SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
A VIDA CONTRA A MORTE
LIVRO: O MUNDO DE PONTA-CABEÇA
IDÉIAS RADICAIS DURANTE A
REVOLUÇÃO INGLESA DE 1640
AUTOR: JOHN EDWARD CHRISTOPHER HILL
HISTORIA DE ISRAEL 2
Professor: Roberto Albuquerque
1 - Pregadores ingleses face a ética
Calvinista
2 - Consequencias da ética protestante
3 – A ética protestante sobre criticas
Para iniciarmos
precisamos entender a
ideologia dos
Calvinistas e
consequências
- As pessoas já foram predestinadas
a ser salvas.
- A forma de saber se eram salvas ou
não era pela prosperidade que tinham
por isso a nobreza já se achava eleita.
- As propriedades privadas era para
os eleitos, a riqueza era um sinal de
eleição, umas partes dos calvinistas
achavam que não precisava trabalhar,
uma vez sendo eleito.
- Eles não queriam trabalhar, à
prosperidade chegariam a suas mãos
de qualquer forma.
- O grande problema dos pensadores
predestinacionistas — os calvinistas
que, como mostra Hill, desejavam pôr
a trabalhar as classes inferiores (e
geralmente condenadas),
- Posterior eles entram em
contradição, pois a frase deles era que
“O trabalho traz prosperidade”.
- A burguesia aceitou muito bem o no
calvinismo, pois a doutrina era adequada à
seus interesses e à seu modo de vida.
- O Calvinismo pregava que, quanto mais o
cidadão trabalhasse e arrecadasse lucro por
seu trabalho lícito, mais chances ele teria de
encontrar o céu e seu Deus. Isso era validoio
para a Burguesia, pois o objetivo da mesma é
esse, o LUCRO!
- Como a Igreja Católica condenava a usura
(lucro excessivo), foi muito prático para a
Burguesia ir para a religião que mais
entendesse seus ideais, o Calvinismo.
Os pregadores Puritanos e
suas ideologias
- A burguesia aceitou muito bem o no
calvinismo, pois a doutrina era adequada à
seus interesses e à seu modo de vida.
- O Calvinismo pregava que, quanto mais o
cidadão trabalhasse e arrecadasse lucro por
seu trabalho lícito, mais chances ele teria de
encontrar o céu e seu Deus. Isso era validoio
para a Burguesia, pois o objetivo da mesma é
esse, o LUCRO!
- Como a Igreja Católica condenava a usura
(lucro excessivo), foi muito prático para a
Burguesia ir para a religião que mais
entendesse seus ideais, o Calvinismo.
- Os puritanos muitos são dos calvinismos, seu
conflito era o problema de ideológica.
- Os Puritanos começam a ter conflito com essas
classes de calvinista que não queriam trabalhar
por dizer serem eleitos.
- Vão chama-los de vagabundos e preguiçosos
- Começam a influenciar essa classe superior a
trabalhar para poder prosperar.
- Isso acaba dando uma grande vazão para o
capitalismo.
- Os pregadores não vão aceitar o calvinismo,
uma vez que eles pregavam o trabalho forçado.
- Os pregadores não vão aceitar as ideologias
do calvinismo.
- No final do século XVI e começos do XVII os
pregadores protestantes empreenderam uma
revolução cultural, um exercício de doutrinação
e lavagem cerebral, em escala nunca antes vista.
- Uma mudança cultural profunda, eles tinham
horror na perca de tempo, e se empenhavam em
colocar na cabeça das pessoas que so
trabalhando muito e adquirindo muitos bens
seriam salvos.
Consequencia e Criticas
Uma das conseqüências da ética protestante foi
uma nova ênfase na importância atribuída ao
direito de propriedade. No curso da Revolução, e
especialmente durante a crise econômica dos
anos 1647 a 1650, muitos perguntavam que
justificação moral podia haver para o
direito de propriedades dos ricos enquanto
morriam tantos pobres à míngua.
Consequencia e Criticas
Uma das conseqüências da ética protestante foi
uma nova ênfase na importância atribuída ao
direito de propriedade. No curso da Revolução, e
especialmente durante a crise econômica dos
anos 1647 a 1650, muitos perguntavam que
justificação moral podia haver para o
direito de propriedades dos ricos enquanto
morriam tantos pobres à míngua.
sra. Joceline em The Mothers Legacie (O
legado de uma mãe), de 1622: "Deves ter
vergonha da preguiça, enquanto homem,
porém, enquanto cristão, ela deve fazerte
tremer ... Deus odeia os preguiçosos ... Pode
haver condição mais maldita no mundo?
Começar sendo odiado por Deus, como um
zangão vagabundo, imprestável para servir a
Ele, e depois cair na mais extrema miséria e ser
desdenhado por todo mundo"
sra. Joceline em The Mothers Legacie (O
legado de uma mãe), de 1622: "Deves ter
vergonha da preguiça, enquanto homem,
porém, enquanto cristão, ela deve fazerte
tremer ... Deus odeia os preguiçosos ... Pode
haver condição mais maldita no mundo?
Começar sendo odiado por Deus, como um
zangão vagabundo, imprestável para servir a
Ele, e depois cair na mais extrema miséria e
ser desdenhado por todo mundo"
(1577–1635)
William Perkins (1558–1602)
Samuel Bolton (1606-1654)Samuel Bolton (1606-1654)
Samuel Bolton (1606-1654)
Roger Williams(1603- 1683)
Consequencia e Criticas
Os ranters deram a mais livre expressão à
indignação moral que sentiam pela grande
mentira que a ética protestante suscitava: "Teus
fétidos deveres de família e teus mandamentos
evangélicos, como tu os chamas, ... ocultam não
só a cobiça como ainda uma horrível hipocrisia
que rosna, morde e tritura". "As trevas da
hipocrisia recobriam ... quase todo o culto da
família",
Consequencia e Criticas
Seria menos hipócrita preferir o ódio ao amor,
em vez de pôr tanta ênfase numa fé que não
resulta em nenhuma espécie de obra
caridosa."Falar de amor não é amor",
acrescentou Winstanley; "o único amor é o
que é praticado na justiça".
Em 1657, Roger Crab alegou que amar ao
próximo como a si mesmo era incompatível com
a acumulação de propriedades: "todas as nossas
propriedades não passam de fruto da maldição
divina".
Gerrard Winstanley (1609- 1676)
Roger Crab (1621 – 1680)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosasFábio Paiva
 
Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIValéria Shoujofan
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasCarlos Vieira
 
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismocap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismowhybells
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro Paulo Dias Nogueira
 
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma ReligiosaReforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma Religiosabaianinhohistoriador
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)Nefer19
 

Mais procurados (20)

Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreformaReforma religiosa contrarreforma
Reforma religiosa contrarreforma
 
Historia 2 - M4
Historia 2 - M4Historia 2 - M4
Historia 2 - M4
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
Reformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVIReformas Religiosas - Século XVI
Reformas Religiosas - Século XVI
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismocap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
cap14 - reformas religiosas, antigo regime e absolutismo
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
reformas religiosas na europa
   reformas religiosas na europa   reformas religiosas na europa
reformas religiosas na europa
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
 
A europa moderna
A europa modernaA europa moderna
A europa moderna
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma ReligiosaReforma e Contra-Reforma Religiosa
Reforma e Contra-Reforma Religiosa
 
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 

Semelhante a A vida contra morte

Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reformavr1a2011
 
A reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaA reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaKelly Delfino
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaGrazi Oliveira
 
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoDebora Barros
 
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aulaPIB Penha
 
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptxBenildeRosa2
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aulaPIB Penha
 
Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileirosusr_isaltino
 
A reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaA reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaMarcela Marangon Ribeiro
 
Reforma protestante.pdf
Reforma protestante.pdfReforma protestante.pdf
Reforma protestante.pdfHist2021
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasZé Knust
 
Apresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpApresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpPéricles Penuel
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadecattonia
 

Semelhante a A vida contra morte (20)

Reforma e contra reforma
Reforma e contra reformaReforma e contra reforma
Reforma e contra reforma
 
A reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosaA reforma & a contra reforma religiosa
A reforma & a contra reforma religiosa
 
reforma religiosa.pdf
reforma religiosa.pdfreforma religiosa.pdf
reforma religiosa.pdf
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
 
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
 
Maçons religiosos
Maçons religiososMaçons religiosos
Maçons religiosos
 
Reforma protestante e contrarreforma 2018
Reforma protestante e contrarreforma 2018Reforma protestante e contrarreforma 2018
Reforma protestante e contrarreforma 2018
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula13   o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
13 o cristianismo da idade moderna à contemporânea - 13ª aula
 
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
3.-Contexto-historico-e-social-de-desenvolvimento-da-Sociologia.pptx
 
Reforma e contrarreforma1
Reforma e contrarreforma1Reforma e contrarreforma1
Reforma e contrarreforma1
 
11 a reforma na europa - 11ª aula
11   a reforma na europa - 11ª aula11   a reforma na europa - 11ª aula
11 a reforma na europa - 11ª aula
 
Identidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas BrasileirosIdentidade Batistas Brasileiros
Identidade Batistas Brasileiros
 
A reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católicaA reforma protestante e a reação católica
A reforma protestante e a reação católica
 
Reforma protestante.pdf
Reforma protestante.pdfReforma protestante.pdf
Reforma protestante.pdf
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Apresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpApresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmp
 
Aula de reforma
Aula de reforma Aula de reforma
Aula de reforma
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 

Último

Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Fraternitas Movimento
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 

Último (7)

Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 

A vida contra morte

  • 1. A VIDA CONTRA A MORTE LIVRO: O MUNDO DE PONTA-CABEÇA IDÉIAS RADICAIS DURANTE A REVOLUÇÃO INGLESA DE 1640 AUTOR: JOHN EDWARD CHRISTOPHER HILL
  • 2. HISTORIA DE ISRAEL 2 Professor: Roberto Albuquerque
  • 3. 1 - Pregadores ingleses face a ética Calvinista 2 - Consequencias da ética protestante 3 – A ética protestante sobre criticas
  • 4. Para iniciarmos precisamos entender a ideologia dos Calvinistas e consequências
  • 5. - As pessoas já foram predestinadas a ser salvas. - A forma de saber se eram salvas ou não era pela prosperidade que tinham por isso a nobreza já se achava eleita. - As propriedades privadas era para os eleitos, a riqueza era um sinal de eleição, umas partes dos calvinistas achavam que não precisava trabalhar, uma vez sendo eleito.
  • 6. - Eles não queriam trabalhar, à prosperidade chegariam a suas mãos de qualquer forma. - O grande problema dos pensadores predestinacionistas — os calvinistas que, como mostra Hill, desejavam pôr a trabalhar as classes inferiores (e geralmente condenadas), - Posterior eles entram em contradição, pois a frase deles era que “O trabalho traz prosperidade”.
  • 7. - A burguesia aceitou muito bem o no calvinismo, pois a doutrina era adequada à seus interesses e à seu modo de vida. - O Calvinismo pregava que, quanto mais o cidadão trabalhasse e arrecadasse lucro por seu trabalho lícito, mais chances ele teria de encontrar o céu e seu Deus. Isso era validoio para a Burguesia, pois o objetivo da mesma é esse, o LUCRO! - Como a Igreja Católica condenava a usura (lucro excessivo), foi muito prático para a Burguesia ir para a religião que mais entendesse seus ideais, o Calvinismo.
  • 8. Os pregadores Puritanos e suas ideologias
  • 9. - A burguesia aceitou muito bem o no calvinismo, pois a doutrina era adequada à seus interesses e à seu modo de vida. - O Calvinismo pregava que, quanto mais o cidadão trabalhasse e arrecadasse lucro por seu trabalho lícito, mais chances ele teria de encontrar o céu e seu Deus. Isso era validoio para a Burguesia, pois o objetivo da mesma é esse, o LUCRO! - Como a Igreja Católica condenava a usura (lucro excessivo), foi muito prático para a Burguesia ir para a religião que mais entendesse seus ideais, o Calvinismo.
  • 10. - Os puritanos muitos são dos calvinismos, seu conflito era o problema de ideológica. - Os Puritanos começam a ter conflito com essas classes de calvinista que não queriam trabalhar por dizer serem eleitos. - Vão chama-los de vagabundos e preguiçosos - Começam a influenciar essa classe superior a trabalhar para poder prosperar. - Isso acaba dando uma grande vazão para o capitalismo. - Os pregadores não vão aceitar o calvinismo, uma vez que eles pregavam o trabalho forçado.
  • 11. - Os pregadores não vão aceitar as ideologias do calvinismo. - No final do século XVI e começos do XVII os pregadores protestantes empreenderam uma revolução cultural, um exercício de doutrinação e lavagem cerebral, em escala nunca antes vista. - Uma mudança cultural profunda, eles tinham horror na perca de tempo, e se empenhavam em colocar na cabeça das pessoas que so trabalhando muito e adquirindo muitos bens seriam salvos.
  • 12. Consequencia e Criticas Uma das conseqüências da ética protestante foi uma nova ênfase na importância atribuída ao direito de propriedade. No curso da Revolução, e especialmente durante a crise econômica dos anos 1647 a 1650, muitos perguntavam que justificação moral podia haver para o direito de propriedades dos ricos enquanto morriam tantos pobres à míngua.
  • 13. Consequencia e Criticas Uma das conseqüências da ética protestante foi uma nova ênfase na importância atribuída ao direito de propriedade. No curso da Revolução, e especialmente durante a crise econômica dos anos 1647 a 1650, muitos perguntavam que justificação moral podia haver para o direito de propriedades dos ricos enquanto morriam tantos pobres à míngua.
  • 14.
  • 15. sra. Joceline em The Mothers Legacie (O legado de uma mãe), de 1622: "Deves ter vergonha da preguiça, enquanto homem, porém, enquanto cristão, ela deve fazerte tremer ... Deus odeia os preguiçosos ... Pode haver condição mais maldita no mundo? Começar sendo odiado por Deus, como um zangão vagabundo, imprestável para servir a Ele, e depois cair na mais extrema miséria e ser desdenhado por todo mundo" sra. Joceline em The Mothers Legacie (O legado de uma mãe), de 1622: "Deves ter vergonha da preguiça, enquanto homem, porém, enquanto cristão, ela deve fazerte tremer ... Deus odeia os preguiçosos ... Pode haver condição mais maldita no mundo? Começar sendo odiado por Deus, como um zangão vagabundo, imprestável para servir a Ele, e depois cair na mais extrema miséria e ser desdenhado por todo mundo"
  • 17. William Perkins (1558–1602) Samuel Bolton (1606-1654)Samuel Bolton (1606-1654)
  • 20.
  • 21. Consequencia e Criticas Os ranters deram a mais livre expressão à indignação moral que sentiam pela grande mentira que a ética protestante suscitava: "Teus fétidos deveres de família e teus mandamentos evangélicos, como tu os chamas, ... ocultam não só a cobiça como ainda uma horrível hipocrisia que rosna, morde e tritura". "As trevas da hipocrisia recobriam ... quase todo o culto da família",
  • 22. Consequencia e Criticas Seria menos hipócrita preferir o ódio ao amor, em vez de pôr tanta ênfase numa fé que não resulta em nenhuma espécie de obra caridosa."Falar de amor não é amor", acrescentou Winstanley; "o único amor é o que é praticado na justiça". Em 1657, Roger Crab alegou que amar ao próximo como a si mesmo era incompatível com a acumulação de propriedades: "todas as nossas propriedades não passam de fruto da maldição divina".
  • 24. Roger Crab (1621 – 1680)