SlideShare uma empresa Scribd logo
1.1
Capítulo 3
Dados e Sinais
1º Unidade
Prof. Rodrigo Ronner
rodrigoronner@gmail.com
rodrigoronner.blogspot.com
Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.
• Dados e Sinais 1º Unidade
– Sinais analógicos e digitais
– Sinais Periódicos x Não periódicos
– Período e Frequência
– Domínio do Tempo x Frequência
– Sinal composto e meio de transmissão
– Largura de banda
– Perda na Transmissão
– Limite na Taxa de Transmissão de Dados
– Taxa de Transferência
• Desempenho 1º Unidade
– Largura de Banda
– Largura de Banda em Hertz
– Largura de Banda em Bits por Segundo
– Throughput
– Latência (Retardo)
– Tempo de Propagação
– Tempo de Transmissão
– Tempo de Fila
– Jitter
• Transmissão Digital e Analógica 2º Unidade
– Principais combinações de dados e Sinais
– Transmissão Analógica
– Conversão Digital-Digital
– Transmissão Digital Vantagens
– Codificação em Linha
• Esquemas de codificação: unipolar, polar e
bipolar
• codificação polar os esquemas NRZ, RZ,
Manchester e Manchester Diferencial
– Codificação em Bloco
• Fases da codificação de bloco
• 4B/5B
• Modos de Transmissão 2º Unidade
– Serial
– Paralela
• Códigos de Dados 2º Unidade
– EBCDIC
– ASCII
– Unicode
• Multiplexação 3º Unidade
 FDM
 TDM
 FDM versus TDM
 WDM
 FDMA
 Espalhamento de frequência
– FHSS (Frequency Hopping Spread
Spectrum)
– DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum)
• Comutação 3º Unidade
 Comutação Circuitos
 Comutação Pacotes
 Comutação de Mensagens
• Técnicas de Detecção de Erros 3º Unidade
 Prevenção de Erros
 Detecção de Erros
 Controle de erros
• Seminário 3º Unidade
 -Sonet e Ethernet
-
Sumário
Informação
 É tudo aquilo que se deseja transmitir entre um emissor e um
receptor
 Em redes de computadores as informações devem ser
convertidas em sinais eletromagnéticos para transmitir os
dados
 Dados podem ser transmitidos na forma analógica ou na
forma digital
 A informação analógica é formada naturalmente, como por
exemplo a voz humana, possui uma infinidade de estados ao
longo de tempo
 A informação digital é aquela onde os dados usam somente
dois estados discretos, 0`s ou 1`s, um exemplo é a
armazenagem dos dados em um disco rígidos
4
Quatro combinações de Dados e Sinais
Exemplo de Sinais analógicos e digitais
Sinais Analógicos e Digitais
• Assim como a informação, os sinais podem ser
representados como analógicos e digitais, um sinal
analógico possui uma infinidade estados por um certo
tempo, um sinal digital possui apenas um número finito e
limitado de estados.
• Sistemas analógicos: são aqueles que conservam a forma
dos sinais desde a fonte ao destino.
• Sistemas digitais: são aqueles em que a forma do sinal
transmitido é diferente do sinal original. Neste sistema, as
formas dos sinais são convertidos para um sistema binário
antes de serem transmitidos.
Sinais Periódicos x Não periódicos
• Tanto um sinal analógico quanto o sinal digital pode se
apresentar como periódicos ou não.
• Um sinal dito periódico completa um padrão dentro de um
intervalo de tempo mensurável, a esse intervalo de tempo
chamamos de ciclo.
• Um sinal não periódico não possui essa característica.
• Em comunicação de dados utilizamos geralmente sinais
analógicos periódicos e sinais digitais não periódicos
Sinais analógicos
• Podem ser classificados como simples ou
compostos
• Um sinal simples não pode ser decompostos
em sinais menores
• Um sinal compostos é uma soma de sinais
periódicos , possivelmente infinito, de
múltiplas ondas senoidais
Onda Senoidal
• É a forma fundamental de um sinal analógico, varia de forma contínua ao
longo do ciclo.
• Quando visualizamos como uma curva oscilante simples, sua mudança ao
longo do curso de um ciclo é suave e consistente, um fluxo oscilante e
contínuo.
• Cada Ciclo consiste um arco único acima do eixo do tempo seguido por um
arco único abaixo dele.
Amplitude Máxima
• A amplitude máxima de um sinal é o valor absoluto da
máxima intensidade, proporcional à energia que ela
transporta.
• Para sinais elétricos, a amplitude máxima é
normalmente medida em volts.
Exemplo:
• A eletricidade em sua casa pode ser representada por
uma onda senoidal com uma amplitude máxima de
155 a 170v. Entretanto, é de domínio público que a
voltagem da eletricidade em nossas residências é de
110 a 127v.
Amplitude Máxima
Período e Frequência
• Período se refere a quantidade de tempo, sem,
segundos, que um sinal precisa para completar 1 ciclo.
• Frequência Corresponde ao número de períodos em
1s.
Obs: Note que período e frequência são apenas uma
característica definida de duas formas diferentes.
Período e frequência são inversamente proporcionais;
T = 1 / f e f = 1 / T
Dois Sinais com a mesma amplitude e
fase, mas frequências diferentes
Exercício
Fase
• O termo fase descreve a posição da forma de
onda com relação ao marco zero do tempo
• A fase é medida em graus ou radianos
• 360º = 2πrad
Três ondas senoidais com a mesma amplitude e
frequência, mas com fases diferentes
Domínio do Tempo x Frequência
• Uma onda senoidal para ser bem definida precisa
dos parâmetros de amplitude, fase e frequência,
na maioria dos gráficos a amplitude é
apresentada em função do tempo, mas também
pode ser apresentada em função do frequência.
• Para mostrar a relação entre amplitude e
frequência, podemos usar assim o chamado
gráfico domínio da frequência.
• Um Gráfico domínio da frequência se preocupa
apenas com o valor máximo e a frequência.
Exemplo
Os Gráficos domínio do tempo e domínio da frequência de uma onda senoidal.
Domínio do
Tempo
Domínio da
Frequência
Sinais Compostos
• Podemos enviar uma onda senoidal simples. Ela tem diversas aplicações
no cotidiano.
• Ex: Companhia distribuidora de energia envia um a onda senoidal simples
com frequência de 60 Hz para distribuir energia elétrica para residência e
empresas.
• Um sinal composto é formado de várias ondas senoidais simples.
• Uma onda senoidal simples não é útil em comunicação de dados;
precisamos enviar um sinal composto, um sinal formado por várias ondas
senoidais simples.
Exemplo
Sinal composto e meio de transmissão
• Fisicamente quando um sinal viajar por um
meio de comunicação sofre com fenômenos
que limitam ou impedem a passagem de
determinadas frequências, com isso um sinal
composto que entra, nunca será igual ao sinal
de saída
Largura de banda
• Entendemos como largura de banda como o
intervalo da faixa de frequência que passa pelo
meio físico, ou seja, é a diferença entre a maior e
menor frequência transmitida.
• É a faixa de frequências passantes por um meio
físico.
• A largura de banda normalmente se refere à
diferença entre duas frequências, das quais as
superiores e inferiores são filtradas pelo meio
Exemplo
Exercício Resolvido
Se um sinal é decomposto em 5 ondas com freqüências
de 100, 300, 500, 700, e 900 Hz, qual a largura de
banda? Desenhe o espectro, assumindo que todos os
componetes tem máxima amplitude de 10 v.
Exercício Resolvido
Se um sinal é decomposto em 5 ondas com freqüências
de 100, 300, 500, 700, e 900 Hz, qual a largura de
