SlideShare uma empresa Scribd logo
Códigos Convolucionais
                               Mauro Tapajós Santos (1/1996)
Introdução


       Existem duas classificações básicas para codigos corretores de erro: códigos de
bloco e códigos de "árvore".
       Um códigos de bloco é o mapeamento de k símbolos de entrada em n símbolos de
saída. O número n pode ser maior ou igual a k, se for maior, os símbolos a mais são
redundantes com finalidades de prover deteção e/ou correção de erros. Este codificador
não possue memória, pois a cada grupo de k símbolos é gerado um grupo de n símbolos
definido.
       Códigos de árvore são caracterizados por serem gerados num codificador que
possua memória. Os códigos convolucionais são um subconjunto dos códigos de árvore.
       O codificador convolucional aceita k símbolos na entrada e produz n símbolos na
saída que são gerados em função de v + k símbolos de entrada. O sistema possui memória
em função de v ser maior que zero. O valor R = k / n é definido como a taxa de código.




                                Esquema do codificador convolucional
       Um exemplo é dado a seguir.



                                             1
Exemplo: Codificador Convolucional com k = 1, n = 2 e memória de 3 símbolos (m = 3)




o código é gerado inserindo-se um bit de dado no circuito e o comutador da saída efetua
uma rotação completa. Este código apresenta taxa de R = k/n =½. A decodificação é feita
continuamente. Uma outra maneira de se entender a decodificação é o percurso através de
uma árvore de código. Cada ramo percorrido é associado a um bit ou grupo de bits. No
final, os bits decodificados estarão nas "folhas" da árvore.
       A matriz "check" de paridade H de um código convolucional (mn0,mk0) com
distância mínima d pode ser associado com a matriz H de um código de blocos linear de
mesmo comprimento e com o mesmo número de símbolos.



Cronologia
       1955 - Elias ("Coding for noisy channels"): primeira idéia sobre códigos
       convolucionais.
       1959 - Hagelbarger: primeira idéia sobre códigos convolucionais corretores de
       erros em salva.
       1961/63 - Wozencraft, Reiffen e Fano: desenvolveram e aprimoraram o
       primeiro algoritmo decodificador para códigos convolucionais.




                                              2
1963 - Wyner e Ash: definiram códigos com capacidade de correção de erros
       em salva B2 e seus limites.
       1965 - Pinsker ("On the complexity of decoding"): refutou a hipótese de que,
       para códigos com taxa maior que Rcomp (teórica taxa limite para se limitar a média
       de computações), não se poderia desenvolver algoritmos que funcionassem
       adequadamente no intervalo entre Rcomp e a capacidade do canal.
       1967 - Viterbi ("Error bounds for convolutional codes and an
       asymptotically optimum decoding algorithm"): desenvolveu um algoritmo
       efetivo na decodificação de códigos convolucionais com pequeno K (constraint
       length). Este algoritmo ficou conhecido como "algoritmo de Viterbi".



Códigos Convolucionais para Correção de Erros em Salva


Definições


       Capacidade de correção de salvas tipo-B2 : um código convolucional (mn0,mk0)
é dito ter capacidade de correção de salvas tipo-B2 (B2 = rn0) se todas as salvas de
comprimento B2 confinadas em r blocos consecutivos são corrigíveis e pelo menos uma
salva de comprimento (r+1)n0 não é corrigível. A Capacidade de Correção de Salvas (b)
destes tipos de códigos respeita a relação b2  ( n0  1)  b  b2  ( n0  1) , o que pode ser
checado a partir da definição acima. Este valor está limitado a


                                          ( m  1)( n 0  k 0 )
                                     b                          n0  1
                                                     k0
                                              (1  )
                                                     n0


       Quanto maior este número, maior será a capacidade de correção de erros em
salvas (salvas de maior comprimento).


       Espaço de guarda do código (g) : uma salva de comprimento l < b é corrigível
desde que seja sucedida por um conjunto mínimo de símbolos. O maior número necessário


                                                3
para corrigir qualquer salva corrigível é chamado de Espaço de guarda do Código. Este
valor é função de como o código é decodificado e é preferível minimizado ao máximo,
pois erros durante este período podem causar decodificação errada. Para qualquer código
(n,k), este número está limitado a g  n  1 , para muitos códigos g = n - b.


       Interleaving : os códigos normalmente são desenvolvidos para a correção de
erros isolados dentro de um certo bloco de símbolos. Alguns canais podem apresentar
ruídos que se traduzem em grandes sequências de erros seguidos (salvas), gerando
sequências de erros também na saída do decodificador. Uma forma de minimizar esta
situação é a técnica de Interleaving, onde os símbolos de um determinado bloco são
"embaralhados" dentro do fluxo de símbolos, de maneira que, no decodificador, estes
possam ser reagrupados. Desta maneira, os erros em salva produzidos pelo ruído do canal
se transformarão em vários erros isolados dentro de blocos de símbolos independentes, e
poderão ser corrigidos.


