Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3

264 visualizações

Publicada em

Palestra Espírita baseada no Cap3 ESE Há muitas moradas na casa do meu Pai

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra ese 03 muitas moradas 20160223 v3

  1. 1. Evolução e progresso Bom dia, sejam todos muito benvindos a nossa casa espírita, para continuarmos o nosso estudo dos ensinamentos de Jesus Cristo! Hoje vamos falar sobre o tema “Evolução e progresso”, retirado do Capítulo 3: Há muitas moradas na casa do meu Pai; do livro ESE de Allan Kardec. São Paulo, 23 de Fevereiro de 2016 – SEAC/CEEAK Palestrante: Tiburcio Santos
  2. 2. Nossa Casa Espírita S.E.A.C. = Sopa, Esperança, Amor e Caridade  Assistência SOCIAL: sopa, cestas Natal, Dia das crianças, etc...  Assistência ESPIRITUAL: passes e palestras Alimento para o corpo e para a alma!
  3. 3. Nossa Casa Espírita C.E.E.A.K. = Centro de Estudos Espíritas Allan Kardec ESTUDOS: diversos cursos de evangelização espírita. Sem fins lucrativos... trabalho 100% voluntário!
  4. 4. A assistência espiritual  A partir da entrada no salão, já estamos sendo assistidos; esta palestra é parte integrante do passe, e foi desenvolvida a partir do Evangelho de Jesus, sob a interpretação espírita.  Convido a todos para RETORNAR AO SALÃO, após o passe.
  5. 5. Prece de abertura  Vamos RESPIRAR profundamente, desligando momentaneamente dos sentidos materiais, para uma ligação mais rápida e verdadeira com o plano espiritual, fechando levemente nossos olhos, e elevando nosso pensamento à Jesus.
  6. 6. Prece de abertura  Pedimos ao nosso irmão maior e modelo que, juntamente com os mensageiros, espíritos simpatizantes e protetores, nos leve até a PRESENÇA DE DEUS; e juntos oremos:  “Amado Deus, pedimos que nos ajude a compreender as mensagens de hoje e receber os benefícios desta assistência criando as melhores condições no meu corpo, mente e espírito.  Que assim seja, graças a Deus!!
  7. 7. A palestra  É com muita alegria que convido vcs para estudarmos o ESE, junto com os amigos espirituais aqui presentes; pois desde a nossa decisão de vir ao SEAC hoje, já estamos sendo acompanhados dos nossos ANJOS protetores e diversos espíritos (simpatizantes ou não), que atraímos segundo nossos pensamentos e ações.
  8. 8. O estudo do ESE  O ESE é uma seleção de PASSAGENS DA BÍBLIA, organizadas de acordo com temas retirados dos 4 evangelhos, e contendo a explicação das máximas morais do Cristo, sua concordância com o Espiritismo e sua aplicação às diversas situações da vida.  Hoje abordaremos os tópicos:  Diferentes estados da alma na erraticidade  Diversas categorias de mundos habitados  Destino da terra e causa das misérias humanas
  9. 9. O Espiritismo  O Espiritismo veio no momento exato e Allan Kardec fez seu papel com muita seriedade, divulgando uma doutrina que nos revelou:  a prova da existência de DEUS,  o espírito imortal e o mundo espiritual,  a comunicabilidade com os espíritos desencarnados,  A PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS,  a encarnação e reencarnação,  as leis divinas, dentre outras: lei de causa e efeito, do trabalho, progresso, etc.  Essas verdades são reveladas de acordo com a evolução da humanidade.
  10. 10. As leis naturais  Estamos sempre aprendendo, mesmo com os nossos erros!
  11. 11. Tudo no universo é energia  Cada um de nós pode mudar, ou dirigir, as energias em nossas vidas através da compreensão das LEIS NATURAIS e aplicar os princípios de tal forma a efetuar uma mudança para melhor.  As Leis Naturais estão interligadas e são fundadas no entendimento de que tudo no universo é energia, inclusive nós.  Nossos pensamentos, sentimentos, palavras e ações são todas formas de energia que, por sua vez, atraem energias semelhantes.
