SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
   COMUNIDADE EVANGÉLICA LUTERANA “SÃO PAULO”
Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 681 de 07/12/89 – DOU de 11/12/89
                            Campus Torres




Par Trançado e Cabo Coaxial
                           Redes 1

                    Vitor Boque
              Rangel Magnus Hahn
            Mauricio Volkweis Astiazara

               Professor: André Peres
                 Torres, Abril de 2002
Sumário
s   Introdução
s   Par Trançado
    – Características Físicas
    – Velocidade
    – Vantagens e Desvantagens
s   Cabo Coaxial
    – Características Físicas
    – Velocidade
    – Vantagens e Desvantagens
s   Conclusão
                                 2
Introdução
s   Conhecimento superficial dois tipos de cabo
s   Principais características e diferenças
s   Exemplo de uso
s   Referência para futuras pesquisas




                                                  3
1 Par Trançado
s   1.1 Características Físicas
    – Originalmente projetado para o tráfego telefônico
      analógico
    – Possuem dois ou mais fios entrelaçados em forma
      de espiral
    – Cada par é isolado do outro por material isolante
    – O objetivo do entrelaçamento é reduzir a indução
      de ruídos e manter as propriedades elétricas
      constantes
    – Cada par constitui um condutor positivo
      (normalmente um fio de cor laranja, verde, azul ou
      marrom) e negativo (normalmente de cor branca).4
1.1 Características Físicas




                              5
1.1 Características Físicas
s   Cabos de Par Trançado Sem Blindagem
    (UTP - Unshielded Twisted Pair)
s   Cabos de Par Trançado Blindado (STP -
    Shielded Twisted Pair)




                                            6
1.1 Características Físicas
s   Conector utilizado em redes baseadas no
    cabo de par trançado é o RJ-45
s   Macho para os segmentos de par trançado e
    fêmea para as placas de rede.




                                                7
1.2 Velocidade
s   São classificados quanto à sua amperagem:
    – Nível 3 (para redes de até 10 mbps, padrão
      10BaseT para redes Ethernet);
    – Nível 4 (16 mbps, padrão 16BaseT, pouco
      utilizado);
    – Nível 5 (100 mbps, padrão 100BaseT).
s   Sua distância máxima é em torno de 90
    metros
s   Em sistemas de baixa freqüência (abaixo de
    100 kHz) a imunidade a ruído é muito boa
                                                   8
1.3 Vantagens
s   Baixo custo e alta flexibilidade
s   A transmissão e as dificuldades de conexão
    são muito menores que outros meios
    conhecidos
s   Possui facilidade de conexão de nós à rede




                                                 9
1.4 Desvantagens
s   Suscetibilidade às interferências
    eletromagnéticas e rádio freqüência
s   Esses efeitos podem, entretanto, ser
    minimizados com blindagem adequada




                                           10
2 Cabo Coaxial
s   2.1 Características Físicas
    – Constituído de dois condutores dispostos
      axialmente e separados entre si e envoltos por
      material isolante
    – O condutor interno, mais rígido, é feito de cobre e
      pode ser torcido ou sólido
    – O condutor externo é uma malha metálica que
      atua como a segunda metade do circuito elétrico e
      também protege o condutor interno contra
      interferências externas


                                                       11
2.1 Características Físicas




                              12
2.1 Características Físicas
s   Existem cinco tipos de conectores para
    serem utilizados com cabos coaxiais:
    – conector BNC, padrão macho para as pontas do
      cabo coaxial e fêmea para as placas de rede
    – conector BNC tipo "T", liga dois conectores BNC
      macho ao conector BNC fêmea da placa de rede,
    – conector BNC tipo "I", que serve para ligar as
      extremidades de dois segmentos de cabo coaxial
    – conector Transceiver (ou conector "Vampiro") que
      serve para ligar um cabo coaxial grosso à estação
    – conector BNC de terminação que é colocado na
      extremidade final do segmento de rede.          13
2.2 Velocidade
s   Quando a malha externa é feita de alumínio o
    cabo coaxial é dito cabo coaxial grosso ou de
    banda larga
s   Se a malha externa for de cobre cabo coaxial
    fino ou cabo coaxial de banda base




                                               14
2.2 Velocidade
s   Cabo Coaxial Banda Larga
    – Segue a especificação RG-213 A/U
    – Resistência de 75 ohms
    – Transmite dados numa velocidade de até 10 mbps
      à freqüência de 10 gigahertz
    – Obedecem ao padrão 10Base5
    – Cada segmento da rede pode ter até 500 metros
    – Cada segmento comporta até 100 nós
    – A distância mínima entre cada nó da rede é de 2,5
      metros