       Grau de Interleaving (i) : é a quantidade de "subfluxos" no qual o fluxo de dados
real é efetivamente dividido. Existem dois tipos de Interleaving: de símbolos e de blocos.
No primeiro o 0 símbolo, o (i+1)-ésimo, o (2i+1)-ésimo, etc.. são codificados
independentemente dos outros símbolos. No caso por blocos, blocos de n0 símbolos
separados por i blocos formam um fluxo independente de dados. Note que se b < n0 será
impossível efetuar interleave de blocos, visto que, o código não terá capacidade de
corrigir salvas maiores que o tamanho do bloco.
       Proceder "Interleaving" sobre um código convolucional (mn0,mk0) com capacidade
de correção de erros em salva b gerará um código (mn0(i-1)+n0 , mk0(i-1)+k0) com bi = bi.
A taxa de código antes e depois é exatamente a mesma.

       Códigos Berlekamp-Preparata-Massey


       Estes códigos apresentam 1 bit de paridade por bloco. Os códigos básicos
possuem capacidade de correção de salvas tipo-B2 com b2 = n0 para qualquer valor
escolhido de n0. Códigos com capacidades maiores podem ser construídos por meio de
"Interleaving".


                                             4
Os códigos básicos tem relação ( 2 n0 ,2 n0  2n0 ) e matriz "check" de paridade na
                                             2     2



forma:
                                          H  [ B0 B1 B2 ... B2 N 0 1 ]

         onde Bi é relacionada com Bi-1 da seguinte forma:


                                                0 0 0 ... 0
                                                1 0 0 ... 0
                                                0 1 0 ... 0
                                       Bi                             Bi1
                                                0 0 1 ... 0
                                                             0
                                                0 0 0        1     0


         Para este código ter b2 = n0, nenhuma palavra diferente de zero pode ter todos os
seus 1's confinados ao bloco 0 e outro bloco qualquer. Uma palavra deste tipo pode ser
representada por:
                                        E = E0 0 0 0 ... Ei 0 0 ... 0


         onde E0 é diferente de zero.
         Se B0 pode ser escolhido de maneira que EHt seja não-zero para todos os valores
de E0  0, Ei e i, então o código terá b2 = n0.
         Para que isto ocorra, devemos ter:
         E0 Ei [B0 Bi]t  0 ; 1  i  2n0  1
         Para n0  i  2n0  1 , o quadrante superior direito de [B0 Bi] é a matriz de zeros
de ordem n0. Assim, escolhemos a metade superior de B0 não-singular para a equação
acima valer. Para simplificação da decodificação escolhemos esta como a matriz
identidade, chamada de In0.
         Para 1  i  n0  1 , as matrizes [B0 Bi] devem ser simultaneamente não-singulares
para a equação acima valer. Procedimentos matriciais elementares reduzem esta matriz a:


                                                   I n0    Xi
                                                    0      Yi


                                                  5
Nesta forma, [B0 Bi] só será não-singular se, e somente se, Yi for não-singular. Já
existem matrizes Yi calculadas para vários valores de n0.
       Note que, códigos deste tipo necessitam que o bit de paridade seja transmitido
antes dos bits de informação do bloco.
       Os códigos com k0 = n0 - 1 construídos segundo acima chegam ao limite de b2.
Códigos com k0 < n0 - 1 podem ser construídos da mesma forma ou segundo um artifício:
fazendo "interleave" de bloco de dois códigos com capacidades b1 e b2 ,de forma a termos
um terceiro código com n03 = n01 + n02, k03 = k01 + k02 e m3 = max(m1,m2). Este artifício
constrói códigos onde nem k0, nem n0 - k0 sejam 1.
       A decodificação de códigos BPM funciona da seguinte maneira: assuma uma salva
no 0-ésimo bloco, os primeiros n0 bits da síndrome serão iguais ao padrão de erro
adicionado ao bloco, por que a metade superior da matriz é a matriz identidade de ordem
n0. A segunda parte da síndrome deverá ser:


                                            s2 = E0 [ B02 ]t


onde s2 é a segunda metade da síndrome, E0 é a salva e B02 é a metade inferior de B0.
       Já que s1 é idêntica a E0, se for verdade:


                                           s2 + s1 [ B02 ]t = 0


       então a salva ocorreu no 0-ésimo bloco.
       Procedendo "Interleave" sobre um código BPM básico, chega-se aos seguintes
parâmetros:


       m = (2n0 - 1)i + 1
       n = mn0 = (2n0 - 1)n0i + n0
       k = mk0
       b2 = in0
       b = b2 - (n0 - 1) = n0(i - 1) + 1



                                               6
g = n - 1 ou n - b2


       Para grandes valores de m, a capacidade de correção de salvas destes códigos
aproximam do limite.
       A decodificação básicas para códigos BPM "Interleave" é decodificar
independentemente os i fluxos de bits. O tempo de guarda é de n - 1 bits


       Códigos Iwadare


       Códigos deste tipo são definidos com k0 = n0 - 1. Comparados aos códigos BPM
são mais simples de serem implementados ao preço de um espaço de guarda maior. O
código Iwadare básico apresenta:
            n0 ( n0  1)
       m                 ( 2 n0  1)
                  2
       k0  n0  1
       b  n0
       g  n 1
       para qualquer escolha de n0  2. Estes códigos básicos corrigem todas as salvas de
comprimento n0.
       A matriz "check" de paridade é especificada pela matriz B0:




                                            7
0      ...    0 0 0 1
                                       0      ...    0 0 0 0
                                       .       . .
                                       0       0 ... 0 0 0 0
                                       0      ...    0 0 1 0
                                       0      ...    0 0 1 0
                                       0      ...    0 1 0 0
                                  B0  0      ...    0 0 0 0
                                       0      ...    0 1 0 0
                                                      
                                       0       1 ... 0 0 0 0
                                         1 0 ... 0 0 0 0
                                         0 0 ... 0 0 0 0
                                         
                                         1 0 ... 0 0 0 0




       a j-ésima coluna de B0 ( 1  j  n0  1 ), tem 1's somente nas posições:




              ( n 0  j )( n0  j  1)       ( n  j )( n0  j  1)
       n0                             e n0  0                      n0  j
                           2                            2




       A decodificação é feita de maneira diferenciada onde cada símbolo é decodificado
em tempos diferentes. A decodificação do (n0 - 1)-ésimo símbolo é feita depois de serem
recebidos n0 + 2 blocos; a decodificação do (n0 - 2)-ésimo símbolo é feita depois de serem
recebidos n0 + 2 + 3 blocos; e o primeiro símbolo depois de n0 + 2 + 3 + ... + n0 blocos.
Assim, a decodificação é efetuada em n0 - 1 passos.


       Exemplo: n0 = 3, a matriz H para um código Idaware (24,16) com capacidade de
correção de erros em salva b = 3 será




                                                 8
001
                              000 001
                              000         001
                              000                   001
                      H 
                              000                         001
                              100                               001
                              000 100               010               001
                              100         100 010 010                       001


       onde os vazios são preenchidos com zeros. O circuito decodificador para este
código é mostrado a seguir:




                         Circuito decodificador para o código Iwadare (24,16)



       "Interleave" sobre um código Iwadare com grau i resulta na inserção de i - 1 linhas
nulas na matriz B0 imediatamente após sua segunda linha e suas linhas originais não-nulas
com exceção da última.
       O código resultante do processo de "interleave" terá:




                                                9
n 0 ( n0  1)
        m  ( 2n0  1)i 
                                   2
       k0  n0  1
       b  in 0
       g  n 1


       O espaço de guarda será o mesmo que o caso sem "interleave": n - 1.


       Códigos de Baixa Taxa


       Os melhores códigos corretores de salvas com taxas baixas possuem os seguintes
parâmetros:


       m3
       n  n0 m  3n0
            n 1           n 1
       b[       ]  n0  [ 0 ]
              2              2
       k0  1
       g  n 1


       A matriz B0 para estes códigos tem a forma:


                                                 a I n 0 1
                                            B0  b On0 1
                                                 c On0 1


onde a é a coluna nula de tamanho n0 - 1, b é a coluna de tamanho n0 - 1 formada por
zeros e um único 1 na posição n0 / 2 e c é formada de zeros exceto na posição n0 - 1.
       A decodificação é direta: se ocorrer uma salva de comprimento b ou menor, os
dois "check" do bit de informação do primeiro bloco estarão errados. Caso contrário, um
dos, ou ambos estarão corretos. Se o bit de informação do segundo bloco estiver em erro,




                                               10
ele será corrigido da mesma maneira depois que o primeiro bloco for deslocado para fora
do decodificador.
       Se procedermos "Interleaving" nos códigos mostrados teremos:


       m  2i  1
       n  n0  m
            n 1            n 1
       b[       ]  in0  [ 0 ]
              2               2
       k0  1
       g  n 1
       para qualquer escolha de n0 e i.


       Códigos Para Correção de Erros em Salvas e Erros Aleatórios


       Estes códigos visam a correção de erros não restritos a uma salva somente. As
técnicas utilizadas podem ser divididas em:


       1.      Proceder "interleaving" sobre um código corretor de erros de pequeno
               comprimento.
       2.      Construir um código com certa capacidade de correção de erros em salva e
               de erros randômicos.
       3.      decodificação "adaptativa", onde o decodificador tenta determinar o tipo
               de erro que ocorreu e tenta corrigi-lo.


       "Interleave" de blocos com grau i sobre um código convolucional com capacidade
t de correção de erros randômicos produz um código convolucional mais longo com
capacidade de corrigir salvas de comprimento até [t/n0]i além dos erros randômicos.
       Um exemplo de código "misto" que combina ambas as capacidades são os códigos
auto-ortogonais difusos. Estes estão no meio termo entre os extremos dos códigos auto-
ortogonais que possuem capacidade de correção de erros randômicos t, porém com
capacidade de correção de salvas pouco maior que t; e os códigos Idaware que
apresentam grande capacidade de correção de salvas porém com t = 1.


                                              11
Forney e outros apresentaram um procedimento "adaptativo" para correção de
erros mistos baseado num código com capacidade de correção de erros randômicos t. O
decodificador terá um circuito que detectará a ocorrência de uma salva de erros passando
para um modo "salva". Após este circuito ter notado o fim da salva de erros, ele chaveia o
decodificador para voltar ao seu "modo natural randômico". Para este esquema, a razão
da maior capacidade de correção de erros em salva com o espaço de guarda é :


                                          b   2N
                                            
                                          g 2N  m


       Note que, nem todas as salvas de comprimento menor ou igual a 2N são
corrigidas.




