SlideShare uma empresa Scribd logo
Instalação e Operação de Sistemas Informáticos 
.: Instalação, manutenção e 
utilização de redes locais 
Q121-5
Instalação e Operação de Sistemas Informáticos 
.: Índice 
1. Introdução às redes de computadores (4) 
Q121-5 
2
Instalação e Operação de Sistemas Informáticos 
.: Introdução 
1. Objetivos: 
A. Interiorização de conceitos 
2. Benefícios e Condições de utilização: 
A. Identificação de processadores 
B. Escolha de processadores de acordo com objetivos 
Q121-5 
3
1. Introdução às redes de 
computadores 
Noções elementares sobre redes: o que são, que 
vantagens têm, que tipos existem 
4 
Q121-5
O que é uma rede de computadores? 
 É um sistema de comunica-ção 
de dados constituído 
através da interligação de 
computadores e periféricos, 
com a finalidade de trocar 
informação e partilhar 
recursos. 
5 
Q121-5
Vantagens das redes 
 Partilha de recursos físicos (discos, impressoras, etc.); 
 Partilha de programas; 
 Partilha de ficheiros; 
 Intercâmbio de mensagens e informação; 
 Melhor organização do trabalho em grupo. 
6 
Q121-5
Sistemas de comunicação 
canal canal 
Origem Mensagem Destino 
Sistema de comunicação de dados 
Fonte Destino 
Microfone Canal de comunicação Altifalante 
Sinal eléctrico 
Sistema de comunicação de dados nas redes 
Fonte Destino 
Microfone Canal de comunicação Altifalante 
Transdutor 
7 
Q121-5
Sistema de comunicação de dados 
nas redes 
8 
 Envolvem 6 partes: 
 Transmissor: processa o sinal de entrada para produzir um 
sinal adaptado ao canal de transmissão; 
 Recetor: processa o sinal de saída do canal para produzir 
um sinal adaptado ao destinatário; 
 Mensagem: elemento a ser transmitido; 
 Canal de transmissão: meio que liga a origem ao destino e 
por onde passa a mensagem; 
 Protocolo de comunicação: a capacidade que o emissor e 
recetor têm de se entenderem com recurso a uma 
linguagem comum; 
 Transdutor: converte os dados em sinais. 
Q121-5
Exemplo prático 
 Exemplo prático: 
 Consideremos que o Rodrigo e o Nicolau estão no café a 
conversar e a certa altura o Rodrigo diz ao Nicolau: 
“Comprei um computador novo”. 
Neste caso, as partes envolvidas na comunicação 
serão: 
 Emissor: Rodrigo; 
 Receptor: Nicolau; 
 Mensagem: Comprei um computador novo; 
 Canal de transmissão: Ar; 
 Protocolo: A lingua portuguesa. 
Q121-5
Transmissões simplex, half-duplex e 
full-duplex (1/2) 
 Simplex: apenas um computador pode 
emitir para o outro 
 Half-duplex: qualquer computador pode 
enviar para o outro, mas as transmissões 
são alternadamente num sentido e noutro 
 Full-duplex: as transmissões em ambos os 
sentidos são possíveis em simultâneo. 
10 
Q121-5
11 
Transmissões simplex, half-duplex e 
full-duplex Exemplos 
Apresenta exemplos de dispositivos que 
transmitem informação em modo: 
Simplex 
Half-duplex 
Full-duplex 
Q121-5
A nível de hardware necessitam de: 
1. Computadores; 
2. Periféricos (impressoras, cd´s, modem´s, etc.); 
3. Meios físicos de transmissão ( cabos, ou sistemas de 
comunicações sem fios – ondas propagadas no espaço); 
4. Dispositivos de ligação dos computadores à rede 
(placas de rede, modems e/ou outros dispositivos); 
12 
Q121-5
A nível de Software necessitam 
1. Utilitários e programas de aplicação para trabalho em 
13 
rede; 
2. Sistemas operativos específicos para redes; 
3. Drivers de placa de rede, complementam o sistema 
operativo no sentido de este poder comunicar com a 
placa; 
4. Protocolos de comunicação que tornam possível 
tecnicamente a emissão e receção de dados entre os 
computadores envolvidos numa comunicação; 
Q121-5
Classificação das redes quanto a 
abrangência geográfica(1/1) 
 PAN (Personal Area Network) – rede local 
de alcance muito restrito, para apenas um 
utilizador. 
 LAN (Local Area Network) – rede local 
confinada a uma sala ou, no máximo, a um 
edifício. 
 CN (Campus Network) – rede que interliga 
redes locais em edifícios próximos. 
14 
Q121-5
15 
Classificação das redes quanto a 
abrangência geográfica(Exemplos) 
Apresenta exemplos de redes do tipo: 
 PAN (Personal Area Network) 
 LAN (Local Area Network) 
 CN (Campus Network) 
Q121-5
Classificação das redes quanto a 
abrangência geográfica (1/2) 
 MAN (Metropolitan Area Network) – rede alargada 
a uma cidade ou região. 
 WAN (Wide Area Network) – rede alargada a um 
país ou até ao mundo inteiro... 
16 
Q121-5
Classificação das redes quanto a 
abrangência geográfica(1/3) 
 VAN (Virtual Area Nework) – As redes virtuais 
interligam apenas alguns computadores 
pertencentes à mesma rede ou a diferentes redes. 
 VLAN (Virtual Local Area Network) em que 
computadores fisicamente ligados à mesma rede 
estão separados em sub-redes por questões de 
segurança e/ou performance, são muito usadas 
atualmente . 
17 
Q121-5
Classificação das redes quanto a 
abrangência geográfica(1/4) 
Na rede há duas VLANs 
18 
Rede “Alunos” 
Rede 
“Administração” 
Internet 
Q121-5
19 
Q121-5 
Tipos de redes quanto ao sistema 
operativo
Redes cliente/servidor 
 Rede cliente/servidor – rede 
em que existe pelo menos um 
computador – o servidor – 
possui algum recurso ou função 
de que os outros – os clientes – 
se servem. 
 Exemplos de servidores: de 
ficheiros, de software, de e-mail, 
proxy... 
20 
Q121-5
Clientes e Servidores 
 Um computador atua como servidor quando fornece 
serviços, tais como a partilha de espaço em disco, 
serviços de impressão, a partilha de aplicações, o 
acesso a ficheiros, etc. 
 Um computador designa-se cliente quando solicita e 
obtém serviços de outros computadores. 
21 
Q121-5
Clientes e Servidores 
Pedido 
Resposta 
Servidor Cliente 
22 
Q121-5
Servidores Dedicados 
 Uma rede pode ser organizada de modo a que um 
ou mais computadores desempenhem unicamente 
as funções de servidores; 
 Com este modelo efetua-se de forma centralizada 
a gestão e administração da rede; 
23 
Q121-5
Servidores Dedicados 
24 
Q121-5
Servidores 
 Servidor de programas ou ficheiros - file server 
 Servidor de bases de dados – database server 
 Servidor de impressora – printer server 
 Servidor de comunicações – communications 
server. 
25 
Q121-5
Redes Peer-to-Peer 
 Redes peer-to-peer – não 
existem servidores, todos os 
computadores estão ao 
mesmo nível na hierarquia 
da rede, sendo, por isso, 
todos servidores e todos 
clientes. 
 Não permitem um grande 
número de utilizadores; ao 
contrario das redes client-server. 
26 
Q121-5
Redes Peer-to-Peer 
Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor 
Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor 
27 
Q121-5
Topologias das redes 
As várias formas de interligar computadores 
28 
Q121-5
Topologia em barramento (bus) 
29 
 Todos os computadores 
ligados a um cabo 
comum que tem as duas 
extremidades separadas. 
Q121-5
Topologia em barramento (bus) 
Vantagens 
 serem relativamente simples de montar, pelo que foi esta a solução que 
imperou durante vários anos a nível de redes locais; 
 são pouco exigentes em termos do tipo de equipamento e comprimento de 
30 
cabos, sendo por isso baratas. 
Desvantagens 
 uma avaria no cabo backbone, ao qual se ligam os outros computadores, 
invalida o funcionamento da rede; 
 pouca possibilidade de expansão, já que se o cabo backbone não for 
suficiente para se poderem ligar mais, há que substituí-lo por outro; 
 a remoção ou adição de um dispositivo à rede deve ser feita com todos os 
computadores desligados; 
 pode ser difícil detetar a origem de uma falha na rede. 
Q121-5
A desvantagem principal do bus 
Uma avaria no cabo principal invalida a rede. 
31 
Q121-5
Topologia em estrela (star) 
32 
 Todos os computadores 
ligados a um dispositivo 
concentrador, que pode 
ser um hub ou um 
switch.
Topologia em estrela (star) 
Vantagens 
 Muito fácil de montar e configurar; 
 Não é necessário parar o funcionamento da rede para 
inserir ou remover dispositivos; 
 É fácil detectar os dispositivos avariados. 
Desvantagens 
 Requer mais cabo do que a topologia em bus; 
 A avaria do concentrador implica a falha da rede; 
 Devido ao custo do concentrador, é mais cara do que 
a topologia em bus. 
33 
Q121-5
A vantagem principal da estrela 
Uma avaria no cabo que liga um posto ao dispositivo 
concentrador apenas retira da rede esse posto. 
34 
Q121-5
Topologia em anel (ring) 
35 
 Todos os computadores 
ligados a um cabo comum 
fechado em anel. As 
mensagens passam de 
computador em computador 
até chegar ao destino. 
Q121-5
Topologia em anel (ring) 
Vantagens 
 Muito boa para um pequeno número de postos com ligação a alta velocidade ou 
para redes maiores em que as transmissões estão igualmente distribuídas entre 
os postos. 
 A expansão da rede é facilmente conseguida. 
 Ideal para o uso de fibra ótica por cada posto poder estar diretamente ligado ao 
36 
outro. 
Desvantagens 
 Os atrasos entre transmissões são grandes mesmo com o tráfego ligeiro. 
 Necessidade de hardware adequado (transceivers ou MAUs) para a ligação dos 
computadores às redes. 
 Para que a rede funcione é necessário que todos os computadores estejam 
ligados. 
 A avaria de um computador pode invalidar a rede (depende do tipo de anel) e 
não é fácil identificar o posto avariado.
Topologia em árvore (tree) 
37 
 Várias sub-redes, 
normalmente com 
ligações internas em 
estrela, interligadas. 
 A ligação entre elas pode 
ser feita a partir de um 
dispositivo centralizador 
ou a um cabo comum 
que tomará o nome de 
backbone. 
Q121-5
Topologia em árvore (tree) 
Vantagens 
 Ligação ponto-a-ponto entre as sub-redes. 
 Permite o controlo por parte de um servidor central que pode 
estar por detrás do dispositivo centralizador ou do backbone. 
 Suportada pela grande maioria de fabricantes de hardware e 
38 
software. 
Desvantagens 
 Se o dispositivo centralizador ou o backbone falha, a rede 
também falha. 
 Normalmente usa dispositivos caros, sobretudo na configuração 
com dispositivo centralizador. 
Q121-5
Topologia em malha (mesh) 
39 
 Sem forma definida, 
todos os computadores 
estão ligados a todos os 
outros. 
Q121-5
Topologia em malha (mesh) 
Vantagens 
 Estabilidade: a redundância das ligações garante que as 
mensagens têm sempre um caminho possível. 
 Segurança: devido à existência de linhas dedicadas, apenas o 
destinatário recebe a mensagem que lhe é destinada. 
Desvantagens 
 Mais cabo necessário do que em qualquer outra topologia. 
 Necessárias muitas portas de I/O, o que pode ser extremamente 
40 
dispendioso. 
Q121-5
Principais padrões de redes: 
41 
 Ethernet 
 Token Ring 
 FDDI 
 ISDN-RDIS 
Q121-5
5 .Meios físicos de transmissão 
Com ou sem fios são os canais de 
comunicação pelo qual os computadores 
enviam e recebem informação 
42 
Q121-5
Meios físicos de transmissão 
43 
 Cabos 
 Eléctricos 
 Entrançados 
 Coaxiais 
 Ópticos 
 Ondas no espaço 
 Infravermelhos 
 Rádio 
 Microondas 
 Laser 
 Ondas de satélite 
Q121-5
5.1. Cabos eléctricos 
Entrançados e coaxiais 
44 
Q121-5
Cabos coaxiais 
É um cabo constituído por 
uma alma condutora, 
seguido de uma camada 
isoladora, de uma malha 
destinada à ligação à terra 
e uma última camada 
protetora. Tipo dos que 
são usados em aparelhos 
de televisão.. 
45 
Q121-5
46 
Vantagens: 
•Fácil instalação 
•Barato 
•Resistência a interferências elec. 
•Taxas de transmissão razoáveis 
•Flexibilidade 
Desvantagens: 
•Mau contacto 
•Difícil manipulação 
•Lento para muitos micros 
•Em geral utilizado em topologia Bus 
Cabos coaxiais 
•10Mbps 
•185 m sem Repetidor 
•Conectores BNC 
•Dois terminais 
•100Mbps 
•500 m sem Repetidor 
Q121-5
Cabos entrançados 
Cabos em que cada par de fios lá dentro forma uma trança 
para diminuir a interferência dos outros fios do cabo. Existem 
em vários tipos. 
São uma invenção de Graham Bell. 
Usados nas linhas telefónicas, devido as boas 
características de transmissão têm sido largamente utilizados 
em redes locais e em redes alargadas 
47 
Q121-5
48 
Vantagens: 
•Fácil instalação 
•Barato 
•Instalação flexível 
•Usados com hubs ou 
switchs 
Desvantagens: 
•Cabo curto (máximo de 
90 metros) 
•Interferência 
eletromagnética 
Cabos entrançados 
•Mais baratos que 
os blindados e mais 
práticos de instalar 
