SlideShare uma empresa Scribd logo
Absolutismo europeu    Luís XIV                   Henrique VIII    Elizabeth I
ConceitoCentralização política nas mãos do rei. Consequência da formação das Monarquias Nacionais iniciadas na Baixa Idade Média.
FatoresDurante a Idade Média, o poder estava dividido em três esferas:-poder local, exercido pelo nobreza medieval;-poder nacional, exercido pela Monarquia;-poder universal, exercido pelo Papado.No decorrer da Baixa Idade Média, quando se deu o processo de formação das Monarquias Nacionais, alguns fatores favoreceram o surgimento do absolutismo:Aliança rei - burguesia:Para favorecimento do comércio, a burguesia necessitava de um poder centralizador capaz de unificar pesos, medidas, moedas e ainda garantir mecanismos capazes de expandir as rotas de comércio. Com isso, o poder da nobreza feudal(o poder local), foi reduzido.Reformas Religiosas:O movimento reformista, iniciado por Lutero, minou o poder do papa, fortalecendo o poder real. Elementos Culturais:Após o Renascimento Cultural e a valorização da cultura greco-romana, ocorre o desenvolvimento do estudo do Direito Romano, que procurará legitimar o poder dos reis – Teoria do Direito Divino do Rei.
Estrutura e funcionamentoCriação de um Exército Nacionalsob o comando do rei;Controle do Legislativoe do Judiciário;Controle sobre as Finanças: intervenção na economia, mediante o monopólio da cunhagem de moedas, da padronização monetária, a cobrança de impostos, da criação de Companhias de Comércio e a imposição dos monopólios.Burocracia Estatal: existência de um corpo administrativo, cuja função é estender o domínio real sobre todas as atividades do reino.
Absolutismo europeu
TeóricosNicolau Maquiavel ( 1469/1525 )/ “O príncipe” -  Primeiro defensor do absolutismo – “os fins justificam os meios”, que coloca a política acima da ética cristã. Thomas Hobbes ( 1588/1679 )/ Leviatã – defende a ideia de que o homem em seu estado de natureza é egoísta, por isso, é preciso que ele se submeta a um soberano. Assim, o estado surge de um contrato.Jacques Bossuet( 1627/1704 ) e Jean Bodin( 1530/1596 ) – são defensores da ideia de que a autoridade real era concedia por Deus.
Em PortugalPORTUGALPrimeiro país a centralizar o poder nas mãos do rei, especialmente devido à união na Guerra de Reconquista dos ­cristãos contra muçulmanos.A centralização do Estado Português ocorreu em 1385, com a Revolução de Avis, onde o Mestre da Ordem de Avis ( D. João ), com o apoio da burguesia mercantil consolidou o centralismo político.
Na EspanhaFruto da Guerra de Reconquista e da aliança entre o Reino de Castela e o Reino de Aragão, em 1469 e consolidado em 1492 - com a expulsão definitiva dos muçulmanos do território.
O absolutismo na França e na Inglaterrahttp://www.youtube.com/watch?v=Y2sy6SOULBg&feature=relatedhttp://www.youtube.com/watch?v=MlhZIw18pZk&feature=related
Ou seja, na França...Após a Guerra dos Cem Anos ocorrei o fortalecimento do poder nas mãos do rei.Destaca-se nesse contexto, a dinastia dos Bourbons:- Henrique IV ( 1593/1610 ): deixou de ser protestante para se tornar rei de uma nação católica; publica o Édito de Nantes (1598 ) que concedeu liberdade religiosa aos protestantes.-Luís XIII ( 1610/1643 ): destaque para a atuação de seu primeiro-ministro o cardeal Richelieu, cuja política visava a consolidação do absolutismo e transformação do país em referência no mundo europeu. -Luís XIV ( 1643/1715 ): o “rei-sol”, exemplo máximo do absolutismo francês, Governava através de decretos e submeteu a nobreza feudal e a burguesia mercantil. Levou ao extremo a ideia do absolutismo de direito divino.
Henrique IV – O grande rei da Françahttp://www.youtube.com/watch?v=3RP6G-5OGRE
E na Inglaterra...Dinastia Tudor – apogeu do absolutismo:Henrique VIII ( 1509/1547 ) – responsável pela Reforma Anglicana, após o Ato de Supremacia ( 1534 ). Com a reforma, o Estado controla as propriedades eclesiásticas impulsionando a expansão comercial inglesa.Elizabeth I ( 1558/1603 ) -Implantou definitivamente o anglicanismo, mediante uma violenta perseguição aos católicos e aos protestantes.Iniciou uma política naval e colonial - caracterizada pela destruição da Invencível Armada espanhola e a fundação da primeira colônia inglesa na América do Norte - Virgínia ( 1584 ).Em seu reinado a Inglaterra realiza uma grande expansão comercial, com a formação de Companhias de Comércio e fortalecendo a burguesia.Com sua morte, inicia-se uma nova dinastia, ­Stuart - marcada pela crise do absolutismo inglês.
O fim do absolutismo na Inglaterra
TestandoUm príncipe desejoso de conservar-se no poder tem de aprender os meios de não ser bom.	MAQUIAVEL, N. O Príncipe. In: WEFFORT, Francisco. "Os clássicos da política". São Paulo: Ática, 1993. p.37.Com Nicolau Maquiavel (1469-1527), constitui-se um novo pensamento político, crítico em relação aos critérios que fundamentavam a legitimidade do príncipe medieval. Explique por que o pensamento político moderno excluiu a bondade como critério legitimador do poder do príncipe.
