SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 87
Comorbidades
Daniel Cordeiro – Psiquiatra
Especialista em Dependencia Química
Daniel Cruz Cordeiro
• Graduação – UEPA
• Residência – Santa Casa SP
• Especialização em DQ – UNIAD/UNIFESP
• Mestrado – Universidade de Londres
• Pós Educação Sexual UNISAL
• 2002 - 2009 – Pronto-Socorro psiquiátrico Santa Casa
• 2009 – 2011 - Coordenador enfermaria UNIAD-SBC
• 2011 – 2012 - CAPS – Diretor técnico AD Itatiba
• 2012 – Psiquiatra CAPS-AD Sacomã
• Pós-graduando de Educação Sexual da UNISAL
• Professor – Cursos de Capacitação, Especialização e Pós-graduação.
3
O que é felicidade?
Absurdo da Felicidade
Não é um estado e sim um processo
Uma luta continua
Impossível de medir ou definir
É uma atividade (Aristóteles)
Nascemos para lutar por bem estar
Substitutos podem ser perseguidos :
- sucesso,
- fama,
- status,
- riqueza,
- diversão...
Absurdo da Felicidade
- Época que inspira obediência
- Promover a ilusão de que a satisfação não é
só possível , mas fácil, e até mesmo inevitável.
- A conquista desta era é fazer a satisfação
parecer fácil, quando na verdade nunca foi tão
difícil.
Sobreviver é lutar ,tendência a lutar pelas coisas
erradas e copiar aqueles que alcançaram o
sucesso mundano.
(James Foley)
E se os desejos não
se tornarem
realidade?
O que é
Depêndencia
Química?
Classificação Internacional
das Doenças
-Estreitamento do Repertório
-Saliência do Uso
-Aumento da Tolerância
-Sintomas de Abstinência
-Alívio ou evitação dos sintomas de abstinência
pelo aumento do consumo
-Percepção subjetiva da compulsão para o uso
-Reinstalação após a abstinência
Estreitamento do Repertório
Tendência a utilizar a substancia da mesma forma :
só ou acompanhado,
em dias úteis ou finais de semana,
O padrão fica mais rígido, estreitado e
estereotipado
Dias de abstinência ou baixo uso serão menos
comuns
Influencias sociais e psicológicas
passam a ter menos importância
Tolerância
Perda ou diminuição
da sensibilidade
aos efeitos
Ou
A necessidade de
usar doses cada vez
maiores para obter
os mesmos efeitos
Saliência do uso
Perda do controle sobre o
próprio uso
Ex: usar mais do que o
planejado
Usar por mais tempo
Tempo para obter
Tempo para usar
Tempo para se
restabelecer
Sensação subjetiva para usar
Fissura
ou
craving
Síndrome de abstinência
Sinais e sintomas
físicos e psiquicos
surgidos após o fim
ou diminuição do
consumo da
substancia
Alivio ou evitação dos
sintomas de abstinência
Evitar os sintomas
desagradáveis
Ou
Minimizar estes
sintomas
Reinstalação após período
de abstinência
Retoma padrão mal
adaptativo anterior
após voltar a usar
Existem Depêndencias que
não são químicas ?
Como uma pizza...a massa é
a mesma, muda o recheio
Comorbidade – Definição :
• A ocorrência de uma doença ao mesmo
tempo que outra doença
Suicídio: informando para prevenir/associação brasileira de psiquiatria, comissão de estudos e prevenção de
suicídio – Brasilia:CFM/ABP, 2014
Definição
• Ter uma doença facilita o surgimento de outra
Suicídio: informando para prevenir/associação brasileira de psiquiatria, comissão de estudos e prevenção de
suicídio – Brasilia:CFM/ABP, 2014
Definição
• Dependência Química juntamente a outra
patologia psiquiátrica
Suicídio: informando para prevenir/associação brasileira de psiquiatria, comissão de estudos e prevenção de
suicídio – Brasilia:CFM/ABP, 2014
Comorbidade
• A cada dois pacientes que buscam
tratamento para dependência
química pelo menos um terá uma
outra doença psiquiátrica.
• Cursam com mais hospitalizações,
piora de sintomas psicóticos,
pobre adesão a terapia
medicamentosa e, portanto piores
prognósticos para ambas as
doenças
Dificuldades
Diagnósticas
- Um sintoma se sobrepondo a outro
- Falta de treinamento e capacitação
- Efeito na inteligenia e no emocional do consumo
- Valorizam pouco e relatam menos sintomas
- Os sintomas se assemelham com outros transtornos e vice-versa
- Problemas de T. Mentais graves – consumo menos relevante
- Negação ou minimização (prejuízos neuropsicológicos ou falta de insight)
Principais Transtornos Associados
Transtornos Psicóticos : Esquizofrenia
Transtornos do humor : afetivo bipolar & depressão
Transtornos ansiosos : ansiedade generalizada & síndrome do pânico
Déficit de atenção e hiperatividade
Transtornos de personalidade : borderline & anti-social
Transtornos alimentares : anorexia nervosa & bulimia
Trastornos do sono
Jogo Patológico
Dependencia de Sexo
Comprar Compulsivo
Amor Patológico
Dependencia de Internet
Comer Compulsivo
Transtornos Psicóticos
• Distúrbio da percepção da realidade
• Alucinações e Delírios
• Muitas doenças podem provocar
• Doenças clínicas e psiquiátricas
• Uso de drogas pode provocar
• Esquizofrenia é a forma mais comum
• A droga pode piorar quem já é
• A doença pode levar ao uso da droga
Transtornos do Humor
Depressão : Humor deprimido e Perda do interesse
• Aumento da fatigabilidade e :
• Sono perturbado
• Diminuição/aumento do apetite
• Atenção e concentração reduzidas
• Redução da auto-estima e auto-confiança
• Idéias de culpa e inutilidade
• Visões pessimistas e desoladas do futuro
• Idéias de lesão e suicídio
20/09/2016 29
Transtorno Afetivo Bipolar
Quadros depressivos alternados aos de euforia, com
remissão completa entre os episódios. Principal
característica: alteração do humor
Episódio de Mania : Humor exaltado
a Aumento de energia
b Diminuição da necessidade de sono
c Grandiosidade
d Aumento de pressão de voz
e Otimismo excessivo
30
Déficit de Atenção e Hiperatividade
a Início precoce
b Comportamento hiperativo, pobremente modulado
c Desatenção marcante
d Falta de envolvimento persistente
e Conduta invasiva nas situações
f Persistência destas características
g Pode ser diagnosticada na idade adulta : 10 a 65 % das crianças
20 a 40% tem problemas com substâncias
Outras: instabilidade marital
dificuldades sociais e acadêmicas
respostas atípicas para medicação psicoativa
31
Transtornos de Personalidade
Desvios na norma cultural do modo de
pensar, sentir, perceber e relacionar-se
com os outros.
a Várias áreas do funcionamento, envolvidas
em atividades e condutas desarmônicas
b Padrão anormal de comportamento é
permanente,não está envolvido em episódios de
doença mental
c Invasivo e mal-adaptativo, para situações
pessoais e sociais
d surgem na infância e adolescência e
permanecem no adulto
e O quadro produz angustia pessoal
32
Anti-social
a Indiferença pelos sentimentos dos outros
b Irresponsabilidade e desrespeito por normas, regras e obrigações sociais
c Incapacidade para manter relacionamentos(sem dificuldade para iniciar)
d Baixa tolerância à frustração e limiar para agressão
e Incapacidade para experimentar culpa e aprender com a experiência
f Propensão para culpar os outros e respostas racionais
Borderline
a Instabilidade emocional
b Auto-imagem, objetos internos e preferências são confusos
c Sentimentos crônicos de vazio
d Relacionamentos instáveis e intensos
e Tentativas de evitar abandono
f Suicídio e auto-lesão
33
Transtornos Alimentares
Anorexia Nervosa
a Peso mantido abaixo do ideal, adolescente nunca alcançaria o esperado.
b Perda de peso auto-induzida :abstenção, vômitos, exercício excessivo,
purgação auto-induzida, ou uso de anorexígenos e diuréticos .
c Auto-imagem distorcida( pavor de engordar, idéia intrusiva).
d Alterações endocrinológicas : amenorréia, insulina, tireoideanos.
Bulimia
a Preocupação com o comer e desejo irresistível por comida.
b Períodos de hiperfagia, grandes quantidade em pouco tempo.
c Tentativas de neutralizar os efeitos da engorda.
