SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
Índios...
Por que chamamos de Índio?
Esse fato é muito curioso! Na época do descobrimento do Brasil,
os portugueses achavam que haviam chegado às Índias, lá no
continente asiático, por isso chamaram esses povos de índios.
.
• A cultura indígena esta presente no nosso dia a dia,
como: na fala, no alimento, entre outros. Está
inserido cultura urbana de forma direta e indireta. E
é importante que saibamos sobre seu modo de viver,
suas tradições, seus hábitos e crenças. È de suma
importância que nossos alunos tenham a
oportunidade de conhecer um pouco desta história,
mesmo com as mudanças ocorridas ao longo A
cultura indígena esta presente no nosso dia a dia,
como: na fala, no alimento, entre outros. Está
inserido cultura urbana de forma direta e indireta. E
é importante que saibamos sobre seu modo de viver,
suas tradições, seus hábitos e crenças.da História do
nosso Brasil, do nosso estado e do nosso município.
• Lendas indígenas
.Lenda do Boitatá
O nome boitatá vem da língua indígena e quer dizer cobra de fogo.
Durante o dia o Boitatá é cego, não enxerga nada, sua visão é perfeita à noite.
Diz a lenda que certa noite a lua não apareceu, nem as estrelas no céu, a escuridão
era total, um breu. Passado algum tempo, o dia não surgiu, pois, o sol também não
apareceu e ficou tudo na escuridão por vários dias.
As pessoas que moravam nos vilarejos estavam passando fome e frio. Não havia
como cortar lenha para os braseiros que mantinham as pessoas aquecidas, nem
como caçar naquela escuridão. Pra piorar tudo, começou a chover sem parar.
A chuva inundou tudo e muitos animais acabaram morrendo.
Uma cobra boiguaçu que dormia num imenso tronco acordou faminta e começou
a comer as únicas coisas que enxergava, os olhos de animais mortos que brilhavam
boiando nas águas.
Alguns dizem que eles brilhavam devido a luz do último dia em que os animais
viram o sol. De tanto olhos brilhantes que a cobra comeu, ela ficou toda brilhante
como fogo e transparente.
A cobra se transformou num monstro incandescente, o Boitatá. Dizem que o
Boitatá assusta as pessoas quando essas viajam na mata à noite. Mas muitos
acreditam que o Boitatá protege as matas contra incêndios. De qualquer forma se
você encontrar um Boitatá use óculos escuros ou feche os olhos e fique bem
parado quase sem respirar.
.
Lenda do Boto
O Boto é uma animal mamífero, parecido com um golfinho, que vive nas águas dos rios.
O Boto-cor-de-rosa rosa que deu origem à lenda do Boto vive nas águas da Bacia
Amazônica Brasileira e do bacia do rio Orinoco na Venezuela. Podem chegar a medir
quase três metros na idade adulta e apresentam podem apresentar coloração rosa,
acinzentada(tucuxi) e preta.
Diz a lenda que ao anoitecer o Boto se transforma em um belo rapaz, alto e forte que sai
das águas a procura de diversão,festas e uma namorada. Vai a várias festas, dança muito,
costuma beber bastante também. Antes do amanhecer ele tem que voltar para o rio, pois
senão transforma-se em boto novamente.
Algumas pessoas relatam que o boto se transforma em um rapaz elegante, bem vestido e
que sempre usa chapéu(para esconder um orifício que possui na cabeça).
Nas festas ele geralmente seduz alguma mulher bonita, casada ou não, a convida para
dançar e depois saem da festa para namorar.
Antes do amanhecer ele retorna ao rio, deixando a namorada que geralmente não torna a
vê-lo. Pouco tempo depois a moça descobre que ficou grávida do tal moço.
Na região Amazônica sempre que uma moça solteira engravida suspeita-se logo que se
trata de um filho do boto.
Dizem que o boto adora as índias e gosta muito de mulheres com roupas vermelhas.
• A Lenda do guaraná
• Um casal de índios pertencente a tribo Maués, vivia
junto por muitos anos sem ter filhos mas desejava
muito ser pais. Um dia eles pediram a Tupã para
dar a eles uma criança para completar aquela
felicidade. Tupã, o rei dos deuses, sabendo que o
casal era cheio de bondade, lhes atendeu o desejo
trazendo a eles um lindo menino.
• O tempo passou rapidamente e o menino cresceu
bonito, generoso e bom. No entanto, Jurupari, o
deus da escuridão, sentia uma extrema inveja do
menino e da paz e felicidade que ele transmitia, e
decidiu ceifar aquela vida em flor.
• Um dia, o menino foi coletar frutos na floresta
e Jurupari se aproveitou da ocasião para lançar sua
vingança. Ele se transformou em uma serpente
venenosa e mordeu o menino, matando-o
instantaneamente.
• A triste notícia se espalhou rapidamente. Neste
momento, trovões ecoaram e fortes relâmpagos
caíram pela aldeia. A mãe, que chorava em
desespero, entendeu que os trovões eram uma
mensagem de Tupã, dizendo que ela deveria
plantar os olhos da criança e que deles uma nova
planta cresceria dando saborosos frutos.
• Os índios obedeceram aos pedidos da mãe e
plantaram os olhos do menino. Neste lugar cresceu
o guaraná, cujas sementes são negras, cada uma
com um arilo em seu redor, imitando os olhos
humanos.
.
Lenda da Iara
Lenda de origem indígena,muito comum na região Amazônica.
Ela é uma sereia, metade mulher (da cintura pra cima) e metade peixe (da
cintura pra baixo).
Possui longos e lindos cabelos, alguns dizem que parece uma índia com
cabelos negros, outros dizem que possui cabelos loiros ou até ruivos.
Ela hipnotiza os homens com o seu canto e com o seu olhar. Ao ouvirem seu
canto lançam-se nas águas para irem ao seu encontro e na maioria das vezes
acabam morrendo afogados.
Ela sai da sua casa no fundo do mar, ou do lago ou do rio, geralmente no final
da tarde e surge linda e sedutora a procura de um companheiro.
É difícil um homem resistir ao seu canto hipnotizador ou à sua beleza.Por isso
meninos ao se depararem numa situação dessas tapem os ouvidos e procurem
não olhar para ela.
.
Lenda da Vitória-Régia
Numa bonita noite uma jovem índia se encantou com o brilho
da lua que refletia no lago.
