SlideShare uma empresa Scribd logo
Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono
Poeta, dramaturgo e
romancista, Ariano Vilar Suassuna
nasceu na cidade da Paraíba (hoje
João Pessoa), capital do Estado da
Paraíba, a 16 de junho de 1927. Seu
pai, João Suassuna, exercia, à
época, mandato de “Presidente”, o que
correspondia ao atual cargo de
Governador. Terminado
      seu mandato, João Suassuna deixa
              o litoral e volta ao sertão,
              sua terra de origem,
              fixando-se na fazenda
            “Acauhan”, no município de
            Sousa.
Em 9 de outubro de 1930, quando
Ariano contava apenas três anos de
idade, João Suassuna, então
Deputado Federal, é assassinado no
Rio de Janeiro, vítima das divisões e
lutas políticas ligadas à Revolução
de 30. É no Sertão da Paraíba que
Ariano passa boa parte da infância,
primeiro na “Acauhan”, depois no
  município de Taperoá. Em 1942, a
           família Suassuna fixa-se
            em Recife, capital de
            Pernambuco.
É em Recife que Ariano inicia a sua
                                                  Noturno
vida literária, com a publicação do     [...]
poema Noturno, a 07 de outubro de       Que vale a natureza sem teus
1945, no Jornal do Commercio. Ao        Olhos,
ingressar na Faculdade de Direito, em   ó Aquela por quem meu
1946, liga-se ao grupo de estudantes    Sangue pulsa?
que retoma, sob nova inspiração
teórica, o Teatro do Estudante de       Da terra sai um cheiro bom
Pernambuco (TEP). Mais do que um        de vida
movimento teatral, o TEP foi um         e nossos pés a Ela estão
   movimento de revalorização da        ligados.
             cultura brasileira, com    Deixa que teu cabelo, solto
              atuação em várias áreas   ao vento,
               da criação artística.    abrase fundamente as
                                        minhas mão...
                                        [...]
De 1946 a 1948, são publicados, em
revistas e suplementos de jornais, seus
primeiros poemas ligados ao
Romanceiro Popular Nordestino,
universo de poemas e canções que
inclui desde a poesia improvisada
dos cantadores até a Literatura de
Cordel e de tradição oral decorada.
É partindo principalmente dos
folhetos do Romanceiro que
  Suassuna vai encontrar o caminho
             para criar toda a sua
             obra teatral. Em 1947,
              escreve a sua primeira
            peça, Uma Mulher Vestida
           de Sol.
No ano seguinte, estréia em palco com
Cantam as Harpas de Sião, depois
rescrita sob o título de O Desertor de
Princesa (1958). Ainda estudante de
Direito, escreve Os Homens de Barro
(1949) e o Auto de João da Cruz, esta no
ano de sua formatura (1950). Em
1951, em Taperoá, para onde vai a fim
de curar-se do pulmão, escreve e
encena, com mamulengos, o entremez
Torturas
      de um Coração ou Em Boca
             Fechada Não Entra
             Mosquito. Esta peça é
               extremamente
             importante no teatro de
            Suassuna.
Em primeiro lugar, porque, a
exemplo de outros entremezes,
serviu como núcleo inicial de uma
peça maior, A Pena e a Lei. Depois,
porque Torturas é o primeiro
trabalho de Suassuna ligado ao
campo do Cômico. Até aí, Suassuna
somente se dedicava à composição
de tragédias – excetuando-se o
Auto de João da Cruz, um drama
    sacramental. Após Torturas, o
            autor escreve mais uma
             tragédia, O Arco
             Desolado (1952), para
          então dedicar-se às
           comédias que o
          deixaram famoso:
Auto da Compadecida (1955), O
Casamento Suspeitoso (1957), O Santo e
a Porca (1957), A Pena e a Lei (1959) e
Farsa da Boa Preguiça (1960), para
mencionar as peças publicadas em livro
e sem considerar outros entremezes,
todas comédias importantíssimas para o
teatro brasileiro contemporâneo. A
partir da encenação, no Rio de Janeiro,
do Auto da Compadecida, em janeiro
de 1957, durante o Primeiro Festival de
       Amadores Nacionais, Suassuna é
                alçado à condição de um
                dos nossos maiores
               dramaturgos.
Premiada com a “Medalha de Ouro”
da Associação Brasileira de Críticos
Teatrais, no mesmo ano a peça é
publicada em livro. Encenado em
diversos países, o Auto encontra-se
editado em vários idiomas, dentre os
quais o alemão, o francês, o inglês, o
espanhol e o italiano, e recebeu, até
hoje, três versões para o cinema. A
partir de 1956, com A História do
    Amor de Fernando e Isaura,
               versão nordestina de
               Tristão e Isolda, Ariano
               passa a dedicar-se,
             também, ao romance.
No mesmo ano, inicia carreira docente
na Universidade Federal de
Pernambuco, onde irá lecionar várias
disciplinas ligadas à Arte e à Cultura,
até se aposentar, em 1989. Em 1959,
funda, com Hermilo Borba Filho, o
Teatro Popular do Nordeste (TPN). Em
1960, forma-se em Filosofia pela
Universidade Católica de Pernambuco.
De 1958 a 1970, trabalha em um longo
romance, editado em 71 – o Romance
     d‟A Pedra do Reino e o Príncipe
           do Sangue do Vai-e-Volta,
            saudado pela crítica como
        um dos mais importantes
          romances da Língua
          Portuguesa.
Suassuna chama-o “romance armorial-popular
brasileiro”, na intenção de vinculá-lo ao Movimento
Armorial, por ele idealizado e lançado oficialmente no
Recife, a 18 de outubro de 1970. Segundo o próprio
Suassuna, “a Arte Armorial Brasileira tem como traço
comum principal a ligação com o espírito mágico dos
„folhetos‟ do Romanceiro Popular do Nordeste (Literatura
de
Cordel), com a Música de viola, rabeca
ou pífano que acompanha seus
„cantares‟, e com a Xilogravura que
ilustra suas capas, assim como com o
          espírito e a forma das Artes e
           espetáculos populares com
            esse mesmo Romanceiro
         relacionados”.
Em 1976, torna-se Livre Docente da
UFPE, defendendo a Tese A Onça
Castanha e a Ilha Brasil – Uma
Reflexão sobre a Cultura Brasileira,
ainda inédita. De 1975 a 1977, publica,
em folhetins semanais, no Diário de
Pernambuco, duas partes da História
d‟O Rei Degolado nas Caatingas do
Sertão, segundo volume da trilogia
iniciada com A Pedra do Reino.
Em 1987, retorna ao teatro com As Conchambranças de
Quaderna, trazendo pela primeira vez ao palco o mesmo
personagem do seu romance, Dom Pedro Dinis Ferreira-
Quaderna, o Decifrador. Em 1990, toma posse na Academia
Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 1989.
Ingressa, depois, nas Academias de Letras de Pernambuco (1993) e da
Paraíba (2000). Atualmente, dedica-se à escritura de um novo
romance, com o qual pretende não só rever toda a sua obra, mas
concluir a trilogia iniciada com A Pedra do Reino e interrompida com
O Rei Degolado.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
Ademir Miranda
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Ivana Mayrink
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Ariano Suassuna Slide
Ariano Suassuna SlideAriano Suassuna Slide
Ariano Suassuna Slide
Iana Nicole
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
Colégio Santa Luzia
 
Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
angelamariagomes
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
Maria De Lourdes Ramos
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
Fábio Oliveira
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
O barroco
O barrocoO barroco
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 

Mais procurados (20)

A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Ariano Suassuna Slide
Ariano Suassuna SlideAriano Suassuna Slide
Ariano Suassuna Slide
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 

Semelhante a Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Andriane Cursino
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
Valkiria Marks
 
Ariano Suassuna
Ariano SuassunaAriano Suassuna
Ariano Suassuna
josealvesferreira
 
Colégio municipal josé mendes de andrade cópia
Colégio municipal josé mendes de andrade   cópiaColégio municipal josé mendes de andrade   cópia
Colégio municipal josé mendes de andrade cópia
josealvesferreira
 
Mario de Andrade
Mario de AndradeMario de Andrade
Mario de Andrade
Maria Luisa Bonizio
 
Vinicius de Moraes
Vinicius de MoraesVinicius de Moraes
Vinicius de Moraes
Nathália Fagundez
 
Vinicius De Morais
Vinicius De MoraisVinicius De Morais
Vinicius De Morais
martinsramon
 
Fernando pessoa (1888 1935)
Fernando pessoa (1888 1935)Fernando pessoa (1888 1935)
Fernando pessoa (1888 1935)
Berto Alberto
 
Produções literárias da literatura pernambucana.ppt
Produções literárias da literatura pernambucana.pptProduções literárias da literatura pernambucana.ppt
Produções literárias da literatura pernambucana.ppt
joserdsilva10
 
Vinícius de moraes trabalho
Vinícius de moraes trabalhoVinícius de moraes trabalho
Vinícius de moraes trabalho
coezica
 
Fanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela EspancaFanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela Espanca
Mima Badan
 
Os modernistas da 1º fase
Os modernistas da 1º faseOs modernistas da 1º fase
Os modernistas da 1º fase
Ingrid Ramos
 
