SlideShare uma empresa Scribd logo
Apostila de Basquetebol

O basquetebol é jogado por duas equipes de cinco jogadores que tem por objetivo
passar a bola por dentro de um cesto colocado nas extremidades da quadra, seja num
ginásio ou ao ar livre. Os jogadores podem caminhar no campo desde que driblem
(batam a bola contra o chão), a cada passo dados. Também é possível executar um
passe, ou seja, atirar a bola em direção a um companheiro de equipe. Para jogos
regulamentados pela FIBA, o tempo de jogo oficial é de 40 minutos, divididos em
quatro períodos iguais de 10 minutos cada. Entre o 2º e 3º períodos, há intervalos de 15
minutos, e invertem-se as quadras de ataque e defesa das equipes; logo, cada equipe
defende em dois períodos cada cesta. Ao contrário dos outros desportos coletivos, não
há sorteio para definir-se de quem é a posse de bola no começo do jogo: a bola é
lançada ao ar por um árbitro, e um jogador de cada equipe (normalmente o mais alto)
posiciona-se para saltar e tentar passar a bola a um companheiro.
Não é permitido sair dos limites da quadra, e nos jogos oficiais também não é permitido
que o jogador leve a bola para a quadra de ataque e retorne para a quadra de defesa.




                                           1
Objetivo do jogo
O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto da equipe adversária (marcando pontos)
e, simultaneamente, evitar que esta seja introduzida no próprio cesto, respeitando as
regras do jogo. A equipe que obtiver mais pontos no fim do jogo vence.


Posições
Armador ou base- é como o cérebro da equipe. Planeja as jogadas e geralmente
começa com a bola.
Ala e ala/armador- jogam pelos cantos. A função do ala muda bastante. Ele pode
ajudar o base, ou fazer muitas cestas.
Ala/pivô- são na maioria das vezes, os mais altos e mais fortes. Com a sua altura,
pegam muitos rebotes, fazem afundaços (enterradas) e bandejas, e na defesa ajudam
muito com os tocos.

      Equipe- existem duas equipes que são compostas por cinco jogadores cada (em
       jogo), mais 7 reservas.
      Início do jogo – o jogo começa com o lançamento da bola ao ar, pelo árbitro,
       entre dois jogadores adversários no círculo central e esta só pode ser tocada
       quando atingir o ponto mais alto.
      Duração do jogo – quatro períodos de 10 minutos de tempo útil cada (Na NBA,
       são 12 minutos), com intervalo de meio tempo entre o segundo e o terceiro
       período com uma duração de 15 minutos, e com intervalo de dois minutos entre
       o primeiro e o segundo período e entre o terceiro e o quarto período. O
       cronômetro só avança quando a bola se encontra em jogo, isto é, sempre que o
       árbitro interrompe o jogo, o tempo é parado de imediato. No 1º, 2º e 3º período
       pode um tempo de 1 minuto, no 4º período, dois tempos de 1 minuto. Os
       intervalos entre cada período são de 2 minutos.
      Reposição de bola em jogo – depois da marcação de uma falta, o jogo
       recomeça por um lançamento fora das linhas laterais, exceto no caso de lances
       livres. Após a marcação do ponto, o jogo prossegue com um passe realizado
       atrás da linha do campo da equipe que defende.
      Como jogar a bola – a bola é sempre jogada com as mãos. Não é permitido
       andar com a bola nas mãos ou provocar o contato da bola com os pés ou pernas.
       Também não é permitido driblar com as duas mãos ao mesmo tempo.
      Pontuação – um cesto é válido quando a bola entra pelo aro, por cima. Um
       cesto de campo vale dois pontos, a não ser que tenham sido conseguidos para
       além da linha dos três pontos, situada a 6,25m (valendo, portando, três pontos);
       um cesto de lance livre vale um ponto.
      Empate – os jogos não podem terminar empatados. O desempate processa-se
       através de períodos suplementares de 5 minutos.
      Resultado – o jogo é ganho pela equipe que marcar maior número de pontos no
       tempo regulamentar.




