SlideShare uma empresa Scribd logo
@pantoja.cristiane
SOCIOLOGIA
MUDANÇA E HERANÇA SOCIAL
TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
1. ORIGEM – SÉC. XVIII FRANÇA.
2. CONTEXTO - FIM DO FEUDALISMO E INÍCIO DO LIBERALISMO
ECONÔMICO.
3. PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO, CONCORRÊNCIA EMPRESARIAL,
CONGLOMERADOS E NEOIMPERIALISMO SÉC XIX.
4. TRANSFORMAÇÕES ABALARAM A EUROPA E DEPOIS O MUNDO.
5. ESSAS TRANSFORMAÇÕES E CRISES SÃO OBJETOS DE ESTUDO DA
SOCIOLOGIA
6. SÉC. XVIII TEMOS O ILUMINISMO E NO XIX, UMA DAS IDEIAS
MAIS PRESENTES NAS TEORIAS ERA O PROGRESSO como fator
de mudança social.
1. AUGUST COMTE
A noção de PROGRESSO está na Teoria dos 3 Estados. O homem passa
por 3 processos evolutivos do conhecimento:Teológico, Metafísico e
Positivista.
Nota-se que se preocupa em como a relação ORDEM SOCIAL (estática) e
O PROGRESSO (mudança/dinâmica) será mantida a partir da Ordem e
Progresso.
Logo, compreende-seque a transformaçãosocial pela ordem e
progresso deve estar condicionada pela manutenção da ordem social.
2. ÉMILE DURKHEIM
A ideia de progresso como mudança social está no foco da integração da
sociedade, ou seja, como as mudanças sociais integram os indivíduos e as
instituições?
A partir da análise da divisão do trabalho como agente da transformação
social, ou seja,
da solidariedade mecânica para a orgânica, que demostra a modificação de
uma sociedade primitiva, de vínculo moral/religioso, uniforme, coletivista,
autossuficiente e de leis repreensivas do Direito Penal PARA uma onde a
qualidade dos vínculos sociais levam à dependência mútua do trabalho do
outro, pois é uma sociedade onde a divisão do trabalho pe altamente
diferenciada, especializada, cooperativa, complementativa, individualista que
preza a autonomia do indivíduo, o intercâmbio e as leis são tornadas para
salvaguardas de contrato, o Direito Civil.
2. MAX WEBER
O progresso como fator de mudança social está na ideia, ação e valores
individuais, ou seja, não há como compreender as várias causas das
transformaçõessociais sem entender o que impulsionam as ações
humanas.
Foca nas transformaçõesa partir da relação dominação e obediência
e ainda pergunta: como seria capaz o indivíduo ser realmente
autônomo numa sociedade burocrática?
O progresso e a mudança seriam limitados pela burocracia. Numa
sociedade administradapor diversos instrumentoscontroladores,
burocráticos,a transformaçãoseria limitada.
3. KARL MARX
As transformações ocorrem na produçãoda vida material (econômica)
do homem que alteram e condicionam mudanças jurídicas, políticas,
sociais, religiosas, artísticas, ou seja, o homem ao produzir sua
existência, pelo trabalho, ele influencia e é influenciadopelo próprio
modo de pensar e conceber o mundo.
O homem dentro da História perderá sua autonomia quandoconsolidar
o capitalismo e o trabalho assalariado,sendo dono apenas da força de
trabalho e continuarávítima de exploração, MAS, ao sair da alienação e
começar a se conscientizar, mudar, será agente de progresso e
transformaçõese até revoluções.
LOGO...
3. KARL MARX
a transformação social está no resultado, na consequência das lutas
de classe, burguesia e proletariados.
As transformaçõestambém não partem do zero, são forças de
contestação,ou seja, negam e ao mesmo tempo superam uma situação
anterior, sempre incorporam algo do passadopara no presente ou
futuro que desejam.
A violência é parteira das revoluções, pois quem detém o poder não
