SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 97
Baixar para ler offline
PERMANECER SÓBRIO
UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAÍDAS
TERENCE T. GORSKI e MIRLENE MILLER
PREFÁCIO DE PADRE MARTIN
BASEADO NO MODELO DE TRATAMENTO CENAPS
SUMÁRIO
PREFÁCIO ..................................................................................................... 3
PREFÁCIO DO AUTOR ................................................................................ 4
CAPÍTULO I - Recaída na doença adictiva .................................................. 8
CAPÍTULO II - Doença da adicção ............................................................... 11
CAPÍTULO III - Síndrome da abstinência demorada ................................... 20
CAPÍTULO IV - Recuperação e recuperação parcial ................................... 30
CAPÍTULO V - Crenças errôneas sobre recuperação e recaída .................. 43
CAPÍTULO VI - Entendendo o processo de recaída ..................................... 49
CAPÍTULO VII - A síndrome da recaída ....................................................... 56
CAPÍTULO VIII - Plano de prevenção de recaída ........................................ 69
CAPÍTULO IX - O envolvimento da família na síndrome da recaída ........... 73
CAPÍTULO X - Grupo de auto-ajuda - prevenção de recaída ...................... 83
PALAVRA FINAL ........................................................................................... 92
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
3
Acredito nos conceitos descritos neste manual. Tão forte é a minha
crença na sua eficácia que estamos implementando um efetivo Centro de
Prevenção de Recaídas em Dependência Química.
Acredito que este livro junto com este manual de trabalho podem dar-
lhe informações valiosas que podem salvar vidas. Ao tentar entender e
aplicar estas informações e você não conseguir sozinho, não perca a
esperança. Existem muitos bons centros de tratamento que podem ajudá-lo
com Planos de Prevenção de Recaídas.
Não importa o que seja feito, porém, algumas pessoas morrem desta
doença terminal. Porém, muitos continuarão a morrer porque não
entendemos como tratar o fenômeno da recaída.
Um Plano de Prevenção de Recaída é uma nova aproximação
poderosa que está ajudando milhares a escaparem do que era uma sentença
de morte.
É importante que transmitamos a mensagem para o alcoólico com
tendência a recair, que existe esperança.
É importante que transmitamos a mensagem para os Centros de
Tratamento, pois temos a obrigação moral de nos esforçar ao máximo para
tratar o mais doente dos doentes na fileira dos alcoólicos.
Acredito que este livro abre um excelente caminho para começar a
ajudar pessoas que foram antes consideradas sem esperança.
Padre Joseph C. Martin
Co-fundador Padre Martin’s Ashlcy
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
4
PREFÁCIO
Todos têm consciência da natureza básica destrutiva da doença do
alcoolismo. Ela afeta suas vítimas no corpo, mente, emoção e alma. Pela sua
natureza é uma doença terminal.
Sabemos que é uma doença que não pode ser curada, mas que pode
ser detida.
Centenas de milhares de alcoólicos nos últimos 50 anos detiveram sua
doença e vivem felizes, efetivas, produtivas e sóbrias. Porém, uma das
grandes tragédias neste campo é o fato de que muitos alcoólicos ficam bem
por um tempo e então voltam a beber.
É dito que aproximadamente metade dos alcoólicos que chegam a
porta da sobriedade, entram e ficam. Dos outros, muitos ficam um tempo e
tem uma ou mais recaídas e então entendem sobre a necessidade de uma
vida sóbria e ficam sóbrios até a morte.
Dos remanescentes alcoólicos, muitos passam pelo que chamamos de
“porta circular”, várias vezes: às vezes sóbrios, às vezes voltando a beber.
Alguns deles, naturalmente, eventualmente morrem.
Terry Gorski, no início de sua carreira profissional, foi encaminhado
para tentar ajudar aqueles “no fim da estrada”. Ele sentiu que alguns deles,
obviamente, eram totalmente incapazes de ficar bem; o dano feito a eles por
sua maneira de beber era muito grande para ser reparado.
Os demais, porém, ele sentiu que era possível ajudá-los a conseguir a
sobriedade que outros tinham conseguido com mais facilidade que eles.
E assim este jovem gastou 15 anos de sua vida (e ainda continua)
estudando estória de caso após estória de caso, chegando já a milhares
destes pobres infelizes que voltam de vez em quando a beber.
Disto tudo veio o modelo CENAPS para prevenção de recaídas. Integra
Alcoólicos Anônimos com tratamento profissional e cria um mapa rodoviário
ou Guia para a Recuperação. Como ele diz este guia não tem novidade. O
que ele fez foi integrar a sabedoria do programa de recuperação do A.A. com
toda a pesquisa das últimas décadas.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
5
PREFÁCIO DO AUTOR
No início de 1970, estava trabalhando como Consultor em Alcoolismo
no Hospital Grant em Chicago. Começando em Junho de 1971, fui designado
em tempo integral com a responsabilidade do departamento ambulatorial.
Como tinha pouco tempo na agência, eu tinha poucas condições de
conseguir “pacientes com um bom prognóstico”.
Eram encaminhados a mim os pacientes mais difíceis, muitos dos
quais passaram por tratamento várias vezes sem alcançar a sobriedade. Na
hora fiquei preocupado. Acreditava que podia trabalhar com qualquer um.
Nunca ninguém me disse que estes pacientes com tendência a recaída eram
casos sem esperança, logo eu esperava que eles simplesmente se
recuperassem.
Quando todos os casos são exclusivamente compostos de indivíduos
com tendência a recaída, pode ser uma tarefa avassaladora, mas comecei a
aprender logo.
A primeira coisa que aprendi foi que muitos pacientes recaídos tinham
experimentado tudo que aconselhamento de alcoolismo e psicoterapia
tradicional tinham a oferecer. Também aprendi que muitos conheciam mais
de passos e tradições de A.A que eu próprio. Conheciam o Livro Grande
(Alcoólicos Anônimos) e os Doze Passos e as Doze Tradições.
Muitos tiveram longos períodos de abstinência praticando os princípios
do AA., mas por algum motivo eles não conseguiram colocar estes princípios
em suas vidas.
Muitos sentiam que eram “incapazes constitucionalmente de
recuperação” e falavam da declaração no Capítulo 5 de “Alcoólicos
Anônimos” que descreve estes desafortunados que não podem se recuperar.
Eu tinha sido treinado num estilo de terapia bastante confrontativo.
Logo, aprendi que Confronto não funciona com pacientes recaídos porque
uma coisa que eles têm mais experiência que qualquer um é lidar com
pessoas que fazem confrontos. Quase que diariamente eles foram
confrontados por quase todos: empregadores, esposas, filhos, terapeutas,
consultores, policiais, etc... Se existe algo que eles conhecem é lidar com
confronto.
Logo percebi que este grupo de pacientes era mais difícil que qualquer
terapeuta poderia ter. Tendem a se colocarem para baixo. Sua auto-estima
todo tempo está baixa.
Durante vários meses tentando trabalhar com estes pacientes, tive
pouco sucesso. Decidi esquecer tudo sobre o aconselhamento tradicional em
alcoolismo e comecei a aprender com os verdadeiros especialistas, os
próprios pacientes.
Ao invés de partir para sofisticados Planos de Tratamento, Estratégias
de Tratamento altamente confrontativos e Programas de Tratamento muito
estruturados, adotei uma aproximação mais simples.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
6
Primeiro, peço para cada paciente assistir pelo menos 3 reuniões de
AA. por semana.
Segundo, preparei um grupo especial de terapia de 3 horas que ajuda
as pessoas a se comunicarem com outras, como experimentar e falar sobre
emoções e sentimentos e como identificar estruturas gerais de
comportamento no grupo, para então aplicar estas estruturas e problemas
que ocorrerem em outras áreas de suas vidas.
A terceira parte do tratamento consiste de sessões de terapia individual
que eram devotadas quase que exclusivamente a construir uma detalhada
estória de recaída. Eram encorajados a começar com a última vez que
iniciara um período de sobriedade. Fiquei surpreso ao achar que muitos
estavam convencidos que eram alcoólicos, que precisavam de um Programa
de Recuperação Progressivo antes de sua recaída mais recente.
Também fiquei surpreso de ver que muitas dessas pessoas eram muito
motivadas para ficarem sóbrias. Elas não queriam recair. Estavam dispostas
em usar o AA., Aconselhamento Profissional e tudo o mais que um Programa
de Tratamento recomendasse.
Alguns tinham experimentado a terapia de choques elétricos ou
Tratamento de Aversão (onde vomitavam depois que bebiam). Outros
ficavam presos voluntariamente por meses. Muitos se embebedavam
novamente apesar destes esforços intensivos.
Meu objetivo em coletar estas estórias de recaídas era reunir passo a
passo um detalhado registro de como alguém que queria a sobriedade e com
conhecimento sobre alcoolismo voltava a beber. Como poderiam os
alcoólicos convencerem-se a si mesmos a beber sabendo que a bebida
poderá matá-los?
O que aprendi coletando estas estórias de recaídas foi que haviam
muitas similaridades entre os pacientes. Parecia que muitas seguiam a
mesma estrutura de pensamento, reações emocionais, comportamentais e
situações de vida que levavam à recaída.
Após ver cinco ou seis estórias descobri como é difícil para estes
alcoólicos em recuperação arranjarem seus pensamentos, seus sentimentos.
Tornou-se aparente que eles não eram capazes de pensar claramente,
processar seus sentimentos e emoções e até mesmo lembrar de coisas. Sua
habilidade para lidar com abstrações, reconstruir suas histórias era muito
limitada. As próprias estórias levavam de seis a dez horas para serem
completadas. As pessoas tinham grandes lacunas na memória. Grandes
períodos de tempo que não se lembravam. Também tinham muita dificuldade
para reunir eventos passados na mesma ordem de seqüência lógica.
Quando pedia a eles que descrevessem o que certas dificuldades ou ações
significavam, foram incapazes de indicar o seu significado. Podiam lidar com
lembranças concretas, mas tinham grande dificuldade para abstrair e
generalizar o significado destas experiências para outras situações de vida.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
7
Após completar quase 10 estórias, comparei os resultados. Percebi as
semelhanças e comecei a construir uma lista comum do que chamei sinais
de aviso de recaída. Em vez de começar uma estória com um novo
paciente, mostrei-lhe a lista de sinais de aviso. Então os sinais eram uma
simples lista de palavras e pequenas frases como: negação,
comportamento defensivo, crises de crescimento, etc. Explicava o que
cada um significava numa sessão de terapia individual e usava isto para
estimular sua memória para ver se eles tinham experimentado estas coisas.
Descobrir que usando a lista podia se acelerar o processo de estórias.
Também descobri que no grupo de terapia, mais e mais pacientes
voluntariamente falavam sobre os seus sinais de aviso de recaída. Muitos
também começaram a identificar estruturas que levaram a beber no passado.
Perceberam estes mesmos sinais quando começaram a reconhecê-los na
sua sobriedade atual.
A focalização do grupo mudou rapidamente de um grupo
psicologicamente bem orientado para o crescimento, para um concreto grupo
de terapia orientado para Prevenção de Recaída.
O foco era identificar os concretos sinais de recaída, reconhecê-los em
situações de vida real e aprender como tomar passos concretos para revertê-
los.
Embora então eu não soubesse, este grupo de três horas de terapia
junto com o processo de estória de recaída individual e o envolvimento
contínuo com o AA., tornou-se a base de uma compreensiva prática e Teoria
da Recaída que tornou-se conhecida como Plano de Prevenção de
Recaídas.
Durante dois anos como terapeuta do ambulatório, coletei 118 estórias
de recaídas e comecei a tarefa de analisar em detalhes estas estórias.
O resultado final disto foi uma lista revisada com 37 sinais de aviso que
foram apoiados pelas estruturas gerais que eram evidentes nestas estórias.
Em Junho de 1973, deixei o Hospital Grant para começar a trabalhar
como Coordenador de Programa de Apoio ao empregado para o exército em
Fort Sheridan - Illinois. Mais trabalho foi acrescentando na área de
Prevenção de Recaídas. Em agosto de 1974 tornei-me o Diretor do
Departamento de Serviços em Alcoolismo no Hospital Central da
Comunidade em Illinois, agora Hospital de Comunidade Hyde Park em
Chicago, Illinois.
Posteriormente a dinâmica neste hospital confirmou a dinâmica da
recaída.
Em 1976, tornei-me Diretor do Centro de Tratamento em Alcoolismo no
Hospital Memorial Ingalls em Harvey, Illinois. Comecei a trabalhar
exclusivamente com o Dr. Harry Hannij, M.D., juntos trabalhamos com
pacientes com tendência à recaída.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
8
Tínhamos um Centro de Reabilitação de Alcoolismo Tradicional, mas
logo reconhecemos a necessidade de dar serviços especiais para pacientes
com tendência à recaída.
Todos os membros da equipe foram treinados nos princípios básicos
de prevenção de recaídas. Identificamos as atitudes contraprodutivas e
crenças erradas que aumentavam o problema de recaída. Também
reavaliamos nossa política de confronto pesado e começamos a separar os
pacientes que não tinham motivação para aceitar o tratamento daquele que
aceitava o tratamento, mas para quem o tratamento tradicional não
funcionava.
Descobrimos que após a terapia de Prevenção de Recaída, estes
pacientes tinham menos recaídas e experimentavam maiores períodos de
sobriedade. Se voltavam ao uso de álcool e drogas, suas recaídas tendiam a
ser mais curtas e a severidade das conseqüências eram menores do que
aqueles tratados com outros métodos. Estavam esperançosos e excitados.
Em 1979 associei-me a Mirlene Miller, profissional de educação e
escritora.
Juntos começamos a organizar o material que iria agir como base de
um novo modelo de aconselhamento baseado principalmente sobre técnicas
de prevenção de recaídas.
Nossa Organização inicialmente chamou-se Alcooholism Systems
Associates (ASA) e funcionava em Hazeleret, Illinois.
Fazíamos treinamento local na área de Chicago e lentamente uma
reputação nacional por estes métodos começou a ser construída.
Em 1982, publicamos um livro intitulado: “Aconselhamento para
Prevenção de Recaídas”, que tornou explícito pela primeira vez os princípios
básicos e estratégicos do Plano de Prevenção de Recaída.
A primeira metade do livro foi devotada à Teoria da Recaída. Este livro
foi escrito para consultores, muitas pessoas em recuperação começaram a
usar em sua própria recuperação.
No início dos anos 80, tomamos conhecimento do trabalho de G. Alan
Marlatti e seus associados do Centro de Pesquisas do Comportamento
Aditivo da Universidade de Washington, em Seattle. Embora seu trabalho
venha de uma escola de pensamento de conceito da doença, os atuais
procedimentos de tratamentos para prevenir recaídas são bastante
parecidos. A Escola Behaviorista contribui muito para a pesquisa,
confirmando a eficácia do Plano de Prevenção de Recaída.
Em 1985 o livro Prevenção de Recaída, editado por G. Alan Marlatti e
Judith A. Gordon reuniu junto pela primeira vez um sumário e integração
desta pesquisa empírica.
Este presente livro, PERMANECER SÓBRIO - UM GUIA PARA
PREVENÇÃO DE RECAÍDAS é um esforço para atualizar o modelo de
Prevenção de Recaídas com as novas informações que foram aprendidas
desde nosso livro anterior. É também um esforço para trazer aos membros
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
9
de comunidade em recuperação, informações vitais que podem significar a
diferença entre a vida e a morte.
É minha esperança e de Mirlene que a informação deste livro permita-
os compartilhar com a experiência acumulada de muitos milhares de
alcoólicos que direta ou indiretamente contribuíram para o desenvolvimento
deste modelo.
O livro é apresentado num esforço para compartilhar nossas
experiências e esperanças com você.
Queremos que você tenha esperança. Neste espírito vamos juntos
começar uma jornada. Uma jornada que irá resumir nestas páginas o
conhecimento essencial sobre Prevenção de Recaídas que nos levou 15
anos para resumir.
(TERENCE T. GORSKI)
CAPÍTULO I
RECAÍDA NA DOENÇA ADICTIVA
Este é um livro sobre Recaídas, o que é, e o mais importante, como
pode ser prevenida.
O livro pretende confortar o que está perturbado e perturbar quem está
confortável. Confortará o perturbado porque muitos recaídos são vítimas de
crenças errôneas e recaíram porque não sabem como preveni-las.
Xingam-se pelas recaídas passadas e acreditam que não têm
esperanças porque não sabem o que fazer para prevenir futuras recaídas.
Pretendemos dar-lhes esperanças, corrigir suas crenças erradas e ajudá-los
a estabelecer planos baseado em informação acurada que pode libertá-los
da desesperança de repetidas recaídas.
Não pretendemos perturbar àqueles que estão confortáveis numa
sobriedade saudável, mas pretendemos perturbar os ingenuamente
confortáveis. São pessoas que acreditam que desde que estão abstêmios do
álcool e das drogas e “levam o corpo” para as reuniões, não precisam se
preocupar sobre recaída. Não sabem que recuperação é mais que isto. Não
sabem que muitos indivíduos que estão assistindo reuniões, apesar de não
estarem bebendo, não estão sóbrios. Eles apenas não estão bebendo ou
usando drogas. Estas pessoas têm alto risco de recaída, embora muitos
deles neguem o fato com toda a força. Pretendemos mostrar que encarando
a possibilidade de recaída realisticamente é a única maneira de preveni-la.
A recaída é um processo complexo, não podendo ser explicado
simplesmente. Tem muitos aspectos que precisam ser entendidos. Você
precisa ler este livro mais de uma vez para realmente entender e aplicar os
princípios que estamos tentando explicar. Como tudo é importante, é difícil
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
10
saber por onde começar. Talvez ajudasse se disséssemos agora o que
esperamos de você ao ler este livro.
Primeiro vamos discutir a doença adictiva. É impossível entender o
processo de recaída sem entender a doença da qual recai.
Recaída é um problema que se aplica a uma variedade de adicções.
Uma pessoa pode ser adicta ao álcool, drogas, sexo, comida, ao caos,
ou a outras drogas alteradoras do humor sejam elas produzidas
exteriormente ou interiormente. Embora a maioria das pesquisas em
recaídas foram feitas com alcoólicos (pessoas adictas à droga álcool), há
uma evidência crescente que os mesmos métodos de prevenção de recaída
podem ser usados para uma variedade de adicções. Devido a isto, para o
propósito deste livro, usaremos os seguintes termos indistintamente:
alcoolismo, dependência química, adicção e doença adictiva. Também
usaremos o termo alcoólico e pessoa quimicamente dependente, adicto e
pessoa adicta, para significar a mesma coisa.
Este livro foi escrito por pessoas em recuperação da adicção,
dedicando-o a você (caso seja uma destas pessoas).
Acreditamos, porém que será valioso para aqueles que não são
adictos, principalmente consultores e membros da família.
Discutiremos adicção como uma doença bio-psico-social. Sendo então
uma doença física (bio) que também afeta a mente (psico) e os
relacionamentos (social).
Há muito tempo se sabe que pessoas com uma doença adictiva
experimentam reações anormais, não somente com o uso do adictivo
químico, como também por não usar o químico. Quando várias pessoas
pensam sobre a doença adicção pensam somente nos sintomas que
ocorrem quando alguém está ativamente envolvido na adicção.
Eles não sabem que existem sintomas que surgem na abstinência.
Estes sintomas baseados na sobriedade podem ser reativados a qualquer
tempo durante a recuperação.
Vamos discutir alguns destes sintomas em detalhes no capítulo sobre:
Síndrome de Abstinência Demorada. Então discutiremos técnicas que
minimizarão os riscos da S. A.D.
Para entender e prevenir a recaída também é preciso entender o
processo da recuperação e o que acontece quando a recuperação não é
completa. Chamamos esta de recuperação e ver o que ocorre algumas
vezes para bloquear uma recuperação completa.
Existem crenças erradas sobre a recaída que exploraremos com você.
Estas crenças podem aumentar o risco das recaídas. Mudar algumas destas
crenças permitirá que você mude o comportamento que leva à recaída.
Muitas pessoas pensam em usar adictivos químicos quando pensam
em “recaídas”. Certamente o uso de adictivos é recaída.
Mas por pesquisas mais recentes, mais e mais pessoas vêm a
perceber que o processo de recaída começa antes de usar a droga de
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
11
preferência. As pessoas podem tornar-se disfuncionais na sobriedade sem
beber ou usar. Podem perder a capacidade de julgamento e comportamento,
desenvolver problemas emocionais ou físicos. Ficam disfuncionais na
sobriedade antes de usar adictivos ou em vez de usar adictivos.
O processo de recaída vai além da idéia tradicional de recaída com o
uso de álcool ou drogas para entender que o processo de recaída incluem
atitudes e comportamentos que levam ao uso ativo de adictivos.
O processo de recaída é um movimento à parte de recuperação. Não
significa que você precisa atingir um ponto difícil na recuperação ou estar
experimentando alguma dor e luta na recuperação para estar recaindo.
Significa que, em geral, você não está prestando atenção na sua
recuperação e não está fazendo coisas que contribuem para o processo de
recuperação, você pode estar movendo-se inconscientemente em direção à
recaída. Se você estiver parado na recuperação parcial, você está com um
alto risco de recaída.
Recuperação da doença da adicção começa com a aceitação do fato
de que você não pode usar álcool ou drogas alteradoras de humor com
segurança. Mas só saber que adictivos químicos são danosos não é o
bastante: você precisa parar de usá-los. Não usar adictivos químicos é
abstinência, e isso permite que o processo de recuperação comece. É o
meio para um fim - o meio de viver normalmente. Aprender e viver
normalmente sem uso de adictivos requer mais que abstinência.
É necessário corrigir os danos físicos, psicológicos e sociais a saúde,
causados pela adicção. Também é necessário aprender a viver uma vida
saudável e produtiva sem a necessidade de álcool ou outras drogas, ou
mesmo de um comportamento adictivo. A pessoa adicta deve aprender a
enfrentar a vida de uma maneira não adictiva.
Recaída e recuperação estão intimamente relacionadas. Você não
pode experimentar recuperação de adicção sem experimentar uma tendência
à recaída. Tendência à recaída é uma parte normal e natural do processo de
recuperação. Não tem porque se envergonhar. Precisam tratar delas
abertamente e honestamente, pois senão se tornarão mais fortes.
Tendências e recaídas são parecidas com fungos venenosos. Crescem
melhor na escuridão no segredo. A luz do pensamento claro e acurado
tendem a matar as tendências à recaída rapidamente.
Quando os sintomas de adicção baseados na sobriedade tornam-se
severos demais, a pessoa fica disfuncional embora não beba ou não use. No
AA. estes episódios de disfunção são conhecidos como “bebedeira seca”.
Neste livro chamamos isto de síndrome da recaída. Quando os sintomas da
síndrome da recaída tornam a vida dolorosa demais, muitos alcoólicos
preferem beber e usar drogas, para conseguir um alívio temporário da dor.
Outros não bebem, mas desenvolvem sérios problemas de vida e de saúde
relacionados à síndrome de recaída.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
12
É possível interromper a síndrome da recaída antes que ocorram
conseqüências sérias trazendo os sinais de aviso de recaída que você está
experimentando conscientemente.
Este é o plano de prevenção de recaída. Na parte final deste livro
vamos explicar o plano de prevenção de recaída. Existe também um manual
de trabalho disponível para guiar pelo processo e planejar a prevenção de
recaída e ajudar a desenvolver um plano de prevenção de recaída a sua
maneira.
CAPÍTULO II
DOENÇA DA ADICÇÃO
Para entender a recaída, é preciso entender a doença da adicção. As
pessoas muitas vezes não conseguem se recuperar porque não entendem
sua adicção, ou não conseguem fazer aquelas coisas que podem ajudá-las a
evitar a recaída. Informação errada sobre a natureza da adicção é
responsável por muitos tratamentos impróprios e incompletos que levam à
recaída.
ADICTIVOS QUÍMICOS
Drogas alteradoras de humor são agentes químicos que produzem
mudanças na função do cérebro por alterar a química do cérebro. Uma vez
que a função do cérebro for alterada, a pessoa experimenta mudanças
físicas, psicológicas e comportamentais como resultado direto.
Estas mudanças no funcionamento físico e psicológico, como também
no comportamento, causam mudanças no relacionamento social. Todas as
drogas alteradoras do humor têm o potencial de alterar o pensamento,
danificar a mente e o corpo e afetar os comportamentos e relacionamentos.
SE ELAS SÃO USADAS ADICTIVAMENTE OU NÃO. As extensões destas
conseqüências dependem da droga usada, da pessoa que utiliza e em
alguns casos, das circunstâncias em que é utilizada.
As principais drogas adictivas podem ser classificadas em quatro
grupos: depressoras, estimulantes, analgésicas e alucinogênicas. As drogas
mais comuns encontradas, pertencentes a estas categorias, estão listadas
abaixo:
1- DEPRESSORAS:
a) Álcool;
b) Pílulas para dormir (barbitúricos e similares que agem como sedativos
hipnóticos);
c) Tranqüilizantes (Librium, Valium, etc).
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
13
2- ESTIMULANTES:
a) Anfetaminas;
b) Cocaína;
c) Nicotina (tabaco);
d) Cafeína.
3- ANALGÉSICOS
a) Narcóticos;
b) Derivados de narcóticos.
4- ALUCINOGÊNICAS:
a) Alucinogênicos;
b) Penciclidina (PCP);
c) Cannabis (Maconha, haxixe, etc.).
Aparte:
5- Comportamentais (que anestesiam, estimulam, deprimem)
a) Práticas de isolamento a anorexia
b) Sexo compulsivo
c) Fantasias de todos os tipos
d) Sedução, troca de olhares e Luxúria Romântica
e) Comer compulsivo
f) Gastar Compulsivo
g) Jogar
h) Acesso a Internet compulsiva
A DOENÇA DA ADICÇÃO
“Adicção” é uma condição na qual uma pessoa desenvolve bio-psico-
social dependência com qualquer droga alteradora de humor. Uma adicção
leva uma pessoa a usar droga para conseguir uma gratificação a curto prazo.
Mas existe um preço a ser pago. Em longo prazo, a adicção é acompanhada
por obsessão, compulsão e perda de controle. Quando não está usando, a
pessoa que sofre de adicção está pensando, planejando ou procurando usar
novamente (isto é a obsessão). O uso interfere com a maneira de viver, mas
existe uma compulsão ou necessidade avassaladora para usar novamente,
apesar das conseqüências dolorosas em longo prazo. A pessoa adicta usa a
droga para aliviar a dor criada pelo seu uso. Assim o contínuo uso do
químico leva ao contínuo uso do químico = isto é adicção.
Contínuo uso de adictivos químicos leva ao uso
continuado de adictivos químicos.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
14
Adicção distingue-se de uso de droga pela falta de liberdade de
escolha. Usar uma substância alteradora de humor é uma escolha. Adicção é
uma condição que tira da pessoa a escolha, data e freqüência, quantidade e
natureza do uso. Toda adicção começa com o uso, mas nem todo uso leva à
adicção.
Adicção é uma doença física. Ela é classificada propriamente como o
câncer, a doença do coração, o diabete, sendo uma doença crônica que em
longo prazo produz danos físicos, psicológicos, sociais. Como as vítimas
destas outras doenças, os alcoólicos têm condições físicas que os tornam
suscetíveis ao desenvolvimento da doença.
Embora o alcoolismo, hoje em dia, é amplamente aceito como doença,
até pouco tempo atrás era considerado um problema psicológico ou moral. O
trabalho do Dr. Jelinck nos anos 50 e 60 levou à aceitação do alcoolismo
como uma doença pela Associação Médica Americana (AMA), Sociedade
Médica Americana sobre Alcoolismo (AMSA), Conselho Nacional de
Alcoolismo (CNA), Associação Psiquiátrica Americana (APA) e Academia
Americana de Prática Familiar. Também é considerada como doença pela
Associação Psicológica Americana, Associação de Saúde Pública Americana
e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).
Embora entre estes aceitem o alcoolismo como uma doença, existe
uma crença comum de que sua causa primária é psicológica. Dr. James
Milan deu uma importante contribuição ao reconhecer o alcoolismo como
doença física primária. O Dr. Milan declara com ênfase que fatores
psicológicos e sociais não representam um papel importante em alcoolismo
como em qualquer doença crônica. Ele desafia a noção de que o alcoolismo
é causado por susceptibilidade psicológica e apresenta o ponto de vista de
que o corpo da pessoa que torna-se adicto ao álcool não reage ao álcool da
mesma maneira ao de uma pessoa não adicta. Pesquisas atuais reforçam
fortemente esta posição. A pesquisa de Charles Leiber, Marc Schuckit e
outros indicam que algumas pessoas nascem com o corpo mais suscetível à
adicção que outras.
Adicção como uma doença física primária, é afetada e afeta todos os
aspectos de vida da pessoa.
Por esta razão chamamos a doença adictiva de uma doença bio-psico-
social. “Bio” significa biológico ou do corpo. “Psico” significa psicológico ou
da mente. “Social” refere-se ao relacionamento entre as pessoas.
A doença adictiva é bio-psico-social.
O estudo da química do cérebro que afeta a transmissão de mensagem
pelas células nervosas está levando a um avanço no entendimento da
adicção. Muitas respostas que estão sendo descobertas estão também
levantando novas questões. O processo inteiro da ação química do cérebro é
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
15
muito complexo, mas está claro que a química do cérebro numa pessoa
adicta é diferente de uma pessoa não-adicta.
Muito está sendo aprendido no estudo do metabolismo do fígado
mostrando que muitas pessoas com uma estória de alcoolismo na família
metaboliza o álcool (quebram e o eliminam do corpo) de maneira diferente
mesmo antes que haja qualquer indicação de um problema de bebida.
Estes estudos reforçam uma base hereditária e genética para a
adicção. Pessoas com uma predisposição genética para o alcoolismo não
estão pré-destinados a desenvolver a doença, mas têm um risco muito
grande pela maneira como seus corpos reagem ao álcool.
Uma pessoa precisa usar álcool ou drogas para tornar-se adicta.
A predisposição genética influenciará quanto álcool e droga e que
período de tempo será necessário para deflagrar a adicção, pessoas
diferentes têm níveis diferentes de suscetibilidade genética ou herdada para
a adicção. Em algumas pessoas uma pequena quantidade de álcool ou uso
de drogas num curto período de tempo pode deflagrar a adicção. Outras
pessoas podem usar álcool, drogas pesadas por muito tempo para que se
desenvolva a doença adictiva.
Jack começou a usar álcool com 19 anos. Na primeira vez que usou
álcool ele bebeu mais que pretendia, ficando bêbado e teve problemas com o
uso da bebida. Jack nunca teve um dia de bebida normal. Com 26 anos, 7
anos após sua primeira bebida, Jack estava num hospital, seriamente doente
por seu alcoolismo. Mais tarde no AA., Jack se descrevia como um “alcoólico
instantâneo”.
Bill, de outra maneira, também começou a beber com 19 anos. Quase
ficou bêbado. Seus primeiros problemas com o álcool começaram a aparecer
na idade de 34 anos. O álcool não lhe causou problemas sérios até que
completasse 46 anos. Bill teve 15 anos bebendo normalmente antes que seu
alcoolismo se tornasse aparente.
As pessoas começam a usar álcool ou drogas por razões psico-sociais.
Bebem porque se sentem bem (uma razão psicológica), porque os outros
bebem, porque ajuda-os a fazer parte de seu grupo, ou porque são
pressionados (razões sociais).
As pessoas se tornam adictas por razões físicas. Desenvolvem
tolerância; precisam usar mais droga para conseguir o mesmo efeito. As
células do corpo adaptam-se a altos níveis de droga e começam a funcionar
normalmente quando ela está presente e isto leva à dependência. O corpo
começa a precisar de droga: a falta da droga resultará em comoção física