d Pavor mórbido de engordar, gerando limiar de peso muito abaixo do que
seria considerado normal.
Transtornos do Sono
• Os distúrbios do sono são
extremamente comuns entre
dependentes do álcool em fase
de recuperação, principalmente
nos estágios iniciais.
• Transtornos de sono mal
tratados podem evoluir com
dependência de remédios para
dormir
Dependecias
• Compulsão a realizar atividades apesar das
consequencias sobre o bem estar físico,
social, mental, espiritual e financeiro.
• Forma de pseudomanejo
• Jeito desadaptado de lidar com obstaculos,
administrar o estresse ou enfrentar traumas.
• Dependencias :
• Sexo compulsivo
• Dependencia de jogo
• Comer Compulsivo
• Dependencia Quimica
• Dependencia de Internet
• Dependencia de Compras
• Amor patologico
Jogo Patológico
Padrão progressivo de comportamentos
periódicos, repetidos e mal-adaptativos de
jogos de azar e fazer apostas, apesar dos
significativos comprometimentos
do funcionamento familiar, pessoal e
vocacional.
A associação com outras comorbidades não é
rara. Observam-se sobreposições com
depressão, transtorno afetivo bipolar (TAB),
ansiedade e, mais fortemente, uso/abuso e
dependência de substâncias.
Dados apontam que o índice de abuso e
dependência de álcool entre jogadores
patológicos durante a vida é de 73,2%.
36
Dependência de Sexo
Comportamento sexual inserido num contexto compulsivo
do comportamento.
Apesar dos prejuízos ocorre manutenção
Não é “premiação” (ou coisa de “pegador”)
Gera sofrimento e dificuldades reais ao portador
Inicio na adolescência e no inicio da vida adulta
Tratamento é procurado mais tardiamente
“fora de controle” (disfuncional)
Coincide com problemas judiciais
ocupacionais
matrimoniais
familiares...
Dependência de Sexo
Figura - Comportamentos sexuais compulsivos e impulsivos
- Atos sexuais repetitivos
- Busca compulsiva por parcerias sexuais
- Masturbação compulsiva
- Consumo exacerbado de pornografia
- Uso compulsivo de internet para excitação sexual
- Pensamentos sexuais compulsivos
- Possibilidade de “sexo plural”, sobre influencia de
álcool e outras drogas
- Tudo com freqüência e intensidade que gere :
- Interferência na intimidade interpessoal , sexual
e no funcionamento social e profissional
38
Referencia
Comprar Compulsivo
Excesso de preocupação ou desejo relacionado à
aquisição de objetos, com incapacidade de resistir a
um impulso, tendência ou a tentação, de controlar
compras e gastos financeiros, sem contudo usufruir
do objeto adquirido.
Cerca de 2 a 8% da população
Mulheres - 80% dos indivíduos acometidos,
com gastos envolvidos em roupas, sapatos,
joias, maquiagem, colecionáveis...
Seguidos em geral por culpa ou arrependimento.
Problemas legais, financeiros, psicológicos e clínicos
Relação com toc, t. Do humor, uso de substâncias
, transtornos da alimentação, jogo patológico e
transtorno da personalidade.
40
Comprar Compulsivo
Elaine Hernández Díaz, Edgar Fabián Sarmiento Clavijo¿Cuáles son los índices sobre posibles compradores compulsivos en la
población del sector Salitre, en la ciudad de Bogotá? UNIVERSIDAD ANTONIO NARIÑO
PSICOMETRIA Y LABORATORIOABRIL 2005, BOGOTA D.C
Amor Patológico
Comportamentos repetitivos e sem controle de
prestar cuidados e atenção ao parceiro(a),
de formaexcessiva, com intenção (nem
sempre expressa) de receber o afeto e o carinho do
outro e evitar sentimentos próprios de desvalia e
angústia.
Comportamento é persistente apesar dos prejuízos
e exposição tanto para si quanto para familiares.
Pelo menos seis critérios em comum com a
dependência química
42
Referencia
Amor Patológico
a) Sinais e sintomas de abstinência;
ocorrem quando a parceria está distante tanto física
quanto emocionalmente.
b) O cuidado com a parceria ocorre em maior
intensidade do que o indivíduo gostaria.
c) Atitudes para reduzir ou controlar o comportamento
patológico são malsucedidas
d) Muito tempo é gasto para controlar as atividades
da parceria.
e) Abandono de interesses sociais e atividades
outrora valorizadas.
f) O comportamento é mantido apesar dos problemas
familiares, profissionais e pessoais
43
Referencia
Amor Patológico
Diagnóstico ainda não está formalizado,
o tratamento medicamentoso é reservado para tratar
os quadros comórbidos que po-dem estar
associados, tais como transtorno do humor
e da ansiedade.
Abordagens psicoterápicas psicodrama e
psicoterapias de orientação analítica
D.A.S.A. e M.A.D.A.
44
Referencia
Dependência de Internet
Uso do computador online e/ou offline de forma
mal-adaptada, sendo o uso excessivo em detrimento de
necessidades básicas, com prejuízos sociais, familiares...
Sintomas de tolerância e abstinência (=D.Q.)
manifestados por ansiedade, raiva e tensão
Consiste em pelo menos três subtipos:
- Uso de jogos eletrônicos em excesso,
- Preocupações sexuais
- Verificação de e-mail e mensagens de texto,
tais como MSN (Messenger), Twitter,
Facebook...
Jovens teriam maiores Prejuízos
Sistema Nervoso ainda em formação.
Evolução mais rápida (experimentação – abuso)
Maior tendência ao uso de múltiplas substancias
Comer Compulsivo
Episódios de ingestão alimentar compulsivos e
recorrentes ou também apresentar binges (do
inglês,farra, bebedeira),
Acarreta padrão recorrente e persistente de
comer muito rápido, em grande quantidade
sensação de total perda de controle e culpa .
As conseqüências diretas no cotidiano
rotina pessoal, social, laboral e até mesmo
sexual comprometida em razão do
constrangimento gerado pelo comportamento
atípico.
Inevitável ganho de peso corporal
Importante impacto na saúde do paciente como
um todo.
Comer Complusivo
“Dependência de comida”, não é
formalmente sugerido, nem considerado.
Propriedades “recompensadoras” da
comida, por constituir um fenômeno
comportamental complexo modelos
etiológicos e biológicos muito semelhantes
aos descritos no abuso e na dependência
de substâncias químicas.
Pacientes com padrão de resposta
diferente às propriedades prazerosas e
recompensadoras dos alimentos, se
comparados aos indivíduos sem BN ou
TCAP.
Dopamina e o sistema opióide endógeno
= D.Q.
47
Referencia
15 perguntas dos C.C.A.
48
http://ccaonline.zip.net/index.html
1 - Você come quando não está com fome?
2 – Você faz "farras alimentares" continuamente, sem razão aparente?
3 - Você sente culpa e remorso depois de comer compulsivamente?
4 - Você gasta muito tempo comendo, ou pensando em comida?
5 - Você espera com prazer e antecipação pelo momento em que pode comer sozinho?
6 - Você planeja com antecedência essas comilanças secretas?
7 - Você come sensatamente em companhia de outras pessoas, compensando depois, quando estás
sozinho?
8 - Seu peso está afetando seu modo de viver?
9 - Você tentou fazer dieta por uma semana (ou mais), somente para abandoná-la perto de sua meta?
10 - Você fica ressentido quando outras pessoas lhe dizem para "usar um pouco de força de vontade"
para parar de comer demais?
11 - Apesar das evidências em contrário, você continuou a afirmar que poderia fazer dieta "por si
mesmo", quando quisesse?
12 - Você anseia desesperadamente comer em um determinado momento, dia ou noite, fora das horas
das refeições?
13 - Você come para fugir de aborrecimentos ou dificuldades?
14 - Você já esteve em tratamento por obesidade ou problemas relacionados a alimentação?
15 - Seu comportamento alimentar faz você ou outras pessoas infelizes?
Saúde Mental
• Saúde mental (ou sanidade
mental) é um termo usado
para descrever um nível de
qualidade de vida cognitiva
ou emocional ou a
ausência de uma doença
mental.
Saúde Mental
• Pessoas estão adoecendo
• Vida moderna induz a
muitas mudanças
