SlideShare uma empresa Scribd logo
FELIZMENTE HÁ
LUAR!
PARALELISMO HISTÓRICO
Felizmente Há Luar!
 REGIME POLÍTICO:
ABSOLUTISMO
RÉGIO
 D. João VI, ausente
no Brasil
 Junta de
Governadores
 Influência da Igreja
 REGIME POLÍTICO:
DITADURA FASCISTA
 Américo Tomás,
Presidente da
República (sem poder
efectivo)
 Salazar, Presidente do
Conselho de
Ministros
 Influência da Igreja
TEMPO DA HISTÓRIA
1817
TEMPO DA ESCRITA
1961
Felizmente Há Luar!
Crise Política e Social
 Pós Invasões
Francesas
 Imposição do Poder
Militar Britânico
 Revolta de 1817
Crise Política e
Social
 Tentativas goradas
de Golpes Militares
 Guerra Colonial
TEMPO DA HISTÓRIA
1817
TEMPO DA ESCRITA
1961
Felizmente Há Luar!
General Gomes
Freire d’ Andrade
 Denunciado por
delatores
 Condenado à forca
por traição à Pátria
General Humberto
Delgado
 Candidato da
oposição às
Eleições
Presidenciais
 Perseguido pela
PIDE
 Assassinado em
1965
TEMPO DA HISTÓRIA
1817
TEMPO DA ESCRITA
1961
Felizmente Há Luar!
Vítimas do Regime
Político
 Exílios
 Prisões
 Mortes
Vítimas do Regime
Político
 Exílios
 Prisões
 Mortes
TEMPO DA HISTÓRIA
1817
TEMPO DA ESCRITA
1961
Felizmente Há Luar!
=
 1834, Triunfo do
Liberalismo
=
 1974, Triunfo da
Democracia
TEMPO DA HISTÓRIA
1817
TEMPO DA ESCRITA
1961
O TÍTULO
(elemento paratextual)
D. Miguel Forjaz -- Lisboa
há-de cheirar toda a noite
a carne assada
Excelência, e o cheiro há-
de-lhes ficar na memória
durante muitos anos...
Sempre que pensarem em
discutir as nossas ordens,
lembrar-se-ão do cheiro...
(Com raiva)
É verdade que a execução se
prolongará pela noite, mas
felizmente há luar...
 Matilde de Melo – (Para o
povo) Olhem bem! Limpem
os olhos no clarão daquela
fogueira e abram as almas
ao que ela nos ensina! Até
a noite foi feita para que a
vísseis até ao fim...
 (Pausa)
 Felizmente –
felizmente há luar!
D. Miguel Matilde de Melo
- o carácter épico da peça -
 Teatro didáctico baseado no efeito da
distanciação, que se opõe ao teatro
tradicional, no qual o espectador funciona
como um observador crítico de um mundo
em permanente devir.
 Opõe-se à premissa aristotélica, segundo a
qual o espectador deveria sentir que aquilo
que se passa em palco se desenrola naquele
local e naquele momento.
- o carácter épico da peça -
 O espectador não deve crer na presença das figuras
que se movimentam em palco, não deve querer
identificar-se com estas, mas, antes, percorrer o
caminho proposto pelos poetas épicos, o que lhe
permite concluir que aquilo que vê em cena é um
conjunto de acontecimentos passados, aos quais
deve assistir com um desprendimento crítico.
 O teatro épico consiste no efeito da distanciação, o
que pressupõe que o que é apresentado é uma
demonstração do comportamento humano, pelo que
deve ser analisado numa perspectiva científica e
não como uma imitação do real.
- o carácter épico da peça -
 O teatro é encarado como uma forma de análise
das transformações sociais que ocorrem ao
longo dos tempos e, simultaneamente, como
um elemento de construção da sociedade.

