SlideShare uma empresa Scribd logo
ENSINO: As abordagens do processo

                                Maria da Graça Nicoletti Mizukami

INTRODUÇÃO

O Conhecimento humano, dependendo dos diferentes referencias, é explicado diversamente em sua
gênese e desenvolvimento, o que condiciona conceitos diversos de homem, mundo, cultura,
sociedade, educação, etc. Dentro de um mesmo referencial, é possível haver abordagens diversas,
tendo em comum apenas os diferentes primados: ora do objeto, ora do sujeito, ora da interação de
ambos.

Diferentes posicionamentos pessoais deveriam derivar diferentes arranjos de situações ensino-
aprendizagem e diferentes ações educativas em sala de aula, partindo-se do pressuposto de que a
ação educativa exercida por professores em situações planejadas de ensino-aprendizagem é sempre
intencional. Subjacente a esta ação, estaria presente – implícita ou explicitamente, de forma
articulada ou não – um referencial teórico que compreendesse conceitos de homem, mundo,
sociedade, cultura, conhecimento, etc..

O estudo acerca das diferentes linhas pedagógicas, tendências ou abordagens, no ensino brasileiro
podem fornecer diretrizes à ação docente, mesmo considerando que a elaboração que cada
professor faz delas é individual e intransferível.

De acordo com Mizukami (1986), algumas abordagens apresentam claro referencial filosófico e
psicológico, ao passo que outras são intuitivas ou fundamentadas na prática, ou na imitação de
modelos.

A complexidade da realidade educacional deve ser considerado para não ser tratado de forma
simplista e reducionista. Nesse estudo, deve-se ter em mente seu caráter parcial e arbitrário, assim
como as limitações e problemas decorrentes da delimitação e caracterização (necessárias) de cada
abordagem.

A professora Mizukami não incluiu em seus estudos a abordagem escolanovista, introduzida no
Brasil através do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (Anísio Teixeira, Gustavo Capanema
e outros), a partir da década de 1930. Ela justifica sua opção por considerar que essa abordagem
pode ser tomada como didaticista, por suas atribuições aos aspectos didáticos, e por possuir
diretrizes incluídas em outras abordagens. Argumenta ainda que, as demais abordagens,
apresentadas por ela, apresentam justificativas teóricas ou evidências empíricas. Mas reconhece que
trata-se de uma abordagem com possível influência na formação de professores no Brasil.
CAPÍTULO I

ABORDAGEM TRADICIONAL

Características Gerais

 Trata-se de uma concepção e uma prática educacionais que persistem no tempo, em suas diferentes
formas, e que passaram a fornecer um quadro diferencial para todas as demais abordagens que a ela
se seguiram.

Como se sabe, o adulto, na concepção tradicional, é considerado como homem acabado, "pronto" e
o aluno um "adulto em miniatura", que precisa ser atualizado. O ensino será centrado no professor.
O aluno apenas executa prescrições que lhe são fixadas por autoridades exteriores.

Homem

 O homem é considerado como inserido num mundo que irá conhecer através de informações que
lhe serão fornecidas. É um receptor passivo até que, repleto das informações necessárias, pode
repeti-las a outros que ainda não as possuam, assim como pode ser eficiente em sua profissão,
quando de posse dessas informações e conteúdos.

Mundo

 A realidade é algo que será transmitido ao indivíduo principalmente pelo processo de educação
formal, além de outras agências, tais como família, Igreja.

Sociedade-Cultura

 O objetivo educacional normalmente se encontra intimamente relacionado aos valores apregoados
pela sociedade na qual se realiza.

Os Programas exprimem os níveis culturais a serem adquiridos na trajetória da educação formal. A
reprovação do aluno passa a ser necessária quando o mínimo cultural para aquela faixa não foi
atingido, e as provas e exames são necessários a constatação de que este mínimo exigido para cada
série foi adquirido pelo aluno.

O diploma pode ser tomado como um instrumento de hierarquização. Dessa forma, o diploma iria
desempenhar um papel mediador entre a formação cultural e o exercício de funções sociais
determinadas.

Pode-se afirmar que as tendências englobadas por esse tipo de abordagem possuem uma visão
individualista do processo educacional, não possibilitando, na maioria das vezes, trabalhos de
cooperação nos quais o futuro cidadão possa experienciar a convergência de esforços.

Conhecimento

 Parte-se do pressuposto de que a inteligência seja uma faculdade capaz de acumular/armazenar
informações. Aos alunos são apresentados somente os resultados desse processo, para que sejam
armazenados.
Evidencia-se o caráter cumulativo do conhecimento humano, adquirido pelo indivíduo por meio de
transmissão, de onde se supõe o papel importante da educação formal e da instituição escola.

Atribui-se ao sujeito um papel insignificante na elaboração e aquisição do conhecimento. Ao
indivíduo que está "adquirindo" conhecimento compete memorizar definições, anunciando leis,
sínteses e resumos que lhes são oferecidos no processo de educação formal.

Educação

 Entendida como instrução, caracterizada como transmissão de conhecimentos e restrita à ação da
escola.

Às vezes, coloca-se que, para que o aluno possa chegar, e em condições favoráveis, há uma
confrontação com o modelo, é indispensável uma intervenção do professor, uma orientação do
mestre.

Trata-se, pois, da transmissão de idéias selecionadas e organizadas logicamente.

Escola

 A escola, é o lugar por excelência onde se realiza a educação, a qual se restringe, a um processo de
transmissão de informações em sala de aula e funciona como uma agência sistematizadora de uma
cultura complexa.

Considera o ato de aprender como uma cerimônia e acha necessário que o professor se mantenha
distante dos alunos.

Uma escola desse tipo é freqüentemente utilitarista quanto a resultados e programas
preestabelecidos.

As possibilidades de cooperação entre pares são reduzidas, já que a natureza da grande parte das
tarefas destinadas aos alunos exige participação individual de cada um deles.

Ensino-aprendizagem

 A ênfase é dada às situações de sala de aula, onde os alunos são "instruídos" e "ensinados" pelo
professor. Os conteúdos e as informações têm de ser adquiridos , os modelos imitados.

Seus elementos fundamentais são imagens estáticas que progressivamente serão "impressas" nos
alunos, cópias de modelos do exterior que serão gravadas nas mentes individuais.

Uma das decorrências do ensino tradicional, já que a aprendizagem consiste em aquisição de
informações e demonstrações transmitidas, é a que propicia a formação de reações estereotipadas,
de automatismos denominados hábitos, geralmente isolados uns dos outros e aplicáveis, quase
sempre, somente às situações idênticas em que foram adquiridos. O aluno que adquiriu o hábito ou
que "aprendeu" apresenta, com freqüência, compreensão apenas parcial.

Ignoram-se as diferenças individuais.
É um ensino que se preocupa mais com a variedade e quantidade de noções/conceitos/informações
que com a formação do pensamento reflexivo.

Professor-aluno

O professor-aluno é vertical, sendo que ( o professor ) detém o poder decisório quanto a
metodologia, conteúdo, avaliação, forma de interação na aula etc.

O professor detém os meios coletivos de expressão. A maior parte dos exercícios de controle e dos
de exames se orienta para a reiteração dos dados e informações anteriormente fornecidos pelos
manuais.

Metodologia

 Se baseia na aula expositiva e nas demonstrações do professor a classe , tomada quase como
auditório .

O professor já traz o conteúdo pronto e o aluno se limita exclusivamente a escutá-lo a didática
profissional quase que poderia ser resumida em dar a lição e tomar a lição .

No método expositivo como atividade normal , está implícito o relacionamento professor - aluno , o
professor é o agente e o aluno é o ouvinte. O trabalho continua mesmo sem a compreensão do aluno
somente uma verificação a posteriori é que permitirá o professor tomar consciência deste fato.
Quanto ao atendimento individual há dificuldades pois a classe fica isolada e a tendência é de se
tratar todos igualmente.

Avaliação

 A avaliação visa a exatidão da reprodução do conteúdo comunicado em sala de aula . As notas
obtidas funcionam na sociedade como níveis de aquisição do patrimônio cultural .




