SlideShare uma empresa Scribd logo
20.1
Capítulo 20
Camada de Rede:
Internet Protocol (IP)
Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.
20.2
20-1 INTERNETWORKING
Neste capítulo, discutiremos primeiro o
internetworking e questões relativas ao protocolo de
camada de rede em geral.
Necessidade da Camada de Rede
Internet como uma Rede de Datagramas
Internet como uma Rede sem conexão
Tópicos discutidos nesta seção :
 As camadas física e de enlace de dados de
uma rede operam localmente.
 Juntas, essas duas camadas são
responsáveis pela entrega de dados na
rede de um nó para o seguinte, como
mostrado na figura 20.1.
20.3
20-1 INTERNETWORKING
20.4
Figure 20.1 Links entre dois nó
Necessidade da Camada de Rede
 Para solucionar o problema de entrega por
intermédio de vários links, foi desenvolvida a
camada de rede;
 A camada de rede é responsável pela entrega
host-host e por encaminhar os pacotes pelos
roteadores ou switchs;
 A figura 20.2 mostra a mesma internetwork com
uma camada de rede acrescentada.
20.5
20-1 INTERNETWORKING
20.6
Figure 20.2 Camada de Rede em uma Internetwork
Necessidade da Camada de Rede
 A figura 20.3 ilustra o conceito geral do funcionamento da camada de rede
atuando na origem, em um roteador e no destino;
 A camada de rede na origem é responsável pela criação de um pacote com
dados provenientes de outro protocolo;
 O cabeçalho do pacote contém, entre outras informações, os endereços
lógicos da origem e do destino;
 A camada de rede é responsável por consultar sua tabela de rotas para
encontrar informações de roteamento;
 Se o pacote for muito grande, ele será fragmentado.
20.7
20-1 INTERNETWORKING
20.8
Figure 20.3 Camada de rede na fonte, router, e destino
20.9
Figure 20.3 Camada de rede na fonte, router, e destino (Continuação)
Internet como uma Rede de Datagramas
 A internet, na camada de rede, é uma rede de comutação de
pacotes, a comutação pode ser dividida em três grandes categorias:
comutação de circuitos, pacotes e mensagens, a comutação de
pacotes pode usar tanto o método de circuitos virtuais como o de
datagramas;
 A internet optou pelo método de datagramas para comunicação na
camada de rede;
 Ela usa os endereços universais definidos na camada de rede para
direcionar pacotes, da origem ao destino;
20.10
20-1 INTERNETWORKING
Internet como uma Rede sem Conexão
 No serviço sem conexão, o protocolo da camada de rede trata cada pacote
de forma independente, em que cada pacote não apresenta nenhuma
relação com qualquer outro pacote;
 Os Pacotes em uma mensagem podem ou não trafegar pela mesma rota
até seu destino;
 Esse tipo de serviço é usado na abordagem de datagramas para comutação
de pacotes, A internet optou por esse tipo de serviço na camada de rede;
 A razão para tal decisão é que a internet é composta por tantas redes
heterogêneas interligadas que é praticamente impossível criar uma conexão
desde a origem até o destino sem conhecer previamente a natureza das
redes.
20.11
20-1 INTERNETWORKING
 O IPV4 é um protocolo de datagramas sem conexão e
não confiável – um serviço de entrega best-effort;
 O termo best-effort significa que o IPV4 não provê
mecanismos de controle de erros ou de fluxos;
 O IPV4 pressupõe a falta de confiabilidade das camadas
inferiores e faz o máximo para levar a transmissão até
seu destino mas sem garantias.
20.12
20-2 IPv4
20.13
Figure 20.4 Posição Ipv4 e Ipv6 no TCP/IP
Datagramas
 Os pacotes na camada IPV4 são denominados datagramas;
 Um datagrama é um pacote de comprimento variável constituído
de duas partes: cabeçalho e dados;
 O cabeçalho tem comprimento de 20 a 60 bytes e contém
informações essenciais para roteamento e a entrega;
 É comum no TCP/IP apresentar o cabeçalho em seções de 4
bytes.
20.14
20-2 IPv4
20.15
Figure 20.5 IPv4 Formato Datagrama
19.16
19-2 IPv6
Apesar de todas as soluções de curto prazo, o
esgotamento de endereços ainda é um problema a
longo prazo para a Internet. Este e outros problemas
no protocolo IP em si tem sido a motivação para o
IPv6.
O que é Ipv6
Cabeçalho IPv6
Endereçamento IPv6
Funcionalidades do IPv6
Técnicas de Transição
Tópicos discutidos nesta seção:
● 1998 - Definido pela RFC 2460
 128 bits para endereçamento.
 Cabeçalho base simplificado.
 Cabeçalhos de extensão.
 Identificação de fluxo de dados (QoS).
 Mecanismos de IPSec incorporados ao protocolo.
 Realiza a fragmentação e remontagem dos pacotes apenas na
origem e no destino.
 Não requer o uso de NAT, permitindo conexões fim-a-fim.
 Mecanismos que facilitam a configuração de redes.
IPv6O que é Ipv6
Por que utilizar IPv6 hoje?
A Internet continua crescendo no Mundo
 1.966.514.816 usuários de Internet;
 28,7% da população;
 Crescimento de 444,8% nos últimos 10 anos.
 Em 2014, soma de celulares, smartphones, netbooks e modens 3G deve
chegar a 2,25 bilhões de aparelhos.
No Brasil
 27% de domicílios com acesso à Internet;
 3,5 milhões de conexões em banda larga móvel;
 11 milhões de conexões em banda larga fixa.
Por que utilizar IPv6 hoje?
Cabeçalho IPv6
O cabeçalho IPv4 é composto por 12 campos fixos, podendo conter ou não
opções, fazendo com que seu tamanho possa variar entre 20 e 60 Bytes.
Cabeçalho Ipv4
Mais simples
40 Bytes (tamanho fixo).
Apenas duas vezes maior que o da versão anterior.
Mais flexível
Extensão por meio de cabeçalhos adicionais.
Mais eficiente
Minimiza o overhead nos cabeçalhos.
Reduz o custo do processamento dos pacotes.
Cabeçalho Ipv6
● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos.
Cabeçalho Ipv4
● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos.
● Quatro campos tiveram seus nomes alterados e seus posicionamentos modificados.
1 12
2
3
3 4
4
Cabeçalho Ipv4
● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos.
● Quatro campos tiveram seus nomes alterados e seus posicionamentos modificados.
● O campo Identificador de Fluxo foi acrescentado.
Cabeçalho Ipv4
● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos.
● Quatro campos tiveram seus nomes alterados e seus posicionamentos modificados.
● O campo Identificador de Fluxo foi acrescentado.
● Três campos foram mantidos.
Cabeçalho Ipv4
Endereçamento IPv6
Endereçamento
● Um endereço IPv4 é formado por 32 bits.
232 = 4.294.967.296
● Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.
2128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456
~ 56 octilhões (5,6x1028) de endereços IP por ser humano.
~ 79 octilhões (7,9x1028) de vezes a quantidade de endereços IPv4.
Endereçamento
Endereçamento
A representação dos endereços IPv6, divide o endereço em oito
grupos de 16 bits, separando-os por “:”, escritos com dígitos
hexadecimais.
2001:0DB8:AD1F:25E2:CADE:CAFE:F0CA:84C1
Na representação de um endereço IPv6 é permitido:
● Utilizar caracteres maiúsculos ou minúsculos;
● Omitir os zeros à esquerda; e
● Representar os zeros contínuos por “::”.
Exemplo:
2001:0DB8:0000:0000:130F:0000:0000:140B
2001:db8:0:0:130f::140b
Formato inválido: 2001:db8::130f::140b (gera ambiguidade)
2 Bytes
Endereçamento
2 Bytes 2 Bytes2 Bytes 2 Bytes2 Bytes2 Bytes2 Bytes
Representação dos Prefixos
Como o CIDR (IPv4)
“endereço-IPv6/tamanho do prefixo”
Exemplo:
Prefixo 2001:db8:3003:2::/64
Prefixo global 2001:db8::/32
ID da sub-rede 3003:2
●URL
http://[2001:12ff:0:4::22]/index.html
http://[2001:12ff:0:4::22]:8080
Endereçamento
Existem no IPv6 três tipos de endereços definidos:
● Unicast → Identificação Individual
● Anycast → Identificação Seletiva
● Multicast → Identificação em Grupo
Não existe mais Broadcast.
Endereçamento
Unicast
●Global Unicast
2000::/3
Globalmente roteável (similar aos endereços públicos IPv4);
 13% do total de endereços possíveis;
2(45)
= 35.184.372.088.832 redes /48 distintas.
Prefixo de roteamento
global
ID da
sub-
rede
n 64 - n 64
Identificador da interface
Endereçamento
Unicast
●Link local
FE80::/64
Deve ser utilizado apenas localmente;
Atribuído automaticamente (autoconfiguração stateless);
Identificador da interfaceFE80 0
Endereçamento
Unicast
●Unique local
FC00::/7