• A qualidade de vida cai
• O homem moderno se
afastou de vários modelos
que antes o protegia
Qualidade de vida
• Qualidade de vida é o
método usado para medir
as condições da vida de um
ser humano. Envolve o
bem físico, mental,
psicológico e emocional,
além de relacionamentos
sociais, como família e
amigos e também a saúde,
educação, poder de
compra e outras
circunstâncias da vida.
Qualidade de Vida = Equilíbrio
Qualidade de Vida
• Envolve fatores como :
- Mudanças de
comportamento
- Vivência de valores
- Crescimento profissional e
humano
- Disciplina e respeito,
- Cuidados com os ambientes,
- Atenção à saúde
- Vivência da espiritualidade
Qualidade de Vida – Leonardo Boff
• Teólogo brasileiro escritor e
professor universitário, Foi
membro da Ordem dos
Frades Menores
(Franciscanos)
• Valores e Principios
Qualidade de Vida – Leonardo Boff
• Valores:
• Gratuidade,
• Reciprocidade,
• Cooperação,
• Compaixão,
• Respeito à diversidade,
• Complementaridade,
• Comunidade,
• Amor.
Qualidade de Vida – Leonardo Boff
• Princípios:
• Autogestão,
• Respeito à diversidade e
complexidade,
• Convivência solidária com a
natureza e cuidado com o
meio-ambiente
• Democracia,
• Desconcentração do poder,
das riquezas, dos bens...
Tipos de Estresse
• Acontecimentos biográficos
críticos:
• Exigem uma reestruturação
profunda da situação de vida
• Provocam reações afetivo-
emocionais de longa duração.
• Esse acontecimentos podem
ser positivos e negativos e ter
diferentes graus de
normatividade.
• Exemplos são casamento,
nascimento de um filho, morte
súbita de uma pessoa,
acidente, etc.
Tipos de Estresse
• Estressores traumáticos: são
um tipo especial de
acontecimentos biográficos
críticos que possuem uma
intensidade muito grande e
que ultrapassam a
capacidade adaptativa do
indivíduo.
Tipos de Estresse
• Estressores Quotidianos
• São acontecimentos
desgastantes do dia-a-dia, que
interferem no bem-estar do
indivíduo e que esse
experiência como
ameaçadores, frustrantes...
• Exemplos : problemas com a
aparência, de saúde,
aborrecimentos diários
(cuidados com a casa,
aumento de preços,
preocupações financeiras, etc.)
Tipos de Estresse
• Estressores Crônicos são
situações ou condições que se
estendem por um período
relativamente longo e trazem
consigo experiências repetidas e
crônicas de estresse
• Exemplos: excesso de trabalho,
desemprego
• Situações pontuais (ou seja com
começo e fim definidos) que
trazem consigo conseqüências
duradouras
• Exemplo: estresse causado por
problemas decorrentes do
divórcio
E o estresse que pode ser controlado?
Por que adoecemos ?
Questionamentos – Robson Santarém
• Associação dos Dirigentes Cristãos
de Empresas do Rio de Janeiro :
• Qual o sentido da vida?
• Quais valores estão presentes em
nossa vida?
• Que prazer, que paz, que
harmonia, que felicidade, que vida
é esta afinal?
• Que herança se pretende deixar
para os filhos: imóveis, bens,
investimentos ou o orgulho de ter
sido uma pessoa íntegra?
Como era pra ser ...
Como é !!!
Qualidade de Vida
• Estou sendo feliz no que faço
(trabalho, lazer, vida familiar...)?
• Meus objetivos/planos/metas
ainda são válidos para as atuais
condições?
• Do que tenho aberto mão em
função das atuais opções?
• O que estou fazendo para que
outras pessoas também tenham
mais qualidade de vida?
• O que posso fazer para ser mais
feliz na diversas dimensões da
vida?
Por que é tão difícil mudar ?
Mudanças para uma vida melhor
Mudanças para uma vida melhor
Mudanças para uma vida melhor
Mudanças para uma vida melhor
Mudanças para uma vida melhor
Como manter a saúde ?
• 1º passo – Encontrar o
equilíbrio
Questionamentos diários :
- O que esperar do trabalho?
- Quais as minhas necessidades
reais?
- Em qual momento entrei no
furacão onde me encontro?
- Qual a porta de saída? (já que
existiu uma de entrada)
Grupo de Família UNIAD-SBC
Tentativa de engajar no tratamento
Procurar ajuda para eles mesmos
Idéia de que a doença não é apenas do individuo
Realizada no dia da visita
Duração de 1:30h
- Psicoeducativo : apostilas rápidas sobre assuntos básicos
- Regras da visita
- Trocas de experiências
- Incentivar a busca de auxilio em grupos de mútua ajuda
Momento para perceber a família
interação com paciente
respeito à regras
74
Grupo de Família UNIAD-SBC
Psicoeducativo :
1 – O que é dependência química
2 – Quais os tipos de tratamento
3 – Como a família pode contribuir no tratamento
4 – Fatores de proteção e recaída
5 – Comorbidade
75
Família
É um dos sistemas da rede social do paciente
Em muitos casos é o mais importante
Influencia e é influenciada por outros membros
Cenário de risco ou de proteção
O tratamento é importante para a manutenção
Negligência ou descaso pode estar presente antes
Acreditam que é um problema individual
Nada teriam a/ poderiam fazer
76
Paciente
Sistema vivo
Equilíbrio interno
Constante evoluções durante ciclo da vida
Apto a modificações (internas/externas)
Mudanças em um órgão = mudanças nos demais
A bebida promove mudanças
Dificuldade de adaptação – inadequações
sofrimento
Mudanças podem gerar incomodo
outros sofrimentos
Propicia a manutenção da disfunção
Desequilíbrio inicial sem a bebida
77Terapia familiar sistemica e dependencia a substancias - Maria Fátima Olivier Sudbrack in Dependencia de drogas Seibel (2010)
Família
Sistema vivo
Equilíbrio interno
Constante evoluções durante ciclo da vida
Apto a modificações (internas/externas)
Mudanças em uma pessoa = mudanças nas demais
Bebida promove mudanças
Dificuldade de adaptação – inadequações
sofrimento
Mudanças podem gerar incomodo
outros sofrimentos
Propicia a manutenção da disfunção
Desequilíbrio inicial sem a bebida
78Terapia familiar sistêmica e dependência a substancias - Maria Fátima Olivier Sudbrack in Dependencia de drogas Seibel (2010)
Família x Paciente
Mudanças ocorrem de forma gradual
Algumas características da dependência química...
- Tolerância
- Estreitamento do repertório
- Saliência do comportamento de uso
- Reinstalação após período de abstinência
79
Família x Paciente
80
Adoecendo “ a seco”
Substancia mudando padrão
de comportamento
Engajando a Família
Trabalhar com um membro ou
Trabalhar com toda a família
Quanto mais membros maior a chance de mudança
E mudanças mais rápidas (uso e relações)
Crenças familiares e condutas assertivas
- Expectativas familiares
- Reforçar quebra de preconceitos
- Trabalhar as “culpas”
- Resgate de autonomia de cada um
- Mudança de padrões familiares
...lidar com todas as mudanças que virão!
Família deve estar preparada!
81
Expectativas Familiares
“Vai ter cura ?”
“ O marido da filha da minha vizinha parou”
“ O remédio vai tratar ?”
“ A internação resolverá ?”
“ Mas só 30 dias?”
“ Vai poder voltar a beber “socialmente” ?”
“ Dá pra deixar ela só com as crianças?”
82
Quebra de Preconceitos
“ Isso é coisa de vagabundo”
“ Falta de vontade”
“ Sem Jesus no coração”
“ Se é doença porque não morre logo?”
“ Então deixa que eu cuido”
“Ele ainda vai poder trabalhar um dia?”
“Quem está arrumando a sua cama?”
“ Eu TAMBEM terei que me tratar ????”
83
Trabalhar as culpas
“Eu devia ter batido mais”
“Eu não devia ter batido tanto”
“A culpa é toda dele”
“A culpa é toda minha”
“Deve ser porque tem muita gente que bebe na minha
família”
“Coitadinho com uma esposa dessa eu beberia”
“Destruí minha família”
“Perdi muitas oportunidade na vida”
84
Resgate da autonomia
- Trabalho
- Vida Social
- Atividades de laser
- Religião
- Tratamento
- .... Aqui mora o perigo (também)
85
86
OBRIGADO!
87
OBRIGADO!
danielcruzcordeiro@gmail.com
Tel 2338-8540
Facebook – Daniel Cordeiro pq