                                           12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Uts pai kelas ii sd
Uts pai kelas ii sdUts pai kelas ii sd
Uts pai kelas ii sd
agus faivur rachman
 
Diodos transistores
Diodos transistoresDiodos transistores
Diodos transistores
IES Iturralde
 
07 flip flop
07 flip flop07 flip flop
07 flip flop
faizal aji
 
Microcontroladores PIC - Entradas e saídas Digitais
Microcontroladores PIC - Entradas e saídas DigitaisMicrocontroladores PIC - Entradas e saídas Digitais
Microcontroladores PIC - Entradas e saídas Digitais
Fabio Souza
 
Programar pic em c motor passo
Programar pic em c motor passoProgramar pic em c motor passo
Programar pic em c motor passo
Mario Angelo
 
Laporan Percobaan 4 (Common Collector)
Laporan Percobaan 4 (Common Collector)Laporan Percobaan 4 (Common Collector)
Laporan Percobaan 4 (Common Collector)
Moh Ali Fauzi
 
Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)
Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)
Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)
nony priany
 
Aula 13 diodo zener
Aula 13 diodo zenerAula 13 diodo zener
Aula 13 diodo zener
WesleyDias57
 
Amplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 Níveis
Amplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 NíveisAmplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 Níveis
Amplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 Níveis
GS-Silva
 
09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales
09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales
09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales
Ernesto Villalpando
 
Elektronika analog 2
Elektronika analog 2Elektronika analog 2
Elektronika analog 2
Ygrex Thebygdanns
 

Mais procurados (12)

Uts pai kelas ii sd
Uts pai kelas ii sdUts pai kelas ii sd
Uts pai kelas ii sd
 
Diodos transistores
Diodos transistoresDiodos transistores
Diodos transistores
 
07 flip flop
07 flip flop07 flip flop
07 flip flop
 
Microcontroladores PIC - Entradas e saídas Digitais
Microcontroladores PIC - Entradas e saídas DigitaisMicrocontroladores PIC - Entradas e saídas Digitais
Microcontroladores PIC - Entradas e saídas Digitais
 
Programar pic em c motor passo
Programar pic em c motor passoProgramar pic em c motor passo
Programar pic em c motor passo
 
Laporan Percobaan 4 (Common Collector)
Laporan Percobaan 4 (Common Collector)Laporan Percobaan 4 (Common Collector)
Laporan Percobaan 4 (Common Collector)
 
Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)
Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)
Soal ukk bahasa inggris sd kelas 1 (1)
 
Aula 13 diodo zener
Aula 13 diodo zenerAula 13 diodo zener
Aula 13 diodo zener
 
Amplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 Níveis
Amplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 NíveisAmplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 Níveis
Amplificadores Operacionais - Comparadores de Tensão de 1 e 2 Níveis
 
09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales
09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales
09 sd capitulo vii circuitos logicos combinacionales
 
flyback tv
flyback tvflyback tv
flyback tv
 
Elektronika analog 2
Elektronika analog 2Elektronika analog 2
Elektronika analog 2
 

Semelhante a Códigos Convolucionais (sequenciais)

Manipulação de bits
Manipulação de bitsManipulação de bits
Manipulação de bits
Matheus Pinto
 
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptxAula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
riodurval
 
Le02 asd
Le02 asdLe02 asd
Le02 asd
RogerMasters
 
Programando em python codificacao de dados
Programando em python   codificacao de dadosProgramando em python   codificacao de dados
Programando em python codificacao de dados
samuelthiago
 
Circuitos combinatorios
Circuitos combinatoriosCircuitos combinatorios
Circuitos combinatorios
Sidésio Martins
 
ITI Slides
ITI SlidesITI Slides
ITI Slides
PET Computação
 
Códigos BCD, Gray e ASCII
Códigos  BCD, Gray e ASCIICódigos  BCD, Gray e ASCII
Códigos BCD, Gray e ASCII
Gustavo Yoshio Maruyama
 
Tabela de conversao
Tabela de conversaoTabela de conversao
Tabela de conversao
Disys do Brasil
 
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptxAula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
1CEBAEB
 
Códigos de hamming
Códigos de hammingCódigos de hamming
Códigos de hamming
PAULO Moreira
 
Codificadores e Descodificadores
Codificadores e DescodificadoresCodificadores e Descodificadores
Codificadores e Descodificadores
antonio_pinheiro
 
Aula 04 isc - a informação e sua representação
Aula 04   isc - a informação e sua representaçãoAula 04   isc - a informação e sua representação
Aula 04 isc - a informação e sua representação
Fábio Andrade
 
EXERCICIOS.docx
EXERCICIOS.docxEXERCICIOS.docx
EXERCICIOS.docx
LoteMavoneZingara1
 
descodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitais
descodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitaisdescodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitais
descodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitais
Carlos Pereira
 
APDS- Apresentaçao.pptx
APDS- Apresentaçao.pptxAPDS- Apresentaçao.pptx
APDS- Apresentaçao.pptx
AndrNAlbertoPaulino
 
Aula02 - Sistemas Numéricos computacionais
Aula02 - Sistemas Numéricos computacionaisAula02 - Sistemas Numéricos computacionais
Aula02 - Sistemas Numéricos computacionais
Jorge Ávila Miranda
 
