SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
Estudo Elaborado: Pr. Ricardo Gondim
Hebreus – O homem diante
da Salvação
Aula 7 – EBD 2015
Hebreus 5
Cada Grande Sacerdote é escolhido entre os
homens e nomeado para servir a Deus em favor do
povo, apresentando a Deus ofertas e sacrifícios
pelos pecados.
Como ele próprio tem as suas fraquezas, pode ter
paciência com os ignorantes e com os que
cometem erros.
E, porque ele mesmo é fraco, precisa oferecer
sacrifícios não somente pelos pecados do povo,
mas também pelos seus próprios pecados.
Ninguém escolhe para si mesmo a honra de ser
Grande Sacerdote. É somente pela vontade de Deus
que um homem é chamado para ser Grande
Sacerdote, como aconteceu com Arão.
Assim também Cristo não tomou para si mesmo a
honra de ser Grande Sacerdote; foi Deus quem
lhe deu essa honra, pois lhe disse: “Você é o meu
Filho; hoje eu me tornei o seu Pai.” Em outro lugar
das Escrituras Sagradas, ele também disse: “Você
será sacerdote para sempre, na ordem do sacerdócio
de Melquisedeque.”
Durante a sua vida aqui na terra, Cristo, em voz alta
e com lágrimas, fez orações e súplicas a Deus,
que o podia salvar da morte. E as suas orações foram
atendidas porque ele era dedicado a Deus.
Embora fosse o Filho de Deus, ele aprendeu, por
meio dos seus sofrimentos, a ser obediente.
E, depois de ser aperfeiçoado, ele se tornou
a fonte da salvação eterna para todos os
que lhe obedecem.
E Deus o nomeou Grande Sacerdote, na
ordem do sacerdócio de Melquisedeque.
Salmo 110-4
Jurou o SENHOR, e não se arrependerá:
tu és um sacerdote eterno, segundo a
ordem de Melquisedeque.
Hebreus 5 – pontos destacados
• Antes de iniciar a 3ª. Exortação, o autor chama a
atenção para a superioridade do Sacerdócio de
Jesus Cristo.
• A seguir apresentam-se as qualificações para o
ofício de sumo sacerdote. Arão serve de modelo,
uma vez que ele foi o primeiro a servir no ofício
de sumo sacerdote da ordem de Levi.
• Deus em sua graça estabeleceu uma aliança com o
seu povo. A lei era simplesmente o padrão
proposto para aqueles que iriam aderir a essa
aliança.
• O papel da lei não é justificar, mas mostrar-nos
o que é o pecado. Ela foi a mestra para conduzir-
nos a Cristo.
Tenho muito a dizer sobre este assunto, mas é
difícil argumentar com vocês, pois se apegaram ao
mau hábito de não ouvir.
Vocês já deveriam ser mestres, mas percebo que
ainda precisam de alguém que se sente com vocês
e ensine de novo os princípios elementares
acerca de Deus, desde o início.
Estão bebendo leite materno, quando deveriam
estar, há muito tempo, ingerindo alimento sólido!
O leite é para principiantes, inexperientes nos
caminhos de Deus; o alimento sólido é para quem
tem maturidade e alguma prática em discernir o
certo do errado.
A mensagem (Eugene Petersen)
Hebreus 6:1-3
Portanto, vamos abandonar os rabiscos da pré-
escola e passar para as grandes obras de
arte que retratam Cristo. Cresçam em Cristo.
As verdades fundamentais estão estabelecidas:
virar as costas para a “salvação da autoajuda”
e se voltar para Deus com toda a
confiança; instruções batismais; imposição de
mãos; ressurreição dos mortos; castigo eterno.
Se Deus nos ajudar, permaneceremos fiéis
a tudo isso.
Mas isso não é tudo. Continuemos.
Paulo dogmaticamente diz que a
justificação se dá somente pela fé
(Efésios 2:8-9) . Paulo nos informa
que fomos criados para as boas obras
(Efésios 2:10). Paulo espera tanto de
uma vida transformada quanto Tiago,
a ênfase de Paulo é na fé.
Tiago aparentemente está dizendo
que a justificação é pela fé mais as
obras. Este aparente problema é
resolvido ao examinarmos com
precisão sobre o que discorre Tiago.
Tiago está negando a crença de que a
pessoa possa ter fé sem produzir
quaisquer boas obras (Tiago 2:17-18).
Tiago está enfatizando o argumento
de que a fé genuína em Cristo
produzirá uma vida transformada e
boas obras
Salvação
O pecado é uma pré-condição para a
salvação; e a salvação não é necessária se
não houver pecadores que necessitem dela.
Quanto à origem da salvação, existe um
consenso universal entre os teólogos
ortodoxos:
Deus é o autor da salvação, pois apesar
de o pecado humano ter a sua origem
nos homens, a salvação vem do céu, e
tem a sua origem em Deus.
• A origem da salvação é a vontade de Deus, que
decretou desde a eternidade que providenciaria a salvação
aqueles que cressem: “do SENHOR vem a salvação” (Jn
2.9).
• Como declarou Joao, os crentes são “filhos [...] os quais
não nasceram do sangue, nem da vontade da
carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo
1.13).
• Paulo acrescenta: “Assim, pois, isto não depende do
que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se
compadece” (Rm 9.16), pois “nos predestinou para
filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo,
segundo o beneplácito de sua vontade” (Ef 1.5).
• Em suma, a salvação se originou em uma decisão de Deus
em nos salvar. De outra forma, ninguém jamais
poderia ser resgatado.
• Apesar da fonte da salvação ser a decisão divina de nos
salvar, a natureza da salvação é a graça de Deus.
• O dom magnífico da vida eterna somente chega até nós
por intermédio da graça, e somente por ela: “Mas, se é
por graça, já não é pelas obras; de outra maneira,
a graça já não é graça” (Rm 11.6).
• Soteriologicamente falando, graça e obras são
mutuamente excludentes. “Fazer uma obra para obter
a graça” representa uma contradição terminológica, pois
“àquele que faz qualquer obra, não lhe é
imputado o galardão segundo a graça, mas
segundo a dívida” (Rm 4.4).
“Mas, àquele que não pratica, porém crê naquele
que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada
como justiça” (Rm 4.5).
Comparação de Termos Soteriológicos
Inteiramente baseada
na obra de Cristo. Ele
tornou-se maldição
por nós. Ele é a
propiciação pelos
nossos pecados.
A graça é recebida
diretamente pela fé,
que é um dom de
Deus. O Espírito Santo
habita
permanentemente no
crente
(Rm 3.25; G1 3.13; Ef
2.8-9).
Nós somos
justificados pela fé em
Cristo.
O seu sacrifício
satisfez as justas
exigências de Deus e
ele agora considera
como justos todos os
que nele confiam (Rm
4.5; 5.1).
A transformação
espiritual operada em
uma pessoa pelo
Espírito Santo, pela
qual ela passa a
possuir uma nova
vida.
A mudança do estado
de morte espiritual
para o de vida
espiritual. Uma
transformação da
nossa natureza (2 Co
5.17; Ef 2.1; 1 Jo 4-7).
A obra de Deus visando
desenvolver a nova vida
e levá-la à perfeição.
O afastamento do que é
pecaminoso e a
separação para um
propósito sagrado.
Embora santificados
plenamente em Cristo,
gradualmente estamos
nos tornando na
experiência aquilo que
somos em termos de
condição (Rm 6.11;
12.1; 1 Co 1.2).
A dimensão escatológica da Salvação
Adotando uma perspectiva simplista em relação a Salvação,
baseado nas afirmações de Paulo, podemos entender que
esta possui também uma dimensão escatológica e
cronológica. Podemos, por exemplo, encaixar os conceitos
de justificação, santificação e salvação em uma estrutura
simplificada de passado, presente e futuro.
• Justificação, um evento passado que apresenta
implicações no presente (santificação).
• Santificação, um evento presente, que depende
de um evento passado (justificação).
• Salvação, um evento futuro, já antecipado e
parcialmente experimentado por meio do evento
passado da justificação e do evento presente da
santificação e que, portanto, depende de ambos.
A dimensão escatológica da Salvação
• A origem da salvação esta na natureza de Deus,
que e um Ser amoroso (na sua onibenevolencia), já a
base da vontade divina em salvar os seres humanos
pecadores encontra-se na sua onipotência e na capacidade
concedida por Deus do livre-arbítrio humano.
• Como Deus é amor, e pelo fato do amor não poder ser
imposto sobre a parte amada (já que, como analisamos, um