Prefixo globalmente único (com alta probabilidade de ser único);
Utilizado apenas na comunicação dentro de um enlace ou entre um
conjunto limitado de enlaces;
Não é esperado que seja roteado na Internet.
Equivalente aos ips privado do IPV4
Identificador global
ID da
sub-
rede
Identificador da interfacePref. L
7
Endereçamento
Anycast
Identifica um grupo de interfaces
Entrega o pacote apenas para a interface mais perto da origem.
● Atribuídos a partir de endereços unicast (são sintaticamente iguais).
● Possíveis utilizações:
Descobrir serviços na rede (DNS, proxy HTTP, etc.);
Balanceamento de carga;
Localizar roteadores que forneçam acesso a uma determinada sub-rede;
Utilizado em redes com suporte a mobilidade IPv6, para localizar os Agentes de
Origem...
● Subnet-Router
Endereçamento
Endereçamento
Multicast
●Identifica um grupo de interfaces.
●O suporte a multicast é obrigatório em todos os nós IPv6.
●O endereço multicast deriva do bloco FF00::/8.
●O prefixo FF é seguido de quatro bits utilizados como flags e mais
quatro bits que definem o escopo do endereço multicast. Os 112 bits
restantes são utilizados para identificar o grupo multicast.
Identificador do grupo multicastFF
Flags
0RPT Escopo
8 4 4 112
Endereçamento
● Do mesmo modo que no IPv4, os endereços IPv6 são atribuídos a
interfaces físicas e não aos nós.
● Com o IPv6 é possível atribuir a uma única interface múltiplos
endereços, independentemente do seu tipo.
● Com isso, um nó pode ser identificado através de qualquer endereço
de sua interfaces.
●Loopback ::1
●Link Local FE80:....
●Unique local FD07:...
●Global 2001:....
●Multicast ff00::/8
●ff02::1 – todos os hosts
●ff01::1:ffnn-nnnn – host solicitado
●Não especificado ::
●Documentação 2001:0db8::/32
Endereçamento
A RFC 3484 determina o algoritmo para seleção dos endereços de origem e destino.
Funcionalidades do
IPv6
●Definido na RFC 4443.
●Mesmas funções do ICMPv4 (mas não são compatíveis):
● Informar características da rede;
● Realizar diagnósticos;
● Relatar erros no processamento de pacotes.
●Assume as funcionalidades de outros protocolos:
● ARP/RARP
● IGMP
●Identificado pelo valor 58 no campo Próximo Cabeçalho.
●Deve ser implementado em todos os nós.
ICMPv6
●É precedido pelos cabeçalhos de extensão, se houver, e pelo
cabeçalho base do IPv6.
●Protocolo chave da arquitetura IPv6.
●Essencial em funcionalidades do IPv6:
●Gerenciamento de grupos multicast;
●Descoberta de Vizinhança (Neighbor Discovery);
●Mobilidade IPv6;
●Descoberta do Path MTU.
IPv6
cadeia de
cab. de extensão
ICMPv6
ICMPv6
●Cabeçalho simples
Tipo (8 bits): especifica o tipo da mensagem.
Código (8 bits): oferece algumas informações adicionais para
determinados tipos de mensagens.
Soma de Verificação (16 bits): é utilizado para detectar dados
corrompidos no cabeçalho ICMPv6 e em parte do cabeçalho IPv6.
Dados: apresenta as informações de diagnóstico e erro de acordo
com o tipo de mensagem. Seu tamanho pode variar de acordo com a
mensagem.
ICMPv6
●Possui duas classes de mensagens:
Mensagens de Erro
Destination Unreachable
Packet Too Big
Time Exceeded
Parameter Problem
Mensagens de Informação
Echo Request e Echo Reply
Multicast Listener Query
Multicast Listener Report
Multicast Listener Done
Router Solicitation e Router Advertisement
Neighbor Solicitation e Neighbor Advertisement
Redirect...
ICMPv6
● Neighbor Discovery – definido na RFC 4861.
● Assume as funções de protocolos ARP, ICMP Router Discovery e
ICMP Redirect, do IPv4.
● Adiciona novos métodos não existentes na versão anterior do
protocolo IP.
● Torna mais dinâmico alguns processos de configuração de rede:
determinar o endereço MAC dos nós da rede;
encontrar roteadores vizinhos;
determinar prefixos e outras informações de configuração da rede;
detectar endereços duplicados;
determinar a acessibilidades dos roteadores;
redirecionamento de pacotes;
autoconfiguração de endereços.
Descoberta de Vizinhança
● Utiliza 5 tipos de mensagens ICMPv6:
Router Solicitation (RS) – ICMPv6 Tipo 133;
Router Advertisement (RA) – ICMPv6 Tipo 134;
Neighbor Solicitation (NS) – ICMPv6 Tipo 135;
Neighbor Advertisement (NA) – ICMPv6 Tipo 136;
Redirect – ICMPv6 Tipo 137.
● São configuradas com o valor 255 no campo Limite de Encaminhamento.
Podem conter, ou não, opções:
Source link-layer address.
Target link-layer address.
Prefix information.
Redirected header.
MTU.
Descoberta de Vizinhança
● Descoberta de Endereços da Camada de Enlace
Determina o endereço MAC dos vizinhos do mesmo enlace.
Substitui o protocolo ARP.
Utiliza o endereço multicast solicited-node em vez de broadcast.
O host envia uma mensagem NS informando seu endereço MAC e solicita o
endereço MAC do vizinho.
ICMPv6 Type 135 (Neigbor Solicitation)
Origem – 2001:db8::faca:cafe:1234
Destino – FF02::1:FFCA:5678 (33-33-FF-CA-56-78)
Who is 2001:db8::ca5a:f0ca:5678?
2001:db8::faca:cafe:1234
MAC AB-CD-C9-21-58-
0C
2001:db8::ca5a:f0ca:5678
MAC AB-CD-C0-12-85-
C0
Descoberta de Vizinhança
● Descoberta de Endereços da Camada de Enlace
●Determina o endereço MAC dos vizinhos do mesmo enlace.
●Substitui o protocolo ARP.
●Utiliza o endereço multicast solicited-node em vez de broadcast.
●O host envia uma mensagem NS informando seu endereço MAC e solicita o
endereço MAC do vizinho.
●O vizinho responde enviando uma mensagem NA informando seu endereço
MAC.
ICMPv6 Type 136 (Neigbor Advertisement)
Origem – 2001:db8::ca5a:f0ca:5678
Destino – 2001:db8::faca:cafe:1234 (AB-CD-C9-21-58-0C)
Use AB-CD-C0-12-85-C0
2001:db8::faca:cafe:1234
MAC AB-CD-C9-21-58-
0C
2001:db8::ca5a:f0ca:5678
MAC AB-CD-C0-12-85-
C0
Descoberta de Vizinhança
● Descoberta de Roteadores e Prefixos
Localizar roteadores vizinhos dentro do mesmo enlace.
Determina prefixos e parâmetros relacionados à autoconfiguração de
endereço.
No IPv4, está função é realizada pelas mensagens ARP Request.
Roteadores enviam mensagens RA para o endereço multicast all-nodes.
Descoberta de Vizinhança
● Detecção de Endereços Duplicados
 Verifica a unicidade dos endereços de um nó dentro do enlace.
 Deve ser realizado antes de se atribuir qualquer endereço unicast a
uma interface.
 Consiste no envio de uma mensagem NS pelo host, com o campo
target address preenchido com seu próprio endereço. Caso alguma
mensagem NA seja recebida como resposta, isso indicará que o
endereço já está sendo utilizado.
Descoberta de Vizinhança
● Detecção de Vizinhos Inacessíveis
Utilizado para rastrear a acessibilidade dos nós ao longo do caminho.
Um nó considera um vizinho acessível se ele recebeu recentemente a
confirmação de entrega de algum pacote a esse vizinho.
●Pode ser uma resposta a mensagens do protocolo de Descoberta de
Vizinhança ou algum processo da camada de transporte que indique
que uma conexão foi estabelecida.
Executado apenas para endereços unicast.
Neighbor Cache (similar a tabela ARP).
Destination Cache.
Descoberta de Vizinhança
● Redirecionamento
Envia mensagens Redirect
Redireciona um host para um roteador mais apropriado para o primeiro salto.
Informar ao host que destino encontra-se no mesmo enlace.
Este mecanismo é igual ao existente no IPv4.
Pacote IPv6
Descoberta de Vizinhança
● Redirecionamento
Envia mensagens Redirect
Redireciona um host para um roteador mais apropriado para o primeiro salto.
Informar ao host que destino encontra-se no mesmo enlace.
Este mecanismo é igual ao existente no IPv4.
Descoberta de Vizinhança
● Redirecionamento
Envia mensagens Redirect
Redireciona um host para um roteador mais apropriado para o primeiro salto.
Informar ao host que destino encontra-se no mesmo enlace.
Este mecanismo é igual ao existente no IPv4.
Pacotes IPv6
subsequentes
Descoberta de Vizinhança
● Autoconfiguração de Endereços Stateless
●Mecanismo que permite a atribuição de endereços unicast aos nós...
●sem a necessidade de configurações manuais.
●sem servidores adicionais.
●apenas com configurações mínimas dos roteadores.
●Gera endereços IP a partir de informações enviadas pelos roteadores
e de dados locais como o endereço MAC.
●Gera um endereço para cada prefixo informado nas mensagens RA