 O drama já não se destina a criar o terror e a
piedade, isto é, já não é a função catártica,
purificadora, realizada através das emoções, que
está em causa, pela identificação do espectador
com o herói da peça, mas a capacidade crítica e
analítica de quem observa. Brecht pretendia
substituir sentir por pensar.
- o carácter épico da peça -
 Os acontecimentos devem ser apresentados como uma
narração de algo que teve lugar num tempo anterior, num
determinado espaço. E aquilo a que o espectador assiste
deve funcionar como uma lição de vida e motivar a
reflexão. É a vertente histórica que merece relevo
(relembremos que os poemas épicos contavam as histórias,
as aventuras de um herói, peripécias que eram narradas
como eventos passados).
 A concepção e a formulação de personagens assenta na sua
função social e os seus comportamentos realizam-se através
de um conjunto significativo de elementos que os exprimam
e que passam pela palavra, pelos jogos fisionómicos, pela
movimentação, pelos gestos, pela entoação, tradutores da
relação dos indivíduos com o meio social e das relações
sociais das personagens.
- o carácter épico da peça -
 A intenção subjacente ao teatro épico é a
crítica social, pois aquilo a que se assiste é
um retrato objectivo de determinados quadros
que merecem uma intervenção, uma reflexão
por parte do espectador.
As didascálias
 constituem a explicitação ideológica da
peça;
 texto paralelo que integra a construção da
totalidade do enunciado;
 cumprem, muitas vezes, as funções da
descrição, do narrador interventivo, de
uma focalização interna, de um convite à
reflexão, entre outras.
As didascálias
 Explicações do autor: O público tem de
entender, logo de entrada, que tudo o que se vai
passar no palco tem um significado preciso. Mais:
que os gestos, as palavras e o cenário são
apenas elementos duma linguagem a que tem de
adaptar-se.
 Referência à posição das personagens em
cena: Ao dizer isto, a personagem está quase de
costas para os espectadores.
 Indicações aos actores: O desespero de Matilde
perante a atitude dos populares tem de ser
evidente.
As didascálias
 Caracterização do tom de voz das
personagens e suas flexões: Muda de tom à
voz; ...Volta ao seu tom de voz habitual; ...O tom
é irónico; ...Fala com escárneo.
 Indicação das pausas: Pausa.
 Saída ou entrada de personagens: (Corvo e
Morais Sarmento saem pela esquerda do palco.)
As didascálias
 Apresentação da dimensão interior das personagens: o
gesto é lento, deliberadamente sarcástico. (O advérbio de
modo “deliberadamente” permite-nos concluirdo acesso à
interioridade da personagem, traduzindo a sua
intencionalidade.)
 Indicações sonoras ou ausência de som: Começa a ouvir-
se, ao longe, o ruído de tambores; ...Este silêncio é pesado.
 Ilações que funcionam como informações e como forma
de caracterização das personagens: Fala com entusiasmo.
Vê-se que Gomes Freire é o seu herói:; ...Fala com ironia,
como um homem que, tendo sido aceite num clube de
acesso difícil, se adapta imediatamente à linguagem dos
sócios mais antigos.
As didascálias
 Sugestão do aspecto exterior das personagens: Beresford vem
fardado. A farda, ainda que regulamentar, não é espaventosa e está um
pouco usada.
 Movimentação cénica das personagens: Ao falar da cara, levanta-se,
assumindo a posição dum senador romano.; ... D. Miguel anda, no palco,
dum lado para o outro, com passos decididos.
 Expressão fisionómica dos actores; linguagem gestual a que, por
vezes, se acrescenta a visão do autor: As personagens olham para as
mãos e para os lados.; ...O antigo soldado encolhe os ombros.; ...De
repente olha para os polícias.; ...Abre os braços num gesto que abrange os
presentes, o fundo do palco, a miséria.
 Expressão do estado de espírito das personagens: Irritado., Com
escárneo.; Impaciente.
ASPECTOS SIMBÓLICOS
A SAIA VERDE – o verde está conotado com a
esperança, traduz uma sensação de repouso,
envolvente e refrescante. Oferecida pelo
general a Matilde, como expressão do amor e
da felicidade, Matilde escolhe-a para esperar
o companheiro após a morte, acabando o
verde da saia por simbolizar a esperança de
que o martírio do general dê os seus frutos.
ASPECTOS SIMBÓLICOS
 A NOITE – a noite simboliza o tempo das
gestações, das germinações, das conspirações,
que desabrocharão em pleno dia como
manifestação de vida. A noite apresenta um duplo
aspecto: o das trevas onde fermenta o futuro, e o
da preparação do dia, donde brotará a luz da
vida.
 Há inúmeras referências à noite: “Ontem à
noite entraram mais de dez pessoas em casa
de...”; “Passaram toda a noite a prender gente por
essa cidade...”; “Mas como, Matilde, como é que
se pode lutar contra a noite?”. De facto, é durante
a noite e madrugada que se efectuam as prisões
e as execuções prolongam-se pela noite.
ASPECTOS SIMBÓLICOS
 A LUA – a Lua é o símbolo do conhecimento
indirecto, discursivo, progressivo, frio. Simboliza a
dependência e o princípio do feminino (salvo
excepção), bem como a periodicidade e a
renovação. Sob este aspecto, ela é o símbolo de
transformação e de crescimento.
 Para Matilde, o luar é a luz que permite que todos
observem a injustiça que cometem com a morte
de Gomes Freire e, consequentemente, existirá
uma possibilidade de transformação.
ASPECTOS SIMBÓLICOS
 A FOGUEIRA / O LUME – A fogueira não era
destinada à execução de militares. No entanto,
Gomes Freire, após ser enforcado, foi queimado.
Contudo, aquilo que inicialmente é aviltante
acaba por assumir um carácter redentor. Na
verdade, o fogo simboliza também a purificação,
a morte da “velha ordem” e o ponto de partida
para um mundo novo e diferente. O clarão da
fogueira confirma, cenicamente, o clima
apoteoticamente trágico (e redentor) que o autor
assumidamente deseja para esta peça.
ASPECTOS SIMBÓLICOS
 A MOEDA DE CINCO RÉIS – A moeda de
cinco réis que Matilde pede a Rita assume,
assim, um valor simbólico, teatralmente
simbólico. Assinala o reencontro de
personagens em busca da História, por um
lado, e, por outro, é o penhor de honra que
Matilde, emblematicamente, usará ao peito,
como “uma medalha”.
O TEMPO HISTÓRICO
 A acção representa a história do movimento liberal
oitocentista, no rescaldo das Invasões Francesas e a
“protecção” britânica que se lhe seguiu, revelando as
condições da sociedade portuguesa no início do século XIX e
a acção de resistência dos mais esclarecidos, organizados
frequentemente em sociedades secretas. A conspiração
encabeçada por Gomes Freire de Andrade, manifestava-se
contra a ausência da corte no Brasil, contra o poder
absolutista e tirânico dos governadores e contra a
protecção/presença inglesa personificada pelo generalíssimo
Beresford.
 Manuel – “Vê-se a gente livre dos Franceses, e zás!, cai
na mão dos ingleses!”
O TEMPO HISTÓRICO
 Vicente – Querem saber porque vendo os meus irmãos? Pois
vendo-os por amor a N. S. Jesus Cristo e a El-Rei D. João
VI, que há tantos anos anda pelos Brasis cuidando dos
nossos interesses...”
 Principal Sousa – “Veja, Sr. D. Miguel, como eles
transformaram esta terra de gente pobre mas feliz num
antro de revoltados?”
 D. Miguel – “Sempre a Revolução Francesa...”
 Matilde – “Esta praga lhe rogo eu, Matilde de Melo, mulher
de Gomes Freire de Andrade, hoje 18 de Outubro de 1817.”
TEMPO DA ESCRITA - um texto metáfora
 dois tempos para um só texto;
 a falta de liberdade evidente nos dois tempos;
 a vigilância apertada e a repressão policial;
 a ignorância do povo facilmente manipulável;
 esperança na chegada da liberdade corporizada
na figura de dois generais.
O TEMPO DA ACÇÃO
 As indicações temporais fornecidas pelo
texto permitem-nos verificar que a intriga se
desenrola de forma linear e progressiva,
embora não sejam muito precisas as
indicações sobre a duração da acção.
 Historicamente, sabe-se que o general
Gomes Freire de Andrade foi preso a 25 de
Maio de 1817 e executado a 18 de Outubro
de 1817. Logo a acção decorrerá entre estes
dois marcos temporais.
O TEMPO DA ACÇÃO
 As expressões temporais do Acto I revelam uma duração de,
sensivelmente, dois dias:

 A Rita dorme. A que horas chegou ela?
 Saiba, meu senhor, que a Senhora D. Rita chegou tarde.
 Eram quase cinco horas pelo meu relógio de ouro.
 Temos ordens para te levar, ainda hoje, à presença...
 Excelências: trago comigo um patriota que pode testemunhar
o que ontem contei ao Sr. Marechal.
 Não percam tempo, senhores. O momento é grave e a
causa é justa.
 Ontem à noite entraram mais de dez pessoas em casa de...
 Há dois dias que quase não durmo...
O TEMPO DA ACÇÃO
 O Acto II pressupõe uma duração de 150 dias:
 Esta madrugada prenderam Gomes Freire...
 E eu na descarga das barcaças, todo o dia sem
saber de nada.
 Ao chegar a S. Julião da Barra, meterem-no logo
numa masmorra e aí ficou todo o dia...Só ao fim de
seis dias lhe abonaram dinheiro para comer.
 Esta praga lhe rogo eu (...) hoje dia 18 de Outubro
de 1817.
 É verdade que a execução se prolongará pela noite,
mas felizmente há luar...
O TEMPO DA ACÇÃO
 No Acto I, o tempo parece desenrolar-se muito
rapidamente, contrariamente ao Acto II, em que a
passagem do tempo parece ser muito mais lenta,
intensificando o drama íntimo vivido pelas
diferentes personagens.
 A tortura, degradação e humilhação de Gomes
Freire;
 O desespero e impotência de Matilde a contrastar
com a indiferença dos representantes do poder;
 A desesperança de um povo miserável e sem
perspectivas de futuro é personificada na voz do
antigo soldado que profere, desalentado,
“Prenderam o general... Para nós a noite ainda
ficou mais escura...”
ESPAÇO CÉNICO
A acção desenrola-se em três espaços,
interiores e exteriores, principais:
 A sede do Conselho de Regência
 A casa de Gomes Freire
 O alto da serra (serra de Santo António), de
onde é possível ver-se o Forte de São Julião
da Barra.
ESPAÇO CÉNICO
Outros espaços referenciados nas indicações
didascálicas e nos adereços cénicos ou através
das falas das personagens:
 “No Cais do Sodré há um café, Excelência, onde
se reúnem todos os dias os defensores do
sistema das cortes...”
 “Senhor: há dois dias o meu amigo Morais entrou
no botequim do Marrare ...”
A mudança de espaço é essencialmente
indicada pelo autor, no texto secundário.
O ESPAÇO PSICOLÓGICO
 Caracteriza-se pela relação afectiva que
algumas personagens mantêm com
determinados espaços que, evocados pela
memória, sugerem características
psicológicas das personagens que lhes
fazem referência:
Matilde – Tenho o corpo no Rato e a alma em
São Julião da Barra, mas enquanto houver
vida nestas pernas cansadas... e força nestas
mãos que Deus me deu...
O ESPAÇO SOCIAL
 As indicações didascálicas relativamente ao
guarda-roupa e adereços, atitudes e
movimentação das personagens, as
informações transmitidas pelas
personagens e registo de língua utilizado
são fundamentais para a caracterização do
espaço social.
As personagens - General Gomes Freire
 Personagem central da peça, embora nunca
apareça em cena. A sua presença é construída
através das falas das outras personagens, para
as quais, para o bem e para o mal, se torna uma
obsessão.
 Homem instruído e letrado (“um estrangeirado”),
um militar que sempre lutou em prol da
honestidade e da justiça. É também o símbolo da
modernidade e do progresso, adepto das novas
ideias liberais e, por isso, considerado subversivo
e perigoso para o poder instituído.
As personagens - General Gomes
Freire
 símbolo da luta pela liberdade, da defesa
intransigente dos ideais e daí que a sua presença
se torne incómoda, não só para os “reis do
Rossio”, mas também para os senhores do
regime fascizante dos anos 60.
 A sua morte, duplamente aviltante para um militar
(ele é enforcado e depois queimado, quando a
sentença para um militar seria o fuzilamento),
servirá de lição a todos aqueles que ousem
afrontar o poder político e económico,
representado pela tença que Beresford
As personagens - General Gomes
Freire
 O martírio de Gomes Freire e a sua
lição de coragem constituem os
principais elementos da construção
do carácter épico desta personagem.
As personagens - Matilde
 Companheira de todas as horas, é ela que dá voz à
injustiça sofrida pelo seu homem. As suas falas,
imbuídas de dor e de revolta, constituem uma
denúncia da falsidade e da hipocrisia do Estado e
da Igreja.
 É uma personagem que evolui ao longo da peça,
uma vez que se apresenta inicialmente como uma
mulher que apenas quer salvar o seu homem, nem
que para isso tenha de abdicar de valores que
sempre defendeu, e que quando toma consciência de
toda a trama maquiavélica que envolve o general
acaba por assumir a luta de Gomes Freire, revelando-
se firme e corajosa.
As personagens - Beresford
 Personagem cínica e controversa, aparece
como alguém que, desassombradamente,
assume o processo de Gomes Freire, não
como um imperativo nacional ou militar, mas
apenas motivado por interesses
individuais: a manutenção do seu posto e
da sua tença anual.
As personagens - Beresford
 A sua posição face a toda a trama que
envolve Gomes Freire é nitidamente de
distanciamento crítico e irónico,
acabando por revelar a sua antipatia face
ao catolicismo caduco, que marcam a
realidade portuguesa. e ao exercício
incompetente do poder
As personagens - Beresford
 Será pertinente interpretar o papel de
Beresford como o de uma voz crítica e
mesmo distante em relação à actuação
decadente de D. Miguel e do Principal
Sousa.
As personagens – Principal
Sousa
 Para além da hipocrisia e da falta de
valores éticos que transmite (“Agora me
lembro de que há anos, em Campo de
Ourique, Gomes Freire prejudicou muito a
meu irmão Rodrigo!” – Acto I), simboliza
também o conluio entre a Igreja, enquanto
instituição, e o poder e a demissão da
primeira em relação à denúncia das
verdadeiras injustiças.
As personagens – Principal
Sousa
 Nas palavras do Principal Sousa, é
igualmente possível detectar os
fundamentos da política do
“orgulhosamente sós” dos anos 60:
“Enquanto a Europa se desfaz, o nosso
povo tem de continuar a ver, no céu, a
cruz de Ourique.” – Acto I.
As personagens - D. Miguel
 É o protótipo do pequeno tirano,
inseguro e prepotente, avesso ao
progresso, insensível à injustiça e à
miséria.
As personagens - D. Miguel
 Todo o seu discurso gira em torno de uma lógica
oca e demagógica, construindo verdades falsas
em que talvez acabe mesmo por acreditar. Os
argumentos do “ardor patriótico”, da construção
de “um Portugal próspero e feliz, com um povo
simples, bom e confiante, que viva lavrando e
defendendo a terra, com os olhos postos no
Senhor”, são o eco fiel do discurso político dos
anos 60. D. Miguel, conjuntamente com o
Principal Sousa, são talvez as duas personagens
mais execráveis de todo o texto, pela falsidade e
pela hipocrisia que veiculam.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Felizmente há luar
Felizmente há luar Felizmente há luar
Felizmente há luar
Beatriz Xavier
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
nelsonalves70
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
Rui Oliveira
 
