede de justiça”, têm encontrado caminhos de uma prática ecumênica concreta. Desenvolvem, ainda, um fenômeno de  intercomunicação participativa e da formação do senso crítico  diante da massificação dos meios de comunicação. (...) São uma alternativa de educação para os que buscam uma sociedade nova, onde o individualismo, a competição e o lucro cedem lugar à justiça e à fraternidade.
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 48. Não seria certo, porém, concluir-se daí que as CEBs só são possíveis entre as classes pobres. Pior ainda seria pensar-se em duas igrejas irredutíveis entre si: uma dos pobres, nas CEBs, e outra das classes médias ou ricas, na paróquia e outras organizações. 49. Seria desfigurar a própria natureza das CEBs, isolá-las dentro da Igreja ou dar-lhes como conteúdo primordial e constitutivo uma conotação sociológica.  57. Também aqui as CEBs refletem a consciência da Igreja em termos de  missão evangelizadora . “A ação pela justiça e a participação na transformação do mundo aparecem-nos claramente como uma dimensão construtiva da pregação do Evangelho”.
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 63.  O novo que as CEBs trouxeram  foi o fato de oferecerem, dentro da Igreja,  um espaço para o próprio povo simples participar da evangelização da sociedade através da luta pela justiça . Nesse sentido, as CEBs têm se manifestado como  lugar privilegiado de educação para a justiça e como instrumento de libertação .
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 72. Para ser membro de uma CEB, não basta, portanto, a prática da justiça. É preciso mais, é preciso explicitar essa prática na pessoa e na obra de Cristo. Igualmente, não basta a uma CEB promover os valores do Reino. Para ser fiel à sua identidade, essa promoção tem de guardar uma relação constante e explícita à pessoa e missão de Jesus Cristo, Filho de Deus, e seu mistério pascal, através do qual se deu a instauração do Reino de Deus na humanidade.
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 76. Sem destruir os laços fraternos criados e sem prejudicar os passos dados, é necessário manter clara a distinção entre CEBs e movimentos populares. Os movimentos populares são movimentos sociais entre as classes mais pobres e seus objetivos são a libertação e promoção sócio-política do povo. Eles não são movimentos de Igreja, não dependem dela em sua organização e atuação, tendo plena autonomia com relação à Igreja.  As CEBs precisam tomar consciência disto para não ocupar um espaço que não é seu e imprimir um ritmo de vida eclesial a um movimento secular. Da mesma forma, as CEBs perderiam sua identidade se, para se acomodar aos movimentos populares, alterassem seu modo de vida e seus valores explícitos de fé.
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 79. Isso não quer dizer, porém, que as CEBs sejam um novo movimento de leigos.  A CEB não é um movimento, é nova forma de ser Igreja  É a primeira célula do grande organismo eclesial ou,  como diz Medellín, “a célula inicial de estruturação eclesial”.  Como Igreja, a CEB guarda as características fundamentais que Cristo quis dar à comunidade eclesial. A CEB é uma maneira nova de realizar a mesma comunidade eclesial que é o Corpo de Cristo. Por isso mesmo, o ministério pastoral ou hierárquico faz parte da CEB.  O Bispo ou o padre não são de fora, não são meros assessores ou acompanhantes. Sua presença, mesmo não contínua, tem um sentido especial e único, já que, como em qualquer comunidade eclesial, eles tornam presente o Cristo-cabeça.
As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 80. Para as CEBs, portanto, não basta que, como qualquer movimento cristão, estejam unidas a seus Bispos e padres.  As CEBs são células do corpo eclesial e por isso, guardam laços de natureza mais íntima no relacionamento com os pastores que, em nome do Senhor, estão à frente das Igrejas . Isso não suprime a justa autonomia das CEBs no desenvolvimento de sua vida e missão própria, mas acarreta especiais  exigências de comunhão e corresponsabilidade eclesial .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2
As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2
As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2
MARLI COSTA
 
Igreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesIgreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de Comunidades
Adriano Matilha
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
Pe Gil Medeiros
 
Comunidade de comunidades uma nova Paróquia
Comunidade de comunidades uma nova ParóquiaComunidade de comunidades uma nova Paróquia
Comunidade de comunidades uma nova Paróquia
Bernadetecebs .
 
Estudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE
Estudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADEEstudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE
Estudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE
Bernadetecebs .
 
