SlideShare uma empresa Scribd logo
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
Conteúdo
Conteúdo............................................................................................................................1
As funções dos códigos de conduta...................................................................................2
A importância dos códigos de conduta de algumas profissões. A importância para os
profissionais que as exercem.............................................................................................3
O código de conduta e análise...........................................................................................3
Normas de uma organização / a importância das mesmas para a formação da identidade
da própria instituição; .......................................................................................................4
A importância das normas e das regras para o bom funcionamento das instituições e da
cooperação na vida social..................................................................................................5
O impacto de preocupações deontológicas e éticas no contexto organizacional...............6
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 1
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
As funções dos códigos de conduta.
Os Códigos de Conduta estabelecem o conjunto de princípios e de valores
em matéria de ética profissional que deve ser reconhecido e adoptado por
todos.
Estes códigos ou normas defendem-nos enquanto indivíduos inseridos
numa sociedade multicultural. A diferença está em aceitar ou não esses
códigos.
A sociedade precisa destes códigos para se organizar e defender e ser
defendida.
Os códigos expressos, ou seja redigidos visam a comunicação de normas e
regras sobre comportamentos sociais, laborais ou individuais num
determinado ambiente.
Os códigos servem para determinar a ordem, ou ajudar a definir o conceito
de ordem numa sociedade.
Os códigos de Conduta regem os comportamentos de todos, ou seja exige
da nossa personalidade o entendimento lógico de como viver em
sociedade, que no meu ponto de vista verifica-se no compromisso à
integridade.
Eu sigo os códigos de saber estar numa determinada: A minha liberdade
termina onde se inicia a do outro! Sou e quero ser nesta sociedade uma
pessoa idónea.
A mãe da conduta é a ética, poderá traduzir-se por modo ou forma de vida,
compreendendo as disposições do homem na vida, o seu carácter,
costumes e, claro, também a moral.
Os actos que são livres e, enquanto tais, "correctos" ou "incorrectos",
"justos" ou "injustos" -- de um modo mais simples, "bons" ou "maus". A Ética
estuda o Bem e, assim, o seu objectivo é a virtude na condução da vida,
facilitando a realização das pessoas: que o ser humano consiga a perfeição,
isto é, a realização de si próprio como tal, como pessoa. Pessoa que cria os
códigos para se reger numa sociedade.
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 2
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
A importância dos códigos de conduta de algumas profissões. A
importância para os profissionais que as exercem.
Nas empresas dos dias de hoje, conhecem a importância do melhor
ambiente no local de trabalho.
Ao dar importância ao colaborador, ao seu local de trabalho, ao seu perfil,
às suas amizades, ao seu conforto – as empresas visam melhoras na
produtividade e assim como nos respectivos dividendos anuais.
Os códigos de conduta são relevantes neste contexto pois verifica-se as
mudanças de comportamento nos locais de trabalho: Clima de
transparência (tudo se sabe, o porque dos procedimentos, o porquê das
formações profissionais, entre outros); a gestão dos conflitos de interesses,
cria nos códigos de conduta as devidas restrições, assim como a
responsabilidade individual e a responsabilidade do outro.
O código de conduta e análise.
Quando falamos sobre ética, temos a idéia da busca dos princípios e condutas
justos, do comportamento ideal, do estudo dos quadros de valores e actos
humanos.
Um código onde se verifica a profissão e seu impacto na sociedade é a dos
Advogados: possuem o seu próprio Código de Ética Profissional, com normas e
princípios que formam a consciência profissional do advogado e sua conduta.
«Todo advogado tem como dever, o zelo do prestígio de sua classe, a defesa
dos direitos e interesses que lhe são confiados, lutar sem receio pelo primato
da justiça, proceder com lealdade e boa fé em suas relações profissionais e em
todos os actos do seu ofício, agir com a dignidade das pessoas de bem e a
correção dos profissionais que honram e engrandecem a sua classe»
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 3
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
Através do Código de Ética e Disciplina, regula os deveres do advogado para
com a comunidade, cliente, outro profissional. Regula também a publicidade, a
recusa de patrocínio, o dever de assistência jurídica, o dever geral de
urbanidade e os respectivos procedimentos disciplinares.
«Tendo uma grande preocupação com a imagem do advogado, com os
