SlideShare uma empresa Scribd logo
Luís de Sttau Monteiro
Felizmente há luar!
Luís de Sttau Monteiro
 Nome:Nome:
Luís Infante de Lacerda Sttau MonteiroLuís Infante de Lacerda Sttau Monteiro
 Nasce:Nasce: 3-4-1926, Lisboa
 Morre:Morre: 23-7-1993, Lisboa
Para mim há uma coisa sagrada:
Ser livre como o vento.
Luís de Sttau Monteiro
Felizmente há luar!
Luís de Sttau Monteiro
 Ficcionista, autor dramático, encenador e
jornalista, formado em Direito.
 De ascendência espanhola, viveu uma
parte da adolescência em Inglaterra,
onde o seu pai foi embaixador.
 Nos anos 70 desenvolveu actividade
como jornalista.
 Da segunda geração neo-realista,
recebeu com Felizmente Há Luar!, em
1962, o Grande Prémio de Teatro da
Associação Portuguesa de Escritores.
 As suas sátiras sobre a ditadura e a Guerra
Colonial, fruto do seu espírito crítico e
combativo, tornaram-no objecto de
perseguição política, chegando mesmo a
ser preso.
 Peça em dois actos
 Publicada em 1961 – Grande Prémio de Teatro da
Associação Portuguesa de Escritores – censurada;
 1962 – tentativa do Teatro Experimental do Porto – sem
resultado;
 1ª Representação – Paris (Club Franco-Portuguais de
la Jeunesse) – 1969;
 Representação em Portugal – 1978 – Teatro Nacional
D. Maria II.
 2001 – Teatro Experimental do Porto.
Felizmente Há Luar!
Contexto da ação da peça
(período das invasões francesas)
 1807 Invasões francesas: os exércitos napoleónicos invadem
Portugal e D. João VI refugia-se no Brasil, com grande parte da
nobreza e da corte. Brasil torna-se metrópole e Portugal a
colónia. Rio de Janeiro é a capital do império.
 Aliança de Portugal com a Inglaterra
 Administração do Reino entregue a uma Junta Provisória
 1820 — Revolução liberal em Portugal (Porto). Marcha sobre
Lisboa a 28 de Setembro.
Felizmente Há Luar!
 Instabilidade social;
 Perseguições políticas constantes reprimindo: a liberdade
de expressão, a circulação de ideias e as tentativas para
implementar o liberalismo;
 Repressão contra os conjurados de 1817;
 Condenação à morte de Gomes Freire de Andrade.
 1822 — Independência do Brasil e aclamação de D. Pedro,
Imperador do Brasil.
 1821 — Regresso de D. João VI a Portugal.
 1822 — Independência do Brasil e aclamação de D. Pedro,
Imperador do Brasil.
Felizmente Há Luar!
Contexto da ação da peça
(período pós invasões francesas)
 1823 — Restauração do Absolutismo, liderada por D. Miguel:
“Vilafrancada”.
 1826 — Morte de D. João VI. D. Pedro é aclamado rei em Portugal,
abdicando a favor de sua filha, Maria da Glória, com 7 anos, na
condição de esta se casar com D. Miguel, regente do reino.
 1828 — D. Miguel regressa a Portugal e é aclamado rei.
 1831 — D. Pedro I, imperador do Brasil, abdica a favor de seu filho
e, a partir da ilha Terceira, nos Açores, organiza a revolta liberal,
com a ajuda dos ingleses.
 1832 — Desembarque no Porto, na praia do Mindelo, e início da
guerra civil entre liberais e absolutistas, que duraria até Julho de
1833, em que os exércitos miguelistas sofreram a derrota. França e
Inglaterra apressaram-se a reconhecer o regime liberal.
Felizmente Há Luar!
Ação
 A ação desenrola-se a partir da figura
histórica do general Gomes Freire que foi
acusado de conspirador e é
enclausurado na prisão de São Julião da
Barra. A figura do General está sempre
presente, do princípio ao fim, embora
nunca apareça.
Felizmente Há Luar!
Estrutura da Peça
Estrutura Externa
Peça em dois atos a que correspondem
momentos diferentes da evolução da diegese.
No Acto I é feita a apresentação da situação,
mostrando-se o modo maquiavélico como o
poder funciona, não olhando a meios para
atingir os seus objectivos.
Acto II conduz o espectador ao campo do
anti-poder e da resistência.
Felizmente Há Luar!
Estrutura
Estrutura Interna:
Não se trata de uma obra que respeite a
forma clássica nem obedeça à regra das três
unidades (de lugar, de tempo e de acção). No
entanto o esquema clássico está implícito
(exposição, conflito, desenlace).
A apresentação dos acontecimentos
processa-se pela ordem natural e linear em que