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedadeSlides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
José Vieira Dos Santos
 
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
Geo Jaques
 
Sinodo dos bispos 3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório
Sinodo dos bispos   3ª assembléia extraordinária - doc. preparatórioSinodo dos bispos   3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório
Sinodo dos bispos 3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório
Jorge Pereira
 
Estudo do documento 100
Estudo do documento 100Estudo do documento 100
Estudo do documento 100
IRINEU FILHO
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
Luís Miguel Rodrigues
 
Identidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. Luís
Identidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. LuísIdentidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. Luís
Identidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. Luís
monfortinosemfoco
 
Documento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBBDocumento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBB
Carlos Santos
 
SINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisSINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo Morais
Paulo David
 
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e CantoDicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
José Vieira Dos Santos
 
04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades
Tiago Osb
 
Formação para animadores (as) de comunidades / CEBs
Formação para animadores (as) de comunidades /  CEBsFormação para animadores (as) de comunidades /  CEBs
Formação para animadores (as) de comunidades / CEBs
Bernadetecebs .
 
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral ParoquialFormação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
eusouaimaculada
 
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsMensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Carlos Santos
 

Mais procurados (20)

As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2
As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2
As ce bs-e-seus-desafios-hoje-2
 
Igreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesIgreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de Comunidades
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
 
Comunidade de comunidades uma nova Paróquia
Comunidade de comunidades uma nova ParóquiaComunidade de comunidades uma nova Paróquia
Comunidade de comunidades uma nova Paróquia
 
Estudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE
Estudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADEEstudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE
Estudo 107 leigos - CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS NA IGREJA E NA SOCIEDADE
 
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedadeSlides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
Slides cristãos leigos e leigas na igreja e na sociedade
 
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
 
Sinodo dos bispos 3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório
Sinodo dos bispos   3ª assembléia extraordinária - doc. preparatórioSinodo dos bispos   3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório
Sinodo dos bispos 3ª assembléia extraordinária - doc. preparatório
 
Estudo do documento 100
Estudo do documento 100Estudo do documento 100
Estudo do documento 100
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
 
Identidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. Luís
Identidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. LuísIdentidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. Luís
Identidade das pastorais, movimentos e grupos Paróquia S. Luís
 
Documento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBBDocumento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBB
 
SINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo MoraisSINODALIDADE. Sildo Morais
SINODALIDADE. Sildo Morais
 
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e CantoDicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
 
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
 
04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades
 
Formação para animadores (as) de comunidades / CEBs
Formação para animadores (as) de comunidades /  CEBsFormação para animadores (as) de comunidades /  CEBs
Formação para animadores (as) de comunidades / CEBs
 
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105  CNBB -
Cristãos Leigos-e-Leigas- DOCUMENTO 105 CNBB -
 
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral ParoquialFormação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
 
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsMensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
 

Destaque

Comuidades de comunidades
Comuidades de comunidadesComuidades de comunidades
Comuidades de comunidades
MARLI COSTA
 
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Bernadetecebs .
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Antonio De Assis Ribeiro
 
A solidao dos moribundos nobert elias
A solidao dos moribundos   nobert eliasA solidao dos moribundos   nobert elias
A solidao dos moribundos nobert elias
Aecio Bandeira
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Cleber Martins Freitas
 
Livreto das CEBs Páscoa 2015
Livreto  das CEBs Páscoa 2015 Livreto  das CEBs Páscoa 2015
Livreto das CEBs Páscoa 2015
Bernadetecebs .
 
As CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADE
As CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADEAs CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADE
As CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADE
Paulo David
 
Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011
ilarye
 
Aula M1 (21/07/2011) - Caridade
Aula M1 (21/07/2011) - CaridadeAula M1 (21/07/2011) - Caridade
Aula M1 (21/07/2011) - Caridade
Mocidade Espírita União Fraternal
 
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SPFôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
Como trabalhar com o Povo - Clodovis Boff
Como trabalhar com o Povo - Clodovis BoffComo trabalhar com o Povo - Clodovis Boff
Como trabalhar com o Povo - Clodovis Boff
Bernadetecebs .
 
Livro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completo
Livro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completoLivro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completo
Livro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completo
Bernadetecebs .
 
Livro cifras - Santas Missões Populares
Livro cifras - Santas Missões PopularesLivro cifras - Santas Missões Populares
Livro cifras - Santas Missões Populares
Bernadetecebs .
 

