SlideShare uma empresa Scribd logo
A Revolução Liberal de
               1820
Rita Santos // nº22 //11ºJ
No início do século XIX, vigorava
em Portugal um regime
                                      Introdução
tipicamente absolutista, sob a
administração do príncipe regente
D.João, que substituía D.Maria I,
sua mãe, dado o seu estado de
loucura.
Para além disso, o país
encontrava-se desprovido dos
ideais iluministas, que há muito se
tinham espalhado pela Europa.
O Absolutismo estava para durar,
sendo que a economia era
essencialmente agrícola, a vida
quotidiana era esmagadoramente
rural e muito pobre, sentindo-se a
falta duma “opinião iluminada” que
pusesse em causa a legitimidade
do absolutismo em nome dos
princípios da soberania nacional e
da igualdade cívica.
Introdução
Todavia, destacavam-se da sociedade uma
burguesia comercial (endinheirada) que
ansiava pela mudança e um restrito grupo de
intelectuais que propagavam os ideais da
Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade
que eram provenientes da França. Estes
frequentavam cafés, botequins e lojas
maçónicas.
Assim sendo, as aspirações de mudança
destes “iluminados” viriam a ser
impulsionadas pelas Invasões Francesas, que
por sinal tiveram um grande impacto em
Portugal.
• As Invasões Francesas

Decidido a pôr fim ao poderio da
Inglaterra, Napoleão Bonaparte decretou
o Bloqueio Continental, em 1806, para
que nenhuma nação europeia mantivesse
qualquer tipo de contacto comercial com
as Ilhas Britânicas.
Deste modo, Portugal estava então com
graves problemas: ou se mantinha fiel à
sua antiga e leal aliada Inglaterra; ou
aceitava o bloqueio, pondo em causa a
liberdade do país.
• Atendendo ao Documento 2, anteriormente
 visto, concluí que mesmo querendo conservar
 a neutralidade, ainda que hesitando, Portugal
   manteve-se fiel à sua velha aliada e acabou
      por não se subordinar aos ditames do
   Bloqueio. Deu-se então a fuga do príncipe-
 regente D.João juntamente com a família real
 e a Corte para as colónias do Brasil. Fuga esta
 que permitiu a manutenção da independência
                     do país.
Como consequência deste decisão,
Portugal foi alvo de três invasões
napoleónicas, de 1807 a 1811,
comandadas, sucessivamente, pelo
general Junot, pelo marechal Soult e pelo
marechal Massena.
Estas invasões foram desastrosas e resultaram na
devastação e destruição, dado que a Inglaterra exerceu
um enorme domínio político e económico sobre Portugal.
Estes conflitos arruinaram importantes setores, tais
como o agrícola, industrial e comercial, causaram
imensas perdas humanas e o património nacional sofre
perdas em consequência do saque de mosteiros, igrejas
e palácios.
O país ficou na miséria durante estes quatro longos
anos!
Portugal encontrou-se
assim sob o comando
Inglês, de 1808 a 1821.
Coube ao marechal
Beresford a reestruturação
do exército e organizar a
defesa do reino contra os
Franceses. Porém, o
mesmo ocupou funções
que foram para além da
esfera militar, exercendo
um controlo da economia,
reativando a Inquisição e
enchendo as prisões de
suspeitos de atos radicais
e revolucionários.
Consequências do domínio britânico


                Despesas ultrapassavam as
                         receitas


  A balança comercial                         A agricultura e o comércio
  apresentava valores                        apresentavam sinais de uma
      deficitários                                  crise estrutural




         Com a abertura dos portos do Brasil em 1808 ao comércio internacional,
          dando-se a perda do exclusivo colonial;
         E com o tratado do comércio em 1810 com a Grã-Bertanha, que veio
          reforçar o Tratado de Methuen, visto que a liberdade de comércio e
          navegação favoreceu a entrada de mercadorias britânicas nos portos
          portugueses
Esta atitude repressiva e a deplorável
situação económica e financeira, gerou
um clima de repulsa contra os
ingleses, por parte da burguesia
portuguesa, visto que esta camada
social viu a sua atividade mercantil
diminuir a larga escala.
• A rebelião em marcha

