SlideShare uma empresa Scribd logo
Andebol
Objetivo:
O andebol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas
em oposição, constituídas por sete jogadores efetivos e um máximo
de sete suplentes.
Caracterização da modalidade
Introduzir a bola na baliza da equipa adversária, através de ações
técnicas e táticas ofensivas, e evitar que a equipa adversária consiga
fazer o mesmo, recorrendo a ações técnicas e táticas defensivas
adequadas.
O terreno de jogo é um retângulo com 40 metros de comprimento e 20 metros
de largura, com duas áreas de baliza e uma área de jogo. As linhas limite mais
compridas são designadas linhas laterais e as mais curtas linhas de baliza
(entre os postes da baliza) ou linhas de saída de baliza (do lado exterior dos
mesmos).
Terreno de jogo
O tempo de jogo normal para equipas de jogadores de idade superior a 16 anos
(inclusive) é de duas partes de 30 minutos cada.
Nos jogos em que tem de haver uma equipa vencedora, e caso se verifique um
empate no final do tempo regulamentar, é jogado um prolongamento de duas
partes com cinco minutos cada. Caso o empate permaneça, procede-se a um
desempate, através de lançamentos de sete metros.
Regulamento
Tempo de paragem (time-out)
É concedido:
• três por jogo a cada equipa, num máximo de dois por
cada parte do jogo. Nos últimos 5 minutos da partida só é
permitido solicitar um time-out;
• sempre que sejam necessárias consultas entre os
árbitros;
• caso exista uma exclusão de dois minutos ou
desqualificação;
• caso exista a necessidade de assistência médica de
algum jogador.
Time-out
Sinalética de árbitro:
Duração da partida:
O início do jogo faz-se através de um lançamento de saída, no centro
do campo, por um jogador da equipa atacante. O mesmo acontece no
começo da segunda parte.
Após um golo, o lançamento de saída é feito na zona central do campo,
mas apenas os jogadores da equipa que executa o lançamento de saída
têm obrigatoriamente de estar no seu meio-campo.
Início e reinício de jogo:
Bola fora:
• quando ultrapassa completamente as linhas laterais ou de baliza;
• quando um jogador em posse de bola apoia um ou ambos os pés fora
do terreno de jogo (mesmo que a bola esteja dentro de campo).
Regulamento
Reposição da bola em jogo:
Lançamento de reposição em jogo:
• quando a bola cruza a linha lateral;
• quando um jogador de campo da equipa defensora
é o último a tocar a bola, antes desta cruzar a linha
de baliza ou quando a bola toca no teto ou num
objeto fixo sobre o terreno de jogo;
• ao ser executado, o jogador deve ter um ou ambos
os pés sobre a linha e os adversários têm de estar
a 3 metros de distância.
Lançamento de baliza:
• quando a bola sai pela linhas de saída de baliza,
tocada em último lugar por um atacante ou pelo
guarda-redes da equipa defensora, a bola é reposta
em jogo à mão, pelo guarda-redes, em qualquer
ponto interior da área de baliza.
Lançamento de reposição em jogo
Sinalética de árbitro:
Lançamento de baliza
Regulamento
Golo:
É golo quando a bola transpuser completamente
a linha de baliza entre os postes, debaixo da trave
e de acordo com as regras de jogo.
Golo
Sinalética de árbitro:
Regulamento
Jogar a bola:
É permitido:
• segurar a bola nas mãos por um período máximo de três segundos;
• dar um máximo de três passos com a bola na mão;
• passar a bola de uma mão para a outra mão;
• bater a bola no solo repetidamente com uma mão (drible).
Drible ilegal
Passos ou 3 segundos
Sinalética de árbitro:
Regulamento
Jogar a bola (cont.):
Não é permitido:
• tocar a bola com o pé ou perna abaixo do joelho, exceto quando a bola
é atirada ao jogador por um adversário;
• tocar a bola mais de uma vez, após ter sido controlada sem ter tocado
o solo ou a baliza;
• um jogador com bola apoiar um ou ambos os pés fora do terreno de jogo.
Exclusão
Lançamento livre
Regulamento
Sinalética de árbitro:
Faltas e conduta antidesportiva:
• bater na bola ou arrancá-la das mãos do adversário;
• empurrar ou bloquear (com as mãos, membros superiores
ou membros inferiores), um adversário;
• correr ou saltar sobre o adversário;
• segurar ou prender o adversário.
Livre de nove metros:
É assinalado quando a equipa defensora comete infrações
numa zona situada entre as linhas dos seis metros e dos nove
metros.
Livre de sete metros:
É assinalado quando se impede ilegalmente uma clara
oportunidade de golo.
Regulamento
Sanções:
• Advertência: O árbitro mostra o cartão amarelo.
• Exclusão: Durante dois minutos, o jogador não participa no jogo.
• Desqualificação: O árbitro mostra o cartão vermelho a um jogador que tenha sido
excluído (dois minutos) pela terceira vez ou que tenha um comportamento
antidesportivo grave.
• Expulsão: Caso cometa uma agressão, o jogador é expulso, ficando a sua equipa
em inferioridade numérica até ao final do jogo.
Área de baliza: Um jogador pode entrar na área de baliza depois de jogar a bola, desde
que não traga desvantagem para a equipa adversária.
Se um jogador de campo da equipa em posse de bola entrar na área de baliza alcançando
vantagem, é assinalado lançamento de baliza.
Guarda-redes: É permitido tocar a bola com qualquer parte do corpo, enquanto ato
de defesa, dentro da área de baliza. Pode igualmente sair da área de baliza, sem a bola,
e participar depois no jogo como qualquer jogador de campo. Não lhe é permitido sair
e entrar da área de baliza com a bola em seu poder.
Regulamento
Revisão de conteúdos do 3.º Ciclo
Passe de ombro e passe picado
Passe de ombro:
Passe picado:
• execução similar ao passe de ombro;
• distingue-se pela trajetória da bola, que
deve ressaltar no solo antes de chegar ao
recetor.
• pegar a bola com os dedos bem afastados,
com esta acima da cabeça;
• colocar o pé contrário à mão que tem a bola
ligeiramente à frente do outro;
• rotação do tronco para o lado do membro
superior executor;
• enviar a bola com um movimento do membro
superior, de trás para a frente;
• transferir o peso do corpo do membro inferior
mais recuado para o mais avançado.
Passe de ombro
Passe picado