ocorrem, facilitando assim a sua compreensão.
Felizmente Há Luar!
Personagens
 Gomes Freire de
Andrade
 Matilde
 Sousa Falcão
 Manuel, Rita
 D. Miguel Forjaz
 Principal Sousa
 Beresford
 Vicente
 Morais Sarmento /
Andrade Corvo
Felizmente Há Luar!
Personagens do Contra-poder
Gomes Freire de Andrade
Matilde
Manuel
e
Rita
Sousa Falcão
Felizmente Há Luar!
General Gomes Freire de Andrade
 Personagem central;
 Humanista ” Um amigo do povo”;
 Instrução superior, letrado, estrangeirado;
 Salvador da Pátria “Em ninguém o povo
tem mais esperança...”
 Militar que sempre lutou em prol da justiça;
 Símbolo da modernidade;
 Símbolo da luta pela liberdade;
 Adepto das novas ideias liberais;
 Grão-mestre da Maçonaria.
Felizmente Há Luar!
Matilde
 Companheira de todas as horas;
 Dá voz à injustiça sofrida pelo seu
homem;
 Denuncia a hipocrisia do Estado e da
Igreja;
 Carinhosa “Ele dava-me a mão, eu
dava-lhe a minha...”
 Corajosa e lúcida;
 Revoltada
Felizmente Há Luar!
Sousa Falcão
• Amigo de todas as horas;
• Confidente e fiel;
• Solidário, demonstra os seus valores de fiel amigo;
• Consciente das suas limitações, em termos de lhe faltar
coragem para enfrentar o poder;
• Sente-se triste e amargurado consigo próprio por não
ter tido atitudes consentâneas com os seus ideais.
Felizmente Há Luar!
Manuel e Rita
 Símbolos do povo oprimido, da classe explorada;
 Demonstram:
 Consciência da injustiça em que vivem e de que são
vítimas;
 Consciência da sua impotência para alterar a
situação;
 Consideram Gomes Freire uma espécie de Messias, ao ser
preso eles sentem-se atraiçoados, daí talvez a
agressividade para com Matilde;
 No final da peça, acabam por simbolizar a
desesperança, a desilusão e a frustração. Cada vez se
sentem mais miseráveis devido à impossibilidade de
mudança.
Felizmente Há Luar!
Vicente, o traidor
 Pertence ao povo, mas atraiçoa-o;
 Ambicioso pela procura do protagonismo;
 Interessa-lhe a ascensão sócio-política;
 Demonstra alguma lucidez na análise que
efectuada situação em que vive;
 Personagem que possui dupla função:
- provoca repulsa/antipatia devido às suas
atitudes ignóbeis;
- provoca algum incómodo, porque faz com
que olhemos para nós próprios, acordando más
consciências adormecidas.
Felizmente Há Luar!
Personagens do Poder
Poder político/ militar/ religioso
D. Miguel General Beresford Principal Sousa
Felizmente Há Luar!
Miguel de Forjaz
 Protótipo do pequeno tirano;
 Contrário ao progresso;
 Insensível à injustiça e à miséria;
 Prepotente;
 Discurso oco e demagógico;
 Rancoroso;
 Medíocre;
 Falso e hipócrita.
Felizmente Há Luar!
Principal Sousa
 Simboliza o conluio entre a Igreja e o
poder;
 Não cumpre a sua função de
denunciar as injustiças sociais;
 Defende o obscurantismo e a
miséria;
 Odeia a Revolução Francesa que
promove ideias subversivas;
 Hipócrita: odeia Beresford por ser
herege, mas aceita o seu auxílio.
Felizmente Há Luar!
General Beresford
 Personagem cínica e controversa;
 Crítico e irónico;
 As suas motivações são individuais e
materialistas;
 Revela uma antipatia extrema face
ao catolicismo, ao exercício
incompetente do poder e a toda a
sociedade portuguesa que
considera caduca e obsoleta.
Felizmente Há Luar!
 EspaçoEspaço
Rossio Largo do Rato
S. Julião da Barra
Felizmente Há Luar!
EspaçoEspaço
 O espaço físico não
assume grande
relevância, por isso são
escassas as referências
explícitas aos locais;
 Só os diferentes espaços
sociais importam;
 A acção começa na rua
(segundo Brecht é o espaço
mais próprio para revelar
o homem nas suas
relações sociais)
Felizmente Há Luar!
 Tempo histórico: século XIX.
 Tempo da escrita (discurso): 1961, época dos
conflitos entre a oposição e o regime salazarista.
 Tempo da representação: 1h30m/2h.
 Tempo da acção dramática: a acção está
concentrada em 2 dias.
 Tempo da narração: informações respeitantes a
eventos não dramatizados, ocorridos no passado,
mas importantes para o desenrolar da acção.
Felizmente Há Luar!
Síntese do Tempo na obraSíntese do Tempo na obra
O tempo é uma metáfora do sec. XXO tempo é uma metáfora do sec. XX
