SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Patrícia Grigório
O Bloqueio Continental 
 Decretação do Bloqueio Continental por 
Napoleão Bonaparte 
 Portugal possuía estreitas relações 
comerciais com a Inglaterra e relutava em 
atender às ordens francesas 
 O ultimato e ameaça de invasão levaram a 
decisão do Príncipe Regente D. João a 
embarcar para sua principal colônia, o Brasil.
Os interesses ingleses 
 A fuga para o Brasil contou com o apoio 
inglês 
 Para os ingleses a vinda da Corte para a 
Colônia era muito importante, pois, por meio 
de acordos diplomáticos, poderiam conseguir 
inúmeras vantagens para os seus negócios. 
 Esse comércio serviria de compensação para 
os prejuízos econômicos causados pelo 
Bloqueio Continental.
O embarque e viagem da 
Corte 
 D. João embarcou para o Brasil com toda a família 
real e a Corte portuguesa, composta por cerca de 10 
mil pessoas. 
 Para a colônia se transferiu todo o aparelho 
burocrático do reino: ministros, conselheiros, juizes 
da Corte Suprema, funcionários do Tesouro, patentes 
do Exército e da Marinha e membros do alto Clero. 
 Foram embarcados nos navios obras de arte, objetos 
dos museus, a Biblioteca Real com mais de 60 mil 
livros, todo o dinheiro do Tesouro português e as 
jóias da Coroa, além, de cavalos, bois, vacas, porcos 
e galinhas e mais toda a sorte de alimentos.
A abertura dos portos e o 
fim do monopólio 
 Durante sua breve estada em Salvador, D. 
João, em caráter provisório, a abertura dos 
portos brasileiros ao comércio 
internacional. 
 Essa medida, tomada pela necessidade da 
própria Corte portuguesa de assegurar sua 
sobrevivência, gerou de fato, o fim do 
PACTO COLONIAL (monopólio comercial), 
base das relações entre Metrópole e Colônia.
Alvará de 1808 
 Revogação da proibição da instalação de 
manufaturas no Brasil, incentivando a fabricação de 
produtos manufaturados no Brasil 
 Embora seja benéfica, esta medida não trouxe 
grandes benefícios para a economia pois os 
produtos têxteis britânicos se faziam fortemente 
presentes no mercado brasileiro graças ao Tratado 
de Comércio e Navegação. 
 A presença de produtos britânicos no mercado 
brasileiro criava uma forte concorrência aos 
produtores nacionais inibindo suas iniciativas 
mantendo assim a economia brasileira paralisada 
neste setor.
A presença inglesa e os 
Tratados de 1810 
 Pressão inglesa para o estabelecimento de 
novos acordos políticos e econômicos com o 
Governo português. Os ingleses, bastante 
prejudicados pelo Bloqueio Continental, 
tinham urgência na abertura de novos 
mercados, sem o que sua economia poderia 
sucumbir. 
 Em 1810 foram assinados os Tratados de 
Aliança e Amizade, de Comércio e 
Navegação entre Portugal e Inglaterra.
As vantagens inglesas 
 O direito da extraterritorialidade, que permitia aos súditos ingleses 
radicados em domínios portugueses serem julgados aqui por 
juízes ingleses, segundo a lei inglesa; 
 O direito de construir cemitérios e templos protestantes, desde 
que sem a aparência externa de templo; 
 A colocação dos produtos ingleses nos portos portugueses 
mediante uma taxa de 15%, ou seja, abaixo da taxação dos 
produtos portugueses, que pagavam 16%, e bem abaixo da dos 
demais países, que pagavam 24% em nossas alfândegas. 
 Em relação à escravidão ficou determinada uma gradual abolição 
do comércio de escravos e, também, que os portugueses só os 
capturariam nas regiões africanas pertencentes a Portugal. A ação 
repressiva inglesa vai mais além, tentando impor um prazo para o 
encerramento do tráfico negreiro como, também, a busca em 