Foi no Porto, em 1817, que nasceu uma
associação maçónica denominada por Sinédrio.
Tinham como objetivo intervir no país quando o
contexto fosse favorável…
• Revolução Liberal
A tão desejada revolução, ocorreu no Porto, a 24
de Agosto de 1820.
Esta revolução contou com o apoio de todas as
    camadas sociais e foi essencialmente um
            pronunciamento militar.
Entre as suas reivindicações, a mesma
exigiu convocar as cortes para elaborar
uma constituição para o país,
defendendo a autoridade régia e os direitos
dos portugueses.



Pretendia-se o imediato    Pretendia-se também a
 retorno da família real       restauração da
juntamente com a corte        exclusividade do
      para Portugal               comércio
• Constituição de 1822
Coube às Cortes Gerais Extraordinárias
e Constituintes da Nação Portuguesa,
reunidas desde Janeiro de 1821, a
elaboração do mais antigo texto
constitucional português, assinado
pelos deputados em 23 de Setembro
de 1822 e jurado pelo rei D.João VI, a
1 de Outubro deste mesmo ano.
A Constituição de 1822 é um longo
documento de 240 artigos e:
• Reconhece os direitos e deveres do
  indivíduo, garantindo a liberdade, a
  segurança, a propriedade e a igualdade
  perante a lei;
• Afirma a soberania da Nação, cabendo aos
  varões maiores de 25 anos, quer
  soubessem ler e escrever, a eleição direta
  dos deputados;
• Aceita a independdência dos poderes
  legislativo, executivo e judicial;
• Não reconhece qualquer prerrogativa à
  nobreza e ao clero;
• Submete o poder real à supremacia das Cortes
  Legislativas.
• Conclusão
Contudo, a Constituição de 1822 foi
demasiado progressista para o seu
tempo.
E como tal, provocou reações por parte
dos absolutistas, tais como a Vilafrancada
e a Abrilada, o que levou D.Pedro a
outorgar a Carta Constitucional de 1826,
na tentativa de evitar mais confrontos
entre liberais e absolutistas.
Apesar de jurar a Carta, D.Miguel não a
cumpre e iniciasse então uma Guerra Civil,
liderada por D.Miguel (por parte dos
absolutistas) e por D.Pedro (por parte dos
liberalistas).

 O liberalismo é finalmente implantado
com o desfecho da Guerra Civil, na qual
         D.Miguel sai derrotado.
• Bibliografia
• Livro História A, Célia Pinto do Couto e Maria
Antónia Monterroso Rosas, Porto Editora.
• http://www.infopedia.pt/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
LuisMagina
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
José Palma
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
Vítor Santos
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
BarbaraSilveira9
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
Vítor Santos
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
cattonia
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
Susana Simões
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
joanacunha9406
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
Daniela Paiva
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
Carlos Vieira
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
Débora Fino
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
cattonia
 

Mais procurados (20)

5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºanoRevolução liberal portuguesa - História 8ºano
Revolução liberal portuguesa - História 8ºano
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820Revolução liberal 1820
Revolução liberal 1820
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 

Destaque

A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
Anabela Sobral
 
O LIBERALISMO
O LIBERALISMOO LIBERALISMO
O LIBERALISMO
guestbfbc7a
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
Eduardo Sousa
 
Guerra Civil Portuguesa
Guerra Civil PortuguesaGuerra Civil Portuguesa
Guerra Civil Portuguesa
Professores História
 
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E AbsolutistasGuerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
carloa1970
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
Maria Gomes
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo
010693
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rainha Maga
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
cruchinho
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
Carla Teixeira
 

Destaque (10)

A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
 
O LIBERALISMO
O LIBERALISMOO LIBERALISMO
O LIBERALISMO
 
A revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesaA revolução liberal portuguesa
A revolução liberal portuguesa
 