“amor forcado” seria uma contradição), foi necessário
que, caso Deus desejasse amar e ser amado pelas
suas criaturas, Ele as criasse livres.
• Testemunhos a doutrina do livre-arbítrio humano (tanto
anteriores, quanto posteriores a Queda) podem ser
encontrados ao longo da historia da igreja.
Eleição e Livre-Arbítrio
• O primeiro dom que um eleito recebe para a
salvação é o conhecimento.
• O homem não pode buscar a Deus sem saber
quem Ele é e sem saber como deve fazê-lo.
• Deus é luz; o pecado são as trevas da alma
humana, a profunda escuridão que impede o
homem de ver a Deus como Ele realmente é, de
contemplar sua Verdade, sua Bondade e
sua Beleza absolutos.
• Pelo Espírito de Deus, são retiradas do homem as
amarras do pecado e ele pode então ver diante
de si a Deus como Ele realmente é.
23 "Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na
sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força;
não se glorie o rico nas suas riquezas,
24 Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me
entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que
faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque
destas coisas me agrado, diz o Senhor."
(Jeremias 9:24,25)
27 "Todas as coisas me foram entregues por meu
Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e
ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a
quem o Filho o quiser revelar."
(Mateus 11:27)
O Plano de Salvação
Deus previu tudo que aconteceria na queda do homem e planejou exatamente
a salvação necessária antes da fundação da terra. Antes do primeiro pecado
cometido no universo, antes da terrível crise provocada pelo homem rebelde,
que fora feito a imagem e semelhança da Divindade, o Senhor planejou e
proveu um meio de fuga das armadilhas e condenação do pecado. Nosso Deus
não foi pego de surpresa. Ele já sabia que a queda aconteceria e pré-ordenou
o plano perfeito para resgate do homem.
O plano de salvação de Deus é tão simples que o menor entre os filhos dos
homens tem totais condições de entendê-lo o bastante para se tornar
participante dele, experimentando assim seu poder transformador. Ao mesmo
tempo é tão profundo que nenhuma imperfeição jamais foi descoberta nele.
De fato, os que o conhecem melhor ficam continuamente espantados com a
idéia de que um e apenas um plano de salvação seja necessário para satisfazer
inúmeras carências espirituais em meio às variações quase ilimitadas das
necessidades dos homens em cada raça, cultura e situação entre as nações do
mundo.
CALVINISMO
A doutrina de Calvino não foi criada por ele, mas ensinada por
Agostinho, o grande teólogo do século IV. Tampouco foi criada por
Agostinho, que afirmava estar interpretando a doutrina do apostolo
Paulo sobre a graça de Deus.
A doutrina de Calvino: a salvação provém inteiramente de
Deus; o homem não tem condições nenhuma de prover sua
salvação. Se ele, o homem, arrepender-se, crer e se entregar a
Jesus Cristo, é inteiramente por causa do poder atrativo do
Espírito Santo de Deus. Isso se deve ao fato de que a vontade do
homem se corrompeu tanto desde a queda que sem a ajuda de Deus ele
não pode nem se arrepender, nem crer, nem escolher corretamente o
caminho da salvação. Esse foi o ponto de partida de Calvino, “entendo
como completa servidão da vontade do homem ao mal”. A salvação,
então, não pode ser de outra maneira senão a execução de um decreto
de Deus que fixa sua extensão e suas condições.
João 10.28-29 “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu
conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna,
e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da
minha mão.”
Romanos 11.29 “Porque os dons e a vocação de Deus
são sem arrependimento.”
Filipenses 1.6 “Tendo por certo isto mesmo, que aquele
que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até
ao dia de Jesus Cristo.”
I Pedro 1:5 “Que mediante a fé estais guardados na
virtude de Deus para a salvação, já prestes para se
revelar no último tempo.”
Romanos 8:35 “Quem nos separará do amor de Cristo?
A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou
a nudez, ou o perigo, ou a espada?”
João 6:37 “Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que
vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora”.
João 6:39 “E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que
nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas
que o ressuscite no último dia”.
João 6:44 “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me
enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”.
ARMINIANISMO
O ensino do arminianismo: a vontade de Deus é que todos os
homens sejam salvos; porque Cristo morreu por todos. Por
essa finalidade ele oferece sua graça a todos. Embora a salvação
seja obra de Deus, absolutamente livre e independente de nossas boas obras ou
méritos, o homem tem certas condições a cumprir. Ele pode
escolher aceitar a graça de Deus, ou pode resistir-lhe e
rejeitá-la. Seu direito de livre arbítrio sempre permanece.
As Escrituras certamente ensinam a predestinação, mas não que Deus predestinou
alguns para a vida eterna e outros para o sofrimento eterno. Ele predestina todos os
que querem ser salvos, e esse plano é bastante amplo para incluir todos que
realmente desejam ser salvos. Essa verdade é explicada da seguinte maneira: na
parte de fora da porta da salvação, lemos as palavras: “quem quiser, pode vir”;
quando entramos por essa porta e somos salvos, lemos as palavras no outro lado da
porta: “eleitos segundo a presciência de Deus”. Deus, em razão de seu conhecimento,
previu que essas pessoas aceitariam o evangelho e permaneceriam salvas, assim
predestinou para essas pessoas uma herança celestial. Ele previu o destino delas, mas
não o predeterminou nem interferiu.
I Timóteo 2:4-6 “Que quer que todos os homens se salvem, e venham
ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador
entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo
em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu
tempo.”
Hebreus 2:9 “Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus
que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da
morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.”
II Coríntios 5:14 “Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós
assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram.”
Tito 2:11-12 “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo
salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à
impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente
século sóbria, e justa, e piamente.”
Retornar para o texto
Hebreus 6:1-3
Portanto, vamos abandonar os rabiscos da pré-
escola e passar para as grandes obras de
arte que retratam Cristo. Cresçam em Cristo.
As verdades fundamentais estão estabelecidas:
virar as costas para a “salvação da autoajuda”
e se voltar para Deus com toda a
confiança; instruções batismais; imposição de
mãos; ressurreição dos mortos; castigo eterno.
Se Deus nos ajudar, permaneceremos fiéis
a tudo isso.
Mas isso não é tudo. Continuemos.
Hebreus
4 Porque é impossível que os que já uma vez foram
iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram
participantes do Espírito Santo,
5 E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século
futuro,
6 E recaíram, sejam outra vez renovados para
arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo
crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério.
7 Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai
sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é
lavrada, recebe a bênção de Deus;
8 Mas a que produz espinhos e abrolhos, é reprovada, e
perto está da maldição; o seu fim é ser queimada.
9 Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e
coisas que acompanham a salvação, ainda que assim
falamos.