Receção alta e baixa
Receção alta:
Receção baixa:
• os membros superiores devem
encontrar-se estendidos;
• as mãos em concha, formando um «W»;
• fletir os membros superiores para
amortecer o impacto da bola.
• os membros superiores devem
estar estendidos para baixo;
• as palmas das mãos devem estar
voltadas para a frente;
• os dedos mindinhos devem estar
virados um para o outro, formando
um «M» com os dedos anelares.
Receção alta
Receção baixa
Drible em progressão
Drible de progressão:
• o membro superior realiza o movimento ligeiramente fletido e afastado
do corpo;
• o pulso deve desempenhar um papel amortecedor e impulsionador da
bola, através de um movimento de extensão e flexão;
• a bola deve ser conduzida à frente e ao lado do corpo.
Remate em apoio e em suspensão
Remate em apoio:
Remate em suspensão:
• usa os mesmos princípios técnicos do passe
de ombro;
• transferência rápida do peso do corpo de trás
para a frente aumenta a potência do remate;
• extensão total do membro superior e flexão
do pulso no momento final do movimento.
• corrida preparatória: máximo de três passos;
• impulsão efetuada com o membro inferior
contrário ao membro superior que efetua
o remate, com flexão do outro membro inferior;
• imprimir rapidez à rotação do tronco para
a frente, em simultâneo com o movimento
de extensão do membro superior dominante.
Remate em apoio
Remate em suspensão
Técnica de guarda-redes
• Posição base: apoiar o peso na ponta dos pés, fletindo ligeiramente os
membros inferiores e superiores (posição de «pugilista»).
• Defesa alta: impulsão do corpo para cima com o pé de apoio contrário à
trajetória do deslocamento.
• Defesa baixa: procurar o contacto com a bola, com pé e mão.
Posição base Defesa alta Defesa baixa
Técnica de guarda-redes (cont…)
• Defesa a meia altura: deve ser realizada com a ajuda do membro superior
e membro superior.
• Defesa do remate de ponta: posicionamento junto ao primeiro poste.
Defesa do remate de ponta
Defesa a meia altura
Colocação de um defensor numa posição equilibrada que lhe possibilite
o acompanhamento e controlo do seu adversário direto, ou não, bem
como a ajuda aos companheiros de equipa.
Deslocamento rápido do atacante, com o objetivo de se libertar da
marcação defensiva e de criar linha de passe, situação de vantagem
para finalizar ou situação eficaz de circulação de bola.
Marcação e desmarcação
Marcação:
Desmarcação:
Ações técnicas e táticas
Ações técnicas e táticas
Remate com abertura de ângulo:
• tipo de remate usualmente utilizado pelos
jogadores pontas, quando se encontram
no seu lado «forte»;
• deslocamento da zona exterior para a zona
interior do campo, com a impulsão a ser realizada
na direção da linha de sete metros e com a
armação do remate a ser feita o mais tarde
possível, protegendo a bola das ações defensivas.
• remate executado pelos jogadores ponta
quando se encontram no seu lado «débil»;
• deslocamento da zona exterior para o espaço
interior, com flexão lateral do tronco para o lado
contrário ao membro superior que executa o
remate, e a impulsão a ser realizada na direção
da linha dos sete metros.
Remate em basculação:
Remate com abertura de ângulo
Remate em basculação
Remate em queda:
Remate de anca:
• na maioria das vezes, é executado pelos
pivôs, após receção da bola na zona central;
• desequilíbrio do corpo à frente, embora esse
desequilíbrio em muitas situações seja lateral,
flexão dos membros inferiores e remate durante
a queda, sendo a receção/queda feita com as
mãos no solo e os membros superiores fletidos.
• usualmente realizado pelos jogadores de
primeira linha, tais como laterais e centrais;
• remate em que a bola parte do membro
superior do jogador, colocado à altura da bacia
e com uma ligeira flexão lateral do tronco, para
o lado do membro que executa o remate.
Remate em queda
Remate de anca
Ações técnicas e táticas
Bloco:
Finta:
• ação técnica que tem por objetivo
intercetar a trajetória da bola após remate
à baliza;
• tentativa de interceção, com os dois
membros superiores estendidos na
direção da bola e as mãos bem abertas,
de forma a ocupar o maior espaço
possível.
• ação ofensiva que tem como objetivo
ultrapassar o defensor, criando situações
de superioridade numérica.
• desequilíbrio do defensor com recurso a uma
mudança de direção e de velocidade
associadas a uma simulação.
Bloco
Finta
Ações técnicas e táticas
Penetrações sucessivas:
Cruzamento:
• ação técnico-tática de grupo, com o objetivo
de criar superioridade numérica, após ataques
sucessivos ao defensor ou aos espaços, e com
o passe rápido para o colega da posição ao
lado;
• os atacantes devem procurar evitar o contacto
com os adversários e limitar ao máximo
a utilização do drible.
• ação de passagem e interceção das trajetórias
de dois atacantes. Um dos jogadores é o
portador da bola (o que cruza), que ataca o
espaço entre dois defensores, leva o seu defesa
atrás e passa a bola ao colega (beneficiário do
cruzamento) após deslocamento deste para
o espaço deixado livre pelo jogador que fez
o cruzamento.
Combinações táticas ofensivas
Penetrações sucessivas
Cruzamento
Entrada:
Bloqueio:
• invasão do espaço interior da estrutura
defensiva por parte dos jogadores da
primeira linha ofensiva ou pelos pontas,
tentando criar desequilíbrios na defesa
adversária.
• obstrução da ação de um defensor usando
o tronco, para que um ou mais colegas de
equipa penetrem na defesa adversária ou
finalizem.
Combinações táticas ofensivas
Entrada
Bloqueio
Troca de marcação:
• ação de trocar o adversário a marcar, com o colega da posição ao lado,
possibilitando a manutenção das suas posições relativas na estrutura
defensiva;
• há um acompanhamento do adversário direto até que este entre na área de
ação do colega mais próximo, assumindo este último a responsabilidade pela
marcação do adversário;
• utiliza-se quando os defensores se encontram na mesma linha defensiva (ao
mesmo nível).
Combinações táticas defensivas
Contrabloqueio:
Ajuda mútua:
