SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA SECUNDÁRIA ALMEIDA 
GARRETT 
ANDEBOL 
TRABALHO REALIZADO POR: 
ANA PINHO Nº2 2009/2010
Introdução 
 Atribuiu-se a criação da modalidade Andebol aos alemães 
Hirschmann e Carl Schelenz, por terem sido os compiladores das 
regras da modalidade. 
 No entanto, o Uruguai reivindica a paternidade deste jogo, 
assumindo que o seu criador foi o professor de educação física 
António Valeta, criador alias de muitos outros jogos nacionais 
uruguaios e que pretendeu fazer deste jogo uma réplica do futebol, 
tendo-lhe dado o nome de balon. 
 Em Portugal, o extinto andebol de onze começou a ser praticado 
na cidade do Porto, onde foi introduzido nos finais de 1929 pelo 
desportista alemão Armando Tshopp. Actualmente joga-se o 
andebol de sete que foi introduzido em Portugal em 1949, por outro 
alemão, Henrique Feist. 
 O jogo é similar ao Futebol , e como seu nome diz o método de 
jogar a bola é com as mãos em vez dos pés. tem sido jogado 
internacionalmente desde a primeira metade do século XX.
Biótipo 
 Estatura: Os jogadores de andebol têm evoluído ao longo dos 
tempos, hoje em dia, chegam inclusive a ter 2metros de altura. 
 Braços: O braço que remata é uma das partes mais importantes 
no corpo do jogador. Deve ser capaz de aliar a potência à 
colocação no remate. Os dedos devem ser ágeis e fortes para 
evitar lesões. 
 Resistência física: É um aspecto preponderante nesta 
modalidade devido à sua intensidade existe um enorme 
desgaste físico. 
 Fibras: São possuidores de grande percentagem de fibras 
musculares de acção rápida para responderem prontamente às 
solicitações do jogo. 
 Agilidade e Reflexos: O ritmo do jogo exige rapidez a todos os 
atletas, contudo ao guarda-redes, para além da rapidez deve 
ser possuir de bons reflexos de forma a reagir com 
extraordinária prontidão.
O TERRENO DE JOGO 
 O terreno de jogo é de forma rectangular: compreende de 
uma área de jogo e duas áreas de baliza, medindo 40 metros 
de comprimento e 20 de largura. 
 Os lados maiores chamam-se linhas laterais e os lados 
menores linhas de saída de baliza.
DURAÇÃO DO JOGO 
 Iniciados femininos e masculinos, Infantis 
femininos e masculinos 2x20 minutos. 
 Juvenis femininos e masculinos 2x25 minutos. 
 Séniores femininos e masculinos, Juniores 
femininos e masculinos 2x30 minutos. 
 Para as equipas masculinas e femininas 
maiores de 18 anos, a duração do temo de 
jogo, é de 2x30 minutos. 
 Em todos os jogos são feitos 10 minutos de 
intervalo.
A BOLA 
 A bola deve ser 
revestida de couro ou 
matéria sintética. A 
matéria exterior não 
devera ser brilhante ou 
escorregadia. 
 Masculino (Seniores e 
Juniores): 58-60 cm e 
pesa entre 425-475 gr. 
 Feminino (Seniores e 
Juniores): 54-56 cm e 
pesa entre 325-375 gr.
Regras 
 O objectivo do jogo é introduzir a bola na 
baliza contrária. 
 É jogado apenas com as mãos, só os guarda-redes 
poderão utilizar os pés para defender. 
 Os jogadores não poderão segurar a bola 
mais de 3 segundos sem a jogar, nem podem 
dar mais de 3 passos sem a driblar. 
 Os remates em apoio devem ser executados 
antes da linha de seis metros.
Faltas 
 Cartão Amarelo - Indica uma advertência. Quando um 
jogador incorre numa segunda advertência, não é mostrado 
cartão mas é sancionado com exclusão durante 2 minutos do 
recinto de jogo e não poderá ser substituído por um 
companheiro. 
 Cartão Vermelho - É mostrado ao atleta que incorre numa 
terceira exclusão. É expulso de imediato e não pode 
regressar mais ao terreno de jogo.
A CONDUTA PARA COM UM 
ADVERSÁRIO 
 Perante um adversário é permitido: usar braços e 
mãos para bloquear ou ganhar posse da bola; usar o 
corpo para obstruir um adversário, mesmo quando 
este não está em posse da bola; estabelecer contacto 
corporal com um adversário, frente a frente e de 
braços dobrados, e manter este contacto com o 
intuito de controlar e seguir o adversário. 
 No entanto não é permitido: arrancar ou bater na bola 
que se encontra nas mãos de um adversário; 
bloquear ou empurrar um adversário com os braços, 
mãos ou pernas; prender, segurar, (pelo corpo ou 
pelo uniforme) empurrar, ou lançar-se contra o 
adversário em corrida ou em salto; interferir com, 
impedir ou pôr em perigo um adversário (com ou sem 
bola) dentro das regras estabelecidas.
OS JOGADORES 
 Uma equipa é composta por 14 jogadores (7 
efetivos e 7 suplentes). 
 As equipas devem obrigatoriamente com 1 
guarda-redes). 
 Sobre o terreno de jogo não se devem encontrar 
mais que 7 jogadores ao mesmo tempo (6 de 
campo e 1 guarda-redes). 
 Os outros jogadores são suplentes. 
 Os guarda-redes não podem substituir os 
jogadores de campo, enquanto que um jogador 
de campo pode substituir o guarda-redes.
GUARDA-REDES 
 Pode deter a bola com qualquer parte do corpo, dentro da 
sua área de baliza e com intenção de defesa; 
 Desde que não se encontre de posse da bola e se 
comporte como um jogador de campo, pode sair da sua 
área de baliza; 
 No entanto, para reentrar na sua área de baliza, terá de o 
fazer sem estar na posse da bola. 
É considerada falta do guarda-redes se este: 
 Sair da área de baliza com a bola; 
 Tocar na bola, parada ou a rolar no solo, fora da área de 
baliza.
O GOLO 
 Um golo é valido quando a bola 
ultrapassa completamente a linha de 
baliza para dentro da baliza e se 