Bits & Bytes
Bits & BytesBits & Bytes
Bits & Bytes
Sanclé Porchéra
 
Sessão 8 Codificação Lempel-Ziv
Sessão 8 Codificação Lempel-ZivSessão 8 Codificação Lempel-Ziv
Sessão 8 Codificação Lempel-Ziv
Pedro De Almeida
 
Principios da microprogramacao
Principios da microprogramacaoPrincipios da microprogramacao
Principios da microprogramacao
Marcelle Guiné
 
Representação de dados
Representação de dadosRepresentação de dados
Representação de dados
Bruna Cardoso Stanziani Luiz
 

Semelhante a Códigos Convolucionais (sequenciais) (20)

Manipulação de bits
Manipulação de bitsManipulação de bits
Manipulação de bits
 
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptxAula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
 
Le02 asd
Le02 asdLe02 asd
Le02 asd
 
Programando em python codificacao de dados
Programando em python   codificacao de dadosProgramando em python   codificacao de dados
Programando em python codificacao de dados
 
Circuitos combinatorios
Circuitos combinatoriosCircuitos combinatorios
Circuitos combinatorios
 
ITI Slides
ITI SlidesITI Slides
ITI Slides
 
Códigos BCD, Gray e ASCII
Códigos  BCD, Gray e ASCIICódigos  BCD, Gray e ASCII
Códigos BCD, Gray e ASCII
 
Tabela de conversao
Tabela de conversaoTabela de conversao
Tabela de conversao
 
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptxAula 10 - Códigos BCD.pptx
Aula 10 - Códigos BCD.pptx
 
Códigos de hamming
Códigos de hammingCódigos de hamming
Códigos de hamming
 
Codificadores e Descodificadores
Codificadores e DescodificadoresCodificadores e Descodificadores
Codificadores e Descodificadores
 
Aula 04 isc - a informação e sua representação
Aula 04   isc - a informação e sua representaçãoAula 04   isc - a informação e sua representação
Aula 04 isc - a informação e sua representação
 
EXERCICIOS.docx
EXERCICIOS.docxEXERCICIOS.docx
EXERCICIOS.docx
 
descodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitais
descodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitaisdescodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitais
descodificadores codificadores Encoder Decoder Sistemas Digitais
 
APDS- Apresentaçao.pptx
APDS- Apresentaçao.pptxAPDS- Apresentaçao.pptx
APDS- Apresentaçao.pptx
 
Aula02 - Sistemas Numéricos computacionais
Aula02 - Sistemas Numéricos computacionaisAula02 - Sistemas Numéricos computacionais
Aula02 - Sistemas Numéricos computacionais
 
Bits & Bytes
Bits & BytesBits & Bytes
Bits & Bytes
 
Sessão 8 Codificação Lempel-Ziv
Sessão 8 Codificação Lempel-ZivSessão 8 Codificação Lempel-Ziv
Sessão 8 Codificação Lempel-Ziv
 
Principios da microprogramacao
Principios da microprogramacaoPrincipios da microprogramacao
Principios da microprogramacao
 
Representação de dados
Representação de dadosRepresentação de dados
Representação de dados
 

Mais de Mauro Tapajós

Proyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATIProyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATI
Mauro Tapajós
 
Propostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMPPropostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMP
Mauro Tapajós
 
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma LivreIntegração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Mauro Tapajós
 
Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
Mauro Tapajós
 
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma LivreServiço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 
Migração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas UniversidadesMigração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas Universidades
Mauro Tapajós
 
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Mauro Tapajós
 
Software Winrad
Software WinradSoftware Winrad
Software Winrad
Mauro Tapajós
 
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livreintegração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
Mauro Tapajós
 
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livreAtualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Mauro Tapajós
 
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Mauro Tapajós
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Mauro Tapajós
 
Processo de Startup do Linux
Processo de Startup do LinuxProcesso de Startup do Linux
Processo de Startup do Linux
Mauro Tapajós
 
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e InstalaçãoAspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Mauro Tapajós
 
Avaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições LinuxAvaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições Linux
Mauro Tapajós
 
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e ServiçosFISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
Mauro Tapajós
 
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para VídeoconferênciaFISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
Mauro Tapajós
 
Suporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no LinuxSuporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no Linux
Mauro Tapajós
 
Pequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software LivrePequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software Livre
Mauro Tapajós
 

Mais de Mauro Tapajós (20)

Proyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATIProyecto liberació SIGATI
Proyecto liberació SIGATI
 
Propostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMPPropostas de Autenticação para SNMP
Propostas de Autenticação para SNMP
 
Integração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma LivreIntegração de Serviços em Plataforma Livre
Integração de Serviços em Plataforma Livre
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
 
Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
 
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma LivreServiço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
Serviço de Distribuição de SW em Plataforma Livre
 
Migração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas UniversidadesMigração para Software Livre nas Universidades
Migração para Software Livre nas Universidades
 
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
Posso rodar minhas aplicações corporativas sobre linux?
 