causando desconforto e doença.
Quanto mais as pessoas usam químicos para se sentir bem, menos
elas aprendem a usar maneiras eficazes para experimentar e enfrentar
sentimentos, situações e pessoas. Eles não aprendem ou esquecem de usar
outros métodos para resolver problemas. Sua dependência torna-se tão
psico-social quanto física. Todas as áreas de sua vida são afetadas.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
16
SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA
A dor que aparece quando uma pessoa adicta pára de usar drogas ou
álcool é chamada de síndrome da abstinência.
Parte da dor de abstinência é criada pelos danos físicos e pela
necessidade física da substância adictiva. Parte da dor é causada pela
reação psicológica por perder o principal método de lidar com a vida - o uso
de drogas adictivas. Parte da dor é social, causada pela separação de uma
maneira de viver centrada na adicção.
A síndrome de abstinência física se desenvolve em duas fases. A
primeira é chamada abstinência aguda e dura de três a dez dias. Durante
algum tempo as pessoas acreditavam que a dor da abstinência passava
após vários dias. Pesquisas recentes, porém, mostram que a síndrome de
abstinência é de longo prazo e pode durar meses ou anos na sobriedade.
Esta síndrome de abstinência em longo prazo, chamada de síndrome de
abstinência demorada (SAD) será discutida em detalhes num capítulo
posterior.
PROGRESSÃO
Um alcoólico desenvolverá uma série de sintomas previsíveis,
baseados em álcool e drogas.
Estes sintomas progridem por três estágios:
No primeiro estágio é muito difícil distinguir o uso adictivo ou não
adictivo porque existem poucos sintomas visíveis. O corpo, porém, está
mudando e se adaptando a ingestão regular da droga. O sintoma principal do
primeiro estágio da adicção é um aumento da tolerância. Isto significa que as
pessoas que estão se tornando adictos podem geralmente usar cada vez
mais quantidade sem ficar intoxicadas e sem sofrer conseqüências danosas.
PROGRESSÃO DA DOENÇA ADICTIVA
1- Estágio Inicial - crescente tolerância e dependência.
2- Estágio Médio - progressiva perda de controle.
3- Estágio Crônico - deterioração da saúde bio-psico-social.
Para estas pessoas é difícil reconhecer que são adictas, pois podem
“controlar a bebida” (ou maconha, Valium). O primeiro sinal de aviso então,
realmente se opõe ao diagnóstico precoce porque ele esconde o problema.
Enquanto muitas doenças criam prejuízos imediatos no funcionamento, esta
doença inicialmente aparece como um benefício, dando a pessoa afetada um
sentimento eufórico com o uso da droga, sem pagar nenhuma penalidade.
Porém a dependência física e psicológica, embora oculta, está
aumentando, pois não há mais apenas um desejo de usar, mas uma
necessidade de usar. Todas as células do fígado e do sistema nervoso
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
17
mudam para tolerar maiores quantidades do químico, pois quantidades
maiores são necessárias para conseguir o mesmo efeito. Quantidades
aumentadas prejudicam o fígado, alteram a química do cérebro e logo a
tolerância começa a cair.
Bill ficou surpreso quando finalmente entrou em tratamento. “Eu não
acreditava em quão seriamente doente estava”, disse Bill. “O problema caiu
sobre mim num tempo curto. As mudanças foram lentas e nunca percebi
como minha maneira de beber se tornava destrutiva”.
O estágio médio da adicção, então, é marcado por uma progressiva
perda de controle quando a pessoa não consegue mais usar as mesmas
quantidades sem ficar intoxicado ou criar problemas. Não usar começa a
criar dor. A droga é usada para aliviar a dor de não usar. A pessoa adicta é
incapaz de funcionar normalmente sem a droga. Família e amigos começam
a notar o problema: trabalho, saúde, casamento, problemas legais.
Eles são capazes de acreditar, porém, que a pessoa está se
comportando irresponsavelmente. Não têm consciência de que o adicto não
escolheu o problema de comportamento. Ele é parte da doença. A pessoa
não pode, pela força de vontade, escolher beber ou usar responsavelmente.
A única alternativa para os problemas continuados e o processo de
progressão da doença é tratamento e abstinência total.
O estágio crônico da adicção é marcado pela deterioração física,
psicológica, de comportamento social e espiritual. Todos os sintomas do
corpo podem ser afetados neste estágio. O cérebro, o fígado, o coração e
muitas vezes o sistema digestivo estão afetados. Mudanças de humor são
comuns quando a pessoa usa drogas para se sentir melhor, mas é incapaz
de manter os bons sentimentos. Quando a vida fica cada vez mais centrada
na droga, há cada vez menos controle sobre o comportamento. Atividades
que interferem com a bebida ou o uso são abandonadas. Estar pronto para
usar, usando e se recuperando do uso tornam-se atividades da vida do
adicto. Ele faz coisas quando bebe que não faria sóbrio. Quando sóbrios,
eles estruturam suas vidas para proteger seu uso. Quebram promessas,
esquecem compromissos, mentem - tudo para poder usar. Isolamento é
comum. Amigos e conhecidos se afastam porque o comportamento torna-se
embaraçante ou ofensivo. A vida é consumida pela necessidade de usar. O
comportamento e procura de drogas torna-se a maneira de viver.
FASES DA NEGAÇÃO
1- Estágio Inicial - poucos problemas observáveis.
2- Estágio Médio - problemas não ligados com o uso adictivo.
3- Estágio Crônico - muito doente para pensar racionalmente.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
18
PENSAMENTO FALSO
Adicção é uma doença crônica. Chega gradualmente e permite aos
adictos ajustarem-se à doença para que, por um tempo, sejam capazes de
continuar funcionando, embora doentes. Por não estarem conscientes que
estão compensando-se e adaptando-se a sua doença, são capazes de negar
que estão doentes por muito tempo.
A negação da doença aumenta devido a danos neurológicos que
distorcem a realidade pelos apagamentos que criam espaços vazios na
memória, e pelo efeito de intoxicação na percepção e memória. Negação da
doença é parte da doença.
O Adicto é capaz de negar a existência de adicção porque no estágio
inicial não existem problemas físicos ou de comportamento; no estágio médio
os problemas não estão associados ao uso; e no estágio crônico o
pensamento é prejudicado e o julgamento distorcido. A negação bloqueia a
motivação para a recuperação, marcando a dolorosa realidade de uma vida
presa num ciclo de dor, negação e uso de álcool/drogas das quais parece
que não há saída.
O CICLO DE ADICÇÃO
O que descrevemos é um ciclo de adicção que leva o adicto a uma
armadilha mortal. Vamos dar uma olhada mais próxima neste ciclo e o que
acontece a você se ficar preso nele.
CICLO DE ADICÇÃO
1- Gratificação a curto prazo;
2- Dor a longo prazo;
3- Pensamento adictivo;
4- Aumento da tolerância;
5- Perda de controle;
6- Danos bio-psico-social.
1- GRATIFICAÇÃO A CURTO PRAZO: Primeiro há uma gratificação a
curto prazo. Sente-se bem agora, há um forte ganho a curto prazo, que leva
você a assumir que a droga ou comportamento é bom.
2- DOR A LONGO PRAZO: A gratificação a curto prazo é seguida por
dor a longo prazo. Esta dor, parte da qual é devida à abstinência física, e
parte por dificuldade de funcionar psico-socialmente sem drogas, é
conseqüência direta do uso de drogas adictivas.
3- PENSAMENTO ADICTIVO: A dor a longo prazo e a disfunção
deflagram o pensamento adictivo. O pensamento adictivo começa com a
obsessão e compulsão. Obsessão é um pensamento contínuo sobre os
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
19
efeitos positivos do uso do álcool e das drogas. Compulsão é um impulso
emocional ou necessidade de usar a droga para conseguir o efeito positivo
embora saiba que vai murchar ao longo da caminhada. Isto leva a negação e
a racionalização para permitir o uso continuado. Negação é a incapacidade
de reconhecer que há um problema. Racionalização é atacar outras
situações e pessoas, por problemas em vez do uso da droga.
4- AUMENTO DA TOLERÂNCIA: Sem sentir o que está acontecendo,
necessita-se cada vez de mais droga para produzir o mesmo efeito.
5- PERDA DE CONTROLE: A obsessão e a compulsão tornam-se tão
urgentes que não se pode pensar em mais nada. Sentimentos e emoções
ficam distorcidos pela compulsão. Fica-se enterrado, desconfortável até que
o impulso para usar é tão forte que não se consegue resistir. Uma vez usado
o adictivo químico ou os comportamentos adictivos novamente, o ciclo
começa outra vez.
6- DANOS BIO-PSICO-SOCIAIS: Eventualmente haverá danos para a
saúde de seu corpo (saúde física), mente (saúde psicológica) e relações com
outras pessoas (saúde social). Como a dor e o stress ficam piores, a
compulsão para usar drogas ou comportamentos adictivos para conseguir
alívio da dor aumentam. Desenvolve-se uma armadilha mortal. Precisa-se
usar adictivos para sentir-se bem. Quando se usa adictivamente, prejudica-
se fisicamente, psicologicamente e socialmente. Este dano aumenta a dor
que aumenta a necessidade de uso de adictivos. Torna-se um ciclo vicioso, o
uso leva a culpa e que leva ao uso novamente.
RECUPERAÇÃO
Abstinência total é necessária para se recuperar de uma a adicção.
Promessas para diminuir são promessas que não podem ser mantidas.
Qualquer uso manterá a adicção ativa. Abstinência é o primeiro passo
necessário à recuperação.
Susana rebelou-se com a necessidade de abstinência total. “Pensei
que poderia controlar meu uso”, ela disse contando sua história. Ela lutou
com o controle por cinco anos antes de aceitar a necessidade de abstinência
total. “Trabalhei duro para controlar meu uso de álcool e drogas mais do que
qualquer coisa que minha vida inteira, e mesmo com todo esse trabalho
falhei periodicamente e entrei em confusão. Finalmente perguntei a mim
mesma por que o controle é tão importante? A resposta foi simples: - Porque
sou dependente química e devo proteger meu direito de uso a qualquer
custo”.
Somente abstinência, porém não é recuperação. Em muitos casos a
escolha de parar de usar não é suficiente para se conseguir uma sobriedade
duradoura e recuperação a não ser que a decisão seja acompanhada de
tratamento de algum tipo. Muitos, bem intencionados fizeram tentativas
honestas para parar de usar, mas, sem ajuda externa, não tiveram sucesso.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
20
O primeiro passo no tratamento é desintoxicação, removendo a
substância tóxica do corpo. Sintomas de síndrome de abstinência aguda que
aparecem quando o químico é removido podem ser muito sérios. Síndrome
de abstinência é um problema médico e deve ser tratado por um médico. Um
método comum de desintoxicação é administrar uma droga substituta e
diminuir a dose gradualmente enquanto existem sintomas da retirada.
Deveria ser visto que a pessoa não está totalmente desintoxicada até que a
droga substituta seja removida e a pessoa fique livre de drogas.
A desintoxicação sozinha não é um tratamento
adequado para a doença da adicção.
Desintoxicação sozinha não é um tratamento adequado. Para manter a
abstinência, se requer muito mais. A adicção afeta todos os aspectos da vida
da pessoa. Por isso essa doença requer um tratamento holístico. A
recuperação requer mudanças duradouras físicas, psicológicas, de
comportamento, sociais e espirituais. A educação é um aspecto importante
do tratamento. Devido à recuperação de uma adicção requerer auto
administração, é necessário para os pacientes adictos aprender o mais
possível sobre sua doença e como manejá-la.
Aconselhamento individual e em grupo - em um hospital com um
programa de internação ou ambulatorial ou um local residual sem ser um
hospital, são componentes vitais do tratamento. A intenção do
aconselhamento é facilitar o desenvolvimento de habilidades que irão apoiar
uma sobriedade crescente e uma recuperação duradoura. Pesquisar as
causas de uma adicção (como problemas emocionais ou familiares)
geralmente não é produtivo. O tratamento que reconhece a adicção como
condição primária em vez de ser o sintoma de outra coisa, tem sido
considerada mais eficiente.
Alcoólicos Anônimos é o mais simples tratamento de alcoolismo efetivo.
Mais pessoas se recuperam do alcoolismo usando o programa de AA. do
que se recuperam de qualquer outra maneira de tratamento. Por esta razão é
que o AA. precisa ser uma parte vital de qualquer plano de sobriedade de um
alcoólico. Existem grupos de auto-ajuda para outras adicções, como o
Narcóticos Anônimos para usuários de drogas, o Coda, para pessoas ligadas
ao adicto, o Dasa, para pessoas com adicção em sexo, relacionamentos ou
falta deles, os Neuróticos Anônimos que trata a neurose e o pensar
compulsivo. No início da recuperação, porém, muitas pessoas requerem uma
ajuda mais extensiva ou mais especializada que um grupo de auto-ajuda
pode dar. Quando a pessoa está doente fisicamente, precisa de cuidados
médicos. Algumas pessoas precisam ficar num ambiente protegido para
manter a abstinência o tempo suficiente para que a recuperação comece.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
21
Os tratamentos de mais sucesso combinam os princípios
dos doze passos do AA. com aconselhamento profissional e terapia.
Muitas vezes também existe no curso da recuperação pessoas que
enfrentarão problemas específicos.
Isto pode incluir dificuldades financeiras, problemas conjugais,
desordens emocionais ou psicológicas, ou problemas de comportamento que
não são um resultado direto da adicção.
Embora isto possa melhorar com um programa de auto-ajuda somente,
tem sido demonstrado que o aconselhamento profissional e terapia podem
dar assistência e resolver estes assuntos mais rapidamente e eficazmente.
As formas de tratamento de mais sucesso combinam grupo de auto-ajuda
com tratamento profissional. Administração dos sintomas da Síndrome de
Abstinência Demorada são essenciais para se manter a sobriedade.
Administrar inclui entender e aceitar estes sintomas que interferem com a
habilidade de se lembrar, pensar claramente e administrar sentimentos e
emoções. Também inclui vencer a vergonha, culpa e o medo de ficar louco
que está muitas vezes ligado a estes sintomas. Inclui reduzir e administrar o
stress, retreinamento da memória e uma vida equilibrada. Sobriedade é
essencial para uma boa saúde e uma boa saúde é essencial para a
sobriedade. A primeira regra de boa saúde física para a pessoa em
recuperação inclui a abstinência de todas as drogas que alteram o humor.
Isto inclui drogas prescritas e auto-medicação, a não ser que seja
absolutamente necessária para lidar com algum outro problema sério de
saúde. Então elas podem ser cuidadosamente monitoradas sob os cuidados
de um médico e um consultor em adicção.
Boa nutrição é vital para a recuperação. Má nutrição e álcool ou drogas
prejudicam o corpo e deve ser reconstruído por uma dieta balanceada.
Porque as pessoas em recuperação são sensíveis ao stress, substâncias
que causam stress como doces concentrados, cafeína e nicotina deveriam
ser evitados. O exercício é importante e ajuda a reconstruir e manter o corpo.
Exercícios são especialmente benéficos em reduzir e lidar com o stress.
Tempo de relaxamento deve ser colocado na vida de cada pessoa em
recuperação.
Exercícios de relaxamento reequilibram o corpo e reduzem a produção
de hormônios de stress. Alegria e jogos também relaxam e contribuem para
a calma e bem estar. Recuperação requer a resolução dos problemas de
família, trabalho e sociais que foram criados por uma adicção ativa. Também
envolve o desenvolvimento de novas e mais significantes redes sociais. Os
membros da família devem fazer parte do programa. Eles, como o usuário,
ficaram disfuncionais pelo uso da droga. Papeis, regras e rituais da família
devem ser redefinidos e reestruturados. Habilidades de comunicação devem
ser aprendidas ou reaprendidas na sobriedade. Toda a família precisa se
recuperar junto. É difícil se recuperar de uma adicção sem o que é referido
no A.A como um “programa espiritual”.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
22
Os princípios de A.A ensinam que os alcoólicos são impotentes perante
sua condição e não podem controlar suas vidas até que aceitem a ajuda de
um poder superior a eles mesmos. Uma vida que inclua viver saudável,
relacionamentos melhorados, propostas de valores fora de si mesmo e
crescimento espiritual apóiam saúde e sobriedade duradoura.
Reorientar a vida em torno de valores que não são centrados em
drogas é uma parte essencial da recuperação.
Um estilo de vida que leva a usar não é o que leva à sobriedade.
CAPÍTULO III
SÍNDROME DA ABSTINÊNCIA DEMORADA
Quando a maioria das pessoas pensam sobre alcoolismo, pensam
somente nos sintomas baseados no álcool e esquecem dos sintomas
baseados na sobriedade.
Ainda são os sintomas baseados na sobriedade, especialmente da
abstinência demorada, que tornam a sobriedade tão difícil. A presença de
disfunção no cérebro foi documentada em 75-95% dos alcoólicos testados.
Pesquisa recente mostra que os sintomas de abstinência demorada
associados com danos relacionados com álcool e drogas no cérebro podem
contribuir em muitos casos de recaída.
Abstinência demorada sintomas que ocorrem após abstinência aguda.
Síndrome significa um grupo de sintomas.
Síndrome: Um grupo de sintomas.
Abstinência demorada: Sintomas que ocorrem após a abstinência aguda.
Abstinência demorada é um grupo de sintomas da doença adictiva que
ocorre como um resultado da abstinência de adictivos químicos. No
alcoólico, estes sintomas aparecem entre sete e quatorze dias de
abstinência, após a estabilização da abstinência aguda. É uma síndrome bio-
psico-social. Resulta da combinação dos danos causados ao sistema
nervoso pelo álcool ou drogas e o stress psico-social de lidar com a vida sem
drogas ou álcool.
Recuperação causa muito stress, muitos adictos nunca aprendem a
lidar com o stress sem álcool e uso de drogas. O stress agrava a disfunção
cerebral e torna os sintomas piores. A severidade da SAD depende de duas
coisas: a severidade da disfunção cerebral causada pela adicção e a
quantidade de stress psico-social experimentado na recuperação.
Os sintomas da SAD geralmente atingem uma intimidade de pico de
três a seis meses após o início da abstinência. O dano geralmente é
reversível, significando que os sintomas principais vão embora na hora, se
um tratamento próprio for feito; assim não precisa ter medo. Com o
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
23
tratamento correto e uma vida sóbrio efetiva, é possível aprender a viver
normalmente apesar dos danos. Mas o ajustamento não ocorre rapidamente.
A recuperação dos danos no sistema nervoso requer normalmente de seis a
vinte e quatro meses, com a ajuda de um saudável programa de
recuperação.
SINTOMAS DA ABSTINÊNCIA DEMORADA (SAD)
Como saber se você tem SAD? A característica que identifica melhor é
a falta de capacidade para resolver problemas, geralmente simples. Existem
seis tipos de sintomas de SAD que contribuem para isso. São eles:
• a incapacidade de pensar com clareza;
• reações emocionais exageradas;
• problemas de memória;
• distúrbios do sono;
• problemas de coordenação física;
• problemas para lidar com o stress.
1- Incapacidade de pensar com clareza.
Existem várias desordens de pensamento experimentadas por pessoas
quando a SAD é ativada. A inteligência não é afetada. É como se o cérebro
não funcionasse bem, às vezes. Às vezes funciona tudo bem, às vezes não.
Um dos sintomas mais comuns é a incapacidade de se concentrar por mais
que alguns minutos. Danos no raciocínio abstrato é outro sintoma comum de
SAD. Uma abstração é uma idéia ou conceito que não é concreto. Algo que
você não pode pegar com as mãos, colocar num quadro ou colocar numa
caixa. Concentração é muito importante quando conceitos abstratos estão
envolvidos. Outro sintoma comum é o pensamento rígido e repetitivo. Os
mesmos pensamentos dão voltas e mais voltas na tua cabeça e você não é
capaz de brecar esse pensamento circular, para colocar os pensamentos de
uma maneira ordenada.
2- Problemas de memória.
Problemas de memória imediatos são muito comuns na pessoa em
recuperação. Você pode ou vir alguma coisa e entender, mas dentro de vinte
minutos você já a esqueceu. Alguém dará uma instrução e você sabe
exatamente o que fazer. Logo depois esta memória fica nublada ou
desaparece completamente. Algumas vezes, em períodos de stress pode ser
difícil lembrar-se de eventos significativos do passado. Estas memórias não
se apagaram. A pessoa pode ser capaz de lembrá-la facilmente em outras
horas. Percebe que sabe, mas não pode lembrar na hora do stress.
Para uma alcoólica chamada Jane isto criou um problema no AA. - “Eu
tinha problema em apresentar minha estória no AA.” - ela disse. “Tinha
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
24
problemas para lembrar-se de coisas que aconteceram antes dos meus dias
de bebida, ficando somente as coisas que aconteceram enquanto bebia.
Colocar minha vida numa estória é difícil para mim. Não me lembro dela
toda. Lembro que algumas coisas aconteceram, mas fico confusa sobre
quando ocorreram. As vezes posso lembrar algo quando estou sozinha e
sem pressão, porém não posso lembrar-me sobre a pressão que sinto
quando falo nas reuniões”.
Devido ao problema de memória na recuperação, poderá ser difícil
aprender novas habilidades e informações. Você aprende habilidades
adquirindo conhecimento e construindo sobre o que você já aprendeu.
3- Reação emocional exagerada ou insensibilidade.
Pessoas com problemas emocionais na sobriedade tendem a reagir
com exagero. Quando acontecem coisas que requerem duas unidades de
reação emocional, elas reagem com dez. Você pode ficar nervoso com
alguma coisa que mais tarde pode parecer um assunto trivial. Você pode
ficar mais ansioso ou excitado do que você tinha motivo de ficar. Quando
essa reação exagerada coloca mais stress no sistema nervoso do que você
pode manejar, há um desligamento emocional. Se isso acontece, você fica
insensível emocionalmente, incapaz de sentir qualquer coisa, mesmo
sabendo que deveria sentir algo, você não sente nada. Você pode variar um
humor para outro sem saber por quê.
4- Problemas de sono.
Muitas pessoas em recuperação experimentam problemas com sono.
Alguns são temporários, outros são para sempre. O mais comum no início da
recuperação são sonhos incomuns ou perturbadores. Estes sonhos podem
interferir para que você consiga o sono que você precisa. Mas eles ficam
menos freqüentes e menos severos quando aumenta a duração da
abstinência.
Existe um relacionamento direto entre stress elevado e a severidade da
SAD. Um intensifica o outro. A intensidade da SAD cria stress, o stress
agrava a SAD e a torna mais severa. Quando o stress abaixa, os sintomas
melhoram e podem até ir embora. Quando se está descansado e relaxado,
comendo corretamente, e estando bem com as pessoas, ficará bem. Os
pensamentos serão claros, as emoções apropriadas e a memória boa. Nas
horas de stress alto, porém, o cérebro pode desligar subitamente. Começa-
se a ter problemas com os pensamentos, emoções impróprias e problemas
de memória. Se os pensamentos ficam confusos ou caóticos ou se é incapaz
de se concentrar. Se existe dificuldade para lembrar ou resolver problemas
você, pode-se sentir que vai se ficar louco. Você não é. Estes sintomas são
uma parte normal da recuperação e são reversíveis com a abstinência e um
programa de recuperação. Se a pessoa não entender isto, você pode ficar
com vergonha e culpa, que diminuirá a auto estima e levará ao isolamento
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
25
que cria stress e aumenta a SAD. É um ciclo de dor que é desnecessário se
for possível entender o que está acontecendo. Quando o corpo e a mente
melhoram, aprende-se maneiras de reduzir o risco dos sintomas da SAD,
uma vida produtiva e significativa é possível, apesar da possibilidade dos
sintomas recorrentes.
A recuperação dos danos causados pela adicção exige abstinência. O
próprio dano interfere com a habilidade de manter a abstenção. Este é o
paradoxo da recuperação. O álcool pode reverter temporariamente estes
sintomas de dano. Se o alcoólico beber, por pouco tempo, ele começará a
pensar claramente, terá sentimentos normais e emoções e se sentirá
saudável. Infelizmente, a doença levará a uma perda de controle que
destruirá de novo estas funções. Por isso é necessário reduzir os sintomas
da SAD. É necessário entender-se a SAD para perceber que não se é
incompetente e se está ficando louco. Como os sintomas da síndrome da
abstinência demorada são sensíveis ao stress, você precisa aprender sobre
SAD e os métodos de controle quando os níveis de stress estão baixos, para
ser capaz de prevenir os sintomas ou manejá-los quando ocorrerem.
Aqui estão algumas estórias sobre pessoas que experimentaram a
síndrome de abstinência demorada e como isto afetou suas vidas sem eles
perceberem o que estava acontecendo a eles.
Ray é um jovem solteiro, alcoólico em recuperação. Parou de beber
quando tinha 22 anos. Estava muito entusiasmado do que viria com sua
sobriedade. Após seu tratamento inicial ele começou a reestruturar sua vida
em torno da recuperação. Estava ansioso para recuperar o tempo que tinha
perdido durante seus anos de bebida. Conseguiu um emprego de tempo
integral, se inscreveu na faculdade e se prontificou a fazer trabalho
voluntário. Após algum tempo percebeu que estava tendo problemas com
seus trabalhos escolares. Sentia-se confuso sobre coisas que antes tinham
sido fáceis para ele seguir e representar. Estava tendo problemas de cuidar
de suas responsabilidades financeiras, quando as pessoas que se
preocupavam com ele tentavam ajudá-lo, sentiu pânico e foi vencido pela
emoção. Os pensamentos corriam em sua cabeça e ele não conseguia
colocá-los em ordem. Ele disse: “Quando alguém do escritório de ajuda
financeira na faculdade começava a falar para mim sobre compartilhar
dinheiro, emprestar dinheiro, formulários que precisavam ser preenchidos, eu
ficava confuso e nervoso que não podia ouvir o que ele dizia. Rodava tudo
na minha cabeça e precisei ir embora. Levantei e sai sem preencher o
formulário de ajuda financeira”. Em desespero e com medo de beber Ray
fugiu. Em vez de avaliar que coisas na sua vida ele precisava mudar e o que
devia manter, abandonou tudo. Abandonou seu emprego, saiu da escola e
parou de fazer o trabalho voluntário. Abandonou seu apartamento e se
mudou para a casa de um parente até que pudesse “juntar os seus
pedaços”. Isto criou problemas adicionais com os quais teve grandes
dificuldades para lidar. Procurou então um consultor com quem aprendeu
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
26
algumas maneiras de lidar com seus sintomas. Ray pensava que estava
tendo um colapso nervoso quando o que estava experimentando era SAD.
Telma conseguiu um novo emprego, isso após o início de sua
recuperação. Estava confiante na sua habilidade de aprender o trabalho e
corresponder em suas novas responsabilidades. Ela não tinha qualquer
problema para entender o que devia fazer, quando lhe explicaram. Logo
depois quando tentou fazer certas tarefas sozinha não conseguia se lembrar
de como fazê-las. Tinha vergonha de pedir ajuda porque achava que era
capaz de fazer estas tarefas simples sem ajuda. Freqüentemente errava
quando tentava fazê-las sozinha. Começou a se sentir muito ansiosa e
conforme seu stress aumentava seus problemas também aumentavam. Além
disso, começou a ter problemas de se concentrar quando alguém lhe
explicava algo. Ficava confusa e a ansiedade aumentava: “Não podia
imaginar o que estava acontecendo comigo”, ela se lastimava, “sabia que
tinha a habilidade para fazer o trabalho, mas quanto mais duro tentava, pior
ficava”. Estava confusa e perturbada e não sabia como conseguir ajuda,
após vários problemas Telma perdeu o emprego. Não sabia por que isto
tinha acontecido e começou a acreditar que era menos competente.
ESTRUTURA DA SÍNDROME DA ABSTINÊNCIA DEMORADA
Os sintomas da SAD não são os mesmos em todas as pessoas.
Variam na severidade, na ocorrência e na duração. Umas pessoas
experimentam alguns sintomas, outras experimentam outros e algumas não
têm nenhum.
A SAD, por um período de tempo, pode melhorar, pode piorar ficar no
mesmo, ou pode ir e vir.
Se melhora com o tempo a chamamos de regenerativa. Se piora a
chamamos de degenerativa. Se permanece igual a chamamos de estável. Se
ela vem e vai a chamamos de intermitente.
SAD Regenerativa - pode melhorar
SAD Degenerativa - pode piorar
SAD Estável - permanece o mesmo
SAD Intermitente - vai e volta
SAD regenerativa gradualmente melhora com o tempo. Quando mais
tempo está sóbrio os sintomas ficam menos severos.
É mais fácil pessoas com SAD regenerativa recuperarem-se porque o
cérebro rapidamente volta ao normal.
SAD degenerativa é o oposto. Os sintomas pioram com o passar do
tempo de sobriedade. Isto pode acontecer, mesmo que a pessoa esteja
freqüentando o AA. e ou seguindo algum tipo de programa de recuperação.
Pessoas com SAD degenerativa tendem recair. A sobriedade fica tão
dolorosa que eles sentem que devem se auto-medicar da dor com álcool ou
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
27
drogas, entram em colapso físico ou emocional, ou cometem suicídio para
acabar com a dor.
A pessoa com SAD estável experimenta o mesmo nível de sintomas
por um longo período de tempo na sobriedade. Pode haver dias em que os
sintomas estão pouco melhores ou pouco piores, mas normalmente os
sintomas não mudam.
Muitas pessoas em recuperação acham isto muito frustrante porque
acreditam que deveriam se sentir melhor com o tempo de sobriedade. Com o
tempo suficiente de sobriedade muitas pessoas aprendem a lidar com estes
sintomas.
Com a SAD intermitente os sintomas vêm e vão. No começo as
pessoas com sintomas intermitentes parecem experimentar uma estrutura
regenerativa. Em outras palavras, rapidamente seus sintomas começam a
melhorar. Mas então começam a experimentar episódios periódicos de SAD
que são bastante severos. Para algumas pessoas, os episódios diminuem,
ficam menos severos, demoram mais para aparecer e então param todos de
uma vez. Em outros, eles continuam por toda a vida.
Estas estruturas descrevem pessoas que não se trataram de SAD e
não sabem como lidar ou prevenir os sintomas. Tratamento tradicional não
trata estes sintomas, porque até pouco tempo eles não eram reconhecidos.
Se você sabe o que fazer e está disposto a fazer. SAD degenerativo pode
mudar para estável, estável para regenerativo ou intermitente.
A estrutura mais comum de SAD é a regenerativa, que com o tempo
passa para intermitente. Gradualmente melhora até que os sintomas
desapareçam e então vão e vêm. O primeiro é trazer os sintomas de SAD
para remissão.
Isto significa colocá-los sob controle, para que você não os sinta no
momento. Então o objetivo é reduzir as vezes que ocorreram, quanto eles
duram, e quão ruim os sintomas são. Você deve lembrar que mesmo quando
eles não estão acontecendo existe sempre a tendência deles voltarem.
É preciso construir uma resistência contra eles - uma maneira segura
que baixa seu risco.
COMO LIDAR COM OS SINTOMAS DA SAD
Quanto menos atenção for dada ao processo de recuperação, maiores
as possibilidades de se desenvolver a SAD e menores serão as resistências.
Pode-se fazer uma analogia com o tétano. Quanto mais distante a
intervenção após um episódio da infecção, maiores as probabilidades de se
desenvolver a doença.
Condições que colocam em alto risco de experimentar a SAD
geralmente são falta de cuidado pessoal e falta de atenção no teu programa
de recuperação. Se o adicto quer se recuperar sem uma recaída, precisa
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
28
estar consciente dos sintomas de stress na tua vida, pois isto pode aumentar
o risco de experimentar SAD.
Como não pode se sair de todas as situações de stress, é necessário
preparar-se para lidar com elas quando ocorrerem. Não é a situação que
quebra a pessoa em pedaços, é a reação perante a situação.
EDUCAÇÃO E RETREINAMENTO
Aprendendo sobre a doença da adicção, recuperação e síndrome da
abstinência demorada a aliviar a ansiedade, culpa e confusão que levam a
criar o stress que intensifica os sintomas da SAD.
Como uma pessoa em recuperação, você precisa de informação para