Hebreus (texto grego LTT – melhor tradução)
4 Porque é impossível àqueles já de uma vez por todas
havendo sido iluminados, e havendo provado do dom- gratuito
celestial, e havendo sido tornados participantes do Espírito Santo,
5 E havendo provado da boa Palavra de Deus e dos poderes do
mundo que está vindo,
6 E havendo recaído, outra vez renová-los para arrependimento,
assim novamente- crucificando o Filho de Deus para (salvação de) si
mesmos, e O expondo à vergonha pública.
7 (Porque a terra, havendo embebido a chuva (aquela
freqüentemente caindo sobre ela) e produzindo erva proveitosa
para aqueles através de quem também é lavrada, recebe a bênção
proveniente- de- junto- de Deus;
8 Mas aquela (terra) produzindo espinhos e abrolhos {*}, é
reprovada, e perto está da maldição; da qual o fim é para a
queima.)
Impossibilidade dos que experimentaram
King James Calvinistas históricos
Apóstolo Paulo Santo Agostinho João Calvino
A doutrina de Calvino não foi criada por ele, mas
ensinada por Agostinho, o grande teólogo do
século IV. Tampouco foi criada por Agostinho, que
afirmava estar interpretando a doutrina do
apostolo Paulo sobre a graça de Deus.
Os problemas na compreensão de Hebreus 6 acaloraram ao longo dos anos a discussão soteriológica e uma
quantidade muito significativa de interpretações do texto tem surgido. Sendo, como na concepção do
teólogo Willian Barclay, “uma das mais terríveis passagens nas Escrituras, que começa com uma
espécie de lista dos privilégios da vida cristã” sem dúvida essa é uma das porções neotestamentárias
que mais tem desafiado os estudiosos.
Análise do Texto
4 ​É impossível, (g. adunatos=incapaz de ser feito) pois, (g.gar=porque)
que aqueles que uma vez (g.hapax=uma vez por todas)
 É o desejo de Deus que o crente progrida para a
maturidade, embora não o obrigue a fazê-lo (6:3- Vamos
em frente! E, se Deus quiser, é isso o que faremos.).
 Alguns daqueles judeus já teriam regredido ao
ponto de não poderem avançar mais. Pensavam que
tinham a opção de voltar atrás ao judaísmo e depois
arrepender-se para voltar à fé cristã, assim apagando o
pecado de apostasia.
Mas conforme a sua posição diante de Deus,
eles não tinham essa opção, pois era
impossível.
A Identidade dos Iluminados
A identidade daqueles que o autor de Hebreus tem em mira
na passagem precisa ser identificada.
Eles são descritos “em cinco orações subordinadas
consecutivas”, identificados como
1. “aqueles que uma vez foram iluminados,
2. e provaram o dom celestial,
3. e se tornaram participantes do Espírito Santo,
4. e provaram a boa palavra de Deus
5. e os poderes do mundo vindouro”
1.“aqueles que uma vez foram iluminados,
A questão principal aqui é identificar quem são os
iluminados?
 À primeira vista parece que as pessoas descritas aqui eram
verdadeiros crentes que caíram. Grant R. Osborne, comentando
essa passagem, diz o seguinte: “Não há descrição mais
detalhada do crente verdadeiro em todo o Novo Testamento”.
 Outros, porém, a interpretam de maneira diferente. John Owen,
em seu comentário sobre Hebreus, oferece quatro razões pelas
quais as pessoas aqui não eram verdadeiros crentes:
(1) Não há menção à sua fé.
(2) A despeito do que se diga delas, não se diz que foram
regeneradas, santificadas ou que foram feitas filhos de Deus.
(3) Elas são comparadas, no verso 8, à terra que produz espinhos e
abrolhos, prontas para serem queimadas.
(4) Elas são distintas dos verdadeiros crentes.
 Encontramos a expressão “iluminados” (photizo, que conta com 11
ocorrências no NT) outra vez em Hebreus 10.32 aplicada
diretamente aos leitores: “Lembrai-vos, porém, dos dias
anteriores, em que, depois de iluminados, sustentastes grande luta e
sofrimentos”.
 Nesse contexto a expressão parece estar
relacionada à experiência concreta de fé em Cristo,
o que não é de forma alguma uma idéia estranha
ao Novo Testamento se for observado textos como João 1.9, Efésios 1.18
e 2 Timóteo 1.10.
 Ademais, segundo o Apóstolo Paulo em Atos, sua vocação
apostólica às nações tinha por propósito “lhes abrires os olhos
e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para
Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre
os que são santificados pela fé em mim” (26:18).
 Assim, a iluminação da qual Hebreus trata “não pode de
forma alguma ser confinada a uma mera convicção ou um
entusiasmo religioso temporário”.
 Assim, a iluminação da qual Hebreus trata “não
pode de forma alguma ser confinada a um mera
convicção ou entusiasmo religoso temporário”.
 Ser “iluminado”, mesmo antes do Novo
Testamento e a parte do contexto judaico-
cristão, indicava uma experiência e uma relação
com o universo das divindades que, mormente
estava relacionado à metáfora da luz.
 Uma profunda experiência relacionada
a salvação, justificação, regeneração e
santificação
1. “aqueles que uma vez foram iluminados,
2. e provaram o dom celestial,
“e (g.te= não apenas, mas também) provaram (g.geuomai =
experimentaram, testaram o sabor de, provaram, serviram-se) o
dom (g.dorea = dádiva, presente) celestial, (g.epouranios =
coisas do céu, templo celeste ou santuário, habitação de Deus o céu
em si mesmo) ou seja, tiveram experiência real do dom
de Deus que era o Messias.
 Uma profunda experiência com
Cristo, provando o dom Celestial de
Deus
3. e se tornaram participantes do Espírito Santo,
e (g.te = não apenas, mas também) se tornaram (g.ginomai =
vir a existência, começar a ser, começar a vida, erguer-se, aparecer
na historia, apresentaram-se em público) participantes
(g.metochos = comunhão, companheiro) do Espírito (g.penuma
= Espírito, Terceira Pessoa da Trindade, SantoEspírito) Santo,
receberam o Espírito Santo ao se converterem
 Uma profunda experiência com E.S. ,
tornando-se participante de Sua obra
4. e provaram a boa palavra de Deus
​e (g.te= não apenas, mas também) provaram (g.geuomai =
experimentaram, testaram o sabor de, provaram, serviram-se) a
boa (g.kalos = excelente, eminente, escolhido, insuperável,
preciosa, proveitosa, apropriada, recomendável, admirável)
palavra (g.rhema = aquilo que é ou foi proferido por viva voz,
algo falado, palavra, fala, discurso) de Deus
foram beneficiados com o conhecimento e ensino
da Palavra
 Uma profunda experiência com a Palavra
de Deus, provando de sua eficácia,
benefício e conhecimento
5. e os poderes do mundo vindouro”
e (g.te = não apenas, mas também) os poderes (g.dunanis =
poder, força, poder que reside numa coisa pela virtude de sua
natureza, poder para realizar milagres, poder moral, excelência de
alma) do mundo (g.aion = para sempre, eternidade, universo,
periodo de tempo, geração) vindouro, (g.mello = idéia de
expectativa, estar prestes, estar a pontod e)
viram milagres apostólicos, amostra dos poderes
que serão manifestados no reino do Messias
 Uma profunda experiência com a certeza dos
benefícios que serão manifestados no Reino.
Hebreus
4 Porque é impossível que os que já uma vez foram
iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram
participantes do Espírito Santo,
5 E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século
futuro,
6 E recaíram, sejam outra vez renovados para
arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo
crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério.
7 Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai
sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é
lavrada, recebe a bênção de Deus;
8 Mas a que produz espinhos e abrolhos, é reprovada, e
perto está da maldição; o seu fim é ser queimada.
9 Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e
coisas que acompanham a salvação, ainda que assim
falamos.
Aula 7   O homem diante da salvação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3º módulo 2ª aula
3º módulo   2ª aula3º módulo   2ª aula
3º módulo 2ª aulaJoel Silva
 