banda? Desenhe o espectro, assumindo que todos os
componetes tem máxima amplitude de 10 v.
Solução
Seja fh a maior freqüência, fl a menor freqüência, and B
a largura de banda. Então:
Perda na Transmissão
• Causas da perda
• Atenuação
• Sinal perde energia, mas não existe deformação
• Em cabos metálicos é decorrente da perda por calor
• Distorção
• Significa que o sinal muda de forma ou formato
• Pode ocorrer num sinal composto com diversas
frequências.
• Ruído
• Afeta geralmente o meio de transmissão
• Existem vários tipos de ruído
Perda na Transmissão
Atenuação = Significa perda de energia
Limite na Taxa de Transmissão de
Dados
Distorção = é a alteração de um sinal devido às diferentes
velocidadesdepropagaçãodecadafrequênciaqueformaumsinal
Limite na Taxa de Transmissão de
Dados
Ruído = é a energia externa que causa danos a
um sinal
Limite na Taxa de Transmissão de
Dados
Taxa de Transferência
• A maioria dos sinais digitais é não periódica e,
consequentemente, frequência e período não
são características adequadas.
• Outro termo – taxa de transferência é numero
de bits enviados em 1s, expresso em bits por
segundo (bps).
Exemplo 1
• Suponha que precisamos baixar documentos de texto a
uma taxa de 100 páginas por minuto. Qual seria a taxa
de transferência do canal?
• Solução
• Uma página tem, em média, 24 linhas com 80
caracteres por linha. Se supusermos que um caractere
precise de 8 bits, a taxa de transferência seria:
• 100 x 24 x 80 x 8 = 1.636.00 bps = 1,636 mbps
Exemplo 2
• Qual a taxa de transferência para TV de alta definição (HDTV)?
• Solução
• A HDTV usa sinais digitais para transmitir sinais de video de alta qualidade.
A tela de uma HDTV tem normalmente a proporção 16:9 (comparada aos
4:3 de uma TV comum), o que significa que a tela é mais larga. Existem
1.920 por 1.080 bits por tela e a taxa de renovação na tela é de 30 vezes
por segundo.
• Obs: Vinte e quatro bits representam um pixel de cor.
• 1.920 x 1.080 x 30 x 24 = 1.492.992.000 ou 1,5
Gbps
Exercícios
1) Descreva 3 características de uma onde senoidal
2) O que é espectro de frequência de um sinal?
3) Compare um sinal digital com um sinal analógico
4) Qual a relação entre período e frequência?
5) Quais são as unidades de medida do período e da frequência?
6) O que indica a frequência de um sinal e o que é o período do
sinal?
7) O que indica a amplitude do sinal?
8) O que indica a frequência de um sinal?
9) O que indica a fase de um sinal?
10) Em que tipo de gráfico mostramos a amplitude em um dado
instante de tempo?
Desempenho
Largura de Banda
• Uma Característica que mede o desempenho
das redes é a largura de banda.
• O Termo pode ser empregado em dois
contextos diferentes com duas medidas
diversas: largura de banda em Hertz e largura
de banda em bits por segundo.
Largura de Banda em Hertz
• È o intervalo de frequências contido em um
sinal composto ou o intervalo de frequências
que um canal deixa passar.
• Podemos dizer que a largura de banda de uma
linha telefônica é de 4Hz.
Largura de Banda em Bits por Segundo
• Se refere ao número de bits por segundo que um
canal, um enlace ou até mesmo uma rede é capaz
de transmitir.
• Podemos dizer que a largura de banda de uma
rede ethernet (ou os enlaces nessa rede) é de no
máximo 100Mbps.
Relação:
• Podemos dizer um aumento na largura de banda
em hertz significa um aumento na largura de
banda em bits.
Largura de Banda em Hertz e Bits
(Exemplo)
A largura de banda de uma linha telefônica por
assinatura é de 4Khz para voz ou dados. A largura
de banda para essa linha para transmissão de dados
pode ser de até 56.000 bps usando um modem
sofisticado para transformar o sinal digital em
analógico.
Se a companhia telefônica melhorar a qualidade da
linha e aumentar a largura de banda para 8 kHz,
podemos enviar 112.000 bps.
Throughput
• É uma medida realmente de rapidez pela qual
podemos enviar dados pela rede.
Exemplo:
Uma rede com largura de banda de 10 Mbps é capaz de deixar passar um média de
12.000 pacotes por minuto, em que cada pacote transporta uma média de 10.000 bits.
Qual é o throughput desta rede?
Throughput = 12.000 x 10.000
____________ = 2 Mbps
60
Latência (Retardo)
• Define quanto tempo leva para uma
mensagem inteira chegar de forma completa
no seu destino, desde o momento em que o
primeiro bit é enviado da origem.
• A latência e formada por quatro
componentes: tempo de propagação, tempo
de transmissão, tempo de fila e retardo de
processamento.
Tempo de Propagação
Mede o tempo necessário para um bit trafegar da origem ao seu
destino, ele é calculado dividindo-se a distância pela velocidade de
propagação.
Exemplo:
Qual é o tempo de propagação, se a distância entre os dois pontos for
de 12.000 Km? suponha que a velocidade de propagação no cabo seja
2,4 x 108 m/s
Tempo de propagação = 12.000 x 1.000
------------------ = 50 ms
2,4 x 108 m/s
Tempo de Transmissão
• Em comunicação de dados, não podemos simplesmente enviar
apenas 1 bit; enviamos uma mensagem.
• O Primeiro bit pode levar um período igual ao tempo de
propagação para chegar ao seu destino; o último bit poderia
também levar o mesmo período. Entretanto, existe um tempo entre
a saída do primeiro bit do emissoro e a chegada do último bit no
receptor.
• O primeiro bit sai primeiro e chega antes; o último bit sai depois e
chega mais tarde ao seu destino.
• O tempo necessário para transmissão de uma mensagem depende
do tamanho da mensagem e da largura da banda do canal.
Tempo de Transmissão
• Exemplo:
Qual é o tempo de propagação e qual é o tempo de transmissão de uma mensagem
de 2,5 kbytes (um e-mail), se a largura de banda da rede for de 1Gbps? Suponha que a
distância entre o emissor e o receptor seja de 12.000 km e que a luz trafegue a 2,4 x
108 m/s
Tempo de propagação = 12.000 x 1.000
------------------ = 50 ms
2,4 x 108 m/s
Tempo de Transmissão = 2.500 x 8
------------ = 0,020 ms
109
Tempo de Fila
• O tempo necessário para casa dispositivo intermediário
ou terminal manter a mensagem antes de esta ser
processada.
• O tempo de fila não é um fator fixo; ele muda com a
carga da rede.
• Exemplo:
• Um dispositivo intermediário, por exemplo, um
roteador, coloca na fila as mensagens que chegam e as
processa uma a uma. Se existirem muitas mensagens,
cada uma delas terá de aguardar.
Jitter
• Jitter é uma variação estatística do atraso na entrega de dados em
uma rede, ou seja, pode ser definida como a medida de variação do
atraso entre os pacotes sucessivos de dados.
• O jitter é simplesmente a variação de diversos pings, ou seja, é a
subtração do maior valor com o menor valor. Como nos outros
termos, quanto menor o jitter, melhor.
• Um exemplo de sistemas que tem o Jitter como inimigo é o serviço
de Voz sobre IP (VoIP). Para este sistema, tanto o efeito do Jitter,
variação de latência, quanto a sua mais simples solução,
bufferização, não são agradáveis.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação bluetooth
Apresentação bluetoothApresentação bluetooth
Apresentação bluetooth
Paulo Steinhauser
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
camila_seixas
 
