Resumo FENERC 2012 - Santo André

600 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
600
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo FENERC 2012 - Santo André

  1. 1. APLICAÇÃO DE CARDÁPIOS EDUCATIVOS EM NUTRIÇÃO PARA PRÉ-ESCOLARESDAS CRECHES DO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉAlessandra Martins de Souza – Supervisora de Alimentação Escolar, Jacqueline M.Laranjeira Pinto – Nutricionista; Simone de Cássia Barbosa Genaro – Nutricionista; CássiaCristina Motta dos Santos, Claudia Cecconi Pellegrini, Irany Rodrigues Maciel, ValquiriaAraújo Santos, Vanderli Rodrigues de Lima – Orientadoras de Merenda; Karine Sales,Susana Santiago – Estagiaria de Nutrição.Introdução A nutrição adequada é um dos principais agentes promotores da saúde e do bemestar do ser humano e possui especial importância nos primeiros anos de vida, devido aorápido crescimento corporal, que requer grandes necessidades nutricionais, e à formaçãodos hábitos alimentares que se desenvolvem no período pré-escolar e que persistemdurante toda a vida ¹. Nos dias atuais, ocorre uma situação conhecida como transição nutricional, a qual écaracterizada pela inversão dos problemas nutricionais da população, sendo comumenteuma passagem da desnutrição para a obesidade. Tal situação deve-se ao fato de que apopulação mudou seu padrão alimentar, passando a consumir gorduras, açúcares, doces ebebidas açucaradas em excesso, diminuindo a ingestão de cereais integrais, verduras,frutas e legumes ¹. Sabe-se que a prevalência da obesidade é crescente em vários países e empopulações de todas as classes econômicas. Esta prevalência não está restrita apenas àpopulação adulta, atinge também crianças e adolescentes ². Portanto como forma de prevenir doenças crônicas, as quais são apontadas como aprincipal causa de morte na idade adulta, programas de educação nutricional para criançasvêm sendo criados em diversos países a fim de promover hábitos alimentares saudáveis ereduzir os riscos de doenças que se manifestariam na maturidade ². A escola é um ambiente favorável para o processo educativo, sendo o professor omembro central da equipe de saúde escolar, pois, além de possuir maior contato com osalunos, está envolvido na realidade social e cultural de cada aluno e também possui umasimilaridade comunicativa. A creche exerce um papel facilitador na formação do hábitoalimentar, pois também é dela o papel de oferecer aos alunos um cardápio nutritivo ebalanceado, além de promover a educação nutricional das crianças. Em um estudorealizado em 1994 por Doyle e Feldman na região amazônica do Brasil, foi constatado que oaprendizado dos alunos em relação a conhecimentos nutricionais era mais efetivo quandorealizado pelos professores locais do que por nutricionistas2. A partir dessa crescente preocupação com a alimentação tornam-se cada vez maisnecessárias à inserção das ações em atividades em educação nutricional para crianças da
  2. 2. fase pré-escolar. Mais do que educar o paladar através da proibição de certos alimentos eintrodução de outros, educar a consciência e tornar o aluno responsável sobre suas própriasescolhas alimentares3. Sendo assim o presente trabalho teve como objetivo proporcionar as crianças arespeito dos alimentos que compõem o cardápio e consequentemente aumentar a aceitaçãodas preparações. Como base utilizou-se o cardápio da semana da criança.Casuística e Métodos A educação nutricional foi realizada nas 28 creches municipais de Santo André/SP,desenvolvido em outubro de 2011, participando pré-escolares entre 2 a 5 anos de idade deambos os sexos. Realizou-se um projeto pedagógico voltado a nutrição saudável, onde foi propostoaos professores utilizarem o cardápio elaborado para a Semana da Criança como atividadepedagógica durante o período de aula. O cardápio proposto para a Semana da Criança teve como inovação a introdução depreparações diferentes com alimentos, em sua maioria, já oferecido para as crianças, tendocomo principal objetivo aumentar a aceitação. Para tanto, os nomes das preparações forammodificados recebendo nomes fantasias de desenhos animados ou relacionados com opúblico infantil. Para que os professores conhecessem as propriedades nutricionais das preparaçõescom nomes lúdicos foi enviado um Informativo com a descrição de todos os ingredientes daspreparações e o cardápio ilustrado como por exemplo suco do Garfield (laranja e cenoura)Panqueca do Hulk(espinafre),Suco Ben 10(maracujá,limão e couve), Bolo dos Super Heróis(cenoura,laranja e beterraba), a fim de que os educadores transmitissem as informaçõesdescritas para os alunos despertando a curiosidade e o interesse dos mesmos pelosalimentos e a importância de cada um para a saúde humana 3. O cardápio ilustrado com os personagens animados foi afixado no refeitório dascreches para que os pais observassem as preparações utilizadas nesta semana. Foi enviado a cada unidade escolar um questionário onde os professores juntamentecom os diretores avaliassem o projeto realizado. Com o questionário respondido foirealizada a tabulação de dados e confeccionado os gráficos utilizando o programa Excel.Resultados