Século XIX - 1817 Século XX - 1961
♣ Censura à imprensa ♣ Censura total
♣ Repressão dos conspiradores;
execução sumária e pena de
morte
♣ Prisão; duras medias de
repressão e tortura; condenação
sem provas
♣ Execução de Gomes Freire de
Andrade
♣ Execução de Humberto Delgado
♣ A Regência assentava numa
política maniqueísta
“Quem não é por nós é contra
nós”
♣ O regime salazarista assentava
numa política maniqueísta -
“Quem não é por nós é contra
nós”
♣ 1834 – Triunfo do Liberalismo ♣1974 – Triunfo da Democracia
Século XIXSéculo XIX(tempo da história)(tempo da história) - metáfora do século XX- metáfora do século XX (tempo do discurso)(tempo do discurso)
 Aliteração
 Antítese
 Comparação
 Diminutivo
 Hipálage
 Hipérbole
 Imagem
 Interjeição
Felizmente Há Luar!
Linguagem - Recursos EstilísticosLinguagem - Recursos Estilísticos
 Interrogação Retórica
 Ironia
 Metáfora
 Onomatopeia
 Paralelismo
 Personificação
 Repetição
 Trocadilho
Felizmente Há Luar!
Linguagem - Recursos ExpressivosLinguagem - Recursos Expressivos
Didascálias
Dois tipos de didascálias podem ser observadas
na obra:
As didascálias internas ao texto que servem, por
exemplo, para acompanhar as falas e a posição das
personagens em cena, as indicações aos atores, o
tom de voz das personagens, a iluminação, da
linguagem gestual. Surgem em itálico e, por vezes,
entre parêntesis.
As didascálias externas ao texto (laterais)
proporcionam explicações precisas quanto à atuação
das personagens e dão conta da tensão dramática,
percecionada, por exemplo, no som dos “tambores
[que] entram em fanfarra”. Servem, ainda, para dar
uma análise interpretativa do texto principal.
Simbologia
 Saia verde: A saia encontra-se associada à
felicidade e foi comprada numa terra de
liberdade: Paris, no Inverno. O verde significa a
esperança de que um dia se reponha a justiça. É
sinal do amor verdadeiro e transformador, pois
Matilde, vencendo aparentemente a dor e
revolta iniciais, comunica aos outros esperança.
O verde é a cor predominante na natureza e dos
campos na Primavera, associando-se à força, à
fertilidade e à esperança.
Felizmente Há Luar!
Simbologia
 Luar: Duas conotações: para os opressores, mais pessoas
ficarão avisadas e para os oprimidos, mais pessoas poderão
um dia seguir essa luz e lutar pela liberdade.
 Fogueira: no presente representa a tristeza, a escuridão, mas
no futuro representará a esperança e a liberdade.
 Moeda de cinco reis: símbolo do desrespeito que os mais
poderosos mantinham para com o próximo, contrariando os
mandamentos de Deus.
 Tambores: símbolo da repressão sempre presente.
 Sinos: Traduzem o perverso envolvimento da Igreja nos
assuntos do Estado, contribuindo para a repressão imposta
sobre o povo (anunciam a morte de Gomes Freire).
Contribuem para a denúncia da deturpação da mensagem
evangélica ao serviço de interesses mesquinhos e materiais.
Felizmente Há Luar!
Simbologia
O título “Felizmente Há Luar!”: É uma expressão proferida por
duas personagens de “ mundos “ diferentes, no final do ato II: D.
Miguel, símbolo do poder e Matilde , símbolo da resistência.
-- Tendo em conta esta dualidade, o luar é interpretado de forma
diferente por cada uma das personagens.
• Para D. Miguel, o luar permitirá que o clarão da fogueira seja
visto por todos, atemorizando aqueles que ousem lutar pela
liberdade, sendo por isso um efeito dissuasor.
• Para Matilde, o luar sublinha a intensidade do fogo, incitando à
ousadia daqueles que acreditam na mudança e na caminhada para a
“ luz da liberdade”(prenúncio da revolução liberal), constituindo-
se, por isso, como um estimulo para que o povo se revolte.
Felizmente Há Luar!
Síntese da Acção
Prisão do General
Perseguição política ao General Gomes Freire
Condenação à morte
Revolta desesperada
de Matilde e Sousa Falcão
Resignação do povo
Felizmente Há Luar!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Maria Rodrigues
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
ericahomemmelo
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
NunoNelasOliveira
 
Felizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- SínteseFelizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- Síntese
nanasimao
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
silviaelisabete
 
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgeFrei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Patricia Martins
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
Maria Teresa Soveral
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
Vitor Manuel de Carvalho
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
12anogolega
 

Mais procurados (20)

Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Felizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- SínteseFelizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- Síntese
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei JorgeFrei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
Frei Luis de Sousa - Manuel de Sousa Coutinho e Frei Jorge
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Dedicatória
DedicatóriaDedicatória
Dedicatória
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
 

Semelhante a Apresentação Felizmente há Luar

Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
cnlx
 
Felizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introdução
Felizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introduçãoFelizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introdução
Felizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introdução
RosaManuelaNogueiraA
 
Felizmente há Luar
Felizmente há LuarFelizmente há Luar
Felizmente há Luar
nanasimao
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Maria Batista
 
Felizmente Há Luar!
Felizmente Há Luar!Felizmente Há Luar!
Felizmente Há Luar!
guest9d8027
 
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoUFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
Nome Sobrenome
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
Ana Helena
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
gracafigueiredo2
 
Felizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 FinalFelizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 Final
ruycastroistec
 
Felizmente H Luar
Felizmente H LuarFelizmente H Luar
Felizmente H Luar
ildatome
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
Margarida71
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
veracarvalho
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Raffaella Ergün
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
guestd8e2b4
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
guestd8e2b4
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
guest57586
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
guest57586
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
guestd8e2b4
 
Felizmente há luar - trabalho de carolina morna
Felizmente há luar  - trabalho de  carolina mornaFelizmente há luar  - trabalho de  carolina morna
Felizmente há luar - trabalho de carolina morna
guestd8e2b4
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
hana kitsune
 

Semelhante a Apresentação Felizmente há Luar (20)

Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
 
Felizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introdução
Felizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introduçãoFelizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introdução
Felizmente Há Luar Luís Sttau Monteiro-introdução
 
Felizmente há Luar
Felizmente há LuarFelizmente há Luar
Felizmente há Luar
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
 
Felizmente Há Luar!
Felizmente Há Luar!Felizmente Há Luar!
Felizmente Há Luar!
 
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e ComunicaçãoUFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
UFCD - Clc7 - Fundamentos da Cultura , Lingua e Comunicação
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Felizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 FinalFelizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 Final
 
Felizmente H Luar
Felizmente H LuarFelizmente H Luar
Felizmente H Luar
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
Felizmente há luar - trabalho de carolina morna
Felizmente há luar  - trabalho de  carolina mornaFelizmente há luar  - trabalho de  carolina morna
Felizmente há luar - trabalho de carolina morna
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
 

Mais de António Pires

A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação
António Pires
 
Como colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogueComo colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogue
António Pires
 
Projeto QRbook
Projeto  QRbookProjeto  QRbook
Projeto QRbook
António Pires
 
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo MonteiroRealidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
António Pires
 
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos PinheiroTecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
António Pires
 