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IPAula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Filipo Mór
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
WELLINGTON MARTINS
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
Wellington Oliveira
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
LucasMansueto
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
Armando Rivarola
 
Topologia de Redes
Topologia de RedesTopologia de Redes
Topologia de Redes
Breno Damasceno
 
Cablagem de rede
Cablagem de redeCablagem de rede
Cablagem de rede
André Barroso
 
Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
Susana Oliveira
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
Ana Julia F Alves Ferreira
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
Evandro Júnior
 
Redes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da redeRedes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da rede
Mauro Pereira
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
Fábio Eliseu
 
Historia da internet
Historia da internetHistoria da internet
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
Felipe Silva
 
Aula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de Computadores
Aula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de ComputadoresAula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de Computadores
Aula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de Computadores
Dalton Martins
 
49778140 projeto-de-rede
49778140 projeto-de-rede49778140 projeto-de-rede
49778140 projeto-de-rede
Marco Guimarães
 
Tipos de cabos e conexões
Tipos de cabos e conexõesTipos de cabos e conexões
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesVantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Marco Martins
 

Mais procurados (20)

Apresentação bluetooth
Apresentação bluetoothApresentação bluetooth
Apresentação bluetooth
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
 
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IPAula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
 
Protocolos de Redes
Protocolos de RedesProtocolos de Redes
Protocolos de Redes
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
 
Comunicação de dados!
Comunicação de dados!Comunicação de dados!
Comunicação de dados!
 
