SlideShare uma empresa Scribd logo
A prevenção da recaída
A recaída é um processo que leva o indivíduo a retomar
o uso abusivo de álcool e/ou drogas. Como processo, a
recaída apresenta alguns sinalizadores que,
considerados em tempo, podem ser interrompidos por
habilidades e estratégias que, abordadas e executadas,
fazem com que o mesmo retorne ao foco de sua
recuperação e reverta tal processo.
Por se tratar de um fenômeno consideravelmente
poderoso e perigoso, é necessário que o indivíduo
receba instruções em grupos e reuniões para conhecer
tal processo e receber treinamento para desenvolver o
autocontrole (equilíbrio).
A recaída se constitui num desafio para o
indivíduo, uma vez que é difícil entender
e/ou identificar seus motivos.
Quando focalizamos o comportamento de
dependentes químicos, podemos perceber
algumas características que o diferenciam
de um indivíduo que não tem esse
comprometimento, um indivíduo que
consegue manter um relacionamento
social estável.
Desta visão, o indivíduo deve, através de
exercícios de autoconhecimentoe autocontrole,
identificar situações, pessoas, lugares e estados
emocionais, comportamentos e atitudes que
podem mantê-lo em recuperação ou preceder
uma recaída.
A Prevenção da Recaída é um conjuntode
habilidades e modificaçõesdo estilo de vida da
pessoa para evitar uma recaída e visa:
A aquisiçãode habilidades para lidar com as
situações de risco.
A modificação do estilo de vida.
É importante desenvolver habilidades para lidar
com as situações de risco e mudar o estilo de
vida.
Frente a uma situação de risco, a pessoa tem 2
(duas) opções:
Enfrenta ou não a situação (resposta de
enfrentamento)
Vejamos agora algumas situações consideradas
de risco, entre outras, e facilitadoras para a
recaída:
ESTADOS EMOCIONAIS NEGATIVOS
Depressão Ressentimento
Tristeza Impulsividade
Desânimo Tédio
Ansiedade Medos
Stress Raiva
Angústia Ciúmes
Solidão Inveja
Preocupação Auto piedade
Culpa vergonha Humilhação
Frustração Rejeição
Inibição
CONFLITO FAMILIAR:
Preconceito
Desentendimentos
Cobranças
Discussões
Dificuldades nos relacionamentos
Dificuldades financeiras
Ociosidade em casa
PRESSÕES SOCIAIS:
Preconceito
Discriminação
Desemprego
Amizades novas e antigas
Falar em público
Reivindicações
TRABALHO E O AMBIENTE DE
TRABALHO:
Fim do expediente
Convites dos colegas
Hábitos de risco
Brincadeiras constrangedoras
Etc.
INFLUÊNCIA DE AMIGOS:
PRINCIPALMENTE POR AMIGOS DA
ATIVA E AMIZADES QUE NÃO
CONHECEM A PROBLEMÁTICA DA
DOENÇA E ACABAM TORNANDO-SE
FACILITADORAS DE UMA RECAÍDA,
ETC.
DIVERSÃO E PRAZER:
Comemorações
Festas
Bares e boates
Euforia e a excitação;
Companhia de pessoas que bebem
e usam drogas quando alguma
coisa boa acontece.
PROBLEMAS FÍSICOS OU
PSICOLÓGICOS:
Insônia
Problemas sexuais
Dores físicas
Doença própria
Morte na família
Cansaço ou sono
Solidão
Pensamentos desagradáveis etc.
PENSAMENTOS SECRETOS
DE CONSUMIR
HÁBITO DE USAR ÁLCOOL E/OU
DROGAS
No término do trabalho;
Em fins de semana;
Quando amigos oferecem;
Em visitas;
Etc.
LIDAR COM O TRATAMENTO:
Quando está indo muito lentamente no
tratamento;
É mais fácil do que imaginava;
Excesso de confiança na recuperação;
Pensa que não vai ser feliz sem usar;
Já está velho demais para parar de usar e /
ou beber;
Quando sente que não está colocando em
prática o plano de recuperação;
Etc.
REATIVAÇÃO DOS MECANISMOS DE
DEFESA:
Negação;
Projeção;
Racionalização;
Justificativas.
Temos que observar alguns sinais e
sintomas físicos e emocionais que
ocorrem neste processo e, caso não
identificados ou trabalhados a tempo,
podem levar o indivíduo a uma
recaída.
SINAIS INTERIORES:
Mente fechada;
Age excessivamente pelo
emocional;
Vergonha da própria doença;
Desonestidade;
ANSIEDADE:
Imediatismo exagerado para
ter, ver e fazer coisas;
VOLTA DA NEGAÇÃO:
Ignora ou nega sentimentos e
dificuldades;
Medo;
Ansiedade;
Preocupação com o próprio bem estar;
COMPORTAMENTO EVASIVO* E
DEFENSIVO
Evita pensamentos honestos da
própria situação;
Preocupação com os outros e não
consigo mesmo;
Comportamento impulsivo;
Solidão;
CONSTRUÇÃO DA CRISE:
Devido à negação dos problemas;
“Baixo Astral”;
Focaliza e dá um valor maximizado
a um determinado problema(Visão
de túnel);
Perda da capacidade de pensar;
IMOBILIZAÇÃO:
Sonha acordado;
Dificuldade de
concentração;
Desejo imaturo de ser feliz;
CONFUSÃO E REAÇÃO
EXAGERADA:
Revolta contra si e contra os
outros;
Irritação;
Raiva fácil;
Hábitos irregulares;
Recusa ajuda;
A recaída não deve ser considerada como um sinal de insucesso
no tratamento. Ela pode ser utilizada como uma oportunidade
para ampliar a conscientizaçãodo dependente sobre suas
dificuldades e seus conflitos. E pode ser vista também como
oportunidade de rever as convicções em torno da abstinência.
É comum observarmos alguns residentes alimentando
expectativas de conquistar ou reconquistar valores e situações
que não dependem exclusivamente do esforço individual, mas
dos agentes socializantes, do ambiente e do tempo. Muitos
acabam se desestimulando, perdendo a motivação quando se
deparam com frustrações, insucessos, preconceitose outros
fatos e fatores, e retornam aos antigos hábitos, pensamentos, e
mecanismos de defesa, como justificativa, racionalização,
negação, projeção etc.
Sabemos que a fissura é o desejo de usar a droga e que
não significa recaída. Mas também sabemos que
pensamentos e sentimentos gerados por uma situação
(“de risco” , por exemplo) podem levar a atitudes e
comportamentos (“ de risco”).
Por exemplo, um dependente que sente desejo de usar
por ter visto algum “sinalizador” (garrafa, lata, cinza,
cachimbo, música, amigo da ativa, etc.) deve ter
habilidade de interromper esse processo, mudando o
pensamento e focalizar as consequências negativas do
uso, como a dor, a culpa, a solidão, a paranoia, as
perdas, etc.
Esse processo funciona como uma
balança de dois pratos: é preciso
equilíbrio para que o dependente
químico não entre no processo de
euforia ou no processo de depressão
e, assim,evite ou interrompa os
mecanismos negativos de ação /
reação diante destes
comportamentos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
CITRAT
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
Lincoln Boldrini
 
