SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
PROCESSOS CONATIVOS
TRILOGIA DA MENTE
          TRÊS PROCESSOS
          TRÊS PROCESSOS




             COGNITIVOS




EMOCIONAIS                   CONATIVOS
COMPORTAMENTO




     COMPONENTE 
                              COMPONENTE 
OBJECTIVA DE EXECUÇÃO 
                         SUBJECTIVA‐ DISPOSIÇÃO
                                     DISPOSIÇÃO 
  – MANIFESTA‐SE EM 
                         INTERNA PARA A ACÇÃO ‐
 COMPORTAMENTOS E 
                                CONAÇÃO
 PODE SER OBSERVADA
CONAÇÃO
               Ã

   CONJUNTO DE PROCESSOS QUE SE LIGAM À 
EXECUÇÃO DE UMA ACÇÃO OU COMPORTAMENTO
EXECUÇÃO DE UMA ACÇÃO OU COMPORTAMENTO




OS PROCESSOS A PARTIR DOS QUAIS SE FORMAM 
 AS TENDÊNCIAS, AS VONTADES E AS INTENÇÕES 
                 PARA AGIR
Tensão para agir em 
Tensão para agir em                Força interior que 
                                   Força interior que
direcção a um fim      MOTIVAÇÃO   impulsiona o organismo  a 
que é fonte de                     agir em  direcção a um 
satisfação                         objectivo




            DESEJO     conação         VONTADE




                                    Capacidade  de optar  
  O Interesse e o 
  O Interesse e o
                                    livre e conscientemente 
  Esforço 
                                    por determinada acção
  investidos           EMPENHO
  numa acção
  numa acção
MOTIVAÇÃO
                      O QUE MOVE 
                           OS 
                       INDIVÍDUOS 
                       INDIVÍDUOS
                      EM DIRECÇÃO 
CONAÇÃO    VONTADE    A UM FIM OU 
                        OBJECTIVO

            DESEJO

                          O QUE 
                         CONFERE 
           EMPENHO
                       PROPÓSITO, 
                       PROPÓSITO,
                       DIRECÇÃO E 
                        SENTIDO À 
                          ACÇÃO
                            Ç
CONAÇÃO
                  Ç

              ASPECTO DO 
            FUNCIONAMENTO 
                MENTAL




DESEJO                           ACÇÃO


 O NOSSO COMPORTAMENTO  DIRIGE‐SE OU TENDE 
 O NOSSO COMPORTAMENTO DIRIGE SE OU TENDE
      PARA ALGO QUE PROCURA ALCANÇAR
MOTIVOS 
         VONTADES
DESEJO                ACÇÃO
         INTENÇÕES
         TENDÊNCIAS
MOTIVAÇÃO




PROCESSO EM QUE INTERAGEM 
 NECESSIDADES, INCENTIVOS E 
               Ç
        ASPIRAÇÕES




LEVA AO ESTABELECIMENTO DE 
LEVA AO ESTABELECIMENTO DE
  OBJECTIVOS POR PARTE DO 
 INDIVÍDUO OU À TOMADA DE 
          DECISÃO
MOTIVAÇÃO
              O    Ç O



 O  PROCESSO QUE ACTIVA, SUSTENTA E 
DIRIGE  UM COMPORTAMENTO PARA UM 
              OBJECTO




               MOTIVOS




 DESEJOS, NECESSIDADES E INTERESSES  QUE 
 ORIENTAM O COMPORTAMENTO PARA UM 
 ORIENTAM O COMPORTAMENTO PARA UM
                   FIM
CICLO MOTIVACIONAL
                        CICLO MOTIVACIONAL


1.º Necessidade – que é o estado de desequilíbrio provocado por
.................................uma carência ou privação.

2.º Impulso ou pulsão – que é caracterizado por um estado
..........................................energético capaz de activar e dirigir o
..........................................comportamento.
                                          comportamento

3.º Resposta – que consiste na actividade desenvolvida e
                           d      d d     l    l ã
...........................desencadeada pela pulsão.

