SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
HISTÓRIA DAHISTÓRIA DA
INFÂNCIAINFÂNCIA
6º PERÍODODE PEDAGOGIA NEADUPE
LITERATURA INFANTIL
CÉLIOSILVA
MARIA EDILENE DA SILVA
JANNAÍNA CRISTINA SANTOS VELOSO
MARY JANICE LIMA DOS SANTOS
Trecho do poema - MEUS OITO ANOS
(Cassimiro de Abreu)
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!
Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d'amor!
Que aurora, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
A INFÂNCIA NA IDADE MÉDIA
IDADE MÉDIA
Teve início na Europa com as invasões germânicas (bárbaras),
no século V, sobre o Império Romano do Ocidente. Essa época
estende-se até o século XV, com a retomada comercial e o
renascimento urbano. A Idade Média caracteriza-se pela
economia ruralizada, enfraquecimento comercial, supremacia
da Igreja Católica, sistema de produção feudal e sociedade
hierarquizada.
Segundo, Áires (...) o sentimento da infância não
existia - o que não quer dizer que as crianças fossem
negligenciadas, abandonadas ou desprezadas. O
sentimento da infância não significa o mesmo que
afeição pelas crianças: corresponde à consciência da
particularidade infantil, essa particularidade que
distingue essencialmente a criança do adulto,
mesmo jovem. Essa consciência não existia.
AS CRIANÇAS ASSIM QUE SUPERAVAM A FASE MAIS
FRÁGIL ERAM INTRODUZIDAS NO MUNDO ADULTO,
SENDO TRATADAS COMO ADULTOS EM MINIATURA. A
INFÂNCIA GERALMENTE SE ESTENDIA ATÉ OS 7 ANOS
DE IDADE.
ADULTOS, JOVENS E CRIANÇAS SE MISTURAVAM
EM TODA ATIVIDADE SOCIAL, OU SEJA, NOS
DIVERTIMENTOS, NO EXERCÍCIO DAS
PROFISSÕES E TAREFAS DIÁRIAS, NO DOMÍNIO
DAS ARMAS, NAS FESTAS, CULTOS E RITUAIS. O
CERIMONIAL DESSAS CELEBRAÇÕES NÃO FAZIA
MUITA QUESTÃO EM DISTINGUIR CLARAMENTE AS
CRIANÇAS DOS JOVENS E ESTES DOS ADULTOS.
ATÉ PORQUE ESSES GRUPOS SOCIAIS ESTAVAM
POUCO CLARO EM SUAS
DIFERENCIAÇÕES. (ÁRIES, 1981)
A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
• NA IDADE MÉDIA A MAIORIA DAS PESSOAS NÃO IAM A ESCOLA, A
EDUCAÇÃO ERA PRÁTICA;
• OS MENINOS DO CAMPO APRENDIAM A PLANTAR, CUIDAR DOS
ANIMAIS E A RECONSTRUIR SUAS CASAS;
• AS MENINAS APRENDIAM, A FIAR, TECER E A COZINHAR
• A MAIORIA DA POPULAÇÃO NÃO SABIA LER NEM ESCREVER;
• POUCOS MANDAVAM SUES FILHOS PARA AS ESCOLAS DOS
MOSTEIROS, ONDE ERAM EDUCADOS ATÉ ATINGIR A IDADE DE
15 ANOS;
A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
• A APRENDIZAGEM, NORMALMENTE SE CONFUNDIA COM O SERVIÇO
DOMÉSTICO, CONSISTINDO NA PRINCIPAL FORMA DE EDUCAÇÃO DA CRIANÇA;
• AOS SETE ANOS DE IDADE A CRIANÇA ERA ENTREGUE A OUTRA FAMÍLIA, PARA
SER EDUCADA, ESTA FAMÍLIA, MUITAS VEZES NÃO TINHA VÍNCULO NENHUM
COM A FAMÍLIA BIOLÓGICA;