CAPÍTULO II

ABORDAGEM COPORMENTALISTA

Características gerais

O conhecimento é um "descoberta" e é nova para o indivíduo que a faz. O que foi descoberto ,
porém , já se encontrava presente na realidade exterior .

Os comportamentalistas consideram a experiência ou a experimentação planejada como a base do
conhecimento , o conhecimento é o resultado direto da experiência..
O homem

O homem é uma conseqüência das influências ou forças existentes no meio ambiente a hipótese de
que o homem não é livre é absolutamente necessária para se poder aplicar um método científico no
campo das ciências .

O homem dentro desse referencial é considerado como o produto de um processo evolutivo .

O mundo

A realidade para Skinner , é um fenômeno objetivo ; O mundo já é construído e o homem é produto
do meio .

O meio pode ser manipulado . O comportamento , por sua vez , pode ser mudado modificando-se as
condições das quais ele é uma função , ou seja , alterando-se os elementos ambientais . O meio
seleciona .

Sociedade-Cultura

A sociedade ideal , para Skinner ,é aquela que implicarias um planejamento social e cultural .

Qualquer ambiente , físico ou social , deve ser avaliado de acordo com seus efeitos sobre a natureza
humana . A cultura ,é representada pelos usos e costumes dominantes , pelos comportamentos que
se mantém através dos tempos .

Conhecimento

O conhecimento é o resultado direto da experiência ., o comportamento é estruturado indutivamente
, via experiência.

Educação

A educação está intimamente ligada à transmissão cultural .

A educação , pois , deverá transmitir conhecimentos , assim como comportamentos éticos ,práticas
sociais , habilidades consideradas básicas para a manipulação e controle do mundo /ambiente.

Escola

A escola é considerada e aceita como uma agência educacional que deverá adotar forma peculiar de
controle , de acordo com os comportamentos que pretende instalar e manter.

Ensino-aprendizagem

É uma mudança relativamente permanente em uma tendência comportamental e ou na vida mental
do indivíduo , resultantes de uma prática reforçada .
Professor-aluno

Aso educandos caberia o controle do processo de aprendizagem , um controle científico da
educação , o professor teria a responsabilidade de planejar e desenvolver o sistema de ensino-
aprendizagem , de forma tal que o desempenho do aluno seja maximizado , considerando-se
igualmente fatores tais como economia de tempo , esforços e custos.

Metodologia

Nessa abordagem , se incluem tanto a aplicação da tecnologia educacional e estratégias de ensino ,
quanto formas de reforço no relacionamento professor-aluno.

Avaliação

Decorrente do pressuposto de que o aluno progride em seu ritmo próprio , em pequenos passos ,
sem cometer erros , a avaliação consiste , nesta abordagem , em se constatar se o aluno aprendeu e
atingiu os objetivos propostos quando o programa foi conduzido até o final de forma adequada.

Considerações finais

O meio pode ser controlado e manipulado e , consequentemente ,também o homem pode ser
controlado e manipulado .

O ensino é tratado em função de uma tecnologia que , além da aplicação de conhecimentos
científicos à prática pedagógica , envolve um conjunto de técnicas diretamente aplicáveis em
situações concretas de sala de aula.



O ESTUDO DO COMPORTAMENTO

behaviorismo dedicou-se ao estudo do comportamento na relação que este mantém com o meio
ambiente onde ocorre . Mas como comportamento e meio são termos amplos demais para poderem
ser úteis para uma análise descritiva nesta ciência , os psicólogos desta tendência chegaram aos
conceitos e etímulo e resposta ( teoria S-R ) .

Estímulo e resposta são portanto as unidades básicas da descrição e o ponto de partida para uma
ciência do comportamento .

O homem começa a ser estudado como produto do processo de aprendizagem pelo qual passa desde
a infância , ou seja, como produto das associações estabelecidas durante sua vida entre estímulos
( do meio ) e respostas ( manifestações comportamentais ).

A base da corrente skinneriana está na formulação do condicionamento operante . Para
desenvolvermos este conceito, retrocederemos um pouco na história do Behaviorismo ,
introduzindo as noções de comportamento reflexo e condicionamento respondente para então
chegar ao condicionamento operante .

CONDICIONAMENTO RESPONDENTE
comportamento reflexo é o comportamento não voluntário ( reflexo ) e inclui as respostas que são
eliciadas ( "produzidas") por modificações especiais de estímulos do ambiente.

Skinner concentrou seus estudos na possibilidade de condicionar os comportamentos operantes.

CONDICIONAMENTO OPERANTE

O comportamento operante é o comportamento voluntário e abrange um quantidade muito maior da
atividade humana - desde os comportamentos do bebê de balbuciar, agarrar objetos, olhar os
enfeites do berço até os comportamentos mais sofisticados que o adulto apresenta.

BEHAVIORISMO : SUA APLICAÇÃO

São conhecidos os métodos de ensino programado e o controle e organização das situações de
aprendizagem, bem como a elaboração de uma tecnologia de ensino.




CAPÍTULO III

ABORDAGEM HUMANISTA

Características Gerais

Nesta abordagem é dada a ênfase no papel do sujeito como principal elaborador do conhecimento
humano . Da ênfase ao crescimento que dela se resulta , centrado no desenvolvimento da
personalidade do indivíduo na sua capacidade de atuar como uma pessoa integrada . O professor em
si não transmite o conteúdo , dá assistência sendo facilitador da aprendizagem . O conteúdo advém
das próprias experiências do aluno o professor não ensina : apenas cria condições para que os
alunos aprendam .

Homem

É considerado como uma pessoa situada no mundo . Não existem modelos prontos nem regras a
seguir mas um processo de vir a ser . O objetivo do ser humano é a autorealização ou uso pleno de
suas potencialidades e capacidades o homem se apresenta como um projeto permanente e mau
acabado .

Mundo

O mundo é algo produzido pelo homem diante de si mesmo . O mundo teria o papel fundamental de
crias condições de expressão para a pessoa , cuja tarefa vital consiste no pleno desenvolvimento do
seu potencial inerente . A ênfase é no sujeito mais uma das condições necessárias para o
desenvolvimento individual é o ambiente . Na experiência pessoal e subjetiva o conhecimento é
construído no decorrer do processo de vir a ser da pessoa humana . É atribuída ao sujeito papel
central e primordial na elaboração e criação do conhecimento .
Ao experienciar o homem conhece . O conhecimento é inerente à atividade humana . O ser humano
tem curiosidade natural para o conhecimento .

Educação

Trata-se da educação centrada na pessoa , já que nessa abordagem o ensino será centrado no aluno .
A educação tem como finalidade primeira a criação de condições que facilitam a aprendizagem de
forma que seja possível seu desenvolvimento tanto intelectual como emocional seria a criação de
condições nas quais os alunos pudessem tornar-se pessoas de iniciativas , de responsabilidade ,
autodeterminação que soubessem aplicar-se a aprendizagem no que lhe servirão de solução para
seus problemas servindo-se da própria existência . Nesse processo os motivos de aprender deverão
ser do próprio aluno .

Autodescoberta e autodeterminação são características desse processo .

Escola

A escola será uma escola que respeite a criança tal qual é , que ofereça condições para que ela possa
desenvolver-se em seu processo possibilitando a autonomia do aluno . O princípio básico consiste
na idéia da não interferência com o crescimento da criança e de nenhuma pressão sobre ela .

O ensino numa abordagem como esta consiste num produto de personalidades únicas , respondendo
as circunstâncias únicas num tipo especial de relacionamentos .

A aprendizagem tem a qualidade de um envolvimento pessoal.

Professor-Aluno

Cada professor desenvolverá seu próprio repertório de uma forma única , decorrente da base
percentual de seu comportamento . O processo de ensino irá depender do caráter individual do
professor , como ele se relaciona com o caráter pessoal do aluno . Assume a função de facilitador da
aprendizagem e nesse clima entrará em contato com problemas vitais que tenham repercussão na
existência do estudante .

Isso implica que o professor deva aceitar o aluno tal como é e compreender os sentimentos que ele
possui .

O aluno deve responsabilizar-se pelos objetivos referentes a aprendizagem que tem significado para
eles .

As qualidades do professor podem ser sintetizadas em autenticidade compreensão empática ,
aceitação e confiança no aluno .