4.º Objectivo – que diz respeito à finalidade ou à meta que se
............................procura atingir com a actividade.
                                     ti i           ti id d

5.º Saciedade – que se refere à redução ou eliminação da pulsão.
TIPOS DE MOTIVAÇÕES




MOTIVAÇÕES PRIMÁRIAS OU 
MOTIVAÇÕES PRIMÁRIAS OU    MOTIVAÇÕES SECUNDÁRIAS, 
                           MOTIVAÇÕES SECUNDÁRIAS
  FISIOLÓGICAS, INATAS,     SOCIAIS, ADQUIRIDAS OU 
BÁSICAS OU BIOGENÉTICAS         SOCIOGÉNICAS
NECESSIDADES/I
                             ESTABELECIMENT 
MOTIVAÇÃO    NCENTIVOS/
                              DE OBJECTIVOS
             ASPIRAÇÕES
ATITUDES
MOTIVAÇÃO   AUTOCONCEITO
            AUTO‐ESTIMA
MOTIVAÇÃO




INTRÍNSECA
    Í                    EXTRÍNSECA
                             Í


 AQUELA QUE TEM 
                          TEM ORIGEM FORA 
                          TEM ORIGEM FORA
  ORIGEM EM NÓS 
  ORIGEM EM NÓS
                          DE NÓS – FACTORES 
   MESMOS – EM 
                              EXTERNOS
FACTORES INTERNOS
FACTORES INTERNOS
VOLIÇÃO




 LIGA SE AOS PROCESSOS 
 LIGA‐SE AOS PROCESSOS
DE EXECUÇÃO DAS ACÇÕES




  PROCESSOS EM QUE SE 
PROCURAM TRANSFORMAR 
         Ç         Ç
 AS INTENÇÕES EM ACÇÕES
MOTIVAÇÃO               VOLIÇÃO




    NECESSIDADES 
    ANTERIORES À 
               À
                           PROCESSOS DE 
DECISÃO, PROCESSOS 
                           EXECUÇÃO, DE 
 QUE ESTÃO NA BASE 
                         PRESERVERANÇA, 
  DA FORMAÇÃO DE 
  DA FORMAÇÃO DE
                        RELAÇÃO INTENÇÃO‐
                             Ã         Ã
OBJECTIVOS, DECISÕES 
                              ACÇÃO
 E INTENÇÕES PARA 
        AGIR
SABERES

      FORMAS DE               CAPACIDADES 
        FAZER                  COGNITIVAS




                                   SENSIBILIDADES 
                                   SENSIBILIDADES
 PRÁTICAS 
CULTURAIS          VONTADE          E MODOS DE 
                                      EXISTIR
INTENCIONALIDADE




 DIMENSÃO DO CONTEÚDO DO 
FUNCIONAMENTO MENTAL   AO 
FUNCIONAMENTO MENTAL ‐ AO
QUE SABEMOS E COMO SENTIMOS




    PROPÓSITO DA ACÇÃO, 
    FINALIDADE E SENTIDO
TENDÊNCIAS




  PADRÕES DE COMPORTAMENTO QUE FORAM 
  PADRÕES DE COMPORTAMENTO QUE FORAM
SENDO APROPRIADOS EM RELAÇÕES E SITUAÇÕES 
              SIGNIFICATIVAS




NESTA APROPRIAÇÃO COMBINAM‐SE FACTORES 
      BIOLÓGOCOS E SOCIOCULTURAIS


 SÃO CONSTRUÍDAS ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO, AO 
LONGO DO TEMPO,  DAS  ACÇÕES NAS EXPERIÊNCIAS
LONGO DO TEMPO DAS ACÇÕES NAS EXPERIÊNCIAS
TÊNDENCIAS




DISPOSIÇÕES INTERNAS DE UM 
DISPOSIÇÕES INTERNAS DE UM
        ORGANISMO




       PARA EFECTUAR 
 DETERMINADAS ACÇÕES OU 
 FACILITAR A SUA EXECUÇÃO
 FACILITAR A SUA EXECUÇÃO
PROCESSOS CONATIVOS




MOTIVAÇÕES     VONTADES        INTENÇÕES      TENDÊNCIAS



      LEVAM AO EMPENHAMENTO E INVESTIMENTO DE FORMA 
                   INTENCIONAL E DIRIGIDA
ESFORÇO DE 
    REALIZAÇÃO




    EMPENHO QUE 
COLOCAMOS NAS COISAS 
COLOCAMOS NAS COISAS
   QUE QUEREMOS 
      ALCANÇAR




  QUE CONSEGUIMOS 
MANTER RELATIVAMENTE 
 À PROSSECUÇÃO DOS 
  NOSSOS DESEJOS E 
  NOSSOS DESEJOS E
     OBJECTIVOS
MASLOW E A
HIERARQUIA DAS
NECESSIDADES            NECESSIDADES 
                           AUTO‐
                         REALIZAÇÂO
                                Ç