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOSLição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOSErberson Pinheiro
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaÉder Tomé
 
3º módulo 1ª aula
3º módulo   1ª aula3º módulo   1ª aula
3º módulo 1ª aulaJoel Silva
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoÉder Tomé
 
6º módulo 2ª aula
6º módulo   2ª aula6º módulo   2ª aula
6º módulo 2ª aulaJoel Silva
 
3º módulo 3ª aula
3º módulo   3ª aula3º módulo   3ª aula
3º módulo 3ª aulaJoel Silva
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseirosRicardo Gondim
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouErberson Pinheiro
 
O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32
O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32
O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32Pr Neto
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aulaJoel Silva
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusErberson Pinheiro
 
Fé_Completo
Fé_CompletoFé_Completo
Fé_CompletoPr Neto
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipuladoValdinar Viana
 
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaLição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaÉder Tomé
 
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorLição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorÉder Tomé
 
4º módulo 4ª aula
4º módulo   4ª aula4º módulo   4ª aula
4º módulo 4ª aulaJoel Silva
 

Mais procurados (20)

3º módulo 2ª aula
3º módulo   2ª aula3º módulo   2ª aula
3º módulo 2ª aula
 
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOSLição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
Lição 12 - A IGREJA E A SALVAÇÃO DOS PERDIDOS
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
 
3º módulo 1ª aula
3º módulo   1ª aula3º módulo   1ª aula
3º módulo 1ª aula
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
 
6º módulo 2ª aula
6º módulo   2ª aula6º módulo   2ª aula
6º módulo 2ª aula
 
3º módulo 3ª aula
3º módulo   3ª aula3º módulo   3ª aula
3º módulo 3ª aula
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseiros
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
 
Apostila soterologia
Apostila soterologiaApostila soterologia
Apostila soterologia
 
O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32
O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32
O arrependimento - Texto Básico: Salmos 32
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
 
Fé_Completo
Fé_CompletoFé_Completo
Fé_Completo
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
 
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaLição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
 
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo ConvertidoLição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
 
O batismo nas águas
O batismo nas águasO batismo nas águas
O batismo nas águas
 
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem SuperiorLição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior
 