são os mais usados 
em redes locais 
•Revestidos por um 
plástico para 
proteger das 
interferências 
electromagnéticas. 
Q121-5
Tipos de cabos entrançados 
(1/2) 
Existem nas versões blindada (STP) 
e não blindada (UTP): 
Cat. 3 UTP, STP 16 Mbps dados 
Cat. 4 UTP, STP 20 Mbps dados 
Cat. 5 UTP, STP 100 Mbps dados 
Cat. 6 UTP, STP 155 Mbps dados 
Cat. 7 UTP, STP 1000 Mbps dados 
49 
Q121-5
Tipos de cabos entrançados (2/2) 
Mais exactamente, os tipos disponíveis são: 
 UTP (Unshielded Twisted Pair) – sem qualquer tipo 
de blindagem – os mais comuns 
 STP(Shielded Twisted Pair) – com blindagem exterior 
envolvente e blindagem para cada par 
 S/UTP(Screened/ Unshielded Twisted Pair) – apenas 
com blindagem exterior envolvente 
50 
Q121-5
Quando usar que tipo? 
Quando usar que tipo? 
 Os tipos de cabos estão, em primeiro lugar, 
associados a normas para redes que estudaremos 
adiante. 
 Os blindados apenas se justificam em ambientes 
onde existem aparelhos eléctricos que possam 
interferir nos sinais transmitidos nos cabos 
51 
Q121-5
Cabos ópticos 
52 
Usam fibra óptica e são 
capazes de transmitir vários 
triliões de bits por segundo 
(Gbps). 
As almas condutoras ou 
núcleos – que conduzem à 
velocidade da luz – podem ter 
entre 50 e 100 m de diâmetro. 
Excelente meio para 
transmitir sinais digitais, 
permitem efetuar um elevado 
número de transmissões em 
simultâneo, com >>taxa. 
Q121-5
Cabos ópticos 
Vantagens: 
•Velocidade 
•Isolamento elétrico 
•Imune a interferências eletromagnéticas 
•Menor perda de sinal 
•O cabo pode ser longo 
•Alta taxa de transferência 
•Espessura mais fina, mais leves 
Desvantagens: 
•Muito caro (cabos, acessórios, mão de obra) 
•Difícil de instalar 
•Quebra com facilidade 
•Difícil de ser remendado 
•Injustificada a utilização em redes locais. 
53 
Q121-5
Vantagens dos cabos ópticos 
 Enorme capacidade de 
transmissão 
 Imunes a interferências 
eletromagnéticas 
 Taxa de erros muito baixa 
 Muito maiores distâncias 
sem necessidade de 
repetidores 
 Muito mais bits por muito 
menos diâmetro de cabos 
54 
núcleo 
bainha 
Q121-5
Tipos de fibras ópticas (1/2) 
 Fibra ótica multimodo – núcleo de 50 m ou 62,5 m de diâmetro; 
bainha com diâmetro de 125 m. 
 Tem a desvantagem da dispersão modal, um fenómeno que ocorre devido 
à relação entre a dimensão do núcleo e o comprimento de onda dos sinais 
injetados neste tipo de fibras e que faz com que o sinal injetado pelo emissor 
se disperse por vários feixes seguindo cada um deles diferentes percursos 
pela fibra e com diferentes tempos de propagação. Para compensar esse 
fenómeno usam-se cabos graded-index (com várias camadas de silício 
com diferentes índices de refracção) ou step-index (apenas com um núcleo 
e uma bainha). 
 Suportam distâncias até 3 km e débitos razoáveis. Muito usadas em redes 
55 
locais. 
Q121-5
Tipos de fibras ópticas (2/2) 
 Fibra ótica monomodo – núcleo entre 3 m e 
10 m de diâmetro; bainha com diâmetro de 125 
m. 
 A reduzida dimensão do núcleo destas fibras torna-as 
bastante mais caras que as anteriores mas, em 
contrapartida, bastante menos sensíveis à dispersão 
modal. Também as operações de conexão e interligação 
são muito mais delicadas. 
 São muito usadas para débitos elevados e distâncias até 
70 km sem necessidade de repetidores. 
56 
Q121-5
5.2. Transmissões sem fios 
(wireless) 
Assim ninguém tropeça... 
57 
Q121-5
Vantagens 
1. Flexibilidade e fiabilidade 
2. Mobilidade 
3. Rapidez e facilidade de instalação 
4. Custos reduzidos de instalação e 
58 
de alteração 
5. Utilizadas para comunicações 
moveis 
Q121-5
Exemplos de utilização 
 Edifícios de interesse histórico 
 Aplicações de medicina, permitindo o acesso por 
terminais portáteis 
 Atividades temporárias ou redes sujeitas a 
reconfigurações frequentes 
 Extensão da rede a zonas onde não é possível ou 
não é viável a instalação de cablagem 
59 
Q121-5
Tipos de transmissões sem fios 
60 
 Por infravermelhos 
 Por laser 
 Por microondas 
 Por rádio 
Q121-5
Infravermelhos 
Podem ser utilizados em sistemas de uso doméstico (televisores, 
vídeos, automóveis) para transmitir sinais digitais entre computadores, 
tornando-se necessário que estes computadores se encontrem 
relativamente próximos uns dos outros (Só em Lan!!) . 
Existem normas para transmissões entre 
1.15 Mbps e 4 Mbps com alcances máximos 
entre 15 m e 60 m e ainda entre 10 e 155 
Mbps e com alcance de 30 m. 
As desvantagens dos infravermelhos estão sobretudo na necessidade 
de linha de vista entre emissor e recetor (impossível interligar através 
de paredes) e nas distâncias. 
61 
Q121-5
Infravermelhos – vantagens 
e desvantagens 
62 
 Vantagens 
 As frequências a que trabalham 
não obrigam a pedidos de licença 
 Privacidade – não passam através 
das paredes 
 Componentes – não são dos mais 
caros (para taxas baixas) 
 Desvantagens 
 Necessidade de linha de vista entre 
emissor e recetor 
 Altas taxas obrigam a 
equipamentos muito caros 
 Mais suscetíveis a erros 
Q121-5
Laser 
São, por vezes, uma boa alternativa à fibra ótica 
em redes locais já que permite grandes débitos e, 
como todas as ligações sem fios, grande 
mobilidade. 
Há equipamentos no mercado capazes de 
ultrapassar os 6 Mbps até 3 km de distância. 
63 
Q121-5
Laser – vantagens e 
desvantagens 
64 
 Vantagens 
 Altos débitos se a poucos quilómetros de distância 
 Não necessita de pedido de autorização a entidades gestoras do 
espaço radioelétrico 
 Desvantagens 
 Sensível a poeiras, nevoeiro, chuva, etc. 
 O alinhamento do emissor e do recetor é extremamente rigoroso, o 
que traz por vezes dificuldades no equipamento exterior 
Q121-5
Microondas 
São possíveis transmissões 
equivalentes às das várias Ethernets 
(10 Mbps a 100 Mbps) a distâncias 
variadas, utilizadas nas comunicações 
moveis.. 
São usadas muitas vezes para ligações 
entre edifícios. 
As suas vantagens e desvantagens 
são semelhantes às dos 
infravermelhos. 
Baixa capacidade em termos de 
velocidade de transmissão 65 
Q121-5
Ondas rádio 
66 
É a tecnologia mais ‘robusta’ para 
redes sem fios, passam através das 
paredes. Existe nas modalidades 
seguintes: 
WLAN (Wireless LAN) – 1 a 54 
Mbps 
LAN-to-LAN – 2 a 100 Mbps 
WWAN (Wireless WAN) – 1 a 32 
Kbps 
WMAN (Wireless MAN) – 10 a 
100 Kbps 
WPAN(Wireless PAN) – 0,1 a 4 
Mbps 
Q121-5
Ondas de satélite 
 Suportam uma largura de banda elevada. 
 Os satélites usados para telecomunicações ou 
transmissão de dados sob a forma digital 
encontram-se em orbitas a cerca de 30-40 km 
da superfície terrestre. 
1. Uplinks- transmissão da terra para o satélite. 
2. Downlinks- transmissão do satélite para a terra. 
67 
Q121-5
Tipos de transmissões sem fios 
1. O preço do equipamento é mais elevado 
2. As velocidades de transmissão são inferiores 
3. Maior susceptibilidade de interferências electromagnéticas 
4. Maior mobilidade 
Tipos 
 Infravermelho – Comando de televisão(<30 metros) 
 Ondas rádio – Lan’s ( Obstáculos emissor – receptor, caro, elevado consumo 
68 
de energia) 
 Microondas – Man’s (não pode haver obstáculos emissor –receptor, 5Mbps) 
 Satélite – Wan’s( a 30-40 metros de altitude em relação à terra) 
Q121-5
6. Conetores 
Para ligar os cabos aos aparelhos 
69 
Q121-5
Conetores RJ-45 
70 
 O Registered Jack-45 
suporta até 8 fios e é usado 
com os cabos 
entrançados. 
 Mais pormenores mais 
adiante... 
Q121-5
Conectores BNC 
71 
 O Bayonet Neil- 
Concelman or British 
Naval Connector, 
abreviadamente BNC, 
é o conector usado 
com os cabos 
coaxiais. 
Q121-5
Conectores para fibras 
72 
óticas 
- Conector ST – conector com uma ponta em baioneta que 
necessita de apenas um quarto de volta para engatar ou 
desengatar. Está a ser substituído pelo SC como escolha. 
- Conector SC – conector que usa um sistema de puxar/empurrar 
para se engatar/desengatar. Uma das suas vantagens sobre o ST 
é a possibilidade de combinar várias ligações num conector de 
várias posições. Por exemplo, para ligações duplex, podemos 
combinar duas ligações num conector, uma ligada para emissão e 
outra para receção. 
- Conector MIC – conector de dois canais usado em redes FDDI 
(Fiber Distributed Data Interface). 
Q121-5
Conectores do Tipo 1 para redes Token Ring 
73 
 São os conectores 
usados nas redes 
Token Ring da IBM 
que estudaremos 
mais adiante. 
Q121-5
7. Equipamentos de redes 
Placas de rede e Cia. 
74 
Q121-5
7.1. Dispositivos de ligação às 
redes 
Porque os computadores são máquinas que vivem em 
sociedade. 
75 
Q121-5
Placa de rede 
76 
 Os NIC (Network 
Interface Cards) são os 
dispositivos mais usados 
em redes locais para a 
ligação à rede; eles 
tratam de enviar as 
mensagens e ainda de 
as aceitar ou rejeitar, 
conforme o endereço do 
destinatário. Esse 
endereço físico, no caso 
das placas Ethernet, já 
vem com elas. 
Q121-5
Placa de rede 
 Ligar o computador à rede local. 
 Permite ligar vários computadores em rede, fazendo 
com que seja possível a partilha de recursos bem como 
a troca de informação entre os vários computadores 
que se encontrem ligados entre si. 
 Periférico de entrada/saída, envia dados para os outros 
computadores e também recebe. 
 Encaixa num slot da placa-mãe, permite enviar dados 
de um computador para outro bem como receber dados 
provenientes de outros computadores. 
77 
Q121-5
Uma placa de rede para um 
servidor 
78 
 Vem com quatro 
portas, portanto não 
é um coupé... 
Q121-5
PC Cards para portáteis 
79 
 Modelos reduzidos 
no tamanho mas 
nem por isso no 
preço... 
 Aqui, nas versões 
Ethernet, sem fios e 
Bluetooth. 
Q121-5
Transceiver 
80 
 Normalmente estão 
incluídos nas placas, 
mas há também 
externos, 
frequentemente para 
computadores que 
possuam um conector 
AUI e que queiramos 
ligar a redes cujo tipo de 
cabos requeira outros 
conectores. 
Q121-5
Adaptadores de rede 
81 
 Para ligação à rede 
através da porta USB 
ou outra, sem 
necessidade de 
placa de rede. 
Q121-5
Modem (1/2) 
82 
 Modem significa 
MOdulator/DEModulator e é 
necessário na ligação a redes 
analógicas, visto que a informação 
que vem do computador é digital. 
 O Modem é ainda o dispositivo mais 
usado para acesso à Internet. 
Recorrendo à linha telefónica 
analógica convencional, o MODEM 
converte os impulsos digitais que 
provêm de um computador para 
sinais áudio próprios para linhas 
telefónicas e vice-versa. 
Q121-5
Modem (2/2) 
 A velocidade de transmissão dos MODEM’s é 
medida em bps (bits por segundo) e tem vindo a 
evoluir; iniciada em 300bps, passou pelos 1200, 
2400, 9600, 14400, 28800, 33300 e chega agora 
aos 56 Kbps. De notar que estas velocidades, 
em particular a última, são apenas velocidades 
máximas nem sempre atingíveis, o que depende 
de vários factores, nomeadamente as 
infra-estruturas de telecomunicações disponíveis 
a partir do ponto a que nos ligamos e também 
das infra-estruturas do ISP (Internet Service 
Provider) através do qual nos ligamos. Mais 
ainda, os MODEM’s a 56 Kbps permitem ligações 
a 56 Kbps no sentido descendente (do 
computador a que acedemos para o nosso), mas 
apenas 33.6 Kbps (V.90) ou 48 Kbps (V.92) no 
sentido ascendente. 
83 
Na prática, no 
sentido 
descendente, e para 
MODEM’s V.90, a 
velocidade muitas 
das vezes não 
ultrapassa os 45 
Kbps. 
Q121-5
Modem (3/2) 
 Utilizado quando se pretende a comunicação entre dois computadores 
através da linha telefónica. No emissor a função do modem é a de 
converter o sinal digital em sinal analógico que é aquele que pode ser 
transportado na linha telefónica. No receptor a função é a de converter o 
sinal analógico recebido através da linha telefónica em digital que é o sinal 
que o computador reconhece. 
MODulador e DEModulador 
- Internos – são encaixados na placa mãe. 
84 
- Externos. 
Q121-5
Modem por cabo (1/2) 
A Internet por cabo é uma nova tecnologia 
particularmente acessível a quem também já 
tem televisão por cabo, já que parte da infra-estrutura 
85 
necessária já está instalada e o 
acesso à Internet e o usufruto do serviço de 
televisão em simultâneo são perfeitamente 
possíveis usando um aparelho adequado à 
divisão “um para dois”. Tudo o que é 
