SlideShare uma empresa Scribd logo
A sociedade industrial e urbana Uma Sociedade de Classes
A explosão populacional ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Factores da explosão populacional: - melhores cuidados médicos; - maior abundância de bens alimentares; - os progressos na higiene 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Migrações internas e emigração No século XIX ocorreram intensos movimentos populacionais.   Migrações internas :   -Deslocações sazonais (realizadas apenas em certas alturas do ano para locais onde era necessário um acréscimo da mão-de-obra); -Êxodo rural (movimento campo-cidade, fosse porque uma agricultura mecanizada dispensava mão-de-obra ou porque uma agricultura de subsistência fornecia insuficientes rendimentos).
 Emigração  Os Europeus espalharam-se pelo mundo fora em sucessivas vagas de emigração.  Na origem deste fluxo migratório terão estado os seguintes factores: - a pressão populacional (os governos apoiavam políticas migratórias devido à excessiva concentraçãopopulacional); - os problemas no mundo rural; - os problemas ligados á industrialização; - a revolução dos transportes (que embarateceu o preço das passagens); - a idealização dos países de destino (como por exemplo os E.U.A., que era visto como a terra das oportunidades); - a fuga a perseguições políticas e religiosas. 
Unidade e diversidade da sociedade oitocentista -Uma sociedade de classes     A sociedade de ordens do Antigo Regime, na qual o nascimento era o principal factor de distinção social, deu lugar à sociedade de classes da Época Contemporânea, em que os cidadãos, embora iguais perante a lei, se distinguem pelo dinheiro e por todas as vantagens que este permite conquistar. Na sociedade de classes, a mobilidade ascensional é mais frequente podendo ser conquistada por mérito individual.  Nesta destacavam-se dois grandes grupos: -Burguesia (detentora do capital e dos meios de produção); -Proletariado (classe mais baixa que fornecia o trabalho à organização industrial);   -Entre ambas, existiam ainda as classes médias.
  Condição Burguesa  -Alta Burguesia    A alta burguesia conquistou um poder equiparável ao seu estatuto económico pois, além de controlar os pontos-chave da economia, exercia cargos políticos.  Ao nível dos Comportamentos, os burgueses tentavam aproximar-se da aristocracia.  A burguesia foi, pouco a pouco, definindo e impondo os seus próprios valores, tais como o apreço pelo trabalho, o sentido de poupança, a perseverança e a solidariedade familiar.   Passou, então, a demonstrar orgulho pelo estilo de vida burguês (surgimento da consciência de classe , consciencialização colectiva em relação à posição ocupada por um estrato na hierarquia social). 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Condição operária   Proletariado- Classe operária que, sem meios de produção, vende a sua força de trabalho em troca de um salário.  Os operários enfrentavam grandes problemas dentro e fora do seu local de trabalho: - elevado risco de acidentes de trabalho e doenças; -ausência de medidas de apoio social(sem direito a férias, o horário era pesado, não tinham subsídios de desemprego, velhice ou doença); - contratação de mão-de-obra infantil; - espaços de trabalho pouco saudáveis; - espaços de habitação sobrelotados e insalubres; -pobreza e todos os problemas a esta associados (desnutrição, doenças, prostituição, consumo elevado de bebidas alcoólicas, mendicidade).