abrem mão dos privilpegios pacificamente.
Como pensar a mudança no século XX?
• Pensar após II Guerra Mundial – 1939-45
• Pensar na visibilidade da: Desigualdade social, Teoridas da Modernização e
subdesenvolvimento e dependência.
1. Teoria da Desiguadade social
2. Teorias da Modernização
Consideram que as sociedades se aperfeiçoam, partem de um estágio inicial
tradicional para um superior e moderno, logo, a mudança social está na
superação. PARSONS, McMClelland e Hagen (EUA)
CRÍTICA - Teoria etnocêntrica baseada em economias dominantes e
desenvolvidas capitalmente e que enxerga a história como linear, processo
único que só tivesse um destino certo, desprezando os processos históricos dos
países considerados subdesenvolvidos.
FILOSOFIA RENASCENTISTA
RAFAEL SANZIO
Como pensar Renascimento - Séc. 15 até inícios do 17
• Lembrar transição da Idade Média para Moderna:
1. A figura de Deus já não era vista, obrigatoriamente, como base de toda a
realidade - Giordano Bruno e o panteísmo e Nicolau de Cusa e questionar a
possibilidade de conhecer a natureza de Deus.
2. A razão humana se torna independente da fé e estrutura a ciência
moderna- Montaigne e Maquiavel – luta pelo poder / ética política
3. A revolução científica foi sem dúvida o eixo central das novas
concepções - substituir o rígido geocentrismo aristotélico-escolástico
pela ideia de um universo aberto e plural, regido pelas leis da mecânica
e presidido pela ordem matemática, abrindo vastas possibilidades para
o conhecimento.
Ordem artística, cultural e científica - Humanismo Renascentista -
Antropocentrismo
Os Principais Fundamentos do Renascimento
• O Antropocentrismo, O Naturalismo, O Racionalismo, O Universalismo,
O Classicismo, O Individualismo, O Heliocentrismo
• https://blogdoenem.com.br/renascimento-filosofia-enem/
• Reinterpretação de teóricos antigos com o viés cristão. Fora da Europa, estudiosos
árabes e persas traduziam as obras dos filósofos gregos e incorporavam parte das suas
ideias na cultura islâmica - Neoplatonismo e Neoaristotelismo.
• A influência do Protestantismo - nova visão de ética e de conduta humana no
seio da religião, sem a pompa, os luxos e as vendas de indulgências.
• Tomás de Aquino trabalha dentro da Lógica para tentar comprovar a existência de Deus
através de evidências, e não apenas no universo da fé, com dogmas.
Enfim, a Filosofia do Renascimento foi um movimento importantíssimo para o
desenvolvimento de diversas áreas do conhecimento. Muitas crenças foram
refutadas pela Filosofia do Renascimento que contou com o apoio da ciência e
das investigações empíricas.
Assim, o predomínio da religião deixou de ser absoluto e abriu caminho para o
desenvolvimento das demais áreas e servindo de pano de fundo para a
separação que ocorreria entre o Estado e a Igreja, bem como, para o
movimento Iluminista que surgiria anos mais tarde.
• a passagem do feudalismo para o capitalismo;
• o surgimento da burguesia;
• a formação dos estados nacionais modernos;
• o absolutismo;
• o mercantilismo;
• a reformaprotestante;
• as grandes navegações;
• a invenção da imprensa;
• a descobertado novo mundo;
• o início do movimento renascentista
• Antropocentrismoe Humanismo
• Cientificismo
• Valorizaçãoda natureza
• Racionalismo (razão)
• Empirismo (experiências)
• Liberdade e idealismo
• Renascimento e iluminismo
• Filosofialaica (não religiosa)
Diversas transformações ocorreram no
pensamento europeu da época dos
quais se destacam:
Principais Características

