O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Dependência química tratamento mini curso

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Capacitação alcool e drogas
Capacitação alcool e drogas
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 27 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (15)

Anúncio

Semelhante a Dependência química tratamento mini curso (20)

Mais de Gabriela Haack (17)

Anúncio

Dependência química tratamento mini curso

  1. 1. Dependência Química: tratamento Gabriela Lanzetta Haack Psicóloga
  2. 2. Introdução
  3. 3. Boas práticas no tratamento da dependência química A efetividade do tratamento se baseia na capacidade de se organizar serviços que possam:  oferecer ao usuário um atendimento que trabalhe a crise imediata  e ao mesmo tempo ofereça um plano de tratamento de longa duração,  que dê ao usuário diferentes abordagens e opções de tratamento e  inclua a família no processo terapêutico
  4. 4. Abordagens  É sabido que passar informações sobre a droga e seus efeitos provoca uma sensação de empoderamento no usuário, melhorando sua motivação e adesão ao tratamento  Abordagens de redução de danos e sessões de apoio e informação são úteis nos estágios iniciais do tratamento  Intervenção breve, entrevista motivacional e terapias focadas na solução são técnicas recomendadas com esta clientela.  É fundamental que o plano terapêutico inclua abordagens de prevenção de recaída, bem como reabilitação psicossocial (trabalho, estudo, etc)
  5. 5. Diversas abordagens técnicas são eficazes, como:  Técnicas motivacionais  Psicoterapia  Terapias cognitivo comportamentais  Intervenções breves  Grupos de auto ajuda  Programas de 12 Passos  Estratégias de redução de danos
  6. 6. Avaliação inicial Fundamental para o sucesso do tratamento é uma boa avaliação inicial.
  7. 7. Objetivos da avaliação inicial  Tratamento da emergência ou problema agudo  Elaboração diagnostico precoce uso de drogas  Identificação de complicações clínicas, psicológicas ou sociais
  8. 8. Objetivos da avaliação inicial  Identificação de comorbidades psiquiátricas  Motivação do individuo para a mudança  Estabelecimento de vinculo  Determinar o nível de atenção especializada necessária
  9. 9. Avaliação Inicial TRIAGEM MINIMA USO DE SPAS NÃO USA PREVENÇÃO PRIMÁRIA EM REMISSÃO USA NÃO QUER INTERROMPER PREVENÇÃO DE RECAÍDA ESTRATÉGIA QUER MOTIVACIONAL INTERROMPER ACONSELHAMENTO INTERVENÇÃO BREVE TERAPIAS COMO A TCC
  10. 10. Indicações de internação hospitalar  Paciente ameaça de suicídio ou comportamento autodestrutivo  Paciente que ativamente ameaça a integridade física de outros  Paciente com sintomas psiquiátricos graves  Presença de complicações clínicas importantes  Necessidade de internação por dependência de outra substância  Falhas recorrentes na promoção da abstinência em nível ambulatorial  Não possuir suporte social, ou seja, seus relacionamentos são exclusivamente com usuários
  11. 11. Hospital  É importante lembrar que a desintoxicação é apenas uma etapa do tratamento;  A hospitalização não “resolve o problema”  Nem sempre é indicada a internação e nem sempre o usuário se beneficia
  12. 12. Aconselhamento  Pode ser:  Mínimo: 3 minutos  Breve: 3 a 6 minutos  Intensivo: maior que 10 minutos  É uma estratégia motivacional!
  13. 13. Aconselhamento O aconselhamento não é dizer o que deve ser feito. A mudança é do indivíduo!!!
  14. 14. Aconselhar é  Chamar à reflexão  Dar responsabilidade  Opinar com sinceridade  Dar opções de escolha  Demonstrar interesse  Facilitar o acesso  Evitar o confronto
  15. 15. Intervenção Breve Feedback (devolutiva ou retorno) Responsibility (responsabilidade) Advice (aconselhamento) Menu of Option (menu de opções) Empathy (empatia) Self-efficacy (auto-eficácia)
  16. 16. Intervenção Breve Uma  Intervenção  Breve  eficiente  não  consiste  somente  em  utilizar  as  técnicas  propostas,  mas  também  em  criar  um  ambiente de APOIO para o  paciente.  Procure  saber  quem  pode  ajudá-lo  nesse  processo  e  incentive-o  a  conversar  com  essa  pessoa.
  17. 17. Entrevista Motivacional  Técnica não confrontativa  Estratégias para lidar com a resistência e ambivalência  Crítica ao modelo moral e baseado na empatia  Profecia auto-realizável  Toda mudança passa por estágios motivacionais
  18. 18. Modelo de Mudança (Prochaska & DiClemente,1984) Mudança de comportamento é um processo (envolve alguns estágios) A motivação está relacionada ao estágio em que se encontra o indivíduo:
  19. 19. Espiral da Mudança
  20. 20. Pré contemplação  Não está consciente que seu comportamento está causando problemas  Acredita estar imune as conseqüências adversas  Resiste ou nega as conseqüências trazidas por seu comportamento  usuários felizes  não respondem a conselhos de mudança  fornecer informações para encorajá-los para a mudança
  21. 21. Contemplação  Ambivalência em relação ao consumo  Percebem coisas boas e menos boas  Ajudar o paciente a reconhecer sua força e habilidade de mudança  Sugerir estratégias para parar ou diminuir (menu de opções)
  22. 22. Ação Para atingir este estagio é necessário que :  Perceba que seus problemas têm solução  Acredite ser capaz de mudar  Negociar objetivos e metas para a mudança  Sugerir estratégias para a mudança  Ajudar a identificar situações de risco e desenvolver plano de ação (reduzir/parar)
  23. 23. Manutenção  Estágio mais difícil  Reorganização do estilo de vida Para manter a mudança é necessário :  Ter consciência da possibilidade da recaída (com a recaída eles voltam a um dos estágios anteriores)  Realizar a mudança passo a passo
  24. 24. Tratamento  O mais difícil não é atingir a abstinência, mas sim mantê-la. Para isso, é preciso promover mudanças de vida  Fundamental para o sucesso do tratamento é um bom acolhimento com o estabelecimento de vinculo terapêutico
  25. 25. Obrigada!!! Gabriela Haack – Psicóloga gabrielahaack@gmail.com

×