●Se não houver roteadores presentes na rede, é gerado apenas um
endereço link local.
●Roteadores utilizam apenas para gerar endereços link-local.
Descoberta de Vizinhança
● Autoconfiguração de Endereços Stateful
Usado pelo sistema quando nenhum roteador é encontrado.
Usado pelo sistema quando indicado nas mensagens RA.
Fornece:
●Endereços IPv6
●Outros parâmetros (servidores DNS, NTP...)
Clientes utilizam um endereço link-local para transmitir ou receber
mensagens DHCP.
Servidores utilizam endereços multicast para receber mensagens dos
clientes (FF02::1:2 ou FF05::1:3).
Clientes enviam mensagens a servidores fora de seu enlace
utilizando um Relay DHCP.
DHCPv6
● Autoconfiguração de Endereços Stateful
Permite um controle maior na atribuição de endereços aos host.
Os mecanismos de autoconfiguração de endereços stateful e
stateless podem ser utilizados simultaneamente.
●Por exemplo: utilizar autoconfiguração stateless para atribuir os
endereços e DHCPv6 para informar o endereço do servidor DNS.
DHCPv6 e DHCPv4 são independentes. Redes com Pilha Dupla
precisam de serviços DHCP separados.
DHCPv6
● Imensa base de dados distribuída utilizada para a resolução de
nomes de domínios em endereços IP e vice-versa.
● Arquitetura hierárquica, com dados dispostos em uma árvore
invertida, distribuída eficientemente em um sistema descentralizado e
com cache.
● Registros
IPv4 = A - Traduz nomes para endereços IPv4.
IPv6 = AAAA (quad-A) - Traduz nomes para endereços IPv6.
Exemplo: www.ipv6.br. IN A 200.160.4.22
IN AAAA 2001:12ff:0:4::22
DNS
● Registro PTR – Resolução de Reverso.
IPv4 = in-addr.arpa - Traduz endereços IPv4 em nomes.
IPv6 = ip6.arpa - Traduz endereços IPv6 em nomes.
Exemplo:
22.4.160.200.in-addr.arpa PTR www.ipv6.br.
2.2.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.4.0.0.0.0.0.0.0.f.f.2.1.1.0.0.2.ip6.arpa
PTR www.ipv6.br.
● Obsoletos
Registros
●A6
●DNAME
Domínio para a resolução de reverso
●ip6.int
DNS
● A base de dados de um servidor DNS pode armazenar tanto
registros IPv6 quanto IPv4.
● Esses dados são independentes da versão de IP em que o servidor
DNS opera.
Um servidor com conexão apenas IPv4 pode responder consultas
AAAA ou A.
 As informações obtidas na consulta IPv6 devem ser iguais
às obtidas na consulta IPv4.
DNS
● O protocolo IP trata todos os pacotes da mesma forma, sem
nenhuma preferência.
● Algumas aplicações necessitam que seus pacotes sejam
transportados com a garantia de que haja o mínimo de atraso,
latência ou perda de pacotes.
●VoIP
●Videoconferência
●Jogos online
●Entre outros...
● Utiliza-se o conceito de QoS (Quality of Service), ou em português,
Qualidade de Serviço.
● Arquiteturas principais: Differentiated Services (DiffServ) e
Integrated Services (IntServ).
●Ambas utilizam políticas de tráfego e podem ser combinadas para permitir
QoS em LANs ou WANs.
QoS
● DiffServ: trabalha por meio de classes, agregando e priorizando
pacotes com requisitos QoS similares.
●IPv4 – campo Tipo de Serviço (ToS).
●IPv6 – campo Classe de Tráfego:
● Mesma definição do campo ToS do IPv4.
●Pode ser definido na origem ou por roteadores.
●Pode ser redefinido por roteadores ao longo do caminho.
●Em pacotes que não necessitam de QoS o campo Classe de Tráfego
apresenta o valor 0 (zero).
● DiffServ não exige identificação ou gerencia dos fluxos.
● Muito utilizado devido a sua facilidade de implantação.
QoS
● IntServ: baseia-se na reserva de recursos por fluxo. Normalmente é
associado ao protocolo RSVP (Resource ReSerVation Protocol).
●IPv6 - campo Identificador de Fluxo é preenchido pela origem com valores
aleatórios entre 00001 e FFFFF para identificar o fluxo que necessita de QoS.
●Pacotes que não pertencem a um fluxo devem marcá-lo com zeros.
●Os hosts e roteadores que não têm suporte às funções do campo Identificador
de Fluxo devem preencher este campo com zeros quando enviarem um
pacote, não alterá-lo ao encaminharem um pacote, ou ignorá-lo quando
receberem um pacote.
●Pacotes de um mesmo fluxo devem possuir o mesmo endereço de origem e
destino, e o mesmo valor no campo Identificador de Fluxo.
●RSVP utiliza alguns elementos do protocolo IPv6, como o campo Identificador
de Fluxo e o cabeçalho de extensão Hop-by-Hop.
QoS
● Permite que um dispositivo móvel se desloque de uma rede para
outra sem necessidade de alterar seu endereço IP de origem,
tornando a movimentação entre redes invisível para os protocolos das
camadas superiores.
Mobilidade IPv6
● Funcionamento
O Nó Móvel utiliza Endereço de Origem para receber pacotes na Rede de
Origem.
Deslocamento
Adquire Endereço Remoto via autoconfiguração stateless ou stateful.
O Nó Móvel também pode se registrar diretamente com o Nó
Correspondente.
Agente de Origem realiza a
associação entre o
Endereço Remoto e o
Endereço de Origem.
Mobilidade IPv6
● O encaminhamento de pacotes para o Nó Móvel pode acontecer de
dois modos:
Tunelamento bidirecional
Mobilidade IPv6
● O encaminhamento de pacotes para o Nó Móvel pode acontecer de
dois modos:
Otimização de rota
Mobilidade IPv6
● Identificado no campo Próximo Cabeçalho pelo valor 135.
● Utilizado nas trocas de mensagens relacionadas à criação e
gerenciamento das associações de endereços.
● Cabeçalho de extensão Mobility
● Principais tipos de mensagem Mobility:
Binding Refresh Request (Tipo 0)
Binding Update (Tipo 5)
Binding Ack (Tipo 6)
Binding Error (Tipo 7)
Dados
Tam. cab. de
extensão
Protocolo
dos dados
Reservado
Tipo de Mensagem
Mobility
Soma de
Verificação
Mobilidade IPv6
● Mobilidade IPv4 x Mobilidade IPv6:
Não necessita da implantação de Agentes Remotos;
A otimização da rota passou a incorporada ao protocolo;
A autoconfiguração stateless facilita a atribuição de Endereços
Remotos;
Aproveita os benefícios do protocolo IPv6:
●Descoberta de Vizinhança, ICMPv6, cabeçalhos de extensão...
Utiliza o protocolo de Descoberta de Vizinhança, em vez de ARP;
Utiliza anycast para localizar Agentes de Origem em vez de broadcast.
Mobilidade IPv6
20.67
20-4 Transição de IPv4 para IPv6
Devido ao grande número de sistemas na Internet, a
transição do IPv4 para o IPv6 não pode acontecer de
repente. É preciso uma quantidade considerável de
tempo antes de cada sistema na Internet pode passar
do IPv4 para o IPv6. A transição deve ser suave para
evitar quaisquer problemas entre IPv4 e IPv6 sistemas.
Pilha Dupla
Tunelamento
Tradução
Topics discussed in this section:
Pilha Dupla
• Com esse mecanismo, nodos IPv6 devem ter as duas
pilhas TCP/IP internamente, a pilha da versão 6 e a
da versão 4.
• Através da versão do protocolo, se decide qual pilha
processará o datagrama.
• Esse mecanismo permite que nodos já atualizados
com
• IPv6 se comuniquem com nodos IPv4, e realizem
roteamento de pacotes de nodos que usem somente
IPv4 .
• Os nodos com dual-stack usam o "mesmo" endereço
para ambos os pacotes - sejam IPv4 ou IPv6.
20.69
Figure 20.19 Pilha Dupla
Tunelamento
• Esse mecanismo consiste em transmitir um datagrama IPv6 como parte de
dados de um datagrama IPv4, a fim de que dois nodos IPv6 possam
comunicar-se através de uma rede que só suporte IPv4.
• A rede IPv4 é vista como um túnel, e o endereço IPv4 do nodo final deste
túnel consta como destino do datagrama.
• Neste nodo o pacote IPv6 volta a trafegar normalmente a seu destino. Esse
nodo final, portanto, deve ter a pilha que suporte IPv6.
Exemplos:
6to4
Tunnel Broker
Teredo
ISATAP
20.71
Figure 20.20 Tunelamento
Tradução
• Permite a comunicação entre nodos com suporte
apenas a IPv6 com nodos que suportam apenas IPv4
20.73
Figure 20.21 Tradução
 FOROUZAN, Behrouz A.; Comunicação de dados e redes
de computadores. São Paulo. SP, 4ª Ed. Bookman,
2007.
 KUROSE, J. F.; ROSS, K. W. Redes de Computadores e a
Internet. 3 ed. Addison-Wesley: 2006
 http://ipv6.br > Acessado em 26/09/2012
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Redes - Camada de Enlace de Dados
Redes - Camada de Enlace de DadosRedes - Camada de Enlace de Dados
Redes - Camada de Enlace de Dados
Tiago Antônio da Silva
 
