SlideShare uma empresa Scribd logo
Camada Física e Tecnologias de Transmissão Prof. Mauro Tapajós
Camada Física Define a representação dos bits
Transmite bits
Preocupações físicas
Adapta o sinal ao meio de transmissão
Define o formato e a pinagem dos conectores
Meios de Transmissão É o caminho físico por onde passará a informação na forma de sinais
O transporte dos sinais que representam os bits da comunicação de dados é feito através de algum tipo de meio físico
Cada meio apresentam características próprias de largura de banda, custo, atraso de transmissão e facilidade de instalação e manutenção
Fatores para o Design dos Meios de Transmissão Banda: quanto maior a largura de banda do sinal, maior a taxa de envio de bits que ele pode carregar
Limitações físicas: determinam a distância máxima que pode ser percorrida pelos sinais elétromagnéticos
Interferência: vários sinais competindo numa mesma faixa de frequências podem se sobrepor distorcendo oe mesmo eliminando o sinal resultante
Número de receptores: cada unidade ligada numa rede insere atenuações e distorções para que possa receber o sinal com a informação, limitando a distância e taxa de dados (bps) possível
Modelo de Comunicação de Dados
Passos na Transmissão da Informação Geração  do padrão da informação (voz, dado, imagem, vídeo, etc)
Descrição  do padrão com certo grau de precisão  por um conjunto de símbolos (bits)
Codificação  destes símbolos numa forma adequada ao meio de transmissão de interesse
Transmissão  destes símbolos codificados
Decodificação  dos símbolos
Recriação  do padrão original com base nos símbolos recebidos e sujeito à degradação do meio de transmissão
Sinais Representações do comportamento de uma grandeza elétrica
Descrevem algum tipo de informação a ser transmitida – (sinal = informação)
Servem como meio de transporte da informação que se deseja transmitir
Sofre com as condições físicas do sistema de comunicações
Existe todo um embasamento matemático para a sua descrição
Sistemas Contínuos e Discretos
Sinais Analógicos e Digitais Sinais analógicos  – representado continuamente como função de uma variável independente Sinais periódicos  - variam de forma periódica segundo g(t)=g(t+T) Sinais discretos  – representados somente em tempos determinados (discretos) Sinais digitais  - são sinais discretos no tempo e amplitude
Sinais Analógicos A intensidade varia sem nenhuma interrupção, não havendo descontinuidade do sinal ao longo do tempo.
Sinais analógicos podem assumir infinitos valores distintos de amplitude. Tempo Amplitude
Sinais Digitais São sinais cuja intensidade assume um número finito de valores, mudando abruptamente entre cada um destes valores ao longo do tempo.
Sinais Digitais Representados como uma sequência de símbolos de um “alfabeto” de textos e dígitos
A capacidade de um canal digital é medida em bps – bits por segundo
Os dados digitais são binários: usam 1’s ou 0’s para representar qualquer informação
Os dígitos binários podem ser representados  por alterações em sinais eletromagnéticos
Alguns Tipos de Sinais Sinal senoidal Sinal de onda quadrada Sinal DC
Características do Sinal Periódico Amplitude Freqüência Fase Tempo Tempo Tempo
Componentes em Frequência de um Sinal Segundo a análise de Fourier, um sinal pode ser decomposto num somatório de sinais componentes senoidais + =
Exemplo: Componentes do Sinal Onda Quadrada
Representação de Sinais na Frequência Chama-se largura de banda de um sinal a faixa de frequências onde o sinal pode ser transmitido sem perda significativa de sua energia
Representação de um Sinal Periódico na Freqüência Tela de um osciloscópio mostrando uma onda senoidal
Representação de um Sinal Periódico na Freqüência Tela de um osciloscópio mostrando uma onda quadrada e seu correspondente espectro
Largura de Banda Largura do espectro de frequência que podem ser transmitidas num canal de comunicação
Quanto maior a largura de banda – mais bits enviados por segundo (dependendo de outros fatores como a codificação e modulação usadas) e com custos maiores
Largura de bandas muito limitadas geram distorções e menor taxa de bits
Máxima Taxa de Dados de um Canal Canal sem ruído =  2H log 2 V  (bits/seg) H = largura de banda (Hz)
V = número de níveis discretos Canal com ruído =  H log 2 (1 + S/N)  (bits/seg) S/N – relação sinal ruído (dB)
Largura de Banda É a diferença entre a maior freqüência e a menor freqüência de um sinal Pode-se utilizar como critério de determinação da largura de banda a faixa em que a maior parte do sinal está contido (largura de banda efetiva)
Sinal de Voz Humana O sinal de voz humana está basicamente limitado entre 300 Hz e 3400 kHz
Largura de Banda da Voz
Por Que Estudar Sinais Analógicos e Telecomunicações em Redes de Comunicação de Dados? Muitos dos tipos de informação tem origem em forma analógico por natureza (voz, vídeo, etc)
Deve-se entender bem sinais analógicos e suas características para se poder converter para formato digital
Sistemas telefônicos eram primariamente analógicos
Ao final, os meios de transmissão físicos que irão encaminhar a informação serão inerentemente sistemas analógicos
Sinais com Problemas Sinais sofrem atenuação, podendo não chegar em forma compreensível pelo receptor
Sofrem   também com a distorção causada pelo atraso diferenciado entre as varias componentes do sinal
Efeitos de ruído são indesejáveis
Problemas que podem ocorrer com Sinais Atenuação Perda da força do sinal através da distância Distorção Efeitos de atenuação e atraso diferenciados em diferentes faixas de frequências Ruído Distorções diversas causadas por sinais espúrios não usados na transmissão
Atenuação nos Sinais
Tipos de Transmissão de Sinais Analógica Somente envia sinais analógicos
Uso de amplificadores para garantir que os sinais alcancem distâncias maiores
O sinal não pode ser regenerado (transformado na sua forma original) Digital Transmissão de sinais analógicos e digitais
Uso de repetidores para garantir maior alcance
Equipamentos de comutação podem regenerar os sinais sendo transmitidos
Alta fidelidade - fácil  distinção do sinal na presença de ruído Independência do tempo - a informação digital pode ser transmitida numa temporização diferente da gerada na origem
Independência da fonte da informação - toda a informação digital pode seguir no mesmo canal independente do que represente Vantagens no Uso de Sinais Digitais
O sinal digital pode facilmente ser regenerado em comutadores intermediários no sistema de transmissão
A informação digital pode ter vários significados dependendo da codificação em uso para ela (texto, imagens, voz, vídeo, dados, correio, etc)
Facilidade no projeto e criação dos circuitos e processadores usados no processamento digital
Porém exige maior banda de transmissão Vantagens no Uso de Sinais Digitais
Erros no Sinal Digital – Pode Acontecer! 0 1 0 0 1 0 Sinal Original Atenuação Banda Limitada Ruído Sinal Recebido 0 1 0 1 1 0 Ruído Impulsivo Erro
Os diferentes efeitos do meio de transmissão podem deformar até o sinal digital original podendo também gerar erros Atenuação e Distorção num Sinal Digital
Amplificação  & Ruído Efeitos Indesejados
CODEC – Codificador / Decodificador Trabalham efetuando a conversão analógica-digital e vice-versa Codificam qualquer tipo de sinal analógico (música, vídeo, etc) gerando seu correspondente em formato digital
O Processo de Digitalização de um Sinal Analógico Amostragem do sinal analógico na frequência de Nyquist (teorema da amostragem)
Quantização das amostras - para cada amostra se “arredonda” seu valor em amplitude para um dos possíveis valores definidos
Codificação de cada amostra quantizada na forma de uma palavra digital
1) Amostragem do Sinal Digital por Pulsos PAM Pulse Amplitude Modulation
2) Quantização das Amostras Obtidas Com PAM somente o tempo é representado em forma discreta
Para termos a amplitude discreta, “arredondamos” cada amostra para um dentre um conjunto discreto de valores definido
3)  Pulse Coded Modulation  - PCM Com PCM cada amostra quantizada terá uma palavra digital representando aquele valor
Codificação de Voz PCM PCM ( Pulse Coded Modulation )
Codifica o sinal de voz (restritos na faixa de 4 kHz) em bits para a transmissão
Isto é feito amostrando-se o sinal de voz periodicamente
Se utilizarmos uma taxa de amostragem de 8000 amostras/seg, podemos recuperar o sinal na recepção (teorema de Nyquist)
Se para cada amostra usarmos 8 bits, esta taxa de amostragem implica numa transmissão de 64 kbps (canal de voz PCM)
Digitalização de Sinais de Voz PCM (Processo)
Codificação PCM - Codificação No exemplo, a amplitude da amostra é codificada em 4 bits
Codificação PCM de Voz Amostras geradas a cada 125 us (ou 8000 vezes por segundo) Cada uma resulta em bits a serem encadeados no fluxo (neste exemplo são usados 8 bits para cada amostra)
Codificação de Voz Para Transmissão Digital - PCM A codificação  PCM  comum gera amostras de 16 bits e é chamada de PCM linear, por que  utiliza uma proporcionalidade linear na definição da amplitude das amostras (por exemplo: CDs de música, arquivos .WAV) A norma ITU-T  G.711  utiliza compressão logarítmica dando maior precisão nas menores amplitudes (o ouvido humano é mais sensível aos sinais mais baixos)
A-law  - 13 bits para 8 bits - usado nos Brasil
µ -law  - 14 bits para 8 bits - usado nos EUA e Japão
Codificação Digital de Sinais de Áudio MPEG – é um padrão ITU-T de compressão de áudio e vídeo
No caso do áudio ele explora propriedades psicoacústicas dos sinais de áudio e a forma como ele é compreendido pela percepção humana
A percepção do som é função da frequência e força do sinal. Naturalmente mascaramos a percepção de determinadas bandas de frequência presentes no sinal de áudio
Ao suprimir a informação referente a estas bandas, se reduz a informação necessária para a correta reprodução do som
Existem 3 níveis de codificação ( Layers  I, II e III).
Cada um com maior qualidade de som e tempo de codificação MP3 = MPEG Layer III
Sinais de Vídeo Sinais de vídeo naturalmente necessitam de grande largura de banda para sua transmissão
O olho humano percebe as cores como composições de 3 cores básicas: vermelho (435 nm), verde (546 nm) e azul (700 nm)
Células “cones” são especializadas na percepção de cores (em sinais mais fortes), enquanto que as células “ rods ” são especializadas em mobilidade e tons de cinza (em sinais mais fracos)
A percepção de cores não tem espectro largo
Mais de um padrão espectral pode gerar a mesma sensação de cor
Sinais de Vídeo Analógico Varredura da tela para composição das imagens Montagem de imagem entrelaçada
Montagem do Sinal de TV Analógica Colorida
Geração e Transmissão de Sinais de Vídeo Analógico
Idéias por Trás da Compressão de Sinais de Vídeo Digital A percepção de cores pela visão humana não tem espectro largo (normalmente se usa 8 bits para representá-lo digitalmente)
Assim, precisamos de menos bits para representar um vídeo colorido implicando numa menor taxa de transmissão
Em determinados momentos do vídeo, existe pouca informação nova a ser apresentada, exigindo menor taxa de quadros a ser enviada
Os níveis de detalhes da imagem podem ser codificados em separado, sendo que, os níveis mais baixos contém maiores detalhes
Sinais de Vídeo Analógico usado nas Transmissões de TV Existem 3 padrões na transmissão de vídeo para TV: NTSC ( National Television Standards Committee)  - possui 524 linhas e sinal composto onde cada quadro é montado por dois campos ( fields ) par e ímpar entrelaçados numa taxa de 59,94 (   30 + 30). É usado nos EUA e Japão
PAL ( Phase Alternation by Line )  - possui 625 linhas que formam 50 campos ( fields ) entrelaçados por segundo resultando em 25 quadros ( frames ) por segundo. A variante PAL-M é usado somente no Brasil e é apresentado a 30 quadros por segundo
SECAM (Systeme Electronique Couleur Avec Memoire)  - Semelhante ao PAL com 525 linhas e 25 quadros por segundo. Usado na França, Rússia e alguns outros países
Compressão de Sinais de Vídeo Digital H.261  - (1 a 30) x 64 kbps - usado em Vídeoconferência Formato QCIF - 144x176 pixels - menor taxa de bits
Formato CIF - 288x352 pixels - maior taxa de bits H.263  - usado em taxas mais baixas (adequado para tecnologias de redes de acesso mais lentas)
MPEG  – compressão de fluxos de áudio e vídeo MPEG I ( SIF-Source Input Format ) – até 1,5 Mbps – Exemplo: VCDs – qualidade NTSC
MPEG II - adequado para transmissão, armazenamento, taxas diferentes que múltiplos de 64 kbps, além de taxas mais altas (4 a 15 Mbps) – (Exemplo: DVD’s)
MPEG III – trabalho absorvido pelo MPEG II
MPEG IV - adequado para VideoIP e multimídia em plataformas móveis (taxas médias)
Conversão de Sinais Analógicos Para sinais analógicos Barato e fácil de se fazer (por exemplo: telefone)
Permite vários tipos de manipulações do sinal para melhorar a eficiência da transmissão
Usado nas redes telefônicas, rádio AM, FM, etc Para sinais digitais Uso de CODEC’s
Conversão de Sinais Digitais Para sinais analógicos Normalmente requer um Modem
Permite que dados digitais sejam enviados por redes analógicas
Necessária quando a transmissão for analógica Para sinais digitais Alternativa mais barata quando se está trabalhando com grandes quantidades de dados
Mais confiável por que não há conversão a ser feita
Compressão de Dados Reduz a quantidade de bits a serem enviados para determinado tipo de compressão
Usado na transmissão e no armazenamento (HD’s, CD’s, fitas, etc)
Seu princípio básico é eliminar a redundância na informação
O código é substituído por porções comprimidas dos dados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
Berenildo Felix JR
 