O movimento operário   As primeiras reacções dos operários contra a sua condição miserável foram pouco organizadas.  Com o passar do tempo, o movimento operário organizou-se para se tornar mais eficaz, revestindo duas formas: -  Associativismo  (criação de associações que apoiavam os operários mediante o pagamento duma quota) -  Sindicalismo  (os sindicatos utilizavam como meios de pressão as manifestações e greves. A reivindicação do dia de trabalho de 8 horas, melhoria dos salários, direito ao descanso semanal, eram alguns dos objectivos que foram verificados em finais do século XIX.  
As propostas socialistas     Socialismo Ideologia surgida no século XIX como reacção ás desigualdades sociais geradas pela revolução industrial que, defendendo a abolição da propriedade privada e a  gestão democrática dos meios de produção, procurava alcançar a igualdade no plano social.    As condições de miséria em que viviam os proletários despertaram a vontade de intervenção social de pensadores da época. No séc. XIX a doutrina socialista criticava o sistema capitalista e propunha uma sociedade mais igualitária. Podem-se distinguir duas abordagens ao socialismo: - Socialismo Utópico  (Proudhon defendia que os operários deviam trabalhar uns para os outros, em vez de trabalharem para um patrão. Abolindo a propriedade privada e o Estado, pôr-se-ia fim à exploração do “homem pelo homem”);  - Socialismo Marxista  (Karl Marx analisou historicamente os modos de produção, tendo concluído que a luta de classes é um fio condutor que atravessa todas as épocas. Baseado neste pressuposto, expôs um plano de acção para atingir uma sociedade sem classes e sem Estado-o  comunismo ).
Karl Marx e Engels Proudhon
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
História do dia do trabalhador No dia 1º de Maio de 1886, 500 mil trabalhadores saíram às ruas de Chicago, nos Estados Unidos, em manifestação pacífica, exigindo a redução da jornada para oito horas de trabalho. A polícia reprimiu a manifestação, dispersando a concentração, depois de ferir e matar dezenas de operários.   Mas os trabalhadores não se deixaram abater, todos achavam que eram demais as horas diárias de trabalho, por isso, no dia 5 de Maio de 1886, quatro dias depois da reivindicação de Chicago, os operários voltaram às ruas e foram novamente reprimidos: 8 líderes foram presos, 4 trabalhadores foram executados e 3 foram condenados a prisão perpétua.    Foi este o resultado desta segunda manifestação. A luta não parou e a solidariedade internacional pressionou o governo americano a anular o falso julgamento e a elaborar novo júri, em 1888. Os membros que constituíam o júri reconheceram a inocência dos trabalhadores, culparam o Estado americano e ordenaram que soltassem os 3 presos. Em 1889 o Congresso Operário Internacional, reunido em Paris, decretou o 1º de Maio, como o Dia Internacional dos Trabalhadores, um dia de luto e de luta. E, em 1890, os trabalhadores americanos conquistaram a jornada de trabalho de oito horas.
Maio de1886
A primeira celebração do 1º de Maio em Portugal, em 1974.
     População                             Sociedade                                   Ideologia       Revolução Demográfica  Sociedade de Classes                       Socialista - explosão populacional           - hierarquização pelo estatuto económico            - Movimento operário - novo modelo demográfico      - mobilidade social                                               - Socialismo Utópico - migrações internas                    - miséria da classe operária                                    e marxista - emigração europeia                  - ascensão das classes medias - expansão urbana                       - afirmação político-social da burguesia ESQUEMA SINTESE!      Século XIX

