SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
1.INTRODUÇÃO/ HISTÓRIA
Até ao século XVI, o território que mais tarde viria a constituir
a Freguesia de S. João das Lampas, permaneceu sujeito à Paróquia de S.
Marlinho de Sintra.
Dada a grande distância que separava a população da Igreja matriz, o Infante
D. Afonso fez publicar, em 1539, o alvará que autorizou os fregueses a nomear
pároco com residência fixa em S. João dos Porqueiros antiga designação
toponímica da povoação em análise mantendo embora a ligação a S. Martinho
de Sintra. Poucos anos antes, a velha igreja local fora já reconstruída à medida
das novas aspirações de autonomia. Dessa campanha de obras evidencia-se o
portal manuelino, classificado como Imóvel de Interesse Público, desde 1959.
No virar do século, concretamente em 1600, o nome da povoação S. João dos
Porqueiros é substituído pela actual designação.
Ainda na primeira metade do século XVII, uma nova sentença eclesiástica veio
reforçar a independência da Igreja de S. João Baptista face à Matriz de S.
Martinho.
Nas Memórias Paroquiais de 1758, S. João das Lampas surge já como uma
das freguesias do Termo de Sintra, judicialmente dependente da Comarca de
Alenquer.
De acordo com o Numeramento de 1527, a região de S. João das Lampas
encontrava-se dividida em cinco vintanas: Assafora com 34 vizinhos; Odrinhas
com 37 vizinhos, Poianos (actualmente Casal de Pianos) com 29 vizinhos; São
João com 34 vizinhos e Pernigem com 47 vizinhos.
A Lista das Comarcas do Reino de 1640, regista o total de 215 vizinhos
repartidos pelas diferentes vintanas.
À vintana de Odrinhas pertenciam então os lugares de Alvarinhos, Amoreira,
Areias, Bolelas e Funchal; à de São João, as povoações de Alfaquiques,
Arneiro, Bodicaes (sic) e Sacário (sic); os aglomerados de Bolembre,
Fontanelas (sic), Gouveia e Magoito (sic) faziam parte de vintana de Pernigem;
os lugares de Catribana, m Cortesia, Moucevaria e Tojeira formavam a vintana
de Pianos e a povoação de Assafora constituía com o lugar de Almograve, a
Quinta unidade administrativa de S. João.
As memórias Paroquiais de 1758 contam, para a sede de freguesia, 110
moradores.
Já no século XIX, na Cintra Pitoresca do Visconde de Juromenha (1838) refere-
se a existência de um total de 715 fogos e 3300 moradores dispersos pelos 32
lugares que constituíam então a freguesia.
Em 1940, o número de habitantes da freguesia de S. João das Lampas elevou-
se a 4294, registando em 1960, 4946 habitantes. Em 1981, a população a
freguesia era de 6838 habitantes.
De acordo com os dados do último Censo (1991), a população residente
totaliza 7690 habitantes.
A agricultura dominou, até há pouco tempo, as atenções da população. Os
terrenos do planalto de S. João das Lampas são especialmente aptos para a
produção de cereais. A cevada, o trigo, o milho, o feijão e a vinha são
apontadas nas Memórias Paroquiais setecentistas como as suas principais
culturas. Durante a década de 40 deste século, S. João das Lampas detinha o
maior número de cabeças de gado bovino relativamente às restantes
freguesias do Concelho de Sintra. Oliveira Boléu (1973) faz notar que a
inexistência de grandes manadas se relaciona com o facto da criação do gado
se acumular, frequentemente, ao cultivo da terra.
Nos nossos dias, a exploração agrícola coexiste com o desenvolvimento da
indústria e das actividades ligadas ao turismo. A extensão da costa e a
subsistência de núcleos relativamente preservados de arquitectura tradicional
fomentam a afluência de um grande número de visitantes à freguesia.
A proximidade do Oceano marcou, desde sempre, o quotidiano da região.
Durante o século XVIII, os fregueses de S. João estavam dispensados de
enviar soldados ao exército do reino, dado que a vigia da costa ocupava todo a
população.
No Magoito existem, ainda, os vestígios de uma fortaleza o Forte de Santa
Maria parcialmente destruído pelo Terramoto de 1755. Esta referência às
necessidades de defesa da faixa costeira relaciona-se com os frequentes
assaltos protagonizados pelos piratas "mouros", prática que se encontra muito
bem documentada para toda a zona a norte do Cabo da Roca e, muito