RespostaHá uma crítica à noção de "bom governo", fundamental para o pensamento político medieval. Segundo essa noção, o rei deveria ser portador de virtudes cristãs, morais e principescas. O príncipe deveria ser amado por seus governados. Para Maquiavel, o rei bom, portador de virtudes morais e religiosas, corre o risco de perecer e perder o seu reino.Sua crítica se dirige à ineficiência do rei bom em conservar o poder. Para manter os principados, sobretudo os recém-conquistados, até alcançar respeito e legitimidade entre seus súditos, ele "tem de aprender os meios de não ser bom". A partir do século XVI, com Maquiavel, o pensamento político se desliga da moral e da religião. Maquiavel substitui na política a categoria "bondade" pela "eficácia".
A ilustração anterior está estampada na folha de rosto da obra "Leviatã", de Hobbes, publicada em 1651, na Inglaterra. A figura do Leviatã é proveniente de mitologias antigas, sendo empregada para personificar o Estado Absolutista europeu.Descreva a conjuntura política da Inglaterra em meados do século XVII e aponte duas características da teoria de Estado formulada por Hobbes.
RespostaA Inglaterra foi marcada, em meados do século XVII, por uma série de conflitos que opuseram o rei - que defendia um absolutismo de feições continentais - a setores do Parlamento - que visavam a limitar os poderes reais e afirmar a supremacia parlamentar em alguns âmbitos como o fiscal. Esses conflitos foram denominados de Revoluções Inglesas.Duas dentre as características:- idéia do pacto social- o direito de legislar do soberano- fundamentação racional da política- a renúncia de direitos do indivíduo para o soberano
Enem 2006O que chamamos de corte principesca era, essencialmente, o palácio do príncipe. Os músicos eram tão indispensáveis nesses grandes palácios quanto os pasteleiros, os cozinheiros e os criados. Eles eram o que se chamava, um tanto pejorativamente, de criados de libré. A maior parte dos músicos ficava satisfeita quando tinha garantida a subsistência, como acontecia com as outras pessoas de "classe média" na corte; entre os que não se satisfaziam, estava o pai de Mozart. Mas ele também se curvou às circunstâncias a que não podia escapar.	Norbert Elias. "Mozart: sociologia de um gênio". Ed. Jorge Zahar, 1995, p. 18 (com adaptações).Considerando-se que a sociedade do Antigo Regime dividia-se tradicionalmente em estamentos: nobreza, clero e 3¡ Estado, é correto afirmar que o autor do texto, ao fazer referência a "classe média", descreve a sociedade utilizando a noção posterior de classe social a fim dea) aproximar da nobreza cortesã a condição de classe dos músicos, que pertenciam ao 3¡ Estado.b) destacar a consciência de classe que possuíam os músicos, ao contrário dos demais trabalhadores manuais.c) indicar que os músicos se encontravam na mesma situação que os demais membros do 3¡ Estado.d) distinguir, dentro do 3¡ Estado, as condições em que viviam os "criados de libré" e os camponeses.e) comprovar a existência, no interior da corte, de uma luta de classes entre os trabalhadores manuais.
Resposta C
Ufmg 2006Em 1726, o comerciante Francisco da Cruz contou, em uma carta, que estava para fazer uma viagem à vila de Pitangui, onde os paulistas tinham acabado de se revoltar contra a ordem do rei. Temeroso de enfrentar os perigos que cercavam a jornada, escreveu ao grande comerciante português de quem era apenas um representante em Minas Gerais, chamado Francisco Pinheiro, e que, devido a sua importância e riqueza, freqüentava, no Reino, a corte do rei Dom João V. Pedia, nessa carta, que, por Francisco Pinheiro estar mais junto aos céus, servisse de seu intermediário e lhe fizesse o favor de "me encomendar a Deus e à Sua Mãe Santíssima, para que me livrem destes perigos e de outros semelhantes".	Carta 161, Maço 29, f.194. Apud LISANTI FŽ., Luís. "Negócios coloniais: uma correspondência comercial do século XVIII". Brasília/São  Paulo: Ministério da Fazenda/Visão Editorial, 1973. (Resumo adaptado)Com base nas informações desse texto, é possível concluir-se que a iniciativa de Francisco da Cruz revela um conjunto de atitudes típicas da época moderna.É CORRETO afirmar que essas atitudes podem ser explicitadas a partir da teoria estabelecida pora) Nicolau Maquiavel, que acreditava que, para se alcançar a unidade na política de uma nação,  todos os fins justificavam os meios.b) Etienne de La Boétie, que sustentava que os homens se submetiam voluntariamente a seus soberanos a partir da aceitação do contrato social.c) Thomas Morus, que idealizou uma sociedade utópica, sem propriedades ou desigualdades, em que os governantes eram escolhidos democraticamente.d) Jacques Bossuet, que defendia o direito divino dos reis apoiado numa visão hierárquica dos homens e da política, como extensão da corte celestial.
Resposta D