perceber que os sintomas são normais durante a recuperação. Você também
precisa aprender habilidades de administração para que saiba o que fazer
para interromper e controlar o stress e os sintomas quando eles ocorrerem.
Pelo re-treinamento você melhora sua habilidade de lembrar, concentrar-se e
pensar claramente. Re-treinamento envolve a prática de certas técnicas num
ambiente seguro onde se constrói confiança. Inclui fazer as coisas passo a
passo e lidar com uma coisa de cada vez para não se sentir sobrecarregado.
Inclui escrever em baixo o que você deseja lembrar e fazer perguntas
quando você precisa classificar alguma coisa.
Aprendendo sobre os sintomas da síndrome de abstinência demorada,
sabendo o que pode acontecer, e não reagindo com exagero aos sintomas,
aumenta a habilidade para funcionar apropriadamente e efetivamente.
COMPORTAMENTO AUTO-PROTETOR
Depois que tudo é falado e feito, você é responsável para se proteger
de qualquer coisa que ameace sua sobriedade ou algo que acione os
sintomas da SAD. Reduzir o stress que resulta e que contribui para os
sintomas da abstinência demorada deveria ser a tua primeira preocupação.
Você deve aprender comportamentos que te protegerão do stress e que
podem ameaçar a sobriedade. Este comportamento auto-protetor é o que te
capacitará a ser firme em aceitar suas próprias necessidades e não permitir
que outras pessoas ou situações leve você a reações que não são o melhor
para tua sobriedade. Para proteger de stress desnecessário, primeiro você
deve identificar o que aciona o stress, aquelas situações que podem levar a
uma reação exagerada. Então aprender a mudar estas situações, evitá-las,
mudar reações, ou aprender a interrompê-las antes de perder o controle.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
29
NUTRIÇÃO
A maneira que você come tem muito a ver com o nível de stress que
você experimenta e tua habilidade para lidar com os sintomas da SAD.
O stress deflagra e intensificam os sintomas da SAD, ela pode ser
controlada, aprendendo a lidar com o stress e desenvolver habilidades em
tomar decisões e resolver problemas para ajudar a reduzir o stress. Dieta
correta, exercícios, hábitos regulares, atitudes positivas, todos representam
partes importantes em controlar a SAD relaxamento pode ser usado como
uma ferramenta para re-treinar o cérebro a funcionar corretamente e reduzir
o stress.
Uma saúde pobre contribui por si mesma para o stress, e uma má
nutrição contribui para uma saúde pobre. Pode-se ficar mal nutrido devido a
maus hábitos alimentares ou devido ao teu corpo prejudicado pelo álcool ou
drogas, sendo incapaz de usar os nutrientes que se consome.
Abstinência do álcool e drogas trará alguma melhoria, mas a
abstinência somente não é suficiente para reconstruir o tecido do corpo
danificado e manter boa saúde.
Novos hábitos alimentares devem ser estabelecidos e praticados
regular e permanentemente. A dieta diária deve ser equilibrada com
vegetais, frutas, carboidratos, proteínas, gorduras e laticínios. Solicitar a um
nutricionista ajuda para descobrir quantas calorias se necessita a cada dia e
que quantidades de cada tipo de alimento é adequado.
DIETA PARA UMA PESSOA EM RECUPERAÇÃO
- Três refeições bem balanceadas diariamente.
- Três nutritivos lanches diariamente.
- Evitar açúcar e cafeína
A fome produz stress. Tente planejar a lista de tuas refeições
assim como omitir refeições e ter periodicamente lanches nutritivos. Não
coma açúcar, bolachas, refrigerantes, batatas fritas, ou outros alimentos com
altas calorias e baixos nutrientes. Especificamente você deve evitar a
produção de stress comendo doces concentrados e cafeína. Estes dois
produtos produzem a mesma espécie de reação química em teu corpo, como
ficar assustado e principalmente excitado. Doces concentrados como açúcar,
geléia, xarope e refrigerantes adocicados te darão uma rápida “subida”,
porém uma hora mais tarde. Se experimentará uma “caída” acompanhada de
nervosismo e irritabilidade. Lembre-se que a razão para você comer um
lanche é combater a fadiga e o nervosismo. Fazer um lanche delicioso evita
você ficar com fome e previne uma compulsão por doces.
Jayne, uma alcoólica em recuperação, tinha o hábito de comer
uma grade quantidade de sorvete toda noite. Falou muitas vezes da
compulsão que lhe dava, e acreditava que por comê-lo estava reduzindo a
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
30
compulsão por álcool. Na manhã seguinte sempre se sentia pesada e
irritada. Durante o dia, seu stress aumentava até ser aliviado por um sorvete.
Quando seu consultor lhe sugeriu tirar o sorvete de sua dieta, sentiu que não
podia continuar sem ele. Quando examinaram sua dieta, descobriram que no
café da manhã ela não comia e durante o dia não se nutria bem. Concordou
então, em tentar uma dieta balanceada a fazer uma tentativa de eliminar o
sorvete. Ela descobriu que com uma dieta balanceada e com refeições
regulares e vários lanches nutrientes durante o dia, sua compulsão por
sorvete desapareceu e então pode eliminá-lo facilmente de sua vida.
Cafeína também causa nervosismo e desconforto. Pode também
interferir na concentração e condições de sono. Perda de sono ou sono
irregular causa irritabilidade, depressão e ansiedade.
ESTABILIZAÇÃO
Se você estiver experimentando sintoma de SAD, é importante
colocá-los sob controle o mais breve possível. Aqui estão algumas sugestões
que podem ajudar a perceber o que está acontecendo e ajudar a interromper
os sintomas antes que fiquem fora de controle.
VERBALIZAÇÃO
Comece a compartilhar com pessoas que não vão acusar, criticar
ou minimizar. É necessário dizer o que se está sentindo. Vai ajudar a ver a
situação mais realisticamente. Ajudará a trazer sintomas internos à
percepção consciente. Isto dará ao adicto o apoio quando necessitar confiar
nos outros.
LIVRE EXPRESSÃO: expressar tanto quanto puder sobre o que
você está pensando e sentindo mesmo se parecer irracional e infundado.
TESTANDO A REALIDADE: pergunte a alguém se o que você
fez tem sentido. Não só o que você diz mas teu comportamento. Tua
percepção do que está acontecendo pode ser muito diferente da realidade.
Problema resolvido e objetivo alcançado. Você está fazendo o quê, sobre o
que está acontecendo?
TRILHANDO PARA TRÁS: pense sobre o que aconteceu. Você
pode identificar como o episódio começou? O que deslizou mais rápido?
Pense nas outras vezes que teve sintomas de SAD. O que os iniciou? Como
terminou? Existem outras opções que poderiam funcionar melhor ou mais
rápido.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
31
EXERCÍCIO
Exercícios ajudam a reconstruir o corpo e o mantém em bom
funcionamento, reduzindo também o stress. O exercício produz químicas em
teu cérebro que fazem você se sentir bem. Estas químicas são os próprios
tranqüilizantes naturais que aliviam a dor, a ansiedade e a tensão. Tipos de
exercício diferentes são valiosos por várias razões. Exercícios para soltar os
músculos e aeróbicos provavelmente serão mais úteis para tua recuperação.
Exercícios para soltar os músculos ajudam a manter o corpo mais flexível e
alivia a tensão muscular. Aeróbica tem ritmo e exercícios vigorosos para os
músculos maiores. Aeróbica pretende elevar a média de seu coração para
75% do máximo e manter esta média ao menos por 20/30 minutos.
Recomendamos uso regular de exercícios aeróbicos. Correr, nadar, pular
corda, andar de bicicleta, são exercícios aeróbicos comuns, ou você pode
participar de uma classe de ginástica aeróbica. Dançar também é aeróbico,
mas lembre-se que deve ser feito vigorosamente. Muitas pessoas em
recuperação testemunham o valor dos exercícios para reduzir a intensidade
dos sintomas da SAD. Após os exercícios, eles se sentem muito melhor,
acham mais fácil se concentrar e se lembrar, se tornam mais produtivos.
Escolha uma forma de exercício que você goste, pois te ajudará muito.
Muitos médicos e livros de saúde aconselham fazer exercícios três ou quatro
vezes por semana, mas não recomendamos que os façam todos os dias,
devido seu valor em reduzir o stress. Qualquer dia que não se exercite é um
dia que se tira de você mesmo para sentir-se mais relaxado, ser mais
produtivo e ter mais energia.
RELAXAMENTO
Existem coisas que se pode fazer para reduzir ou escapar do
stress que você sente quando é incapaz de mudar uma situação ou lidar
melhor com o stress do dia a dia. Rir, jogar, ouvir música, contar histórias,
fantasiando, lendo, em massagem, são alguns dos métodos para a redução
natural do stress. Jogar é uma forma de relaxamento necessária que muitas
vezes é negligenciada.
VIDA EQUILIBRADA
Vida equilibrada significa que existe harmonia bio-psico-social na
vida. Significa que se é saudável fisicamente e psicologicamente e que se
têm relacionamentos saudáveis. Significa que espiritualmente se é inteiro,
que não mais olha apenas um aspecto em tua vida. Significa que se está
vivendo com responsabilidade, dando a si mesmo, tempo para trabalhar,
para família, amigos assim como tempo para seu próprio crescimento e
recuperação. Significa permitir que um Poder Superior trabalhe na tua vida.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
32
Significa uma vida saudável, ter um equilíbrio entre trabalho e lazer, entre
cumprir responsabilidades com outras pessoas e suas necessidades serem
auto-realizadas. Significa tanto quanto for possível, funcionar a um nível
ótimo de stress, mantendo bastante stress para continuar funcionando de
uma maneira saudável e não ficar sobrecarregado de stress para torná-lo
improdutivo. Com uma vida equilibrada, a gratificação imediata com uma
maneira de viver que é abandonada para conseguir uma vida completa e
com significado. Vida equilibrada pede cuidados com a própria saúde para
que o corpo funcione bem. Nutrição, descanso, exercício, tudo recebe a
necessária atenção na tua vida para dar energia, lidar com stress, libertar-se
da doença e da dor, combater a fadiga e reconstruir o corpo danificado.
Libertação da aflição física permite o crescimento psicológico.
Quando você sente-se bem é mais fácil pensar sobre atitudes e valores e
trabalhar para eliminar da negação, culpa e raiva. Vida equilibrada requer
fazer coisas para desenvolver autoconfiança e auto-estima, aprendendo a se
sentir bem.
Vida equilibrada precisa de uma forte rede social que alimente e
encoraje um saudável e orientado caminho para a recuperação do estilo de
vida. Uma rede social saudável dá uma sensação de fazer parte. Inclui
relações nas quais você sente que é uma parte valiosa. Incluem os membros
da família mais próximos, amigos, parentes e colegas, consultores,
empregador, membros de grupos de auto-ajuda e padrinhos.
Mesmo após alguns anos de sobriedade, Walter tinha horas em que
achava mais difícil que o normal lembrar-se das coisas quando ficava mais
irritado e ansioso, quando reagia com exagero com sua família e amigos,
quando se sentia confuso e vencido. Sua esposa percebeu que ele sentia
mais estes sintomas no sábado. O que é diferente no sábado? Ele
geralmente dormia até mais tarde e tomava xícaras de café logo que
acordava. Como sentia-se irritado logo ao levantar, começou a visitar seu
padrinho de AA. o mais cedo possível. Juntos bebiam café, comiam bolacha,
fumavam cachimbos e falavam. Walter ficava até o início da tarde, e quando
chegava em casa almoçava entre 13:30 e 14:00 horas. Se um dos garotos
deixava a bicicleta no caminho ou a esposa demorava demais no telefone,
ele reagia exageradamente e saía de casa. O restante do dia era totalmente
improdutivo e ficou conhecido na família pela sua “síndrome do sábado”.
Walter decidiu tentar algumas atividades alternativas para ver se havia
alguma mudança em suas reações. Começou a beber suco de laranja, logo
que despertava, em vez de café, o que ajudou, assim, decidiu tentar comer
no café da manhã. Isto ajudou muito mais. Ele e seu padrinho começaram a
beber café sem cafeína e omitiram as bolachas. Vinha almoçar em casa,
mais cedo e ser exercitava por um tempo. Então começou a fazer alguma
coisa com a família à tarde. Todos ficaram surpresos com o
desaparecimento da “síndrome do sábado”.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
33
CAPÍTULO IV
RECUPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO PARCIAL
Embora a doença adictiva possa ser controlada, ela não pode ser
detida. Sempre existe a possibilidade da recaída. A não ser que sejam
tomadas medidas duradouras para controlar a doença, a recaída é provável.
A primeira tarefa da recuperação para os alcoólicos é reconhecer
que têm uma doença debilitante, com risco de vida, associada ao uso do
álcool ou outras drogas que alteram o humor. Precisam reconhecer que tem
uma doença que prejudica sua habilidade para continuarem sóbrios e
viverem produtivamente.
Uma vez aceito isto, a segunda tarefa da recuperação é a
abstinência. Abstinência total é necessária. Isto significa nada de álcool, de
nenhuma forma, nem pílulas para dormir, nem sedativos ou drogas
alteradoras do humor. A terceira tarefa é reconhecer a necessidade de um
programa de recuperação diário para dar apoio e assistência em continuar
sóbrio, um dia de cada vez.
Recuperação da doença da adicção é um processo que requer
um longo período de tempo. Uma pesquisa recente mostra que se leva de
oito a dez anos, em média, para que um alcoólico em recuperação volte
totalmente ao normal. Os problemas menos sérios causados pela adicção
requerem dois a três anos para se resolver. Os problemas mais sérios
exigem de oito a dez anos para total resolução.
O processo de recuperação é evolucionário. Isto significa que a
recuperação é um processo de crescimento e desenvolvimento que progride
de tarefas básicas para outras mais complexas. Esta progressão começa
com a abstinência (aprender como parar de usar álcool e drogas) depois
para a sobriedade (aprender a lidar com a vida sem álcool/drogas), depois
para uma vida confortável (aprender a viver confortavelmente, enquanto
abstinente), depois para uma vida produtiva (aprender como construir uma
maneira de viver sóbria significativa).
Ajuda pensar no processo de recuperação como tendo seis
períodos de evolução. Cada período tem um objetivo principal. Cada período
de recuperação e seu objetivo principal estão listados abaixo:
Período de evolução Objetivo
1- Pré-tratamento Reconhecer a adicção.
2- Estabilização Lidar com a crise da abstinência.
3- Recuperação inicial Aceitação e como lidar com não-químicos.
4- Recuperação média Vida equilibrada.
5- Recuperação final Mudança de personalidade.
6- Manutenção Crescimento e evolução.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
34
O Modelo de Recuperação Evolucionário (MRE) sugere que uma
recuperação com sucesso depende de se completar tarefas específicas de
recuperação numa certa ordem. O fracasso em concluir certas tarefas
deixará o dependente químico despreparado para lidar com as tarefas mais
complexas da recuperação. É necessário se lembrar que recuperação é um
processo muito pessoal. Duas pessoas não se recuperam da mesma
maneira. O que estamos vendo pode ser descrito como um guia geral, não
como um quadro de recuperação absoluto. Com isto em mente os períodos
evolucionários do MRE serão revistos.
O PERÍODO DE PRÉ-TRATAMENTO
O objetivo principal do pré-tratamento é reconhecer a presença
da doença da adicção. Deve-se reconhecer que perdeu a habilidade para
controlar o uso de álcool, drogas e que não se é mais um usuário normal,
mas um usuário adicto.
Neste período aprende-se pelas conseqüências do
comportamento que não se pode usar drogas ou álcool com segurança.
Isto acontece quando se tem problemas devido ao uso adictivo.
Quando os problemas tornam-se mais severos, tenta-se controlar o uso,
pode-se trocar de uísque para vinho e depois do vinho para a cerveja. Pode
usar outras drogas como a maconha ou anfetaminas para compensar o
efeito tóxico do álcool. Quando isto falha tenta-se parar para provar que se
pode controlar, e finalmente a derrota é admitida, assim a pessoa reconhece
que é um adicto e não pode controlar o uso.
É importante entender que o pré-tratamento descreve o processo
continuando dentro da pessoa dependente quimicamente. Pode acontecer
após, a pessoa ser submetida a tratamento externo. É possível, por exemplo,
uma pessoa ser forçada a um tratamento devido estar dirigindo embriagada,
antes de aceitar que a bebida é um problema.
O reconhecimento da adicção que vem como um resultado
tratamento é, para a pessoa, parte de experiência do pré-tratamento.
PRÉ-TRATAMENTO
Aprender pelas conseqüências que não se pode usar
adictivos químicos com segurança
O PERÍODO DE ESTABILIZAÇÃO
Durante o período de estabilização o objetivo maior é
reconquistar o controle do processo de pensamento, julgamento e
comportamento. Não se está estabilizado até que seja capaz de pensar
claramente, identificar e reconhecer sentimentos, lembrar de coisas, exercer
julgamento e controle do comportamento. Estabilização envolve recuperação
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
35
da síndrome de abstinência demorada e os severos sintomas. Envolve
estabilização da crise motivacional que leva ao tratamento. Também envolve
a administração de outros problemas físicos e psico-sociais que podem
ameaçar a recuperação inicial. Durante a estabilização, a estrutura do uso
adictivo se interrompe: sintomas da abstinência demorada, os imediatos e
mais severos sintomas da SAD e problemas de saúde física ligados a
adicção são colocados sob controle; e a crise da vida que causou a crise
motivacional é estabilizada.
RECUPERAÇÃO
Recuperando o controle do processo de pensamento, processo
emocional, memória, julgamento e comportamento.
O PERÍODO DE RECUPERAÇÃO INICIAL
Durante o período de recuperação inicial o objetivo principal é
aceitar a doença da adicção e aprender como funcionar sem drogas e álcool.
Um retorno à saúde é promovido pela recuperação dos danos físicos sérios e
psico-sociais causados pela doença adictiva. Este período de recuperação
repousa muito sobre um programa de recuperação estruturado que protege
de stress excessivo da vida no dia a dia. Nesta hora começa-se a dar valor a
uma vida sóbria.
Um programa de recuperação estruturado permite que ocorra um
período de cura física. Um programa de nutrição apropriado e administração
do stress são estabelecidos para dar alívio dos sintomas da SAD.
Um tratamento físico é feito para tratar de doenças físicas co-
existentes ou problemas de saúde.
Um programa de recuperação estruturado cria um ambiente que
dá condições ao adicto e sua família a educar-se sobre a doença adictiva e
recuperação. Permite uma auto-avaliação sobre a natureza e severidade das
estruturas da adicção e co-adicção.
Ajuda a reconhecer e aceitar a adicção e os problemas de vida
causados e a começar a resolver estes problemas. Este programa de
recuperação estruturado é temporário. Sua duração irá variar, dependendo
da severidade da doença adictiva e o nível de saúde e problemas psico-
sociais. O objetivo é ensinar a viver tão normal quanto for possível com o uso
de um programa de recuperação. Se alguém quebra a perna, um aparelho
de gesso é pedido para restringir o movimento e promover a cura. Quando a
pessoa teve prejudicada sua personalidade e estilo de vida como resultado
da doença adictiva, um programa de recuperação estruturado é necessário
para restringir stress desnecessário e perturbação da recuperação da
vigência do processo. Uma vez que esta recuperação inicial ocorra,
abstinência total, sobriedade e uma vida produtiva podem ser mantidas com
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
36
um programa de recuperação menos restritivo que o que se exige durante a
estabilização e a recuperação inicial.
RECUPERAÇÃO INICIAL
Aceitação da doença da adicção é aprender a funcionar sem drogas e álcool.
O PERÍODO DE RECUPERAÇÃO MÉDIO
Durante o período de recuperação médio o objetivo principal é a
mudança no estilo de vida. Você estabeleceu uma maneira de viver centrada
na adicção, um estilo de vida que requer o suo de adictivos químicos para
lidar com o stress que resulta de adicção. No início da recuperação a
maneira de viver adictiva foi trocada por um programa estruturado,
desenvolvido pelo pessoal do tratamento, te ajudando a começar a
recuperação. No meio da recuperação o desafio é desenvolver gradualmente
uma maneira normal e equilibrada de viver, centrada na sobriedade.
Estando bem e estável, trabalhando a aceitação da adicção. O
Dependente Químico encontra-se pronto para começar a redução das horas
em terapia e estabelecer uma estrutura de vida normal. Ao invés de focalizar
sobre não usar, focaliza sobre uma vida normal, trabalho e família.
Para uma pessoa adicta é típico que estabeleça uma vida
centrada na adicção, embora estando abstinente.
Isto é acompanhado pelo uso de outras adicções no lugar da
adicção original.
O objetivo é estabelecer um estilo de vida equilibrado livre de
adicção, baseado em valores centrados na sobriedade e atividades.
Uma vida equilibrada envolve um programa de recuperação ativo
e menos intenso que no início da recuperação. Inclui atividades da
recuperação, atividades de trabalho, atividades de família e atividades
sociais com a família e amigos, tempo para auto desenvolvimento e
recreação, para exercícios próprios e dieta. Lidar com o stress e resistir a
adicções substitutas são assuntos importantes no meio da recuperação.
RECUPERAÇÃO MÉDIA
Desenvolver um estilo de vida normal e equilibrado
PERÍODO DE RECUPERAÇÃO FINAL
O objetivo principal do período final de recuperação é a mudança
de personalidade pela evolução de uma saudável auto estima, a capacidade
para relações íntimas saudáveis e a habilidade para viver feliz e
produtivamente.
É hora de avaliar valores pessoais: crenças sobre o ser, os outros
e o mundo; estruturas de vida auto-destrutivas; habilidade nos
relacionamentos e intimidade. Se você não tem o trabalho que gostaria, o
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
37
final da recuperação é a hora de reestruturá-la. Isto pode exigir ajuda
especializada. Para algumas pessoas em final de recuperação não
apresentam problemas especiais. Estas pessoas vieram de famílias
relativamente funcionais. Na infância desenvolveram crenças e valores
saudáveis e aprenderam estratégias para lidar construtivamente com a vida.
Suas adicções interferiram com sua habilidade para viver produtivamente.
Para estas pessoas, recuperação significa reabilitação, voltar a um prévio
nível de saúde e bem estar.
Outras pessoas em recuperação não são tão felizes. Tem muito
trabalho a fazer no final da recuperação porque cresceram em famílias
disfuncionais ou adictivas, porque começaram a usar álcool ou drogas tão
cedo que o crescimento emocional e o desenvolvimento foram detidos.
Nunca tiveram crenças normais saudáveis e atitudes sobre a vida e como
viver. Muitos desenvolveram problemas emocionais, não relacionados a suas
adicções, que resultou em incapacidade para conseguir conforto e
significado na sobriedade.
Para resolver assuntos que vêm da infância ou adolescência,
primeiramente é necessário reconhecer que estes assuntos criaram crenças
erradas que estão interferindo com uma sobriedade confortável. Estas
crenças formam a base de julgamentos e decisões que levam ao malogro. É
necessário analisar cuidadosamente - com a ajuda de terapeutas habilitados
- as dinâmicas da família na qual você cresceu. Você precisa identificar as
crenças erradas que desenvolveu, que agora estão interferindo com uma
sobriedade confortável e significativa. Precisa tomar decisões para mudar
como você pensa e age em resposta aos desafios diários e aos problemas.
Filhos de Alcoólicos, um grupo de apoio, são bastante úteis nesta
mudança diária. O resultado final de resolver estes assuntos antigos é se
libertar das crenças erradas que foram aprendidas na infância, que limitaram
o potencial para a tua oportunidade para desenvolver uma saudável auto
estima, que resultará em crescimento espiritual, relações íntimas saudáveis e
uma vida produtiva e expressiva.
O propósito do final da recuperação é desenvolver sistemas de
crenças, sistemas de valor e ter habilidade para uma vida plena e produtiva.
Quando sua maneira de viver é estabilizada, você começa a
querer um pouco mais. Pode ser um tempo perigoso porque sua
personalidade adictiva pode querer levar você a uma maneira de viver
dependente. Você precisa perceber que o propósito da vida não é escapar
da realidade.
Quando você queria viver pela via rápida, você sabia como
conseguir uma gratificação imediata. Para viver uma vida mais completa
você precisa fazer mudanças que podem ser temporariamente dolorosas. No
final da recuperação você vê qual é o seu propósito de vida e decide mudar
os valores que irão lhe permitir uma vida mais expressiva.
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
38
RECUPERAÇÃO FINAL
Desenvolvimento de uma auto-estima saudável, crescimento espiritual,
relações íntimas saudáveis e uma vida expressiva
O PERÍODO DE MANUTENÇÃO
O objetivo principal do período de manutenção é uma vida sóbria
e produtiva. Isto envolve manter um programa de recuperação efetivo,
identificar sinais de aviso de recaída, resolver os problemas diários, e uma
vida produtiva.
Adicção é uma doença crônica que nunca termina. Como uma
pessoa em recuperação você precisa manter uma vida centrada na
sobriedade que dá condições de lidar com o stress, resolver os problemas e
manter como prioridade a honestidade nos teus relacionamentos pessoais.
Você também precisa ter consciência da tua potencialidade adictiva e evitar
com cuidado adictivos químicos e comportamentos compulsivos.
MANUTENÇÃO
Continuar sóbrio e viver produtivamente
RECUPERAÇÃO PARCIAL
Recuperação da doença adictiva não é um processo de
crescimento em linha reta. Muitas pessoas se recuperam em estágios
oscilantes. Eles desenvolvem um novo entendimento de sua doença e
recuperação. Gastam tempo aplicando e integrando este novo conhecimento
nas suas vidas diárias. Se tornam confortáveis por um tempo, antes de
desenvolverem a necessidade de novo conhecimento.
É comum para pessoas em recuperação recaírem. Isto acontece
muitas vezes quando não estão tentando colocar o novo conhecimento para
funcionar. O stress da mudança os pega por algum tempo e então param.
Quando o stress diminui, eles falam sobre como melhorar a situação,
arregaçam as mangas e começam novamente. Muitas pessoas em
recuperação eventualmente conseguem uma sobriedade duradoura e
confortável.
Recuperação de doença adictiva não é um processo de crescimento em linha reta
Muitas pessoas em recuperação não fazem todo o caminho do
processo de recuperação. A recuperação parcial começa quando eles
confrontam uma tarefa de recuperação que acham ser incontrolável ou
intransponível.
Esta tarefa de recuperação intransponível é chamada de “ponto
de estrangulamento”. Ficar estrangulado os leva a fracassar por completo em
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
39
toda a tarefa de recuperação. A conseqüência é que permanecem
desconfortáveis e experimentam uma sobriedade de baixa qualidade.
DIAGRAMA 2: PONTO DE ESTRANGULAMENTO
Uma pessoa pode experimentar um ponto de estrangulamento
em qualquer lugar na recuperação. O ponto de estrangulamento mais
comum ocorre na transição entre os estágios de recuperação.
Uma saudável e produtiva resposta para atingir um ponto de
estrangulamento é atrasar um pouco para baixar o stress. O passo seguinte
é examinar racionalmente o ponto de estrangulamento discutindo-o com
outras pessoas e então procurar ajuda apropriada para lidar com isto. Em
vez de tomar esses passos produtivos, muitas pessoas que estão
estacionadas na recuperação usam de negação para lidar com o ponto de
estrangulamento. A negação não é usada conscientemente. Bloqueia
automaticamente a consciência de que algo está ruim. O ponto de
estrangulamento produz o stress, a negação, enquanto bloqueia
temporariamente a consciência do stress e eventualmente o intensifica.
DIAGRAMA 3: 0 PAPEL DA NEGAÇÃO NA RECUPERAÇÃO
A recuperação parcial começa quando o Ponto de
Estrangulamento é negado. A pessoa diz: “Está tudo bem com minha
recuperação. Não há nada de errado comigo”.
DIAGRAMA 4: STRESS E RECUPERAÇÃO PARCIAL
A negação do Ponto de Estrangulamento produz um aumento no
stress. Quando o stress aumenta, os sintomas de abstinência demorada
começam a se desenvolver e a piorar. Isto significa que a pessoa desenvolve
dificuldade nas pessoas, claramente, manejar sentimentos e emoções,
lembrar coisas, reconhecer e lidar com o stress.
Também podem ter dificuldades para ter um sono tranqüilo ou
podem ter tendência a sofrer acidentes. Muitas pessoas em recuperação não
reconhecem conscientemente os sintomas da SAD. Isto pode ser porque ele
não conhece nada sobre APA. Pode ser também que o stress está
bloqueando sua habilidade de pensar claramente sobre si mesmo. Como
resultado, não conseguem lidar com os sintomas da SAD. Ao invés disso,
tentam lidar com eles com mais negação. A negação aumenta o stress, que
torna piores os sintomas da SAD. A SAD cria mais problemas e estes
problemas criam stress adicional que adiante agrava SAD.
O ponto de estrangulamento original muitas vezes é obscurecido
por problemas severos que resultam da falta de habilidade de lidar com a
PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS
40
SAD. A pessoa fica preocupada com estes problemas e falha em identificar a
causa primária do que está acontecendo.
Ele fica cada vez mais estressado. O aumento do stress leva a
um estado de ansiedade variável e compulsão. A pessoa se sente compelida
a fazer alguma coisa, qualquer coisa, para aliviar a ansiedade e a
compulsão, muitas vezes adotando comportamentos compulsivos que
aliviam temporariamente o stress. O comportamento compulsivo, porém,
produz problemas adicionais duradouras em troca do alívio a curto prazo.
DIAGRAMA 5: COMPULSÕES SUBSTITUTAS
Num esforço para lidar com o stress, compulsões substitutas
como trabalhar demais, comer demais, gastar demais, etc... são usadas.
Estes comportamentos compulsivos trazem alívio no momento, mas
aumentam o stress no final das contas.
Eventualmente o stress leva a ativação do processo de recaída a
estas pessoas começam a perder o controle.
Quando a perda de controle força a consciência, eles vêm o
manuscrito na parede - Se continuarem fazendo o que estão fazendo,
usaram álcool ou drogas, ficam loucos ou tentam o suicídio para se
livrar da dor. Neste ponto muitas vezes eles reativam seus programas de
recuperação e a vida é estabilizada. Progridem na recuperação até que o
mesmo bloqueio é encontrado novamente.
Quando o stress aumenta, os sintomas da abstinência pós aguda começam a se
desenvolver e a piorar.
DIAGRAMA 6: O PROCESSO DE RECAÍDA
Eventualmente o stress torna-se tão severo que o processo de
recuperação, marcado por uma disfunção progressiva interna e externa,
começa a se desenvolver. A pessoa reconhece o risco de recaída.
DIAGRAMA 7: REPETINDO O CICLO
A pessoa reativa o programa de recuperação e progride até o
mesmo ponto de estrangulamento ser alcançado. O ciclo começa de novo. É
muito fácil acreditar que isto é recuperação. Pessoas em recuperação podem
ficar presas numa estrutura de recuperação parcial.
Progridem várias vezes até o mesmo ponto, onde novamente,
sem saber, começam o processo de recaída. Às vezes, eles reconhecem a
progressiva perda de controle que precede um episódio de recaída aguda. O
medo da recaída os motiva a tomar alguma ação para colocá-los de volta ao
processo de recuperação, onde eles ficam confortáveis. Perseguem um
programa de recuperação ativo até que encontram um estágio que percebem
como tão ameaçador para encarar, e o ciclo da recuperação parcial continua.
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo
Permanecer sóbrio completo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é espiritualidade
O que é espiritualidadeO que é espiritualidade
O que é espiritualidadeAngela Brito
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosNucleo Nacional
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitivaSarah Karenina
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniLincoln Boldrini
 