necessário é um MODEM por cabo e uma 
placa de rede Ethernet. Teoricamente, uma 
ligação por cabo de 6 MHz possibilita a 
comunicação no sentido do computador para 
a rede a uma taxa que pode estar entre 320 
kbps e 10Mbps; no sentido contrário já são 
possíveis taxas de 30 a 40 Mbps. Ainda 
mais, um MODEM por cabo tem ainda a 
possibilidade de fornecer acesso a uma rede 
local composta por até dezasseis 
computadores. 
Q121-5
Modem por cabo (2/2) 
Em Portugal, existem empresas capazes fornecer dois tipos de 
serviços para um acesso doméstico: um é o serviço unidireccional, 
assim denominado porque a transmissão pelo cabo é apenas no 
sentido da rede para o computador doméstico (downstream) e a 
uma taxa máxima de 640 Kbps, sendo a transmissão no outro 
sentido (upstream) feita pela linha telefónica e recorrendo, portanto, 
a um MODEM convencional; outro é o serviço bidireccional, em 
que as comunicações nos dois sentidos são possíveis pelo cabo e, 
consequentemente, à taxa máxima de 640 Kbps 
86 
MODEM 
por cabo 
divisor 
um para dois 
computador TV 
Q121-5
Placa RDIS(ISDN) (1/2) 
 Placa RDIS (Rede Digital 
Integrada de Serviços), em 
inglês ISDN (Integrated 
Services Digital Network) 
para a ligação a redes 
telefónicas digitais. Permite 
obter mais do dobro da 
velocidade de acesso de um 
modem convencional, mais 
exactamente: 128 KB. 
87 
Q121-5
Placa RDIS (ISDN) (2/2) 
O sistema RDIS básico usa dois canais de 64 Kbps para 
transmissão de voz e dados e um de 16 Kbps para sinais 
de controlo. Os dois canais de transmissão de dados 
podem ser usados independentemente – por exemplo, 
um para o telefone e outro para a ligação à Internet - ou 
em conjunto – por exemplo, usando ambos para a 
ligação à Internet – o que pode ser facilmente ajustado 
por um pequeno botão colocado no terminador. 
88 
PC 
Placa RDIS terminador Linha telefónica 
digital 
Q121-5
7.2. Dispositivos de interligação 
Hubs, switches & Cia Lda. 
89 
Q121-5
Repetidor (repeater) 
 Regenera os sinais em termos de forma e amplitude. 
Frequentemente, existem outros aparelhos como os 
hubs que desempenham também esta função. 
90 
Q121-5
Hub 
91 
 Dispositivo centralizador 
passivo, ou seja, não 
cria ligações dedicadas 
entre os computadores a 
ele ligados; a 
transmissão através dele 
é feita, portanto, por 
difusão, havendo assim 
desperdício da 
capacidade dos canais 
da rede. 
Q121-5
Stackable hub 
92 
 Exemplo de três 
stackable hubs, hubs 
que se podem ligar 
uns ao outros e 
assim surgirem na 
rede como um único. 
 Mais à frente iremos 
ver a importância 
desta característica. 
Q121-5
Um hub maiorzinho 
 Um hub modular tem 
possibilidade de aceitar 
vários tipos de 
ligações, para vários 
tipos de redes. 
93 
Q121-5
Switch (1/2) 
94 
 Dispositivo centralizador 
que permite a ligação 
dedicada entre dois 
quaisquer postos 
ligados a ele. 
 Nunca há colisões 
porque os switches são 
full-duplex! 
Q121-5
Switch (2/2) 
95 
 Numa rede a C Mbps e 
com um switch de N 
portas, a largura de 
banda utilizável será 
N*C Mbps. 
Um switch tem o mesmo 
aspecto de um hub, mas 
fica-se pelo aspecto... 
Q121-5
Multistation Access Unit 
96 
 Nas redes Token Ring 
que iremos ainda 
estudar, os 
computadores estão 
dispostos em anel, mas 
a ligação é, 
efectivamente, feita em 
estrela, através de 
dispositivos de nome 
Multistation Access Units 
ou MAU. 
Q121-5
Multistation Access Unit 
97 
Não parece 
um hub?... 
Q121-5
Bridge (1/3) 
 As bridges permitem a 
segmentação das redes, ou 
seja, a criação de sub-redes 
(ou segmentos), ao isolar as 
sub-redes e permitindo a 
passagem de frames de uma 
sub-rede (ou segmento) para 
outra apenas quando o 
emissor e o receptor estão 
em sub-redes (ou segmentos) 
diferentes. 
98 
emissor 
receptor 
Q121-5
Bridge (2/3) 
Como funciona uma bridge? 
• verifica a frame recebida; se tiver erros, é descartada; 
• verifica o endereço da estação de destino para saber em 
que segmento da rede ela se encontra; 
• se a estação de destino estiver no mesmo segmento da 
estação emissora, a frame é eliminada; 
• se a estação de destino não estiver no mesmo segmento 
da estação emissora, a frame é encaminhada para o 
segmento devido com base na informação contida na 
forwarding database. 
99 
Q121-5
Bridge (3/3) 
100 
 Uma bridge para 
redes Ethernet e 
uma Wireless. 
Q121-5
Ponto de acesso 
101 
•Espécie de hub 
para interligar 
segmentos de 
redes com e sem 
fios. 
Aprenderás mais 
sobre eles daqui 
a pouco. 
Q121-5
Router 
 Os routers são dispositivos de 
encaminhamento de 
mensagens entre redes 
diferentes e, eventualmente, 
quando entre emissor e 
receptor existem vários 
caminhos possíveis. 
 Fazem-no através de uma 
tabela de routing, espécie de 
mapa da rede que os permite 
localizar os computadores e 
routers a que está ligado. 
102 
Rede 1 
router 
router 
Rede 2 
Q121-5
Um router 
103 
 Routers para redes 
locais. 
 Para as outras, eles são 
maiorzinhos... 
Q121-5
Outros routers 
104 
Uns modelos maiorzinhos 
da Cisco. 
Q121-5
Gateway 
 Num sentido lato, os gateways são todos aqueles 
dispositivos que permitem o acesso de uma rede ao 
seu exterior (o que pode englobar switches, bridges e 
routers) 
 Mas num sentido restrito, os gateways são 
dispositivos que permitem ligar 
 Redes com protocolos diferentes 
 PC’s a um mainframe (porque os mainframes estão 
preparados para falar apenas com terminais e não com PC’s, 
máquinas inteligentes...) 
105 
Q121-5
7.3. Hubs vs Switches 
É fácil ver quem ganha, mas é bom perceber melhor 
porquê. 
106 
Q121-5
7.3.1. Em redes peer-to-peer 
107 
Q121-5
A desvantagem dos hubs (1/2) 
Os hubs deixam passar tudo por eles. O 4º computador da fila de cima 
quer comunicar com o 4º da fila debaixo e isso ocupa a rede inteira! 
108 
Q121-5
A desvantagem dos hubs (2/2) 
Então, quando há mais do que 1 par de computadores a quererem comunicar 
entre si, as colisões surgem. E quando são muitas, o desempenho da rede é 
mau. 
109 
Q121-5
Um switch pode ajudar muito! 
Graças à incorporação do switch, as duas comunicações (a azul e a 
vermelha) podem ser simultâneas. 
110 
Q121-5
7.3.2. Em redes cliente/servidor 
111 
Q121-5
Acesso a um servidor via hub ou switch (1/2) 
112 
Se colocarmos um 
hub, a largura de 
banda do acesso 
ao servidor é 
dividido pelas 
comunicações 
simultâneas. 
Q121-5
Acesso a um servidor via hub ou switch (2/2) 
113 
Aqui também é 
visível a 
vantagem de um 
switch. 
Neste exemplo a 
100 Mbps, o 
acesso de cada 
posto ao servidor 
é efectivamente a 
100 Mbps. 
Q121-5
Um servidor de várias sub-redes (1/2) 
Quando o tráfego é maior na zona de acesso ao servidor, 
não há vantagem em substituir os hubs por switches. 
Qual é então a solução? 
114 
Q121-5
Um servidor de várias sub-redes (2/2) 
Vale a pena colocar um switch a ligar ao servidor. Assim, as ligações de 
cada uma das sub-redes A e B não interferem uma na outra. 
115 
Q121-5
8. O modelo OSI 
O indesejado... 
116 
Q121-5
Esquema de camadas nas comunicações 
 Escrevo uma carta a um colega 
 Entrego-a à minha secretária... 
 ... que a leva aos correios... 
 ... segue por comboio para o destino... 
 ... para os correios da outra terra... 
 ... o carteiro leva-o à empresa do meu 
colega... 
 ... A secretária dele leva-lhe a carta... 
117 
Q121-5 
 ... E ele abre-a!
O modelo OSI 
 Surgiu nos anos 70, porque se tornou evidente a 
necessidade de tornar possível a possibilidade de 
os equipamentos poderem ligar-se e comunicar 
entre si, independentemente das suas diferenças 
quer ao nível do Hardware quer ao nível do 
software. 
118 
Q121-5
O modelo OSI 
 Conjunto de normas que podem ser adoptadas 
livremente para o fabrico de equipamentos e 
desenvolvimento de software, destinados a 
funcionar em redes de computadores, este modelo 
subdivide o processo global de comunicação de 
dados entre computadores em sete níveis ou 
camadas. 
119 
Q121-5
O modelo OSI 
120 
 7 – Aplicação 
 6 – Apresentação 
 5 – Sessão 
 4 – Transporte 
 3 – Rede 
 2 – Ligação de dados 
 1 – Camada física 
Q121-5
O modelo OSI 
 Cada camada fornece serviços à 
camada acima dela 
121 
 definido em termos de 
primitivas (funções básicas) e 
dados associados 
 Cada camada depende camada 
abaixo dela 
 nenhuma camada pode 
interagir com uma camada que 
não lhe seja vizinha 
Q121-5
Aplicação 
Estabelece um interface entre 
o software de aplicação e a 
camada seguinte (inferior) 
122 
Q121-5
Apresentação 
Providencia independência da camada de 
Aplicação para as camadas seguintes. Contribui 
para a codificação e descodificação dos dados ao 
nível do seu formato visual. Conversão de 
formatos entre sistemas diferentes. 
123 
Q121-5
Sessão 
Inicia, gere e termina as conexões 
(sessões) entre sistemas coordenando 
o intercambio de dados entre o emissor 
e o receptor durante uma sessão de 
comunicação. 
124 
Q121-5
Transporte 
Cuida da transferência dos dados e 
dos controlos de erros de transmissão. 
Retransmite pacotes se necessário. 
Controla o fluxo da informação 
transmitida por forma a que as 
mensagens sejam entregues 
correctamente. 
125 
Q121-5
Rede 
Providencia independência às camadas 
superiores das tarefas de comunicações 
de dados e de routing. Estabelece com 
base nos endereços dos pacotes das 
mensagens um caminho através dos nós 
da rede para o percurso até ao destino. 
126 
Q121-5
Ligação de dados 
Trata da transmissão a nível físico, assim 
como do tratamento dos erros, também a 
nível físico. Procede à montagem dos 
pacotes de bits no formato apropriado à 
sua transmissão na rede; controla o 
acesso aos meios físicos e o fluxo dos 
pacotes. 
127 
Q121-5
Camada física 
Trata das características físicas 
dos meios de transmissão. 
Define as características do 
meio fisico de transmissão da 
rede , conectores, interfaces,… 
128 
Q121-5
Modelo simplificado 
129 
 A primeira camada trata 
das operações com 
ficheiros – abrir, ler, 
gravar, fechar. 
 A segunda camada trata 
da correcta transferência 
dos dados. 
 A terceira camada trata 
do acesso às ligações 
físicas através do meio 
de transmissão em 
causa. 
Q121-5
Comparação entre grupos de 
trabalho e domínios 
Um domínio é um grupo de contas e recursos de rede que compartilham 
uma mesma base de dados de diretórios e conjunto de diretivas de 
segurança e que podem ter relacionamentos de segurança com outros 
domínios. 
Um grupo de trabalho é um agrupamento mais simples, destinado apenas 
a ajudar os utilizadores a localizar objetos, como impressoras e pastas 
compartilhadas dentro desse grupo. Os domínios são a opção 
recomendada para todas as redes, exceto redes muito pequenas com 
poucos utilizadores. 
130 
Q121-5
Comparação entre grupos de 
trabalho e domínios 
Num grupo de trabalho, os utilizadores podem precisar memorizar várias 
senhas, uma para cada recurso de rede. (Além disso, utilizadores 
diferentes podem usar senhas diferentes para cada recurso.) 
Num domínio, é mais fácil controlar senhas e permissões, já que um 
domínio tem uma única base de dados centralizada de contas de 
utilizadores, permissões e outros detalhes de rede. As informações 
dessa base de dados são replicadas automaticamente entre os 
controladores de domínio. Você determina quais servidores são 
controladores de domínio e quais são simples membros do domínio. 
Você pode determinar essas funções não apenas durante a instalação 
mas também posteriormente. 
131 
Q121-5
Comparação entre grupos de 
trabalho e domínios 
Os domínios e o sistema de diretórios do Active 
Directory do qual eles fazem parte oferecem várias 
opções para tornar os recursos disponíveis mais 
facilmente para os usuários enquanto mantêm um 
bom monitoramento e segurança. 
132 
Q121-5
Instalação e Operação de Sistemas Informáticos 
Referências Bibliográficas: 
Branco, António. Manual de instalação e reparação de computadores. Lisboa, 
FCA Editora de Informática, 2011. 
http://www.prof2000.pt/users/afaria2004/portas.htm 
http://technet.microsoft.com/pt-br/library/cc739052%28v=ws.10%29.aspx 
Q121-5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicosMeios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicos
H P
 