4º módulo 4ª aula
4º módulo   4ª aula4º módulo   4ª aula
4º módulo 4ª aula
 

Destaque (20)

Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
 
Conhecendo a salvação
Conhecendo a salvaçãoConhecendo a salvação
Conhecendo a salvação
 
Plano salvação
Plano salvaçãoPlano salvação
Plano salvação
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
Salvação aspectos espirituais 1
Salvação aspectos espirituais 1Salvação aspectos espirituais 1
Salvação aspectos espirituais 1
 
Pronae aula 13
Pronae aula 13Pronae aula 13
Pronae aula 13
 
[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco
[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco
[RESUMO] Amor de salvação - Camilo Castelo Branco
 
Plano da salvação
Plano da salvaçãoPlano da salvação
Plano da salvação
 
O plano da salvação 02
O plano da salvação 02O plano da salvação 02
O plano da salvação 02
 
A certeza da salvacao 03072011
A certeza da salvacao 03072011A certeza da salvacao 03072011
A certeza da salvacao 03072011
 
Louvar é bom demais
Louvar é bom demaisLouvar é bom demais
Louvar é bom demais
 
4º trimestre 2015 juvenis lição 06
4º trimestre 2015 juvenis lição 064º trimestre 2015 juvenis lição 06
4º trimestre 2015 juvenis lição 06
 
Lição 5 JUVENIS (a grande tribulação) PROF.LEONARDO
Lição 5 JUVENIS (a grande tribulação) PROF.LEONARDOLição 5 JUVENIS (a grande tribulação) PROF.LEONARDO
Lição 5 JUVENIS (a grande tribulação) PROF.LEONARDO
 
A Certeza da Salvação
A Certeza da SalvaçãoA Certeza da Salvação
A Certeza da Salvação
 
Hosana
HosanaHosana
Hosana
 

Semelhante a Aula 7 O homem diante da salvação

E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05Joel Silva
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxKARINEVONEYVIEIRABAR
 
ocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptx
ocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptxocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptx
ocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptxTiago Silva
 
Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016
Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016
Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016Pr. Andre Luiz
 
Ebd adultos 2º trimestre 2016 - lição 03
Ebd adultos   2º trimestre 2016 - lição 03Ebd adultos   2º trimestre 2016 - lição 03
Ebd adultos 2º trimestre 2016 - lição 03Joel Silva
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais altapohlos
 
2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 03.pptxJoel Silva
 
40 reavivamento verdadeiro completo
40   reavivamento verdadeiro completo40   reavivamento verdadeiro completo
40 reavivamento verdadeiro completoDivanilson Cardoso
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09Joel Silva
 
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016Joel Silva
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa GraçaAndrew Guimarães
 
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos OliveiraA Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos OliveiraLuis Carlos Oliveira
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusÉder Tomé
 

Semelhante a Aula 7 O homem diante da salvação (20)

E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
 
A predestinacao john stot
A predestinacao john stotA predestinacao john stot
A predestinacao john stot
 
Justificação estudo
Justificação estudoJustificação estudo
Justificação estudo
 
Somos a justiça de deus
Somos a justiça de deusSomos a justiça de deus
Somos a justiça de deus
 
ocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptx
ocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptxocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptx
ocaminhodavidaeterna-161120121812 (1) (1).pptx
 
Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016
Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016
Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo - Lição 03 - 2º Trimestre de 2016
 
Licao 10
Licao 10Licao 10
Licao 10
 
O caminho da vida eterna.
O caminho da vida eterna.O caminho da vida eterna.
O caminho da vida eterna.
 
Ebd adultos 2º trimestre 2016 - lição 03
Ebd adultos   2º trimestre 2016 - lição 03Ebd adultos   2º trimestre 2016 - lição 03
Ebd adultos 2º trimestre 2016 - lição 03
 
55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
 
2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 03.pptx
 
40 reavivamento verdadeiro completo
40   reavivamento verdadeiro completo40   reavivamento verdadeiro completo
40 reavivamento verdadeiro completo
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 09
 
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
 
3 romanos.pptx
3 romanos.pptx3 romanos.pptx
3 romanos.pptx
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos OliveiraA Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
 
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de DeusSlide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
Slide Lição 03 - A maravilhosa e inefável graça de Deus
 
39 artigos
39 artigos39 artigos
39 artigos
 

Mais de Ricardo Gondim

Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação siteRicardo Gondim
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoRicardo Gondim
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Ricardo Gondim
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Ricardo Gondim
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Ricardo Gondim
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTRicardo Gondim
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculoRicardo Gondim
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaRicardo Gondim
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusRicardo Gondim
 

Mais de Ricardo Gondim (17)

Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da Vida
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
 

Último

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 

Último (8)