nenhuma falta for cometida pelo lançador 
ou pelos companheiros. 
 Quando o jogador da equipa que está à 
defesa, comete uma irregularidade que 
não impeça a bola de entrar na baliza, o 
golo é considerado válido. 
 Um golo não é considerado válido se os 
árbitros ou o cronometrista tiverem 
assinalado interrupção de jogo antes da 
bola ter ultrapassado a linha da baliza 
para o interior da baliza 
 A bola que entra na baliza concede um 
golo á equipa adversária , na condição de 
que essa bola não tenha ultrapassado a 
linha de saída de baliza previamente.
INÍCIO DO JOGO 
 O árbitro faz o sorteio da posse da 
bola ou da escolha do campo. 
 Ao apito do árbitro, o jogador da 
equipa que fica com posse da bola 
dá início ao jogo, com o 
lançamento de saída e 
posicionado no centro da linha do 
meio-campo. Adversários a 3 m 
deste jogador. Não pode resultar 
golo directo do lançamento de 
saída. 
 Após o intervalo, o lançamento de 
saída é feito pela equipa que não 
iniciou o jogo.
LANÇAMENTO LIVRE 
 Os livres devem ser marcados no local onde as faltas são praticadas. 
 Adversários a 3 m do jogador lançador. 
 O livre pode ser assinalado pelas seguintes faltas: 
Dar mais de três passos na posse da bola; 
Fazer dois dribles; 
Driblar incorrectamente; 
Manter parado a posse da bola mais de 3 segundos; 
Tocar a bola abaixo dos joelhos intencionalmente; 
Calcar a linha de 6 m no remate (jogador atacante); 
Conduta irregular para com o adversário (empurrar, agarrar ou “rasteirar”); 
Retirar a bola, no momento em que se encontra em contacto com o solo, da 
área de baliza por um jogador de campo; 
Também quando um jogador toca na bola, de seguida, mais do que uma vez; 
Passa a bola para a sua própria área de baliza, intencionalmente, ficando 
nesta ou saindo pela linha de saída de baliza; entrar na sua área de baliza, 
sem bola, e daí tirar vantagem; mantiver a posse da bola sem efectuar 
qualquer tentativa de ataque ou remate à baliza – jogo passivo.
LIVRES 
LIVRE DE 7 M 
O livre de 7 m verifica-se quando um jogador: 
 Isolado (atacante) e em boa posição para realizar um remate com êxito, 
 É empurrado, agarrado ou sofre uma “rasteira”; 
 Entra na sua baliza para defender intencionalmente; 
 Passa a bola ao seu guarda-redes e este a defende, dentro da sua área de baliza; 
 Sempre que o guarda-redes entrar na sua área de baliza com a bola nas mãos. 
O livre de 7 m: 
 É directo à baliza; 
 Nenhum jogador, excepto o marcador pode permanecer entre a linha de 6 m e a de 9 
m; 
 Ao apito do árbitro o jogador tem 3 segundos para o executar; o marcador não pode 
tocar ou ultrapassar a linha de lançamento livre de 7 m, antes de a bola abandonar a 
sua mão. 
LIVRE DE 9 M 
 Se as faltas forem praticadas entre a linha de 6 m e de 9 m, os lançamentos livres 
são executados sobre a linha de 9 m e os jogadores contrários devem fazer a
LANÇAMENTO DE BALIZA 
 O lançamento de baliza é executado pelo 
guarda-redes, dentro da sua área, sempre 
que a bola ultrapassa a linha de saída de 
baliza, quando tocada em último lugar por um 
atacante ou pelo próprio guarda-redes.
LANÇAMENTO DE REPOSIÇÃO EM 
JOGO 
 Sempre que a bola 
ultrapassa as linhas 
laterais ou a linha de 
saída de baliza, tendo 
sido tocada em último 
lugar por um defesa, é 
reposta em jogo por 
um jogador da equipa 
adversária (no local de 
saída).
TÁCTICAS DEFENSIVAS 
 No andebol são usados 
sistemas defensivos como o 
3x2x1, 5x1, 6x0, 4x2, 3x3 e 
1x5. O sistema mais utilizado é 
o 6x0, onde se encontram 6 
jogadores defensivos 
posicionados na linha dos 6 
metros. A defesa 5x1 também 
é bastante utilizada onde 5 
jogadores se posicionam na 
linha dos 6 metros e um 
jogador (bico ou pivô)se 
posiciona mais à frente que os 
outros. Não existem categorias 
e idades exatas para se utilizar 
cada tipo de defesa, isso 
depende da postura tática do 
defensor e, principalmente, da 
postura da equipa adversária.
ANDEBOL 5X5 
 Cada equipa deverá ser composta por 8 jogadores, sendo 3 suplentes. Se o 
número anteriormente referido não for respeitado, a equipa participa na 
actividade mas os resultados não serão contabilizados para efeitos de 
classificação. Obrigatoriamente todos os jogadores terão de participar pelo 
menos numa das partes de cada jogo que a equipa realize, não podendo 
ser substituídos, excepto por manifesta incapacidade física; 
 A duração do jogo é adaptada à realidade de cada actividade, sendo o 
mesmo composto por duas partes, sem intervalo, com duração mínima de 8 
minutos e máxima de 10 (cada parte); 
 É importante, tal como acontece nas restantes modalidades, que os alunos 
sempre que possível se encontrem devidamente equipados; 
 No aspecto disciplinar sempre que se verifique uma situação de maior 
gravidade, o aluno infractor deverá ser imediatamente substituído, não 
podendo entrar em mais nenhuma situação no jogo, cabendo esta decisão 
em primeira instância ao professor. Se o mesmo não tomar a atitude acima 
descrita o árbitro tem toda a liberdade de o fazer;
 Nenhum jogador, desde que de posse de bola, pode penetrar na área 
do guarda-redes; 
 Aquando da marcação de faltas, a equipa que defende deve estar à 
distância de 2 metros; 
 Na execução do lançamento de linha lateral o aluno deverá ter pelo 
menos um pé em cima da mesma; 
 O livre de 7 metros é marcado quando: 
