SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelo TCP/IP
Professor: Alberto Felipe Friedrichs Barros
O padrão técnico da Internet é o modelo TCP/IP. Surgiu por volta de 1960, desenvolvido pelo
Departamento de Defesa Americano, com o intuito de preservar a integridade dos dados, sem
que os mesmos fossem interceptados por inimigos principalmente em épocas de guerra.
A ARPANet (Advanced Research Projects Agency Network) foi a primeira rede operacional de
computadores baseada na técnica de comutação de pacotes, e pode ser considerada a rede
precursora da Internet atual. Nasceu com o objetivo de conectar as bases militares e os
departamentos de pesquisa do governo americano.
A ARPANet surgiu como uma rede que permaneceria intacta caso um dos servidores perdesse a
conexão, e para isso, ela necessitava de protocolos que assegurassem tais funcionalidades
trazendo confiabilidade, flexibilidade e que fosse fácil de implementar. Foi desenvolvida então,
na Universidade de Berkeley na Califórnia, a arquitetura TCP/IP. Permitindo em 1968 ligar
universidades a bases militares.
Para permitir que várias redes se conectassem de maneira uniforme evitando problemas e
conflitos, foi definida em 1974 uma arquitetura de referência, que ficou conhecida como Modelo
de Referência TCP/IP. Quatro versões do TCP/IP foram desenvolvidas na época. A migração da
ARPANET para TCP/IP foi oficialmente completada em 1983.
Ao contrário das tecnologias de rede proprietárias, o TCP/IP foi projetado como um padrão
ABERTO. Isto queria dizer que qualquer pessoa tinha a liberdade de usar o TCP/IP. Isto ajudou
muito no rápido desenvolvimento do TCP/IP como padrão.
TCP/IP foi criado com um objetivo militar para responder a diversos critérios, entre os quais:
fracionamento das mensagens em pacotes, utilização de um sistema de endereços,
encaminhamento dos dados na rede (roteamento) e o controle dos erros da transmissão de dados.
O TCP/IP é um conjunto ou pilha de protocolos é divididos em 4 camadas. Seu nome vem de
dois dos principais protocolos utilizados: o TCP (Protocolo de Controle de Transmissão) e o IP
(Protocolo de Internet).
Aplicação
Transporte
Internet
Acesso a rede
Os principais objetivos da criação do Protocolo TCP/IP foram:
• Obter um protocolo que fosse compatível com todos os tipos de redes;
• Que fosse interoperável entre todos os fabricantes;
• Possuísse uma comunicação robusta (confiável e com baixo índice de falhas);
• Escalonável (passível de ser colocada em níveis ou etapas);
• Que suportasse o crescimento das redes de uma forma segura e confiável;
• E que fosse dinâmico e de fácil configuração.
Faz a comunicação entre os programas e a camada de transporte. Os protolocos mais utilizados são:
HTTP: protocolo de transferência de hipertexto e SMTP: protocolo para transferencia de e-mail.
Camada de Aplicação
A camada de aplicação se comunica com a camada de transporte através de uma porta; Portas
são numeradas e as aplicações utilizam sempre a mesma porta; SMTP porta 25 e HTTP porta 80.
Programa de e-mail
SMTP
TCP
Camada de Aplicação
Camada de Transporte
SMTP
Porta 25
Lista de Portas
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_portas_dos_protocolos_TCP_e_UDP
• Responsável pela integridade dos dados;
• Resolução de problemas de confiabilidade (dados que chegaram ao destino);
• Determina para qual aplicativo os dados serão enviados;
• Recebe os dados da camada de aplicação e os converte para pacotes;
• Dois protocolos: TCP (Transmission Control Protocol) e UDP (User Datagram Protocol).
Camada de Transporte
• Orientado à conexão. Entrega Garantida;
• É garantida a ordem de recebimento das mensagens, transmissão sequencial;
• Pesado, devido à elevada informação no cabeçalho das mensagens;
TCP:
Ele foi projetado para fornecer o serviço de transferência confiável entre redes com topologias,
largura de banda, tamanho de pacotes, atrasos, entre outras configurações distintas. Portanto
o objetivo do TCP é fornecer um serviço confiável em uma rede não confiável.
SOURCE PORT: Porta origem da mensagem
DESTINATION PORT: Porta destino da mensagem
SEQUENCE NUMBER: Número de sequência dos dados transmitidos.
ACKNOWLEDGE NUMBER: Número do reconhecimento dos dados recebidos.
WINDOW: Por meio deste valor, o TCP pode realizar um controle adequando de fluxo para evitar a sobrecarga do receptor.
OPTIONS: Negociação do MSS (Maximum Segment Size) que o TCP pode transmitir. calculado com base no MTU
FLAGS: São formados por seis bits, URG, ACK, PSH, RST, SYN e FIN que significam:
URG "bit de Urgência": indica que o segmento contém dados urgentes que devem ser lidos com prioridade pela aplicação.
ACK "bit de Reconhecimento": indica que está carregando um reconhecimento válido.
PSH "bit de PUSH": solicita a transmissão rápida dos dados enviados, mesmo que contenha um número baixo de bytes.
RST "bit de RESET": Informa o destino que a ligação foi abortada neste sentido pela origem.
SYN "bit de Sincronismo": Informa que este é um dos dois primeiros segmentos de estabelecimento da conexão.
FIN "bit de Terminação": Indica que este pacote é um dos pacotes de finalização da ligação.
Em uma conexão TCP, antes do processo da aplicação enviar dados ao destinatário é preciso
estabelecer uma conexão, ou seja, o remetente e destinatário precisam trocar alguns segmentos
preliminares para acordar sobre parâmetros de transferência. Pelo fato do estabelecimento de
conexão ser necessário, dizemos que o TCP é orientado à conexão. Essa conexão é estabelecida
com um procedimento “Handshake” (em português "aperto de mãos", ou seja, fase de
estabelecimento do acordo) de 3 passos (three-way handshake)
Three-way handshake
Three-way handshake
Three-way handshake
• Sem conexão. Entrega não garantida;
• Protocolo Leve, devido à pouca informação no cabeçalho;
• Usado para aplicações do tipo streaming de vídeo ou voz onde se possa perder alguns
dados sem comprometer a recepção da informação. O controle de erros pode ser utilizado na
aplicação.
UDP
A estrutura do pacote udp, consiste em um cabeçalho de 8 bytes, sendo quatro campos de 2 bytes
cada. Os campos que representam o número da porta da fonte e do destino servem para que a
camada de transporte entregue o segmento para o processo da aplicação correta. O campo do
comprimento informa o tamanho total do segmento UDP, incluindo os 8 bytes do cabeçalho. Já o
checksum, ou soma de verificação, serve para o receptor verificar se ocorreu algum erro com o
segmento.
Em uma transmissão, os dados atravessam cada uma das camadas da máquina emissora. E, em
cada camada, uma informação é acrescentada ao pacote de dados, trata-se de um cabeçalho, um
conjunto de informações que garantem a transmissão. Na máquina receptora, durante a passagem
em cada camada, o cabeçalho é lido e excluído. Assim, no momento da recepção, a mensagem fica
no seu estado original.O pacote de dados muda de aspecto no processo da transmissão, porque
ele recebe um cabeçalho e as denominações se alteram de acordo com as camadas: o pacote de
dados é chamado de dados na camada de Aplicação. Depois disso, a mensagem é encapsulada
como pacote na camada de Transporte. Em seguida, depois do segmento ser encapsulado na
camada de Internet, ele leva o nome de datagrama.
PDU
Dados
Dados
Cabeçalho
TCP/UDP
Camada de Aplicação
Camada de Transporte
Pacote
Cada computador é identificado com um endereço único chamado IP. Em uma rede local se o
computador A deseja enviar dados para o computador B ele precisa saber apenas o endereço Mac