reflexos de seus actos, etc. A conduta do advogado deve pautar-se além do
Código de Ética, do Estatuto, Regulamento, mas também com os princípios da
moral individual, social e profissional.
O profissional deve proceder de forma a merecer o respeito de todos, pois seu
comportamento contribui para o prestígio ou desprestígio da classe, não
esquecendo das virtudes éticas que Aristóteles sintetizou na "Ética a
Nicômaco", saber, temperança, mansidão, franqueza, coragem, liberdade,
magnanimidade e a justiça, que é a maior de todas.
Contudo, o que mais fortalece o prestígio de ser um advogado é a honestidade,
pois sem ela sua conduta esta comprometida, o profissional tem a obrigação de
prudência, devendo agir de acordo com as recomendações de seu cliente.
Deve agir com decoro, urbanidade e polidez.
Sempre procurando a permanente qualificação, para cumprir com sua
obrigação social, pois a incompetência, causa danos sociais e individuais,
alguns deles irreversíveis.
O advogado é responsável pelos actos que, no exercício profissional, praticar
com dolo ou culpa. E obriga-se a cumprir rigorosamente os deveres
consignados no Código de Ética e Disciplina, agindo com honra, honestidade,
ética, prudência. Pois sua força esta na palavra e na autoridade moral que
possuir.»
Normas de uma organização / a importância das mesmas para a formação
da identidade da própria instituição;
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 4
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
Hoje, em dia, a consciência moral e ética faz com que a
responsabilidade social das organizações seja cada vez mais firmante,
no mundo dos negócios: a elaboração de programas sociais e de
solidariedade nas empresas, a formação académica dos colaboradores,
a criação de planos de sustentabilidade, entre outras acções – facto que
verifiquei em empresas de grande dimensão, tais como PT PRO, DELTA
e TAP.
Na PT PRO, serviços de Gestão do Grupo PT, foi-me dada a formação
de boas vindas.
Esta formação explica as missões e valores da empresa que estamos
inseridos: a que a empresa pretende com a contratação de serviços
externos, o que vai realizar em termos económicos, os valores
económicos e estratégias de negócio, as normas de politica do negócio,
as normas da politica de recrutamento, as normas de estratégia de
formação e qualificação dos colaboradores.
Concordei sempre com todas os vínculos que me foram propostos. A PT
PRO é uma empresa que rege os custos do Grupo, assim o sigilo de
informação interna e externa, o comportamento enquanto funcionário, a
colaboração entre todos e os objectivos a atingir, são itens do contrato
de trabalho.
A importância das normas e das regras para o bom funcionamento das
instituições e da cooperação na vida social
Se não houvesse regras, códigos ou linhas orientadoras, cada um de nós
usaria a espontaneidade.
Tudo é organizado em cadeia: até mesmo o código da Natureza. Na sociedade
existem as empresas e os colaboradores, uns delegam, outros fazem.
Objectivo: gerar rendimento para voltar a comprar, para voltar a rentabilizar –
Um circulo de oferta e procura.
A teoria é a mesma com as normas: uns delegam, outros fazem. Seguimos as
linhas construtoras da sociedade onde vivemos; criando mais regras para os
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 5
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
que estão fora as linhas; para gerar julgamentos para voltarem as linhas
condutoras.
As empresas, instituições criam regras, baseadas nas condutas de uma
determinada sociedade para visar o sucesso de comportamentos, gerar
trabalho, gerar rendimentos. Sendo que só é possível com o discernimento dos
indivíduos que nelas laboram.
O impacto de preocupações deontológicas e éticas no contexto
organizacional.
As questões de impacto colocam-se quando certas sociedades ou até mentes
da mesma sociedade se divergem.
Em CP4 verifiquei algumas questões em aula: nem sempre a turma tinha a
mesma opinião, tema: A eutanásia!
Para os médicos, o código não prevê a vontade do paciente em relação á
morte, no entanto também não são Deuses!
Num hospital, os médicos podem ter opiniões diferentes em relação aos casos
terminais. As regras do hospital podem não permitir as condutas de eutanásia –
Mas o médico pode prevalecer opinião do utente?!
Outro exemplo: Uma empresa de Marketing – As regras do mercado guerreiro,
a conquista e prevalência de um cargo, visa algum código? – Numa campanha,
um marketeer verifica sempre a concorrência, com inquérito, analises e
estatísticas, no entanto o seu código pessoal e de integridade poderá visar
outras técnicas para atingir um fim. Quais são as soluções: A criação de um
código de sigilo dos técnicos de Marketing e Publicidade, assim como penas de
crime – o código da concorrência empresarial.
Existem tantos temas! Julgo saber que o código que me rege, não magoa nem
prejudica o outro!
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 6
C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura
organizacional Funções Códigos de Conduta
Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
SILVIA G. FERNANDES
 
Cidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeCidadania e Profissionalidade
Cidadania e Profissionalidade
ELIANANDR
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
Sizes & Patterns
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
Papel da sociedade civil na democracia
Papel da sociedade civil na democraciaPapel da sociedade civil na democracia
Papel da sociedade civil na democracia
Raquel Silva
 
Trabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissionalTrabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissional
Osvaldo Gimo
 
Reflexão - STC-6
Reflexão - STC-6Reflexão - STC-6
Reflexão - STC-6
Sizes & Patterns
 
Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5
Sizes & Patterns
 
Valores cultura e ética
 Valores cultura e ética  Valores cultura e ética
Valores cultura e ética
bruno oliveira
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
joaokota
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionaisCidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Clamar6480
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
joaokota
 
Apoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_bApoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_b
profisa70
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
danikj
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
Reflexão STC 7
Reflexão STC 7Reflexão STC 7
Reflexão STC 7
Raquel Silva
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
mega
 
Património Comum Da Humanidade
Património Comum Da HumanidadePatrimónio Comum Da Humanidade
Património Comum Da Humanidade
Instituto Monitor
 
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Quirino Vieira
 

Mais procurados (20)

Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
 
Cidadania e Profissionalidade
Cidadania e ProfissionalidadeCidadania e Profissionalidade
Cidadania e Profissionalidade
 
Reflexão - CP4
Reflexão - CP4Reflexão - CP4
Reflexão - CP4
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
Papel da sociedade civil na democracia
Papel da sociedade civil na democraciaPapel da sociedade civil na democracia
Papel da sociedade civil na democracia
 
Trabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissionalTrabalho de etica e deontologia profissional
Trabalho de etica e deontologia profissional
 
Reflexão - STC-6
Reflexão - STC-6Reflexão - STC-6
Reflexão - STC-6
 
Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5Reflexão - STC-5
Reflexão - STC-5
 
Valores cultura e ética
 Valores cultura e ética  Valores cultura e ética
Valores cultura e ética
 
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
Reflecção clc 5 (dr 1,2,3,4)
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
 
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionaisCidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
Cidadania e Profissionalidade 4 organismos institucionais
 
Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5Reflexão da dr4 do clc 5
Reflexão da dr4 do clc 5
 
Apoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_bApoio cp5 a_b
Apoio cp5 a_b
 
comunidade ética global
comunidade ética globalcomunidade ética global
comunidade ética global
 
CLC 6
CLC 6CLC 6
CLC 6
 
Reflexão STC 7
Reflexão STC 7Reflexão STC 7
Reflexão STC 7
 
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza ÉticaReflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
Reflexao Dr3 CP Convicção e Firmeza Ética
 
Património Comum Da Humanidade
Património Comum Da HumanidadePatrimónio Comum Da Humanidade
Património Comum Da Humanidade
 
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas ProfissionaisTrabalho Deontologia E Normas Profissionais
Trabalho Deontologia E Normas Profissionais
 

Destaque

Cidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidadeCidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidade
Carlotamanaia
 
Cp_4
Cp_4Cp_4
Cp_4
J P
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
mega
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
arturferreira007
 
Cp4
Cp4Cp4
Codigo de conduta
Codigo de condutaCodigo de conduta
Codigo de conduta
Claudio Silveira
 
Competências RVCC
Competências RVCCCompetências RVCC
Competências RVCC
João Lima
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
Regras e código de conduta
Regras e código de condutaRegras e código de conduta
Regras e código de conduta
NunoAlexandreSoares
 
Democracia Direta Digital
Democracia Direta DigitalDemocracia Direta Digital
Democracia Direta Digital
Sociedade da Informação
 
Ng4 iden.alter
Ng4 iden.alterNg4 iden.alter
Ng4 iden.alter
ruigalvao
 
éTica x moral (prova)
éTica x moral (prova)éTica x moral (prova)
éTica x moral (prova)
raphaelalma
 
UFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitáriosUFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitários
Maria Laura Cavaleiro
 
Análise de posicionamento sicredi justiça
Análise de posicionamento sicredi justiçaAnálise de posicionamento sicredi justiça
Análise de posicionamento sicredi justiça
Vai Totó
 
Cp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos MigratóriosCp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos Migratórios
joaquimsousaferreira
 
Dr 1 cp
Dr 1 cpDr 1 cp
Dr 1 cp
Leonel Lopes
 
Conduta
CondutaConduta
Conduta
Rafael Savi
 
As Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da Internet
As Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da InternetAs Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da Internet
As Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da Internet
coldashes
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
mega
 
Visita ao museu
Visita  ao museuVisita  ao museu
Visita ao museu
isarfl
 

Destaque (20)

Cidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidadeCidadania e profissionalidade
Cidadania e profissionalidade
 
Cp_4
Cp_4Cp_4
Cp_4
 
Dr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CPDr2 identidade e alteridade CP
Dr2 identidade e alteridade CP
 
Processos Identitários
Processos IdentitáriosProcessos Identitários
Processos Identitários
 
Cp4
Cp4Cp4
Cp4
 
Codigo de conduta
Codigo de condutaCodigo de conduta
Codigo de conduta
 
Competências RVCC
Competências RVCCCompetências RVCC
Competências RVCC
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
Regras e código de conduta
Regras e código de condutaRegras e código de conduta
Regras e código de conduta
 
Democracia Direta Digital
Democracia Direta DigitalDemocracia Direta Digital
Democracia Direta Digital
 
Ng4 iden.alter
Ng4 iden.alterNg4 iden.alter
Ng4 iden.alter
 
éTica x moral (prova)
éTica x moral (prova)éTica x moral (prova)
éTica x moral (prova)
 
UFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitáriosUFCD 4 plano global - Processos identitários
UFCD 4 plano global - Processos identitários
 
Análise de posicionamento sicredi justiça
Análise de posicionamento sicredi justiçaAnálise de posicionamento sicredi justiça
Análise de posicionamento sicredi justiça
 
Cp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos MigratóriosCp4 Movimentos Migratórios
Cp4 Movimentos Migratórios
 
Dr 1 cp
Dr 1 cpDr 1 cp
Dr 1 cp
 
Conduta
CondutaConduta
Conduta
 
As Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da Internet
As Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da InternetAs Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da Internet
As Regras De Conduta Na UtilizaçãO Da Internet
 
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco AraújoDr4 identidade e alteridade Marco Araújo
Dr4 identidade e alteridade Marco Araújo
 
Visita ao museu
Visita  ao museuVisita  ao museu
Visita ao museu
 

Semelhante a Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta

Trabalho ética
Trabalho éticaTrabalho ética
Trabalho ética
thaiscristinabrandao
 
Slaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativasSlaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativas
marcelo borges
 
Apresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptxApresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptx
TauanaSilva6
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
Gerisval Pessoa
 
Trabalho sobre Ética
Trabalho sobre  ÉticaTrabalho sobre  Ética
Trabalho sobre Ética
Mattxaviier
 
éTica
éTicaéTica
08 luís moura ética
08 luís moura ética08 luís moura ética
08 luís moura ética
luismoura1957
 
08 luís moura ética
08 luís moura ética08 luís moura ética
08 luís moura ética
luismoura1957
 
Apostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhn
Apostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhnApostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhn
Apostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhn
Mirela Rosa
 
Ética Deontológica Técnico Administrativo
Ética Deontológica Técnico AdministrativoÉtica Deontológica Técnico Administrativo
Ética Deontológica Técnico Administrativo
Alvaro Gomes
 
Conduta profissional
Conduta profissionalConduta profissional
Conduta profissional
Cristina Ramos
 
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.pptTeoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
PedroLuis216164
 
Conduta Profissional.pdf
Conduta Profissional.pdfConduta Profissional.pdf
Conduta Profissional.pdf
JoseAssis9
 
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEsImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
Mira Carvalh
 
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEsImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
Mira Carvalh
 
Ética e o Profissional da Educação.ppt
Ética e o Profissional da Educação.pptÉtica e o Profissional da Educação.ppt
Ética e o Profissional da Educação.ppt
ShayrAlfHariAbdullah
 