  12. 12. A evolução consciente  Hoje a palestra aborda a questão da evolução espiritual consciente, que deve ser proporcional a COMPREENSÃO de cada pessoa.  Toda palestra estamos aqui, estudando os ensinamentos de Jesus, sob os esclarecimentos da doutrina espírita, que é para nós uma fonte de orientação, de consolo, reflexões, lições e conselhos.  E que por mais que nós tenhamos lidos esses livros, sempre descobrimos coisas que mesmo lidas e relidas, não foram entendidas ou não foram bem assimiladas.
  13. 13. Há muitas moradas na casa do meu Pai  No item 1 e 2, do cap. 3 do ESE, temos a seguinte passagem de João, XIV:1-3:  “1. Não se turbe o vosso coração. Crede em Deus, crede também em mim. – Há muitas moradas na casa de meu pai.  Se assim não fosse, eu vo-lo teria dito; pois vou preparar-vos o lugar. E depois que eu me for, e vos aparelhar o lugar, virei outra vez e tomar- vos-ei para mim, para que lá onde estiver, estejais vós também.”  2. A Casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito, oferecendo aos Espíritos desencarnados estações apropriadas ao seu adiantamento.
  14. 14. São nuvens de poeira, hidrogênio e plasma. São regiões de formação estelar, como a Nebulosa da Águia. Esta nebulosa forma uma das mais belas e famosas fotos da NASA, “Os Pilares da Criação”. Como o processo de formação das estrelas é muito violento, os restos de materiais lançados ao espaço por ocasião da grande explosão formam um grande número de planetas e de sistemas planetários.
  15. 15. As nebulosas que mal distinguimos nas longínquas regiões dos céus são aglomerações de sóis em vias de formação; Outras, são vias lácteas de mundos habitados; Outras, enfim, a sede de catástrofes e de perecimento. Saibamos que mesmo estando nós colocados no meio de uma infinidade de mundos, ao mesmo tempo estamos no meio de uma dupla infinidade de durações anteriores e ulteriores; Que a criação universal não é ilimitada a nós, e que não podemos aplicar essa palavra à formação isolada do nosso pequeno globo.
  16. 16. Que digo eu! Tais esplendores não existem mais, os quais fizeram palpitar o coração de outros mortais sob o pensamento do infinito poder! E nós, pobres serezinhos que existimos depois de uma eternidade de vida, nós nos cremos contemporâneos da criação! Ainda uma vez, compreendamos melhor a Natureza. Saibamos que a eternidade está atrás de nós, assim como adiante, que o espaço é o teatro de uma sucessão e de uma simultaneidade inimaginável de criações.
  17. 17. Se nos transportarmos a alguns milhões de séculos somente, além da época atual, nossa Terra ainda não existia, mesmo o nosso sistema solar ainda não começara as evoluções da vida planetária, e ainda assim já esplêndidos sóis iluminam o éter; Já planetas habitados davam vida e existência a uma multidão de seres que nos precederam (viviam antes de nós) na carreira humana; As produções opulentas (aquilo que existe ou aparece em grande número) de uma natureza desconhecida e os fenômenos maravilhosos do céu desenvolviam sob outros olhares os quadros da imensa criação.
  18. 18. A Progressão dos Mundos  O item 19, das Instruções dos Espíritos, Santo Agostinho, esclarece como ocorre a evolução dos mundos:  O progresso é uma das leis da natureza.  Todos os seres da Criação, animados e inanimados, estão submetidos a ela, pela bondade de Deus, que deseja que tudo se engrandeça e prospere.  A própria destruição, que parece, para os homens, o fim das coisas, é apenas um meio de levá-las, pela transformação, a um estado mais perfeito, pois tudo morre para renascer, e nada volta para o nada.  Ao mesmo tempo em que os seres vivos progridem moralmente, os mundos que eles habitam progridem materialmente.  Quem pudesse seguir um mundo em suas diversas fases, desde o instante em que se aglomeraram os primeiros átomos da sua constituição, o veria percorrer uma escala incessantemente progressiva, mas em graus insensíveis para cada geração, e oferecer aos seus habitantes uma morada mais agradável, à medida que eles também avançam na senda do progresso.  Assim marcham paralelamente os progressos do homem, o dos animais seus auxiliares, o dos vegetais e o das formas de habitação, porque nada fica estacionário na natureza.