Metodologia

Não se enfatiza técnica ou método para facilitar a aprendizagem . Cada educador eficiente deve
elaborar a sua forma de facilitar a aprendizagem no que se refere ao que ocorre em sala de aula é a
ênfase atribuída a relação pedagógica , a um clima favorável ao desenvolvimento das pessoas que
possibilite liberdade para aprender .
Avaliação

Só o indivíduo pode conhecer realmente sua experiência , só pode ser julgada a partir de critérios
internos do organismo . O aluno deverá assumir formas de controle de sua aprendizagem , definir e
aplicar os critérios para avaliar até onde estão sendo atingidos os objetivos que pretende , com
responsabilidade . O diretivismo no ensino é aqui substituído pelo não diretivismo : As relações
verticais impostas por relações EU - TU e nunca EU - ISTO ; As avaliações de acordo com padrões
prefixados , por auto avaliação dos alunos .

Considerando-se pois o fato de que só o indivíduo pode conhecer realmente a sua experiência , esta
só pode ser julgada a partir de critérios internos do organismo.




CAPÍTULO IV

ABORDAGEM COGNITIVISTA

Características gerais

A organização do conhecimento , processamento de informações estilos de pensamento ou estilos
cognitivos , comportamentos relativos à tomada de decisões , etc.

Homem e mundo

O homem e mundo serão analisados conjuntamente , já que o conhecimento é o produto da
interação entre eles , entre sujeito e objeto .

Sociedade-cultura

Os fatos sociológicos , pois , tais como regras , valores , normas , símbolos etc. De acordo com este
posicionamento , variam de grupo para grupo , de acordo como o nível mental médio das pessoas
que constituem o grupo .

Conhecimento

O conhecimento é considerado como uma construção contínua. A passagem de um estado de
desenvolvimento para o seguinte é sempre caracterizada por formação de novas estruturas que não
existiam anteriormente no indivíduo .

Educação

O processo educacional , consoante a teoria de desenvolvimento e conhecimento , tem um papel
importante , ao provocar situações que sejam desequilibradoras para o aluno , desequilíbrios esses
adequados ao nível de desenvolvimento em que a criança vive intensamente ( intelectual e
afetivamente ) cada etapa de seu desenvolvimento .
Escola

Segundo Piaget, a escola deveria começar ensinando a criança a observar . A verdadeira causa dos
fracassos da educação formal , diz , decorre essencialmente do fato de se principiar pela linguagem
( acompanhada de desenhos , de ações fictícias o narradas etc. ) ao invés de o fazer pela ação real e
material .

Ensino -aprendizagem

Um ensino que procura desenvolver a inteligência deverá priorizar as atividades do sujeito ,
considerando-o inserido numa situação social .

Professor aluno

Ambos os pólos da relação devem ser compreendidos de forma diferente da convencional , no
sentido de um transmissor e um receptor de informação . Caberá ao professor criar situações ,
propiciando condições onde possam se estabelecer reciprocidade intelectual e cooperação ao
mesmo tempo moral e racional.

Metodologia

O desenvolvimento humano que traz implicações para o ensino .Uma das implicações fundamentais
é a de que a inteligência se constrói a partir da troca do organismo como o meio , por meio das
ações do indivíduo . A ação do indivíduo , pis , é centro do processo e o fator social ou educativo
constitui uma condição de desenvolvimento .

Avaliação

A avaliação terá de ser realizada a partir de parâmetros extraídos da própria teoria e implicará
verificar se o aluno já adquiriu noções , conservações , realizou operações , relações etc. O
rendimento poderá ser avaliado de acordo como a sua aproximação a uma norma qualitativa
pretendida.

Considerações finais

Tudo o que se aprende é assimilado por uma estrutura já existente e provoca uma restruturação . No
comportamentalismo , o que o organismo geralmente persegue é o esforço e não a aprendizagem em
si. Esta interessa apenas ao professor.




CAPÍTULO V

ABORDAGEM SÓCIO-CULTURAL

Caracterísitcas Gerais
Pode-se situar Paulo Freire com sua obra, enfatizando aspectos sócio-político-cultural, havendo
uma grande preocupação com a cultura popular, sendo que tal preocupação vem desde a II Guerra
Mundial com um aumento crescente até nossos dias.

Homem-Mundo

O homem está inserido no contexto histórico. O homem é sujeito da educação, onde a ação
educativa promove o próprio indivíduo, como sendo único dentro de uma sociedade/ambiente.

Sociedade-Cultura

O homem alienado não se relaciona com a realidade objetivo, como um verdadeiro sujeito pensante:
o pensamento é dissociado da ação .

Conhecimento

A elaboração e o desenvolvimento do conhecimento estão ligados ao processo de conscientização .

Educação

Toda ação educativa, para que seja válida, deve, necessariamente, ser precedida tanto de uma
reflexão sobre o homem como de uma análise do meio de vida desse homem concreto, a quem se
quer ajudar para que se eduque .

Escola

Deve ser um local onde seja possível o crescimento mútuo, do professor e dos alunos, no processo
de conscientização o que indica uma escola diferente de que se tem atualmente, coma seus
currículos e prioridades.

Ensino Aprendizagem

Situação de ensino-aprendizagem deverá procurar a superação da relação opressor-oprimido.

A estrutura de pensar do oprimido está condicionada pela contradição vivida na situação concreta,
existencial em que o oprimido se forma. Resultando consequencias tais como:

   1.    ser ideal é ser mais homem...
   2.    atitude fatalista
   3.    atitude de auto desvalia
   4.    o medo da liberdade ou a submissão do oprimido.

Professor-Aluno

Relação professor-aluno é horizontal

Professor empenhado na prática transformadora procurará desmitificar e questionar, junto com o
aluno .
Metodologia

- Os alunos recebem informações e analisam os aspectos de sua própria experiência existencial

- Utilizando situações vivenciais de grupo, em forma de debate Paulo Freire delineou seu método de
alfabetização.

Características :

Ser ativa

Criar um conteúdo pragmático próprio

Enfatiza o diálogo crítico




CAPÍTULO VII

AS ABORDAGENS DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM E O PROFESSOR

Segundo Mizukami, a partir de análises feitas sobre as diferentes abordagens do processo ensino-
aprendizagem pôde-se constatar que certas linhas teóricas são mais explicativas sobre alguns
aspectos em relação a outros, percebendo-se assim a possibilidade de articulação das diversas
propostas de explicação do fenômeno educacional . Ela procura fazer uma sistematização válida de
conceitos do fenômeno estudado .

Mesmo com teorias incompletas por estarem ainda em fase de elaboração ou reelaboração, faltando
validação empírica ou confronto com o real. Lembrando ainda as teorias não são as únicas fontes de
resposta possíveis e incorrigíveis, pois

                        (...) elas são elaboradas para explicar, de forma sistemática, determinados
                        fenômenos, e os dados do real é que irão fornecer o critério para a sua aceitação ou
                        não, instalando-se, assim, um processo de discussão permanente entre teoria e
                        prática. (MIZUKAMI, 1986, p. 107)

Mizukami ainda critica a formação de professores colocando que o aprendido pelos professores
nada tinha a ver com a prática pedagógica e seu posicionamento frente ao fenômeno educacional. A
experiência pessoal refletiria um comportamento coerente por parte do educador, pondo fim assim
ao permanente processo de discussão entre teoria e prática.

Uma possível solução seria repensar os cursos de formação de professores, voltando as atenções
principalmente para as disciplinas pedagógicas que analisam as abordagens do processo ensino-
aprendizagem, procurando articulá-los à prática pedagógica.

Também é discutida uma forma de aproximar cada vez mais as opções teóricas existentes
analisando e discutindo as vivências na prática e à partir da prática, se pudesse discutir e criticar as
opções teóricas confrontando com a mesma prática. É tentar criar teorias através da prática,
analisando o cotidiano e questionando, evitando-se assim a utilização de Receituários pedagógicos,
que é o que a autora chama de seguir cegamente a teoria ignorando a prática.