Camadas osi redes
Camadas osi   redesCamadas osi   redes
Camadas osi redes
Carlos Pereira
 
Aula 10 camada de rede
Aula 10   camada de redeAula 10   camada de rede
Aula 10 camada de rede
wab030
 
Modelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de RedeModelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de Rede
Walyson Vëras
 
CCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCO
CCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCOCCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCO
CCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCO
Dinei Vicente
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
Marcio Paciello Paruolo
 
Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.
Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.
Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.
Filipo Mór
 
Camada de Rede
Camada de RedeCamada de Rede
Camada de Rede
Cristiano Cordeiro
 
Redes I - 5.1 Tecnologias de Redes LAN
Redes I - 5.1 Tecnologias de Redes LANRedes I - 5.1 Tecnologias de Redes LAN
Redes I - 5.1 Tecnologias de Redes LAN
Mauro Tapajós
 
Módulo 02 modelo iso-osi
Módulo 02   modelo iso-osiMódulo 02   modelo iso-osi
Módulo 02 modelo iso-osi
Marília Simões
 
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamentoRedes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
Talita Travassos
 
Camada de rede parte1
Camada de rede   parte1Camada de rede   parte1
Camada de rede parte1
Universidade Federal do Pampa
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
doctorweb
 
Serviços e protocolos
Serviços e protocolosServiços e protocolos
Serviços e protocolos
Dayane Sousa
 
Curso De Redes
Curso De RedesCurso De Redes
Curso De Redes
marcelomarkus
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
wolkartt_18
 
13 ligações inter-redes
13   ligações inter-redes13   ligações inter-redes
13 ligações inter-redes
Francisco Ednardo Gomes Pereira
 
Equipamentos para redes
Equipamentos para redesEquipamentos para redes
Equipamentos para redes
Thiago Luis Colozio Casácio
 
Redes de Computadores
Redes de Computadores Redes de Computadores
Redes de Computadores
Emanoel Lopes
 
Redes I - 5.2 Tecnologias de Redes WAN
Redes I - 5.2 Tecnologias de Redes WANRedes I - 5.2 Tecnologias de Redes WAN
Redes I - 5.2 Tecnologias de Redes WAN
Mauro Tapajós
 

Mais procurados (20)

Redes - Camada de Enlace de Dados
Redes - Camada de Enlace de DadosRedes - Camada de Enlace de Dados
Redes - Camada de Enlace de Dados
 
Camadas osi redes
Camadas osi   redesCamadas osi   redes
Camadas osi redes
 
Aula 10 camada de rede
Aula 10   camada de redeAula 10   camada de rede
Aula 10 camada de rede
 
Modelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de RedeModelo OSI - Camada de Rede
Modelo OSI - Camada de Rede
 
CCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCO
CCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCOCCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCO
CCNA - Introdução a redes para certificação 640-802 // CISCO
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
 
Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.
Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.
Aula 4 - Redes de Computadores A - Camadas Modelos TCP/IP e OSI. Camada Física.
 
Camada de Rede
Camada de RedeCamada de Rede
Camada de Rede
 
Redes I - 5.1 Tecnologias de Redes LAN
Redes I - 5.1 Tecnologias de Redes LANRedes I - 5.1 Tecnologias de Redes LAN
Redes I - 5.1 Tecnologias de Redes LAN
 
Módulo 02 modelo iso-osi
Módulo 02   modelo iso-osiMódulo 02   modelo iso-osi
Módulo 02 modelo iso-osi
 
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamentoRedes windows e linux   conceitos básicos sobre endereçamento
Redes windows e linux conceitos básicos sobre endereçamento
 
Camada de rede parte1
Camada de rede   parte1Camada de rede   parte1
Camada de rede parte1
 
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00S2 B 2007   Infra   Aula 01 V1.00
S2 B 2007 Infra Aula 01 V1.00
 
Serviços e protocolos
Serviços e protocolosServiços e protocolos
Serviços e protocolos
 
Curso De Redes
Curso De RedesCurso De Redes
Curso De Redes
 
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNAModelos TCP/IP e OSI para CCNA
Modelos TCP/IP e OSI para CCNA
 
13 ligações inter-redes
13   ligações inter-redes13   ligações inter-redes
13 ligações inter-redes
 
Equipamentos para redes
Equipamentos para redesEquipamentos para redes
Equipamentos para redes
 
Redes de Computadores
Redes de Computadores Redes de Computadores
Redes de Computadores
 
Redes I - 5.2 Tecnologias de Redes WAN
Redes I - 5.2 Tecnologias de Redes WANRedes I - 5.2 Tecnologias de Redes WAN
Redes I - 5.2 Tecnologias de Redes WAN
 

Destaque

Camadas de enlace de dados
Camadas de enlace de dadosCamadas de enlace de dados
Camadas de enlace de dados
Felipe Weizenmann
 
Capítulo 10 detecção e correção de erros
Capítulo 10   detecção e correção de errosCapítulo 10   detecção e correção de erros
Capítulo 10 detecção e correção de erros
Faculdade Mater Christi
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Mauro Tapajós
 
Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos
Como funciona a Internet - Camadas e ProtocolosComo funciona a Internet - Camadas e Protocolos
Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos
Escola de Governança da Internet no Brasil
 
Diferenças entre IPV4 e IPV6
Diferenças entre IPV4 e IPV6Diferenças entre IPV4 e IPV6
Diferenças entre IPV4 e IPV6
José Alyson
 
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Mauro Tapajós
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Mauro Tapajós
 
Alms informatica
Alms   informaticaAlms   informatica
Alms informatica
Neon Online
 
ACII - SL04 - Introducao a redes de computadores
ACII - SL04 - Introducao a redes de computadoresACII - SL04 - Introducao a redes de computadores
ACII - SL04 - Introducao a redes de computadores
UFPB
 
Redes - Camada Fisica
Redes - Camada FisicaRedes - Camada Fisica
Redes - Camada Fisica
Luiz Arthur
 
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Faculdade Mater Christi
 

Destaque (11)

Camadas de enlace de dados
Camadas de enlace de dadosCamadas de enlace de dados
Camadas de enlace de dados
 
Capítulo 10 detecção e correção de erros
Capítulo 10   detecção e correção de errosCapítulo 10   detecção e correção de erros
Capítulo 10 detecção e correção de erros
 
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes CorporativosInstalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
Instalação e Atualização Automática de Aplicações para Ambientes Corporativos
 
Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos
Como funciona a Internet - Camadas e ProtocolosComo funciona a Internet - Camadas e Protocolos
Como funciona a Internet - Camadas e Protocolos
 
Diferenças entre IPV4 e IPV6
Diferenças entre IPV4 e IPV6Diferenças entre IPV4 e IPV6
Diferenças entre IPV4 e IPV6
 
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3Gerência de Redes - 5.SNMPv3
Gerência de Redes - 5.SNMPv3
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
 
Alms informatica
Alms   informaticaAlms   informatica
Alms informatica
 
ACII - SL04 - Introducao a redes de computadores
ACII - SL04 - Introducao a redes de computadoresACII - SL04 - Introducao a redes de computadores
ACII - SL04 - Introducao a redes de computadores
 
Redes - Camada Fisica
Redes - Camada FisicaRedes - Camada Fisica
Redes - Camada Fisica
 
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
 

Semelhante a Capítulo 20 camada de rede - internet protocol

IPv6
IPv6IPv6
Aula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptx
Aula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptxAula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptx
Aula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptx
DELYDASILVALIMANETO
 
I pv6
I pv6I pv6
Artigo IPv6
Artigo IPv6Artigo IPv6
Artigo IPv6
Erisson Marques
 
Redes sem FIO
Redes sem FIORedes sem FIO
Redes sem FIO
Fagner Mota
 
Jogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadores
Jogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadoresJogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadores
Jogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadores
Fernando Vieira da Silva
 
Sem-IP.ppt
Sem-IP.pptSem-IP.ppt
Sem-IP.ppt
postoformigao
 
Sem-IP.ppt
Sem-IP.pptSem-IP.ppt
Sem-IP.ppt
postoformigao
 
Endereços IP e Protocolos de Rede na Internet
Endereços IP e Protocolos de Rede na InternetEndereços IP e Protocolos de Rede na Internet
Endereços IP e Protocolos de Rede na Internet
ssuserc3cd74
 
Redes Avançadas - 2.IPv6
Redes Avançadas - 2.IPv6Redes Avançadas - 2.IPv6
Redes Avançadas - 2.IPv6
Mauro Tapajós
 
Tutorial i pv6-fundamentos
Tutorial i pv6-fundamentosTutorial i pv6-fundamentos
Tutorial i pv6-fundamentos
Luciano Silva de Souza
 
Conteúdo de IPV6
Conteúdo de IPV6Conteúdo de IPV6
Conteúdo de IPV6
Erikis Rodrigues
 
Redes I -7.Introdução ao TCP/IP
Redes I -7.Introdução ao TCP/IPRedes I -7.Introdução ao TCP/IP
Redes I -7.Introdução ao TCP/IP
Mauro Tapajós
 
Redes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IP
Redes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IPRedes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IP
Redes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IP
Mauro Tapajós
 
I Pv4 Vs I Pv6 Final 2
I Pv4 Vs I Pv6 Final 2I Pv4 Vs I Pv6 Final 2
I Pv4 Vs I Pv6 Final 2
ptic433
 
Rede
Rede Rede
Artigo ipv6
Artigo ipv6Artigo ipv6
Artigo ipv6
Clécio Oliveira
 
Exercicio 2 endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...
Exercicio 2   endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...Exercicio 2   endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...
Exercicio 2 endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...
Mauro Pereira
 
Palestra 2º Café com Software Livre - Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?!
Palestra 2º Café com Software Livre -  Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?! Palestra 2º Café com Software Livre -  Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?!
Palestra 2º Café com Software Livre - Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?!
blusolsl
 
Camada3
Camada3Camada3
Camada3
redesteste
 

Semelhante a Capítulo 20 camada de rede - internet protocol (20)

IPv6
IPv6IPv6
IPv6
 
Aula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptx
Aula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptxAula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptx
Aula 5 - Serviços e protocolos da camada de rede e transporte (1).pptx
 
I pv6
I pv6I pv6
I pv6
 
Artigo IPv6
Artigo IPv6Artigo IPv6
Artigo IPv6
 
Redes sem FIO
Redes sem FIORedes sem FIO
Redes sem FIO
 
Jogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadores
Jogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadoresJogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadores
Jogos Multi-jogadores: Revisão sobre Redes de computadores
 
Sem-IP.ppt
Sem-IP.pptSem-IP.ppt
Sem-IP.ppt
 
Sem-IP.ppt
Sem-IP.pptSem-IP.ppt
Sem-IP.ppt
 
Endereços IP e Protocolos de Rede na Internet
Endereços IP e Protocolos de Rede na InternetEndereços IP e Protocolos de Rede na Internet
Endereços IP e Protocolos de Rede na Internet
 
Redes Avançadas - 2.IPv6
Redes Avançadas - 2.IPv6Redes Avançadas - 2.IPv6
Redes Avançadas - 2.IPv6
 
Tutorial i pv6-fundamentos
Tutorial i pv6-fundamentosTutorial i pv6-fundamentos
Tutorial i pv6-fundamentos
 
Conteúdo de IPV6
Conteúdo de IPV6Conteúdo de IPV6
Conteúdo de IPV6
 
Redes I -7.Introdução ao TCP/IP
Redes I -7.Introdução ao TCP/IPRedes I -7.Introdução ao TCP/IP
Redes I -7.Introdução ao TCP/IP
 
Redes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IP
Redes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IPRedes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IP
Redes de computadores II - 1.Arquitetura TCP/IP
 
I Pv4 Vs I Pv6 Final 2
I Pv4 Vs I Pv6 Final 2I Pv4 Vs I Pv6 Final 2
I Pv4 Vs I Pv6 Final 2
 
Rede
Rede Rede
Rede
 
Artigo ipv6
Artigo ipv6Artigo ipv6
Artigo ipv6
 
Exercicio 2 endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...
Exercicio 2   endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...Exercicio 2   endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...
Exercicio 2 endereços, dispositivos, internet-intranet-extranet, padroes, c...
 
Palestra 2º Café com Software Livre - Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?!
Palestra 2º Café com Software Livre -  Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?! Palestra 2º Café com Software Livre -  Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?!
Palestra 2º Café com Software Livre - Alan C. Besen - Ipv6: A nova internet?!
 
Camada3
Camada3Camada3
Camada3
 

Mais de Faculdade Mater Christi

Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Introdução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídosIntrodução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídos
Faculdade Mater Christi
 
Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Processos e threads   cap 02 (i unidade)Processos e threads   cap 02 (i unidade)
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 

Mais de Faculdade Mater Christi (11)

Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
 
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
 
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
 
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
 
Introdução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídosIntrodução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídos
 
Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)
 
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
 
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
 
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
 
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Processos e threads   cap 02 (i unidade)Processos e threads   cap 02 (i unidade)
Processos e threads cap 02 (i unidade)
 