  19. 19. A Progressão dos Mundos  E continua:  Quanto esta idéia é grandiosa e digna da majestade do Criador!  E como, ao contrário, é pequena e indigna do seu poder aquela que concentra a sua solicitude e a sua providência no imperceptível grão de areia da Terra, e restringe a humanidade a algumas criaturas que o habitam!  A Terra, seguindo essa lei, esteve material e moralmente num estado inferior ao de hoje, e atingirá, sob esses dois aspectos, um grau mais avançado.  Ela chegou a um de seus períodos de transformação, e vai passar de mundo expiatório a mundo regenerador.  Então os homens encontrarão nela a felicidade, porque a lei de Deus a governará.
  20. 20. Diversas categorias de mundos habitados  No item 4, do cap. 3 do ESE, temos que: “Embora não possamos fazer uma classificação absoluta dos diversos mundos, podemos, pelo menos, considerando o seu estado e o seu destino, com base nos seus aspectos mais destacados, dividi-los assim, de um modo geral:  Mundos primitivos: onde se verificam as primeiras encarnações da alma humana;  Mundos de expiação e de provas: em que o mal predomina;  Mundos regeneradores: onde as almas que ainda têm o que expiar adquirem novas forças, repousando das fadigas da luta;  Mundos felizes: onde o bem supera o mal;  Mundos celestes ou divinos: morada dos Espíritos purificados, onde o bem reina sem mistura.”
  21. 21. Diversas categorias de mundos habitados  A Terra pertence à categoria dos mundos de expiações e de provas, e é por isso que nela está exposto a tantas misérias.
  22. 22. Diversas categorias de mundos habitados  Nos itens 3, 4 e 5 do cap. 3 do ESE, temos a explicação:  Do ensinamento dado pelos Espíritos, resulta que os diversos mundos possuem condições muito diferentes uns dos outros, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes.  Dentre eles, há os que são ainda inferiores à Terra, física e moralmente. Outros estão no mesmo grau, e outros lhe são mais ou menos superiores, em todos os sentidos.  À medida que esta se desenvolve, a influência da matéria diminui, de maneira que, nos mundos mais avançados, a vida é por assim dizer toda espiritual.  Nos mundos inferiores a existência é toda material, as paixões reinam soberanas, a vida moral quase não existe.  Nos mundos intermediários, o bem e o mal se misturam, e um predomina sobre o outro, segundo o grau de adiantamento em que se encontrarem.  Os Espíritos encarnados num mundo não estão ligados a ele indefinidamente, e não passam nesse mundo por todas as fases do progresso que devem realizar, para chegar à perfeição.  Quando atingem o grau de adiantamento necessário, passam para outro mundo mais adiantado, e assim sucessivamente, até chegarem ao estado de Espíritos puros.
  23. 23. Diversas categorias de mundos habitados  E continuando, temos:  Os mundos são as estações em que eles encontram os elementos de progresso proporcionais ao seu adiantamento.  É para eles uma recompensa passarem a um mundo de ordem mais elevada, como é um castigo prolongarem sua permanência num mundo infeliz, ou serem relegados a um mundo ainda mais infeliz, por se haverem obstinado no mal.  Entre esses graus inferiores e mais elevados, há inumeráveis degraus, e entre os Espíritos puros, desmaterializados e resplandecentes de glória, é difícil reconhecer os que animaram os seres primitivos, da mesma maneira que, no homem adulto, é difícil reconhecer o antigo embrião.