Guerra Civil Portuguesa
Guerra Civil PortuguesaGuerra Civil Portuguesa
Guerra Civil Portuguesa
 
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E AbsolutistasGuerras Entre Liberais E Absolutistas
Guerras Entre Liberais E Absolutistas
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
 
O papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novoO papel das mulheres no estado novo
O papel das mulheres no estado novo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 

Semelhante a Revolução liberal 1820

5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
helenasoares
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Manaahmaninha12
 
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptxA IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
Paula Gomes Pereira Gomes
 
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptxA implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
Maria Rodrigues
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
roxy2011
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Carolina Tavares
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
QI- Centro de Estudos
 
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   CompletoA ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
ricardup
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
Janayna Lira
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Isabel Aguiar
 
Trabalho independência do brasil certo
Trabalho independência do brasil certoTrabalho independência do brasil certo
Trabalho independência do brasil certo
Celia Regina Oliveira
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
Ana Souza
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
josafaslima
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
takahico
 

Semelhante a Revolução liberal 1820 (20)

5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)Resumo historia brasil_parte_ii (1)
Resumo historia brasil_parte_ii (1)
 
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptxA IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
 
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptxA implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
A implantação do Liberalismo em Portugal - Antecedentes e conjuntura.pptx
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820Revolução liberal portuguesa 1820
Revolução liberal portuguesa 1820
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
 
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   CompletoA ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020Brasil período joanino e Independência 2020
Brasil período joanino e Independência 2020
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Trabalho independência do brasil certo
Trabalho independência do brasil certoTrabalho independência do brasil certo
Trabalho independência do brasil certo
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
 
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
Roteiro de Aula - Da Crise do Sistema Colonial de Exploração à Proclamação da...
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Revolução liberal 1820