• NÃO HAVIA UMA EDUCAÇÃO LETRADA, AS CRIANÇAS ERAM ENTREGUES A
OUTRAS FAMÍLIAS PARA REALIZAR ATIVIDADES DOMÉSTICAS OU APRENDER
UM OFÍCIO;
A REGRA DE SÃO
BENTO PRESCREVE
DILIGÊNCIA NA
DISCIPLINA: QUE AS
CRIANÇAS NÃO
APANHEM SEM
MOTIVO, “NÃO FAÇAS
A OUTREM AQUILO
QUE NÃO QUERES
QUE TE FAÇAM.”
CRUZADAS DAS CRIANÇAS OU DOS
INOCENTES
Ocorreu aproximadamente em 1212,
quando jovens e crianças, migraram a partir
da França ou da Alemanha em direção a
Jerusalém. Entretanto, pesquisas
modernas, mostram que houveram duas
movimentações de pessoas na França e na
Alemanha, por serem histórias com
inúmeras semelhanças, foram agrupadas
como uma única história. Nenhuma das
fontes contemporâneas aos eventos
menciona planos para a multidão se dirigir
a Jerusalém.
A INFÂNCIA E OS BRINQUEDOS NA IDADE
MÉDIA
A INFÂNCIA NO SÉC XVIII
O SECÚLO XVIII
• A PARITR DESTE SÉCULO INICIA-SE A CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALÍSMO;
• AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS NA EUROPA: A REVOLUÇÃO FRANCESA,
INDUSTRIAL E CIENTÍFICA;
• O ILUMINISMO, TAMBÉM CONHECIDO COMO SÉCULODAS LUZES,
SURGE COMO
MOVIMENTO CULTURAL DA ELITE INTELECTUAL EUROPEIA QUE PROCUROU
MOBILIZAR O PODER DA RAZÃO, A FIM DE REFORMAR A SOCIEDADE E O
CONHECIMENTO HERDADO DA TRADIÇÃO MEDIEVAL. 
• A INFÂNCIA DEIXA DE SER APENAS UM EVENTO BIOLÓGICO E PASSA A SER
CULTURAL;
• O CRISTIANISMO PASSA A INFLUENCIAR OS COSTUMES DA ÉPOCA, COM O
BATISMO AS CRIANÇAS PASSAM A GANHAR PRESENÇA NAS REPRESENTAÇÕES
ARTÍSTICAS;
• A MELHORIA NAS CONDIÇÕES DE HIGIENE E CUIDADOS COM A SAÚDE,
DIMINUEM A MORTALIDADE INFANTIL;
• A FAMÍLIA APRESENTA DUAS DIMENSÕES FUNDAMENTAIS: O EIXO MARIDO-
MULHER E O EIXO PAIS-FILHOS;
• A FAMÍLIA PASSA A SER UMA INSTITUIÇÃO ONDE HÁ LUGAR PARA
MANIFESTAÇÕES DE AFETOS SENTIMENTOS, AMOR E SEXUALIDADE;
A INFÂNCIA NO SÉC XVIII
SÉC XVIII: NOVAS CONCEPÇÕES NA
EDUCAÇÃO
• JEAN JACQUES ROUSSEAU (1712-1778) FOI PIONEIRO EM ABORDAR O TEMA
INFÂNCIA NA EDUCAÇÃO. PARA ELE A EDUCAÇÃO NÃO DEVERIA APENAS
INSTRUIR, MAS PERMITIR QUE A NATUREZA DESABROCHASSE NA CRIANÇA; NÃO
DEVERIA REPRIMIR OU MODELAR.
SÉC XVIII: NOVAS CONCEPÇÕES NA
EDUCAÇÃO
• JOHANN HEINRICK PESTALOZZI (1746-1827) ACREDITAVA QUE A EDUCAÇÃO
PERFEITA DECORRIA DO DESENVOLVIMENTO HARMONIOSO DE ASPECTOS
MORAIS, INTELECTUAIS E PRÁTICOS INERENTES AO ALUNO.
A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XVIII
NUM CLIMA DE CRESCENTE INDIVIDUALISMO, DISPOSTO A
FAVORECER O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E ENCORAJADO
PELA IGREJA E PELO ESTADO, O CASAL (PAI E MÃE) DELEGOU UMA
PARTE DE SEUS PODERES E DE SUAS RESPONSABILIDADES AO