                         Um curso de professores deveria possibilitar confronto entre abordagens, quaisquer
                         que fossem elas, entre seus pressupostos e implicações, limites, pontos de contraste
                         e convergência. Ao mesmo tempo, deveria possibilitar ao futuro professor a análise
                         do próprio fazer pedagógico, de suas implicações, pressupostos e determinantes, no
                         sentido de que ele se conscientizasse de sua ação, para que pudesse, além de
                         interpretá-la e contextualizá-la, superá-la constantemente. (MIZUKAMI, 1986, p.
                         109)

Alguns dados revelam que são preferidas pelos professores as abordagens cognitivista e sócio-
cultural deixando as abordagens tradicional e comportamentalista em segundo plano . E também
que a abordagem que mais faz sucesso neste momento histórico é a cognitivista.

                         Na abordagem cognitivista apresentada neste trabalho ( a piagetiana ) e a preferida
                         pelos professores, desde que o aluno se encontre em um ambiente que o solicite
                         devidamente, e que tenha sido constatada a ausência de distúrbios biológicos
                         ligados preponderantemente à atividade cerebral, ele terá condições de chegar ao
                         estágio das operações formais. Não se justificam nem se legitimam, por esta
                         abordagem, desigualdades baseadas nas potencialidades de cada um, tal como
                         poderia decorrer dos princípios escolanovistas. Estaria neste detalhe, talvez de
                         grande importância, já que o determinismo biológico age mais em função de
                         determinar desenvolvimento, do que de determinar máximos de desenvolvimento
                         para cada sujeito, a idéia que despertaria maior interesse para um trabalho realizado
                         por um profissional com as idiossincrasias de um educador. (MIZUKAMI1986, p.
                         111)

De forma genérica tanto o cognitivismo, humanismo e comportamentalismo apresentam aspectos
ascolanovistas que os colocam contra a escola tradicional. Um outro elemento a ser considerado é a
ligação entre o desenvolvimento intelectual e os ideais apregoados pelo ensino tradicional elaborado
através dos séculos.

Concluindo, de todas as abordagens analisadas obteve-se quase plenamente preferência dos
professores pela abordagem cognitivista por que esta abordagem se baseia numa teoria de
desenvolvimento em grande parte válida, e também a abordagem sócio-cultural que complementa o
desenvolvimento humano e genético com aspectos sócio-culturais e personalistas. Sendo que a
abordagem sócio-cultural está impregnada de aspectos humanistas característicos das primeiras
obras de Paulo Freire.

O ideário pedagógico de alguns professores não segue nenhuma das abordagens, e são classificados
como tendência indefinida dentre as demais abordagens.



REFERÊNCIAS

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.
(Temas básicos da educação e ensino)

http://www.angelfire.com/ak2/jamalves/Abordagem.html. Acessado em 15 de março de 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abordagem sócio cultural
Abordagem sócio culturalAbordagem sócio cultural
Abordagem sócio cultural
Ariella Araujo
 
Reconstruindo a didática
Reconstruindo a didáticaReconstruindo a didática
Reconstruindo a didática
Talita Flávia
 
Módulo especifico iii
Módulo especifico iiiMódulo especifico iii
Módulo especifico iii
Alexsandro Prates
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Ivanderson da Silva
 
Disciplina: Didática
Disciplina: DidáticaDisciplina: Didática
Disciplina: Didática
Maria Cristina Bortolozo
 
Concepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretivaConcepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretiva
Joemille Leal
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
Lílian Reis
 
Concepções pedagógica
Concepções pedagógicaConcepções pedagógica
Concepções pedagógica
Maria de los Dolores J Peña
 
Educação e suas tendências
Educação e suas tendênciasEducação e suas tendências
Educação e suas tendências
Mara Salvucci
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
UNICEP
 
Tendências pedagógicas texto
Tendências pedagógicas   textoTendências pedagógicas   texto
Tendências pedagógicas texto
diegocn
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
Oswaldo Michaelano
 
Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1
Cássio Landher Alves
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
CÉSAR TAVARES
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Herbert Santana
 
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educaçãoAprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
Kelly Lima
 
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e TerminologiasTENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
Elicio Lima
 
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileirasTendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
CDIM Daniel
 
O conhecimento pedagógico - Correntes e Parametros
O conhecimento pedagógico - Correntes e ParametrosO conhecimento pedagógico - Correntes e Parametros
O conhecimento pedagógico - Correntes e Parametros
minizao
 

Mais procurados (19)

Abordagem sócio cultural
Abordagem sócio culturalAbordagem sócio cultural
Abordagem sócio cultural
 
Reconstruindo a didática
Reconstruindo a didáticaReconstruindo a didática
Reconstruindo a didática
 
Módulo especifico iii
Módulo especifico iiiMódulo especifico iii
Módulo especifico iii
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Disciplina: Didática
Disciplina: DidáticaDisciplina: Didática
Disciplina: Didática
 
Concepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretivaConcepção renovada não diretiva
Concepção renovada não diretiva
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
 
Concepções pedagógica
Concepções pedagógicaConcepções pedagógica
Concepções pedagógica
 
Educação e suas tendências
Educação e suas tendênciasEducação e suas tendências
Educação e suas tendências
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Tendências pedagógicas texto
Tendências pedagógicas   textoTendências pedagógicas   texto
Tendências pedagógicas texto
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
 
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educaçãoAprendizagem e ensino   as teorias pedagógicas da educação
Aprendizagem e ensino as teorias pedagógicas da educação
 
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e TerminologiasTENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS: Conceitos e Terminologias
 
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileirasTendências ou concepções pedagógicas brasileiras
Tendências ou concepções pedagógicas brasileiras
 
O conhecimento pedagógico - Correntes e Parametros
O conhecimento pedagógico - Correntes e ParametrosO conhecimento pedagógico - Correntes e Parametros
O conhecimento pedagógico - Correntes e Parametros
 

Destaque

O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
Ana Paula Azevedo
 
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino SuperiorDidática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Luci Bonini
 
Formação em Coaching para Educadores
Formação em Coaching para EducadoresFormação em Coaching para Educadores
Formação em Coaching para Educadores
Escola de Coaching ECIT
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
Victor Nilu Fabiana Barros
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
Jocimary Josefa Gonçalves
 
Artigo angela
Artigo angela Artigo angela
Artigo angela
JuliaCristina03
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
Mara Salvucci
 
Lançamento do livro de coaching para educadores
Lançamento do livro de coaching para educadoresLançamento do livro de coaching para educadores
Lançamento do livro de coaching para educadores
Escola Ecit
 
Educadores e educando
Educadores e educandoEducadores e educando
Educadores e educando
alifer
 
Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.
Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.
Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.
LIVROS PSI
 
Educação no século XXI - Desafio de Pais e Educadores
Educação no século XXI - Desafio de Pais e EducadoresEducação no século XXI - Desafio de Pais e Educadores
Educação no século XXI - Desafio de Pais e Educadores
Luciana Raspa Marcelo Lopes
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
na educação
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
ABORDAGENS PEDAGOGICAS
ABORDAGENS PEDAGOGICASABORDAGENS PEDAGOGICAS
ABORDAGENS PEDAGOGICAS
pacobr
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
Editora Moderna
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
32
32 32

Destaque (18)

O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
 
Didática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino SuperiorDidática e Metodologia no Ensino Superior
Didática e Metodologia no Ensino Superior
 
Formação em Coaching para Educadores
Formação em Coaching para EducadoresFormação em Coaching para Educadores
Formação em Coaching para Educadores
 
Didatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendênciasDidatica teórica e tendências
Didatica teórica e tendências
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
 
Artigo angela
Artigo angela Artigo angela
Artigo angela
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Lançamento do livro de coaching para educadores
Lançamento do livro de coaching para educadoresLançamento do livro de coaching para educadores
Lançamento do livro de coaching para educadores
 
Educadores e educando
Educadores e educandoEducadores e educando
Educadores e educando
 
Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.
Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.
Mizukami, maria da graça nicoletti. ensino as abordagens do processo.
 
Educação no século XXI - Desafio de Pais e Educadores
Educação no século XXI - Desafio de Pais e EducadoresEducação no século XXI - Desafio de Pais e Educadores
Educação no século XXI - Desafio de Pais e Educadores
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
ABORDAGENS PEDAGOGICAS
ABORDAGENS PEDAGOGICASABORDAGENS PEDAGOGICAS
ABORDAGENS PEDAGOGICAS
 
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
“Educação socioemocional em sala de aula: o que é, como fazer e em que medida...
 