 O jogador é impedido de jogar numa situação manifesta de golo; 
 O jogador defender dentro da área de guarda-redes de forma 
intencional; 
 Cada jogador não pode dar mais de 3 passos com a bola na mão; 
 A bola se for defendida pelo guarda-redes e ultrapassar a linha final é 
pertença do mesmo. Se tocada por um defensor é marcado um canto 
na junção da linha final com a linha lateral; 
 O jogador da equipa de posse de bola, se atrasar a bola ao seu guarda-redes 
estando este dentro da sua área de baliza, será punido com um 
livre de 9 metros; 
 O resultado final do jogo será aquele que se encontra no final do tempo 
regulamentar do mesmo. Serão atribuídos 3 pontos à vitória, 2 pontos 
em caso de empate e 1 ponto à derrota.
DEFESA 
 Na evolução do jogo têm sido 
aperfeiçoadas as técnicas 
individuais e das tácticas de grupo, 
onde devemos ressaltar que 
sistemas defensivos são definidos 
como a estruturação e 
automatização de comportamentos 
do jogador, dentro de uma 
determinada formação defensiva. 
SISTEMA DEFENSIVO 6x0 
O Sistema Defensivo 6x0 
significa seis na linha de 
defesa, ou seja, seis 
jogadores na primeira linha 
de defesa e nenhum na 
segunda.
ATAQUE 
 O sistema defensivo mais utilizado pelas equipas adversárias é o 6x0. Neste tipo de 
esquema o melhor posicionamento para o ataque é o representado na figura acima, 
onde 5 jogadores formam uma linha de passe em frente a linha de defesa. Os 
jogadores 1, 2, 3 ficam a passar a bola de um lado para o outro enquanto o pivô (4) 
tenta abrir um espaço (com muito cuidado para não cometer falta de ataque) para que 
os armadores ou o central penetre na defesa e arremesse cara-a-cara com o goleiro. O 
pivô deve manter também um posicionamento de modo que possa receber a bola, 
girar e arremessar. Neste sistema deve-se também haver um grande entrosamento 
entre o ponta (1) e o armador (2), pois as melhores oportunidades de golos podem 
surgir de jogadas realizadas pelos dois atletas, tendo que se preocupar com os dois a 
defesa fica mais vulnerável no meio. O sistema 6x0 dificulta a penetração na defesa 
por isso arremessos de fora (sem penetrar na defesa) são comuns nesse tipo de 
jogada, aconselha-se então armadores altos com o arremesso fortes. O central deve 
ser um jogador habilidoso e criativo.
RECEPÇÃO 
 Objectivo: dar continuidade à acção atacante 
através de uma correcta circulação da bola. 
 Componentes Criticas:1 - Extensão dos M.S. na 
direcção da bola e imediata flexão para 
amortecer a força do passe e rectificar a 
direcção da bola se necessário; 2 - Superfície 
côncava de recepção.
DRIBLE 
 Objectivo: permite ao jogador deslocar-se mantendo a posse 
da bola. 
 Componentes Criticas: 1 - Cabeça levantada com o olhar 
dirigido para a frente; 2 -Tronco ligeiramente inclinado à 
frente; 3 - M.I. ligeiramente flectidos; 4 - M.S que realiza o 
movimento, ligeiramente flectido e afastado do corpo; 5 - O 
contacto com a bola é feito principalmente com os dedos e a 
zona da palma da mão mais próxima destes; 6 -O pulso tem 
um papel amortecedor e impulsionador através de um 
movimento de extensão-flexão;
PASSE DE OMBRO 
 Objectivo: permite que a equipa mantenha a posse de bola e 
avance rapidamente no campo. 
 Componentes Criticas: 1 - M.I contrário ao M.S dominante mais 
avançado; 2 -M.S dominante flectido, armado à retaguarda, 
formando um ângulo de 90º com o antebraço; 3 -Palma da mão 
voltada para o local de passe com dedos orientados para cima; 4 
-Rodar o tronco para o lado do M.S dominante em movimento 
preparatório; 5 - Rodar o tronco para a frente simultaneamente ao 
movimento de extensão do M.S dominante; 6 - Transferência do 
peso do corpo para o M.I mais avançado.
PASSE PICADO 
 Objectivo: permite que a equipa mantenha a posse de bola e 
avance rapidamente no campo. 
 Componentes Criticas: 1- M.I contrário ao M.S. dominante mais 
avançado; 2 -M.S. dominante flectido, armado à retaguarda, 
formando um ângulo de 90º com o antebraço; 3 -Palma da mão 
voltada para o local de passe com dedos orientados para cima; 4 - 
Rodar o tronco para o lado do M.S. dominante em movimento 
preparatório; 5 - Rodar o tronco para a frente simultaneamente ao 
movimento de extensão do M.S. dominante, flectindo o pulso na 
fase final de modo a imprimir uma trajectória em “V”; 6 - 
Transferência do peso do corpo para o M.I. mais avançado.
REMATES 
Em Suspensão 
O jogador salta e 
Roda ligeiramente o 
tronco para trás. 
Quando atinge a 
altura máxima de 
impulso, inclina o 
tronco e remata 
com o braço 
estendido e a 
máxima força. 
Em queda 
O atacante inclina-se 
e posiciona o 
tronco paralelo ao 
solo. No momento 
do remate só tem 
apoiada a perna 
contrária ao braço 
que segura a bola. 
Apoiado 
O jogador esconde a 
bola atrás do seu 
corpo e à altura da 
cintura, rodando de 
repetente e 
rematando, 
surpreendendo, 
assim, a defesa 
baixa.
SINAIS DE ARBITRAGEM
BIBLIOGRAFIA 
 www.enciclopedia.com.pt; 
 henriquecunha.tripod.com: 
 d e s p o rto .m a ia d ig ita l. p t; 
 vamos_fazer_educacao_fisica.blogs.sapo.pt; 
 www.regrasdeandebol.maisconhecimento.co 
m; 
 p t.wikip e d ia . o rg ; 
 www.fpa.pt; 
 Livro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Futebol
FutebolFutebol
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Luis
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
Inês Ré
 