especialmente, para a área da Ericeira.
Actividades Colectivas: Colectividades
Actividades económicas: agricultura; comércio; serviços; indústrias
metalúrgicas e de captação de água.
Colectividades: Sociedade Recreativa Desportiva e Familiar de S. João das
Lampas, Sociedade Filarmónica União Assaforense e Sociedade Recreativa de
Santa Susana e Pobral.
A requalificação urbana tende sempre em conta a valorização ambiental;
Área Geográfica km 57.29
Densidade São João das Lampas é uma freguesia portuguesa do concelho de
Sintra, 9 665 Habitantes (2001); Densidade: 168,7 hab/km². Tem por orago
(adorado) São João Baptista.
2.Os principais objectivos do Programa Polis para São
João das Lampas.
2.1.Promover a multi-funcionalidade e revitalizar e requalificar
as cidades desenvolvendo acções que contribuam para
tal;
• Sociedade Recreativa Desportiva e Familiar de S. João das
Lampas;
De forma, a motivar a população em acções na freguesia,
determinando plano anuais de eventos.
• Encontro e Conferência de Comunicação e Informação à
População;
Criar uma entidade que reorganize os trajectos turísticos e os
identifique. Esta irá ser responsabilizada pela organização dos
planos de informação á população e manutenção de informação dos
planos.
• Promover centros de dia (existentes e novos) e de tempos livres
qualificados;
Requalificação a população mais idosa da freguesia: criando
iniciativas de formação académica, ocupação de tempos livres.
Requalificar os centros de dia existentes de forma a lidar com as
regras gerais de apoio domiciliário aos idosos, melhorando as suas
vidas
• Biblioteca;
Actualizar a biblioteca da freguesia, motivando ás novas tecnologias
e criando espaços de divulgação para conferências e reuniões.
Assim promove entradas de pessoas novas na freguesia
• Criar um gabinete de turismo
Irá garantir a promoção de eventos com as escolas da freguesia para
iniciar um programa de restauração dos monumentos históricos; será
responsável por um plano de identificação dos patrimónios locais. Irá
também garantir formadores qualificados para iniciar um programa
das escolas, assim como fazer a manutenção dos mesmos
monumentos.
2.2. Melhorar a qualidade do ambiente urbano e valorizar a
presença de elementos ambientais tais como frentes de rio
apoiando acções de requalificação;
• Criação de espaços verdes utilizando filtragem de água dos lagos
existentes na freguesia;
Analisar todas as condições existentes e renová-las – colocar novas
infra-estruturas de escoamento das águas dos lagos para reutilizar
nas fontes públicas e canalizações da agricultura.
• Reformulação das condutas de esgoto largadas em mar;
Deparou-se com escassos recursos de escoamento de águas sujas,
assim é determinante a reconstrução de toda a rede de escoamento.
• Tecnologia Alternativa: Implementação de Hélices para energia Eólica
Aproveitar os incentivos governamentais das energias renováveis e
aplicar hélices nas planícies circundantes da freguesia.
2.3.Aumentar os espaços verdes, as áreas pedonais e diminuir
o tráfego automóvel no interior das cidades apoiando
iniciativas que contribuam para tal.
• Uma ciclovia bem demarcada e sinalizada para bicicletas e semáforos
paras as respectivas bicicletas poderem transitar, uma vez que não é
existentes
• Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto radical
(Rappel, Parapente, Sky Surf, MotoCross, Rally)., cativando a camada
mais jovem da feguesia
• Jardins;
• Parques;
• Saneamento;
• Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto
(piscinas);
2.3.Aumentar os espaços verdes, as áreas pedonais e diminuir
o tráfego automóvel no interior das cidades apoiando
iniciativas que contribuam para tal.
• Uma ciclovia bem demarcada e sinalizada para bicicletas e semáforos
paras as respectivas bicicletas poderem transitar, uma vez que não é
existentes
• Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto radical
(Rappel, Parapente, Sky Surf, MotoCross, Rally)., cativando a camada
mais jovem da feguesia
• Jardins;
• Parques;
• Saneamento;
• Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto
(piscinas);