EDUCADOR. AO MODELO RURAL SUCEDEU UM MODELO URBANO, O
DESEJO DE TER FILHO NÃO PARA ASSEGURAR A CONTINUIDADE
DO CICLO, MAS SIMPLESMENTE PARA AMÁ-LOS E SER AMADO POR
ELES.
BRINQUEDOS DO SEC. XVIII
A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA
NO INICIO DA ERA CONTEMPORÂNEA A INFÂNCIA NÃO ERA TRATADA DA MESMA
MANEIRA ENTRE AS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS, NAS CLASSES MAIS ABASTADAS
AS CRIANÇAS ERAM PROTEGIDAS, GUARDADAS E CUIDADAS PELAS FAMÍLIAS,
TINHAM ACESSO A ESCOLA OU A PROFESSORES PARTICULARES, JÁ AS CRIANÇAS
DAS CLASSES MENOS FAVORECIDAS NA MAIORIA DAS VEZES ERAM OBRIGADAS A
TRABALHAR COMO ADULTOS DESDE DE MUITO CEDO, NÃO TENDO ACESSO A
ESCOLA, TÃO POUCO DE VIVÊNCIA A INFÂNCIA.
A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA
A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA –
DIAS ATUAIS
• AS CRIANÇAS PASSARAM A SER O CENTRO DAS ATENÇÕES DA FAMÍLIA;
• PARTICIPAM DE VÁRIAS ESFERAS DA VIDA SOCIAL;
• POSSUI ACESSO A TECNOLOGIA DESDE DE CEDO;
• SOFRE INFLUÊNCIA DA MÍDIA, DESDE OS PRIMEIROS ANOS DE VIDA;
• A INFÂNCIA ESTÁ VOLTADA PARA O AMBIENTE DOMÉSTICO, ESCOLA E
ATIVIDADES EXTRACURRICULARES;
• INTERAGE FORTEMENTE COM A MÍDIA E OS MAIS DIVERSOS MEIOS DE
INFORMAÇÃO;
A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA –
DIAS ATUAIS
• A MAIORIA DAS CRIANÇAS TEM ACESSO A ESCOLA;
• A APRENDIZAGEM OCORRE NA FAMÍLIA, NA ESCOLA E ATRAVÉS DOS
INÚMEROS MEIOS DE INFORMAÇÃO QUE A CRIANÇA TEM ACESSO;
• AS CRIANÇAS TÊM INÚMERAS ATIVIDADES, ESCOLA, ESPORTE, INGLÊS,
CURSOS DIVERSOS, FICANDO MUITAS VEZES SOBRECARREGADA;
• O TEMPO ESCASSO E O ACESSO AOS JOGOS ESTÃO INTERFERINDO NO
TEMPO DE BRINCAR DAS CRIANÇAS, NO TEMPO DE VIVEREM ESTA FASE DA
VIDA QUE É TÃO IMPORTANTE PARA O SER HUMANO.
A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA –
DIAS ATUAIS - EDUCAÇÃO
CONCEITO DE INFÂNCIA NOS DIAS ATUAIS
A INFÂNCIA É UMA FASE QUE VAI DESDE O NASCIMENTO ATÉ
APROXIMADAMENTE OS DOZE ANOS DE IDADE. É UM PERÍODO DE GRANDE
DESENVOLVIMENTO FÍSICO. MAIS DO QUE ISSO, É UM PERÍODO ONDE O SER
HUMANO SE DESENVOLVE PSICOLOGICAMENTE, ONDE AS MUDANÇAS DE
COMPORTAMENTO VÃO OCORRENDO DE MANEIRA GRADUAL, ASSIM COMO VÃO
IRÃO SE DESENVOLVER A BASE DA PERSONALIDADE DE CADA UM.
FONTES
• ÁRIES, PHILIPPE. HISTÓRIA SOCIAL DA CRIANÇA E DA FAMÍLIA. 2 ED. RIO DE
JANEIRO: LTC, 1981.
• WWW.PEDAGOGIA.COM.BR
• GÉLIS, JACQUES. A INDIVIDUALIZAÇÃO DA CRIANÇA. IN: ÀRIES, PHILIPPE;
CHARTIER, ROGER (ORGS.). HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA, P.328.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincar
Jakeline Lemos
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
Daniele Rubim
 