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
MarceloFreitas
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
Janayna Lira
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Douglas Barraqui
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
JPedroSR
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
harlissoncarvalho
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
Isabel Aguiar
 
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no BrasilPPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
josafaslima
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Douglas Barraqui
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Marlon Novaes
 
Slides 1ª guerra mundial
Slides  1ª guerra mundialSlides  1ª guerra mundial
Slides 1ª guerra mundial
Ferdinando Scappa
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Formação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeusFormação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeus
Vagner Roberto
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
Nefer19
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 

Mais procurados (20)

Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
 
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no BrasilPPT - As Invasões holandesas no Brasil
PPT - As Invasões holandesas no Brasil
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Slides 1ª guerra mundial
Slides  1ª guerra mundialSlides  1ª guerra mundial
Slides 1ª guerra mundial
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Formação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeusFormação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeus
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 

Destaque

Minorias históricas
Minorias históricasMinorias históricas
Minorias históricas
Paulo Alexandre
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
vr1a2011
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
campos21
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
Minoria Étnicas no Harrow Cluster
Minoria Étnicas no Harrow ClusterMinoria Étnicas no Harrow Cluster
Minoria Étnicas no Harrow Cluster
António Teles
 
Exclusão Social e Minorias Étnicas
Exclusão Social e Minorias ÉtnicasExclusão Social e Minorias Étnicas
Exclusão Social e Minorias Étnicas
JoanaMartins7
 