Regras do Andebol
Regras do AndebolRegras do Andebol
Regras do Andebol
João Machado
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
Maria João Vasconcelos
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebol
Balonmano
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
AMLDRP
 
Trabalho de volei
Trabalho de voleiTrabalho de volei
Trabalho de volei
Harrison Sodre Melônio
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Jaicinha
 
Gestos técnicos de base do guarda redes
Gestos técnicos de base do guarda redesGestos técnicos de base do guarda redes
Gestos técnicos de base do guarda redes
Valter Nascimento
 
Andebol.ppt
Andebol.pptAndebol.ppt
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
tv2aetabua
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Rita Pereira
 
Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
Paula Silva Silva
 
Andebol - tudo
Andebol - tudoAndebol - tudo
Andebol - tudo
HugoSousa93
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
Sara Pereira
 
Voleibol trabalho
Voleibol trabalhoVoleibol trabalho
Voleibol trabalho
Historiando
 
Trabalho de Futsal
Trabalho de FutsalTrabalho de Futsal
Trabalho de Futsal
Ana Carolina
 

Mais procurados (20)

Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
 
Regras do Andebol
Regras do AndebolRegras do Andebol
Regras do Andebol
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
 
A defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebolA defesa no jogo de handebol
A defesa no jogo de handebol
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Trabalho de volei
Trabalho de voleiTrabalho de volei
Trabalho de volei
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Gestos técnicos de base do guarda redes
Gestos técnicos de base do guarda redesGestos técnicos de base do guarda redes
Gestos técnicos de base do guarda redes
 
Andebol.ppt
Andebol.pptAndebol.ppt
Andebol.ppt
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
 
Andebol - tudo
Andebol - tudoAndebol - tudo
Andebol - tudo
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
 
Voleibol trabalho
Voleibol trabalhoVoleibol trabalho
Voleibol trabalho
 
Trabalho de Futsal
Trabalho de FutsalTrabalho de Futsal
Trabalho de Futsal
 

Semelhante a Andebol regras

Andebol
Andebol Andebol
Andebol regrasdejogo1
Andebol regrasdejogo1Andebol regrasdejogo1
Andebol regrasdejogo1
José Ferreira
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
Nelson Sousa
 
O andebol
O andebolO andebol
O andebol
bamp
 
Slide handebol
Slide handebolSlide handebol
Slide handebol
Gelcimar Educ Física
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
NetKids
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
Hugo Fialho
 
Apresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdfApresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdf
JOÃO PEREIRA
 
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto HeppHandebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
dalilahack
 
HANDEBOL.ppt
HANDEBOL.pptHANDEBOL.ppt
HANDEBOL.ppt
edmar02dantas
 
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
JOÃO PEREIRA
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
Jaicinha
 
andebol
andebolandebol
andebol
guest126cc72
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
evandrolhp
 
Handebol
Handebol Handebol
Handebol
Daniele Gomes
 
Apostila handebol
Apostila handebolApostila handebol
Apostila handebol
marcelosilveirazero1
 