As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...
Marilia Pires
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Débora Silveira
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
Fátima Regina
 

Mais procurados (20)

A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincar
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
A historia da criança e da familia aries
A historia da  criança e da familia   ariesA historia da  criança e da familia   aries
A historia da criança e da familia aries
 
As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...As concepções de criança e infância...
As concepções de criança e infância...
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Imagens de Infancias
Imagens de InfanciasImagens de Infancias
Imagens de Infancias
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
Psicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãOPsicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãO
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
História da educação infantil no Brasil e no Mundo
História da educação infantil no Brasil e no MundoHistória da educação infantil no Brasil e no Mundo
História da educação infantil no Brasil e no Mundo
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
 
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
Slide "As especificidades da ação pedagógica com bebês" Pós Graduação
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Sociologia da educação
Sociologia da educação Sociologia da educação
Sociologia da educação
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
 
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolarO desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
O desenvolvimento infantil de 0 a 6 e a vida pré-escolar
 

Semelhante a A infância ao longo do tempo

História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
zildamisseno
 
Texto encontro 2
Texto encontro 2 Texto encontro 2
Texto encontro 2
30071968
 
Apresentação maternais 26-10-12
Apresentação maternais  26-10-12Apresentação maternais  26-10-12
Apresentação maternais 26-10-12
lucassgabriell
 
07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf
07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf
07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf
RicardoGabriel55
 
AGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.ok
AGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.okAGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.ok
AGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.ok
Roberto Rabat Chame
 

Semelhante a A infância ao longo do tempo (20)

Ariér
AriérAriér
Ariér
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
 
SLIDES APRESENTAÇÃO INFANCIA OK2.pptx
SLIDES APRESENTAÇÃO INFANCIA OK2.pptxSLIDES APRESENTAÇÃO INFANCIA OK2.pptx
SLIDES APRESENTAÇÃO INFANCIA OK2.pptx
 
Texto encontro 2
Texto encontro 2 Texto encontro 2
Texto encontro 2
 
1 concepcoes de-infancia
1 concepcoes de-infancia1 concepcoes de-infancia
1 concepcoes de-infancia
 
Apresentação maternais 26-10-12
Apresentação maternais  26-10-12Apresentação maternais  26-10-12
Apresentação maternais 26-10-12
 
01_Infância – conceito social.ppt
01_Infância – conceito social.ppt01_Infância – conceito social.ppt
01_Infância – conceito social.ppt
 
Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade
Módulo 16   as fases da vida: relação entre família e sociedadeMódulo 16   as fases da vida: relação entre família e sociedade
Módulo 16 as fases da vida: relação entre família e sociedade
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
 
16594614122012 historia da_educacao_brasileira_aula_4
16594614122012 historia da_educacao_brasileira_aula_416594614122012 historia da_educacao_brasileira_aula_4
16594614122012 historia da_educacao_brasileira_aula_4
 
Recreação e lazer
Recreação e lazerRecreação e lazer
Recreação e lazer
 
A construção do conceito de adolescência no Ocidente
A construção do conceito de adolescência no OcidenteA construção do conceito de adolescência no Ocidente
A construção do conceito de adolescência no Ocidente
 
tema01-2016.pptx
tema01-2016.pptxtema01-2016.pptx
tema01-2016.pptx
 
Eca
EcaEca
Eca
 
652 2279-1-pb
652 2279-1-pb652 2279-1-pb
652 2279-1-pb
 
Apresentação da Coleção Editora Interagir
Apresentação da Coleção Editora InteragirApresentação da Coleção Editora Interagir
Apresentação da Coleção Editora Interagir
 
07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf
07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf
07082021020126-quarto.dia.a.historia.social.da.infancia.pdf
 
O que é folclore por simone helen drumond
O que é folclore por simone helen drumondO que é folclore por simone helen drumond
O que é folclore por simone helen drumond
 
AGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.ok
AGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.okAGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.ok
AGRISSÊNIO NOTÍCIAS Nº 606 an 07 fevereiro_2017.ok
 
Edição outubro 2015
Edição outubro 2015Edição outubro 2015
Edição outubro 2015
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