                                           2
   Lançamento livre – na execução, os vários jogadores ocupam os respectivos
    espaços ao longo da linha de marcação, não podem deixar os seus lugares até
    que a bola saia das mãos do executante do lance livre; não podem tocar a bola na
    sua trajetória para o cesto, até que este toque no aro.
   Penalizações de faltas pessoais – se a falta for cometida sobre um jogador que
    não está em ato de lançamento, a falta será cobrada por uma forma de uma
    reposição de bola lateral, desde que a equipe não tenha cometido mais do que
    quatro faltas coletivas durante o período, caso contrário é concedido ao jogador
    que sofreu a falta o direito a dois lances livres. Se a falta for cometida sobre um
    jogador no ato de lançamento, a cesta conta e deve ainda ser concedido um lance
    livre. No caso do lançamento não tiver resultado a cesta, o lançador irá executar
    os lances livres correspondentes às penalidades (dois ou três lances livres,
    conforme se trate de uma tentativa de lançamento de dois ou três pontos).
   Regras dos 5 segundos – um jogador que está sendo marcado não pode ter a
    bola em sua posse (sem driblar) por mais de 5 segundos.
   Regras dos 3 segundos – um jogador não pode permanecer mais de 3 segundos
    dentro da área restrita (garrafão) do adversário, enquanto a sua equipe esteja na
    posse de bola.
   Regra dos 8 segundos – quando uma equipe ganha a posse de bola na sua zona
    de defesa, deve, dentro de 8 segundos, fazer com que chegue à sua zona de
    ataque.
   Regra dos 24 segundos – quando uma equipe está de posse da bola, dispõe de
    24 segundos para lançar ao cesto do adversário.
   Bola presa – considera-se bola presa quando dois ou mais jogadores (um de
    cada equipe pelo menos) tiverem uma ou ambas as mãos sobre a bola, ficando
    esta presa.
   Transição de campo – um jogador cuja equipe está na posse da bola, na sua
    zona de ataque, não pode provocar a ida da bola para a sua zona de defesa
    (retorno).
   Drible – quando se dribla pode-se executar o número de passos que pretender. O
    jogador não pode bater a bola com as duas mãos simultaneamente, nem efetuar
    dois dribles consecutivos (bater a bola agarrá-la com as duas mãos e voltar a
    batê-la)
   Passos – o jogador não pode executar mais de dois passos com a bola na mão.
   Faltas pessoais – é uma falta que envolve contato com o adversário, e que
    consiste nos seguintes parâmetros: obstrução, carregar, marcar pela retaguarda,
    deter, segurar, uso ilegal das mãos, empurrar.
   Falta antidesportiva - falta pessoal que, no entender do árbitro, foi cometida
    intencionalmente, com objetivo de prejudicar a equipe adversária.
   Falta técnica – falta cometida por um jogador sem envolver contato pessoal
    com o adversário, como, por exemplo, contestações das decisões do árbitro,
    usando gestos, atitudes ou vocabulário ofensivo, ou mesmo quando não levantar
    imediatamente o braço quando solicitado pelo árbitro, após lhe ser assinalada
    falta.
   Número de faltas – um jogador que cometer cinco faltas está desqualificado da
    partida.




                                         3
FUNDAMENTOS




Empunhadura geral
É feita com os dedos e a parte calosa das mãos, polegares um de frente para o outro nas
laterais da bola. Não é correto segurar a bola com as palmas da mão.




Manejo de corpo
São movimentos corporais utilizados no basquete que visam facilitar a aprendizagem
dos fundamentos com a bola. Esses movimentos incluem: finta giro, mudança de
direção, mudança de ritmo e parada brusca.