Absolutismo 4
Absolutismo 4Absolutismo 4
Absolutismo 4
Jorge Basílio
 
Exclusão
ExclusãoExclusão
Exclusão
saldanha.mjoao
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
Stefânia Balestero
 
Resumo absolutismo monárquico
Resumo   absolutismo monárquicoResumo   absolutismo monárquico
Resumo absolutismo monárquico
Claudenilson da Silva
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Daniel Alves Bronstrup
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
Hist8
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Douglas Barraqui
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
Jacqueline Matilde
 
Minorias étnicas em portugal
Minorias étnicas em portugalMinorias étnicas em portugal
Minorias étnicas em portugal
António Teles
 
O ABSOLUTISMO
O ABSOLUTISMOO ABSOLUTISMO
O ABSOLUTISMO
guestbfbc7a
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Valeria Kosicki
 
C:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial Inglesa
C:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial InglesaC:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial Inglesa
C:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial Inglesa
8ano
 
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaRevolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
Ava Augustina
 
Móvel luso brasileiro
Móvel luso brasileiroMóvel luso brasileiro
Móvel luso brasileiro
Márcia Siqueira
 

Destaque (20)

Minorias históricas
Minorias históricasMinorias históricas
Minorias históricas
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Minoria Étnicas no Harrow Cluster
Minoria Étnicas no Harrow ClusterMinoria Étnicas no Harrow Cluster
Minoria Étnicas no Harrow Cluster
 
Exclusão Social e Minorias Étnicas
Exclusão Social e Minorias ÉtnicasExclusão Social e Minorias Étnicas
Exclusão Social e Minorias Étnicas
 
Absolutismo 4
Absolutismo 4Absolutismo 4
Absolutismo 4
 
Exclusão
ExclusãoExclusão
Exclusão
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
Resumo absolutismo monárquico
Resumo   absolutismo monárquicoResumo   absolutismo monárquico
Resumo absolutismo monárquico
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Minorias étnicas em portugal
Minorias étnicas em portugalMinorias étnicas em portugal
Minorias étnicas em portugal
 
O ABSOLUTISMO
O ABSOLUTISMOO ABSOLUTISMO
O ABSOLUTISMO
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
C:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial Inglesa
C:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial InglesaC:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial Inglesa
C:\Fakepath\A RevoluçãO Industrial Inglesa
 
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaRevolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
 
Móvel luso brasileiro
Móvel luso brasileiroMóvel luso brasileiro
Móvel luso brasileiro
 

Semelhante a Absolutismo europeu

absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdfabsolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
GiovannaPokorny
 
Filosofia para-o-enem-5ª-seman
Filosofia para-o-enem-5ª-semanFilosofia para-o-enem-5ª-seman
Filosofia para-o-enem-5ª-seman
brunojmrezende
 
IDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdfIDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdf
QuentinBeck2
 
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdfSlides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
HyagoCarlos3
 
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Gustavo Cuin
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Isabel Aguiar
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Maria Luiza
 
O ab solutismo
O ab solutismoO ab solutismo
O ab solutismo
historiando
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
Lucas Nunes de Souza
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
Lucas Nunes de Souza
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
Juray Castro
 
Absolutismo mercantilismo
Absolutismo   mercantilismoAbsolutismo   mercantilismo
Absolutismo mercantilismo
Kelly Delfino
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
Thiago Bro
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
BriefCase
 
Revolução francesa e seus desdobramentos
Revolução francesa e seus desdobramentosRevolução francesa e seus desdobramentos
Revolução francesa e seus desdobramentos
Rodrigo Ferreira
 
Pamela 2
Pamela 2Pamela 2
Pamela 2
Italo Emanoel
 
Revisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_anoRevisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_ano
Luan Furtado
 

Semelhante a Absolutismo europeu (20)

absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdfabsolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
absolutismoeuropeu-110607134212-phpapp02.pdf
 