VA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdf
VA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdfVA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdf
VA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdfSolangeSousa21
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída Nucleo Nacional
 
Plano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídaPlano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídagiulliangel
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosCITRAT
 
An Introduction to SMART Recovery
An Introduction to SMART RecoveryAn Introduction to SMART Recovery
An Introduction to SMART RecoverySMARTRecovery
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaLuciana França Cescon
 

Mais procurados (20)

O que é espiritualidade
O que é espiritualidadeO que é espiritualidade
O que é espiritualidade
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Recaida
RecaidaRecaida
Recaida
 
Livro co-dependencia
Livro co-dependenciaLivro co-dependencia
Livro co-dependencia
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
 
Rei bebe
Rei bebe Rei bebe
Rei bebe
 
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
 
VA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdf
VA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdfVA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdf
VA_CUIDAR_DA_SUA_VIDA.pdf
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Plano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídaPlano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaída
 
Um olhar sobre a dependência química.
Um olhar sobre a dependência química.Um olhar sobre a dependência química.
Um olhar sobre a dependência química.
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Curso de treinamento de diretoria nível básico
Curso de treinamento de diretoria  nível básicoCurso de treinamento de diretoria  nível básico
Curso de treinamento de diretoria nível básico
 
12 passos aa
12 passos aa12 passos aa
12 passos aa
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
An Introduction to SMART Recovery
An Introduction to SMART RecoveryAn Introduction to SMART Recovery
An Introduction to SMART Recovery
 
Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo Pensamento destrutivo
Pensamento destrutivo
 