                      NECESSIDADES DE 
                          ESTIMA


                 NECESSIDADES DE AFECTO E DE 
                 NECESSIDADES DE AFECTO E DE
                          PERTENÇA



                 NECESSIDADES DE SEGURANÇA



                 NECESSIDADES FISIOLÓGICAS
                 NECESSIDADES FISIOLÓGICAS
ESFORÇO DE REALIZAÇÃO
                           Ã




  AS PESSOAS SÓ TENDEM A ATINGIR UM NÍVEL 
SUPERIOR DE MOTIVAÇÃO SE AS NECESSIDADES DE 
  NÍVEL ANTERIOR ESTIVEREM SATISFEITAS. AS 
NECESSIDADES DE NÍVEL SUPERIOR DEPENDEM DA 
NECESSIDADES DE NÍVEL SUPERIOR DEPENDEM DA
    SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES BÁSICAS.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

As leis da perceção
As leis da perceçãoAs leis da perceção
As leis da perceção
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
A mente
A menteA mente
A mente
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
Correcção da ficha formativa
Correcção da ficha formativaCorrecção da ficha formativa
Correcção da ficha formativa
 
Perceção e cultura
Perceção e culturaPerceção e cultura
Perceção e cultura
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
A perceção
A perceçãoA perceção
A perceção
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
 
A dimensão biossociocultural da mente
A dimensão biossociocultural da menteA dimensão biossociocultural da mente
A dimensão biossociocultural da mente
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
 
Dicotomias
DicotomiasDicotomias
Dicotomias
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 

Destaque (20)

Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 
O papel dos processos mentais na vida quotidiana
O papel dos processos mentais na vida quotidianaO papel dos processos mentais na vida quotidiana
O papel dos processos mentais na vida quotidiana
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Conação
ConaçãoConação
Conação
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 
Yakutsk
YakutskYakutsk
Yakutsk
 
Psicologia b necessidade vs desejo
Psicologia b necessidade vs desejoPsicologia b necessidade vs desejo
Psicologia b necessidade vs desejo
 
Inteligência II
Inteligência IIInteligência II
Inteligência II
 
A importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeirosA importância da relação de vinculação nos primeiros
A importância da relação de vinculação nos primeiros
 
Psicologia b
Psicologia bPsicologia b
Psicologia b
 
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacionalConceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Objectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 bObjectivos.teste.3 12 b
Objectivos.teste.3 12 b
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Wunt.associacionismo
Wunt.associacionismoWunt.associacionismo
Wunt.associacionismo
 
Fontes de Preconceito
Fontes de PreconceitoFontes de Preconceito
Fontes de Preconceito
 
Watson.conclusões
Watson.conclusõesWatson.conclusões
Watson.conclusões
 

Semelhante a Conação

Liderança e os Desafios da Mudança
Liderança e os Desafios da MudançaLiderança e os Desafios da Mudança
Liderança e os Desafios da MudançaMarcos Abreu
 
Caderno - Psicologia Organizacional
Caderno - Psicologia OrganizacionalCaderno - Psicologia Organizacional
Caderno - Psicologia OrganizacionalCadernos PPT
 
Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...
Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...
Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...Rebeca Pereira
 
UFCD - 594- Administração das Organizações .pptx
UFCD - 594- Administração das Organizações .pptxUFCD - 594- Administração das Organizações .pptx
UFCD - 594- Administração das Organizações .pptxNome Sobrenome
 
Aula 9 OSM Empowerment
Aula 9   OSM EmpowermentAula 9   OSM Empowerment
Aula 9 OSM EmpowermentAngelo Peres
 
Aula 9 - OSM Empowerment
Aula 9 - OSM EmpowermentAula 9 - OSM Empowerment
Aula 9 - OSM EmpowermentAngelo Peres
 
Planejamento estratégico francisco
Planejamento estratégico   franciscoPlanejamento estratégico   francisco
Planejamento estratégico franciscoFrancisco Alves
 
Planejamento estratégico - Francisco das Chagas Alves
Planejamento estratégico   - Francisco das Chagas AlvesPlanejamento estratégico   - Francisco das Chagas Alves
Planejamento estratégico - Francisco das Chagas AlvesFrancisco Alves
 

Semelhante a Conação (13)