De tão fascinada que ficou com aquela luz mágica, atirou-se
nas águas e desapareceu para sempre.
A lua se comoveu com a admiração da índia e a transformou
numa linda flor, a Vitória-régia, que flutua nas superfícies das
águas de alguns rios da Amazônia. Essa é uma flor
noturna, abre ao entardecer e se fecha com o raiar do sol.
.
.
.
O papel das lendas e mitos na
cultura indígena
• Os índios vivem em aldeias no meio da floresta e são
rodeados por muitos bichos. No seu cotidiano, realizam
tarefas como a caça, a pesca, a lavoura, além de participarem
de festas e rituais em homenagem aos seus deuses: a chuva, o
Sol, a Lua e outros seres inanimados da natureza. E por falar
em Sol e Lua, como você já sabe, o céu tem um papel muito
importante para os índios: é usado como referência para
planejarem as atividades do dia-a-dia. Por isso, desde
pequenos os índios já sabiam como funcionam os ciclos solar
e lunar e a posição de certas estrelas no céu. E não é a
geometria, a física nem a matemática que os ajuda a
identificar o movimento e a posição dos astros. São as lendas
e os mitos de cada tribo que ensinam aos índios tais
conhecimentos!
À noite, as crianças sentam ao redor de uma fogueira e ouvem as histórias
contadas pelos mais velhos. As lendas são divertidas e temperadas de muita
imaginação — índios que falam com animais, estrelas que caem na Terra,
guerreiros que vão para o céu. Numa delas a Lua e o Sol, que eram irmãos, se
apaixonaram e como castigo, nunca mais puderam se encontrar. Por isso, até
hoje quando a Lua sai o Sol se esconde. Se você reparar, nessa lenda há mais
do que uma simples explicação para o dia e para a noite. Ela ensina aos
pequenos índios como devem se comportar na tribo, em outras palavras,
ensina que é errado o namoro entre irmãos. Legal, não é mesmo?
.
Brincadeiras indígenas
.
MANGÁ, TOBDAÉ
Essa brincadeira é feita com peteca, mas o modo de brincar dos indígenas tem
certa semelhança com a nossa “queimada”, sendo jogada com quatro ou seis
petecas ao mesmo tempo e com dois jogadores por vez. Ao sinal do
coordenador, os dois jogadores arremessam as petecas na direção do outro
com a intenção de atingi-lo e, ao mesmo tempo, evitar ser atingido por ele.
Quem foi atingido pelas petecas, sai do jogo, cedendo o lugar para outro
participante. Ganha quem ficar mais tempo na brincadeira sem ser atingido.
.
• PEIXE PACU
• Um participante é escolhido para ser o pescador, enquanto os
demais deverão formar uma fila que deverá se mexer feito
uma serpente. O pescador corre ao longo da fila para tentar
tocar o último jogador com uma vara ou um pedaço de pau,
que representa a vara de pescar, evitando ser impedindo
pelos outros jogadores.
.O GAVIÃO E OS PASSARINHOS
O participante que propôs a brincadeira ganha o papel de gavião. O gavião
desenha na areia uma grande árvore, cheia de galhos. As demais crianças são os
passarinhos. Cada uma delas escolhe um galho e senta-se lá.
Depois de todos acomodados em seus galhos, o gavião sai à caça dos
passarinhos, que deverão sair de seus ninhos batendo os pés no chão e cantando
para provocar o bicho, que vai avançando lentamente. Já bem perto do grupo, o
predador dá um pulo em direção aos pássaros, que deverão fazer várias
manobras para distraí-lo. Quando um dos passarinhos for capturado, ele deverá
ficar em um refúgio escolhido pelo gavião. Ganha a brincadeira o último
participante capturado.
A CORRIDA DO SACI
Trace uma linha na terra ou na areia para definir o local de largada e outra, a
uns 100 metros de distância, para definir a meta a ser atingida. O participante
deverá correr em um só pé, sem poder trocar durante a corrida. Quem
conseguir ultrapassar a linha da meta ou chegar mais longe é o vencedor.
O índio e as cores
.• Pintura Corporal Indígena
• Uma das características que mais marcam a cultura indígena, é a pintura corporal
que pode ser vista como tão necessária e importante esteticamente como a
roupa usada pelo “homem branco”. A pintura corporal para os indios tem
sentidos diversos, não somente na vaidade, ou na busca pela estética perfeita,
mas pelos valores que são considerados e transmitidos através desta arte. Feita
de jenipapo, carvão ou urucum, tem como objetivo diferir os povos, determinar a
função de cada um dentro da aldeia e até mostrar o estado civil. Algumas índias
utilizam esse método, por exemplo, para “dizer” que estão interessadas em
encontrar um parceiro.O processo de preparação da tinta consiste em ralar a
fruta com semente e depois misturá-la com outros pigmentos, como o carvão,
para diversificar as cores.Nos dias comuns a pintura pode ser bastante simples,
porém nas festas, nos combates, mostra-se requintada, cobrindo também a
testa, as faces e o nariz. A pintura corporal é função feminina, a mulher pinta os
corpos dos filhos e do marido. Cada etnia tem sua própria marca e se alguma
outra utilizar a mesma, uma luta entre as aldeias pode ocorrer.A etnia Tenharim,
do Amazonas, faz desenhos de bolas em todo o corpo para se caracterizar.
Homens usam desenhos maiores para se diferenciarem das mulheres e imporem
uma posição de liderança. Já na aldeia Tapirapé, do Mato Grosso, homens podem
usar as mesmas figuras das mulheres, mas as mulheres não podem usar as dos
homens. Esta é uma arte muito especial porque não está associada a nenhum fim
utilitário, mas apenas a pura busca da beleza.
Indígenas retiram da natureza amazônica a matéria-
prima para produzirem artesanato. Pelas mãos das
comunidades, cipós, sementes e folhas transformam-se
em cestos, colares, pulseiras, esculturas e redes. A
partir da mistura química da floresta, os objetos
também ganham cores.
Urucum: o pigmento que vale
ouro• No começo, ele era apenas um pigmento utilizado pelos índios para
enfeitar o corpo. Hoje, é muito mais que isso. Com a proibição de corantes
artificiais, sobretudo na Europa, ourucum se torna um componente
importante para o agronegócio, tanto para o mercado interno, quanto