do computador B. O Problema é em uma rede global. Solução: endereço IP para identificação do
computador de origem e destino encontrado por meio de roteadores que estabelece a melhor
rota entre origem e destino.
Camada de Internet
VERSION: Informa qual a versão do protocolo IP que está a ser utilizado. Pode ser o IPv4 ou Ipv6.
HEADER LENGTH : Informa qual o comprimento do cabeçalho IP, grupos de 4 bytes.
TIME-TO-LIVE : Este valor é decrementado a cada 1 segundo que o pacote passa na rede e a cada router pelo qual ele passa.
Serve para limitar a duração do pacote IP a circular na rede. Este valor serve para evitar que um pacote caia num ciclo e se
encontre a circular eternamente entre routers. Quando atingir o valor nulo, o pacote IP é descartado.
PROTOCOL: Informa qual o protocolo de mais alto-nível que está a ser carregado no campo de dados. O IP pode carregar
mensagens UDP, TCP, ICMP, etc.
HEADER CHECKSUM: Valor que ajuda a garantir a integridade do cabeçalho do pacote IP
SOURCE ADDRESS : Endereço IP do host de origem do pacote IP
DESTINATION ADDRESS: Endereço IP do host de destino do pacote IP
Dados
Dados
Cabeçalho
TCP/UDP
Dados
Cabeçalho
TCP/UDP
Cabeçalho
IP
Camada de Aplicação
Camada de Transporte
Camada de Internet
Datagrama (até 65.535 bytes)
• Camada de abstração de hardware tem como principal função à interface do modelo
TCP/IP com os diversos tipos de redes (X.25, ATM, FDDI, Ethernet, Token Ring, Frame
Relay, PPP e SLIP).
• Esta camada lida com todos os componentes, tanto físico como lógico, que são
necessários para fazer um link físico. Isso inclui os detalhes da tecnologia de redes,
inclusive todos os detalhes nas camadas física e de enlace do OSI.
Camada de Acesso a rede
• Envia os quadros da camada de rede de um dispositivo para outro; Processo controlado pelo
driver da placa de rede;
• Interface para as diversas tecnologias de rede (Ethernet, Tokeng Ring, FDDI)
Camada de Acesso a rede
Ethernet é uma arquitetura de interconexão para redes locais baseada no envio de pacotes. Ela
define cabeamento e sinais elétricos para a camada física, e formato de pacotes e protocolos
para a camada de controle de acesso ao meio. Seu funcionamento parte do princípio de todos
os computadores compartilharem uma mesma linha, isto significa que, quando uma linha
estiver em uso, nenhum outro computador poderá enviar informações até que a linha esteja
livre.
Ethernet
Token ring é um protocolo de redes que opera na camada física (ligação de dados) e de enlace
do modelo OSI dependendo da sua aplicação. Utilizado na topologia em anel em que as estações
devem aguardar a sua recepção para transmitir. A transmissão dá-se durante uma pequena
janela de tempo, e apenas por quem detém o token
Token ring
Camadas e protocolos
Hierarquia de protocolos
OSI X TCP/IP - Semelhanças
• Ambos têm camadas.
• Ambos têm camadas de aplicação, embora incluam serviços diferentes.
• Ambos têm camadas de transporte e de rede comparáveis.
• Resposta para os problemas de interoperabilidade em redes.
OSI X TCP/IP – Diferenças
• O TCP/IP combina os aspectos das camadas de aplicação,apresentação e de sessão dentro da
sua camada de aplicação e combina as camadas física e de enlace do OSI na camada de
acesso à rede.
• O modelo OSI é tido apenas como referência enquanto o TCP-IP é o modelo aplicado, junto
aos protocolos de cada camada, na maioria das redes de computadores, inclusive na
INTERNET.
• Os protocolos TCP/IP são os padrões em torno dos quais a Internet se desenvolveu, portanto
o modelo TCP/IP ganha credibilidade apenas por causa dos seus protocolos. O modelo OSI é
usado como guia para o entendimento do processo de comunicação.
Como o Modelo OSI descreve o TCP/IP
39
Acesso a Rede
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
Susana Oliveira
 
Modelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSIModelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSI
Alberto Felipe Friderichs Barros
 
Redes de Computadores - Aula 01
Redes de Computadores - Aula 01Redes de Computadores - Aula 01
Redes de Computadores - Aula 01
thomasdacosta
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
Fábio Eliseu
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
hallogui
 
Calculo de endereço ip
Calculo de endereço ipCalculo de endereço ip
Calculo de endereço ip
Marcelo Vicente Freire Alves
 
Protocolos TCP/IP
Protocolos TCP/IPProtocolos TCP/IP
Protocolos TCP/IP
Murilo Rodrigues
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Jakson Silva
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Mauro Tapajós
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Leonardo Bruno
 
Topologia em redes
Topologia em redesTopologia em redes
Topologia em redes
Yohana Alves
 
Endereçamento IP
Endereçamento IPEndereçamento IP
Endereçamento IP
Pjpilin
 
Modelo osi
Modelo osiModelo osi
Modelo osi
Ana Santos
 
CEF: Modelo OSI
CEF: Modelo OSICEF: Modelo OSI
conteúdos UFCD 0771.ppt
conteúdos UFCD 0771.pptconteúdos UFCD 0771.ppt
conteúdos UFCD 0771.ppt
olivervis
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
Wellington Oliveira
 
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IPAula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Filipo Mór
 
Protocolo TCP/IP
Protocolo TCP/IPProtocolo TCP/IP
Protocolo TCP/IP
Fernando Costa
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
Armando Rivarola
 
Modelo osi
Modelo osiModelo osi

Mais procurados (20)

Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
 
Modelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSIModelo de Referência OSI
Modelo de Referência OSI
 
Redes de Computadores - Aula 01
Redes de Computadores - Aula 01Redes de Computadores - Aula 01
Redes de Computadores - Aula 01
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
 
Calculo de endereço ip
Calculo de endereço ipCalculo de endereço ip
Calculo de endereço ip
 
Protocolos TCP/IP
Protocolos TCP/IPProtocolos TCP/IP
Protocolos TCP/IP
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de DadosRedes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
Redes I - 1.Introdução às Redes de Comunicação de Dados
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
Topologia em redes
Topologia em redesTopologia em redes
Topologia em redes
 
Endereçamento IP
Endereçamento IPEndereçamento IP
Endereçamento IP
 
Modelo osi
Modelo osiModelo osi
Modelo osi
 
CEF: Modelo OSI
CEF: Modelo OSICEF: Modelo OSI
CEF: Modelo OSI
 
conteúdos UFCD 0771.ppt
conteúdos UFCD 0771.pptconteúdos UFCD 0771.ppt
conteúdos UFCD 0771.ppt
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
 
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IPAula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
 
Protocolo TCP/IP
Protocolo TCP/IPProtocolo TCP/IP
Protocolo TCP/IP
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
 
Modelo osi
Modelo osiModelo osi
Modelo osi
 

Semelhante a Modelo TCP/IP

Intro_redes.pdf
Intro_redes.pdfIntro_redes.pdf
Intro_redes.pdf
fabio154906
 
Protocolos de transporte
Protocolos de transporteProtocolos de transporte
Protocolos de transporte
Joel Saramago
 
Rct 15 - camada de transporte
Rct   15 - camada de transporteRct   15 - camada de transporte
Rct 15 - camada de transporte
Universal.org.mx
 
Redes Camadas de Transporte
Redes Camadas de TransporteRedes Camadas de Transporte
Redes Camadas de Transporte
leoteles92
 
Redes aula13
Redes aula13Redes aula13
Redes aula13
leoteles92
 
Camadas de Transporte
Camadas de TransporteCamadas de Transporte
Camadas de Transporte
leoteles92
 
Redes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-RedesRedes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-Redes
Luiz Arthur
 
ModeloOsi_ModeloTcpIp.pptx
ModeloOsi_ModeloTcpIp.pptxModeloOsi_ModeloTcpIp.pptx
ModeloOsi_ModeloTcpIp.pptx
DarioLana1
 
Trabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporteTrabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporte
Aluno QI - Escolas e Faculdades - bObY
 
Modelos osi tcpip
Modelos osi tcpipModelos osi tcpip
Modelos osi tcpip
Suguha
 
Protocolo UDP
Protocolo UDPProtocolo UDP
Protocolo UDP
César Augusto Pessôa
 
Protocolos TCP IP UDP
Protocolos TCP IP UDPProtocolos TCP IP UDP
Protocolos TCP IP UDP
André Nobre
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
wolkartt_18
 
Esquema tcp ip trabalho
Esquema tcp ip trabalhoEsquema tcp ip trabalho
Esquema tcp ip trabalho
Paula Lopes
 
Protocolo tcp ip
Protocolo tcp ipProtocolo tcp ip
Protocolo tcp ip
redesinforma
 
Ac.m4 tarefa video-emil
Ac.m4 tarefa video-emilAc.m4 tarefa video-emil
Ac.m4 tarefa video-emil
fantic3o
 
Tcp
TcpTcp
Tcp
TcpTcp
Redes - TCP/IP
Redes - TCP/IPRedes - TCP/IP
Redes - TCP/IP
Luiz Arthur
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
doctorweb
 

Semelhante a Modelo TCP/IP (20)

Intro_redes.pdf
Intro_redes.pdfIntro_redes.pdf
Intro_redes.pdf
 
Protocolos de transporte
Protocolos de transporteProtocolos de transporte
Protocolos de transporte
 
Rct 15 - camada de transporte
Rct   15 - camada de transporteRct   15 - camada de transporte
Rct 15 - camada de transporte
 
Redes Camadas de Transporte
Redes Camadas de TransporteRedes Camadas de Transporte
Redes Camadas de Transporte
 
Redes aula13
Redes aula13Redes aula13
Redes aula13
 
Camadas de Transporte
Camadas de TransporteCamadas de Transporte
Camadas de Transporte
 
Redes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-RedesRedes - Camada de Inter-Redes
Redes - Camada de Inter-Redes
 
ModeloOsi_ModeloTcpIp.pptx
ModeloOsi_ModeloTcpIp.pptxModeloOsi_ModeloTcpIp.pptx
ModeloOsi_ModeloTcpIp.pptx
 
Trabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporteTrabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporte
 
Modelos osi tcpip
Modelos osi tcpipModelos osi tcpip
Modelos osi tcpip
 
Protocolo UDP
Protocolo UDPProtocolo UDP
Protocolo UDP
 
Protocolos TCP IP UDP
Protocolos TCP IP UDPProtocolos TCP IP UDP
Protocolos TCP IP UDP
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
 
Esquema tcp ip trabalho
Esquema tcp ip trabalhoEsquema tcp ip trabalho
Esquema tcp ip trabalho
 
Protocolo tcp ip
Protocolo tcp ipProtocolo tcp ip
Protocolo tcp ip
 
Ac.m4 tarefa video-emil
Ac.m4 tarefa video-emilAc.m4 tarefa video-emil
Ac.m4 tarefa video-emil
 
Tcp
TcpTcp
Tcp
 
Tcp
TcpTcp
Tcp
 
Redes - TCP/IP
Redes - TCP/IPRedes - TCP/IP
Redes - TCP/IP
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
 

Mais de Alberto Felipe Friderichs Barros

Linux
LinuxLinux
Introducao ao linux
Introducao ao linuxIntroducao ao linux
Classificacao
ClassificacaoClassificacao
História e evolução dos computadores
História e evolução dos computadores História e evolução dos computadores
História e evolução dos computadores
Alberto Felipe Friderichs Barros
 
Pilha de protocolos
Pilha de protocolosPilha de protocolos
Roteamento
RoteamentoRoteamento

Mais de Alberto Felipe Friderichs Barros (6)

Linux
LinuxLinux
Linux
 
Introducao ao linux
Introducao ao linuxIntroducao ao linux
Introducao ao linux
 
Classificacao
ClassificacaoClassificacao
Classificacao
 
História e evolução dos computadores
História e evolução dos computadores História e evolução dos computadores
História e evolução dos computadores
 