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesVantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Marco Martins
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
Gonçalo
 
Dispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e PassivosDispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e Passivos
Rikelmo19
 
Redes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitosRedes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitos
Mauro Pereira
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Leonardo Bruno
 
Redes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da redeRedes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da rede
Mauro Pereira
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
baglungekanchi
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
Rui Ferreira
 
Redes 7 ferramentas para montagem de redes
Redes 7 ferramentas para montagem de redesRedes 7 ferramentas para montagem de redes
Redes 7 ferramentas para montagem de redes
Mauro Pereira
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
Wellington Oliveira
 
Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1
Luis Ferreira
 
Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
Susana Oliveira
 
Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.
Ronnasayd Sousa
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
Nikoameer
 
Redes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - ProtocolosRedes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - Protocolos
José Ronaldo Trajano
 
Topologia em redes
Topologia em redesTopologia em redes
Topologia em redes
Yohana Alves
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
Ana Julia F Alves Ferreira
 
222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores
222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores
222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores
Marco Guimarães
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
LucasMansueto
 

Mais procurados (20)

Meios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicosMeios de transmissão metálicos
Meios de transmissão metálicos
 
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesVantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
 
Dispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e PassivosDispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e Passivos
 
Redes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitosRedes 1 introducao historico conceitos
Redes 1 introducao historico conceitos
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
Redes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da redeRedes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da rede
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Redes 7 ferramentas para montagem de redes
Redes 7 ferramentas para montagem de redesRedes 7 ferramentas para montagem de redes
Redes 7 ferramentas para montagem de redes
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
 
Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1Comunicação de dados - Módulo 1
Comunicação de dados - Módulo 1
 
Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
 
Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.Uma introdução as Fibras ópticas.
Uma introdução as Fibras ópticas.
 