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Redes - Camada Física e Meios de Transmissão
Redes - Camada Física e Meios de TransmissãoRedes - Camada Física e Meios de Transmissão
Redes - Camada Física e Meios de Transmissão
Tiago Antônio da Silva
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
Wellington Oliveira
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
Armando Rivarola
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
Felipe Silva
 
Redes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitosRedes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitos
Mauro Pereira
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Odair Fernandes
 
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 -  transmissão digital: Modulação e MultiplexaçãoAula 2 -  transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Leandro Sausen
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Yohana Alves
 
Redes de Comunicação 11º M1 - TGPSI
Redes de Comunicação 11º M1 - TGPSIRedes de Comunicação 11º M1 - TGPSI
Redes de Comunicação 11º M1 - TGPSI
Luis Ferreira
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
camila_seixas
 
Conceito e estruturas de redes...
Conceito e estruturas de redes...Conceito e estruturas de redes...
Conceito e estruturas de redes...
Alison Rodrigues
 
Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...
Leinylson Fontinele
 
Introdução às Telecomunicações
Introdução às TelecomunicaçõesIntrodução às Telecomunicações
Introdução às Telecomunicações
Elaine Cecília Gatto
 
Cablagem estruturada: CEF
Cablagem estruturada: CEFCablagem estruturada: CEF
Cablagem estruturada: CEF
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Rede sem fio - Radiofrequência
Rede sem fio - RadiofrequênciaRede sem fio - Radiofrequência
Rede sem fio - Radiofrequência
euClaudio99
 
Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e TelecomunicaçõesAulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Jocelma Rios
 
Tecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º Módulo
Tecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º MóduloTecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º Módulo
Tecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º Módulo
Igor Santos
 

Mais procurados (20)

Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
 
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
 
Redes - Camada Física e Meios de Transmissão
Redes - Camada Física e Meios de TransmissãoRedes - Camada Física e Meios de Transmissão
Redes - Camada Física e Meios de Transmissão
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
 
Redes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitosRedes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitos
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 -  transmissão digital: Modulação e MultiplexaçãoAula 2 -  transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
 
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-DuplexSimplex, Half-Duplex e Full-Duplex
Simplex, Half-Duplex e Full-Duplex
 
Redes de Comunicação 11º M1 - TGPSI
Redes de Comunicação 11º M1 - TGPSIRedes de Comunicação 11º M1 - TGPSI
Redes de Comunicação 11º M1 - TGPSI
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
 
Conceito e estruturas de redes...
Conceito e estruturas de redes...Conceito e estruturas de redes...
Conceito e estruturas de redes...
 
Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...
Sistemas de Telecomunicações - Aula 07 - Sistema Telefônico Fixo e Sistema Te...
 
Introdução às Telecomunicações
Introdução às TelecomunicaçõesIntrodução às Telecomunicações
Introdução às Telecomunicações
 
Cablagem estruturada: CEF
Cablagem estruturada: CEFCablagem estruturada: CEF
Cablagem estruturada: CEF
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Redes aula 1
 
Rede sem fio - Radiofrequência
Rede sem fio - RadiofrequênciaRede sem fio - Radiofrequência
Rede sem fio - Radiofrequência
 
Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e TelecomunicaçõesAulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
Aulas 6 e 7 - Redes e Telecomunicações
 
Tecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º Módulo
Tecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º MóduloTecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º Módulo
Tecnicas de conversão e compressão; Redes de comunicação 1º Módulo
 

Destaque

Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
Thiago Barros, PSM
 
Aula03 camada física - meios de transmissão
Aula03  camada física - meios de transmissãoAula03  camada física - meios de transmissão
Aula03 camada física - meios de transmissão
Carlos Veiga
 
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Mauro Tapajós
 
Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Capítulo 3 funcionalidades e protocolos da camada de aplicação
Capítulo 3   funcionalidades e protocolos da camada de aplicaçãoCapítulo 3   funcionalidades e protocolos da camada de aplicação
Capítulo 3 funcionalidades e protocolos da camada de aplicação
Simba Samuel
 
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Capítulo 20   camada de rede - internet protocolCapítulo 20   camada de rede - internet protocol
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Faculdade Mater Christi
 
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Mauro Tapajós
 
Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)
Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)
Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)
Andre Peres
 
Rede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitosRede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitos
cristiano_infosys
 
Camada fisica-enlace
Camada fisica-enlaceCamada fisica-enlace
Camada fisica-enlace
redesinforma
 
REDES: Camada física
REDES: Camada físicaREDES: Camada física
REDES: Camada física
Daniel Brandão
 
Aula fisica 1
Aula fisica 1Aula fisica 1
Aula fisica 1
Marcio Ferreira
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
Marco Martins
 
Imurl slides
Imurl slidesImurl slides
Imurl slides
Pelo Siro
 
Alms informatica
Alms   informaticaAlms   informatica
Alms informatica
Neon Online
 
Rede de computadores
Rede de computadoresRede de computadores
Rede de computadores
Jairo Soares Dolores Mosca
 
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modeloComponentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
Ricardo Miguel
 
Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Enlace
Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de EnlaceRedes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Enlace
Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Enlace
Wellington Oliveira
 

Destaque (20)

Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
 
Aula03 camada física - meios de transmissão
Aula03  camada física - meios de transmissãoAula03  camada física - meios de transmissão
Aula03 camada física - meios de transmissão
 
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
 
Cabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par TrançadoCabo Coaxial e Par Trançado
Cabo Coaxial e Par Trançado
 
Capítulo 3 funcionalidades e protocolos da camada de aplicação
Capítulo 3   funcionalidades e protocolos da camada de aplicaçãoCapítulo 3   funcionalidades e protocolos da camada de aplicação
Capítulo 3 funcionalidades e protocolos da camada de aplicação
 
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Capítulo 20   camada de rede - internet protocolCapítulo 20   camada de rede - internet protocol
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
 
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
 
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
 
Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)
Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)
Introdução a Redes de Computadores - 9 - Nível de Rede - IP (p1)
 
Rede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitosRede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitos
 
Camada fisica-enlace
Camada fisica-enlaceCamada fisica-enlace
Camada fisica-enlace
 
REDES: Camada física
REDES: Camada físicaREDES: Camada física
REDES: Camada física
 
Aula fisica 1
Aula fisica 1Aula fisica 1
Aula fisica 1
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
 
Imurl slides
Imurl slidesImurl slides
Imurl slides
 
Alms informatica
Alms   informaticaAlms   informatica
Alms informatica
 
Rede de computadores
Rede de computadoresRede de computadores
Rede de computadores
 
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modeloComponentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
 
Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Enlace
Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de EnlaceRedes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Enlace
Redes de Computadores Capítulo 3 - Camada de Enlace
 

Semelhante a Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão

Antenas_aula1
Antenas_aula1Antenas_aula1
Antenas_aula1
jeffersonsantos
 
Comunicacao de dados
Comunicacao de dadosComunicacao de dados
Comunicacao de dados
Airto Galiza Matos
 
Aula03a
Aula03aAula03a
Aula03a
ricard0606
 
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
aula 1.pdf
aula 1.pdfaula 1.pdf
aula 1.pdf
DomingosAndre2
 
Transmissão de Informação
Transmissão de InformaçãoTransmissão de Informação
Transmissão de Informação
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
PCom_aula_11_2020.pptx
PCom_aula_11_2020.pptxPCom_aula_11_2020.pptx
PCom_aula_11_2020.pptx
BartolomeuLeandroMav
 
Comunicação de dados
Comunicação de dadosComunicação de dados
Comunicação de dados
Marioalmeida_10
 
RC - Módulo 1
RC - Módulo 1RC - Módulo 1
RC - Módulo 1
Marco Martins
 
Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1
Mariana Hiyori
 
Aula 1 - Elementos básicos de um sistema de transmissão digital
Aula 1 -  Elementos básicos de um sistema de transmissão digitalAula 1 -  Elementos básicos de um sistema de transmissão digital
Aula 1 - Elementos básicos de um sistema de transmissão digital
Leandro Sausen
 
RC Módulo1
RC Módulo1RC Módulo1
RC Módulo1
Leo Louro
 
Lista03
Lista03Lista03
Lista03
redesinforma
 
Pcm manoella saraiva 20151630040
Pcm   manoella saraiva 20151630040Pcm   manoella saraiva 20151630040
Pcm manoella saraiva 20151630040
Manoella Aluízio
 
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dadosAula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Djacir Maciel
 
Redes e Comunicações 2
Redes e Comunicações 2Redes e Comunicações 2
Redes e Comunicações 2
Mariana Hiyori
 
Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3
Ivan Karneiro
 
Redes De Comunicação
Redes De ComunicaçãoRedes De Comunicação
Redes De Comunicação
Mauro
 
Parte2a
Parte2aParte2a
Parte2a
redesinforma
 

Semelhante a Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão (20)

Antenas_aula1
Antenas_aula1Antenas_aula1
Antenas_aula1
 
Comunicacao de dados
Comunicacao de dadosComunicacao de dados
Comunicacao de dados
 
Aula03a
Aula03aAula03a
Aula03a
 
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
 
aula 1.pdf
aula 1.pdfaula 1.pdf
aula 1.pdf
 
Transmissão de Informação
Transmissão de InformaçãoTransmissão de Informação
Transmissão de Informação
 
PCom_aula_11_2020.pptx
PCom_aula_11_2020.pptxPCom_aula_11_2020.pptx
PCom_aula_11_2020.pptx
 
Comunicação de dados
Comunicação de dadosComunicação de dados
Comunicação de dados
 
RC - Módulo 1
RC - Módulo 1RC - Módulo 1
RC - Módulo 1
 
Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1
 
Aula 1 - Elementos básicos de um sistema de transmissão digital
Aula 1 -  Elementos básicos de um sistema de transmissão digitalAula 1 -  Elementos básicos de um sistema de transmissão digital
Aula 1 - Elementos básicos de um sistema de transmissão digital
 