Filosofia para-o-enem-5ª-seman
Filosofia para-o-enem-5ª-semanFilosofia para-o-enem-5ª-seman
Filosofia para-o-enem-5ª-seman
 
IDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdfIDADE MODERNA.pdf
IDADE MODERNA.pdf
 
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdfSlides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
Slides Historia : Os teóricos do absolutismo e Mercantilismo.pdf
 
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
O ab solutismo
O ab solutismoO ab solutismo
O ab solutismo
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2017)
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
 
Absolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquicoAbsolutismo MonáRquico
Absolutismo MonáRquico
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
 
Absolutismo mercantilismo
Absolutismo   mercantilismoAbsolutismo   mercantilismo
Absolutismo mercantilismo
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
Revolução francesa e seus desdobramentos
Revolução francesa e seus desdobramentosRevolução francesa e seus desdobramentos
Revolução francesa e seus desdobramentos
 
Pamela 2
Pamela 2Pamela 2
Pamela 2
 
Revisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_anoRevisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_ano
 

Mais de Valeria Kosicki

Revolução cubana 1959
Revolução cubana   1959Revolução cubana   1959
Revolução cubana 1959
Valeria Kosicki
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
Valeria Kosicki
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Valeria Kosicki
 
República oligárquica
República oligárquicaRepública oligárquica
República oligárquica
Valeria Kosicki
 
2ª guerra mundial mapa dinâmico-jc
2ª guerra mundial  mapa dinâmico-jc2ª guerra mundial  mapa dinâmico-jc
2ª guerra mundial mapa dinâmico-jc
Valeria Kosicki
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Valeria Kosicki
 
Imersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - HistóriaImersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - História
Valeria Kosicki
 
áFrica e américa
áFrica e américaáFrica e américa
áFrica e américa
Valeria Kosicki
 
O currículo e os desafios na construção de
O currículo e os desafios na construção deO currículo e os desafios na construção de
O currículo e os desafios na construção de
Valeria Kosicki
 
Aula inaugural 2013 3º
Aula inaugural 2013   3ºAula inaugural 2013   3º
Aula inaugural 2013 3º
Valeria Kosicki
 
Aula inaugural 2013 2º
Aula inaugural 2013   2ºAula inaugural 2013   2º
Aula inaugural 2013 2º
Valeria Kosicki
 
Aula inaugural 2013 2º
Aula inaugural 2013   2ºAula inaugural 2013   2º
Aula inaugural 2013 2º
Valeria Kosicki
 
África, América e Ásia antes dos europeus
África, América e Ásia antes dos europeusÁfrica, América e Ásia antes dos europeus
África, América e Ásia antes dos europeus
Valeria Kosicki
 
Revisão crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalização
Revisão   crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalizaçãoRevisão   crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalização
Revisão crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalização
Valeria Kosicki
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Valeria Kosicki
 
Mesopotâmia1
Mesopotâmia1Mesopotâmia1
Mesopotâmia1
Valeria Kosicki
 
De sarney a lula
De sarney a lulaDe sarney a lula
De sarney a lula
Valeria Kosicki
 
João goulart e o golpe militar de 1964
João goulart e o golpe militar de 1964João goulart e o golpe militar de 1964
João goulart e o golpe militar de 1964
Valeria Kosicki
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Valeria Kosicki
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Valeria Kosicki
 

Mais de Valeria Kosicki (20)

Revolução cubana 1959
Revolução cubana   1959Revolução cubana   1959
Revolução cubana 1959
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundialSegunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
República oligárquica
República oligárquicaRepública oligárquica
República oligárquica
 
2ª guerra mundial mapa dinâmico-jc
2ª guerra mundial  mapa dinâmico-jc2ª guerra mundial  mapa dinâmico-jc
2ª guerra mundial mapa dinâmico-jc
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
 
Imersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - HistóriaImersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - História
 
áFrica e américa
áFrica e américaáFrica e américa
áFrica e américa
 
O currículo e os desafios na construção de
O currículo e os desafios na construção deO currículo e os desafios na construção de
O currículo e os desafios na construção de
 