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila drogas - conhecer para prevenir
Apostila   drogas - conhecer para prevenirApostila   drogas - conhecer para prevenir
Apostila drogas - conhecer para prevenirkarol_ribeiro
 
Dependencia quimica
Dependencia quimicaDependencia quimica
Dependencia quimicaAleka Amorim
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniLincoln Boldrini
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependenteblogdapsique
 
Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.
Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.
Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.Raiane Assunção
 
Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010Alinebrauna Brauna
 
Depressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idadeDepressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idadeCras Macatuba
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIAFernanda Marinho
 
Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosTereza Paula
 
Prevenção ao uso de drogas - Aula 1
Prevenção ao uso de drogas - Aula 1Prevenção ao uso de drogas - Aula 1
Prevenção ao uso de drogas - Aula 1RASC EAD
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogascederj
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosCITRAT
 

Mais procurados (20)

Slide sobre drogas
Slide sobre drogasSlide sobre drogas
Slide sobre drogas
 
Adolescentes e drogas
Adolescentes e drogasAdolescentes e drogas
Adolescentes e drogas
 
Apostila drogas - conhecer para prevenir
Apostila   drogas - conhecer para prevenirApostila   drogas - conhecer para prevenir
Apostila drogas - conhecer para prevenir
 
Dependencia quimica
Dependencia quimicaDependencia quimica
Dependencia quimica
 
Slide psiquiatria
Slide psiquiatriaSlide psiquiatria
Slide psiquiatria
 
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln BoldriniDEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
DEPENDENCIA QUIMICA- por: Lincoln Boldrini
 
Quem é o co dependente
Quem é o co dependenteQuem é o co dependente
Quem é o co dependente
 
Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.
Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.
Prevenção contra o uso de drogas, álcool e fumo.
 
Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010Palestra sobre drogas atual 2010
Palestra sobre drogas atual 2010
 
Depressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idadeDepressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idade
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
Palestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogasPalestra prevencao drogas
Palestra prevencao drogas
 
Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicos
 
Prevenção ao uso de drogas - Aula 1
Prevenção ao uso de drogas - Aula 1Prevenção ao uso de drogas - Aula 1
Prevenção ao uso de drogas - Aula 1
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Tabagismo
Tabagismo  Tabagismo
Tabagismo
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 

Destaque

Dependência Química
Dependência QuímicaDependência Química
Dependência QuímicaGrupo Recanto
 
Dependência química conceitos
Dependência química conceitosDependência química conceitos
Dependência química conceitosGabriela Haack
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência químicakarol_ribeiro
 
Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...
Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...
Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...RenanMF
 
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOS
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOSCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOS
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOSWalmir Monteiro
 
Las plagas del siglo XXI
Las plagas del siglo XXILas plagas del siglo XXI
Las plagas del siglo XXIangel
 
CTO - MAIS AMOR EM AÇÃO
CTO - MAIS AMOR EM AÇÃOCTO - MAIS AMOR EM AÇÃO
CTO - MAIS AMOR EM AÇÃOgrupodeaaaracas
 
SOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA
SOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICASOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA
SOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICAJonathan Coelho
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída Nucleo Nacional
 

Destaque (20)

Dependência Química
Dependência QuímicaDependência Química
Dependência Química
 
Dependencia quimica
Dependencia quimicaDependencia quimica
Dependencia quimica
 
Dependência química conceitos
Dependência química conceitosDependência química conceitos
Dependência química conceitos
 
Dependência QuíMica
 Dependência QuíMica Dependência QuíMica
Dependência QuíMica
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 
Aula 10 - Dependência Química
Aula 10  - Dependência QuímicaAula 10  - Dependência Química
Aula 10 - Dependência Química
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...
Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...
Novas políticas sobre drogas no Paraná: um diálogo entre o direito, a psicolo...
 
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOS
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOSCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOS
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E TRANSTORNOS
 
Las plagas del siglo XXI
Las plagas del siglo XXILas plagas del siglo XXI
Las plagas del siglo XXI
 
Pastoral sobriedade
Pastoral sobriedadePastoral sobriedade
Pastoral sobriedade
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
CTO - MAIS AMOR EM AÇÃO
CTO - MAIS AMOR EM AÇÃOCTO - MAIS AMOR EM AÇÃO
CTO - MAIS AMOR EM AÇÃO
 
As drogas
As drogasAs drogas
As drogas
 
Dependências
DependênciasDependências
Dependências
 
SOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA
SOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICASOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA
SOCIOLOGIA DROGAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Psicofarmacologia seminário
Psicofarmacologia seminárioPsicofarmacologia seminário
Psicofarmacologia seminário
 

Semelhante a 2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química

Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdfWebpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdfDaniloRibeirodosSant3
 
Transtornos Mentais da Criança e do Adolescente
Transtornos Mentais da Criança e do AdolescenteTranstornos Mentais da Criança e do Adolescente
Transtornos Mentais da Criança e do AdolescenteAndressa Macena
 
Guia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicasGuia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicasOficina Psicologia
 
Problemas sociais
Problemas sociaisProblemas sociais
Problemas sociaisJoana Sousa
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 
Aula 7 Depressão e transtornos alimentares
Aula 7 Depressão e transtornos alimentaresAula 7 Depressão e transtornos alimentares
Aula 7 Depressão e transtornos alimentaresAna Filadelfi
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalguest4f2f68
 
Seminario saude mental
Seminario saude mentalSeminario saude mental
Seminario saude mentalmorganal13
 
CONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar
CONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção EscolarCONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar
CONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção EscolarGustavo Vallim
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaedi
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
EsquizofreniaDiel St
 

Semelhante a 2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química (20)

8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
 
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdfWebpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
 
ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS (1).ppt
ADOLESCÊNCIA  SEM DROGAS (1).pptADOLESCÊNCIA  SEM DROGAS (1).ppt
ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS (1).ppt
 
Guiapraticodrogas
GuiapraticodrogasGuiapraticodrogas
Guiapraticodrogas
 
Depressao para acs
Depressao para acsDepressao para acs
Depressao para acs
 
Transtornos Mentais da Criança e do Adolescente
Transtornos Mentais da Criança e do AdolescenteTranstornos Mentais da Criança e do Adolescente
Transtornos Mentais da Criança e do Adolescente
 