navios que considerasse, "suspeitos" de comerciar escravos 
negros.
 Houve uma grita geral no Rio de Janeiro e em outros 
pontos, pois muitos interesses foram prejudicados, 
além daqueles dos antigos colonizadores. 
 Os bispos e padres católicos eram contrários à 
liberdade de culto para os protestantes; 
 Os magistrados não concordavam com a existência 
do juiz inglês; 
 Os traficantes negreiros protestaram contra as 
limitações impostas à escravidão; 
 Os comerciantes portugueses sentiram-se totalmente 
ameaçados nos seus negócios. Para esses grupos, os 
ingleses estavam se tornando os novos colonizadores. 
A Colônia saía da esfera do colonialismo 
mercantilista português para ingressar na 
dependência do capital industrial inglês.
Principais medidas de D. 
João 
 Fundação do Banco do Brasil e Casa da 
Moeda 
 Criação da Imprensa Régia e primeiro jornal 
(Gazeta do Rio de Janeiro) 
 Faculdade de Medicina (Bahia) 
 Escola de Belas Artes 
 Criação do Jardim Botânico 
 Museu Nacional, Biblioteca Real e Teatro 
Real São João
Brasil, Reino Unido de 
Portugal e Algarve (1815) 
 Derrota de Napoleão e Congresso de 
Viena: restauração das monarquias 
absolutistas na Europa e retorno das antigas 
famílias reais ao trono de seus países. 
 Enquanto os portugueses queriam a volta do 
seu rei, os comerciantes do Brasil e 
portugueses vindos com a Corte, favorecidos 
pelas medidas de D. João enquanto no 
Brasil, não desejavam que ele retornasse 
para Portugal. Para que ele permanecesse 
no Brasil e não deixasse de ser monarca, o 
Brasil é elevado a Reino Unido de Portugal e 
Algarve.
Elevação do Brasil a Reino Unido de 
Portugual e Algarve: mudança na 
situação política do Brasil. 
Brasil deixa de ser oficialmente uma 
colônia portuguesa para se tornar 
METRÓPOLE. E além de ser REINO é 
também a CAPITAL do Reino 
português.
A Revolução Liberal (1820) 
 Enquanto a Corte portuguesa permanecia no 
Brasil, Portugal era governado pelo inglês 
Lord Beresford, gerando insatisfação dos 
portugueses. 
 Revolta dos súditos portugueses e exigência 
do retorno do rei à Portugal. 
 Deposição de Lord Beresford, reunião das 
Cortes portuguesas e organização de uma 
Constituição = o monarca deixa de ser um 
governante absolutista para se tornar um 
monarca submisso à uma Constituição.
Exigência das Cortes portuguesas: 
retorno imediato do rei à Lisboa, 
estabelecimento de uma monarquia 
constitucional e retomada da 
exclusividade do comércio com o Brasil. 
Os grupos que haviam se beneficiado 
com as medidas de D. João no Brasil, 
exigiam por seu lado, a permanência do 
rei nas terras americanas.
 A corte portuguesa era liberal e 
conservadora ao mesmo tempo: para 
Portugal era liberal, na medida em que 
convocou as cortes com o objetivo de 
elaborar uma constituição que limitava o 
poder do rei. 
 Para o Brasil ela era conservadora visto que 
se propunha a anular as medidas de D. João, 
exigindo a manutenção dos monopólios e 
privilégios portugueses, limitando a influencia 
inglesa e subordinando novamente a 
economia e administração brasileiras a 
Portugal
 Em 1921, D. João deixou o Brasil atendendo 
às exigências das Cortes de Lisboa. 
 Deixando seu filho, D. Pedro, como príncipe-regente 
do Brasil agradava aos grupos 
políticos que defenderam sua permanência no 
Brasil. 
 Para D. João, a permanência de seu filho 
significava a possibilidade de, após sua morte, 
manter a união dos dois reinos, apesar de já 
existirem neste momento, alguns movimentos 
tendentes à independência do Brasil em 
relação à Portugal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Janaína Tavares
 