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescênciaPrevenção ao suicídio - Infância e adolescência
Prevenção ao suicídio - Infância e adolescência
 

Semelhante a Permanecer sóbrio completo

Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay Na Silva
 
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)ciceroferreira23
 
Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)
Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)
Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)Paulo Santos
 
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathwaysLivro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathwaysWagner Silva de Sousa
 
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdfCristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdfMartaAndreiaSousa1
 
Rapgay abordagem holistica
Rapgay abordagem holisticaRapgay abordagem holistica
Rapgay abordagem holisticaEditora Chakpori
 
Boletim informativo setembro 2013
Boletim informativo   setembro 2013Boletim informativo   setembro 2013
Boletim informativo setembro 2013fespiritacrista
 
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdf
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdfCâncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdf
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdfbetokg
 

Semelhante a Permanecer sóbrio completo (20)

Apostila PPR
Apostila PPRApostila PPR
Apostila PPR
 
Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay
 
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
 
Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)
Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)
Leitura de auras e tratamentos essênios (anne meurois givaudan)
 
28148145 tratamentos-essenios
28148145 tratamentos-essenios28148145 tratamentos-essenios
28148145 tratamentos-essenios
 
Livro1
Livro1Livro1
Livro1
 
Tcc leticia gomes leal silva
Tcc leticia gomes leal silvaTcc leticia gomes leal silva
Tcc leticia gomes leal silva
 
O luto
O luto O luto
O luto
 
Aa e a classe médica dra marcia
Aa e a classe médica dra marciaAa e a classe médica dra marcia
Aa e a classe médica dra marcia
 
Aa e a classe médica
Aa e a classe médicaAa e a classe médica
Aa e a classe médica
 
Aa e a classe médica dra marcia
Aa e a classe médica dra marciaAa e a classe médica dra marcia
Aa e a classe médica dra marcia
 
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathwaysLivro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
Livro completo-tapping-the-bodys-energy´s-pathways
 
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdfCristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
Cristina Cairo - Acabe Com a Obesidade.pdf
 
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEMMETA MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
META MOTIVAÇÃO E APRENDIZAGEM
 
Antropólogo em marte
Antropólogo em marteAntropólogo em marte
Antropólogo em marte
 
Rapgay abordagem holistica
Rapgay abordagem holisticaRapgay abordagem holistica
Rapgay abordagem holistica
 
Boletim informativo setembro 2013
Boletim informativo   setembro 2013Boletim informativo   setembro 2013
Boletim informativo setembro 2013
 
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdf
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdfCâncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdf
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago.pdf
 
Saude masculina hf
Saude masculina hfSaude masculina hf
Saude masculina hf
 
Recuperação
RecuperaçãoRecuperação
Recuperação
 

Mais de Nucleo Nacional

Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Nucleo Nacional
 
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Doze passos  elementos terapêuticos para codependênciaDoze passos  elementos terapêuticos para codependência
Doze passos elementos terapêuticos para codependênciaNucleo Nacional
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindTerceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindSetima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindDecima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindNucleo Nacional
 
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasRelatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasNucleo Nacional
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoNucleo Nacional
 
Guia estratégico drogas
Guia estratégico drogasGuia estratégico drogas
Guia estratégico drogasNucleo Nacional
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasNucleo Nacional
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaNucleo Nacional
 
Defeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentosDefeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentosNucleo Nacional
 
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogasNucleo Nacional
 

Mais de Nucleo Nacional (20)

Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
 
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
Doze passos  elementos terapêuticos para codependênciaDoze passos  elementos terapêuticos para codependência
Doze passos elementos terapêuticos para codependência
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
 
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemindPrimeira e-segunda-ferramentas-freemind
Primeira e-segunda-ferramentas-freemind
 
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemindTerceira e-quarta-ferramentas-freemind
Terceira e-quarta-ferramentas-freemind
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
 
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemindSetima e-oitava-ferramentas-freemind
Setima e-oitava-ferramentas-freemind
 
Nona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemindNona e-decima-ferramentas-freemind
Nona e-decima-ferramentas-freemind
 
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemindDecima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
Decima primeira-e-decima-segunda-ferramentas-freemind
 
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticasRelatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
Relatorio inspecao-comunidades-terapeuticas
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
13 princpios nida
13 princpios nida13 princpios nida
13 princpios nida
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
 
Guia estratégico drogas
Guia estratégico drogasGuia estratégico drogas
Guia estratégico drogas
 
Livro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogasLivro eletrônico anti drogas
Livro eletrônico anti drogas
 
A arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoriaA arte de envelhecer com sabedoria
A arte de envelhecer com sabedoria
 
Defeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentosDefeitos e comportamentos
Defeitos e comportamentos
 
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas11 razões do porque os adolescentes usam drogas
11 razões do porque os adolescentes usam drogas
 
Maconha
MaconhaMaconha
Maconha
 
Causas do alcoolismo
Causas do alcoolismoCausas do alcoolismo
Causas do alcoolismo
 