Topologia de Redes
Topologia de RedesTopologia de Redes
Topologia de Redes
 
Cablagem de rede
Cablagem de redeCablagem de rede
Cablagem de rede
 
Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
 
Redes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da redeRedes 6 equipamentos ativos da rede
Redes 6 equipamentos ativos da rede
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Historia da internet
Historia da internetHistoria da internet
Historia da internet
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
 
Aula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de Computadores
Aula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de ComputadoresAula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de Computadores
Aula 05 - Exercício de projeto - Projeto de Redes de Computadores
 
49778140 projeto-de-rede
49778140 projeto-de-rede49778140 projeto-de-rede
49778140 projeto-de-rede
 
Tipos de cabos e conexões
Tipos de cabos e conexõesTipos de cabos e conexões
Tipos de cabos e conexões
 
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redesVantagens e desvantagens em topologias de redes
Vantagens e desvantagens em topologias de redes
 

Destaque

SUC Brasil 2012 : GeniE Recent Releases
SUC Brasil 2012 : GeniE Recent ReleasesSUC Brasil 2012 : GeniE Recent Releases
SUC Brasil 2012 : GeniE Recent Releases
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...
SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...
SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : Sesam for Topsides
SUC Brasil 2012 : Sesam for TopsidesSUC Brasil 2012 : Sesam for Topsides
SUC Brasil 2012 : Sesam for Topsides
João Henrique Volpini Mattos
 
Suc Brasil 2012 : Sesam for SURF
Suc Brasil 2012 : Sesam for SURFSuc Brasil 2012 : Sesam for SURF
Suc Brasil 2012 : Sesam for SURF
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / Risers
SUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / RisersSUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / Risers
SUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / Risers
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : The New Sesam Manager
SUC Brasil 2012 : The New Sesam ManagerSUC Brasil 2012 : The New Sesam Manager
SUC Brasil 2012 : The New Sesam Manager
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniE
SUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniESUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniE
SUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniE
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck Barge
SUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck BargeSUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck Barge
SUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck Barge
João Henrique Volpini Mattos
 
Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : Sima for Marine Operations
SUC Brasil 2012 : Sima for Marine OperationsSUC Brasil 2012 : Sima for Marine Operations
SUC Brasil 2012 : Sima for Marine Operations
João Henrique Volpini Mattos
 
Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...
João Henrique Volpini Mattos
 
SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...
SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...
SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...
João Henrique Volpini Mattos
 

Destaque (12)

SUC Brasil 2012 : GeniE Recent Releases
SUC Brasil 2012 : GeniE Recent ReleasesSUC Brasil 2012 : GeniE Recent Releases
SUC Brasil 2012 : GeniE Recent Releases
 
SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...
SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...
SUC Brasil 2012 : Optimization of a Floating Platforms Mooring System Based o...
 
SUC Brasil 2012 : Sesam for Topsides
SUC Brasil 2012 : Sesam for TopsidesSUC Brasil 2012 : Sesam for Topsides
SUC Brasil 2012 : Sesam for Topsides
 
Suc Brasil 2012 : Sesam for SURF
Suc Brasil 2012 : Sesam for SURFSuc Brasil 2012 : Sesam for SURF
Suc Brasil 2012 : Sesam for SURF
 
SUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / Risers
SUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / RisersSUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / Risers
SUC Brasil 2012 : Coupled Dynamic Analysis FPSO / Mooring / Risers
 
SUC Brasil 2012 : The New Sesam Manager
SUC Brasil 2012 : The New Sesam ManagerSUC Brasil 2012 : The New Sesam Manager
SUC Brasil 2012 : The New Sesam Manager
 
SUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniE
SUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniESUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniE
SUC Brasil 2012 : Importing Models to Sesam GeniE
 
SUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck Barge
SUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck BargeSUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck Barge
SUC Brazil 2012 : Analysis of Equipment Foundations of a Laydeck Barge
 
Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico em Estruturas Flutuantes - Parte I A Ex...
 
SUC Brasil 2012 : Sima for Marine Operations
SUC Brasil 2012 : Sima for Marine OperationsSUC Brasil 2012 : Sima for Marine Operations
SUC Brasil 2012 : Sima for Marine Operations
 
Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...
Análise de Carregamento Hidrodinâmico Em Estruturas Flutuantes - Parte II A R...
 
SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...
SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...
SUC Brasil 2012 : Engineering Study for Barge Lifting Weight on Crane Barge O...
 