A infância ao longo do tempo

  • 1. HISTÓRIA DAHISTÓRIA DA INFÂNCIAINFÂNCIA 6º PERÍODODE PEDAGOGIA NEADUPE LITERATURA INFANTIL CÉLIOSILVA MARIA EDILENE DA SILVA JANNAÍNA CRISTINA SANTOS VELOSO MARY JANICE LIMA DOS SANTOS
  • 2. Trecho do poema - MEUS OITO ANOS (Cassimiro de Abreu) Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais! Como são belos os dias Do despontar da existência! — Respira a alma inocência Como perfumes a flor; O mar é — lago sereno, O céu — um manto azulado, O mundo — um sonho dourado, A vida — um hino d'amor! Que aurora, que sol, que vida, Que noites de melodia Naquela doce alegria, Naquele ingênuo folgar!
  • 3. A INFÂNCIA NA IDADE MÉDIA
  • 4. IDADE MÉDIA Teve início na Europa com as invasões germânicas (bárbaras), no século V, sobre o Império Romano do Ocidente. Essa época estende-se até o século XV, com a retomada comercial e o renascimento urbano. A Idade Média caracteriza-se pela economia ruralizada, enfraquecimento comercial, supremacia da Igreja Católica, sistema de produção feudal e sociedade hierarquizada.
  • 5. Segundo, Áires (...) o sentimento da infância não existia - o que não quer dizer que as crianças fossem negligenciadas, abandonadas ou desprezadas. O sentimento da infância não significa o mesmo que afeição pelas crianças: corresponde à consciência da particularidade infantil, essa particularidade que distingue essencialmente a criança do adulto, mesmo jovem. Essa consciência não existia.
  • 6. AS CRIANÇAS ASSIM QUE SUPERAVAM A FASE MAIS FRÁGIL ERAM INTRODUZIDAS NO MUNDO ADULTO, SENDO TRATADAS COMO ADULTOS EM MINIATURA. A INFÂNCIA GERALMENTE SE ESTENDIA ATÉ OS 7 ANOS DE IDADE.
  • 7. ADULTOS, JOVENS E CRIANÇAS SE MISTURAVAM EM TODA ATIVIDADE SOCIAL, OU SEJA, NOS DIVERTIMENTOS, NO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES E TAREFAS DIÁRIAS, NO DOMÍNIO DAS ARMAS, NAS FESTAS, CULTOS E RITUAIS. O CERIMONIAL DESSAS CELEBRAÇÕES NÃO FAZIA MUITA QUESTÃO EM DISTINGUIR CLARAMENTE AS CRIANÇAS DOS JOVENS E ESTES DOS ADULTOS. ATÉ PORQUE ESSES GRUPOS SOCIAIS ESTAVAM POUCO CLARO EM SUAS DIFERENCIAÇÕES. (ÁRIES, 1981)
  • 8. A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA • NA IDADE MÉDIA A MAIORIA DAS PESSOAS NÃO IAM A ESCOLA, A EDUCAÇÃO ERA PRÁTICA; • OS MENINOS DO CAMPO APRENDIAM A PLANTAR, CUIDAR DOS ANIMAIS E A RECONSTRUIR SUAS CASAS; • AS MENINAS APRENDIAM, A FIAR, TECER E A COZINHAR • A MAIORIA DA POPULAÇÃO NÃO SABIA LER NEM ESCREVER; • POUCOS MANDAVAM SUES FILHOS PARA AS ESCOLAS DOS MOSTEIROS, ONDE ERAM EDUCADOS ATÉ ATINGIR A IDADE DE 15 ANOS;