Capítulo 20 camada de rede - internet protocol

  • 1. 20.1 Capítulo 20 Camada de Rede: Internet Protocol (IP) Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.
  • 2. 20.2 20-1 INTERNETWORKING Neste capítulo, discutiremos primeiro o internetworking e questões relativas ao protocolo de camada de rede em geral. Necessidade da Camada de Rede Internet como uma Rede de Datagramas Internet como uma Rede sem conexão Tópicos discutidos nesta seção :
  • 3.  As camadas física e de enlace de dados de uma rede operam localmente.  Juntas, essas duas camadas são responsáveis pela entrega de dados na rede de um nó para o seguinte, como mostrado na figura 20.1. 20.3 20-1 INTERNETWORKING
  • 4. 20.4 Figure 20.1 Links entre dois nó
  • 5. Necessidade da Camada de Rede  Para solucionar o problema de entrega por intermédio de vários links, foi desenvolvida a camada de rede;  A camada de rede é responsável pela entrega host-host e por encaminhar os pacotes pelos roteadores ou switchs;  A figura 20.2 mostra a mesma internetwork com uma camada de rede acrescentada. 20.5 20-1 INTERNETWORKING
  • 6. 20.6 Figure 20.2 Camada de Rede em uma Internetwork
  • 7. Necessidade da Camada de Rede  A figura 20.3 ilustra o conceito geral do funcionamento da camada de rede atuando na origem, em um roteador e no destino;  A camada de rede na origem é responsável pela criação de um pacote com dados provenientes de outro protocolo;  O cabeçalho do pacote contém, entre outras informações, os endereços lógicos da origem e do destino;  A camada de rede é responsável por consultar sua tabela de rotas para encontrar informações de roteamento;  Se o pacote for muito grande, ele será fragmentado. 20.7 20-1 INTERNETWORKING
  • 8. 20.8 Figure 20.3 Camada de rede na fonte, router, e destino
  • 9. 20.9 Figure 20.3 Camada de rede na fonte, router, e destino (Continuação)
  • 10. Internet como uma Rede de Datagramas  A internet, na camada de rede, é uma rede de comutação de pacotes, a comutação pode ser dividida em três grandes categorias: comutação de circuitos, pacotes e mensagens, a comutação de pacotes pode usar tanto o método de circuitos virtuais como o de datagramas;  A internet optou pelo método de datagramas para comunicação na camada de rede;  Ela usa os endereços universais definidos na camada de rede para direcionar pacotes, da origem ao destino; 20.10 20-1 INTERNETWORKING
  • 11. Internet como uma Rede sem Conexão  No serviço sem conexão, o protocolo da camada de rede trata cada pacote de forma independente, em que cada pacote não apresenta nenhuma relação com qualquer outro pacote;  Os Pacotes em uma mensagem podem ou não trafegar pela mesma rota até seu destino;  Esse tipo de serviço é usado na abordagem de datagramas para comutação de pacotes, A internet optou por esse tipo de serviço na camada de rede;  A razão para tal decisão é que a internet é composta por tantas redes heterogêneas interligadas que é praticamente impossível criar uma conexão desde a origem até o destino sem conhecer previamente a natureza das redes. 20.11 20-1 INTERNETWORKING
  • 12.  O IPV4 é um protocolo de datagramas sem conexão e não confiável – um serviço de entrega best-effort;  O termo best-effort significa que o IPV4 não provê mecanismos de controle de erros ou de fluxos;  O IPV4 pressupõe a falta de confiabilidade das camadas inferiores e faz o máximo para levar a transmissão até seu destino mas sem garantias. 20.12 20-2 IPv4
  • 13. 20.13 Figure 20.4 Posição Ipv4 e Ipv6 no TCP/IP
  • 14. Datagramas  Os pacotes na camada IPV4 são denominados datagramas;  Um datagrama é um pacote de comprimento variável constituído de duas partes: cabeçalho e dados;  O cabeçalho tem comprimento de 20 a 60 bytes e contém informações essenciais para roteamento e a entrega;  É comum no TCP/IP apresentar o cabeçalho em seções de 4 bytes. 20.14 20-2 IPv4
  • 15. 20.15 Figure 20.5 IPv4 Formato Datagrama
  • 16. 19.16 19-2 IPv6 Apesar de todas as soluções de curto prazo, o esgotamento de endereços ainda é um problema a longo prazo para a Internet. Este e outros problemas no protocolo IP em si tem sido a motivação para o IPv6. O que é Ipv6 Cabeçalho IPv6 Endereçamento IPv6 Funcionalidades do IPv6 Técnicas de Transição Tópicos discutidos nesta seção:
  • 17. ● 1998 - Definido pela RFC 2460  128 bits para endereçamento.  Cabeçalho base simplificado.  Cabeçalhos de extensão.  Identificação de fluxo de dados (QoS).  Mecanismos de IPSec incorporados ao protocolo.  Realiza a fragmentação e remontagem dos pacotes apenas na origem e no destino.  Não requer o uso de NAT, permitindo conexões fim-a-fim.  Mecanismos que facilitam a configuração de redes. IPv6O que é Ipv6
  • 18. Por que utilizar IPv6 hoje? A Internet continua crescendo no Mundo  1.966.514.816 usuários de Internet;  28,7% da população;  Crescimento de 444,8% nos últimos 10 anos.  Em 2014, soma de celulares, smartphones, netbooks e modens 3G deve chegar a 2,25 bilhões de aparelhos. No Brasil  27% de domicílios com acesso à Internet;  3,5 milhões de conexões em banda larga móvel;  11 milhões de conexões em banda larga fixa. Por que utilizar IPv6 hoje?
  • 20. O cabeçalho IPv4 é composto por 12 campos fixos, podendo conter ou não opções, fazendo com que seu tamanho possa variar entre 20 e 60 Bytes. Cabeçalho Ipv4
  • 21. Mais simples 40 Bytes (tamanho fixo). Apenas duas vezes maior que o da versão anterior. Mais flexível Extensão por meio de cabeçalhos adicionais. Mais eficiente Minimiza o overhead nos cabeçalhos. Reduz o custo do processamento dos pacotes. Cabeçalho Ipv6
  • 22. ● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos. Cabeçalho Ipv4
  • 23. ● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos. ● Quatro campos tiveram seus nomes alterados e seus posicionamentos modificados. 1 12 2 3 3 4 4 Cabeçalho Ipv4
  • 24. ● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos. ● Quatro campos tiveram seus nomes alterados e seus posicionamentos modificados. ● O campo Identificador de Fluxo foi acrescentado. Cabeçalho Ipv4
  • 25. ● Seis campos do cabeçalho IPv4 foram removidos. ● Quatro campos tiveram seus nomes alterados e seus posicionamentos modificados. ● O campo Identificador de Fluxo foi acrescentado. ● Três campos foram mantidos. Cabeçalho Ipv4
  • 27. Endereçamento ● Um endereço IPv4 é formado por 32 bits. 232 = 4.294.967.296 ● Um endereço IPv6 é formado por 128 bits. 2128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 ~ 56 octilhões (5,6x1028) de endereços IP por ser humano. ~ 79 octilhões (7,9x1028) de vezes a quantidade de endereços IPv4. Endereçamento
  • 28. Endereçamento A representação dos endereços IPv6, divide o endereço em oito grupos de 16 bits, separando-os por “:”, escritos com dígitos hexadecimais. 2001:0DB8:AD1F:25E2:CADE:CAFE:F0CA:84C1 Na representação de um endereço IPv6 é permitido: ● Utilizar caracteres maiúsculos ou minúsculos; ● Omitir os zeros à esquerda; e ● Representar os zeros contínuos por “::”. Exemplo: 2001:0DB8:0000:0000:130F:0000:0000:140B 2001:db8:0:0:130f::140b Formato inválido: 2001:db8::130f::140b (gera ambiguidade) 2 Bytes Endereçamento 2 Bytes 2 Bytes2 Bytes 2 Bytes2 Bytes2 Bytes2 Bytes
  • 29. Representação dos Prefixos Como o CIDR (IPv4) “endereço-IPv6/tamanho do prefixo” Exemplo: Prefixo 2001:db8:3003:2::/64 Prefixo global 2001:db8::/32 ID da sub-rede 3003:2 ●URL http://[2001:12ff:0:4::22]/index.html http://[2001:12ff:0:4::22]:8080 Endereçamento
  • 30. Existem no IPv6 três tipos de endereços definidos: ● Unicast → Identificação Individual ● Anycast → Identificação Seletiva ● Multicast → Identificação em Grupo Não existe mais Broadcast. Endereçamento
  • 31. Unicast ●Global Unicast 2000::/3 Globalmente roteável (similar aos endereços públicos IPv4);  13% do total de endereços possíveis; 2(45) = 35.184.372.088.832 redes /48 distintas. Prefixo de roteamento global ID da sub- rede n 64 - n 64 Identificador da interface Endereçamento
  • 32. Unicast ●Link local FE80::/64 Deve ser utilizado apenas localmente; Atribuído automaticamente (autoconfiguração stateless); Identificador da interfaceFE80 0 Endereçamento