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 40 CPV 08072020 FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf

Nascimento da Sociologia contexto histórico.ppt
Nascimento da Sociologia contexto histórico.pptNascimento da Sociologia contexto histórico.ppt
Nascimento da Sociologia contexto histórico.ppt
claudia25650
 
Sociologia etimologia conceito nascimento (1)
Sociologia  etimologia conceito nascimento (1)Sociologia  etimologia conceito nascimento (1)
Sociologia etimologia conceito nascimento (1)
Marcos Lima
 
UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...
UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...
UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...
TharykBatatinha
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Alexandre Misturini
 
Guia de estudo Humanismo 1314
Guia de estudo Humanismo 1314Guia de estudo Humanismo 1314
Guia de estudo Humanismo 1314
Laboratório de História
 
Questionário 01
Questionário 01Questionário 01
Questionário 01
roberto mosca junior
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
161912
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SPciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip AssisCiência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Prova - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª sérieProva - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª série
Luiz Valentim
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Alan
 
Modernidade e Religião
Modernidade e ReligiãoModernidade e Religião
Modernidade e Religião
Juarez Costa Costa
 
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigidoa_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
LedaMariadaSilva1
 
Questionário 01
Questionário 01Questionário 01
Questionário 01
roberto mosca junior
 
Idade moderna 4 25
Idade moderna 4 25Idade moderna 4 25
Idade moderna 4 25
Alexandre Misturini
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
Carmem Rocha
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
Jordano Santos Cerqueira
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Positivismo
Henrique Amaral
 
Surgimento da sociologia
Surgimento da sociologiaSurgimento da sociologia
Surgimento da sociologia
Filipe Simão Kembo
 

Semelhante a 40 CPV 08072020 FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf (20)

Nascimento da Sociologia contexto histórico.ppt
Nascimento da Sociologia contexto histórico.pptNascimento da Sociologia contexto histórico.ppt
Nascimento da Sociologia contexto histórico.ppt
 
Sociologia etimologia conceito nascimento (1)
Sociologia  etimologia conceito nascimento (1)Sociologia  etimologia conceito nascimento (1)
Sociologia etimologia conceito nascimento (1)
 
UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...
UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...
UNIDADE II - Contexto Histórico-Filosófico da Educação [Salvo automaticamente...
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Guia de estudo Humanismo 1314
Guia de estudo Humanismo 1314Guia de estudo Humanismo 1314
Guia de estudo Humanismo 1314
 
Questionário 01
Questionário 01Questionário 01
Questionário 01
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SPciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
ciencia e sociais /antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis SP
 
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip AssisCiência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
Ciência e sociais/antonio inacio ferraz estudante de direito na Unip Assis
 
Prova - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª sérieProva - 1º bimestre - 2ª série
Prova - 1º bimestre - 2ª série
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
 
Modernidade e Religião
Modernidade e ReligiãoModernidade e Religião
Modernidade e Religião
 
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigidoa_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
 
Questionário 01
Questionário 01Questionário 01
Questionário 01
 
Idade moderna 4 25
Idade moderna 4 25Idade moderna 4 25
Idade moderna 4 25
 
Mam 251
Mam 251 Mam 251
Mam 251
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Positivismo
 
Surgimento da sociologia
Surgimento da sociologiaSurgimento da sociologia
Surgimento da sociologia
 

Mais de Cristiane Pantoja

SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docxSIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
Cristiane Pantoja
 
Tema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docx
Tema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docxTema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docx
Tema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docx
Cristiane Pantoja
 
QUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docx
QUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docxQUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docx
QUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docx
Cristiane Pantoja
 
slide com exercicio partilha da africa e asia.pdf
slide com exercicio partilha da africa e asia.pdfslide com exercicio partilha da africa e asia.pdf
slide com exercicio partilha da africa e asia.pdf
Cristiane Pantoja
 
40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf
40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf
40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf
Cristiane Pantoja
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
Cristiane Pantoja
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
Cristiane Pantoja
 
slide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptx
slide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptxslide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptx
slide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptx
Cristiane Pantoja
 
2. Pré-colonial.pptx
2. Pré-colonial.pptx2. Pré-colonial.pptx
2. Pré-colonial.pptx
Cristiane Pantoja
 
40. aula 1 e 2 sociologia
40. aula 1 e 2  sociologia 40. aula 1 e 2  sociologia
40. aula 1 e 2 sociologia
Cristiane Pantoja
 
1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega
Cristiane Pantoja
 
China e india exercicio comentado2142012164518 (1)
China e india exercicio comentado2142012164518 (1)China e india exercicio comentado2142012164518 (1)
China e india exercicio comentado2142012164518 (1)
Cristiane Pantoja
 
Ficha 01 reels cpv revisao 02102020
Ficha 01 reels cpv revisao 02102020Ficha 01 reels cpv revisao 02102020
Ficha 01 reels cpv revisao 02102020
Cristiane Pantoja
 
Modernidade liquida
Modernidade liquidaModernidade liquida
Modernidade liquida
Cristiane Pantoja
 

Mais de Cristiane Pantoja (14)

SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docxSIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
SIMULADO FILOSOFIA E SOCIOLOGIA 3.docx
 
Tema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docx
Tema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docxTema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docx
Tema Divisão da sociedade vaicairnoenem.docx
 
QUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docx
QUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docxQUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docx
QUESTOES PARA O NCN HIST GERAL VARIADAS.docx
 
slide com exercicio partilha da africa e asia.pdf
slide com exercicio partilha da africa e asia.pdfslide com exercicio partilha da africa e asia.pdf
slide com exercicio partilha da africa e asia.pdf
 