                                           4
Drible alto
Usa-se drible alto, com o intuito de se locomover com maior velocidade, na quadra,
podendo desta forma desenvolver a corrida associada ao drible sem cometer a violação
do andar. Usam-se principalmente quando um adversário não está exercendo uma
marcação próxima ou quando um jogador recebe um jogador recebe um passe de seu
companheiro, estando muito distante da cesta, obrigatoriamente terá que usar o drible
para se aproximar e efetuar o arremesso




                                          5
Drible baixo
É realizado frequentemente quando um jogador que está com a bola sofre uma
marcação de perto, bem próxima pelo seu adversário. O drible se executa com o corpo
curvado para frente, pernas semi-flexionadas e a cabeça erguida.




Passe
O passe tem como objetivo a colocação da bola num companheiro que se encontre em
melhor posição, para a criação de situação de finalização ou para a progressão no
terreno de jogo. Existem vários tipos de passe: peito, picado, por cima com duas mãos,
lateral com uma mão, por trás das costas, etc.




                                           6
   Passe com uma mão- usado para lançar a bola mais longa.




                                     7
   Passe de peito – como o nome indica, com a bola na altura do peito é
    arremessada frontalmente na direção do alvo. Neste movimento os polegares é
    que darão força ao passe e as palmas das mãos deverão apontar para fora no
    final do gesto técnico.




                                      8
   Passe picado ou quicado – muito semelhante ao passe de peito, tendo em conta
    que o alvo inicial é o solo. Utilizado em curtas e médias distâncias.




   Passe de ombro – é utilizado nas situações que solicitam um passe comprido. É
    um tipo de passe com a trajetória linear (sem arco), e em direção ao alvo.
    Utilizado em médias e longas distâncias, sendo utilizados em contra ataque.




                                      9
   Passe por cima da cabeça – é usado quando existe um adversário entre dois
    jogadores da mesma equipe. Também utilizado em curtas e médias distâncias,
    sendo mais específicos para o pivô.




   Passe de gancho – é utilizado na maioria das vezes quando um jogador durante
    um jogo necessita de se livrar de uma marcação e essa tem uma estatura mais
    elevada do jogador executante.




                                     10
Arremesso
Driblar e jogar a bola na cesta.




Bandeja
É um arremesso que tem que dar dois passos: o primeiro de equilíbrio e o segundo de
distância. Que pode ser feito em movimento com passe ou driblando.




                                         11
Jump
Driblando em direção a cesta e parando numa posição de equilíbrio, flexionando as
pernas, saltar elevando a bola acima e à frente da cabeça com ambas as mãos e executar
o arremesso no momento mais alto do pulo.

Rebote
É a recuperação da bola após um arremesso não convertido.




Enterradas
É o movimento que conjuga o salto e a colocação com firmeza a bola diretamente na
cesta.



BIBLIOGRAFIA
Basquetebol da iniciação ao jogo
Mário Roberto Guarizi
Editora Fontoura

Basquete WWW.brasilescola.com




                                          12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de treino Andebol feminino.docx
Plano de treino Andebol feminino.docxPlano de treino Andebol feminino.docx
Plano de treino Andebol feminino.docx
JoaoFrancisco Moreira
 
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETEEDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
Jaicinha
 
Apresentação andebol
Apresentação andebol Apresentação andebol
Apresentação andebol
Debora Tavares
 
Andebol elementar
Andebol elementarAndebol elementar
Andebol elementar
Maria Sequeira
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Nicollas Villar
 
Futsal 2
Futsal 2Futsal 2
Futsal 2
29setembro
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
NetKids
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Jaicinha
 
Andebol regras
Andebol regras Andebol regras
Andebol regras
Maria Sequeira
 
Andebol - Nível Introdução
Andebol - Nível IntroduçãoAndebol - Nível Introdução
Andebol - Nível Introdução
Maria João Vasconcelos
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
tv2aetabua
 