Guia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicasGuia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicas
 
Problemas sociais
Problemas sociaisProblemas sociais
Problemas sociais
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Depresao
DepresaoDepresao
Depresao
 
Aula 7 Depressão e transtornos alimentares
Aula 7 Depressão e transtornos alimentaresAula 7 Depressão e transtornos alimentares
Aula 7 Depressão e transtornos alimentares
 
Catarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutalCatarina cruz -_power_point_brutal
Catarina cruz -_power_point_brutal
 
Seminario saude mental
Seminario saude mentalSeminario saude mental
Seminario saude mental
 
Cuidador de idoso_29
Cuidador de idoso_29Cuidador de idoso_29
Cuidador de idoso_29
 
CONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar
CONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção EscolarCONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar
CONVIVA SP - Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar
 
depressao.pdf
depressao.pdfdepressao.pdf
depressao.pdf
 
Quais são os Principais Desafios no Tratamento da Depressão?
Quais são os Principais Desafios no Tratamento da Depressão?Quais são os Principais Desafios no Tratamento da Depressão?
Quais são os Principais Desafios no Tratamento da Depressão?
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Toxico
ToxicoToxico
Toxico
 

Mais de Roberto C. Mayer

Versa cloud slide-deck-03-security-aspects
Versa cloud slide-deck-03-security-aspectsVersa cloud slide-deck-03-security-aspects
Versa cloud slide-deck-03-security-aspectsRoberto C. Mayer
 
Versa cloud slide-deck-02-technical-introduction
Versa cloud slide-deck-02-technical-introductionVersa cloud slide-deck-02-technical-introduction
Versa cloud slide-deck-02-technical-introductionRoberto C. Mayer
 
Versa cloud slide-deck-01-pitch
Versa cloud slide-deck-01-pitchVersa cloud slide-deck-01-pitch
Versa cloud slide-deck-01-pitchRoberto C. Mayer
 
2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade
2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade
2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidadeRoberto C. Mayer
 
WCIT 2016 Sérgio Paulo Gallindo
WCIT 2016 Sérgio Paulo GallindoWCIT 2016 Sérgio Paulo Gallindo
WCIT 2016 Sérgio Paulo GallindoRoberto C. Mayer
 
WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2
WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2 WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2
WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2 Roberto C. Mayer
 
WCIT 2016 Julio Cesar Ribeiro
WCIT 2016 Julio Cesar RibeiroWCIT 2016 Julio Cesar Ribeiro
WCIT 2016 Julio Cesar RibeiroRoberto C. Mayer
 
WCIT 2016 Dr. William P. Magee Jr
WCIT 2016 Dr. William P. Magee JrWCIT 2016 Dr. William P. Magee Jr
WCIT 2016 Dr. William P. Magee JrRoberto C. Mayer
 
2016 it-census-2015-edition-main-results
2016 it-census-2015-edition-main-results2016 it-census-2015-edition-main-results
2016 it-census-2015-edition-main-resultsRoberto C. Mayer
 
Cloud iot novos requisitos software
Cloud iot novos requisitos softwareCloud iot novos requisitos software
Cloud iot novos requisitos softwareRoberto C. Mayer
 

Mais de Roberto C. Mayer (20)

Versa cloud slide-deck-03-security-aspects
Versa cloud slide-deck-03-security-aspectsVersa cloud slide-deck-03-security-aspects
Versa cloud slide-deck-03-security-aspects
 
Versa cloud slide-deck-02-technical-introduction
Versa cloud slide-deck-02-technical-introductionVersa cloud slide-deck-02-technical-introduction
Versa cloud slide-deck-02-technical-introduction
 
Versa cloud slide-deck-01-pitch
Versa cloud slide-deck-01-pitchVersa cloud slide-deck-01-pitch
Versa cloud slide-deck-01-pitch
 
2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade
2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade
2017 11-26-sete-chaves-da-oracao-da-serenidade
 
WCIT 2016 Calls to Action
WCIT 2016 Calls to ActionWCIT 2016 Calls to Action
WCIT 2016 Calls to Action
 
2016 WCIT Vint Cerf
2016 WCIT Vint Cerf2016 WCIT Vint Cerf
2016 WCIT Vint Cerf
 
WCIT 2016 Soumitra Dutta
WCIT 2016 Soumitra DuttaWCIT 2016 Soumitra Dutta
WCIT 2016 Soumitra Dutta
 
WCIT 2016 Sérgio Paulo Gallindo
WCIT 2016 Sérgio Paulo GallindoWCIT 2016 Sérgio Paulo Gallindo
WCIT 2016 Sérgio Paulo Gallindo
 
WCIT 2016 Manu Bhardwaj
WCIT 2016 Manu BhardwajWCIT 2016 Manu Bhardwaj
WCIT 2016 Manu Bhardwaj
 
WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2
WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2 WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2
WCIT 2016 Manu Bhardwaj 2
 
WCIT 2016 Julio Cesar Ribeiro
WCIT 2016 Julio Cesar RibeiroWCIT 2016 Julio Cesar Ribeiro
WCIT 2016 Julio Cesar Ribeiro
 
WCIT 2016 Jan Ming Ho
WCIT 2016 Jan Ming HoWCIT 2016 Jan Ming Ho
WCIT 2016 Jan Ming Ho
 
WCIT 2016 George Newstrom
WCIT 2016 George NewstromWCIT 2016 George Newstrom
WCIT 2016 George Newstrom
 
WCIT 2016 Dr. William P. Magee Jr
WCIT 2016 Dr. William P. Magee JrWCIT 2016 Dr. William P. Magee Jr
WCIT 2016 Dr. William P. Magee Jr
 
WCIT 2016 Dr. Ming Ji Wu
WCIT 2016 Dr. Ming Ji WuWCIT 2016 Dr. Ming Ji Wu
WCIT 2016 Dr. Ming Ji Wu
 
WCIT Anupan Chander 1
WCIT Anupan Chander 1WCIT Anupan Chander 1
WCIT Anupan Chander 1
 
WCIT 2016 Amy Aussieker
WCIT 2016 Amy AussiekerWCIT 2016 Amy Aussieker
WCIT 2016 Amy Aussieker
 
WCIT 2016 Aline Sordilli
WCIT 2016 Aline SordilliWCIT 2016 Aline Sordilli
WCIT 2016 Aline Sordilli
 
2016 it-census-2015-edition-main-results
2016 it-census-2015-edition-main-results2016 it-census-2015-edition-main-results
2016 it-census-2015-edition-main-results
 
Cloud iot novos requisitos software
Cloud iot novos requisitos softwareCloud iot novos requisitos software
Cloud iot novos requisitos software
 

Último

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 

Último (10)