  3. 3. O uso de atividades lúdicas como estratégia para a construção do conhecimentoarregimenta uma nova postura existencial, cujo paradigma é um novo sistema de aprenderbrincando, inspirado numa concepção de educação para além da instrução 4. Por meio das atividades desenvolvidas pode-se observar que as crianças na fase pré-escolar estão aptas para receber informações sobre alimentação e nutrição. É nesta fase davida que as crianças apresentam maior facilidade em assimilar conceitos, aprendem aconhecer a si próprio, as normas sociais de comportamento inclusive o alimentar 4. Das 28 creches participantes, 20 devolveram o questionário preenchido. Observou-se que nessas unidades escolares a iniciativa da Alimentação Escolar em apresentar deuma forma diferente o cardápio contendo todos os legumes, frutas e verduras presentes nodia -a- dia das crianças nas refeições da creche atingiu a proposta. O Material enviado as creches para interagir com os alunos em sala de aula, comomostra o gráfico 1-(Interação dos educadores em relação ao informativo descritivo), foi100% aceito pelos educadores contribuindo para uma melhor aceitabilidade daspreparações. Segundo os professores é importante esse tipo de atividade, porque despertouo interesse da criança estimulando a se alimentar de forma saudável e divertida. Grafico 1 No gráfico 2(Aplicação do informativo descritivo pelo educador com as crianças emsala de aula) observamos que 90% dos educadores trabalharam com o informativodescritivo das preparações com os alunos, as crianças participaram juntamente com oseducadores desde o conhecer do alimento até a parte do “faz de conta” onde associavam oalimento ou preparação com o personagem de desenho.
  4. 4. Gráfico 2 De maneira geral no gráfico 3(Consumo das crianças nas preparações saudáveis quenormalmente não consomem) observamos que 90% das crianças consumiram aspreparações que no dia-a-dia não tem o hábito de consumir. Desta forma verificamos aimportância da atividade pedagógica e desmistificamos que em datas comemorativasprecisamos obrigatoriamente ter os famosos “doces”. Fazer um cardápio saudável eapresentá-lo a criança fazendo um trabalho conjunto com os educadores faz com que oshábitos alimentares sejam alterados gradativamente. Os 5% que não aceitaram o cardápiopode ter sido que: não receberam o incentivo correto; ou não se identificaram com aatividade; ou são crianças mais resistentes a novidades, necessitando trabalhar mais comeste grupo. Gráfico 3
  5. 5. No grafico 4( Percepção dos profesores em relação a aceitablidade das preparaçõespropostas) observamos que 60% das preparações apresentadas nessa semana foiconsiderada boa, sendo bem aceita pelas crianças, os 40% restantes consideradas regularainda há necessidade de “convencer” e “capacitar”os educadores, pois tendem ao apelopelas guloseimas para agradar ao paladar das crianças. A PSA atende as crianças decreches em horário semi-manhã e semi-tarde além do período integral, a alteração naspreparações foram ajustadas mais facilmente para o período da tarde, ficando o período damanhã com menos alterações, levando os educadores a não concordarem o que reforça anecessidade de maior capacitação aos educadores para que sejam parceiros emultiplicadores da alimentação saldável. Gráfico 4Conclusão A educação nutricional é um “conjunto de estratégias sistematizadas para”impulsionar a cultura e a valorização da alimentação, concebidas no reconhecimento danecessidade de respeitar, mas também de modificar, crenças, valores, atitudes,representações, práticas e relações sociais que se estabelecem em torno da alimentação,visando o acesso econômico e social de todo cidadão a uma alimentação quantitativa equalitativamente adequada, que atenda aos objetivos de saúde, prazer e convívio social(BOOG, 1997, p7). É um processo de aprendizagem em que os envolvidos podem aprender e secomprometer com uma alimentação adequada, e que proporciona melhores condições desaúde, estando diretamente ligado à redução da incidência de doenças na idade adulta. 4 Criar hábitos saudáveis na infância é uma atitude inteligente e necessita de umprocesso educativo. Conforme salienta Bizzo e Leder (2005), a educação nutricional deveria
