Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne

1.136 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segundo Módulo - Aula 17 - Ressureição da carne

  1. 1. • O dogma da ressurreição da carne é a consagração da reencarnação ensinada pelos Espíritos. Conforme sucede com tantas outras, estas palavras só parecem despropositadas, no entender de algumas pessoas, porque as tomam ao pé da letra. Levam, por isso, à incredulidade.• Dai-lhes uma interpretação lógica e os que chamais livres pensadores as admitirão sem dificuldades, precisamente pela razão de que refletem. Porque, não vos enganeis, esses livres pensadores o que mais pedem e desejam é crer. Têm, como os outros, ou,
  2. 2. • A doutrina da pluralidade das existências é consentânea com a justiça de Deus; só ela explica o que, sem ela, é inexplicável. Como havíeis de pretender que o seu princípio não estivesse na própria religião?• Assim, pelo dogma da ressurreição da carne, a própria Igreja ensina a doutrina da reencarnação. Demais essa doutrina decorre de muitas coisas que têm passado despercebidas e que dentro em pouco se compreenderão neste sentido. Reconhecer-se-
  3. 3. • Os Espíritos, portanto, não vêm subverter a religião, como alguns o pretendem. Vêm, ao contrário, confirmá-la, sancioná-la por provas irrecusáveis. Como, porém, são chegados os tempos de não mais empregarem linguagem figurada, eles se exprimem sem alegorias e dão às coisas sentido claro e preciso, que não possa estar sujeito a qualquer interpretação falsa.• Eis por que, daqui a algum tempo, muito maior
  4. 4. • Efetivamente, a Ciência demonstra a impossibilidade da ressurreição, segundo a idéia vulgar. Se os despojos do corpo humano se conservassem homogêneos, embora dispersos e reduzidos a pó, ainda se conceberia que pudessem reunir-se em dado momento. As coisas, porém, não se passam assim. O corpo é formado de elementos diversos: • o oxigênio, • hidrogênio, • azoto, • carbono, 
  5. 5. • Pela decomposição, esses elementos se dispersam, mas para servir à formação de novos corpos, de tal sorte que uma mesma molécula, de carbono, por exemplo, terá entrado na composição de muitos milhares de corpos diferentes (falamos unicamente dos corpos humanos, sem ter em conta os dos animais);• Que um indivíduo tem talvez em seu corpo moléculas que já pertenceram a homens das primitivas idades do mundo; que essas mesmas moléculas orgânicas que absorveis nos
  6. 6. • Existindo em quantidade definida a matéria e sendo indefinidas as suas combinações, como poderia cada um daqueles corpos reconstituir-se com os mesmos elementos? Há aí impossibilidade material.• Racionalmente, pois, não se pode admitir a ressurreição da carne, senão como uma figura simbólica do fenômeno da reencarnação. E, então, nada mais há que aberre da razão, que esteja em contradição com os dados da Ciência
  7. 7. • É exato que, segundo o dogma, essa ressurreição só no fim dos tempos se dará, ao passo que, segundo a doutrina Espírita, ocorre todos os dias.• Mas, nesse quadro do julgamento final, não haverá uma grande e bela imagem a ocultar, sob o véu da alegoria, uma dessas verdades imutáveis, em presença das quais deixará de haver cépticos, desde que lhes seja restituída a verdadeira significação? 
  8. 8.  Dignem-se de meditar a teoria espírita sobre o futuro das almas, e sobre a sorte que lhes cabe, por efeito das diferentes provas que lhes cumpre sofrer, e verão que, exceção feita da simultaneidade, o juízo que as condena ou absolve não é uma ficção, como pensam os incrédulos. Notemos mais que aquela teoria é a conseqüência natural da pluralidade dos mundos, hoje perfeitamente admitida, enquanto que, segundo a doutrina do
  9. 9. • Os Gnósticos ao ridicularizarem a idéia da ressurreição do corpo, com freqüência desvalorizam o corpo, e consideram suas ações (relações sexuais, por exemplo) sem importância para a pessoa “espiritual”. Segundo o Evangelho de Tomé, por exemplo, Jesus diz: Se o espírito volta à vida em função do corpo, é a maravilha das maravilhas. Na verdade, estou admirado como essa grande riqueza [o espírito] fez sua morada na pobreza [o corpo].• Como os gnósticos permaneceram próximos à tradição filosófica grega (e, por esse motivo, à
  10. 10.  A reencarnação fazia parte dos dogmas dos judeus, sob o nome de ressurreição .  Só os saduceus, cuja crença era a de que tudo acaba com a morte, não acreditavam nisso.  As idéias dos judeus sobre esse ponto, como sobre muitos outros, não eram claramente definidas, porque apenas tinham vagas e incompletas noções acerca da alma e da sua ligação com o corpo.
  11. 11.  Criam eles que um homem que vivera podia reviver, sem saberem precisamente de que maneira o fato poderia dar-se. Designavam pelo termo ressurreição o que o Espiritismo, mais judiciosamente, chama reencarnação.  Com efeito, a ressurreição dá idéia de voltar à vida o corpo que já está morto, o que a Ciência demonstra ser materialmente impossível, sobretudo quando os elementos desse corpo já se acham desde muito tempo dispersos e absorvidos. 