Boa Prática
Boa PráticaBoa Prática
Boa Prática
António Pires
 
Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019
António Pires
 
Contributos para a biblioteca digital (2018)
Contributos para a biblioteca digital  (2018)Contributos para a biblioteca digital  (2018)
Contributos para a biblioteca digital (2018)
António Pires
 
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolarUm olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
António Pires
 
Um olhar... MABE
Um olhar... MABEUm olhar... MABE
Um olhar... MABE
António Pires
 
Construção de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - WixConstrução de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - Wix
António Pires
 
Boa prática
Boa práticaBoa prática
Boa prática
António Pires
 
Reis na Biblioteca
Reis na BibliotecaReis na Biblioteca
Reis na Biblioteca
António Pires
 
Noites na BE
Noites na BENoites na BE
Noites na BE
António Pires
 
Monitores
MonitoresMonitores
Monitores
António Pires
 
Avaliação X Encontro
Avaliação X EncontroAvaliação X Encontro
Avaliação X Encontro
António Pires
 
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
António Pires
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
António Pires
 
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
Marketing biblioteca  na biblioteca escolarMarketing biblioteca  na biblioteca escolar
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
António Pires
 
Biblioterapia
BiblioterapiaBiblioterapia
Biblioterapia
António Pires
 

Mais de António Pires (20)

A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação A utilização de aplicações na educação
A utilização de aplicações na educação
 
Como colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogueComo colocar um filme no blogue
Como colocar um filme no blogue
 
Projeto QRbook
Projeto  QRbookProjeto  QRbook
Projeto QRbook
 
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo MonteiroRealidade aumentada - Ricardo Monteiro
Realidade aumentada - Ricardo Monteiro
 
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos PinheiroTecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
Tecnologias emergentes na sala de aula - Carlos Pinheiro
 
Boa Prática
Boa PráticaBoa Prática
Boa Prática
 
Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019Programa da semana da leitura 2019
Programa da semana da leitura 2019
 
Contributos para a biblioteca digital (2018)
Contributos para a biblioteca digital  (2018)Contributos para a biblioteca digital  (2018)
Contributos para a biblioteca digital (2018)
 
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolarUm olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
Um olhar... Roteiro para o uso da biblioteca escolar
 
Um olhar... MABE
Um olhar... MABEUm olhar... MABE
Um olhar... MABE
 
Construção de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - WixConstrução de sites educativos - Wix
Construção de sites educativos - Wix
 
Boa prática
Boa práticaBoa prática
Boa prática
 
Reis na Biblioteca
Reis na BibliotecaReis na Biblioteca
Reis na Biblioteca
 
Noites na BE
Noites na BENoites na BE
Noites na BE
 
Monitores
MonitoresMonitores
Monitores
 
Avaliação X Encontro
Avaliação X EncontroAvaliação X Encontro
Avaliação X Encontro
 
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18Boletim informativo das BE AE da Trofa   1º periodo 2017-18
Boletim informativo das BE AE da Trofa 1º periodo 2017-18
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
Marketing biblioteca  na biblioteca escolarMarketing biblioteca  na biblioteca escolar
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
 
Biblioterapia
BiblioterapiaBiblioterapia
Biblioterapia
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 