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
BrunaDinis
 
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida GarrettViagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Milena Castro
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
mauro dinis
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
Vitor Manuel de Carvalho
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
ameliapadrao
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
António Fernandes
 
Capítulo XI - MC
Capítulo XI - MCCapítulo XI - MC
Capítulo XI - MC
12anogolega
 
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Alexandra Soares
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
GonaloNuno2
 
UFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptxUFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptx
Nome Sobrenome
 
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Os Maias - intriga
Os Maias - intrigaOs Maias - intriga
Os Maias - intriga
António Fernandes
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
1103sancho
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
Catarina Castro
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
António Teixeira
 
Ano da morte
Ano da morteAno da morte
Ano da morte
Veronica Baptista
 
Horizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amoresHorizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amores
antoniosampaio11
 

Mais procurados (20)

Felizmente há luar
Felizmente há luar Felizmente há luar
Felizmente há luar
 
Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
 
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
 
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida GarrettViagens na Minha Terra - Almeida Garrett
Viagens na Minha Terra - Almeida Garrett
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
Frei luis
Frei luisFrei luis
Frei luis
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
 
Capítulo XI - MC
Capítulo XI - MCCapítulo XI - MC
Capítulo XI - MC
 
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
 
UFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptxUFCD Clc7 - George .pptx
UFCD Clc7 - George .pptx
 
Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011Amor de perdição - 2ª G - 2011
Amor de perdição - 2ª G - 2011
 
Os Maias - intriga
Os Maias - intrigaOs Maias - intriga
Os Maias - intriga
 
O sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidentalO sentimento dum ocidental
O sentimento dum ocidental
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Ano da morte
Ano da morteAno da morte
Ano da morte
 
Horizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amoresHorizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amores
 

Destaque

Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
ESVieira do Minho
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
Catarina Vieira
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
Ana Helena
 
Felizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 FinalFelizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 Final
ruycastroistec
 
Linguagem em felizmente há luar
Linguagem em felizmente há luarLinguagem em felizmente há luar
Linguagem em felizmente há luar
becresforte
 
Felizmente há Luar
Felizmente há LuarFelizmente há Luar
Felizmente há Luar
nanasimao
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
Margarida71
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
Marco Antunes
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
Ana Tapadas
 
Prós e Contras do Tempo de Salazar
Prós e Contras do Tempo de SalazarPrós e Contras do Tempo de Salazar
Prós e Contras do Tempo de Salazar
Carlos Vieira
 
Manual tecnicas redacao
Manual tecnicas redacaoManual tecnicas redacao
Manual tecnicas redacao
Marluce Brum
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
António Teixeira
 
Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)
Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)
Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)
José Galvão
 
Felizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- SínteseFelizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- Síntese
nanasimao
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
guestd8e2b4
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
António Teixeira
 