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
Vítor Santos
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
Rui Neto
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
AidaCunha73
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
BeatrizMarques25
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
Vítor Santos
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Rui Neto
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
Margarida Moreira
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietesDa Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
João Camacho
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
Maria Gomes
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
Rainha Maga
 
A burguesia xix
A burguesia xixA burguesia xix
A burguesia xix
Carla Teixeira
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
helenaimendes
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 

Mais procurados (20)

6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietesDa Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
Da Rússia dos czares à Rússia dos sovietes
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
 
A burguesia xix
A burguesia xixA burguesia xix
A burguesia xix
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 

Destaque

A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
cattonia
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
Ana Vilardouro
 
A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]
António Luís Catarino
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
luisant
 
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIXSociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Joana Filipa Rodrigues
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
mariajoao500
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
layssa09
 

Destaque (8)

A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
 
A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
Sociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIXSociedade Oitocentista - Século XIX
Sociedade Oitocentista - Século XIX
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratórios Fluxos migratórios
Fluxos migratórios
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 

Semelhante a A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]

Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
Murilo Benevides
 
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Raquel Stephanny
 
Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_
Lucas pk'
 
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptxAula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
ANA CLÁUDIA OLIVEIRA
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
AVP90
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
AVP90
 
Live int 07mai
Live int 07maiLive int 07mai
Live int 07mai
CarlosNazar1
 
Contrastes sociais
Contrastes sociaisContrastes sociais
Contrastes sociais
cattonia
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Allan Almeida de Araújo
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
EvertonDemetrio
 
Ciencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismo
Ciencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismoCiencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismo
Ciencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismo
Caio Versiani
 
Ciencias sociais
Ciencias sociaisCiencias sociais
Ciencias sociais
Caio Versiani
 
Atualidades
AtualidadesAtualidades
Resumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdfResumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdf
RAFAELASCARI1
 
Terra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-NeoTerra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-Neo
neocontextual
 
Doutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIXDoutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIX
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Sistema Capitalista.pptx
Sistema Capitalista.pptxSistema Capitalista.pptx
Sistema Capitalista.pptx
Marcos Eduardo Nascimento Moraes
 
socialismoxcapitalismo.pdf
socialismoxcapitalismo.pdfsocialismoxcapitalismo.pdf
socialismoxcapitalismo.pdf
ARIANEBERTOLIMUSCARI
 
Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo
Christie Freitas
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
pedrohd8
 

Semelhante a A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1] (20)

Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
 
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - Geografia
 
Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_
 
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptxAula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
Aula-12-As-revolucoes-da-modernidade.pptx
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
 
Live int 07mai
Live int 07maiLive int 07mai
Live int 07mai
 
Contrastes sociais
Contrastes sociaisContrastes sociais
Contrastes sociais
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).pptRevolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
Revolução Industrial (Inglaterra, século XVIII).ppt
 
Ciencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismo
Ciencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismoCiencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismo
Ciencias sociais-imperialismo,socialismo e anarquismo
 
Ciencias sociais
Ciencias sociaisCiencias sociais
Ciencias sociais
 
Atualidades
AtualidadesAtualidades
Atualidades
 
Resumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdfResumo - Revolução Industrial.pdf
Resumo - Revolução Industrial.pdf
 
Terra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-NeoTerra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-Neo
 
Doutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIXDoutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIX
 
Sistema Capitalista.pptx
Sistema Capitalista.pptxSistema Capitalista.pptx
Sistema Capitalista.pptx
 
socialismoxcapitalismo.pdf
socialismoxcapitalismo.pdfsocialismoxcapitalismo.pdf
socialismoxcapitalismo.pdf
 
Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo Capitalismo e Socialismo
Capitalismo e Socialismo
 
Capitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismoCapitalismo x socialismo
Capitalismo x socialismo
 

Mais de António Luís Catarino

Teletrabalho
TeletrabalhoTeletrabalho
O romantismo
O romantismoO romantismo
Apresentação1 romantismo[1]
Apresentação1  romantismo[1]Apresentação1  romantismo[1]
Apresentação1 romantismo[1]
António Luís Catarino
 
Organização da rede urbana
Organização da rede urbanaOrganização da rede urbana
Organização da rede urbana
António Luís Catarino
 
A vegetação
A vegetação A vegetação
A vegetação
António Luís Catarino
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
António Luís Catarino
 
Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]
António Luís Catarino
 
Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]
António Luís Catarino
 
Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]
António Luís Catarino
 
Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]
António Luís Catarino
 
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
António Luís Catarino
 
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
António Luís Catarino
 
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
António Luís Catarino
 
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
António Luís Catarino
 
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
António Luís Catarino
 
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
António Luís Catarino
 
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
António Luís Catarino
 
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
António Luís Catarino
 

Mais de António Luís Catarino (20)

Teletrabalho
TeletrabalhoTeletrabalho
Teletrabalho
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Apresentação1 romantismo[1]
Apresentação1  romantismo[1]Apresentação1  romantismo[1]
Apresentação1 romantismo[1]
 
Organização da rede urbana
Organização da rede urbanaOrganização da rede urbana
Organização da rede urbana
 