                                                     15
2.2 Velocidade
s   Cabo Coaxial Banda Base
    – Segue a especificação RG-58 A/U
    – A resistência obtida é de 50 ohms
    – Transmite dados à velocidade de 10 mbps a uma
      freqüência de 2 gigahertz
    – Obedece ao padrão 10Base2
    – Cada segmento da rede pode ter no máximo 185
      metros
    – Cada segmento comporta até 30 nós
    – A distância mínima entre cada nó da rede é de 0,5
      metro
                                                     16
2.3 Vantagens
s   As características elétricas são bastante
    favoráveis à transmissão de sinais de alta
    freqüência
s   Possui boa imunidade a interferências
    externas
s   Mantém uma capacidade constante e baixa




                                                 17
2.4 Desvantagens
s   É menos flexível que o Par Trançado.
s   O seu processo de instalação é mais
    complicado
s   Custo elevado, embora seus benefícios
    sejam bem maiores




                                            18
Conclusão
s   Pelas características de cada um dos tipos
    de cabo, eles devem ser usados em
    situações diferentes
s   O cabo coaxial, pela sua grande capacidade
    de transmissão, proteção à interferências
    externas mas ao mesmo tempo rigidez,
    elevado custo e dificuldade de manipulação
    deve ser usado para pontos geograficamente
    distantes, na maior parte, uso externo

                                             19
Conclusão
s   Já o par trançado deve ser utilizado para ligar
    pontos próximos, dentro de espaços físicos
    geralmente pequenos e internos. Isso é
    permitido devido à flexibilidade, baixo custo e
    facilidade de manipulação do cabo de par
    trançado.




                                                 20
Exemplo de Uso




                 21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso básico fibras óticas módulo1-teoria
Curso básico fibras óticas módulo1-teoriaCurso básico fibras óticas módulo1-teoria
Curso básico fibras óticas módulo1-teoria
WELLINGTON MARTINS
 
Par trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra OpticaPar trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra Optica
Anderson Zardo
 
Meios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicosMeios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicos
H P
 
Redes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de TransmissãoRedes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de Transmissão
Augusto Braz
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
Pedro Canteiro
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
Marco Martins
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
baglungekanchi
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Odair Fernandes
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Nikoameer
 
Cablagem de rede
Cablagem de redeCablagem de rede
Cablagem de rede
André Barroso
 
T2 meios de transmissao metalicos
T2  meios de transmissao metalicosT2  meios de transmissao metalicos
T2 meios de transmissao metalicos
Paula Lopes
 
Topologia de Redes
Topologia de RedesTopologia de Redes
Topologia de Redes
Breno Damasceno
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
Thiago Barros, PSM
 
Cablagem
CablagemCablagem
Cablagem
ffatimacaldeira
 
Meios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicosMeios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicos
Suguha
 
Redes 5 cabeamento
Redes 5 cabeamentoRedes 5 cabeamento
Redes 5 cabeamento
Mauro Pereira
 
Aula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosAula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Leonardo Bruno
 
Meios sem fios
Meios sem fiosMeios sem fios
Meios sem fios
H P
 
Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.
Ronnasayd Sousa
 

Mais procurados (20)

Curso básico fibras óticas módulo1-teoria
Curso básico fibras óticas módulo1-teoriaCurso básico fibras óticas módulo1-teoria
Curso básico fibras óticas módulo1-teoria
 
Par trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra OpticaPar trançado e Fibra Optica
Par trançado e Fibra Optica
 
Meios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicosMeios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicos
 
Redes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de TransmissãoRedes de computadores - Meios de Transmissão
Redes de computadores - Meios de Transmissão
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Cablagem de rede
Cablagem de redeCablagem de rede
Cablagem de rede
 
T2 meios de transmissao metalicos
T2  meios de transmissao metalicosT2  meios de transmissao metalicos
T2 meios de transmissao metalicos
 
Topologia de Redes
Topologia de RedesTopologia de Redes
Topologia de Redes
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
 
Cablagem
CablagemCablagem
Cablagem
 
Meios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicosMeios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicos
 
Redes 5 cabeamento
Redes 5 cabeamentoRedes 5 cabeamento
Redes 5 cabeamento
 
Aula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dadosAula 01 meios de comunicação de dados
Aula 01 meios de comunicação de dados
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
Meios sem fios
Meios sem fiosMeios sem fios
Meios sem fios
 
Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.
 