Educaçoa sexual
Educaçoa sexualEducaçoa sexual
Educaçoa sexual
vasile12
 
Português ll
Português llPortuguês ll
Português ll
António Teixeira
 
Frank Gehry
Frank GehryFrank Gehry
Frank Gehry
Carlos Vieira
 
Inglês 2
Inglês 2Inglês 2

Destaque (20)

Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Felizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 FinalFelizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 Final
 
Linguagem em felizmente há luar
Linguagem em felizmente há luarLinguagem em felizmente há luar
Linguagem em felizmente há luar
 
Felizmente há Luar
Felizmente há LuarFelizmente há Luar
Felizmente há Luar
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Prós e Contras do Tempo de Salazar
Prós e Contras do Tempo de SalazarPrós e Contras do Tempo de Salazar
Prós e Contras do Tempo de Salazar
 
Manual tecnicas redacao
Manual tecnicas redacaoManual tecnicas redacao
Manual tecnicas redacao
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)
Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)
Memorial do convento o estilo de josé saramago (1)
 
Felizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- SínteseFelizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- Síntese
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina morna
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
Educaçoa sexual
Educaçoa sexualEducaçoa sexual
Educaçoa sexual
 
Português ll
Português llPortuguês ll
Português ll
 
Frank Gehry
Frank GehryFrank Gehry
Frank Gehry
 
Inglês 2
Inglês 2Inglês 2
Inglês 2
 

Semelhante a Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)

Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Maria Batista
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
felizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptxfelizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptx
AnaGomes956658
 
felizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptxfelizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptx
Isabel273720
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Elaine Chiullo
 
Capítulo 3
Capítulo 3Capítulo 3
Capítulo 3
priscilaperes
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
leliovr
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 
(3)felizm..
(3)felizm..(3)felizm..
(3)felizm..
becresforte
 
Apresentação melodrama
Apresentação melodramaApresentação melodrama
Apresentação melodrama
Amine Boccardo
 
Memória ao Conservatório Real
Memória ao Conservatório RealMemória ao Conservatório Real
Memória ao Conservatório Real
complementoindirecto
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Tamara Amaral
 
Unidade ii tragédias
Unidade ii   tragédiasUnidade ii   tragédias
Unidade ii tragédias
universigatas
 
Conto popular aa
Conto popular aaConto popular aa
Conto popular aa
armindaalmeida
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Helia Coelho Mello
 
1 tragédia
1 tragédia1 tragédia
1 tragédia
Ana Maria Accorsi
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147
luisprista
 
Ficha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjoFicha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjo
João Teixeira
 
Auto da Compadecida
Auto da CompadecidaAuto da Compadecida
Auto da Compadecida
André Aleixo
 

Semelhante a Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1) (20)

Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
felizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptxfelizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptx
 
felizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptxfelizmentehaluar.pptx
felizmentehaluar.pptx
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
Capítulo 3
Capítulo 3Capítulo 3
Capítulo 3
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
(3)felizm..
(3)felizm..(3)felizm..
(3)felizm..
 
Apresentação melodrama
Apresentação melodramaApresentação melodrama
Apresentação melodrama
 
Memória ao Conservatório Real
Memória ao Conservatório RealMemória ao Conservatório Real
Memória ao Conservatório Real
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
 
Unidade ii tragédias
Unidade ii   tragédiasUnidade ii   tragédias
Unidade ii tragédias
 
Conto popular aa
Conto popular aaConto popular aa
Conto popular aa
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
1 tragédia
1 tragédia1 tragédia
1 tragédia
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147
 
Ficha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjoFicha de apoio_ queda_anjo
Ficha de apoio_ queda_anjo
 
Auto da Compadecida
Auto da CompadecidaAuto da Compadecida
Auto da Compadecida
 

Último

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)