Pilha de protocolos
Pilha de protocolosPilha de protocolos
Pilha de protocolos
 
Roteamento
RoteamentoRoteamento
Roteamento
 

Modelo TCP/IP

  • 1. Modelo TCP/IP Professor: Alberto Felipe Friedrichs Barros
  • 2. O padrão técnico da Internet é o modelo TCP/IP. Surgiu por volta de 1960, desenvolvido pelo Departamento de Defesa Americano, com o intuito de preservar a integridade dos dados, sem que os mesmos fossem interceptados por inimigos principalmente em épocas de guerra.
  • 3. A ARPANet (Advanced Research Projects Agency Network) foi a primeira rede operacional de computadores baseada na técnica de comutação de pacotes, e pode ser considerada a rede precursora da Internet atual. Nasceu com o objetivo de conectar as bases militares e os departamentos de pesquisa do governo americano.
  • 4. A ARPANet surgiu como uma rede que permaneceria intacta caso um dos servidores perdesse a conexão, e para isso, ela necessitava de protocolos que assegurassem tais funcionalidades trazendo confiabilidade, flexibilidade e que fosse fácil de implementar. Foi desenvolvida então, na Universidade de Berkeley na Califórnia, a arquitetura TCP/IP. Permitindo em 1968 ligar universidades a bases militares.
  • 5. Para permitir que várias redes se conectassem de maneira uniforme evitando problemas e conflitos, foi definida em 1974 uma arquitetura de referência, que ficou conhecida como Modelo de Referência TCP/IP. Quatro versões do TCP/IP foram desenvolvidas na época. A migração da ARPANET para TCP/IP foi oficialmente completada em 1983.
  • 6. Ao contrário das tecnologias de rede proprietárias, o TCP/IP foi projetado como um padrão ABERTO. Isto queria dizer que qualquer pessoa tinha a liberdade de usar o TCP/IP. Isto ajudou muito no rápido desenvolvimento do TCP/IP como padrão.
  • 7. TCP/IP foi criado com um objetivo militar para responder a diversos critérios, entre os quais: fracionamento das mensagens em pacotes, utilização de um sistema de endereços, encaminhamento dos dados na rede (roteamento) e o controle dos erros da transmissão de dados.
  • 8. O TCP/IP é um conjunto ou pilha de protocolos é divididos em 4 camadas. Seu nome vem de dois dos principais protocolos utilizados: o TCP (Protocolo de Controle de Transmissão) e o IP (Protocolo de Internet). Aplicação Transporte Internet Acesso a rede
  • 9. Os principais objetivos da criação do Protocolo TCP/IP foram: • Obter um protocolo que fosse compatível com todos os tipos de redes; • Que fosse interoperável entre todos os fabricantes; • Possuísse uma comunicação robusta (confiável e com baixo índice de falhas); • Escalonável (passível de ser colocada em níveis ou etapas); • Que suportasse o crescimento das redes de uma forma segura e confiável; • E que fosse dinâmico e de fácil configuração.
  • 10.
  • 11. Faz a comunicação entre os programas e a camada de transporte. Os protolocos mais utilizados são: HTTP: protocolo de transferência de hipertexto e SMTP: protocolo para transferencia de e-mail. Camada de Aplicação
  • 12. A camada de aplicação se comunica com a camada de transporte através de uma porta; Portas são numeradas e as aplicações utilizam sempre a mesma porta; SMTP porta 25 e HTTP porta 80. Programa de e-mail SMTP TCP Camada de Aplicação Camada de Transporte SMTP Porta 25
  • 14. • Responsável pela integridade dos dados; • Resolução de problemas de confiabilidade (dados que chegaram ao destino); • Determina para qual aplicativo os dados serão enviados; • Recebe os dados da camada de aplicação e os converte para pacotes; • Dois protocolos: TCP (Transmission Control Protocol) e UDP (User Datagram Protocol). Camada de Transporte
  • 15. • Orientado à conexão. Entrega Garantida; • É garantida a ordem de recebimento das mensagens, transmissão sequencial; • Pesado, devido à elevada informação no cabeçalho das mensagens; TCP:
  • 16. Ele foi projetado para fornecer o serviço de transferência confiável entre redes com topologias, largura de banda, tamanho de pacotes, atrasos, entre outras configurações distintas. Portanto o objetivo do TCP é fornecer um serviço confiável em uma rede não confiável.
  • 17. SOURCE PORT: Porta origem da mensagem DESTINATION PORT: Porta destino da mensagem SEQUENCE NUMBER: Número de sequência dos dados transmitidos. ACKNOWLEDGE NUMBER: Número do reconhecimento dos dados recebidos. WINDOW: Por meio deste valor, o TCP pode realizar um controle adequando de fluxo para evitar a sobrecarga do receptor. OPTIONS: Negociação do MSS (Maximum Segment Size) que o TCP pode transmitir. calculado com base no MTU FLAGS: São formados por seis bits, URG, ACK, PSH, RST, SYN e FIN que significam: URG "bit de Urgência": indica que o segmento contém dados urgentes que devem ser lidos com prioridade pela aplicação. ACK "bit de Reconhecimento": indica que está carregando um reconhecimento válido. PSH "bit de PUSH": solicita a transmissão rápida dos dados enviados, mesmo que contenha um número baixo de bytes. RST "bit de RESET": Informa o destino que a ligação foi abortada neste sentido pela origem. SYN "bit de Sincronismo": Informa que este é um dos dois primeiros segmentos de estabelecimento da conexão. FIN "bit de Terminação": Indica que este pacote é um dos pacotes de finalização da ligação.
  • 18. Em uma conexão TCP, antes do processo da aplicação enviar dados ao destinatário é preciso estabelecer uma conexão, ou seja, o remetente e destinatário precisam trocar alguns segmentos preliminares para acordar sobre parâmetros de transferência. Pelo fato do estabelecimento de conexão ser necessário, dizemos que o TCP é orientado à conexão. Essa conexão é estabelecida com um procedimento “Handshake” (em português "aperto de mãos", ou seja, fase de estabelecimento do acordo) de 3 passos (three-way handshake)
  • 22. • Sem conexão. Entrega não garantida; • Protocolo Leve, devido à pouca informação no cabeçalho; • Usado para aplicações do tipo streaming de vídeo ou voz onde se possa perder alguns dados sem comprometer a recepção da informação. O controle de erros pode ser utilizado na aplicação. UDP
  • 23. A estrutura do pacote udp, consiste em um cabeçalho de 8 bytes, sendo quatro campos de 2 bytes cada. Os campos que representam o número da porta da fonte e do destino servem para que a camada de transporte entregue o segmento para o processo da aplicação correta. O campo do comprimento informa o tamanho total do segmento UDP, incluindo os 8 bytes do cabeçalho. Já o checksum, ou soma de verificação, serve para o receptor verificar se ocorreu algum erro com o segmento.
  • 24. Em uma transmissão, os dados atravessam cada uma das camadas da máquina emissora. E, em cada camada, uma informação é acrescentada ao pacote de dados, trata-se de um cabeçalho, um conjunto de informações que garantem a transmissão. Na máquina receptora, durante a passagem em cada camada, o cabeçalho é lido e excluído. Assim, no momento da recepção, a mensagem fica no seu estado original.O pacote de dados muda de aspecto no processo da transmissão, porque ele recebe um cabeçalho e as denominações se alteram de acordo com as camadas: o pacote de dados é chamado de dados na camada de Aplicação. Depois disso, a mensagem é encapsulada como pacote na camada de Transporte. Em seguida, depois do segmento ser encapsulado na camada de Internet, ele leva o nome de datagrama.