Semelhante a Cabo Coaxial e Par Trançado

Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
elliasaguiar
 
Meios fisicos emil
Meios fisicos emilMeios fisicos emil
Meios fisicos emil
fantic3o
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
BrunoXina
 
Cabos
CabosCabos
Aula03 camada física - meios de transmissão
Aula03  camada física - meios de transmissãoAula03  camada física - meios de transmissão
Aula03 camada física - meios de transmissão
Carlos Veiga
 
Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores
EMSNEWS
 
Ficha de trabalho 1 meios de transmissão
Ficha de trabalho 1  meios de transmissãoFicha de trabalho 1  meios de transmissão
Ficha de trabalho 1 meios de transmissão
MarcoSoaresGI
 
Cabos conectores
Cabos conectoresCabos conectores
Cabos conectores
nunesgilvicente
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
brunofig94PT
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
brunofig94PT
 
Meios físicos de transmição
Meios físicos de transmiçãoMeios físicos de transmição
Meios físicos de transmição
Caniggia123
 
Meios físicos de transição
Meios físicos de transiçãoMeios físicos de transição
Meios físicos de transição
Caniggia123
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
Paulo Sergio
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
sharik27
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
sharik27
 
Aula - Cabeamentos
Aula - CabeamentosAula - Cabeamentos
Cabeamentos e conectores de rede
Cabeamentos e conectores de redeCabeamentos e conectores de rede
Cabeamentos e conectores de rede
alphabigdog
 
Arquitectura de computadores
Arquitectura de computadoresArquitectura de computadores
Arquitectura de computadores
Gustavo Fernandes
 
C:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\CablagemC:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\Cablagem
marleneamf
 
Cabos de red eimei
Cabos de red eimeiCabos de red eimei
Cabos de red eimei
Kelly Dos Santos
 

Semelhante a Cabo Coaxial e Par Trançado (20)

Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Meios fisicos emil
Meios fisicos emilMeios fisicos emil
Meios fisicos emil
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
 
Cabos
CabosCabos
Cabos
 
Aula03 camada física - meios de transmissão
Aula03  camada física - meios de transmissãoAula03  camada física - meios de transmissão
Aula03 camada física - meios de transmissão
 
Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores Cabeamentos e conectores
Cabeamentos e conectores
 
Ficha de trabalho 1 meios de transmissão
Ficha de trabalho 1  meios de transmissãoFicha de trabalho 1  meios de transmissão
Ficha de trabalho 1 meios de transmissão
 
Cabos conectores
Cabos conectoresCabos conectores
Cabos conectores
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
 
Apresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redesApresentacao ac -_redes
Apresentacao ac -_redes
 
Meios físicos de transmição
Meios físicos de transmiçãoMeios físicos de transmição
Meios físicos de transmição
 
Meios físicos de transição
Meios físicos de transiçãoMeios físicos de transição
Meios físicos de transição
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
 
Aula - Cabeamentos
Aula - CabeamentosAula - Cabeamentos
Aula - Cabeamentos
 
Cabeamentos e conectores de rede
Cabeamentos e conectores de redeCabeamentos e conectores de rede
Cabeamentos e conectores de rede
 
Arquitectura de computadores
Arquitectura de computadoresArquitectura de computadores
Arquitectura de computadores
 
C:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\CablagemC:\Fakepath\Cablagem
C:\Fakepath\Cablagem
 