Slide de didática
Slide de didáticaSlide de didática
Slide de didática
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
32
32 32
32
 

Semelhante a Abordagens do-processo

Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
Nayra Carneiro
 
Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
Simone Everton
 
12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem
Hernando Professor
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
Edilene Jadao
 
Abordagem educacao
Abordagem educacaoAbordagem educacao
Abordagem educacao
Erica Luanda Jodas Balle
 
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Fátima Noronha
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Fátima Noronha
 
A Aula Universitária
A Aula UniversitáriaA Aula Universitária
A Aula Universitária
Márcia Castilho de Sales
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
Josenilza Paiva
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
Patrícia Éderson Dias
 
Tendências Pedagógicas Liberais .pdf
Tendências Pedagógicas Liberais .pdfTendências Pedagógicas Liberais .pdf
Tendências Pedagógicas Liberais .pdf
AglemisonLobato
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
Alexsandro Prates
 
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
LindsaiSantosAmaralB
 
A pesquisa como instrumento de ensino
A pesquisa como instrumento de ensinoA pesquisa como instrumento de ensino
A pesquisa como instrumento de ensino
alcanceassessoria
 
Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03
aline totti
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Aprendizagem significativa
Aprendizagem significativaAprendizagem significativa
Aprendizagem significativa
Evonaldo Gonçalves Vanny
 
Teoria, prática, indivíduos e organizações
Teoria, prática, indivíduos e organizaçõesTeoria, prática, indivíduos e organizações
Teoria, prática, indivíduos e organizações
grupoletra
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 

Semelhante a Abordagens do-processo (20)

Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
 
Ensino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processoEnsino as abordagens do processo
Ensino as abordagens do processo
 
12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
 
Abordagem educacao
Abordagem educacaoAbordagem educacao
Abordagem educacao
 
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógicaApostila  teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
Apostila teorias da aprendizagem para a prática pedagógica
 
A Aula Universitária
A Aula UniversitáriaA Aula Universitária
A Aula Universitária
 
Estudo dirigido didatica
Estudo dirigido didaticaEstudo dirigido didatica
Estudo dirigido didatica
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
 
Tendências Pedagógicas Liberais .pdf
Tendências Pedagógicas Liberais .pdfTendências Pedagógicas Liberais .pdf
Tendências Pedagógicas Liberais .pdf
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
 
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
 
A pesquisa como instrumento de ensino
A pesquisa como instrumento de ensinoA pesquisa como instrumento de ensino
A pesquisa como instrumento de ensino
 
Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Aprendizagem significativa
Aprendizagem significativaAprendizagem significativa
Aprendizagem significativa
 
Teoria, prática, indivíduos e organizações
Teoria, prática, indivíduos e organizaçõesTeoria, prática, indivíduos e organizações
Teoria, prática, indivíduos e organizações
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 

Mais de afermartins

Solo
SoloSolo
Ar
ArAr
Agua
AguaAgua
Química da Atmosfera
Química da AtmosferaQuímica da Atmosfera
Química da Atmosfera
afermartins
 
Politecnico final
Politecnico finalPolitecnico final
Politecnico final
afermartins
 
Burigo ensino mediopolitecnico
Burigo ensino mediopolitecnicoBurigo ensino mediopolitecnico
Burigo ensino mediopolitecnico
afermartins
 
Proposta pedagogica para_o_ensino_medio
Proposta pedagogica para_o_ensino_medioProposta pedagogica para_o_ensino_medio
Proposta pedagogica para_o_ensino_medio
afermartins
 
Proposta reest ens_medio
Proposta reest ens_medioProposta reest ens_medio
Proposta reest ens_medio
afermartins
 
Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009
Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009
Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009
afermartins
 
Ensino m+ëdio (1)
Ensino m+ëdio (1)Ensino m+ëdio (1)
Ensino m+ëdio (1)
afermartins
 
Lei no 06672
Lei no 06672Lei no 06672
Lei no 06672
afermartins
 
Rceb004 10
Rceb004 10Rceb004 10
Rceb004 10
afermartins
 
20130207110206anexo10
20130207110206anexo1020130207110206anexo10
20130207110206anexo10
afermartins
 
Original normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analiticaOriginal normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analitica
afermartins
 
Revista de-quimica
Revista de-quimicaRevista de-quimica
Revista de-quimica
afermartins
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
afermartins
 
Apostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-siteApostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-site
afermartins
 
Regimento referencia em politecnico
Regimento referencia em politecnicoRegimento referencia em politecnico
Regimento referencia em politecnico
afermartins
 
Adubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpeg
Adubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpegAdubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpeg
Adubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpeg
afermartins
 

Mais de afermartins (20)

Solo
SoloSolo
Solo
 
Ar
ArAr
Ar
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Química da Atmosfera
Química da AtmosferaQuímica da Atmosfera
Química da Atmosfera
 
Politecnico final
Politecnico finalPolitecnico final
Politecnico final
 
Burigo ensino mediopolitecnico
Burigo ensino mediopolitecnicoBurigo ensino mediopolitecnico
Burigo ensino mediopolitecnico
 
Proposta pedagogica para_o_ensino_medio
Proposta pedagogica para_o_ensino_medioProposta pedagogica para_o_ensino_medio
Proposta pedagogica para_o_ensino_medio
 
Proposta reest ens_medio
Proposta reest ens_medioProposta reest ens_medio
Proposta reest ens_medio
 
Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009
Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009
Ensino medioinovador camaraeducacaobasica-01junho2009
 
Ensino m+ëdio (1)
Ensino m+ëdio (1)Ensino m+ëdio (1)
Ensino m+ëdio (1)
 
Lei no 06672
Lei no 06672Lei no 06672
Lei no 06672
 
Rceb004 10
Rceb004 10Rceb004 10
Rceb004 10
 
N105a07
N105a07N105a07
N105a07
 
20130207110206anexo10
20130207110206anexo1020130207110206anexo10
20130207110206anexo10
 
Original normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analiticaOriginal normas de_segurança_-_q._analitica
Original normas de_segurança_-_q._analitica
 
Revista de-quimica
Revista de-quimicaRevista de-quimica
Revista de-quimica
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
 
Apostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-siteApostila peb-ii-site
Apostila peb-ii-site
 
Regimento referencia em politecnico
Regimento referencia em politecnicoRegimento referencia em politecnico
Regimento referencia em politecnico
 
Adubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpeg
Adubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpegAdubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpeg
Adubacao organica producao_mais_limpa_id-37h_fh1rpeg
 