Meios de transmissao
Meios de transmissaoMeios de transmissao
Meios de transmissao
 
Redes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - ProtocolosRedes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - Protocolos
 
Topologia em redes
Topologia em redesTopologia em redes
Topologia em redes
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
 
222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores
222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores
222097384 aulas-de-rede-tipos-de-servidores
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
 

Destaque

Lan token fddi_switching
Lan token fddi_switchingLan token fddi_switching
Lan token fddi_switching
Guillhermm Almmeida Zenni
 
PROTOCOLO FTP
PROTOCOLO FTPPROTOCOLO FTP
PROTOCOLO FTP
Ruby Mg
 
119178832 141.computador
119178832 141.computador119178832 141.computador
119178832 141.computador
Pelo Siro
 
Protocolo ftp
Protocolo ftpProtocolo ftp
Protocolo ftp
Oscar Eduardo
 
Protocolo Http
Protocolo HttpProtocolo Http
Protocolo Http
Marcondes Maçaneiro
 
Protocolo DHCP - Noções básicas - Bóson Treinamentos
Protocolo DHCP - Noções básicas - Bóson TreinamentosProtocolo DHCP - Noções básicas - Bóson Treinamentos
Protocolo DHCP - Noções básicas - Bóson Treinamentos
Fábio dos Reis
 
Rede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitosRede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitos
cristiano_infosys
 
Camada fisica-enlace
Camada fisica-enlaceCamada fisica-enlace
Camada fisica-enlace
redesinforma
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
Armando Rivarola
 
Tipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de RedeTipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de Rede
scb.carlos
 
REDES: Camada física
REDES: Camada físicaREDES: Camada física
REDES: Camada física
Daniel Brandão
 
Aula fisica 1
Aula fisica 1Aula fisica 1
Aula fisica 1
Marcio Ferreira
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
Marco Martins
 
Protocolo ftp
Protocolo ftpProtocolo ftp
Protocolo ftp
NeftisLis
 
Aula02 - protocolos de email
Aula02 -  protocolos de emailAula02 -  protocolos de email
Aula02 - protocolos de email
Carlos Veiga
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Mauro Tapajós
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
Leonardo Santos
 
Aula03 - protocolo http
Aula03 -  protocolo httpAula03 -  protocolo http
Aula03 - protocolo http
Carlos Veiga
 
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modeloComponentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
Ricardo Miguel
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
Thiago Barros, PSM
 

Destaque (20)

Lan token fddi_switching
Lan token fddi_switchingLan token fddi_switching
Lan token fddi_switching
 
PROTOCOLO FTP
PROTOCOLO FTPPROTOCOLO FTP
PROTOCOLO FTP
 
119178832 141.computador
119178832 141.computador119178832 141.computador
119178832 141.computador
 
Protocolo ftp
Protocolo ftpProtocolo ftp
Protocolo ftp
 
Protocolo Http
Protocolo HttpProtocolo Http
Protocolo Http
 
Protocolo DHCP - Noções básicas - Bóson Treinamentos
Protocolo DHCP - Noções básicas - Bóson TreinamentosProtocolo DHCP - Noções básicas - Bóson Treinamentos
Protocolo DHCP - Noções básicas - Bóson Treinamentos
 
Rede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitosRede de computadores_-_conceitos
Rede de computadores_-_conceitos
 
Camada fisica-enlace
Camada fisica-enlaceCamada fisica-enlace
Camada fisica-enlace
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
 
Tipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de RedeTipos de Cablagens de Rede
Tipos de Cablagens de Rede
 
REDES: Camada física
REDES: Camada físicaREDES: Camada física
REDES: Camada física
 
Aula fisica 1
Aula fisica 1Aula fisica 1
Aula fisica 1
 
Meios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissãoMeios físicos de transmissão
Meios físicos de transmissão
 
Protocolo ftp
Protocolo ftpProtocolo ftp
Protocolo ftp
 
Aula02 - protocolos de email
Aula02 -  protocolos de emailAula02 -  protocolos de email
Aula02 - protocolos de email
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
 
Protocolos
ProtocolosProtocolos
Protocolos
 
Aula03 - protocolo http
Aula03 -  protocolo httpAula03 -  protocolo http
Aula03 - protocolo http
 
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modeloComponentes da camada 1 e 2 do modelo
Componentes da camada 1 e 2 do modelo
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
 

Semelhante a Imurl slides

Conceitos básicos 01
Conceitos básicos   01Conceitos básicos   01
Conceitos básicos 01
Mário Salumbongo Pereira
 
REDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptxREDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptx
JonasVimbane
 
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos GeraisRedes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
José Ronaldo Trajano
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 
Informática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - RedesInformática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - Redes
Ricardo de Moraes
 
Introducao redes
Introducao redesIntroducao redes
Introducao redes
Sergio Amaral
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Dalton Martins
 
Conceitos de rede
Conceitos de redeConceitos de rede
Curso redes seed
Curso redes seedCurso redes seed
Curso redes seed
Flavio Ferreira
 
Introducao redes
Introducao redesIntroducao redes
Introducao redes
ErikHR
 
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
Aula 1   fundamentos de redes de computadoresAula 1   fundamentos de redes de computadores
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
wab030
 
Informática redes internet (datagrama etc)
Informática   redes internet (datagrama etc)Informática   redes internet (datagrama etc)
Informática redes internet (datagrama etc)
Zito Bongo
 
ApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De RedesApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De Redes
allanzinhuu
 
Apresentaçao Final De Redes
Apresentaçao Final De RedesApresentaçao Final De Redes
Apresentaçao Final De Redes
guesta9bd8d
 
Apo redes
Apo redesApo redes
Apo redes
redesinforma
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
Marcio Paciello Paruolo
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Jakson Silva
 
Introdução rede- I unidade
Introdução rede- I unidadeIntrodução rede- I unidade
Introdução rede- I unidade
João Freire Abramowicz
 
Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
Berenildo Felix JR
 

Semelhante a Imurl slides (20)

Conceitos básicos 01
Conceitos básicos   01Conceitos básicos   01
Conceitos básicos 01
 
REDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptxREDES DE COMPUTADORES.pptx
REDES DE COMPUTADORES.pptx
 
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos GeraisRedes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 
Informática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - RedesInformática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - Redes
 
Introducao redes
Introducao redesIntroducao redes
Introducao redes
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Redes aula 1
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
 
Conceitos de rede
Conceitos de redeConceitos de rede
Conceitos de rede
 
Curso redes seed
Curso redes seedCurso redes seed
Curso redes seed
 
Introducao redes
Introducao redesIntroducao redes
Introducao redes
 
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
Aula 1   fundamentos de redes de computadoresAula 1   fundamentos de redes de computadores
Aula 1 fundamentos de redes de computadores
 
Informática redes internet (datagrama etc)
Informática   redes internet (datagrama etc)Informática   redes internet (datagrama etc)
Informática redes internet (datagrama etc)
 
ApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De RedesApresentaçAo Final De Redes
ApresentaçAo Final De Redes
 
Apresentaçao Final De Redes
Apresentaçao Final De RedesApresentaçao Final De Redes
Apresentaçao Final De Redes
 
Apo redes
Apo redesApo redes
Apo redes
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Introdução rede- I unidade
Introdução rede- I unidadeIntrodução rede- I unidade
Introdução rede- I unidade
 
Aula1 historia das redes
Aula1   historia das redesAula1   historia das redes
Aula1 historia das redes
 

Mais de Pelo Siro

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
Pelo Siro
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
Pelo Siro
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
Pelo Siro
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
Pelo Siro
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
Pelo Siro
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
Pelo Siro
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
Pelo Siro
 
2146
21462146
2146
Pelo Siro
 
2079
20792079
2079
Pelo Siro
 
2080
20802080
2080
Pelo Siro
 
2064
20642064
2064
Pelo Siro
 
2061
20612061
2061
Pelo Siro
 
2060
20602060
2060
Pelo Siro
 
2032
20322032
2032
Pelo Siro
 
2031
20312031
2031
Pelo Siro
 
2019
20192019
2019
Pelo Siro
 
2018
20182018
2018
Pelo Siro
 
2017
20172017
2017
Pelo Siro
 
2015
20152015
2015
Pelo Siro
 
2014
20142014
2014
Pelo Siro
 

Mais de Pelo Siro (20)