Aula inaugural 2013 3º
Aula inaugural 2013   3ºAula inaugural 2013   3º
Aula inaugural 2013 3º
 
Aula inaugural 2013 2º
Aula inaugural 2013   2ºAula inaugural 2013   2º
Aula inaugural 2013 2º
 
Aula inaugural 2013 2º
Aula inaugural 2013   2ºAula inaugural 2013   2º
Aula inaugural 2013 2º
 
África, América e Ásia antes dos europeus
África, América e Ásia antes dos europeusÁfrica, América e Ásia antes dos europeus
África, América e Ásia antes dos europeus
 
Revisão crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalização
Revisão   crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalizaçãoRevisão   crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalização
Revisão crise do feudalismo, expansão comercial, capitalismo e globalização
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Mesopotâmia1
Mesopotâmia1Mesopotâmia1
Mesopotâmia1
 
De sarney a lula
De sarney a lulaDe sarney a lula
De sarney a lula
 
João goulart e o golpe militar de 1964
João goulart e o golpe militar de 1964João goulart e o golpe militar de 1964
João goulart e o golpe militar de 1964
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 

Último

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

Absolutismo europeu

  • 1. Absolutismo europeu Luís XIV Henrique VIII Elizabeth I
  • 2. ConceitoCentralização política nas mãos do rei. Consequência da formação das Monarquias Nacionais iniciadas na Baixa Idade Média.
  • 3. FatoresDurante a Idade Média, o poder estava dividido em três esferas:-poder local, exercido pelo nobreza medieval;-poder nacional, exercido pela Monarquia;-poder universal, exercido pelo Papado.No decorrer da Baixa Idade Média, quando se deu o processo de formação das Monarquias Nacionais, alguns fatores favoreceram o surgimento do absolutismo:Aliança rei - burguesia:Para favorecimento do comércio, a burguesia necessitava de um poder centralizador capaz de unificar pesos, medidas, moedas e ainda garantir mecanismos capazes de expandir as rotas de comércio. Com isso, o poder da nobreza feudal(o poder local), foi reduzido.Reformas Religiosas:O movimento reformista, iniciado por Lutero, minou o poder do papa, fortalecendo o poder real. Elementos Culturais:Após o Renascimento Cultural e a valorização da cultura greco-romana, ocorre o desenvolvimento do estudo do Direito Romano, que procurará legitimar o poder dos reis – Teoria do Direito Divino do Rei.
  • 4. Estrutura e funcionamentoCriação de um Exército Nacionalsob o comando do rei;Controle do Legislativoe do Judiciário;Controle sobre as Finanças: intervenção na economia, mediante o monopólio da cunhagem de moedas, da padronização monetária, a cobrança de impostos, da criação de Companhias de Comércio e a imposição dos monopólios.Burocracia Estatal: existência de um corpo administrativo, cuja função é estender o domínio real sobre todas as atividades do reino.
  • 6. TeóricosNicolau Maquiavel ( 1469/1525 )/ “O príncipe” - Primeiro defensor do absolutismo – “os fins justificam os meios”, que coloca a política acima da ética cristã. Thomas Hobbes ( 1588/1679 )/ Leviatã – defende a ideia de que o homem em seu estado de natureza é egoísta, por isso, é preciso que ele se submeta a um soberano. Assim, o estado surge de um contrato.Jacques Bossuet( 1627/1704 ) e Jean Bodin( 1530/1596 ) – são defensores da ideia de que a autoridade real era concedia por Deus.
  • 7. Em PortugalPORTUGALPrimeiro país a centralizar o poder nas mãos do rei, especialmente devido à união na Guerra de Reconquista dos ­cristãos contra muçulmanos.A centralização do Estado Português ocorreu em 1385, com a Revolução de Avis, onde o Mestre da Ordem de Avis ( D. João ), com o apoio da burguesia mercantil consolidou o centralismo político.