Biografia Fernando Lopes Graça.docx
Biografia Fernando Lopes Graça.docxBiografia Fernando Lopes Graça.docx
Biografia Fernando Lopes Graça.docx
Mary59609
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
Antonio Marcos
 
Manuel da Fonseca-centenário natalício
Manuel da Fonseca-centenário natalícioManuel da Fonseca-centenário natalício
Manuel da Fonseca-centenário natalício
Escola Secundária Sta Maria do Olival
 
Apresentação dos livros
Apresentação dos livrosApresentação dos livros
Apresentação dos livros
Mariááh Almeida Jsm
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
profconrad
 
Jornal literário modernismo
Jornal literário modernismoJornal literário modernismo
Jornal literário modernismo
Neena Santos
 
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Danillo Rodrigues
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
fromgaliza
 

Semelhante a Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono (20)

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
 
Ariano Suassuna
Ariano SuassunaAriano Suassuna
Ariano Suassuna
 
Colégio municipal josé mendes de andrade cópia
Colégio municipal josé mendes de andrade   cópiaColégio municipal josé mendes de andrade   cópia
Colégio municipal josé mendes de andrade cópia
 
Mario de Andrade
Mario de AndradeMario de Andrade
Mario de Andrade
 
Vinicius de Moraes
Vinicius de MoraesVinicius de Moraes
Vinicius de Moraes
 
Vinicius De Morais
Vinicius De MoraisVinicius De Morais
Vinicius De Morais
 
Fernando pessoa (1888 1935)
Fernando pessoa (1888 1935)Fernando pessoa (1888 1935)
Fernando pessoa (1888 1935)
 
Produções literárias da literatura pernambucana.ppt
Produções literárias da literatura pernambucana.pptProduções literárias da literatura pernambucana.ppt
Produções literárias da literatura pernambucana.ppt
 
Vinícius de moraes trabalho
Vinícius de moraes trabalhoVinícius de moraes trabalho
Vinícius de moraes trabalho
 
Fanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela EspancaFanatismo - Florbela Espanca
Fanatismo - Florbela Espanca
 
Os modernistas da 1º fase
Os modernistas da 1º faseOs modernistas da 1º fase
Os modernistas da 1º fase
 
Biografia Fernando Lopes Graça.docx
Biografia Fernando Lopes Graça.docxBiografia Fernando Lopes Graça.docx
Biografia Fernando Lopes Graça.docx
 
Slides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesiaSlides sobre o romantismo poesia
Slides sobre o romantismo poesia
 
Manuel da Fonseca-centenário natalício
Manuel da Fonseca-centenário natalícioManuel da Fonseca-centenário natalício
Manuel da Fonseca-centenário natalício
 
Apresentação dos livros
Apresentação dos livrosApresentação dos livros
Apresentação dos livros
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Jornal literário modernismo
Jornal literário modernismoJornal literário modernismo
Jornal literário modernismo
 