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 

2016-08-31 Comorbidades e a Dependência Química

  • 1. Comorbidades Daniel Cordeiro – Psiquiatra Especialista em Dependencia Química
  • 2. Daniel Cruz Cordeiro • Graduação – UEPA • Residência – Santa Casa SP • Especialização em DQ – UNIAD/UNIFESP • Mestrado – Universidade de Londres • Pós Educação Sexual UNISAL • 2002 - 2009 – Pronto-Socorro psiquiátrico Santa Casa • 2009 – 2011 - Coordenador enfermaria UNIAD-SBC • 2011 – 2012 - CAPS – Diretor técnico AD Itatiba • 2012 – Psiquiatra CAPS-AD Sacomã • Pós-graduando de Educação Sexual da UNISAL • Professor – Cursos de Capacitação, Especialização e Pós-graduação.
  • 3. 3
  • 4. O que é felicidade?
  • 5.
  • 6. Absurdo da Felicidade Não é um estado e sim um processo Uma luta continua Impossível de medir ou definir É uma atividade (Aristóteles) Nascemos para lutar por bem estar Substitutos podem ser perseguidos : - sucesso, - fama, - status, - riqueza, - diversão...
  • 7. Absurdo da Felicidade - Época que inspira obediência - Promover a ilusão de que a satisfação não é só possível , mas fácil, e até mesmo inevitável. - A conquista desta era é fazer a satisfação parecer fácil, quando na verdade nunca foi tão difícil. Sobreviver é lutar ,tendência a lutar pelas coisas erradas e copiar aqueles que alcançaram o sucesso mundano. (James Foley)
  • 8. E se os desejos não se tornarem realidade?
  • 9.
  • 11. Classificação Internacional das Doenças -Estreitamento do Repertório -Saliência do Uso -Aumento da Tolerância -Sintomas de Abstinência -Alívio ou evitação dos sintomas de abstinência pelo aumento do consumo -Percepção subjetiva da compulsão para o uso -Reinstalação após a abstinência
  • 12. Estreitamento do Repertório Tendência a utilizar a substancia da mesma forma : só ou acompanhado, em dias úteis ou finais de semana, O padrão fica mais rígido, estreitado e estereotipado Dias de abstinência ou baixo uso serão menos comuns Influencias sociais e psicológicas passam a ter menos importância
  • 13. Tolerância Perda ou diminuição da sensibilidade aos efeitos Ou A necessidade de usar doses cada vez maiores para obter os mesmos efeitos
  • 14. Saliência do uso Perda do controle sobre o próprio uso Ex: usar mais do que o planejado Usar por mais tempo Tempo para obter Tempo para usar Tempo para se restabelecer
  • 15. Sensação subjetiva para usar Fissura ou craving
  • 16. Síndrome de abstinência Sinais e sintomas físicos e psiquicos surgidos após o fim ou diminuição do consumo da substancia
  • 17. Alivio ou evitação dos sintomas de abstinência Evitar os sintomas desagradáveis Ou Minimizar estes sintomas
  • 18. Reinstalação após período de abstinência Retoma padrão mal adaptativo anterior após voltar a usar
  • 19. Existem Depêndencias que não são químicas ?
  • 20. Como uma pizza...a massa é a mesma, muda o recheio
  • 21. Comorbidade – Definição : • A ocorrência de uma doença ao mesmo tempo que outra doença Suicídio: informando para prevenir/associação brasileira de psiquiatria, comissão de estudos e prevenção de suicídio – Brasilia:CFM/ABP, 2014
  • 22. Definição • Ter uma doença facilita o surgimento de outra Suicídio: informando para prevenir/associação brasileira de psiquiatria, comissão de estudos e prevenção de suicídio – Brasilia:CFM/ABP, 2014
  • 23. Definição • Dependência Química juntamente a outra patologia psiquiátrica Suicídio: informando para prevenir/associação brasileira de psiquiatria, comissão de estudos e prevenção de suicídio – Brasilia:CFM/ABP, 2014
  • 24. Comorbidade • A cada dois pacientes que buscam tratamento para dependência química pelo menos um terá uma outra doença psiquiátrica. • Cursam com mais hospitalizações, piora de sintomas psicóticos, pobre adesão a terapia medicamentosa e, portanto piores prognósticos para ambas as doenças
  • 25. Dificuldades Diagnósticas - Um sintoma se sobrepondo a outro - Falta de treinamento e capacitação - Efeito na inteligenia e no emocional do consumo - Valorizam pouco e relatam menos sintomas - Os sintomas se assemelham com outros transtornos e vice-versa - Problemas de T. Mentais graves – consumo menos relevante - Negação ou minimização (prejuízos neuropsicológicos ou falta de insight)
  • 26. Principais Transtornos Associados Transtornos Psicóticos : Esquizofrenia Transtornos do humor : afetivo bipolar & depressão Transtornos ansiosos : ansiedade generalizada & síndrome do pânico Déficit de atenção e hiperatividade Transtornos de personalidade : borderline & anti-social Transtornos alimentares : anorexia nervosa & bulimia Trastornos do sono Jogo Patológico Dependencia de Sexo Comprar Compulsivo Amor Patológico Dependencia de Internet Comer Compulsivo
  • 27. Transtornos Psicóticos • Distúrbio da percepção da realidade • Alucinações e Delírios • Muitas doenças podem provocar • Doenças clínicas e psiquiátricas • Uso de drogas pode provocar • Esquizofrenia é a forma mais comum • A droga pode piorar quem já é • A doença pode levar ao uso da droga
  • 28. Transtornos do Humor Depressão : Humor deprimido e Perda do interesse • Aumento da fatigabilidade e : • Sono perturbado • Diminuição/aumento do apetite • Atenção e concentração reduzidas • Redução da auto-estima e auto-confiança • Idéias de culpa e inutilidade • Visões pessimistas e desoladas do futuro • Idéias de lesão e suicídio
  • 29. 20/09/2016 29 Transtorno Afetivo Bipolar Quadros depressivos alternados aos de euforia, com remissão completa entre os episódios. Principal característica: alteração do humor Episódio de Mania : Humor exaltado a Aumento de energia b Diminuição da necessidade de sono c Grandiosidade d Aumento de pressão de voz e Otimismo excessivo
  • 30. 30 Déficit de Atenção e Hiperatividade a Início precoce b Comportamento hiperativo, pobremente modulado c Desatenção marcante d Falta de envolvimento persistente e Conduta invasiva nas situações f Persistência destas características g Pode ser diagnosticada na idade adulta : 10 a 65 % das crianças 20 a 40% tem problemas com substâncias Outras: instabilidade marital dificuldades sociais e acadêmicas respostas atípicas para medicação psicoativa
  • 31. 31 Transtornos de Personalidade Desvios na norma cultural do modo de pensar, sentir, perceber e relacionar-se com os outros. a Várias áreas do funcionamento, envolvidas em atividades e condutas desarmônicas b Padrão anormal de comportamento é permanente,não está envolvido em episódios de doença mental c Invasivo e mal-adaptativo, para situações pessoais e sociais d surgem na infância e adolescência e permanecem no adulto e O quadro produz angustia pessoal
  • 32. 32 Anti-social a Indiferença pelos sentimentos dos outros b Irresponsabilidade e desrespeito por normas, regras e obrigações sociais c Incapacidade para manter relacionamentos(sem dificuldade para iniciar) d Baixa tolerância à frustração e limiar para agressão e Incapacidade para experimentar culpa e aprender com a experiência f Propensão para culpar os outros e respostas racionais Borderline a Instabilidade emocional b Auto-imagem, objetos internos e preferências são confusos c Sentimentos crônicos de vazio d Relacionamentos instáveis e intensos e Tentativas de evitar abandono f Suicídio e auto-lesão
  • 33. 33 Transtornos Alimentares Anorexia Nervosa a Peso mantido abaixo do ideal, adolescente nunca alcançaria o esperado. b Perda de peso auto-induzida :abstenção, vômitos, exercício excessivo, purgação auto-induzida, ou uso de anorexígenos e diuréticos . c Auto-imagem distorcida( pavor de engordar, idéia intrusiva). d Alterações endocrinológicas : amenorréia, insulina, tireoideanos. Bulimia a Preocupação com o comer e desejo irresistível por comida. b Períodos de hiperfagia, grandes quantidade em pouco tempo. c Tentativas de neutralizar os efeitos da engorda. d Pavor mórbido de engordar, gerando limiar de peso muito abaixo do que seria considerado normal.