• capacidade de os jogadores, em situação
defensiva, disporem de superioridade numérica
sobre o jogador atacante;
• se um adversário ultrapassar um jogador
defensivo, deve ser imediatamente alvo de
marcação pelo jogador em ajuda defensiva.
• quando é alvo de bloqueio pela equipa
atacante, o jogador defensivo deve anular esta
ação de bloqueio;
• uma das estratégias utilizadas como
contrabloqueio é a troca de marcação entre
jogadores defensivos.
Combinações táticas defensivas
Ajuda mútua
Contrabloqueio
Contra-ataque:
Caracteriza-se como a forma mais simples e rápida de se obter um golo.
Objetivo: aproveitar uma situação de transição rápida, enquanto o adversário se encontra
desorganizado defensivamente e em inferioridade numérica, para criar uma situação
de finalização.
Contra-ataque apoiado:
Utiliza-se quando não é possível realizar contra-
-ataque direto. Participam da ação ofensiva um
número mínimo de dois jogadores de campo.
O primeiro passe ocorre para uma zona próxima
da linha de nove metros.
Contra-ataque direto:
Inicia-se com a defesa do guarda-redes ou com
uma interceção de bola. Tem a duração de 2
ou 3 segundos, dado que a primeira receção
de bola deve ocorrer no meio-campo adversário,
com uma finalização rápida em zona central.
Ataque
Sistemas ofensivos:
Representam a forma particular de como os jogadores se dispõem no
terreno de jogo durante a fase de ataque organizado.
Sistema 3:3:
Sistema ofensivo mais comum, com três jogadores na primeira linha (lateral
esquerdo, central e lateral direito) e três na segunda linha ofensiva (ponta
esquerdo, pivô e ponta direito).
Ataque
Sistemas defensivos:
Representam a forma particular de como os jogadores se dispõem no terreno de jogo durante a fase
de defesa organizada. Os sistemas mais utilizados são os sistemas individuais, zonais e mistos.
Destes, os mais utilizados são os sistemas defensivos 6:0 (numa linha defensiva) e o 5:1 (em duas
linhas defensivas).
Sistema 5:1: numa primeira linha defensiva envolve cinco jogadores (os dois pontas, os dois
laterais e o pivô) e na segunda linha um jogador (o central). É muito utilizado quando a equipa
adversária possui bons rematadores na zona central e/ou possui um central que joga em
profundidade.
Defesa
Princípios táticos elementares
Fases de jogo
Fase ofensiva:
Fase defensiva:
• Contra-ataque;
• Ataque rápido;
• Ataque organizado.
• Recuperação defensiva;
• Defesa organizada.
Princípios específicos ofensivos
Contra-ataque:
Limitação do drible: A progressão da bola deve desenvolver-se através
de passes. Com efeito, dificulta-se a ação defensiva, pois a limitação do drible
leva a que as ações ofensivas de contra-ataque sejam mais rápidas.
Limitação do tempo de posse de bola: De modo a que se garanta a rapidez
e fluidez de ações ofensivas, o tempo de posse de bola individual deve ser
limitado ao estritamente necessário para chegar rapidamente à baliza.
Passes tensos: Devem ser evitados os passes em trajetória parabólica
(«arco»). A utilização de passes tensos e oblíquos garante a progressão
adequada da bola, complicando, simultaneamente, a ação dos defensores,
que veem o seu espaço de intervenção aumentado.
Finalização em zonas de maior eficácia: O desenvolvimento do contra-
ataque deve permitir a finalização no corredor central ou lateral, o mais
próximo possível da baliza.
Ataque rápido:
Garantia de apoios: O portador da bola deve estar sempre apoiado em
amplitude e profundidade, para que a circulação da bola se faça sem
interrupções.
Limitação do drible: Acelerar a progressão da bola através da realização
de passes, dificultando as ações defensivas.
Limitação do tempo de posse de bola: Durante o ataque rápido, o tempo
de posse de bola deve ser mínimo, para dificultar que a defesa interrompa
a circulação da bola.
Inversões: A circulação de bola deve ser efetuada com constantes
inversões de sentido, com o objetivo de surpreender os defensores
e acelerar a criação de pontos de rutura na defesa, que se encontrará
momentaneamente desorganizada.
Princípios específicos ofensivos
Ataque organizado:
Afastamento dos defensores: Os atacantes devem afastar-se dos
defensores, para assegurar a fluidez da circulação da bola.
Receção de bola em movimento: A receção de bola em movimento,
enquadrada na direção da baliza adversária, permite aumentar
a velocidade das ações ofensivas.
Ataque à baliza: Deve ser efetuado na direção dos espaços
interdefensivos para promover situações de 1x0 (para o próprio ou para
os colegas).
Recolocação: Depois do ataque à baliza, o atacante deve rapidamente
reocupar o seu posto específico, possibilitando o processo ofensivo
da equipa.
Princípios específicos ofensivos
Recuperação defensiva:
Participação ativa de todos os jogadores: Após golo ou perda de posse
de bola, os jogadores devem correr na direção da sua baliza, mantendo
o contacto visual com os colegas, adversários e bola. Esta ação deve
impedir a organização do contra-ataque e do ataque rápido da equipa
adversária e proteger a própria baliza na tentativa de recuperar a posse
de bola.
Pressionar o portador da bola: O portador da bola deve ser pressionado
o mais rapidamente possível, de modo a evitar ou dificultar o primeiro
passe e a perturbar o desenvolvimento do contra-ataque.
Evitar a inferioridade numérica: A colocação dos defensores deve evitar
situações de inferioridade numérica, especialmente na zona da bola.
Princípios específicos defensivos
Defesa organizada:
Encurtar os espaços interdefensivos:
A colocação na defesa deve permitir a ajuda de um colega, se for caso
disso, e o controlo do adversário direto.
Assegurar os «triângulos defensivos»:
A formação de «triângulos defensivos» é fundamental para a eficácia
de qualquer sistema defensivo. Um dos vértices corresponde ao jogador
que defende o portador da bola e os outros dois aos colegas que realizam
a entreajuda.
Princípios específicos defensivos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
cappp
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Luis
 