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
 
2146
21462146
2146
 
2079
20792079
2079
 
2080
20802080
2080
 
2064
20642064
2064
 
2061
20612061
2061
 
2060
20602060
2060
 
2032
20322032
2032
 
2031
20312031
2031
 
2019
20192019
2019
 
2018
20182018
2018
 
2017
20172017
2017
 
2015
20152015
2015
 
2014
20142014
2014
 

Imurl slides

  • 1. Instalação e Operação de Sistemas Informáticos .: Instalação, manutenção e utilização de redes locais Q121-5
  • 2. Instalação e Operação de Sistemas Informáticos .: Índice 1. Introdução às redes de computadores (4) Q121-5 2
  • 3. Instalação e Operação de Sistemas Informáticos .: Introdução 1. Objetivos: A. Interiorização de conceitos 2. Benefícios e Condições de utilização: A. Identificação de processadores B. Escolha de processadores de acordo com objetivos Q121-5 3
  • 4. 1. Introdução às redes de computadores Noções elementares sobre redes: o que são, que vantagens têm, que tipos existem 4 Q121-5
  • 5. O que é uma rede de computadores?  É um sistema de comunica-ção de dados constituído através da interligação de computadores e periféricos, com a finalidade de trocar informação e partilhar recursos. 5 Q121-5
  • 6. Vantagens das redes  Partilha de recursos físicos (discos, impressoras, etc.);  Partilha de programas;  Partilha de ficheiros;  Intercâmbio de mensagens e informação;  Melhor organização do trabalho em grupo. 6 Q121-5
  • 7. Sistemas de comunicação canal canal Origem Mensagem Destino Sistema de comunicação de dados Fonte Destino Microfone Canal de comunicação Altifalante Sinal eléctrico Sistema de comunicação de dados nas redes Fonte Destino Microfone Canal de comunicação Altifalante Transdutor 7 Q121-5
  • 8. Sistema de comunicação de dados nas redes 8  Envolvem 6 partes:  Transmissor: processa o sinal de entrada para produzir um sinal adaptado ao canal de transmissão;  Recetor: processa o sinal de saída do canal para produzir um sinal adaptado ao destinatário;  Mensagem: elemento a ser transmitido;  Canal de transmissão: meio que liga a origem ao destino e por onde passa a mensagem;  Protocolo de comunicação: a capacidade que o emissor e recetor têm de se entenderem com recurso a uma linguagem comum;  Transdutor: converte os dados em sinais. Q121-5
  • 9. Exemplo prático  Exemplo prático:  Consideremos que o Rodrigo e o Nicolau estão no café a conversar e a certa altura o Rodrigo diz ao Nicolau: “Comprei um computador novo”. Neste caso, as partes envolvidas na comunicação serão:  Emissor: Rodrigo;  Receptor: Nicolau;  Mensagem: Comprei um computador novo;  Canal de transmissão: Ar;  Protocolo: A lingua portuguesa. Q121-5
  • 10. Transmissões simplex, half-duplex e full-duplex (1/2)  Simplex: apenas um computador pode emitir para o outro  Half-duplex: qualquer computador pode enviar para o outro, mas as transmissões são alternadamente num sentido e noutro  Full-duplex: as transmissões em ambos os sentidos são possíveis em simultâneo. 10 Q121-5
  • 11. 11 Transmissões simplex, half-duplex e full-duplex Exemplos Apresenta exemplos de dispositivos que transmitem informação em modo: Simplex Half-duplex Full-duplex Q121-5
  • 12. A nível de hardware necessitam de: 1. Computadores; 2. Periféricos (impressoras, cd´s, modem´s, etc.); 3. Meios físicos de transmissão ( cabos, ou sistemas de comunicações sem fios – ondas propagadas no espaço); 4. Dispositivos de ligação dos computadores à rede (placas de rede, modems e/ou outros dispositivos); 12 Q121-5
  • 13. A nível de Software necessitam 1. Utilitários e programas de aplicação para trabalho em 13 rede; 2. Sistemas operativos específicos para redes; 3. Drivers de placa de rede, complementam o sistema operativo no sentido de este poder comunicar com a placa; 4. Protocolos de comunicação que tornam possível tecnicamente a emissão e receção de dados entre os computadores envolvidos numa comunicação; Q121-5
  • 14. Classificação das redes quanto a abrangência geográfica(1/1)  PAN (Personal Area Network) – rede local de alcance muito restrito, para apenas um utilizador.  LAN (Local Area Network) – rede local confinada a uma sala ou, no máximo, a um edifício.  CN (Campus Network) – rede que interliga redes locais em edifícios próximos. 14 Q121-5
  • 15. 15 Classificação das redes quanto a abrangência geográfica(Exemplos) Apresenta exemplos de redes do tipo:  PAN (Personal Area Network)  LAN (Local Area Network)  CN (Campus Network) Q121-5
  • 16. Classificação das redes quanto a abrangência geográfica (1/2)  MAN (Metropolitan Area Network) – rede alargada a uma cidade ou região.  WAN (Wide Area Network) – rede alargada a um país ou até ao mundo inteiro... 16 Q121-5
  • 17. Classificação das redes quanto a abrangência geográfica(1/3)  VAN (Virtual Area Nework) – As redes virtuais interligam apenas alguns computadores pertencentes à mesma rede ou a diferentes redes.  VLAN (Virtual Local Area Network) em que computadores fisicamente ligados à mesma rede estão separados em sub-redes por questões de segurança e/ou performance, são muito usadas atualmente . 17 Q121-5
  • 18. Classificação das redes quanto a abrangência geográfica(1/4) Na rede há duas VLANs 18 Rede “Alunos” Rede “Administração” Internet Q121-5
  • 19. 19 Q121-5 Tipos de redes quanto ao sistema operativo
  • 20. Redes cliente/servidor  Rede cliente/servidor – rede em que existe pelo menos um computador – o servidor – possui algum recurso ou função de que os outros – os clientes – se servem.  Exemplos de servidores: de ficheiros, de software, de e-mail, proxy... 20 Q121-5
  • 21. Clientes e Servidores  Um computador atua como servidor quando fornece serviços, tais como a partilha de espaço em disco, serviços de impressão, a partilha de aplicações, o acesso a ficheiros, etc.  Um computador designa-se cliente quando solicita e obtém serviços de outros computadores. 21 Q121-5
  • 22. Clientes e Servidores Pedido Resposta Servidor Cliente 22 Q121-5
  • 23. Servidores Dedicados  Uma rede pode ser organizada de modo a que um ou mais computadores desempenhem unicamente as funções de servidores;  Com este modelo efetua-se de forma centralizada a gestão e administração da rede; 23 Q121-5
  • 25. Servidores  Servidor de programas ou ficheiros - file server  Servidor de bases de dados – database server  Servidor de impressora – printer server  Servidor de comunicações – communications server. 25 Q121-5
  • 26. Redes Peer-to-Peer  Redes peer-to-peer – não existem servidores, todos os computadores estão ao mesmo nível na hierarquia da rede, sendo, por isso, todos servidores e todos clientes.  Não permitem um grande número de utilizadores; ao contrario das redes client-server. 26 Q121-5
  • 27. Redes Peer-to-Peer Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor Cliente/servidor 27 Q121-5
  • 28. Topologias das redes As várias formas de interligar computadores 28 Q121-5
  • 29. Topologia em barramento (bus) 29  Todos os computadores ligados a um cabo comum que tem as duas extremidades separadas. Q121-5
  • 30. Topologia em barramento (bus) Vantagens  serem relativamente simples de montar, pelo que foi esta a solução que imperou durante vários anos a nível de redes locais;  são pouco exigentes em termos do tipo de equipamento e comprimento de 30 cabos, sendo por isso baratas. Desvantagens  uma avaria no cabo backbone, ao qual se ligam os outros computadores, invalida o funcionamento da rede;  pouca possibilidade de expansão, já que se o cabo backbone não for suficiente para se poderem ligar mais, há que substituí-lo por outro;  a remoção ou adição de um dispositivo à rede deve ser feita com todos os computadores desligados;  pode ser difícil detetar a origem de uma falha na rede. Q121-5
  • 31. A desvantagem principal do bus Uma avaria no cabo principal invalida a rede. 31 Q121-5
  • 32. Topologia em estrela (star) 32  Todos os computadores ligados a um dispositivo concentrador, que pode ser um hub ou um switch.
  • 33. Topologia em estrela (star) Vantagens  Muito fácil de montar e configurar;  Não é necessário parar o funcionamento da rede para inserir ou remover dispositivos;  É fácil detectar os dispositivos avariados. Desvantagens  Requer mais cabo do que a topologia em bus;  A avaria do concentrador implica a falha da rede;  Devido ao custo do concentrador, é mais cara do que a topologia em bus. 33 Q121-5
  • 34. A vantagem principal da estrela Uma avaria no cabo que liga um posto ao dispositivo concentrador apenas retira da rede esse posto. 34 Q121-5
  • 35. Topologia em anel (ring) 35  Todos os computadores ligados a um cabo comum fechado em anel. As mensagens passam de computador em computador até chegar ao destino. Q121-5
  • 36. Topologia em anel (ring) Vantagens  Muito boa para um pequeno número de postos com ligação a alta velocidade ou para redes maiores em que as transmissões estão igualmente distribuídas entre os postos.  A expansão da rede é facilmente conseguida.  Ideal para o uso de fibra ótica por cada posto poder estar diretamente ligado ao 36 outro. Desvantagens  Os atrasos entre transmissões são grandes mesmo com o tráfego ligeiro.  Necessidade de hardware adequado (transceivers ou MAUs) para a ligação dos computadores às redes.  Para que a rede funcione é necessário que todos os computadores estejam ligados.  A avaria de um computador pode invalidar a rede (depende do tipo de anel) e não é fácil identificar o posto avariado.
  • 37. Topologia em árvore (tree) 37  Várias sub-redes, normalmente com ligações internas em estrela, interligadas.  A ligação entre elas pode ser feita a partir de um dispositivo centralizador ou a um cabo comum que tomará o nome de backbone. Q121-5
  • 38. Topologia em árvore (tree) Vantagens  Ligação ponto-a-ponto entre as sub-redes.  Permite o controlo por parte de um servidor central que pode estar por detrás do dispositivo centralizador ou do backbone.  Suportada pela grande maioria de fabricantes de hardware e 38 software. Desvantagens  Se o dispositivo centralizador ou o backbone falha, a rede também falha.  Normalmente usa dispositivos caros, sobretudo na configuração com dispositivo centralizador. Q121-5
  • 39. Topologia em malha (mesh) 39  Sem forma definida, todos os computadores estão ligados a todos os outros. Q121-5
  • 40. Topologia em malha (mesh) Vantagens  Estabilidade: a redundância das ligações garante que as mensagens têm sempre um caminho possível.  Segurança: devido à existência de linhas dedicadas, apenas o destinatário recebe a mensagem que lhe é destinada. Desvantagens  Mais cabo necessário do que em qualquer outra topologia.  Necessárias muitas portas de I/O, o que pode ser extremamente 40 dispendioso. Q121-5
  • 41. Principais padrões de redes: 41  Ethernet  Token Ring  FDDI  ISDN-RDIS Q121-5
  • 42. 5 .Meios físicos de transmissão Com ou sem fios são os canais de comunicação pelo qual os computadores enviam e recebem informação 42 Q121-5
  • 43. Meios físicos de transmissão 43  Cabos  Eléctricos  Entrançados  Coaxiais  Ópticos  Ondas no espaço  Infravermelhos  Rádio  Microondas  Laser  Ondas de satélite Q121-5
  • 44. 5.1. Cabos eléctricos Entrançados e coaxiais 44 Q121-5
  • 45. Cabos coaxiais É um cabo constituído por uma alma condutora, seguido de uma camada isoladora, de uma malha destinada à ligação à terra e uma última camada protetora. Tipo dos que são usados em aparelhos de televisão.. 45 Q121-5
  • 46. 46 Vantagens: •Fácil instalação •Barato •Resistência a interferências elec. •Taxas de transmissão razoáveis •Flexibilidade Desvantagens: •Mau contacto •Difícil manipulação •Lento para muitos micros •Em geral utilizado em topologia Bus Cabos coaxiais •10Mbps •185 m sem Repetidor •Conectores BNC •Dois terminais •100Mbps •500 m sem Repetidor Q121-5
  • 47. Cabos entrançados Cabos em que cada par de fios lá dentro forma uma trança para diminuir a interferência dos outros fios do cabo. Existem em vários tipos. São uma invenção de Graham Bell. Usados nas linhas telefónicas, devido as boas características de transmissão têm sido largamente utilizados em redes locais e em redes alargadas 47 Q121-5