40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf
40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf
40 CPV FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
 
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptxSLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1  PANTOJA.pptx
SLIDE FILOSOFIA e sociologia AULAO 2019 SSA1 PANTOJA.pptx
 
slide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptx
slide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptxslide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptx
slide SOBRE O SISTEMA PITÁGORAS.pptx
 
2. Pré-colonial.pptx
2. Pré-colonial.pptx2. Pré-colonial.pptx
2. Pré-colonial.pptx
 
40. aula 1 e 2 sociologia
40. aula 1 e 2  sociologia 40. aula 1 e 2  sociologia
40. aula 1 e 2 sociologia
 
1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega
 
China e india exercicio comentado2142012164518 (1)
China e india exercicio comentado2142012164518 (1)China e india exercicio comentado2142012164518 (1)
China e india exercicio comentado2142012164518 (1)
 
Ficha 01 reels cpv revisao 02102020
Ficha 01 reels cpv revisao 02102020Ficha 01 reels cpv revisao 02102020
Ficha 01 reels cpv revisao 02102020
 
Modernidade liquida
Modernidade liquidaModernidade liquida
Modernidade liquida
 

Último

Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 

Último (20)

Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 

40 CPV 08072020 FILOSOFIA E SOCIOLOGIA CRIS PANTOJA BUNKER.pdf

  • 2. 1. ORIGEM – SÉC. XVIII FRANÇA. 2. CONTEXTO - FIM DO FEUDALISMO E INÍCIO DO LIBERALISMO ECONÔMICO. 3. PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO, CONCORRÊNCIA EMPRESARIAL, CONGLOMERADOS E NEOIMPERIALISMO SÉC XIX. 4. TRANSFORMAÇÕES ABALARAM A EUROPA E DEPOIS O MUNDO. 5. ESSAS TRANSFORMAÇÕES E CRISES SÃO OBJETOS DE ESTUDO DA SOCIOLOGIA 6. SÉC. XVIII TEMOS O ILUMINISMO E NO XIX, UMA DAS IDEIAS MAIS PRESENTES NAS TEORIAS ERA O PROGRESSO como fator de mudança social.
  • 3. 1. AUGUST COMTE A noção de PROGRESSO está na Teoria dos 3 Estados. O homem passa por 3 processos evolutivos do conhecimento:Teológico, Metafísico e Positivista. Nota-se que se preocupa em como a relação ORDEM SOCIAL (estática) e O PROGRESSO (mudança/dinâmica) será mantida a partir da Ordem e Progresso. Logo, compreende-seque a transformaçãosocial pela ordem e progresso deve estar condicionada pela manutenção da ordem social.
  • 4. 2. ÉMILE DURKHEIM A ideia de progresso como mudança social está no foco da integração da sociedade, ou seja, como as mudanças sociais integram os indivíduos e as instituições? A partir da análise da divisão do trabalho como agente da transformação social, ou seja, da solidariedade mecânica para a orgânica, que demostra a modificação de uma sociedade primitiva, de vínculo moral/religioso, uniforme, coletivista, autossuficiente e de leis repreensivas do Direito Penal PARA uma onde a qualidade dos vínculos sociais levam à dependência mútua do trabalho do outro, pois é uma sociedade onde a divisão do trabalho pe altamente diferenciada, especializada, cooperativa, complementativa, individualista que preza a autonomia do indivíduo, o intercâmbio e as leis são tornadas para salvaguardas de contrato, o Direito Civil.
  • 5. 2. MAX WEBER O progresso como fator de mudança social está na ideia, ação e valores individuais, ou seja, não há como compreender as várias causas das transformaçõessociais sem entender o que impulsionam as ações humanas. Foca nas transformaçõesa partir da relação dominação e obediência e ainda pergunta: como seria capaz o indivíduo ser realmente autônomo numa sociedade burocrática? O progresso e a mudança seriam limitados pela burocracia. Numa sociedade administradapor diversos instrumentoscontroladores, burocráticos,a transformaçãoseria limitada.
  • 6. 3. KARL MARX As transformações ocorrem na produçãoda vida material (econômica) do homem que alteram e condicionam mudanças jurídicas, políticas, sociais, religiosas, artísticas, ou seja, o homem ao produzir sua existência, pelo trabalho, ele influencia e é influenciadopelo próprio modo de pensar e conceber o mundo. O homem dentro da História perderá sua autonomia quandoconsolidar o capitalismo e o trabalho assalariado,sendo dono apenas da força de trabalho e continuarávítima de exploração, MAS, ao sair da alienação e começar a se conscientizar, mudar, será agente de progresso e transformaçõese até revoluções. LOGO...