O congresso de viena
O congresso de vienaO congresso de viena
O congresso de viena
Vitor Ferreira
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Claudenilson da Silva
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
Tatiana Rezende
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
henrique.jay
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Isabela Espíndola
 
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
Tissiane Gomes
 
Independência dos eua (1776)
Independência dos eua (1776)Independência dos eua (1776)
Independência dos eua (1776)
Janayna Lira
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
profrogerio1
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
DeaaSouza
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
robson30
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
Marilia Pimentel
 

Mais procurados (20)

Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
O congresso de viena
O congresso de vienaO congresso de viena
O congresso de viena
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O BrasilVinda Da Familia Real Para O Brasil
Vinda Da Familia Real Para O Brasil
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
Aula cfgv - A vinda da família real para o Brasil
 
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
 
Independência dos eua (1776)
Independência dos eua (1776)Independência dos eua (1776)
Independência dos eua (1776)
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
A proclamação da república
A proclamação da repúblicaA proclamação da república
A proclamação da república
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 

Destaque

Mercantilismo e sistema colonial
Mercantilismo e sistema colonialMercantilismo e sistema colonial
Mercantilismo e sistema colonial
Danielle Rocha
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Patrícia Costa Grigório
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Luciano Emanuel Silva
 
Descritores História 3º bimestre
Descritores História 3º bimestreDescritores História 3º bimestre
Descritores História 3º bimestre
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano
Caderno Pedagógico de História - 7º AnoCaderno Pedagógico de História - 7º Ano
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano
Patrícia Costa Grigório
 
O Trabalhismo na Era Vargas
O Trabalhismo na Era VargasO Trabalhismo na Era Vargas
O Trabalhismo na Era Vargas
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano
Caderno Pedagógico de História - 9º AnoCaderno Pedagógico de História - 9º Ano
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano
Patrícia Costa Grigório
 
Egito: presente do Nilo
Egito: presente do NiloEgito: presente do Nilo
Egito: presente do Nilo
Patrícia Costa Grigório
 
O mundo de Homero
O mundo de HomeroO mundo de Homero
O mundo de Homero
Patrícia Costa Grigório
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Patrícia Costa Grigório
 
Mesopotâmia: terra entre rios
Mesopotâmia: terra entre riosMesopotâmia: terra entre rios
Mesopotâmia: terra entre rios
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano
Caderno Pedagógico de História - 6º AnoCaderno Pedagógico de História - 6º Ano
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Patrícia Costa Grigório
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à RepúblicaRoma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Patrícia Costa Grigório
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
André Pereira Rocha
 
Origens do Cristianismo
Origens do CristianismoOrigens do Cristianismo
Origens do Cristianismo
Patrícia Costa Grigório
 

Destaque (20)

Mercantilismo e sistema colonial
Mercantilismo e sistema colonialMercantilismo e sistema colonial
Mercantilismo e sistema colonial
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Revolução Francesa HQ
Revolução Francesa HQRevolução Francesa HQ
Revolução Francesa HQ
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Descritores História 3º bimestre
Descritores História 3º bimestreDescritores História 3º bimestre
Descritores História 3º bimestre
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano
Caderno Pedagógico de História - 7º AnoCaderno Pedagógico de História - 7º Ano
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano
 
O Trabalhismo na Era Vargas
O Trabalhismo na Era VargasO Trabalhismo na Era Vargas
O Trabalhismo na Era Vargas
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano
Caderno Pedagógico de História - 9º AnoCaderno Pedagógico de História - 9º Ano
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano
 
Egito: presente do Nilo
Egito: presente do NiloEgito: presente do Nilo
Egito: presente do Nilo
 
O mundo de Homero
O mundo de HomeroO mundo de Homero
O mundo de Homero
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
 
Mesopotâmia: terra entre rios
Mesopotâmia: terra entre riosMesopotâmia: terra entre rios
Mesopotâmia: terra entre rios
 
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano
Caderno Pedagógico de História - 6º AnoCaderno Pedagógico de História - 6º Ano
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano
 
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à RepúblicaRoma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à República
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
 
Origens do Cristianismo
Origens do CristianismoOrigens do Cristianismo
Origens do Cristianismo
 

Semelhante a A Corte portuguesa no brasil

O processo da independencia brasileira
O processo da independencia brasileiraO processo da independencia brasileira
O processo da independencia brasileira
Leandro Lopes
 
Apostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasilApostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasil
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)
A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)
A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)
jessica Nogueira
 