Permanecer sóbrio completo

  • 1. PERMANECER SÓBRIO UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAÍDAS TERENCE T. GORSKI e MIRLENE MILLER PREFÁCIO DE PADRE MARTIN BASEADO NO MODELO DE TRATAMENTO CENAPS
  • 2. SUMÁRIO PREFÁCIO ..................................................................................................... 3 PREFÁCIO DO AUTOR ................................................................................ 4 CAPÍTULO I - Recaída na doença adictiva .................................................. 8 CAPÍTULO II - Doença da adicção ............................................................... 11 CAPÍTULO III - Síndrome da abstinência demorada ................................... 20 CAPÍTULO IV - Recuperação e recuperação parcial ................................... 30 CAPÍTULO V - Crenças errôneas sobre recuperação e recaída .................. 43 CAPÍTULO VI - Entendendo o processo de recaída ..................................... 49 CAPÍTULO VII - A síndrome da recaída ....................................................... 56 CAPÍTULO VIII - Plano de prevenção de recaída ........................................ 69 CAPÍTULO IX - O envolvimento da família na síndrome da recaída ........... 73 CAPÍTULO X - Grupo de auto-ajuda - prevenção de recaída ...................... 83 PALAVRA FINAL ........................................................................................... 92
  • 3. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 3 Acredito nos conceitos descritos neste manual. Tão forte é a minha crença na sua eficácia que estamos implementando um efetivo Centro de Prevenção de Recaídas em Dependência Química. Acredito que este livro junto com este manual de trabalho podem dar- lhe informações valiosas que podem salvar vidas. Ao tentar entender e aplicar estas informações e você não conseguir sozinho, não perca a esperança. Existem muitos bons centros de tratamento que podem ajudá-lo com Planos de Prevenção de Recaídas. Não importa o que seja feito, porém, algumas pessoas morrem desta doença terminal. Porém, muitos continuarão a morrer porque não entendemos como tratar o fenômeno da recaída. Um Plano de Prevenção de Recaída é uma nova aproximação poderosa que está ajudando milhares a escaparem do que era uma sentença de morte. É importante que transmitamos a mensagem para o alcoólico com tendência a recair, que existe esperança. É importante que transmitamos a mensagem para os Centros de Tratamento, pois temos a obrigação moral de nos esforçar ao máximo para tratar o mais doente dos doentes na fileira dos alcoólicos. Acredito que este livro abre um excelente caminho para começar a ajudar pessoas que foram antes consideradas sem esperança. Padre Joseph C. Martin Co-fundador Padre Martin’s Ashlcy
  • 4. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 4 PREFÁCIO Todos têm consciência da natureza básica destrutiva da doença do alcoolismo. Ela afeta suas vítimas no corpo, mente, emoção e alma. Pela sua natureza é uma doença terminal. Sabemos que é uma doença que não pode ser curada, mas que pode ser detida. Centenas de milhares de alcoólicos nos últimos 50 anos detiveram sua doença e vivem felizes, efetivas, produtivas e sóbrias. Porém, uma das grandes tragédias neste campo é o fato de que muitos alcoólicos ficam bem por um tempo e então voltam a beber. É dito que aproximadamente metade dos alcoólicos que chegam a porta da sobriedade, entram e ficam. Dos outros, muitos ficam um tempo e tem uma ou mais recaídas e então entendem sobre a necessidade de uma vida sóbria e ficam sóbrios até a morte. Dos remanescentes alcoólicos, muitos passam pelo que chamamos de “porta circular”, várias vezes: às vezes sóbrios, às vezes voltando a beber. Alguns deles, naturalmente, eventualmente morrem. Terry Gorski, no início de sua carreira profissional, foi encaminhado para tentar ajudar aqueles “no fim da estrada”. Ele sentiu que alguns deles, obviamente, eram totalmente incapazes de ficar bem; o dano feito a eles por sua maneira de beber era muito grande para ser reparado. Os demais, porém, ele sentiu que era possível ajudá-los a conseguir a sobriedade que outros tinham conseguido com mais facilidade que eles. E assim este jovem gastou 15 anos de sua vida (e ainda continua) estudando estória de caso após estória de caso, chegando já a milhares destes pobres infelizes que voltam de vez em quando a beber. Disto tudo veio o modelo CENAPS para prevenção de recaídas. Integra Alcoólicos Anônimos com tratamento profissional e cria um mapa rodoviário ou Guia para a Recuperação. Como ele diz este guia não tem novidade. O que ele fez foi integrar a sabedoria do programa de recuperação do A.A. com toda a pesquisa das últimas décadas.
  • 5. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 5 PREFÁCIO DO AUTOR No início de 1970, estava trabalhando como Consultor em Alcoolismo no Hospital Grant em Chicago. Começando em Junho de 1971, fui designado em tempo integral com a responsabilidade do departamento ambulatorial. Como tinha pouco tempo na agência, eu tinha poucas condições de conseguir “pacientes com um bom prognóstico”. Eram encaminhados a mim os pacientes mais difíceis, muitos dos quais passaram por tratamento várias vezes sem alcançar a sobriedade. Na hora fiquei preocupado. Acreditava que podia trabalhar com qualquer um. Nunca ninguém me disse que estes pacientes com tendência a recaída eram casos sem esperança, logo eu esperava que eles simplesmente se recuperassem. Quando todos os casos são exclusivamente compostos de indivíduos com tendência a recaída, pode ser uma tarefa avassaladora, mas comecei a aprender logo. A primeira coisa que aprendi foi que muitos pacientes recaídos tinham experimentado tudo que aconselhamento de alcoolismo e psicoterapia tradicional tinham a oferecer. Também aprendi que muitos conheciam mais de passos e tradições de A.A que eu próprio. Conheciam o Livro Grande (Alcoólicos Anônimos) e os Doze Passos e as Doze Tradições. Muitos tiveram longos períodos de abstinência praticando os princípios do AA., mas por algum motivo eles não conseguiram colocar estes princípios em suas vidas. Muitos sentiam que eram “incapazes constitucionalmente de recuperação” e falavam da declaração no Capítulo 5 de “Alcoólicos Anônimos” que descreve estes desafortunados que não podem se recuperar. Eu tinha sido treinado num estilo de terapia bastante confrontativo. Logo, aprendi que Confronto não funciona com pacientes recaídos porque uma coisa que eles têm mais experiência que qualquer um é lidar com pessoas que fazem confrontos. Quase que diariamente eles foram confrontados por quase todos: empregadores, esposas, filhos, terapeutas, consultores, policiais, etc... Se existe algo que eles conhecem é lidar com confronto. Logo percebi que este grupo de pacientes era mais difícil que qualquer terapeuta poderia ter. Tendem a se colocarem para baixo. Sua auto-estima todo tempo está baixa. Durante vários meses tentando trabalhar com estes pacientes, tive pouco sucesso. Decidi esquecer tudo sobre o aconselhamento tradicional em alcoolismo e comecei a aprender com os verdadeiros especialistas, os próprios pacientes. Ao invés de partir para sofisticados Planos de Tratamento, Estratégias de Tratamento altamente confrontativos e Programas de Tratamento muito estruturados, adotei uma aproximação mais simples.
  • 6. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 6 Primeiro, peço para cada paciente assistir pelo menos 3 reuniões de AA. por semana. Segundo, preparei um grupo especial de terapia de 3 horas que ajuda as pessoas a se comunicarem com outras, como experimentar e falar sobre emoções e sentimentos e como identificar estruturas gerais de comportamento no grupo, para então aplicar estas estruturas e problemas que ocorrerem em outras áreas de suas vidas. A terceira parte do tratamento consiste de sessões de terapia individual que eram devotadas quase que exclusivamente a construir uma detalhada estória de recaída. Eram encorajados a começar com a última vez que iniciara um período de sobriedade. Fiquei surpreso ao achar que muitos estavam convencidos que eram alcoólicos, que precisavam de um Programa de Recuperação Progressivo antes de sua recaída mais recente. Também fiquei surpreso de ver que muitas dessas pessoas eram muito motivadas para ficarem sóbrias. Elas não queriam recair. Estavam dispostas em usar o AA., Aconselhamento Profissional e tudo o mais que um Programa de Tratamento recomendasse. Alguns tinham experimentado a terapia de choques elétricos ou Tratamento de Aversão (onde vomitavam depois que bebiam). Outros ficavam presos voluntariamente por meses. Muitos se embebedavam novamente apesar destes esforços intensivos. Meu objetivo em coletar estas estórias de recaídas era reunir passo a passo um detalhado registro de como alguém que queria a sobriedade e com conhecimento sobre alcoolismo voltava a beber. Como poderiam os alcoólicos convencerem-se a si mesmos a beber sabendo que a bebida poderá matá-los? O que aprendi coletando estas estórias de recaídas foi que haviam muitas similaridades entre os pacientes. Parecia que muitas seguiam a mesma estrutura de pensamento, reações emocionais, comportamentais e situações de vida que levavam à recaída. Após ver cinco ou seis estórias descobri como é difícil para estes alcoólicos em recuperação arranjarem seus pensamentos, seus sentimentos. Tornou-se aparente que eles não eram capazes de pensar claramente, processar seus sentimentos e emoções e até mesmo lembrar de coisas. Sua habilidade para lidar com abstrações, reconstruir suas histórias era muito limitada. As próprias estórias levavam de seis a dez horas para serem completadas. As pessoas tinham grandes lacunas na memória. Grandes períodos de tempo que não se lembravam. Também tinham muita dificuldade para reunir eventos passados na mesma ordem de seqüência lógica. Quando pedia a eles que descrevessem o que certas dificuldades ou ações significavam, foram incapazes de indicar o seu significado. Podiam lidar com lembranças concretas, mas tinham grande dificuldade para abstrair e generalizar o significado destas experiências para outras situações de vida.
  • 7. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 7 Após completar quase 10 estórias, comparei os resultados. Percebi as semelhanças e comecei a construir uma lista comum do que chamei sinais de aviso de recaída. Em vez de começar uma estória com um novo paciente, mostrei-lhe a lista de sinais de aviso. Então os sinais eram uma simples lista de palavras e pequenas frases como: negação, comportamento defensivo, crises de crescimento, etc. Explicava o que cada um significava numa sessão de terapia individual e usava isto para estimular sua memória para ver se eles tinham experimentado estas coisas. Descobrir que usando a lista podia se acelerar o processo de estórias. Também descobri que no grupo de terapia, mais e mais pacientes voluntariamente falavam sobre os seus sinais de aviso de recaída. Muitos também começaram a identificar estruturas que levaram a beber no passado. Perceberam estes mesmos sinais quando começaram a reconhecê-los na sua sobriedade atual. A focalização do grupo mudou rapidamente de um grupo psicologicamente bem orientado para o crescimento, para um concreto grupo de terapia orientado para Prevenção de Recaída. O foco era identificar os concretos sinais de recaída, reconhecê-los em situações de vida real e aprender como tomar passos concretos para revertê- los. Embora então eu não soubesse, este grupo de três horas de terapia junto com o processo de estória de recaída individual e o envolvimento contínuo com o AA., tornou-se a base de uma compreensiva prática e Teoria da Recaída que tornou-se conhecida como Plano de Prevenção de Recaídas. Durante dois anos como terapeuta do ambulatório, coletei 118 estórias de recaídas e comecei a tarefa de analisar em detalhes estas estórias. O resultado final disto foi uma lista revisada com 37 sinais de aviso que foram apoiados pelas estruturas gerais que eram evidentes nestas estórias. Em Junho de 1973, deixei o Hospital Grant para começar a trabalhar como Coordenador de Programa de Apoio ao empregado para o exército em Fort Sheridan - Illinois. Mais trabalho foi acrescentando na área de Prevenção de Recaídas. Em agosto de 1974 tornei-me o Diretor do Departamento de Serviços em Alcoolismo no Hospital Central da Comunidade em Illinois, agora Hospital de Comunidade Hyde Park em Chicago, Illinois. Posteriormente a dinâmica neste hospital confirmou a dinâmica da recaída. Em 1976, tornei-me Diretor do Centro de Tratamento em Alcoolismo no Hospital Memorial Ingalls em Harvey, Illinois. Comecei a trabalhar exclusivamente com o Dr. Harry Hannij, M.D., juntos trabalhamos com pacientes com tendência à recaída.
  • 8. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 8 Tínhamos um Centro de Reabilitação de Alcoolismo Tradicional, mas logo reconhecemos a necessidade de dar serviços especiais para pacientes com tendência à recaída. Todos os membros da equipe foram treinados nos princípios básicos de prevenção de recaídas. Identificamos as atitudes contraprodutivas e crenças erradas que aumentavam o problema de recaída. Também reavaliamos nossa política de confronto pesado e começamos a separar os pacientes que não tinham motivação para aceitar o tratamento daquele que aceitava o tratamento, mas para quem o tratamento tradicional não funcionava. Descobrimos que após a terapia de Prevenção de Recaída, estes pacientes tinham menos recaídas e experimentavam maiores períodos de sobriedade. Se voltavam ao uso de álcool e drogas, suas recaídas tendiam a ser mais curtas e a severidade das conseqüências eram menores do que aqueles tratados com outros métodos. Estavam esperançosos e excitados. Em 1979 associei-me a Mirlene Miller, profissional de educação e escritora. Juntos começamos a organizar o material que iria agir como base de um novo modelo de aconselhamento baseado principalmente sobre técnicas de prevenção de recaídas. Nossa Organização inicialmente chamou-se Alcooholism Systems Associates (ASA) e funcionava em Hazeleret, Illinois. Fazíamos treinamento local na área de Chicago e lentamente uma reputação nacional por estes métodos começou a ser construída. Em 1982, publicamos um livro intitulado: “Aconselhamento para Prevenção de Recaídas”, que tornou explícito pela primeira vez os princípios básicos e estratégicos do Plano de Prevenção de Recaída. A primeira metade do livro foi devotada à Teoria da Recaída. Este livro foi escrito para consultores, muitas pessoas em recuperação começaram a usar em sua própria recuperação. No início dos anos 80, tomamos conhecimento do trabalho de G. Alan Marlatti e seus associados do Centro de Pesquisas do Comportamento Aditivo da Universidade de Washington, em Seattle. Embora seu trabalho venha de uma escola de pensamento de conceito da doença, os atuais procedimentos de tratamentos para prevenir recaídas são bastante parecidos. A Escola Behaviorista contribui muito para a pesquisa, confirmando a eficácia do Plano de Prevenção de Recaída. Em 1985 o livro Prevenção de Recaída, editado por G. Alan Marlatti e Judith A. Gordon reuniu junto pela primeira vez um sumário e integração desta pesquisa empírica. Este presente livro, PERMANECER SÓBRIO - UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAÍDAS é um esforço para atualizar o modelo de Prevenção de Recaídas com as novas informações que foram aprendidas desde nosso livro anterior. É também um esforço para trazer aos membros
  • 9. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 9 de comunidade em recuperação, informações vitais que podem significar a diferença entre a vida e a morte. É minha esperança e de Mirlene que a informação deste livro permita- os compartilhar com a experiência acumulada de muitos milhares de alcoólicos que direta ou indiretamente contribuíram para o desenvolvimento deste modelo. O livro é apresentado num esforço para compartilhar nossas experiências e esperanças com você. Queremos que você tenha esperança. Neste espírito vamos juntos começar uma jornada. Uma jornada que irá resumir nestas páginas o conhecimento essencial sobre Prevenção de Recaídas que nos levou 15 anos para resumir. (TERENCE T. GORSKI) CAPÍTULO I RECAÍDA NA DOENÇA ADICTIVA Este é um livro sobre Recaídas, o que é, e o mais importante, como pode ser prevenida. O livro pretende confortar o que está perturbado e perturbar quem está confortável. Confortará o perturbado porque muitos recaídos são vítimas de crenças errôneas e recaíram porque não sabem como preveni-las. Xingam-se pelas recaídas passadas e acreditam que não têm esperanças porque não sabem o que fazer para prevenir futuras recaídas. Pretendemos dar-lhes esperanças, corrigir suas crenças erradas e ajudá-los a estabelecer planos baseado em informação acurada que pode libertá-los da desesperança de repetidas recaídas. Não pretendemos perturbar àqueles que estão confortáveis numa sobriedade saudável, mas pretendemos perturbar os ingenuamente confortáveis. São pessoas que acreditam que desde que estão abstêmios do álcool e das drogas e “levam o corpo” para as reuniões, não precisam se preocupar sobre recaída. Não sabem que recuperação é mais que isto. Não sabem que muitos indivíduos que estão assistindo reuniões, apesar de não estarem bebendo, não estão sóbrios. Eles apenas não estão bebendo ou usando drogas. Estas pessoas têm alto risco de recaída, embora muitos deles neguem o fato com toda a força. Pretendemos mostrar que encarando a possibilidade de recaída realisticamente é a única maneira de preveni-la. A recaída é um processo complexo, não podendo ser explicado simplesmente. Tem muitos aspectos que precisam ser entendidos. Você precisa ler este livro mais de uma vez para realmente entender e aplicar os princípios que estamos tentando explicar. Como tudo é importante, é difícil
  • 10. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 10 saber por onde começar. Talvez ajudasse se disséssemos agora o que esperamos de você ao ler este livro. Primeiro vamos discutir a doença adictiva. É impossível entender o processo de recaída sem entender a doença da qual recai. Recaída é um problema que se aplica a uma variedade de adicções. Uma pessoa pode ser adicta ao álcool, drogas, sexo, comida, ao caos, ou a outras drogas alteradoras do humor sejam elas produzidas exteriormente ou interiormente. Embora a maioria das pesquisas em recaídas foram feitas com alcoólicos (pessoas adictas à droga álcool), há uma evidência crescente que os mesmos métodos de prevenção de recaída podem ser usados para uma variedade de adicções. Devido a isto, para o propósito deste livro, usaremos os seguintes termos indistintamente: alcoolismo, dependência química, adicção e doença adictiva. Também usaremos o termo alcoólico e pessoa quimicamente dependente, adicto e pessoa adicta, para significar a mesma coisa. Este livro foi escrito por pessoas em recuperação da adicção, dedicando-o a você (caso seja uma destas pessoas). Acreditamos, porém que será valioso para aqueles que não são adictos, principalmente consultores e membros da família. Discutiremos adicção como uma doença bio-psico-social. Sendo então uma doença física (bio) que também afeta a mente (psico) e os relacionamentos (social). Há muito tempo se sabe que pessoas com uma doença adictiva experimentam reações anormais, não somente com o uso do adictivo químico, como também por não usar o químico. Quando várias pessoas pensam sobre a doença adicção pensam somente nos sintomas que ocorrem quando alguém está ativamente envolvido na adicção. Eles não sabem que existem sintomas que surgem na abstinência. Estes sintomas baseados na sobriedade podem ser reativados a qualquer tempo durante a recuperação. Vamos discutir alguns destes sintomas em detalhes no capítulo sobre: Síndrome de Abstinência Demorada. Então discutiremos técnicas que minimizarão os riscos da S. A.D. Para entender e prevenir a recaída também é preciso entender o processo da recuperação e o que acontece quando a recuperação não é completa. Chamamos esta de recuperação e ver o que ocorre algumas vezes para bloquear uma recuperação completa. Existem crenças erradas sobre a recaída que exploraremos com você. Estas crenças podem aumentar o risco das recaídas. Mudar algumas destas crenças permitirá que você mude o comportamento que leva à recaída. Muitas pessoas pensam em usar adictivos químicos quando pensam em “recaídas”. Certamente o uso de adictivos é recaída. Mas por pesquisas mais recentes, mais e mais pessoas vêm a perceber que o processo de recaída começa antes de usar a droga de
  • 11. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 11 preferência. As pessoas podem tornar-se disfuncionais na sobriedade sem beber ou usar. Podem perder a capacidade de julgamento e comportamento, desenvolver problemas emocionais ou físicos. Ficam disfuncionais na sobriedade antes de usar adictivos ou em vez de usar adictivos. O processo de recaída vai além da idéia tradicional de recaída com o uso de álcool ou drogas para entender que o processo de recaída incluem atitudes e comportamentos que levam ao uso ativo de adictivos. O processo de recaída é um movimento à parte de recuperação. Não significa que você precisa atingir um ponto difícil na recuperação ou estar experimentando alguma dor e luta na recuperação para estar recaindo. Significa que, em geral, você não está prestando atenção na sua recuperação e não está fazendo coisas que contribuem para o processo de recuperação, você pode estar movendo-se inconscientemente em direção à recaída. Se você estiver parado na recuperação parcial, você está com um alto risco de recaída. Recuperação da doença da adicção começa com a aceitação do fato de que você não pode usar álcool ou drogas alteradoras de humor com segurança. Mas só saber que adictivos químicos são danosos não é o bastante: você precisa parar de usá-los. Não usar adictivos químicos é abstinência, e isso permite que o processo de recuperação comece. É o meio para um fim - o meio de viver normalmente. Aprender e viver normalmente sem uso de adictivos requer mais que abstinência. É necessário corrigir os danos físicos, psicológicos e sociais a saúde, causados pela adicção. Também é necessário aprender a viver uma vida saudável e produtiva sem a necessidade de álcool ou outras drogas, ou mesmo de um comportamento adictivo. A pessoa adicta deve aprender a enfrentar a vida de uma maneira não adictiva. Recaída e recuperação estão intimamente relacionadas. Você não pode experimentar recuperação de adicção sem experimentar uma tendência à recaída. Tendência à recaída é uma parte normal e natural do processo de recuperação. Não tem porque se envergonhar. Precisam tratar delas abertamente e honestamente, pois senão se tornarão mais fortes. Tendências e recaídas são parecidas com fungos venenosos. Crescem melhor na escuridão no segredo. A luz do pensamento claro e acurado tendem a matar as tendências à recaída rapidamente. Quando os sintomas de adicção baseados na sobriedade tornam-se severos demais, a pessoa fica disfuncional embora não beba ou não use. No AA. estes episódios de disfunção são conhecidos como “bebedeira seca”. Neste livro chamamos isto de síndrome da recaída. Quando os sintomas da síndrome da recaída tornam a vida dolorosa demais, muitos alcoólicos preferem beber e usar drogas, para conseguir um alívio temporário da dor. Outros não bebem, mas desenvolvem sérios problemas de vida e de saúde relacionados à síndrome de recaída.
  • 12. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 12 É possível interromper a síndrome da recaída antes que ocorram conseqüências sérias trazendo os sinais de aviso de recaída que você está experimentando conscientemente. Este é o plano de prevenção de recaída. Na parte final deste livro vamos explicar o plano de prevenção de recaída. Existe também um manual de trabalho disponível para guiar pelo processo e planejar a prevenção de recaída e ajudar a desenvolver um plano de prevenção de recaída a sua maneira. CAPÍTULO II DOENÇA DA ADICÇÃO Para entender a recaída, é preciso entender a doença da adicção. As pessoas muitas vezes não conseguem se recuperar porque não entendem sua adicção, ou não conseguem fazer aquelas coisas que podem ajudá-las a evitar a recaída. Informação errada sobre a natureza da adicção é responsável por muitos tratamentos impróprios e incompletos que levam à recaída. ADICTIVOS QUÍMICOS Drogas alteradoras de humor são agentes químicos que produzem mudanças na função do cérebro por alterar a química do cérebro. Uma vez que a função do cérebro for alterada, a pessoa experimenta mudanças físicas, psicológicas e comportamentais como resultado direto. Estas mudanças no funcionamento físico e psicológico, como também no comportamento, causam mudanças no relacionamento social. Todas as drogas alteradoras do humor têm o potencial de alterar o pensamento, danificar a mente e o corpo e afetar os comportamentos e relacionamentos. SE ELAS SÃO USADAS ADICTIVAMENTE OU NÃO. As extensões destas conseqüências dependem da droga usada, da pessoa que utiliza e em alguns casos, das circunstâncias em que é utilizada. As principais drogas adictivas podem ser classificadas em quatro grupos: depressoras, estimulantes, analgésicas e alucinogênicas. As drogas mais comuns encontradas, pertencentes a estas categorias, estão listadas abaixo: 1- DEPRESSORAS: a) Álcool; b) Pílulas para dormir (barbitúricos e similares que agem como sedativos hipnóticos); c) Tranqüilizantes (Librium, Valium, etc).
  • 13. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 13 2- ESTIMULANTES: a) Anfetaminas; b) Cocaína; c) Nicotina (tabaco); d) Cafeína. 3- ANALGÉSICOS a) Narcóticos; b) Derivados de narcóticos. 4- ALUCINOGÊNICAS: a) Alucinogênicos; b) Penciclidina (PCP); c) Cannabis (Maconha, haxixe, etc.). Aparte: 5- Comportamentais (que anestesiam, estimulam, deprimem) a) Práticas de isolamento a anorexia b) Sexo compulsivo c) Fantasias de todos os tipos d) Sedução, troca de olhares e Luxúria Romântica e) Comer compulsivo f) Gastar Compulsivo g) Jogar h) Acesso a Internet compulsiva A DOENÇA DA ADICÇÃO “Adicção” é uma condição na qual uma pessoa desenvolve bio-psico- social dependência com qualquer droga alteradora de humor. Uma adicção leva uma pessoa a usar droga para conseguir uma gratificação a curto prazo. Mas existe um preço a ser pago. Em longo prazo, a adicção é acompanhada por obsessão, compulsão e perda de controle. Quando não está usando, a pessoa que sofre de adicção está pensando, planejando ou procurando usar novamente (isto é a obsessão). O uso interfere com a maneira de viver, mas existe uma compulsão ou necessidade avassaladora para usar novamente, apesar das conseqüências dolorosas em longo prazo. A pessoa adicta usa a droga para aliviar a dor criada pelo seu uso. Assim o contínuo uso do químico leva ao contínuo uso do químico = isto é adicção. Contínuo uso de adictivos químicos leva ao uso continuado de adictivos químicos.
  • 14. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 14 Adicção distingue-se de uso de droga pela falta de liberdade de escolha. Usar uma substância alteradora de humor é uma escolha. Adicção é uma condição que tira da pessoa a escolha, data e freqüência, quantidade e natureza do uso. Toda adicção começa com o uso, mas nem todo uso leva à adicção. Adicção é uma doença física. Ela é classificada propriamente como o câncer, a doença do coração, o diabete, sendo uma doença crônica que em longo prazo produz danos físicos, psicológicos, sociais. Como as vítimas destas outras doenças, os alcoólicos têm condições físicas que os tornam suscetíveis ao desenvolvimento da doença. Embora o alcoolismo, hoje em dia, é amplamente aceito como doença, até pouco tempo atrás era considerado um problema psicológico ou moral. O trabalho do Dr. Jelinck nos anos 50 e 60 levou à aceitação do alcoolismo como uma doença pela Associação Médica Americana (AMA), Sociedade Médica Americana sobre Alcoolismo (AMSA), Conselho Nacional de Alcoolismo (CNA), Associação Psiquiátrica Americana (APA) e Academia Americana de Prática Familiar. Também é considerada como doença pela Associação Psicológica Americana, Associação de Saúde Pública Americana e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Embora entre estes aceitem o alcoolismo como uma doença, existe uma crença comum de que sua causa primária é psicológica. Dr. James Milan deu uma importante contribuição ao reconhecer o alcoolismo como doença física primária. O Dr. Milan declara com ênfase que fatores psicológicos e sociais não representam um papel importante em alcoolismo como em qualquer doença crônica. Ele desafia a noção de que o alcoolismo é causado por susceptibilidade psicológica e apresenta o ponto de vista de que o corpo da pessoa que torna-se adicto ao álcool não reage ao álcool da mesma maneira ao de uma pessoa não adicta. Pesquisas atuais reforçam fortemente esta posição. A pesquisa de Charles Leiber, Marc Schuckit e outros indicam que algumas pessoas nascem com o corpo mais suscetível à adicção que outras. Adicção como uma doença física primária, é afetada e afeta todos os aspectos de vida da pessoa. Por esta razão chamamos a doença adictiva de uma doença bio-psico- social. “Bio” significa biológico ou do corpo. “Psico” significa psicológico ou da mente. “Social” refere-se ao relacionamento entre as pessoas. A doença adictiva é bio-psico-social. O estudo da química do cérebro que afeta a transmissão de mensagem pelas células nervosas está levando a um avanço no entendimento da adicção. Muitas respostas que estão sendo descobertas estão também levantando novas questões. O processo inteiro da ação química do cérebro é
  • 15. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 15 muito complexo, mas está claro que a química do cérebro numa pessoa adicta é diferente de uma pessoa não-adicta. Muito está sendo aprendido no estudo do metabolismo do fígado mostrando que muitas pessoas com uma estória de alcoolismo na família metaboliza o álcool (quebram e o eliminam do corpo) de maneira diferente mesmo antes que haja qualquer indicação de um problema de bebida. Estes estudos reforçam uma base hereditária e genética para a adicção. Pessoas com uma predisposição genética para o alcoolismo não estão pré-destinados a desenvolver a doença, mas têm um risco muito grande pela maneira como seus corpos reagem ao álcool. Uma pessoa precisa usar álcool ou drogas para tornar-se adicta. A predisposição genética influenciará quanto álcool e droga e que período de tempo será necessário para deflagrar a adicção, pessoas diferentes têm níveis diferentes de suscetibilidade genética ou herdada para a adicção. Em algumas pessoas uma pequena quantidade de álcool ou uso de drogas num curto período de tempo pode deflagrar a adicção. Outras pessoas podem usar álcool, drogas pesadas por muito tempo para que se desenvolva a doença adictiva. Jack começou a usar álcool com 19 anos. Na primeira vez que usou álcool ele bebeu mais que pretendia, ficando bêbado e teve problemas com o uso da bebida. Jack nunca teve um dia de bebida normal. Com 26 anos, 7 anos após sua primeira bebida, Jack estava num hospital, seriamente doente por seu alcoolismo. Mais tarde no AA., Jack se descrevia como um “alcoólico instantâneo”. Bill, de outra maneira, também começou a beber com 19 anos. Quase ficou bêbado. Seus primeiros problemas com o álcool começaram a aparecer na idade de 34 anos. O álcool não lhe causou problemas sérios até que completasse 46 anos. Bill teve 15 anos bebendo normalmente antes que seu alcoolismo se tornasse aparente. As pessoas começam a usar álcool ou drogas por razões psico-sociais. Bebem porque se sentem bem (uma razão psicológica), porque os outros bebem, porque ajuda-os a fazer parte de seu grupo, ou porque são pressionados (razões sociais). As pessoas se tornam adictas por razões físicas. Desenvolvem tolerância; precisam usar mais droga para conseguir o mesmo efeito. As células do corpo adaptam-se a altos níveis de droga e começam a funcionar normalmente quando ela está presente e isto leva à dependência. O corpo começa a precisar de droga: a falta da droga resultará em comoção física causando desconforto e doença. Quanto mais as pessoas usam químicos para se sentir bem, menos elas aprendem a usar maneiras eficazes para experimentar e enfrentar sentimentos, situações e pessoas. Eles não aprendem ou esquecem de usar outros métodos para resolver problemas. Sua dependência torna-se tão psico-social quanto física. Todas as áreas de sua vida são afetadas.