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 

Último

17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 

Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono

  • 2. Poeta, dramaturgo e romancista, Ariano Vilar Suassuna nasceu na cidade da Paraíba (hoje João Pessoa), capital do Estado da Paraíba, a 16 de junho de 1927. Seu pai, João Suassuna, exercia, à época, mandato de “Presidente”, o que correspondia ao atual cargo de Governador. Terminado seu mandato, João Suassuna deixa o litoral e volta ao sertão, sua terra de origem, fixando-se na fazenda “Acauhan”, no município de Sousa.
  • 3. Em 9 de outubro de 1930, quando Ariano contava apenas três anos de idade, João Suassuna, então Deputado Federal, é assassinado no Rio de Janeiro, vítima das divisões e lutas políticas ligadas à Revolução de 30. É no Sertão da Paraíba que Ariano passa boa parte da infância, primeiro na “Acauhan”, depois no município de Taperoá. Em 1942, a família Suassuna fixa-se em Recife, capital de Pernambuco.
  • 4. É em Recife que Ariano inicia a sua Noturno vida literária, com a publicação do [...] poema Noturno, a 07 de outubro de Que vale a natureza sem teus 1945, no Jornal do Commercio. Ao Olhos, ingressar na Faculdade de Direito, em ó Aquela por quem meu 1946, liga-se ao grupo de estudantes Sangue pulsa? que retoma, sob nova inspiração teórica, o Teatro do Estudante de Da terra sai um cheiro bom Pernambuco (TEP). Mais do que um de vida movimento teatral, o TEP foi um e nossos pés a Ela estão movimento de revalorização da ligados. cultura brasileira, com Deixa que teu cabelo, solto atuação em várias áreas ao vento, da criação artística. abrase fundamente as minhas mão... [...]
  • 5. De 1946 a 1948, são publicados, em revistas e suplementos de jornais, seus primeiros poemas ligados ao Romanceiro Popular Nordestino, universo de poemas e canções que inclui desde a poesia improvisada dos cantadores até a Literatura de Cordel e de tradição oral decorada. É partindo principalmente dos folhetos do Romanceiro que Suassuna vai encontrar o caminho para criar toda a sua obra teatral. Em 1947, escreve a sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol.
  • 6. No ano seguinte, estréia em palco com Cantam as Harpas de Sião, depois rescrita sob o título de O Desertor de Princesa (1958). Ainda estudante de Direito, escreve Os Homens de Barro (1949) e o Auto de João da Cruz, esta no ano de sua formatura (1950). Em 1951, em Taperoá, para onde vai a fim de curar-se do pulmão, escreve e encena, com mamulengos, o entremez Torturas de um Coração ou Em Boca Fechada Não Entra Mosquito. Esta peça é extremamente importante no teatro de Suassuna.
  • 7. Em primeiro lugar, porque, a exemplo de outros entremezes, serviu como núcleo inicial de uma peça maior, A Pena e a Lei. Depois, porque Torturas é o primeiro trabalho de Suassuna ligado ao campo do Cômico. Até aí, Suassuna somente se dedicava à composição de tragédias – excetuando-se o Auto de João da Cruz, um drama sacramental. Após Torturas, o autor escreve mais uma tragédia, O Arco Desolado (1952), para então dedicar-se às comédias que o deixaram famoso:
  • 8. Auto da Compadecida (1955), O Casamento Suspeitoso (1957), O Santo e a Porca (1957), A Pena e a Lei (1959) e Farsa da Boa Preguiça (1960), para mencionar as peças publicadas em livro e sem considerar outros entremezes, todas comédias importantíssimas para o teatro brasileiro contemporâneo. A partir da encenação, no Rio de Janeiro, do Auto da Compadecida, em janeiro de 1957, durante o Primeiro Festival de Amadores Nacionais, Suassuna é alçado à condição de um dos nossos maiores dramaturgos.
  • 9. Premiada com a “Medalha de Ouro” da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, no mesmo ano a peça é publicada em livro. Encenado em diversos países, o Auto encontra-se editado em vários idiomas, dentre os quais o alemão, o francês, o inglês, o espanhol e o italiano, e recebeu, até hoje, três versões para o cinema. A partir de 1956, com A História do Amor de Fernando e Isaura, versão nordestina de Tristão e Isolda, Ariano passa a dedicar-se, também, ao romance.
  • 10. No mesmo ano, inicia carreira docente na Universidade Federal de Pernambuco, onde irá lecionar várias disciplinas ligadas à Arte e à Cultura, até se aposentar, em 1989. Em 1959, funda, com Hermilo Borba Filho, o Teatro Popular do Nordeste (TPN). Em 1960, forma-se em Filosofia pela Universidade Católica de Pernambuco. De 1958 a 1970, trabalha em um longo romance, editado em 71 – o Romance d‟A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, saudado pela crítica como um dos mais importantes romances da Língua Portuguesa.
  • 11. Suassuna chama-o “romance armorial-popular brasileiro”, na intenção de vinculá-lo ao Movimento Armorial, por ele idealizado e lançado oficialmente no Recife, a 18 de outubro de 1970. Segundo o próprio Suassuna, “a Arte Armorial Brasileira tem como traço comum principal a ligação com o espírito mágico dos „folhetos‟ do Romanceiro Popular do Nordeste (Literatura de Cordel), com a Música de viola, rabeca ou pífano que acompanha seus „cantares‟, e com a Xilogravura que ilustra suas capas, assim como com o espírito e a forma das Artes e espetáculos populares com esse mesmo Romanceiro relacionados”.
  • 12. Em 1976, torna-se Livre Docente da UFPE, defendendo a Tese A Onça Castanha e a Ilha Brasil – Uma Reflexão sobre a Cultura Brasileira, ainda inédita. De 1975 a 1977, publica, em folhetins semanais, no Diário de Pernambuco, duas partes da História d‟O Rei Degolado nas Caatingas do Sertão, segundo volume da trilogia iniciada com A Pedra do Reino.
  • 13. Em 1987, retorna ao teatro com As Conchambranças de Quaderna, trazendo pela primeira vez ao palco o mesmo personagem do seu romance, Dom Pedro Dinis Ferreira- Quaderna, o Decifrador. Em 1990, toma posse na Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 1989.
  • 14. Ingressa, depois, nas Academias de Letras de Pernambuco (1993) e da Paraíba (2000). Atualmente, dedica-se à escritura de um novo romance, com o qual pretende não só rever toda a sua obra, mas concluir a trilogia iniciada com A Pedra do Reino e interrompida com O Rei Degolado.
  • 15. FIM