Andebol regras
Andebol regras Andebol regras
Andebol regras
Maria Sequeira
 
Andebol avancado
Andebol  avancadoAndebol  avancado
Andebol avancado
Maria João Vasconcelos
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
Luis Duarte
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
Inês Ré
 
Andebol - tudo
Andebol - tudoAndebol - tudo
Andebol - tudo
HugoSousa93
 
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Margarida Ferreira
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
Maria João Vasconcelos
 
Futebol
FutebolFutebol
Trabalho de Futsal
Trabalho de FutsalTrabalho de Futsal
Trabalho de Futsal
Ana Carolina
 
Regras basquetebol
Regras basquetebolRegras basquetebol
Regras basquetebol
Danilo Ruivo de oliveira
 
Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
Paula Silva Silva
 
Futsal
FutsalFutsal
Futsal
Ruy8
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
tv2aetabua
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
Sara Pereira
 
Andebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogoAndebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogo
Escola Secundaria Moura
 
Trabalho sobre Badminton - Aconsa
Trabalho sobre Badminton - AconsaTrabalho sobre Badminton - Aconsa
Trabalho sobre Badminton - Aconsa
Ana Carolina
 

Mais procurados (20)

Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Powerpoint
PowerpointPowerpoint
Powerpoint
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Andebol regras
Andebol regras Andebol regras
Andebol regras
 
Andebol avancado
Andebol  avancadoAndebol  avancado
Andebol avancado
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
 
Andebol - tudo
Andebol - tudoAndebol - tudo
Andebol - tudo
 
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
Voleibol (regras, gestos técnicos, etc...)
 