  • 2. Felizmente Há Luar!  REGIME POLÍTICO: ABSOLUTISMO RÉGIO  D. João VI, ausente no Brasil  Junta de Governadores  Influência da Igreja  REGIME POLÍTICO: DITADURA FASCISTA  Américo Tomás, Presidente da República (sem poder efectivo)  Salazar, Presidente do Conselho de Ministros  Influência da Igreja TEMPO DA HISTÓRIA 1817 TEMPO DA ESCRITA 1961
  • 3. Felizmente Há Luar! Crise Política e Social  Pós Invasões Francesas  Imposição do Poder Militar Britânico  Revolta de 1817 Crise Política e Social  Tentativas goradas de Golpes Militares  Guerra Colonial TEMPO DA HISTÓRIA 1817 TEMPO DA ESCRITA 1961
  • 4. Felizmente Há Luar! General Gomes Freire d’ Andrade  Denunciado por delatores  Condenado à forca por traição à Pátria General Humberto Delgado  Candidato da oposição às Eleições Presidenciais  Perseguido pela PIDE  Assassinado em 1965 TEMPO DA HISTÓRIA 1817 TEMPO DA ESCRITA 1961
  • 5. Felizmente Há Luar! Vítimas do Regime Político  Exílios  Prisões  Mortes Vítimas do Regime Político  Exílios  Prisões  Mortes TEMPO DA HISTÓRIA 1817 TEMPO DA ESCRITA 1961
  • 6. Felizmente Há Luar! =  1834, Triunfo do Liberalismo =  1974, Triunfo da Democracia TEMPO DA HISTÓRIA 1817 TEMPO DA ESCRITA 1961
  • 7. O TÍTULO (elemento paratextual) D. Miguel Forjaz -- Lisboa há-de cheirar toda a noite a carne assada Excelência, e o cheiro há- de-lhes ficar na memória durante muitos anos... Sempre que pensarem em discutir as nossas ordens, lembrar-se-ão do cheiro... (Com raiva) É verdade que a execução se prolongará pela noite, mas felizmente há luar...  Matilde de Melo – (Para o povo) Olhem bem! Limpem os olhos no clarão daquela fogueira e abram as almas ao que ela nos ensina! Até a noite foi feita para que a vísseis até ao fim...  (Pausa)  Felizmente – felizmente há luar! D. Miguel Matilde de Melo
  • 8. - o carácter épico da peça -  Teatro didáctico baseado no efeito da distanciação, que se opõe ao teatro tradicional, no qual o espectador funciona como um observador crítico de um mundo em permanente devir.  Opõe-se à premissa aristotélica, segundo a qual o espectador deveria sentir que aquilo que se passa em palco se desenrola naquele local e naquele momento.
  • 9. - o carácter épico da peça -  O espectador não deve crer na presença das figuras que se movimentam em palco, não deve querer identificar-se com estas, mas, antes, percorrer o caminho proposto pelos poetas épicos, o que lhe permite concluir que aquilo que vê em cena é um conjunto de acontecimentos passados, aos quais deve assistir com um desprendimento crítico.  O teatro épico consiste no efeito da distanciação, o que pressupõe que o que é apresentado é uma demonstração do comportamento humano, pelo que deve ser analisado numa perspectiva científica e não como uma imitação do real.
  • 10. - o carácter épico da peça -  O teatro é encarado como uma forma de análise das transformações sociais que ocorrem ao longo dos tempos e, simultaneamente, como um elemento de construção da sociedade.   O drama já não se destina a criar o terror e a piedade, isto é, já não é a função catártica, purificadora, realizada através das emoções, que está em causa, pela identificação do espectador com o herói da peça, mas a capacidade crítica e analítica de quem observa. Brecht pretendia substituir sentir por pensar.
  • 11. - o carácter épico da peça -  Os acontecimentos devem ser apresentados como uma narração de algo que teve lugar num tempo anterior, num determinado espaço. E aquilo a que o espectador assiste deve funcionar como uma lição de vida e motivar a reflexão. É a vertente histórica que merece relevo (relembremos que os poemas épicos contavam as histórias, as aventuras de um herói, peripécias que eram narradas como eventos passados).  A concepção e a formulação de personagens assenta na sua função social e os seus comportamentos realizam-se através de um conjunto significativo de elementos que os exprimam e que passam pela palavra, pelos jogos fisionómicos, pela movimentação, pelos gestos, pela entoação, tradutores da relação dos indivíduos com o meio social e das relações sociais das personagens.
  • 12. - o carácter épico da peça -  A intenção subjacente ao teatro épico é a crítica social, pois aquilo a que se assiste é um retrato objectivo de determinados quadros que merecem uma intervenção, uma reflexão por parte do espectador.
  • 13. As didascálias  constituem a explicitação ideológica da peça;  texto paralelo que integra a construção da totalidade do enunciado;  cumprem, muitas vezes, as funções da descrição, do narrador interventivo, de uma focalização interna, de um convite à reflexão, entre outras.
  • 14. As didascálias  Explicações do autor: O público tem de entender, logo de entrada, que tudo o que se vai passar no palco tem um significado preciso. Mais: que os gestos, as palavras e o cenário são apenas elementos duma linguagem a que tem de adaptar-se.  Referência à posição das personagens em cena: Ao dizer isto, a personagem está quase de costas para os espectadores.  Indicações aos actores: O desespero de Matilde perante a atitude dos populares tem de ser evidente.
  • 15. As didascálias  Caracterização do tom de voz das personagens e suas flexões: Muda de tom à voz; ...Volta ao seu tom de voz habitual; ...O tom é irónico; ...Fala com escárneo.  Indicação das pausas: Pausa.  Saída ou entrada de personagens: (Corvo e Morais Sarmento saem pela esquerda do palco.)
  • 16. As didascálias  Apresentação da dimensão interior das personagens: o gesto é lento, deliberadamente sarcástico. (O advérbio de modo “deliberadamente” permite-nos concluirdo acesso à interioridade da personagem, traduzindo a sua intencionalidade.)  Indicações sonoras ou ausência de som: Começa a ouvir- se, ao longe, o ruído de tambores; ...Este silêncio é pesado.  Ilações que funcionam como informações e como forma de caracterização das personagens: Fala com entusiasmo. Vê-se que Gomes Freire é o seu herói:; ...Fala com ironia, como um homem que, tendo sido aceite num clube de acesso difícil, se adapta imediatamente à linguagem dos sócios mais antigos.