  • 9. A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA • A APRENDIZAGEM, NORMALMENTE SE CONFUNDIA COM O SERVIÇO DOMÉSTICO, CONSISTINDO NA PRINCIPAL FORMA DE EDUCAÇÃO DA CRIANÇA; • AOS SETE ANOS DE IDADE A CRIANÇA ERA ENTREGUE A OUTRA FAMÍLIA, PARA SER EDUCADA, ESTA FAMÍLIA, MUITAS VEZES NÃO TINHA VÍNCULO NENHUM COM A FAMÍLIA BIOLÓGICA; • NÃO HAVIA UMA EDUCAÇÃO LETRADA, AS CRIANÇAS ERAM ENTREGUES A OUTRAS FAMÍLIAS PARA REALIZAR ATIVIDADES DOMÉSTICAS OU APRENDER UM OFÍCIO;
  • 10. A REGRA DE SÃO BENTO PRESCREVE DILIGÊNCIA NA DISCIPLINA: QUE AS CRIANÇAS NÃO APANHEM SEM MOTIVO, “NÃO FAÇAS A OUTREM AQUILO QUE NÃO QUERES QUE TE FAÇAM.”
  • 11. CRUZADAS DAS CRIANÇAS OU DOS INOCENTES Ocorreu aproximadamente em 1212, quando jovens e crianças, migraram a partir da França ou da Alemanha em direção a Jerusalém. Entretanto, pesquisas modernas, mostram que houveram duas movimentações de pessoas na França e na Alemanha, por serem histórias com inúmeras semelhanças, foram agrupadas como uma única história. Nenhuma das fontes contemporâneas aos eventos menciona planos para a multidão se dirigir a Jerusalém.
  • 12. A INFÂNCIA E OS BRINQUEDOS NA IDADE MÉDIA
  • 13. A INFÂNCIA NO SÉC XVIII
  • 14. O SECÚLO XVIII • A PARITR DESTE SÉCULO INICIA-SE A CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALÍSMO; • AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS NA EUROPA: A REVOLUÇÃO FRANCESA, INDUSTRIAL E CIENTÍFICA; • O ILUMINISMO, TAMBÉM CONHECIDO COMO SÉCULODAS LUZES, SURGE COMO MOVIMENTO CULTURAL DA ELITE INTELECTUAL EUROPEIA QUE PROCUROU MOBILIZAR O PODER DA RAZÃO, A FIM DE REFORMAR A SOCIEDADE E O CONHECIMENTO HERDADO DA TRADIÇÃO MEDIEVAL. 
  • 15. • A INFÂNCIA DEIXA DE SER APENAS UM EVENTO BIOLÓGICO E PASSA A SER CULTURAL; • O CRISTIANISMO PASSA A INFLUENCIAR OS COSTUMES DA ÉPOCA, COM O BATISMO AS CRIANÇAS PASSAM A GANHAR PRESENÇA NAS REPRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS; • A MELHORIA NAS CONDIÇÕES DE HIGIENE E CUIDADOS COM A SAÚDE, DIMINUEM A MORTALIDADE INFANTIL; • A FAMÍLIA APRESENTA DUAS DIMENSÕES FUNDAMENTAIS: O EIXO MARIDO- MULHER E O EIXO PAIS-FILHOS; • A FAMÍLIA PASSA A SER UMA INSTITUIÇÃO ONDE HÁ LUGAR PARA MANIFESTAÇÕES DE AFETOS SENTIMENTOS, AMOR E SEXUALIDADE; A INFÂNCIA NO SÉC XVIII
  • 16. SÉC XVIII: NOVAS CONCEPÇÕES NA EDUCAÇÃO • JEAN JACQUES ROUSSEAU (1712-1778) FOI PIONEIRO EM ABORDAR O TEMA INFÂNCIA NA EDUCAÇÃO. PARA ELE A EDUCAÇÃO NÃO DEVERIA APENAS INSTRUIR, MAS PERMITIR QUE A NATUREZA DESABROCHASSE NA CRIANÇA; NÃO DEVERIA REPRIMIR OU MODELAR.
  • 17. SÉC XVIII: NOVAS CONCEPÇÕES NA EDUCAÇÃO • JOHANN HEINRICK PESTALOZZI (1746-1827) ACREDITAVA QUE A EDUCAÇÃO PERFEITA DECORRIA DO DESENVOLVIMENTO HARMONIOSO DE ASPECTOS MORAIS, INTELECTUAIS E PRÁTICOS INERENTES AO ALUNO.