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 

Aula 7 O homem diante da salvação

  • 1. Estudo Elaborado: Pr. Ricardo Gondim Hebreus – O homem diante da Salvação Aula 7 – EBD 2015
  • 2. Hebreus 5 Cada Grande Sacerdote é escolhido entre os homens e nomeado para servir a Deus em favor do povo, apresentando a Deus ofertas e sacrifícios pelos pecados. Como ele próprio tem as suas fraquezas, pode ter paciência com os ignorantes e com os que cometem erros. E, porque ele mesmo é fraco, precisa oferecer sacrifícios não somente pelos pecados do povo, mas também pelos seus próprios pecados. Ninguém escolhe para si mesmo a honra de ser Grande Sacerdote. É somente pela vontade de Deus que um homem é chamado para ser Grande Sacerdote, como aconteceu com Arão.
  • 3. Assim também Cristo não tomou para si mesmo a honra de ser Grande Sacerdote; foi Deus quem lhe deu essa honra, pois lhe disse: “Você é o meu Filho; hoje eu me tornei o seu Pai.” Em outro lugar das Escrituras Sagradas, ele também disse: “Você será sacerdote para sempre, na ordem do sacerdócio de Melquisedeque.” Durante a sua vida aqui na terra, Cristo, em voz alta e com lágrimas, fez orações e súplicas a Deus, que o podia salvar da morte. E as suas orações foram atendidas porque ele era dedicado a Deus. Embora fosse o Filho de Deus, ele aprendeu, por meio dos seus sofrimentos, a ser obediente.
  • 4. E, depois de ser aperfeiçoado, ele se tornou a fonte da salvação eterna para todos os que lhe obedecem. E Deus o nomeou Grande Sacerdote, na ordem do sacerdócio de Melquisedeque. Salmo 110-4 Jurou o SENHOR, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque.
  • 5. Hebreus 5 – pontos destacados • Antes de iniciar a 3ª. Exortação, o autor chama a atenção para a superioridade do Sacerdócio de Jesus Cristo. • A seguir apresentam-se as qualificações para o ofício de sumo sacerdote. Arão serve de modelo, uma vez que ele foi o primeiro a servir no ofício de sumo sacerdote da ordem de Levi. • Deus em sua graça estabeleceu uma aliança com o seu povo. A lei era simplesmente o padrão proposto para aqueles que iriam aderir a essa aliança. • O papel da lei não é justificar, mas mostrar-nos o que é o pecado. Ela foi a mestra para conduzir- nos a Cristo.
  • 6.
  • 7. Tenho muito a dizer sobre este assunto, mas é difícil argumentar com vocês, pois se apegaram ao mau hábito de não ouvir. Vocês já deveriam ser mestres, mas percebo que ainda precisam de alguém que se sente com vocês e ensine de novo os princípios elementares acerca de Deus, desde o início. Estão bebendo leite materno, quando deveriam estar, há muito tempo, ingerindo alimento sólido! O leite é para principiantes, inexperientes nos caminhos de Deus; o alimento sólido é para quem tem maturidade e alguma prática em discernir o certo do errado. A mensagem (Eugene Petersen)
  • 8. Hebreus 6:1-3 Portanto, vamos abandonar os rabiscos da pré- escola e passar para as grandes obras de arte que retratam Cristo. Cresçam em Cristo. As verdades fundamentais estão estabelecidas: virar as costas para a “salvação da autoajuda” e se voltar para Deus com toda a confiança; instruções batismais; imposição de mãos; ressurreição dos mortos; castigo eterno. Se Deus nos ajudar, permaneceremos fiéis a tudo isso. Mas isso não é tudo. Continuemos.
  • 9. Paulo dogmaticamente diz que a justificação se dá somente pela fé (Efésios 2:8-9) . Paulo nos informa que fomos criados para as boas obras (Efésios 2:10). Paulo espera tanto de uma vida transformada quanto Tiago, a ênfase de Paulo é na fé. Tiago aparentemente está dizendo que a justificação é pela fé mais as obras. Este aparente problema é resolvido ao examinarmos com precisão sobre o que discorre Tiago. Tiago está negando a crença de que a pessoa possa ter fé sem produzir quaisquer boas obras (Tiago 2:17-18). Tiago está enfatizando o argumento de que a fé genuína em Cristo produzirá uma vida transformada e boas obras
  • 10. Salvação O pecado é uma pré-condição para a salvação; e a salvação não é necessária se não houver pecadores que necessitem dela. Quanto à origem da salvação, existe um consenso universal entre os teólogos ortodoxos: Deus é o autor da salvação, pois apesar de o pecado humano ter a sua origem nos homens, a salvação vem do céu, e tem a sua origem em Deus.
  • 11. • A origem da salvação é a vontade de Deus, que decretou desde a eternidade que providenciaria a salvação aqueles que cressem: “do SENHOR vem a salvação” (Jn 2.9). • Como declarou Joao, os crentes são “filhos [...] os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo 1.13). • Paulo acrescenta: “Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece” (Rm 9.16), pois “nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade” (Ef 1.5). • Em suma, a salvação se originou em uma decisão de Deus em nos salvar. De outra forma, ninguém jamais poderia ser resgatado.
  • 12. • Apesar da fonte da salvação ser a decisão divina de nos salvar, a natureza da salvação é a graça de Deus. • O dom magnífico da vida eterna somente chega até nós por intermédio da graça, e somente por ela: “Mas, se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça” (Rm 11.6). • Soteriologicamente falando, graça e obras são mutuamente excludentes. “Fazer uma obra para obter a graça” representa uma contradição terminológica, pois “àquele que faz qualquer obra, não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida” (Rm 4.4). “Mas, àquele que não pratica, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça” (Rm 4.5).
  • 13. Comparação de Termos Soteriológicos Inteiramente baseada na obra de Cristo. Ele tornou-se maldição por nós. Ele é a propiciação pelos nossos pecados. A graça é recebida diretamente pela fé, que é um dom de Deus. O Espírito Santo habita permanentemente no crente (Rm 3.25; G1 3.13; Ef 2.8-9). Nós somos justificados pela fé em Cristo. O seu sacrifício satisfez as justas exigências de Deus e ele agora considera como justos todos os que nele confiam (Rm 4.5; 5.1). A transformação espiritual operada em uma pessoa pelo Espírito Santo, pela qual ela passa a possuir uma nova vida. A mudança do estado de morte espiritual para o de vida espiritual. Uma transformação da nossa natureza (2 Co 5.17; Ef 2.1; 1 Jo 4-7). A obra de Deus visando desenvolver a nova vida e levá-la à perfeição. O afastamento do que é pecaminoso e a separação para um propósito sagrado. Embora santificados plenamente em Cristo, gradualmente estamos nos tornando na experiência aquilo que somos em termos de condição (Rm 6.11; 12.1; 1 Co 1.2).
  • 14. A dimensão escatológica da Salvação Adotando uma perspectiva simplista em relação a Salvação, baseado nas afirmações de Paulo, podemos entender que esta possui também uma dimensão escatológica e cronológica. Podemos, por exemplo, encaixar os conceitos de justificação, santificação e salvação em uma estrutura simplificada de passado, presente e futuro. • Justificação, um evento passado que apresenta implicações no presente (santificação). • Santificação, um evento presente, que depende de um evento passado (justificação). • Salvação, um evento futuro, já antecipado e parcialmente experimentado por meio do evento passado da justificação e do evento presente da santificação e que, portanto, depende de ambos.