Apresentação Felizmente há Luar

  • 1. Luís de Sttau Monteiro
  • 2. Felizmente há luar! Luís de Sttau Monteiro  Nome:Nome: Luís Infante de Lacerda Sttau MonteiroLuís Infante de Lacerda Sttau Monteiro  Nasce:Nasce: 3-4-1926, Lisboa  Morre:Morre: 23-7-1993, Lisboa Para mim há uma coisa sagrada: Ser livre como o vento. Luís de Sttau Monteiro
  • 3. Felizmente há luar! Luís de Sttau Monteiro  Ficcionista, autor dramático, encenador e jornalista, formado em Direito.  De ascendência espanhola, viveu uma parte da adolescência em Inglaterra, onde o seu pai foi embaixador.  Nos anos 70 desenvolveu actividade como jornalista.  Da segunda geração neo-realista, recebeu com Felizmente Há Luar!, em 1962, o Grande Prémio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores.  As suas sátiras sobre a ditadura e a Guerra Colonial, fruto do seu espírito crítico e combativo, tornaram-no objecto de perseguição política, chegando mesmo a ser preso.
  • 4.  Peça em dois actos  Publicada em 1961 – Grande Prémio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores – censurada;  1962 – tentativa do Teatro Experimental do Porto – sem resultado;  1ª Representação – Paris (Club Franco-Portuguais de la Jeunesse) – 1969;  Representação em Portugal – 1978 – Teatro Nacional D. Maria II.  2001 – Teatro Experimental do Porto. Felizmente Há Luar!
  • 5. Contexto da ação da peça (período das invasões francesas)  1807 Invasões francesas: os exércitos napoleónicos invadem Portugal e D. João VI refugia-se no Brasil, com grande parte da nobreza e da corte. Brasil torna-se metrópole e Portugal a colónia. Rio de Janeiro é a capital do império.  Aliança de Portugal com a Inglaterra  Administração do Reino entregue a uma Junta Provisória  1820 — Revolução liberal em Portugal (Porto). Marcha sobre Lisboa a 28 de Setembro. Felizmente Há Luar!
  • 6.  Instabilidade social;  Perseguições políticas constantes reprimindo: a liberdade de expressão, a circulação de ideias e as tentativas para implementar o liberalismo;  Repressão contra os conjurados de 1817;  Condenação à morte de Gomes Freire de Andrade.  1822 — Independência do Brasil e aclamação de D. Pedro, Imperador do Brasil.  1821 — Regresso de D. João VI a Portugal.  1822 — Independência do Brasil e aclamação de D. Pedro, Imperador do Brasil. Felizmente Há Luar! Contexto da ação da peça (período pós invasões francesas)
  • 7.  1823 — Restauração do Absolutismo, liderada por D. Miguel: “Vilafrancada”.  1826 — Morte de D. João VI. D. Pedro é aclamado rei em Portugal, abdicando a favor de sua filha, Maria da Glória, com 7 anos, na condição de esta se casar com D. Miguel, regente do reino.  1828 — D. Miguel regressa a Portugal e é aclamado rei.  1831 — D. Pedro I, imperador do Brasil, abdica a favor de seu filho e, a partir da ilha Terceira, nos Açores, organiza a revolta liberal, com a ajuda dos ingleses.  1832 — Desembarque no Porto, na praia do Mindelo, e início da guerra civil entre liberais e absolutistas, que duraria até Julho de 1833, em que os exércitos miguelistas sofreram a derrota. França e Inglaterra apressaram-se a reconhecer o regime liberal. Felizmente Há Luar!
  • 8. Ação  A ação desenrola-se a partir da figura histórica do general Gomes Freire que foi acusado de conspirador e é enclausurado na prisão de São Julião da Barra. A figura do General está sempre presente, do princípio ao fim, embora nunca apareça. Felizmente Há Luar!
  • 9. Estrutura da Peça Estrutura Externa Peça em dois atos a que correspondem momentos diferentes da evolução da diegese. No Acto I é feita a apresentação da situação, mostrando-se o modo maquiavélico como o poder funciona, não olhando a meios para atingir os seus objectivos. Acto II conduz o espectador ao campo do anti-poder e da resistência. Felizmente Há Luar!
  • 10. Estrutura Estrutura Interna: Não se trata de uma obra que respeite a forma clássica nem obedeça à regra das três unidades (de lugar, de tempo e de acção). No entanto o esquema clássico está implícito (exposição, conflito, desenlace). A apresentação dos acontecimentos processa-se pela ordem natural e linear em que ocorrem, facilitando assim a sua compreensão. Felizmente Há Luar!