Software Winrad
Software WinradSoftware Winrad
Software Winrad
 
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livreintegração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
integração de Serviços no Processo de Migração para uma Plataforma Livre
 
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livreAtualização Automática de Aplicações em plataforma livre
Atualização Automática de Aplicações em plataforma livre
 
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
Integração de Serviços como requisito fundamental no processo de migração par...
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
Instalação e Atualização Automática de Aplicações em Plataforma Livre para Am...
 
Processo de Startup do Linux
Processo de Startup do LinuxProcesso de Startup do Linux
Processo de Startup do Linux
 
Aspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e InstalaçãoAspectos do kernel Linux e Instalação
Aspectos do kernel Linux e Instalação
 
Avaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições LinuxAvaliação das distribuições Linux
Avaliação das distribuições Linux
 
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e ServiçosFISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
FISL8 - Aplicações Livres para Gerenciamento de Redes e Serviços
 
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para VídeoconferênciaFISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
FISL7 - Padrões Abertos e Software Livre para Vídeoconferência
 
Suporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no LinuxSuporte e Disponibilidade no Linux
Suporte e Disponibilidade no Linux
 
Pequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software LivrePequena Apostila sobre Software Livre
Pequena Apostila sobre Software Livre
 

Códigos Convolucionais (sequenciais)