Bitoque raguebi
Bitoque raguebiBitoque raguebi
Bitoque raguebi
Pátrícia Teles
 
Andebol
AndebolAndebol
Regras do Andebol
Regras do AndebolRegras do Andebol
Regras do Andebol
João Machado
 
Handebol
HandebolHandebol
Basquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e FundamentosBasquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e Fundamentos
Prof. Saulo Bezerra
 
Trabalho sobre o Futsal
 Trabalho sobre o Futsal Trabalho sobre o Futsal
Trabalho sobre o Futsal
Rafael Paulino
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
KrashovJC
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Hugo Ferreira
 
Educação Física - Voleibol
Educação Física - VoleibolEducação Física - Voleibol
Educação Física - Voleibol
antoniavieira
 

Mais procurados (20)

Plano de treino Andebol feminino.docx
Plano de treino Andebol feminino.docxPlano de treino Andebol feminino.docx
Plano de treino Andebol feminino.docx
 
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETEEDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
EDUCAÇÃO FÍSICA- TUDO SOBRE O BASQUETE
 
Apresentação andebol
Apresentação andebol Apresentação andebol
Apresentação andebol
 
Andebol elementar
Andebol elementarAndebol elementar
Andebol elementar
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Futsal 2
Futsal 2Futsal 2
Futsal 2
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Andebol regras
Andebol regras Andebol regras
Andebol regras
 
Andebol - Nível Introdução
Andebol - Nível IntroduçãoAndebol - Nível Introdução
Andebol - Nível Introdução
 
Regras do Basquete
Regras do BasqueteRegras do Basquete
Regras do Basquete
 
Bitoque raguebi
Bitoque raguebiBitoque raguebi
Bitoque raguebi
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
Regras do Andebol
Regras do AndebolRegras do Andebol
Regras do Andebol
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Basquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e FundamentosBasquete: História, Regras e Fundamentos
Basquete: História, Regras e Fundamentos
 
Trabalho sobre o Futsal
 Trabalho sobre o Futsal Trabalho sobre o Futsal
Trabalho sobre o Futsal
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Educação Física - Voleibol
Educação Física - VoleibolEducação Física - Voleibol
Educação Física - Voleibol
 

Destaque

DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRASDANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
bbpn
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
AMLDRP
 
História da Dança
História da DançaHistória da Dança
História da Dança
bbpn
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
Jorge Rodrigues
 
Basquetebol Sebenta
Basquetebol SebentaBasquetebol Sebenta
Basquetebol Sebenta
CatarinaNeivas
 
Basquetebol iniciação
Basquetebol iniciaçãoBasquetebol iniciação
Basquetebol iniciação
Rafael Mathias
 
Táticas de defesa e ataque no basquetebol
Táticas de defesa e ataque no basquetebolTáticas de defesa e ataque no basquetebol
Táticas de defesa e ataque no basquetebol
Marcos Dieison
 
Ataque e defesa astral
Ataque e defesa astralAtaque e defesa astral
Ataque e defesa astral
Leonardo Toledo
 
Regulamento
RegulamentoRegulamento
Mensagem ef 1º setembro
Mensagem ef 1º setembroMensagem ef 1º setembro
Mensagem ef 1º setembro
dedimapereira
 
Zuzu Angel - Análise do Filme
Zuzu Angel - Análise do FilmeZuzu Angel - Análise do Filme
Zuzu Angel - Análise do Filme
Leandro Martins
 
Tcc estrutura de treinamento em basquete para atleta
Tcc estrutura de treinamento em basquete para atletaTcc estrutura de treinamento em basquete para atleta
Tcc estrutura de treinamento em basquete para atleta
Fabio Bovo
 
A história oficial do basquete
A história oficial do basqueteA história oficial do basquete
A história oficial do basquete
Peri Emerson Silva Cunha
 
Táticas básicas de basquetebol
Táticas básicas de basquetebolTáticas básicas de basquetebol
Táticas básicas de basquetebol
Elaine Lima
 
Basquete de Rua
Basquete de RuaBasquete de Rua
Basquete de Rua
Meio & Mensagem
 
Saúde
SaúdeSaúde
Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012
Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012
Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012
Carlos Alex Soares
 
Regras do baquete
Regras do baqueteRegras do baquete
Regras do baquete
4ndd
 
Basquete estrutura de jogo
Basquete   estrutura de jogoBasquete   estrutura de jogo
Basquete estrutura de jogo
Cassio Meira Jr.
 