RC Módulo1
RC Módulo1RC Módulo1
RC Módulo1
 
Lista03
Lista03Lista03
Lista03
 
Pcm manoella saraiva 20151630040
Pcm   manoella saraiva 20151630040Pcm   manoella saraiva 20151630040
Pcm manoella saraiva 20151630040
 
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dadosAula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
 
Redes e Comunicações 2
Redes e Comunicações 2Redes e Comunicações 2
Redes e Comunicações 2
 
Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3
 
Redes De Comunicação
Redes De ComunicaçãoRedes De Comunicação
Redes De Comunicação
 
Parte2a
Parte2aParte2a
Parte2a
 

Mais de Mauro Tapajós

Proyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATIProyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATI
Mauro Tapajós
 
Propostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMPPropostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMP
Mauro Tapajós
 
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma LivreIntegração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 
Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
Mauro Tapajós
 
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma LivreServiço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 
Migração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas UniversidadesMigração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas Universidades
Mauro Tapajós
 
Códigos Convolucionais (sequenciais)
Códigos Convolucionais (sequenciais)Códigos Convolucionais (sequenciais)
Códigos Convolucionais (sequenciais)
Mauro Tapajós
 
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Mauro Tapajós
 
Software Winrad
Software WinradSoftware Winrad
Software Winrad
Mauro Tapajós
 
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livreintegração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livreAtualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Mauro Tapajós
 
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Mauro Tapajós
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Mauro Tapajós
 
Processo de Startup do Linux
Processo de Startup do LinuxProcesso de Startup do Linux
Processo de Startup do Linux
Mauro Tapajós
 
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e InstalaçãoAspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Mauro Tapajós
 
Avaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições LinuxAvaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições Linux
Mauro Tapajós
 
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e ServiçosFISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
Mauro Tapajós
 
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para VídeoconferênciaFISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
Mauro Tapajós
 
Suporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no LinuxSuporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no Linux
Mauro Tapajós
 
Pequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software LivrePequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software Livre
Mauro Tapajós
 

Mais de Mauro Tapajós (20)

Proyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATIProyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATI
 
Propostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMPPropostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMP
 
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma LivreIntegração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma Livre
 
Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
 
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma LivreServiço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
 
Migração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas UniversidadesMigração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas Universidades
 
Códigos Convolucionais (sequenciais)
Códigos Convolucionais (sequenciais)Códigos Convolucionais (sequenciais)
Códigos Convolucionais (sequenciais)
 
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
 
Software Winrad
Software WinradSoftware Winrad
Software Winrad
 
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livreintegração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
 
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livreAtualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
 
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
 
Processo de Startup do Linux
Processo de Startup do LinuxProcesso de Startup do Linux
Processo de Startup do Linux
 
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e InstalaçãoAspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e Instalação
 
Avaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições LinuxAvaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições Linux
 
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e ServiçosFISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
 
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para VídeoconferênciaFISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
 
Suporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no LinuxSuporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no Linux
 
Pequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software LivrePequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software Livre
 

Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão

  • 1. Camada Física e Tecnologias de Transmissão Prof. Mauro Tapajós
  • 2. Camada Física Define a representação dos bits
  • 5. Adapta o sinal ao meio de transmissão
  • 6. Define o formato e a pinagem dos conectores
  • 7. Meios de Transmissão É o caminho físico por onde passará a informação na forma de sinais
  • 8. O transporte dos sinais que representam os bits da comunicação de dados é feito através de algum tipo de meio físico
  • 9. Cada meio apresentam características próprias de largura de banda, custo, atraso de transmissão e facilidade de instalação e manutenção
  • 10. Fatores para o Design dos Meios de Transmissão Banda: quanto maior a largura de banda do sinal, maior a taxa de envio de bits que ele pode carregar
  • 11. Limitações físicas: determinam a distância máxima que pode ser percorrida pelos sinais elétromagnéticos
  • 12. Interferência: vários sinais competindo numa mesma faixa de frequências podem se sobrepor distorcendo oe mesmo eliminando o sinal resultante
  • 13. Número de receptores: cada unidade ligada numa rede insere atenuações e distorções para que possa receber o sinal com a informação, limitando a distância e taxa de dados (bps) possível
  • 15. Passos na Transmissão da Informação Geração do padrão da informação (voz, dado, imagem, vídeo, etc)
  • 16. Descrição do padrão com certo grau de precisão por um conjunto de símbolos (bits)
  • 17. Codificação destes símbolos numa forma adequada ao meio de transmissão de interesse
  • 18. Transmissão destes símbolos codificados
  • 19. Decodificação dos símbolos
  • 20. Recriação do padrão original com base nos símbolos recebidos e sujeito à degradação do meio de transmissão
  • 21. Sinais Representações do comportamento de uma grandeza elétrica
  • 22. Descrevem algum tipo de informação a ser transmitida – (sinal = informação)
  • 23. Servem como meio de transporte da informação que se deseja transmitir
  • 24. Sofre com as condições físicas do sistema de comunicações
  • 25. Existe todo um embasamento matemático para a sua descrição
  • 27. Sinais Analógicos e Digitais Sinais analógicos – representado continuamente como função de uma variável independente Sinais periódicos - variam de forma periódica segundo g(t)=g(t+T) Sinais discretos – representados somente em tempos determinados (discretos) Sinais digitais - são sinais discretos no tempo e amplitude
  • 28. Sinais Analógicos A intensidade varia sem nenhuma interrupção, não havendo descontinuidade do sinal ao longo do tempo.
  • 29. Sinais analógicos podem assumir infinitos valores distintos de amplitude. Tempo Amplitude
  • 30. Sinais Digitais São sinais cuja intensidade assume um número finito de valores, mudando abruptamente entre cada um destes valores ao longo do tempo.
  • 31. Sinais Digitais Representados como uma sequência de símbolos de um “alfabeto” de textos e dígitos
  • 32. A capacidade de um canal digital é medida em bps – bits por segundo
  • 33. Os dados digitais são binários: usam 1’s ou 0’s para representar qualquer informação
  • 34. Os dígitos binários podem ser representados por alterações em sinais eletromagnéticos
  • 35. Alguns Tipos de Sinais Sinal senoidal Sinal de onda quadrada Sinal DC
  • 36. Características do Sinal Periódico Amplitude Freqüência Fase Tempo Tempo Tempo
  • 37. Componentes em Frequência de um Sinal Segundo a análise de Fourier, um sinal pode ser decomposto num somatório de sinais componentes senoidais + =
  • 38. Exemplo: Componentes do Sinal Onda Quadrada
  • 39. Representação de Sinais na Frequência Chama-se largura de banda de um sinal a faixa de frequências onde o sinal pode ser transmitido sem perda significativa de sua energia
  • 40. Representação de um Sinal Periódico na Freqüência Tela de um osciloscópio mostrando uma onda senoidal
  • 41. Representação de um Sinal Periódico na Freqüência Tela de um osciloscópio mostrando uma onda quadrada e seu correspondente espectro
  • 42. Largura de Banda Largura do espectro de frequência que podem ser transmitidas num canal de comunicação
  • 43. Quanto maior a largura de banda – mais bits enviados por segundo (dependendo de outros fatores como a codificação e modulação usadas) e com custos maiores
  • 44. Largura de bandas muito limitadas geram distorções e menor taxa de bits
  • 45. Máxima Taxa de Dados de um Canal Canal sem ruído = 2H log 2 V (bits/seg) H = largura de banda (Hz)
  • 46. V = número de níveis discretos Canal com ruído = H log 2 (1 + S/N) (bits/seg) S/N – relação sinal ruído (dB)
  • 47. Largura de Banda É a diferença entre a maior freqüência e a menor freqüência de um sinal Pode-se utilizar como critério de determinação da largura de banda a faixa em que a maior parte do sinal está contido (largura de banda efetiva)
  • 48. Sinal de Voz Humana O sinal de voz humana está basicamente limitado entre 300 Hz e 3400 kHz
  • 50. Por Que Estudar Sinais Analógicos e Telecomunicações em Redes de Comunicação de Dados? Muitos dos tipos de informação tem origem em forma analógico por natureza (voz, vídeo, etc)
  • 51. Deve-se entender bem sinais analógicos e suas características para se poder converter para formato digital
  • 52. Sistemas telefônicos eram primariamente analógicos
  • 53. Ao final, os meios de transmissão físicos que irão encaminhar a informação serão inerentemente sistemas analógicos
  • 54. Sinais com Problemas Sinais sofrem atenuação, podendo não chegar em forma compreensível pelo receptor
  • 55. Sofrem também com a distorção causada pelo atraso diferenciado entre as varias componentes do sinal
  • 56. Efeitos de ruído são indesejáveis
  • 57. Problemas que podem ocorrer com Sinais Atenuação Perda da força do sinal através da distância Distorção Efeitos de atenuação e atraso diferenciados em diferentes faixas de frequências Ruído Distorções diversas causadas por sinais espúrios não usados na transmissão
  • 59. Tipos de Transmissão de Sinais Analógica Somente envia sinais analógicos
  • 60. Uso de amplificadores para garantir que os sinais alcancem distâncias maiores
  • 61. O sinal não pode ser regenerado (transformado na sua forma original) Digital Transmissão de sinais analógicos e digitais
  • 62. Uso de repetidores para garantir maior alcance
  • 63. Equipamentos de comutação podem regenerar os sinais sendo transmitidos
  • 64. Alta fidelidade - fácil distinção do sinal na presença de ruído Independência do tempo - a informação digital pode ser transmitida numa temporização diferente da gerada na origem
  • 65. Independência da fonte da informação - toda a informação digital pode seguir no mesmo canal independente do que represente Vantagens no Uso de Sinais Digitais
  • 66. O sinal digital pode facilmente ser regenerado em comutadores intermediários no sistema de transmissão
  • 67. A informação digital pode ter vários significados dependendo da codificação em uso para ela (texto, imagens, voz, vídeo, dados, correio, etc)
  • 68. Facilidade no projeto e criação dos circuitos e processadores usados no processamento digital
  • 69. Porém exige maior banda de transmissão Vantagens no Uso de Sinais Digitais
  • 70. Erros no Sinal Digital – Pode Acontecer! 0 1 0 0 1 0 Sinal Original Atenuação Banda Limitada Ruído Sinal Recebido 0 1 0 1 1 0 Ruído Impulsivo Erro
  • 71. Os diferentes efeitos do meio de transmissão podem deformar até o sinal digital original podendo também gerar erros Atenuação e Distorção num Sinal Digital
  • 72. Amplificação & Ruído Efeitos Indesejados
  • 73. CODEC – Codificador / Decodificador Trabalham efetuando a conversão analógica-digital e vice-versa Codificam qualquer tipo de sinal analógico (música, vídeo, etc) gerando seu correspondente em formato digital
  • 74. O Processo de Digitalização de um Sinal Analógico Amostragem do sinal analógico na frequência de Nyquist (teorema da amostragem)
  • 75. Quantização das amostras - para cada amostra se “arredonda” seu valor em amplitude para um dos possíveis valores definidos
  • 76. Codificação de cada amostra quantizada na forma de uma palavra digital
  • 77. 1) Amostragem do Sinal Digital por Pulsos PAM Pulse Amplitude Modulation
  • 78. 2) Quantização das Amostras Obtidas Com PAM somente o tempo é representado em forma discreta
  • 79. Para termos a amplitude discreta, “arredondamos” cada amostra para um dentre um conjunto discreto de valores definido
  • 80. 3) Pulse Coded Modulation - PCM Com PCM cada amostra quantizada terá uma palavra digital representando aquele valor
  • 81. Codificação de Voz PCM PCM ( Pulse Coded Modulation )
  • 82. Codifica o sinal de voz (restritos na faixa de 4 kHz) em bits para a transmissão
  • 83. Isto é feito amostrando-se o sinal de voz periodicamente
  • 84. Se utilizarmos uma taxa de amostragem de 8000 amostras/seg, podemos recuperar o sinal na recepção (teorema de Nyquist)
  • 85. Se para cada amostra usarmos 8 bits, esta taxa de amostragem implica numa transmissão de 64 kbps (canal de voz PCM)
  • 86. Digitalização de Sinais de Voz PCM (Processo)
  • 87. Codificação PCM - Codificação No exemplo, a amplitude da amostra é codificada em 4 bits
  • 88. Codificação PCM de Voz Amostras geradas a cada 125 us (ou 8000 vezes por segundo) Cada uma resulta em bits a serem encadeados no fluxo (neste exemplo são usados 8 bits para cada amostra)
  • 89. Codificação de Voz Para Transmissão Digital - PCM A codificação PCM comum gera amostras de 16 bits e é chamada de PCM linear, por que utiliza uma proporcionalidade linear na definição da amplitude das amostras (por exemplo: CDs de música, arquivos .WAV) A norma ITU-T G.711 utiliza compressão logarítmica dando maior precisão nas menores amplitudes (o ouvido humano é mais sensível aos sinais mais baixos)
  • 90. A-law - 13 bits para 8 bits - usado nos Brasil
  • 91. µ -law - 14 bits para 8 bits - usado nos EUA e Japão
  • 92. Codificação Digital de Sinais de Áudio MPEG – é um padrão ITU-T de compressão de áudio e vídeo
  • 93. No caso do áudio ele explora propriedades psicoacústicas dos sinais de áudio e a forma como ele é compreendido pela percepção humana
  • 94. A percepção do som é função da frequência e força do sinal. Naturalmente mascaramos a percepção de determinadas bandas de frequência presentes no sinal de áudio
  • 95. Ao suprimir a informação referente a estas bandas, se reduz a informação necessária para a correta reprodução do som
  • 96. Existem 3 níveis de codificação ( Layers I, II e III).
  • 97. Cada um com maior qualidade de som e tempo de codificação MP3 = MPEG Layer III
  • 98. Sinais de Vídeo Sinais de vídeo naturalmente necessitam de grande largura de banda para sua transmissão
  • 99. O olho humano percebe as cores como composições de 3 cores básicas: vermelho (435 nm), verde (546 nm) e azul (700 nm)
  • 100. Células “cones” são especializadas na percepção de cores (em sinais mais fortes), enquanto que as células “ rods ” são especializadas em mobilidade e tons de cinza (em sinais mais fracos)
  • 101. A percepção de cores não tem espectro largo
  • 102. Mais de um padrão espectral pode gerar a mesma sensação de cor
  • 103. Sinais de Vídeo Analógico Varredura da tela para composição das imagens Montagem de imagem entrelaçada