Cabos de red eimei
Cabos de red eimeiCabos de red eimei
Cabos de red eimei
 

Mais de Mauricio Volkweis Astiazara

Como Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionados
Como Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionadosComo Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionados
Como Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionados
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Sistemas Imunológicos Artificiais
Sistemas Imunológicos ArtificiaisSistemas Imunológicos Artificiais
Sistemas Imunológicos Artificiais
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Comparação de Algoritmos Baseados em Q-Learning
Comparação de Algoritmos Baseados em Q-LearningComparação de Algoritmos Baseados em Q-Learning
Comparação de Algoritmos Baseados em Q-Learning
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Classificador de Documentos Naïve Bayes
Classificador de Documentos Naïve BayesClassificador de Documentos Naïve Bayes
Classificador de Documentos Naïve Bayes
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Visão Computacional
Visão ComputacionalVisão Computacional
Visão Computacional
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre SaúdeSistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre SaúdeSistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Processamento de Imagens
Processamento de ImagensProcessamento de Imagens
Processamento de Imagens
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Percepção, Movimento e Ação
Percepção, Movimento e AçãoPercepção, Movimento e Ação
Percepção, Movimento e Ação
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Memória e Aprendizagem
Memória e AprendizagemMemória e Aprendizagem
Memória e Aprendizagem
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Gerência de Requisitos
Gerência de RequisitosGerência de Requisitos
Gerência de Requisitos
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Testes de Sistema
Testes de SistemaTestes de Sistema
Testes de Sistema
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Telefonia Móvel
Telefonia MóvelTelefonia Móvel
Telefonia Móvel
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Telefonia Móvel
Telefonia MóvelTelefonia Móvel
Telefonia Móvel
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Realidade Virtual
Realidade VirtualRealidade Virtual
Realidade Virtual
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Protótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de ElevadoresProtótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de Elevadores
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Protótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de ElevadoresProtótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de Elevadores
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Planejamento de Informática
Planejamento de InformáticaPlanejamento de Informática
Planejamento de Informática
Mauricio Volkweis Astiazara
 

Mais de Mauricio Volkweis Astiazara (20)

Como Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionados
Como Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionadosComo Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionados
Como Programar Melhor em Java: dicas e sites relacionados
 
Sistemas Imunológicos Artificiais
Sistemas Imunológicos ArtificiaisSistemas Imunológicos Artificiais
Sistemas Imunológicos Artificiais
 
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
 
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
Sistema Imunológico Artificial para Predição de Fraudes e Furtos de Energia E...
 
Comparação de Algoritmos Baseados em Q-Learning
Comparação de Algoritmos Baseados em Q-LearningComparação de Algoritmos Baseados em Q-Learning
Comparação de Algoritmos Baseados em Q-Learning
 
Classificador de Documentos Naïve Bayes
Classificador de Documentos Naïve BayesClassificador de Documentos Naïve Bayes
Classificador de Documentos Naïve Bayes
 
Visão Computacional
Visão ComputacionalVisão Computacional
Visão Computacional
 
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre SaúdeSistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
 
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre SaúdeSistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
Sistema de Recomendação de Páginas sobre Saúde
 
Processamento de Imagens
Processamento de ImagensProcessamento de Imagens
Processamento de Imagens
 
Percepção, Movimento e Ação
Percepção, Movimento e AçãoPercepção, Movimento e Ação
Percepção, Movimento e Ação
 
Memória e Aprendizagem
Memória e AprendizagemMemória e Aprendizagem
Memória e Aprendizagem
 
Gerência de Requisitos
Gerência de RequisitosGerência de Requisitos
Gerência de Requisitos
 
Testes de Sistema
Testes de SistemaTestes de Sistema
Testes de Sistema
 
Telefonia Móvel
Telefonia MóvelTelefonia Móvel
Telefonia Móvel
 
Telefonia Móvel
Telefonia MóvelTelefonia Móvel
Telefonia Móvel
 
Realidade Virtual
Realidade VirtualRealidade Virtual
Realidade Virtual
 
Protótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de ElevadoresProtótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de Elevadores
 
Protótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de ElevadoresProtótipo de Simulador de Elevadores
Protótipo de Simulador de Elevadores
 
Planejamento de Informática
Planejamento de InformáticaPlanejamento de Informática
Planejamento de Informática
 