Gestão de recursos humanos no desporto
Gestão de recursos humanos no desportoGestão de recursos humanos no desporto
Gestão de recursos humanos no desporto
CatarinaNeivas
 

Destaque (20)

DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRASDANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
História da Dança
História da DançaHistória da Dança
História da Dança
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Basquetebol Sebenta
Basquetebol SebentaBasquetebol Sebenta
Basquetebol Sebenta
 
Basquetebol iniciação
Basquetebol iniciaçãoBasquetebol iniciação
Basquetebol iniciação
 
Táticas de defesa e ataque no basquetebol
Táticas de defesa e ataque no basquetebolTáticas de defesa e ataque no basquetebol
Táticas de defesa e ataque no basquetebol
 
Ataque e defesa astral
Ataque e defesa astralAtaque e defesa astral
Ataque e defesa astral
 
Regulamento
RegulamentoRegulamento
Regulamento
 
Mensagem ef 1º setembro
Mensagem ef 1º setembroMensagem ef 1º setembro
Mensagem ef 1º setembro
 
Zuzu Angel - Análise do Filme
Zuzu Angel - Análise do FilmeZuzu Angel - Análise do Filme
Zuzu Angel - Análise do Filme
 
Tcc estrutura de treinamento em basquete para atleta
Tcc estrutura de treinamento em basquete para atletaTcc estrutura de treinamento em basquete para atleta
Tcc estrutura de treinamento em basquete para atleta
 
A história oficial do basquete
A história oficial do basqueteA história oficial do basquete
A história oficial do basquete
 
Táticas básicas de basquetebol
Táticas básicas de basquetebolTáticas básicas de basquetebol
Táticas básicas de basquetebol
 
Basquete de Rua
Basquete de RuaBasquete de Rua
Basquete de Rua
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012
Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012
Revista maisbasquete v1_n2_dez_2012
 
Regras do baquete
Regras do baqueteRegras do baquete
Regras do baquete
 
Basquete estrutura de jogo
Basquete   estrutura de jogoBasquete   estrutura de jogo
Basquete estrutura de jogo
 
Gestão de recursos humanos no desporto
Gestão de recursos humanos no desportoGestão de recursos humanos no desporto
Gestão de recursos humanos no desporto
 

Semelhante a Apostila de basquetebol

Olimpíadas
OlimpíadasOlimpíadas
Olimpíadas
Marina Stefanny
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
Aandréa Rodrigues
 
T
TT
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
JOÃO PEREIRA
 
48030468 resumo-das-regras-do-basquete
48030468 resumo-das-regras-do-basquete48030468 resumo-das-regras-do-basquete
48030468 resumo-das-regras-do-basquete
nadia26
 
Word 9 d_11
Word 9 d_11Word 9 d_11
Word 9 d_11
pedrofranciscotic
 
This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!
Jocasta Luiza
 
Basquete 1
Basquete 1Basquete 1
Basquete 1
Nilceia Sc
 
213
213213
222
222222
O andebol
O andebolO andebol
O andebol
bamp
 
SLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptx
SLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptxSLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptx
SLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptx
sayonara39
 
Voleibol e futsal
Voleibol e futsalVoleibol e futsal
Voleibol e futsal
TicoM22
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
evandrolhp
 