  • 18. A EDUCAÇÃO NO SÉCULO XVIII NUM CLIMA DE CRESCENTE INDIVIDUALISMO, DISPOSTO A FAVORECER O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E ENCORAJADO PELA IGREJA E PELO ESTADO, O CASAL (PAI E MÃE) DELEGOU UMA PARTE DE SEUS PODERES E DE SUAS RESPONSABILIDADES AO EDUCADOR. AO MODELO RURAL SUCEDEU UM MODELO URBANO, O DESEJO DE TER FILHO NÃO PARA ASSEGURAR A CONTINUIDADE DO CICLO, MAS SIMPLESMENTE PARA AMÁ-LOS E SER AMADO POR ELES.
  • 20. A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA
  • 21. NO INICIO DA ERA CONTEMPORÂNEA A INFÂNCIA NÃO ERA TRATADA DA MESMA MANEIRA ENTRE AS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS, NAS CLASSES MAIS ABASTADAS AS CRIANÇAS ERAM PROTEGIDAS, GUARDADAS E CUIDADAS PELAS FAMÍLIAS, TINHAM ACESSO A ESCOLA OU A PROFESSORES PARTICULARES, JÁ AS CRIANÇAS DAS CLASSES MENOS FAVORECIDAS NA MAIORIA DAS VEZES ERAM OBRIGADAS A TRABALHAR COMO ADULTOS DESDE DE MUITO CEDO, NÃO TENDO ACESSO A ESCOLA, TÃO POUCO DE VIVÊNCIA A INFÂNCIA. A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA
  • 22. A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA – DIAS ATUAIS
  • 23. • AS CRIANÇAS PASSARAM A SER O CENTRO DAS ATENÇÕES DA FAMÍLIA; • PARTICIPAM DE VÁRIAS ESFERAS DA VIDA SOCIAL; • POSSUI ACESSO A TECNOLOGIA DESDE DE CEDO; • SOFRE INFLUÊNCIA DA MÍDIA, DESDE OS PRIMEIROS ANOS DE VIDA; • A INFÂNCIA ESTÁ VOLTADA PARA O AMBIENTE DOMÉSTICO, ESCOLA E ATIVIDADES EXTRACURRICULARES; • INTERAGE FORTEMENTE COM A MÍDIA E OS MAIS DIVERSOS MEIOS DE INFORMAÇÃO; A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA – DIAS ATUAIS
  • 24. • A MAIORIA DAS CRIANÇAS TEM ACESSO A ESCOLA; • A APRENDIZAGEM OCORRE NA FAMÍLIA, NA ESCOLA E ATRAVÉS DOS INÚMEROS MEIOS DE INFORMAÇÃO QUE A CRIANÇA TEM ACESSO; • AS CRIANÇAS TÊM INÚMERAS ATIVIDADES, ESCOLA, ESPORTE, INGLÊS, CURSOS DIVERSOS, FICANDO MUITAS VEZES SOBRECARREGADA; • O TEMPO ESCASSO E O ACESSO AOS JOGOS ESTÃO INTERFERINDO NO TEMPO DE BRINCAR DAS CRIANÇAS, NO TEMPO DE VIVEREM ESTA FASE DA VIDA QUE É TÃO IMPORTANTE PARA O SER HUMANO. A INFÂNCIA NA ERA CONTEMPORÂNEA – DIAS ATUAIS - EDUCAÇÃO
  • 25.
  • 26. CONCEITO DE INFÂNCIA NOS DIAS ATUAIS A INFÂNCIA É UMA FASE QUE VAI DESDE O NASCIMENTO ATÉ APROXIMADAMENTE OS DOZE ANOS DE IDADE. É UM PERÍODO DE GRANDE DESENVOLVIMENTO FÍSICO. MAIS DO QUE ISSO, É UM PERÍODO ONDE O SER HUMANO SE DESENVOLVE PSICOLOGICAMENTE, ONDE AS MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO VÃO OCORRENDO DE MANEIRA GRADUAL, ASSIM COMO VÃO IRÃO SE DESENVOLVER A BASE DA PERSONALIDADE DE CADA UM.
  • 27.
  • 28. FONTES • ÁRIES, PHILIPPE. HISTÓRIA SOCIAL DA CRIANÇA E DA FAMÍLIA. 2 ED. RIO DE JANEIRO: LTC, 1981. • WWW.PEDAGOGIA.COM.BR • GÉLIS, JACQUES. A INDIVIDUALIZAÇÃO DA CRIANÇA. IN: ÀRIES, PHILIPPE; CHARTIER, ROGER (ORGS.). HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA, P.328.