  • 1. Códigos Convolucionais Mauro Tapajós Santos (1/1996) Introdução Existem duas classificações básicas para codigos corretores de erro: códigos de bloco e códigos de "árvore". Um códigos de bloco é o mapeamento de k símbolos de entrada em n símbolos de saída. O número n pode ser maior ou igual a k, se for maior, os símbolos a mais são redundantes com finalidades de prover deteção e/ou correção de erros. Este codificador não possue memória, pois a cada grupo de k símbolos é gerado um grupo de n símbolos definido. Códigos de árvore são caracterizados por serem gerados num codificador que possua memória. Os códigos convolucionais são um subconjunto dos códigos de árvore. O codificador convolucional aceita k símbolos na entrada e produz n símbolos na saída que são gerados em função de v + k símbolos de entrada. O sistema possui memória em função de v ser maior que zero. O valor R = k / n é definido como a taxa de código. Esquema do codificador convolucional Um exemplo é dado a seguir. 1
  • 2. Exemplo: Codificador Convolucional com k = 1, n = 2 e memória de 3 símbolos (m = 3) o código é gerado inserindo-se um bit de dado no circuito e o comutador da saída efetua uma rotação completa. Este código apresenta taxa de R = k/n =½. A decodificação é feita continuamente. Uma outra maneira de se entender a decodificação é o percurso através de uma árvore de código. Cada ramo percorrido é associado a um bit ou grupo de bits. No final, os bits decodificados estarão nas "folhas" da árvore. A matriz "check" de paridade H de um código convolucional (mn0,mk0) com distância mínima d pode ser associado com a matriz H de um código de blocos linear de mesmo comprimento e com o mesmo número de símbolos. Cronologia 1955 - Elias ("Coding for noisy channels"): primeira idéia sobre códigos convolucionais. 1959 - Hagelbarger: primeira idéia sobre códigos convolucionais corretores de erros em salva. 1961/63 - Wozencraft, Reiffen e Fano: desenvolveram e aprimoraram o primeiro algoritmo decodificador para códigos convolucionais. 2
  • 3. 1963 - Wyner e Ash: definiram códigos com capacidade de correção de erros em salva B2 e seus limites. 1965 - Pinsker ("On the complexity of decoding"): refutou a hipótese de que, para códigos com taxa maior que Rcomp (teórica taxa limite para se limitar a média de computações), não se poderia desenvolver algoritmos que funcionassem adequadamente no intervalo entre Rcomp e a capacidade do canal. 1967 - Viterbi ("Error bounds for convolutional codes and an asymptotically optimum decoding algorithm"): desenvolveu um algoritmo efetivo na decodificação de códigos convolucionais com pequeno K (constraint length). Este algoritmo ficou conhecido como "algoritmo de Viterbi". Códigos Convolucionais para Correção de Erros em Salva Definições Capacidade de correção de salvas tipo-B2 : um código convolucional (mn0,mk0) é dito ter capacidade de correção de salvas tipo-B2 (B2 = rn0) se todas as salvas de comprimento B2 confinadas em r blocos consecutivos são corrigíveis e pelo menos uma salva de comprimento (r+1)n0 não é corrigível. A Capacidade de Correção de Salvas (b) destes tipos de códigos respeita a relação b2  ( n0  1)  b  b2  ( n0  1) , o que pode ser checado a partir da definição acima. Este valor está limitado a ( m  1)( n 0  k 0 ) b  n0  1 k0 (1  ) n0 Quanto maior este número, maior será a capacidade de correção de erros em salvas (salvas de maior comprimento). Espaço de guarda do código (g) : uma salva de comprimento l < b é corrigível desde que seja sucedida por um conjunto mínimo de símbolos. O maior número necessário 3
  • 4. para corrigir qualquer salva corrigível é chamado de Espaço de guarda do Código. Este valor é função de como o código é decodificado e é preferível minimizado ao máximo, pois erros durante este período podem causar decodificação errada. Para qualquer código (n,k), este número está limitado a g  n  1 , para muitos códigos g = n - b. Interleaving : os códigos normalmente são desenvolvidos para a correção de erros isolados dentro de um certo bloco de símbolos. Alguns canais podem apresentar ruídos que se traduzem em grandes sequências de erros seguidos (salvas), gerando sequências de erros também na saída do decodificador. Uma forma de minimizar esta situação é a técnica de Interleaving, onde os símbolos de um determinado bloco são "embaralhados" dentro do fluxo de símbolos, de maneira que, no decodificador, estes possam ser reagrupados. Desta maneira, os erros em salva produzidos pelo ruído do canal se transformarão em vários erros isolados dentro de blocos de símbolos independentes, e poderão ser corrigidos. Grau de Interleaving (i) : é a quantidade de "subfluxos" no qual o fluxo de dados real é efetivamente dividido. Existem dois tipos de Interleaving: de símbolos e de blocos. No primeiro o 0 símbolo, o (i+1)-ésimo, o (2i+1)-ésimo, etc.. são codificados independentemente dos outros símbolos. No caso por blocos, blocos de n0 símbolos separados por i blocos formam um fluxo independente de dados. Note que se b < n0 será impossível efetuar interleave de blocos, visto que, o código não terá capacidade de corrigir salvas maiores que o tamanho do bloco. Proceder "Interleaving" sobre um código convolucional (mn0,mk0) com capacidade de correção de erros em salva b gerará um código (mn0(i-1)+n0 , mk0(i-1)+k0) com bi = bi. A taxa de código antes e depois é exatamente a mesma. Códigos Berlekamp-Preparata-Massey Estes códigos apresentam 1 bit de paridade por bloco. Os códigos básicos possuem capacidade de correção de salvas tipo-B2 com b2 = n0 para qualquer valor escolhido de n0. Códigos com capacidades maiores podem ser construídos por meio de "Interleaving". 4
  • 5. Os códigos básicos tem relação ( 2 n0 ,2 n0  2n0 ) e matriz "check" de paridade na 2 2 forma: H  [ B0 B1 B2 ... B2 N 0 1 ] onde Bi é relacionada com Bi-1 da seguinte forma: 0 0 0 ... 0 1 0 0 ... 0 0 1 0 ... 0 Bi  Bi1 0 0 1 ... 0  0 0 0 0 1 0 Para este código ter b2 = n0, nenhuma palavra diferente de zero pode ter todos os seus 1's confinados ao bloco 0 e outro bloco qualquer. Uma palavra deste tipo pode ser representada por: E = E0 0 0 0 ... Ei 0 0 ... 0 onde E0 é diferente de zero. Se B0 pode ser escolhido de maneira que EHt seja não-zero para todos os valores de E0  0, Ei e i, então o código terá b2 = n0. Para que isto ocorra, devemos ter: E0 Ei [B0 Bi]t  0 ; 1  i  2n0  1 Para n0  i  2n0  1 , o quadrante superior direito de [B0 Bi] é a matriz de zeros de ordem n0. Assim, escolhemos a metade superior de B0 não-singular para a equação acima valer. Para simplificação da decodificação escolhemos esta como a matriz identidade, chamada de In0. Para 1  i  n0  1 , as matrizes [B0 Bi] devem ser simultaneamente não-singulares para a equação acima valer. Procedimentos matriciais elementares reduzem esta matriz a: I n0 Xi 0 Yi 5