Andebol - Nível Elementar
Andebol  - Nível ElementarAndebol  - Nível Elementar
Andebol - Nível Elementar
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Trabalho de Futsal
Trabalho de FutsalTrabalho de Futsal
Trabalho de Futsal
 
Regras basquetebol
Regras basquetebolRegras basquetebol
Regras basquetebol
 
Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
 
Futsal
FutsalFutsal
Futsal
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
 
Andebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogoAndebol b regras do jogo
Andebol b regras do jogo
 
Trabalho sobre Badminton - Aconsa
Trabalho sobre Badminton - AconsaTrabalho sobre Badminton - Aconsa
Trabalho sobre Badminton - Aconsa
 

Semelhante a Andebol.ppt

Apresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdfApresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdf
JOÃO PEREIRA
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
evandrolhp
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
bbpn
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
bbpn
 
Andebol_ Como_jogar(1).pptx
Andebol_ Como_jogar(1).pptxAndebol_ Como_jogar(1).pptx
Andebol_ Como_jogar(1).pptx
LeandroPereira922646
 
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptxAula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
TavaresJana
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
Aandréa Rodrigues
 
Olimpíadas
OlimpíadasOlimpíadas
Olimpíadas
Marina Stefanny
 
Handebol
Handebol Handebol
Handebol
Daniele Gomes
 
Handebol na escola
Handebol na escolaHandebol na escola
Handebol na escola
evandrolhp
 
Basquete 1
Basquete 1Basquete 1
Basquete 1
Nilceia Sc
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
NetKids
 
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
JOÃO PEREIRA
 
Handebol
HandebolHandebol
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Vitor Dalcégio
 
Apostila handebol
Apostila handebolApostila handebol
Apostila handebol
marcelosilveirazero1
 
Apresentação de TIC
Apresentação de TICApresentação de TIC
Apresentação de TIC
susanabb_9b
 
Handebol Professor Stefano Atualizado.ppt
Handebol Professor Stefano Atualizado.pptHandebol Professor Stefano Atualizado.ppt
Handebol Professor Stefano Atualizado.ppt
SilvaStefano
 
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto HeppHandebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
dalilahack
 
andebol
andebolandebol
andebol
guest126cc72
 

Semelhante a Andebol.ppt (20)

Apresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdfApresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdf
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
 
Apostila de basquetebol
Apostila de basquetebolApostila de basquetebol
Apostila de basquetebol
 
Andebol_ Como_jogar(1).pptx
Andebol_ Como_jogar(1).pptxAndebol_ Como_jogar(1).pptx
Andebol_ Como_jogar(1).pptx
 
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptxAula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
 
Olimpíadas
OlimpíadasOlimpíadas
Olimpíadas
 
Handebol
Handebol Handebol
Handebol
 
Handebol na escola
Handebol na escolaHandebol na escola
Handebol na escola
 
Basquete 1
Basquete 1Basquete 1
Basquete 1
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
 
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Apostila handebol
Apostila handebolApostila handebol
Apostila handebol
 
Apresentação de TIC
Apresentação de TICApresentação de TIC
Apresentação de TIC
 
Handebol Professor Stefano Atualizado.ppt
Handebol Professor Stefano Atualizado.pptHandebol Professor Stefano Atualizado.ppt
Handebol Professor Stefano Atualizado.ppt
 
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto HeppHandebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
 
andebol
andebolandebol
andebol
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 