Ginástica e basketball
Ginástica e basketballGinástica e basketball
Ginástica e basketball
gtsantos
 
Basquete
BasqueteBasquete
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
bbpn
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
bbpn
 

Semelhante a Andebol regras (20)

Andebol
Andebol Andebol
Andebol
 
Andebol regrasdejogo1
Andebol regrasdejogo1Andebol regrasdejogo1
Andebol regrasdejogo1
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
O andebol
O andebolO andebol
O andebol
 
Slide handebol
Slide handebolSlide handebol
Slide handebol
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Apresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdfApresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdf
 
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto HeppHandebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
 
HANDEBOL.ppt
HANDEBOL.pptHANDEBOL.ppt
HANDEBOL.ppt
 
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
andebol
andebolandebol
andebol
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Handebol
Handebol Handebol
Handebol
 
Apostila handebol
Apostila handebolApostila handebol
Apostila handebol
 
Ginástica e basketball
Ginástica e basketballGinástica e basketball
Ginástica e basketball
 
Basquete
BasqueteBasquete
Basquete
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
 

Mais de Maria Sequeira

O modelo ateniense (síntese)PDF.pptx
O modelo ateniense (síntese)PDF.pptxO modelo ateniense (síntese)PDF.pptx
O modelo ateniense (síntese)PDF.pptx
Maria Sequeira
 
Avanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docx
Avanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docxAvanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docx
Avanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docx
Maria Sequeira
 
listofverbs.pdf
listofverbs.pdflistofverbs.pdf
listofverbs.pdf
Maria Sequeira
 
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptx
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptxREVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptx
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptx
Maria Sequeira
 
9_81073_98015.pptx
9_81073_98015.pptx9_81073_98015.pptx
9_81073_98015.pptx
Maria Sequeira
 
OS Jogos Olímpicos.pptx
OS Jogos Olímpicos.pptxOS Jogos Olímpicos.pptx
OS Jogos Olímpicos.pptx
Maria Sequeira
 
Andebol introducao
Andebol introducaoAndebol introducao
Andebol introducao
Maria Sequeira
 
Andebol 101209122214-phpapp01 2
Andebol 101209122214-phpapp01 2Andebol 101209122214-phpapp01 2
Andebol 101209122214-phpapp01 2
Maria Sequeira
 
Doenças má alimentação
Doenças má alimentaçãoDoenças má alimentação
Doenças má alimentação
Maria Sequeira
 
História da alimentação
História da alimentaçãoHistória da alimentação
História da alimentação
Maria Sequeira
 
Água sua importância na alimentação
Água sua importância na alimentaçãoÁgua sua importância na alimentação
Água sua importância na alimentação
Maria Sequeira
 
Tipos alimentação
Tipos alimentaçãoTipos alimentação
Tipos alimentação
Maria Sequeira
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
Maria Sequeira
 

Mais de Maria Sequeira (13)

O modelo ateniense (síntese)PDF.pptx
O modelo ateniense (síntese)PDF.pptxO modelo ateniense (síntese)PDF.pptx
O modelo ateniense (síntese)PDF.pptx
 
Avanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docx
Avanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docxAvanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docx
Avanço das ciências exatas e a emergência das ciências sociais.docx
 
listofverbs.pdf
listofverbs.pdflistofverbs.pdf
listofverbs.pdf
 
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptx
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptxREVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptx
REVOLUÇÃO AGRÍCOLA.pptx
 
9_81073_98015.pptx
9_81073_98015.pptx9_81073_98015.pptx
9_81073_98015.pptx
 
OS Jogos Olímpicos.pptx
OS Jogos Olímpicos.pptxOS Jogos Olímpicos.pptx
OS Jogos Olímpicos.pptx
 
Andebol introducao
Andebol introducaoAndebol introducao
Andebol introducao
 
Andebol 101209122214-phpapp01 2
Andebol 101209122214-phpapp01 2Andebol 101209122214-phpapp01 2
Andebol 101209122214-phpapp01 2
 
Doenças má alimentação
Doenças má alimentaçãoDoenças má alimentação
Doenças má alimentação
 
História da alimentação
História da alimentaçãoHistória da alimentação
História da alimentação
 
Água sua importância na alimentação
Água sua importância na alimentaçãoÁgua sua importância na alimentação
Água sua importância na alimentação
 
Tipos alimentação
Tipos alimentaçãoTipos alimentação
Tipos alimentação
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