  • 26. Cada computador é identificado com um endereço único chamado IP. Em uma rede local se o computador A deseja enviar dados para o computador B ele precisa saber apenas o endereço Mac do computador B. O Problema é em uma rede global. Solução: endereço IP para identificação do computador de origem e destino encontrado por meio de roteadores que estabelece a melhor rota entre origem e destino. Camada de Internet
  • 27.
  • 28.
  • 29. VERSION: Informa qual a versão do protocolo IP que está a ser utilizado. Pode ser o IPv4 ou Ipv6. HEADER LENGTH : Informa qual o comprimento do cabeçalho IP, grupos de 4 bytes. TIME-TO-LIVE : Este valor é decrementado a cada 1 segundo que o pacote passa na rede e a cada router pelo qual ele passa. Serve para limitar a duração do pacote IP a circular na rede. Este valor serve para evitar que um pacote caia num ciclo e se encontre a circular eternamente entre routers. Quando atingir o valor nulo, o pacote IP é descartado. PROTOCOL: Informa qual o protocolo de mais alto-nível que está a ser carregado no campo de dados. O IP pode carregar mensagens UDP, TCP, ICMP, etc. HEADER CHECKSUM: Valor que ajuda a garantir a integridade do cabeçalho do pacote IP SOURCE ADDRESS : Endereço IP do host de origem do pacote IP DESTINATION ADDRESS: Endereço IP do host de destino do pacote IP
  • 30. Dados Dados Cabeçalho TCP/UDP Dados Cabeçalho TCP/UDP Cabeçalho IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Internet Datagrama (até 65.535 bytes)
  • 31. • Camada de abstração de hardware tem como principal função à interface do modelo TCP/IP com os diversos tipos de redes (X.25, ATM, FDDI, Ethernet, Token Ring, Frame Relay, PPP e SLIP). • Esta camada lida com todos os componentes, tanto físico como lógico, que são necessários para fazer um link físico. Isso inclui os detalhes da tecnologia de redes, inclusive todos os detalhes nas camadas física e de enlace do OSI. Camada de Acesso a rede
  • 32. • Envia os quadros da camada de rede de um dispositivo para outro; Processo controlado pelo driver da placa de rede; • Interface para as diversas tecnologias de rede (Ethernet, Tokeng Ring, FDDI) Camada de Acesso a rede
  • 33. Ethernet é uma arquitetura de interconexão para redes locais baseada no envio de pacotes. Ela define cabeamento e sinais elétricos para a camada física, e formato de pacotes e protocolos para a camada de controle de acesso ao meio. Seu funcionamento parte do princípio de todos os computadores compartilharem uma mesma linha, isto significa que, quando uma linha estiver em uso, nenhum outro computador poderá enviar informações até que a linha esteja livre. Ethernet
  • 34. Token ring é um protocolo de redes que opera na camada física (ligação de dados) e de enlace do modelo OSI dependendo da sua aplicação. Utilizado na topologia em anel em que as estações devem aguardar a sua recepção para transmitir. A transmissão dá-se durante uma pequena janela de tempo, e apenas por quem detém o token Token ring
  • 37. OSI X TCP/IP - Semelhanças • Ambos têm camadas. • Ambos têm camadas de aplicação, embora incluam serviços diferentes. • Ambos têm camadas de transporte e de rede comparáveis. • Resposta para os problemas de interoperabilidade em redes.
  • 38. OSI X TCP/IP – Diferenças • O TCP/IP combina os aspectos das camadas de aplicação,apresentação e de sessão dentro da sua camada de aplicação e combina as camadas física e de enlace do OSI na camada de acesso à rede. • O modelo OSI é tido apenas como referência enquanto o TCP-IP é o modelo aplicado, junto aos protocolos de cada camada, na maioria das redes de computadores, inclusive na INTERNET. • Os protocolos TCP/IP são os padrões em torno dos quais a Internet se desenvolveu, portanto o modelo TCP/IP ganha credibilidade apenas por causa dos seus protocolos. O modelo OSI é usado como guia para o entendimento do processo de comunicação.
  • 39. Como o Modelo OSI descreve o TCP/IP 39 Acesso a Rede