Destaque (13)

Comuidades de comunidades
Comuidades de comunidadesComuidades de comunidades
Comuidades de comunidades
 
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...Texto Base Intereclesial  do 13º Intereclesial das CEBs em  2014 - Juazeiro d...
Texto Base Intereclesial do 13º Intereclesial das CEBs em 2014 - Juazeiro d...
 
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto baseCampanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
Campanha da fraternidade 2017 cf 2017 biomas brasileiros resumo do texto base
 
A solidao dos moribundos nobert elias
A solidao dos moribundos   nobert eliasA solidao dos moribundos   nobert elias
A solidao dos moribundos nobert elias
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Livreto das CEBs Páscoa 2015
Livreto  das CEBs Páscoa 2015 Livreto  das CEBs Páscoa 2015
Livreto das CEBs Páscoa 2015
 
As CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADE
As CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADEAs CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADE
As CEBs - A HISTÓRIA & A ATUALIDADE
 
Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011Nbr 15287-2011
Nbr 15287-2011
 
Aula M1 (21/07/2011) - Caridade
Aula M1 (21/07/2011) - CaridadeAula M1 (21/07/2011) - Caridade
Aula M1 (21/07/2011) - Caridade
 
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SPFôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Fôlder das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
 
Como trabalhar com o Povo - Clodovis Boff
Como trabalhar com o Povo - Clodovis BoffComo trabalhar com o Povo - Clodovis Boff
Como trabalhar com o Povo - Clodovis Boff
 
Livro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completo
Livro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completoLivro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completo
Livro ODC -oficio-divino-das-comunidades-completo
 
Livro cifras - Santas Missões Populares
Livro cifras - Santas Missões PopularesLivro cifras - Santas Missões Populares
Livro cifras - Santas Missões Populares
 

Semelhante a As Comunidades Eclesiais De Base Na Igreja Do Brasil

Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsMensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Carlos Santos
 
Rcc dirceu ii
Rcc dirceu iiRcc dirceu ii
Rcc dirceu ii
Luciano852456
 
Formação Servos
Formação ServosFormação Servos
Formação Servos
adrianojose1983
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
Rodrigo Catini Flaibam
 
Comunidade de-comunidades-sintese
Comunidade de-comunidades-sinteseComunidade de-comunidades-sintese
Comunidade de-comunidades-sintese
Alexandre Panerai
 
Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170
mcj2013
 
doc-100-cnbb.ppt
doc-100-cnbb.pptdoc-100-cnbb.ppt
doc-100-cnbb.ppt
Luiz572007
 
Celam documentofinal2011-chile-portugues
Celam documentofinal2011-chile-portuguesCelam documentofinal2011-chile-portugues
Celam documentofinal2011-chile-portugues
josefmarins
 
DOCUMENTO 105 CNBB
DOCUMENTO 105 CNBBDOCUMENTO 105 CNBB
DOCUMENTO 105 CNBB
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
MaricleusaSilva1
 
Ficha121
Ficha121Ficha121
Ficha121
Anderson Aguiar
 
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
Paulo Dias Nogueira
 
A natureza e_a_tarefa_da_igreja
A natureza e_a_tarefa_da_igrejaA natureza e_a_tarefa_da_igreja
A natureza e_a_tarefa_da_igreja
Vinicio Pacifico
 
Vi encontro agir
Vi encontro   agirVi encontro   agir
Vi encontro agir
serau35
 
CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?
CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?
CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?
Bernadetecebs .
 
Revista teológica
Revista teológicaRevista teológica
ARQUIVO
ARQUIVOARQUIVO
Fundaçaõ institucional
Fundaçaõ institucionalFundaçaõ institucional
Fundaçaõ institucional
GUMBALLWATTERSON1
 
Formação da Instrução Básica - Congregação Mariana
Formação da Instrução Básica - Congregação MarianaFormação da Instrução Básica - Congregação Mariana
Formação da Instrução Básica - Congregação Mariana
MarcoTulioMG
 
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Região Episcopal Belém
 

Semelhante a As Comunidades Eclesiais De Base Na Igreja Do Brasil (20)

Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsMensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
 
Rcc dirceu ii
Rcc dirceu iiRcc dirceu ii
Rcc dirceu ii
 
Formação Servos
Formação ServosFormação Servos
Formação Servos
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
 
Comunidade de-comunidades-sintese
Comunidade de-comunidades-sinteseComunidade de-comunidades-sintese
Comunidade de-comunidades-sintese
 
Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170
 
doc-100-cnbb.ppt
doc-100-cnbb.pptdoc-100-cnbb.ppt
doc-100-cnbb.ppt
 
Celam documentofinal2011-chile-portugues
Celam documentofinal2011-chile-portuguesCelam documentofinal2011-chile-portugues
Celam documentofinal2011-chile-portugues
 
DOCUMENTO 105 CNBB
DOCUMENTO 105 CNBBDOCUMENTO 105 CNBB
DOCUMENTO 105 CNBB
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
 
Ficha121
Ficha121Ficha121
Ficha121
 
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
 
A natureza e_a_tarefa_da_igreja
A natureza e_a_tarefa_da_igrejaA natureza e_a_tarefa_da_igreja
A natureza e_a_tarefa_da_igreja
 
Vi encontro agir
Vi encontro   agirVi encontro   agir
Vi encontro agir
 
CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?
CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?
CDL: O que é Conselho diocesano de Leigos?
 
Revista teológica
Revista teológicaRevista teológica
Revista teológica
 
ARQUIVO
ARQUIVOARQUIVO
ARQUIVO
 
Fundaçaõ institucional
Fundaçaõ institucionalFundaçaõ institucional
Fundaçaõ institucional
 
Formação da Instrução Básica - Congregação Mariana
Formação da Instrução Básica - Congregação MarianaFormação da Instrução Básica - Congregação Mariana
Formação da Instrução Básica - Congregação Mariana
 
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
Arquidiocese de São Paulo: Testemunha de Jesus Cristo na cidade - 11º Plano d...
 

Mais de Pastoral da Juventude

Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06
Pastoral da Juventude
 
Roteiro Grupo 03
Roteiro Grupo 03Roteiro Grupo 03
Roteiro Grupo 03
Pastoral da Juventude
 
Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04
Pastoral da Juventude
 
Roteiro Grupo 05
Roteiro Grupo 05Roteiro Grupo 05
Roteiro Grupo 05
Pastoral da Juventude
 
Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02
Pastoral da Juventude
 
Roteiro Grupo 01
Roteiro Grupo 01Roteiro Grupo 01
Roteiro Grupo 01
Pastoral da Juventude
 
Quem Sou Eu
Quem Sou EuQuem Sou Eu
Compromissos Da Pj 2009
Compromissos Da Pj   2009Compromissos Da Pj   2009
Compromissos Da Pj 2009
Pastoral da Juventude
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Pastoral da Juventude
 
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional AriquemesCalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
Pastoral da Juventude
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Pastoral da Juventude
 
Fraternidade E SegurançA PúBlica
Fraternidade E SegurançA PúBlicaFraternidade E SegurançA PúBlica
Fraternidade E SegurançA PúBlica
Pastoral da Juventude
 

Mais de Pastoral da Juventude (12)

Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06Roteiro Grupo 06
Roteiro Grupo 06
 
Roteiro Grupo 03
Roteiro Grupo 03Roteiro Grupo 03
Roteiro Grupo 03
 
Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04Roteiro Grupo 04
Roteiro Grupo 04
 
Roteiro Grupo 05
Roteiro Grupo 05Roteiro Grupo 05
Roteiro Grupo 05
 
Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02Roteiro Grupo 02
Roteiro Grupo 02
 
Roteiro Grupo 01
Roteiro Grupo 01Roteiro Grupo 01
Roteiro Grupo 01
 
Quem Sou Eu
Quem Sou EuQuem Sou Eu
Quem Sou Eu
 
Compromissos Da Pj 2009
Compromissos Da Pj   2009Compromissos Da Pj   2009
Compromissos Da Pj 2009
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional AriquemesCalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
CalendáRio Da Pj do Regional Ariquemes
 
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No BrasilUm Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
Um Pouco De HistóRia Das Ce Bs No Brasil
 
Fraternidade E SegurançA PúBlica
Fraternidade E SegurançA PúBlicaFraternidade E SegurançA PúBlica
Fraternidade E SegurançA PúBlica
 

Último

Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 

Último (16)

Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 

As Comunidades Eclesiais De Base Na Igreja Do Brasil

  • 1. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil Aprovado na 7ª Reunião Ordinária do Conselho Permanente   Brasília, DF, 23 a 26 de novembro de 1982
  • 2. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil INTRODUÇÃO 3. Fenômeno estritamente eclesial, as CEBs em nosso país nasceram no seio da Igreja/instituição e tornaram-se “ um novo modo de ser Igreja ”. Pode-se afirmar que é ao redor delas que se desenvolve, e se desenvolverá cada vez mais, no futuro, a ação pastoral e evangelizadora da Igreja.
  • 3. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 40. Células vivas da Igreja, as CEBs (...) têm colaborado poderosamente na renovação das paróquias e dos vários processos pastorais, no sentido de uma crescente comunhão e participação . (...) Na prática de sua vida elas têm encontrado surpreendentes caminhos de uma evangelização, catequese e liturgia encarnadas, muito ligadas à palavra de Deus. Em sua “fome e sede de justiça”, têm encontrado caminhos de uma prática ecumênica concreta. Desenvolvem, ainda, um fenômeno de intercomunicação participativa e da formação do senso crítico diante da massificação dos meios de comunicação. (...) São uma alternativa de educação para os que buscam uma sociedade nova, onde o individualismo, a competição e o lucro cedem lugar à justiça e à fraternidade.
  • 4. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 48. Não seria certo, porém, concluir-se daí que as CEBs só são possíveis entre as classes pobres. Pior ainda seria pensar-se em duas igrejas irredutíveis entre si: uma dos pobres, nas CEBs, e outra das classes médias ou ricas, na paróquia e outras organizações. 49. Seria desfigurar a própria natureza das CEBs, isolá-las dentro da Igreja ou dar-lhes como conteúdo primordial e constitutivo uma conotação sociológica. 57. Também aqui as CEBs refletem a consciência da Igreja em termos de missão evangelizadora . “A ação pela justiça e a participação na transformação do mundo aparecem-nos claramente como uma dimensão construtiva da pregação do Evangelho”.
  • 5. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 63. O novo que as CEBs trouxeram foi o fato de oferecerem, dentro da Igreja, um espaço para o próprio povo simples participar da evangelização da sociedade através da luta pela justiça . Nesse sentido, as CEBs têm se manifestado como lugar privilegiado de educação para a justiça e como instrumento de libertação .
  • 6. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 72. Para ser membro de uma CEB, não basta, portanto, a prática da justiça. É preciso mais, é preciso explicitar essa prática na pessoa e na obra de Cristo. Igualmente, não basta a uma CEB promover os valores do Reino. Para ser fiel à sua identidade, essa promoção tem de guardar uma relação constante e explícita à pessoa e missão de Jesus Cristo, Filho de Deus, e seu mistério pascal, através do qual se deu a instauração do Reino de Deus na humanidade.
  • 7. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 76. Sem destruir os laços fraternos criados e sem prejudicar os passos dados, é necessário manter clara a distinção entre CEBs e movimentos populares. Os movimentos populares são movimentos sociais entre as classes mais pobres e seus objetivos são a libertação e promoção sócio-política do povo. Eles não são movimentos de Igreja, não dependem dela em sua organização e atuação, tendo plena autonomia com relação à Igreja. As CEBs precisam tomar consciência disto para não ocupar um espaço que não é seu e imprimir um ritmo de vida eclesial a um movimento secular. Da mesma forma, as CEBs perderiam sua identidade se, para se acomodar aos movimentos populares, alterassem seu modo de vida e seus valores explícitos de fé.
  • 8. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 79. Isso não quer dizer, porém, que as CEBs sejam um novo movimento de leigos. A CEB não é um movimento, é nova forma de ser Igreja É a primeira célula do grande organismo eclesial ou, como diz Medellín, “a célula inicial de estruturação eclesial”. Como Igreja, a CEB guarda as características fundamentais que Cristo quis dar à comunidade eclesial. A CEB é uma maneira nova de realizar a mesma comunidade eclesial que é o Corpo de Cristo. Por isso mesmo, o ministério pastoral ou hierárquico faz parte da CEB. O Bispo ou o padre não são de fora, não são meros assessores ou acompanhantes. Sua presença, mesmo não contínua, tem um sentido especial e único, já que, como em qualquer comunidade eclesial, eles tornam presente o Cristo-cabeça.
  • 9. As Comunidades Eclesiais de Base na Igreja do Brasil 80. Para as CEBs, portanto, não basta que, como qualquer movimento cristão, estejam unidas a seus Bispos e padres. As CEBs são células do corpo eclesial e por isso, guardam laços de natureza mais íntima no relacionamento com os pastores que, em nome do Senhor, estão à frente das Igrejas . Isso não suprime a justa autonomia das CEBs no desenvolvimento de sua vida e missão própria, mas acarreta especiais exigências de comunhão e corresponsabilidade eclesial .