  • 34. Transtornos do Sono • Os distúrbios do sono são extremamente comuns entre dependentes do álcool em fase de recuperação, principalmente nos estágios iniciais. • Transtornos de sono mal tratados podem evoluir com dependência de remédios para dormir
  • 35. Dependecias • Compulsão a realizar atividades apesar das consequencias sobre o bem estar físico, social, mental, espiritual e financeiro. • Forma de pseudomanejo • Jeito desadaptado de lidar com obstaculos, administrar o estresse ou enfrentar traumas. • Dependencias : • Sexo compulsivo • Dependencia de jogo • Comer Compulsivo • Dependencia Quimica • Dependencia de Internet • Dependencia de Compras • Amor patologico
  • 36. Jogo Patológico Padrão progressivo de comportamentos periódicos, repetidos e mal-adaptativos de jogos de azar e fazer apostas, apesar dos significativos comprometimentos do funcionamento familiar, pessoal e vocacional. A associação com outras comorbidades não é rara. Observam-se sobreposições com depressão, transtorno afetivo bipolar (TAB), ansiedade e, mais fortemente, uso/abuso e dependência de substâncias. Dados apontam que o índice de abuso e dependência de álcool entre jogadores patológicos durante a vida é de 73,2%. 36
  • 37. Dependência de Sexo Comportamento sexual inserido num contexto compulsivo do comportamento. Apesar dos prejuízos ocorre manutenção Não é “premiação” (ou coisa de “pegador”) Gera sofrimento e dificuldades reais ao portador Inicio na adolescência e no inicio da vida adulta Tratamento é procurado mais tardiamente “fora de controle” (disfuncional) Coincide com problemas judiciais ocupacionais matrimoniais familiares...
  • 38. Dependência de Sexo Figura - Comportamentos sexuais compulsivos e impulsivos - Atos sexuais repetitivos - Busca compulsiva por parcerias sexuais - Masturbação compulsiva - Consumo exacerbado de pornografia - Uso compulsivo de internet para excitação sexual - Pensamentos sexuais compulsivos - Possibilidade de “sexo plural”, sobre influencia de álcool e outras drogas - Tudo com freqüência e intensidade que gere : - Interferência na intimidade interpessoal , sexual e no funcionamento social e profissional 38 Referencia
  • 39.
  • 40. Comprar Compulsivo Excesso de preocupação ou desejo relacionado à aquisição de objetos, com incapacidade de resistir a um impulso, tendência ou a tentação, de controlar compras e gastos financeiros, sem contudo usufruir do objeto adquirido. Cerca de 2 a 8% da população Mulheres - 80% dos indivíduos acometidos, com gastos envolvidos em roupas, sapatos, joias, maquiagem, colecionáveis... Seguidos em geral por culpa ou arrependimento. Problemas legais, financeiros, psicológicos e clínicos Relação com toc, t. Do humor, uso de substâncias , transtornos da alimentação, jogo patológico e transtorno da personalidade. 40
  • 41. Comprar Compulsivo Elaine Hernández Díaz, Edgar Fabián Sarmiento Clavijo¿Cuáles son los índices sobre posibles compradores compulsivos en la población del sector Salitre, en la ciudad de Bogotá? UNIVERSIDAD ANTONIO NARIÑO PSICOMETRIA Y LABORATORIOABRIL 2005, BOGOTA D.C
  • 42. Amor Patológico Comportamentos repetitivos e sem controle de prestar cuidados e atenção ao parceiro(a), de formaexcessiva, com intenção (nem sempre expressa) de receber o afeto e o carinho do outro e evitar sentimentos próprios de desvalia e angústia. Comportamento é persistente apesar dos prejuízos e exposição tanto para si quanto para familiares. Pelo menos seis critérios em comum com a dependência química 42 Referencia
  • 43. Amor Patológico a) Sinais e sintomas de abstinência; ocorrem quando a parceria está distante tanto física quanto emocionalmente. b) O cuidado com a parceria ocorre em maior intensidade do que o indivíduo gostaria. c) Atitudes para reduzir ou controlar o comportamento patológico são malsucedidas d) Muito tempo é gasto para controlar as atividades da parceria. e) Abandono de interesses sociais e atividades outrora valorizadas. f) O comportamento é mantido apesar dos problemas familiares, profissionais e pessoais 43 Referencia
  • 44. Amor Patológico Diagnóstico ainda não está formalizado, o tratamento medicamentoso é reservado para tratar os quadros comórbidos que po-dem estar associados, tais como transtorno do humor e da ansiedade. Abordagens psicoterápicas psicodrama e psicoterapias de orientação analítica D.A.S.A. e M.A.D.A. 44 Referencia
  • 45. Dependência de Internet Uso do computador online e/ou offline de forma mal-adaptada, sendo o uso excessivo em detrimento de necessidades básicas, com prejuízos sociais, familiares... Sintomas de tolerância e abstinência (=D.Q.) manifestados por ansiedade, raiva e tensão Consiste em pelo menos três subtipos: - Uso de jogos eletrônicos em excesso, - Preocupações sexuais - Verificação de e-mail e mensagens de texto, tais como MSN (Messenger), Twitter, Facebook... Jovens teriam maiores Prejuízos Sistema Nervoso ainda em formação. Evolução mais rápida (experimentação – abuso) Maior tendência ao uso de múltiplas substancias
  • 46. Comer Compulsivo Episódios de ingestão alimentar compulsivos e recorrentes ou também apresentar binges (do inglês,farra, bebedeira), Acarreta padrão recorrente e persistente de comer muito rápido, em grande quantidade sensação de total perda de controle e culpa . As conseqüências diretas no cotidiano rotina pessoal, social, laboral e até mesmo sexual comprometida em razão do constrangimento gerado pelo comportamento atípico. Inevitável ganho de peso corporal Importante impacto na saúde do paciente como um todo.
  • 47. Comer Complusivo “Dependência de comida”, não é formalmente sugerido, nem considerado. Propriedades “recompensadoras” da comida, por constituir um fenômeno comportamental complexo modelos etiológicos e biológicos muito semelhantes aos descritos no abuso e na dependência de substâncias químicas. Pacientes com padrão de resposta diferente às propriedades prazerosas e recompensadoras dos alimentos, se comparados aos indivíduos sem BN ou TCAP. Dopamina e o sistema opióide endógeno = D.Q. 47 Referencia
  • 48. 15 perguntas dos C.C.A. 48 http://ccaonline.zip.net/index.html 1 - Você come quando não está com fome? 2 – Você faz "farras alimentares" continuamente, sem razão aparente? 3 - Você sente culpa e remorso depois de comer compulsivamente? 4 - Você gasta muito tempo comendo, ou pensando em comida? 5 - Você espera com prazer e antecipação pelo momento em que pode comer sozinho? 6 - Você planeja com antecedência essas comilanças secretas? 7 - Você come sensatamente em companhia de outras pessoas, compensando depois, quando estás sozinho? 8 - Seu peso está afetando seu modo de viver? 9 - Você tentou fazer dieta por uma semana (ou mais), somente para abandoná-la perto de sua meta? 10 - Você fica ressentido quando outras pessoas lhe dizem para "usar um pouco de força de vontade" para parar de comer demais? 11 - Apesar das evidências em contrário, você continuou a afirmar que poderia fazer dieta "por si mesmo", quando quisesse? 12 - Você anseia desesperadamente comer em um determinado momento, dia ou noite, fora das horas das refeições? 13 - Você come para fugir de aborrecimentos ou dificuldades? 14 - Você já esteve em tratamento por obesidade ou problemas relacionados a alimentação? 15 - Seu comportamento alimentar faz você ou outras pessoas infelizes?
  • 49. Saúde Mental • Saúde mental (ou sanidade mental) é um termo usado para descrever um nível de qualidade de vida cognitiva ou emocional ou a ausência de uma doença mental.