para o externo.
O corante do urucum está basicamente concentrado em sua semente, que
possuí uma substância chamada bixina. É ela que dá cor aos tecidos e aos
alimentos, tanto produzidos pelas indústrias (têxteis, frigoríficas,
alimentícias e farmacêuticas), como para colorir os alimentos – o usual
colorífico.
Pigmentos
• Depende da localidade de cada tribo, pois em cada região eles
tiram pigmentos de plantas nativas,para pintura corporal o
mais comum é Urucum (colorau) para o vermelho, Carvão
vegetal para o Preto, Terra ou argila para o amarelo, extrato
de folhas para o verde, frutas (tipo amora) para o azul e
polvilho de mandioca para o branco, o resto das misturas são
resultado da misturas dessas cores obtidas, eles também
misturam óleo retirado da carnaúba aos pigmentos como
emulsão ou diluentes.
.•Herança indígena
Alimentos...
• Mandioca
• Milho
• Pamonha
• Canjica
• Tapioca
• Guaraná
• Palmito
• Biju
Objetos...
• Armadilhas de caça e pesca
• Redes
• Jangadas
• Canoa
Vocabulário...
• Pernambuco
• Paraná
• Carioca
• Curitiba
• Piauí
• Caju
• Jacaré
• Abacaxi
• Tatu...
Brincadeiras
indígenas
Técnicas...
• Trabalho em cerâmica
• Preparo da farinha
• Parto de cócoras
Hábitos...
• Uso do tabaco.
• Banho diário.
• Andar uns atrás dos outros.
• Dormir em redes.
• Andar enfeitado, pintado.
• Usar roupa colorida.
• Utilizar objetos feitos de barro.
• Comer paçoca, pamonha,mucunzá...
.
•ANEXOS
Plantas medicinais
• Podemos chamar de plantas medicinais aquelas que possuem
características que ajudam no tratamento de doenças ou que
melhorem as condições de saúde das pessoas.
• Descoberta
• Foram os índios que descobriram a capacidade medicinal
destas plantas. Os europeus, quando chegaram ao Brasil,
aprenderam muito com os indígenas. Os pajés das tribos
indígenas são os grandes conhecedores das ervas e plantas
medicinais. A medicina chinesa também utiliza muito estas
plantas no tratamento de doenças.
Exemplos de plantas medicinais: camomila, camellia sinensis
(chá verde), boldo-do-chile, alecrim, alho, arnica, arruda,
cânfora, capim-limão, carqueja, cominho, erva-cidreira, funcho,
gengibre, ginseng, hortelã, jaborandi, jojoga, losna, louro, malva,
salsa, sálvia, stevia e urucum.
Agricultura indígena
• Como agricultores, os índios empenham esforços no preparo e plantio da terra, no
cultivo e na colheita.
A derrubada e a queimada da mata são processos habituais para a limpeza das
áreas destinadas ao cultivo da lavoura. Da limpeza só os homens tomam parte.
Antes do contato com os civilizados, as árvores mais grossas eram derrubadas com
fogueiras, perfurando-se o solo à sua volta com a ajuda de paus pontudos ou
bastões de cavar. Hoje, já são utilizados instrumentos de ferro, tais como machados,
facões e enxadas.
Após a derrubada, os índios atiram fogo aos troncos e aos garranchos que estão
próximos. Sobre as cinzas e entre os troncos derrubados se inicia o plantio.
Algumas tribos têm roças razoavelmente grandes e outras, plantações bem
pequenas. Plantam favas, arroz, feijão, diferentes espécies de milho... Cultivam
também a banana-da-terra (banana de fritar), a abóbora e a melancia.
Mas a base da alimentação indígena é mesmo a mandioca, predominando o cultivo
da mandioca-brava, assim chamada porque essa espécie possui um veneno mortal.
Para retirá-lo, há dois processos: ou deixam a mandioca, depois de descascada,
dentro da água até apodrecer, para depois socá-la; ou, depois de lavada, colocam-
na na esteira de buriti, onde será ralada e espremida para que seja eliminado o sumo
venenoso. Após a secagem, a mandioca se transformará em farinha, pão, beiju e
mingau.
Tradução de algumas palavras
indígenas:
.
.
.
.
.
.
Você, que está acostumado a pensar que os índios vivem na
floresta, já os imaginou morando no meio do sertão? Ou na beira
da praia? Pois saiba que isso é comum, especialmente na região
Nordeste! Apesar disso, a maioria dos 740 mil indígenas
encontrados hoje no Brasil habita regiões de floresta, em terras
destinadas pelo governo a eles. Muitas dessas terras ficam no
estado do Amazonas, mas também existem grupos indígenas nos
outros estados da região Norte e na região Centro-Oeste, além
do Nordeste e do Sudeste.
.
.
Os índios atuais absorveram diversas práticas que não
pertencem à sua cultura. Muitas crianças indígenas
frequentam escolas, mantidas nas aldeias pela Fundação
Nacional do Índio, e aprendem o português. Mas isso não
quer dizer que os indígenas tenham abandonado suas
tradições, como os rituais religiosos e as danças.
“A troca cultural não destrói necessariamente uma
cultura”, explica João Pacheco. “É natural que a primeira
reação do ser humano ao ver as tradições de outro povo
seja a curiosidade e não a hostilidade. Os indígenas têm a
possibilidade de praticar as duas culturas, sem se
tornarem menos índios por causa disso.”
Nessas terras, os índios vivem em aldeias, em que geralmente
eles mesmos produzem seu próprio alimento. As famílias se
ajudam e as crianças são criadas livremente. Até aí, nada
diferente dos indígenas que viviam por aqui há 500 anos. Mas
saiba que, nesse tempo, muita coisa mudou. “Os índios não
poderiam ter vivido em contato com o homem branco por cinco
séculos e continuarem exatamente da mesma forma”, explica o
antropólogo João Pacheco de Oliveira, do Museu Nacional da
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quer um exemplo? “É
muito difícil encontrar hoje índios sem roupa em uma aldeia”,
conta.
.
•Índios...
.
•Todo dia era
dia de índio
.
•Cultura Indígena
• Trabalho realizado pelos alunos do 4°
ano da EMEF Madalena – 2013
• Professora responsável: Rosa Maria de
Oliveira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Todos contra a dengue - Texto e atividade
Todos contra a dengue  -  Texto e atividadeTodos contra a dengue  -  Texto e atividade
Todos contra a dengue - Texto e atividadeMary Alvarenga
 