A vegetação
A vegetação A vegetação
A vegetação
 
As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]As trocas intercontinentais[1]
As trocas intercontinentais[1]
 
Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]Ws2[1]correcção[1]
Ws2[1]correcção[1]
 
Shopping final (2)[1]
Shopping final (2)[1]Shopping final (2)[1]
Shopping final (2)[1]
 
Clothes shop[3]
Clothes shop[3]Clothes shop[3]
Clothes shop[3]
 
Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]Indústria[1]..[2]
Indústria[1]..[2]
 
Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]Vestuário %201,8[1]
Vestuário %201,8[1]
 
Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]Transportes porto 100_anos[2]
Transportes porto 100_anos[2]
 
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
Rua 31 de_janeiro-14,18,24[2]
 
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
Rua%20da%20 constituição 1,11[1]
 
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
Rainha%20 d.amélia 6,12,25[1]
 
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
Porto%20no%20século%20 xix 1,23,24[2]
 
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
Porto%20 há%20100%20anos%20 2,3,14%20power%20point[1]
 
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
 
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
 
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
 

Último

A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 

Último (20)

A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 

A sociedade industrial_e_urbana,_ppt[1]

  • 1. A sociedade industrial e urbana Uma Sociedade de Classes
  • 2.
  • 3.
  • 4. Factores da explosão populacional: - melhores cuidados médicos; - maior abundância de bens alimentares; - os progressos na higiene 
  • 5.
  • 6. Migrações internas e emigração No século XIX ocorreram intensos movimentos populacionais.   Migrações internas :   -Deslocações sazonais (realizadas apenas em certas alturas do ano para locais onde era necessário um acréscimo da mão-de-obra); -Êxodo rural (movimento campo-cidade, fosse porque uma agricultura mecanizada dispensava mão-de-obra ou porque uma agricultura de subsistência fornecia insuficientes rendimentos).
  • 7.  Emigração Os Europeus espalharam-se pelo mundo fora em sucessivas vagas de emigração. Na origem deste fluxo migratório terão estado os seguintes factores: - a pressão populacional (os governos apoiavam políticas migratórias devido à excessiva concentraçãopopulacional); - os problemas no mundo rural; - os problemas ligados á industrialização; - a revolução dos transportes (que embarateceu o preço das passagens); - a idealização dos países de destino (como por exemplo os E.U.A., que era visto como a terra das oportunidades); - a fuga a perseguições políticas e religiosas. 
  • 8. Unidade e diversidade da sociedade oitocentista -Uma sociedade de classes    A sociedade de ordens do Antigo Regime, na qual o nascimento era o principal factor de distinção social, deu lugar à sociedade de classes da Época Contemporânea, em que os cidadãos, embora iguais perante a lei, se distinguem pelo dinheiro e por todas as vantagens que este permite conquistar. Na sociedade de classes, a mobilidade ascensional é mais frequente podendo ser conquistada por mérito individual. Nesta destacavam-se dois grandes grupos: -Burguesia (detentora do capital e dos meios de produção); -Proletariado (classe mais baixa que fornecia o trabalho à organização industrial);   -Entre ambas, existiam ainda as classes médias.
  • 9.   Condição Burguesa  -Alta Burguesia    A alta burguesia conquistou um poder equiparável ao seu estatuto económico pois, além de controlar os pontos-chave da economia, exercia cargos políticos. Ao nível dos Comportamentos, os burgueses tentavam aproximar-se da aristocracia. A burguesia foi, pouco a pouco, definindo e impondo os seus próprios valores, tais como o apreço pelo trabalho, o sentido de poupança, a perseverança e a solidariedade familiar.  Passou, então, a demonstrar orgulho pelo estilo de vida burguês (surgimento da consciência de classe , consciencialização colectiva em relação à posição ocupada por um estrato na hierarquia social). 
  • 10.