Andebol regras

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA ALMEIDA GARRETT ANDEBOL TRABALHO REALIZADO POR: ANA PINHO Nº2 2009/2010
  • 2. Introdução  Atribuiu-se a criação da modalidade Andebol aos alemães Hirschmann e Carl Schelenz, por terem sido os compiladores das regras da modalidade.  No entanto, o Uruguai reivindica a paternidade deste jogo, assumindo que o seu criador foi o professor de educação física António Valeta, criador alias de muitos outros jogos nacionais uruguaios e que pretendeu fazer deste jogo uma réplica do futebol, tendo-lhe dado o nome de balon.  Em Portugal, o extinto andebol de onze começou a ser praticado na cidade do Porto, onde foi introduzido nos finais de 1929 pelo desportista alemão Armando Tshopp. Actualmente joga-se o andebol de sete que foi introduzido em Portugal em 1949, por outro alemão, Henrique Feist.  O jogo é similar ao Futebol , e como seu nome diz o método de jogar a bola é com as mãos em vez dos pés. tem sido jogado internacionalmente desde a primeira metade do século XX.
  • 3. Biótipo  Estatura: Os jogadores de andebol têm evoluído ao longo dos tempos, hoje em dia, chegam inclusive a ter 2metros de altura.  Braços: O braço que remata é uma das partes mais importantes no corpo do jogador. Deve ser capaz de aliar a potência à colocação no remate. Os dedos devem ser ágeis e fortes para evitar lesões.  Resistência física: É um aspecto preponderante nesta modalidade devido à sua intensidade existe um enorme desgaste físico.  Fibras: São possuidores de grande percentagem de fibras musculares de acção rápida para responderem prontamente às solicitações do jogo.  Agilidade e Reflexos: O ritmo do jogo exige rapidez a todos os atletas, contudo ao guarda-redes, para além da rapidez deve ser possuir de bons reflexos de forma a reagir com extraordinária prontidão.
  • 4. O TERRENO DE JOGO  O terreno de jogo é de forma rectangular: compreende de uma área de jogo e duas áreas de baliza, medindo 40 metros de comprimento e 20 de largura.  Os lados maiores chamam-se linhas laterais e os lados menores linhas de saída de baliza.
  • 5. DURAÇÃO DO JOGO  Iniciados femininos e masculinos, Infantis femininos e masculinos 2x20 minutos.  Juvenis femininos e masculinos 2x25 minutos.  Séniores femininos e masculinos, Juniores femininos e masculinos 2x30 minutos.  Para as equipas masculinas e femininas maiores de 18 anos, a duração do temo de jogo, é de 2x30 minutos.  Em todos os jogos são feitos 10 minutos de intervalo.
  • 6. A BOLA  A bola deve ser revestida de couro ou matéria sintética. A matéria exterior não devera ser brilhante ou escorregadia.  Masculino (Seniores e Juniores): 58-60 cm e pesa entre 425-475 gr.  Feminino (Seniores e Juniores): 54-56 cm e pesa entre 325-375 gr.
  • 7. Regras  O objectivo do jogo é introduzir a bola na baliza contrária.  É jogado apenas com as mãos, só os guarda-redes poderão utilizar os pés para defender.  Os jogadores não poderão segurar a bola mais de 3 segundos sem a jogar, nem podem dar mais de 3 passos sem a driblar.  Os remates em apoio devem ser executados antes da linha de seis metros.
  • 8. Faltas  Cartão Amarelo - Indica uma advertência. Quando um jogador incorre numa segunda advertência, não é mostrado cartão mas é sancionado com exclusão durante 2 minutos do recinto de jogo e não poderá ser substituído por um companheiro.  Cartão Vermelho - É mostrado ao atleta que incorre numa terceira exclusão. É expulso de imediato e não pode regressar mais ao terreno de jogo.
  • 9. A CONDUTA PARA COM UM ADVERSÁRIO  Perante um adversário é permitido: usar braços e mãos para bloquear ou ganhar posse da bola; usar o corpo para obstruir um adversário, mesmo quando este não está em posse da bola; estabelecer contacto corporal com um adversário, frente a frente e de braços dobrados, e manter este contacto com o intuito de controlar e seguir o adversário.  No entanto não é permitido: arrancar ou bater na bola que se encontra nas mãos de um adversário; bloquear ou empurrar um adversário com os braços, mãos ou pernas; prender, segurar, (pelo corpo ou pelo uniforme) empurrar, ou lançar-se contra o adversário em corrida ou em salto; interferir com, impedir ou pôr em perigo um adversário (com ou sem bola) dentro das regras estabelecidas.
  • 10. OS JOGADORES  Uma equipa é composta por 14 jogadores (7 efetivos e 7 suplentes).  As equipas devem obrigatoriamente com 1 guarda-redes).  Sobre o terreno de jogo não se devem encontrar mais que 7 jogadores ao mesmo tempo (6 de campo e 1 guarda-redes).  Os outros jogadores são suplentes.  Os guarda-redes não podem substituir os jogadores de campo, enquanto que um jogador de campo pode substituir o guarda-redes.
  • 11. GUARDA-REDES  Pode deter a bola com qualquer parte do corpo, dentro da sua área de baliza e com intenção de defesa;  Desde que não se encontre de posse da bola e se comporte como um jogador de campo, pode sair da sua área de baliza;  No entanto, para reentrar na sua área de baliza, terá de o fazer sem estar na posse da bola. É considerada falta do guarda-redes se este:  Sair da área de baliza com a bola;  Tocar na bola, parada ou a rolar no solo, fora da área de baliza.