  • 11. Personagens  Gomes Freire de Andrade  Matilde  Sousa Falcão  Manuel, Rita  D. Miguel Forjaz  Principal Sousa  Beresford  Vicente  Morais Sarmento / Andrade Corvo Felizmente Há Luar!
  • 12. Personagens do Contra-poder Gomes Freire de Andrade Matilde Manuel e Rita Sousa Falcão Felizmente Há Luar!
  • 13. General Gomes Freire de Andrade  Personagem central;  Humanista ” Um amigo do povo”;  Instrução superior, letrado, estrangeirado;  Salvador da Pátria “Em ninguém o povo tem mais esperança...”  Militar que sempre lutou em prol da justiça;  Símbolo da modernidade;  Símbolo da luta pela liberdade;  Adepto das novas ideias liberais;  Grão-mestre da Maçonaria. Felizmente Há Luar!
  • 14. Matilde  Companheira de todas as horas;  Dá voz à injustiça sofrida pelo seu homem;  Denuncia a hipocrisia do Estado e da Igreja;  Carinhosa “Ele dava-me a mão, eu dava-lhe a minha...”  Corajosa e lúcida;  Revoltada Felizmente Há Luar!
  • 15. Sousa Falcão • Amigo de todas as horas; • Confidente e fiel; • Solidário, demonstra os seus valores de fiel amigo; • Consciente das suas limitações, em termos de lhe faltar coragem para enfrentar o poder; • Sente-se triste e amargurado consigo próprio por não ter tido atitudes consentâneas com os seus ideais. Felizmente Há Luar!
  • 16. Manuel e Rita  Símbolos do povo oprimido, da classe explorada;  Demonstram:  Consciência da injustiça em que vivem e de que são vítimas;  Consciência da sua impotência para alterar a situação;  Consideram Gomes Freire uma espécie de Messias, ao ser preso eles sentem-se atraiçoados, daí talvez a agressividade para com Matilde;  No final da peça, acabam por simbolizar a desesperança, a desilusão e a frustração. Cada vez se sentem mais miseráveis devido à impossibilidade de mudança. Felizmente Há Luar!
  • 17. Vicente, o traidor  Pertence ao povo, mas atraiçoa-o;  Ambicioso pela procura do protagonismo;  Interessa-lhe a ascensão sócio-política;  Demonstra alguma lucidez na análise que efectuada situação em que vive;  Personagem que possui dupla função: - provoca repulsa/antipatia devido às suas atitudes ignóbeis; - provoca algum incómodo, porque faz com que olhemos para nós próprios, acordando más consciências adormecidas. Felizmente Há Luar!
  • 18. Personagens do Poder Poder político/ militar/ religioso D. Miguel General Beresford Principal Sousa Felizmente Há Luar!
  • 19. Miguel de Forjaz  Protótipo do pequeno tirano;  Contrário ao progresso;  Insensível à injustiça e à miséria;  Prepotente;  Discurso oco e demagógico;  Rancoroso;  Medíocre;  Falso e hipócrita. Felizmente Há Luar!
  • 20. Principal Sousa  Simboliza o conluio entre a Igreja e o poder;  Não cumpre a sua função de denunciar as injustiças sociais;  Defende o obscurantismo e a miséria;  Odeia a Revolução Francesa que promove ideias subversivas;  Hipócrita: odeia Beresford por ser herege, mas aceita o seu auxílio. Felizmente Há Luar!
  • 21. General Beresford  Personagem cínica e controversa;  Crítico e irónico;  As suas motivações são individuais e materialistas;  Revela uma antipatia extrema face ao catolicismo, ao exercício incompetente do poder e a toda a sociedade portuguesa que considera caduca e obsoleta. Felizmente Há Luar!
  • 22.  EspaçoEspaço Rossio Largo do Rato S. Julião da Barra Felizmente Há Luar!
  • 23. EspaçoEspaço  O espaço físico não assume grande relevância, por isso são escassas as referências explícitas aos locais;  Só os diferentes espaços sociais importam;  A acção começa na rua (segundo Brecht é o espaço mais próprio para revelar o homem nas suas relações sociais) Felizmente Há Luar!
  • 24.  Tempo histórico: século XIX.  Tempo da escrita (discurso): 1961, época dos conflitos entre a oposição e o regime salazarista.  Tempo da representação: 1h30m/2h.  Tempo da acção dramática: a acção está concentrada em 2 dias.  Tempo da narração: informações respeitantes a eventos não dramatizados, ocorridos no passado, mas importantes para o desenrolar da acção. Felizmente Há Luar! Síntese do Tempo na obraSíntese do Tempo na obra
  • 25. O tempo é uma metáfora do sec. XXO tempo é uma metáfora do sec. XX