Semelhante a Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)

Comunicacao de dados
Comunicacao de dadosComunicacao de dados
Comunicacao de dados
Airto Galiza Matos
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Lista03
Lista03Lista03
Lista03
redesinforma
 
Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3
Ivan Karneiro
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Mauro Tapajós
 
Aula03a
Aula03aAula03a
Aula03a
ricard0606
 
Redes Parte 2 - Ondas, Informação e Sinal
Redes Parte 2 - Ondas, Informação e SinalRedes Parte 2 - Ondas, Informação e Sinal
Redes Parte 2 - Ondas, Informação e Sinal
Ricardo Pinheiro
 
fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
Carlos Melo
 
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dadosAula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Djacir Maciel
 
Antenas_aula1
Antenas_aula1Antenas_aula1
Antenas_aula1
jeffersonsantos
 
aula 1.pdf
aula 1.pdfaula 1.pdf
aula 1.pdf
DomingosAndre2
 
Comunicação de dados
Comunicação de dadosComunicação de dados
Comunicação de dados
Marioalmeida_10
 
Aula02 - principios da comunicaçao
Aula02  - principios da comunicaçaoAula02  - principios da comunicaçao
Aula02 - principios da comunicaçao
Carlos Veiga
 
Conceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdf
Conceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdfConceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdf
Conceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdf
Editora
 
RC - Módulo 1
RC - Módulo 1RC - Módulo 1
RC - Módulo 1
Marco Martins
 
Fundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüênciaFundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüência
Carlos Melo
 
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Filipo Mór
 
Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1
Mariana Hiyori
 
Aula03 transmissão de dados em redes wireless
Aula03   transmissão de dados em redes wirelessAula03   transmissão de dados em redes wireless
Aula03 transmissão de dados em redes wireless
Carlos Veiga
 
Simão Faria e João Machado
Simão Faria e João MachadoSimão Faria e João Machado
Simão Faria e João Machado
simaocfaria
 

Semelhante a Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade) (20)

Comunicacao de dados
Comunicacao de dadosComunicacao de dados
Comunicacao de dados
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
 
Lista03
Lista03Lista03
Lista03
 
Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3Exercício redes cap 3
Exercício redes cap 3
 
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de TransmissãoRedes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
Redes I - 2.1 - Camada Física e Tecnologias de Transmissão
 
Aula03a
Aula03aAula03a
Aula03a
 
Redes Parte 2 - Ondas, Informação e Sinal
Redes Parte 2 - Ondas, Informação e SinalRedes Parte 2 - Ondas, Informação e Sinal
Redes Parte 2 - Ondas, Informação e Sinal
 
fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
 
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dadosAula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
 
Antenas_aula1
Antenas_aula1Antenas_aula1
Antenas_aula1
 
aula 1.pdf
aula 1.pdfaula 1.pdf
aula 1.pdf
 
Comunicação de dados
Comunicação de dadosComunicação de dados
Comunicação de dados
 
Aula02 - principios da comunicaçao
Aula02  - principios da comunicaçaoAula02  - principios da comunicaçao
Aula02 - principios da comunicaçao
 
Conceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdf
Conceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdfConceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdf
Conceitos Básicos sobre a comunicação de Dados.pdf
 
RC - Módulo 1
RC - Módulo 1RC - Módulo 1
RC - Módulo 1
 
Fundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüênciaFundamentos de radio freqüência
Fundamentos de radio freqüência
 
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
 
Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1Redes de Computadores - Modulo 1
Redes de Computadores - Modulo 1
 
Aula03 transmissão de dados em redes wireless
Aula03   transmissão de dados em redes wirelessAula03   transmissão de dados em redes wireless
Aula03 transmissão de dados em redes wireless
 
Simão Faria e João Machado
Simão Faria e João MachadoSimão Faria e João Machado
Simão Faria e João Machado
 

Mais de Faculdade Mater Christi

Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 10 detecção e correção de erros
Capítulo 10   detecção e correção de errosCapítulo 10   detecção e correção de erros
Capítulo 10 detecção e correção de erros
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 23 comunicação entre processos
Capítulo 23   comunicação entre processosCapítulo 23   comunicação entre processos
Capítulo 23 comunicação entre processos
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
Capítulo 19   camada de rede - end lógicoCapítulo 19   camada de rede - end lógico
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 2 modelos de redes
Capítulo 2   modelos de redesCapítulo 2   modelos de redes
Capítulo 2 modelos de redes
Faculdade Mater Christi
 
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Capítulo 20   camada de rede - internet protocolCapítulo 20   camada de rede - internet protocol
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Faculdade Mater Christi
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Introdução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídosIntrodução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídos
Faculdade Mater Christi
 
Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Processos e threads   cap 02 (i unidade)Processos e threads   cap 02 (i unidade)
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 

Mais de Faculdade Mater Christi (16)

Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)Capítulo 6 e 8   comutação e multiplexação (3º unidade)
Capítulo 6 e 8 comutação e multiplexação (3º unidade)
 
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)Capítulo 1   introdução a comunicação de dados(1º unidade)
Capítulo 1 introdução a comunicação de dados(1º unidade)
 
Capítulo 10 detecção e correção de erros
Capítulo 10   detecção e correção de errosCapítulo 10   detecção e correção de erros
Capítulo 10 detecção e correção de erros
 
Capítulo 23 comunicação entre processos
Capítulo 23   comunicação entre processosCapítulo 23   comunicação entre processos
Capítulo 23 comunicação entre processos
 