  12. 12.  A reencarnação é a volta da alma ou Espírito à vida corpórea, mas em outro corpo especialmente formado para ele e que nada tem de comum com o antigo.  A palavra ressurreição podia assim aplicar-se a Lázaro, mas não a Elias, nem aos outros profetas. Se, portanto, segundo a crença deles, João Batista era Elias, o corpo de João não podia ser o de Elias, pois que João fora visto criança e seus pais eram conhecidos. João, pois, podia ser Elias reencarnado, porém, não
  13. 13.  Evang. De MARCOS: E soube disso o rei Herodes (porque o nome de Jesus se tornara célebre), e disse: João, o Batista, ressuscitou dos mortos; e por isso estes poderes milagrosos operam nele. Mas outros diziam: É Elias. E ainda outros diziam: É profeta como um dos profetas. Herodes, porém, ouvindo isso, dizia: É João, aquele a quem eu mandei degolar: ele ressuscitou
  14. 14.  Evang. De MATEUS: Naquele tempo Herodes, o tetrarca, ouviu a fama de Jesus, E disse aos seus cortesãos: Este é João, o Batista; ele ressuscitou dentre os mortos, e por isso estes poderes milagrosos operam nele.
  15. 15.  Deste modo, tem-se que enquanto a ressurreição da carne preconiza a volta à vida do corpo decomposto, a reencarnação apresenta-se como um ressurgimento do Espírito na matéria, porém em um novo corpo, modificado e melhorado segundo suas necessidades evolutivas. O fato de desconhecerem o mecanismo que liga o Espírito à matéria é que levou os povos antigos a interpretações que não sobrevivem ao
  16. 16.  Mas, com o advento da Doutrina Espírita, o termo ressurreição pode ser analisado cientificamente, eliminando-se assim sua linguagem dúbia e figurada. Não se pode, portanto, racionalmente, admitir a ressurreição da carne, senão como uma figura simbolizando o fenómeno da reencarnação. E então nada há que choque a razão, nada que esteja em contradição com os dados da ciência (LÊ, 1010a).
  17. 17.  A localização de regiões das penas e das recompensas só na imaginação do homem existe. Provem de sua tendência de materializar as coisas que não compreende. Penas e gozos são inerentes ao grau de perfeição de cada Espírito. Paraíso, Inferno e Purgatório são apenas alegorias. O purgatório é quase sempre na Terra, onde expiamos nossas faltas.
  18. 18.  Quando os espíritos nos dizem que estão sofrendo as dores do purgatório ou do inferno, estão se referindo as provas e expiações por que estão passando. Não significa que eles estejam num lugar "fechado" chamado purgatório ou inferno. O céu não é um lugar onde os bons espíritos se reúnem, sem outra preocupação que a de gozar uma felicidade passiva, por toda a eternidade. São os planetas, as estrelas e todos os mundos superiores, onde os espíritos gozam plenamente suas faculdades, sem as tribulações da vida material nem as angústias peculiares à inferioridade.
  19. 19.  Comentário de Allan Kardec: " O mesmo ocorre com outras expressões análogas, tais como: cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda ou terceira esfera, etc., que apenas são alegorias usadas por alguns Espíritos, quer como figuras, quer, algumas vezes, por ignorância da realidade das coisas, e até das mais simples noções científicas. De acordo com a idéia restrita que se fazia outrora dos lugares das penas e das recompensas e, sobretudo, de acordo com a opinião de que a Terra era o centro do Universo, de que o firmamento formava uma abóbada e que
  20. 20. Daí as expressões: subir ao céu, estar no maisalto dos céus, ser precipitado nos infernos.Hoje, que a Ciência demonstrou ser a Terraapenas, entre tantos milhões de outros, uns dosmenores mundos, sem importância especial;que traçou a história da sua formação e lhedescreveu a constituição; que provou ser infinitoo espaço, não haver alto nem baixo no Universo,teve-se que renunciar a situar o céu acima dasnuvens e o inferno nos lugares inferiores.
  21. 21.  Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe fora designado. Estava reservado ao Espiritismo dar de tudo isso a explicação mais racional, mais grandiosa e, ao mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Pode-se assim dizer que trazemos em nós mesmos o nosso inferno e o nosso paraíso. O purgatório, achamo-lo na encarnação, nas vidas corporais ou físicas.“
  22. 22.  Quando o Cristo disse "meu reino não é deste mundo", quis dizer, em sentido figurado, que o seu reinado se exerce unicamente sobre os corações puros e desinteressados, onde quer que domine o amor do bem. O bem reinará na Terra quando ela for habitada por espíritos predominantemente bons, que farão reine o amor e a justiça. O homem atrairá para a Terra os bons espíritos por meio do progresso moral e praticando as leis de Deus. Os maus espíritos se afastarão da Terra, quando estiverem banidos o orgulho e o

×