  • 17. As didascálias  Sugestão do aspecto exterior das personagens: Beresford vem fardado. A farda, ainda que regulamentar, não é espaventosa e está um pouco usada.  Movimentação cénica das personagens: Ao falar da cara, levanta-se, assumindo a posição dum senador romano.; ... D. Miguel anda, no palco, dum lado para o outro, com passos decididos.  Expressão fisionómica dos actores; linguagem gestual a que, por vezes, se acrescenta a visão do autor: As personagens olham para as mãos e para os lados.; ...O antigo soldado encolhe os ombros.; ...De repente olha para os polícias.; ...Abre os braços num gesto que abrange os presentes, o fundo do palco, a miséria.  Expressão do estado de espírito das personagens: Irritado., Com escárneo.; Impaciente.
  • 18. ASPECTOS SIMBÓLICOS A SAIA VERDE – o verde está conotado com a esperança, traduz uma sensação de repouso, envolvente e refrescante. Oferecida pelo general a Matilde, como expressão do amor e da felicidade, Matilde escolhe-a para esperar o companheiro após a morte, acabando o verde da saia por simbolizar a esperança de que o martírio do general dê os seus frutos.
  • 19. ASPECTOS SIMBÓLICOS  A NOITE – a noite simboliza o tempo das gestações, das germinações, das conspirações, que desabrocharão em pleno dia como manifestação de vida. A noite apresenta um duplo aspecto: o das trevas onde fermenta o futuro, e o da preparação do dia, donde brotará a luz da vida.  Há inúmeras referências à noite: “Ontem à noite entraram mais de dez pessoas em casa de...”; “Passaram toda a noite a prender gente por essa cidade...”; “Mas como, Matilde, como é que se pode lutar contra a noite?”. De facto, é durante a noite e madrugada que se efectuam as prisões e as execuções prolongam-se pela noite.
  • 20. ASPECTOS SIMBÓLICOS  A LUA – a Lua é o símbolo do conhecimento indirecto, discursivo, progressivo, frio. Simboliza a dependência e o princípio do feminino (salvo excepção), bem como a periodicidade e a renovação. Sob este aspecto, ela é o símbolo de transformação e de crescimento.  Para Matilde, o luar é a luz que permite que todos observem a injustiça que cometem com a morte de Gomes Freire e, consequentemente, existirá uma possibilidade de transformação.
  • 21. ASPECTOS SIMBÓLICOS  A FOGUEIRA / O LUME – A fogueira não era destinada à execução de militares. No entanto, Gomes Freire, após ser enforcado, foi queimado. Contudo, aquilo que inicialmente é aviltante acaba por assumir um carácter redentor. Na verdade, o fogo simboliza também a purificação, a morte da “velha ordem” e o ponto de partida para um mundo novo e diferente. O clarão da fogueira confirma, cenicamente, o clima apoteoticamente trágico (e redentor) que o autor assumidamente deseja para esta peça.
  • 22. ASPECTOS SIMBÓLICOS  A MOEDA DE CINCO RÉIS – A moeda de cinco réis que Matilde pede a Rita assume, assim, um valor simbólico, teatralmente simbólico. Assinala o reencontro de personagens em busca da História, por um lado, e, por outro, é o penhor de honra que Matilde, emblematicamente, usará ao peito, como “uma medalha”.
  • 23. O TEMPO HISTÓRICO  A acção representa a história do movimento liberal oitocentista, no rescaldo das Invasões Francesas e a “protecção” britânica que se lhe seguiu, revelando as condições da sociedade portuguesa no início do século XIX e a acção de resistência dos mais esclarecidos, organizados frequentemente em sociedades secretas. A conspiração encabeçada por Gomes Freire de Andrade, manifestava-se contra a ausência da corte no Brasil, contra o poder absolutista e tirânico dos governadores e contra a protecção/presença inglesa personificada pelo generalíssimo Beresford.  Manuel – “Vê-se a gente livre dos Franceses, e zás!, cai na mão dos ingleses!”
  • 24. O TEMPO HISTÓRICO  Vicente – Querem saber porque vendo os meus irmãos? Pois vendo-os por amor a N. S. Jesus Cristo e a El-Rei D. João VI, que há tantos anos anda pelos Brasis cuidando dos nossos interesses...”  Principal Sousa – “Veja, Sr. D. Miguel, como eles transformaram esta terra de gente pobre mas feliz num antro de revoltados?”  D. Miguel – “Sempre a Revolução Francesa...”  Matilde – “Esta praga lhe rogo eu, Matilde de Melo, mulher de Gomes Freire de Andrade, hoje 18 de Outubro de 1817.”
  • 25. TEMPO DA ESCRITA - um texto metáfora  dois tempos para um só texto;  a falta de liberdade evidente nos dois tempos;  a vigilância apertada e a repressão policial;  a ignorância do povo facilmente manipulável;  esperança na chegada da liberdade corporizada na figura de dois generais.
  • 26. O TEMPO DA ACÇÃO  As indicações temporais fornecidas pelo texto permitem-nos verificar que a intriga se desenrola de forma linear e progressiva, embora não sejam muito precisas as indicações sobre a duração da acção.  Historicamente, sabe-se que o general Gomes Freire de Andrade foi preso a 25 de Maio de 1817 e executado a 18 de Outubro de 1817. Logo a acção decorrerá entre estes dois marcos temporais.
  • 27. O TEMPO DA ACÇÃO  As expressões temporais do Acto I revelam uma duração de, sensivelmente, dois dias:   A Rita dorme. A que horas chegou ela?  Saiba, meu senhor, que a Senhora D. Rita chegou tarde.  Eram quase cinco horas pelo meu relógio de ouro.  Temos ordens para te levar, ainda hoje, à presença...  Excelências: trago comigo um patriota que pode testemunhar o que ontem contei ao Sr. Marechal.  Não percam tempo, senhores. O momento é grave e a causa é justa.  Ontem à noite entraram mais de dez pessoas em casa de...  Há dois dias que quase não durmo...
  • 28. O TEMPO DA ACÇÃO  O Acto II pressupõe uma duração de 150 dias:  Esta madrugada prenderam Gomes Freire...  E eu na descarga das barcaças, todo o dia sem saber de nada.  Ao chegar a S. Julião da Barra, meterem-no logo numa masmorra e aí ficou todo o dia...Só ao fim de seis dias lhe abonaram dinheiro para comer.  Esta praga lhe rogo eu (...) hoje dia 18 de Outubro de 1817.  É verdade que a execução se prolongará pela noite, mas felizmente há luar...