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
Capítulo 19   camada de rede - end lógicoCapítulo 19   camada de rede - end lógico
Capítulo 19 camada de rede - end lógico
 
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuaisCapítulo 15   conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
Capítulo 15 conexões de lans, redes backbone e lans virtuais
 
Capítulo 2 modelos de redes
Capítulo 2   modelos de redesCapítulo 2   modelos de redes
Capítulo 2 modelos de redes
 
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
Capítulo 20   camada de rede - internet protocolCapítulo 20   camada de rede - internet protocol
Capítulo 20 camada de rede - internet protocol
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
 
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
Introdução aos sistemas operacionais cap 01 (i unidade)
 
Introdução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídosIntrodução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídos
 
Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)Impasses cap 06 (ii unidade)
Impasses cap 06 (ii unidade)
 
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
Gerenciamento de memória cap 03 (ii unidade)
 
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)Entrada e saida  cap 05 (iii unidade)
Entrada e saida cap 05 (iii unidade)
 
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
Conceitos de hardware e software cap 02 (i unidade)
 
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Processos e threads   cap 02 (i unidade)Processos e threads   cap 02 (i unidade)
Processos e threads cap 02 (i unidade)
 

Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)

  • 1. 1.1 Capítulo 3 Dados e Sinais 1º Unidade Prof. Rodrigo Ronner rodrigoronner@gmail.com rodrigoronner.blogspot.com Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.
  • 2. • Dados e Sinais 1º Unidade – Sinais analógicos e digitais – Sinais Periódicos x Não periódicos – Período e Frequência – Domínio do Tempo x Frequência – Sinal composto e meio de transmissão – Largura de banda – Perda na Transmissão – Limite na Taxa de Transmissão de Dados – Taxa de Transferência • Desempenho 1º Unidade – Largura de Banda – Largura de Banda em Hertz – Largura de Banda em Bits por Segundo – Throughput – Latência (Retardo) – Tempo de Propagação – Tempo de Transmissão – Tempo de Fila – Jitter • Transmissão Digital e Analógica 2º Unidade – Principais combinações de dados e Sinais – Transmissão Analógica – Conversão Digital-Digital – Transmissão Digital Vantagens – Codificação em Linha • Esquemas de codificação: unipolar, polar e bipolar • codificação polar os esquemas NRZ, RZ, Manchester e Manchester Diferencial – Codificação em Bloco • Fases da codificação de bloco • 4B/5B • Modos de Transmissão 2º Unidade – Serial – Paralela • Códigos de Dados 2º Unidade – EBCDIC – ASCII – Unicode • Multiplexação 3º Unidade  FDM  TDM  FDM versus TDM  WDM  FDMA  Espalhamento de frequência – FHSS (Frequency Hopping Spread Spectrum) – DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum) • Comutação 3º Unidade  Comutação Circuitos  Comutação Pacotes  Comutação de Mensagens • Técnicas de Detecção de Erros 3º Unidade  Prevenção de Erros  Detecção de Erros  Controle de erros • Seminário 3º Unidade  -Sonet e Ethernet - Sumário
  • 3. Informação  É tudo aquilo que se deseja transmitir entre um emissor e um receptor  Em redes de computadores as informações devem ser convertidas em sinais eletromagnéticos para transmitir os dados  Dados podem ser transmitidos na forma analógica ou na forma digital  A informação analógica é formada naturalmente, como por exemplo a voz humana, possui uma infinidade de estados ao longo de tempo  A informação digital é aquela onde os dados usam somente dois estados discretos, 0`s ou 1`s, um exemplo é a armazenagem dos dados em um disco rígidos
  • 4. 4 Quatro combinações de Dados e Sinais
  • 5. Exemplo de Sinais analógicos e digitais
  • 6. Sinais Analógicos e Digitais • Assim como a informação, os sinais podem ser representados como analógicos e digitais, um sinal analógico possui uma infinidade estados por um certo tempo, um sinal digital possui apenas um número finito e limitado de estados. • Sistemas analógicos: são aqueles que conservam a forma dos sinais desde a fonte ao destino. • Sistemas digitais: são aqueles em que a forma do sinal transmitido é diferente do sinal original. Neste sistema, as formas dos sinais são convertidos para um sistema binário antes de serem transmitidos.
  • 7. Sinais Periódicos x Não periódicos • Tanto um sinal analógico quanto o sinal digital pode se apresentar como periódicos ou não. • Um sinal dito periódico completa um padrão dentro de um intervalo de tempo mensurável, a esse intervalo de tempo chamamos de ciclo. • Um sinal não periódico não possui essa característica. • Em comunicação de dados utilizamos geralmente sinais analógicos periódicos e sinais digitais não periódicos
  • 8. Sinais analógicos • Podem ser classificados como simples ou compostos • Um sinal simples não pode ser decompostos em sinais menores • Um sinal compostos é uma soma de sinais periódicos , possivelmente infinito, de múltiplas ondas senoidais