  • 33. Unicast ●Unique local FC00::/7 Prefixo globalmente único (com alta probabilidade de ser único); Utilizado apenas na comunicação dentro de um enlace ou entre um conjunto limitado de enlaces; Não é esperado que seja roteado na Internet. Equivalente aos ips privado do IPV4 Identificador global ID da sub- rede Identificador da interfacePref. L 7 Endereçamento
  • 34. Anycast Identifica um grupo de interfaces Entrega o pacote apenas para a interface mais perto da origem. ● Atribuídos a partir de endereços unicast (são sintaticamente iguais). ● Possíveis utilizações: Descobrir serviços na rede (DNS, proxy HTTP, etc.); Balanceamento de carga; Localizar roteadores que forneçam acesso a uma determinada sub-rede; Utilizado em redes com suporte a mobilidade IPv6, para localizar os Agentes de Origem... ● Subnet-Router Endereçamento
  • 35. Endereçamento Multicast ●Identifica um grupo de interfaces. ●O suporte a multicast é obrigatório em todos os nós IPv6. ●O endereço multicast deriva do bloco FF00::/8. ●O prefixo FF é seguido de quatro bits utilizados como flags e mais quatro bits que definem o escopo do endereço multicast. Os 112 bits restantes são utilizados para identificar o grupo multicast. Identificador do grupo multicastFF Flags 0RPT Escopo 8 4 4 112 Endereçamento
  • 36. ● Do mesmo modo que no IPv4, os endereços IPv6 são atribuídos a interfaces físicas e não aos nós. ● Com o IPv6 é possível atribuir a uma única interface múltiplos endereços, independentemente do seu tipo. ● Com isso, um nó pode ser identificado através de qualquer endereço de sua interfaces. ●Loopback ::1 ●Link Local FE80:.... ●Unique local FD07:... ●Global 2001:.... ●Multicast ff00::/8 ●ff02::1 – todos os hosts ●ff01::1:ffnn-nnnn – host solicitado ●Não especificado :: ●Documentação 2001:0db8::/32 Endereçamento A RFC 3484 determina o algoritmo para seleção dos endereços de origem e destino.
  • 38. ●Definido na RFC 4443. ●Mesmas funções do ICMPv4 (mas não são compatíveis): ● Informar características da rede; ● Realizar diagnósticos; ● Relatar erros no processamento de pacotes. ●Assume as funcionalidades de outros protocolos: ● ARP/RARP ● IGMP ●Identificado pelo valor 58 no campo Próximo Cabeçalho. ●Deve ser implementado em todos os nós. ICMPv6
  • 39. ●É precedido pelos cabeçalhos de extensão, se houver, e pelo cabeçalho base do IPv6. ●Protocolo chave da arquitetura IPv6. ●Essencial em funcionalidades do IPv6: ●Gerenciamento de grupos multicast; ●Descoberta de Vizinhança (Neighbor Discovery); ●Mobilidade IPv6; ●Descoberta do Path MTU. IPv6 cadeia de cab. de extensão ICMPv6 ICMPv6
  • 40. ●Cabeçalho simples Tipo (8 bits): especifica o tipo da mensagem. Código (8 bits): oferece algumas informações adicionais para determinados tipos de mensagens. Soma de Verificação (16 bits): é utilizado para detectar dados corrompidos no cabeçalho ICMPv6 e em parte do cabeçalho IPv6. Dados: apresenta as informações de diagnóstico e erro de acordo com o tipo de mensagem. Seu tamanho pode variar de acordo com a mensagem. ICMPv6
  • 41. ●Possui duas classes de mensagens: Mensagens de Erro Destination Unreachable Packet Too Big Time Exceeded Parameter Problem Mensagens de Informação Echo Request e Echo Reply Multicast Listener Query Multicast Listener Report Multicast Listener Done Router Solicitation e Router Advertisement Neighbor Solicitation e Neighbor Advertisement Redirect... ICMPv6
  • 42. ● Neighbor Discovery – definido na RFC 4861. ● Assume as funções de protocolos ARP, ICMP Router Discovery e ICMP Redirect, do IPv4. ● Adiciona novos métodos não existentes na versão anterior do protocolo IP. ● Torna mais dinâmico alguns processos de configuração de rede: determinar o endereço MAC dos nós da rede; encontrar roteadores vizinhos; determinar prefixos e outras informações de configuração da rede; detectar endereços duplicados; determinar a acessibilidades dos roteadores; redirecionamento de pacotes; autoconfiguração de endereços. Descoberta de Vizinhança
  • 43. ● Utiliza 5 tipos de mensagens ICMPv6: Router Solicitation (RS) – ICMPv6 Tipo 133; Router Advertisement (RA) – ICMPv6 Tipo 134; Neighbor Solicitation (NS) – ICMPv6 Tipo 135; Neighbor Advertisement (NA) – ICMPv6 Tipo 136; Redirect – ICMPv6 Tipo 137. ● São configuradas com o valor 255 no campo Limite de Encaminhamento. Podem conter, ou não, opções: Source link-layer address. Target link-layer address. Prefix information. Redirected header. MTU. Descoberta de Vizinhança
  • 44. ● Descoberta de Endereços da Camada de Enlace Determina o endereço MAC dos vizinhos do mesmo enlace. Substitui o protocolo ARP. Utiliza o endereço multicast solicited-node em vez de broadcast. O host envia uma mensagem NS informando seu endereço MAC e solicita o endereço MAC do vizinho. ICMPv6 Type 135 (Neigbor Solicitation) Origem – 2001:db8::faca:cafe:1234 Destino – FF02::1:FFCA:5678 (33-33-FF-CA-56-78) Who is 2001:db8::ca5a:f0ca:5678? 2001:db8::faca:cafe:1234 MAC AB-CD-C9-21-58- 0C 2001:db8::ca5a:f0ca:5678 MAC AB-CD-C0-12-85- C0 Descoberta de Vizinhança
  • 45. ● Descoberta de Endereços da Camada de Enlace ●Determina o endereço MAC dos vizinhos do mesmo enlace. ●Substitui o protocolo ARP. ●Utiliza o endereço multicast solicited-node em vez de broadcast. ●O host envia uma mensagem NS informando seu endereço MAC e solicita o endereço MAC do vizinho. ●O vizinho responde enviando uma mensagem NA informando seu endereço MAC. ICMPv6 Type 136 (Neigbor Advertisement) Origem – 2001:db8::ca5a:f0ca:5678 Destino – 2001:db8::faca:cafe:1234 (AB-CD-C9-21-58-0C) Use AB-CD-C0-12-85-C0 2001:db8::faca:cafe:1234 MAC AB-CD-C9-21-58- 0C 2001:db8::ca5a:f0ca:5678 MAC AB-CD-C0-12-85- C0 Descoberta de Vizinhança
  • 46. ● Descoberta de Roteadores e Prefixos Localizar roteadores vizinhos dentro do mesmo enlace. Determina prefixos e parâmetros relacionados à autoconfiguração de endereço. No IPv4, está função é realizada pelas mensagens ARP Request. Roteadores enviam mensagens RA para o endereço multicast all-nodes. Descoberta de Vizinhança
  • 47. ● Detecção de Endereços Duplicados  Verifica a unicidade dos endereços de um nó dentro do enlace.  Deve ser realizado antes de se atribuir qualquer endereço unicast a uma interface.  Consiste no envio de uma mensagem NS pelo host, com o campo target address preenchido com seu próprio endereço. Caso alguma mensagem NA seja recebida como resposta, isso indicará que o endereço já está sendo utilizado. Descoberta de Vizinhança
  • 48. ● Detecção de Vizinhos Inacessíveis Utilizado para rastrear a acessibilidade dos nós ao longo do caminho. Um nó considera um vizinho acessível se ele recebeu recentemente a confirmação de entrega de algum pacote a esse vizinho. ●Pode ser uma resposta a mensagens do protocolo de Descoberta de Vizinhança ou algum processo da camada de transporte que indique que uma conexão foi estabelecida. Executado apenas para endereços unicast. Neighbor Cache (similar a tabela ARP). Destination Cache. Descoberta de Vizinhança
  • 49. ● Redirecionamento Envia mensagens Redirect Redireciona um host para um roteador mais apropriado para o primeiro salto. Informar ao host que destino encontra-se no mesmo enlace. Este mecanismo é igual ao existente no IPv4. Pacote IPv6 Descoberta de Vizinhança
  • 50. ● Redirecionamento Envia mensagens Redirect Redireciona um host para um roteador mais apropriado para o primeiro salto. Informar ao host que destino encontra-se no mesmo enlace. Este mecanismo é igual ao existente no IPv4. Descoberta de Vizinhança
  • 51. ● Redirecionamento Envia mensagens Redirect Redireciona um host para um roteador mais apropriado para o primeiro salto. Informar ao host que destino encontra-se no mesmo enlace. Este mecanismo é igual ao existente no IPv4. Pacotes IPv6 subsequentes Descoberta de Vizinhança