  • 12. O GOLO  Um golo é valido quando a bola ultrapassa completamente a linha de baliza para dentro da baliza e se nenhuma falta for cometida pelo lançador ou pelos companheiros.  Quando o jogador da equipa que está à defesa, comete uma irregularidade que não impeça a bola de entrar na baliza, o golo é considerado válido.  Um golo não é considerado válido se os árbitros ou o cronometrista tiverem assinalado interrupção de jogo antes da bola ter ultrapassado a linha da baliza para o interior da baliza  A bola que entra na baliza concede um golo á equipa adversária , na condição de que essa bola não tenha ultrapassado a linha de saída de baliza previamente.
  • 13. INÍCIO DO JOGO  O árbitro faz o sorteio da posse da bola ou da escolha do campo.  Ao apito do árbitro, o jogador da equipa que fica com posse da bola dá início ao jogo, com o lançamento de saída e posicionado no centro da linha do meio-campo. Adversários a 3 m deste jogador. Não pode resultar golo directo do lançamento de saída.  Após o intervalo, o lançamento de saída é feito pela equipa que não iniciou o jogo.
  • 14. LANÇAMENTO LIVRE  Os livres devem ser marcados no local onde as faltas são praticadas.  Adversários a 3 m do jogador lançador.  O livre pode ser assinalado pelas seguintes faltas: Dar mais de três passos na posse da bola; Fazer dois dribles; Driblar incorrectamente; Manter parado a posse da bola mais de 3 segundos; Tocar a bola abaixo dos joelhos intencionalmente; Calcar a linha de 6 m no remate (jogador atacante); Conduta irregular para com o adversário (empurrar, agarrar ou “rasteirar”); Retirar a bola, no momento em que se encontra em contacto com o solo, da área de baliza por um jogador de campo; Também quando um jogador toca na bola, de seguida, mais do que uma vez; Passa a bola para a sua própria área de baliza, intencionalmente, ficando nesta ou saindo pela linha de saída de baliza; entrar na sua área de baliza, sem bola, e daí tirar vantagem; mantiver a posse da bola sem efectuar qualquer tentativa de ataque ou remate à baliza – jogo passivo.
  • 15. LIVRES LIVRE DE 7 M O livre de 7 m verifica-se quando um jogador:  Isolado (atacante) e em boa posição para realizar um remate com êxito,  É empurrado, agarrado ou sofre uma “rasteira”;  Entra na sua baliza para defender intencionalmente;  Passa a bola ao seu guarda-redes e este a defende, dentro da sua área de baliza;  Sempre que o guarda-redes entrar na sua área de baliza com a bola nas mãos. O livre de 7 m:  É directo à baliza;  Nenhum jogador, excepto o marcador pode permanecer entre a linha de 6 m e a de 9 m;  Ao apito do árbitro o jogador tem 3 segundos para o executar; o marcador não pode tocar ou ultrapassar a linha de lançamento livre de 7 m, antes de a bola abandonar a sua mão. LIVRE DE 9 M  Se as faltas forem praticadas entre a linha de 6 m e de 9 m, os lançamentos livres são executados sobre a linha de 9 m e os jogadores contrários devem fazer a
  • 16. LANÇAMENTO DE BALIZA  O lançamento de baliza é executado pelo guarda-redes, dentro da sua área, sempre que a bola ultrapassa a linha de saída de baliza, quando tocada em último lugar por um atacante ou pelo próprio guarda-redes.
  • 17. LANÇAMENTO DE REPOSIÇÃO EM JOGO  Sempre que a bola ultrapassa as linhas laterais ou a linha de saída de baliza, tendo sido tocada em último lugar por um defesa, é reposta em jogo por um jogador da equipa adversária (no local de saída).
  • 18. TÁCTICAS DEFENSIVAS  No andebol são usados sistemas defensivos como o 3x2x1, 5x1, 6x0, 4x2, 3x3 e 1x5. O sistema mais utilizado é o 6x0, onde se encontram 6 jogadores defensivos posicionados na linha dos 6 metros. A defesa 5x1 também é bastante utilizada onde 5 jogadores se posicionam na linha dos 6 metros e um jogador (bico ou pivô)se posiciona mais à frente que os outros. Não existem categorias e idades exatas para se utilizar cada tipo de defesa, isso depende da postura tática do defensor e, principalmente, da postura da equipa adversária.
  • 19. ANDEBOL 5X5  Cada equipa deverá ser composta por 8 jogadores, sendo 3 suplentes. Se o número anteriormente referido não for respeitado, a equipa participa na actividade mas os resultados não serão contabilizados para efeitos de classificação. Obrigatoriamente todos os jogadores terão de participar pelo menos numa das partes de cada jogo que a equipa realize, não podendo ser substituídos, excepto por manifesta incapacidade física;  A duração do jogo é adaptada à realidade de cada actividade, sendo o mesmo composto por duas partes, sem intervalo, com duração mínima de 8 minutos e máxima de 10 (cada parte);  É importante, tal como acontece nas restantes modalidades, que os alunos sempre que possível se encontrem devidamente equipados;  No aspecto disciplinar sempre que se verifique uma situação de maior gravidade, o aluno infractor deverá ser imediatamente substituído, não podendo entrar em mais nenhuma situação no jogo, cabendo esta decisão em primeira instância ao professor. Se o mesmo não tomar a atitude acima descrita o árbitro tem toda a liberdade de o fazer;