  • 1. A Revolução Liberal de 1820 Rita Santos // nº22 //11ºJ
  • 2. No início do século XIX, vigorava em Portugal um regime Introdução tipicamente absolutista, sob a administração do príncipe regente D.João, que substituía D.Maria I, sua mãe, dado o seu estado de loucura. Para além disso, o país encontrava-se desprovido dos ideais iluministas, que há muito se tinham espalhado pela Europa. O Absolutismo estava para durar, sendo que a economia era essencialmente agrícola, a vida quotidiana era esmagadoramente rural e muito pobre, sentindo-se a falta duma “opinião iluminada” que pusesse em causa a legitimidade do absolutismo em nome dos princípios da soberania nacional e da igualdade cívica.
  • 3. Introdução Todavia, destacavam-se da sociedade uma burguesia comercial (endinheirada) que ansiava pela mudança e um restrito grupo de intelectuais que propagavam os ideais da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade que eram provenientes da França. Estes frequentavam cafés, botequins e lojas maçónicas. Assim sendo, as aspirações de mudança destes “iluminados” viriam a ser impulsionadas pelas Invasões Francesas, que por sinal tiveram um grande impacto em Portugal.
  • 4. • As Invasões Francesas Decidido a pôr fim ao poderio da Inglaterra, Napoleão Bonaparte decretou o Bloqueio Continental, em 1806, para que nenhuma nação europeia mantivesse qualquer tipo de contacto comercial com as Ilhas Britânicas. Deste modo, Portugal estava então com graves problemas: ou se mantinha fiel à sua antiga e leal aliada Inglaterra; ou aceitava o bloqueio, pondo em causa a liberdade do país.
  • 5.
  • 6. • Atendendo ao Documento 2, anteriormente visto, concluí que mesmo querendo conservar a neutralidade, ainda que hesitando, Portugal manteve-se fiel à sua velha aliada e acabou por não se subordinar aos ditames do Bloqueio. Deu-se então a fuga do príncipe- regente D.João juntamente com a família real e a Corte para as colónias do Brasil. Fuga esta que permitiu a manutenção da independência do país.
  • 7. Como consequência deste decisão, Portugal foi alvo de três invasões napoleónicas, de 1807 a 1811, comandadas, sucessivamente, pelo general Junot, pelo marechal Soult e pelo marechal Massena.
  • 8. Estas invasões foram desastrosas e resultaram na devastação e destruição, dado que a Inglaterra exerceu um enorme domínio político e económico sobre Portugal. Estes conflitos arruinaram importantes setores, tais como o agrícola, industrial e comercial, causaram imensas perdas humanas e o património nacional sofre perdas em consequência do saque de mosteiros, igrejas e palácios. O país ficou na miséria durante estes quatro longos anos!
  • 9. Portugal encontrou-se assim sob o comando Inglês, de 1808 a 1821. Coube ao marechal Beresford a reestruturação do exército e organizar a defesa do reino contra os Franceses. Porém, o mesmo ocupou funções que foram para além da esfera militar, exercendo um controlo da economia, reativando a Inquisição e enchendo as prisões de suspeitos de atos radicais e revolucionários.
  • 10. Consequências do domínio britânico Despesas ultrapassavam as receitas A balança comercial A agricultura e o comércio apresentava valores apresentavam sinais de uma deficitários crise estrutural  Com a abertura dos portos do Brasil em 1808 ao comércio internacional, dando-se a perda do exclusivo colonial;  E com o tratado do comércio em 1810 com a Grã-Bertanha, que veio reforçar o Tratado de Methuen, visto que a liberdade de comércio e navegação favoreceu a entrada de mercadorias britânicas nos portos portugueses
  • 11. Esta atitude repressiva e a deplorável situação económica e financeira, gerou um clima de repulsa contra os ingleses, por parte da burguesia portuguesa, visto que esta camada social viu a sua atividade mercantil diminuir a larga escala.
  • 12. • A rebelião em marcha Foi no Porto, em 1817, que nasceu uma associação maçónica denominada por Sinédrio. Tinham como objetivo intervir no país quando o contexto fosse favorável…
  • 13. • Revolução Liberal A tão desejada revolução, ocorreu no Porto, a 24 de Agosto de 1820. Esta revolução contou com o apoio de todas as camadas sociais e foi essencialmente um pronunciamento militar.
  • 14. Entre as suas reivindicações, a mesma exigiu convocar as cortes para elaborar uma constituição para o país, defendendo a autoridade régia e os direitos dos portugueses. Pretendia-se o imediato Pretendia-se também a retorno da família real restauração da juntamente com a corte exclusividade do para Portugal comércio
  • 15. • Constituição de 1822 Coube às Cortes Gerais Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa, reunidas desde Janeiro de 1821, a elaboração do mais antigo texto constitucional português, assinado pelos deputados em 23 de Setembro de 1822 e jurado pelo rei D.João VI, a 1 de Outubro deste mesmo ano.
  • 16. A Constituição de 1822 é um longo documento de 240 artigos e: • Reconhece os direitos e deveres do indivíduo, garantindo a liberdade, a segurança, a propriedade e a igualdade perante a lei; • Afirma a soberania da Nação, cabendo aos varões maiores de 25 anos, quer soubessem ler e escrever, a eleição direta dos deputados; • Aceita a independdência dos poderes legislativo, executivo e judicial;
  • 17. • Não reconhece qualquer prerrogativa à nobreza e ao clero; • Submete o poder real à supremacia das Cortes Legislativas.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. • Conclusão Contudo, a Constituição de 1822 foi demasiado progressista para o seu tempo. E como tal, provocou reações por parte dos absolutistas, tais como a Vilafrancada e a Abrilada, o que levou D.Pedro a outorgar a Carta Constitucional de 1826, na tentativa de evitar mais confrontos entre liberais e absolutistas.
  • 22. Apesar de jurar a Carta, D.Miguel não a cumpre e iniciasse então uma Guerra Civil, liderada por D.Miguel (por parte dos absolutistas) e por D.Pedro (por parte dos liberalistas). O liberalismo é finalmente implantado com o desfecho da Guerra Civil, na qual D.Miguel sai derrotado.
  • 23. • Bibliografia • Livro História A, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas, Porto Editora. • http://www.infopedia.pt/