  • 9. Onda Senoidal • É a forma fundamental de um sinal analógico, varia de forma contínua ao longo do ciclo. • Quando visualizamos como uma curva oscilante simples, sua mudança ao longo do curso de um ciclo é suave e consistente, um fluxo oscilante e contínuo. • Cada Ciclo consiste um arco único acima do eixo do tempo seguido por um arco único abaixo dele.
  • 10. Amplitude Máxima • A amplitude máxima de um sinal é o valor absoluto da máxima intensidade, proporcional à energia que ela transporta. • Para sinais elétricos, a amplitude máxima é normalmente medida em volts. Exemplo: • A eletricidade em sua casa pode ser representada por uma onda senoidal com uma amplitude máxima de 155 a 170v. Entretanto, é de domínio público que a voltagem da eletricidade em nossas residências é de 110 a 127v.
  • 12. Período e Frequência • Período se refere a quantidade de tempo, sem, segundos, que um sinal precisa para completar 1 ciclo. • Frequência Corresponde ao número de períodos em 1s. Obs: Note que período e frequência são apenas uma característica definida de duas formas diferentes. Período e frequência são inversamente proporcionais; T = 1 / f e f = 1 / T
  • 13. Dois Sinais com a mesma amplitude e fase, mas frequências diferentes
  • 15. Fase • O termo fase descreve a posição da forma de onda com relação ao marco zero do tempo • A fase é medida em graus ou radianos • 360º = 2πrad
  • 16. Três ondas senoidais com a mesma amplitude e frequência, mas com fases diferentes
  • 17. Domínio do Tempo x Frequência • Uma onda senoidal para ser bem definida precisa dos parâmetros de amplitude, fase e frequência, na maioria dos gráficos a amplitude é apresentada em função do tempo, mas também pode ser apresentada em função do frequência. • Para mostrar a relação entre amplitude e frequência, podemos usar assim o chamado gráfico domínio da frequência. • Um Gráfico domínio da frequência se preocupa apenas com o valor máximo e a frequência.
  • 18. Exemplo Os Gráficos domínio do tempo e domínio da frequência de uma onda senoidal. Domínio do Tempo Domínio da Frequência
  • 19. Sinais Compostos • Podemos enviar uma onda senoidal simples. Ela tem diversas aplicações no cotidiano. • Ex: Companhia distribuidora de energia envia um a onda senoidal simples com frequência de 60 Hz para distribuir energia elétrica para residência e empresas. • Um sinal composto é formado de várias ondas senoidais simples. • Uma onda senoidal simples não é útil em comunicação de dados; precisamos enviar um sinal composto, um sinal formado por várias ondas senoidais simples.
  • 21. Sinal composto e meio de transmissão • Fisicamente quando um sinal viajar por um meio de comunicação sofre com fenômenos que limitam ou impedem a passagem de determinadas frequências, com isso um sinal composto que entra, nunca será igual ao sinal de saída
  • 22. Largura de banda • Entendemos como largura de banda como o intervalo da faixa de frequência que passa pelo meio físico, ou seja, é a diferença entre a maior e menor frequência transmitida. • É a faixa de frequências passantes por um meio físico. • A largura de banda normalmente se refere à diferença entre duas frequências, das quais as superiores e inferiores são filtradas pelo meio
  • 24. Exercício Resolvido Se um sinal é decomposto em 5 ondas com freqüências de 100, 300, 500, 700, e 900 Hz, qual a largura de banda? Desenhe o espectro, assumindo que todos os componetes tem máxima amplitude de 10 v.
  • 25. Exercício Resolvido Se um sinal é decomposto em 5 ondas com freqüências de 100, 300, 500, 700, e 900 Hz, qual a largura de banda? Desenhe o espectro, assumindo que todos os componetes tem máxima amplitude de 10 v. Solução Seja fh a maior freqüência, fl a menor freqüência, and B a largura de banda. Então:
  • 26. Perda na Transmissão • Causas da perda • Atenuação • Sinal perde energia, mas não existe deformação • Em cabos metálicos é decorrente da perda por calor • Distorção • Significa que o sinal muda de forma ou formato • Pode ocorrer num sinal composto com diversas frequências. • Ruído • Afeta geralmente o meio de transmissão • Existem vários tipos de ruído
  • 27. Perda na Transmissão Atenuação = Significa perda de energia
  • 28. Limite na Taxa de Transmissão de Dados Distorção = é a alteração de um sinal devido às diferentes velocidadesdepropagaçãodecadafrequênciaqueformaumsinal
  • 29. Limite na Taxa de Transmissão de Dados Ruído = é a energia externa que causa danos a um sinal
  • 30. Limite na Taxa de Transmissão de Dados
  • 31. Taxa de Transferência • A maioria dos sinais digitais é não periódica e, consequentemente, frequência e período não são características adequadas. • Outro termo – taxa de transferência é numero de bits enviados em 1s, expresso em bits por segundo (bps).
  • 32. Exemplo 1 • Suponha que precisamos baixar documentos de texto a uma taxa de 100 páginas por minuto. Qual seria a taxa de transferência do canal? • Solução • Uma página tem, em média, 24 linhas com 80 caracteres por linha. Se supusermos que um caractere precise de 8 bits, a taxa de transferência seria: • 100 x 24 x 80 x 8 = 1.636.00 bps = 1,636 mbps