  • 104. Montagem do Sinal de TV Analógica Colorida
  • 105. Geração e Transmissão de Sinais de Vídeo Analógico
  • 106. Idéias por Trás da Compressão de Sinais de Vídeo Digital A percepção de cores pela visão humana não tem espectro largo (normalmente se usa 8 bits para representá-lo digitalmente)
  • 107. Assim, precisamos de menos bits para representar um vídeo colorido implicando numa menor taxa de transmissão
  • 108. Em determinados momentos do vídeo, existe pouca informação nova a ser apresentada, exigindo menor taxa de quadros a ser enviada
  • 109. Os níveis de detalhes da imagem podem ser codificados em separado, sendo que, os níveis mais baixos contém maiores detalhes
  • 110. Sinais de Vídeo Analógico usado nas Transmissões de TV Existem 3 padrões na transmissão de vídeo para TV: NTSC ( National Television Standards Committee) - possui 524 linhas e sinal composto onde cada quadro é montado por dois campos ( fields ) par e ímpar entrelaçados numa taxa de 59,94 (  30 + 30). É usado nos EUA e Japão
  • 111. PAL ( Phase Alternation by Line ) - possui 625 linhas que formam 50 campos ( fields ) entrelaçados por segundo resultando em 25 quadros ( frames ) por segundo. A variante PAL-M é usado somente no Brasil e é apresentado a 30 quadros por segundo
  • 112. SECAM (Systeme Electronique Couleur Avec Memoire) - Semelhante ao PAL com 525 linhas e 25 quadros por segundo. Usado na França, Rússia e alguns outros países
  • 113. Compressão de Sinais de Vídeo Digital H.261 - (1 a 30) x 64 kbps - usado em Vídeoconferência Formato QCIF - 144x176 pixels - menor taxa de bits
  • 114. Formato CIF - 288x352 pixels - maior taxa de bits H.263 - usado em taxas mais baixas (adequado para tecnologias de redes de acesso mais lentas)
  • 115. MPEG – compressão de fluxos de áudio e vídeo MPEG I ( SIF-Source Input Format ) – até 1,5 Mbps – Exemplo: VCDs – qualidade NTSC
  • 116. MPEG II - adequado para transmissão, armazenamento, taxas diferentes que múltiplos de 64 kbps, além de taxas mais altas (4 a 15 Mbps) – (Exemplo: DVD’s)
  • 117. MPEG III – trabalho absorvido pelo MPEG II
  • 118. MPEG IV - adequado para VideoIP e multimídia em plataformas móveis (taxas médias)
  • 119. Conversão de Sinais Analógicos Para sinais analógicos Barato e fácil de se fazer (por exemplo: telefone)
  • 120. Permite vários tipos de manipulações do sinal para melhorar a eficiência da transmissão
  • 121. Usado nas redes telefônicas, rádio AM, FM, etc Para sinais digitais Uso de CODEC’s
  • 122. Conversão de Sinais Digitais Para sinais analógicos Normalmente requer um Modem
  • 123. Permite que dados digitais sejam enviados por redes analógicas
  • 124. Necessária quando a transmissão for analógica Para sinais digitais Alternativa mais barata quando se está trabalhando com grandes quantidades de dados
  • 125. Mais confiável por que não há conversão a ser feita
  • 126. Compressão de Dados Reduz a quantidade de bits a serem enviados para determinado tipo de compressão
  • 127. Usado na transmissão e no armazenamento (HD’s, CD’s, fitas, etc)
  • 128. Seu princípio básico é eliminar a redundância na informação
  • 129. O código é substituído por porções comprimidas dos dados
  • 130. Dois tipos: Compressão lossless (sem perda): reconstitui os dados exatamente como era o original (.ZIP, .GIF)
  • 131. Compressão lossy (com perda): reconstitui os dados de forma que fiquem perceptualmente os mesmos (.JPEG, .MPEG)
  • 132. Meios de Transmissão O transporte dos sinais que representam os bits da comunicação de dados é feito através de algum tipo de meio físico
  • 133. Cada meio apresentam características próprias de largura de banda, custo, atraso de transmissão e facilidade de instalação e manutenção Tx Rx Meio de Transmissão
  • 134. Tipos de Meios de Transmissão Guiados : necessitam de condutores físicos de um dispositivo para o outro como cabos coaxiais, fibra ótica, etc
  • 135. Não-guiados : não necessitam de condutores físicos exclusivos. São os meios eletromagnéticos como a propagação eletromagnética no ar livre (atmosfera) ou num oceano Cada tipo tem sua aplicação em função das características do sistema, condições geográficas e custos Passagem de cabos por pântanos, florestas
  • 136. Utilização de links sem fio através de uma cidade, etc
  • 137. Meios Guiados Mais Usados Atualmente em Redes
  • 138. Cabos de Par Trançado É o mais popular, difundido e o mais adotado meio de transmissão utilizado em redes locais de computadores
  • 139. Os condutores trançados visam evitar o efeito de indução do sinal no condutor adjacente ( crosstalk )
  • 140. Normalmente temos as seguintes variações: UTP ( Unshielded Twisted Pair ) - par trançado não-blindado - o sinal segue com polaridades invertidas em cada cabo do par
  • 141. STP ( Shielded Twisted Pair ) - par trançado blindado - utilizado em meios de alta incidência de ruídos eletromagnéticos como fábricas, linhas de montagem, transmissores, etc. Devem ser aterrados em ambos os lados (efeito irradiador da blindagem).
  • 142. Par Trançado Cabo categoria 3 : 4 pares de fios e cobertura de plástico
  • 143. Cabo categoria 5 : 4 pares de fios mais entrelaçados que o 3 e cobertura de teflon
  • 144. Cabos categoria 5 são melhores em altas taxas de bits
  • 145. Par Trançado - Pinagem O sentido do campo eletromagnético depende do sentido da corrente elétrica no condutor, que por sua vez, depende das polaridades (positiva ou negativa) dos sinais No par trançado, as informações trafegam repetidas em dois fios, porém com polaridades invertidas Portanto o campo gerado por um condutor é anulado pelo campo do outro, reduzindo a interferência por crosstalk O efeito é intensificado quando dois fios são enrolados um ao outro (daí o nome par trançado)
  • 146. Par Trançado Blindado (“Shielded Twister Pair”)
  • 147. Possui uma malha blindada global que confere uma maior imunidade às interferências eletromagnéticas externas e possui uma blindagem interna envolvendo cada par trançado
  • 148. Desta forma, o STP é utilizado em meios de alta incidência de ruídos eletromagné-ticos, tais como: fábricas, centrais de comutação, transmissores de alta potência, etc
  • 149. Conectores e cabos mais caros STP com blindagem individual para cada par Par Trançado STP
  • 150. Liga equipamentos semelhantes (estações com estações ou dispositivos de rede com outros dispositivos de rede) Cabo Cross
  • 151. Categorias de Cabos de Par Trançado São categorizados de acordo com a norma EIA/TIA 568
  • 152. Cabo Coaxial O cabo coaxial consiste em dois condutores cilíndricos, um interno e outro externo, separados por um material dielétrico (isolante)
  • 153. O dado é transmitido no condutor mais interno. A proteção de metal protege contra campos eletromagnéticos externos e evita que a radiação da energia eletromagnética do fio interno interfira em outros fios
  • 154. Com um único cabo coaxial a transmissão é half-duplex, ou seja, unidirecional para cada período.
  • 155. Adequado para frequências maiores que as usadas em par trançado
  • 156. Cabo Coaxial Alguns tipos comuns: Cabo coaxial grosso ( thicknet ) 50 Ohms – usado em Ethernet 10BASE5 Cabo coaxial fino ( thinnet ) 50 Ohms – usado em Ethernet 10BASE2
  • 157. Cabos Coaxiais Algumas especificações RG ( radio government ) para cabos coaxiais:
  • 158. Thick Ethernet. RG-8, RG-9 e RG-11 (50 ohms)
  • 159. Thin Ethernet: RG-58 (50 ohms)
  • 160. TV: RG-59 (75 ohms) Conectores BNC ( bayonet network connectors ) Conexões Terminadores
  • 161. Exemplo: Cabos Coaxiais em Redes Locais
  • 163. Fibra Ótica As fibras são feitas de vidro de grande transparência
  • 164. A atenuação da luz na fibra depende do comprimento de onda da luz usada
  • 165. Sistema de transmissão é composto de: fonte de luz, meio de transmissão e detector de luz
  • 166. Transmissores possíveis são LED’s ( Light Emitting Diodes ) e lasers
  • 167. Fibra Ótica Utiliza o príncipio da reflexão da luz entre dois meios
  • 168. Permite taxas muito elevadas de frequência (faixa da luz visível)
  • 169. A tecnologia de hoje não utiliza plenamente a capacidade das fibras Fibras multimodo (diâmetro 50 e 62,5 um) : vários modos de propagação (vários sinais de luz). Apresenta problema de dispersão modal e alta atenuação (5 dB/km). As do tipo índice gradual apresentam baixa atenuação (3 dB/km) e largura de banda de até 1 GHz
  • 170. Fibras monomodo (diâmetro 5-10 um) : permite um único modo de propagação, atingindo distâncias maiores que as multimodo. Baixas perdas (0,2 dB/km) e largura de banda (>10 GHz)
  • 171. Atenuação de Sinais na Fibra Ótica
  • 172. Comportamento da Luz dentro da Fibra
  • 173. Fibra Ótica A atenuação da luz na fibra depende do comprimento de onda da luz usada
  • 174. Sistema de transmissão é composto de: fonte de luz, meio de transmissão e detector de luz
  • 175. Transmissores possíveis são LED’s ( Light Emitting Diodes ) e lasers
  • 177. FTTH - Fiber to the Home
  • 180. Aplicações Médicas, Educacionais, Industriais e Militares
  • 181. Fibra Ótica - Características Adequado para grandes larguras de banda e grandes distâncias
  • 183. Grande imunidade à interferência eletromagnética e escutas ( sniffing )
  • 184. Ocupa pouco espaço e é leve
  • 185. Apresenta dificuldade maior nas emendas de cabos
  • 186. Ainda representa custo maior comparada com outros tipos de cabos
  • 187. Limitada pela tecnologia eletrônica nos dispositivos intermediários na rede (pesquisas para chegar a uma comutação totalmente ótica )
  • 188. Exemplos de Cabos de Fibra Ótica Cabo submarino
  • 189. Fibra Ótica – Tipos de Conectores SC Simplex ST (normalmente multimodo) SC Duplex FC/PC
  • 191. Comparação da Fibra com Fios de Cobre Economizam nos repetidores
  • 193. Imune a descargas elétricas e interferência eletromagnética
  • 194. Mais compactas e leves, custo de suporte mais baratos que os cabos tradicionais
  • 195. Mais seguras por não vazarem luz e não permitirem “escuta”
  • 197. Cabeamento Estruturado Normas que descrevem a instalação de cabos em edifícios de forma organizada, facilitando a manutenção e alterações na topologia de rede e independente de fabricante
  • 198. Facilitam a futuras mudanças em equipamentos (maior custo inicial mas evita problemas de cabeamento futuros
  • 199. Normas usadas: EIA/TIA 568C e ISO/IEC 11801
  • 200. Meios de transmissão descritos: Cabo UTP e STP
  • 204. Cabeamento Estruturado É preparado de tal forma que atende ao mais variados lay-outs de instalação, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas da infra-estrutura.
  • 205. Um só cabeamento atende diferentes tipos de redes de sinal em baixa tensão, como por exemplo telefonia, redes locais de computação, sistema de alarme, transmissão de sinal de vídeo, sistemas de inteligência predial, automação predial e industrial.
  • 206. Elementos de Cabeamento Estruturado Cabeamento horizontal – segue da área de trabalho até o telecommunications closet (normalmente em topologias estrela)
  • 207. Cabeamento Backbone (vertical) – se compõe da ligação da sala de equipamentos com todos os demais pontos de distribuição de cabeamento
  • 208. Work Area (WA) – área de trabalho
