O que é e como tratar a codependência?

5.857 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada pela Psicóloga Ana Carolina Schmidt de Oliveira (CRP 06/99198) e pelo Psiquiatra Dr. Hewdy Lobo Ribeiro (CREMESP 114681) sobre Codependência pela Eventials.

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • HOJE É O SEU DIA!
    UMA DETERMINAÇÃO NÃO FALHA NUNCA.
    NO MOMENTO EM QUE VOCE MEMORIZAR A PALAVRA DE PODER, ”QUE ESTÁ ESCRITA NESTE LIVRO”, NESTE EXATO MOMENTO O SEU DESEJO TOMARÁ FORMA E ENTRARÁ NA SUA VIDA.
    “ESTE É UM DOS MAIORES LIVROS DO MUNDO ACERCA DA DETERMINAÇÃO”
    BAIXE ESTE LIVRO AQUI E AGORA JÁ.
    Preço Simbólico R$ 2.99 cada Exemplar e-book.
    http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/6985578/determinacao-o-pensamento-positivo/
    SEM AMOR NINGUÉM VIVE!
    ESTE É O MAIOR LIVRO DO MUNDO ACERCA DO AMOR!
    ESTE LIVRO ESTÁ NOS MAIORES SITES CULTURAL DE 245 NAÇÕES DO MUNDO!
    ESTE LIVRO É REFERENCIA MUNDIAL EM TODOS OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DO PLANETA!
    ESTÁ DISPONIVEL PARA VOCE ! R$ 2.99 (preço simbólico)
    Baixe este livro agora mesmo e tome posse de uma vida sentimental feliz! Este livro é um testemunho real e o que está escrito nele é verdadeiro. Disponível em vários idiomas.
    http://www.saraiva.com.br/chamam-me-lene-estou-vivendo-um-grande-7003798.html?PAC_ID=123827,
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.857
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
251
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é e como tratar a codependência?

  1. 1. Seja Bem Vindo!
  2. 2. O que é e como tratar a codependência? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra ProMulher IPq-HC-FMUSP CREMESP 114681 Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198
  3. 3. Codependência • 1981 – Wegscheider • “uma obsessão familiar sobre o comportamento do dependente” • Preocupação extrema, dependência com pessoa ou objeto • Dependente – doente • Familiares - codoentes
  4. 4. Codependência • Pais, cônjuges, parentes, amigos, colegas de trabalho, rede de pessoas próximas de uma pessoa com dependência química (DQ) • Família além da consanguinidade • Existe um perfil? (valores, compreensão, recursos próprios)
  5. 5. Sentimentos Comuns • Raiva • Ressentimento • Descrédito • Sofrimento • Impotência • Medo do futuro • Solidão • Culpa • Vergonha
  6. 6. Os Impactos da DQ • Nos pais • Nos cônjuges • Nos filhos • Nos amigos • Nos colegas de trabalho
  7. 7. Estágios • 1) Negação, tensão e não se expressam; • 2) Preocupação, tentativa de controle e “segredo”; • 3) Desorganização, rigidez, facilitação e inversão de papéis; • 4) Exaustão, distúrbios de comportamento e desestruturação familiar. Krupnick, 1995
  8. 8. Papéis • Diante do próprio auto cuidado • Diante da dependência química de seu familiar • Diante do tratamento do familiar dependente
  9. 9. AL-ANON/NAR-ANON
  10. 10. Psicoterapia • Abordagem Sistêmica – A DQ é um sintoma da disfunção familiar. Foco na interação dos membros da família. • Abordagem Cognitivo-Comportamental – DQ como comportamento aprendido e mantido através de roforços positivos e negativos, inclusive das interações familiares.
  11. 11. Psicoterapia • Estratégias: – Psicoeducação: • o que é dependência química; • causas da dependência química; • o que são comorbidades psiquiátricas; • o que são fatores de risco e de proteção. – Treinamento de Habilidades Sociais: • assertividade; • expressar sentimentos; • habilidade de fazer/ receber críticas; • manejo da raiva; • aumento das atividades prazerosas.
  12. 12. Assertividade Definição Reconhecer seu direito de decidir o que fazer em vez de ceder às expectativas ou solicitações de outras pessoas, além de reconhecer o direito dos demais. Você tem o direito de expressar sua opinião, falar sobre os seus sentimentos, pedir que os outros mudem algo que te afeta, aceitar ou recusar qualquer coisa que te digam ou peçam.
  13. 13. Assertividade Estilos Passivo: pessoas que abrem mão de seus direitos por pensarem que para defendê-los precisam entrar em conflito com alguém. Normalmente sentem raiva, ansiedade, deprimidas, magoadas, ressentidas. Em geral não atingem seus objetivos. Agressivo: pessoas que agem para proteger seus direitos, mas ao fazê-lo não respeitam o direito do outro. Em geral tem suas necessidades imediatas satisfeitas, mas esse comportamento traz consequências negativas. Passivo-agressivo: pessoas que não exteriorizam o que pensam ou sentem de maneira adequada, fazendo comentários sarcásticos, murmurando coisas, descontando em outras pessoas ou objetos seus sentimentos. Muitas vezes o outro não compreende o que essa pessoa quer, e o passivo-agressivo acaba por se sentir frustrado ou vítima. Assertivo: pessoas que decidem o que querem, planejam uma forma de conseguir e agem. Deixa clara suas opiniões, é objetivo e respeitoso. Geralmente consegue atingir seus objetivos, mesmo que precise insistir.
  14. 14. Assertividade Dicas: • Pense antes de falar • Planeje o melhor jeito de falar • Atenção a linguagem corporal • Mostre vontade de ser compreensivo • Insista • Treine Tarefa Relate três situações que viveu durante a semana, registrando o tipo de comunicação que utilizou e como poderia ter se expressado de forma mais assertiva. Situação 1: Tipo de comunicação: Forma assertiva:
  15. 15. Ajuda ao DQ • Participação da família é fundamental no tratamento da DQ – Busca por tratamento e adesão – Melhora de resultados em relação ao uso da substância – Melhora funcionamento familiar – Redução dos danos da DQ nos familiares – Trata outras consequências, como violência e perdas – Custo-benefício – De fator predisponente e de risco para fator de proteção
  16. 16. Serviços • Formais: – UBS – CAPS – CAPS AD – CREAS – Consultórios • Informais: – AL-ANON/ NAR-ANON – Amor Exigente – Pastoral da Sobriedade
  17. 17. Defensoria Pública • Parceria com responsável pelas avaliações • Trabalhar com familiares suas ansiedades • Informar • Experiência: maioria dos casos receberam tratamento voluntário
  18. 18. Conclusões • A família deve receber atenção para suas demandas • A família deve ser parte integrante do tratamento do dependente químico • Relação de mútua influência
  19. 19. Convite
  20. 20. Bibliografia • Payá, R.; Figlie, N.B. Abordagem Familiar em Dependência Química. In: Figlie, N.B.; Bordin, S.; Laranjeira, R. Aconselhamento em Dependência Química. 2ª ed. São Paulo: Roca, 2010. • http://www.amorexigente.org.br/ • http://www.naranon.org.br/
  21. 21. Obrigada!

×