  • 33. Exemplo 2 • Qual a taxa de transferência para TV de alta definição (HDTV)? • Solução • A HDTV usa sinais digitais para transmitir sinais de video de alta qualidade. A tela de uma HDTV tem normalmente a proporção 16:9 (comparada aos 4:3 de uma TV comum), o que significa que a tela é mais larga. Existem 1.920 por 1.080 bits por tela e a taxa de renovação na tela é de 30 vezes por segundo. • Obs: Vinte e quatro bits representam um pixel de cor. • 1.920 x 1.080 x 30 x 24 = 1.492.992.000 ou 1,5 Gbps
  • 34. Exercícios 1) Descreva 3 características de uma onde senoidal 2) O que é espectro de frequência de um sinal? 3) Compare um sinal digital com um sinal analógico 4) Qual a relação entre período e frequência? 5) Quais são as unidades de medida do período e da frequência? 6) O que indica a frequência de um sinal e o que é o período do sinal? 7) O que indica a amplitude do sinal? 8) O que indica a frequência de um sinal? 9) O que indica a fase de um sinal? 10) Em que tipo de gráfico mostramos a amplitude em um dado instante de tempo?
  • 36. Largura de Banda • Uma Característica que mede o desempenho das redes é a largura de banda. • O Termo pode ser empregado em dois contextos diferentes com duas medidas diversas: largura de banda em Hertz e largura de banda em bits por segundo.
  • 37. Largura de Banda em Hertz • È o intervalo de frequências contido em um sinal composto ou o intervalo de frequências que um canal deixa passar. • Podemos dizer que a largura de banda de uma linha telefônica é de 4Hz.
  • 38. Largura de Banda em Bits por Segundo • Se refere ao número de bits por segundo que um canal, um enlace ou até mesmo uma rede é capaz de transmitir. • Podemos dizer que a largura de banda de uma rede ethernet (ou os enlaces nessa rede) é de no máximo 100Mbps. Relação: • Podemos dizer um aumento na largura de banda em hertz significa um aumento na largura de banda em bits.
  • 39. Largura de Banda em Hertz e Bits (Exemplo) A largura de banda de uma linha telefônica por assinatura é de 4Khz para voz ou dados. A largura de banda para essa linha para transmissão de dados pode ser de até 56.000 bps usando um modem sofisticado para transformar o sinal digital em analógico. Se a companhia telefônica melhorar a qualidade da linha e aumentar a largura de banda para 8 kHz, podemos enviar 112.000 bps.
  • 40. Throughput • É uma medida realmente de rapidez pela qual podemos enviar dados pela rede. Exemplo: Uma rede com largura de banda de 10 Mbps é capaz de deixar passar um média de 12.000 pacotes por minuto, em que cada pacote transporta uma média de 10.000 bits. Qual é o throughput desta rede? Throughput = 12.000 x 10.000 ____________ = 2 Mbps 60
  • 41. Latência (Retardo) • Define quanto tempo leva para uma mensagem inteira chegar de forma completa no seu destino, desde o momento em que o primeiro bit é enviado da origem. • A latência e formada por quatro componentes: tempo de propagação, tempo de transmissão, tempo de fila e retardo de processamento.
  • 42. Tempo de Propagação Mede o tempo necessário para um bit trafegar da origem ao seu destino, ele é calculado dividindo-se a distância pela velocidade de propagação. Exemplo: Qual é o tempo de propagação, se a distância entre os dois pontos for de 12.000 Km? suponha que a velocidade de propagação no cabo seja 2,4 x 108 m/s Tempo de propagação = 12.000 x 1.000 ------------------ = 50 ms 2,4 x 108 m/s
  • 43. Tempo de Transmissão • Em comunicação de dados, não podemos simplesmente enviar apenas 1 bit; enviamos uma mensagem. • O Primeiro bit pode levar um período igual ao tempo de propagação para chegar ao seu destino; o último bit poderia também levar o mesmo período. Entretanto, existe um tempo entre a saída do primeiro bit do emissoro e a chegada do último bit no receptor. • O primeiro bit sai primeiro e chega antes; o último bit sai depois e chega mais tarde ao seu destino. • O tempo necessário para transmissão de uma mensagem depende do tamanho da mensagem e da largura da banda do canal.
  • 44. Tempo de Transmissão • Exemplo: Qual é o tempo de propagação e qual é o tempo de transmissão de uma mensagem de 2,5 kbytes (um e-mail), se a largura de banda da rede for de 1Gbps? Suponha que a distância entre o emissor e o receptor seja de 12.000 km e que a luz trafegue a 2,4 x 108 m/s Tempo de propagação = 12.000 x 1.000 ------------------ = 50 ms 2,4 x 108 m/s Tempo de Transmissão = 2.500 x 8 ------------ = 0,020 ms 109
  • 45. Tempo de Fila • O tempo necessário para casa dispositivo intermediário ou terminal manter a mensagem antes de esta ser processada. • O tempo de fila não é um fator fixo; ele muda com a carga da rede. • Exemplo: • Um dispositivo intermediário, por exemplo, um roteador, coloca na fila as mensagens que chegam e as processa uma a uma. Se existirem muitas mensagens, cada uma delas terá de aguardar.
  • 46. Jitter • Jitter é uma variação estatística do atraso na entrega de dados em uma rede, ou seja, pode ser definida como a medida de variação do atraso entre os pacotes sucessivos de dados. • O jitter é simplesmente a variação de diversos pings, ou seja, é a subtração do maior valor com o menor valor. Como nos outros termos, quanto menor o jitter, melhor. • Um exemplo de sistemas que tem o Jitter como inimigo é o serviço de Voz sobre IP (VoIP). Para este sistema, tanto o efeito do Jitter, variação de latência, quanto a sua mais simples solução, bufferização, não são agradáveis.