O luto
O lutoO luto
O luto
Angela Brito
 
Segundo passo
Segundo passoSegundo passo
Segundo passo
Hilda Helena Heringer
 
Primeiro Passo 2013
Primeiro Passo 2013Primeiro Passo 2013
Primeiro Passo 2013
grupodeaaaracas
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
T.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVA
T.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVAT.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVA
T.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVA
Nucleo Nacional
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
blogdapsique
 
Manejo clínico com o paciente dependente químico - slides
Manejo clínico com o paciente dependente químico - slidesManejo clínico com o paciente dependente químico - slides
Manejo clínico com o paciente dependente químico - slides
RenanMF
 
Dependência química conceitos
Dependência química conceitosDependência química conceitos
Dependência química conceitos
Gabriela Haack
 
Negação
NegaçãoNegação
Negação
Angela Brito
 
Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011
Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011
Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011
seasso
 
O papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependênciaO papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependência
blogdapsique
 
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completoPermanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Nucleo Nacional
 
Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?
Bruno Carrasco
 
Palestra Sou um Adicto
Palestra Sou um AdictoPalestra Sou um Adicto
Palestra Sou um Adicto
Luciano Callegari
 
Os 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustradosOs 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustrados
Paulo Couto
 
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEISOS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
Raios de Sol CT
 
Grandiosidade
GrandiosidadeGrandiosidade
Grandiosidade
Angela Brito
 
Temperamento....9.7.11.....grupo saúde
Temperamento....9.7.11.....grupo saúdeTemperamento....9.7.11.....grupo saúde
Temperamento....9.7.11.....grupo saúde
Cinara Aline
 

Mais procurados (20)