  • 48. 48 Vantagens: •Fácil instalação •Barato •Instalação flexível •Usados com hubs ou switchs Desvantagens: •Cabo curto (máximo de 90 metros) •Interferência eletromagnética Cabos entrançados •Mais baratos que os blindados e mais práticos de instalar são os mais usados em redes locais •Revestidos por um plástico para proteger das interferências electromagnéticas. Q121-5
  • 49. Tipos de cabos entrançados (1/2) Existem nas versões blindada (STP) e não blindada (UTP): Cat. 3 UTP, STP 16 Mbps dados Cat. 4 UTP, STP 20 Mbps dados Cat. 5 UTP, STP 100 Mbps dados Cat. 6 UTP, STP 155 Mbps dados Cat. 7 UTP, STP 1000 Mbps dados 49 Q121-5
  • 50. Tipos de cabos entrançados (2/2) Mais exactamente, os tipos disponíveis são:  UTP (Unshielded Twisted Pair) – sem qualquer tipo de blindagem – os mais comuns  STP(Shielded Twisted Pair) – com blindagem exterior envolvente e blindagem para cada par  S/UTP(Screened/ Unshielded Twisted Pair) – apenas com blindagem exterior envolvente 50 Q121-5
  • 51. Quando usar que tipo? Quando usar que tipo?  Os tipos de cabos estão, em primeiro lugar, associados a normas para redes que estudaremos adiante.  Os blindados apenas se justificam em ambientes onde existem aparelhos eléctricos que possam interferir nos sinais transmitidos nos cabos 51 Q121-5
  • 52. Cabos ópticos 52 Usam fibra óptica e são capazes de transmitir vários triliões de bits por segundo (Gbps). As almas condutoras ou núcleos – que conduzem à velocidade da luz – podem ter entre 50 e 100 m de diâmetro. Excelente meio para transmitir sinais digitais, permitem efetuar um elevado número de transmissões em simultâneo, com >>taxa. Q121-5
  • 53. Cabos ópticos Vantagens: •Velocidade •Isolamento elétrico •Imune a interferências eletromagnéticas •Menor perda de sinal •O cabo pode ser longo •Alta taxa de transferência •Espessura mais fina, mais leves Desvantagens: •Muito caro (cabos, acessórios, mão de obra) •Difícil de instalar •Quebra com facilidade •Difícil de ser remendado •Injustificada a utilização em redes locais. 53 Q121-5
  • 54. Vantagens dos cabos ópticos  Enorme capacidade de transmissão  Imunes a interferências eletromagnéticas  Taxa de erros muito baixa  Muito maiores distâncias sem necessidade de repetidores  Muito mais bits por muito menos diâmetro de cabos 54 núcleo bainha Q121-5
  • 55. Tipos de fibras ópticas (1/2)  Fibra ótica multimodo – núcleo de 50 m ou 62,5 m de diâmetro; bainha com diâmetro de 125 m.  Tem a desvantagem da dispersão modal, um fenómeno que ocorre devido à relação entre a dimensão do núcleo e o comprimento de onda dos sinais injetados neste tipo de fibras e que faz com que o sinal injetado pelo emissor se disperse por vários feixes seguindo cada um deles diferentes percursos pela fibra e com diferentes tempos de propagação. Para compensar esse fenómeno usam-se cabos graded-index (com várias camadas de silício com diferentes índices de refracção) ou step-index (apenas com um núcleo e uma bainha).  Suportam distâncias até 3 km e débitos razoáveis. Muito usadas em redes 55 locais. Q121-5
  • 56. Tipos de fibras ópticas (2/2)  Fibra ótica monomodo – núcleo entre 3 m e 10 m de diâmetro; bainha com diâmetro de 125 m.  A reduzida dimensão do núcleo destas fibras torna-as bastante mais caras que as anteriores mas, em contrapartida, bastante menos sensíveis à dispersão modal. Também as operações de conexão e interligação são muito mais delicadas.  São muito usadas para débitos elevados e distâncias até 70 km sem necessidade de repetidores. 56 Q121-5
  • 57. 5.2. Transmissões sem fios (wireless) Assim ninguém tropeça... 57 Q121-5
  • 58. Vantagens 1. Flexibilidade e fiabilidade 2. Mobilidade 3. Rapidez e facilidade de instalação 4. Custos reduzidos de instalação e 58 de alteração 5. Utilizadas para comunicações moveis Q121-5
  • 59. Exemplos de utilização  Edifícios de interesse histórico  Aplicações de medicina, permitindo o acesso por terminais portáteis  Atividades temporárias ou redes sujeitas a reconfigurações frequentes  Extensão da rede a zonas onde não é possível ou não é viável a instalação de cablagem 59 Q121-5
  • 60. Tipos de transmissões sem fios 60  Por infravermelhos  Por laser  Por microondas  Por rádio Q121-5
  • 61. Infravermelhos Podem ser utilizados em sistemas de uso doméstico (televisores, vídeos, automóveis) para transmitir sinais digitais entre computadores, tornando-se necessário que estes computadores se encontrem relativamente próximos uns dos outros (Só em Lan!!) . Existem normas para transmissões entre 1.15 Mbps e 4 Mbps com alcances máximos entre 15 m e 60 m e ainda entre 10 e 155 Mbps e com alcance de 30 m. As desvantagens dos infravermelhos estão sobretudo na necessidade de linha de vista entre emissor e recetor (impossível interligar através de paredes) e nas distâncias. 61 Q121-5
  • 62. Infravermelhos – vantagens e desvantagens 62  Vantagens  As frequências a que trabalham não obrigam a pedidos de licença  Privacidade – não passam através das paredes  Componentes – não são dos mais caros (para taxas baixas)  Desvantagens  Necessidade de linha de vista entre emissor e recetor  Altas taxas obrigam a equipamentos muito caros  Mais suscetíveis a erros Q121-5
  • 63. Laser São, por vezes, uma boa alternativa à fibra ótica em redes locais já que permite grandes débitos e, como todas as ligações sem fios, grande mobilidade. Há equipamentos no mercado capazes de ultrapassar os 6 Mbps até 3 km de distância. 63 Q121-5
  • 64. Laser – vantagens e desvantagens 64  Vantagens  Altos débitos se a poucos quilómetros de distância  Não necessita de pedido de autorização a entidades gestoras do espaço radioelétrico  Desvantagens  Sensível a poeiras, nevoeiro, chuva, etc.  O alinhamento do emissor e do recetor é extremamente rigoroso, o que traz por vezes dificuldades no equipamento exterior Q121-5
  • 65. Microondas São possíveis transmissões equivalentes às das várias Ethernets (10 Mbps a 100 Mbps) a distâncias variadas, utilizadas nas comunicações moveis.. São usadas muitas vezes para ligações entre edifícios. As suas vantagens e desvantagens são semelhantes às dos infravermelhos. Baixa capacidade em termos de velocidade de transmissão 65 Q121-5
  • 66. Ondas rádio 66 É a tecnologia mais ‘robusta’ para redes sem fios, passam através das paredes. Existe nas modalidades seguintes: WLAN (Wireless LAN) – 1 a 54 Mbps LAN-to-LAN – 2 a 100 Mbps WWAN (Wireless WAN) – 1 a 32 Kbps WMAN (Wireless MAN) – 10 a 100 Kbps WPAN(Wireless PAN) – 0,1 a 4 Mbps Q121-5
  • 67. Ondas de satélite  Suportam uma largura de banda elevada.  Os satélites usados para telecomunicações ou transmissão de dados sob a forma digital encontram-se em orbitas a cerca de 30-40 km da superfície terrestre. 1. Uplinks- transmissão da terra para o satélite. 2. Downlinks- transmissão do satélite para a terra. 67 Q121-5
  • 68. Tipos de transmissões sem fios 1. O preço do equipamento é mais elevado 2. As velocidades de transmissão são inferiores 3. Maior susceptibilidade de interferências electromagnéticas 4. Maior mobilidade Tipos  Infravermelho – Comando de televisão(<30 metros)  Ondas rádio – Lan’s ( Obstáculos emissor – receptor, caro, elevado consumo 68 de energia)  Microondas – Man’s (não pode haver obstáculos emissor –receptor, 5Mbps)  Satélite – Wan’s( a 30-40 metros de altitude em relação à terra) Q121-5
  • 69. 6. Conetores Para ligar os cabos aos aparelhos 69 Q121-5
  • 70. Conetores RJ-45 70  O Registered Jack-45 suporta até 8 fios e é usado com os cabos entrançados.  Mais pormenores mais adiante... Q121-5
  • 71. Conectores BNC 71  O Bayonet Neil- Concelman or British Naval Connector, abreviadamente BNC, é o conector usado com os cabos coaxiais. Q121-5
  • 72. Conectores para fibras 72 óticas - Conector ST – conector com uma ponta em baioneta que necessita de apenas um quarto de volta para engatar ou desengatar. Está a ser substituído pelo SC como escolha. - Conector SC – conector que usa um sistema de puxar/empurrar para se engatar/desengatar. Uma das suas vantagens sobre o ST é a possibilidade de combinar várias ligações num conector de várias posições. Por exemplo, para ligações duplex, podemos combinar duas ligações num conector, uma ligada para emissão e outra para receção. - Conector MIC – conector de dois canais usado em redes FDDI (Fiber Distributed Data Interface). Q121-5
  • 73. Conectores do Tipo 1 para redes Token Ring 73  São os conectores usados nas redes Token Ring da IBM que estudaremos mais adiante. Q121-5
  • 74. 7. Equipamentos de redes Placas de rede e Cia. 74 Q121-5
  • 75. 7.1. Dispositivos de ligação às redes Porque os computadores são máquinas que vivem em sociedade. 75 Q121-5
  • 76. Placa de rede 76  Os NIC (Network Interface Cards) são os dispositivos mais usados em redes locais para a ligação à rede; eles tratam de enviar as mensagens e ainda de as aceitar ou rejeitar, conforme o endereço do destinatário. Esse endereço físico, no caso das placas Ethernet, já vem com elas. Q121-5
  • 77. Placa de rede  Ligar o computador à rede local.  Permite ligar vários computadores em rede, fazendo com que seja possível a partilha de recursos bem como a troca de informação entre os vários computadores que se encontrem ligados entre si.  Periférico de entrada/saída, envia dados para os outros computadores e também recebe.  Encaixa num slot da placa-mãe, permite enviar dados de um computador para outro bem como receber dados provenientes de outros computadores. 77 Q121-5
  • 78. Uma placa de rede para um servidor 78  Vem com quatro portas, portanto não é um coupé... Q121-5
  • 79. PC Cards para portáteis 79  Modelos reduzidos no tamanho mas nem por isso no preço...  Aqui, nas versões Ethernet, sem fios e Bluetooth. Q121-5
  • 80. Transceiver 80  Normalmente estão incluídos nas placas, mas há também externos, frequentemente para computadores que possuam um conector AUI e que queiramos ligar a redes cujo tipo de cabos requeira outros conectores. Q121-5
  • 81. Adaptadores de rede 81  Para ligação à rede através da porta USB ou outra, sem necessidade de placa de rede. Q121-5
  • 82. Modem (1/2) 82  Modem significa MOdulator/DEModulator e é necessário na ligação a redes analógicas, visto que a informação que vem do computador é digital.  O Modem é ainda o dispositivo mais usado para acesso à Internet. Recorrendo à linha telefónica analógica convencional, o MODEM converte os impulsos digitais que provêm de um computador para sinais áudio próprios para linhas telefónicas e vice-versa. Q121-5
  • 83. Modem (2/2)  A velocidade de transmissão dos MODEM’s é medida em bps (bits por segundo) e tem vindo a evoluir; iniciada em 300bps, passou pelos 1200, 2400, 9600, 14400, 28800, 33300 e chega agora aos 56 Kbps. De notar que estas velocidades, em particular a última, são apenas velocidades máximas nem sempre atingíveis, o que depende de vários factores, nomeadamente as infra-estruturas de telecomunicações disponíveis a partir do ponto a que nos ligamos e também das infra-estruturas do ISP (Internet Service Provider) através do qual nos ligamos. Mais ainda, os MODEM’s a 56 Kbps permitem ligações a 56 Kbps no sentido descendente (do computador a que acedemos para o nosso), mas apenas 33.6 Kbps (V.90) ou 48 Kbps (V.92) no sentido ascendente. 83 Na prática, no sentido descendente, e para MODEM’s V.90, a velocidade muitas das vezes não ultrapassa os 45 Kbps. Q121-5
  • 84. Modem (3/2)  Utilizado quando se pretende a comunicação entre dois computadores através da linha telefónica. No emissor a função do modem é a de converter o sinal digital em sinal analógico que é aquele que pode ser transportado na linha telefónica. No receptor a função é a de converter o sinal analógico recebido através da linha telefónica em digital que é o sinal que o computador reconhece. MODulador e DEModulador - Internos – são encaixados na placa mãe. 84 - Externos. Q121-5