Andebol.ppt

  • 2. Objetivo: O andebol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas em oposição, constituídas por sete jogadores efetivos e um máximo de sete suplentes. Caracterização da modalidade Introduzir a bola na baliza da equipa adversária, através de ações técnicas e táticas ofensivas, e evitar que a equipa adversária consiga fazer o mesmo, recorrendo a ações técnicas e táticas defensivas adequadas.
  • 3. O terreno de jogo é um retângulo com 40 metros de comprimento e 20 metros de largura, com duas áreas de baliza e uma área de jogo. As linhas limite mais compridas são designadas linhas laterais e as mais curtas linhas de baliza (entre os postes da baliza) ou linhas de saída de baliza (do lado exterior dos mesmos). Terreno de jogo
  • 4. O tempo de jogo normal para equipas de jogadores de idade superior a 16 anos (inclusive) é de duas partes de 30 minutos cada. Nos jogos em que tem de haver uma equipa vencedora, e caso se verifique um empate no final do tempo regulamentar, é jogado um prolongamento de duas partes com cinco minutos cada. Caso o empate permaneça, procede-se a um desempate, através de lançamentos de sete metros. Regulamento Tempo de paragem (time-out) É concedido: • três por jogo a cada equipa, num máximo de dois por cada parte do jogo. Nos últimos 5 minutos da partida só é permitido solicitar um time-out; • sempre que sejam necessárias consultas entre os árbitros; • caso exista uma exclusão de dois minutos ou desqualificação; • caso exista a necessidade de assistência médica de algum jogador. Time-out Sinalética de árbitro: Duração da partida:
  • 5. O início do jogo faz-se através de um lançamento de saída, no centro do campo, por um jogador da equipa atacante. O mesmo acontece no começo da segunda parte. Após um golo, o lançamento de saída é feito na zona central do campo, mas apenas os jogadores da equipa que executa o lançamento de saída têm obrigatoriamente de estar no seu meio-campo. Início e reinício de jogo: Bola fora: • quando ultrapassa completamente as linhas laterais ou de baliza; • quando um jogador em posse de bola apoia um ou ambos os pés fora do terreno de jogo (mesmo que a bola esteja dentro de campo). Regulamento
  • 6. Reposição da bola em jogo: Lançamento de reposição em jogo: • quando a bola cruza a linha lateral; • quando um jogador de campo da equipa defensora é o último a tocar a bola, antes desta cruzar a linha de baliza ou quando a bola toca no teto ou num objeto fixo sobre o terreno de jogo; • ao ser executado, o jogador deve ter um ou ambos os pés sobre a linha e os adversários têm de estar a 3 metros de distância. Lançamento de baliza: • quando a bola sai pela linhas de saída de baliza, tocada em último lugar por um atacante ou pelo guarda-redes da equipa defensora, a bola é reposta em jogo à mão, pelo guarda-redes, em qualquer ponto interior da área de baliza. Lançamento de reposição em jogo Sinalética de árbitro: Lançamento de baliza Regulamento
  • 7. Golo: É golo quando a bola transpuser completamente a linha de baliza entre os postes, debaixo da trave e de acordo com as regras de jogo. Golo Sinalética de árbitro: Regulamento
  • 8. Jogar a bola: É permitido: • segurar a bola nas mãos por um período máximo de três segundos; • dar um máximo de três passos com a bola na mão; • passar a bola de uma mão para a outra mão; • bater a bola no solo repetidamente com uma mão (drible). Drible ilegal Passos ou 3 segundos Sinalética de árbitro: Regulamento
  • 9. Jogar a bola (cont.): Não é permitido: • tocar a bola com o pé ou perna abaixo do joelho, exceto quando a bola é atirada ao jogador por um adversário; • tocar a bola mais de uma vez, após ter sido controlada sem ter tocado o solo ou a baliza; • um jogador com bola apoiar um ou ambos os pés fora do terreno de jogo. Exclusão Lançamento livre Regulamento Sinalética de árbitro:
  • 10. Faltas e conduta antidesportiva: • bater na bola ou arrancá-la das mãos do adversário; • empurrar ou bloquear (com as mãos, membros superiores ou membros inferiores), um adversário; • correr ou saltar sobre o adversário; • segurar ou prender o adversário. Livre de nove metros: É assinalado quando a equipa defensora comete infrações numa zona situada entre as linhas dos seis metros e dos nove metros. Livre de sete metros: É assinalado quando se impede ilegalmente uma clara oportunidade de golo. Regulamento
  • 11. Sanções: • Advertência: O árbitro mostra o cartão amarelo. • Exclusão: Durante dois minutos, o jogador não participa no jogo. • Desqualificação: O árbitro mostra o cartão vermelho a um jogador que tenha sido excluído (dois minutos) pela terceira vez ou que tenha um comportamento antidesportivo grave. • Expulsão: Caso cometa uma agressão, o jogador é expulso, ficando a sua equipa em inferioridade numérica até ao final do jogo. Área de baliza: Um jogador pode entrar na área de baliza depois de jogar a bola, desde que não traga desvantagem para a equipa adversária. Se um jogador de campo da equipa em posse de bola entrar na área de baliza alcançando vantagem, é assinalado lançamento de baliza. Guarda-redes: É permitido tocar a bola com qualquer parte do corpo, enquanto ato de defesa, dentro da área de baliza. Pode igualmente sair da área de baliza, sem a bola, e participar depois no jogo como qualquer jogador de campo. Não lhe é permitido sair e entrar da área de baliza com a bola em seu poder. Regulamento
  • 12. Revisão de conteúdos do 3.º Ciclo
  • 13. Passe de ombro e passe picado Passe de ombro: Passe picado: • execução similar ao passe de ombro; • distingue-se pela trajetória da bola, que deve ressaltar no solo antes de chegar ao recetor. • pegar a bola com os dedos bem afastados, com esta acima da cabeça; • colocar o pé contrário à mão que tem a bola ligeiramente à frente do outro; • rotação do tronco para o lado do membro superior executor; • enviar a bola com um movimento do membro superior, de trás para a frente; • transferir o peso do corpo do membro inferior mais recuado para o mais avançado. Passe de ombro Passe picado