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Campanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MGCampanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MGagmaracatu
 
Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...
Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...
Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...Artur Filipe dos Santos
 
Praia Grande : UM lugar para todo mundo!
Praia Grande :   UM lugar para todo mundo!Praia Grande :   UM lugar para todo mundo!
Praia Grande : UM lugar para todo mundo!Val Quental
 
Itapema - 5.04
Itapema - 5.04Itapema - 5.04
Itapema - 5.04Adrinic
 
Fotos antigas de Campo Grande
Fotos antigas de Campo GrandeFotos antigas de Campo Grande
Fotos antigas de Campo GrandeMarcelo Nicoleti
 
Orleans - 5.02
Orleans - 5.02Orleans - 5.02
Orleans - 5.02Adrinic
 
2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...
2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...
2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...O Ciclista
 
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiroDossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiroKelvin Oliveira
 
Pontos Turísticos de Florianópolis
Pontos Turísticos de FlorianópolisPontos Turísticos de Florianópolis
Pontos Turísticos de FlorianópolisAdrinic
 
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão Completa
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão CompletaContexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão Completa
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão CompletaErika Marion Robrahn-González
 
À descoberta da minha localidade
À descoberta da minha localidadeÀ descoberta da minha localidade
À descoberta da minha localidadeblog-eic
 
A minha localidade
A minha localidadeA minha localidade
A minha localidadeblog-eic
 
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...Maísa Fernandes
 

Mais procurados (18)

Campanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MGCampanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MG
 
Ouro Preto
Ouro PretoOuro Preto
Ouro Preto
 
Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...
Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...
Patrimonio Cultural - as mais bonitas praias de Portugal (completo) - Artur F...
 
Praia Grande : UM lugar para todo mundo!
Praia Grande :   UM lugar para todo mundo!Praia Grande :   UM lugar para todo mundo!
Praia Grande : UM lugar para todo mundo!
 
Itapema - 5.04
Itapema - 5.04Itapema - 5.04
Itapema - 5.04
 
Fotos antigas de Campo Grande
Fotos antigas de Campo GrandeFotos antigas de Campo Grande
Fotos antigas de Campo Grande
 
Orleans - 5.02
Orleans - 5.02Orleans - 5.02
Orleans - 5.02
 
2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...
2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...
2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe re...
 
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiroDossie conj paisag_morro_cruzeiro
Dossie conj paisag_morro_cruzeiro
 
Pontos Turísticos de Florianópolis
Pontos Turísticos de FlorianópolisPontos Turísticos de Florianópolis
Pontos Turísticos de Florianópolis
 
Covilhã
CovilhãCovilhã
Covilhã
 
Região da estremadura
Região da estremaduraRegião da estremadura
Região da estremadura
 
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SPContexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP
 
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão Completa
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão CompletaContexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão Completa
Contexto Histórico do Bairro do Itaim Bibi, SP - Versão Completa
 
À descoberta da minha localidade
À descoberta da minha localidadeÀ descoberta da minha localidade
À descoberta da minha localidade
 
A minha localidade
A minha localidadeA minha localidade
A minha localidade
 
Vilar de andorinho
Vilar de andorinhoVilar de andorinho
Vilar de andorinho
 
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil  - por ...
Patrimônios históricos de Campo Grande no Mato Grosso do Sul / Brasil - por ...
 

Semelhante a Stc 6 são joão das lampas

Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalFestas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalArtur Filipe dos Santos
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagresarqueomike
 
Documentoplenariafinal
DocumentoplenariafinalDocumentoplenariafinal
DocumentoplenariafinalMarcia Pereira
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos
 
Dossier de imprensa fccrs'14 final
Dossier de imprensa fccrs'14   finalDossier de imprensa fccrs'14   final
Dossier de imprensa fccrs'14 finalFernando Moura
 
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.Lurdes Féria
 
TrêS Ilhas Dos AçOres
TrêS Ilhas Dos AçOresTrêS Ilhas Dos AçOres
TrêS Ilhas Dos AçOres7iesdr
 
Histórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraíHistórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraíItalo Malta
 
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de UbatubaTrabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de UbatubaGabrielaLimaPereira
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos
 