  • 15. A dimensão escatológica da Salvação • A origem da salvação esta na natureza de Deus, que e um Ser amoroso (na sua onibenevolencia), já a base da vontade divina em salvar os seres humanos pecadores encontra-se na sua onipotência e na capacidade concedida por Deus do livre-arbítrio humano. • Como Deus é amor, e pelo fato do amor não poder ser imposto sobre a parte amada (já que, como analisamos, um “amor forcado” seria uma contradição), foi necessário que, caso Deus desejasse amar e ser amado pelas suas criaturas, Ele as criasse livres. • Testemunhos a doutrina do livre-arbítrio humano (tanto anteriores, quanto posteriores a Queda) podem ser encontrados ao longo da historia da igreja.
  • 16. Eleição e Livre-Arbítrio • O primeiro dom que um eleito recebe para a salvação é o conhecimento. • O homem não pode buscar a Deus sem saber quem Ele é e sem saber como deve fazê-lo. • Deus é luz; o pecado são as trevas da alma humana, a profunda escuridão que impede o homem de ver a Deus como Ele realmente é, de contemplar sua Verdade, sua Bondade e sua Beleza absolutos. • Pelo Espírito de Deus, são retiradas do homem as amarras do pecado e ele pode então ver diante de si a Deus como Ele realmente é.
  • 17. 23 "Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas, 24 Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor." (Jeremias 9:24,25) 27 "Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar." (Mateus 11:27)
  • 18. O Plano de Salvação Deus previu tudo que aconteceria na queda do homem e planejou exatamente a salvação necessária antes da fundação da terra. Antes do primeiro pecado cometido no universo, antes da terrível crise provocada pelo homem rebelde, que fora feito a imagem e semelhança da Divindade, o Senhor planejou e proveu um meio de fuga das armadilhas e condenação do pecado. Nosso Deus não foi pego de surpresa. Ele já sabia que a queda aconteceria e pré-ordenou o plano perfeito para resgate do homem. O plano de salvação de Deus é tão simples que o menor entre os filhos dos homens tem totais condições de entendê-lo o bastante para se tornar participante dele, experimentando assim seu poder transformador. Ao mesmo tempo é tão profundo que nenhuma imperfeição jamais foi descoberta nele. De fato, os que o conhecem melhor ficam continuamente espantados com a idéia de que um e apenas um plano de salvação seja necessário para satisfazer inúmeras carências espirituais em meio às variações quase ilimitadas das necessidades dos homens em cada raça, cultura e situação entre as nações do mundo.
  • 19. CALVINISMO A doutrina de Calvino não foi criada por ele, mas ensinada por Agostinho, o grande teólogo do século IV. Tampouco foi criada por Agostinho, que afirmava estar interpretando a doutrina do apostolo Paulo sobre a graça de Deus. A doutrina de Calvino: a salvação provém inteiramente de Deus; o homem não tem condições nenhuma de prover sua salvação. Se ele, o homem, arrepender-se, crer e se entregar a Jesus Cristo, é inteiramente por causa do poder atrativo do Espírito Santo de Deus. Isso se deve ao fato de que a vontade do homem se corrompeu tanto desde a queda que sem a ajuda de Deus ele não pode nem se arrepender, nem crer, nem escolher corretamente o caminho da salvação. Esse foi o ponto de partida de Calvino, “entendo como completa servidão da vontade do homem ao mal”. A salvação, então, não pode ser de outra maneira senão a execução de um decreto de Deus que fixa sua extensão e suas condições.
  • 20. João 10.28-29 “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.” Romanos 11.29 “Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento.” Filipenses 1.6 “Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo.” I Pedro 1:5 “Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo.”
  • 21. Romanos 8:35 “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?” João 6:37 “Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora”. João 6:39 “E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia”. João 6:44 “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”.
  • 22. ARMINIANISMO O ensino do arminianismo: a vontade de Deus é que todos os homens sejam salvos; porque Cristo morreu por todos. Por essa finalidade ele oferece sua graça a todos. Embora a salvação seja obra de Deus, absolutamente livre e independente de nossas boas obras ou méritos, o homem tem certas condições a cumprir. Ele pode escolher aceitar a graça de Deus, ou pode resistir-lhe e rejeitá-la. Seu direito de livre arbítrio sempre permanece. As Escrituras certamente ensinam a predestinação, mas não que Deus predestinou alguns para a vida eterna e outros para o sofrimento eterno. Ele predestina todos os que querem ser salvos, e esse plano é bastante amplo para incluir todos que realmente desejam ser salvos. Essa verdade é explicada da seguinte maneira: na parte de fora da porta da salvação, lemos as palavras: “quem quiser, pode vir”; quando entramos por essa porta e somos salvos, lemos as palavras no outro lado da porta: “eleitos segundo a presciência de Deus”. Deus, em razão de seu conhecimento, previu que essas pessoas aceitariam o evangelho e permaneceriam salvas, assim predestinou para essas pessoas uma herança celestial. Ele previu o destino delas, mas não o predeterminou nem interferiu.
  • 23. I Timóteo 2:4-6 “Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.” Hebreus 2:9 “Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.” II Coríntios 5:14 “Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram.” Tito 2:11-12 “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente.”
  • 24. Retornar para o texto Hebreus 6:1-3 Portanto, vamos abandonar os rabiscos da pré- escola e passar para as grandes obras de arte que retratam Cristo. Cresçam em Cristo. As verdades fundamentais estão estabelecidas: virar as costas para a “salvação da autoajuda” e se voltar para Deus com toda a confiança; instruções batismais; imposição de mãos; ressurreição dos mortos; castigo eterno. Se Deus nos ajudar, permaneceremos fiéis a tudo isso. Mas isso não é tudo. Continuemos.
  • 25. Hebreus 4 Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, 5 E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, 6 E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério. 7 Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção de Deus; 8 Mas a que produz espinhos e abrolhos, é reprovada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada. 9 Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e coisas que acompanham a salvação, ainda que assim falamos.