  • 8. Na EspanhaFruto da Guerra de Reconquista e da aliança entre o Reino de Castela e o Reino de Aragão, em 1469 e consolidado em 1492 - com a expulsão definitiva dos muçulmanos do território.
  • 9. O absolutismo na França e na Inglaterrahttp://www.youtube.com/watch?v=Y2sy6SOULBg&feature=relatedhttp://www.youtube.com/watch?v=MlhZIw18pZk&feature=related
  • 10. Ou seja, na França...Após a Guerra dos Cem Anos ocorrei o fortalecimento do poder nas mãos do rei.Destaca-se nesse contexto, a dinastia dos Bourbons:- Henrique IV ( 1593/1610 ): deixou de ser protestante para se tornar rei de uma nação católica; publica o Édito de Nantes (1598 ) que concedeu liberdade religiosa aos protestantes.-Luís XIII ( 1610/1643 ): destaque para a atuação de seu primeiro-ministro o cardeal Richelieu, cuja política visava a consolidação do absolutismo e transformação do país em referência no mundo europeu. -Luís XIV ( 1643/1715 ): o “rei-sol”, exemplo máximo do absolutismo francês, Governava através de decretos e submeteu a nobreza feudal e a burguesia mercantil. Levou ao extremo a ideia do absolutismo de direito divino.
  • 11. Henrique IV – O grande rei da Françahttp://www.youtube.com/watch?v=3RP6G-5OGRE
  • 12. E na Inglaterra...Dinastia Tudor – apogeu do absolutismo:Henrique VIII ( 1509/1547 ) – responsável pela Reforma Anglicana, após o Ato de Supremacia ( 1534 ). Com a reforma, o Estado controla as propriedades eclesiásticas impulsionando a expansão comercial inglesa.Elizabeth I ( 1558/1603 ) -Implantou definitivamente o anglicanismo, mediante uma violenta perseguição aos católicos e aos protestantes.Iniciou uma política naval e colonial - caracterizada pela destruição da Invencível Armada espanhola e a fundação da primeira colônia inglesa na América do Norte - Virgínia ( 1584 ).Em seu reinado a Inglaterra realiza uma grande expansão comercial, com a formação de Companhias de Comércio e fortalecendo a burguesia.Com sua morte, inicia-se uma nova dinastia, ­Stuart - marcada pela crise do absolutismo inglês.
  • 13. O fim do absolutismo na Inglaterra
  • 14. TestandoUm príncipe desejoso de conservar-se no poder tem de aprender os meios de não ser bom. MAQUIAVEL, N. O Príncipe. In: WEFFORT, Francisco. "Os clássicos da política". São Paulo: Ática, 1993. p.37.Com Nicolau Maquiavel (1469-1527), constitui-se um novo pensamento político, crítico em relação aos critérios que fundamentavam a legitimidade do príncipe medieval. Explique por que o pensamento político moderno excluiu a bondade como critério legitimador do poder do príncipe.
  • 15. RespostaHá uma crítica à noção de "bom governo", fundamental para o pensamento político medieval. Segundo essa noção, o rei deveria ser portador de virtudes cristãs, morais e principescas. O príncipe deveria ser amado por seus governados. Para Maquiavel, o rei bom, portador de virtudes morais e religiosas, corre o risco de perecer e perder o seu reino.Sua crítica se dirige à ineficiência do rei bom em conservar o poder. Para manter os principados, sobretudo os recém-conquistados, até alcançar respeito e legitimidade entre seus súditos, ele "tem de aprender os meios de não ser bom". A partir do século XVI, com Maquiavel, o pensamento político se desliga da moral e da religião. Maquiavel substitui na política a categoria "bondade" pela "eficácia".
  • 16. A ilustração anterior está estampada na folha de rosto da obra "Leviatã", de Hobbes, publicada em 1651, na Inglaterra. A figura do Leviatã é proveniente de mitologias antigas, sendo empregada para personificar o Estado Absolutista europeu.Descreva a conjuntura política da Inglaterra em meados do século XVII e aponte duas características da teoria de Estado formulada por Hobbes.