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Adriana Mello
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingMary Alvarenga
 
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdfIII Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdfAndré Moraes
 
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
 Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências
Alimentação saudável - Texto e atividade de CiênciasMary Alvarenga
 
Culinária afro brasileira
Culinária afro brasileiraCulinária afro brasileira
Culinária afro brasileirapratesclaudio
 
Atividade -hist-geo_-17-11_(1)
Atividade  -hist-geo_-17-11_(1)Atividade  -hist-geo_-17-11_(1)
Atividade -hist-geo_-17-11_(1)Washington Rocha
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)smece4e5
 
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdfAtividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdfAndré Moraes
 
Folclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileirasFolclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileirasBaestevam
 

Mais procurados (20)

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º CICLO - 4º BIMEST...
 
Avaliação de recup. historia 4º ano
Avaliação de recup. historia 4º anoAvaliação de recup. historia 4º ano
Avaliação de recup. historia 4º ano
 
Todos contra a dengue - Texto e atividade
Todos contra a dengue  -  Texto e atividadeTodos contra a dengue  -  Texto e atividade
Todos contra a dengue - Texto e atividade
 
Geografia 3º ano
Geografia 3º anoGeografia 3º ano
Geografia 3º ano
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
 
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Avaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º anoAvaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º ano
 
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdfIII Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
 
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
 Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Localização pontos cardeais
Localização pontos cardeaisLocalização pontos cardeais
Localização pontos cardeais
 
Culinária afro brasileira
Culinária afro brasileiraCulinária afro brasileira
Culinária afro brasileira
 
Atividade -hist-geo_-17-11_(1)
Atividade  -hist-geo_-17-11_(1)Atividade  -hist-geo_-17-11_(1)
Atividade -hist-geo_-17-11_(1)
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA - 5º ANO - PROCESSO DE REAVALIAÇAO 2017
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA - 5º ANO - PROCESSO DE REAVALIAÇAO  2017AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA - 5º ANO - PROCESSO DE REAVALIAÇAO  2017
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA - 5º ANO - PROCESSO DE REAVALIAÇAO 2017
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdfAtividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
Atividade avaliatíva de geo e hist 3º ano pdf
 
Folclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileirasFolclore das regiões brasileiras
Folclore das regiões brasileiras
 

Destaque

Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesHábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesKau Dubiella
 
A importância da escrita
A importância da escritaA importância da escrita
A importância da escritaEmef Madalena
 
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalBaixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalAugusto Bertotto
 

Destaque (6)

Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesHábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
 
A importância da escrita
A importância da escritaA importância da escrita
A importância da escrita
 
Plano de Aula Tarsila do Amaral
Plano de Aula Tarsila  do AmaralPlano de Aula Tarsila  do Amaral
Plano de Aula Tarsila do Amaral
 
Índios no Brasil
Índios no BrasilÍndios no Brasil
Índios no Brasil
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalBaixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
 

Semelhante a Índios- Cultura indígena

Semelhante a Índios- Cultura indígena (20)

Ttttttttttttttttttttttt
TttttttttttttttttttttttTtttttttttttttttttttttt
Ttttttttttttttttttttttt
 
EBOK_folclore.pdf
EBOK_folclore.pdfEBOK_folclore.pdf
EBOK_folclore.pdf
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 6317302200 Espiritismo Infantil Historia 63
17302200 Espiritismo Infantil Historia 63
 
Lendas 4ª série B e 4ª série C
Lendas 4ª série B e 4ª série CLendas 4ª série B e 4ª série C
Lendas 4ª série B e 4ª série C
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 
Folcore
FolcoreFolcore
Folcore
 