  • 50. Saúde Mental • Pessoas estão adoecendo • Vida moderna induz a muitas mudanças • A qualidade de vida cai • O homem moderno se afastou de vários modelos que antes o protegia
  • 51. Qualidade de vida • Qualidade de vida é o método usado para medir as condições da vida de um ser humano. Envolve o bem físico, mental, psicológico e emocional, além de relacionamentos sociais, como família e amigos e também a saúde, educação, poder de compra e outras circunstâncias da vida.
  • 52. Qualidade de Vida = Equilíbrio
  • 53. Qualidade de Vida • Envolve fatores como : - Mudanças de comportamento - Vivência de valores - Crescimento profissional e humano - Disciplina e respeito, - Cuidados com os ambientes, - Atenção à saúde - Vivência da espiritualidade
  • 54. Qualidade de Vida – Leonardo Boff • Teólogo brasileiro escritor e professor universitário, Foi membro da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos) • Valores e Principios
  • 55. Qualidade de Vida – Leonardo Boff • Valores: • Gratuidade, • Reciprocidade, • Cooperação, • Compaixão, • Respeito à diversidade, • Complementaridade, • Comunidade, • Amor.
  • 56. Qualidade de Vida – Leonardo Boff • Princípios: • Autogestão, • Respeito à diversidade e complexidade, • Convivência solidária com a natureza e cuidado com o meio-ambiente • Democracia, • Desconcentração do poder, das riquezas, dos bens...
  • 57. Tipos de Estresse • Acontecimentos biográficos críticos: • Exigem uma reestruturação profunda da situação de vida • Provocam reações afetivo- emocionais de longa duração. • Esse acontecimentos podem ser positivos e negativos e ter diferentes graus de normatividade. • Exemplos são casamento, nascimento de um filho, morte súbita de uma pessoa, acidente, etc.
  • 58. Tipos de Estresse • Estressores traumáticos: são um tipo especial de acontecimentos biográficos críticos que possuem uma intensidade muito grande e que ultrapassam a capacidade adaptativa do indivíduo.
  • 59. Tipos de Estresse • Estressores Quotidianos • São acontecimentos desgastantes do dia-a-dia, que interferem no bem-estar do indivíduo e que esse experiência como ameaçadores, frustrantes... • Exemplos : problemas com a aparência, de saúde, aborrecimentos diários (cuidados com a casa, aumento de preços, preocupações financeiras, etc.)
  • 60. Tipos de Estresse • Estressores Crônicos são situações ou condições que se estendem por um período relativamente longo e trazem consigo experiências repetidas e crônicas de estresse • Exemplos: excesso de trabalho, desemprego • Situações pontuais (ou seja com começo e fim definidos) que trazem consigo conseqüências duradouras • Exemplo: estresse causado por problemas decorrentes do divórcio
  • 61. E o estresse que pode ser controlado?
  • 63. Questionamentos – Robson Santarém • Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresas do Rio de Janeiro : • Qual o sentido da vida? • Quais valores estão presentes em nossa vida? • Que prazer, que paz, que harmonia, que felicidade, que vida é esta afinal? • Que herança se pretende deixar para os filhos: imóveis, bens, investimentos ou o orgulho de ter sido uma pessoa íntegra?
  • 64. Como era pra ser ...
  • 66. Qualidade de Vida • Estou sendo feliz no que faço (trabalho, lazer, vida familiar...)? • Meus objetivos/planos/metas ainda são válidos para as atuais condições? • Do que tenho aberto mão em função das atuais opções? • O que estou fazendo para que outras pessoas também tenham mais qualidade de vida? • O que posso fazer para ser mais feliz na diversas dimensões da vida?
  • 67. Por que é tão difícil mudar ?
  • 68. Mudanças para uma vida melhor
  • 69. Mudanças para uma vida melhor
  • 70. Mudanças para uma vida melhor
  • 71. Mudanças para uma vida melhor
  • 72. Mudanças para uma vida melhor
  • 73. Como manter a saúde ? • 1º passo – Encontrar o equilíbrio Questionamentos diários : - O que esperar do trabalho? - Quais as minhas necessidades reais? - Em qual momento entrei no furacão onde me encontro? - Qual a porta de saída? (já que existiu uma de entrada)
  • 74. Grupo de Família UNIAD-SBC Tentativa de engajar no tratamento Procurar ajuda para eles mesmos Idéia de que a doença não é apenas do individuo Realizada no dia da visita Duração de 1:30h - Psicoeducativo : apostilas rápidas sobre assuntos básicos - Regras da visita - Trocas de experiências - Incentivar a busca de auxilio em grupos de mútua ajuda Momento para perceber a família interação com paciente respeito à regras 74
  • 75. Grupo de Família UNIAD-SBC Psicoeducativo : 1 – O que é dependência química 2 – Quais os tipos de tratamento 3 – Como a família pode contribuir no tratamento 4 – Fatores de proteção e recaída 5 – Comorbidade 75
  • 76. Família É um dos sistemas da rede social do paciente Em muitos casos é o mais importante Influencia e é influenciada por outros membros Cenário de risco ou de proteção O tratamento é importante para a manutenção Negligência ou descaso pode estar presente antes Acreditam que é um problema individual Nada teriam a/ poderiam fazer 76
  • 77. Paciente Sistema vivo Equilíbrio interno Constante evoluções durante ciclo da vida Apto a modificações (internas/externas) Mudanças em um órgão = mudanças nos demais A bebida promove mudanças Dificuldade de adaptação – inadequações sofrimento Mudanças podem gerar incomodo outros sofrimentos Propicia a manutenção da disfunção Desequilíbrio inicial sem a bebida 77Terapia familiar sistemica e dependencia a substancias - Maria Fátima Olivier Sudbrack in Dependencia de drogas Seibel (2010)
  • 78. Família Sistema vivo Equilíbrio interno Constante evoluções durante ciclo da vida Apto a modificações (internas/externas) Mudanças em uma pessoa = mudanças nas demais Bebida promove mudanças Dificuldade de adaptação – inadequações sofrimento Mudanças podem gerar incomodo outros sofrimentos Propicia a manutenção da disfunção Desequilíbrio inicial sem a bebida 78Terapia familiar sistêmica e dependência a substancias - Maria Fátima Olivier Sudbrack in Dependencia de drogas Seibel (2010)
  • 79. Família x Paciente Mudanças ocorrem de forma gradual Algumas características da dependência química... - Tolerância - Estreitamento do repertório - Saliência do comportamento de uso - Reinstalação após período de abstinência 79
  • 80. Família x Paciente 80 Adoecendo “ a seco” Substancia mudando padrão de comportamento
  • 81. Engajando a Família Trabalhar com um membro ou Trabalhar com toda a família Quanto mais membros maior a chance de mudança E mudanças mais rápidas (uso e relações) Crenças familiares e condutas assertivas - Expectativas familiares - Reforçar quebra de preconceitos - Trabalhar as “culpas” - Resgate de autonomia de cada um - Mudança de padrões familiares ...lidar com todas as mudanças que virão! Família deve estar preparada! 81
  • 82. Expectativas Familiares “Vai ter cura ?” “ O marido da filha da minha vizinha parou” “ O remédio vai tratar ?” “ A internação resolverá ?” “ Mas só 30 dias?” “ Vai poder voltar a beber “socialmente” ?” “ Dá pra deixar ela só com as crianças?” 82
  • 83. Quebra de Preconceitos “ Isso é coisa de vagabundo” “ Falta de vontade” “ Sem Jesus no coração” “ Se é doença porque não morre logo?” “ Então deixa que eu cuido” “Ele ainda vai poder trabalhar um dia?” “Quem está arrumando a sua cama?” “ Eu TAMBEM terei que me tratar ????” 83
  • 84. Trabalhar as culpas “Eu devia ter batido mais” “Eu não devia ter batido tanto” “A culpa é toda dele” “A culpa é toda minha” “Deve ser porque tem muita gente que bebe na minha família” “Coitadinho com uma esposa dessa eu beberia” “Destruí minha família” “Perdi muitas oportunidade na vida” 84
  • 85. Resgate da autonomia - Trabalho - Vida Social - Atividades de laser - Religião - Tratamento - .... Aqui mora o perigo (também) 85