Ética e Deontologia em Engenharia de Software
Ética e Deontologia em Engenharia de SoftwareÉtica e Deontologia em Engenharia de Software
Ética e Deontologia em Engenharia de Software
Pedro Monteiro
 
Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2
Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2
Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2
mitrablueaires
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - ÉticaEscriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Jailma Gomez
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 

Semelhante a Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta (20)

Trabalho ética
Trabalho éticaTrabalho ética
Trabalho ética
 
Slaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativasSlaid rotinas administrativas
Slaid rotinas administrativas
 
Apresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptxApresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptx
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
 
Trabalho sobre Ética
Trabalho sobre  ÉticaTrabalho sobre  Ética
Trabalho sobre Ética
 
éTica
éTicaéTica
éTica
 
08 luís moura ética
08 luís moura ética08 luís moura ética
08 luís moura ética
 
08 luís moura ética
08 luís moura ética08 luís moura ética
08 luís moura ética
 
Apostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhn
Apostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhnApostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhn
Apostila cef etica_e_legislacao_especifica_pedro_kuhn
 
Ética Deontológica Técnico Administrativo
Ética Deontológica Técnico AdministrativoÉtica Deontológica Técnico Administrativo
Ética Deontológica Técnico Administrativo
 
Conduta profissional
Conduta profissionalConduta profissional
Conduta profissional
 
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.pptTeoria da Administração - Ética e RSC.ppt
Teoria da Administração - Ética e RSC.ppt
 
Conduta Profissional.pdf
Conduta Profissional.pdfConduta Profissional.pdf
Conduta Profissional.pdf
 
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEsImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
 
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEsImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
ImportâNcia Da RegulamentaçãO Das ProfissõEs
 
Ética e o Profissional da Educação.ppt
Ética e o Profissional da Educação.pptÉtica e o Profissional da Educação.ppt
Ética e o Profissional da Educação.ppt
 
Ética e Deontologia em Engenharia de Software
Ética e Deontologia em Engenharia de SoftwareÉtica e Deontologia em Engenharia de Software
Ética e Deontologia em Engenharia de Software
 
Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2
Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2
Ogd mod 5_conteúdos _ aula 2
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - ÉticaEscriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
Escriturário Banco do Brasil - Legislação Específica - Ética
 
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de JesusEtica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
Etica e postura profissional- Profº Gilberto de Jesus
 

Mais de SILVIA G. FERNANDES

Auto biografia
Auto biografiaAuto biografia
Auto biografia
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoUc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 6 mecenato
Uc 6 mecenatoUc 6 mecenato
Uc 6 mecenato
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioUc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finaleUc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finale
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalUc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafUc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
SILVIA G. FERNANDES
 
Stc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampasStc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampas
SILVIA G. FERNANDES
 
Stc 5 pp_final
Stc 5 pp_finalStc 5 pp_final
Stc 5 pp_final
SILVIA G. FERNANDES
 
Stc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarkingStc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarking
SILVIA G. FERNANDES
 
Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de textoClc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de texto
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoClc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
SILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaçoClc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaço
SILVIA G. FERNANDES
 

Mais de SILVIA G. FERNANDES (20)

Auto biografia
Auto biografiaAuto biografia
Auto biografia
 
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoUc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
 
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
 
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
 
Uc 6 mecenato
Uc 6 mecenatoUc 6 mecenato
Uc 6 mecenato
 
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioUc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
 
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
 
Uc 4 wodaabe photos
Uc 4 wodaabe photosUc 4 wodaabe photos
Uc 4 wodaabe photos
 
Uc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finaleUc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finale
 
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalUc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
 
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
 
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafUc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
 
Stc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampasStc 6 são joão das lampas
Stc 6 são joão das lampas
 
Stc 5 pp_final
Stc 5 pp_finalStc 5 pp_final
Stc 5 pp_final
 
Stc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarkingStc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarking
 
Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
 
Clc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de textoClc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de texto
 
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoClc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
 
Clc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaçoClc 5 ciberespaço
Clc 5 ciberespaço
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta

  • 1. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta Conteúdo Conteúdo............................................................................................................................1 As funções dos códigos de conduta...................................................................................2 A importância dos códigos de conduta de algumas profissões. A importância para os profissionais que as exercem.............................................................................................3 O código de conduta e análise...........................................................................................3 Normas de uma organização / a importância das mesmas para a formação da identidade da própria instituição; .......................................................................................................4 A importância das normas e das regras para o bom funcionamento das instituições e da cooperação na vida social..................................................................................................5 O impacto de preocupações deontológicas e éticas no contexto organizacional...............6 Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 1
  • 2. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta As funções dos códigos de conduta. Os Códigos de Conduta estabelecem o conjunto de princípios e de valores em matéria de ética profissional que deve ser reconhecido e adoptado por todos. Estes códigos ou normas defendem-nos enquanto indivíduos inseridos numa sociedade multicultural. A diferença está em aceitar ou não esses códigos. A sociedade precisa destes códigos para se organizar e defender e ser defendida. Os códigos expressos, ou seja redigidos visam a comunicação de normas e regras sobre comportamentos sociais, laborais ou individuais num determinado ambiente. Os códigos servem para determinar a ordem, ou ajudar a definir o conceito de ordem numa sociedade. Os códigos de Conduta regem os comportamentos de todos, ou seja exige da nossa personalidade o entendimento lógico de como viver em sociedade, que no meu ponto de vista verifica-se no compromisso à integridade. Eu sigo os códigos de saber estar numa determinada: A minha liberdade termina onde se inicia a do outro! Sou e quero ser nesta sociedade uma pessoa idónea. A mãe da conduta é a ética, poderá traduzir-se por modo ou forma de vida, compreendendo as disposições do homem na vida, o seu carácter, costumes e, claro, também a moral. Os actos que são livres e, enquanto tais, "correctos" ou "incorrectos", "justos" ou "injustos" -- de um modo mais simples, "bons" ou "maus". A Ética estuda o Bem e, assim, o seu objectivo é a virtude na condução da vida, facilitando a realização das pessoas: que o ser humano consiga a perfeição, isto é, a realização de si próprio como tal, como pessoa. Pessoa que cria os códigos para se reger numa sociedade. Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 2
  • 3. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta A importância dos códigos de conduta de algumas profissões. A importância para os profissionais que as exercem. Nas empresas dos dias de hoje, conhecem a importância do melhor ambiente no local de trabalho. Ao dar importância ao colaborador, ao seu local de trabalho, ao seu perfil, às suas amizades, ao seu conforto – as empresas visam melhoras na produtividade e assim como nos respectivos dividendos anuais. Os códigos de conduta são relevantes neste contexto pois verifica-se as mudanças de comportamento nos locais de trabalho: Clima de transparência (tudo se sabe, o porque dos procedimentos, o porquê das formações profissionais, entre outros); a gestão dos conflitos de interesses, cria nos códigos de conduta as devidas restrições, assim como a responsabilidade individual e a responsabilidade do outro. O código de conduta e análise. Quando falamos sobre ética, temos a idéia da busca dos princípios e condutas justos, do comportamento ideal, do estudo dos quadros de valores e actos humanos. Um código onde se verifica a profissão e seu impacto na sociedade é a dos Advogados: possuem o seu próprio Código de Ética Profissional, com normas e princípios que formam a consciência profissional do advogado e sua conduta. «Todo advogado tem como dever, o zelo do prestígio de sua classe, a defesa dos direitos e interesses que lhe são confiados, lutar sem receio pelo primato da justiça, proceder com lealdade e boa fé em suas relações profissionais e em todos os actos do seu ofício, agir com a dignidade das pessoas de bem e a correção dos profissionais que honram e engrandecem a sua classe» Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 3