Cabo Coaxial e Par Trançado

  • 1. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL COMUNIDADE EVANGÉLICA LUTERANA “SÃO PAULO” Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 681 de 07/12/89 – DOU de 11/12/89 Campus Torres Par Trançado e Cabo Coaxial Redes 1 Vitor Boque Rangel Magnus Hahn Mauricio Volkweis Astiazara Professor: André Peres Torres, Abril de 2002
  • 2. Sumário s Introdução s Par Trançado – Características Físicas – Velocidade – Vantagens e Desvantagens s Cabo Coaxial – Características Físicas – Velocidade – Vantagens e Desvantagens s Conclusão 2
  • 3. Introdução s Conhecimento superficial dois tipos de cabo s Principais características e diferenças s Exemplo de uso s Referência para futuras pesquisas 3
  • 4. 1 Par Trançado s 1.1 Características Físicas – Originalmente projetado para o tráfego telefônico analógico – Possuem dois ou mais fios entrelaçados em forma de espiral – Cada par é isolado do outro por material isolante – O objetivo do entrelaçamento é reduzir a indução de ruídos e manter as propriedades elétricas constantes – Cada par constitui um condutor positivo (normalmente um fio de cor laranja, verde, azul ou marrom) e negativo (normalmente de cor branca).4
  • 6. 1.1 Características Físicas s Cabos de Par Trançado Sem Blindagem (UTP - Unshielded Twisted Pair) s Cabos de Par Trançado Blindado (STP - Shielded Twisted Pair) 6
  • 7. 1.1 Características Físicas s Conector utilizado em redes baseadas no cabo de par trançado é o RJ-45 s Macho para os segmentos de par trançado e fêmea para as placas de rede. 7
  • 8. 1.2 Velocidade s São classificados quanto à sua amperagem: – Nível 3 (para redes de até 10 mbps, padrão 10BaseT para redes Ethernet); – Nível 4 (16 mbps, padrão 16BaseT, pouco utilizado); – Nível 5 (100 mbps, padrão 100BaseT). s Sua distância máxima é em torno de 90 metros s Em sistemas de baixa freqüência (abaixo de 100 kHz) a imunidade a ruído é muito boa 8
  • 9. 1.3 Vantagens s Baixo custo e alta flexibilidade s A transmissão e as dificuldades de conexão são muito menores que outros meios conhecidos s Possui facilidade de conexão de nós à rede 9
  • 10. 1.4 Desvantagens s Suscetibilidade às interferências eletromagnéticas e rádio freqüência s Esses efeitos podem, entretanto, ser minimizados com blindagem adequada 10
  • 11. 2 Cabo Coaxial s 2.1 Características Físicas – Constituído de dois condutores dispostos axialmente e separados entre si e envoltos por material isolante – O condutor interno, mais rígido, é feito de cobre e pode ser torcido ou sólido – O condutor externo é uma malha metálica que atua como a segunda metade do circuito elétrico e também protege o condutor interno contra interferências externas 11
  • 13. 2.1 Características Físicas s Existem cinco tipos de conectores para serem utilizados com cabos coaxiais: – conector BNC, padrão macho para as pontas do cabo coaxial e fêmea para as placas de rede – conector BNC tipo "T", liga dois conectores BNC macho ao conector BNC fêmea da placa de rede, – conector BNC tipo "I", que serve para ligar as extremidades de dois segmentos de cabo coaxial – conector Transceiver (ou conector "Vampiro") que serve para ligar um cabo coaxial grosso à estação – conector BNC de terminação que é colocado na extremidade final do segmento de rede. 13
  • 14. 2.2 Velocidade s Quando a malha externa é feita de alumínio o cabo coaxial é dito cabo coaxial grosso ou de banda larga s Se a malha externa for de cobre cabo coaxial fino ou cabo coaxial de banda base 14
  • 15. 2.2 Velocidade s Cabo Coaxial Banda Larga – Segue a especificação RG-213 A/U – Resistência de 75 ohms – Transmite dados numa velocidade de até 10 mbps à freqüência de 10 gigahertz – Obedecem ao padrão 10Base5 – Cada segmento da rede pode ter até 500 metros – Cada segmento comporta até 100 nós – A distância mínima entre cada nó da rede é de 2,5 metros 15
  • 16. 2.2 Velocidade s Cabo Coaxial Banda Base – Segue a especificação RG-58 A/U – A resistência obtida é de 50 ohms – Transmite dados à velocidade de 10 mbps a uma freqüência de 2 gigahertz – Obedece ao padrão 10Base2 – Cada segmento da rede pode ter no máximo 185 metros – Cada segmento comporta até 30 nós – A distância mínima entre cada nó da rede é de 0,5 metro 16
  • 17. 2.3 Vantagens s As características elétricas são bastante favoráveis à transmissão de sinais de alta freqüência s Possui boa imunidade a interferências externas s Mantém uma capacidade constante e baixa 17
  • 18. 2.4 Desvantagens s É menos flexível que o Par Trançado. s O seu processo de instalação é mais complicado s Custo elevado, embora seus benefícios sejam bem maiores 18
  • 19. Conclusão s Pelas características de cada um dos tipos de cabo, eles devem ser usados em situações diferentes s O cabo coaxial, pela sua grande capacidade de transmissão, proteção à interferências externas mas ao mesmo tempo rigidez, elevado custo e dificuldade de manipulação deve ser usado para pontos geograficamente distantes, na maior parte, uso externo 19
  • 20. Conclusão s Já o par trançado deve ser utilizado para ligar pontos próximos, dentro de espaços físicos geralmente pequenos e internos. Isso é permitido devido à flexibilidade, baixo custo e facilidade de manipulação do cabo de par trançado. 20