  • 85. Modem por cabo (1/2) A Internet por cabo é uma nova tecnologia particularmente acessível a quem também já tem televisão por cabo, já que parte da infra-estrutura 85 necessária já está instalada e o acesso à Internet e o usufruto do serviço de televisão em simultâneo são perfeitamente possíveis usando um aparelho adequado à divisão “um para dois”. Tudo o que é necessário é um MODEM por cabo e uma placa de rede Ethernet. Teoricamente, uma ligação por cabo de 6 MHz possibilita a comunicação no sentido do computador para a rede a uma taxa que pode estar entre 320 kbps e 10Mbps; no sentido contrário já são possíveis taxas de 30 a 40 Mbps. Ainda mais, um MODEM por cabo tem ainda a possibilidade de fornecer acesso a uma rede local composta por até dezasseis computadores. Q121-5
  • 86. Modem por cabo (2/2) Em Portugal, existem empresas capazes fornecer dois tipos de serviços para um acesso doméstico: um é o serviço unidireccional, assim denominado porque a transmissão pelo cabo é apenas no sentido da rede para o computador doméstico (downstream) e a uma taxa máxima de 640 Kbps, sendo a transmissão no outro sentido (upstream) feita pela linha telefónica e recorrendo, portanto, a um MODEM convencional; outro é o serviço bidireccional, em que as comunicações nos dois sentidos são possíveis pelo cabo e, consequentemente, à taxa máxima de 640 Kbps 86 MODEM por cabo divisor um para dois computador TV Q121-5
  • 87. Placa RDIS(ISDN) (1/2)  Placa RDIS (Rede Digital Integrada de Serviços), em inglês ISDN (Integrated Services Digital Network) para a ligação a redes telefónicas digitais. Permite obter mais do dobro da velocidade de acesso de um modem convencional, mais exactamente: 128 KB. 87 Q121-5
  • 88. Placa RDIS (ISDN) (2/2) O sistema RDIS básico usa dois canais de 64 Kbps para transmissão de voz e dados e um de 16 Kbps para sinais de controlo. Os dois canais de transmissão de dados podem ser usados independentemente – por exemplo, um para o telefone e outro para a ligação à Internet - ou em conjunto – por exemplo, usando ambos para a ligação à Internet – o que pode ser facilmente ajustado por um pequeno botão colocado no terminador. 88 PC Placa RDIS terminador Linha telefónica digital Q121-5
  • 89. 7.2. Dispositivos de interligação Hubs, switches & Cia Lda. 89 Q121-5
  • 90. Repetidor (repeater)  Regenera os sinais em termos de forma e amplitude. Frequentemente, existem outros aparelhos como os hubs que desempenham também esta função. 90 Q121-5
  • 91. Hub 91  Dispositivo centralizador passivo, ou seja, não cria ligações dedicadas entre os computadores a ele ligados; a transmissão através dele é feita, portanto, por difusão, havendo assim desperdício da capacidade dos canais da rede. Q121-5
  • 92. Stackable hub 92  Exemplo de três stackable hubs, hubs que se podem ligar uns ao outros e assim surgirem na rede como um único.  Mais à frente iremos ver a importância desta característica. Q121-5
  • 93. Um hub maiorzinho  Um hub modular tem possibilidade de aceitar vários tipos de ligações, para vários tipos de redes. 93 Q121-5
  • 94. Switch (1/2) 94  Dispositivo centralizador que permite a ligação dedicada entre dois quaisquer postos ligados a ele.  Nunca há colisões porque os switches são full-duplex! Q121-5
  • 95. Switch (2/2) 95  Numa rede a C Mbps e com um switch de N portas, a largura de banda utilizável será N*C Mbps. Um switch tem o mesmo aspecto de um hub, mas fica-se pelo aspecto... Q121-5
  • 96. Multistation Access Unit 96  Nas redes Token Ring que iremos ainda estudar, os computadores estão dispostos em anel, mas a ligação é, efectivamente, feita em estrela, através de dispositivos de nome Multistation Access Units ou MAU. Q121-5
  • 97. Multistation Access Unit 97 Não parece um hub?... Q121-5
  • 98. Bridge (1/3)  As bridges permitem a segmentação das redes, ou seja, a criação de sub-redes (ou segmentos), ao isolar as sub-redes e permitindo a passagem de frames de uma sub-rede (ou segmento) para outra apenas quando o emissor e o receptor estão em sub-redes (ou segmentos) diferentes. 98 emissor receptor Q121-5
  • 99. Bridge (2/3) Como funciona uma bridge? • verifica a frame recebida; se tiver erros, é descartada; • verifica o endereço da estação de destino para saber em que segmento da rede ela se encontra; • se a estação de destino estiver no mesmo segmento da estação emissora, a frame é eliminada; • se a estação de destino não estiver no mesmo segmento da estação emissora, a frame é encaminhada para o segmento devido com base na informação contida na forwarding database. 99 Q121-5
  • 100. Bridge (3/3) 100  Uma bridge para redes Ethernet e uma Wireless. Q121-5
  • 101. Ponto de acesso 101 •Espécie de hub para interligar segmentos de redes com e sem fios. Aprenderás mais sobre eles daqui a pouco. Q121-5
  • 102. Router  Os routers são dispositivos de encaminhamento de mensagens entre redes diferentes e, eventualmente, quando entre emissor e receptor existem vários caminhos possíveis.  Fazem-no através de uma tabela de routing, espécie de mapa da rede que os permite localizar os computadores e routers a que está ligado. 102 Rede 1 router router Rede 2 Q121-5
  • 103. Um router 103  Routers para redes locais.  Para as outras, eles são maiorzinhos... Q121-5
  • 104. Outros routers 104 Uns modelos maiorzinhos da Cisco. Q121-5
  • 105. Gateway  Num sentido lato, os gateways são todos aqueles dispositivos que permitem o acesso de uma rede ao seu exterior (o que pode englobar switches, bridges e routers)  Mas num sentido restrito, os gateways são dispositivos que permitem ligar  Redes com protocolos diferentes  PC’s a um mainframe (porque os mainframes estão preparados para falar apenas com terminais e não com PC’s, máquinas inteligentes...) 105 Q121-5
  • 106. 7.3. Hubs vs Switches É fácil ver quem ganha, mas é bom perceber melhor porquê. 106 Q121-5
  • 107. 7.3.1. Em redes peer-to-peer 107 Q121-5
  • 108. A desvantagem dos hubs (1/2) Os hubs deixam passar tudo por eles. O 4º computador da fila de cima quer comunicar com o 4º da fila debaixo e isso ocupa a rede inteira! 108 Q121-5
  • 109. A desvantagem dos hubs (2/2) Então, quando há mais do que 1 par de computadores a quererem comunicar entre si, as colisões surgem. E quando são muitas, o desempenho da rede é mau. 109 Q121-5
  • 110. Um switch pode ajudar muito! Graças à incorporação do switch, as duas comunicações (a azul e a vermelha) podem ser simultâneas. 110 Q121-5
  • 111. 7.3.2. Em redes cliente/servidor 111 Q121-5
  • 112. Acesso a um servidor via hub ou switch (1/2) 112 Se colocarmos um hub, a largura de banda do acesso ao servidor é dividido pelas comunicações simultâneas. Q121-5
  • 113. Acesso a um servidor via hub ou switch (2/2) 113 Aqui também é visível a vantagem de um switch. Neste exemplo a 100 Mbps, o acesso de cada posto ao servidor é efectivamente a 100 Mbps. Q121-5
  • 114. Um servidor de várias sub-redes (1/2) Quando o tráfego é maior na zona de acesso ao servidor, não há vantagem em substituir os hubs por switches. Qual é então a solução? 114 Q121-5
  • 115. Um servidor de várias sub-redes (2/2) Vale a pena colocar um switch a ligar ao servidor. Assim, as ligações de cada uma das sub-redes A e B não interferem uma na outra. 115 Q121-5
  • 116. 8. O modelo OSI O indesejado... 116 Q121-5
  • 117. Esquema de camadas nas comunicações  Escrevo uma carta a um colega  Entrego-a à minha secretária...  ... que a leva aos correios...  ... segue por comboio para o destino...  ... para os correios da outra terra...  ... o carteiro leva-o à empresa do meu colega...  ... A secretária dele leva-lhe a carta... 117 Q121-5  ... E ele abre-a!
  • 118. O modelo OSI  Surgiu nos anos 70, porque se tornou evidente a necessidade de tornar possível a possibilidade de os equipamentos poderem ligar-se e comunicar entre si, independentemente das suas diferenças quer ao nível do Hardware quer ao nível do software. 118 Q121-5
  • 119. O modelo OSI  Conjunto de normas que podem ser adoptadas livremente para o fabrico de equipamentos e desenvolvimento de software, destinados a funcionar em redes de computadores, este modelo subdivide o processo global de comunicação de dados entre computadores em sete níveis ou camadas. 119 Q121-5
  • 120. O modelo OSI 120  7 – Aplicação  6 – Apresentação  5 – Sessão  4 – Transporte  3 – Rede  2 – Ligação de dados  1 – Camada física Q121-5
  • 121. O modelo OSI  Cada camada fornece serviços à camada acima dela 121  definido em termos de primitivas (funções básicas) e dados associados  Cada camada depende camada abaixo dela  nenhuma camada pode interagir com uma camada que não lhe seja vizinha Q121-5
  • 122. Aplicação Estabelece um interface entre o software de aplicação e a camada seguinte (inferior) 122 Q121-5
  • 123. Apresentação Providencia independência da camada de Aplicação para as camadas seguintes. Contribui para a codificação e descodificação dos dados ao nível do seu formato visual. Conversão de formatos entre sistemas diferentes. 123 Q121-5
  • 124. Sessão Inicia, gere e termina as conexões (sessões) entre sistemas coordenando o intercambio de dados entre o emissor e o receptor durante uma sessão de comunicação. 124 Q121-5
  • 125. Transporte Cuida da transferência dos dados e dos controlos de erros de transmissão. Retransmite pacotes se necessário. Controla o fluxo da informação transmitida por forma a que as mensagens sejam entregues correctamente. 125 Q121-5
  • 126. Rede Providencia independência às camadas superiores das tarefas de comunicações de dados e de routing. Estabelece com base nos endereços dos pacotes das mensagens um caminho através dos nós da rede para o percurso até ao destino. 126 Q121-5
  • 127. Ligação de dados Trata da transmissão a nível físico, assim como do tratamento dos erros, também a nível físico. Procede à montagem dos pacotes de bits no formato apropriado à sua transmissão na rede; controla o acesso aos meios físicos e o fluxo dos pacotes. 127 Q121-5
  • 128. Camada física Trata das características físicas dos meios de transmissão. Define as características do meio fisico de transmissão da rede , conectores, interfaces,… 128 Q121-5
  • 129. Modelo simplificado 129  A primeira camada trata das operações com ficheiros – abrir, ler, gravar, fechar.  A segunda camada trata da correcta transferência dos dados.  A terceira camada trata do acesso às ligações físicas através do meio de transmissão em causa. Q121-5
  • 130. Comparação entre grupos de trabalho e domínios Um domínio é um grupo de contas e recursos de rede que compartilham uma mesma base de dados de diretórios e conjunto de diretivas de segurança e que podem ter relacionamentos de segurança com outros domínios. Um grupo de trabalho é um agrupamento mais simples, destinado apenas a ajudar os utilizadores a localizar objetos, como impressoras e pastas compartilhadas dentro desse grupo. Os domínios são a opção recomendada para todas as redes, exceto redes muito pequenas com poucos utilizadores. 130 Q121-5
  • 131. Comparação entre grupos de trabalho e domínios Num grupo de trabalho, os utilizadores podem precisar memorizar várias senhas, uma para cada recurso de rede. (Além disso, utilizadores diferentes podem usar senhas diferentes para cada recurso.) Num domínio, é mais fácil controlar senhas e permissões, já que um domínio tem uma única base de dados centralizada de contas de utilizadores, permissões e outros detalhes de rede. As informações dessa base de dados são replicadas automaticamente entre os controladores de domínio. Você determina quais servidores são controladores de domínio e quais são simples membros do domínio. Você pode determinar essas funções não apenas durante a instalação mas também posteriormente. 131 Q121-5
  • 132. Comparação entre grupos de trabalho e domínios Os domínios e o sistema de diretórios do Active Directory do qual eles fazem parte oferecem várias opções para tornar os recursos disponíveis mais facilmente para os usuários enquanto mantêm um bom monitoramento e segurança. 132 Q121-5
  • 133. Instalação e Operação de Sistemas Informáticos Referências Bibliográficas: Branco, António. Manual de instalação e reparação de computadores. Lisboa, FCA Editora de Informática, 2011. http://www.prof2000.pt/users/afaria2004/portas.htm http://technet.microsoft.com/pt-br/library/cc739052%28v=ws.10%29.aspx Q121-5