  • 4. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta Através do Código de Ética e Disciplina, regula os deveres do advogado para com a comunidade, cliente, outro profissional. Regula também a publicidade, a recusa de patrocínio, o dever de assistência jurídica, o dever geral de urbanidade e os respectivos procedimentos disciplinares. «Tendo uma grande preocupação com a imagem do advogado, com os reflexos de seus actos, etc. A conduta do advogado deve pautar-se além do Código de Ética, do Estatuto, Regulamento, mas também com os princípios da moral individual, social e profissional. O profissional deve proceder de forma a merecer o respeito de todos, pois seu comportamento contribui para o prestígio ou desprestígio da classe, não esquecendo das virtudes éticas que Aristóteles sintetizou na "Ética a Nicômaco", saber, temperança, mansidão, franqueza, coragem, liberdade, magnanimidade e a justiça, que é a maior de todas. Contudo, o que mais fortalece o prestígio de ser um advogado é a honestidade, pois sem ela sua conduta esta comprometida, o profissional tem a obrigação de prudência, devendo agir de acordo com as recomendações de seu cliente. Deve agir com decoro, urbanidade e polidez. Sempre procurando a permanente qualificação, para cumprir com sua obrigação social, pois a incompetência, causa danos sociais e individuais, alguns deles irreversíveis. O advogado é responsável pelos actos que, no exercício profissional, praticar com dolo ou culpa. E obriga-se a cumprir rigorosamente os deveres consignados no Código de Ética e Disciplina, agindo com honra, honestidade, ética, prudência. Pois sua força esta na palavra e na autoridade moral que possuir.» Normas de uma organização / a importância das mesmas para a formação da identidade da própria instituição; Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 4
  • 5. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta Hoje, em dia, a consciência moral e ética faz com que a responsabilidade social das organizações seja cada vez mais firmante, no mundo dos negócios: a elaboração de programas sociais e de solidariedade nas empresas, a formação académica dos colaboradores, a criação de planos de sustentabilidade, entre outras acções – facto que verifiquei em empresas de grande dimensão, tais como PT PRO, DELTA e TAP. Na PT PRO, serviços de Gestão do Grupo PT, foi-me dada a formação de boas vindas. Esta formação explica as missões e valores da empresa que estamos inseridos: a que a empresa pretende com a contratação de serviços externos, o que vai realizar em termos económicos, os valores económicos e estratégias de negócio, as normas de politica do negócio, as normas da politica de recrutamento, as normas de estratégia de formação e qualificação dos colaboradores. Concordei sempre com todas os vínculos que me foram propostos. A PT PRO é uma empresa que rege os custos do Grupo, assim o sigilo de informação interna e externa, o comportamento enquanto funcionário, a colaboração entre todos e os objectivos a atingir, são itens do contrato de trabalho. A importância das normas e das regras para o bom funcionamento das instituições e da cooperação na vida social Se não houvesse regras, códigos ou linhas orientadoras, cada um de nós usaria a espontaneidade. Tudo é organizado em cadeia: até mesmo o código da Natureza. Na sociedade existem as empresas e os colaboradores, uns delegam, outros fazem. Objectivo: gerar rendimento para voltar a comprar, para voltar a rentabilizar – Um circulo de oferta e procura. A teoria é a mesma com as normas: uns delegam, outros fazem. Seguimos as linhas construtoras da sociedade onde vivemos; criando mais regras para os Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 5
  • 6. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta que estão fora as linhas; para gerar julgamentos para voltarem as linhas condutoras. As empresas, instituições criam regras, baseadas nas condutas de uma determinada sociedade para visar o sucesso de comportamentos, gerar trabalho, gerar rendimentos. Sendo que só é possível com o discernimento dos indivíduos que nelas laboram. O impacto de preocupações deontológicas e éticas no contexto organizacional. As questões de impacto colocam-se quando certas sociedades ou até mentes da mesma sociedade se divergem. Em CP4 verifiquei algumas questões em aula: nem sempre a turma tinha a mesma opinião, tema: A eutanásia! Para os médicos, o código não prevê a vontade do paciente em relação á morte, no entanto também não são Deuses! Num hospital, os médicos podem ter opiniões diferentes em relação aos casos terminais. As regras do hospital podem não permitir as condutas de eutanásia – Mas o médico pode prevalecer opinião do utente?! Outro exemplo: Uma empresa de Marketing – As regras do mercado guerreiro, a conquista e prevalência de um cargo, visa algum código? – Numa campanha, um marketeer verifica sempre a concorrência, com inquérito, analises e estatísticas, no entanto o seu código pessoal e de integridade poderá visar outras técnicas para atingir um fim. Quais são as soluções: A criação de um código de sigilo dos técnicos de Marketing e Publicidade, assim como penas de crime – o código da concorrência empresarial. Existem tantos temas! Julgo saber que o código que me rege, não magoa nem prejudica o outro! Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 6
  • 7. C4_DR2_ Tema: Papel da deontologia na construção de uma cultura organizacional Funções Códigos de Conduta Sílvia Fernandes, n.º15 – TOE II /DL-FAM/2010 Página 7