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
 
O luto
O lutoO luto
O luto
 
Segundo passo
Segundo passoSegundo passo
Segundo passo
 
Primeiro Passo 2013
Primeiro Passo 2013Primeiro Passo 2013
Primeiro Passo 2013
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 
T.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVA
T.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVAT.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVA
T.R.E. TERAPIA RACIONAL EMOTIVA
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
 
Manejo clínico com o paciente dependente químico - slides
Manejo clínico com o paciente dependente químico - slidesManejo clínico com o paciente dependente químico - slides
Manejo clínico com o paciente dependente químico - slides
 
Dependência química conceitos
Dependência química conceitosDependência química conceitos
Dependência química conceitos
 
Negação
NegaçãoNegação
Negação
 
Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011
Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011
Alcoolismo e suas consequencias. 01.09.2011
 
O papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependênciaO papel da família no tratamento da dependência
O papel da família no tratamento da dependência
 
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completoPermanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
 
Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?
 
Palestra Sou um Adicto
Palestra Sou um AdictoPalestra Sou um Adicto
Palestra Sou um Adicto
 
Os 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustradosOs 12 passos ilustrados
Os 12 passos ilustrados
 
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEISOS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
OS 12 PASSOS_por RONALDO TONCHEIS
 
Grandiosidade
GrandiosidadeGrandiosidade
Grandiosidade
 
Temperamento....9.7.11.....grupo saúde
Temperamento....9.7.11.....grupo saúdeTemperamento....9.7.11.....grupo saúde
Temperamento....9.7.11.....grupo saúde
 

Semelhante a A preveno da recada apostila

Guiapraticodrogas
GuiapraticodrogasGuiapraticodrogas
Guiapraticodrogas
Sispho Horizonte
 
Toxico
ToxicoToxico
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
Josi Borges
 
Guia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre DrogasGuia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre Drogas
Gilvander Dias Queiroz
 
O luto
O luto O luto
A depresso impotencia para viver
A depresso   impotencia para viverA depresso   impotencia para viver
A depresso impotencia para viver
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
A depresso impotencia para viver
A depresso   impotencia para viverA depresso   impotencia para viver
A depresso impotencia para viver
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
Roberto C. Mayer
 
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptxUfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
Nome Sobrenome
 
Curando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - Demonstração
Curando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - DemonstraçãoCurando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - Demonstração
Curando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - Demonstração
Leonardo Tavares
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
ana morales matus
 
Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...
Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...
Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...
Pill Reminder
 
Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo
Nucleo Nacional
 
O que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogasO que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogas
izaiasneto4
 
Dependência Química na Visão Espírita
Dependência Química na Visão EspíritaDependência Química na Visão Espírita
Dependência Química na Visão Espírita
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Drogas na adolescencia
Drogas na adolescenciaDrogas na adolescencia
Drogas na adolescencia
RafaPinto2001
 
Desktop
DesktopDesktop
Desktop
edu197
 
Prevenção ao uso de drogas e entrevista motivacional
Prevenção ao uso de drogas e entrevista motivacionalPrevenção ao uso de drogas e entrevista motivacional
Prevenção ao uso de drogas e entrevista motivacional
RicardoAssm1
 
Prevenção e Entrevista motivacional em Dependência Química
Prevenção e Entrevista motivacional em Dependência QuímicaPrevenção e Entrevista motivacional em Dependência Química
Prevenção e Entrevista motivacional em Dependência Química
Ricardo Assmé
 
Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)
Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)
Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)
Orlando César de Araújo
 

Semelhante a A preveno da recada apostila (20)

Guiapraticodrogas
GuiapraticodrogasGuiapraticodrogas
Guiapraticodrogas
 
Toxico
ToxicoToxico
Toxico
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
 
Guia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre DrogasGuia Prático Sobre Drogas
Guia Prático Sobre Drogas
 
O luto
O luto O luto
O luto
 
A depresso impotencia para viver
A depresso   impotencia para viverA depresso   impotencia para viver
A depresso impotencia para viver
 
A depresso impotencia para viver
A depresso   impotencia para viverA depresso   impotencia para viver
A depresso impotencia para viver
 
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química
 
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptxUfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
 
Curando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - Demonstração
Curando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - DemonstraçãoCurando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - Demonstração
Curando a Dependência Emocional - Leonardo Tavares - Demonstração
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...
Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...
Viver com uma Doença Crônica Navegando pelos Altos e Baixos da Vida Diária...
 
Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo
 
O que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogasO que leva os jovens a usarem drogas
O que leva os jovens a usarem drogas
 
Dependência Química na Visão Espírita
Dependência Química na Visão EspíritaDependência Química na Visão Espírita
Dependência Química na Visão Espírita
 
Drogas na adolescencia
Drogas na adolescenciaDrogas na adolescencia
Drogas na adolescencia
 
Desktop
DesktopDesktop
Desktop
 
Prevenção ao uso de drogas e entrevista motivacional
Prevenção ao uso de drogas e entrevista motivacionalPrevenção ao uso de drogas e entrevista motivacional
Prevenção ao uso de drogas e entrevista motivacional
 
Prevenção e Entrevista motivacional em Dependência Química
Prevenção e Entrevista motivacional em Dependência QuímicaPrevenção e Entrevista motivacional em Dependência Química
Prevenção e Entrevista motivacional em Dependência Química
 
Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)
Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)
Cuidado e assessoramento pastoral (pt iii)
 

Mais de Nucleo Nacional

Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Nucleo Nacional
 
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Doze passos  elementos terapêuticos para codependênciaDoze passos  elementos terapêuticos para codependência
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Nucleo Nacional
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindTerceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindSetima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindDecima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasRelatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Nucleo Nacional
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
Nucleo Nacional
 
13 princpios nida
13 princpios nida13 princpios nida
13 princpios nida
Nucleo Nacional
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Nucleo Nacional
 
Guia estratégico drogas
Guia estratégico drogasGuia estratégico drogas
Guia estratégico drogas
Nucleo Nacional
 
Livro co-dependencia
Livro co-dependenciaLivro co-dependencia
Livro co-dependencia
Nucleo Nacional
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogas
Nucleo Nacional
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoria
Nucleo Nacional
 
Apostila PPR
Apostila PPRApostila PPR
Apostila PPR
Nucleo Nacional
 
Defeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentosDefeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentos
Nucleo Nacional
 
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
Nucleo Nacional
 

Mais de Nucleo Nacional (20)

Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
 
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Doze passos  elementos terapêuticos para codependênciaDoze passos  elementos terapêuticos para codependência
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
 
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindTerceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
 
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindSetima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
 
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemind
 
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindDecima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
 
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasRelatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
13 princpios nida
13 princpios nida13 princpios nida
13 princpios nida
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
 
Guia estratégico drogas
Guia estratégico drogasGuia estratégico drogas
Guia estratégico drogas
 
Livro co-dependencia
Livro co-dependenciaLivro co-dependencia
Livro co-dependencia
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogas
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoria
 
Apostila PPR
Apostila PPRApostila PPR
Apostila PPR
 
Defeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentosDefeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentos
 