  • 14. Receção alta e baixa Receção alta: Receção baixa: • os membros superiores devem encontrar-se estendidos; • as mãos em concha, formando um «W»; • fletir os membros superiores para amortecer o impacto da bola. • os membros superiores devem estar estendidos para baixo; • as palmas das mãos devem estar voltadas para a frente; • os dedos mindinhos devem estar virados um para o outro, formando um «M» com os dedos anelares. Receção alta Receção baixa
  • 15. Drible em progressão Drible de progressão: • o membro superior realiza o movimento ligeiramente fletido e afastado do corpo; • o pulso deve desempenhar um papel amortecedor e impulsionador da bola, através de um movimento de extensão e flexão; • a bola deve ser conduzida à frente e ao lado do corpo.
  • 16. Remate em apoio e em suspensão Remate em apoio: Remate em suspensão: • usa os mesmos princípios técnicos do passe de ombro; • transferência rápida do peso do corpo de trás para a frente aumenta a potência do remate; • extensão total do membro superior e flexão do pulso no momento final do movimento. • corrida preparatória: máximo de três passos; • impulsão efetuada com o membro inferior contrário ao membro superior que efetua o remate, com flexão do outro membro inferior; • imprimir rapidez à rotação do tronco para a frente, em simultâneo com o movimento de extensão do membro superior dominante. Remate em apoio Remate em suspensão
  • 17. Técnica de guarda-redes • Posição base: apoiar o peso na ponta dos pés, fletindo ligeiramente os membros inferiores e superiores (posição de «pugilista»). • Defesa alta: impulsão do corpo para cima com o pé de apoio contrário à trajetória do deslocamento. • Defesa baixa: procurar o contacto com a bola, com pé e mão. Posição base Defesa alta Defesa baixa
  • 18. Técnica de guarda-redes (cont…) • Defesa a meia altura: deve ser realizada com a ajuda do membro superior e membro superior. • Defesa do remate de ponta: posicionamento junto ao primeiro poste. Defesa do remate de ponta Defesa a meia altura
  • 19. Colocação de um defensor numa posição equilibrada que lhe possibilite o acompanhamento e controlo do seu adversário direto, ou não, bem como a ajuda aos companheiros de equipa. Deslocamento rápido do atacante, com o objetivo de se libertar da marcação defensiva e de criar linha de passe, situação de vantagem para finalizar ou situação eficaz de circulação de bola. Marcação e desmarcação Marcação: Desmarcação:
  • 21. Ações técnicas e táticas Remate com abertura de ângulo: • tipo de remate usualmente utilizado pelos jogadores pontas, quando se encontram no seu lado «forte»; • deslocamento da zona exterior para a zona interior do campo, com a impulsão a ser realizada na direção da linha de sete metros e com a armação do remate a ser feita o mais tarde possível, protegendo a bola das ações defensivas. • remate executado pelos jogadores ponta quando se encontram no seu lado «débil»; • deslocamento da zona exterior para o espaço interior, com flexão lateral do tronco para o lado contrário ao membro superior que executa o remate, e a impulsão a ser realizada na direção da linha dos sete metros. Remate em basculação: Remate com abertura de ângulo Remate em basculação
  • 22. Remate em queda: Remate de anca: • na maioria das vezes, é executado pelos pivôs, após receção da bola na zona central; • desequilíbrio do corpo à frente, embora esse desequilíbrio em muitas situações seja lateral, flexão dos membros inferiores e remate durante a queda, sendo a receção/queda feita com as mãos no solo e os membros superiores fletidos. • usualmente realizado pelos jogadores de primeira linha, tais como laterais e centrais; • remate em que a bola parte do membro superior do jogador, colocado à altura da bacia e com uma ligeira flexão lateral do tronco, para o lado do membro que executa o remate. Remate em queda Remate de anca Ações técnicas e táticas
  • 23. Bloco: Finta: • ação técnica que tem por objetivo intercetar a trajetória da bola após remate à baliza; • tentativa de interceção, com os dois membros superiores estendidos na direção da bola e as mãos bem abertas, de forma a ocupar o maior espaço possível. • ação ofensiva que tem como objetivo ultrapassar o defensor, criando situações de superioridade numérica. • desequilíbrio do defensor com recurso a uma mudança de direção e de velocidade associadas a uma simulação. Bloco Finta Ações técnicas e táticas
  • 24. Penetrações sucessivas: Cruzamento: • ação técnico-tática de grupo, com o objetivo de criar superioridade numérica, após ataques sucessivos ao defensor ou aos espaços, e com o passe rápido para o colega da posição ao lado; • os atacantes devem procurar evitar o contacto com os adversários e limitar ao máximo a utilização do drible. • ação de passagem e interceção das trajetórias de dois atacantes. Um dos jogadores é o portador da bola (o que cruza), que ataca o espaço entre dois defensores, leva o seu defesa atrás e passa a bola ao colega (beneficiário do cruzamento) após deslocamento deste para o espaço deixado livre pelo jogador que fez o cruzamento. Combinações táticas ofensivas Penetrações sucessivas Cruzamento
  • 25. Entrada: Bloqueio: • invasão do espaço interior da estrutura defensiva por parte dos jogadores da primeira linha ofensiva ou pelos pontas, tentando criar desequilíbrios na defesa adversária. • obstrução da ação de um defensor usando o tronco, para que um ou mais colegas de equipa penetrem na defesa adversária ou finalizem. Combinações táticas ofensivas Entrada Bloqueio
  • 26. Troca de marcação: • ação de trocar o adversário a marcar, com o colega da posição ao lado, possibilitando a manutenção das suas posições relativas na estrutura defensiva; • há um acompanhamento do adversário direto até que este entre na área de ação do colega mais próximo, assumindo este último a responsabilidade pela marcação do adversário; • utiliza-se quando os defensores se encontram na mesma linha defensiva (ao mesmo nível). Combinações táticas defensivas