  • 26. Hebreus (texto grego LTT – melhor tradução) 4 Porque é impossível àqueles já de uma vez por todas havendo sido iluminados, e havendo provado do dom- gratuito celestial, e havendo sido tornados participantes do Espírito Santo, 5 E havendo provado da boa Palavra de Deus e dos poderes do mundo que está vindo, 6 E havendo recaído, outra vez renová-los para arrependimento, assim novamente- crucificando o Filho de Deus para (salvação de) si mesmos, e O expondo à vergonha pública. 7 (Porque a terra, havendo embebido a chuva (aquela freqüentemente caindo sobre ela) e produzindo erva proveitosa para aqueles através de quem também é lavrada, recebe a bênção proveniente- de- junto- de Deus; 8 Mas aquela (terra) produzindo espinhos e abrolhos {*}, é reprovada, e perto está da maldição; da qual o fim é para a queima.)
  • 27. Impossibilidade dos que experimentaram King James Calvinistas históricos Apóstolo Paulo Santo Agostinho João Calvino A doutrina de Calvino não foi criada por ele, mas ensinada por Agostinho, o grande teólogo do século IV. Tampouco foi criada por Agostinho, que afirmava estar interpretando a doutrina do apostolo Paulo sobre a graça de Deus. Os problemas na compreensão de Hebreus 6 acaloraram ao longo dos anos a discussão soteriológica e uma quantidade muito significativa de interpretações do texto tem surgido. Sendo, como na concepção do teólogo Willian Barclay, “uma das mais terríveis passagens nas Escrituras, que começa com uma espécie de lista dos privilégios da vida cristã” sem dúvida essa é uma das porções neotestamentárias que mais tem desafiado os estudiosos.
  • 28. Análise do Texto 4 ​É impossível, (g. adunatos=incapaz de ser feito) pois, (g.gar=porque) que aqueles que uma vez (g.hapax=uma vez por todas)  É o desejo de Deus que o crente progrida para a maturidade, embora não o obrigue a fazê-lo (6:3- Vamos em frente! E, se Deus quiser, é isso o que faremos.).  Alguns daqueles judeus já teriam regredido ao ponto de não poderem avançar mais. Pensavam que tinham a opção de voltar atrás ao judaísmo e depois arrepender-se para voltar à fé cristã, assim apagando o pecado de apostasia. Mas conforme a sua posição diante de Deus, eles não tinham essa opção, pois era impossível.
  • 29. A Identidade dos Iluminados A identidade daqueles que o autor de Hebreus tem em mira na passagem precisa ser identificada. Eles são descritos “em cinco orações subordinadas consecutivas”, identificados como 1. “aqueles que uma vez foram iluminados, 2. e provaram o dom celestial, 3. e se tornaram participantes do Espírito Santo, 4. e provaram a boa palavra de Deus 5. e os poderes do mundo vindouro”
  • 30. 1.“aqueles que uma vez foram iluminados, A questão principal aqui é identificar quem são os iluminados?  À primeira vista parece que as pessoas descritas aqui eram verdadeiros crentes que caíram. Grant R. Osborne, comentando essa passagem, diz o seguinte: “Não há descrição mais detalhada do crente verdadeiro em todo o Novo Testamento”.  Outros, porém, a interpretam de maneira diferente. John Owen, em seu comentário sobre Hebreus, oferece quatro razões pelas quais as pessoas aqui não eram verdadeiros crentes: (1) Não há menção à sua fé. (2) A despeito do que se diga delas, não se diz que foram regeneradas, santificadas ou que foram feitas filhos de Deus. (3) Elas são comparadas, no verso 8, à terra que produz espinhos e abrolhos, prontas para serem queimadas. (4) Elas são distintas dos verdadeiros crentes.
  • 31.  Encontramos a expressão “iluminados” (photizo, que conta com 11 ocorrências no NT) outra vez em Hebreus 10.32 aplicada diretamente aos leitores: “Lembrai-vos, porém, dos dias anteriores, em que, depois de iluminados, sustentastes grande luta e sofrimentos”.  Nesse contexto a expressão parece estar relacionada à experiência concreta de fé em Cristo, o que não é de forma alguma uma idéia estranha ao Novo Testamento se for observado textos como João 1.9, Efésios 1.18 e 2 Timóteo 1.10.  Ademais, segundo o Apóstolo Paulo em Atos, sua vocação apostólica às nações tinha por propósito “lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim” (26:18).  Assim, a iluminação da qual Hebreus trata “não pode de forma alguma ser confinada a uma mera convicção ou um entusiasmo religioso temporário”.
  • 32.  Assim, a iluminação da qual Hebreus trata “não pode de forma alguma ser confinada a um mera convicção ou entusiasmo religoso temporário”.  Ser “iluminado”, mesmo antes do Novo Testamento e a parte do contexto judaico- cristão, indicava uma experiência e uma relação com o universo das divindades que, mormente estava relacionado à metáfora da luz.  Uma profunda experiência relacionada a salvação, justificação, regeneração e santificação 1. “aqueles que uma vez foram iluminados,
  • 33. 2. e provaram o dom celestial, “e (g.te= não apenas, mas também) provaram (g.geuomai = experimentaram, testaram o sabor de, provaram, serviram-se) o dom (g.dorea = dádiva, presente) celestial, (g.epouranios = coisas do céu, templo celeste ou santuário, habitação de Deus o céu em si mesmo) ou seja, tiveram experiência real do dom de Deus que era o Messias.  Uma profunda experiência com Cristo, provando o dom Celestial de Deus
  • 34. 3. e se tornaram participantes do Espírito Santo, e (g.te = não apenas, mas também) se tornaram (g.ginomai = vir a existência, começar a ser, começar a vida, erguer-se, aparecer na historia, apresentaram-se em público) participantes (g.metochos = comunhão, companheiro) do Espírito (g.penuma = Espírito, Terceira Pessoa da Trindade, SantoEspírito) Santo, receberam o Espírito Santo ao se converterem  Uma profunda experiência com E.S. , tornando-se participante de Sua obra
  • 35. 4. e provaram a boa palavra de Deus ​e (g.te= não apenas, mas também) provaram (g.geuomai = experimentaram, testaram o sabor de, provaram, serviram-se) a boa (g.kalos = excelente, eminente, escolhido, insuperável, preciosa, proveitosa, apropriada, recomendável, admirável) palavra (g.rhema = aquilo que é ou foi proferido por viva voz, algo falado, palavra, fala, discurso) de Deus foram beneficiados com o conhecimento e ensino da Palavra  Uma profunda experiência com a Palavra de Deus, provando de sua eficácia, benefício e conhecimento
  • 36. 5. e os poderes do mundo vindouro” e (g.te = não apenas, mas também) os poderes (g.dunanis = poder, força, poder que reside numa coisa pela virtude de sua natureza, poder para realizar milagres, poder moral, excelência de alma) do mundo (g.aion = para sempre, eternidade, universo, periodo de tempo, geração) vindouro, (g.mello = idéia de expectativa, estar prestes, estar a pontod e) viram milagres apostólicos, amostra dos poderes que serão manifestados no reino do Messias  Uma profunda experiência com a certeza dos benefícios que serão manifestados no Reino.
  • 37. Hebreus 4 Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, 5 E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, 6 E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério. 7 Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção de Deus; 8 Mas a que produz espinhos e abrolhos, é reprovada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada. 9 Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e coisas que acompanham a salvação, ainda que assim falamos.