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis IIProjeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis IIJornalculturanet
 
História e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de CaxiasHistória e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de CaxiasAntonio Futuro
 
A Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal Henriques
A Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal HenriquesA Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal Henriques
A Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal HenriquesCascais - Portugal
 

Semelhante a Stc 6 são joão das lampas (20)

Caderno do Património 3 (2023) Sobradillo-Mata de Lobos
Caderno do Património 3 (2023) Sobradillo-Mata de LobosCaderno do Património 3 (2023) Sobradillo-Mata de Lobos
Caderno do Património 3 (2023) Sobradillo-Mata de Lobos
 
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalFestas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
 
Patrimonio
PatrimonioPatrimonio
Patrimonio
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
 
regiao Bairrada
regiao Bairradaregiao Bairrada
regiao Bairrada
 
Documentoplenariafinal
DocumentoplenariafinalDocumentoplenariafinal
Documentoplenariafinal
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
 
Dossier de imprensa fccrs'14 final
Dossier de imprensa fccrs'14   finalDossier de imprensa fccrs'14   final
Dossier de imprensa fccrs'14 final
 
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
Vidigueira - à descoberta da nossa terra.
 
TrêS Ilhas Dos AçOres
TrêS Ilhas Dos AçOresTrêS Ilhas Dos AçOres
TrêS Ilhas Dos AçOres
 
Memórias da cidade
Memórias da cidadeMemórias da cidade
Memórias da cidade
 
Fazendas do café
Fazendas do caféFazendas do café
Fazendas do café
 
Histórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraíHistórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraí
 
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de UbatubaTrabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis IIProjeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
Projeto Cidade em Debate - Cidade de Pirenópolis II
 
Cidade velha
Cidade velhaCidade velha
Cidade velha
 
História e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de CaxiasHistória e Geografia de Duque de Caxias
História e Geografia de Duque de Caxias
 
A Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal Henriques
A Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal HenriquesA Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal Henriques
A Quinta da Alagoa em Carcavelos - por João Aníbal Henriques
 

Mais de SILVIA G. FERNANDES

Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoUc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoSILVIA G. FERNANDES
 
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6SILVIA G. FERNANDES
 
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioUc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioSILVIA G. FERNANDES
 
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalUc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalSILVIA G. FERNANDES
 
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafUc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafSILVIA G. FERNANDES
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaSILVIA G. FERNANDES
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptSILVIA G. FERNANDES
 
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoClc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoSILVIA G. FERNANDES
 

Mais de SILVIA G. FERNANDES (20)

Auto biografia
Auto biografiaAuto biografia
Auto biografia
 
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_marçoUc 11 pp_trabalho practico_12_março
Uc 11 pp_trabalho practico_12_março
 
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31Uc 31 projecto-cliente_uc_31
Uc 31 projecto-cliente_uc_31
 
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
Uc 5 planeamento_geral_seminário_30_6
 
Uc 6 mecenato
Uc 6 mecenatoUc 6 mecenato
Uc 6 mecenato
 
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimárioUc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
Uc 5 cronograma geral da agenda de eventos 2009_semimário
 
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
Uc 4 work_planeamento_24_6[1]
 
Uc 4 wodaabe photos
Uc 4 wodaabe photosUc 4 wodaabe photos
Uc 4 wodaabe photos
 
Uc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finaleUc 4 os wodaabe_finale
Uc 4 os wodaabe_finale
 
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamentalUc 1 esquema_planeamento_fundamental
Uc 1 esquema_planeamento_fundamental
 
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
Uc 4 a tribo wodaabe[finale]
 
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviafUc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
Uc 1 planeamento_fundamental_2_silviaf
 
Stc 5 pp_final
Stc 5 pp_finalStc 5 pp_final
Stc 5 pp_final
 
Stc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarkingStc 5 benchmarking
Stc 5 benchmarking
 
Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5Cp 5 deontologia_26_5
Cp 5 deontologia_26_5
 
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de condutaCp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
Cp 4 dr_2_funções dos códigos de conduta
 
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_epptClc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
Clc 6 culturas de urbanismo e mobilidad_eppt
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
 
Clc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de textoClc 5 tipos de texto
Clc 5 tipos de texto
 