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Manaahmaninha12
 
Chegada da família Real no Brasil01.pptx
Chegada da família Real no Brasil01.pptxChegada da família Real no Brasil01.pptx
Chegada da família Real no Brasil01.pptx
Ricardo Diniz campos
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
Família real no brasil
Família real no brasilFamília real no brasil
Família real no brasil
Acrópole - História & Educação
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasil
sueli ramos
 
A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
Chegada ao Brasil.pptx
Chegada ao Brasil.pptxChegada ao Brasil.pptx
Chegada ao Brasil.pptx
RafaelyLeite1
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
Ana Souza
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
helenasoares
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
PORTAL69
 
A Fase de Dom João VI - 2M4/G3
A Fase de Dom João VI - 2M4/G3A Fase de Dom João VI - 2M4/G3
A Fase de Dom João VI - 2M4/G3
marianasloureiro
 
A Fase de Dom João VI
A Fase de Dom João VIA Fase de Dom João VI
A Fase de Dom João VI
Mariana Loureiro
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
A corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasilA corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasil
Alexandre Elias
 
Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasilProcesso de independência do brasil
Processo de independência do brasil
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Produção textual 04.10
Produção textual 04.10Produção textual 04.10
Produção textual 04.10
PIBIDSolondeLucena
 

Semelhante a A Corte portuguesa no brasil (20)

O processo da independencia brasileira
O processo da independencia brasileiraO processo da independencia brasileira
O processo da independencia brasileira
 
Apostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasilApostila.modulo x. independencia do brasil
Apostila.modulo x. independencia do brasil
 
A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)
A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)
A família real no brasil ( formação do estado Brasileiro)
 
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
 
Chegada da família Real no Brasil01.pptx
Chegada da família Real no Brasil01.pptxChegada da família Real no Brasil01.pptx
Chegada da família Real no Brasil01.pptx
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
Família real no brasil
Família real no brasilFamília real no brasil
Família real no brasil
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasil
 
A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808
 
Chegada ao Brasil.pptx
Chegada ao Brasil.pptxChegada ao Brasil.pptx
Chegada ao Brasil.pptx
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A Fase de Dom João VI - 2M4/G3
A Fase de Dom João VI - 2M4/G3A Fase de Dom João VI - 2M4/G3
A Fase de Dom João VI - 2M4/G3
 
A Fase de Dom João VI
A Fase de Dom João VIA Fase de Dom João VI
A Fase de Dom João VI
 
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe AssunçãoCHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
CHEGADA DA FAMÍLIA REAL NO-BRASIL- Prof.Ms.Noe Assunção
 
A corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasilA corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasil
 
Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasilProcesso de independência do brasil
Processo de independência do brasil
 
Produção textual 04.10
Produção textual 04.10Produção textual 04.10
Produção textual 04.10
 

Mais de Patrícia Costa Grigório

O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
Patrícia Costa Grigório
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
O Absolutismo e o Mercantilismo
O Absolutismo e o MercantilismoO Absolutismo e o Mercantilismo
O Absolutismo e o Mercantilismo
Patrícia Costa Grigório
 
Povoamento do América
Povoamento do AméricaPovoamento do América
Povoamento do América
Patrícia Costa Grigório
 
Unificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e AlemãUnificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e Alemã
Patrícia Costa Grigório
 
Introdução ao Estudo da História
Introdução ao Estudo da HistóriaIntrodução ao Estudo da História
Introdução ao Estudo da História
Patrícia Costa Grigório
 
A Igrea Medieval
A Igrea MedievalA Igrea Medieval
A Igrea Medieval
Patrícia Costa Grigório
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
Patrícia Costa Grigório
 
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Patrícia Costa Grigório
 
A grécia das cidades
A grécia das cidadesA grécia das cidades
A grécia das cidades
Patrícia Costa Grigório
 
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de PortugalAs guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
Patrícia Costa Grigório
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
Patrícia Costa Grigório
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
As primeiras cidades
As primeiras cidadesAs primeiras cidades
As primeiras cidades
Patrícia Costa Grigório
 
A Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagensA Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagens
Patrícia Costa Grigório
 
Tesouros da mesopotâmia
Tesouros da mesopotâmiaTesouros da mesopotâmia
Tesouros da mesopotâmia
Patrícia Costa Grigório
 