  • 209. Telecommunications closet (TC) – armário de telecomunicações (normalmente um por andar)
  • 210. Equipment Room (ER) – sala de equipamentos. Ponto central de cabeamento da instalação.
  • 213. Níveis de Interconexão Físico Enlance de Dados Rede Transporte Sessão Apresentação Aplicação Repetidores Pontes ( Bridges ) Roteadores Gateways
  • 214. Repetidores Estende fisicamente a rede interconectando múltiplos segmentos de rede
  • 215. Simplesmente regeneram o sinal e o repetem o sinal para todas as redes nas quais ele está conectado
  • 216. Podem conectar diferentes cabeamentos, mas não diferentes protocolos de nível superior
  • 217. Dispositivo que trabalha no nível físico no modelo OSI – baixo custo
  • 218. Estações não percebem a existência de repetidores
  • 219. Concentradores - Hubs Repeater cards slide into chassis. Cards interconnect through a common backplane. Wiring concentrator chassis
  • 220. HUBs
  • 221. Modulação de sinais Sinais digitais em ondas quadradas possuem muitas componentes em frequência (largura de banda infinita) e sofrem muito na transmissão
  • 222. Resultado: o sinal digital “puro” não é bom para a transmissão
  • 223. Assim, sinais em banda base (digital “puro”) só funcionam em distâncias curtas (LAN´s)
  • 224. Solução: Uma “portadora” (sinal senoidal) é enviado e suas características alteradas de forma a transmitirem bits
  • 225. Modulação de sinais Normalmente se necessita de “carregar” o sinal original em sinais de frequência mais adequada (portadoras - carriers ) para os meios de transmissão sendo usados
  • 226. A portadora é um sinal senoidal com frequência compatível com o meio de transmissão
  • 227. Solução: Uma portadora é enviada e suas características alteradas de forma a transmitirem o sinal original
  • 228. Modulação é o processo de combinar um sinal de entrada com uma portadora gerando um sinal adequado de transmissão
  • 229. Portadoras de alta frequência apresentam menor atenuação e distorção , atravessa ndo distâncias mais longas com menos perda
  • 230. Modulação de Sinais Digitais em Portadoras Analógicas O exemplo mais conhecido é a comunicação de dados através do sistema telefônico (modems)
  • 231. Neste caso, deve-se transformar a informação digital num sinal que seja adequado para transmissão pelo canal de voz.
  • 232. Modulação Consiste em transformar um sinal, através da sua combinação com outro sinal, denominado portadora, de forma a melhor adequar a transmissão do sinal original ao meio de transmissão. A portadora tem suas características (amplitude, freqüência ou fase) modificadas de acordo com o sinal modulante.
  • 233. A freqüência da portadora geralmente é bem maior que a maior freqûencia do sinal transmitido .
  • 234. A modulação permite a multiplexação (junção de vários) sinais no domínio da frequência f 0 Bla, bla bla
  • 235. Modulação ASK ( Amplitude Shift Keying )
  • 236. Modulação FSK ( Frequency Shift Keying )
  • 237. Modulação PSK (Phase Shift Keying) Melhor performance que ASK e FSK
  • 238. BPSK ( Binary Phase Shift Keying ) - duas fases possíveis (muito usado em rádio e satélite)
  • 239. Modulação de sinais Sinal digital original Modulado por amplitude Modulado por frequência Modulado por fase
  • 240. Modulação Multinível A utilização de mais símbolos (níveis de amplitude, frequência ou fase) permite maior taxa de bits
  • 241. Porém, ao definir mais símbolos, o esquema se torna mais susceptível à ruído
  • 242. Os modems modernos usam alguma variante de ASK + PSK como QAM ( Quadrature Amplitude Modulation )
  • 243. Modulação QAM Quadrature Amplitude Modulation
  • 244. São combinações de ASK e PSK com 16, 64 e 256 símbolos diferentes
  • 247. Multiplexação Custos com meios físicos obrigam a se “agrupar” vários canais de comunicação num único meio de transporte
  • 248. Melhor aproveitamento da banda disponível
  • 250. FDM Frequency Division Multiplexing
  • 251. Muito usado em telefonia e rádio (TV, AM e FM)
  • 253. FDM Permite que vários canais sejam acomodados lado a lado em frequência
  • 254. No final, somente é transmitido um único sinal multiplexado
  • 255. FDM
  • 256. TDM Time Division Multiplexing
  • 257. Divide o tempo para os vários canais sendo transmitidos ( timeslots )
  • 258. Mais adequado à transmissão de sinais digitais
  • 259. Mais adaptado ao processamento de dados em formato digital
  • 260. Exige sincronização entre os multiplexadores
  • 261. TDM Cada canal (cor diferente) possui um determinado tempo para mandar seus bits, depois é a vez de outro canal
  • 262. TDM Não exige protocolos de enlace de dados para delimitação de PDU’s (quadros)
  • 263. A taxa de dados ( data rate ) é fixa, podem ocorrer slots vazios (como nas redes telefônicas)
  • 264. Multiplexação TDM Estatística Pacotes de vários fluxos de dados são misturados numa mesma fila e transmitidos sob demanda
  • 265. Pode manter várias filas diferenciadas por serviço onde um esquema de prioridades pode estar em vigor – cada fila é atendida de modo round-robin
  • 266. Apresenta menor atraso médio (mas de forma inconstante – alta variância) e aproveita melhor o canal de comunicação – TDM e FDM alocam canais exclusivos que estão em uso mesmo que não haja nada a transmitir !
  • 267. Deve identificar a informação sendo enviada (canais) para correta entrega na recepção
  • 268. Multiplexação TDM Estatística Multiplexação TDM Síncrona
  • 269. Spread Spectrum Cada estação transmite um sinal que é “espalhado” numa larga faixa de frequências como se fosse um sinal de ruído
  • 270. A estação receptora extrai apenas a sua mensagem, permitindo que um conjunto de estações compartilhem o meio
  • 271. Existem duas alternativas para SS: Frequency hopping – a frequência de transmissão “salta” (muda) constantemente. O receptor deve estar sincronizado com os “saltos” e pegar sua mensagem
  • 272. Direct Sequence – cada bit a ser transmitido é “cortado” em vários bits menores usando um padrão definido de bits. Isto tem o efeito de “espalhar” o sinal numa largura de banda muito maior que a original dele. A recepção deve usar o mesmo padrão de bits para recuperar o sinal original
  • 273. Direct Sequence É uma tipo de modulação desenvolvido para fins militares
  • 274. O sinal é modulado com uma sequência binária pseudo aleatória de forma a “alargar” o seu espectro
  • 275. Este fato dificulta o envio de sinais de jamming (sinais para impedir a transmissão)
  • 276. Somente receptores que tenham a pseudo sequência poderão recuperar o sinal – segurança Frequency hopping Direct sequence
  • 278. Tecnologias Baseadas em Fibra Ótica Usadas largamente em backbones de longo alcance, além de várias tecnologias de redes (Ethernet, Fibre Channel, etc)
  • 279. Já estão chegando na área metropolitana (MAN's) e nas redes de acesso
  • 280. Tendência natural a ser a única infra-estrutura de transmissão para várias tecnologias de rede (banda larga, pequena e flexível, imune a ruídos)
  • 281. Hierarquias Digitais TDM de Multiplexação em Sistemas de Transmissão PDH – Plesiochronous Digital Hierarchy (em desuso) SDH – Synchronous Digital Hierarchy
  • 282. Sistemas PDH Cada fonte é criada numa temporização própria (plesiócrona)
  • 283. O sinal multiplexado é ligeiramente maior que a soma das componentes
  • 284. Com isso não se sabe exatamente onde se começa um canal
  • 285. Necessidade de demultiplexação de todo o feixe para se retirar canais determinados
  • 286. Formatos de feixe definidos: DS1 ou T1 - EUA e Japão
  • 287. E1 - ITU-T (Brasil)
  • 288. Linhas TDM - T1 e E1 Linhas digitais de padrão TDM, desenvolvidas para a conexão de PABX’s com as operadoras telefônicas
  • 289. Linha T1: utilizada nos Estados Unidos e Japão
  • 290. velocidade de 1544 Mbps (carrega 24 canais PCM) Linha E1: utilizado no Brasil e Europa
  • 291. velocidade de 2048 Mbps (32 canais PCM, sendo 30 para dados e 2 para sinalização/sincronização
  • 292. Organização do Feixe E1 Padrão: ITU-T G.704
  • 293. 30 canais PCM de 64 kbps + 2 canais de sincronização (canal 0) e sinalização (canal 16)
  • 294. Organização do Feixe DS-1 (T1) 24 canais de 64 kbps
  • 295. 1 bit de sincronização inicial
  • 296. O oitavo bit dos canais 6 e 12 é usado para sinalização
  • 297. Hierarquia do Sistema de Transmissão Digital Europeu/Brasileiro
  • 298. Hierarquia do Sistema de Transmissão Digital Americano
  • 300. SDH - Synchronous Digital Hierarchy Inicialmente desenvolvida como SONET ( Synchronous Optical Network ) nos EUA (ANSI)
  • 301. Define uma interface ótica de transmissão (Recomendação ITU-T G.707)
  • 302. Provê uma organização adequada para links com altas taxas de transmissão
  • 303. Possui um único clock que mantém a rede toda sincronizada
  • 304. Permite equipamentos mais simples (sem tantos bancos de multiplexadores e demultiplexadores) e controle total da rede via software
  • 305. É a tecnologia mais usada para transporte dos novos serviços de banda larga em longa distância
  • 306. SDH STM - Synchronous Transport Module STS – Synchronous Transport Signal OC – Optical Carrier
  • 307. WDM - Wavelenght-Division Multiplexing Transmissão de vários feixes de luz em frequências diferentes (cores) multiplexados numa mesma fibra ótica
  • 308. Permite melhor utilização das capacidades das fibras
  • 309. A diferença básica sobre FDM é que o processo de multiplexação é totalmente passivo
  • 310. DWDM – Dense Wavelenght-Division Multiplexing Em DWDM mais comprimentos de onda são inseridos na fibra para se ter mais vias de dados
  • 311. DWDM – Dense Wavelenght Division Multiplexing Muitas operadoras estão chegando ao limite de sua infra-estrutura de fibras baseadas em TDM (SDH/SONET), uma tecnologia originalmente desenvolvida para tráfego de voz digital
  • 312. Uma opção seria se passar mais fibras. Nem sempre é possível por razões de custo (Por exemplo: cabos marítimos)
  • 313. Partindo da planta atual de fibras passadas, existem duas alternativas para o crescimento de banda aumentar a atual taxa de dados (bps) TDM usadas nas fibras – alternativa limitada!
  • 314. aumentar o número de canais que podem passar por uma única fibra (multiplexação) - DWDM !
  • 315. DWDM e TDM Pode ser feita uma analogia como se a fibra fosse uma avenida de várias faixas, onde TDM somente utiliza uma destas faixas ganhando velocidade aumentando a potência do motor do carro
  • 316. DWDM por outro lado utiliza várias faixas de forma independente e sem restrições sobre os tipos de veículos que trafegariam nestas faixas. Pode-se cobrar de um cliente somente o comprimento de onda que ele utilizar (uma faixa) e não toda uma fibra (uma avenida)
  • 317. É essencialmente uma tecnologia de meio físico, independente de protocolos e formatos
  • 318. Comunicação em Banda Larga Sinais em banda larga são os sinais usados para transmissão em longas distâncias e que concentram vários canais de informação
  • 319. Utilizando técnicas de modulação e multiplexação pode-se compor mais canais num mesmo meio físico aproveitando melhor sua capacidade
  • 320. Estas técnicas são adequados para comunicação sem fio, pois diferentes faixas de rádio podem ser usadas e serem melhor aproveitadas