Cipa curso motivação ao cipeiro
Cipa curso motivação ao cipeiroCipa curso motivação ao cipeiro
Cipa curso motivação ao cipeiro
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
Gerenciamento de Conflitos
Gerenciamento de ConflitosGerenciamento de Conflitos
Gerenciamento de Conflitos
 
Liderança e os Desafios da Mudança
Liderança e os Desafios da MudançaLiderança e os Desafios da Mudança
Liderança e os Desafios da Mudança
 
Caderno - Psicologia Organizacional
Caderno - Psicologia OrganizacionalCaderno - Psicologia Organizacional
Caderno - Psicologia Organizacional
 
Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...
Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...
Motivação e Satisfação organizacionais -- Motivação e satisfação no ambiente ...
 
UFCD - 594- Administração das Organizações .pptx
UFCD - 594- Administração das Organizações .pptxUFCD - 594- Administração das Organizações .pptx
UFCD - 594- Administração das Organizações .pptx
 
Aula 9 OSM Empowerment
Aula 9   OSM EmpowermentAula 9   OSM Empowerment
Aula 9 OSM Empowerment
 
Aula 9 - OSM Empowerment
Aula 9 - OSM EmpowermentAula 9 - OSM Empowerment
Aula 9 - OSM Empowerment
 
Planejamento estratégico francisco
Planejamento estratégico   franciscoPlanejamento estratégico   francisco
Planejamento estratégico francisco
 
Planejamento estratégico - Francisco das Chagas Alves
Planejamento estratégico   - Francisco das Chagas AlvesPlanejamento estratégico   - Francisco das Chagas Alves
Planejamento estratégico - Francisco das Chagas Alves
 
Clima Organizacional
Clima OrganizacionalClima Organizacional
Clima Organizacional
 
Primeiro ato teatro treinamento
Primeiro ato   teatro treinamentoPrimeiro ato   teatro treinamento
Primeiro ato teatro treinamento
 

Mais de Rolando Almeida

Programa pensamento critico
Programa pensamento criticoPrograma pensamento critico
Programa pensamento criticoRolando Almeida
 
Peter kivy its only music so whats to understand
Peter kivy   its only music so whats to understandPeter kivy   its only music so whats to understand
Peter kivy its only music so whats to understandRolando Almeida
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosóficoRolando Almeida
 
A CiêNcia Das Boas DecisõEs VisãO Fev 2010
A CiêNcia Das Boas DecisõEs   VisãO   Fev 2010A CiêNcia Das Boas DecisõEs   VisãO   Fev 2010
A CiêNcia Das Boas DecisõEs VisãO Fev 2010Rolando Almeida
 
O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007Rolando Almeida
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRolando Almeida
 
Licenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
Licenciados Numa áRea A Trabalhar NoutraLicenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
Licenciados Numa áRea A Trabalhar NoutraRolando Almeida
 
Preconceito Mulher Cigana
Preconceito   Mulher CiganaPreconceito   Mulher Cigana
Preconceito Mulher CiganaRolando Almeida
 

Mais de Rolando Almeida (16)

Programa pensamento critico
Programa pensamento criticoPrograma pensamento critico
Programa pensamento critico
 
Peter kivy its only music so whats to understand
Peter kivy   its only music so whats to understandPeter kivy   its only music so whats to understand
Peter kivy its only music so whats to understand
 
Filosofia es book
Filosofia es bookFilosofia es book
Filosofia es book
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
 
A CiêNcia Das Boas DecisõEs VisãO Fev 2010
A CiêNcia Das Boas DecisõEs   VisãO   Fev 2010A CiêNcia Das Boas DecisõEs   VisãO   Fev 2010
A CiêNcia Das Boas DecisõEs VisãO Fev 2010
 
A Memoria
A MemoriaA Memoria
A Memoria
 
O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007
 
Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3
 
As RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs PrecocesAs RelaçõEs Precoces
As RelaçõEs Precoces
 
RelaçOes Interpessoais
RelaçOes InterpessoaisRelaçOes Interpessoais
RelaçOes Interpessoais
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
 
Licenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
Licenciados Numa áRea A Trabalhar NoutraLicenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
Licenciados Numa áRea A Trabalhar Noutra
 
Preconceito Mulher Cigana
Preconceito   Mulher CiganaPreconceito   Mulher Cigana
Preconceito Mulher Cigana
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
 