Slide handebol
Slide handebolSlide handebol
Slide handebol
Gelcimar Educ Física
 
Apostila futsal
Apostila futsalApostila futsal
Apostila futsal
proinfoalda
 
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptxAula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
TavaresJana
 
Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
Paula Silva Silva
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Vitor Dalcégio
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
NetKids
 

Semelhante a Apostila de basquetebol (20)

Olimpíadas
OlimpíadasOlimpíadas
Olimpíadas
 
O Basquete
O BasqueteO Basquete
O Basquete
 
T
TT
T
 
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
 
48030468 resumo-das-regras-do-basquete
48030468 resumo-das-regras-do-basquete48030468 resumo-das-regras-do-basquete
48030468 resumo-das-regras-do-basquete
 
Word 9 d_11
Word 9 d_11Word 9 d_11
Word 9 d_11
 
This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!This is BASKETBALL!
This is BASKETBALL!
 
Basquete 1
Basquete 1Basquete 1
Basquete 1
 
213
213213
213
 
222
222222
222
 
O andebol
O andebolO andebol
O andebol
 
SLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptx
SLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptxSLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptx
SLIDE DE HANDEBOL PARA ED. FÍSICA.pptx
 
Voleibol e futsal
Voleibol e futsalVoleibol e futsal
Voleibol e futsal
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Slide handebol
Slide handebolSlide handebol
Slide handebol
 
Apostila futsal
Apostila futsalApostila futsal
Apostila futsal
 
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptxAula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
Aula 1 (história, equiamentos e regras de jogo).pptx
 
Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Apostila de basquetebol

  • 1. Apostila de Basquetebol O basquetebol é jogado por duas equipes de cinco jogadores que tem por objetivo passar a bola por dentro de um cesto colocado nas extremidades da quadra, seja num ginásio ou ao ar livre. Os jogadores podem caminhar no campo desde que driblem (batam a bola contra o chão), a cada passo dados. Também é possível executar um passe, ou seja, atirar a bola em direção a um companheiro de equipe. Para jogos regulamentados pela FIBA, o tempo de jogo oficial é de 40 minutos, divididos em quatro períodos iguais de 10 minutos cada. Entre o 2º e 3º períodos, há intervalos de 15 minutos, e invertem-se as quadras de ataque e defesa das equipes; logo, cada equipe defende em dois períodos cada cesta. Ao contrário dos outros desportos coletivos, não há sorteio para definir-se de quem é a posse de bola no começo do jogo: a bola é lançada ao ar por um árbitro, e um jogador de cada equipe (normalmente o mais alto) posiciona-se para saltar e tentar passar a bola a um companheiro. Não é permitido sair dos limites da quadra, e nos jogos oficiais também não é permitido que o jogador leve a bola para a quadra de ataque e retorne para a quadra de defesa. 1
  • 2. Objetivo do jogo O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto da equipe adversária (marcando pontos) e, simultaneamente, evitar que esta seja introduzida no próprio cesto, respeitando as regras do jogo. A equipe que obtiver mais pontos no fim do jogo vence. Posições Armador ou base- é como o cérebro da equipe. Planeja as jogadas e geralmente começa com a bola. Ala e ala/armador- jogam pelos cantos. A função do ala muda bastante. Ele pode ajudar o base, ou fazer muitas cestas. Ala/pivô- são na maioria das vezes, os mais altos e mais fortes. Com a sua altura, pegam muitos rebotes, fazem afundaços (enterradas) e bandejas, e na defesa ajudam muito com os tocos.  Equipe- existem duas equipes que são compostas por cinco jogadores cada (em jogo), mais 7 reservas.  Início do jogo – o jogo começa com o lançamento da bola ao ar, pelo árbitro, entre dois jogadores adversários no círculo central e esta só pode ser tocada quando atingir o ponto mais alto.  Duração do jogo – quatro períodos de 10 minutos de tempo útil cada (Na NBA, são 12 minutos), com intervalo de meio tempo entre o segundo e o terceiro período com uma duração de 15 minutos, e com intervalo de dois minutos entre o primeiro e o segundo período e entre o terceiro e o quarto período. O cronômetro só avança quando a bola se encontra em jogo, isto é, sempre que o árbitro interrompe o jogo, o tempo é parado de imediato. No 1º, 2º e 3º período pode um tempo de 1 minuto, no 4º período, dois tempos de 1 minuto. Os intervalos entre cada período são de 2 minutos.  Reposição de bola em jogo – depois da marcação de uma falta, o jogo recomeça por um lançamento fora das linhas laterais, exceto no caso de lances livres. Após a marcação do ponto, o jogo prossegue com um passe realizado atrás da linha do campo da equipe que defende.  Como jogar a bola – a bola é sempre jogada com as mãos. Não é permitido andar com a bola nas mãos ou provocar o contato da bola com os pés ou pernas. Também não é permitido driblar com as duas mãos ao mesmo tempo.  Pontuação – um cesto é válido quando a bola entra pelo aro, por cima. Um cesto de campo vale dois pontos, a não ser que tenham sido conseguidos para além da linha dos três pontos, situada a 6,25m (valendo, portando, três pontos); um cesto de lance livre vale um ponto.  Empate – os jogos não podem terminar empatados. O desempate processa-se através de períodos suplementares de 5 minutos.  Resultado – o jogo é ganho pela equipe que marcar maior número de pontos no tempo regulamentar. 2
  • 3. Lançamento livre – na execução, os vários jogadores ocupam os respectivos espaços ao longo da linha de marcação, não podem deixar os seus lugares até que a bola saia das mãos do executante do lance livre; não podem tocar a bola na sua trajetória para o cesto, até que este toque no aro.  Penalizações de faltas pessoais – se a falta for cometida sobre um jogador que não está em ato de lançamento, a falta será cobrada por uma forma de uma reposição de bola lateral, desde que a equipe não tenha cometido mais do que quatro faltas coletivas durante o período, caso contrário é concedido ao jogador que sofreu a falta o direito a dois lances livres. Se a falta for cometida sobre um jogador no ato de lançamento, a cesta conta e deve ainda ser concedido um lance livre. No caso do lançamento não tiver resultado a cesta, o lançador irá executar os lances livres correspondentes às penalidades (dois ou três lances livres, conforme se trate de uma tentativa de lançamento de dois ou três pontos).  Regras dos 5 segundos – um jogador que está sendo marcado não pode ter a bola em sua posse (sem driblar) por mais de 5 segundos.  Regras dos 3 segundos – um jogador não pode permanecer mais de 3 segundos dentro da área restrita (garrafão) do adversário, enquanto a sua equipe esteja na posse de bola.  