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
Folclore e sua cultura
Folclore e sua culturaFolclore e sua cultura
Folclore e sua cultura
 
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
 
Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013Lendas 9o. ano E - 2013
Lendas 9o. ano E - 2013
 
Interpretação Textual (Sexto Ano)
Interpretação Textual (Sexto Ano)Interpretação Textual (Sexto Ano)
Interpretação Textual (Sexto Ano)
 
Lendas.ppt
Lendas.pptLendas.ppt
Lendas.ppt
 
Coletânea HADITHI NJOO 11
Coletânea HADITHI NJOO 11Coletânea HADITHI NJOO 11
Coletânea HADITHI NJOO 11
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
Lendas 9o. a
Lendas 9o. aLendas 9o. a
Lendas 9o. a
 
Histórias infantis
Histórias infantisHistórias infantis
Histórias infantis
 
trabalho prático
trabalho práticotrabalho prático
trabalho prático
 

Mais de Emef Madalena

O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.
O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.
O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.Emef Madalena
 
Centenário emef madalena
Centenário emef madalenaCentenário emef madalena
Centenário emef madalenaEmef Madalena
 
Centenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaCentenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaEmef Madalena
 
Centenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaCentenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaEmef Madalena
 
Centenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaCentenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaEmef Madalena
 
Preparando o centenário da EMEF Madalena
Preparando o centenário da EMEF MadalenaPreparando o centenário da EMEF Madalena
Preparando o centenário da EMEF MadalenaEmef Madalena
 
Dia da família na escola
Dia da família na escolaDia da família na escola
Dia da família na escolaEmef Madalena
 
O carteiro chegou. 2 pptx
O carteiro chegou. 2 pptxO carteiro chegou. 2 pptx
O carteiro chegou. 2 pptxEmef Madalena
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoEmef Madalena
 
Etapa final da olimpíada de língua portuguesa
Etapa final da olimpíada de língua portuguesaEtapa final da olimpíada de língua portuguesa
Etapa final da olimpíada de língua portuguesaEmef Madalena
 
I feira de ciências séries iniciais
I feira de ciências séries iniciaisI feira de ciências séries iniciais
I feira de ciências séries iniciaisEmef Madalena
 

Mais de Emef Madalena (20)

O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.
O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.
O 2º ano da EMEF Madalena Visitando a casa da colega Ana Cristina.
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Mateada
MateadaMateada
Mateada
 
Dia 26 de julho
Dia 26 de julhoDia 26 de julho
Dia 26 de julho
 
É Páscoa!
É Páscoa!É Páscoa!
É Páscoa!
 
É Páscoa
É PáscoaÉ Páscoa
É Páscoa
 
Centenário emef madalena
Centenário emef madalenaCentenário emef madalena
Centenário emef madalena
 
Centenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaCentenário EMEF Madalena
Centenário EMEF Madalena
 
Centenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaCentenário EMEF Madalena
Centenário EMEF Madalena
 
Centenário EMEF Madalena
Centenário EMEF MadalenaCentenário EMEF Madalena
Centenário EMEF Madalena
 
Preparando o centenário da EMEF Madalena
Preparando o centenário da EMEF MadalenaPreparando o centenário da EMEF Madalena
Preparando o centenário da EMEF Madalena
 
Colcha rfe retalhos
Colcha rfe retalhosColcha rfe retalhos
Colcha rfe retalhos
 
Muda mundo
Muda mundoMuda mundo
Muda mundo
 
Frutas......
Frutas......Frutas......
Frutas......
 
Dia da família na escola
Dia da família na escolaDia da família na escola
Dia da família na escola
 
A escola é nossa
A escola é nossaA escola é nossa
A escola é nossa
 
O carteiro chegou. 2 pptx
O carteiro chegou. 2 pptxO carteiro chegou. 2 pptx
O carteiro chegou. 2 pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Etapa final da olimpíada de língua portuguesa
Etapa final da olimpíada de língua portuguesaEtapa final da olimpíada de língua portuguesa
Etapa final da olimpíada de língua portuguesa
 
I feira de ciências séries iniciais
I feira de ciências séries iniciaisI feira de ciências séries iniciais
I feira de ciências séries iniciais
 