Autoridade
AutoridadeAutoridade
Autoridade
 

Conação

  • 2. TRILOGIA DA MENTE TRÊS PROCESSOS TRÊS PROCESSOS COGNITIVOS EMOCIONAIS CONATIVOS
  • 3. COMPORTAMENTO COMPONENTE  COMPONENTE  OBJECTIVA DE EXECUÇÃO  SUBJECTIVA‐ DISPOSIÇÃO DISPOSIÇÃO  – MANIFESTA‐SE EM  INTERNA PARA A ACÇÃO ‐ COMPORTAMENTOS E  CONAÇÃO PODE SER OBSERVADA
  • 4. CONAÇÃO Ã CONJUNTO DE PROCESSOS QUE SE LIGAM À  EXECUÇÃO DE UMA ACÇÃO OU COMPORTAMENTO EXECUÇÃO DE UMA ACÇÃO OU COMPORTAMENTO OS PROCESSOS A PARTIR DOS QUAIS SE FORMAM  AS TENDÊNCIAS, AS VONTADES E AS INTENÇÕES  PARA AGIR
  • 5. Tensão para agir em  Tensão para agir em Força interior que  Força interior que direcção a um fim   MOTIVAÇÃO impulsiona o organismo  a  que é fonte de  agir em  direcção a um  satisfação objectivo DESEJO conação VONTADE Capacidade  de optar   O Interesse e o  O Interesse e o livre e conscientemente  Esforço  por determinada acção investidos   EMPENHO numa acção numa acção
  • 6. MOTIVAÇÃO O QUE MOVE  OS  INDIVÍDUOS  INDIVÍDUOS EM DIRECÇÃO  CONAÇÃO VONTADE A UM FIM OU  OBJECTIVO DESEJO O QUE  CONFERE  EMPENHO PROPÓSITO,  PROPÓSITO, DIRECÇÃO E  SENTIDO À  ACÇÃO Ç
  • 7. CONAÇÃO Ç ASPECTO DO  FUNCIONAMENTO  MENTAL DESEJO ACÇÃO O NOSSO COMPORTAMENTO  DIRIGE‐SE OU TENDE  O NOSSO COMPORTAMENTO DIRIGE SE OU TENDE PARA ALGO QUE PROCURA ALCANÇAR
  • 8. MOTIVOS  VONTADES DESEJO ACÇÃO INTENÇÕES TENDÊNCIAS
  • 9. MOTIVAÇÃO PROCESSO EM QUE INTERAGEM  NECESSIDADES, INCENTIVOS E  Ç ASPIRAÇÕES LEVA AO ESTABELECIMENTO DE  LEVA AO ESTABELECIMENTO DE OBJECTIVOS POR PARTE DO  INDIVÍDUO OU À TOMADA DE  DECISÃO
  • 10. MOTIVAÇÃO O Ç O O  PROCESSO QUE ACTIVA, SUSTENTA E  DIRIGE  UM COMPORTAMENTO PARA UM  OBJECTO MOTIVOS DESEJOS, NECESSIDADES E INTERESSES  QUE  ORIENTAM O COMPORTAMENTO PARA UM  ORIENTAM O COMPORTAMENTO PARA UM FIM
  • 11. CICLO MOTIVACIONAL CICLO MOTIVACIONAL 1.º Necessidade – que é o estado de desequilíbrio provocado por .................................uma carência ou privação. 2.º Impulso ou pulsão – que é caracterizado por um estado ..........................................energético capaz de activar e dirigir o ..........................................comportamento. comportamento 3.º Resposta – que consiste na actividade desenvolvida e d d d l l ã ...........................desencadeada pela pulsão. 4.º Objectivo – que diz respeito à finalidade ou à meta que se ............................procura atingir com a actividade. ti i ti id d 5.º Saciedade – que se refere à redução ou eliminação da pulsão.
  • 12. TIPOS DE MOTIVAÇÕES MOTIVAÇÕES PRIMÁRIAS OU  MOTIVAÇÕES PRIMÁRIAS OU MOTIVAÇÕES SECUNDÁRIAS,  MOTIVAÇÕES SECUNDÁRIAS FISIOLÓGICAS, INATAS,  SOCIAIS, ADQUIRIDAS OU  BÁSICAS OU BIOGENÉTICAS SOCIOGÉNICAS
