Felizmente há luar

529 visualizações

Publicada em

Algumas notas sobre Felizmente há Luar de Luís de Sttau Monteiro

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Felizmente há luar

  1. 1. Felizmente há luar De Luís de Sttau Monteiro Algumas notas sobre o tempo, o espaço e as personagens
  2. 2. Contextualização histórica e social Revolução Francesa de 1789 As invasões napoleónicas abalam o Ocidente da Europa Só a Inglaterra resiste ao Imperador Napoleão Bonaparte 29 de novembro de1807: tropas de Junot às portas de Lisboa; D. João VI e grande parte da Corte fogem para o Brasil
  3. 3. Contextualização histórica e social O General Beresford é nomeado General para apoiar as tropas portuguesas durante as invasões Francesas (Soult, Massena, Junot) Beresford vê os seus poderes consolidados, mas começa a atrair inimigos Em 1815 o General chega a Lisboa e o Intendente da Polícia avisa Beresford da simpatia que o povo nutre pelo General e do ambiente de conspiração que grassa por Lisboa
  4. 4. Classificação da Obra Drama narrativo de caráter épico que retrata o ambiente de opressão, de censura do regime monárquico-absolutista contra o ambiente de conspiração dos liberais O quadro social representado revela as condições de vida da sociedade portuguesa do século XIX e a revolta dos mais esclarecidos A obra inspira-se no teatro de Brecht, mostrando o Homem e o mundo em constante transformação
  5. 5. Classificação da obra A obra reflete a preocupação com o Homem e o seu destino, a luta contra a miséria, a denúncia da ausência de moral, a busca de uma sociedade solidária que permita a verdadeira realização do Homem. Inspirando-se na técnica de Brecht, no paralelismo Histórico e numa representação despojada de adereços, Sttau Monteiro proporciona uma análise crítica da sociedade de modo a criar nos espetadores consciência crítica e a tomarem posição
  6. 6. Personagens – Os três governadores D. Miguel de Forjaz: frio, desumano, calculista, rancoroso Principal Sousa: Imponente, representa o fanatismo religioso que em nome de Deus compactua com o despotismo do regime General Bresford: Preocupado com as aparências, revela-se um materialista que cumpre a missão em nome do salário anual, representa o menosprezo britânico pelo estrangeiro. Teme quem ameace o seu poder.
  7. 7. Personagens – os delatores Vicente: é do povo, mas despreza-o, inteligente, revoltado com a sua condição de nascimento trai os da sua classe em nome de um salário e uma vida estável como chefe da polícia. Morais Sarmento e Andrade Corvo: denunciantes Dois Polícias: iguais a todos os polícias, cumprem o dever de manter a ordem
  8. 8. Personagens: o contra poder Gomes Freire: “Um homem às direitas, um homem como todos nós”; “lúcido, inteligente, idolatrado pelo povo”; adquire uma dimensão mítica, pelos valores que representa e sobretudo por nunca aparecer ao longo da obra Matilde: companheira de todas as horas do General, vestida de negro e desgrenhada é a imagem da dor; António de Sousa Falcão: o amigo inseparável de Matilde e de Gomes Freire de Andrade
  9. 9. Personagens: o contra poder Manuel: o mais consciente dos populares; sem esperança de que as coisas mudem; Rita: submissa à vontade do marido; solidária com Matilde de Melo; Outros populares: revoltados com a sua situação de miséria, mas receosos do poder repressivo; são o pano de fundo das cenas iniciais nos dois atos Antigo Soldado: reflete os ideais de Gomes Freire
  10. 10. Personagens: contra poder Frei Diogo: um homem sério que procura mostrar a outra face do poder religioso Antigo Soldado: reflete os ideais de Gomes Freire
  11. 11. Espaço Na rua: o espaço próprio para revelar o drama social do povo, a miséria e o medo No palácio dos governadores onde se exerce o poder onde reina a austeridade e o luxo sóbrio
  12. 12. O Tempo: sobreposição metafórica de dois tempos O tempo da história: ambiente de agitação social, conspiração, repressão Denúncias Medo, miséria e revolta Classes do poder com medo de perder privilégios Prisão e condenação de Gomes Freire de Andrade – execução sumária
  13. 13. O Tempo: sobreposição metafórica de dois tempos O tempo da escrita, 1961:  o regime salazarista e a oposição A conspiração A perseguição ao General Humberto Delgado O descontentamento e a revolta contra a guerra colonial, contra prisões e torturas de repressão do poder político

×