  • 11. Condição operária   Proletariado- Classe operária que, sem meios de produção, vende a sua força de trabalho em troca de um salário.  Os operários enfrentavam grandes problemas dentro e fora do seu local de trabalho: - elevado risco de acidentes de trabalho e doenças; -ausência de medidas de apoio social(sem direito a férias, o horário era pesado, não tinham subsídios de desemprego, velhice ou doença); - contratação de mão-de-obra infantil; - espaços de trabalho pouco saudáveis; - espaços de habitação sobrelotados e insalubres; -pobreza e todos os problemas a esta associados (desnutrição, doenças, prostituição, consumo elevado de bebidas alcoólicas, mendicidade).
  • 12. O movimento operário   As primeiras reacções dos operários contra a sua condição miserável foram pouco organizadas. Com o passar do tempo, o movimento operário organizou-se para se tornar mais eficaz, revestindo duas formas: - Associativismo (criação de associações que apoiavam os operários mediante o pagamento duma quota) - Sindicalismo (os sindicatos utilizavam como meios de pressão as manifestações e greves. A reivindicação do dia de trabalho de 8 horas, melhoria dos salários, direito ao descanso semanal, eram alguns dos objectivos que foram verificados em finais do século XIX.  
  • 13. As propostas socialistas     Socialismo Ideologia surgida no século XIX como reacção ás desigualdades sociais geradas pela revolução industrial que, defendendo a abolição da propriedade privada e a gestão democrática dos meios de produção, procurava alcançar a igualdade no plano social.   As condições de miséria em que viviam os proletários despertaram a vontade de intervenção social de pensadores da época. No séc. XIX a doutrina socialista criticava o sistema capitalista e propunha uma sociedade mais igualitária. Podem-se distinguir duas abordagens ao socialismo: - Socialismo Utópico (Proudhon defendia que os operários deviam trabalhar uns para os outros, em vez de trabalharem para um patrão. Abolindo a propriedade privada e o Estado, pôr-se-ia fim à exploração do “homem pelo homem”);  - Socialismo Marxista (Karl Marx analisou historicamente os modos de produção, tendo concluído que a luta de classes é um fio condutor que atravessa todas as épocas. Baseado neste pressuposto, expôs um plano de acção para atingir uma sociedade sem classes e sem Estado-o comunismo ).
  • 14. Karl Marx e Engels Proudhon
  • 15.
  • 16. História do dia do trabalhador No dia 1º de Maio de 1886, 500 mil trabalhadores saíram às ruas de Chicago, nos Estados Unidos, em manifestação pacífica, exigindo a redução da jornada para oito horas de trabalho. A polícia reprimiu a manifestação, dispersando a concentração, depois de ferir e matar dezenas de operários. Mas os trabalhadores não se deixaram abater, todos achavam que eram demais as horas diárias de trabalho, por isso, no dia 5 de Maio de 1886, quatro dias depois da reivindicação de Chicago, os operários voltaram às ruas e foram novamente reprimidos: 8 líderes foram presos, 4 trabalhadores foram executados e 3 foram condenados a prisão perpétua. Foi este o resultado desta segunda manifestação. A luta não parou e a solidariedade internacional pressionou o governo americano a anular o falso julgamento e a elaborar novo júri, em 1888. Os membros que constituíam o júri reconheceram a inocência dos trabalhadores, culparam o Estado americano e ordenaram que soltassem os 3 presos. Em 1889 o Congresso Operário Internacional, reunido em Paris, decretou o 1º de Maio, como o Dia Internacional dos Trabalhadores, um dia de luto e de luta. E, em 1890, os trabalhadores americanos conquistaram a jornada de trabalho de oito horas.
  • 18. A primeira celebração do 1º de Maio em Portugal, em 1974.
  • 19.      População                            Sociedade                                Ideologia       Revolução Demográfica Sociedade de Classes                      Socialista - explosão populacional          - hierarquização pelo estatuto económico            - Movimento operário - novo modelo demográfico      - mobilidade social                                              - Socialismo Utópico - migrações internas                    - miséria da classe operária                                   e marxista - emigração europeia                  - ascensão das classes medias - expansão urbana                       - afirmação político-social da burguesia ESQUEMA SINTESE!    Século XIX