  • 13. NECESSIDADES/I ESTABELECIMENT  MOTIVAÇÃO NCENTIVOS/ DE OBJECTIVOS ASPIRAÇÕES
  • 14. ATITUDES MOTIVAÇÃO AUTOCONCEITO AUTO‐ESTIMA
  • 15. MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA Í EXTRÍNSECA Í AQUELA QUE TEM  TEM ORIGEM FORA  TEM ORIGEM FORA ORIGEM EM NÓS  ORIGEM EM NÓS DE NÓS – FACTORES  MESMOS – EM  EXTERNOS FACTORES INTERNOS FACTORES INTERNOS
  • 16. VOLIÇÃO LIGA SE AOS PROCESSOS  LIGA‐SE AOS PROCESSOS DE EXECUÇÃO DAS ACÇÕES PROCESSOS EM QUE SE  PROCURAM TRANSFORMAR  Ç Ç AS INTENÇÕES EM ACÇÕES
  • 17. MOTIVAÇÃO VOLIÇÃO NECESSIDADES  ANTERIORES À  À PROCESSOS DE  DECISÃO, PROCESSOS  EXECUÇÃO, DE  QUE ESTÃO NA BASE  PRESERVERANÇA,  DA FORMAÇÃO DE  DA FORMAÇÃO DE RELAÇÃO INTENÇÃO‐ Ã Ã OBJECTIVOS, DECISÕES  ACÇÃO E INTENÇÕES PARA  AGIR
  • 18. SABERES FORMAS DE  CAPACIDADES  FAZER COGNITIVAS SENSIBILIDADES  SENSIBILIDADES PRÁTICAS  CULTURAIS VONTADE E MODOS DE  EXISTIR
  • 19. INTENCIONALIDADE DIMENSÃO DO CONTEÚDO DO  FUNCIONAMENTO MENTAL   AO  FUNCIONAMENTO MENTAL ‐ AO QUE SABEMOS E COMO SENTIMOS PROPÓSITO DA ACÇÃO,  FINALIDADE E SENTIDO
  • 20. TENDÊNCIAS PADRÕES DE COMPORTAMENTO QUE FORAM  PADRÕES DE COMPORTAMENTO QUE FORAM SENDO APROPRIADOS EM RELAÇÕES E SITUAÇÕES  SIGNIFICATIVAS NESTA APROPRIAÇÃO COMBINAM‐SE FACTORES  BIOLÓGOCOS E SOCIOCULTURAIS SÃO CONSTRUÍDAS ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO, AO  LONGO DO TEMPO,  DAS  ACÇÕES NAS EXPERIÊNCIAS LONGO DO TEMPO DAS ACÇÕES NAS EXPERIÊNCIAS
  • 21. TÊNDENCIAS DISPOSIÇÕES INTERNAS DE UM  DISPOSIÇÕES INTERNAS DE UM ORGANISMO PARA EFECTUAR  DETERMINADAS ACÇÕES OU  FACILITAR A SUA EXECUÇÃO FACILITAR A SUA EXECUÇÃO
  • 22. PROCESSOS CONATIVOS MOTIVAÇÕES VONTADES INTENÇÕES TENDÊNCIAS LEVAM AO EMPENHAMENTO E INVESTIMENTO DE FORMA  INTENCIONAL E DIRIGIDA
  • 23. ESFORÇO DE  REALIZAÇÃO EMPENHO QUE  COLOCAMOS NAS COISAS  COLOCAMOS NAS COISAS QUE QUEREMOS  ALCANÇAR QUE CONSEGUIMOS  MANTER RELATIVAMENTE  À PROSSECUÇÃO DOS  NOSSOS DESEJOS E  NOSSOS DESEJOS E OBJECTIVOS
  • 24. MASLOW E A HIERARQUIA DAS NECESSIDADES NECESSIDADES  AUTO‐ REALIZAÇÂO Ç NECESSIDADES DE  ESTIMA NECESSIDADES DE AFECTO E DE  NECESSIDADES DE AFECTO E DE PERTENÇA NECESSIDADES DE SEGURANÇA NECESSIDADES FISIOLÓGICAS NECESSIDADES FISIOLÓGICAS
  • 25. ESFORÇO DE REALIZAÇÃO Ã AS PESSOAS SÓ TENDEM A ATINGIR UM NÍVEL  SUPERIOR DE MOTIVAÇÃO SE AS NECESSIDADES DE  NÍVEL ANTERIOR ESTIVEREM SATISFEITAS. AS  NECESSIDADES DE NÍVEL SUPERIOR DEPENDEM DA  NECESSIDADES DE NÍVEL SUPERIOR DEPENDEM DA SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES BÁSICAS.