Índios- Cultura indígena

  • 2. Por que chamamos de Índio? Esse fato é muito curioso! Na época do descobrimento do Brasil, os portugueses achavam que haviam chegado às Índias, lá no continente asiático, por isso chamaram esses povos de índios.
  • 3. . • A cultura indígena esta presente no nosso dia a dia, como: na fala, no alimento, entre outros. Está inserido cultura urbana de forma direta e indireta. E é importante que saibamos sobre seu modo de viver, suas tradições, seus hábitos e crenças. È de suma importância que nossos alunos tenham a oportunidade de conhecer um pouco desta história, mesmo com as mudanças ocorridas ao longo A cultura indígena esta presente no nosso dia a dia, como: na fala, no alimento, entre outros. Está inserido cultura urbana de forma direta e indireta. E é importante que saibamos sobre seu modo de viver, suas tradições, seus hábitos e crenças.da História do nosso Brasil, do nosso estado e do nosso município.
  • 4.
  • 6. .Lenda do Boitatá O nome boitatá vem da língua indígena e quer dizer cobra de fogo. Durante o dia o Boitatá é cego, não enxerga nada, sua visão é perfeita à noite. Diz a lenda que certa noite a lua não apareceu, nem as estrelas no céu, a escuridão era total, um breu. Passado algum tempo, o dia não surgiu, pois, o sol também não apareceu e ficou tudo na escuridão por vários dias. As pessoas que moravam nos vilarejos estavam passando fome e frio. Não havia como cortar lenha para os braseiros que mantinham as pessoas aquecidas, nem como caçar naquela escuridão. Pra piorar tudo, começou a chover sem parar. A chuva inundou tudo e muitos animais acabaram morrendo. Uma cobra boiguaçu que dormia num imenso tronco acordou faminta e começou a comer as únicas coisas que enxergava, os olhos de animais mortos que brilhavam boiando nas águas. Alguns dizem que eles brilhavam devido a luz do último dia em que os animais viram o sol. De tanto olhos brilhantes que a cobra comeu, ela ficou toda brilhante como fogo e transparente. A cobra se transformou num monstro incandescente, o Boitatá. Dizem que o Boitatá assusta as pessoas quando essas viajam na mata à noite. Mas muitos acreditam que o Boitatá protege as matas contra incêndios. De qualquer forma se você encontrar um Boitatá use óculos escuros ou feche os olhos e fique bem parado quase sem respirar.
  • 7. .
  • 8. Lenda do Boto O Boto é uma animal mamífero, parecido com um golfinho, que vive nas águas dos rios. O Boto-cor-de-rosa rosa que deu origem à lenda do Boto vive nas águas da Bacia Amazônica Brasileira e do bacia do rio Orinoco na Venezuela. Podem chegar a medir quase três metros na idade adulta e apresentam podem apresentar coloração rosa, acinzentada(tucuxi) e preta. Diz a lenda que ao anoitecer o Boto se transforma em um belo rapaz, alto e forte que sai das águas a procura de diversão,festas e uma namorada. Vai a várias festas, dança muito, costuma beber bastante também. Antes do amanhecer ele tem que voltar para o rio, pois senão transforma-se em boto novamente. Algumas pessoas relatam que o boto se transforma em um rapaz elegante, bem vestido e que sempre usa chapéu(para esconder um orifício que possui na cabeça). Nas festas ele geralmente seduz alguma mulher bonita, casada ou não, a convida para dançar e depois saem da festa para namorar. Antes do amanhecer ele retorna ao rio, deixando a namorada que geralmente não torna a vê-lo. Pouco tempo depois a moça descobre que ficou grávida do tal moço. Na região Amazônica sempre que uma moça solteira engravida suspeita-se logo que se trata de um filho do boto. Dizem que o boto adora as índias e gosta muito de mulheres com roupas vermelhas.
  • 9.
  • 10. • A Lenda do guaraná • Um casal de índios pertencente a tribo Maués, vivia junto por muitos anos sem ter filhos mas desejava muito ser pais. Um dia eles pediram a Tupã para dar a eles uma criança para completar aquela felicidade. Tupã, o rei dos deuses, sabendo que o casal era cheio de bondade, lhes atendeu o desejo trazendo a eles um lindo menino. • O tempo passou rapidamente e o menino cresceu bonito, generoso e bom. No entanto, Jurupari, o deus da escuridão, sentia uma extrema inveja do menino e da paz e felicidade que ele transmitia, e decidiu ceifar aquela vida em flor. • Um dia, o menino foi coletar frutos na floresta e Jurupari se aproveitou da ocasião para lançar sua vingança. Ele se transformou em uma serpente venenosa e mordeu o menino, matando-o instantaneamente. • A triste notícia se espalhou rapidamente. Neste momento, trovões ecoaram e fortes relâmpagos caíram pela aldeia. A mãe, que chorava em desespero, entendeu que os trovões eram uma mensagem de Tupã, dizendo que ela deveria plantar os olhos da criança e que deles uma nova planta cresceria dando saborosos frutos. • Os índios obedeceram aos pedidos da mãe e plantaram os olhos do menino. Neste lugar cresceu o guaraná, cujas sementes são negras, cada uma com um arilo em seu redor, imitando os olhos humanos.
  • 11. . Lenda da Iara Lenda de origem indígena,muito comum na região Amazônica. Ela é uma sereia, metade mulher (da cintura pra cima) e metade peixe (da cintura pra baixo). Possui longos e lindos cabelos, alguns dizem que parece uma índia com cabelos negros, outros dizem que possui cabelos loiros ou até ruivos. Ela hipnotiza os homens com o seu canto e com o seu olhar. Ao ouvirem seu canto lançam-se nas águas para irem ao seu encontro e na maioria das vezes acabam morrendo afogados. Ela sai da sua casa no fundo do mar, ou do lago ou do rio, geralmente no final da tarde e surge linda e sedutora a procura de um companheiro. É difícil um homem resistir ao seu canto hipnotizador ou à sua beleza.Por isso meninos ao se depararem numa situação dessas tapem os ouvidos e procurem não olhar para ela.