Regra dos 8 segundos – quando uma equipe ganha a posse de bola na sua zona de defesa, deve, dentro de 8 segundos, fazer com que chegue à sua zona de ataque.  Regra dos 24 segundos – quando uma equipe está de posse da bola, dispõe de 24 segundos para lançar ao cesto do adversário.  Bola presa – considera-se bola presa quando dois ou mais jogadores (um de cada equipe pelo menos) tiverem uma ou ambas as mãos sobre a bola, ficando esta presa.  Transição de campo – um jogador cuja equipe está na posse da bola, na sua zona de ataque, não pode provocar a ida da bola para a sua zona de defesa (retorno).  Drible – quando se dribla pode-se executar o número de passos que pretender. O jogador não pode bater a bola com as duas mãos simultaneamente, nem efetuar dois dribles consecutivos (bater a bola agarrá-la com as duas mãos e voltar a batê-la)  Passos – o jogador não pode executar mais de dois passos com a bola na mão.  Faltas pessoais – é uma falta que envolve contato com o adversário, e que consiste nos seguintes parâmetros: obstrução, carregar, marcar pela retaguarda, deter, segurar, uso ilegal das mãos, empurrar.  Falta antidesportiva - falta pessoal que, no entender do árbitro, foi cometida intencionalmente, com objetivo de prejudicar a equipe adversária.  Falta técnica – falta cometida por um jogador sem envolver contato pessoal com o adversário, como, por exemplo, contestações das decisões do árbitro, usando gestos, atitudes ou vocabulário ofensivo, ou mesmo quando não levantar imediatamente o braço quando solicitado pelo árbitro, após lhe ser assinalada falta.  Número de faltas – um jogador que cometer cinco faltas está desqualificado da partida. 3
  • 4. FUNDAMENTOS Empunhadura geral É feita com os dedos e a parte calosa das mãos, polegares um de frente para o outro nas laterais da bola. Não é correto segurar a bola com as palmas da mão. Manejo de corpo São movimentos corporais utilizados no basquete que visam facilitar a aprendizagem dos fundamentos com a bola. Esses movimentos incluem: finta giro, mudança de direção, mudança de ritmo e parada brusca. 4
  • 5. Drible alto Usa-se drible alto, com o intuito de se locomover com maior velocidade, na quadra, podendo desta forma desenvolver a corrida associada ao drible sem cometer a violação do andar. Usam-se principalmente quando um adversário não está exercendo uma marcação próxima ou quando um jogador recebe um jogador recebe um passe de seu companheiro, estando muito distante da cesta, obrigatoriamente terá que usar o drible para se aproximar e efetuar o arremesso 5
  • 6. Drible baixo É realizado frequentemente quando um jogador que está com a bola sofre uma marcação de perto, bem próxima pelo seu adversário. O drible se executa com o corpo curvado para frente, pernas semi-flexionadas e a cabeça erguida. Passe O passe tem como objetivo a colocação da bola num companheiro que se encontre em melhor posição, para a criação de situação de finalização ou para a progressão no terreno de jogo. Existem vários tipos de passe: peito, picado, por cima com duas mãos, lateral com uma mão, por trás das costas, etc. 6
  • 7. Passe com uma mão- usado para lançar a bola mais longa. 7
  • 8. Passe de peito – como o nome indica, com a bola na altura do peito é arremessada frontalmente na direção do alvo. Neste movimento os polegares é que darão força ao passe e as palmas das mãos deverão apontar para fora no final do gesto técnico. 8
  • 9. Passe picado ou quicado – muito semelhante ao passe de peito, tendo em conta que o alvo inicial é o solo. Utilizado em curtas e médias distâncias.  Passe de ombro – é utilizado nas situações que solicitam um passe comprido. É um tipo de passe com a trajetória linear (sem arco), e em direção ao alvo. Utilizado em médias e longas distâncias, sendo utilizados em contra ataque. 9
  • 10. Passe por cima da cabeça – é usado quando existe um adversário entre dois jogadores da mesma equipe. Também utilizado em curtas e médias distâncias, sendo mais específicos para o pivô.  Passe de gancho – é utilizado na maioria das vezes quando um jogador durante um jogo necessita de se livrar de uma marcação e essa tem uma estatura mais elevada do jogador executante. 10
  • 11. Arremesso Driblar e jogar a bola na cesta. Bandeja É um arremesso que tem que dar dois passos: o primeiro de equilíbrio e o segundo de distância. Que pode ser feito em movimento com passe ou driblando. 11
  • 12. Jump Driblando em direção a cesta e parando numa posição de equilíbrio, flexionando as pernas, saltar elevando a bola acima e à frente da cabeça com ambas as mãos e executar o arremesso no momento mais alto do pulo. Rebote É a recuperação da bola após um arremesso não convertido. Enterradas É o movimento que conjuga o salto e a colocação com firmeza a bola diretamente na cesta. BIBLIOGRAFIA Basquetebol da iniciação ao jogo Mário Roberto Guarizi Editora Fontoura Basquete WWW.brasilescola.com 12