  • 29. O TEMPO DA ACÇÃO  No Acto I, o tempo parece desenrolar-se muito rapidamente, contrariamente ao Acto II, em que a passagem do tempo parece ser muito mais lenta, intensificando o drama íntimo vivido pelas diferentes personagens.  A tortura, degradação e humilhação de Gomes Freire;  O desespero e impotência de Matilde a contrastar com a indiferença dos representantes do poder;  A desesperança de um povo miserável e sem perspectivas de futuro é personificada na voz do antigo soldado que profere, desalentado, “Prenderam o general... Para nós a noite ainda ficou mais escura...”
  • 30. ESPAÇO CÉNICO A acção desenrola-se em três espaços, interiores e exteriores, principais:  A sede do Conselho de Regência  A casa de Gomes Freire  O alto da serra (serra de Santo António), de onde é possível ver-se o Forte de São Julião da Barra.
  • 31. ESPAÇO CÉNICO Outros espaços referenciados nas indicações didascálicas e nos adereços cénicos ou através das falas das personagens:  “No Cais do Sodré há um café, Excelência, onde se reúnem todos os dias os defensores do sistema das cortes...”  “Senhor: há dois dias o meu amigo Morais entrou no botequim do Marrare ...” A mudança de espaço é essencialmente indicada pelo autor, no texto secundário.
  • 32. O ESPAÇO PSICOLÓGICO  Caracteriza-se pela relação afectiva que algumas personagens mantêm com determinados espaços que, evocados pela memória, sugerem características psicológicas das personagens que lhes fazem referência: Matilde – Tenho o corpo no Rato e a alma em São Julião da Barra, mas enquanto houver vida nestas pernas cansadas... e força nestas mãos que Deus me deu...
  • 33. O ESPAÇO SOCIAL  As indicações didascálicas relativamente ao guarda-roupa e adereços, atitudes e movimentação das personagens, as informações transmitidas pelas personagens e registo de língua utilizado são fundamentais para a caracterização do espaço social.
  • 34. As personagens - General Gomes Freire  Personagem central da peça, embora nunca apareça em cena. A sua presença é construída através das falas das outras personagens, para as quais, para o bem e para o mal, se torna uma obsessão.  Homem instruído e letrado (“um estrangeirado”), um militar que sempre lutou em prol da honestidade e da justiça. É também o símbolo da modernidade e do progresso, adepto das novas ideias liberais e, por isso, considerado subversivo e perigoso para o poder instituído.
  • 35. As personagens - General Gomes Freire  símbolo da luta pela liberdade, da defesa intransigente dos ideais e daí que a sua presença se torne incómoda, não só para os “reis do Rossio”, mas também para os senhores do regime fascizante dos anos 60.  A sua morte, duplamente aviltante para um militar (ele é enforcado e depois queimado, quando a sentença para um militar seria o fuzilamento), servirá de lição a todos aqueles que ousem afrontar o poder político e económico, representado pela tença que Beresford
  • 36. As personagens - General Gomes Freire  O martírio de Gomes Freire e a sua lição de coragem constituem os principais elementos da construção do carácter épico desta personagem.
  • 37. As personagens - Matilde  Companheira de todas as horas, é ela que dá voz à injustiça sofrida pelo seu homem. As suas falas, imbuídas de dor e de revolta, constituem uma denúncia da falsidade e da hipocrisia do Estado e da Igreja.  É uma personagem que evolui ao longo da peça, uma vez que se apresenta inicialmente como uma mulher que apenas quer salvar o seu homem, nem que para isso tenha de abdicar de valores que sempre defendeu, e que quando toma consciência de toda a trama maquiavélica que envolve o general acaba por assumir a luta de Gomes Freire, revelando- se firme e corajosa.
  • 38. As personagens - Beresford  Personagem cínica e controversa, aparece como alguém que, desassombradamente, assume o processo de Gomes Freire, não como um imperativo nacional ou militar, mas apenas motivado por interesses individuais: a manutenção do seu posto e da sua tença anual.
  • 39. As personagens - Beresford  A sua posição face a toda a trama que envolve Gomes Freire é nitidamente de distanciamento crítico e irónico, acabando por revelar a sua antipatia face ao catolicismo caduco, que marcam a realidade portuguesa. e ao exercício incompetente do poder
  • 40. As personagens - Beresford  Será pertinente interpretar o papel de Beresford como o de uma voz crítica e mesmo distante em relação à actuação decadente de D. Miguel e do Principal Sousa.
  • 41. As personagens – Principal Sousa  Para além da hipocrisia e da falta de valores éticos que transmite (“Agora me lembro de que há anos, em Campo de Ourique, Gomes Freire prejudicou muito a meu irmão Rodrigo!” – Acto I), simboliza também o conluio entre a Igreja, enquanto instituição, e o poder e a demissão da primeira em relação à denúncia das verdadeiras injustiças.
  • 42. As personagens – Principal Sousa  Nas palavras do Principal Sousa, é igualmente possível detectar os fundamentos da política do “orgulhosamente sós” dos anos 60: “Enquanto a Europa se desfaz, o nosso povo tem de continuar a ver, no céu, a cruz de Ourique.” – Acto I.
  • 43. As personagens - D. Miguel  É o protótipo do pequeno tirano, inseguro e prepotente, avesso ao progresso, insensível à injustiça e à miséria.
  • 44. As personagens - D. Miguel  Todo o seu discurso gira em torno de uma lógica oca e demagógica, construindo verdades falsas em que talvez acabe mesmo por acreditar. Os argumentos do “ardor patriótico”, da construção de “um Portugal próspero e feliz, com um povo simples, bom e confiante, que viva lavrando e defendendo a terra, com os olhos postos no Senhor”, são o eco fiel do discurso político dos anos 60. D. Miguel, conjuntamente com o Principal Sousa, são talvez as duas personagens mais execráveis de todo o texto, pela falsidade e pela hipocrisia que veiculam.