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicaçãoClc 5 tecnologias de informação e comunicação
Clc 5 tecnologias de informação e comunicação
 

Último

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 

Último (20)

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Stc 6 são joão das lampas

  • 1. 1.INTRODUÇÃO/ HISTÓRIA Até ao século XVI, o território que mais tarde viria a constituir a Freguesia de S. João das Lampas, permaneceu sujeito à Paróquia de S. Marlinho de Sintra. Dada a grande distância que separava a população da Igreja matriz, o Infante D. Afonso fez publicar, em 1539, o alvará que autorizou os fregueses a nomear pároco com residência fixa em S. João dos Porqueiros antiga designação toponímica da povoação em análise mantendo embora a ligação a S. Martinho de Sintra. Poucos anos antes, a velha igreja local fora já reconstruída à medida das novas aspirações de autonomia. Dessa campanha de obras evidencia-se o portal manuelino, classificado como Imóvel de Interesse Público, desde 1959. No virar do século, concretamente em 1600, o nome da povoação S. João dos Porqueiros é substituído pela actual designação. Ainda na primeira metade do século XVII, uma nova sentença eclesiástica veio reforçar a independência da Igreja de S. João Baptista face à Matriz de S. Martinho. Nas Memórias Paroquiais de 1758, S. João das Lampas surge já como uma das freguesias do Termo de Sintra, judicialmente dependente da Comarca de Alenquer. De acordo com o Numeramento de 1527, a região de S. João das Lampas encontrava-se dividida em cinco vintanas: Assafora com 34 vizinhos; Odrinhas com 37 vizinhos, Poianos (actualmente Casal de Pianos) com 29 vizinhos; São João com 34 vizinhos e Pernigem com 47 vizinhos. A Lista das Comarcas do Reino de 1640, regista o total de 215 vizinhos repartidos pelas diferentes vintanas. À vintana de Odrinhas pertenciam então os lugares de Alvarinhos, Amoreira, Areias, Bolelas e Funchal; à de São João, as povoações de Alfaquiques, Arneiro, Bodicaes (sic) e Sacário (sic); os aglomerados de Bolembre, Fontanelas (sic), Gouveia e Magoito (sic) faziam parte de vintana de Pernigem;
  • 2. os lugares de Catribana, m Cortesia, Moucevaria e Tojeira formavam a vintana de Pianos e a povoação de Assafora constituía com o lugar de Almograve, a Quinta unidade administrativa de S. João. As memórias Paroquiais de 1758 contam, para a sede de freguesia, 110 moradores. Já no século XIX, na Cintra Pitoresca do Visconde de Juromenha (1838) refere- se a existência de um total de 715 fogos e 3300 moradores dispersos pelos 32 lugares que constituíam então a freguesia. Em 1940, o número de habitantes da freguesia de S. João das Lampas elevou- se a 4294, registando em 1960, 4946 habitantes. Em 1981, a população a freguesia era de 6838 habitantes. De acordo com os dados do último Censo (1991), a população residente totaliza 7690 habitantes. A agricultura dominou, até há pouco tempo, as atenções da população. Os terrenos do planalto de S. João das Lampas são especialmente aptos para a produção de cereais. A cevada, o trigo, o milho, o feijão e a vinha são apontadas nas Memórias Paroquiais setecentistas como as suas principais culturas. Durante a década de 40 deste século, S. João das Lampas detinha o maior número de cabeças de gado bovino relativamente às restantes freguesias do Concelho de Sintra. Oliveira Boléu (1973) faz notar que a inexistência de grandes manadas se relaciona com o facto da criação do gado se acumular, frequentemente, ao cultivo da terra. Nos nossos dias, a exploração agrícola coexiste com o desenvolvimento da indústria e das actividades ligadas ao turismo. A extensão da costa e a subsistência de núcleos relativamente preservados de arquitectura tradicional fomentam a afluência de um grande número de visitantes à freguesia. A proximidade do Oceano marcou, desde sempre, o quotidiano da região. Durante o século XVIII, os fregueses de S. João estavam dispensados de enviar soldados ao exército do reino, dado que a vigia da costa ocupava todo a população. No Magoito existem, ainda, os vestígios de uma fortaleza o Forte de Santa Maria parcialmente destruído pelo Terramoto de 1755. Esta referência às necessidades de defesa da faixa costeira relaciona-se com os frequentes assaltos protagonizados pelos piratas "mouros", prática que se encontra muito