  • 7. 3. KARL MARX a transformação social está no resultado, na consequência das lutas de classe, burguesia e proletariados. As transformaçõestambém não partem do zero, são forças de contestação,ou seja, negam e ao mesmo tempo superam uma situação anterior, sempre incorporam algo do passadopara no presente ou futuro que desejam. A violência é parteira das revoluções, pois quem detém o poder não abrem mão dos privilpegios pacificamente.
  • 8. Como pensar a mudança no século XX? • Pensar após II Guerra Mundial – 1939-45 • Pensar na visibilidade da: Desigualdade social, Teoridas da Modernização e subdesenvolvimento e dependência. 1. Teoria da Desiguadade social 2. Teorias da Modernização Consideram que as sociedades se aperfeiçoam, partem de um estágio inicial tradicional para um superior e moderno, logo, a mudança social está na superação. PARSONS, McMClelland e Hagen (EUA) CRÍTICA - Teoria etnocêntrica baseada em economias dominantes e desenvolvidas capitalmente e que enxerga a história como linear, processo único que só tivesse um destino certo, desprezando os processos históricos dos países considerados subdesenvolvidos.
  • 10. Como pensar Renascimento - Séc. 15 até inícios do 17 • Lembrar transição da Idade Média para Moderna: 1. A figura de Deus já não era vista, obrigatoriamente, como base de toda a realidade - Giordano Bruno e o panteísmo e Nicolau de Cusa e questionar a possibilidade de conhecer a natureza de Deus. 2. A razão humana se torna independente da fé e estrutura a ciência moderna- Montaigne e Maquiavel – luta pelo poder / ética política 3. A revolução científica foi sem dúvida o eixo central das novas concepções - substituir o rígido geocentrismo aristotélico-escolástico pela ideia de um universo aberto e plural, regido pelas leis da mecânica e presidido pela ordem matemática, abrindo vastas possibilidades para o conhecimento. Ordem artística, cultural e científica - Humanismo Renascentista - Antropocentrismo
  • 11. Os Principais Fundamentos do Renascimento • O Antropocentrismo, O Naturalismo, O Racionalismo, O Universalismo, O Classicismo, O Individualismo, O Heliocentrismo • https://blogdoenem.com.br/renascimento-filosofia-enem/ • Reinterpretação de teóricos antigos com o viés cristão. Fora da Europa, estudiosos árabes e persas traduziam as obras dos filósofos gregos e incorporavam parte das suas ideias na cultura islâmica - Neoplatonismo e Neoaristotelismo. • A influência do Protestantismo - nova visão de ética e de conduta humana no seio da religião, sem a pompa, os luxos e as vendas de indulgências. • Tomás de Aquino trabalha dentro da Lógica para tentar comprovar a existência de Deus através de evidências, e não apenas no universo da fé, com dogmas.
  • 12. Enfim, a Filosofia do Renascimento foi um movimento importantíssimo para o desenvolvimento de diversas áreas do conhecimento. Muitas crenças foram refutadas pela Filosofia do Renascimento que contou com o apoio da ciência e das investigações empíricas. Assim, o predomínio da religião deixou de ser absoluto e abriu caminho para o desenvolvimento das demais áreas e servindo de pano de fundo para a separação que ocorreria entre o Estado e a Igreja, bem como, para o movimento Iluminista que surgiria anos mais tarde.
  • 13. • a passagem do feudalismo para o capitalismo; • o surgimento da burguesia; • a formação dos estados nacionais modernos; • o absolutismo; • o mercantilismo; • a reformaprotestante; • as grandes navegações; • a invenção da imprensa; • a descobertado novo mundo; • o início do movimento renascentista • Antropocentrismoe Humanismo • Cientificismo • Valorizaçãoda natureza • Racionalismo (razão) • Empirismo (experiências) • Liberdade e idealismo • Renascimento e iluminismo • Filosofialaica (não religiosa) Diversas transformações ocorreram no pensamento europeu da época dos quais se destacam: Principais Características