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
 

A preveno da recada apostila

  • 1. A prevenção da recaída
  • 2. A recaída é um processo que leva o indivíduo a retomar o uso abusivo de álcool e/ou drogas. Como processo, a recaída apresenta alguns sinalizadores que, considerados em tempo, podem ser interrompidos por habilidades e estratégias que, abordadas e executadas, fazem com que o mesmo retorne ao foco de sua recuperação e reverta tal processo. Por se tratar de um fenômeno consideravelmente poderoso e perigoso, é necessário que o indivíduo receba instruções em grupos e reuniões para conhecer tal processo e receber treinamento para desenvolver o autocontrole (equilíbrio).
  • 3. A recaída se constitui num desafio para o indivíduo, uma vez que é difícil entender e/ou identificar seus motivos. Quando focalizamos o comportamento de dependentes químicos, podemos perceber algumas características que o diferenciam de um indivíduo que não tem esse comprometimento, um indivíduo que consegue manter um relacionamento social estável.
  • 4. Desta visão, o indivíduo deve, através de exercícios de autoconhecimentoe autocontrole, identificar situações, pessoas, lugares e estados emocionais, comportamentos e atitudes que podem mantê-lo em recuperação ou preceder uma recaída. A Prevenção da Recaída é um conjuntode habilidades e modificaçõesdo estilo de vida da pessoa para evitar uma recaída e visa: A aquisiçãode habilidades para lidar com as situações de risco. A modificação do estilo de vida.
  • 5. É importante desenvolver habilidades para lidar com as situações de risco e mudar o estilo de vida. Frente a uma situação de risco, a pessoa tem 2 (duas) opções: Enfrenta ou não a situação (resposta de enfrentamento) Vejamos agora algumas situações consideradas de risco, entre outras, e facilitadoras para a recaída:
  • 6. ESTADOS EMOCIONAIS NEGATIVOS Depressão Ressentimento Tristeza Impulsividade Desânimo Tédio Ansiedade Medos Stress Raiva Angústia Ciúmes Solidão Inveja Preocupação Auto piedade Culpa vergonha Humilhação Frustração Rejeição Inibição
  • 7. CONFLITO FAMILIAR: Preconceito Desentendimentos Cobranças Discussões Dificuldades nos relacionamentos Dificuldades financeiras Ociosidade em casa
  • 9. TRABALHO E O AMBIENTE DE TRABALHO: Fim do expediente Convites dos colegas Hábitos de risco Brincadeiras constrangedoras Etc.
  • 10. INFLUÊNCIA DE AMIGOS: PRINCIPALMENTE POR AMIGOS DA ATIVA E AMIZADES QUE NÃO CONHECEM A PROBLEMÁTICA DA DOENÇA E ACABAM TORNANDO-SE FACILITADORAS DE UMA RECAÍDA, ETC.
  • 11. DIVERSÃO E PRAZER: Comemorações Festas Bares e boates Euforia e a excitação; Companhia de pessoas que bebem e usam drogas quando alguma coisa boa acontece.
  • 12. PROBLEMAS FÍSICOS OU PSICOLÓGICOS: Insônia Problemas sexuais Dores físicas Doença própria Morte na família Cansaço ou sono Solidão Pensamentos desagradáveis etc.
  • 14. HÁBITO DE USAR ÁLCOOL E/OU DROGAS No término do trabalho; Em fins de semana; Quando amigos oferecem; Em visitas; Etc.
  • 15. LIDAR COM O TRATAMENTO: Quando está indo muito lentamente no tratamento; É mais fácil do que imaginava; Excesso de confiança na recuperação; Pensa que não vai ser feliz sem usar; Já está velho demais para parar de usar e / ou beber; Quando sente que não está colocando em prática o plano de recuperação; Etc.
  • 16. REATIVAÇÃO DOS MECANISMOS DE DEFESA: Negação; Projeção; Racionalização; Justificativas.
  • 17. Temos que observar alguns sinais e sintomas físicos e emocionais que ocorrem neste processo e, caso não identificados ou trabalhados a tempo, podem levar o indivíduo a uma recaída.
  • 18. SINAIS INTERIORES: Mente fechada; Age excessivamente pelo emocional; Vergonha da própria doença; Desonestidade;
  • 20. VOLTA DA NEGAÇÃO: Ignora ou nega sentimentos e dificuldades; Medo; Ansiedade; Preocupação com o próprio bem estar;
  • 21. COMPORTAMENTO EVASIVO* E DEFENSIVO Evita pensamentos honestos da própria situação; Preocupação com os outros e não consigo mesmo; Comportamento impulsivo; Solidão;
  • 22. CONSTRUÇÃO DA CRISE: Devido à negação dos problemas; “Baixo Astral”; Focaliza e dá um valor maximizado a um determinado problema(Visão de túnel); Perda da capacidade de pensar;
  • 24. CONFUSÃO E REAÇÃO EXAGERADA: Revolta contra si e contra os outros; Irritação; Raiva fácil; Hábitos irregulares; Recusa ajuda;
  • 25. A recaída não deve ser considerada como um sinal de insucesso no tratamento. Ela pode ser utilizada como uma oportunidade para ampliar a conscientizaçãodo dependente sobre suas dificuldades e seus conflitos. E pode ser vista também como oportunidade de rever as convicções em torno da abstinência. É comum observarmos alguns residentes alimentando expectativas de conquistar ou reconquistar valores e situações que não dependem exclusivamente do esforço individual, mas dos agentes socializantes, do ambiente e do tempo. Muitos acabam se desestimulando, perdendo a motivação quando se deparam com frustrações, insucessos, preconceitose outros fatos e fatores, e retornam aos antigos hábitos, pensamentos, e mecanismos de defesa, como justificativa, racionalização, negação, projeção etc.
  • 26. Sabemos que a fissura é o desejo de usar a droga e que não significa recaída. Mas também sabemos que pensamentos e sentimentos gerados por uma situação (“de risco” , por exemplo) podem levar a atitudes e comportamentos (“ de risco”). Por exemplo, um dependente que sente desejo de usar por ter visto algum “sinalizador” (garrafa, lata, cinza, cachimbo, música, amigo da ativa, etc.) deve ter habilidade de interromper esse processo, mudando o pensamento e focalizar as consequências negativas do uso, como a dor, a culpa, a solidão, a paranoia, as perdas, etc.
  • 27. Esse processo funciona como uma balança de dois pratos: é preciso equilíbrio para que o dependente químico não entre no processo de euforia ou no processo de depressão e, assim,evite ou interrompa os mecanismos negativos de ação / reação diante destes comportamentos.