  6. 6. fazer parte dos parâmetros curriculares nacionais devido a importância do enfoque para aqualidade de vida. 5 A educação nutricional deve ser realizada em longo prazo, de preferência, desde ainfância, pois é nessa fase que adquirimos hábitos alimentares que permanecem durante avida, e previnem a incidência de doenças crônicas. Este interesse e curiosidade levou-os aexperimentar as preparações e na grande maioria aceitou o novo sabor. A forma lúdica de apresentar o cardápio tornou-se possível despertar a curiosidade eo interesse dos alunos pelos alimentos. As atividades de educação propostas e desenvolvidas com as crianças atenderam osobjetivos próprios, sobretudo a obtenção de conhecimentos interligados ao hábito alimentarsaudável. Verificamos também que a aceitabilidade preparações esta diretamente relacionadacom o incentivo dos educadores no momento da oferta as crianças. É importante intensificareste comprometimento por parte dos educadores como elemento chave no desenvolvimentode boas práticas alimentares. As preferências alimentares de cada um são forjadas desde a infância pelassensações que são apresentadas e vivenciadas pela criança, através do tato, sabor e odor(Canesquini e Garcia, 2005), de suas consequências orgânicas e do contexto ambiental,familiar e social nos quais ocorrem essas experiências (Who, 2003). 4 Referências Bibliográficas1. Educação Nutricional na infância e na adolescência. Cap. 1 (livro)2. DAVANCO, Giovana Mochi; Taddei, José Augusto de Aguiar Carrazedo Gaglianone e,Cristina Pereira. Conhecimentos, Atitudes e Práticas de Professores de Ciclo básico,Expostos e não Expostos um Curso de Educação Nutricional. Rev. Nutr. [online]. 2004,vol.17, n.2, p. 177-184. ISSN 1415-5273. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732004000200004.3.GUAITA,Nicole Roessle.Apontamentos sobre uma pedagogia corporal: a obesidade eo novo higienismo na escola. Curitiba, 20094. SALVI Cristina; CENI Giovana Cristina. Educação Nutricional para Pré-escolares daAssociação Creche Madre Alix. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. Vol. 5,N. 8: p. 71-76, Outubro/2009.5. RIGO, Naiara Nava;MUSTIFAGA,Rafaela;BOMBANA,VanessaBarbieri;BERTONI,Vanessa Maria;CENI,Giovana Cristina. Educação Nutricional comCrianças Residentes em uma Associação Beneficiente de Erechim,RS. Vivências:Revista Eletrônica de Extensão da URI. . Vol. 6, N. 11: p. 112-118, Outubro/2010.
  7. 7. APLICAÇÃO DE CARDÁPIOS EDUCATIVOS EM NUTRIÇÃO PARA PRÉ-ESCOLARESDAS CRECHES DO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉAlessandra Martins de Souza – Supervisora de Alimentação Escolar, Jacqueline M.Laranjeira Pinto – Nutricionista; Simone de Cássia Barbosa Genaro – Nutricionista; CássiaCristina Motta dos Santos, Claudia Cecconi Pellegrini, Irany Rodrigues Maciel, ValquíriaAraújo Santos, Vanderli Rodrigues de Lima – Orientadoras de Merenda; Karine Sales,Susana Santiago – Estagiaria de Nutrição.CRAISA – Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André – PrefeituraMunicipal de Santo André.INTRODUÇÃO: A escola é um ambiente favorável para o processo educativo, sendo oprofessor o membro central da equipe de saúde escolar, pois, além de possuir maior contatocom os alunos, está envolvido na realidade social e cultural de cada aluno e também possuiuma similaridade comunicativa. A creche exerce um papel facilitador na formação do hábitoalimentar, pois também é dela o papel de oferecer aos alunos um cardápio nutritivo ebalanceado, além de promover a educação nutricional das crianças. A partir dessacrescente preocupação com a alimentação tornam-se cada vez mais necessárias à inserçãodas ações em atividades em educação nutricional para crianças da fase pré-escolar. Maisdo que educar o paladar através da proibição de certos alimentos e introdução de outros,educar a consciência e tornar o aluno responsável sobre suas próprias escolhas alimentaresOBJETIVO: Proporcionar conhecimento as crianças a respeito dos alimentos que compõemo cardápio e consequentemente aumentar a aceitação das preparações. METODOLOGIA:A educação nutricional foi realizada nas 28 creches municipais de Santo André, participandopré-escolares entre 2 a 5 anos de idade de ambos os sexos. Confecção do cardápio para asemana da criança com preparações já oferecidas no dia-a-dia modificando os nomes daspreparações recebendo nomes fantasia de desenhos animados ou relacionados com opúblico infantil. Envio de um informativo técnico descritivo de todos os ingredientes daspreparações e o cardápio ilustrado a fim de que os educadores transmitissem às crianças asinformações descritas. Fixado no refeitório cardápio ilustrado e enviado questionário aunidade escolar para a avaliação da semana RESULTADOS: Observou-se que a interaçãodos educadores com o informativo descritivo foi de 100%, contribuindo para uma melhoraceitabilidade das preparações; 90% dos educadores trabalharam o descritivo com osalunos, as crianças participaram juntamente com os educadores desde o conhecer doalimento até a parte do “faz de conta” onde associavam o alimento ou preparações com opersonagem de desenho. CONCLUSÃO: As atividades de educação nutricional propostas edesenvolvidas com as crianças atenderam os objetivos propostos, sobretudo a obtenção deconhecimentos interligados ao hábito alimentar saudável.

×