Mais de Patrícia Costa Grigório (18)

O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O iiLUMINISMO
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Absolutismo e o Mercantilismo
O Absolutismo e o MercantilismoO Absolutismo e o Mercantilismo
O Absolutismo e o Mercantilismo
 
Povoamento do América
Povoamento do AméricaPovoamento do América
Povoamento do América
 
Unificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e AlemãUnificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e Alemã
 
Introdução ao Estudo da História
Introdução ao Estudo da HistóriaIntrodução ao Estudo da História
Introdução ao Estudo da História
 
A Igrea Medieval
A Igrea MedievalA Igrea Medieval
A Igrea Medieval
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
 
A grécia das cidades
A grécia das cidadesA grécia das cidades
A grécia das cidades
 
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de PortugalAs guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
As primeiras cidades
As primeiras cidadesAs primeiras cidades
As primeiras cidades
 
A Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagensA Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagens
 
Tesouros da mesopotâmia
Tesouros da mesopotâmiaTesouros da mesopotâmia
Tesouros da mesopotâmia
 

Último

responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

A Corte portuguesa no brasil

  • 2. O Bloqueio Continental  Decretação do Bloqueio Continental por Napoleão Bonaparte  Portugal possuía estreitas relações comerciais com a Inglaterra e relutava em atender às ordens francesas  O ultimato e ameaça de invasão levaram a decisão do Príncipe Regente D. João a embarcar para sua principal colônia, o Brasil.
  • 3. Os interesses ingleses  A fuga para o Brasil contou com o apoio inglês  Para os ingleses a vinda da Corte para a Colônia era muito importante, pois, por meio de acordos diplomáticos, poderiam conseguir inúmeras vantagens para os seus negócios.  Esse comércio serviria de compensação para os prejuízos econômicos causados pelo Bloqueio Continental.
  • 4. O embarque e viagem da Corte  D. João embarcou para o Brasil com toda a família real e a Corte portuguesa, composta por cerca de 10 mil pessoas.  Para a colônia se transferiu todo o aparelho burocrático do reino: ministros, conselheiros, juizes da Corte Suprema, funcionários do Tesouro, patentes do Exército e da Marinha e membros do alto Clero.  Foram embarcados nos navios obras de arte, objetos dos museus, a Biblioteca Real com mais de 60 mil livros, todo o dinheiro do Tesouro português e as jóias da Coroa, além, de cavalos, bois, vacas, porcos e galinhas e mais toda a sorte de alimentos.
  • 5. A abertura dos portos e o fim do monopólio  Durante sua breve estada em Salvador, D. João, em caráter provisório, a abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional.  Essa medida, tomada pela necessidade da própria Corte portuguesa de assegurar sua sobrevivência, gerou de fato, o fim do PACTO COLONIAL (monopólio comercial), base das relações entre Metrópole e Colônia.
  • 6. Alvará de 1808  Revogação da proibição da instalação de manufaturas no Brasil, incentivando a fabricação de produtos manufaturados no Brasil  Embora seja benéfica, esta medida não trouxe grandes benefícios para a economia pois os produtos têxteis britânicos se faziam fortemente presentes no mercado brasileiro graças ao Tratado de Comércio e Navegação.  A presença de produtos britânicos no mercado brasileiro criava uma forte concorrência aos produtores nacionais inibindo suas iniciativas mantendo assim a economia brasileira paralisada neste setor.
  • 7. A presença inglesa e os Tratados de 1810  Pressão inglesa para o estabelecimento de novos acordos políticos e econômicos com o Governo português. Os ingleses, bastante prejudicados pelo Bloqueio Continental, tinham urgência na abertura de novos mercados, sem o que sua economia poderia sucumbir.  Em 1810 foram assinados os Tratados de Aliança e Amizade, de Comércio e Navegação entre Portugal e Inglaterra.