  • 12. . Lenda da Vitória-Régia Numa bonita noite uma jovem índia se encantou com o brilho da lua que refletia no lago. De tão fascinada que ficou com aquela luz mágica, atirou-se nas águas e desapareceu para sempre. A lua se comoveu com a admiração da índia e a transformou numa linda flor, a Vitória-régia, que flutua nas superfícies das águas de alguns rios da Amazônia. Essa é uma flor noturna, abre ao entardecer e se fecha com o raiar do sol.
  • 13. .
  • 14. .
  • 15. .
  • 16. O papel das lendas e mitos na cultura indígena • Os índios vivem em aldeias no meio da floresta e são rodeados por muitos bichos. No seu cotidiano, realizam tarefas como a caça, a pesca, a lavoura, além de participarem de festas e rituais em homenagem aos seus deuses: a chuva, o Sol, a Lua e outros seres inanimados da natureza. E por falar em Sol e Lua, como você já sabe, o céu tem um papel muito importante para os índios: é usado como referência para planejarem as atividades do dia-a-dia. Por isso, desde pequenos os índios já sabiam como funcionam os ciclos solar e lunar e a posição de certas estrelas no céu. E não é a geometria, a física nem a matemática que os ajuda a identificar o movimento e a posição dos astros. São as lendas e os mitos de cada tribo que ensinam aos índios tais conhecimentos!
  • 17. À noite, as crianças sentam ao redor de uma fogueira e ouvem as histórias contadas pelos mais velhos. As lendas são divertidas e temperadas de muita imaginação — índios que falam com animais, estrelas que caem na Terra, guerreiros que vão para o céu. Numa delas a Lua e o Sol, que eram irmãos, se apaixonaram e como castigo, nunca mais puderam se encontrar. Por isso, até hoje quando a Lua sai o Sol se esconde. Se você reparar, nessa lenda há mais do que uma simples explicação para o dia e para a noite. Ela ensina aos pequenos índios como devem se comportar na tribo, em outras palavras, ensina que é errado o namoro entre irmãos. Legal, não é mesmo?
  • 18. .
  • 20. . MANGÁ, TOBDAÉ Essa brincadeira é feita com peteca, mas o modo de brincar dos indígenas tem certa semelhança com a nossa “queimada”, sendo jogada com quatro ou seis petecas ao mesmo tempo e com dois jogadores por vez. Ao sinal do coordenador, os dois jogadores arremessam as petecas na direção do outro com a intenção de atingi-lo e, ao mesmo tempo, evitar ser atingido por ele. Quem foi atingido pelas petecas, sai do jogo, cedendo o lugar para outro participante. Ganha quem ficar mais tempo na brincadeira sem ser atingido.
  • 21. . • PEIXE PACU • Um participante é escolhido para ser o pescador, enquanto os demais deverão formar uma fila que deverá se mexer feito uma serpente. O pescador corre ao longo da fila para tentar tocar o último jogador com uma vara ou um pedaço de pau, que representa a vara de pescar, evitando ser impedindo pelos outros jogadores.
  • 22. .O GAVIÃO E OS PASSARINHOS O participante que propôs a brincadeira ganha o papel de gavião. O gavião desenha na areia uma grande árvore, cheia de galhos. As demais crianças são os passarinhos. Cada uma delas escolhe um galho e senta-se lá. Depois de todos acomodados em seus galhos, o gavião sai à caça dos passarinhos, que deverão sair de seus ninhos batendo os pés no chão e cantando para provocar o bicho, que vai avançando lentamente. Já bem perto do grupo, o predador dá um pulo em direção aos pássaros, que deverão fazer várias manobras para distraí-lo. Quando um dos passarinhos for capturado, ele deverá ficar em um refúgio escolhido pelo gavião. Ganha a brincadeira o último participante capturado.
  • 23. A CORRIDA DO SACI Trace uma linha na terra ou na areia para definir o local de largada e outra, a uns 100 metros de distância, para definir a meta a ser atingida. O participante deverá correr em um só pé, sem poder trocar durante a corrida. Quem conseguir ultrapassar a linha da meta ou chegar mais longe é o vencedor.
  • 24. O índio e as cores
  • 25. .• Pintura Corporal Indígena • Uma das características que mais marcam a cultura indígena, é a pintura corporal que pode ser vista como tão necessária e importante esteticamente como a roupa usada pelo “homem branco”. A pintura corporal para os indios tem sentidos diversos, não somente na vaidade, ou na busca pela estética perfeita, mas pelos valores que são considerados e transmitidos através desta arte. Feita de jenipapo, carvão ou urucum, tem como objetivo diferir os povos, determinar a função de cada um dentro da aldeia e até mostrar o estado civil. Algumas índias utilizam esse método, por exemplo, para “dizer” que estão interessadas em encontrar um parceiro.O processo de preparação da tinta consiste em ralar a fruta com semente e depois misturá-la com outros pigmentos, como o carvão, para diversificar as cores.Nos dias comuns a pintura pode ser bastante simples, porém nas festas, nos combates, mostra-se requintada, cobrindo também a testa, as faces e o nariz. A pintura corporal é função feminina, a mulher pinta os corpos dos filhos e do marido. Cada etnia tem sua própria marca e se alguma outra utilizar a mesma, uma luta entre as aldeias pode ocorrer.A etnia Tenharim, do Amazonas, faz desenhos de bolas em todo o corpo para se caracterizar. Homens usam desenhos maiores para se diferenciarem das mulheres e imporem uma posição de liderança. Já na aldeia Tapirapé, do Mato Grosso, homens podem usar as mesmas figuras das mulheres, mas as mulheres não podem usar as dos homens. Esta é uma arte muito especial porque não está associada a nenhum fim utilitário, mas apenas a pura busca da beleza.
  • 26. Indígenas retiram da natureza amazônica a matéria- prima para produzirem artesanato. Pelas mãos das comunidades, cipós, sementes e folhas transformam-se em cestos, colares, pulseiras, esculturas e redes. A partir da mistura química da floresta, os objetos também ganham cores.