  • 26. Século XIX - 1817 Século XX - 1961 ♣ Censura à imprensa ♣ Censura total ♣ Repressão dos conspiradores; execução sumária e pena de morte ♣ Prisão; duras medias de repressão e tortura; condenação sem provas ♣ Execução de Gomes Freire de Andrade ♣ Execução de Humberto Delgado ♣ A Regência assentava numa política maniqueísta “Quem não é por nós é contra nós” ♣ O regime salazarista assentava numa política maniqueísta - “Quem não é por nós é contra nós” ♣ 1834 – Triunfo do Liberalismo ♣1974 – Triunfo da Democracia Século XIXSéculo XIX(tempo da história)(tempo da história) - metáfora do século XX- metáfora do século XX (tempo do discurso)(tempo do discurso)
  • 27.  Aliteração  Antítese  Comparação  Diminutivo  Hipálage  Hipérbole  Imagem  Interjeição Felizmente Há Luar! Linguagem - Recursos EstilísticosLinguagem - Recursos Estilísticos
  • 28.  Interrogação Retórica  Ironia  Metáfora  Onomatopeia  Paralelismo  Personificação  Repetição  Trocadilho Felizmente Há Luar! Linguagem - Recursos ExpressivosLinguagem - Recursos Expressivos
  • 29. Didascálias Dois tipos de didascálias podem ser observadas na obra: As didascálias internas ao texto que servem, por exemplo, para acompanhar as falas e a posição das personagens em cena, as indicações aos atores, o tom de voz das personagens, a iluminação, da linguagem gestual. Surgem em itálico e, por vezes, entre parêntesis. As didascálias externas ao texto (laterais) proporcionam explicações precisas quanto à atuação das personagens e dão conta da tensão dramática, percecionada, por exemplo, no som dos “tambores [que] entram em fanfarra”. Servem, ainda, para dar uma análise interpretativa do texto principal.
  • 30. Simbologia  Saia verde: A saia encontra-se associada à felicidade e foi comprada numa terra de liberdade: Paris, no Inverno. O verde significa a esperança de que um dia se reponha a justiça. É sinal do amor verdadeiro e transformador, pois Matilde, vencendo aparentemente a dor e revolta iniciais, comunica aos outros esperança. O verde é a cor predominante na natureza e dos campos na Primavera, associando-se à força, à fertilidade e à esperança. Felizmente Há Luar!
  • 31. Simbologia  Luar: Duas conotações: para os opressores, mais pessoas ficarão avisadas e para os oprimidos, mais pessoas poderão um dia seguir essa luz e lutar pela liberdade.  Fogueira: no presente representa a tristeza, a escuridão, mas no futuro representará a esperança e a liberdade.  Moeda de cinco reis: símbolo do desrespeito que os mais poderosos mantinham para com o próximo, contrariando os mandamentos de Deus.  Tambores: símbolo da repressão sempre presente.  Sinos: Traduzem o perverso envolvimento da Igreja nos assuntos do Estado, contribuindo para a repressão imposta sobre o povo (anunciam a morte de Gomes Freire). Contribuem para a denúncia da deturpação da mensagem evangélica ao serviço de interesses mesquinhos e materiais. Felizmente Há Luar!
  • 32. Simbologia O título “Felizmente Há Luar!”: É uma expressão proferida por duas personagens de “ mundos “ diferentes, no final do ato II: D. Miguel, símbolo do poder e Matilde , símbolo da resistência. -- Tendo em conta esta dualidade, o luar é interpretado de forma diferente por cada uma das personagens. • Para D. Miguel, o luar permitirá que o clarão da fogueira seja visto por todos, atemorizando aqueles que ousem lutar pela liberdade, sendo por isso um efeito dissuasor. • Para Matilde, o luar sublinha a intensidade do fogo, incitando à ousadia daqueles que acreditam na mudança e na caminhada para a “ luz da liberdade”(prenúncio da revolução liberal), constituindo- se, por isso, como um estimulo para que o povo se revolte. Felizmente Há Luar!
  • 33. Síntese da Acção Prisão do General Perseguição política ao General Gomes Freire Condenação à morte Revolta desesperada de Matilde e Sousa Falcão Resignação do povo Felizmente Há Luar!

Notas do Editor

  1. Suprimida pela censura da ditadura Encenada pelo próprio autor em 1978 No âmbito do Porto 2001 – nova encenação desta peça
  2. 1 – os ingleses instalaram-se em Portugal para combater o exército francês, desde 1808. 2 – a corte partiu em 29/Nov./1807. 3 – Constituição da Junta: slide nº 5
  3. Suprimida pela censura da ditadura Encenada pelo próprio autor em 1978 No âmbito do Porto 2001 – nova encenação desta peça