  • 17. RespostaA Inglaterra foi marcada, em meados do século XVII, por uma série de conflitos que opuseram o rei - que defendia um absolutismo de feições continentais - a setores do Parlamento - que visavam a limitar os poderes reais e afirmar a supremacia parlamentar em alguns âmbitos como o fiscal. Esses conflitos foram denominados de Revoluções Inglesas.Duas dentre as características:- idéia do pacto social- o direito de legislar do soberano- fundamentação racional da política- a renúncia de direitos do indivíduo para o soberano
  • 18. Enem 2006O que chamamos de corte principesca era, essencialmente, o palácio do príncipe. Os músicos eram tão indispensáveis nesses grandes palácios quanto os pasteleiros, os cozinheiros e os criados. Eles eram o que se chamava, um tanto pejorativamente, de criados de libré. A maior parte dos músicos ficava satisfeita quando tinha garantida a subsistência, como acontecia com as outras pessoas de "classe média" na corte; entre os que não se satisfaziam, estava o pai de Mozart. Mas ele também se curvou às circunstâncias a que não podia escapar. Norbert Elias. "Mozart: sociologia de um gênio". Ed. Jorge Zahar, 1995, p. 18 (com adaptações).Considerando-se que a sociedade do Antigo Regime dividia-se tradicionalmente em estamentos: nobreza, clero e 3¡ Estado, é correto afirmar que o autor do texto, ao fazer referência a "classe média", descreve a sociedade utilizando a noção posterior de classe social a fim dea) aproximar da nobreza cortesã a condição de classe dos músicos, que pertenciam ao 3¡ Estado.b) destacar a consciência de classe que possuíam os músicos, ao contrário dos demais trabalhadores manuais.c) indicar que os músicos se encontravam na mesma situação que os demais membros do 3¡ Estado.d) distinguir, dentro do 3¡ Estado, as condições em que viviam os "criados de libré" e os camponeses.e) comprovar a existência, no interior da corte, de uma luta de classes entre os trabalhadores manuais.
  • 20. Ufmg 2006Em 1726, o comerciante Francisco da Cruz contou, em uma carta, que estava para fazer uma viagem à vila de Pitangui, onde os paulistas tinham acabado de se revoltar contra a ordem do rei. Temeroso de enfrentar os perigos que cercavam a jornada, escreveu ao grande comerciante português de quem era apenas um representante em Minas Gerais, chamado Francisco Pinheiro, e que, devido a sua importância e riqueza, freqüentava, no Reino, a corte do rei Dom João V. Pedia, nessa carta, que, por Francisco Pinheiro estar mais junto aos céus, servisse de seu intermediário e lhe fizesse o favor de "me encomendar a Deus e à Sua Mãe Santíssima, para que me livrem destes perigos e de outros semelhantes". Carta 161, Maço 29, f.194. Apud LISANTI FŽ., Luís. "Negócios coloniais: uma correspondência comercial do século XVIII". Brasília/São Paulo: Ministério da Fazenda/Visão Editorial, 1973. (Resumo adaptado)Com base nas informações desse texto, é possível concluir-se que a iniciativa de Francisco da Cruz revela um conjunto de atitudes típicas da época moderna.É CORRETO afirmar que essas atitudes podem ser explicitadas a partir da teoria estabelecida pora) Nicolau Maquiavel, que acreditava que, para se alcançar a unidade na política de uma nação, todos os fins justificavam os meios.b) Etienne de La Boétie, que sustentava que os homens se submetiam voluntariamente a seus soberanos a partir da aceitação do contrato social.c) Thomas Morus, que idealizou uma sociedade utópica, sem propriedades ou desigualdades, em que os governantes eram escolhidos democraticamente.d) Jacques Bossuet, que defendia o direito divino dos reis apoiado numa visão hierárquica dos homens e da política, como extensão da corte celestial.