  • 20.  Nenhum jogador, desde que de posse de bola, pode penetrar na área do guarda-redes;  Aquando da marcação de faltas, a equipa que defende deve estar à distância de 2 metros;  Na execução do lançamento de linha lateral o aluno deverá ter pelo menos um pé em cima da mesma;  O livre de 7 metros é marcado quando:  O jogador é impedido de jogar numa situação manifesta de golo;  O jogador defender dentro da área de guarda-redes de forma intencional;  Cada jogador não pode dar mais de 3 passos com a bola na mão;  A bola se for defendida pelo guarda-redes e ultrapassar a linha final é pertença do mesmo. Se tocada por um defensor é marcado um canto na junção da linha final com a linha lateral;  O jogador da equipa de posse de bola, se atrasar a bola ao seu guarda-redes estando este dentro da sua área de baliza, será punido com um livre de 9 metros;  O resultado final do jogo será aquele que se encontra no final do tempo regulamentar do mesmo. Serão atribuídos 3 pontos à vitória, 2 pontos em caso de empate e 1 ponto à derrota.
  • 21. DEFESA  Na evolução do jogo têm sido aperfeiçoadas as técnicas individuais e das tácticas de grupo, onde devemos ressaltar que sistemas defensivos são definidos como a estruturação e automatização de comportamentos do jogador, dentro de uma determinada formação defensiva. SISTEMA DEFENSIVO 6x0 O Sistema Defensivo 6x0 significa seis na linha de defesa, ou seja, seis jogadores na primeira linha de defesa e nenhum na segunda.
  • 22. ATAQUE  O sistema defensivo mais utilizado pelas equipas adversárias é o 6x0. Neste tipo de esquema o melhor posicionamento para o ataque é o representado na figura acima, onde 5 jogadores formam uma linha de passe em frente a linha de defesa. Os jogadores 1, 2, 3 ficam a passar a bola de um lado para o outro enquanto o pivô (4) tenta abrir um espaço (com muito cuidado para não cometer falta de ataque) para que os armadores ou o central penetre na defesa e arremesse cara-a-cara com o goleiro. O pivô deve manter também um posicionamento de modo que possa receber a bola, girar e arremessar. Neste sistema deve-se também haver um grande entrosamento entre o ponta (1) e o armador (2), pois as melhores oportunidades de golos podem surgir de jogadas realizadas pelos dois atletas, tendo que se preocupar com os dois a defesa fica mais vulnerável no meio. O sistema 6x0 dificulta a penetração na defesa por isso arremessos de fora (sem penetrar na defesa) são comuns nesse tipo de jogada, aconselha-se então armadores altos com o arremesso fortes. O central deve ser um jogador habilidoso e criativo.
  • 23. RECEPÇÃO  Objectivo: dar continuidade à acção atacante através de uma correcta circulação da bola.  Componentes Criticas:1 - Extensão dos M.S. na direcção da bola e imediata flexão para amortecer a força do passe e rectificar a direcção da bola se necessário; 2 - Superfície côncava de recepção.
  • 24. DRIBLE  Objectivo: permite ao jogador deslocar-se mantendo a posse da bola.  Componentes Criticas: 1 - Cabeça levantada com o olhar dirigido para a frente; 2 -Tronco ligeiramente inclinado à frente; 3 - M.I. ligeiramente flectidos; 4 - M.S que realiza o movimento, ligeiramente flectido e afastado do corpo; 5 - O contacto com a bola é feito principalmente com os dedos e a zona da palma da mão mais próxima destes; 6 -O pulso tem um papel amortecedor e impulsionador através de um movimento de extensão-flexão;
  • 25. PASSE DE OMBRO  Objectivo: permite que a equipa mantenha a posse de bola e avance rapidamente no campo.  Componentes Criticas: 1 - M.I contrário ao M.S dominante mais avançado; 2 -M.S dominante flectido, armado à retaguarda, formando um ângulo de 90º com o antebraço; 3 -Palma da mão voltada para o local de passe com dedos orientados para cima; 4 -Rodar o tronco para o lado do M.S dominante em movimento preparatório; 5 - Rodar o tronco para a frente simultaneamente ao movimento de extensão do M.S dominante; 6 - Transferência do peso do corpo para o M.I mais avançado.
  • 26. PASSE PICADO  Objectivo: permite que a equipa mantenha a posse de bola e avance rapidamente no campo.  Componentes Criticas: 1- M.I contrário ao M.S. dominante mais avançado; 2 -M.S. dominante flectido, armado à retaguarda, formando um ângulo de 90º com o antebraço; 3 -Palma da mão voltada para o local de passe com dedos orientados para cima; 4 - Rodar o tronco para o lado do M.S. dominante em movimento preparatório; 5 - Rodar o tronco para a frente simultaneamente ao movimento de extensão do M.S. dominante, flectindo o pulso na fase final de modo a imprimir uma trajectória em “V”; 6 - Transferência do peso do corpo para o M.I. mais avançado.
  • 27. REMATES Em Suspensão O jogador salta e Roda ligeiramente o tronco para trás. Quando atinge a altura máxima de impulso, inclina o tronco e remata com o braço estendido e a máxima força. Em queda O atacante inclina-se e posiciona o tronco paralelo ao solo. No momento do remate só tem apoiada a perna contrária ao braço que segura a bola. Apoiado O jogador esconde a bola atrás do seu corpo e à altura da cintura, rodando de repetente e rematando, surpreendendo, assim, a defesa baixa.
  • 29.
  • 30. BIBLIOGRAFIA  www.enciclopedia.com.pt;  henriquecunha.tripod.com:  d e s p o rto .m a ia d ig ita l. p t;  vamos_fazer_educacao_fisica.blogs.sapo.pt;  www.regrasdeandebol.maisconhecimento.co m;  p t.wikip e d ia . o rg ;  www.fpa.pt;  Livro.