Notas do Editor

  1. Internetworking and the OSI Model Repeaters work at the physical layer. They simply repeat any signal from one cable plant to the next. Concentrators are repeaters but offer more fault isolation than normal repeaters. Bridges work at the data link layer. Specifically, they forward based on the MAC address of the packet. Routers work at the network layer. They forward based on a network identification inside the packet, not on the MAC address. Gateways operate the the session, presentation and application layer. They provide protocol translation between different communication types.
  2. This device was introduced around 1985 after UTP wire began being used. It is usually called a concentrator although it can be called a hub. It houses repeater modules that slide into the chassis. Concentrators house all repeater types into one unit using repeater modules that are connected together with a common backplane. It allows the concentrator to act as one repeater. It reduces the number of repeaters on a network. Concentrators usually have connections for fiber, 10BASET, 10BASE2 and one connector for 10BASE5 (connection to external cable plant). It added life to the Ethernet standard by providing a physical star topology. The concentrator allows for better network management
  3. This device was introduced around 1985 after UTP wire began being used. It is usually called a concentrator although it can be called a hub. It houses repeater modules that slide into the chassis. Concentrators house all repeater types into one unit using repeater modules that are connected together with a common backplane. It allows the concentrator to act as one repeater. It reduces the number of repeaters on a network. Concentrators usually have connections for fiber, 10BASET, 10BASE2 and one connector for 10BASE5 (connection to external cable plant). It added life to the Ethernet standard by providing a physical star topology. The concentrator allows for better network management