  • 3. bem documentada para toda a zona a norte do Cabo da Roca e, muito especialmente, para a área da Ericeira. Actividades Colectivas: Colectividades Actividades económicas: agricultura; comércio; serviços; indústrias metalúrgicas e de captação de água. Colectividades: Sociedade Recreativa Desportiva e Familiar de S. João das Lampas, Sociedade Filarmónica União Assaforense e Sociedade Recreativa de Santa Susana e Pobral. A requalificação urbana tende sempre em conta a valorização ambiental; Área Geográfica km 57.29 Densidade São João das Lampas é uma freguesia portuguesa do concelho de Sintra, 9 665 Habitantes (2001); Densidade: 168,7 hab/km². Tem por orago (adorado) São João Baptista.
  • 4. 2.Os principais objectivos do Programa Polis para São João das Lampas. 2.1.Promover a multi-funcionalidade e revitalizar e requalificar as cidades desenvolvendo acções que contribuam para tal; • Sociedade Recreativa Desportiva e Familiar de S. João das Lampas; De forma, a motivar a população em acções na freguesia, determinando plano anuais de eventos. • Encontro e Conferência de Comunicação e Informação à População; Criar uma entidade que reorganize os trajectos turísticos e os identifique. Esta irá ser responsabilizada pela organização dos planos de informação á população e manutenção de informação dos planos. • Promover centros de dia (existentes e novos) e de tempos livres qualificados; Requalificação a população mais idosa da freguesia: criando iniciativas de formação académica, ocupação de tempos livres. Requalificar os centros de dia existentes de forma a lidar com as regras gerais de apoio domiciliário aos idosos, melhorando as suas vidas • Biblioteca;
  • 5. Actualizar a biblioteca da freguesia, motivando ás novas tecnologias e criando espaços de divulgação para conferências e reuniões. Assim promove entradas de pessoas novas na freguesia • Criar um gabinete de turismo Irá garantir a promoção de eventos com as escolas da freguesia para iniciar um programa de restauração dos monumentos históricos; será responsável por um plano de identificação dos patrimónios locais. Irá também garantir formadores qualificados para iniciar um programa das escolas, assim como fazer a manutenção dos mesmos monumentos. 2.2. Melhorar a qualidade do ambiente urbano e valorizar a presença de elementos ambientais tais como frentes de rio apoiando acções de requalificação; • Criação de espaços verdes utilizando filtragem de água dos lagos existentes na freguesia; Analisar todas as condições existentes e renová-las – colocar novas infra-estruturas de escoamento das águas dos lagos para reutilizar nas fontes públicas e canalizações da agricultura. • Reformulação das condutas de esgoto largadas em mar; Deparou-se com escassos recursos de escoamento de águas sujas, assim é determinante a reconstrução de toda a rede de escoamento. • Tecnologia Alternativa: Implementação de Hélices para energia Eólica Aproveitar os incentivos governamentais das energias renováveis e aplicar hélices nas planícies circundantes da freguesia.
  • 6. 2.3.Aumentar os espaços verdes, as áreas pedonais e diminuir o tráfego automóvel no interior das cidades apoiando iniciativas que contribuam para tal. • Uma ciclovia bem demarcada e sinalizada para bicicletas e semáforos paras as respectivas bicicletas poderem transitar, uma vez que não é existentes • Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto radical (Rappel, Parapente, Sky Surf, MotoCross, Rally)., cativando a camada mais jovem da feguesia • Jardins; • Parques; • Saneamento; • Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto (piscinas);
  • 7. 2.3.Aumentar os espaços verdes, as áreas pedonais e diminuir o tráfego automóvel no interior das cidades apoiando iniciativas que contribuam para tal. • Uma ciclovia bem demarcada e sinalizada para bicicletas e semáforos paras as respectivas bicicletas poderem transitar, uma vez que não é existentes • Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto radical (Rappel, Parapente, Sky Surf, MotoCross, Rally)., cativando a camada mais jovem da feguesia • Jardins; • Parques; • Saneamento; • Promover actividades com jovens de modo a cativar o desporto (piscinas);