  • 27. Urucum: o pigmento que vale ouro• No começo, ele era apenas um pigmento utilizado pelos índios para enfeitar o corpo. Hoje, é muito mais que isso. Com a proibição de corantes artificiais, sobretudo na Europa, ourucum se torna um componente importante para o agronegócio, tanto para o mercado interno, quanto para o externo. O corante do urucum está basicamente concentrado em sua semente, que possuí uma substância chamada bixina. É ela que dá cor aos tecidos e aos alimentos, tanto produzidos pelas indústrias (têxteis, frigoríficas, alimentícias e farmacêuticas), como para colorir os alimentos – o usual colorífico.
  • 28. Pigmentos • Depende da localidade de cada tribo, pois em cada região eles tiram pigmentos de plantas nativas,para pintura corporal o mais comum é Urucum (colorau) para o vermelho, Carvão vegetal para o Preto, Terra ou argila para o amarelo, extrato de folhas para o verde, frutas (tipo amora) para o azul e polvilho de mandioca para o branco, o resto das misturas são resultado da misturas dessas cores obtidas, eles também misturam óleo retirado da carnaúba aos pigmentos como emulsão ou diluentes.
  • 30. Alimentos... • Mandioca • Milho • Pamonha • Canjica • Tapioca • Guaraná • Palmito • Biju
  • 31. Objetos... • Armadilhas de caça e pesca • Redes • Jangadas • Canoa
  • 32. Vocabulário... • Pernambuco • Paraná • Carioca • Curitiba • Piauí • Caju • Jacaré • Abacaxi • Tatu...
  • 34. Técnicas... • Trabalho em cerâmica • Preparo da farinha • Parto de cócoras
  • 35. Hábitos... • Uso do tabaco. • Banho diário. • Andar uns atrás dos outros. • Dormir em redes. • Andar enfeitado, pintado. • Usar roupa colorida. • Utilizar objetos feitos de barro. • Comer paçoca, pamonha,mucunzá...
  • 37. Plantas medicinais • Podemos chamar de plantas medicinais aquelas que possuem características que ajudam no tratamento de doenças ou que melhorem as condições de saúde das pessoas. • Descoberta • Foram os índios que descobriram a capacidade medicinal destas plantas. Os europeus, quando chegaram ao Brasil, aprenderam muito com os indígenas. Os pajés das tribos indígenas são os grandes conhecedores das ervas e plantas medicinais. A medicina chinesa também utiliza muito estas plantas no tratamento de doenças.
  • 38. Exemplos de plantas medicinais: camomila, camellia sinensis (chá verde), boldo-do-chile, alecrim, alho, arnica, arruda, cânfora, capim-limão, carqueja, cominho, erva-cidreira, funcho, gengibre, ginseng, hortelã, jaborandi, jojoga, losna, louro, malva, salsa, sálvia, stevia e urucum.
  • 39. Agricultura indígena • Como agricultores, os índios empenham esforços no preparo e plantio da terra, no cultivo e na colheita. A derrubada e a queimada da mata são processos habituais para a limpeza das áreas destinadas ao cultivo da lavoura. Da limpeza só os homens tomam parte. Antes do contato com os civilizados, as árvores mais grossas eram derrubadas com fogueiras, perfurando-se o solo à sua volta com a ajuda de paus pontudos ou bastões de cavar. Hoje, já são utilizados instrumentos de ferro, tais como machados, facões e enxadas. Após a derrubada, os índios atiram fogo aos troncos e aos garranchos que estão próximos. Sobre as cinzas e entre os troncos derrubados se inicia o plantio. Algumas tribos têm roças razoavelmente grandes e outras, plantações bem pequenas. Plantam favas, arroz, feijão, diferentes espécies de milho... Cultivam também a banana-da-terra (banana de fritar), a abóbora e a melancia. Mas a base da alimentação indígena é mesmo a mandioca, predominando o cultivo da mandioca-brava, assim chamada porque essa espécie possui um veneno mortal. Para retirá-lo, há dois processos: ou deixam a mandioca, depois de descascada, dentro da água até apodrecer, para depois socá-la; ou, depois de lavada, colocam- na na esteira de buriti, onde será ralada e espremida para que seja eliminado o sumo venenoso. Após a secagem, a mandioca se transformará em farinha, pão, beiju e mingau.
  • 40. Tradução de algumas palavras indígenas:
  • 41.
  • 42. .
  • 43. .
  • 44. .
  • 45. .
  • 46. .
  • 47. .
  • 48. Você, que está acostumado a pensar que os índios vivem na floresta, já os imaginou morando no meio do sertão? Ou na beira da praia? Pois saiba que isso é comum, especialmente na região Nordeste! Apesar disso, a maioria dos 740 mil indígenas encontrados hoje no Brasil habita regiões de floresta, em terras destinadas pelo governo a eles. Muitas dessas terras ficam no estado do Amazonas, mas também existem grupos indígenas nos outros estados da região Norte e na região Centro-Oeste, além do Nordeste e do Sudeste.
  • 49. . . Os índios atuais absorveram diversas práticas que não pertencem à sua cultura. Muitas crianças indígenas frequentam escolas, mantidas nas aldeias pela Fundação Nacional do Índio, e aprendem o português. Mas isso não quer dizer que os indígenas tenham abandonado suas tradições, como os rituais religiosos e as danças. “A troca cultural não destrói necessariamente uma cultura”, explica João Pacheco. “É natural que a primeira reação do ser humano ao ver as tradições de outro povo seja a curiosidade e não a hostilidade. Os indígenas têm a possibilidade de praticar as duas culturas, sem se tornarem menos índios por causa disso.”
  • 50. Nessas terras, os índios vivem em aldeias, em que geralmente eles mesmos produzem seu próprio alimento. As famílias se ajudam e as crianças são criadas livremente. Até aí, nada diferente dos indígenas que viviam por aqui há 500 anos. Mas saiba que, nesse tempo, muita coisa mudou. “Os índios não poderiam ter vivido em contato com o homem branco por cinco séculos e continuarem exatamente da mesma forma”, explica o antropólogo João Pacheco de Oliveira, do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quer um exemplo? “É muito difícil encontrar hoje índios sem roupa em uma aldeia”, conta.
  • 53. . •Cultura Indígena • Trabalho realizado pelos alunos do 4° ano da EMEF Madalena – 2013 • Professora responsável: Rosa Maria de Oliveira