  24. 24. Mundos Superiores e Inferiores  No item 8, das Instruções dos Espíritos, temos a classificação dos mundos:  A classificação de mundos inferiores e mundos superiores é antes relativa do que absoluta, pois um mundo é inferior ou superior em relação aos que se acham abaixo ou acima dele, na escala progressiva.  Tomando a Terra como ponto de comparação, pode fazer-se uma idéia do estado de um mundo inferior, supondo os seus habitantes no grau evolutivo dos povos selvagens e das nações bárbaras que ainda se encontram em nosso planeta, como restos do seu estado primitivo.  Nos mundos mais atrasados, os homens são de certo modo rudimentares. Possuem a forma humana, mas sem nenhuma beleza; seus instintos são temperados por nenhum sentimento de delicadeza ou benevolência, nem pelas noções do justo e do injusto; a força bruta é sua única lei.  Sem indústrias, sem invenções, dedicam sua vida à conquista de alimentos.  Não obstante, Deus não abandona nenhuma de suas criaturas. No fundo tenebroso dessas inteligências encontra-se, latente, a vaga intuição de um Ser Supremo, mais ou menos desenvolvida.  Esse instinto é suficiente para que uns se tornem superiores aos outros, preparando-se para a eclosão de uma vida mais plena. Porque eles não são criaturas degradadas, mas crianças que crescem.
  25. 25. Diferentes Estados da Alma na Erraticidade  No item 1 e 2, do cap. 3 do ESE, temos a explicação :  Independentemente da diversidade dos mundos, essas palavras podem também ser interpretadas pelo estado feliz dos Espíritos na erraticidade.  Conforme for ele mais ou menos puro e liberto das atrações materiais, o meio em que estiver, o aspecto das coisas, as sensações que experimentar, as percepções que possuir, tudo isso varia ao infinito.  Enquanto uns, por exemplo, não podem afastar-se do meio em que viveram, outros se elevam e percorrem o espaço e os mundos.  Enquanto certos Espíritos culpados erram nas trevas, os felizes gozam de uma luz resplandecente e do sublime espetáculo do infinito.  Enquanto, enfim, o malvado, cheio de remorsos e pesares, frequentemente só, sem consolações, separado dos objetos da sua afeição, geme sob a opressão dos sofrimentos morais, o justo, junto aos que ama, goza de uma indizível felicidade.  Essas também são, portanto, diferentes moradas, embora não localizadas nem circunscritas.
  26. 26. Destino da Terra e Causa das Misérias Humanas  No item 6 e 7, do cap. 3 do ESE, temos a explicação :  Admira-se de haver sobre a Terra tantas maldades e tantas paixões inferiores, tantas misérias e enfermidades de toda sorte, concluindo-se que miserável coisa é a espécie humana.  Esse julgamento decorre de uma visão estreita, que dá uma falsa idéia do conjunto.  É necessário considerar que toda humanidade não se encontra na Terra, mas apenas uma pequena fração dela.  Porque a espécie humana abrange todos os seres dotados de razão, que povoam os inumeráveis mundos do Universo.  Ora, o que seria a população da Terra, diante da população total desses mundos? Bem menos que a de um lugarejo em relação a de um grande império.  A condição material e moral da humanidade terrena nada tem, pois, de estranho, se levarmos em conta o destino da Terra e a natureza de sua população.
  27. 27. Destino da Terra e Causa das Misérias Humanas  E continua:  Faríamos uma idéia muito falsa da população de uma grande cidade, se a julgássemos pelos moradores dos bairros mais pobres e sórdidos.  Num hospital, só vemos doentes e estropiados; numa galé, vemos todas as torpezas, todos os vícios reunidos; nas regiões insalubres, a maior parte dos habitantes são pálidos, fracos e doentes.  Pois bem: consideremos a Terra como um arrabalde, um hospital, uma penitenciária, um pantanal, porque ela é tudo isso a um só tempo, e compreenderemos porque as suas aflições sobrepujam os prazeres.  Porque não se enviam aos hospitais as pessoas sadias, nem às casas de correção os que não praticam crimes, e nem os hospitais, nem as casas de correção, são lugares de delícias.  Ora, da mesma maneira que, numa cidade, toda a população não se encontra nos hospitais ou nas prisões, assim a humanidade inteira não se encontra na Terra.  E como saímos do hospital quando estamos curados, e da prisão quando cumprimos a pena, o homem sai da Terra para mundos mais felizes, quando se acha curado de suas enfermidades morais.
  28. 28. Bons passes e muito obrigado! Vamos todos em Paz com a benção de Deus!

×