Abordagens do-processo

  • 1. ENSINO: As abordagens do processo Maria da Graça Nicoletti Mizukami INTRODUÇÃO O Conhecimento humano, dependendo dos diferentes referencias, é explicado diversamente em sua gênese e desenvolvimento, o que condiciona conceitos diversos de homem, mundo, cultura, sociedade, educação, etc. Dentro de um mesmo referencial, é possível haver abordagens diversas, tendo em comum apenas os diferentes primados: ora do objeto, ora do sujeito, ora da interação de ambos. Diferentes posicionamentos pessoais deveriam derivar diferentes arranjos de situações ensino- aprendizagem e diferentes ações educativas em sala de aula, partindo-se do pressuposto de que a ação educativa exercida por professores em situações planejadas de ensino-aprendizagem é sempre intencional. Subjacente a esta ação, estaria presente – implícita ou explicitamente, de forma articulada ou não – um referencial teórico que compreendesse conceitos de homem, mundo, sociedade, cultura, conhecimento, etc.. O estudo acerca das diferentes linhas pedagógicas, tendências ou abordagens, no ensino brasileiro podem fornecer diretrizes à ação docente, mesmo considerando que a elaboração que cada professor faz delas é individual e intransferível. De acordo com Mizukami (1986), algumas abordagens apresentam claro referencial filosófico e psicológico, ao passo que outras são intuitivas ou fundamentadas na prática, ou na imitação de modelos. A complexidade da realidade educacional deve ser considerado para não ser tratado de forma simplista e reducionista. Nesse estudo, deve-se ter em mente seu caráter parcial e arbitrário, assim como as limitações e problemas decorrentes da delimitação e caracterização (necessárias) de cada abordagem. A professora Mizukami não incluiu em seus estudos a abordagem escolanovista, introduzida no Brasil através do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (Anísio Teixeira, Gustavo Capanema e outros), a partir da década de 1930. Ela justifica sua opção por considerar que essa abordagem pode ser tomada como didaticista, por suas atribuições aos aspectos didáticos, e por possuir diretrizes incluídas em outras abordagens. Argumenta ainda que, as demais abordagens, apresentadas por ela, apresentam justificativas teóricas ou evidências empíricas. Mas reconhece que trata-se de uma abordagem com possível influência na formação de professores no Brasil.
  • 2. CAPÍTULO I ABORDAGEM TRADICIONAL Características Gerais Trata-se de uma concepção e uma prática educacionais que persistem no tempo, em suas diferentes formas, e que passaram a fornecer um quadro diferencial para todas as demais abordagens que a ela se seguiram. Como se sabe, o adulto, na concepção tradicional, é considerado como homem acabado, "pronto" e o aluno um "adulto em miniatura", que precisa ser atualizado. O ensino será centrado no professor. O aluno apenas executa prescrições que lhe são fixadas por autoridades exteriores. Homem O homem é considerado como inserido num mundo que irá conhecer através de informações que lhe serão fornecidas. É um receptor passivo até que, repleto das informações necessárias, pode repeti-las a outros que ainda não as possuam, assim como pode ser eficiente em sua profissão, quando de posse dessas informações e conteúdos. Mundo A realidade é algo que será transmitido ao indivíduo principalmente pelo processo de educação formal, além de outras agências, tais como família, Igreja. Sociedade-Cultura O objetivo educacional normalmente se encontra intimamente relacionado aos valores apregoados pela sociedade na qual se realiza. Os Programas exprimem os níveis culturais a serem adquiridos na trajetória da educação formal. A reprovação do aluno passa a ser necessária quando o mínimo cultural para aquela faixa não foi atingido, e as provas e exames são necessários a constatação de que este mínimo exigido para cada série foi adquirido pelo aluno. O diploma pode ser tomado como um instrumento de hierarquização. Dessa forma, o diploma iria desempenhar um papel mediador entre a formação cultural e o exercício de funções sociais determinadas. Pode-se afirmar que as tendências englobadas por esse tipo de abordagem possuem uma visão individualista do processo educacional, não possibilitando, na maioria das vezes, trabalhos de cooperação nos quais o futuro cidadão possa experienciar a convergência de esforços. Conhecimento Parte-se do pressuposto de que a inteligência seja uma faculdade capaz de acumular/armazenar informações. Aos alunos são apresentados somente os resultados desse processo, para que sejam armazenados.
  • 3. Evidencia-se o caráter cumulativo do conhecimento humano, adquirido pelo indivíduo por meio de transmissão, de onde se supõe o papel importante da educação formal e da instituição escola. Atribui-se ao sujeito um papel insignificante na elaboração e aquisição do conhecimento. Ao indivíduo que está "adquirindo" conhecimento compete memorizar definições, anunciando leis, sínteses e resumos que lhes são oferecidos no processo de educação formal. Educação Entendida como instrução, caracterizada como transmissão de conhecimentos e restrita à ação da escola. Às vezes, coloca-se que, para que o aluno possa chegar, e em condições favoráveis, há uma confrontação com o modelo, é indispensável uma intervenção do professor, uma orientação do mestre. Trata-se, pois, da transmissão de idéias selecionadas e organizadas logicamente. Escola A escola, é o lugar por excelência onde se realiza a educação, a qual se restringe, a um processo de transmissão de informações em sala de aula e funciona como uma agência sistematizadora de uma cultura complexa. Considera o ato de aprender como uma cerimônia e acha necessário que o professor se mantenha distante dos alunos. Uma escola desse tipo é freqüentemente utilitarista quanto a resultados e programas preestabelecidos. As possibilidades de cooperação entre pares são reduzidas, já que a natureza da grande parte das tarefas destinadas aos alunos exige participação individual de cada um deles. Ensino-aprendizagem A ênfase é dada às situações de sala de aula, onde os alunos são "instruídos" e "ensinados" pelo professor. Os conteúdos e as informações têm de ser adquiridos , os modelos imitados. Seus elementos fundamentais são imagens estáticas que progressivamente serão "impressas" nos alunos, cópias de modelos do exterior que serão gravadas nas mentes individuais. Uma das decorrências do ensino tradicional, já que a aprendizagem consiste em aquisição de informações e demonstrações transmitidas, é a que propicia a formação de reações estereotipadas, de automatismos denominados hábitos, geralmente isolados uns dos outros e aplicáveis, quase sempre, somente às situações idênticas em que foram adquiridos. O aluno que adquiriu o hábito ou que "aprendeu" apresenta, com freqüência, compreensão apenas parcial. Ignoram-se as diferenças individuais.
  • 4. É um ensino que se preocupa mais com a variedade e quantidade de noções/conceitos/informações que com a formação do pensamento reflexivo. Professor-aluno O professor-aluno é vertical, sendo que ( o professor ) detém o poder decisório quanto a metodologia, conteúdo, avaliação, forma de interação na aula etc. O professor detém os meios coletivos de expressão. A maior parte dos exercícios de controle e dos de exames se orienta para a reiteração dos dados e informações anteriormente fornecidos pelos manuais. Metodologia Se baseia na aula expositiva e nas demonstrações do professor a classe , tomada quase como auditório . O professor já traz o conteúdo pronto e o aluno se limita exclusivamente a escutá-lo a didática profissional quase que poderia ser resumida em dar a lição e tomar a lição . No método expositivo como atividade normal , está implícito o relacionamento professor - aluno , o professor é o agente e o aluno é o ouvinte. O trabalho continua mesmo sem a compreensão do aluno somente uma verificação a posteriori é que permitirá o professor tomar consciência deste fato. Quanto ao atendimento individual há dificuldades pois a classe fica isolada e a tendência é de se tratar todos igualmente. Avaliação A avaliação visa a exatidão da reprodução do conteúdo comunicado em sala de aula . As notas obtidas funcionam na sociedade como níveis de aquisição do patrimônio cultural . CAPÍTULO II ABORDAGEM COPORMENTALISTA Características gerais O conhecimento é um "descoberta" e é nova para o indivíduo que a faz. O que foi descoberto , porém , já se encontrava presente na realidade exterior . Os comportamentalistas consideram a experiência ou a experimentação planejada como a base do conhecimento , o conhecimento é o resultado direto da experiência..