  • 52. ● Autoconfiguração de Endereços Stateless ●Mecanismo que permite a atribuição de endereços unicast aos nós... ●sem a necessidade de configurações manuais. ●sem servidores adicionais. ●apenas com configurações mínimas dos roteadores. ●Gera endereços IP a partir de informações enviadas pelos roteadores e de dados locais como o endereço MAC. ●Gera um endereço para cada prefixo informado nas mensagens RA ●Se não houver roteadores presentes na rede, é gerado apenas um endereço link local. ●Roteadores utilizam apenas para gerar endereços link-local. Descoberta de Vizinhança
  • 53. ● Autoconfiguração de Endereços Stateful Usado pelo sistema quando nenhum roteador é encontrado. Usado pelo sistema quando indicado nas mensagens RA. Fornece: ●Endereços IPv6 ●Outros parâmetros (servidores DNS, NTP...) Clientes utilizam um endereço link-local para transmitir ou receber mensagens DHCP. Servidores utilizam endereços multicast para receber mensagens dos clientes (FF02::1:2 ou FF05::1:3). Clientes enviam mensagens a servidores fora de seu enlace utilizando um Relay DHCP. DHCPv6
  • 54. ● Autoconfiguração de Endereços Stateful Permite um controle maior na atribuição de endereços aos host. Os mecanismos de autoconfiguração de endereços stateful e stateless podem ser utilizados simultaneamente. ●Por exemplo: utilizar autoconfiguração stateless para atribuir os endereços e DHCPv6 para informar o endereço do servidor DNS. DHCPv6 e DHCPv4 são independentes. Redes com Pilha Dupla precisam de serviços DHCP separados. DHCPv6
  • 55. ● Imensa base de dados distribuída utilizada para a resolução de nomes de domínios em endereços IP e vice-versa. ● Arquitetura hierárquica, com dados dispostos em uma árvore invertida, distribuída eficientemente em um sistema descentralizado e com cache. ● Registros IPv4 = A - Traduz nomes para endereços IPv4. IPv6 = AAAA (quad-A) - Traduz nomes para endereços IPv6. Exemplo: www.ipv6.br. IN A 200.160.4.22 IN AAAA 2001:12ff:0:4::22 DNS
  • 56. ● Registro PTR – Resolução de Reverso. IPv4 = in-addr.arpa - Traduz endereços IPv4 em nomes. IPv6 = ip6.arpa - Traduz endereços IPv6 em nomes. Exemplo: 22.4.160.200.in-addr.arpa PTR www.ipv6.br. 2.2.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.0.4.0.0.0.0.0.0.0.f.f.2.1.1.0.0.2.ip6.arpa PTR www.ipv6.br. ● Obsoletos Registros ●A6 ●DNAME Domínio para a resolução de reverso ●ip6.int DNS
  • 57. ● A base de dados de um servidor DNS pode armazenar tanto registros IPv6 quanto IPv4. ● Esses dados são independentes da versão de IP em que o servidor DNS opera. Um servidor com conexão apenas IPv4 pode responder consultas AAAA ou A.  As informações obtidas na consulta IPv6 devem ser iguais às obtidas na consulta IPv4. DNS
  • 58. ● O protocolo IP trata todos os pacotes da mesma forma, sem nenhuma preferência. ● Algumas aplicações necessitam que seus pacotes sejam transportados com a garantia de que haja o mínimo de atraso, latência ou perda de pacotes. ●VoIP ●Videoconferência ●Jogos online ●Entre outros... ● Utiliza-se o conceito de QoS (Quality of Service), ou em português, Qualidade de Serviço. ● Arquiteturas principais: Differentiated Services (DiffServ) e Integrated Services (IntServ). ●Ambas utilizam políticas de tráfego e podem ser combinadas para permitir QoS em LANs ou WANs. QoS
  • 59. ● DiffServ: trabalha por meio de classes, agregando e priorizando pacotes com requisitos QoS similares. ●IPv4 – campo Tipo de Serviço (ToS). ●IPv6 – campo Classe de Tráfego: ● Mesma definição do campo ToS do IPv4. ●Pode ser definido na origem ou por roteadores. ●Pode ser redefinido por roteadores ao longo do caminho. ●Em pacotes que não necessitam de QoS o campo Classe de Tráfego apresenta o valor 0 (zero). ● DiffServ não exige identificação ou gerencia dos fluxos. ● Muito utilizado devido a sua facilidade de implantação. QoS
  • 60. ● IntServ: baseia-se na reserva de recursos por fluxo. Normalmente é associado ao protocolo RSVP (Resource ReSerVation Protocol). ●IPv6 - campo Identificador de Fluxo é preenchido pela origem com valores aleatórios entre 00001 e FFFFF para identificar o fluxo que necessita de QoS. ●Pacotes que não pertencem a um fluxo devem marcá-lo com zeros. ●Os hosts e roteadores que não têm suporte às funções do campo Identificador de Fluxo devem preencher este campo com zeros quando enviarem um pacote, não alterá-lo ao encaminharem um pacote, ou ignorá-lo quando receberem um pacote. ●Pacotes de um mesmo fluxo devem possuir o mesmo endereço de origem e destino, e o mesmo valor no campo Identificador de Fluxo. ●RSVP utiliza alguns elementos do protocolo IPv6, como o campo Identificador de Fluxo e o cabeçalho de extensão Hop-by-Hop. QoS
  • 61. ● Permite que um dispositivo móvel se desloque de uma rede para outra sem necessidade de alterar seu endereço IP de origem, tornando a movimentação entre redes invisível para os protocolos das camadas superiores. Mobilidade IPv6
  • 62. ● Funcionamento O Nó Móvel utiliza Endereço de Origem para receber pacotes na Rede de Origem. Deslocamento Adquire Endereço Remoto via autoconfiguração stateless ou stateful. O Nó Móvel também pode se registrar diretamente com o Nó Correspondente. Agente de Origem realiza a associação entre o Endereço Remoto e o Endereço de Origem. Mobilidade IPv6
  • 63. ● O encaminhamento de pacotes para o Nó Móvel pode acontecer de dois modos: Tunelamento bidirecional Mobilidade IPv6
  • 64. ● O encaminhamento de pacotes para o Nó Móvel pode acontecer de dois modos: Otimização de rota Mobilidade IPv6
  • 65. ● Identificado no campo Próximo Cabeçalho pelo valor 135. ● Utilizado nas trocas de mensagens relacionadas à criação e gerenciamento das associações de endereços. ● Cabeçalho de extensão Mobility ● Principais tipos de mensagem Mobility: Binding Refresh Request (Tipo 0) Binding Update (Tipo 5) Binding Ack (Tipo 6) Binding Error (Tipo 7) Dados Tam. cab. de extensão Protocolo dos dados Reservado Tipo de Mensagem Mobility Soma de Verificação Mobilidade IPv6
  • 66. ● Mobilidade IPv4 x Mobilidade IPv6: Não necessita da implantação de Agentes Remotos; A otimização da rota passou a incorporada ao protocolo; A autoconfiguração stateless facilita a atribuição de Endereços Remotos; Aproveita os benefícios do protocolo IPv6: ●Descoberta de Vizinhança, ICMPv6, cabeçalhos de extensão... Utiliza o protocolo de Descoberta de Vizinhança, em vez de ARP; Utiliza anycast para localizar Agentes de Origem em vez de broadcast. Mobilidade IPv6
  • 67. 20.67 20-4 Transição de IPv4 para IPv6 Devido ao grande número de sistemas na Internet, a transição do IPv4 para o IPv6 não pode acontecer de repente. É preciso uma quantidade considerável de tempo antes de cada sistema na Internet pode passar do IPv4 para o IPv6. A transição deve ser suave para evitar quaisquer problemas entre IPv4 e IPv6 sistemas. Pilha Dupla Tunelamento Tradução Topics discussed in this section:
  • 68. Pilha Dupla • Com esse mecanismo, nodos IPv6 devem ter as duas pilhas TCP/IP internamente, a pilha da versão 6 e a da versão 4. • Através da versão do protocolo, se decide qual pilha processará o datagrama. • Esse mecanismo permite que nodos já atualizados com • IPv6 se comuniquem com nodos IPv4, e realizem roteamento de pacotes de nodos que usem somente IPv4 . • Os nodos com dual-stack usam o "mesmo" endereço para ambos os pacotes - sejam IPv4 ou IPv6.
  • 70. Tunelamento • Esse mecanismo consiste em transmitir um datagrama IPv6 como parte de dados de um datagrama IPv4, a fim de que dois nodos IPv6 possam comunicar-se através de uma rede que só suporte IPv4. • A rede IPv4 é vista como um túnel, e o endereço IPv4 do nodo final deste túnel consta como destino do datagrama. • Neste nodo o pacote IPv6 volta a trafegar normalmente a seu destino. Esse nodo final, portanto, deve ter a pilha que suporte IPv6. Exemplos: 6to4 Tunnel Broker Teredo ISATAP
  • 72. Tradução • Permite a comunicação entre nodos com suporte apenas a IPv6 com nodos que suportam apenas IPv4
  • 74.  FOROUZAN, Behrouz A.; Comunicação de dados e redes de computadores. São Paulo. SP, 4ª Ed. Bookman, 2007.  KUROSE, J. F.; ROSS, K. W. Redes de Computadores e a Internet. 3 ed. Addison-Wesley: 2006  http://ipv6.br > Acessado em 26/09/2012 Referências