  • 8. As vantagens inglesas  O direito da extraterritorialidade, que permitia aos súditos ingleses radicados em domínios portugueses serem julgados aqui por juízes ingleses, segundo a lei inglesa;  O direito de construir cemitérios e templos protestantes, desde que sem a aparência externa de templo;  A colocação dos produtos ingleses nos portos portugueses mediante uma taxa de 15%, ou seja, abaixo da taxação dos produtos portugueses, que pagavam 16%, e bem abaixo da dos demais países, que pagavam 24% em nossas alfândegas.  Em relação à escravidão ficou determinada uma gradual abolição do comércio de escravos e, também, que os portugueses só os capturariam nas regiões africanas pertencentes a Portugal. A ação repressiva inglesa vai mais além, tentando impor um prazo para o encerramento do tráfico negreiro como, também, a busca em navios que considerasse, "suspeitos" de comerciar escravos negros.
  • 9.  Houve uma grita geral no Rio de Janeiro e em outros pontos, pois muitos interesses foram prejudicados, além daqueles dos antigos colonizadores.  Os bispos e padres católicos eram contrários à liberdade de culto para os protestantes;  Os magistrados não concordavam com a existência do juiz inglês;  Os traficantes negreiros protestaram contra as limitações impostas à escravidão;  Os comerciantes portugueses sentiram-se totalmente ameaçados nos seus negócios. Para esses grupos, os ingleses estavam se tornando os novos colonizadores. A Colônia saía da esfera do colonialismo mercantilista português para ingressar na dependência do capital industrial inglês.
  • 10. Principais medidas de D. João  Fundação do Banco do Brasil e Casa da Moeda  Criação da Imprensa Régia e primeiro jornal (Gazeta do Rio de Janeiro)  Faculdade de Medicina (Bahia)  Escola de Belas Artes  Criação do Jardim Botânico  Museu Nacional, Biblioteca Real e Teatro Real São João
  • 11. Brasil, Reino Unido de Portugal e Algarve (1815)  Derrota de Napoleão e Congresso de Viena: restauração das monarquias absolutistas na Europa e retorno das antigas famílias reais ao trono de seus países.  Enquanto os portugueses queriam a volta do seu rei, os comerciantes do Brasil e portugueses vindos com a Corte, favorecidos pelas medidas de D. João enquanto no Brasil, não desejavam que ele retornasse para Portugal. Para que ele permanecesse no Brasil e não deixasse de ser monarca, o Brasil é elevado a Reino Unido de Portugal e Algarve.
  • 12. Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugual e Algarve: mudança na situação política do Brasil. Brasil deixa de ser oficialmente uma colônia portuguesa para se tornar METRÓPOLE. E além de ser REINO é também a CAPITAL do Reino português.
  • 13. A Revolução Liberal (1820)  Enquanto a Corte portuguesa permanecia no Brasil, Portugal era governado pelo inglês Lord Beresford, gerando insatisfação dos portugueses.  Revolta dos súditos portugueses e exigência do retorno do rei à Portugal.  Deposição de Lord Beresford, reunião das Cortes portuguesas e organização de uma Constituição = o monarca deixa de ser um governante absolutista para se tornar um monarca submisso à uma Constituição.
  • 14. Exigência das Cortes portuguesas: retorno imediato do rei à Lisboa, estabelecimento de uma monarquia constitucional e retomada da exclusividade do comércio com o Brasil. Os grupos que haviam se beneficiado com as medidas de D. João no Brasil, exigiam por seu lado, a permanência do rei nas terras americanas.
  • 15.  A corte portuguesa era liberal e conservadora ao mesmo tempo: para Portugal era liberal, na medida em que convocou as cortes com o objetivo de elaborar uma constituição que limitava o poder do rei.  Para o Brasil ela era conservadora visto que se propunha a anular as medidas de D. João, exigindo a manutenção dos monopólios e privilégios portugueses, limitando a influencia inglesa e subordinando novamente a economia e administração brasileiras a Portugal
  • 16.  Em 1921, D. João deixou o Brasil atendendo às exigências das Cortes de Lisboa.  Deixando seu filho, D. Pedro, como príncipe-regente do Brasil agradava aos grupos políticos que defenderam sua permanência no Brasil.  Para D. João, a permanência de seu filho significava a possibilidade de, após sua morte, manter a união dos dois reinos, apesar de já existirem neste momento, alguns movimentos tendentes à independência do Brasil em relação à Portugal.