  • 6. Nesta forma, [B0 Bi] só será não-singular se, e somente se, Yi for não-singular. Já existem matrizes Yi calculadas para vários valores de n0. Note que, códigos deste tipo necessitam que o bit de paridade seja transmitido antes dos bits de informação do bloco. Os códigos com k0 = n0 - 1 construídos segundo acima chegam ao limite de b2. Códigos com k0 < n0 - 1 podem ser construídos da mesma forma ou segundo um artifício: fazendo "interleave" de bloco de dois códigos com capacidades b1 e b2 ,de forma a termos um terceiro código com n03 = n01 + n02, k03 = k01 + k02 e m3 = max(m1,m2). Este artifício constrói códigos onde nem k0, nem n0 - k0 sejam 1. A decodificação de códigos BPM funciona da seguinte maneira: assuma uma salva no 0-ésimo bloco, os primeiros n0 bits da síndrome serão iguais ao padrão de erro adicionado ao bloco, por que a metade superior da matriz é a matriz identidade de ordem n0. A segunda parte da síndrome deverá ser: s2 = E0 [ B02 ]t onde s2 é a segunda metade da síndrome, E0 é a salva e B02 é a metade inferior de B0. Já que s1 é idêntica a E0, se for verdade: s2 + s1 [ B02 ]t = 0 então a salva ocorreu no 0-ésimo bloco. Procedendo "Interleave" sobre um código BPM básico, chega-se aos seguintes parâmetros: m = (2n0 - 1)i + 1 n = mn0 = (2n0 - 1)n0i + n0 k = mk0 b2 = in0 b = b2 - (n0 - 1) = n0(i - 1) + 1 6
  • 7. g = n - 1 ou n - b2 Para grandes valores de m, a capacidade de correção de salvas destes códigos aproximam do limite. A decodificação básicas para códigos BPM "Interleave" é decodificar independentemente os i fluxos de bits. O tempo de guarda é de n - 1 bits Códigos Iwadare Códigos deste tipo são definidos com k0 = n0 - 1. Comparados aos códigos BPM são mais simples de serem implementados ao preço de um espaço de guarda maior. O código Iwadare básico apresenta: n0 ( n0  1) m  ( 2 n0  1) 2 k0  n0  1 b  n0 g  n 1 para qualquer escolha de n0  2. Estes códigos básicos corrigem todas as salvas de comprimento n0. A matriz "check" de paridade é especificada pela matriz B0: 7
  • 8. 0 ... 0 0 0 1 0 ... 0 0 0 0 . . . 0 0 ... 0 0 0 0 0 ... 0 0 1 0 0 ... 0 0 1 0 0 ... 0 1 0 0 B0  0 ... 0 0 0 0 0 ... 0 1 0 0   0 1 ... 0 0 0 0 1 0 ... 0 0 0 0 0 0 ... 0 0 0 0  1 0 ... 0 0 0 0 a j-ésima coluna de B0 ( 1  j  n0  1 ), tem 1's somente nas posições: ( n 0  j )( n0  j  1) ( n  j )( n0  j  1) n0  e n0  0  n0  j 2 2 A decodificação é feita de maneira diferenciada onde cada símbolo é decodificado em tempos diferentes. A decodificação do (n0 - 1)-ésimo símbolo é feita depois de serem recebidos n0 + 2 blocos; a decodificação do (n0 - 2)-ésimo símbolo é feita depois de serem recebidos n0 + 2 + 3 blocos; e o primeiro símbolo depois de n0 + 2 + 3 + ... + n0 blocos. Assim, a decodificação é efetuada em n0 - 1 passos. Exemplo: n0 = 3, a matriz H para um código Idaware (24,16) com capacidade de correção de erros em salva b = 3 será 8
  • 9. 001 000 001 000 001 000 001 H  000 001 100 001 000 100 010 001 100 100 010 010 001 onde os vazios são preenchidos com zeros. O circuito decodificador para este código é mostrado a seguir: Circuito decodificador para o código Iwadare (24,16) "Interleave" sobre um código Iwadare com grau i resulta na inserção de i - 1 linhas nulas na matriz B0 imediatamente após sua segunda linha e suas linhas originais não-nulas com exceção da última. O código resultante do processo de "interleave" terá: 9
  • 10. n 0 ( n0  1) m  ( 2n0  1)i  2 k0  n0  1 b  in 0 g  n 1 O espaço de guarda será o mesmo que o caso sem "interleave": n - 1. Códigos de Baixa Taxa Os melhores códigos corretores de salvas com taxas baixas possuem os seguintes parâmetros: m3 n  n0 m  3n0 n 1 n 1 b[ ]  n0  [ 0 ] 2 2 k0  1 g  n 1 A matriz B0 para estes códigos tem a forma: a I n 0 1 B0  b On0 1 c On0 1 onde a é a coluna nula de tamanho n0 - 1, b é a coluna de tamanho n0 - 1 formada por zeros e um único 1 na posição n0 / 2 e c é formada de zeros exceto na posição n0 - 1. A decodificação é direta: se ocorrer uma salva de comprimento b ou menor, os dois "check" do bit de informação do primeiro bloco estarão errados. Caso contrário, um dos, ou ambos estarão corretos. Se o bit de informação do segundo bloco estiver em erro, 10
  • 11. ele será corrigido da mesma maneira depois que o primeiro bloco for deslocado para fora do decodificador. Se procedermos "Interleaving" nos códigos mostrados teremos: m  2i  1 n  n0  m n 1 n 1 b[ ]  in0  [ 0 ] 2 2 k0  1 g  n 1 para qualquer escolha de n0 e i. Códigos Para Correção de Erros em Salvas e Erros Aleatórios Estes códigos visam a correção de erros não restritos a uma salva somente. As técnicas utilizadas podem ser divididas em: 1. Proceder "interleaving" sobre um código corretor de erros de pequeno comprimento. 2. Construir um código com certa capacidade de correção de erros em salva e de erros randômicos. 3. decodificação "adaptativa", onde o decodificador tenta determinar o tipo de erro que ocorreu e tenta corrigi-lo. "Interleave" de blocos com grau i sobre um código convolucional com capacidade t de correção de erros randômicos produz um código convolucional mais longo com capacidade de corrigir salvas de comprimento até [t/n0]i além dos erros randômicos. Um exemplo de código "misto" que combina ambas as capacidades são os códigos auto-ortogonais difusos. Estes estão no meio termo entre os extremos dos códigos auto- ortogonais que possuem capacidade de correção de erros randômicos t, porém com capacidade de correção de salvas pouco maior que t; e os códigos Idaware que apresentam grande capacidade de correção de salvas porém com t = 1. 11
  • 12. Forney e outros apresentaram um procedimento "adaptativo" para correção de erros mistos baseado num código com capacidade de correção de erros randômicos t. O decodificador terá um circuito que detectará a ocorrência de uma salva de erros passando para um modo "salva". Após este circuito ter notado o fim da salva de erros, ele chaveia o decodificador para voltar ao seu "modo natural randômico". Para este esquema, a razão da maior capacidade de correção de erros em salva com o espaço de guarda é : b 2N  g 2N  m Note que, nem todas as salvas de comprimento menor ou igual a 2N são corrigidas. 12