  • 5. O homem O homem é uma conseqüência das influências ou forças existentes no meio ambiente a hipótese de que o homem não é livre é absolutamente necessária para se poder aplicar um método científico no campo das ciências . O homem dentro desse referencial é considerado como o produto de um processo evolutivo . O mundo A realidade para Skinner , é um fenômeno objetivo ; O mundo já é construído e o homem é produto do meio . O meio pode ser manipulado . O comportamento , por sua vez , pode ser mudado modificando-se as condições das quais ele é uma função , ou seja , alterando-se os elementos ambientais . O meio seleciona . Sociedade-Cultura A sociedade ideal , para Skinner ,é aquela que implicarias um planejamento social e cultural . Qualquer ambiente , físico ou social , deve ser avaliado de acordo com seus efeitos sobre a natureza humana . A cultura ,é representada pelos usos e costumes dominantes , pelos comportamentos que se mantém através dos tempos . Conhecimento O conhecimento é o resultado direto da experiência ., o comportamento é estruturado indutivamente , via experiência. Educação A educação está intimamente ligada à transmissão cultural . A educação , pois , deverá transmitir conhecimentos , assim como comportamentos éticos ,práticas sociais , habilidades consideradas básicas para a manipulação e controle do mundo /ambiente. Escola A escola é considerada e aceita como uma agência educacional que deverá adotar forma peculiar de controle , de acordo com os comportamentos que pretende instalar e manter. Ensino-aprendizagem É uma mudança relativamente permanente em uma tendência comportamental e ou na vida mental do indivíduo , resultantes de uma prática reforçada .
  • 6. Professor-aluno Aso educandos caberia o controle do processo de aprendizagem , um controle científico da educação , o professor teria a responsabilidade de planejar e desenvolver o sistema de ensino- aprendizagem , de forma tal que o desempenho do aluno seja maximizado , considerando-se igualmente fatores tais como economia de tempo , esforços e custos. Metodologia Nessa abordagem , se incluem tanto a aplicação da tecnologia educacional e estratégias de ensino , quanto formas de reforço no relacionamento professor-aluno. Avaliação Decorrente do pressuposto de que o aluno progride em seu ritmo próprio , em pequenos passos , sem cometer erros , a avaliação consiste , nesta abordagem , em se constatar se o aluno aprendeu e atingiu os objetivos propostos quando o programa foi conduzido até o final de forma adequada. Considerações finais O meio pode ser controlado e manipulado e , consequentemente ,também o homem pode ser controlado e manipulado . O ensino é tratado em função de uma tecnologia que , além da aplicação de conhecimentos científicos à prática pedagógica , envolve um conjunto de técnicas diretamente aplicáveis em situações concretas de sala de aula. O ESTUDO DO COMPORTAMENTO behaviorismo dedicou-se ao estudo do comportamento na relação que este mantém com o meio ambiente onde ocorre . Mas como comportamento e meio são termos amplos demais para poderem ser úteis para uma análise descritiva nesta ciência , os psicólogos desta tendência chegaram aos conceitos e etímulo e resposta ( teoria S-R ) . Estímulo e resposta são portanto as unidades básicas da descrição e o ponto de partida para uma ciência do comportamento . O homem começa a ser estudado como produto do processo de aprendizagem pelo qual passa desde a infância , ou seja, como produto das associações estabelecidas durante sua vida entre estímulos ( do meio ) e respostas ( manifestações comportamentais ). A base da corrente skinneriana está na formulação do condicionamento operante . Para desenvolvermos este conceito, retrocederemos um pouco na história do Behaviorismo , introduzindo as noções de comportamento reflexo e condicionamento respondente para então chegar ao condicionamento operante . CONDICIONAMENTO RESPONDENTE
  • 7. comportamento reflexo é o comportamento não voluntário ( reflexo ) e inclui as respostas que são eliciadas ( "produzidas") por modificações especiais de estímulos do ambiente. Skinner concentrou seus estudos na possibilidade de condicionar os comportamentos operantes. CONDICIONAMENTO OPERANTE O comportamento operante é o comportamento voluntário e abrange um quantidade muito maior da atividade humana - desde os comportamentos do bebê de balbuciar, agarrar objetos, olhar os enfeites do berço até os comportamentos mais sofisticados que o adulto apresenta. BEHAVIORISMO : SUA APLICAÇÃO São conhecidos os métodos de ensino programado e o controle e organização das situações de aprendizagem, bem como a elaboração de uma tecnologia de ensino. CAPÍTULO III ABORDAGEM HUMANISTA Características Gerais Nesta abordagem é dada a ênfase no papel do sujeito como principal elaborador do conhecimento humano . Da ênfase ao crescimento que dela se resulta , centrado no desenvolvimento da personalidade do indivíduo na sua capacidade de atuar como uma pessoa integrada . O professor em si não transmite o conteúdo , dá assistência sendo facilitador da aprendizagem . O conteúdo advém das próprias experiências do aluno o professor não ensina : apenas cria condições para que os alunos aprendam . Homem É considerado como uma pessoa situada no mundo . Não existem modelos prontos nem regras a seguir mas um processo de vir a ser . O objetivo do ser humano é a autorealização ou uso pleno de suas potencialidades e capacidades o homem se apresenta como um projeto permanente e mau acabado . Mundo O mundo é algo produzido pelo homem diante de si mesmo . O mundo teria o papel fundamental de crias condições de expressão para a pessoa , cuja tarefa vital consiste no pleno desenvolvimento do seu potencial inerente . A ênfase é no sujeito mais uma das condições necessárias para o desenvolvimento individual é o ambiente . Na experiência pessoal e subjetiva o conhecimento é construído no decorrer do processo de vir a ser da pessoa humana . É atribuída ao sujeito papel central e primordial na elaboração e criação do conhecimento .
  • 8. Ao experienciar o homem conhece . O conhecimento é inerente à atividade humana . O ser humano tem curiosidade natural para o conhecimento . Educação Trata-se da educação centrada na pessoa , já que nessa abordagem o ensino será centrado no aluno . A educação tem como finalidade primeira a criação de condições que facilitam a aprendizagem de forma que seja possível seu desenvolvimento tanto intelectual como emocional seria a criação de condições nas quais os alunos pudessem tornar-se pessoas de iniciativas , de responsabilidade , autodeterminação que soubessem aplicar-se a aprendizagem no que lhe servirão de solução para seus problemas servindo-se da própria existência . Nesse processo os motivos de aprender deverão ser do próprio aluno . Autodescoberta e autodeterminação são características desse processo . Escola A escola será uma escola que respeite a criança tal qual é , que ofereça condições para que ela possa desenvolver-se em seu processo possibilitando a autonomia do aluno . O princípio básico consiste na idéia da não interferência com o crescimento da criança e de nenhuma pressão sobre ela . O ensino numa abordagem como esta consiste num produto de personalidades únicas , respondendo as circunstâncias únicas num tipo especial de relacionamentos . A aprendizagem tem a qualidade de um envolvimento pessoal. Professor-Aluno Cada professor desenvolverá seu próprio repertório de uma forma única , decorrente da base percentual de seu comportamento . O processo de ensino irá depender do caráter individual do professor , como ele se relaciona com o caráter pessoal do aluno . Assume a função de facilitador da aprendizagem e nesse clima entrará em contato com problemas vitais que tenham repercussão na existência do estudante . Isso implica que o professor deva aceitar o aluno tal como é e compreender os sentimentos que ele possui . O aluno deve responsabilizar-se pelos objetivos referentes a aprendizagem que tem significado para eles . As qualidades do professor podem ser sintetizadas em autenticidade compreensão empática , aceitação e confiança no aluno . Metodologia Não se enfatiza técnica ou método para facilitar a aprendizagem . Cada educador eficiente deve elaborar a sua forma de facilitar a aprendizagem no que se refere ao que ocorre em sala de aula é a ênfase atribuída a relação pedagógica , a um clima favorável ao desenvolvimento das pessoas que possibilite liberdade para aprender .
  • 9. Avaliação Só o indivíduo pode conhecer realmente sua experiência , só pode ser julgada a partir de critérios internos do organismo . O aluno deverá assumir formas de controle de sua aprendizagem , definir e aplicar os critérios para avaliar até onde estão sendo atingidos os objetivos que pretende , com responsabilidade . O diretivismo no ensino é aqui substituído pelo não diretivismo : As relações verticais impostas por relações EU - TU e nunca EU - ISTO ; As avaliações de acordo com padrões prefixados , por auto avaliação dos alunos . Considerando-se pois o fato de que só o indivíduo pode conhecer realmente a sua experiência , esta só pode ser julgada a partir de critérios internos do organismo. CAPÍTULO IV ABORDAGEM COGNITIVISTA Características gerais A organização do conhecimento , processamento de informações estilos de pensamento ou estilos cognitivos , comportamentos relativos à tomada de decisões , etc. Homem e mundo O homem e mundo serão analisados conjuntamente , já que o conhecimento é o produto da interação entre eles , entre sujeito e objeto . Sociedade-cultura Os fatos sociológicos , pois , tais como regras , valores , normas , símbolos etc. De acordo com este posicionamento , variam de grupo para grupo , de acordo como o nível mental médio das pessoas que constituem o grupo . Conhecimento O conhecimento é considerado como uma construção contínua. A passagem de um estado de desenvolvimento para o seguinte é sempre caracterizada por formação de novas estruturas que não existiam anteriormente no indivíduo . Educação O processo educacional , consoante a teoria de desenvolvimento e conhecimento , tem um papel importante , ao provocar situações que sejam desequilibradoras para o aluno , desequilíbrios esses adequados ao nível de desenvolvimento em que a criança vive intensamente ( intelectual e afetivamente ) cada etapa de seu desenvolvimento .