  • 16. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 16 SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA A dor que aparece quando uma pessoa adicta pára de usar drogas ou álcool é chamada de síndrome da abstinência. Parte da dor de abstinência é criada pelos danos físicos e pela necessidade física da substância adictiva. Parte da dor é causada pela reação psicológica por perder o principal método de lidar com a vida - o uso de drogas adictivas. Parte da dor é social, causada pela separação de uma maneira de viver centrada na adicção. A síndrome de abstinência física se desenvolve em duas fases. A primeira é chamada abstinência aguda e dura de três a dez dias. Durante algum tempo as pessoas acreditavam que a dor da abstinência passava após vários dias. Pesquisas recentes, porém, mostram que a síndrome de abstinência é de longo prazo e pode durar meses ou anos na sobriedade. Esta síndrome de abstinência em longo prazo, chamada de síndrome de abstinência demorada (SAD) será discutida em detalhes num capítulo posterior. PROGRESSÃO Um alcoólico desenvolverá uma série de sintomas previsíveis, baseados em álcool e drogas. Estes sintomas progridem por três estágios: No primeiro estágio é muito difícil distinguir o uso adictivo ou não adictivo porque existem poucos sintomas visíveis. O corpo, porém, está mudando e se adaptando a ingestão regular da droga. O sintoma principal do primeiro estágio da adicção é um aumento da tolerância. Isto significa que as pessoas que estão se tornando adictos podem geralmente usar cada vez mais quantidade sem ficar intoxicadas e sem sofrer conseqüências danosas. PROGRESSÃO DA DOENÇA ADICTIVA 1- Estágio Inicial - crescente tolerância e dependência. 2- Estágio Médio - progressiva perda de controle. 3- Estágio Crônico - deterioração da saúde bio-psico-social. Para estas pessoas é difícil reconhecer que são adictas, pois podem “controlar a bebida” (ou maconha, Valium). O primeiro sinal de aviso então, realmente se opõe ao diagnóstico precoce porque ele esconde o problema. Enquanto muitas doenças criam prejuízos imediatos no funcionamento, esta doença inicialmente aparece como um benefício, dando a pessoa afetada um sentimento eufórico com o uso da droga, sem pagar nenhuma penalidade. Porém a dependência física e psicológica, embora oculta, está aumentando, pois não há mais apenas um desejo de usar, mas uma necessidade de usar. Todas as células do fígado e do sistema nervoso
  • 17. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 17 mudam para tolerar maiores quantidades do químico, pois quantidades maiores são necessárias para conseguir o mesmo efeito. Quantidades aumentadas prejudicam o fígado, alteram a química do cérebro e logo a tolerância começa a cair. Bill ficou surpreso quando finalmente entrou em tratamento. “Eu não acreditava em quão seriamente doente estava”, disse Bill. “O problema caiu sobre mim num tempo curto. As mudanças foram lentas e nunca percebi como minha maneira de beber se tornava destrutiva”. O estágio médio da adicção, então, é marcado por uma progressiva perda de controle quando a pessoa não consegue mais usar as mesmas quantidades sem ficar intoxicado ou criar problemas. Não usar começa a criar dor. A droga é usada para aliviar a dor de não usar. A pessoa adicta é incapaz de funcionar normalmente sem a droga. Família e amigos começam a notar o problema: trabalho, saúde, casamento, problemas legais. Eles são capazes de acreditar, porém, que a pessoa está se comportando irresponsavelmente. Não têm consciência de que o adicto não escolheu o problema de comportamento. Ele é parte da doença. A pessoa não pode, pela força de vontade, escolher beber ou usar responsavelmente. A única alternativa para os problemas continuados e o processo de progressão da doença é tratamento e abstinência total. O estágio crônico da adicção é marcado pela deterioração física, psicológica, de comportamento social e espiritual. Todos os sintomas do corpo podem ser afetados neste estágio. O cérebro, o fígado, o coração e muitas vezes o sistema digestivo estão afetados. Mudanças de humor são comuns quando a pessoa usa drogas para se sentir melhor, mas é incapaz de manter os bons sentimentos. Quando a vida fica cada vez mais centrada na droga, há cada vez menos controle sobre o comportamento. Atividades que interferem com a bebida ou o uso são abandonadas. Estar pronto para usar, usando e se recuperando do uso tornam-se atividades da vida do adicto. Ele faz coisas quando bebe que não faria sóbrio. Quando sóbrios, eles estruturam suas vidas para proteger seu uso. Quebram promessas, esquecem compromissos, mentem - tudo para poder usar. Isolamento é comum. Amigos e conhecidos se afastam porque o comportamento torna-se embaraçante ou ofensivo. A vida é consumida pela necessidade de usar. O comportamento e procura de drogas torna-se a maneira de viver. FASES DA NEGAÇÃO 1- Estágio Inicial - poucos problemas observáveis. 2- Estágio Médio - problemas não ligados com o uso adictivo. 3- Estágio Crônico - muito doente para pensar racionalmente.
  • 18. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 18 PENSAMENTO FALSO Adicção é uma doença crônica. Chega gradualmente e permite aos adictos ajustarem-se à doença para que, por um tempo, sejam capazes de continuar funcionando, embora doentes. Por não estarem conscientes que estão compensando-se e adaptando-se a sua doença, são capazes de negar que estão doentes por muito tempo. A negação da doença aumenta devido a danos neurológicos que distorcem a realidade pelos apagamentos que criam espaços vazios na memória, e pelo efeito de intoxicação na percepção e memória. Negação da doença é parte da doença. O Adicto é capaz de negar a existência de adicção porque no estágio inicial não existem problemas físicos ou de comportamento; no estágio médio os problemas não estão associados ao uso; e no estágio crônico o pensamento é prejudicado e o julgamento distorcido. A negação bloqueia a motivação para a recuperação, marcando a dolorosa realidade de uma vida presa num ciclo de dor, negação e uso de álcool/drogas das quais parece que não há saída. O CICLO DE ADICÇÃO O que descrevemos é um ciclo de adicção que leva o adicto a uma armadilha mortal. Vamos dar uma olhada mais próxima neste ciclo e o que acontece a você se ficar preso nele. CICLO DE ADICÇÃO 1- Gratificação a curto prazo; 2- Dor a longo prazo; 3- Pensamento adictivo; 4- Aumento da tolerância; 5- Perda de controle; 6- Danos bio-psico-social. 1- GRATIFICAÇÃO A CURTO PRAZO: Primeiro há uma gratificação a curto prazo. Sente-se bem agora, há um forte ganho a curto prazo, que leva você a assumir que a droga ou comportamento é bom. 2- DOR A LONGO PRAZO: A gratificação a curto prazo é seguida por dor a longo prazo. Esta dor, parte da qual é devida à abstinência física, e parte por dificuldade de funcionar psico-socialmente sem drogas, é conseqüência direta do uso de drogas adictivas. 3- PENSAMENTO ADICTIVO: A dor a longo prazo e a disfunção deflagram o pensamento adictivo. O pensamento adictivo começa com a obsessão e compulsão. Obsessão é um pensamento contínuo sobre os
  • 19. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 19 efeitos positivos do uso do álcool e das drogas. Compulsão é um impulso emocional ou necessidade de usar a droga para conseguir o efeito positivo embora saiba que vai murchar ao longo da caminhada. Isto leva a negação e a racionalização para permitir o uso continuado. Negação é a incapacidade de reconhecer que há um problema. Racionalização é atacar outras situações e pessoas, por problemas em vez do uso da droga. 4- AUMENTO DA TOLERÂNCIA: Sem sentir o que está acontecendo, necessita-se cada vez de mais droga para produzir o mesmo efeito. 5- PERDA DE CONTROLE: A obsessão e a compulsão tornam-se tão urgentes que não se pode pensar em mais nada. Sentimentos e emoções ficam distorcidos pela compulsão. Fica-se enterrado, desconfortável até que o impulso para usar é tão forte que não se consegue resistir. Uma vez usado o adictivo químico ou os comportamentos adictivos novamente, o ciclo começa outra vez. 6- DANOS BIO-PSICO-SOCIAIS: Eventualmente haverá danos para a saúde de seu corpo (saúde física), mente (saúde psicológica) e relações com outras pessoas (saúde social). Como a dor e o stress ficam piores, a compulsão para usar drogas ou comportamentos adictivos para conseguir alívio da dor aumentam. Desenvolve-se uma armadilha mortal. Precisa-se usar adictivos para sentir-se bem. Quando se usa adictivamente, prejudica- se fisicamente, psicologicamente e socialmente. Este dano aumenta a dor que aumenta a necessidade de uso de adictivos. Torna-se um ciclo vicioso, o uso leva a culpa e que leva ao uso novamente. RECUPERAÇÃO Abstinência total é necessária para se recuperar de uma a adicção. Promessas para diminuir são promessas que não podem ser mantidas. Qualquer uso manterá a adicção ativa. Abstinência é o primeiro passo necessário à recuperação. Susana rebelou-se com a necessidade de abstinência total. “Pensei que poderia controlar meu uso”, ela disse contando sua história. Ela lutou com o controle por cinco anos antes de aceitar a necessidade de abstinência total. “Trabalhei duro para controlar meu uso de álcool e drogas mais do que qualquer coisa que minha vida inteira, e mesmo com todo esse trabalho falhei periodicamente e entrei em confusão. Finalmente perguntei a mim mesma por que o controle é tão importante? A resposta foi simples: - Porque sou dependente química e devo proteger meu direito de uso a qualquer custo”. Somente abstinência, porém não é recuperação. Em muitos casos a escolha de parar de usar não é suficiente para se conseguir uma sobriedade duradoura e recuperação a não ser que a decisão seja acompanhada de tratamento de algum tipo. Muitos, bem intencionados fizeram tentativas honestas para parar de usar, mas, sem ajuda externa, não tiveram sucesso.
  • 20. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 20 O primeiro passo no tratamento é desintoxicação, removendo a substância tóxica do corpo. Sintomas de síndrome de abstinência aguda que aparecem quando o químico é removido podem ser muito sérios. Síndrome de abstinência é um problema médico e deve ser tratado por um médico. Um método comum de desintoxicação é administrar uma droga substituta e diminuir a dose gradualmente enquanto existem sintomas da retirada. Deveria ser visto que a pessoa não está totalmente desintoxicada até que a droga substituta seja removida e a pessoa fique livre de drogas. A desintoxicação sozinha não é um tratamento adequado para a doença da adicção. Desintoxicação sozinha não é um tratamento adequado. Para manter a abstinência, se requer muito mais. A adicção afeta todos os aspectos da vida da pessoa. Por isso essa doença requer um tratamento holístico. A recuperação requer mudanças duradouras físicas, psicológicas, de comportamento, sociais e espirituais. A educação é um aspecto importante do tratamento. Devido à recuperação de uma adicção requerer auto administração, é necessário para os pacientes adictos aprender o mais possível sobre sua doença e como manejá-la. Aconselhamento individual e em grupo - em um hospital com um programa de internação ou ambulatorial ou um local residual sem ser um hospital, são componentes vitais do tratamento. A intenção do aconselhamento é facilitar o desenvolvimento de habilidades que irão apoiar uma sobriedade crescente e uma recuperação duradoura. Pesquisar as causas de uma adicção (como problemas emocionais ou familiares) geralmente não é produtivo. O tratamento que reconhece a adicção como condição primária em vez de ser o sintoma de outra coisa, tem sido considerada mais eficiente. Alcoólicos Anônimos é o mais simples tratamento de alcoolismo efetivo. Mais pessoas se recuperam do alcoolismo usando o programa de AA. do que se recuperam de qualquer outra maneira de tratamento. Por esta razão é que o AA. precisa ser uma parte vital de qualquer plano de sobriedade de um alcoólico. Existem grupos de auto-ajuda para outras adicções, como o Narcóticos Anônimos para usuários de drogas, o Coda, para pessoas ligadas ao adicto, o Dasa, para pessoas com adicção em sexo, relacionamentos ou falta deles, os Neuróticos Anônimos que trata a neurose e o pensar compulsivo. No início da recuperação, porém, muitas pessoas requerem uma ajuda mais extensiva ou mais especializada que um grupo de auto-ajuda pode dar. Quando a pessoa está doente fisicamente, precisa de cuidados médicos. Algumas pessoas precisam ficar num ambiente protegido para manter a abstinência o tempo suficiente para que a recuperação comece.
  • 21. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 21 Os tratamentos de mais sucesso combinam os princípios dos doze passos do AA. com aconselhamento profissional e terapia. Muitas vezes também existe no curso da recuperação pessoas que enfrentarão problemas específicos. Isto pode incluir dificuldades financeiras, problemas conjugais, desordens emocionais ou psicológicas, ou problemas de comportamento que não são um resultado direto da adicção. Embora isto possa melhorar com um programa de auto-ajuda somente, tem sido demonstrado que o aconselhamento profissional e terapia podem dar assistência e resolver estes assuntos mais rapidamente e eficazmente. As formas de tratamento de mais sucesso combinam grupo de auto-ajuda com tratamento profissional. Administração dos sintomas da Síndrome de Abstinência Demorada são essenciais para se manter a sobriedade. Administrar inclui entender e aceitar estes sintomas que interferem com a habilidade de se lembrar, pensar claramente e administrar sentimentos e emoções. Também inclui vencer a vergonha, culpa e o medo de ficar louco que está muitas vezes ligado a estes sintomas. Inclui reduzir e administrar o stress, retreinamento da memória e uma vida equilibrada. Sobriedade é essencial para uma boa saúde e uma boa saúde é essencial para a sobriedade. A primeira regra de boa saúde física para a pessoa em recuperação inclui a abstinência de todas as drogas que alteram o humor. Isto inclui drogas prescritas e auto-medicação, a não ser que seja absolutamente necessária para lidar com algum outro problema sério de saúde. Então elas podem ser cuidadosamente monitoradas sob os cuidados de um médico e um consultor em adicção. Boa nutrição é vital para a recuperação. Má nutrição e álcool ou drogas prejudicam o corpo e deve ser reconstruído por uma dieta balanceada. Porque as pessoas em recuperação são sensíveis ao stress, substâncias que causam stress como doces concentrados, cafeína e nicotina deveriam ser evitados. O exercício é importante e ajuda a reconstruir e manter o corpo. Exercícios são especialmente benéficos em reduzir e lidar com o stress. Tempo de relaxamento deve ser colocado na vida de cada pessoa em recuperação. Exercícios de relaxamento reequilibram o corpo e reduzem a produção de hormônios de stress. Alegria e jogos também relaxam e contribuem para a calma e bem estar. Recuperação requer a resolução dos problemas de família, trabalho e sociais que foram criados por uma adicção ativa. Também envolve o desenvolvimento de novas e mais significantes redes sociais. Os membros da família devem fazer parte do programa. Eles, como o usuário, ficaram disfuncionais pelo uso da droga. Papeis, regras e rituais da família devem ser redefinidos e reestruturados. Habilidades de comunicação devem ser aprendidas ou reaprendidas na sobriedade. Toda a família precisa se recuperar junto. É difícil se recuperar de uma adicção sem o que é referido no A.A como um “programa espiritual”.
  • 22. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 22 Os princípios de A.A ensinam que os alcoólicos são impotentes perante sua condição e não podem controlar suas vidas até que aceitem a ajuda de um poder superior a eles mesmos. Uma vida que inclua viver saudável, relacionamentos melhorados, propostas de valores fora de si mesmo e crescimento espiritual apóiam saúde e sobriedade duradoura. Reorientar a vida em torno de valores que não são centrados em drogas é uma parte essencial da recuperação. Um estilo de vida que leva a usar não é o que leva à sobriedade. CAPÍTULO III SÍNDROME DA ABSTINÊNCIA DEMORADA Quando a maioria das pessoas pensam sobre alcoolismo, pensam somente nos sintomas baseados no álcool e esquecem dos sintomas baseados na sobriedade. Ainda são os sintomas baseados na sobriedade, especialmente da abstinência demorada, que tornam a sobriedade tão difícil. A presença de disfunção no cérebro foi documentada em 75-95% dos alcoólicos testados. Pesquisa recente mostra que os sintomas de abstinência demorada associados com danos relacionados com álcool e drogas no cérebro podem contribuir em muitos casos de recaída. Abstinência demorada sintomas que ocorrem após abstinência aguda. Síndrome significa um grupo de sintomas. Síndrome: Um grupo de sintomas. Abstinência demorada: Sintomas que ocorrem após a abstinência aguda. Abstinência demorada é um grupo de sintomas da doença adictiva que ocorre como um resultado da abstinência de adictivos químicos. No alcoólico, estes sintomas aparecem entre sete e quatorze dias de abstinência, após a estabilização da abstinência aguda. É uma síndrome bio- psico-social. Resulta da combinação dos danos causados ao sistema nervoso pelo álcool ou drogas e o stress psico-social de lidar com a vida sem drogas ou álcool. Recuperação causa muito stress, muitos adictos nunca aprendem a lidar com o stress sem álcool e uso de drogas. O stress agrava a disfunção cerebral e torna os sintomas piores. A severidade da SAD depende de duas coisas: a severidade da disfunção cerebral causada pela adicção e a quantidade de stress psico-social experimentado na recuperação. Os sintomas da SAD geralmente atingem uma intimidade de pico de três a seis meses após o início da abstinência. O dano geralmente é reversível, significando que os sintomas principais vão embora na hora, se um tratamento próprio for feito; assim não precisa ter medo. Com o
  • 23. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 23 tratamento correto e uma vida sóbrio efetiva, é possível aprender a viver normalmente apesar dos danos. Mas o ajustamento não ocorre rapidamente. A recuperação dos danos no sistema nervoso requer normalmente de seis a vinte e quatro meses, com a ajuda de um saudável programa de recuperação. SINTOMAS DA ABSTINÊNCIA DEMORADA (SAD) Como saber se você tem SAD? A característica que identifica melhor é a falta de capacidade para resolver problemas, geralmente simples. Existem seis tipos de sintomas de SAD que contribuem para isso. São eles: • a incapacidade de pensar com clareza; • reações emocionais exageradas; • problemas de memória; • distúrbios do sono; • problemas de coordenação física; • problemas para lidar com o stress. 1- Incapacidade de pensar com clareza. Existem várias desordens de pensamento experimentadas por pessoas quando a SAD é ativada. A inteligência não é afetada. É como se o cérebro não funcionasse bem, às vezes. Às vezes funciona tudo bem, às vezes não. Um dos sintomas mais comuns é a incapacidade de se concentrar por mais que alguns minutos. Danos no raciocínio abstrato é outro sintoma comum de SAD. Uma abstração é uma idéia ou conceito que não é concreto. Algo que você não pode pegar com as mãos, colocar num quadro ou colocar numa caixa. Concentração é muito importante quando conceitos abstratos estão envolvidos. Outro sintoma comum é o pensamento rígido e repetitivo. Os mesmos pensamentos dão voltas e mais voltas na tua cabeça e você não é capaz de brecar esse pensamento circular, para colocar os pensamentos de uma maneira ordenada. 2- Problemas de memória. Problemas de memória imediatos são muito comuns na pessoa em recuperação. Você pode ou vir alguma coisa e entender, mas dentro de vinte minutos você já a esqueceu. Alguém dará uma instrução e você sabe exatamente o que fazer. Logo depois esta memória fica nublada ou desaparece completamente. Algumas vezes, em períodos de stress pode ser difícil lembrar-se de eventos significativos do passado. Estas memórias não se apagaram. A pessoa pode ser capaz de lembrá-la facilmente em outras horas. Percebe que sabe, mas não pode lembrar na hora do stress. Para uma alcoólica chamada Jane isto criou um problema no AA. - “Eu tinha problema em apresentar minha estória no AA.” - ela disse. “Tinha
  • 24. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 24 problemas para lembrar-se de coisas que aconteceram antes dos meus dias de bebida, ficando somente as coisas que aconteceram enquanto bebia. Colocar minha vida numa estória é difícil para mim. Não me lembro dela toda. Lembro que algumas coisas aconteceram, mas fico confusa sobre quando ocorreram. As vezes posso lembrar algo quando estou sozinha e sem pressão, porém não posso lembrar-me sobre a pressão que sinto quando falo nas reuniões”. Devido ao problema de memória na recuperação, poderá ser difícil aprender novas habilidades e informações. Você aprende habilidades adquirindo conhecimento e construindo sobre o que você já aprendeu. 3- Reação emocional exagerada ou insensibilidade. Pessoas com problemas emocionais na sobriedade tendem a reagir com exagero. Quando acontecem coisas que requerem duas unidades de reação emocional, elas reagem com dez. Você pode ficar nervoso com alguma coisa que mais tarde pode parecer um assunto trivial. Você pode ficar mais ansioso ou excitado do que você tinha motivo de ficar. Quando essa reação exagerada coloca mais stress no sistema nervoso do que você pode manejar, há um desligamento emocional. Se isso acontece, você fica insensível emocionalmente, incapaz de sentir qualquer coisa, mesmo sabendo que deveria sentir algo, você não sente nada. Você pode variar um humor para outro sem saber por quê. 4- Problemas de sono. Muitas pessoas em recuperação experimentam problemas com sono. Alguns são temporários, outros são para sempre. O mais comum no início da recuperação são sonhos incomuns ou perturbadores. Estes sonhos podem interferir para que você consiga o sono que você precisa. Mas eles ficam menos freqüentes e menos severos quando aumenta a duração da abstinência. Existe um relacionamento direto entre stress elevado e a severidade da SAD. Um intensifica o outro. A intensidade da SAD cria stress, o stress agrava a SAD e a torna mais severa. Quando o stress abaixa, os sintomas melhoram e podem até ir embora. Quando se está descansado e relaxado, comendo corretamente, e estando bem com as pessoas, ficará bem. Os pensamentos serão claros, as emoções apropriadas e a memória boa. Nas horas de stress alto, porém, o cérebro pode desligar subitamente. Começa- se a ter problemas com os pensamentos, emoções impróprias e problemas de memória. Se os pensamentos ficam confusos ou caóticos ou se é incapaz de se concentrar. Se existe dificuldade para lembrar ou resolver problemas você, pode-se sentir que vai se ficar louco. Você não é. Estes sintomas são uma parte normal da recuperação e são reversíveis com a abstinência e um programa de recuperação. Se a pessoa não entender isto, você pode ficar com vergonha e culpa, que diminuirá a auto estima e levará ao isolamento
  • 25. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 25 que cria stress e aumenta a SAD. É um ciclo de dor que é desnecessário se for possível entender o que está acontecendo. Quando o corpo e a mente melhoram, aprende-se maneiras de reduzir o risco dos sintomas da SAD, uma vida produtiva e significativa é possível, apesar da possibilidade dos sintomas recorrentes. A recuperação dos danos causados pela adicção exige abstinência. O próprio dano interfere com a habilidade de manter a abstenção. Este é o paradoxo da recuperação. O álcool pode reverter temporariamente estes sintomas de dano. Se o alcoólico beber, por pouco tempo, ele começará a pensar claramente, terá sentimentos normais e emoções e se sentirá saudável. Infelizmente, a doença levará a uma perda de controle que destruirá de novo estas funções. Por isso é necessário reduzir os sintomas da SAD. É necessário entender-se a SAD para perceber que não se é incompetente e se está ficando louco. Como os sintomas da síndrome da abstinência demorada são sensíveis ao stress, você precisa aprender sobre SAD e os métodos de controle quando os níveis de stress estão baixos, para ser capaz de prevenir os sintomas ou manejá-los quando ocorrerem. Aqui estão algumas estórias sobre pessoas que experimentaram a síndrome de abstinência demorada e como isto afetou suas vidas sem eles perceberem o que estava acontecendo a eles. Ray é um jovem solteiro, alcoólico em recuperação. Parou de beber quando tinha 22 anos. Estava muito entusiasmado do que viria com sua sobriedade. Após seu tratamento inicial ele começou a reestruturar sua vida em torno da recuperação. Estava ansioso para recuperar o tempo que tinha perdido durante seus anos de bebida. Conseguiu um emprego de tempo integral, se inscreveu na faculdade e se prontificou a fazer trabalho voluntário. Após algum tempo percebeu que estava tendo problemas com seus trabalhos escolares. Sentia-se confuso sobre coisas que antes tinham sido fáceis para ele seguir e representar. Estava tendo problemas de cuidar de suas responsabilidades financeiras, quando as pessoas que se preocupavam com ele tentavam ajudá-lo, sentiu pânico e foi vencido pela emoção. Os pensamentos corriam em sua cabeça e ele não conseguia colocá-los em ordem. Ele disse: “Quando alguém do escritório de ajuda financeira na faculdade começava a falar para mim sobre compartilhar dinheiro, emprestar dinheiro, formulários que precisavam ser preenchidos, eu ficava confuso e nervoso que não podia ouvir o que ele dizia. Rodava tudo na minha cabeça e precisei ir embora. Levantei e sai sem preencher o formulário de ajuda financeira”. Em desespero e com medo de beber Ray fugiu. Em vez de avaliar que coisas na sua vida ele precisava mudar e o que devia manter, abandonou tudo. Abandonou seu emprego, saiu da escola e parou de fazer o trabalho voluntário. Abandonou seu apartamento e se mudou para a casa de um parente até que pudesse “juntar os seus pedaços”. Isto criou problemas adicionais com os quais teve grandes dificuldades para lidar. Procurou então um consultor com quem aprendeu
  • 26. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 26 algumas maneiras de lidar com seus sintomas. Ray pensava que estava tendo um colapso nervoso quando o que estava experimentando era SAD. Telma conseguiu um novo emprego, isso após o início de sua recuperação. Estava confiante na sua habilidade de aprender o trabalho e corresponder em suas novas responsabilidades. Ela não tinha qualquer problema para entender o que devia fazer, quando lhe explicaram. Logo depois quando tentou fazer certas tarefas sozinha não conseguia se lembrar de como fazê-las. Tinha vergonha de pedir ajuda porque achava que era capaz de fazer estas tarefas simples sem ajuda. Freqüentemente errava quando tentava fazê-las sozinha. Começou a se sentir muito ansiosa e conforme seu stress aumentava seus problemas também aumentavam. Além disso, começou a ter problemas de se concentrar quando alguém lhe explicava algo. Ficava confusa e a ansiedade aumentava: “Não podia imaginar o que estava acontecendo comigo”, ela se lastimava, “sabia que tinha a habilidade para fazer o trabalho, mas quanto mais duro tentava, pior ficava”. Estava confusa e perturbada e não sabia como conseguir ajuda, após vários problemas Telma perdeu o emprego. Não sabia por que isto tinha acontecido e começou a acreditar que era menos competente. ESTRUTURA DA SÍNDROME DA ABSTINÊNCIA DEMORADA Os sintomas da SAD não são os mesmos em todas as pessoas. Variam na severidade, na ocorrência e na duração. Umas pessoas experimentam alguns sintomas, outras experimentam outros e algumas não têm nenhum. A SAD, por um período de tempo, pode melhorar, pode piorar ficar no mesmo, ou pode ir e vir. Se melhora com o tempo a chamamos de regenerativa. Se piora a chamamos de degenerativa. Se permanece igual a chamamos de estável. Se ela vem e vai a chamamos de intermitente. SAD Regenerativa - pode melhorar SAD Degenerativa - pode piorar SAD Estável - permanece o mesmo SAD Intermitente - vai e volta SAD regenerativa gradualmente melhora com o tempo. Quando mais tempo está sóbrio os sintomas ficam menos severos. É mais fácil pessoas com SAD regenerativa recuperarem-se porque o cérebro rapidamente volta ao normal. SAD degenerativa é o oposto. Os sintomas pioram com o passar do tempo de sobriedade. Isto pode acontecer, mesmo que a pessoa esteja freqüentando o AA. e ou seguindo algum tipo de programa de recuperação. Pessoas com SAD degenerativa tendem recair. A sobriedade fica tão dolorosa que eles sentem que devem se auto-medicar da dor com álcool ou
  • 27. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 27 drogas, entram em colapso físico ou emocional, ou cometem suicídio para acabar com a dor. A pessoa com SAD estável experimenta o mesmo nível de sintomas por um longo período de tempo na sobriedade. Pode haver dias em que os sintomas estão pouco melhores ou pouco piores, mas normalmente os sintomas não mudam. Muitas pessoas em recuperação acham isto muito frustrante porque acreditam que deveriam se sentir melhor com o tempo de sobriedade. Com o tempo suficiente de sobriedade muitas pessoas aprendem a lidar com estes sintomas. Com a SAD intermitente os sintomas vêm e vão. No começo as pessoas com sintomas intermitentes parecem experimentar uma estrutura regenerativa. Em outras palavras, rapidamente seus sintomas começam a melhorar. Mas então começam a experimentar episódios periódicos de SAD que são bastante severos. Para algumas pessoas, os episódios diminuem, ficam menos severos, demoram mais para aparecer e então param todos de uma vez. Em outros, eles continuam por toda a vida. Estas estruturas descrevem pessoas que não se trataram de SAD e não sabem como lidar ou prevenir os sintomas. Tratamento tradicional não trata estes sintomas, porque até pouco tempo eles não eram reconhecidos. Se você sabe o que fazer e está disposto a fazer. SAD degenerativo pode mudar para estável, estável para regenerativo ou intermitente. A estrutura mais comum de SAD é a regenerativa, que com o tempo passa para intermitente. Gradualmente melhora até que os sintomas desapareçam e então vão e vêm. O primeiro é trazer os sintomas de SAD para remissão. Isto significa colocá-los sob controle, para que você não os sinta no momento. Então o objetivo é reduzir as vezes que ocorreram, quanto eles duram, e quão ruim os sintomas são. Você deve lembrar que mesmo quando eles não estão acontecendo existe sempre a tendência deles voltarem. É preciso construir uma resistência contra eles - uma maneira segura que baixa seu risco. COMO LIDAR COM OS SINTOMAS DA SAD Quanto menos atenção for dada ao processo de recuperação, maiores as possibilidades de se desenvolver a SAD e menores serão as resistências. Pode-se fazer uma analogia com o tétano. Quanto mais distante a intervenção após um episódio da infecção, maiores as probabilidades de se desenvolver a doença. Condições que colocam em alto risco de experimentar a SAD geralmente são falta de cuidado pessoal e falta de atenção no teu programa de recuperação. Se o adicto quer se recuperar sem uma recaída, precisa