  • 27. Contrabloqueio: Ajuda mútua: • capacidade de os jogadores, em situação defensiva, disporem de superioridade numérica sobre o jogador atacante; • se um adversário ultrapassar um jogador defensivo, deve ser imediatamente alvo de marcação pelo jogador em ajuda defensiva. • quando é alvo de bloqueio pela equipa atacante, o jogador defensivo deve anular esta ação de bloqueio; • uma das estratégias utilizadas como contrabloqueio é a troca de marcação entre jogadores defensivos. Combinações táticas defensivas Ajuda mútua Contrabloqueio
  • 28. Contra-ataque: Caracteriza-se como a forma mais simples e rápida de se obter um golo. Objetivo: aproveitar uma situação de transição rápida, enquanto o adversário se encontra desorganizado defensivamente e em inferioridade numérica, para criar uma situação de finalização. Contra-ataque apoiado: Utiliza-se quando não é possível realizar contra- -ataque direto. Participam da ação ofensiva um número mínimo de dois jogadores de campo. O primeiro passe ocorre para uma zona próxima da linha de nove metros. Contra-ataque direto: Inicia-se com a defesa do guarda-redes ou com uma interceção de bola. Tem a duração de 2 ou 3 segundos, dado que a primeira receção de bola deve ocorrer no meio-campo adversário, com uma finalização rápida em zona central. Ataque
  • 29. Sistemas ofensivos: Representam a forma particular de como os jogadores se dispõem no terreno de jogo durante a fase de ataque organizado. Sistema 3:3: Sistema ofensivo mais comum, com três jogadores na primeira linha (lateral esquerdo, central e lateral direito) e três na segunda linha ofensiva (ponta esquerdo, pivô e ponta direito). Ataque
  • 30. Sistemas defensivos: Representam a forma particular de como os jogadores se dispõem no terreno de jogo durante a fase de defesa organizada. Os sistemas mais utilizados são os sistemas individuais, zonais e mistos. Destes, os mais utilizados são os sistemas defensivos 6:0 (numa linha defensiva) e o 5:1 (em duas linhas defensivas). Sistema 5:1: numa primeira linha defensiva envolve cinco jogadores (os dois pontas, os dois laterais e o pivô) e na segunda linha um jogador (o central). É muito utilizado quando a equipa adversária possui bons rematadores na zona central e/ou possui um central que joga em profundidade. Defesa
  • 32. Fases de jogo Fase ofensiva: Fase defensiva: • Contra-ataque; • Ataque rápido; • Ataque organizado. • Recuperação defensiva; • Defesa organizada.
  • 33. Princípios específicos ofensivos Contra-ataque: Limitação do drible: A progressão da bola deve desenvolver-se através de passes. Com efeito, dificulta-se a ação defensiva, pois a limitação do drible leva a que as ações ofensivas de contra-ataque sejam mais rápidas. Limitação do tempo de posse de bola: De modo a que se garanta a rapidez e fluidez de ações ofensivas, o tempo de posse de bola individual deve ser limitado ao estritamente necessário para chegar rapidamente à baliza. Passes tensos: Devem ser evitados os passes em trajetória parabólica («arco»). A utilização de passes tensos e oblíquos garante a progressão adequada da bola, complicando, simultaneamente, a ação dos defensores, que veem o seu espaço de intervenção aumentado. Finalização em zonas de maior eficácia: O desenvolvimento do contra- ataque deve permitir a finalização no corredor central ou lateral, o mais próximo possível da baliza.
  • 34. Ataque rápido: Garantia de apoios: O portador da bola deve estar sempre apoiado em amplitude e profundidade, para que a circulação da bola se faça sem interrupções. Limitação do drible: Acelerar a progressão da bola através da realização de passes, dificultando as ações defensivas. Limitação do tempo de posse de bola: Durante o ataque rápido, o tempo de posse de bola deve ser mínimo, para dificultar que a defesa interrompa a circulação da bola. Inversões: A circulação de bola deve ser efetuada com constantes inversões de sentido, com o objetivo de surpreender os defensores e acelerar a criação de pontos de rutura na defesa, que se encontrará momentaneamente desorganizada. Princípios específicos ofensivos
  • 35. Ataque organizado: Afastamento dos defensores: Os atacantes devem afastar-se dos defensores, para assegurar a fluidez da circulação da bola. Receção de bola em movimento: A receção de bola em movimento, enquadrada na direção da baliza adversária, permite aumentar a velocidade das ações ofensivas. Ataque à baliza: Deve ser efetuado na direção dos espaços interdefensivos para promover situações de 1x0 (para o próprio ou para os colegas). Recolocação: Depois do ataque à baliza, o atacante deve rapidamente reocupar o seu posto específico, possibilitando o processo ofensivo da equipa. Princípios específicos ofensivos
  • 36. Recuperação defensiva: Participação ativa de todos os jogadores: Após golo ou perda de posse de bola, os jogadores devem correr na direção da sua baliza, mantendo o contacto visual com os colegas, adversários e bola. Esta ação deve impedir a organização do contra-ataque e do ataque rápido da equipa adversária e proteger a própria baliza na tentativa de recuperar a posse de bola. Pressionar o portador da bola: O portador da bola deve ser pressionado o mais rapidamente possível, de modo a evitar ou dificultar o primeiro passe e a perturbar o desenvolvimento do contra-ataque. Evitar a inferioridade numérica: A colocação dos defensores deve evitar situações de inferioridade numérica, especialmente na zona da bola. Princípios específicos defensivos
  • 37. Defesa organizada: Encurtar os espaços interdefensivos: A colocação na defesa deve permitir a ajuda de um colega, se for caso disso, e o controlo do adversário direto. Assegurar os «triângulos defensivos»: A formação de «triângulos defensivos» é fundamental para a eficácia de qualquer sistema defensivo. Um dos vértices corresponde ao jogador que defende o portador da bola e os outros dois aos colegas que realizam a entreajuda. Princípios específicos defensivos