  • 10. Escola Segundo Piaget, a escola deveria começar ensinando a criança a observar . A verdadeira causa dos fracassos da educação formal , diz , decorre essencialmente do fato de se principiar pela linguagem ( acompanhada de desenhos , de ações fictícias o narradas etc. ) ao invés de o fazer pela ação real e material . Ensino -aprendizagem Um ensino que procura desenvolver a inteligência deverá priorizar as atividades do sujeito , considerando-o inserido numa situação social . Professor aluno Ambos os pólos da relação devem ser compreendidos de forma diferente da convencional , no sentido de um transmissor e um receptor de informação . Caberá ao professor criar situações , propiciando condições onde possam se estabelecer reciprocidade intelectual e cooperação ao mesmo tempo moral e racional. Metodologia O desenvolvimento humano que traz implicações para o ensino .Uma das implicações fundamentais é a de que a inteligência se constrói a partir da troca do organismo como o meio , por meio das ações do indivíduo . A ação do indivíduo , pis , é centro do processo e o fator social ou educativo constitui uma condição de desenvolvimento . Avaliação A avaliação terá de ser realizada a partir de parâmetros extraídos da própria teoria e implicará verificar se o aluno já adquiriu noções , conservações , realizou operações , relações etc. O rendimento poderá ser avaliado de acordo como a sua aproximação a uma norma qualitativa pretendida. Considerações finais Tudo o que se aprende é assimilado por uma estrutura já existente e provoca uma restruturação . No comportamentalismo , o que o organismo geralmente persegue é o esforço e não a aprendizagem em si. Esta interessa apenas ao professor. CAPÍTULO V ABORDAGEM SÓCIO-CULTURAL Caracterísitcas Gerais
  • 11. Pode-se situar Paulo Freire com sua obra, enfatizando aspectos sócio-político-cultural, havendo uma grande preocupação com a cultura popular, sendo que tal preocupação vem desde a II Guerra Mundial com um aumento crescente até nossos dias. Homem-Mundo O homem está inserido no contexto histórico. O homem é sujeito da educação, onde a ação educativa promove o próprio indivíduo, como sendo único dentro de uma sociedade/ambiente. Sociedade-Cultura O homem alienado não se relaciona com a realidade objetivo, como um verdadeiro sujeito pensante: o pensamento é dissociado da ação . Conhecimento A elaboração e o desenvolvimento do conhecimento estão ligados ao processo de conscientização . Educação Toda ação educativa, para que seja válida, deve, necessariamente, ser precedida tanto de uma reflexão sobre o homem como de uma análise do meio de vida desse homem concreto, a quem se quer ajudar para que se eduque . Escola Deve ser um local onde seja possível o crescimento mútuo, do professor e dos alunos, no processo de conscientização o que indica uma escola diferente de que se tem atualmente, coma seus currículos e prioridades. Ensino Aprendizagem Situação de ensino-aprendizagem deverá procurar a superação da relação opressor-oprimido. A estrutura de pensar do oprimido está condicionada pela contradição vivida na situação concreta, existencial em que o oprimido se forma. Resultando consequencias tais como: 1. ser ideal é ser mais homem... 2. atitude fatalista 3. atitude de auto desvalia 4. o medo da liberdade ou a submissão do oprimido. Professor-Aluno Relação professor-aluno é horizontal Professor empenhado na prática transformadora procurará desmitificar e questionar, junto com o aluno .
  • 12. Metodologia - Os alunos recebem informações e analisam os aspectos de sua própria experiência existencial - Utilizando situações vivenciais de grupo, em forma de debate Paulo Freire delineou seu método de alfabetização. Características : Ser ativa Criar um conteúdo pragmático próprio Enfatiza o diálogo crítico CAPÍTULO VII AS ABORDAGENS DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM E O PROFESSOR Segundo Mizukami, a partir de análises feitas sobre as diferentes abordagens do processo ensino- aprendizagem pôde-se constatar que certas linhas teóricas são mais explicativas sobre alguns aspectos em relação a outros, percebendo-se assim a possibilidade de articulação das diversas propostas de explicação do fenômeno educacional . Ela procura fazer uma sistematização válida de conceitos do fenômeno estudado . Mesmo com teorias incompletas por estarem ainda em fase de elaboração ou reelaboração, faltando validação empírica ou confronto com o real. Lembrando ainda as teorias não são as únicas fontes de resposta possíveis e incorrigíveis, pois (...) elas são elaboradas para explicar, de forma sistemática, determinados fenômenos, e os dados do real é que irão fornecer o critério para a sua aceitação ou não, instalando-se, assim, um processo de discussão permanente entre teoria e prática. (MIZUKAMI, 1986, p. 107) Mizukami ainda critica a formação de professores colocando que o aprendido pelos professores nada tinha a ver com a prática pedagógica e seu posicionamento frente ao fenômeno educacional. A experiência pessoal refletiria um comportamento coerente por parte do educador, pondo fim assim ao permanente processo de discussão entre teoria e prática. Uma possível solução seria repensar os cursos de formação de professores, voltando as atenções principalmente para as disciplinas pedagógicas que analisam as abordagens do processo ensino- aprendizagem, procurando articulá-los à prática pedagógica. Também é discutida uma forma de aproximar cada vez mais as opções teóricas existentes analisando e discutindo as vivências na prática e à partir da prática, se pudesse discutir e criticar as opções teóricas confrontando com a mesma prática. É tentar criar teorias através da prática,
  • 13. analisando o cotidiano e questionando, evitando-se assim a utilização de Receituários pedagógicos, que é o que a autora chama de seguir cegamente a teoria ignorando a prática. Um curso de professores deveria possibilitar confronto entre abordagens, quaisquer que fossem elas, entre seus pressupostos e implicações, limites, pontos de contraste e convergência. Ao mesmo tempo, deveria possibilitar ao futuro professor a análise do próprio fazer pedagógico, de suas implicações, pressupostos e determinantes, no sentido de que ele se conscientizasse de sua ação, para que pudesse, além de interpretá-la e contextualizá-la, superá-la constantemente. (MIZUKAMI, 1986, p. 109) Alguns dados revelam que são preferidas pelos professores as abordagens cognitivista e sócio- cultural deixando as abordagens tradicional e comportamentalista em segundo plano . E também que a abordagem que mais faz sucesso neste momento histórico é a cognitivista. Na abordagem cognitivista apresentada neste trabalho ( a piagetiana ) e a preferida pelos professores, desde que o aluno se encontre em um ambiente que o solicite devidamente, e que tenha sido constatada a ausência de distúrbios biológicos ligados preponderantemente à atividade cerebral, ele terá condições de chegar ao estágio das operações formais. Não se justificam nem se legitimam, por esta abordagem, desigualdades baseadas nas potencialidades de cada um, tal como poderia decorrer dos princípios escolanovistas. Estaria neste detalhe, talvez de grande importância, já que o determinismo biológico age mais em função de determinar desenvolvimento, do que de determinar máximos de desenvolvimento para cada sujeito, a idéia que despertaria maior interesse para um trabalho realizado por um profissional com as idiossincrasias de um educador. (MIZUKAMI1986, p. 111) De forma genérica tanto o cognitivismo, humanismo e comportamentalismo apresentam aspectos ascolanovistas que os colocam contra a escola tradicional. Um outro elemento a ser considerado é a ligação entre o desenvolvimento intelectual e os ideais apregoados pelo ensino tradicional elaborado através dos séculos. Concluindo, de todas as abordagens analisadas obteve-se quase plenamente preferência dos professores pela abordagem cognitivista por que esta abordagem se baseia numa teoria de desenvolvimento em grande parte válida, e também a abordagem sócio-cultural que complementa o desenvolvimento humano e genético com aspectos sócio-culturais e personalistas. Sendo que a abordagem sócio-cultural está impregnada de aspectos humanistas característicos das primeiras obras de Paulo Freire. O ideário pedagógico de alguns professores não segue nenhuma das abordagens, e são classificados como tendência indefinida dentre as demais abordagens. REFERÊNCIAS MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. (Temas básicos da educação e ensino) http://www.angelfire.com/ak2/jamalves/Abordagem.html. Acessado em 15 de março de 2010.