  • 28. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 28 estar consciente dos sintomas de stress na tua vida, pois isto pode aumentar o risco de experimentar SAD. Como não pode se sair de todas as situações de stress, é necessário preparar-se para lidar com elas quando ocorrerem. Não é a situação que quebra a pessoa em pedaços, é a reação perante a situação. EDUCAÇÃO E RETREINAMENTO Aprendendo sobre a doença da adicção, recuperação e síndrome da abstinência demorada a aliviar a ansiedade, culpa e confusão que levam a criar o stress que intensifica os sintomas da SAD. Como uma pessoa em recuperação, você precisa de informação para perceber que os sintomas são normais durante a recuperação. Você também precisa aprender habilidades de administração para que saiba o que fazer para interromper e controlar o stress e os sintomas quando eles ocorrerem. Pelo re-treinamento você melhora sua habilidade de lembrar, concentrar-se e pensar claramente. Re-treinamento envolve a prática de certas técnicas num ambiente seguro onde se constrói confiança. Inclui fazer as coisas passo a passo e lidar com uma coisa de cada vez para não se sentir sobrecarregado. Inclui escrever em baixo o que você deseja lembrar e fazer perguntas quando você precisa classificar alguma coisa. Aprendendo sobre os sintomas da síndrome de abstinência demorada, sabendo o que pode acontecer, e não reagindo com exagero aos sintomas, aumenta a habilidade para funcionar apropriadamente e efetivamente. COMPORTAMENTO AUTO-PROTETOR Depois que tudo é falado e feito, você é responsável para se proteger de qualquer coisa que ameace sua sobriedade ou algo que acione os sintomas da SAD. Reduzir o stress que resulta e que contribui para os sintomas da abstinência demorada deveria ser a tua primeira preocupação. Você deve aprender comportamentos que te protegerão do stress e que podem ameaçar a sobriedade. Este comportamento auto-protetor é o que te capacitará a ser firme em aceitar suas próprias necessidades e não permitir que outras pessoas ou situações leve você a reações que não são o melhor para tua sobriedade. Para proteger de stress desnecessário, primeiro você deve identificar o que aciona o stress, aquelas situações que podem levar a uma reação exagerada. Então aprender a mudar estas situações, evitá-las, mudar reações, ou aprender a interrompê-las antes de perder o controle.
  • 29. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 29 NUTRIÇÃO A maneira que você come tem muito a ver com o nível de stress que você experimenta e tua habilidade para lidar com os sintomas da SAD. O stress deflagra e intensificam os sintomas da SAD, ela pode ser controlada, aprendendo a lidar com o stress e desenvolver habilidades em tomar decisões e resolver problemas para ajudar a reduzir o stress. Dieta correta, exercícios, hábitos regulares, atitudes positivas, todos representam partes importantes em controlar a SAD relaxamento pode ser usado como uma ferramenta para re-treinar o cérebro a funcionar corretamente e reduzir o stress. Uma saúde pobre contribui por si mesma para o stress, e uma má nutrição contribui para uma saúde pobre. Pode-se ficar mal nutrido devido a maus hábitos alimentares ou devido ao teu corpo prejudicado pelo álcool ou drogas, sendo incapaz de usar os nutrientes que se consome. Abstinência do álcool e drogas trará alguma melhoria, mas a abstinência somente não é suficiente para reconstruir o tecido do corpo danificado e manter boa saúde. Novos hábitos alimentares devem ser estabelecidos e praticados regular e permanentemente. A dieta diária deve ser equilibrada com vegetais, frutas, carboidratos, proteínas, gorduras e laticínios. Solicitar a um nutricionista ajuda para descobrir quantas calorias se necessita a cada dia e que quantidades de cada tipo de alimento é adequado. DIETA PARA UMA PESSOA EM RECUPERAÇÃO - Três refeições bem balanceadas diariamente. - Três nutritivos lanches diariamente. - Evitar açúcar e cafeína A fome produz stress. Tente planejar a lista de tuas refeições assim como omitir refeições e ter periodicamente lanches nutritivos. Não coma açúcar, bolachas, refrigerantes, batatas fritas, ou outros alimentos com altas calorias e baixos nutrientes. Especificamente você deve evitar a produção de stress comendo doces concentrados e cafeína. Estes dois produtos produzem a mesma espécie de reação química em teu corpo, como ficar assustado e principalmente excitado. Doces concentrados como açúcar, geléia, xarope e refrigerantes adocicados te darão uma rápida “subida”, porém uma hora mais tarde. Se experimentará uma “caída” acompanhada de nervosismo e irritabilidade. Lembre-se que a razão para você comer um lanche é combater a fadiga e o nervosismo. Fazer um lanche delicioso evita você ficar com fome e previne uma compulsão por doces. Jayne, uma alcoólica em recuperação, tinha o hábito de comer uma grade quantidade de sorvete toda noite. Falou muitas vezes da compulsão que lhe dava, e acreditava que por comê-lo estava reduzindo a
  • 30. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 30 compulsão por álcool. Na manhã seguinte sempre se sentia pesada e irritada. Durante o dia, seu stress aumentava até ser aliviado por um sorvete. Quando seu consultor lhe sugeriu tirar o sorvete de sua dieta, sentiu que não podia continuar sem ele. Quando examinaram sua dieta, descobriram que no café da manhã ela não comia e durante o dia não se nutria bem. Concordou então, em tentar uma dieta balanceada a fazer uma tentativa de eliminar o sorvete. Ela descobriu que com uma dieta balanceada e com refeições regulares e vários lanches nutrientes durante o dia, sua compulsão por sorvete desapareceu e então pode eliminá-lo facilmente de sua vida. Cafeína também causa nervosismo e desconforto. Pode também interferir na concentração e condições de sono. Perda de sono ou sono irregular causa irritabilidade, depressão e ansiedade. ESTABILIZAÇÃO Se você estiver experimentando sintoma de SAD, é importante colocá-los sob controle o mais breve possível. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar a perceber o que está acontecendo e ajudar a interromper os sintomas antes que fiquem fora de controle. VERBALIZAÇÃO Comece a compartilhar com pessoas que não vão acusar, criticar ou minimizar. É necessário dizer o que se está sentindo. Vai ajudar a ver a situação mais realisticamente. Ajudará a trazer sintomas internos à percepção consciente. Isto dará ao adicto o apoio quando necessitar confiar nos outros. LIVRE EXPRESSÃO: expressar tanto quanto puder sobre o que você está pensando e sentindo mesmo se parecer irracional e infundado. TESTANDO A REALIDADE: pergunte a alguém se o que você fez tem sentido. Não só o que você diz mas teu comportamento. Tua percepção do que está acontecendo pode ser muito diferente da realidade. Problema resolvido e objetivo alcançado. Você está fazendo o quê, sobre o que está acontecendo? TRILHANDO PARA TRÁS: pense sobre o que aconteceu. Você pode identificar como o episódio começou? O que deslizou mais rápido? Pense nas outras vezes que teve sintomas de SAD. O que os iniciou? Como terminou? Existem outras opções que poderiam funcionar melhor ou mais rápido.
  • 31. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 31 EXERCÍCIO Exercícios ajudam a reconstruir o corpo e o mantém em bom funcionamento, reduzindo também o stress. O exercício produz químicas em teu cérebro que fazem você se sentir bem. Estas químicas são os próprios tranqüilizantes naturais que aliviam a dor, a ansiedade e a tensão. Tipos de exercício diferentes são valiosos por várias razões. Exercícios para soltar os músculos e aeróbicos provavelmente serão mais úteis para tua recuperação. Exercícios para soltar os músculos ajudam a manter o corpo mais flexível e alivia a tensão muscular. Aeróbica tem ritmo e exercícios vigorosos para os músculos maiores. Aeróbica pretende elevar a média de seu coração para 75% do máximo e manter esta média ao menos por 20/30 minutos. Recomendamos uso regular de exercícios aeróbicos. Correr, nadar, pular corda, andar de bicicleta, são exercícios aeróbicos comuns, ou você pode participar de uma classe de ginástica aeróbica. Dançar também é aeróbico, mas lembre-se que deve ser feito vigorosamente. Muitas pessoas em recuperação testemunham o valor dos exercícios para reduzir a intensidade dos sintomas da SAD. Após os exercícios, eles se sentem muito melhor, acham mais fácil se concentrar e se lembrar, se tornam mais produtivos. Escolha uma forma de exercício que você goste, pois te ajudará muito. Muitos médicos e livros de saúde aconselham fazer exercícios três ou quatro vezes por semana, mas não recomendamos que os façam todos os dias, devido seu valor em reduzir o stress. Qualquer dia que não se exercite é um dia que se tira de você mesmo para sentir-se mais relaxado, ser mais produtivo e ter mais energia. RELAXAMENTO Existem coisas que se pode fazer para reduzir ou escapar do stress que você sente quando é incapaz de mudar uma situação ou lidar melhor com o stress do dia a dia. Rir, jogar, ouvir música, contar histórias, fantasiando, lendo, em massagem, são alguns dos métodos para a redução natural do stress. Jogar é uma forma de relaxamento necessária que muitas vezes é negligenciada. VIDA EQUILIBRADA Vida equilibrada significa que existe harmonia bio-psico-social na vida. Significa que se é saudável fisicamente e psicologicamente e que se têm relacionamentos saudáveis. Significa que espiritualmente se é inteiro, que não mais olha apenas um aspecto em tua vida. Significa que se está vivendo com responsabilidade, dando a si mesmo, tempo para trabalhar, para família, amigos assim como tempo para seu próprio crescimento e recuperação. Significa permitir que um Poder Superior trabalhe na tua vida.
  • 32. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 32 Significa uma vida saudável, ter um equilíbrio entre trabalho e lazer, entre cumprir responsabilidades com outras pessoas e suas necessidades serem auto-realizadas. Significa tanto quanto for possível, funcionar a um nível ótimo de stress, mantendo bastante stress para continuar funcionando de uma maneira saudável e não ficar sobrecarregado de stress para torná-lo improdutivo. Com uma vida equilibrada, a gratificação imediata com uma maneira de viver que é abandonada para conseguir uma vida completa e com significado. Vida equilibrada pede cuidados com a própria saúde para que o corpo funcione bem. Nutrição, descanso, exercício, tudo recebe a necessária atenção na tua vida para dar energia, lidar com stress, libertar-se da doença e da dor, combater a fadiga e reconstruir o corpo danificado. Libertação da aflição física permite o crescimento psicológico. Quando você sente-se bem é mais fácil pensar sobre atitudes e valores e trabalhar para eliminar da negação, culpa e raiva. Vida equilibrada requer fazer coisas para desenvolver autoconfiança e auto-estima, aprendendo a se sentir bem. Vida equilibrada precisa de uma forte rede social que alimente e encoraje um saudável e orientado caminho para a recuperação do estilo de vida. Uma rede social saudável dá uma sensação de fazer parte. Inclui relações nas quais você sente que é uma parte valiosa. Incluem os membros da família mais próximos, amigos, parentes e colegas, consultores, empregador, membros de grupos de auto-ajuda e padrinhos. Mesmo após alguns anos de sobriedade, Walter tinha horas em que achava mais difícil que o normal lembrar-se das coisas quando ficava mais irritado e ansioso, quando reagia com exagero com sua família e amigos, quando se sentia confuso e vencido. Sua esposa percebeu que ele sentia mais estes sintomas no sábado. O que é diferente no sábado? Ele geralmente dormia até mais tarde e tomava xícaras de café logo que acordava. Como sentia-se irritado logo ao levantar, começou a visitar seu padrinho de AA. o mais cedo possível. Juntos bebiam café, comiam bolacha, fumavam cachimbos e falavam. Walter ficava até o início da tarde, e quando chegava em casa almoçava entre 13:30 e 14:00 horas. Se um dos garotos deixava a bicicleta no caminho ou a esposa demorava demais no telefone, ele reagia exageradamente e saía de casa. O restante do dia era totalmente improdutivo e ficou conhecido na família pela sua “síndrome do sábado”. Walter decidiu tentar algumas atividades alternativas para ver se havia alguma mudança em suas reações. Começou a beber suco de laranja, logo que despertava, em vez de café, o que ajudou, assim, decidiu tentar comer no café da manhã. Isto ajudou muito mais. Ele e seu padrinho começaram a beber café sem cafeína e omitiram as bolachas. Vinha almoçar em casa, mais cedo e ser exercitava por um tempo. Então começou a fazer alguma coisa com a família à tarde. Todos ficaram surpresos com o desaparecimento da “síndrome do sábado”.
  • 33. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 33 CAPÍTULO IV RECUPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO PARCIAL Embora a doença adictiva possa ser controlada, ela não pode ser detida. Sempre existe a possibilidade da recaída. A não ser que sejam tomadas medidas duradouras para controlar a doença, a recaída é provável. A primeira tarefa da recuperação para os alcoólicos é reconhecer que têm uma doença debilitante, com risco de vida, associada ao uso do álcool ou outras drogas que alteram o humor. Precisam reconhecer que tem uma doença que prejudica sua habilidade para continuarem sóbrios e viverem produtivamente. Uma vez aceito isto, a segunda tarefa da recuperação é a abstinência. Abstinência total é necessária. Isto significa nada de álcool, de nenhuma forma, nem pílulas para dormir, nem sedativos ou drogas alteradoras do humor. A terceira tarefa é reconhecer a necessidade de um programa de recuperação diário para dar apoio e assistência em continuar sóbrio, um dia de cada vez. Recuperação da doença da adicção é um processo que requer um longo período de tempo. Uma pesquisa recente mostra que se leva de oito a dez anos, em média, para que um alcoólico em recuperação volte totalmente ao normal. Os problemas menos sérios causados pela adicção requerem dois a três anos para se resolver. Os problemas mais sérios exigem de oito a dez anos para total resolução. O processo de recuperação é evolucionário. Isto significa que a recuperação é um processo de crescimento e desenvolvimento que progride de tarefas básicas para outras mais complexas. Esta progressão começa com a abstinência (aprender como parar de usar álcool e drogas) depois para a sobriedade (aprender a lidar com a vida sem álcool/drogas), depois para uma vida confortável (aprender a viver confortavelmente, enquanto abstinente), depois para uma vida produtiva (aprender como construir uma maneira de viver sóbria significativa). Ajuda pensar no processo de recuperação como tendo seis períodos de evolução. Cada período tem um objetivo principal. Cada período de recuperação e seu objetivo principal estão listados abaixo: Período de evolução Objetivo 1- Pré-tratamento Reconhecer a adicção. 2- Estabilização Lidar com a crise da abstinência. 3- Recuperação inicial Aceitação e como lidar com não-químicos. 4- Recuperação média Vida equilibrada. 5- Recuperação final Mudança de personalidade. 6- Manutenção Crescimento e evolução.
  • 34. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 34 O Modelo de Recuperação Evolucionário (MRE) sugere que uma recuperação com sucesso depende de se completar tarefas específicas de recuperação numa certa ordem. O fracasso em concluir certas tarefas deixará o dependente químico despreparado para lidar com as tarefas mais complexas da recuperação. É necessário se lembrar que recuperação é um processo muito pessoal. Duas pessoas não se recuperam da mesma maneira. O que estamos vendo pode ser descrito como um guia geral, não como um quadro de recuperação absoluto. Com isto em mente os períodos evolucionários do MRE serão revistos. O PERÍODO DE PRÉ-TRATAMENTO O objetivo principal do pré-tratamento é reconhecer a presença da doença da adicção. Deve-se reconhecer que perdeu a habilidade para controlar o uso de álcool, drogas e que não se é mais um usuário normal, mas um usuário adicto. Neste período aprende-se pelas conseqüências do comportamento que não se pode usar drogas ou álcool com segurança. Isto acontece quando se tem problemas devido ao uso adictivo. Quando os problemas tornam-se mais severos, tenta-se controlar o uso, pode-se trocar de uísque para vinho e depois do vinho para a cerveja. Pode usar outras drogas como a maconha ou anfetaminas para compensar o efeito tóxico do álcool. Quando isto falha tenta-se parar para provar que se pode controlar, e finalmente a derrota é admitida, assim a pessoa reconhece que é um adicto e não pode controlar o uso. É importante entender que o pré-tratamento descreve o processo continuando dentro da pessoa dependente quimicamente. Pode acontecer após, a pessoa ser submetida a tratamento externo. É possível, por exemplo, uma pessoa ser forçada a um tratamento devido estar dirigindo embriagada, antes de aceitar que a bebida é um problema. O reconhecimento da adicção que vem como um resultado tratamento é, para a pessoa, parte de experiência do pré-tratamento. PRÉ-TRATAMENTO Aprender pelas conseqüências que não se pode usar adictivos químicos com segurança O PERÍODO DE ESTABILIZAÇÃO Durante o período de estabilização o objetivo maior é reconquistar o controle do processo de pensamento, julgamento e comportamento. Não se está estabilizado até que seja capaz de pensar claramente, identificar e reconhecer sentimentos, lembrar de coisas, exercer julgamento e controle do comportamento. Estabilização envolve recuperação
  • 35. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 35 da síndrome de abstinência demorada e os severos sintomas. Envolve estabilização da crise motivacional que leva ao tratamento. Também envolve a administração de outros problemas físicos e psico-sociais que podem ameaçar a recuperação inicial. Durante a estabilização, a estrutura do uso adictivo se interrompe: sintomas da abstinência demorada, os imediatos e mais severos sintomas da SAD e problemas de saúde física ligados a adicção são colocados sob controle; e a crise da vida que causou a crise motivacional é estabilizada. RECUPERAÇÃO Recuperando o controle do processo de pensamento, processo emocional, memória, julgamento e comportamento. O PERÍODO DE RECUPERAÇÃO INICIAL Durante o período de recuperação inicial o objetivo principal é aceitar a doença da adicção e aprender como funcionar sem drogas e álcool. Um retorno à saúde é promovido pela recuperação dos danos físicos sérios e psico-sociais causados pela doença adictiva. Este período de recuperação repousa muito sobre um programa de recuperação estruturado que protege de stress excessivo da vida no dia a dia. Nesta hora começa-se a dar valor a uma vida sóbria. Um programa de recuperação estruturado permite que ocorra um período de cura física. Um programa de nutrição apropriado e administração do stress são estabelecidos para dar alívio dos sintomas da SAD. Um tratamento físico é feito para tratar de doenças físicas co- existentes ou problemas de saúde. Um programa de recuperação estruturado cria um ambiente que dá condições ao adicto e sua família a educar-se sobre a doença adictiva e recuperação. Permite uma auto-avaliação sobre a natureza e severidade das estruturas da adicção e co-adicção. Ajuda a reconhecer e aceitar a adicção e os problemas de vida causados e a começar a resolver estes problemas. Este programa de recuperação estruturado é temporário. Sua duração irá variar, dependendo da severidade da doença adictiva e o nível de saúde e problemas psico- sociais. O objetivo é ensinar a viver tão normal quanto for possível com o uso de um programa de recuperação. Se alguém quebra a perna, um aparelho de gesso é pedido para restringir o movimento e promover a cura. Quando a pessoa teve prejudicada sua personalidade e estilo de vida como resultado da doença adictiva, um programa de recuperação estruturado é necessário para restringir stress desnecessário e perturbação da recuperação da vigência do processo. Uma vez que esta recuperação inicial ocorra, abstinência total, sobriedade e uma vida produtiva podem ser mantidas com
  • 36. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 36 um programa de recuperação menos restritivo que o que se exige durante a estabilização e a recuperação inicial. RECUPERAÇÃO INICIAL Aceitação da doença da adicção é aprender a funcionar sem drogas e álcool. O PERÍODO DE RECUPERAÇÃO MÉDIO Durante o período de recuperação médio o objetivo principal é a mudança no estilo de vida. Você estabeleceu uma maneira de viver centrada na adicção, um estilo de vida que requer o suo de adictivos químicos para lidar com o stress que resulta de adicção. No início da recuperação a maneira de viver adictiva foi trocada por um programa estruturado, desenvolvido pelo pessoal do tratamento, te ajudando a começar a recuperação. No meio da recuperação o desafio é desenvolver gradualmente uma maneira normal e equilibrada de viver, centrada na sobriedade. Estando bem e estável, trabalhando a aceitação da adicção. O Dependente Químico encontra-se pronto para começar a redução das horas em terapia e estabelecer uma estrutura de vida normal. Ao invés de focalizar sobre não usar, focaliza sobre uma vida normal, trabalho e família. Para uma pessoa adicta é típico que estabeleça uma vida centrada na adicção, embora estando abstinente. Isto é acompanhado pelo uso de outras adicções no lugar da adicção original. O objetivo é estabelecer um estilo de vida equilibrado livre de adicção, baseado em valores centrados na sobriedade e atividades. Uma vida equilibrada envolve um programa de recuperação ativo e menos intenso que no início da recuperação. Inclui atividades da recuperação, atividades de trabalho, atividades de família e atividades sociais com a família e amigos, tempo para auto desenvolvimento e recreação, para exercícios próprios e dieta. Lidar com o stress e resistir a adicções substitutas são assuntos importantes no meio da recuperação. RECUPERAÇÃO MÉDIA Desenvolver um estilo de vida normal e equilibrado PERÍODO DE RECUPERAÇÃO FINAL O objetivo principal do período final de recuperação é a mudança de personalidade pela evolução de uma saudável auto estima, a capacidade para relações íntimas saudáveis e a habilidade para viver feliz e produtivamente. É hora de avaliar valores pessoais: crenças sobre o ser, os outros e o mundo; estruturas de vida auto-destrutivas; habilidade nos relacionamentos e intimidade. Se você não tem o trabalho que gostaria, o
  • 37. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 37 final da recuperação é a hora de reestruturá-la. Isto pode exigir ajuda especializada. Para algumas pessoas em final de recuperação não apresentam problemas especiais. Estas pessoas vieram de famílias relativamente funcionais. Na infância desenvolveram crenças e valores saudáveis e aprenderam estratégias para lidar construtivamente com a vida. Suas adicções interferiram com sua habilidade para viver produtivamente. Para estas pessoas, recuperação significa reabilitação, voltar a um prévio nível de saúde e bem estar. Outras pessoas em recuperação não são tão felizes. Tem muito trabalho a fazer no final da recuperação porque cresceram em famílias disfuncionais ou adictivas, porque começaram a usar álcool ou drogas tão cedo que o crescimento emocional e o desenvolvimento foram detidos. Nunca tiveram crenças normais saudáveis e atitudes sobre a vida e como viver. Muitos desenvolveram problemas emocionais, não relacionados a suas adicções, que resultou em incapacidade para conseguir conforto e significado na sobriedade. Para resolver assuntos que vêm da infância ou adolescência, primeiramente é necessário reconhecer que estes assuntos criaram crenças erradas que estão interferindo com uma sobriedade confortável. Estas crenças formam a base de julgamentos e decisões que levam ao malogro. É necessário analisar cuidadosamente - com a ajuda de terapeutas habilitados - as dinâmicas da família na qual você cresceu. Você precisa identificar as crenças erradas que desenvolveu, que agora estão interferindo com uma sobriedade confortável e significativa. Precisa tomar decisões para mudar como você pensa e age em resposta aos desafios diários e aos problemas. Filhos de Alcoólicos, um grupo de apoio, são bastante úteis nesta mudança diária. O resultado final de resolver estes assuntos antigos é se libertar das crenças erradas que foram aprendidas na infância, que limitaram o potencial para a tua oportunidade para desenvolver uma saudável auto estima, que resultará em crescimento espiritual, relações íntimas saudáveis e uma vida produtiva e expressiva. O propósito do final da recuperação é desenvolver sistemas de crenças, sistemas de valor e ter habilidade para uma vida plena e produtiva. Quando sua maneira de viver é estabilizada, você começa a querer um pouco mais. Pode ser um tempo perigoso porque sua personalidade adictiva pode querer levar você a uma maneira de viver dependente. Você precisa perceber que o propósito da vida não é escapar da realidade. Quando você queria viver pela via rápida, você sabia como conseguir uma gratificação imediata. Para viver uma vida mais completa você precisa fazer mudanças que podem ser temporariamente dolorosas. No final da recuperação você vê qual é o seu propósito de vida e decide mudar os valores que irão lhe permitir uma vida mais expressiva.
  • 38. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 38 RECUPERAÇÃO FINAL Desenvolvimento de uma auto-estima saudável, crescimento espiritual, relações íntimas saudáveis e uma vida expressiva O PERÍODO DE MANUTENÇÃO O objetivo principal do período de manutenção é uma vida sóbria e produtiva. Isto envolve manter um programa de recuperação efetivo, identificar sinais de aviso de recaída, resolver os problemas diários, e uma vida produtiva. Adicção é uma doença crônica que nunca termina. Como uma pessoa em recuperação você precisa manter uma vida centrada na sobriedade que dá condições de lidar com o stress, resolver os problemas e manter como prioridade a honestidade nos teus relacionamentos pessoais. Você também precisa ter consciência da tua potencialidade adictiva e evitar com cuidado adictivos químicos e comportamentos compulsivos. MANUTENÇÃO Continuar sóbrio e viver produtivamente RECUPERAÇÃO PARCIAL Recuperação da doença adictiva não é um processo de crescimento em linha reta. Muitas pessoas se recuperam em estágios oscilantes. Eles desenvolvem um novo entendimento de sua doença e recuperação. Gastam tempo aplicando e integrando este novo conhecimento nas suas vidas diárias. Se tornam confortáveis por um tempo, antes de desenvolverem a necessidade de novo conhecimento. É comum para pessoas em recuperação recaírem. Isto acontece muitas vezes quando não estão tentando colocar o novo conhecimento para funcionar. O stress da mudança os pega por algum tempo e então param. Quando o stress diminui, eles falam sobre como melhorar a situação, arregaçam as mangas e começam novamente. Muitas pessoas em recuperação eventualmente conseguem uma sobriedade duradoura e confortável. Recuperação de doença adictiva não é um processo de crescimento em linha reta Muitas pessoas em recuperação não fazem todo o caminho do processo de recuperação. A recuperação parcial começa quando eles confrontam uma tarefa de recuperação que acham ser incontrolável ou intransponível. Esta tarefa de recuperação intransponível é chamada de “ponto de estrangulamento”. Ficar estrangulado os leva a fracassar por completo em
  • 39. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 39 toda a tarefa de recuperação. A conseqüência é que permanecem desconfortáveis e experimentam uma sobriedade de baixa qualidade. DIAGRAMA 2: PONTO DE ESTRANGULAMENTO Uma pessoa pode experimentar um ponto de estrangulamento em qualquer lugar na recuperação. O ponto de estrangulamento mais comum ocorre na transição entre os estágios de recuperação. Uma saudável e produtiva resposta para atingir um ponto de estrangulamento é atrasar um pouco para baixar o stress. O passo seguinte é examinar racionalmente o ponto de estrangulamento discutindo-o com outras pessoas e então procurar ajuda apropriada para lidar com isto. Em vez de tomar esses passos produtivos, muitas pessoas que estão estacionadas na recuperação usam de negação para lidar com o ponto de estrangulamento. A negação não é usada conscientemente. Bloqueia automaticamente a consciência de que algo está ruim. O ponto de estrangulamento produz o stress, a negação, enquanto bloqueia temporariamente a consciência do stress e eventualmente o intensifica. DIAGRAMA 3: 0 PAPEL DA NEGAÇÃO NA RECUPERAÇÃO A recuperação parcial começa quando o Ponto de Estrangulamento é negado. A pessoa diz: “Está tudo bem com minha recuperação. Não há nada de errado comigo”. DIAGRAMA 4: STRESS E RECUPERAÇÃO PARCIAL A negação do Ponto de Estrangulamento produz um aumento no stress. Quando o stress aumenta, os sintomas de abstinência demorada começam a se desenvolver e a piorar. Isto significa que a pessoa desenvolve dificuldade nas pessoas, claramente, manejar sentimentos e emoções, lembrar coisas, reconhecer e lidar com o stress. Também podem ter dificuldades para ter um sono tranqüilo ou podem ter tendência a sofrer acidentes. Muitas pessoas em recuperação não reconhecem conscientemente os sintomas da SAD. Isto pode ser porque ele não conhece nada sobre APA. Pode ser também que o stress está bloqueando sua habilidade de pensar claramente sobre si mesmo. Como resultado, não conseguem lidar com os sintomas da SAD. Ao invés disso, tentam lidar com eles com mais negação. A negação aumenta o stress, que torna piores os sintomas da SAD. A SAD cria mais problemas e estes problemas criam stress adicional que adiante agrava SAD. O ponto de estrangulamento original muitas vezes é obscurecido por problemas severos que resultam da falta de habilidade de lidar com a
  • 40. PERMANECER SÓBRIO – UM GUIA PARA PREVENÇÃO DE RECAIDAS 40 SAD. A pessoa fica preocupada com estes problemas e falha em identificar a causa primária do que está acontecendo. Ele fica cada vez mais estressado. O aumento do stress leva a um estado de ansiedade variável e compulsão. A pessoa se sente compelida a fazer alguma coisa, qualquer coisa, para aliviar a ansiedade e a compulsão, muitas vezes adotando comportamentos compulsivos que aliviam temporariamente o stress. O comportamento compulsivo, porém, produz problemas adicionais duradouras em troca do alívio a curto prazo. DIAGRAMA 5: COMPULSÕES SUBSTITUTAS Num esforço para lidar com o stress, compulsões substitutas como trabalhar demais, comer demais, gastar demais, etc... são usadas. Estes comportamentos compulsivos trazem alívio no momento, mas aumentam o stress no final das contas. Eventualmente o stress leva a ativação do processo de recaída a estas pessoas começam a perder o controle. Quando a perda de controle força a consciência, eles vêm o manuscrito na parede - Se continuarem fazendo o que estão fazendo, usaram álcool ou drogas, ficam loucos ou tentam o suicídio para se livrar da dor. Neste ponto muitas vezes eles reativam seus programas de recuperação e a vida é estabilizada. Progridem na recuperação até que o mesmo bloqueio é encontrado novamente. Quando o stress aumenta, os sintomas da abstinência pós aguda começam a se desenvolver e a piorar. DIAGRAMA 6: O PROCESSO DE RECAÍDA Eventualmente o stress torna-se tão severo que o processo de recuperação, marcado por uma disfunção progressiva interna e externa, começa a se desenvolver. A pessoa reconhece o risco de recaída. DIAGRAMA 7: REPETINDO O CICLO A pessoa reativa o programa de recuperação e progride até o mesmo ponto de estrangulamento ser alcançado. O ciclo começa de novo. É muito fácil acreditar que isto é recuperação. Pessoas em recuperação podem ficar presas numa estrutura de recuperação parcial. Progridem várias vezes até o mesmo ponto, onde novamente, sem saber, começam o processo de recaída. Às vezes, eles reconhecem a progressiva perda de controle que precede um episódio de recaída aguda. O medo da recaída os motiva a tomar alguma ação para colocá-los de volta ao processo de recuperação, onde eles ficam confortáveis. Perseguem um programa de recuperação ativo até que encontram um estágio que percebem como tão ameaçador para encarar, e o ciclo da recuperação parcial continua.